Page 1

G


THE

GLASS MAN ♦


THE

GLASS MAN ♦


Papyrus Traduções de Livros

“Qui sait beaucoup ne craint rien.” “Do muito saber vem o nada a temer.”


é apenas uma humana – pelo menos é o seu mantra quando ela acidentalmente derruba um edifício ou enverga uma arma paranoica em um local da arte moderna. O fato de ela sentir e controlar as mentes ao seu redor não prova nada, também. Recusando-se a colocar os outros em risco, ela se esconde no deserto da bela criatura que a caça, alguém que a vê como seu prêmio final. Sozinho, o egocêntrico Homem de Vidro pode matar com um pensamento. Casado com Lila, ele é uma arma sobrenatural preparado para aniquilar os humanos que ele abomina. Preso no último sistema do Homem de Vidro, Lila é mergulhada em um reino escondido FAE, confrontada com um segredo de nascença e um romance proibido. Com o Homem de Vidro ameaçando a todos que ela ama, Lila pode aceitar quem ela é na hora de acabar com seu reinado de sangue? Ou será que ela vai sucumbir ao seu poder escuro e se tornar o veículo de destruição para a raça humana?


U MERGULHEI MINHA FACA EM UM TRONCO e arranquei a casca, esperando por um pedaço de algo se contorcendo para acalmar o meu estômago roncando. O pensamento de engolir outra larva gordurosa ou triturar um grilo me fez engasgar, mas nessa época as frutas acabaram poucas semanas antes, e eu não conseguia encontrar qualquer outra coisa. Outono no norte era bonito, mas a cozinha aspirada. Um grito rasgou o silêncio. Minha mão vacilou, fazendo com que a ponta da faca quebrasse a madeira podre e rasgasse a lateral da minha outra mão. — Merda! — Eu apliquei um pouco de pressão para parar o sangramento até que a pele triturada voltasse ao normal. O som voltou — um grito, triste e assustado. Porra. E agora? Minha presença só poderia colocar uma cidade inteira em perigo, mas se eu não verificasse a origem, a minha consciência me comeria por semanas. Com um suspiro, eu dobrei o meu canivete antes de escorregá-lo em meu bolso. Depois que eu coloquei minha mochila no ombro, enfiei o meu cabelo debaixo da minha capa preta, joguei um punhado de folhas sobre a grama emaranhada, e eu ajoelhei adiante. O instinto me apontou para o oeste.


Um terceiro caso de convite esfaqueou no meu coração. Eu corri através de árvores espessas coroadas com folhas douradas, agarrada a uma pequena esperança de que o problema pudesse ser resolvido antes de eu chegar. Nenhuma quantia do meu desejo tornava-se realidade. Depois de correr por vários minutos, na floresta dizimada. Luz cortou trechos mais amplos através das sombras densas ao longo do chão. Peguei o ritmo até que rompi na borda da floresta e parei em um cume. Uma fazenda extensa sentada no fundo de um vale profundo, ostentando um celeiro preto, silo e uma casa a moda antiga com um envolvente galpão gigante. Hectares de macieiras retorcidas estendiam para além dela, tanto quanto eu podia ver. Quem colocaria uma fazenda no meio de uma vila na Pensilvânia? Eu deparei com muitos pomares na parte povoada do estado, mas eu não via uma vila por dias. Linhas elétricas serpenteavam ao longo do cume sul. Eu não deveria estar em qualquer lugar perto de uma cidadezinha a menos que eu de alguma forma saísse do meu curso pretendido. Os pelos na parte de trás do meu pescoço tomaram conhecimento e enviou espinhos ao meu redor. Abaixei-me para arrancar um bando de carrapichos dos meus cadarços enquanto eu verificava as construções para detectar sinais de movimento. Nada se movia ou fazia um som para perturbar a noite tranquila. O grito tinha que ter vindo de lá, meus instintos nunca estavam errados. Talvez o meu desejo se tornasse realidade por uma vez, e eu não teria que intervir? Eu esperaria apenas no caso e satisfaria o pangaré que ocupava o fundo dos meus pensamentos. Agachei-me na grama úmida. O sol afiado mais próximo da linha irregular das coníferas do cume oeste. Meia hora se passou com nada mais emocionante do que um esquilo me xingando de um carvalho nas proximidades. Dei de ombros. Perfeito. Descendo a civilização rumo à anarquia era muito difícil para eu permanecer na obscuridade até das próprias criaturas da natureza. Eu fui em direção ao sul ao longo da borda do vale, lembrando-me de minha própria regra: Não chamar atenção para si mesmo. Antes de eu atingir dez passos, a energia, como um beijo quente sobre vento, impulsionou através do ar.


As endorfinas inundaram meu corpo em uma onda deliciosa. Meus joelhos se dobraram. Um riso bêbado borbulhou na minha garganta, mas o engoli. Eu deparei com ondas quase imperceptíveis de algumas pessoas que eu conheci ao longo dos anos – apenas nunca tão fortes. Entusiasmo vertiginoso trouxe um sorriso despreocupado no meu rosto – que eu não havia experimentado desde a infância. A batalha inevitável entre a minha voz da razão e da curiosidade seguiu. Por um lado, o sol não iria embora por mais algumas horas, então eu não tinha que me preocupar com o que me caçava. Eu poderia pegar algumas maçãs do pomar, por isso o meu pequeno desvio não seria um completo desperdício. Iria me irritar para sempre se eu saísse antes de descobrir de onde a energia veio. Quem morava lá? Eu encontraria alguém como eu, finalmente, outra alma que não se encaixava no molde padrão humano? Vinte anos de idade, e eu ainda não sabia por que o ar tremia quando minha energia aumentava. Talvez alguém lá embaixo fazendo? Por outro lado, era uma má ideia para investigar. Um clã inteiro de loucos poderia estar acampado naquela casa antiga, e quem sabia que pilha fumegante de problemas eu pousaria. Inferno. Com que eu estava brincando? Quando se tratava das minhas esquisitices, a curiosidade sempre vencia. Eu andei ao longo da linha das árvores, pisando em todo o punhado de cobre e folhas vermelhas. O poder ficou mais forte a cada passo, acelerando meu pulso enquanto eu descia para o vale. Quando eu alcancei o chão poucos minutos depois, uma teia de aranha invisível escovou em toda a minha pele, mas não havia nada. A energia que eu estava seguindo desapareceu juntamente com as endorfinas. Eu cambaleei. Minha cabeça zumbia como se houvesse uma ressaca sem o prazer de saborear o vinho. Uma respiração profunda limpou a tontura. O cheiro de maçãs maduras e recém cortadas na relva perfumou o ar úmido. Eu examinava a casa da fazenda de dois andares na minha frente, mas não encontrei nada incomum sobre ela ou mais além no celeiro. Recortes espalhados pelo quintal cercado, e as roseiras que revestem a casa pareciam estar bem cuidadas. O lugar todo era acolhedor – presença de caseiro –


sensato e tranquilo. Meus sentidos afiados não capturam nenhum vestígio que pudesse disparar alarmes. Talvez o que tivesse emitido a energia se moveu e deixou um eco para trás? Eu enfiei as mãos dos bolsos da minha caça jeans. Não, não era isso, ou. Não poderia ser de uma única pessoa, e nada teria feito isso dentro da floresta sem me ouvir. A porta fechou na distância. Uma voz de homem ecoou um momento depois, mas eu não podia fazer o que ele... Simplesmente o tom rebelde. Meu pulso bateu em meus ouvidos enquanto eu agachava atrás de uma moita de arbustos. Depois de uma respiração calma, eu separei a folhagem amarela o suficiente para espiar. Um menino, talvez quatorze anos, irrompeu a porta de um galpão cinza e saiu correndo na minha direção. Um homem com cabelo escuro penteado para trás o perseguia, segurando o que parecia ser um cabo de machado em uma mão. Ele tinha um semblante de satisfação perturbada, preenchido com um sorriso malicioso. Olhos arregalados, o rosto do menino puxado firmemente enquanto ele corria como se tivesse visto as portas do inferno abrir e derramar para fora um demônio. Com os dentes cerrados, eu soltei os ramos e cavei os dedos na grama. Foda-se. Todos nesse país se tornaram malucos, ou, eu tenho uma sorte de merda? Eu não podia afastar a imagem do menino e o terror em seu rosto, então eu separei os arbustos novamente. Meus dedos enrolaram em punhos quando o homem disparou para o loiro jovem e o montou ao chão. Gritos do menino ataram meu estômago, puxando meus músculos tensos até doerem. Regras ou não, o homem precisava de sua bunda chutada. Enquanto eu pensava o que fazer, eu ouvi os sinais do meu caçador e verifiquei as árvores circundantes. Somente as colinas, pintadas em tons de tangerina do pôr do sol, olhavam para mim. O menino gritou de novo, o som invadindo minha alma, como cacos de vidro. Aparafusando as regras. Eu pulei e corri. Passando o alpendre branco. Do outro lado do quintal, reunindo minha energia enquanto eu corria. Quando eu cheguei a poucos metros do homem – preparando para trazer o pau para


baixo sobre o menino de novo – ele olhou para cima. Eu mergulhei com ele. Meu antebraço pegou o seu peito. Ele caiu no chão debaixo de mim, xingando e cuspindo. Lutando para conter o vulcão de construção de energia dentro de mim, eu pressionei meu joelho no peito do cara e me virei para o menino. — Corra! Ele estalou a partir da grama, mas ele ficou lá piscando para mim. O sangue escorria de seu nariz e seu lábio inferior escorria vermelho como suco de uma fruta madura. Hematomas floresciam sob os seus grandes olhos verdes. O homem riu embaixo de mim. Seus olhos escuros me fitando, transmitindo inteligência muito mais do que eu esperava de algum caipira de pescoço vermelho. Um arrepio penetrou pelas minhas costas. — O que há de tão engraçado, babaca? — Meu lábio superior enrolado em um sorriso de escárnio. Quando ele fez um movimento para se levantar, eu empurrei meu joelho contra sua garganta, agarrei seu pulso e torci até que ele gemeu. Seus olhos se arregalaram o suficiente. Eu só conseguia ver os brancos. Seus cílios tremulavam. — Você vai ver. — Seus lábios finos esticados em um sorriso satisfeito. Oh, inferno. O shunk-shunk de uma espingarda apresentou o meu coração em minha garganta. Porra. Achei que o atirador fosse um cara pelo seu aroma áspero, mas, dada a destruição do mundo, até mesmo crianças e avós pareciam ser a ação. Ou os meus sentidos aguçados falharam ou ele se camuflou de um fazendeiro que foi capaz de deslocar-se sobre mim. — Você levante-se, amável e devagar —, disse uma voz profunda. Ele empurrou o cano gelado na minha nuca. Eu ergui as mãos e me levantei, meus olhos colados à deformação na minha frente. Enquanto ele ficava de pé, seus cabelos castanhos pegajosos caíram em seus ombros. Ainda vestindo um sorriso infernal, ele pegou o cabo do machado novamente. Sua língua presa entre os lábios, ele acariciou a mão


