__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Campinas novembro 2014

Ano 13 N0 151

Ladrão perde moral com BU Comum

Usuária faz Cartão Bilhete Único Comum na hora: praticidade e segurança

A

s concessionárias do transporte coletivo urbano de Campinas registraram apenas seis roubos no interior dos seus ônibus

em outubro. A redução significativa na quantidade de assaltos, de acordo com a Transurc, está relacionada ao novo sistema de pagamento de

viagens que, desde 1º de outubro, é feito apenas com a utilização de cartões eletrônicos. Página 3

Garagens fazem reúso de água As empresas do transporte coletivo urbano de Campinas têm investido no reúso de água para lavar seus veículos. O investimento traz benefícios ambientais significativos, com a diminuição do volume de água gerado e com a redução da poluição hídrica, uma vez que os efluentes são tratados e reaproveitados.

Veículo é lavado na Itajaí Transportes

325 pontos na Rede Credenciada

Pense verde! Recicle a informação: passe este jornal para outro leitor. Recicle o papel: não jogue este impresso em vias públicas.

Pág. 6

Página 7


Adesão ao BU Comum é maciça

O

primeiro mês de funcionamento do sistema de pagamento de viagens no transporte coletivo de Campinas mostrou que quase 99% dos usuários preferem usar os cartões do Bilhete Único. No último dia 31, de cada 200 passageiros, apenas 3 ainda usavam o Bilhete Viagem. Diariamente, mesmo aquelas pessoas que ainda compram os novos bilhetes nos ônibus têm preferido fazer a troca pelo Bilhete Único Comum. Os motivos são vários: ele é feito de graça, a pessoa escolhe o valor que quer colocar de crédito, ele permite fazer integração, não precisa ir até um dos postos de reembolso para pegar os R$ 2,00 do "casco" e, desde o dia 1º de outubro, mesmo se o usuário estiver com saldo zerado, pode fazer até duas viagens e descontar o saldo negativo quando for recarregar. No mês de outubro, a Associação das Empresas de Transporte

Coletivo Urbano de Campinas (Transurc) emitiu 44.871 novos cartões Bilhete Único Comum. O processo de cadastro é rápido, simples e gratuito, apenas com a apresentação do RG e do CPF. No mês de setembro, 25.841 usuários fizeram esse tipo de cartão. Apenas para efeito comparativo, em agosto, foram feitos 5.364 cartões. E, de janeiro a julho, foram produzidos 23.157 cartões Bilhete Único Comum. A Transurc nota que, a cada dia que passa, ocorre uma redução no volume de cartões vendidos dentro dos veículos do transporte coletivo e, com isso, o número de assaltos está sofrendo uma redução significativa. No mês de agosto, por exemplo, os ônibus foram assaltados 61 vezes contra 20 vezes em setembro, ou seja, houve uma queda de 67% nesse tipo de crime. Em outubro, o número de roubos foi ainda menor, o que significa que a medida deu excelentes resultados, aumentando a segurança dos passageiros, motoristas e cobradores.

Atenção à sinalização Na região do Viaduto Cury todo cuidado é pouco, tanto para os carros que circulam no local, quanto para os pedestres. Por isso: atenção às placas.

Um oferecimento:

Conselho Editorial: Belarmino da Ascenção Marta Júnior, Joubert Beluomini, José Roberto Felício, Hélio Borto lotto Júnior, Armando Corrêa Damaceno, Ennio Viegas de Oliveira Paes Júnior, Allex Villaça, Everton Duz, Sergio Finatti e Laércio Reis Coordenação e edição: Paulo Barddal e Natashy Duarte Textos: Natashy Duarte

Projeto gráfico: Ricardo Cruzeiro Fotos: Gustavo Magnusson Revisão: Marco Antonio Storani Editoração: Natashy Duarte Jornalista responsável: Paulo Barddal (MTb 20.856) Visite nosso site: www.transurc.com.br Telefone para contato: (19) 3731-2600

Redação: Rua 11 de Agosto, 757, Centro. CEP 13013-101, Campinas, SP Anúncios: JML/Imediata - (19) 3232-4900 T iragem: 30 mil exemplares Impressão: GrafCorp Publicação mensal para distribuição gratuita entre clientes e colaboradores da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc).


