Issuu on Google+


Frente para o mar Piscina aquecida Sala de estar e jantar integradas

3 a 4 suítes (master com hidromassagem) 4 vagas de garagem Coberturas duplex Apartamentos diferenciados Apartamentos jardim com pé direito duplo e mezanino

Planejamento e Desenvolvimento:

De acordo com a lei nº 4591/64, informamos que as ilustrações contidas neste material possuem apenas caráter ilustrativo e de sugestão. Os móveis, assim como alguns materiais de acabamento representados nas ilustrações e plantas, não constituem parte integrante do contrato. O apartamento será entregue conforme indicado no memorial descritivo podendo haver modifi cação do projeto estrutural sem aviso prévio.


08 Gourmet Azeite Espanhol 12 Saborosa Capital O que acontece na capital gastronômica de Santa Catarina, Florianópolis. 16 Capa Enfim a alta gastronomia em Blumenau 20 Vinho A enogastronomia apresentada por João Lombardo 24 Comendo Fora O crítico Hélio Gustavo visita casas na Bahia 25 Case A importância do network no sucesso de um negócio

26 Aperitivos Consulte os principais acontecimento da gastronomia catarinense 28 Tem Reserva? Água, sombra e alta gastronomia no Itapema Resort 31 Vida Boêmia A sofisticação e a boa cozinha dos bares catarinenses 34 Pão Líquido A Cervja tratada com seriedade 36 Receitas VIP O apresentador Fred Milanese abre seu livro de receitas

BISTROSC R E V I S T A

Direção Geral

Leandro Alves dos Santos Luis C. Kriewall Filho

Coordenação de redação

Leandro Alves dos Santos bistrosc@bistrosc.com.br

Arte e Criação

Luis C. Kriewall Filho luis@bistrosc.com.br

Diagramação

Gustavo Fidalgo gustavo@bistrosc.com.br

Conselho Editorial Suzanna Wascheck

suzanawascheck@yahoo.com.br

38 Humm Miele Deliciosas sobremesas da Alta Gastronomia

40 MENU Os melhores restaurantes de Santa Catarina

Hélio Gustavo

gustavo.brasil@uol.com.br

Repórteres

Bruna de Paula bruna@bistrosc.com.br Daiani Coelho daiane@bistrosc.com.br Janaina Salsi janaina@bistrosc.com.br

Colunistas

Suzanna Wascheck

suzanawascheck@yahoo.com.br

Hélio Gustavo

gustavo.brasil@uol.com.br

João Alexandre Lombardo joao@lombardo.com.br Rodrigo S. Schneider

rodrigoschneider7@hotmail.com

Paulo Feijão paulo@obiercevando.com.br

Fotografia

Luis C. Carlos Filho foto@bistrosc.com.br

Anuncios

comercial@bistrosc.com.br

Assinaturas

assinaturas@bistrosc.com.br Realização :

Beringela ao Formaggio Santa Efigênia Café e Bistrô Foto : Bistrô SC


EDIÇÃO DE APRESENTAÇÃO

Bem -Vindo à Gastronomia Catarinense

V

ocê tem em mãos uma publicação especial de apresentação, confeccionada para os formadores de opinião. Este trabalho vem abrir alas à primeira edição da Revista Bistrô SC. A intenção é despertar o interesse de entusiastas, investidores e mídia para esta ferramenta importantíssima ao fomento da gastronomia atuante em Santa Catarina. Se você recebeu esta edição especial é porque foi considerado por nossa equipe, peça chave para o sucesso deste projeto, portanto, parte de um dos seguintes grupos:

Empresários

Empresários que precisa se comunicar com a parcela da sociedade de poder aquisitivo e consumidores de alto padrão, agora contam com um espaço a altura. O interesse na gastronomia e enogastronomia neste meio em Santa Catarina vêm superando a moda, arquitetura e o turismo, apesar deste último ser intrínseco. A revista Bistrô SC vem suprir esta demanda com primazia e objetividade. O veículo já pode ser considerado leitura obrigatória dentre aqueles que desejam incrementar seu estilo de vida.

Agências de publicidade e setores de marketing

A Revista Bistrô SC conta com equipe comercial totalmente consciente e adeptos do relacionamento cliente – agência – mídia. É estritamente vetado em nossas campanhas, negociações diretas com clientes já agenciados. As agências de publicidade, enfim, podem contar com uma publicação de alto padrão editorial, gráfico e com target específico. Apesar da publicação ser jovem, já é possível identificar através de eventos e restaurantes nosso potencial leitor. Trata-se de homens de 28 a 65 anos, catarinenses, com alto poder aquisitivo, e consumidores de produtos e serviços de luxo. São poucas as revistas em Santa Catarina que preenchem as exigências dos profissionais de publicidade e propaganda. Estamos oferecendo mais uma opção dentre este parco rol editorial.

Assessores de imprensa

A gastronomia no mundo é reconhecidamente um fator importante na caracterização da cultura de um povo. Promover a gastronomia significa educar a população, tornar público os empreendimentos e profissionais que investem no diferencial e apresentar a gastronomia não só como uma refeição, mas uma experiência, um entretenimento. A revista Bistrô SC se coloca no mercado com esta missão, e precisa do apoio destes profissionais tão importantes, hábeis no manejo da informação, a imprensa. Nosso veículo se encontra aberto para publicação incondicional de eventos, inaugurações, cursos e iniciativas que tenham por objeto a boa e a alta gastronomia. Enviem seus releases para redacao@bistrosc. com.br e nos adicionem em suas listas de contato, vocês são fundamentais para o sucesso desta tendência que vai balançar Santa Catarina.

Gastrônomos e entusiastas

Vocês são o motivo e a essência deste projeto, em uma ponta, os profissionais artistas que transformam o comer em uma experiência transcendental e inesquecível, que nos fazem viajar para longe através do paladar. Na outra ponta, os entusiastas da gastronomia, gente de discernimento e sensibilidade, de alto padrão cultural, exploradores de sensações e experiências. É em vocês, privilegiada parcela da sociedade catarinense, que depositamos nossa esperança de sucesso. Adotem esta mídia como seu guia neste promissor universo gastronômico catarinense. Acessem o site www. bistrosc.com.br e solicitem suas assinaturas.

Estudantes

O termômetro é claro e indiscutível, o aumento da procura pelos cursos de gastronomia nas instituições de ensino, mostra o crescimento do setor e maior exigência daqueles profissionais na cozinha. Os estudantes poderão acompanhar este crescimento através de nossa mídia. Para tanto, a Bistrô SC disponibiliza assinaturas anuais com descontos. Faça sua solicitação no www.bistrosc.com.br.


07

A 1ª edição

A primeira edição da revista Bistrô SC está com 80 páginas, e circulação que abrangerá os principais pólos gastronômicos de Santa Catarina, como Florianópolis, Balneário Camboriú, Itajaí, Joinville, Jaraguá do Sul e Blumenau. Você sabe de onde vem aquele magnífico carré de cordeiro ou que espécie bovina oferece aquele suculento corte? Você

sabe qual a influência portuguesa na cozinha catarinense? Sabe em que restaurante atua o melhor chef de cozinha de Santa Catarina? A propósito, você sabe que é o melhor chef de cozinha? Ahhh nossa doce terra catarinense. Você sabia que Santa Catarina esta produzindo excelentes uvas e por consequência deliciosos vinhos? Sabe qual a relação entre o jazz e a gastronomia? Não percam a próxima edição nosso menu estará ainda mais suculento.

Garanta a primeira edição, tiragem limitada. Assine www.bistrosc.com.br


Estilo Gourmet - Azeite Espanhol

Azeite sua vida

S

ímbolo da imortalidade e cercado de mistérios espirituais e benefícios, o azeite é muito mais que um ingrediente, é um estilo de vida. O ouro líquido do Mediterrâneo é produto indispensável em todas as mesas. Artesanal ou industrializado, o azeite espanhol está presente nas cozinhas dos grandes chefs e na mesa de muitas famílias, dando sabor e saúde. Os benefícios do seu uso são de valores comprovados para a prevenção do câncer, diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão, reconhecidos pela comunidade científica internacional. Sabemos que através dos séculos os espanhóis têm aprimorado a arte de viver. Sua criativa, variada e excelente gastronomia é baseada em uma combinação de produtos típicos, cereais, peixes, frutas e verduras, que, além de admirada em todo o mundo, também contribui com uma dieta saudável e equilibrada. O azeite de oliva é o produto mais místico do cardápio espanhol e um dos pilares fundamentais da dieta mediterrânea, junto com o trigo e a videira “Não há azeite de oliva, presunto ou vinho melhor que os da Espanha”, afirma Ferran Adrià, chef catalão apaixonado pelo azeite espanhol. Líder na produção de azeite e de qualidade inabalável, a Espanha mantém nove regiões produtoras sob cuidados da Denominação de Origem Protegida (DOP). Esta cobertura, firmada pela legislação da União Européia (UE), é estabelecida para proteção das características de cozinhas típicas. Determinando que apenas produtos genuinamente de determinadas regiões possam ser por eles comercializados e assim denominados. São cinco regiões produtoras que contam com este tipo de proteção, duas na Andaluzia e duas na Catalunha, além de locais na Castilla-la Mancha e em Aragão. Mas ainda há muitas outras áreas em processo de reconhecimento para a determinação da origem dos óleos e das castas utilizadas, modos de produção, beneficiamento e transformação do produto em suas áreas geográficas. A Espanha possui hoje uma inigualável diversidade de aromas e sabores de azeite de oliva, além disso, sua qualidade é muito superior em relação a qualquer outro país produtor. A complexa geografia, com diferentes tipos de climas e riqueza de solos, junto à grande variedade de azeitonas utilizadas na produção dos azeites, são as principais razões para esta posição de destaque. “A Espanha é responsável pela produção de mais de 260 variedades de azeitonas, o que torna possível produzir excelentes azeites ou fazer blends que combinem as propriedades de cada variedade”, explica o especialista em azeites, Gustavo Vieira Capuano.

Principais variedades espanholas Os azeites espanhóis podem ser muito doces e suaves, encorpados e com um agradável sabor amargo, ou ainda picante e em diferentes intensidades. Em sua maioria, têm um aroma frutado intenso, que lembra o de azeitonas verdes ou maduras. Estas variações podem ser encontradas principais espécies de oliveiras: Pictual, Hojiblanca, Arbequina e Verdial. Dependendo do local onde cultivado, o óleo originado da espécie Picual difere no perfil sensorial. Os de planície são tipo frutado, de notável equilíbrio entre o doce e um leve amargo, com média intensidade picante. Sua textura é suave e aveludada. O azeite do tipo Hojiblanca apresenta uma enorme variedade de sabor. Vale enfatizar os atributos de doçura no início da degustação. O aroma é frutado, de frescor elevado, com ligeiro amargor de fruto verde e outras frutas. Por vezes, na garganta, deixa um leve sabor picante e amendoado. O Arbequina é de sabor requintado, com leves traços de tomate. Também frutado, possui aroma exótico. Lembra o cheiro de alcachofras frescas, ou cheiro de maçã fresca, acompanhado por certa suavidade e doçura distinta, que libera um sabor de amêndoa verde. Por sua composição, são mais delicados em relação à oxidação. Por isso, é necessário mantê-los no escuro, em baixa temperatura, para garantir proteção contra a ação do tempo. As oliveiras Verdial produzem um azeite de sabor frutado, doce e agradável, sem amargor ou qualquer tipo de presença picante. Sua composição faz com que seja necessário protegê-lo do calor, da luz e do ar para sua melhor conservação. O azeite virgem da variedade Verdial é processado separadamente, mas também é combinado à variedade Hojiblanca, resultando em uma mistura perfeita.


Os Melhores do Mundo Bruscheta de Gorgonzola Ingredientes: 1 baguete de pão italiano fatiado 200g de gorgonzola picado grosseiramente azeite de oliva 1 dente de alho picado sal pimenta-do-reino 4 tomates, sem sementes e cortados em cubinhos orégano

Sopa de Abóbora com Maçã Verde e Camarão

Ingredientes: 4 colheres (sopa) de azeite de oliva 1 cebola picada 2 maçãs verdes picadas (sem casca e sem sementes) 1 maçã verde em fatias finas para decorar 1/2 colher (café) de noz moscada 1 pitada de pimenta da jamaica 1 pitada de canela moída 5 xícaras (chá) de abóbora japonesa sem casca e sem sementes picada 6 xícaras (chá) de caldo de galinha Sal e pimenta do reino a gosto 24 camarões médios limpos Modo de preparo: Refogue a cebola em duas colheres (sopa) de azeite. Acrescente a abóbora e as maçãs. Junte o caldo e os temperos Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe até a abóbora ficar macia. Bata no liquidificador e volte o creme para a panela Confira a espessura e os temperos e se estiver muito espessa acrescente mais caldo. Doure os camarões em 2 colheres (sopa) de azeiteSirva quente e decore os pratos com os camarões e as fatias de maçã

Espanha (Andalucía) - Almazaras de la Subbética Rincon de La Subbética Alamoda, de cores entre o verde e o amarelo, tem aroma de ervas e frutas frescas. O sabor é intenso e ao mesmo tempo agradável ao paladar. Em todo o mundo, especialistas o descrevem como um óleo com alta complexidade no aroma. É ideal para uso em pratos crus, saladas, massas e em muitos pratos típicos espanhóis, sem esquecer do tradicional pão com óleo. Croácia (Istra) - Olea B. B. Todas as quatro seleções extravirgem se destacaram: Selekcija Belic, o Leccino Monocultivar e Buza, e o excelente Ascolana Tenera. Este último é de intensa cor dourada límpida, amarelo quente, com tons de verde. Seu aroma é definitivo e complexo: de hortelã e manjericão, junto a notas vegetais ricas de alface, favas frescas e aipo. O sabor é amplo e fino, dotado de pistas frutadas de tomate maduro médio, banana madura e frutos secos, especialmente amêndoa e pinhão. O amargor é poderoso e a pungência é bem expressa. Itália (Toscana) - Frantoio Franci De aparência clara, filtrada e densidade média, tem cor verde, com reflexos dourados. O aroma é frutado, com notas de ervas, frutas maduras alcachofra e de tomate, em menor intensidade. No paladar, é fresco e limpo. O sabor se desperta com uma ligeira sensação doce, seguido de uma carga agradável amargo, picante e de intensidade média. Ótima utilização em sopas, legumes, leguminosas, carnes, bruschettas, saladas e peixes.

