Page 1

CIRCO

DA

FCS

O DIÁRIO APERIÓDICO DA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA UERJ RIO DE JANEIR O, 28 DE JUNHO DE 2010 - NÚMER O 4

Vai que é tua, Helal! Professor vai para a Copa do Mundo; Circo fará exclusiva na África Thompson Piñaron do Alzirão

As enchentes que aterrorizaram o Rio em outras línguas para estudar o fenôReprodução/YouTube de Janeiro há quase três meses deixaram meno Felipe Mello. É impressionante a o professor Ronaldo Helal, da Faculdade idolatria que ele causa no povo brasileiro, tenho para mim que essa pode ser a de Comunicação Social da Uerj, sem Era Mello, e serei o primeiro a escrever carro. Mas engana-se quem pensa que sobre ela. o acadêmico ficou chateado. O dinheiro As grandes redações brasileiras já que recebeu do seguro proporcionará a pensam uma maneira de suprir a falta realização de um sonho antigo de Helal: de Helal em debates sociológicos na Assistir a uma Copa do Mundo ao lado época da Copa: dos sociólogos Umberto Eco e Roberto - Sabemos que será difícil. Estamos da Matta: tentando uma intervenção ao vivo com - Eu, como estudioso das ciências ele, via Skype, mas o Roberto da Mathumanas, nunca acreditei muito nisso ta está dificultando. Não conseguimos de deus. Nem mesmo quando se trataMomento “vuvuzela imaginária” nenhum outro nome gabaritado para va do Maradona, que estudei por anos falar de Copa do Mundo aqui no Brasil, na Argentina. Mas depois de perder o agora vamos atrás de algum russo doidão - disse um produtor carro dessa forma, às vésperas da Copa, revi meus conceitos. loirinho, de olhos azuis, produtor de um jornal semanal, em um Estar ao lado das minhas duas referências era inimaginável até canal dado à filantropia em troca de isenção de impostos. as chuvas. Felizmente, o Circo tem um repórter na Copa - sem diploComo bom pesquisador, Ronaldo Helal deixa claro que não vai se contentar em apenas assistir à Copa: ma, é verdade - que promete uma exclusiva com o professor, - Pretendo comprar todos os jornais do Brasil e mais alguns direto da África.

Caloura da FCS dá 118 tocos na choppada e entra para o Guinness Book

“Não consegui dançar uma música sequer, eles não deixavam”, diz a jovem do Varandas da Lapa

No último dia 19, a caloura da FCS Bárbara Viana bateu involuntariamente um recorde que durava 42 anos. Ela foi a primeira mulher a dar 118 tocos em uma festa. A façanha era de Ethienne du Rôle, Miss Bordeaux, que proporcionou infelicidade a 117 homens em uma festa em um dormitório durante a revolução de 1968 na França. Giuseppe Peregrino, juiz do Guinness Book afirmou que a contagem poderia ter sido maior: - Soubemos que antes de chegar à festa, a Bárbara deu um toco no porteiro e no taxista que a levou para Lapa. Nós só começamos a contar a partir dos tocos nos seguranças da choppada. E antes que reclamem do resultado, não registrei na súmula os dois foras que ela deu em mim. A notícia repercutiu pelo mundo e causou comoção em diversas personalidades, como o matemático russo Grigory Perelman, que solucionou um dos desafios mais complexos da história: - Resolver a conjectura de Poincaré é difícil. Mas essa Bárbara é muito mais.

Kiefer Sutherland, ator da série “24 Horas”, também falou emocionado ao Circo: - Se eu der um toco a cada 12 minutos, consigo 118 em 24 horas. Essa menina é um monstro sagrado. Não tenho palavras... Vou ver um pouco de MacGyver. De acordo com cálculos feitos pela Polícia Militar, 100 homens e 18 mulheres tentaram frustradamente um approach com Bárbara. O único rapaz da festa que não tentou foi Thiago Pontes, talvez por ser professor da arte do approach, nem se atreveu (ver página 2). Ele teve tanto medo que ainda levou a namorada para poder se resguardar. Seu amigo Pedro Staite não teve a mesma sorte: - Assim que ela disse “não” pra mim, caíram umas bolas do teto e apareceu um mestre de cerimônias do Guinness. Eu era o 118º toco da noite. Com toda essa tristeza, só me resta escrever uma matéria debochando de mim mesmo no meu jornal mural. E matar a aula amanhã por causa disso. Bárbara não quis falar com o Circo. Ela estava receosa de que a reportagem chegasse nela também.

NOTA DE DESCULPAS Viemos por meio desta mostrar nosso mais cristalino arrependimento por atrasarmos a quarta edição do Circo da FCS. Os repórteres do Circo quase caíram em desgraça depois que uma onda de deslumbramento desaguou sobre eles, tal qual uma tsunami de vaidade. As brigas de ego ficaram constantes e o clima de disputa, insuportável. Várias pessoas presenciaram discussões, alfinetadas e solavancos emocionais vindos dos nossos integrantes. Tanto é que eles sumiram do mapa por uns tempos. Brian Bolaños foi para a Argentina fazer um trabalho de consultoria no Clarín. Thompson Piñaron foi para bailes na Chatuba e arranjou várias confusões com Isabel Richards, sua noiva e próxima capa da Playboy. Pablo Smith traçou um itinerário por todos os programas de auditório da TV aberta com o intuito exclusivo de difamar seus parceiros e fazer autopropaganda.

Circo 4 - Capa  

Circo da FCS - Número 4