Campinas, novembro de 2014

3

SEGURANÇA

Outubro registra apenas seis roubos em ônibus coletivo s concessionárias do transporte coletivo urbano de Campinas registraram apenas seis roubos no interior dos seus ônibus em outubro. É a menor quantidade registrada no ano que, até setembro, mantinha uma média de 45 assaltos por mês. “Em maio e agosto, por exemplo, o número de crimes desse tipo foi de 72 e 73 ocorrências, respectivamente”, afirma Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc). A redução significativa na quantidade de assaltos, de acordo com a Transurc, está relacionada ao novo sistema de pagamento de viagens que, desde 1º de outubro, é feito apenas com a utilização de cartões eletrônicos. “Quase 99% das viagens são feitas com o uso dos cartões Bilhete Único. Hoje, apenas 1,5% ainda compra Bilhete Viagem dentro dos veículos, ou seja, significa dizer que, de

A

cada 200 pessoas que embarcam somente três compram esse tipo de cartão dos motoristas, cobradores, nos postos e na rede credenciada da Transurc”, diz Barddal. No mês de setembro, aconteceram 20 assaltos, contra 61 registrados em agosto, uma queda de 67%. “A redução nos roubos começou um pouco antes do novo sistema de cobrança entrar em vigor pois muitas pessoas fizeram a migração do pagamento em dinheiro para os cartões Bilhete Único Comum”, explica Barddal. No mês de setembro, os assaltantes levaram R$ 1.355,00 dos caixas dos ônibus. No mês que passou, a maior parte dos crimes está ligada aos cartões Bilhete Viagem vendidos nos ônibus. Se for feita a conversão dos valores e quantidades de cartões levadas nos seis assaltos, o valor é de R$ 148,10. A expectativa da Transurc é que, nos próximos meses,

Pagamento exclusivo com cartão contribui para redução na porcentagem de roubos

a tendência de queda se mantenha pois, a cada dia que passa, a quantidade de Bilhete Viagem vendida no interior dos veículos é menor.

Recarga de BU Comum é feita em loja de cosméticos

Estabelecimento fica dentro de shopping

A loja Momento Beleza fica no Free Shopping, localizado na Av. Moraes Salles, 393, e já existe há mais de um ano e meio, mas só passou a ser conhecida depois que entrou para a Rede Credenciada Transurc há quatro meses. “Melhorou muito o acesso das pessoas.

Elas vêm para fazer a recarga do cartão, conhecem a loja e aproveitam para comprar alguma coisa”, revela Cristiane Salvagnini, sócia-proprietária. É por isso que ela recomenda a qualquer comerciante que faça parte da Rede Credenciada.

Além da recarga do cartão Bilhete Único Comum, a Momento Beleza oferece cosméticos, perfumes, hidratantes e produtos para os cabelos, nacionais e importados. A loja também tem para prontaentrega produtos da Natura, Avon, Eudora e Boticário.


RTIG

Crise da água em São Paulo: responsabilidade da Sabesp? Álvaro Junior

Josué Mastrodi Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo S.A. (Sabesp) é a atual prestadora de serviço público de fornecimento de água na Região Metropolitana de São Paulo. Ela é uma sociedade de economia mista, com ações negociadas na Bolsa de Valores e que faz parte da chamada Administração Pública Indireta do Governo do Estado de São Paulo. Sua atuação é determinada, ainda que indiretamente, pelo governo, que indica seus dirigentes e que também tem a prerrogativa de destituí-los. Embora a Sabesp seja estadual, quem tem a prerrogativa constitucional de prestar serviço de fornecimento de água recebe a outorga do governo federal e tem o dever de administrar todos os mananciais e sistemas de tratamento, distribuição e esgotamento de água da região mais densamente povoada do Brasil. Deve cuidar para que os mananciais não se esgotem (pela preservação dos atuais e pela busca de adicionais) e para que os sistemas de distribuição não tenham vazamentos (a fim de evitar perdas). Em contrapartida à prestação dos serviços (sob a fiscalização da Agência Nacional de Águas – ANA), tem o direito de cobrar pelo fornecimento de água e esgoto e, com isso, auferir uma receita da ordem de R$ 11,9 bilhões, como foi a de 2013. Prestar serviço público parece ser um negócio altamente lucrativo. Porém, o que importa ao estado não é o lucro da prestadora de serviços, mas a qualidade da prestação do serviço e a continuidade da prestação. Não se admite que o serviço público seja interrompido, a não ser em casos de força maior: se a Sabesp deixar de fornecer água por causas que lhe sejam externas, ela não pode ser considerada culpada.