sobre a madeira, olhando-a como um homem vê a sua amante. Eu reprimi um estremecimento. — Eu sou Laura. — Limpei o aperto da minha garganta. — Eu esperava encontrar trabalho por alguns dias. — Por que você atacou os meus homens? — A pessoa por trás me empurrou a arma mais forte em meu pescoço. — Eu não ataquei os seus homens. Apenas defendi este menino porque o Sr. Psicose aqui estava batendo-lhe com o pau que ele agora está acariciando. O atirador me pegou pelo ombro e me girou para encará-lo. Dei de ombros, e mantive meus braços abertos então eu não iria assustálo. Se alguém atirasse em mim, eu queria que fosse por uma boa razão, e não um mal-entendido. Eu recuei longe o suficiente para mantê-los onde eu pudesse vê-los. Aquele com a arma teve no mínimo três dias dignos para ter a nuca até seu rosto bronzeado. Eu tive que olhar para a maioria dos homens, mas não ele. Que era um bom número de centímetros mais alto que eu. Maçãs podres manchavam sua calça jeans, e ele usava uma camada de sujeira em sua parte superior como uma camisa confortável marrom. — Isso é verdade, Rourke? — Ele enviou um olhar para o Sr. Psicose, sua arma oscilando entre Rourke e eu. Então ele não era um idiota. Eu gostei mais dele por isso. — Nós apenas estávamos brincando, Liam. — Os olhos verdes doninha de Rourke me encontrou. — Nós não estávamos, Garret? O menino assentiu, mas continuou olhando para o chão. Ele enfiou as mãos nos bolsos de sua bermuda cáqui, mas não antes de eu perceber como elas tremeram. — A cadela aqui pensa que é a Lara Croft1. — Rourke esfregou seu peito. — Me colidiu como um vento impecável. — Volte para o galpão, agora, vocês dois. — Liam abaixou a arma para apontar para a relva, mas seus dedos seguram o cabo com força suficiente que ficaram brancos. Meu queixo caiu. 1

LARA CROFT - é uma personagem fictícia da série de vídeo game do gênero de aventura, Tomb Raider. O personagem criado por Toby Gard também apareceu em quadrinhos, romances e uma série de curtas de animação, e foi incorporada por Angelina Jolie nos dois filmes.


— O quê? Você não pode enviar o menino com ele. — Eu apontei o dedo para Rourke. — Ele é um nazista certificado. Rourke ajustou sua calça preta em seus quadris estreitos. A maneira como seus olhos trancaram no meu peito subiu um desejo de tirar minha pele – que meu chuveiro simplesmente não faria. — Você é corajosa, Laura — Liam se virou para os outros. — Vão, agora, vocês dois. Você toque nele de novo, Rourke, e você estará morto. Entendeu? Minhas mãos mergulharam nos meus bolsos novamente para que eu não batesse no rosto presunçoso do Sr. Psicose. Ele empurrou Garret junto na frente dele, cochichou alguma coisa para o garoto que o fez tropeçar. Assistir até que eu não pudesse mais vê-los. A compulsão para ir atrás dele me mandou avançar alguns passos antes de parar e amaldiçoar baixinho. Liam bloqueou minha visão do caminho do menino. — O que uma garota está fazendo por aí sem rumo em uma floresta próxima ao escuro? — Eu saí da estrada a alguns quilômetros rondando para encontrar um rio para que eu pudesse encher meu cantil, mas me perdi. — Meus ombros arfaram em um encolher de ombros. — Eu vi esse lugar e achei que você poderia precisar de uma mão durante alguns dias. Uma vez uma mulher me disse que eu poderia mentir de forma mais convincente do que eu poderia dizer a verdade. Eu finalmente concordei com ela. Nem uma gota de suor ou um tique nervoso me jogou para longe. Eu odiava mentir, mas ainda, eu odiava saber que o fazia tão bem. — Esse é realmente o seu nome? — Seus olhos curiosos me olharam de cima para baixo como se nunca tivesse visto uma mulher antes. — Sim, esse é realmente o meu nome. Liam deu um grunhido incrédulo. Perceptivo. Eu usava um nome diferente onde quer que fosse. Eu estendi a minha mão para ele antes que eu enfiasse de volta no bolso. Por que eu fiz isso? Curiosidade? Ele era bonito, eu vi isso, mas eu nunca balancei por alguém antes. A energia deve ter ferrado comigo mais do que eu pensava. — Normalmente eu não coloco uma arma em uma mulher, mas a


maneira como você veio se aproximando, ‗descendo‘ a colina assim, e a maneira como você abordou Rourke... — Ele balançou a cabeça. Talvez se eu chegasse mais perto eu levaria o tiro que eu pensava. — Você vai se matar qualquer dia com essa merda, do jeito como as coisas são hoje em dia. Ele estendeu sua mão, mas recolheu. — Meu nome é Liam Conner. Não posso pagar muito, mas eu poderia precisar de um colhedor por algumas semanas. Vamos até a casa, e eu vou conseguir alguma coisa para você comer. — Suas mãos esfregaram contra o seu jeans. — Bem, depois que eu me lavar. — Onde estamos, exatamente? Eu perdi o meu mapa em um rio, alguns dias antes, então eu não tenho certeza. Ele levantou uma sobrancelha. — Cordilheira do Ricker, na Pensilvânia. Como foi que eu me afastei tão para o norte? Eu deveria ter ido para a fronteira sul, mas de alguma forma eu quase voltei para Nova York. Que desperdício. Três dias caminhando para nada. Eu tinha que arriscar uma viagem a uma cidade para roubar um mapa antes de ir para Virgínia. Liam me deu um sorriso torto. Ele não parecia como problema no meu radar, mas algo sobre ele mexeu com a minha curiosidade. No deserto não havia cabeleireiro para cortar esse cabelo castanho. Parecia muito moderno, levantando-se um pouco na parte superior como se tivesse colocado um pouco de gel através dele. O sotaque em sua voz suave soava mais do sul da Pensilvânia, e ele não grita ‗caipira‘ como um fazendeiro típico. Países por todo o mundo explodiram em ruínas vários anos antes, e as especulações sobre os ‗comos e os porquês‘ levaram a uma pandemia mundial de paranóia. Eu geralmente escolho a segurança sobre a comida. Sua aceitação de me levar ao seu lugar foi muito rápido, e Rourke detonou todos os sinos de alarme que eu tinha em minha cabeça, mas o pensamento da comida de verdade me seduziu. Além disso, como aquele esquilo que eu fiquei puta da vida, eu precisava engordar para o inverno e criar energia para me manter a frente do meu caçador. Eu fiquei para trás, enquanto Liam caminhava em direção a casa com a arma encostada na ondulação muscular de seu ombro. Virou-se e falou: — Vamos agora... Ao menos que você não esteja com fome.


O seu você – não engana ninguém – me fez quase sorrir, mas eu mantive minha expressão neutra. Eu olhei para a posição da fazenda alta diante de mim com um telhado de zinco puro vermelho e duas janelas de cada lado da porta de tela. A profundidade de calma parecia natural, mas fora isso, parecia uma típica fazenda. Eu me virei, reconsiderando a segurança da floresta. Ficar ou ir? Meu estômago vazio rosnou a resposta. As pessoas não brincam com o seu dinheiro. Então, eu tinha uma chance de bisbilhotar a fonte de energia forte o suficiente para me intoxicar. Dois dias e eu estaria segura, certo? Talvez eu sentisse Liam ao longo da refeição e verificaria o menino. Pensando nele sozinho com aquele nazista, Rourke, fez a minha coluna coçar. Se eu não o colocasse em risco ainda maior, eu o levaria comigo. Olhei para Liam debaixo da aba do meu boné preto. — Os outros caras estão vindo para a refeição? Liam voltou o seu caminho em direção a casa, balançando a cabeça. — Garret é um menino grande. O jantar sai em cinco minutos, você estando lá para comer ou não. As mãos nos quadris, chutei a grama e andei. Eu não gostava que ninguém visse através de mim tão facilmente. O sujeito rastejou debaixo da minha pele e começou a apodrecer, e eu apenas estive com ele por cinco minutos. Ele me ofereceu comida e me deu um emprego. Não foi tão ingrato. Esse garoto me segurou. Ok, como primeiro, depois eu vou procurar pela fonte de energia. Dei uma última olhada para ouvir os avisos habituais do meu caçador. No entanto eu não encontrei nada, além de uma floresta imóvel e um pesado silêncio. Andei após Liam.


U ME SENTEI EM FRENTE A LIAM em uma mesa de madeira, devorando restos de bolo de carne e ervilhas enlatadas. Depois dos vermes rastejantes florestais que eu comi por semanas, isso podia muito bem ser costela e caviar. A energia se tornou escassa após alguns fanáticos paranoicos explodirem uma das estações de energia restante do nordeste, então Liam deixou as luzes apagadas. Um halo de âmbar nos rodeava de uma lanterna cintilando no centro da mesa. Ele ganhou mais um ponto no meu livro. — Onde você conseguiu as ervilhas? — Eu perguntei. Sombras desempenhavam ao longo da paisagem do seu rosto, escurecendo seus olhos e destacando seus lábios carnudos. — A maioria dos supermercados foram limpos, e eles só recebem coisas novas uma vez por mês, se tiverem sorte. Ele vestiu uma camisa xadrez azul e se barbeou. Tudo limpo, ele não parecia muito mais velho que eu. Talvez vinte e três ou assim. Um perfume fresco ou loção pós- barba flutuou para mim. Bom. — Eu enchi o porão quando eu percebi como as coisas se dirigiam. — O garfo de Liam pairou sobre seu prato. — Tenho o suficiente lá embaixo para


mais alguns anos, se eu comer luz. — Ele deu um sorriso torto. Um esconderijo desse tamanho poderia trazer capangas ao local. Cada cidade tinha o seu pequeno bando de bandidos que saqueavam e queimavam tudo que se guardava em casa, especialmente se eles encontrassem esse esconderijo. Talvez seja por isso que Liam tem a sua arma? Ele levantou os olhos do prato. — Mamãe disse que uma pessoa educada não coloca seus joelhos na mesa. Meus pés escorregaram da cadeira e se estabeleceram no piso de madeira. — Desculpe. Mau hábito, eu acho. — Então... — Ele deslizou as mãos grandes ao longo da mesa e me encarou. — Você está fugindo de quem? Meu cérebro congelou um momento, mas eu continuei mastigando com a minha boca cheia de ervilhas sem cuspi-la sobre a mesa. Eu encontrei seu olhar desconfiado, sem vacilar. — O que faz você pensar que eu estou fugindo de alguma coisa? Liam limpou a parte traseira de sua mão na boca quando ele empurrou o prato vazio para o lado. O olhar intencional em seu belo rosto me fez querer se contorcer, mas eu resisti ao impulso. — Você se esgueirou em meu quintal como uma mercenária treinada. Vestida com um traje preto, sem sequer deslocar uma pedrinha sob seu sapato ou uma folha enrugada fazendo um som. Até os leigos deste país observaria, também, eu aposto. Você derrubou um homem que tem cinquenta quilos a mais que você, é como se você fizesse isso antes. Você quase se encolheu quando eu coloquei a minha arma em você. Agora, você está sentada aí toda encurvada em torno de si como um coelho na grama. Definitivamente fugindo. Eu só espero que não seja da lei. — Sem problemas com a lei. — Não era uma mentira, enquanto quem me caçava não era um policial sob qualquer inferno que ele se arrastava. Eu levantei minha mão. — Juro pelo espírito da minha mãe. — As pessoas morreram, então? Desviei o olhar enquanto eu limpava a minha boca com uma toalha de papel. A dor familiar apertou meu coração. — Eu aprecio a refeição. Caso possa me mostrar onde seus empregados ficam, então eu saio do seu caminho.