365 Receitas Fáceis Com Azeite de Oliva Espanhol Para muitos, uma boa comida é sinônimo de horas no fogão, para desmistificar essa idéia foi criado: 365 Receitas Fáceis Com Azeite de Oliva Espanhol. O livro traz uma receita para cada dia do ano, com ingredientes simples que estão a alcance de todos. Apesar de serem receitas fáceis é necessário atenção e cuidado no preparo das receitas, para alcançar bons resultados na cozinha, com maior facilidade, utilize sempre Azeite de Oliva Espanhol.

Espanha (Andalucía) - Rafael Alonso Aguilera - Oro del Desierto Hojiblanca Apresenta cor verde intensa, com aroma requintado de azeitonas verdes. Esses atributos, unidos em um equilíbrio harmonioso entre o amargo e o doce, lhe rendem um valor de “médio” designado por provadores peritos em ambos os parâmetros. Acrescente-se um ligeiro toque de especiarias e uma nuance de frutado intenso.

imagens:divulgação

Modo de preparo: Em uma tigela coloque o tomate com o alho e tempere com o sal, o azeite, a pimenta e o orégano, misture bem coloque o gorgonzola e espalhe sobre cada fatia do pão italiano, leve ao forno pré-aquecido por cerca de 5 min, sirva em seguida.

O italiano Mark Oreggia, jornalista e crítico enogastronômico, é consultor de grandes publicações na área. É também o editor do “L’extravergine”, um guia de azeites extravirgem que se tornou referência, tanto para a indústria internacional, quanto para os consumidores conscientes e apreciadores da boa mesa. Confira as marcas que a Bistr ô SC extraiu da publicação:


Estilo Gourmet - Azeite Espanhol Santo de casa realiza milagre sim

Escolhendo um bom azeite

De origem portuguesa, fundada em 1927 em Alferrarede, um vilarejo pertencente à cidade de Abrantes, foi adquirida pelo grupo Sovena em 2004. No Brasil, a Andorinha é representada pela Bunge Alimentos, responsável por sua distribuição em todo o território nacional. Atualmente, está posicionada como um dos principais players do mercado.

O que está desembarcando no Porto de Itajaí? MILENARIO Azeite procedente de Olivos Milenários, da variedade Farga e localizados na região de Maestrat. Aroma complexo composto por frutas, florais e ervas aromáticas. Quando bebido se comporta de forma harmônica e suave, sendo sua entrada doce e encorpada, aparecendo ao final um ligeiro amargor. Acidez de 0,01% a 0,02%.

AUGUSTA Azeite procedente de oliveiras tipo Aragonesa ou Empeltre, região de produção Maestrazgo. Possui cor verde forte, com aroma de azeitonas maduras ou folhas verdes e em outras ocasiões a frutas maduras como pêssego. Acidez 0,02% a 0,04%.

FÚSION Azeite virgem extra ecológico, azeitona da variedade El morrut, La larga e Barriolenc. Apresenta aroma floral, em geral são azeitonas doces, com algo de amargo e picante muito leve. Acidez 0,02% a 0,04%.

PATÊ DE AZEITONAS Para tirar proveito dessa riqueza e explorar criativamente os pequenos frutos das oliveiras em terras espanholas, foi desenvolvido patês de olivas requintados. Um creme fino obtido a partir de azeitonas frescas, com azeite extravirgem em versão natural. Estes patês complementam perfeitamente na fusão harmônica com outras frutas do nosso solo Mediterrâneo como as amêndoas, laranjas, trufas e cogumelos.

LÁGRIMA Azeite procedente de oliveiras do tipo serrana da região de Palancia, Monovarietal. Apresenta cor verde intenso e aroma limpo, recorda azeitonas verdes e outras frutas maduras como maçã. Acidez de 0,01% a 0,02%.

Mais informações sobre os produtos e onde encontrar em Santa Catarina: SGL Comercial Av. Pernambuco, 1400 - Navegantes - CEP 90240-001 Porto Alegre - RS - Brasil Tel.: 55 51 3021 1200 - Fax: 55 51 3021 1255

imagens:divulgação

- Um azeite embalado na origem é garantia de procedência e qualidade. - No rótulo, preste atenção aos termos “produzido” e/ou “engarrafado”. O primeiro caso é um azeite produzido no local onde foi engarrafado. No segundo o azeite é de procedência desconhecida. - Ao verificar pelo rótulo a presença de óleo de sansa, pomace ou acete de orujo, saiba que isto significa óleo de bagaço de azeitona tratado com solvente e refinado. - Diferente do vinho, a qualidade do azeite não melhora com o tempo. - A cor do azeite não está diretamente ligada ao seu sabor, aroma ou qualidade. Um azeite verde é obtido da prensagem de azeitonas ainda verdes, enquanto que um azeite dourado é derivado de azeitonas maduras. - A determinação da acidez é fundamental na avaliação da qualidade do azeite. Um bom azeite precisa ter baixa acidez. - Cada azeite tem suas características próprias. Com a prática, qualquer pessoa poderá aprender a selecionar um azeite por suas características sensoriais ou pelo seu local de origem.

O azeite de oliva Andorinha foi o único representante brasileiro a ser condecorado pelo prêmio Monde Selection 2009. A marca recebeu medalha de ouro no concurso realizado pelo International Institute for Quality Selections, pelo segundo ano consecutivo. Destacou-se com nota máxima nos critérios de sabor, cheiro e odor, sendo avaliado por um júri formado por profissionais nas áreas de gastronomia, jornalismo gastronômico e culinária francesa. Já em avaliação feita pela Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (ProTeste) com 21 rótulos de azeite extravirgem, o Andorinha levou a medalha de prata. Ficou à frente de muitos azeites espanhóis, italianos e também de concorrentes portugueses.


Saborosa Capital Um bom ponto de vista

Vale a pena conferir uma das últimas novidades de Floripa, o Armazém da Pasta. Reunindo no mesmo ambiente restaurante, café e loja, o Armazém aposta nas massas artesanais e molhos congelados para o cliente levar para casa. Para quem não se dá bem com as panelas, a pedida são os pratos preparados lá mesmo, no boulevard externo do Shopping Iguatemi. Eu provei e recomendo o fetuccine de manjericão fresco e pimenta ao pesto, acompanhado de filé mignon recheado com champignon. Pra quem maneira no álcool, a casa oferece a opção de vinho em taça, além da carta dos engarrafados. Uma boa dica é seguir o Armazem da Pasta no twitter e ficar por dentro do cardápio do dia.

Que Floripa é rodeada de cartões postais, prontos para serem clicados, disso ninguém duvida. Se os cartões postais forem acompanhados de boa comida, melhor ainda. O restaurante Ponto de Vista fica em um mirante, logo depois da Praia da Galheta, em direção à Barra da Lagoa, de onde pode se ver uma dessas paisagens paradisíacas de Florianópolis. Durante o dia os turistas podem fazer a festa com as lojinhas de souvenirs que ficam ao lado do restaurante e aproveitar as delícias do almoço. A noite é também uma boa pedida, quando as luzes que refletem na Lagoa dão um toque especial, ideal para um jantar a dois. O restaurante ainda dispõe de um amplo estacionamento, com um funcionário que fica fazendo a vigilância. Dentro do restaurante, a luz baixa demais incomoda um pouco, mas nada que não seja recompensado pela bela decoração e atendimento correto. Uma vantagem do Ponto de Vista é a disponibilização do cardápio no site (www.pontodevista.net), com o preço dos pratos, o que evita eventuais surpresas para os comensais. A especialidade são os frutos do mar, mas o cliente também pode optar por carnes e pratos vegetarianos. O congrio rosa com camarão e champignon é uma boa dica. O filé recheado com molho de manteiga, champignon, camarão e vinho Chardonnay é acompanhado de arroz e batata sautée. Para enfrentar o frio que se aproxima, só resta unir um dos vinhos da carta da casa ao visual deslumbrante e à comida apetitosa.

imagens:divulgação

Pra levar ou pra comer aqui?

Foi dada a largada Elas gostam de frio e dão o ar da graça por somente oito semanas no ano inteiro, dependendo da temperatura do mar e da correnteza. Pra desgosto dos mais bairristas, a preferida dos manezinhos migra lá de baixo, da Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul. Dessa região vêm 40% das tainhas que migram para Santa Catarina. O restante vem do vizinho Uruguai. No último feriado, do Dia do Trabalho, a procissão que marca o início da temporada de tainhas foi realizada na praia do Campeche, em Florianópolis. O ritual, com uma missa na praia, acontece todos os anos no mês de maio e é um momento de pedidos e agradecimentos. No estado, são cerca de oito mil pescadores que aproveitam a temporada para ir ao mar em busca do peixe de carne escurinha e gordurosa. O Ministério da Pesca confirmou que o estado tem 16 praias aptas para fazer a captura. Em Florianópolis, elas costumam se espraiar nas águas da Barra da Lagoa, Ingleses e Pântano do Sul, entre outras localidades. A expectativa é que, neste ano, os manezinhos pesquem cerca de duas mil toneladas, 20% do que deve ser capturado em todo o estado.

Os sabores do mundo no La Bohème Referência quando se fala em buffets de alto nível em Florianópolis, o La Bohème não deixa os clientes fiéis caírem na mesmice. Duas vezes por mês a cozinha do restaurante capricha nos almoços especiais e desfila o melhor das culinárias do Brasil e do mundo. No próximo dia 21 é a vez do tutu de feijão, da vaca atolada e de outras delícias da cozinha mineira. A programação completa pode ser conferida no site www.labohemecafe.com. br. Com o friozinho, vem também o buffet de sopas, outra especialidade da casa. Mas isso já é outra conversa!


13 por Bruna de Paula

O fast food japonês invade a ilha

Quem cozinha também come imagens:divulgação

De olho no ávido público consumidor de sushis de Florianópolis, empreendedores apostam cada vez mais nas temakerias. Os temakis são sushis em forma de cone, feitos com gohan (arroz japonês) enrolado em alga nori, com recheios que vão dos clássicos salmão e atum aos curiosos recheios de morango e chocolate com avelã. Os doces dispensam o arroz e a alga e são envoltos pela tradicional casquinha de sorvete.

Vilmar Turnes é atualmente chef da cozinha do Restaurante do Hippo, Coordenador de Produção do Hippo Supermercados e professor de Gastronomia nas Faculdades Integradas ASSESC. Trabalhou em restaurantes de renome como o D.O.M., ao lado do chef Alex Atala. Em sua formação, destacam-se o curso de graduação em Gastronomia com habilitação em Cozinha Internacional pela Univali e o curso de Tecnologia em Gastronomia pelas Faculdades Integradas ASSESC.

“Fui e recomendo o Guacamole Cocina Mexicana, de Florianópolis. Guacamole, pico de galo, tapas, nachos, burritos são alguns dos destaques do cardápio, acompanhados de um bom serviço de mesa. O ambiente é muito prazeroso e ainda pode-se assistir ao show dos mariachis, que tocam ao vivo.”

No Japão são considerados a forma mais popular do sushi e, consumidos nas ruas, conquistam os clientes em busca de uma refeição rápida e prática. Por aqui, o temaki não pode ser considerado um item tão popular. Apesar da grande concorrência entre as várias opções de temakerias que Florianópolis dispõe hoje em dia, o preço, ao contrário da versão de morango e chocolate, é salgado. No Samurai Temaki, um dos pioneiros a trazer a iguaria para a ilha e hoje com dois endereços, o valor da unidade varia de R$ 8,50 a R$ 13,50, preço praticado na maioria dos estabelecimentos do gênero. A média de consumo é de dois a três temakis por refeição, dependendo do tamanho da fome. Apesar do valor, o dono da filial do Samurai Temaki no bairro Santa Mônica, Juliano Sonesso, explica que o movimento é intenso e a clientela é fiel e prefere a noite. “A média de movimento nesse horário chega a ser 70% superior a que registramos de dia”, observa.