A

Porém, se ficar constatado que a falta de prestação de serviços se dá por alguma causa atribuível à Sabesp, ela deverá ser, de alguma forma, responsabilizada. Atualmente, vivemos uma crise de abastecimento de água na Grande São Paulo – e, por via reflexa, também na Região Metropolitana de Campinas –, decorrente do quase esgotamento da Reserva da Cantareira. A Sabesp e seu controlador – o Governo do Estado de São Paulo – já afirmaram que essa crise é causada exclusivamente pela estiagem (ou seja, por um fato da natureza, nada a ver com a Sabesp), ainda mais porque, nos últimos nove anos, houve investimento de mais de R$ 9,3 bilhões em melhorias na prestação do serviço público. Porém, se ficar caracterizado que a crise de abastecimento não decorre da seca, a responsabilidade pela interrupção do serviço público seria inteiramente da Sabesp. Desde 2004, a ANA tem alertado sobre a necessidade de mais investimentos, e os alegados R$ 9,3 bilhões em investimentos não se mostraram suficientes, tanto que a atual perda de água por vazamentos na rede da Sabesp é de 25% da distribuição – ou 2 milhões de metros cúbicos de água perdida por dia –, contra 15% nas companhias de água dos EUA ou 11% das japonesas. Apesar desses investimentos, a Sabesp teve lucro de R$ 13 bilhões nesse mesmo período de nove anos, que preferiu distribuir aos acionistas em vez de buscar alternativas de abastecimento. Para que a Sabesp seja juridicamente responsabilizada, ela precisa passar por um processo administrativo perante a ANA, ou por algum processo judicial. Naquele caso, se constatada a má gestão da Sabesp, ela corre o risco de até mesmo perder a outorga e deixar de prestar o serviço público (que passaria a ser prestado por outra empresa, ou até mesmo pelo próprio governo federal). No caso de processo judicial, a responsabilidade se refere não só à falta de prestar o serviço (e cada consumidor

lesado poderia pedir a sua própria indenização), mas também à reparação de possível dano ambiental, decorrente do esgotamento e dos custos de recuperação da Reserva da Cantareira. Segundo a lei de crimes ambientais, poderia até mesmo se pensar, nessa situação, em responsabilidade criminal da Sabesp.

Josué Mastrodi é professor-doutor da Faculdade de Direito da PUC-Campinas.


Campinas, novembro de 2014

5 CRIME

Vandalismo contra ônibus aumenta 320% em 2014

O

vandalismo no transporte coletivo de Campinas já atinge a marca de 101 casos no ano de 2014. As empresas de ônibus somam um prejuízo de R$ 1,82 milhão, dinheiro suficiente para a aquisição de seis ônibus novos. O aumento na violência é de 320% em relação ao ano passado. Em 2013, 23 ônibus foram depredados e 1 ônibus foi queimado, causando um prejuízo de R$ 119,5 mil. Em 24 de outubro, um articulado Volvo B12M, carroceria Marcopolo BRT, ano 2012, pertencente à Itajaí Transportes Coletivos, foi incendiado no bairro Parque Itajaí, periferia de Campinas. O crime teria sido cometido em represália contra a morte ocorrida pela manhã, após o acidente relacionado a uma denúncia de emboscada contra um policial militar. Assim como neste caso, os ônibus constantemente são alvos de bandidos que agem “em retaliação” contra algo que discordam. Em julho, outro veículo da Itajaí Transportes foi incendiado. Em 27 de julho, o veículo, da linha 2.02 – Parque Valença 2, estava vazio e dez indivíduos mandaram o motorista sair para atear fogo no carro. Os autores disseram ao motorista que a ação não tinha nada a ver com ele, era retaliação contra a polícia pela morte de um traficante na semana anterior durante uma perseguição policial. Naquele dia, o prejuízo da empresa foi de R$ 250 mil. Em 11 de abril, o crime foi contra a Onicamp Transporte Coletivo. O ônibus prefixo 4874, da linha 4.13 – São José/Centro, foi incendiado no São José. Quatro bandidos armados, dos quais três encapuzados, forçaram os 45 passageiros a descer do veículo e o incendiaram. Segundo populares, o incêndio foi uma

