Issuu on Google+

Ano VI - Edição N. 61 - Belo Horizonte, de 19 de dezembro de 2012 a 20 de janeiro de 2013

23ª Cia. PM pode voltar para a Cidade Nova

A

iminente desativação da sede da 23ª. Companhia de Polícia Militar, no bairro Santa Inês, abre caminho para que ela retorne para o local de onde não deveria ter saído: o Parque Ecológico Marcos Mazzoni, no bairro Cidade Nova. Para que isso ocorra é

Atual sede da 23ª Cia. da Policia Militar, no bairro Santa Inês, que funciona em imóvel alugado e que será devolvida ao proprietário

Local onde funcionava a 23ª Cia. da Policia Militar, na Rua Professor Costa Chiabi, Cidade Nova, de onde não deveria ter saído

Cidade Nova atenta à rede de vizinhos protegidos

A

catando chamamento da Policia Militar, a comunidade da Cidade Nova, desde as primeiras horas, deu todo apoio para a implantação do sistema de segurança Rede de Vizinhos Protegidos na Região. Considerando a importância dessa louvável iniciativa, estamos notando que a comunidade, Polícia e lideranças se acomodaram. Pouco se fala na Rede de Vizinhos enquanto os índices de ocorrências policiais continuam aumentando. Vamos agir e não permitir que essa grande conquista também caia no esquecimento. Veja mais na página 3

COLÉGIO M2

necessário grande mobilização por parte de todos, comunidade cinovence, lideranças comunitárias, autoridades, comerciantes e empresários que atuam na região. Como o imóvel utilizado pela PM, no bairro Santa Inês, é alugado e terá que ser, brevemente, entregue pela Policia Militar, seria importante que a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, junto à Policia Militar, estabeleçam uma parceria e leve de volta ao Parque Ecológico Marcos Mazzoni a sede da 23ª Cia da Policia Militar. Basta, para isso, que se use a criatividade. A Prefeitura de BH deveria sugerir ou exigir uma contrapartida para o Minas Shopping e a mega loja de departamentos

Educação de vanguarda no mega empreendimento Reserva Real

Leroy Merlin – que estão expandindo e construindo impactantes empreendimentos na região – para custearem a construção de uma sede digna para a nossa Polícia Militar em seu antigo endereço. Está aí uma importante e boa ação da Prefeitura Municipal para com a comunidade em função dos graves transtornos registrados em todos os quadrantes da região da Cidade Nova: trânsito estressante e confuso, poluição sonora e ambiental e as constantes enchentes que todos os anos causam sérios prejuízos à comunidade. É uma atitude simples, mas que garantiria maior segurança, de fato, sem discursos e promessas, aos moradores e empresários da região.

Opinião: Após o mensalão Página 2

Sopa de Energia Por Carlos Felipe Horta Página 2

ALTHEA O Espaço Cultural que faltava na região

Veja mais nas páginas 4 e 5

Página 7


TRIBUNA - BH

2

Opinião Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

Após o mensalão

Por Carlos Felipe Horta

Por Guilherme Nunes Avelar - Advogado

im de ano chegando: o que fazer para o ano de 2013 ser melhor do que 2012? É o tempo das simpatias. Que roupa usar? Ir de branco? Tomar banho de pipoca? Entrar numa igreja? Fazer ofertas para Iemanjá? Crenças e simpatias não faltam. Ai eu ouso dar uma receita de Sopa de Energia que já tem mais de 15 anos de existência e que serve como um voto pessoal de Feliz Natal e Abençoado Ano Novo. Ingredientes: Macarrão de Letrinhas, se possível das iniciais de seus nome e sobrenome: Lentilha e arroz branco; Patinhas de coelho, claro que não dos animais; Um bom maço de comigo-ninguém-pode; Galhos de arruda; Ramos de guiné; Espadas de São Jorge; Folhas de louro; Cabeças de alho; Sal grosso, mas grosso mesmo à vontade; Grãos maduros de romã; Um caminhão de otimismo; Pensamentos positivos em pó; Conserva bem feita de alegria; Extratos de crença em si mesmo; Fé nos poderes divinos; Esperança em dias melhores e uma grande dose de perseverança. Colocar, cada ingrediente, um a um, no grande caldeirão da vida; mexer, mexer, mexer até o perfume se soltar, abrir a mente, a cabeça elevar e, de braços abertos, sentir a energia chegar para um Ano Novo Abençoar. Obrigado Leitores e amigos. Feliz Natal e Próspero Ano Novo São os votos da Equipe do jornal Tribuna da Cidade Nova