Travessa Harmonia, 07 - Esq. Av. Beira-Mar Norte - Florianópolis 48 3225.0900 - www.guacamolex.com.br


Saborosa Capital - eu recomendo Foto:divulgação

Samba, camarão e cultura

S

anto Antônio de Lisboa é uma aula de cultura açoriana. O bairro, que fica ao Norte da Ilha de Santa Catarina, é Área de Preservação Cultural e abriga uma comunidade de pescadores artesanais. Com uma das colonizações mais antigas de Florianópolis, datada de 1698, conserva o casario com arquitetura açoriana, entrecortado por ruas de pedra bruta construídas pelos escravos. Em um dos cruzamentos dessas ruas, um casarão do século XVIII é testemunha de várias histórias dos manezinhos de Santo Antônio de Lisboa e abriga o hoje Bar e Restaurante Açores. A história do casarão começou muito antes da história do Açores e se confunde com a colonização da região. O primeiro registro a que se tem acesso atesta a casa como de propriedade do Sr. Salim Mansur, da típica família que se instalou na ilha na segunda leva de imigrantes, no início do século XX. Das mãos do Sr. Salim Mansur, passou às de Severiano de Souza, que trazia no sangue o espírito de comerciante. O local, transformado em armazém de secos e molhados, era palco de negócios em sua maioria de produtos locais, que eram vendidos ou trocados, dependendo da necessidade. Como o empreendedorismo fazia parte da tradição da família, não demorou para os filhos do seu Severiano tocarem o negócio e alternarem as atividades do armazém com a sinfonia das panelas. Seu Antônio, um dos filhos que melhor comandava o fogão, tornou a iguaria “de mais de 15 ingredientes”, nas suas palavras, um sucesso absoluto. O bolinho de carne atraía os estudantes do colégio, os pescadores e um ou outro turista que já se encantava com as belezas de Santo Antônio de Lisboa e com as delícias da sua culinária. O restaurante ainda não era o Açores, mas foi o embrião para tornar concreto o projeto da terceira geração da família. A mudança Desde 1996 o filho do Seu Antônio, Márcio Antônio Lacerda, tomou a frente dos negócios e mudou o perfil do empreendimento. O casarão deixava de ser um espaço de convívio voltado para a comunidade local e se abria. A aposta nos peixes, camarões e moluscos encontrou local ideal na comunidade que vive basicamente do mar. No cardápio de hoje, destacam-se o Camarão Especial da Casa, salteado na manteiga com ervas finas, e a Ostra Gratinada Especial, com temperos refogados na manteiga e no azeite oliva, acompanhados de catupiry e parmesão. Mais que atraídos pela comida, os fiéis clientes do Açores encontram na música uma desculpa a mais para marcar presença. Com uma programação que reúne grandes compositores e intérpretes de Florianópolis, ouve-se de MPB a samba de raiz, dependendo do dia da semana. Sexta-feira e sábado são dias de casa cheia. “O nosso diferencial é que aqui fazemos amigos, existe uma preocupação em se relacionar bem com os clientes, desde os mais humildes até os mais abonados”, garante Márcio.

A Sambista Raquel Barreto marca presença no bar e restaurante Açores

E clientes ilustres é o que não falta para o Açores. Entre as paredes repletas de objetos antigos, vale a pena dar uma paradinha no mural de fotos e conferir as figuras que já passaram por lá. Convivem lado a lado, no mural, Caco Barcellos, o então candidato à presidência Lula e o ator Sérgio Mamberti, o doutor Vitor do Castelo Rá-Tim-Bum. Pra dar conta dessa variedade de clientela, só mesmo desenvolvendo outras habilidades além do gerenciamento do bar. “Tem que ser um pouco de psicólogo para conhecer o perfil do cliente. Às vezes ele quer conversar, às vezes precisa de privacidade”, observa Márcio. Ele garante que nesses quase 15 anos de parceria com o público, sobram histórias. “Tem gente que acha o amor da vida aqui dentro e volta dez anos depois para contar a história”. Outra história de amor foi imortalizada pelas pelas lentes do cinema nacional. Baseado no conto do franco-belga Júlio Cortázar, o filme “Jogo Subterrâneo”, com direção de Roberto Gervitz e elenco com nomes como Felipe Camargo e Maria Luísa Mendonça, também descobriu o bar e restaurante Açores. A última cena registra o encontro do casal lá mesmo, no palco do bar, ao som do piano tocado pelo personagem de Felipe Camargo. Em meio a histórias, cenas apaixonadas e camarões, se os pecados da luxúria e da gula pesarem na consciência dos frequentadores, a solução pode estar por perto. A igreja de Nossa Senhora das Necessidades, considerada uma das mais bonitas da Ilha e construída entre 1750 e 1756, fica do outro lado da rua. Compõe com a paisagem deslumbrante com o restante do cenário um dos mais bonitos cartões postais da Ilha. Mas quem pensa que da tradição se preservou apenas a arquitetura, nas ruas de pedra e no sotaque do povo, se engana. O bolinho de carne do Seu Antônio continua lá no cardápio, lhe rendendo justa homenagem. Rua Cônego Serpa, 20 Norte da Ilha Santo Antônio de Lisboa - - (48) 3235-1377


Capa - Santa Efigênia Bistrô e Café Guilherme C. Schäffer

Inspiração francesa Requinte paulistano

É

desconhecida a verdadeira origem do termo “bistrô”. No entanto, muito popular na Europa e, em especial, na França, sabe-se que um autêntico bistrô proporciona aos clientes muito mais do que boa gastronomia, oferece um ambiente aconchegante, que prioriza as relações pessoais.

Em Blumenau, o Santa Efigênia Bistrô & Café preenche, há poucos meses, um espaço até então vazio no circuito gastronômico local. A união de um desejo pessoal e o surgimento de uma oportunidade única fez com que o advogado Hélio Gustavo Alves, de 35 anos, criasse em Blumenau uma proposta diferente das que já existem na cidade. Bistrô SC

Carré de Cordeiro com purê de Mandioquinha


17 O projeto arquitetônico desenvolvido pelo arquiteto blumenauense Fabiano Koball compõe um ambiente diferenciado e inovador. Intimista, quente e sofisticado, interage e complementa o cardápio oferecido aos clientes da casa. O ambiente acolhedor abriga, além do bistrô e seus compartimentos de serviços, um business center capaz de receber reuniões de negócios, pequenas palestras e treinamentos.

tijolos maciços rústicos que revestem os pilares e a madeira de demolição presente nos móveis harmonizam com as cores fortes e acentuadas das paredes e forros, valorizadas pela iluminação indireta das arandelas e luminárias pendentes. Procurando manter a unidade e ampliar visualmente o espaço, os guarda-corpos do elevado são compostos por painéis de vidro temperado. O ambiente ainda conta com um pequeno jardim vertical com queda d’água, recriando um ar bucólico.

Desde a fachada do prédio, composta por painéis de madeira e porta de entrada robusta, até o seu interior, é possível encontrar elementos marcantes. Para a ambientação dos espaços destinados ao público – bar, estar, elevado, área comum e deck – foram escolhidos materiais e acabamentos que criam uma atmosfera requintada e aconchegante. Os

Nos compartimentos de serviços – cozinha, despensa, vestiários de funcionários, banheiros para o público – foram utilizados materiais que visam a praticidade e higienização, como paredes e pisos laváveis revestidos com azulejos e tinta epóxi.

Bistrô SC

Guilherme C. Schäffer

Guilherme C. Schäffer

Aberto de segunda a segunda, das 07h às 24h, a casa oferece o café sofisticado com cardápio de chás, bolos, tortas e lanches diferenciados sempre mantendo o requinte dos cafés europeus, além do jantar sempre com muita elegância e almoço mais despojado, no entanto, com o mesmo glamour e cardápios executivos diferenciados. A cozinha não para, são cinco profissionais que se revezam sob o comando do chef pernambucano Thiago Guerra, 22 anos. O sommelier e maitre da casa, Boas Ordoni Moreira, conta que a carta de vinhos apresenta 60 rótulos que passam pelo novo mundo África do Sul, Argentina e Chile, até os tradicionais procedentes da Itália, Portugal e França. E recomenda a pérola de sua carta, um Pinot Noir Francês, Domaine Jacques Cacheux, que harmoniza excelentemente com o Magret de Marreco.

Cordeiro na Folha de Bananeira


Capa - Santa Efigênia Bistrô e Café Bistrô SC

Bruschetta Trilogia Guilherme C. Schäffer

Degustação Unindo as características de um original restaurante parisiense e o clima presente nos cafés paulistanos, o Santa Efigênia apresenta um cardápio surpreendente. Apesar de se consolidar com base na cozinha francesa, também apresenta pratos da cozinha brasileira, porém, com roupagem moderna adaptados ao paladar da região. Há opções autênticas para todas as refeições.

Caprese Bistrô SC

Como entrada, a Bistrô SC recomenda a Bruschetta Trilogia, composta por finas fatias de pão italiano, queijos e geléias. As combinações são propostas para contrastar os sabores de cada ingrediente, como o queijo gorgonzola e a geléia de damasco, o queijo parmesão com a geléia de pimenta e o queijo brie com a geléia de frutas vermelhas. Outras duas deliciosas opções são a Beringela ao Formaggio, que leva beringela grelhada com azeite, molho de tomate, queijo gran formaggio e couli de azeitona, e o sofisticado Caprese, que são tomates com folhas de manjericão e espuma de mussarela de búfala. Como prato principal, o cordeiro é a grande estrela do cardápio, apresentado em duas formas. O Cordeiro na Folha de Bananeira e o Carré de Cordeiro, que acompanha purê de mandioquinha e as conhecidas crisps, fatias de batatas crocantes. O carré, a costeleta do cordeiro, é uma carne de aroma forte e marcante, muito rica ao paladar. Na harmonização do prato, indica-se um vinho bem estruturado e com complexidade aromática.

Beringela ao Formaggio


19 Guilherme C. Schäffer

Guilherme C. Schäffer

Magret de Marreco

Filet au Poivre Guilherme C. Schäffer

Guilherme C. Schäffer

Javali ao Molho Demi Glace

Ratatouille de Pupunha de Camarão

Provando a variedade do cardápio, outras excelentes opções são o: Magret de Marreco, preparado com peito de marreco, purê de batata doce, crisps de batata doce e molho de vinho. O Javali ao Molho Demi Glacê, que leva fetuttine, pimentão, e outras iguarias. Além disso, ainda é possível experimentar o Ratatouille de Pupunha com Camarão e o Filet au Poivre.

Tão importante quanto a entrada e o prato principal, a sobremesa encerra a refeição com um gostinho de quero mais. Recomenda-se com louvor a Marquise de Chocolate com Caviar de Frutas Vermelhas. Marcado por uma linda apresentação, a delícia é servida na taça, composta por chocolate meio amargo, tornando-o um momento doce, sem agredir ao paladar. Igualmente delicioso, a Torta Due Chocolat, que nada mais é do que pão de ló de chocolate com chocolate branco e chocolate meio amargo.

Bistrô SC

Guilherme C. Schäffer

Torta Due Chocolat

Marquise de Chocolate com Caviar de Frutas Vermelhas


Vinho - o Sommelier

Ele é o seu aliado

E

Em muitas culturas, quem servia a bebida divina – o vinho – era um personagem com uma aura mística. O especialista em vinhos tinha a capacidade de perceber sutilezas de fragrância e sabor que outros não observavam. Isso o fazia, de certa forma, uma figura misteriosa e sobrenatural. Para compreender melhor os aspectos desta profissão, é necessário conhecer seu significado. O termo sommelier origina-se de somme/sommier, em provençal saumalie, isto é, o responsável pelos animais de carga, os bois que puxavam os carros usados no transporte de comida e bebida. Com o tempo, o significado se estendeu ao criado que arrumava a mesa e servia.

A imagem do sommelier está mudando. Se, durante muitos anos, ele foi alguém que conhecia vinhos e sabia servi-los à perfeição, hoje lhe são exigidos habilidades e conhecimentos mais profundos e diversificados. O serviço do vinho ainda é o aspecto mais fascinante dessa atividade, pois permite ao sommelier mostrar suas qualidades profissionais e também humanas. É cada vez mais importante que ele saiba criar e atualizar a carta de vinhos, fazer boas aquisições, administrar bem uma adega e controlar as finanças e o marketing da empresa para a qual trabalha. Ele é um profissional capaz não só de sugerir o melhor vinho para cada prato e servi-lo com cuidado e atenção, como de compreender de imediato as exigências do cliente para tomar a atitude mais adequada sem ser hostil, altivo ou subserviente. Também executa o serviço de outras bebidas, como aperitivos e digestivos. O sommelier pode oferecer um licor ou destilado junto com o café ou logo após. A apresentação e o serviço dos charutos também realizados pelo sommelier é muito importante, embora hoje eles só possam ser fumados em salas especiais, principalmente nos países que proíbem o tabagismo em ambientes públicos. É uma profissão rica em aspectos técnicos, humanos e psicológicos, e que exige um alto nível de sensibilidade. O sommelier é quem pode ensinar e apreciar cada nuance de cor e de perfume oculta no vinho, sugerindo as

Entre suas obrigações também, está a constante atualização de habilidades e conhecimentos, adquiridos não só pela experiência, mas também pelo acesso a informações sobre as imagens:divulgação

A profissão de sommelier, como a conhecemos, surgiu no século XIX com a inauguração dos grandes restaurantes e, posteriormente, dos grandes hotéis. Expandiu-se até as décadas de 1960 e 1970, quando foi atingida pela crise econômica durante a recessão. Hoje, graças ao desenvolvimento de muitos países, ela volta a ser uma atividade próspera. Até 2009, os membros da Association de la Sommellerie Internationale (ASI) representam 39 países.

melhores combinações com os pratos e proporcionando o reconhecimento dessa preciosa bebida, presente com freqüência nos momentos mais importantes de nossas vidas. Seu trabalho está estreitamente ligado à busca de uma melhor qualidade de vida, baseada numa boa alimentação que se faça acompanhar dos vinhos mais adequados, servidos da melhor maneira e num ambiente refinado. É um esforço constante para satisfazer plenamente ao desejo do cliente, instruindo-o numa cultura enogastronômica que exige empenho e paixão.