Articulado Volvo B12M, carroceria Marcopolo BRT, ano 2012, pertencente à Itajaí Transportes Coletivos, foi incendiado no bairro Parque Itajaí

retaliação contra a morte de dois bandidos no dia anterior, durante assalto a estabelecimento no DIC 4. O ônibus, ano 2010, estava avaliado em R$ 180 mil. No começo do ano, em 13 de janeiro, jovens organizaram um “protesto” no Terminal Vida Nova contra uma chacina na qual cinco jovens foram mortos no bairro no mesmo dia. A ação violenta resultou em três veículos queimados, mais nove danificados e na depredação do terminal. O prejuízo foi de R$ 450 mil. Além dos ônibus queimados, 95 veículos foram alvos de vândalos, boa parte em crimes registrados na Estrada da Mão Branca, aos finais de semana, que resultaram em ações da Polícia Militar para investigar os bailes funk que ocorriam na região. No primeiro final de semana de novembro, cerca de 2.000 pessoas, a

maioria trabalhadores que dependem de ônibus para trabalhar, foram prejudicadas em virtude de crimes de vandalismo cometidos por jovens e adolescentes na região do Campo Grande. Um grupo composto por cerca de 500 baderneiros, que todo final de semana se reúne na Praça da Concórdia, depredou cinco ônibus, orelhões e o vidro da cabine do Terminal Campo Grande, que foi invadido por eles após a Polícia Militar tê-los dispersado da praça. “A empresa, como medida preventiva, manteve 32 veículos parados dentro dos terminais Itajaí e Campo Grande, das 4h30 às 6h30, no domingo, dia 2. No período de duas horas, cerca de 2.000 usuários, entre os quais a maioria de trabalhadores, deixaram de ser transportados”, afirmou Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc, da qual a Itajaí é associada.


INTERCAMP

Quase 99% dos usuários têm cartão Bilhete Único

Cartão Bilhete Único Comum é feito na hora no Terminal Metropolitano

m outubro, primeiro mês de funcionamento do sistema de pagamento de viagens apenas com bilhetes, apenas 3 em cada 200 passageiros compraram cartões nos ônibus. No primeiro mês de funcionamento do

E

sistema de pagamento de viagens no transporte coletivo de Campinas apenas com a utilização de cartões eletrônicos, 1,6% dos passageiros não usou o Bilhete Único. “Isso significa dizer que apenas 0,46 pessoa por viagem compra os novos Bilhete 1 Viagem e Bilhete 2 Viagens, ou seja, a cada 200 pessoas apenas 3 ainda não utilizam os cartões da família Bilhete Único”, diz Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), organização responsável pela gestão do sistema de bilhetagem eletrônica. No mês de outubro, 44.871 pessoas fizeram o Bilhete Único Comum, que permite integração, pois sua confecção é feita gratuitamente com a apresentação do RG e do CPF. No mês de setembro, 25.841 usuários

fizeram esse tipo de cartão que, desde o dia 1º de outubro, além da integração também permite que o beneficiário faça até duas viagens mesmo com o saldo zerado. “Em agosto, foram feitos 5.364 cartões e, de janeiro a julho, apenas para efeito de comparação, foram produzidos 23.157 cartões Bilhete Único Comum. A Transurc nota que, a cada dia que passa, ocorre uma redução no volume de cartões vendidos dentro dos veículos do transporte coletivo”, diz Barddal. A Transurc, por intermédio de cobradores, motoristas, cooperativas, postos de venda e Rede Credenciada, distribuiu 383.723 cartões Bilhete 1 Viagem e Bilhete 2 Viagens no mês passado. Desse total, 230.233 cartões foram reembolsados, ou seja, 60% do total. A associação conta com nove postos de troca desses cartões eletrônicos.