Com certo alívio, vai-se chegando ao fim o julgamento do chamado “mensalão”, escândalo ocorrido no primeiro governo Lula configurado, conforme denúncia finalmente aceita em seus termos gerais pela Justiça, pela compra de apoio parlamentar com recursos públicos, desviados por meio de contratos de publicidade. A respeito desse escândalo, dois aspectos chamam a atenção. O primeiro deles é o fato de ele ter se iniciado praticamente no primeiro mês do governo Lula, o que evidencia ter sido o sistema corrupto concebido mesmo antes da posse do petista, ou seja, antes mesmo de a dificuldade em obter maioria parlamentar se evidenciar concretamente. Trata-se, pois, de um sistema perverso estruturado e efetivado já sob o simples imaginar do quanto é trabalhosa a formação e a manutenção de maioria governista; o primeiro governo federal petista decidiu, então, simplesmente seguir o caminho mais fácil, comprando o apoio sem nem ao menos tentar conquistá-lo por qualquer outra forma. Chega a ser curioso que o presidente desse governo cruelmente corrupto era exatamente Lula, que, anos antes, generalizara o Congresso como composto por metralhas. O segundo aspecto que chama a atenção sobre o escândalo tornado conhecido pelo apelido “mensalão” é o fato de que algumas das principais lideranças do governo que o implantou juram de pés juntos que nada sabiam e nem ao menos desconfiavam do ocorrido. Ora, isso é para lá de absurdo! Totalmente inverossímil! A bancada legislativa de apoio ao governo então em início era francamente minoritária; no entanto, matérias de difícil tramitação passaram com facilidade incrível naquele início de mandato, contando com apoio maciço de partidos notoriamente venais. Não era necessário, pois, pensar por mais do que alguns segundos para saber que algum “argumento” muito convincente fora utilizado, em pouquíssimo tempo, para “sensibilizar” algumas centenas de parlamentares antes tão refratários ao PT. O que se percebe, pois, é muito simples: sabedores do quanto o caminho para o poder fora trilhado pisando sem dó nem piedade no adversário, por duas décadas, petistas de crista alta simplesmente abandonaram quase que antes mesmo de fecharem-se as urnas e compraram, com desfaçatez e impudor, exatamente aqueles a quem tanto combateram e acusaram. Pois bem, as entranhas desse escândalo foram dissecadas com requintes de sinceridade pelos juízes do Supremo Tribunal Federal, que não se podaram em verbalizar adjetivos e advérbios bastante esclarecedores e estarrecedores. Foi uma verdadeira catarse, o julgamento do mensalão! Agora que tal julgamento se aproxima do fim, e mesmo sabendo que terão início as demoradas fases de recursos e outros que tais, fica a dúvida no ar: trata-se de uma verdadeira redenção dos valores democráticos brasileiros ou apenas assistimos a um fato isolado, que o acaso da denúncia de um político de envergadura inviabilizou fosse o caso esquecido, como tantos outros exemplos de outrora? A punição aos crimes, quaisquer que sejam eles, há de ser mera rotina, em um País efetivamente sério. O Brasil, no entanto, é conhecido por se esquecer de um caso por outro, fato que pode ser confirmado por várias dezenas de outros escândalos do mesmo governo petista, e por igual número em cada um de todos os governos antecedentes, desde a pretensa restauração democrática. Esse fato não nos permite crer estarmos diante de uma inflexão institucional, de uma mudança de princípios e de práticas. Pessoalmente, creio que o caso apenas não escorregou para o ralo pelo fato de o ensandecido Roberto Jefferson, por motivos nada louváveis, mas ainda assim de forma peremptória, ter falado demais, revelando demais, inviabilizando por demais o recuo tradicional entre nossos poderosos. Não se trata, pois, de uma melhoria nos critérios de ação por parte do Ministério Público ou da Justiça, e muito menos uma mudança de postura por parte das autoridades. A circunstância específica, e apenas ela, é que terminou conduzindo o caso até o final que estamos assistindo; isso, e só isso. A confirmar essa cínica impressão, repito, é o óbvio “esquecimento” de todos os demais escândalos, igualmente perniciosos e abusivos, que permearam os governos do PT e também os de seus antecedentes imediatos. Não há, assim, motivos para grandes festejos! Na verdade, o que vislumbro é, apenas, a felicidade vingativa ou oportunista de alguns, em nada interessados em ver aperfeiçoado o arcabouço democrático, mas simplesmente fazendo sua contabilidade de poder. Igual postura vem adotando os companheiros dos condenados de agora, exigindo por idêntica e medonha isonomia punitiva, os escândalos na fila de espera por julgamento: o mensalão mineiro, envolvendo (pelo menos) a campanha tucana de Eduardo Azeredo, e o mensalão brasiliense, de sustentação do governo do ex-PFL e ex-DEM, José Roberto Arruda. Claro que esses casos, como todos os outros envolvendo desprezo pela ética pública, devem ser julgados, e sob o mesmo rigor do que foi aplicado ao caso petista. O que não faz sentido é comemorar-se um como compensação do outro. Todos são igualmente vergonhosos, independentemente da amplitude e da finalidade de cada um deles! Espero ainda assistir - embora não acredite que isso vá ocorrer - a um tempo em que os desvios de conduta serão punidos rápida e seriamente, mas sem alardes e sem fanfarras, limitando-se a uma corriqueira aplicação da lei. Espero, ainda, que os juízes se portem como tal, atuando sem se preocupar com agradar a quem quer que seja, simplesmente com os olhos e a sensibilidade naquilo que consta do processo, formando seu juízo e enunciando seu voto sem se preocupar com holofotes ou com pedidos de desculpas. Afinal, tão vergonhoso quanto o ato corrupto é o julgamento feito sob pressão, sob ameaça, sob galhofa! Sinceramente, não gostei de ver um juiz agir como promotor, como também não gostei de ver juízes pedindo efetiva autorização (e não como mera retórica processual) para discordar, quase como se estivessem com medo de serem atacados pelo inquisidor de plantão. Temos muito, muito ainda, a avançar, e, lamentavelmente, não há luz mais à frente do túnel!