Sommelier no Parigui e no Fasano Beato é indiscutivelmente um dos mais influentes profissionais do Brasil

Gerard Basset – do hotel Terra Vina, localizado em Hampshire, Inglaterra conquisou a primeira colocação do World´s Best Sommelier A.S.I. Competition 2010, evento que confere ao seu vencedor por três anos o título de melhor sommelier do mundo


por Adriane Wiest

“ Terroir ” Catarinense por João Lombardo

Chardonnay Villaggio Grando é TOP TEN na Expovinis 2010 novidades na gastronomia e na indústria hoteleira e de restaurantes em todo o mundo.

Deve possuir algum conhecimento de viticultura, enologia e da terminologia da degustação e legislação vitivinícola, não apenas da sua própria região, mas também de outras nacionais e internacionais. É absolutamente indispensável ao sommelier conhecer as técnicas de degustação, para ser capaz de descobrir e avaliar cada pequeno segredo oculto na bebida e poder aconselhar bem o cliente. Sua sugestão é sempre a melhor porque ele domina e sabe aplicar os princípios da combinação de pratos e bebidas. Isso implica não só o conhecimento dos vinhos, como também da composição das várias especialidades gastronômicas. Esse aspecto, um dos mais importantes do seu ofício, coloca em evidência sua capacidade de degustação e a de descobrir as características de produtos variados. Deve ter noções sólidas de gerenciamento do setor de bebidas, porque estará encarregado de elaborar tanto o orçamento quanto o plano financeiro para os vinhos, controlar o estoque e redigir a carta de vinhos. Também é essencial que conheça e aplique técnicas de comunicação bem desenvolvidas para aprimorar continuamente sua imagem pessoal e profissional. Saber se comunicar é muito útil não só no convívio com os clientes, mas também nas relações públicas com produtores de vinho e outras bebidas ou com organizadores de recepções e demais eventos dos quais ele venha participar. O domínio de línguas estrangeiras é imprescindível no tratamento com clientes de outros países. São muito importantes o francês, que é o “idioma do vinho”, e o inglês, usado internacionalmente.

imagens:divulgação

A presença do sommelier confere ao hotel e ao restaurante um grande prestígio. A formação deste profissional exige cursos de especialização, assim como estudos e atualizações contínuos. Deve conhecer e saber aplicar as técnicas e normas do serviço, assim como dominar as regras de comportamento. Ele obedece à etiqueta, mas sempre com movimentos e atitudes naturais, jamais agindo de forma afetada ou excessivamente controlada. É um perfeito entendedor de vinhos, bem como de todas as outras bebidas.

A vitivinicultura catarinense conquistou uma importante vitória na Expovinis 2010. O Chardonnay Villaggio Grando 2008 foi eleito o melhor Branco de Chardonnay no concurso Top Ten. Um vinho fresco, frutado, intenso e agradável. A vitória do vinho, como um dos 10 melhores apresentados na maior feira do Brasil, no setor, ressalta a vocação das regiões de altitude de Santa Catarina para a produção de vinhos finos de qualidade. E premia a Villaggio Grando, que tem 48 hectares de vinhedos plantados no município de Água Doce, região de Caçador.

Quinta Santa Maria Lança linha Utopia A Quinta Santa Maria, vinícola brasileira com alma portuguesa, lançou no mercado sua linha Utopia. A linha engloba o Chardonnay Glamour e os tintos Utopia Noir, Utopia Mosaïque, Utopia Lote Um e o Utopia 2008, este último, um corte de Cabernet Sauvignon e Merlot intenso, complexo, muito gastronômico. Os vinhos foram apresentados, com sucesso, na Expovinis e em importantes restaurantes catarinenses e paulistanos. A Quinta Santa Maria tem cantina e vinhedos localizados no distrito do Pericó, em São Joaquim.

Merlot Kranz 2008 A vinícola Kranz, de Treze Tílias, acaba de lançar seu primeiro vinho no mercado, o Merlot Kranz 2008. Um tinto intenso, macio, frutado, com notas de especiarias. Um vinho para acompanhar pratos calorosos de inverno.


Vinho- Enogastronomia

por João Lombardo

O saboroso exercício de combinar pratos e vinhos

E

nogastronomia é uma palavra relativamente nova dentro do universo do vinho, no Brasil. Ela trata do saboroso encontro entre pratos e vinhos. Uma prática que acontece de maneira espontânea em países europeus. Mas que, no Brasil, ainda soa, para muitos, como algo sofisticado, complicado. A palavra pode sugerir algo difícil. Mas a prática mostra que a enogastronomia é mais simples do que parece.

Franca. E na França, na Borgonha, o tinto sugerido para carnes é sempre um Pinot Noir. A experiência européia baliza as escolhas em países do novo mundo. Ela serve para a escolha de vinhos europeus e também dos vinhos locais, uma vez que os vinhos finos são produzidos com uvas européias. O gosto pessoal deve ser levado em conta. O vinho escolhido deve sempre atender ao estilo de vinhos que a pessoa gosta.

Em países como Portugal, Espanha, França e Itália a enogastronomia acontece a partir das regiões. Na Itália, por exemplo, um prato de carne terá normalmente a companhia de um tinto de Sangiovese, na Toscana. Na Espanha, na Rioja, o vinho para acompanhar carnes será, muito provavelmente, de Tempranillo. Em Portugal, no Douro, será um tinto feito com as castas locais, entre elas a Touriga Nacional, Touriga

Comece pensando no perfil daquilo que você quer combinar com vinhos. Pratos leves pedem a companhia de vinhos leves. Pratos intensos combinam melhor com vinhos intensos. Vegetais, peixes, frutos do mar e carnes brancas são leves. Esses ingredientes combinam melhor com vinhos igualmente leves. Os brancos são sempre lembrados para esses pratos. Mas se a pessoa gosta de tintos, a escolha deve recair sobre um tinto leve, elaborado , por exemplo, com uvas Gamay, Pinot Noir, um tinto ligeiro do Vêneto, um tinto de ano espanhol. E por aí vai. Carnes vermelhas têm mais estrutura de sabor, mais gordura. Pratos feitos com elas pedem vinhos mais intensos. Normalmente tintos, de uvas diversas: Merlot, Cabernet Sauvignon, Tempranillo, Malbec, Syrah, Tannat. Um vinho mais ou menos encorpado depende da intensidade do preparo. Carnes apenas grelhadas e com pouca gordura combinam com tintos mais leves. Carnes com molhos, cozidas por horas, bem temperadas, pedem tintos mais intensos, encorpados. Massas e amidos, de um modo geral (arroz, batata, polenta etc) combinam com brancos e tintos. O que levará à escolha do vinho será o molho ou ingrediente adicional. Se a massa leva ingredientes leves, pense num branco ou tinto leve. Se é servida com um molho encorpado, mais forte, pense num tinto igualmente mais encorpado. Sobremesas sempre pedem vinhos doces. Tintos ou brancos, dependendo da intensidade de sabor da sobremesa. Começando com essas regrinhas, suas refeições e combinações de pratos com vinhos ficarão ainda melhores. Banco de Imagens

Saúde e bom apetite!


Comendo fora - Bahia

Me valha São Domiciliano

I

r a Salvador e não conhecer o pelourinho é como ir ao Rio e não visitar o Pão de Açúcar, ou ir para São Paulo e não conhecer o Mercado Municipal. O Pelourinho é tão especial, que só do magnífico Elevador Lacerda, temos o por do sol dos mais belos do mundo, abaixo podemos observar o lindo Mercado Modelo e de presente ainda temos a bela paisagem da Bahia de Todos os Santos, tudo isso num só momento, realmente o Pelouro é privilegiado.

Terceira, num ambiente elegantérrimo, requintado, charmoso e aconchegante. O atendimento foi formidável, há uma bela representante baiana, uma mulata linda recepcionando. O maitre, Carlos Magno, muito educado e com garçons preparados para dar todas as explicações do cardápio. Foi servido o couver, com cesta de pães, patês e caponatas, (R$ 9,00 reais por pessoa). Como prato principal, pedimos a tradicional Moqueca de badejo (R$ 68,00) e um Bacalhau Mata Mouro (R$ 85,00), ambos para duas pessoas, porém, se pedir uma entrada antes e degustar do couver, os pratos servem três pessoas tranquilamente.

Estava acompanhado de cinco amigos, e um deles lembrou de uma indicação de um restaurante perto de onde estávamos e decidimos arriscar. O restaurante chama Maria Mata Mouro, culinária contemporânea e regional, fica numa casa construída no século XVII, com paredes levantadas em taipa de pilão. A casa nos desperta curiosidade de conhecer todos os cantos de cada cômodo. Enfim, estávamos no centro do Pelourinho, na rua da Ordem

Os pratos foram servidos em 25 minutos, tempo de espera muito bom, e chegou com um perfume espetacular, além de muito bem decorados e apresentados. Experimentei os dois, e ambos estavam perfeitos. O passeio foi muito bom, com pessoas especiais que tornou a viagem ainda mais agradável. Fechamos o dia com chave de ouro, brindando a vida, o passeio, a amizade e os Deuses, por nos dar a oportunidade de estar num lugar especial como a Bahia.

No dia seguinte, fomos ao restaurante que rede de hotéis Pestana, estabelecido num lindo e histórico convento, o Convento do Carmo. Vale destacar que o Convento do Carmo é o primeiro hotel histórico do Brasil e que sua cozinha, em 2007, foi eleita pela revista Gula como o 3º melhor restaurante português do Brasil.

por sua vez, com mesas nos corredores com vista para o lindo céu da Bahia, o lindo jardim e a piscina. Jantar num lugar com essa magia é cada vez mais raro de encontrar.

Sabemos que há, de fato, um preconceito que restaurante de hotéis não são bons, o que não é verdade. Existem hotéis que prezam pela boa gastronomia, poderia aqui, diante de minhas viagens, citar inúmeros hotéis que apresentam uma boa gastronomia. No entanto, a cozinha do Hotel Pestana quebra todo preconceito. O Convento do Carmo não é diferente de outros conventos, ou seja, sua beleza é exuberante, tendo uma construção história, com decoração clássica e imponente. Deixa-nos encantados com seus corredores longos, com pé direito altíssimo, espreguiçadeiras, salas enormes que viraram salas de estudos, reunião e eventos, e no meio uma bela piscina iluminada, que deixa o lugar ainda mais belo. O restaurante,

imagens:divulgação

Com toda essa riqueza, estar no Pelourinho é uma delícia. Encontramos em suas ladeiras encantos que nos levam a caminhar horas, vendo os prédios antigos, rodas de capoeiras. E mesmo contagiado pela magia própria da Bahia, a fome chega, e aí pensamos, onde comer?


por Hélio Gustavo imagens:divulgação

os amigos Dr. Leon de Mogi das Cruzes, Dra. Sibele e a estudante de direito Natália de Minas Gerais, Dra. Maria Alice e Dra. Kitéira de Santos e eu Hélio Gustavo no Maria Mata Moura

Nos trouxeram o couver que se resume: óleo santo (azeite), azeitona empanadas e recheadas de gorgonzola e pães variados.Um espetáculo de serviço! Enquanto apreciava o couver, analisava o cardápio e observei que, ali tinha as mãos de quem entendia de verdade de gastronomia. Depois de quase 15 minutos lendo o cardápio, resolvi exagerar e pedir o menu degustação, queria de fato descobrir o que tinha naquela cozinha. No menu Lascas de Pasto a Moda Portuguesa em seu degustação seguia: estaladiço Escondidnho de Bacalhau. de carne de sol, mignon de leitão com migas de couve e enchidos portugueses e queijo coalho grelhado, lombo de bacalhau confitado em azeite de coentro e palha de mandioquinha, e trilogia de doces portugueses. Não resisti fui conhecer o chef, Alexandre Vicki. Questionei de onde vinha tanta experiência e ele, muito agradável, contou de sua trajetória profissional. Morando um ano em Barcelono, na Espanha, quatro anos em Portugal e mais além, algum tempo na França. Hoje, está a nove anos no Pestana. Um restaurante com a tranquilidade de um convento, com requinte da rede Pestana e a experiência do chef Alexandre Vicki. Penso que podemos quebrar o preconceito de que hotel não tem uma boa gastronomia. E estou convencido de que, com essa matéria, sua ida a Bahia não será mais a mesma.