Rede Credenciada conta com 325 pontos de recarga A Transurc, organização responsável pela bilhetagem eletrônica, conta hoje com 325 pontos para a recarga do Bilhete Único Comum, entre postos próprios e estabelecimentos comerciais credenciados. A relação completa pode ser conferida no site www.transurc.com.br. Ou seja, o usuário de Bilhete Único

Comum não precisa fazer a recarga do cartão apenas nos terminais e na sede da Transurc. Ele pode encontrar um estabelecimento credenciado no seu bairro ou perto do local de trabalho. Além do site, os nomes e endereços dos pontos da Rede de Representantes Credenciados podem ser conferidos no Guia dos

Representantes Credenciados, um livreto distribuído gratuitamente em todos os terminais de ônibus e demais pontos próprios da Transurc. A meta da associação é ampliar a rede em até 20% até o final do ano para que os usuários tenham ainda mais comodidade para fazer a recarga do Bilhete Único Comum.


Campinas, novembro de 2014

7 S U S T E N TA B I L I D A D E

Concessionárias reaproveitam água para lavar ônibus

A

Água da chuva também é reaproveitada e tratada na Pádova

s concessionárias que operam o transporte coletivo urbano de Campinas têm investido no reúso de água para lavar seus veículos. O reúso da água traz benefícios ambientais significativos, sejam relativos ao gasto com a quantidade consumida nas garagens, com a economia na conta do final do mês ou mesmo com redução da poluição hídrica, uma vez que os efluentes são tratados e reaproveitados. “Em média, são usados aproximadamente cerca de 700 litros de água para lavar e limpar cada ônibus convencional. Para os articulados são necessários cerca de 1.200 litros de água. Dessas quantias, 100 litros são perdidos apenas com a evaporação e no piso. O restante volta para a cisterna que armazena a água da chuva”, explica Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), entidade que integra as concessionárias VB Transportes e Turismo, Itajaí Transportes Coletivos, Coletivos Pádova, Expresso Campibus e Onicamp Transporte Coletivo.

Cerca de 700 litros de água são necessários para lavar um ônibus convencional

Na garagem da Itajaí, localizada no Campo Grande, por exemplo, além da reutilização da água normal, a empresa faz a captação de água da chuva. A concessionária tem uma estação de tratamento própria para os efluentes e o processo de aproveitamento é contínuo. A água da chuva também é armazenada em duas cisternas, uma com capacidade para 500.000 litros e outra para 120.000 litros de água. “Após o tratamento, o efluente é devolvido às cisternas para reutilização, ou seja, toda a água utilizada é tratada e continua dentro da garagem; não é enviada para a rede de esgoto”, diz Barddal. Do outro lado da cidade, em Sousas, a Coletivos Pádova também investe em uma estação de tratamento de água própria em sua garagem. Além de reutilizar a água usada na lavagem dos veículos e evitar o desperdício, um sistema de coleta ligado nas cisternas faz

a captação da água da chuva. São armazenados 20.000 litros de água que possibilitam a lavagem de 10 ônibus por dia, em média. Esses efluentes passam por tratamento até ficarem adequados para serem usados novamente. Ou seja, toda a água utilizada é tratada e continua dentro da garagem, não sendo enviada para a rede de esgoto. “Agora pago um terço do valor da conta de água que pagava antigamente”, relata Hélio Bortolotto Júnior, diretor da empresa. Mesmo no período de estiagem, a garagem consegue ficar até dois meses sem precisar de água da chuva por causa do reaproveitamento. A garagem da VB Transportes e Turismo, localizada no bairro Bonfim, também conta com Estação de Tratamento de Efluentes (ETE). A Expresso Campibus, que tem a sua garagem ao lado do bairro Boa Vista, está finalizando a sua ETE, que deve ser inaugurada em novembro.