F

PBH: a comunidade quer saber: 1-O BRT manterá o padrão internacional de estações a 500 m de distância entre elas? 2-Haverá conecção entre as linhas regulares de BH (inclusive o amarelinho),e da região metropolitana? Observe neste caso os ônibus metropolitanos continuarão engarrafando o centro e alguns bairros. Exemplo de conecção é a estação do metro São Gabriel? 3-Quantas linhas serão suprimidas ou impossibilitadas de trafegar na Cristiano Machado aliviando o espaço- faixas dos carros? 4) A passarela da Feira dos produtores será demolida, já que atrapalha o traçado do BRT? Se não for, qual o motivo da demora em concluir sua obra? 5) A regional Nordeste anunciou que o imóvel localizado em uma das extremidades da Feira dos Produtores, na Cidade Nova, seria reformado, ainda no mês de outubro e utilizado com algum equipamento útil à comunidade. Porque as obras prometidas ainda não foram executadas? As respectivas perguntas acima serão remetidas à Regional Nordeste, à Assessoria de Comunicação da PBH e à BHtrans. O TribunaBH estará aguardando pelas respostas de maneira bem simples, resumida, textos curtos e objetivos, para publicação.

EDIÇÃO N. 61 Editores: Lucas Martins - Reg. Prof. MG 02485 JP Eugênio Oliveira - Reg. Prof. MG 03478 JP Fotografia: Santos Filho Colaboradores: Carlos Felipe Horta, Guilherme Avelar, Luciana Sampaio, Rodrigo Denúbila. Redação: Rua Dr. Júlio Otaviano Ferreira, 913 Cidade Nova - Belo Horizonte - MG CEP: 31170-200 Telefax: (31) 3484 0480 e (31) 9955 8447. Email Redação: tribunabh@gmail.com Site: www.tribunabh.com.br O jornal Tribuna da Cidade Nova é uma publicação da Logos Editora Ltda., registrado no Cartório Jero Oliva, arquivada naquela Serventia em 12/09/2007, no Registro nº 1.143, no Livro A. Logos Editora Ltda. Registrada na JUCEMG sob o nº 3120431497

CNPJ 25.712.977/0001-62. Insc. Estadual nº 62.881.449.00-81. Circulação: O jornal é distribuído de casa em casa, na Paróquia de Santa Luzia, na Feira dos Produtores da Cidade Nova, bancas de revistas, padarias, postos de combustíveis, lojas e empresas dos bairros Cidade Nova, Silveira, Nova Floresta, e partes da Renascença, Ipiranga, União e adjacên­cias. Periodicidade: 19 de dezembro de 2012 a 20 de janeiro de 2013 Impressão: Sempre Editora Esta edição foi editada seguindo a Nova Ortografia da Língua Portuguesa Os artigos assinados não espelham, necessariamente, a opinião do jornal, sendo de inteira responsabilidade de seus autores.

Arquivo TCN

Sopa de Energia


Rede de Vizinhos Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

3

TRIBUNA - BH

rede de Vizinhos Protegidos da Cidade Nova. Porque parou?