— Achei que era melhor evitar a pergunta quando eu não conseguia pensar em uma boa mentira. O som dos últimos gritos da minha mãe ecoou na minha cabeça. ―Corra, Lila, urso, corra!‖ As lembranças me bateram forte e rápido, o sangue quente escorrendo pelo chão no meu rosto, a agonia quando eu raspei meus dedos para escapar do buraco que ela havia me escondido para que eu pudesse me salvar dele. Minhas pernas tensas, ansiosas para me lançar para longe da mesa, mas eu forcei meu corpo a permanecer. Eu cavei minhas unhas em minhas palmas. — Não quero me intrometer. Apenas curiosidade, isso é tudo. Curiosidade uma merda. Quem é esse cara? Um policial? Um investigador particular, talvez? Nenhuma carreira de fazendeiro, isso é certo. Enfiei meu cabelo atrás das orelhas e tive um momento para me acalmar antes de falar. Minha energia fervia e crescia abaixo da superfície. Faíscas minúsculas tremeluziam para a vida na minha cabeça. Agora não. Por favor, agora não. Concentre-se! Eu não preciso que o meu poder aumente no meio da cozinha do cara. — Não me pergunte sobre eles novamente. — Tudo bem. Não comece a torcer suas calcinhas. — Com um sorriso torto, ele olhou para o meu prato. — Quanto tempo desde que você teve uma refeição quente? Olhei para o pedaço de bolo de carne à esquerda do meu prato. Se eu tivesse que devorá-lo como uma idiota morrendo de fome? — Alguns dias, talvez. Por que você pergunta? — Eu limpei a boca, no caso de eu ter um bigode de gordura. Meu estômago gemeu, tão cheio, que eu pensei que pudesse dividir ao meio. Eu acho que comi tudo que o pássaro tinha comido. Ele deu um riso incrédulo e me olhou por um longo tempo sem dizer nada. A forma como os seus olhos fixaram-se no meu rosto atraiu um calor para o meu rosto. Mãe amorosa do inferno. Eu desviei o olhar. Ninguém, nem meu caçador jamais me fez corar. — Você tem a cor dos olhos mais bonito que eu já vi. — Sua voz me aqueceu até os dedos dos pés. Eu prendi a respiração. — Azul como um casal de safiras.


Antes de perceber que me movi, eu estava com minha mochila em uma das mãos e a maçaneta da porta na outra. Ele podia ver as outras cores em meus olhos? Eu olhei para a pele dos meus braços. Ela era um pêssego pálido como a pele normal do invés da sua creme natural dourada. Minha ilusão não falhou, ainda. A cadeira de Liam gritou pelo chão. — Espere! Não era para tomar essa linha ou nada. Você tem apenas os olhos — bem — eu nunca vi nada como eles. Olha, eu sou um cara a moda antiga, não um desses caipiras que saem por aí girando em torno de mulheres. Pelo menos não do jeito que você está pensando. Minha mão congelou na porta e meu coração martelando nas minhas costelas, eu olhei por cima do meu ombro. — Tudo bem, mas preciso esclarecer. Eu só estou aqui por que eu preciso de dinheiro para viajar, e então eu sigo em frente. Se você tentar alguma coisa engraçada... — Você vai torrar meu saco no espeto. Eu entendo. — Ele riu. Eu abri um sorriso pequeno, mas apaguei antes de me virar e lhe dar um olhar duro que eu aperfeiçoei anos antes. — Então, está claro? — Como um maldito cristal. E você está louca se pensa que eu vou deixar você ficar perto de Rourke, ou qualquer um dos meus homens para esse assunto. Só porque eu sou antiquado, não significa que eles são. — Ele balançou a cabeça para uma porta na parte de trás. — Há um quarto fora da cozinha com uma cama e uma lâmpada para ler se você é desse tipo. Caso lhe agrade. — Não! — Eu bufei um suspiro e enovelei meu tom. — Eu quero dizer, obrigada, mas isso não é necessário. Eu posso cuidar de mim mesma. — Se eu podia lidar com um caçador lunático por todo o país e cada floresta rastejante que queria um pedaço de mim, eu poderia lidar com um bando de peões. — Sim, eu compreendo isso de você. Mas se você está trabalhando para mim, então você fica onde eu digo. Eu não confiaria em Rourke com minha bota velha, muito menos uma... Uma mulher. — Um rubor suave rosa lavou sobre a pele de Liam. — O que você ia dizer, em vez de ‗mulher‘? — Dei um passo em sua direção, tentando pegar o seu olhar, mas ele esfregou a mão na parte de trás


do seu pescoço, e olhou para seus pés. — Oh, inferno. Não importa. A merda tende a sair da minha boca... — Ele gemeu e caminhou para a porta que ele apontou. — O quarto está pronto. Tem fechaduras que você pode colocar na porta, se é que você me entende. — Eu prefiro ficar com os outros. Ele fez uma pausa à mão na maçaneta da porta. — Diga-me por quê? Eu não quis dizer abertamente que eu queria verificar o garoto ou que ele me lembrava do meu irmão – abençoe a sua alma. Eu dei de ombros. — Porque você não deve ter estranhos em sua casa, é por isso. Ele caminhou em minha direção com os braços cruzados. — Você não confia em mim, não é? — Não tome isso pessoalmente, mas eu não confio em ninguém. — Eu me inclinei contra a porta da frente, a alça presa entre meus dedos. O desejo de estender a mão e tocá-lo me agarrou novamente, mas forcei isso para fora. O que está acontecendo comigo? Um sorriso torceu seus lábios. — Você quer verificar Garret, não é? Meu lábio enrolou em um rosnado. — Alguém precisa. — Me virei, puxando a porta aberta e fui para a varanda. O ar úmido acalmou meu rosto quente. O crepúsculo veio e foi embora, e a primeira das estrelas pulou contra o céu de veludo. Um silêncio se estendia sobre mim como um cobertor reconfortante. Meu mal-estar clicou acima de um entalhe – mas, porque eu não encontrei nada alarmante do que qualquer coisa que eu podia sentir. Liam surgiu atrás de mim. — O que o inferno eu disse a você para olhar para mim como o diabo? Garret é um menino grande, ele pode cuidar de si mesmo. Não vale a pena se colocar perto de Rourke. — Ele deu a volta para me encarar, mas eu pulei para baixo nos degraus da varanda antes que ele pudesse bloquear a minha rota de fuga. — Eu vi a maneira como você olhou para aquela aberração. — Eu caminhava pelo caminho através das rosas. — Acho que ele assusta o inferno de você tanto quanto ele assusta o menino. Se você é um covarde grande demais para cuidar de seu povo, então eu vou fazer isso por você. Tanto por uma diplomacia. Envolver-me em sua bagunça podia ser


desastroso, mas eu não ia embora, não. Passos pesados bateram no chão atrás de mim. Liam me puxou pelo braço. — Tire suas mãos de mim! — O ar tremeu ao meu redor. O poço profundo na minha cabeça transbordou, e as faíscas aumentaram para chamas. Se eu não as controlasse, minha pele iria transformar em um farol luminoso – completo contraste à noite. Vamos lá, caramba. Você pode fazer melhor que isso. Liam jogou as mãos para cima. Seria uma precipitação para deixar o poder ir – melhor do que nada. Não! Não pense sobre isso. Enquanto eu segurava a energia no interior e não formava quaisquer intenções especificas, eu não iria demolir a sua casa ou fazer algo igualmente improdutivo. — Você acabou de me chamar de covarde? Eu gemi e balancei a cabeça. — Eu não quis dizer isso, mas como você pode sentar aqui com calma depois que você viu o olhar nos olhos daquele garoto? Se você quer que eu vá, tudo bem, mas não antes de eu verificar que ele está bem. Eu não estou procurando alguém para cuidar de mim. Então pare com a rotina de macho. Risos estouraram fora dele, me assustando. Eu recuei. — Há quanto tempo está na estrada, Laura? Eu olhei para ele. — Por quê? — Você parece está rodando um pouco nas bordas. A forma como os seus olhos brilharam quando eu mencionei comida e do jeito que você girava em torno de seu prato me lembrou de um cão faminto que eu encontrei uma vez. E o jeito que você fala... Parece-me que você não tem companhia de pessoas há muito tempo. — Eu lembro para você um cão. Bom. — Eu soltei um riso amargo. — Você é um sedutor real, Liam. — Eu empurrei o portão com o pé. — Agora por que você não vai e aproveita isso de tal modo? Eu achei que o ouvi chutar alguma coisa, então eu parei e o espionei através de uma cortina do meu cabelo. Ele estava além do portão com as mãos nos quadris, olhando para o chão como se tivesse batido nele em uma luta.


Após uma longa pausa e algumas respirações audíveis, ele disse: — Gentil e elegante, Laura, seja lá qual for o seu nome. Você quer dormir com os porcos, então tenha uma boa noite. Ele apontou um dedo para mim. — Mas não vá me culpar se você acordar com alguém nu em cima de você. O alojamento dos empregados são alguns metros da casa principal, por isso não vou ouvir gritar. Concentrei-me em uma estática branca na minha cabeça. — Eu nunca grito. — Sob a minha respiração, eu acrescentei —, não mais. — Eu me curei. Eles não. — Sim, eu aposto que você não faz. Esse seu orgulho vai lhe transformar em um deles um dia. — Liam avançou. — Bem, vamos lá então, é melhor eu apresentá-la para o resto deles. Isso deve ser bom para uma gargalhada ou duas.


OMO VOCÊ SE APROXIMOU sorrateiramente sobre mim, então silenciosamente antes? — Segui Liam ao longo da frente do celeiro. Nenhum vento. Nenhum gorjeio de sapos, grilos ou coiotes uivando, nem mesmo o rangido de madeira das árvores saindo da escuridão. Ele marchava sem girar. — Eu sou o primeiro a pegar você desprevenida? — Por que você está evitando a minha pergunta? Ele se virou, a luz brilhante da lua cheia derramando sobre seu rosto. Seu olhar severo puxando os cantos da boca. Quando eu não fixei meu olhar sobre o dele, ele respirou fundo. — Eu estava sentado em cima do muro ferroviário do outro lado da casa quando você desceu pela colina. Quando você se distraiu, eu rastejei acima. Feliz agora? Apertei os olhos. — Por quê? — Por quê? — Por que você estava sentado seminu na cerca segurando uma arma? — Ei, eu não... — Ele girou a cabeça. Os músculos de seus braços como fios debaixo da pele quando ele flexionou e os dedos relaxaram. Depois de um breve silêncio, ele girou os ombros e correu os dedos pelos cabelos. — Ótimo.