Case - Network por Rodrigo Schneider

Nesta edição vamos conhecer um novo empreendimento, que já logra grande sucesso em Florianópolis. Sabe-se que para abrir um negócio, é necessário ter uma boa ideia e muita coragem. Existem muitos fatores que contribuem para o início de um negócio e seu crescimento sustentável. Dentre eles, bom conhecimento em gestão, visão estratégica e senso de oportunidade. Junte tudo isso a uma excelente rede de relacionamento. Multiplique por cinco. Foi isso que os sócios da Nomuro Temakeria fizeram. Luciano Martins (ex-publicitário e artista local de renome), Kadu Almeida (ex-modelo profissional, desfilou para marcas como Armani, DKNY, manager do marketing da Von Dutch), Paulo Fantoche (sócio do resturante Guega de Curitiba e da bem frequantada pousada Zé Maria em Fernando de Noronha), Rodrigo Meintanes (empresário do ramo pesqueiro) e Roger Rodrigues (sócio do Café de la Musique, do badaladíssimo restaurante 3x4 em São Paulo e do clube Madê em Floripa) tomaram a iniciativa de construir um lugar para receber seus amigos e passar horas agradáveis. Assim nasceu a Nomuro. A estratégia de gestão começou no momento da união dos sócios e na escolha do local – esse de suma importância para conquistarem o público desejado. O lugar escolhido foi o “Baixo Lagoa” no começo da Lagoa da Conceição. Um apanhado de boas opções gastronômicas, todos dividindo o espaço lado a lado em um deck muito charmoso, a exemplo de tradicionais calçadas gastronômicas como o bairro Moinhos de Vento em Porto Alegre e do Batel em Curitiba. Cada sócio doa ao negócio sua expertise e se responsabiliza por isso. Mensalmente se reúnem para avaliar os resultados, corrigir, programar e traçar novas metas. Outro diferencial é o acesso ao principal insumo com qualidade, bom preço de custo e distribuição, já que um dos sócios é do ramo. Esse foi um dos fatores para escolherem o temaki como carro chefe. Em alguns meses de operação, já receberam em sua casa clientes celebridades como: Alessandra Ambrósio, João Paulo Diniz, Aécio Neves, Álvaro Garnero, Carlos Mielle, Bruno Gagliasso, Júnio Lima, Rico Mansur e é claro, Fernanda Motta, que é casada com Roger Rodrigues, um dos sócios. “Nosso maior capital é o nosso networking”, resume de forma bastante precisa Luciano Martins. Pode-se usar da gestão e das suas várias aplicações em quaisquer negócios, de diferentes formas. Cada empreendimento recebe melhor um determinado tipo de gestão, que proporciona ao empreendedor conhecer mais e melhor do seu negócio. Nesta edição, ficamos com o excelente exemplo de como um bom networking pode ser fundamental para um negócio. Dois dos cinco sócios, Kadu Almeida e Luciano Martins “Nosso maior capital é o nosso Networking”


Aperitivos Cerveja com Chocolate

Brasil Sabor

Uma combinação inusitada com a bebida preferida dos brasileiros promete se destacar à mesa neste inverno: cerveja e chocolate. É o que apostam as catarinenses Bierland, cervejaria artesanal de Blumenau, e a Nugali Chocolates, de Pomerode.

A gastronomia, uma forma muito particular de arte, expressa o trabalho de chefs espalhados pelo Brasil e pelo mundo. “Sabores que contam histórias” é o tema da quinta edição do Festival Brasil Sabor, uma vitrine que expõe os trabalhos destes verdadeiros artistas. No evento, que já começou e vai até 15 de maio, restaurantes oferecem pratos que representam a “Comida do lugar”, levando em conta a especialidade da casa, as peculiaridades e tradições da região e as referências do chef. O evento, uma parceria entre a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), os Ministérios do Turismo e da Pesca e Aquicultura e o Sebrae, traz ao cliente a oportunidade de experimentar pratos especiais com preços diferenciados. Neste ano, contará com a participação de mais de 300 cidades em todo o país. Em Santa Catarina, o Brasil Sabor pode ser conferido em Balneário Camboriú, Barra Velha, Biguaçu, Blumenau, Florianópolis, Palhoça e São José. Somente na capital, 47 estabelecimentos criaram pratos para o evento e compartilham as receitas no site do evento: www.brasilsabor.com. br. Lá, é possível saber o prato de cada local, o valor, o horário de funcionamento, o endereço, além de poder opinar sobre o prato, o atendimento ou o lugar, através de um e-mail repassado diretamente ao restaurante. Para ter as opções do festival sempre à mão, é distribuída gratuitamente uma versão impressa dos guias de restaurantes, que podem ser encontrados em hotéis, postos de informações turísticas, aeroportos, cinemas e nos estabelecimentos participantes.

Para chegar à harmonização ideal foram realizadas algumas degustações, levando em conta que os sabores devem ser complementares para dar certo. O resultado perfeito, segundo o especialista em cervejas Paulo “Feijão”, da Cervejaria Bierland, foi obtido ao combinar a Bierland Bock e o chocolate ao leite da Nugali, composto por 45% de cacau. “Não é uma combinação fácil, mas ficou deliciosa”, garante Maitê Lang, diretora e chocolatier da Nugali. “A harmonização dá certo, pois a Bock, produzida a partir de cinco tipos diferentes de malte, tem como características no aroma e no sabor leve notas de torrefação, caramelo e chocolate, com um final residual agradavelmente adocicado”, explica Paulo. Outro fator que contribuiu para o sucesso da harmonização foi a semelhança entre as propostas das duas empresas. Além dos processos artesanais de produção, ambas trabalham com matéria prima tradicional, selecionada e rigoroso controle de qualidade. As duas empresas também atuam de forma a educar o consumidor sobre o consumo e as principais características de cada produto. Bistrô SC

A Abrasel e os 20%

Não foram só os clientes que ficaram surpresos com o projeto de lei do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que aumenta para 20% o percentual de gorjeta dada aos garçons de bares e restaurantes após as 23h. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) se posicionou contra a proposta, em nota oficial. Pra virar lei, o projeto precisa passar pela Câmara dos Deputados e, depois, pela sanção do Presidente da República. Difícil de engolir, principalmente em Florianópolis, onde na maioria dos estabelecimentos o atendimento não é digno nem dos 10%.


27 A gente não quer só tainha

Ponte Blumenau - EUA

Blumenau conta, com mais uma opção de gastronomia. Inspirados nos típicos estabelecimentos americanos, Pepper Jack, na rua Joinville, é o endereço certo para quem gosta de comida boa e ambiente estilizado. Todas as receitas foram criadas no Brasil, mas inspiradas nos cardápios de restaurantes americanos de pequenas e médias cidades dos Estados Unidos. Os proprietários, Caio Fontenelle e Vinicius Bressiani, contam que a ideia é proporcionar ao blumenauense mais uma opção de gastronomia ainda não presente na cidade. Caio, que já é proprietário do Restaurante Figueira, diz que está nos planos abrir novos restaurantes, inclusive, Florianópolis é um dos destinos para próximos investimentos. Ricardo Silva/PhotusPress

Ame-a ou deixe-a. A ostra não encontra meio termo entre detratores e amantes. Gostos à parte, o fato é que pouca gente sabe de ela onde vem e o trabalho que dá cultivar este molusco. Respondendo por mais de 90% da produção de ostras no Brasil, Santa Catarina só tornou possível a intensa atividade ostreicultora devido ao papel fundamental da Universidade Federal de Santa Catarina. Em parceria com órgãos públicos e produtores, o Laboratório de Moluscos Marinhos, do Centro de Ciências Agrárias, atua há mais de duas décadas na produção de sementes de ostras. O laboratório funciona em duas bases operacionais: uma na Barra da Lagoa, onde ocorre todo o processo de desenvolvimento das sementes e outra no Sambaqui, que serve como local para monitoramento de exemplares das sementes vendidas. O desenvolvimento do trabalho só foi possível devido às boas condições de adaptação do molusco ao litoral catarinense. Em Florianópolis, as regiões próximas ao Ribeirão da Ilha e a Santo Antônio de Lisboa são as que concentram mais fazendas de ostras. A receita está na combinação de águas calmas e correntes de água fria. “De nada adiantam as boas condições, se o manejo não for correto”, observa o professor Jaime Fernando Ferreira, coordenador do Laboratório. Por isso, a troca de idéias entre os pesquisadores e os produtores é constante. A previsão, para este ano, é que o laboratório venda aos produtores 35 milhões de sementes de ostras gigas, a espécie mais comum do molusco na Ilha.

Inauguração em Jaraguá do Sul O município ganhou uma nova opção de lazer e gastronomia, o Madalena Chopp e Cozinha. Como especialidade, a casa traz em seu cardápio beirutes, capotes e outras delícias sírio libanesas incorporando também seu cardápio de porções e aperitivos, além de extensa carta de vinhos. O Ambiente totalmente inédito na região é tematizado e aconchegante.

Cursos da Escola de Educação Continuada – EDECON FURB Escola de Educação Continuada – EDECON FURB é uma escola vinculada a Fundação Universitária de Blumenau – FURB, que oferece cursos sequenciais e de extensão, presenciais ou à distância, ampliando a possibilidade de acesso à Universidade para diferentes públicos e perfis. A EDECON cria uma oportunidade para ingresso rápido no mercado de trabalho e também manter-se atualizado buscando uma formação complementar. Para ingressar nesses cursos não é necessário ser formado, podendo buscar uma qualificação no campo pessoal, profissional ou acadêmico. Atualmente a EDECON está com os cursos em andamento: de Gastronomia (288 horas/aulas) e Alta Gastronomia (78 horas/aula) que buscam a qualificação de um segmento exigente e ávido por novidades nessa área. São lecionados por profissionais qualificados de diversas

áreas, em sala de aula e também na própria cozinha Técnica de Gastronomia. A EDECON ofertará o curso de extensão com 40 horas/aula presenciais de Cozinha Brasileira, que será lecionado pelos chefs Suzana Wascheck e Nelson Vieira de Freitas. Eles abordarão receitas das cinco regiões do país. O Chef Nelson viajou durante o mês de abril pelo Brasil para apresentar receitas e temperos diferenciados para as aulas. Início das aulas: 24/05 Término das aulas: 02/08/10 Informações e Inscrição Local: EDECON FURB das 8h às 12h e 14h às 18h. Ou no site: www.furb.br/edecon


Tem Reserva? - Plaza Itapema

A

rede de hotéis Plaza Hotéis é composta por seis unidades hoteleiras, estando uma estabelecida no município baiano de Camaçari, duas na capital gaúcha de Porto Alegre, e outras duas nas cidades catarinenses de Blumenau e Santo Amaro da Imperatriz. O primeiro hotel da rede foi inaugurado em 1953, pelo empreendedor João Ernesto Schmidt. Já o Plaza Itapema surgiu no ano de 1972. Hoje, sua área é de mais de um milhão de metros quadrados. É um complexo turístico com ampla infra-estrutura para lazer e eventos, onde se destaca a opulência de um campo de golfe, quadra de tênis, campo de futebol e marina, além de 800m de praia com área para a prática de surf. Ao todo, oferece 120 apartamentos e 36 suítes, distribuídos nos blocos principais e em chalés. O resort ainda dispõe de cinco piscinas, sendo três térmicas, com água do mar aquecida. Possui uma boate e o famoso Spa, com conceito que associa saúde e condicionamento físico, visando o bem estar do corpo e da mente. Junto às áreas do hotel e do spa, há ainda um condomínio de luxo, onde mora, por exemplo, o conhecido matemático brasileiro, Oswald de Sousa. Falando do que interessa a estrutura conta com três bares o bar da piscina, o Bar Netuno e o Bar da Ilha e dois restaurantes o Coqueiros e o Ostras & Cia, ambos sob a responsabilidade do veterano Chef Luis Carlos Rodrigues

FOTOS: Bistrô SC

Mens sana in estomago sano


Bistrô SC

Luis Carlos Rodrigues está há 15 anos na equipe de cozinheiros do Plaza Itapema, um dos maiores e mais antigos resorts da rede Plaza Hotéis. Seu espírito criativo evoluiu através de anos de experiência na cozinha e em cursos realizados mundo afora. Sua mais recente especialização ocorreu no norte da Itália, no vilarejo de Dozza, onde ficou três meses no hotel Monte del Ré, um antigo mosteiro franciscano do século XVIII. De lá, trouxe sugestivas ideias que foram adicionadas ao cardápio do Coqueiros, o restaurante principal do Plaza Itapema.

Uma delas resultou no encorpado Filé Monte del Ré. É composto por medalhão de filé mignon, que valoriza o corte alto da carne e ressalta a beleza do prato. Por se tratar de uma peça que não possui sabor marcante, é necessário o uso de molhos, temperos ou guarnições para realçar suas qualidades. No caso, o Chef Rodrigues optou pela presença do Foie Gras, ou fígado de pato. Suave e levemente amanteigado, é uma iguaria rica em gordura e de sabor bastante singular.