SEM PROTEÇÃO: Comunidade da Cidade Nova quer mais ação da PM e Lideranças na Rede de Vizinhos Protegidos

A

grande parceria estabelecida entre a Polícia Militar e a comunidade da Cidade Nova no ano de 2010, denominada Rede de Vizinhos Protegidos, está precisando de uma breve e urgente reavaliação e até incremento. Iniciada com grande empolgação, o que se vê agora é acomodação. Não basta colocar placas alusivas à Rede de Vizinhos afixadas nas residências esperar que tudo se resolva quando o assunto é prevenção e maior segurança. Ações e maior interação entre os moradores são fundamentais e, acreditamos, que cabe às lideranças constituídas aqui na região e à própria Policia Militar criar os instrumentos para maior conscientização e participação popular.

http://tenentejacksonredevizinhos.blogspot.com.br/

Os registros de ocorrências policiais continuam em grande escala e a comunidade não pode ficar esperando que o pior aconteça. A Rede de Vizinhos Protegidos é um instrumento imprescindível à toda a comunidade, portanto, dever ser rotineiramente avaliada e intensificadas suas ações. O período de festas natalinas e de férias é uma boa oportunidade para que nossas lideranças, junto à Policia Militar, se mobilizem e levem ao conhecimento de todos, tudo o que se tem realizado para o fortalecimento da Rede de Vizinhos Protegidos.

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA TRABALHA PARA TRANSFORMAR NOSSOS SONHOS EM REALIDADE Você pode comemorar os resultados do trabalho da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Nos últimos dois anos, ela trabalhou pelo fim das desigualdades e pela promoção social, beneficiando todos os mineiros. Também lutou contra as drogas, buscou mais recursos para a saúde, promoveu a cidadania e defendeu um novo pacto federativo e a renegociação da dívida dos Estados com a União para garantir mais recursos para Minas. Acesse o portal www.almg.gov.br e conheça todas as realizações da Assembleia para que 2013 seja ainda melhor para todos os mineiros.

Assista à TV Assembleia – em BH, canal 35 UHF


TRIBUNA - BH

4

Vetor Norte Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

Construção de polo comercial e colégio projetam inv

O

Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte se prepara para gerar, em 2030, um PIB na ordem de R$ 172 bilhões, o que equivale ao valor atual de todo o estado de Minas Gerais. O desenvolvimento, impulsionado pela construção da Cidade Administrativa, nova sede oficial do Governo de Minas, e da Linha Verde, somados à revitalização do aeroporto de Confins, atraem cada vez mais os investidores. Novos negócios

devem gerar mais de 400 mil empregos nos próximos 20 anos e população adicional de 1,4 milhão de habitantes na região. Atentos ao crescimento e ao grande potencial de consumo que se está criando no Vetor Norte e apostando neste desenvolvimento, o grupo europeu Design Resorts fechou parceria com duas grandes marcas: o Super Nosso Gourmet e o Colégio M2 para o polo comercial de seu empreendimento em Jaboticatubas, a Reserva Real.

COLÉGIO M2 : EDUCAÇÃO DE VANGUARDA NO MEGA EMPREENDIMENTO

Modernas e funcionais instalações garantem o padrão M2 de qualidade educacional, no Reserva Real

Com previsão de funcionamento no início de 2015, o Colégio M2 funcionará dentro da Reserva Real e possuirá as melhores instalações físicas, com capacidade para atender, a princípio, até 1.200 alunos das cidades de Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Vespasiano e Santa Luzia, com o máximo de conforto. Tudo isso dentro de um terreno de 10.200 m², sendo cinco mil m² de área construída. Início das obras da escola previsto para 2013, com o término no final de 2014. Serão investidos cerca de R$ 20 milhões na unidade. A infraestrutura contará ainda com: sala de artes, sala de

“Nenhuma escola tem condições de oferecer o que o Colégio M2 vai oferecer aos seus alunos. Teremos a melhor equipe de professores, as melhores instalações físicas e, consequentemente uma aprendizagem de sucesso”, garante o diretor do colégio, Emiro Barbini.

música, biblioteca, laboratórios de física, química, biologia e informática, enfermaria, sala de jogos (xadrez, jogos de mesa), cantina e restaurante, cozinha experimental para aulas de culinária e alimentação saudável, estúdio de áudio e som, casa de cultura, auditório para 400 pessoas, quadra poliesportiva coberta (com arquibancada e palco para shows), arena para aulas de filosofia e outras atividades pedagógicas. O M2 ainda contará com diversas opções de aulas extracurriculares, como: ginástica olímpica, futsal, basquete, balé, vôlei, handebol, tênis, peteca, golfe, equitação, musicalidade e natação. Dentro do complexo de ensino, haverá o City of Small - Cidade dos Pequenos – que possuirá praças, ruas, passeios, faixas de pedestres, lojas, igreja, parque infantil, herbário (para aulas de botânica) e horta (plantio e cultivo para estudo e educação alimentar). Além disso, o colégio irá oferecer o ensino bilíngue de idiomas (Inglês e Espanhol), oferecendo a oportunidade de o aluno obter certificações internacionais.