Eu trabalho em torno das caixas de armazenamentos durante todo o dia. Não me incomodo em usar uma camiseta – é um trabalho desagradável. E alguém já estava roubando minhas ferramentas, então eu pensei em pegá-lo no ato. Pareceu razoável. — Se você estava tão perto, como é que você não ouviu o Sr. Psicose correndo atrás daquele menino? Rindo, Liam esfregou os dedos nas têmporas, como se tivesse uma dor de cabeça. As pessoas sempre faziam isso ao meu redor. — Eles estão sempre correndo ao redor — o grupo deles. Se eu correr toda vez que eu ouvir alguém gritar, eu ficaria aqui toda maldita noite. Preguiçoso ou um covarde? Eu não tinha utilidade para qualquer um. — Você não soa como se fosse da Pensilvânia. Liam sorriu, lembrando-me de um gato selvagem mostrando os dentes. Ele retomou o seu percurso ao longo do celeiro. — Você sabe, eu não gosto de ser interrogado por um estranho em minha própria terra. Não sei por que eu simplesmente não chuto sua bunda. Tenho problemas suficientes. Eu não preciso dessa merda. Corri para corresponder seu passo. — Olha, me desculpe. Eu sou apenas... — Paranoica? Suspeita? — Ele ergueu a mão. — Teimosa como uma maldita mula? Eu queria dizer. ―Se você tivesse uma aberração com olhos de diamantes lhe caçando através de dois países, você seria assim também, mas eu não falei‖. — Eu sou curiosa por natureza, isso é tudo. Nós chegamos a um galpão com uma porta cinza torta. A luz em movimento entrou quando nós nos aproximamos da porta. Liam me encarou e cruzou os braços sobre o peito. — Curiosa, hein? O dedo do pé na minha bota escavou na grama. — Sim, exatamente como você. Ele balançou a cabeça, sorriu. — Ok, você me pegou. Meu tio morreu alguns anos atrás e me deixou o lugar. Quando as coisas foram para o inferno no exterior e os motins e os


atiradores foram pegos aqui, eu mudei para Arkansas e tomei as rédeas. Isso estava verdadeiramente degradado quando eu cheguei aqui, e os ladrões limparam tudo. — O que você fez no Arkansas? — Eu fui um policial. Eu sabia disso — olhos de policiais. — Isso é o que eu sempre suspeitei de você, um policial ou — um P.I2. Ninguém mais pega detalhes como você faz. Eu cheirei e lancei o meu rosto para lua. Por razões que não poderia imaginar, eu considerei contar-lhe tudo, mas eu não podia. Ele não iria acreditar em mim mesmo, e as poucas pessoas que eu permitir chegar perto, se machucaram por acidente ou entraram na visão do meu caçador. — Então, eu derramei minhas tripas, porém você não me diz nada? Não parece justo. Eu olhei até que ele se mexeu e olhou para baixo. — Você sente falta? Seus olhos giraram para olhar para mim. — O que? Policial? — Não, casa – Arkansas. Ele esfregou a mão ao longo da borda afiada de sua mandíbula. — Algumas partes, eu suponho. Amigos, alguns familiares, mas aqui eu não tenho que pescar bebês fora da banheira após suas mães afogá-los pensando que o fim do mundo estava chegando, ou desenhando linhas de giz no chão de pessoas atirando em vizinhos sobre coisas idiotas como roubar cortadores de ervas daninha. Eu não tenho que lidar com a paranoia constante de que um grande governo caindo e nos enviando para a monarquia. — Você não sabe o que aconteceu —, joguei minhas mãos para cima. — Por que os lideres bombardearam seus próprios países, tudo no mesmo dia? Seus olhos ficaram frios e duros – não é fácil para os olhos castanhos. — Talvez eles descobriram que a raça humana é o que há de errado e decidiram levar a guerra deles ao extremo. — Ele deu um grunhido de frustração. — Francamente, isso soa como uma ótima ideia para mim. — Eu estou ouvindo direito? — Eu cruzei os braços para refletir. — Então, todos os países cuja economia dobrou após as bombas caírem, todas as 2

P.I – investigador particular.


pessoas morrendo de fome dia após dia – você está me dizendo que não sente nada por elas? Milhares de pessoas estão morrendo, filmadas em seus próprios quintais por uma garrafa de água, estupradas e espancadas até a morte por alguns doentes de merda por puro divertimento. — Eu fechei os olhos, concentrando-me em bloquear as memórias que ameaçavam me afogar, antes de abri-los novamente. — Oh, inferno, eu não quero ouvir sobre as pessoas sofrendo. — Ele suspirou e olhou por toda a parte, menos para mim. — Eu não sou insensível, Laura, mas eu já vi o suficiente dessa merda horrível manchar a alma de um homem mais fraco. Isso endurece a pele. Talvez quando a maioria de nós se for, vamos viver da terra novamente, como nós deveríamos. O mundo inteiro está indo para o inferno como uma granada de mão, mas eu acho que posso sobreviver aqui fora, mesmo quando as cidades norte-americanas começarem a queimar. — Quando elas começarem a queimar? Você não sai muito, não é? — Um rosnado queimou na minha garganta. — Então você vai enfiar toda a bagunça para debaixo do tapete. Você poderia ter ajudado as pessoas se você ainda fosse um policial. Você correu até aqui por que você tem medo? — Meu recipiente interno surgiu novamente. Tentáculos quentes de poder subiram pelos meus braços. Acalme-se ou você vai estragar tudo. Seus olhos se estreitaram. Ele empurrou um dedo para mim e mudou seus pés. — Não, eu não tenho medo. O que eu sou é um sobrevivente, como você. Se o resto das pessoas quer atirar um contra o outro e saquear suas cidades porque elas já se transformaram em selvagens, quem sou eu para ficar em seu caminho. Boa viagem. — Isso é uma atitude de xixi de pobre para ter. — Isso de correr ‗com o rabo entre as pernas‘. Você não me parece o tipo para ajudar alguém, além de si mesma. Que diabos você poderia fazer de qualquer maneira? Você é apenas uma garota. Minha boca abriu. — Apenas uma... Você não sabe nada sobre mim! Eu não estou correndo, porque eu estou com medo, estou correndo porque eu fiz uma


promessa para minha mãe. — Meu coração caiu aos meus pés. Foda-se. Endireitei-me e rolei minha cabeça até meu pescoço estalar. — Pelo menos eu tento ajudar ao invés de fazer vista grossa para o problema. — Fiz um gesto para o galpão onde Garret estava com o Sr. Psicose. Liam olhou para mim. — Que promessa você fez para sua mãe? Umidade evaporou da minha boca. Eu andei passando por ele, caminhando até o galpão e abri a porta. — É aqui que eu vou ficar? Dentro, encontrei Rourke, Garret e outros dois homens sentados em troncos erguidos em torno de um cesto virado. Eles pararam e olharam para mim, suas cartas de jogo, congelaram no ar. Liam resmungou para si mesmo quando ele veio atrás de mim. — Parece que o chefe conseguiu uma nova situação —, um homem confrontado com uma voz rouca, disse. Ele se levantou e se moveu pesadamente para mim, beliscando um cigarro apagado no canto de seus lábios finos e me observando de uma maneira como um garoto gordo olha para a última torta. — Rapaz, não foram essas pernas que percorreram todo o caminho. Uma morena, hein? Você ficaria melhor loira. Qual é o seu nome querida? — O cigarro pulou com as palavras. Liam abriu a boca, mas eu coloquei minha mão. — Eu já fui isso. — Eu me virei para o Sr. Querido e fabriquei um sorriso. — Eu sou Laura. Eu vou me juntar com vocês por alguns dias, então vai ser assim. Garret ficou ao meu lado, a tensão em torno dele tão densa que pressionava contra a minha pele. Rourke ficou ao lado do Sr. Querido, lançando um olhar gelado para mim novamente. Um arrepio correu pelo meu núcleo. O outro permaneceu sentado. Ele tinha um cabelo achatado e zombou de mim como se eu tivesse chutado sua mãe. Enfiei minhas mãos nos meus bolsos e tirei um momento para pegar os seus olhos. — Eu não estou interessada em suas bocas desagradáveis, ou o tamanho dos seus ‗johnsons‘, ou o que o Superman tem no saco. Estou aqui para trabalhar. Não a procura de diversão. — Onde diabos você encontrou este presente, chefe? — O Sr. Querido bufou. Seu cabelo castanho encaracolado em torno de sua cabeça como um


chumaço de lã de aço. — A senhora na estrada configurou como um presente, também? A cabeleireira era deliciosa. Eu gostava dela. Isso explica o corte de cabelo. Quando eu olhei para Liam, ele estava inspecionando as vigas do teto – parecendo, um búfalo, realmente – e suas bochechas com manchas de vermelho. Eu me virei para o Sr. Psicose, arranquei o cigarro de seus lábios, e pressionei um dedo em seu peito. — Qual é o seu nome? — Eu me concentrei, descamando a magia dos meus olhos o tempo suficiente para ele pegar um vislumbre de sua verdadeira cor. Ele ainda podia ver o azul profundo, mas a água e ouro seriam um redemoinho constante ao redor da pupila. O Sr. Querido olhou para mim e abriu a boca – provavelmente pronto para me mastigar por tomar o seu cigarro – mas hesitou. Ele engoliu em seco. — Meu nome é Clancy. — Bem, Clancy. Eu não me importo o que você pensa de mim. Basta manter a sua sujeira em sua boca, suas mãos para si mesmo, e não teremos problema. Entendeu? Eu me empurrei para longe dele e olhei ao redor do galpão: algumas poucas camas se espalhavam pelo chão, pilhas de cestas estavam empoleiradas uma em cima da outra ao longo da parede mais distante. Escadas de alumínios penduradas em estacas de madeiras ao lado de rolos grossos de corda azuis. Um chão bem sujo estava sob tudo. Isso era praticamente Shangri-La3 em comparação com alguns dos lugares onde eu fiquei ao longo dos anos. — Você não pode me obrigar a trabalhar com essa espaçosa — Clancy disse a Liam. Rourke deu ao Sr. Querido um empurrão, e uma risada maníaca borbulhou em sua garganta. — Eu nunca pensei que veria isso um dia. — Liam riu. — Clancy Moore, com medo de uma mulher. Você está com medo que ela coloque uma arma em você em vez de seu dedo. — Poderia muito bem colocar. — O olhar de Clancy correu para mim, 3

SHANGRI-LA — é descrito como um lugar paradisíaco situado nas montanhas do Himalaia, sede de panoramas maravilhosos e onde o tempo parece deter-se em ambiente de felicidade e saúde, com a convivência harmoniosa entre pessoas das mais diversas procedências.