Palavras Cruzadas Diretas

Qualidade no atendimento Mesmo com a quantidade enorme de gente nos terminais e na sede, fui bem atendido em 2 de outubro, com cordialidade e sorriso no rosto quando fui fazer a segunda via do cartão. Adriano Teixeira dos Santos, funcionário público

FALE CONOSCO! Envie comentários, críticas e sugestões para o jornal O Coletivo: Rua 11 de Agosto, 757, Centro. CEP 13013-101. Ou envie e-mail para jornal@transurc.com.br.

Leis dos EUA No Arizona é crime chutar uma mula. Em Phoenix, os homens devem usar calças quando entram na cidade. Já na Flórida, os policiais são proibidos de fofocar no horário de serviço em Key West. Na Geórgia, é proibido dar tapinhas amigáveis nas costas dos outros. Em Atlanta, não é permitido que pessoas fedidas andem de bonde. Em Minnesota é proibido pendurar roupas íntimas de homens e mulheres no mesmo cabide. Fonte: Guia dos Curiosos


Campinas, outubro de 2014

9 MUDANÇAS

Linhas Adhemar de Barros e Viracopos recebem articulados

A

s linhas de ônibus 1.15 – Adhemar de Barros e 1.93 – Aeroporto de Viracopos foram substituídas por ônibus articulados, que comportam 104 passageiros, em vez da capacidade média de 66 lugares dos ônibus convencionais. A troca representa um aumento de 9,09% na oferta de lugares, somando as duas linhas. Os horários de funcionamento das duas

Linha que atende o aeroporto agora conta com articulados

linhas nos dias úteis também foi alterado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec). Sábados, domingos e feriados seguem inalterados. A 1.15 também teve mudanças também no itinerário: deixou de entrar no Terminal Central e passou a circular no Corredor Central. Nos bairros, não passa mais pelas ruas Pedro Cortado e Celso Brilhante. Detalhes sobre as mudanças estão no site www.emdec.com.br.

U m GIRO

pela IDAD

C

E

Linha 3.16 faz mais viagens aos sábados A linha de ônibus 3.16 – Parque Cidade tem novos horários aos sábados. A Emdec aumentou o número de viagens nesses dias, acrescentando quatro no sentido Rua Dezessete - Av. Dr. Moraes Salles e quatro no sentido Av. Dr. Moraes Salles - Rua Dezessete. Nada muda nos dias úteis, domingos e feriados. Dessa forma, o intervalo médio entre os ônibus foi encurtado aos sábados. No sentido bairro-centro, se antes a

espera chegava a 20 minutos (faixa horária 9h30 – 10h10) e 26 minutos (faixa horária 10h3611h54), agora será de 13 minutos, das 9h33 às 18h26. Entre 4h45 (primeiro horário) e 9h05, o intervalo continua de 13 minutos. Das 18h55 às 23h44, é de 17 minutos. No sentido centro-bairro, o intervalo será de 13 minutos das 5h30 às 19h11 e de 17 minutos das 19h35 a 00h24.

141 é o número total de bairros de Campinas que têm estabelecimentos credenciados na Rede de Representantes da Transurc.


FA C I L I D A D E

Farmais Unimart faz cadastro de Bilhete Único

A

Farmais Unimart, localizada dentro do Shopping Unimart, é um dos estabelecimentos da Rede de Representantes Credenciados Transurc que fazem o cadastro do Cartão Bilhete Único Comum. Quem mora na região do Jardim Aurélia encontra o local aberto de segunda a sexta, das 6 às 24 horas, e aos sábados e domingos, das 8 às 24 horas. Além da farmácia, há outros 15 pontos de cadastro do cartão BU distribuídos por Campinas. Para fazer o benefício, basta apresentar CPF e RG. O Bilhete Único Comum é gratuito,

permite a integração e ainda, mesmo com o saldo zerado, o usuário pode fazer até duas viagens e depois descontar o saldo negativo quando recarregar. O cartão pode ser bloqueado em caso de perda ou roubo e o saldo transferido para uma segunda via. Outra vantagem é a de que essas pessoas podem fazer a recarga em um dos 325 pontos que a Transurc mantém na cidade de Campinas, sejam os pontos próprios ou os estabelecimentos comerciais credenciados. A listagem completa dos credenciados está disponível no site