Vetor Norte Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

5

TRIBUNA - BH

vestimentos de R$ 40 milhões no Vetor Norte de BH COLÉGIO M2 É PRIMEIRO LUGAR DO ENEM NO VETOR NORTE

A

Emiro Barbini, Elizabeth Presotti e Luiz Magno Saramago, diretores do Colégio M2 Reserva Real, ladeando José Miguel Martins, presidente do Grupo Design Resorts, quando do lançamento do mega empreendimento, Uptown.

lém da seriedade, experiência profissional dos administradores do Colégio M2 e a solidez da instituição, o grupo europeu Design Resorts com certeza levou em conta o fato do Colégio M2 ocupar posição de destaque no cenário educacional nacional. O Colégio M2, de Lagoa Santa, foi destaque na colocação do ENEM 2012. Com o primeiro lugar entre as 23 escolas do Vetor Norte, o M2 ficou também em 15º lugar na Grande Belo Horizonte. Número que revela, mais uma vez, o melhor ensino e o melhor resultado no setor educação da região. Na colocação geral do ENEM 2012, as escolas particulares também ganharam espaço, mostrando que entre os 20 primeiros colocados, 19 são de redes privadas de ensino. Uma força crescente da educação no setor. Para definir o ranking das escolas, foi considerada a média das quatro notas das provas objetivas (ciências da natureza, linguagens, matemática e ciências humanas. A nota de redação não foi somada.


TRIBUNA - BH

6

Vale a Pena Conferir Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

EDITORA ALTHEA:

o Espaço Cultural que faltava na região A Editora ALTHEA, livraria , cafeteria e presentes, abre em breve suas portas. Composta por uma editora que produz livros, catálogos, jornais e projetos gráficos em geral, ainda conta com um espaço cultural formado por uma livraria e cafeteria ideal para lançamentos desses trabalhos e exposição dos mesmos. O objetivo maior da editora é ajudar aos autores independentes da cidade que lutam para ter seus nomes divulgados e suas obras nas livrarias. Um espaço aconchegante e cultural, onde você encontra seu tempo para ler, estudar, ou tomar um bom cafezinho mineiro! Venham conferir! Rua Conselheiro Lafaiete 1959 loja 08 - Sagrada Família

Novo CD de Rogério Campolina

Rogério e Sérgio Campolina, de pai para filho

Nosso amigo Rogério Campolina conhecido no meio musical com o “Seresteiro das Alterosas” e morador do bairro Cidade Nova há mais de 40 anos, acaba de lançar o seu 6º CD – O Amor e a Saudade.

Com composições de sua autoria e de amigos como Jadir Ambrósio, João Batista da Costa (JBH), João Luiz Gonçalves (JG) e de seu filho Sérgio Campolina e de sua nora Sandra Campolina já é sucesso. O Jornal Tribuna da Cidade Nova parabeniza o nosso seresteiro maior e indica aos leitores este grande presente de Natal para presentear pessoas especiais... Adquira o CD pelo telefone: (31) 3484.2138.

FESTA DE CONFRATERNIZAÇÃO BOCA DO GOLE

Como já ocorre desde 1985, a tradicional e concorrida festa de Confraternização Boca do Gole deste ano não poderia ter sido diferente, realizada em grande estilo, sempre bem organizada. Com a quadra da Paróquia de Nossa

Senhora de Nazaré, no bairro Santa Inês lotada, o que se viu foi muita animação, fartura e gente bonita. Parabéns Osmar por mais este grande evento. O TribunaBH estava lá, a convite do estimado amigo Osmar e sua competente equipe.

Herbert Abreu

homenageado em Ouro Preto Em cerimônia realizada no famoso teatro da Ópera, em Ouro Preto, o Engenheiro e Auditor Ambiental Herbert Abreu foi agraciado com o Colar “Marechal Deodoro da Fonseca”, alusivo às comemorações da Proclamação da República, e relevantes serviços sociais e culturais prestados à OCIM - Ordem dos Cavaleiros da Inconfidência Mineira e à Sociedade Mineira.


Eduação Belo Horizonte, de 19 de novembro de 2012 a 20 de janeiro de 2012 – Edição N. 61

7

TRIBUNA - BH



TRIBUNA-BH-ED61