Tem Reserva? - Plaza Itapema FOTOS: Bistrô SC

Outro reconhecido prato, fruto da requintada imaginação do Chef Rodrigues, é o Camarão ao Molho de Caipirinha. A iguaria foi desenvolvida pelo profissional após ter participado de um workshop com o célebre chef francês Emmanuel Bassoleil. O preparo é simples, mas reserva particularidades. O camarão é empanado na farinha de panko, uma variação da farinha de rosca brasileira, com um farelo um pouco mais crocante e granulado. Recebe também coco fresco ralado. Por fim, o camarão é frito e banhado em um molho de caipirinha - o típico drink brasileiro, que leva cachaça, limão e açúcar. Na guarnição, é servido acompanhado por purê de batata roxa. De sabor muito similar ao da batata doce, o purê ostenta uma belíssima cor exótica, que enriquece o resultado final. Além do chef de cozinha Luis Carlos Rodrigues, a equipe do Plaza conta com a chef pâtisserie Amanda Selbach, responsável por toda a confeitaria do hotel. A gaúcha, natural da cidade de Canela (RS), estudou e trabalhou na França. Ela atua no Plaza Itapema desde outubro de 2009. Cláudio Justen, por sua vez, trabalha na rede Plaza há 29 anos e está no Plaza Itapema há um ano. Sua atual função é de gerente de alimentos e bebidas, mas também é maitrê há 25 anos.


31

Vida Boêmia Taikô – Jurerê Internacional

O Butiquin Wollstein oferece todas as terças-feiras uma iguaria diferente para ser degustada. Contando com a nova integrante da equipe Wollstein, a chef Gabriela Kalvelage, o dia voltado para a boa gastronomia já se tornou uma constante entre os frequentadores da boa mesa. Acompanhe o cardápio pelo www. butiquinwollstein.

Localizado no norte de Florianópolis, o balneário de Jurerê Internacional, local de origem do Taikô Jurerê Internacional, foi considerado o destino mais valorizado do litoral brasileiro pelo Guia Exame de Investimentos Pessoais 2008, e como “the place to be” pelo renomado jornal The New York Times. Famosa por suas mansões, águas calmas, segurança e organização, a praia virou referência de turismo internacional. Dentro desse contexto, o Taikô Jurerê Internacional é hoje um dos pontos de praia mais badalados do litoral brasileiro, sendo comparado aos melhores paradouros de Punta Del Este, Ibiza e Saint Tropez. O local se destaca por reunir qualidade gastronômica e entretenimento em um ambiente descontraído à beira mar, e frequentado por um público extremamente diferenciado. Na alta temporada recebe cerca de 200 mil pessoas do Brasil e do exterior. A decoração é inspirada em referências polinésias, distribuída em diversos ambientes como: Restaurante, Bar, Deck, Lounge, Espaço Grill, Sushi e Beira de Praia. O Taikô Jurerê Internacional mescla a cozinha tradicional do litoral catarinense com técnicas de cocção da cozinha internacional contemporânea, tudo dentro de uma concepção de cardápio simples, com petiscos, pratos de frutos do mar, massas e risotos. E ainda carnes nobres preparadas no espaço grill e deliciosas sobremesas. No Sushi Bar, os clientes acompanham a arte da culinária japonesa no preparo de seus pedidos.

imagens:divulgação

Butiquin Wollstein

Cervejaria Original A Cervejaria Original vem resgatar o velho boteco da esquina onde os amigos se encontram pra jogar conversa fora, ouvir uma boa música num ambiente descontraído e familiar. São 3 ambientes divididos em 240m², com um Deck para quem gosta de estar em evidência, o Salão Superior mais reservado, o Térreo com amplo espaço e conforto e todos com a opção de locação para eventos. O cuidado

está em obter móveis e decoração de época, muita madeira, tijolo de demolição e vários objetos antigos buscando um passado de boas lembranças. Aliando qualidade gastronômica com as mais tradicionais comidas de boteco, uma variada opção de bebidas e com foco nas cervejas em garrafa de 600ml. Localização privilegiada e de fácil acesso, ao lado do Shopping Beiramar. Porque as coisas boas não mudam.


Vida Boêmia Expresso ChoperiaJoinville A programação da Expresso Choperia de Joinville traz novidades quentes para embalar os dias frios desta semana, e traz atrações especiais que fazem da Avenida JK – 536 o melhor destino da cidade. A excelente gastronomia e a grande variedade de bebidas, como por exemplo, os whiskies, vinhos e cervejas completam a série de opções.

www.basementpub.com.br.com.br - 48 3340.0534

U

m lugar estabelecido no porão de um antigo prédio histórico no centro de Blumenau pode fazer você se sentir como se estivesse em solo Inglês. O The Basement English Pub oferece o que há de mais autêntico para ter a sensação de curtir o happy hour em Londres. Com muita experiência no currículo, os irmãos Juliano e Bruno Mendes, junto com o apoio do pai Jarbas Mendes, tornaram um antigo sonho em realidade. Os antigos proprietários da respeitada cervejaria blumenauense, Eisenbahn, uniram conhecimento e experiências internacionais com um único propósito: criar algo jamais visto na cidade.. FOTOS:Bistrô SC

De quarta a sábado, a Expresso abre às 20 horas. No primeiro momento, a casa oferece som ambiente e uma variedade de pratos e opções gastronômicas para jantar ou se reunir em um happy hour. A partir das 21h30, a choperia incrementa e oferece os melhores shows para os mais variados estilos. Por isso, o melhor da semana acontece aqui!

Cheers!!

Para acompanhar as novidades, pequenas postagens de festas da Expresso Choperia e curiosidades acesse o nosso miniblog: www. twitter.com/expressochop e o site www. expressochoperia.com.br.

London Pub – Jaraguá O London Pub está dividido em dois ambientes, um adequado para a prática do happy hour, com uma seleta carta de bebidas com cervejas nacionais e importadas, coquetéis, chopes e destilados, além do cardápio com opções de pratos à la carte e petiscos. Entre as sugestões da casa para petiscar, a casa sugere o Chapa Lombo, porção para duas pessoas, feito com cubos de filé mignon, cobertura de queijo mussarela e servida em uma chapa quente de ferro. Quanto aos pratos, a dica é o Escondidinho, porção para até quatro pessoas, feito com purê de mandioca, carne de sol e queijos mussarela e provolone, acompanhado de arroz. Na parte do pub, a casa realiza shows emdiversos ritmos, como blues, voz e violão, pagode, rock, pop rock, eletrônica e sertanejo.

Apesar de pouco tempode funcionamento, o The Basement faz de clientes e funcionários, os seus maiores admiradores. A hostess Greice Westphal, 22 anos, trabalha na casa desde o primeiro dia e confessa que trabalhar lá não é nenhum sacrifício. Já as amigas blumenauenses Bruna Maragno, 23, e Ana Hoe Tanko, 29, fazem do pub um ponto de encontro pelo menos uma vez por semana. “Parece que estamos em outro mundo, adoramos esse lugar”. Com a decoração muito semelhante ao que podemos encontrar em bares típicos ingleses, o The Basement English Pub ainda oferece um grande diferencial: o serviço. O bar caracteriza-se como um original gastropub, que, além de oferecer diversas opções de cervejas, vinhos e destilados, também proporciona ao cliente opções gastronômicas bem executadas e muito mais saborosas do que as encontradas nos pubs tradicionais.

As amigas blumenauenses Bruna Maragno, 23, e Ana Hoe Tanko, 29, “Parece que estamos em outro mundo, adoramos esse lugar”.


O cardápio foi elaborado pelo premiado Chef curitibano, Flávio Frenkel. Ele é o responsável pela variedade de petiscos, saladas e grelhados servidos na casa. Sem mencionar os pratos tradicionais como o Fish and Chips, a tradicional comida londrina de rua, feita com peixe frito em massa de cerveja acompanhado de batatas fritas e molho especial. Tudo sempre harmonizado com as melhores cervejas.

Chef Rafael Korioluk

FOTOS:Bistrô SC

Atualmente, quem comanda a cozinha é o Chef Rafael Korioluk que preparou para a degustação da Bistrô SC uma deliciosa costelinha de porco com molho barbecue. O petisco é uma novidade trazida da última viagem de Juliano Mendes à Europa. Para cada prato o cardápio dá uma sugestão de harmonização com cervejas oferecidas pela casa, no caso da costelinha por exemplo a inidicação de harmonização é com a Eisenbahn Rauchbier cerveja de coloração avermelhada e paladar seco.


Pão Líquido

Números lado Bier

N

o mundo há por volta de 120 tipos de cervejas diferentes e foi basicamente em três países que surgiram a maioria deles: Alemanha, Bélgica e Inglaterra. Hoje, além destes países, os norte-americanos fabricam excelentes cervejas. Nos Estados Unidos existem quase duas mil cervejarias, que, além de reproduzirem muito bem a maioria dos estilos europeus, também inovam. Os belgas têm uma tradição secular na fabricação de cerveja. Com a produção de excelentes estilos, uma de suas principais características é o fermento, que traz muitas particularidades à cerveja, tanto no aroma quanto no paladar. Além disso, são ótimos na utilização de adjuntos na produção, como coentro, casca de laranja, cereja, etc. O país também conta com seis monastérios que ainda produzem cerveja. Os principais tipos fabricados na Bélgica são: Dubbel, Tripel, Strong Ale e Wit. Os ingleses criaram cervejas com características bem distintas, mas com um ingrediente peculiar, o lúpulo. Sendo ele a principal característica das cervejas inglesas. Os principais tipos são: Porter, Pale Ale, Bitter Ale, Barley Wine. Outros países também participaram desta criação de estilos, como a República Tcheca, que através de um cervejeiro alemão inventou o Pilsen, estilo mais consumido no mundo. Já no Brasil, as microcervejarias seguem a escola alemã e é nelas que vou me aprofundar um pouco mais. A Alemanha é o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, no país surgiram estilos como: Rauchbier, Weizenbock, Weiss, Dunkel, e outros. Os dois registros mais antigos sobre cerveja na Europa são na Alemanha. Na primeira metade da Idade Média a produção estava centralizada em monastérios e conventos, que costumavam oferecer pousada e refeições para os viajantes. Com tempo para aprimorar a produção, os monges tornaram-se excelentes e abnegados mestres cervejeiros. Nessa época nasceu a cervejaria mais antiga do mundo, ainda em atividade, montada em 1040 no mosteiro Weihenstephan, na cidade alemã de Freising. Além da cervejaria, hoje é o mais conceituado centro internacional formador de mestres cervejeiros, para a Alemanha e para o mundo. Foram os monges que aperfeiçoaram a bebida em suas experiências, introduzindo o lúpulo no processo de fabricação a partir do século IX. Essa flor conferiu à bebida um sabor amargo e trouxe um novo aroma, além de tornar a cerveja mais resistente à passagem do tempo, trazendo melhores

condições de armazenagem e transporte. Hoje, a Alemanha é um dos principais fornecedores de lúpulo para o mundo. Em dias santos, os monges distribuíam um litro da bebida por pessoa, e fora destes dias ela tinha que ser comprada. Os devotos e os lucros chamaram a atenção de príncipes e de cidades independentes que viram a cerveja como uma fonte de impostos que não estavam sendo cobrados. A cerveja e os impostos tornaram-se logo tão inseparáveis como carne e unha, mas tiveram outro efeito, porque muitas famílias começaram sua própria fabricação da bebida. Com a força combinada destes fabricantes de cerveja caseira e das cervejarias do governo, os monges lentamente foram cessando a fabricação. Outra característica da cerveja alemã é o malte. Assim como a belga tem o fermento e a inglesa tem o lúpulo, a alemã desenvolve ótimas cervejas utilizando o malte como protagonista. Diferente da inusitada escola belga, a escola alemã é bem regrada devido à Reinheitsgebot ou conhecida também como Lei Alemã de Pureza, promulgada em 23 de abril de 1516, pelo Duque Guilherme IV da Baviera. Ela estipula que apenas malte de cevada, lúpulo, água e fermento devem ser os ingredientes na produção da cerveja. A Reinheitsgebot foi considerada uma das primeiras leis de defesa do consumidor, visto que na época, o conhecimento para produção de cerveja era para poucos e estes tinham total liberdade para produzir. Como não havia nenhum tipo de controle sobre estas produções e muitos ingredientes eram adicionados à bebida, elas poderiam ser nocivas à saúde da


35 por Paulo Feijão população e, dessa forma, com o surgimento da lei, seria possível padronizar mais as produções. Até hoje as cervejarias alemãs a seguem fielmente, e em outros países algumas cervejarias também usam a lei como referência. Não há unanimidade em relação a Lei Alemã de Pureza. Alguns acham que ela é um traquejo cultural porque sem esta legislação o país poderia ter criado e inovado mais a produção de estilos, pois teriam liberdade em utilizar outros ingredientes. Outros já defendem e acham que ela protege um patrimônio alemão: a cerveja. Além disso, a escola alemã ganhou uma de suas principais características: a utilização do malte, pois os cervejeiros tiveram que reinventar suas cervejas devido à limitação da Reinheitsgebot. A tradicional Bock recebeu outras versões, como a Doppelbock, Heller Bock e a alcoólica Eisbock. Das tradicionais cervejas de trigo também surgiram Dunkelweizen, Weizenbock, entre outros exemplos.