então de volta para Liam. — Aqueles olhos, eles são — você deveria ter visto a expressão neles. Se tivesse uma arma em mim, ela teria puxado o gatilho. A cadela é louca. Encostei-me ao batente da porta, um sorriso forçado nos lábios. Eu prefiro que eles me achem louca como se os machucassem ou do que uma foda. Liam passou a mão sobre sua boca, mas a mão escondia um sorriso. Os outros – menos o nazista, cruzou os braços e fez uma careta para mim – ficou parado, riso brilhando em seus olhos, e deu de ombros. Isso levou um pouco de peso para o meu coração ao ver Garret olhando com medo. — Acho que vou dormir no celeiro. — Clancy pegou um cobertor no chão. Seu olhar nunca me deixou. Quando eu me mudei para o lado para lhe dar algum espaço, ele correu passando por mim como um coelho assustado. A porta bateu fechando atrás dele, e um riso arrasador rugiu no galpão. Até mesmo tive o meu tempo – em uma ocasião rara para mim. Se eu tivesse que adivinhar, o pobre Clancy nunca ouviria o final dessa noite. Isso deveria me incomodar um pouco, mas ele pediu, por isso, não pediu? — Deixe o seu bando, e eu vou dar a você um passeio. — Liam se dirigiu para a porta. — Para que irá me levar, se é tudo a mesma coisa para você. Sua cabeça caiu para frente antes de ele se virar com um sorriso. — Nenhum ponto em comum com você, eu suponho. A luz veio novamente conforme eu seguia Liam em torno do lado do galpão para uma pequena construção com uma porta quase pendurada. Ao lado dela, uma alça da bomba estava em cima de uma calha de cimento velho. — Banheiro. — Liam apontou para a casinha pequena. — Beba água e se lave. — Ele apontou para a bomba. — E isso conclui nosso passeio, exceto para o rio do outro lado do celeiro. — Um hotel regular de quatro anos. — Eu arrastei meus dedos ao longo da borda áspera da calha. Ele sorriu tão duramente que uma covinha afundou em sua bochecha esquerda. Eu olhei para ele um tempo a mais antes de ir para a bomba e atraí


um pouco de água na minha mão. — Eu acho que lhe devo um pedido de desculpas. — Liam se sentou no final da calha. — Se houver algum grito aqui hoje, eu não acho que seja você fazendo isso. — Eu te disse. — Joguei o resto da água no meu rosto e pescoço. Por que me sinto tão quente? Eu precisava de uma ducha fria. Liam inclinou seu corpo em minha direção. — Então, você poderia? Eu juntei as sobrancelhas. — Eu poderia o que? — Puxar o gatilho sobre Clancy. Meus músculos puxaram mais apertados do que o penteado de uma velha senhora. — Só os covardes usam armas. Liam passou a mão pelo rosto. Seu sorriso desapareceu. — Você me chamou de covarde outra vez? Dei de ombros sem olhar para ele. — Eu apenas faço as perguntas e você é o mestre das respostas. — Pare de me fazer perguntas pessoais, e eu paro de lhe responder. Ele deveria ter descoberto isso. Boa aparência e persistência, uma combinação perigosa. Liam se levantou e andou em direção a casa. Ele parou, abriu a boca algumas vezes, mas continuou rindo. — Você não é como ninguém que eu já conheci. — Isso é provavelmente uma coisa boa. — Um sorriso ridículo rastejou de mim antes que eu pudesse pegá-lo. — Você tem um sorriso muito bonito, Laura. Você deve usá-lo mais vezes. Eu voltei para a pequena construção, tropeçando nos meus próprios pés. Felizmente eu não caí, embora minhas bochechas ardessem. — Bem, eu preciso... Uh... — Eu empurrei meu polegar sobre meu ombro. — Oh, certo. Café da manhã é de madrugada. Começamos o trabalho logo depois. Precisa ser acordada? — Eu vou estar de pé. — Eu dei um encolher de ombros pequenos. — Sono leve.


Ele sorriu e acenou com a cabeça. — Você, seja gentil com os rapazes agora, você entendeu? — Com uma piscada e um sorriso torto, ele desapareceu na escuridão. Eu desabei na grama ao lado da calha e coloquei minha testa nos meus joelhos dobrados. A vibração em meu intestino me confundiu. Desajeitada, não fazia parte da minha lista. Eu nunca sorri como uma idiota, e eu nunca fico doente. Liam é bonito e charmoso, eu sei disso, mas um homem não deve ser capaz de me tornar uma tola desastrada, não importa quão solitária e carente de sexo eu esteja. O que quer que havia me atraído para a fazenda mexeu comigo em mais de uma maneira. Eu precisava tirar minha bunda da grama e encontrar a fonte.


M CHEIRO DO BANHEIRO ME EMPURROU para fora atrás do celeiro. Um arrepio correu através de mim enquanto eu examinava a floresta além do rio borbulhante. Não encontrei nenhum aviso do meu caçador: Nenhum som – insetos choramingando, que sempre os precederam, e nenhum peso de sua presença em minha mente como dois fortes imãs repelem um ao outro. Eu não sabia se ele afetava os insetos ou se os insetos me avisavam intencionalmente. Sem eles, eu teria morrido anos atrás como o resto da minha família. Eu não o tinha visto em várias semanas. Todas as noites, a minha ansiedade crescia com a certeza que a minha sorte ia acabar. Lá, a beira do rio, minha proteção veio e a tensão através dos meus ombros diminuiu. Eu não havia relaxado desde que a aberração com olhos de diamante me encontrou pela primeira vez quando eu tinha treze anos, quase sete anos antes. Quando terminei o meu negócio, eu olhei para o celeiro preto e branco. A energia tinha que vir de algum lugar. Nenhuma outra pessoa que eu conheci emitia uma força, não que eu tivesse a mínima ideia do que poderia ser.


Nenhum homem fazia – com certeza. Eu precisava descobrir antes de eu ir embora, ou então isso iria mastigar em minha mente por meses – talvez para sempre. Alguns outros edifícios salpicavam a propriedade: Um galpão cobrindo um trator enferrujado e uma carroça, uma espécie de silo de armazenamento de grãos, e um pequeno galinheiro do outro lado da casa. Eu começaria com o celeiro, o lugar mais provável para esconder alguma coisa. Agachada na relva, eu não escutei passos de alguém ou qualquer sinal de alguém escondido. Eu odiava ser tão infeliz para um procedimento invasivo, mas minha curiosidade chama. Quando eu não ouvi mais nada, eu fui em direção a entrada do celeiro. Ao chegar à moldura ampla da porta, me virei e procurei o caminho ao longo do rio novamente, mas ainda não encontrei nada, apenas a noite prata velada. As portas penduradas em trilhos de metal no topo. Eu coloquei minha parte inferior para dentro, mas a escuridão me impediu de ver muita coisa. Quando meus olhos ajustaram ao luar para a sombra escura dentro do celeiro, um lampejo minúsculo de velas chamou minha atenção. Porra. Clancy disse que ele ia dormir no celeiro. — O que você está fazendo aqui? — A voz rouca veio por trás de mim. Eu me virei e coloquei meus dedos contra a moldura de madeira. Praguejando, eu apertei os meus dedos enquanto procurava o dono da voz. Meu coração bateu uma música frenética contra minhas costelas. Como ele se aproximou sorrateiramente de mim? — O chefe não gosta de pessoas em torno de seu negócio. — O cara velho do galpão saiu da sombra do celeiro para a luz da lua. Eu poderia ter fixado uma placa em cima do seu corte pincelado de cinza, e ela não teria se movido. As sombras estranhas da luz fundiram em seu rosto, deixando poças de escuridão onde seus olhos deveriam estar. Estremeci. — Me desculpe, eu apenas... — Pense, caramba, pense! — Eu cresci em uma fazenda. Vendo esse celeiro só trouxe de volta algumas memórias. Eu não queria ser tão intrometida. — Eu ri. Ele caminhou em minha direção mancando. Sua perna esquerda parecia ser um ou dois centímetros mais curta do que a sua direita. — Onde está a


fazenda que você cresceu? Aqueles olhos pesaram sobre mim, embora eu não pudesse vê-los. Meu pulso me traiu, saltando para fora do meu pescoço. Todos os lugares que eu viajei rolaram pela minha mente. — Uma cidade em Ontario. — Canadá? Qual cidade? Os alarmes soaram perigo na minha cabeça. Eu tinha que tirá-lo do meu rosto antes que ele me obrigasse a dizer algo que não deveria. — Só uma cidade com poucos semáforos, explorações agrícolas em sua maioria. O homem passou para frente. Eu poderia jurar que ele cresceu. Ele parecia mais imponente do que ele era um minuto antes. — Por que você está evitando a pergunta? — Lakefield. Feliz agora? Ele fez um ruído, baixo. Levei um segundo para perceber que ele riu. — Você é uma verdadeira peça de trabalho, senhora. Que diabos você está fazendo aqui em baixo se você pode está lá em cima? Merda, ele não vai desistir. — Eu quero ver um pouco da região antes que não haja mais nada para ver. — Eu me estiquei e forcei um bocejo. — Bem, eu estou indo para cama. Eu tentei contorná-lo, mas ele se moveu para me bloquear. — O que realmente você está fazendo aqui? — Ele deu um passo à frente, mas eu ainda não podia ver seus olhos. Uma profunda carranca disposta no resto do rosto. Talvez uma meia verdade, poderia? — Eu estou procurando alguns dos meus amigos. Houve alguns estranhos aqui ultimamente? Ele ficou um pouco mais reto. — Alguns. Teve um pequeno grupo ontem. Passou ao longo da colina do mesmo jeito que você veio. Isso tinha que ser ele. Um grupo inteiro de pessoas como eu. Excitação percorreu o meu peito, mas eu segurei minha reação. Isso não explica por que a energia desapareceu tão abruptamente antes. — Nós encontramos várias ferramentas desaparecidas. — Ele enfiou um dedo no meu ombro. — Isto é o que você está ‗fazendo‘ no celeiro? Trazendo de volta o resto? Empurrei o seu dedo para o lado e esfreguei o meu ombro. — Eu não


estou aqui para roubar alguma coisa, amigo. Agora, eu estou indo para uma caminhada, e então eu vou dormir, assim que obter o inferno fora do meu caminho antes de bater em sua bunda enrugada. Eu retornei seu olhar, passei por ele e caminhei ao longo do rio até que eu desmarcasse o celeiro. Quando me virei, seu olhar continuou me furando, embora o seu corpo permanecesse perto da porta. Gostaria de saber se ele diria a Liam sobre minhas atividades extracurriculares. Minha matéria de capa precisava de algum trabalho apenas no caso. Andei todo o caminho até o topo da colina antes de parar. Nada. Nenhum traço de energia permaneceu. Deflacionada, eu caí numa pedra e bati o punho contra ela. Como eu pude chegar tão perto dos outros como eu, estando ausente por um dia com nenhuma maneira de encontrá-los? Seus rastros devem ter dissipados nas últimas horas. Quando terminei o meu mau humor, eu andei de volta para baixo da colina. Luzes de velas tremulavam pela janela da cozinha na casa. O que você está fazendo aí sozinho, Sr. Conner? — Encontrou a informação que você está procurando? — A voz de Liam veio ao meu lado. — Merda! — Bati a mão no meu coração. — Você me assustou como o inferno. — Ele e sua equipe pareciam saltar da terra como cogumelos radicais. Liam estava em cima de uma cerca de trilho em frente da casa. Sua arma inclinada contra o poste pelos seus pés. — É tarde para uma garota estar perambulando na mata sozinha. — Seu queixo tremia, mas o seu sorriso surgiu de qualquer maneira. Meus olhos queriam explorá-lo de cima para baixo, mas eu forcei no seu rosto divertido. — Eu disse que eu posso cuidar de mim mesma. Ele balançou a cabeça, o sorriso aumentando em um largo sorriso cheio. Enfiei minhas mãos em meus bolsos, dor de puxar para cima sua camisa e correr minhas mãos até seu peito, para sentir o cheiro dele. Pare com isso! Virei-me e pisei em direção ao galpão. Minha coluna jamais vibrou e nem borboletas excitavam no meu estômago por um cara. Sentimentalismo não fazia parte da minha lista de qualidades. Eu precisava de um pouco de sono, algum dinheiro e sair desse inferno da Cordilheira de Ricker.