Farmácia fica no Shopping Unimart

www.transurc.com.br e também nos guias impressos que a associação distribui em terminais, sede e Loja do Bilhete Único.

Ganhe tempo 1 – Transurc, Rua Onze de Agosto, 757, Centro. Atendimento de segunda a sexta, das 7h30 às 18 horas; 2 – Terminal Central, Viaduto Miguel Vicente Cury, Centro. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 23 horas; 3 – Terminal Mercado, Avenida Benjamin Constant, Centro. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 21 horas; 4 – Terminal Ouro Verde, Avenida Ruy Rodrigues com Avenida Nelson Ramos, Área Sudoeste. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 23 horas; 5 – Terminal Barão Geraldo, Rua Luis Vicentim, Área Norte. Atendimento de segunda a

segunda, das 6 às 23 horas; 6 – Terminal Campo Grande, Avenida John Boyd Dunlop com Rua Dr. Edgar Pereira Souza, Área Oeste. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 23 horas; 7 – Terminal Metropolitano, R. Dr. Pereira Lima, 85, Vila Industrial. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 23 horas; 8 – Poupatempo Centro, Rua dr. Pereira Lima, 85, Vila Industrial. Atendimento de segunda a segunda, das 6 às 23 horas; 9 – Loja do Bilhete Único, Avenida Anchieta, 55, Centro. Atendimento de segunda a sexta, das 7h30 às 18 horas. Sábados, das 8 às 13 horas;

10 – Karol – Bar e Lanchonete do Chicão, Rua Maria Benedita Tranferetti, 312, Jardim Nova América. Atendimento de segunda a sexta, das 7h30 às 18 horas; 11 – JC Café, Avenida Ruy Rodrigues, 3.871, Parque Universitário de Viracopos. Atendimento de segunda a segunda, 24 horas; 12 – JC Café, Rua Onze, 614, Jardim Campo Belo II. Atendimento de segunda a sexta, das 7 às 19 horas. Sábados e domingos, das 7 às 12 horas; 13 – Mercadinho Líder de Campinas, Rua Sarah Kubitschek de Oliveira, 14, Conjunto Habitacional Vida Nova. Atendimento de segunda a

sábado, das 7 às 19 horas. Domingos, das 7 às 12h30; 14 – Farmais Unimart, Avenida John Boyd Dunlop, 350, Jardim Aurélia, dentro do Shopping Unimart. Atendimento de segunda a sexta, das 6 às 24 horas. Sábados e domingos, das 8 às 24 horas; 15 – Drogaria Sidarta I, Rua Oswaldo O. Barthelson, 1.111, Jardim Londres. Atendimento de segunda a sexta, das 6 às 24 horas. Sábados e domingos, das 7 às 23 horas; 16 – Expresso Bilhete Único, na Avenida Moraes Salles, estacionado em frente do prédio da Guarda Municipal de Campinas. Atendimento de segunda a sextafeira, das 7h30 às 17 horas.


Campinas, novembro de 2014

11 BENEFÍCIO

Transurc antecipa Cadastro Escolar 2015 em 135 escolas

A

Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), com o objetivo de dar maior comodidade aos estudantes que utilizam o benefício do Passe Escolar, está fazendo a antecipação do Cadastro Escolar para o ano letivo de 2015. A antecipação será feita em 135 escolas de Campinas, com a expectativa de que 10 mil alunos efetuem o cadastro com antecedência. “No ano passado, mais de 10 mil alunos efetuaram o cadastro de forma antecipada. E, mais uma vez, os estudantes que fazem o processo de cadastramento no início do ano não tiveram de enfrentar filas. A antecipação vem sendo um mecanismo de sucesso, implantado pela Transurc há vários anos”, lembra Paulo Barddal, diretor de Comunicação e Marketing da Transurc. Atualmente, 34.024 estudantes fazem uso do Bilhete Único Escolar. Apenas alunos de escolas particulares e Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) devem entregar um comprovante de endere-