Embora muitas vezes encontremos na Bélgica lojas e bares com centenas de cervejas de todo o país e que representam variados estilos, esses locais são muito raros na Alemanha. A presença confortante da Lei Alemã de Pureza sugere que tudo está bem no mundo do cervejeiro alemão, mas na realidade as cervejarias alemãs são tão suscetíveis a aquisições por grandes grupos cervejeiros como os de qualquer outra nação. Conglomerados internacionais e até mesmo nacionais estão começando a assumir cervejarias alemãs. Não é necessariamente ruim grandes grupos assumirem as cervejarias, o problema é que eles estão mais propensos a diminuir em qualidade para o bem dos lucros. E isso, as pequenas cervejarias não fazem, pois têm orgulho do seu produto.

Cerveja: Cervejaria Bierland Tipo: Bock Apresentação: Garrafa 600ml. Alcool: 5,8% Cor: Marrom, avermelhada, limpa, brilhante. Espuma: Boa formação, boa duração. Aroma: Maltado, chocolate, caramelo, notas de torrefação. Paladar: Ótimo corpo, boa carbonatação, leve dulçor residual,caramelo, torrefação, chocolate, equilibrado amargor. Comentário: Boa representante nacional do estilo Bockl, possui as principais características do estilo. Cerveja: Gaffel Apresentação: Garrafa 330ml. Tipo: Kölsch Álcool: 4,8% Cor: Dourado intenso, brilhante, limpa. Espuma: Média formação, duradoura. Aroma: Pão, malte, lúpulo, leves notas frutadas. Paladar: Médio corpo, pão, malte, leve adocicado, sensação residual agradavelmente amarga. Comentário: Bom exemplar, possui boa carbonatação, começa com toques adocicados, para terminar com um agradável amargor, deixando marcas no paladar após degusta-la.

Cerveja: Hofbräu München Apresentação: Garrafa 500ml. Tipo: Oktoberfestbier / Märzen Álcool: 6,3% Cor: Dourado intenso, limpa, brilhante. Espuma: Boa formação, duradoura. Aroma: Malte, lúpulo, floral. Paladar: Bom corpo, lúpulo, malte, ligeiramente seca, boa carbonatação, sensação residual bem equilibrada entre malte e amargor.

FOTOS:Bistrô SC

Existe cerca de 1.200 cervejarias na Alemanha, onde a maioria produz diversos estilos e por isso é difícil chegar a uma estimativa em relação à disparidade de cervejas que são produzidas no país. Há pelo menos uma cervejaria em cada cidade e uma das características do mercado alemão é o regionalismo. Eles possuem grande fidelidade aos locais que frequentam para tomar cerveja. Além de ser uma tradição, ajuda a retardar a entrada de cervejas internacionais de má qualidade. No entanto, isto inibe a exploração de tipos de cerveja em outros locais da Alemanha. Existem estilos que só são encontrados em determinadas regiões, como a Kölsh, em Colônia e a Alt em Düsseldorf.

Cerveja: Private Weissbierbrauerei G. Schneider & Sohn GmbH Tipo: Heffeweizen Apresentação: Garrafa 500ml. Alcool: 5,4% Cor: Dourado intenso, turva devido ao fato de não ser filtrada. Espuma: Boa formação, ótima duração. Aroma: Frutado, nuances de banana, cravo, caramelo, doce. Paladar: Ótimo corpo, forte carbonatação, leve dulçor, frutado, leve acidez, cravo, leve notas de banana. Comentário: Excelente exemplar cervejeiro da escola alemão, possui todas as características fundamentais para o estilo.


Receitas VIP

C

om a variedade de ingredientes e carnes que encontramos disponíveis no mercado atualmente, torna-se infinita a capacidade de elaborar pratos diferenciados para fazer bonito em casa na hora de receber uma visita. No Brasil ainda não temos muito o costume de preparar e comer carnes exóticas como javali, avestruz, jacaré, cobra, coelho, entre outras. Ultimamente tenho reparado muito nas carnes exóticas e de caça, e de como estão aumentando as ofertas disponíveis, sejam elas nas variedades de cortes, animais, produtores e preços. Algumas carnes requerem certos cuidados especiais, tanto na hora da compra, como em seu preparo, pois algumas têm sabor forte e único, tornado a escolha do acompanhamento um detalhe fundamental na hora do preparo, para que a fusão de sabores seja perfeita. Em algumas regiões só encontramos esses tipos de carnes em casas especializadas, restaurantes ou em grandes redes de supermercados, tornando o consumo no país ainda mais baixo. A divulgação é fundamental em qualquer segmento, porém, no meio gastronômico não adianta apenas falar que é gostoso e saudável, o cliente só vai aprovar a novidade se comer e gostar e aí sim ele vai voltar, e com certeza vai levar mais alguém com ele e esse alguém também vai gostar e voltar com outras pessoas, e assim vai indo até cair no gosto de grandes massas, consequentemente aumentando o consumo. Já preparei e provei várias destas iguarias que citei e recomendo a todos que, quando tiverem a oportunidade de provar, que o façam, pois algumas destas delicias só podem ser comercializadas e consumidas se criadas em cativeiro devidamente autorizado. Chef Fred.

Omelete de alecrim recheado com salmão e azeitonas imagens:divulgação

DIFERENTES E SABOROSAS

Ingredientes: 2 ovos 1 galho de alecrim 150g de salmão 20g de azeitonas Sal e pimenta Modo de preparo: Bata bem os ovos com um pouco de sal e reserve. Corte o salmão em tiras e grelhe com sal e pimenta e reserve. Na mesma frigideira faça uma omelete com os ovos batidos e após virá-lo recheie com o salmão e as azeitonas, dobre ao meio e sirva com torradas. Rende uma porção.

Banana caramelizada com sorvete de creme e paçoca crocante de chocolate Ingredientes: 4 und. de banana 100ml de suco de laranja 2 colheres de sopa de açúcar 2 bolas de sorvete de creme 100g de waffer de chocolate moído

Modo de preparo: Corte as bananas em cubos. Em uma frigideira aqueça o açúcar ate derreter, quando estives escurecendo acrescente as bananas e vá pingando o suco aos poucos para não esfriar muito rapidamente o açúcar e formar bolinhas e deixe formar uma calda. Coloque as bananas cara meladas em uma taça com o sorvete por cima. Após moa bem os waffers e espalhe sobre o sorvete e a banana e sirva. Rende 2 porções.


37 por Fred Milanese

Barca de abobrinha com ratatouille de camarão, tomate cereja e ervas frescas Ingredientes: 2 und. Abobrinhas grandes 400g de camarões Medios/Pequenos 300g tomate cereja cortado em quatro 2lt de caldo de galinha Tomilho Alecrim Manjerona ou Manjericão Sal e Pimenta do reino moída 20ml Azeite de Oliva Salsinha picada para decorar Modo de Preparo: Corte as abobrinhas em quatro pedaços grandes e depois os pedaços ao meio para logo após retirar a polpa deixando apenas a casca grossa para formar as “barcas”. Ferva o caldo de frango e coloque as barcas, tampe a panela, cozinhe de 5 a 7 minutos e reserve. Em uma frigideira aqueça bem o azeite e refogue os camarões com sal e pimenta, sempre retirando, caso junte, a água da panela. Em seguida acrescente os tomates, algumas folhas de tomilho, alecrim e manjerona mexendo apenas para a mistura dos ingredientes, esta pronto. Montagem do prato: Disponha as barcas, já cozidas, de abobrinha em um prato raso em seguida recheie com o ratatoulle de camarões e finalize com azeite e salsinha picada para decorar. Rendimento: 4 Porções

Mini Cheesecacke de requeijão com massinha integral e geléia de frutas

Modo de preparo: Bata as bolachas em um liquidificador ate virar uma farofa bem fina, em seguida misture bem a manteiga com as bolachas batidas para dar liga e virar uma massinha. Em uma forma para empada molde a massa de bolacha apertando bem em volta e no fundo para formar uma barca. Deixe de um dia para o outro na geladeira para a massa ficar firme e receber o recheio. Montagem do prato: Recheie as barcas com o requeijão, deixando um espaço para a geléia, e em seguida complete o espaço restante com a geléia e sirva. Rende aproximadamente 12 und.

imagens:divulgação

Ingredientes: 200gr de bolacha integral 50gr de manteiga em temperatura ambiente 100g de requeijão 150g de geléia de frutas

Acesse outras receitas : http://www.redetv.com.br /portal/entretenimento/gastronomia/ Fale com o Chef : fredmilaneseredetv@hotmail.com


Hummm Miele

Cozinha Santa Efigênia Café e Bistrô

U

ma sobremesa tradicional, clássica e contemporânea. Unindo o tradicionalíssimo bolo-de-rolo pernambucano com o clássico cheesecake, ressaltando o produto da nossa terra, mas com uma roupagem moderna.

em pernambucano, é comer uma bela fatia do bolo acompanhado com uma generosa fatia de queijo, o que ajudou na criação da sobremesa com o cheesecake. Daí veio a ideia do nome da sobremesa Romeu e Julieta, a junção da goiabada com o creme de queijo.

Relatados históricos falam sobre o surgimento do nosso bolo-de-rolo, que ele é uma derivação do português colchão de noiva, que em vez do recheio de amêndoa passou a ter o de goiabada. A tradição

Esta criação assim como o Mil Folhas de Figo são criações de Amanda Rafaela responsável pelas sobremesas do Santa Efigênia Café e Bistrô.

Bistrô SC

Simples mas sofisticado


GASTRONOMIA E ARTE

Bistrô SC

Mil folhas de figo Ingredientes: 250g de massa folhada 1 lata de leite condensado 1caixa de creme de leite 400g de figo 100ml de chantili 120g de açúcar refinada Modo de preparo: 1 passo: Abra a massa folhada e coloque para assar em 220 graus por cerca de 15 a 20 min ou até estufar e dourar. Deixe esfriar e corte em quatro. Apare as bordas usando um papelão como guia. 2 passo: Bata em um liquidificador o leite condensado, o creme de leite e 150g de figo, reserve e leve a geladeira. 3 passo: Bata o chantili até ficar firme, use um saco de confeitar para fazer rosetas com o creme em um dos pedaços de massa. Disponha 100g de figo cortados entre as rosetas. Na outra parte coloque o morse de figo, na última camada repita as rosetas com chantili. Polvilhe o último pedaço de massa com bastante açúcar de confeiteiro. Faça desenho no açúcar com um espeto quente e decore com figo.

Bolo-de-rolo Romeu e Julieta Ingredientes: 120g de bolo-de-rolo Para o Cheesecake 2 gemas 3 colheres (sopa) açúcar refinado 200g creme cheese 100ml de creme de leite 20g de gelatina incolor Modo de preparo: Bater o açúcar com a gema, depois acrescentar o creme cheese, o creme de leite e a gelatina até da o ponto desejado. Em um prato grande coloque a base do bolo-de-rolo

Em formas perfeitamente desenhadas e um sincronismo de cores, a gastronomia e as artes por vezes se fundem e se tornam uma só. O que pensa o artista enquanto desenha, pinta ou esculpi? Sua imaginação divaga em universos nunca antes percorridos. As linhas e cores vão tomando formas, muitas vezes abstratas, outras vezes sutis e até agressivas. Tudo para exprimir seus sonhos, sentimentos ou simplesmente seu dom. E quanto a nós cozinheiros? Nos expressamos com nossas ferramentas, panelas, colheres temperos, e com a mesma paixão dos artistas plásticos, somente nos diferenciamos na matéria-prima, os alimentos. Transformamos esse material em obras de arte com toda nossa paixão, talento e dedicação. Utilizamos as mais diversas técnicas, cortes, cocções, texturas e sobreposições para criar nossas obras. A montagem de nossos pratos se transforma em pinturas, nossos legumes e frutas se transformam e esculturas, mas com uma vantagem, tudo com muito sabor. Imagino que poderíamos ser artistas plásticos também, porque acima de tudo, a gastronomia é uma arte, para quem a executa com amor e consegue transmitir esse amor aos pratos que cria. Trazendo a beleza e várias sensações a quem as experimente. Aromas, sabores lembranças da infância, de um encontro... Infelizmente a nossa profissão, cozinheiros (as vezes chamados de “chefs”), ainda é pouco valorizada – caso esse profissional não tenha um nome conhecido ou tenha vindo de outro país. É preciso entender um pouco mais da gastronomia e todo o trabalho que a envolve. Gastamos muitas horas de nossas vidas estudando, trabalhando para criar e elaborar receitas e pratos que as pessoas possam além de sentir os sabores, apreciarem a beleza que está ali na sua frente. Por vezes somos vaidosos e precisamos da aprovação do nosso trabalho, que fazemos com muito carinho. Esse primeiro artigo que escrevo para a Bistrô SC dedico aos meus colegas, profissionais que como eu, se apaixonaram pela gastronomia, ou melhor, a arte da gastronomia e se entregam a essa paixão esquecendose muitas vezes que existe vida social, finais de semana, um chopinho com amigos, para se dedicarem a criar um grande momento para que as pessoas saboreiem com prazer e alegria um boa refeição. SUZANA WASCHECK