— Espere. Volte. — Ele gritou entre risadinhas. — Você torna isso fácil, o controle sob sua pele. Eu balancei a cabeça e continuei andando. — Que tal um drinque antes de bater o feno? Tenho um pouco de uísque bom guardado. — Não estou com sede. — O álcool enfraquece meu controle. Eu nunca toco nos produtos. — Boa noite então. — Seu riso desapareceu quando me movi ao longo da frente do celeiro. Quando eu já não podia ouvi-lo, parei e me inclinei para frente, mãos apoiada nos meus joelhos. Algumas respirações profundas acalmaram meu coração palpitante. Esfreguei meus braços para se livrar dos arrepios e para apagar a dor, a necessidade de voltar, para apenas estar perto dele novamente. O dia inteiro parecia um sonho surreal, ou talvez eu só estivesse perdendo minha maldita cabeça. Vadiei no caminho de volta para o galpão. Embora a ideia de dormir em algo diferente como um ninho de capim realizava um ‗certo apelo‘, o meu maior conforto veio de ter meus pés contra o chão, o vento no meu cabelo e o céu acima da minha cabeça. O homem fez lugares que jogavam fora os meus sentidos. Eu nunca entendi por que. Inspirei o ar puro e entrei no galpão. Uma voz assustada me bateu. — Não, Rourke. Por favor! — As mãos de Garret tremiam onde ele estava perto da parede agora, cara a cara com o Sr. Psicose. Rourke olhava com raiva para ele, um sorriso ajustado de demônio pegando seus lábios finos. — Algum problema aqui? — Fechei a porta atrás de mim. Rourke colidiu com Garret com tanta força que o menino tropeçou em uma ferramenta arrebitada e esparramou no chão de terra. Empurrando seus dedos pelos cabelos penteados para trás, Rourke lambeu os lábios. Seus olhos me desafiando a desafiá-lo. Ele deslizou para baixo, apoiou as costas contra a parede e arrastou o baralho de cartas mais e mais. Eu ofereci a mão para o menino. — Você está bem? Ele assentiu, agarrou o meu braço e arrastou-se a seus pés. Para além dos


danos que Rourke lhe tinha causado antes, eu não encontrei nada novo. Os hematomas ao redor dos seus olhos se espalhavam em uma máscara roxa. Garret encontrou os meus olhos com um esforço óbvio e estendeu a mão para mim. Eu peguei-a. — Eu sou Garret. — Ele fez um sinal para trás com a cabeça. — O velho rabugento é Sebastian. Eu acho que você sabe do outro tanto quanto você se importa. — Sim, Sebastian e eu nos conhecemos. — Eu balancei a cabeça para o Sr. Cabelo cortado. Ele zombou de volta. — O que foi tudo isso? — Sussurrei para Garret. — Não faça isso. Por favor. — Quantas vezes Rourke machuca você? Ele balançou a cabeça, seus olhos suplicando-me para calar a boca. Eu fiz, mas Liam e eu iríamos ter uma pequena conversa na parte da manhã. — Você pode pegar a cama vazia no canto, se quiser. — Garret apontou para trás de mim. — É a mais distante de Sebastian. Ele ronca como a porra de uma serra elétrica. — Seu queixo caiu, e ele corou. — Desculpe minha boca, minha senhora. — Meus pobres ouvidos virgens. — Eu sorri. — Eu não sou uma professora da escola dominical. Você pode xingar o quanto quiser. O sorriso que ele piscou o fez parecer tão jovem. Eu me pergunto o que aconteceu para colocá-lo por conta própria tão precocemente na vida. Ele esfregou a vermelhidão nas bochechas. Sebastian pigarreou e mancou em direção a extremidade do galpão. Como ele subia e descia a escada com aquela perna? Gemendo, ele abaixou-se sobre uma das camas e jogou as cobertas sobre a cabeça. Garret me seguiu até o canto. — Há quanto tempo você trabalha para Liam? — Eu inspecionei minha cama e o cobertor cinza esfarrapado. Minha mochila caiu no chão ao meu lado, caiu mais do que deveria. Idiota! — Eu sou novo aqui. Eu abri minha mochila procurando em torno uma camiseta embrulhada que eu tinha colocado no meio. — Os outros três trabalham para Liam há três anos, e o velho trabalha


para Conner desde que Cristo usa fraldas. Quando eu desembrulhei e achei intacta, eu exalei. — Liam é um cara bom para trabalhar? — Oh, Sim. — Garret sentou na minha cama e esfregou as mãos sobre os joelhos magros. — Sempre nos traz coisas para beber e nos dá tempo extra na hora do almoço para nadar quando está realmente quente. O pagamento não é muito, mas a porra do trabalho sem cérebro é o mesmo. Em parte, a maioria das pessoas não consegue encontrar qualquer trabalho nestes dias, assim eu me sinto com muita sorte. — Ele virou os olhos verdes querendo saber sobre mim. — O que você tem aí? Sem pensar, peguei a caixa de madeira e coloquei-a sobre a cama. — Minha mãe costumava cantar essa música para mim quando eu era pequena. — Eu abri a tampa, e a melodia assustadora tocou. — É tudo que me resta dela. — Ela também me disse para nunca deixar isso sair da minha vista. Eu toquei o colar de ouro antigo e o anel dentro ouvindo a música até as lágrimas ameaçarem. A preocupação nos olhos de Garret me trouxe de volta do meu passeio mental. Meu estômago embrulhou. Sério? Acabei de derramar minhas tripas para um completo estranho? Foda-se. Eu envolvi a camiseta velha em torno da caixa de música de novo e enfiei na minha mochila. Após assegurar a trava, eu apertei a mochila ao meu peito. — Não diga a ninguém que viu isto. — Se alguma coisa tivesse acontecido, eu estaria ferrada. Estremeci com a ideia. — Oh, sim, eu não vou dizer a ninguém. Isto é muito bonito. Perdi minha mãe também. Cantava como um sapo com frio, mas eu sinto falta do cheiro dela, como flores e chuva. — Sinto muito. — Então, você vai ficar mais um pouco? — Garret quebrou o rosto solene que estava se formando e soltou o menino animado jovem novamente. — Você não é tão mal para uma garota. — Uh – obrigada, eu acho. — Eu ri. — E não. Eu vou trabalhar um pouco e depois sigo o meu caminho. — Por que a pressa? Você gosta de andar por aí como um lixo? — Pare de incomodar a senhora —, Rourke latiu de onde ele descansava


contra a parede mastigando seu chiclete e abanando as cartas dentro e para fora. — Pequeno vômito intrometido. — Cale-se Rourke —, eu disse. Ele me deu aquele sorriso desagradável novamente. Meus dedos se enroscaram em um punho. Garret se levantou. A cor escarlate penetrou ao longo do seu rosto. — Desculpe sobre isso. Antes de Gran morrer, ele costumava me dizer que eu precisava trabalhar a matraca da minha boca. Eu coloquei minha mão em seu braço. — Você é um menino legal. Não peça desculpas por isso. — Eu devo deixar você, então. — Ele saiu, passando longe de Rourke. Vê-lo se afastar de mim quebrou meu coração. Algum instinto há muito adormecido em mim queria agarrá-lo, puxá-lo para minha cama e colocar meus braços ao seu redor. A necessidade não tinha nada a ver com sexo e tudo a ver com o conforto e proteção. Dei um passo para frente antes que eu alcançasse meus sentidos. Pura loucura. Eu nem conhecia o menino. Liam poderia cuidar dele pela manhã. Então, por que o nó no meu estômago não acreditou? Não, eu devo o assistir de longe. Os olhos travessos de Rourke, seguiram Garret a sua cama e rolaram para mim. Os cabelos da minha nuca arrepiaram. Virei às costas para ele – normalmente não é algo que eu faço para um predador. Às vezes eu odiava por ter sono leve, mas não nessa noite. Se eu feri-lo, seria pela sua própria maldita culpa. Depois de enrolar as mangas compridas da minha camiseta, me arrastei para debaixo do cobertor cinza esfarrapado e estabeleci a minha mochila ao meu lado. Pensamentos de Liam mantiveram deslizando em minha cabeça: Aqueles abdominais contraídos, o sexy ‗v‘ do músculo desaparecendo no seu jeans confortável, aqueles olhos escuros de chocolate. Eu dei um tapa na minha testa e pensei em nadar no rio gelado, ao invés. Quando mais cedo eu for embora, melhor. Talvez eu trabalhe por um dia e vou embora antes do anoitecer. Embora o sono sugou para mim, lutei para manter meus olhos abertos. Meu caçador iria me encontrar onde minha mente desempenhava enquanto eu


dormia. Eu não podia ficar acordada pela segunda noite, então eu desisti da luta. Enquanto meus olhos se fechavam, me concentrei em um lugar onde eu dormia acima em Muskokas perto da minha cidade natal, e esperava que o confundisse. O sinal para Bracebridge que eu passei mais cedo naquele dia correu através da visão da minha memória, como as lâminas de relva alta ao redor como se eu tivesse me alojado junto a uma lagoa. Um coro de grilos cantava uma doce canção de ninar. A unha da lua desbotada nas árvores passava como pontas de flechas de prata esfaqueando o céu roxo. O cheiro almiscarado das zonas úmidas do outro lado do bosque pairava no ar, e uma coruja cantava acima de mim. A umidade da minha roupa encharcada de orvalho me fez tremer. Repetindo os pensamentos mais e mais, eu escorreguei em um sono inquieto.