ço recente na secretaria da escola. Nas demais escolas públicas não vai ser necessário entregar o comprovante, pois serão conferidos os dados já existentes. Vale ressaltar que só participam da antecipação os estudantes que utilizaram o benefício em 2014 e que continuarão utilizando-o no próximo ano. A Transurc entregará a Caderneta de Frequência na secretaria das escolas até o início do mês de dezembro. Quem pode utilizar O Passe Escolar pode ser utilizado pelos estudantes que residam a mais de 1.000 metros do estabelecimento de ensino. O benefício é usufruído pelos alunos que cursam o Ensino Fundamental, Médio, supletivos ou cursos profissionalizantes técnicos de nível médio. O processo de Cadastramento do Passe Escolar é amparado pelo Decreto nº 13.807, de 12 de dezembro de 2001, regulamentado pela Lei nº 9.788, de 2 de julho de 1998. O benefício do Passe Escolar concede um desconto de 60% em relação ao valor da tarifa vigente.

EMPREGO

Prepare-se para as vagas de Natal Uma boa chance para quem está desempregado, quer se recolocar no mercado de trabalho e até ganhar um dinheiro extra no final de ano são as vagas do comércio em dezembro. A vantagem é que um bom desempenho pode garantir a chance de efetivação. Ainda que não haja grande expectativa das associações comerciais por grande crescimento das vendas no comércio, após a Copa do Mundo e as eleições, já é hora de os candidatos procurarem e pesquisarem as vagas disponíveis.

Alex Lima, consultor do site Emprega Campinas, explica que os candidatos devem começar a pesquisar em que tipo de loja (focando no comércio varejista) têm o perfil para trabalhar (Centro, shopping, roupas, calçados, masculina, feminina, etc.) e se possível, caso não se tenha experiência, investir na qualificação em técnicas de vendas, atendimento e negociação. “Há cursos voltados para essa área na internet e também em instituições que contam com apoio da prefeitura, ou associações comerciais costu-

A criança que vive com a verdade aprende a ser justa. A que vive com elogio aprende a dar valor. A que vive com generosidade aprende a dividir. Ronald Russel (1904-1974), jornalista britânico

mam oferecer cursos assim nesta época, e muitos desconhecem”, conta. Segundo o especialista, os candidatos devem ficar atentos, desde a seleção, se o tipo de loja está condizente com o seu próprio perfil e devem estar cientes de que o comércio no final do ano exigirá muito mais do que em outras épocas do ano. “Mas vale também ficar atento quanto ao registro em carteira, pagamento de benefícios e direitos trabalhistas. Em caso de dúvidas, busquem orientação”, instrui Lima.

Uma garrafa de vinho meio vazia também está meio cheia, mas uma meia mentira não será nunca uma meia verdade.

Jean Cocteau (1889- 1963), poeta francês


Campinas, novembro de 2014

12

Sophia é campeã de outubro

A

estudante Sophia Gomes Moreira, de 10 anos, caprichou na pintura do Businho e foi a grande vencedora do concurso no mês de outubro. A aluna e sua família ganharam um passeio na maria-fumaça.

Ela participou do Programa Escolas nas Garagens com a sua turma da 5ª série da E.E. Prof. Fábio Faria de Syllos. Juntos, eles conheceram o centro de Campinas, visitaram a garagem da Itajaí Transportes Coletivos e aprenderam sobre cidadania.

Aluna vai passear de trem com a família

Profile for Ass Emp Transp Col Urbano  Campinas

O Coletivo edição 151  

Jornal "O Coletivo" edição n° 151, novembro/2014

O Coletivo edição 151  

Jornal "O Coletivo" edição n° 151, novembro/2014

Profile for transurc
Advertisement