Coordenadora do Curso de Gastronomia Universidade Regional de Blumenau FURB suzanawascheck@yahoo.com.br


MENU da edição

Entrada

Salada Normanda.... p.42

folhas frescas, brotos e flores, com finas fatias de peito de pato curado, maçãs grelhadas, queijo brie, nozes e crutons

Salada Italiana.... p.45

folhas verdes, cenoura, tomate seco, presunto de parma e crótons

Prato

Fortaleza São José.... p.43

atum selado em crosta de gergelim, servido com purê de wasabi, algas e demi-glace

Rigatoni ao molho Santa Luzia.... p.45

rigatoni com molho a base de calabresa moída, ricota fresca, azeite de oliva e cebola e molho de tomate feito na hora

Congrio ao Molho de Coco e Curry da Costa Rica.... p.48 Congrio ao Molho de Coco e Curry

Puerto Penãsco.... p.50

enchiladas recheadas de camarões ao molho de tomate, champignon e salsa picante

Pizza

Nona Mia.... p.46

calabresa ralada, alho picante, gorgonzola, queijo italiano e nozes

Sobremesa

Manezinha.... p.43

biscoito de chocolate, pudim de leite, pêra na calda de baunilha e brigadeiro de colher

Sorvete de creme com calda quente de maça caramelizada.... p.50

sorvete de creme com calda quente de maça caramelizada

www.bistrosc.com.br - As seguintes matérias publicadas não são matérias pagas. Todas as casas aqui apresentadas foram selecionadas pelo conselho editorial e convidadas a figurar nesta seção. Especial agradecimento ao Sr Victor Gomes, Sr Edvaldo de Souza , Sr Marcus C. Grade, Sr Rosano Flores, Srª Daniela Pinheiro, Srª Rosangela Giovanella, Srª Tatiana Lunelli, Sr. Hélcio Luiz Silva e srª Louise Marrie Bittencourt Hibiner pela hospitalidade incondicional e o profissionalismo com que receberam a equipe Bistrô SC.


Menu - Florianópolis

Café Riso & etc...

O

www.caferisoetc.com.br - 48 3223.8753

Café Riso & Etc. agrega especialidades da cozinha internacional e da confeitaria requintada e selecionada. “Riso” remete ao bom humor, às risadas e ao clima alegre e descontraído que a casa transmite. No entanto, também valoriza um ingrediente em especial: o arroz – ou “riso”, em italiano – que ganha destaque no menu, preparado na forma de risotos. O menu do Chef Vitor Gomes é caracterizado pelo apelo de vanguarda, sempre propondo uma pitada de modernidade a receitas consagradas. Exemplo disso está na sugestão de um jantar completo tendo salada Normanda na entrada, peixe Fortaleza de São José como prato principal e sobremesa Manézinha para finalizar a refeição.

Chef Victor Gomes Natural de Florianópolis, Vitor Gomes foi eleito o Chef do Ano pela revista Veja Santa Catarina – Comer & Beber, por duas ocasiões consecutivas. É o principal responsável pela cozinha do Café Riso & Etc. e conduziu a casa ao prêmio de melhor restaurante variado em 2009. A paixão pela gastronomia surgiu muito cedo. Aos 11 anos, já era o cozinheiro oficial da sua patrulha de escoteiros. Abriu uma padaria seis anos depois e foi sócio de um bar. Em um dos principais momentos de sua carreira, esteve 12 anos à frente do Emporium Bocaiúva, empreendimento que considera um verdadeiro divisor de águas para a gastronomia de Florianópolis, até então, praticamente inexistente. No ano de 2004, partiu para uma temporada de cursos e estágios em Paris. Em terras francesas, graduou-se Chef e administrador de restaurantes pelo Lycée Hotelier de Saint-Quentin, na cidade de Yvelines. De volta ao Brasil, em 2006, comandou por um breve período o Restaurante Taiko, na badalada praia de Jurerê Internacional. Já em 2007, passou a trabalhar no projeto do Café Riso & Etc, inaugurando-o no ano seguinte, em sociedade com o advogado Luis Grassia. Sem ressalvas, aplicou o conhecimento de diversas culturas, tanto nacionais quanto internacionais, no cardápio do Café Riso & Etc., onde explora os alimentos e provoca uma experiência de diversos sabores, texturas e temperos.

FOTOS:Bistrô SC

A salada Normanda é um mix de folhas frescas, brotos e flores, com finas fatias de peito de pato curado, maçãs grelhadas, queijo brie, nozes e crutons. Acrescentar sal ou algum tipo de molho para degustação fica a gosto do cliente.


O Fortaleza São José é feito com atum selado em crosta de gergelim, servido com purê de wasabi, algas e demi-glace – redução concentrada de carne. Os ingredientes que compõem o prato são muito apreciados na culinária japonesa, a exemplo do wasabi, conhecido como raiz forte, ou rabanete japonês. A curiosidade do Fortaleza São José fica por conta das algas, que além de agregarem sabor, valorizam a estética do prato. A sobremesa intitulada de Manézinha é uma miscelânea de doces sabores, com biscoito de chocolate que derrete na boca, pudim de leite, pêra na calda de baunilha e brigadeiro de colher, para relembrar a infância. O Chef salienta que nenhuma das guloseimas leva gordura hidrogenada e mais: são utilizados somente chocolates belgas no preparo.

FOTOS:Bistrô SC


Menu - Indaial

Deck 5

www.deck5.com.br - 47 3333.0555

Essa é a proposta que as proprietárias Daniela Pinheiro Wagner e a também Chef de cozinha, Rosangela Giovanella trazem ao Restaurante Deck 5. Além das noites badaladas durante toda a semana, são diversas as opções para almoço aos sábados e comidinhas para tornar o happy hour ainda mais saboroso. O espaço recebeu a Revista Bistrô SC com a salada italiana, a massa Santa Luzia e a exclusividade da casa, o sorvete com calda de maça caramelizada. A salada é simples e a combinação dos ingredientes faz toda a diferença, o colorido do prato é o grande atrativo. Composta por folhas verdes – rúcula, alface e agrião –, cenoura, tomate seco, presunto de parma e crótons, pode ser servida apenas com azeite de oliva extra virgem ou aceto balsâmico, agregando sabor agridoce. Todas as opções oferecidas no cardápio do Deck 5 são servidas em porções para apenas uma pessoa, como é o caso do rigatoni, servido com o molho Santa Luzia. Feito com massa fresca, produzida em Santa Catarina, o rigatoni é muito parecido com o penne, mas normalmente é maior e com bordas retas. O molho é a base de calabresa moída, ricota fresca, azeite de oliva e cebola. Mas o grande segredo está no molho de tomate, que é totalmente caseiro. O sabor é verdadeiramente único. Para finalizar, a sobremesa exclusiva. O sorvete de creme com calda quente de maça caramelizada é criação da Chef Rosangela e só é possível encontrar no cardápio do Deck 5.

FOTOS:Bistrô SC

O

mercado gastronômico está em plena expansão e isso se deve, principalmente, porque muitos restaurantes optam por oferecer serviços segmentados aos seus clientes. Com a especialização em alta, se torna praticamente impossível encontrar um restaurante que ofereça refeições para todos os gostos e para qualquer momento.


35

FOTOS:Bistr么 SC


Menu - Pomerode

FOTOS:Bistrô SC

Tarthurel 47 3387.1202

C

om o clássico forno a lenha, a Tarthurel nasceu do desejo e do gosto pela beleza, qualidade e sabor da pizza. O casal de proprietários, Tatiana Lunelli e Hélcio Luiz Silva, conquistaram amigos e clientes com a grande variedade de sabores que apresentam no cardápio. São mais de 70 sabores diferentes e inusitados que atendem aos mais diversos paladares. Estão presentes no cardápio desde o princípio, como as pizzas: Carpe Diem, Capperi, Nona Mia e Gorgonzola com Nozes. Todas são criações ou adaptações de Hélcio que, além de proprietário, também é um dos pizzaiolos do restaurante. A Carpe Diem leva em sua massa o colorido do brócolis, palmito, tomate seco e azeitona preta. Já a Capperi contém o sabor característico do queijo provolone, champignon, tomate seco, azeitonas e manjericão, frequentemente usado na cozinha italiana.


47

A prova de que os sabores da Tarthurel Pizzaria são os melhores da região é que o restaurante é indicado no Guia Quatro Rodas desde 2006 – a publicação seleciona e classifica anualmente os melhores locais para se visitar no país. Bistrô SC

A Nona Mia está entre as mais pedidas, e isso porque ela é realmente muito apetitosa. O forte sabor da calabresa ralada se une ao sabor picante do alho. A Gorgonzola com Nozes, como o nome indica, leva em seu recheio o tradicional queijo italiano de textura macia e sabor levemente salgado, junto com a crocancia das nozes.


Menu - Balneário Camboriú

Djô Djô

www.djodjo.com.br - 47 3367.9000

FOTOS:Bistrô SC

P

raias de águas cristalinas, paisagens de tirar o fôlego, noites de diversão ao extremo. Estes não são os únicos pontos que aproximam o Caribe do badalado município de Balneário Camboriú. Inspirado nas riquezas das ilhas da América Central, o Djò Djò Restaurante e Bar é uma das novidades gastronômicas da capital turística do Mercosul. A casa oferece um cardápio diversificado, reunindo uma fusão de sabores da culinária francesa, africana, indiana e espanhola. E o melhor: tudo isso de frente para a incomparável orla do litoral catarinense. Djò Djò significa “desfrutar”, o que é exatamente a proposta do exótico restaurante. As nuances do ambiente, especialmente decorado sob a temática caribenha, convidam a experimentar as extravagantes opções do cardápio. O Congrio ao Molho de Coco e Curry da Costa Rica, um dos pratos mais solicitados, é famoso por ressaltar a

pureza do sabor original dos alimentos. A receita pode ser considerada um dos principais exemplos da união dos conceitos da gastronomia caribenha com a experiência do chef Rossano Flores. Pimenta-do-reino e molho inglês são os temperos utilizados para intensificar o sabor do filé. Além disso, o congrio é selado em óleo quente e assado para completar o cozimento. Dessa forma, são mantidas as características originais de umidade e aroma do peixe. O molho de coco é feito com gengibre, pimentões, cebola e leite de coco. Um toque de curry, condimento de origem indiana, deixa o molho com aroma peculiar e dá uma cor levemente dourada ao prato. Um toque de limão acentua a combinação de sabores. O resultado final, assim como a cor dos mares caribenhos, é inexplicável.


49

Bistr么 SC


Menu - Balneário Camboriú

Ricco Suave 47 3360.0503

Santa Catarina possui certa deficiência quando se trata de gastronomia mexicana de qualidade. Foi a partir desta constatação que surgiu o restaurante Ricco Suave, em Balneário Camboriú. Os sócios Marcus Grade e Edvaldo de Souza uniram desejo e experiência e deram início às atividades

FOTOS:Bistrô SC

F

alar de gastronomia mexicana é falar de sabores, cores e aromas exóticos. Por isso, é considerada uma das culinárias mais atraentes do mundo, das quais fazem parte ingredientes fundamentais como milho, feijão, abacate, tomate e pimenta. Tudo é muito encorpado, intenso e picante.

do restaurante há cerca de três anos. O cardápio do Ricco Suave valoriza a gastronomia de fronteira. Ou seja, nele é possível encontrar aspectos da cozinha mexicana combinados com os da culinária dos Estados Unidos, país que faz fronteira com o norte do México. Nesta região, chamada de Deserto de Sonora, os pratos mexicanos não são tão apimentados, devido aos costumes do povo norteamericano.


Bistrô SC

Em meio aos famigerados tacos, burritos, fajitas e quesadillas, o Ricco Suave também é especialista em enchiladas, um tipo distinto de panqueca de milho. Para entender melhor, em espanhol, o verbo enchilar significa “cobrir, envolver”. Populares no México, as enchiladas são muito admiradas nos Estados Unidos. Puerto Penãsco, cidade situada na região do Deserto de Sonora, empresta o seu nome a uma das enchiladas exclusivas do Ricco Suave. O recheio do prato é composto por camarões ao molho de tomate, champignon e salsa picante, caldo genuinamente latino. Por sua vez, o molho de tomate é uma

particularidade da cozinha do Chef responsável Edvaldo, já que é preparado com base nos molhos tipicamente mexicanos. Ir ao Ricco Suave é experimentar uma rica viagem aos sabores do México. Para a casa, a satisfação do cliente está sempre em primeiro lugar. Todos os ingredientes utilizados no cardápio, assim como os componentes da enchilada Puerto Penãsco, são pré-preparados diariamente, antes do restaurante abrir as portas à clientela. Deste modo, os pedidos demoram, em média, não mais do que 15 minutos para serem servidos à mesa.



Bistro SC edição de apresentação