U ABRI MEUS OLHOS PARA UM QUARTO iluminado com luz de velas. Uma imagem clara pairou sobre mim. Olhei para os meus próprios olhos azuis brilhantes, redemoinhos de ouro e água dançando ao redor da pupila. Meu cabelo ondulado dourado espalhado sobre uma almofada vermelha como um jato de luz solar, e o resto do meu corpo estava escondido debaixo de um lençol fino de cetim vermelho. Um espelho estava fixado no teto. O que o... Os meus olhos! O meu cabelo! — Você me deixou esperando de novo! — Meu caçador disse em tom petulante que ele costumava usar quando estava chateado. Se o homem tinha um nome, eu não sabia. Nem eu sabia o que ele queria de mim. Eu justamente o chamava de Homem de Vidro – em parte por causa de seus olhos azuis – gelo. Frio e impiedoso, eles eram vigias ao seu maligno núcleo – ao seu escuro, centro sem alma. Principalmente, porque sua humanidade não fazia nada para esconder sua loucura. Isso girava dentro de si, a fumaça presa no vidro, procurando uma maneira de escapar.


Meu pulso correu. Eu me virei lentamente, como uma garotinha que descobriu um monstro que se arrastara para cama com ela – com medo de olhar, mas obrigada. Ele descansava ao meu lado em uma cueca boxer pegajosa cinza. Isto é apenas um sonho. Seus olhos azuis árticos nunca me deixaram. Sua cabeça repousava em seu braço torto. Os diafragmas hipnóticos tinham indícios fracos de prata em constante movimento. Seu cabelo negro caía em ondas em torno de seu rosto e tinha o brilho metálico roxo de uma asa de Grackles4. Sua beleza antinatural me atraía como uma moeda brilhante. Em certas luzes, sua pele brilhava como o interior de uma concha de ostra. — O que você fez com os seus lindos cachinhos dourados, agora? — Ele falsificou um beicinho. — Tsk, tsk. Uma pena. Você parece quase normal com esse chato marrom que você está andando por aí. Por que você desperdiça sua energia tentando parecer mais com eles? Viajar como uma loira alta tende a atrair o tipo de atenção que eu não quero. O peso de seus olhos me derreteu na cama, e a vontade de abandonar meus músculos tensos. Quando eu tentei sentar, a seda fria, me deixou saber que eu estava nua. Agarrei o lençol macio até a minha garganta. A carícia do tecido contra a minha pele enviou o arrepio através de mim. O mar de velas brancas piscando ao redor do quarto fez uma cena muito íntima para o meu conforto. Eu forcei uma voz calma. — O que você quer? Ele deu de ombros e deu um sorriso perverso. — Eu quero falar com você. — E isso me obriga a ficar nua? — Eu tive a ideia ontem à noite. Não posso acreditar que eu nunca pensei nisso antes. — Ele falou através de um longo suspiro. — Removi suas roupas para que você ficasse aqui comigo até você acordar, ou eu começo a olhar para o seu ‗país das maravilhas‘ novamente. — Ele levantou uma sobrancelha esculpida escura e abriu um sorriso de gato Cheshire. — De qualquer maneira, 4

Pássaro.


eu ganho. — Você é louco. — Possivelmente. — Seus olhos fumegavam enquanto seus dedos caminhavam alegremente para mim. Mesmo nos meus sonhos, a sua proximidade fazia a minha pele ondular como a de um ganso. Sua presença comeu a luz em minha alma e lançou uma sombra cruel, fria sobre mim. Eu lutei para controlar a minha respiração. Seus dedos alcançaram o meu ombro nu. Calor delicioso espalhou por mim da cabeça aos pés. Eu o empurrei e deslizei para a borda da cama. Metade de mim queria esfregar em cima dele, e o resto de mim queria vomitar. Como eu poderia querer tocá-lo? Antes que eu pudesse decidir o que fazer, ele me agarrou em torno dos meus punhos e me puxou para o lado do colchão, ficando cara a cara com ele. Eu acabei ajoelhada no chão enquanto ele deitado na cama de bruços. — Então me diga, princesa, você já descobriu o que você é? Com um grunhido, eu puxei o seu aperto. — Eu lhe disse para não me chamar assim. — Vou tomar isso como um não. Alguma ideia nova? — Ele tocava seus lábios macios, úmidos sobre os meus dedos enquanto eu fazia o meu melhor para ignorar o latejar na minha região baixa. — Eu não vou jogar este jogo com você. Ele revirou os olhos e expulsou um profundo suspiro. — Você sabe... Lila... Você pode ser uma desmancha prazeres às vezes. Eu deveria ter sabido que ele sabia o meu nome. — É bom saber algo que pode apagar com esse sorriso desagradável. E eu lhe disse, eu sou humana. — Humana? — Ele riu um gorjeio de som de pássaro. — Você nada mais pertence à raça dos estúpidos bárbaros como eu. Cabelo dourado afiado, os olhos com brilho sobrenatural, o mel dourado da pele de uma deusa. — Ele soltou um riso amargo. — Eu realmente não sei por que você desperdiça os seus dons. Falando nisso, por que você não os usou nas últimas semanas? Minha boca secou como um deserto. Merda. — Como você sabe que eu não os usei?


Eu peguei um lampejo de raiva nos seus olhos antes que eles voltassem para sua diversão perpétua. — Os jornais não relataram qualquer criança misteriosamente encontrada queimada, edifícios cheios de fumaças sem saber como, nem armas falhando dos militares, ou assassinos esperando pacientemente por suas vítimas. — Ele fingiu uma risada. — Por que você se preocupa com eles? — Boa tentativa. A maioria dos jornais abandonou suas atividades. — Um pensamento passou pela minha cabeça como um relâmpago. Meu rosto neutro rachou. — Você pode sentir quando eu uso o poder. Qualquer poder. É assim que você está me achando, não é? Foda-se! Inclinei-me para longe dele, mas ele me puxou contra a cama. Meus ombros queimaram. As sombras sem seus olhos pulsavam, o efeito se estendeu para o quarto. Eu pensei ter ouvido gritos agonizantes e o quarto gelou com uma escuridão malévola. Minha respiração saiu em baforadas brancas. Meu poder enfraqueceu em sua presença como se ele estivesse absorvendo a minha energia. — Você não pode se esconder de mim por muito tempo. — Seu cabelo ficou em pé, realizado por um vento invisível. Terror frio rastejou ao longo das curvas da minha coluna. — Eu deixei você correr todos esses anos, porque eu gosto da perseguição e dos nossos pequenos intervalos, mas em breve vou precisar de você ao meu lado. E —, ele apontou cada palavra com um aperto de seu punho, — Você – vai – vir. Eu grunhi através da dor e quis me acordar, mas não funcionou. Na maioria das noites ele me mantinha dentro do sonho, até que ele terminasse o seu joguinho. — Por que você precisa de mim ao seu lado? — Eu não fazia ideia se ou não o choque estampou na minha cara. O tempo todo eu pensei que ele ia me matar, em algum momento durante o seu pequeno jogo de gato e rato. Talvez ele ainda fosse, mas ele queria algo de mim primeiro. Morte ou escravidão? Eu não conseguia decidir qual me assustava mais. O sorriso do Diabo voltou. — Porque eu quero assim.


Lambi meus lábios secos. — Você me encontrou no dia seguinte quando eu corri da casa da minha mãe. Por que você não simplesmente me levou quando teve a chance? Você não tinha que matá-la assim. — Um soluço empurrou as palavras, mas engoli-as antes que ele pudesse seguir. — Diga-me quem é seu pai. Eu não podia dizer a ele o que eu não sabia. — Por que você não apenas me mata, então? A sua doce expiração correu pela minha pele, um vento ártico contra o meu calor. — Normalmente, suas charadas são pouco convincentes, mas você está escorregando. Meu coração vacilou, e eu fechei os olhos. O que ele quis dizer? Eu podia imaginar a lagoa, os cheiros, o orvalho. Foda-se. — É uma noite de lua cheia, e não uma unha da lua. — Dê à senhora encantadora um prêmio. — Seus lábios deslizaram em busca dos meus. Com toda a força que eu possuía, eu dei um bom puxão e rompi livre de suas garras. Paredes surgiram em torno de nós, vermelho escuro, nenhuma porta – como sempre nos meus sonhos. Eu recuei para um canto e fiz o meu melhor para cobrir todos os meus pedaços e peças, mas eu não tinha mãos suficientes. Deus ajude-me, Lila. Acorde! O ar arrepiou minha pele quando ele caminhou para mim, gemendo a sua aprovação. — Tão perfeita como eu me lembro. — Ele riu da maneira como os homens fazem quando pensam que estão prestes a conseguir alguma coisa. — Como você consegue manter um corpo tão forte e ainda assim ter suaves curvas femininas? Bons genes, talvez. Mmm, você é um ajuste deleite para um rei. — O que é que isso quer dizer? — Eu girei e procurei a parede para escapar. Ele pressionou seu peito nu ao longo das minhas costas. Uma corrida desconcertante de eletricidade cresceu através de mim. Meus joelhos tremeram. Seus dedos deslizando para cima e para baixo dos meus braços descobertos, me puxou para um abraço e beijou meu ombro. — Eu não consigo parar de pensar sobre a primeira vez que você se deu para mim.


Eu apoiei minhas mãos contra a parede e empurrei. Ele tropeçou. Eu cambaleei de volta para o lado da cama. — Não era eu naquele dia. Você – você fez alguma coisa para mim. Com seus braços abertos, ele deu passos pequenos em direção a mim. As velas ao lado da cama enviando luz lambendo o seu tanquinho e persuadindo cores sutis para sua pele. Seus olhos pulsavam com fogo azul. Eu nunca o vira de uma distância sem camisa, e até mesmo através da minha fúria, através do meu terror, ao vê-lo levou todo o pensamento sã de minha mente, substituindo- o com fome. — Você estava tão ansiosa, praticamente insaciável. — Cala a boca. — Limpei a garganta para cobrir um grito. Meu corpo não deve reagir a tal malignidade, não importa quão atraente o seu tanquinho pode ser. Antes que eu pudesse se mover, ele me jogou na cama. — Largue-me! — Eu bati nele. — Saia! Ele agarrou meus pulsos e os apertou acima da minha cabeça. Gemendo, ele estabeleceu o seu corpo para baixo no meu. — Você tinha dezesseis anos quando te encontrei naquele pequeno motel fora de Jacksonville. Não se lembra? — Você matou a faxineira por causa da chave. — Pânico roubou o vento de mim. Ele se sentou o suficiente para eu ver um sorriso, doentio benigno. — Oh, sim. A gorducha Randine. Uma verdadeira sulista. Ela gritava muito bem para mim. Eu nunca fiquei em um motel de novo depois de ver suas entranhas derreterem e escorregar todo o quarto. — Você não precisava matá-la. — Agora, agora. Você sabe o que diz sobre aqueles que vivem em casas de vidro. — Eu nunca tinha assassinado ninguém! Ele riu. — Randall Gainer, há três anos. Eu me lembro de seu rosto explodindo quando a arma que ele usava misteriosamente se dobrou como um pretzel. — Ele beijava ao longo da minha mandíbula enquanto eu me sacudia embaixo dele.


Eu segurei meu corpo rígido enquanto ele preenchia com fogo. — Ele tentou me matar. — Minha voz aumentando. — Eu nunca quis... — Oh, por favor. Os humanos são nada mais que uma cicatriz no rosto da Deusa. Eu continuo esperando mais seremos vítimas do seu dom, mas você provou ser uma decepção até agora. Nós vamos ter que mudar isso, agora não vamos? — Ele traçou os meus lábios com sua língua. Eu sacudi minha cabeça. — Pare com isso! Sua boca cobriu a minha. Todas as minhas células responderam ao seu chamado como se meu corpo tivesse explodido e refeito em um instante. Isso persuadiu um tipo perverso de êxtase em mim, deslizando através de fio da navalha entre o prazer e a dor. Instintos assumiram, meus desejos usando meu corpo como um fantoche para saciar sua fome. Não. Isto está errado. Ele os matou! Eu me derreti no beijo, explorando-o com minha língua, enrolando os dedos na seda do seu cabelo. Oh Deus, o que estou fazendo? Seu toque transcendeu a minha pele e me acariciou em todos os lugares ao mesmo tempo, me enchendo com o poder intoxicante. Isso me jogou para longe, ofegante. — Não. O seu sussurro veio junto ao meu ouvido. — Você sabe que você quer. Eu sei. Deus me ajude, mas eu sei. — Saia. De cima de mim. — Cada palavra aumentada. Cada vez que ele me acariciava, cada vez eu gostava, eu os traí, todos os que ele matou para chegar a mim. Um lampejo de memória me fez chorar. Quente, muito quente. Mãos, suor, pele sobre pele. Uma onde de energia queimando em minha carne, e necessidade, essa necessidade, eu não podia segurar. — Eu não posso lhe dizer como foi emocionante deflorar você. — Ele gemeu. — Eu sempre suspeitei que fosse uma coisa ótima. Nós destruímos o quarto naquela noite. Eu gostaria de saber como você explicou quando foi embora. Eu não fui embora. Eu corri por duas semanas seguidas. Quando ele deslizou para fora de seu short, eu lutei para me libertar. Eu tentei me acalmar, mas meu corpo não me ouviu. Apenas um sonho. Nada de verdade, aqui.


Seu calor, o formigamento dos seus dedos, as reações do meu corpo, tudo parecia tão real que me fez querer dar para ele. O brilho de sua pele deve ter conjurado a magia antiga. Não! Ele assassinou a minha família e tantos outros – tudo para chegar a mim. O pensamento de aproveitar sua proximidade fez o meu estômago dar um solavanco. Razão quebrou o seu feitiço sobre mim. Meu poder queimou. Eu não podia usá-lo contra ele, mas eu podia usar para outros fins. Eu me agarrei a isso por um momento, guerreando com a parte de mim que queria um sabor de prazer pela primeira vez. Eu deixei o poder ir. Um eco das palavras frenéticas da minha mãe correu através dos meus pensamentos. O homem que chegou, apenas diz mentiras. Corra, Lila. Corra! Uma rachadura ensurdecedora cresceu em torno de nós. Em um flash de luz mais brilhante do que um relâmpago, o sonho quebrou, e eu caí da cama, no chão de terra no galpão. O som do sangue correndo pelas minhas veias rugindo nos meus ouvidos. Mentiras. Ele apenas diz mentiras. Esfregando os olhos, respirei fundo e subi na cama novamente. No começo eu pensei que o chão tremeu, mas depois de um momento, eu percebi que era apenas eu. Eu me entreguei a ele uma vez, e a parte mais escura de mim gostou. Abracei meus joelhos e comecei a me balançar para trás e para frente.


MA FRACA LUZ ROSA infiltrou através das rachaduras nas paredes do galpão e debaixo da porta. O amanhecer. Eu usei o meu poder? Ou só no sonho? Os rapazes no galpão continuavam dormindo, e Sebastian, de fato, ronca como uma serra elétrica como Garret havia dito. Um clarão ofuscante de luz e uma rachadura estrondando deveria ter os acordado. Talvez eles tivessem sonos pesados? Apertei as palmas das mãos na minha testa para conter a dor crescente sob o dilema. A lógica surgiu através da neblina. Eles deveriam ter acordado, mas eles não foram, portanto, o surto deve ter sido contido com o sonho. A visão de Garret, enrolado em seu cobertor, acrescentou a guerra na minha cabeça. Por um lado, eu queria ficar e protegê-lo, e por outro lado, se eu ficasse, eu poderia colocá-lo em um perigo maior do que Rourke. Eu não iria aproveitar a oportunidade. Se eu usar o meu poder, mesmo uma pequena quantidade, o Homem de Vidro poderia usar isso para me encontrar, então eu


tinha que sair. Eu me esforcei em minha camisa, coloquei minha mochila no ombro e saí pela porta. A ideia de sair pesou sobre meu coração, mas eu fiz o meu melhor para ignorar. A vontade de me esfregar ameaçou me oprimir. Minha pele ainda formigava do sonho, do seu toque, da sua respiração em meus lábios. O horizonte ficou vermelho – o ar do final de setembro realizava uma dica de inverno. Minha coluna coçava, enviando meu olhar em uma varredura frenética para a floresta circundante. A linha irregular de árvores que levava as laterais do vale me cumprimentou. O silêncio continuou afogando o espaço em torno de mim. Seriedade normalmente significava um montão de problemas que logo explodiria na minha cara. A adrenalina me mandou correndo pelo quintal, o meu instinto de sobrevivência me obrigando a ficar o mais longe quando eu pudesse antes do sol de pôr. O homem de Vidro viria então – ele só saía à noite. Um grito rasgou o silêncio. Um solavanco de medo apertou meu estômago enquanto eu olhei para trás, para a fonte do som e continuei correndo. Eu bati em um corpo quente, seu cheiro rodopiando em volta de mim. Minha força o levando para o chão comigo. — Jesus —, Liam gritou. — Onde diabos é o fogo? Eu me levantei. Minha voz tremeu. — Eu tenho que ir. — Por que ele está de pé tão cedo? Olhos estreitando para o meu rosto. Liam se levantou e se aproximou. Ele estendeu a mão a erguendo para o meu rosto. Eu bati a mão. — Não me toque. — Você está chorando. Se eu não visse por mim mesmo, eu não acreditaria. — Eu não estou chorando. Eu nunca choro. — Eu limpei minhas bochechas. O que há de errado comigo? Um flash de raiva transformou seu rosto em uma máscara assustadora. — Qual deles te machucou? Eu vou matar todos! — Ninguém me machucou. — Eu tentei o empurrar para passar, mas ele me pegou pela frente dos meus ombros com o braço. — Olhe, apenas fale comigo um pouco. — Sua voz suavizou em uma


doce canção de ninar. — Quando você terminar o seu trabalho, vou lhe dar algum dinheiro, isso vai ajudar você a chegar em seu caminho, o que você quiser. — Ele ficou na minha frente. Eu não conseguia encontrar seus olhos. — Por favor —, ele sussurrou. Alguma coisa em suas palavras chegou através das minhas altas paredes. Sua proximidade enfraqueceu meus joelhos, me inundando com as endorfinas. Sacudi-me. — O que está acontecendo comigo? — Eu olhei no ombro de Liam. — O que é este lugar? Minha bússola mental está errada, e eu não sei qual é o caminho para o norte, mais. — O mundo era uma sala fria e vazia, e ele era o fogo na lareira, o calor no meu rosto. Eu não podia deixar de se aproximar dele. Eu encontrei o seu olhar enquanto eu enxugava algumas lágrimas das minhas bochechas. Por que eu quero ficar e sentir seus braços em volta de mim? — Parece que você perdeu um pouco do seu próprio tempo. Nós todos precisamos de um pouco de contado humano. Que é apenas natural. — Mas não é natural. — Eu recuei um passo, segurei meus punhos juntos ao peito. — Pelo menos não para mim. Eu não posso. Não é seguro. Liam fechou a distância e empurrou a mochila dos meus ombros. Com os dedos, ele levantou meu queixo. — Diga-me. A ternura nos seus olhos trouxe anos de solidão e tristeza batendo a superfície, roubando o meu fôlego. — Não —, eu choraminguei, — Por que não? — A distância irá mantê-los seguros. — Eu segurei as palavras, quase inaudível — um eco dos avisos da minha mãe de muito tempo atrás, estudando seus olhos, quentes o suficiente para andar neles e se perder no seu conforto. — O que você quer de mim? Eu oscilei em meus pés, querendo estender a mão, para correr meus dedos sobre seus ombros e nos cabelos. Para provar seus lábios. Não! Eu não posso deixá-lo chegar mais perto, para seu próprio bem. — Nada, eu juro. Nada, mas tire esse olhar dos seus olhos antes que isso rasgue o meu coração.


— Ninguém quer me tocar sem querer algo: Principalmente sexo, dinheiro. — Eu balancei a cabeça, esfreguei os braços para alisar os pêlos em pé. — Se eu deixar você me abraçar, talvez me sinta bem. — Um arrepio retumbou da cabeça aos pés. — Eu não quero me sentir bem. — Por que o inferno não? — Por que tenho que ir embora. — Um riso explodiu, mas se transformou em soluços torturantes. Liam acariciou minha bochecha, o seu corpo perto do meu. — Calma, agora. Vai dar tudo certo. — Eu não gosto de bonitas mentiras. — Cavei as unhas em minhas mãos até que as lágrimas cessaram. — Então que tal eu estou aqui com você agora, e eu quero ajudá-la. — Ele ficou ainda mais perto, acariciou os dedos sobre meu cabelo. Seu toque abriu algo em mim – uma porta para um lugar secreto onde eu encontrei tudo o que eu sempre quis. Casa. Isto é o que se deve sentir como em casa. Eu queria estar perto dele, para fixar juntos em algum lugar e relaxar sob o seu calor, para se afogar na bondade de seus olhos. Como eu poderia querer isso com um estranho? Depois do sonho, como eu poderia pensar sobre tudo isso? O desejo de tocá-lo assumiu. Eu empurrei o temor, apaguei as minhas dúvidas e estabeleci ao lado dele. Eu puxei sua camisa preta para fora da calça jeans e apertei as mãos contra os cumes musculosos do seu estômago. No instante em que toquei, o mundo desacelerou. O prazer não descreveu a sensação de sua pele sob minhas mãos ou as suas na minha. Algo intenso e cru, reconfortante e emocionante ao mesmo tempo, me incentivou. Joguei meus dedos ao longo do curso dos seus cabelos escorregando pela linha da pele macia em torno dele. A sua correu até as minhas costas. Meus olhos tremulavam fechados. Um baixo gemido escapou dele. Eu deslizei minas mãos sobre a ondulação do seu peito. Não importa o quanto eu o tocasse, não saciaria minha fome. Eu poderia rastejar dentro do seu corpo, e mesmo assim não seria o bastante.


Eu não fazia ideia de quanto tempo ficamos ali, as nossas mãos se movendo ao longo dos nossos corpos. Eu levantei meu olhar para o seu rosto, a doçura da sua respiração caindo em meu rosto como uma caricia de seda. Hipnotizada pela profundidade do seu olhar, eu não percebi quando ele se inclinou mais perto, pressionando seus lábios em direção ao contato que eu desejava. Ele hesitou por um momento antes de derreter contra minha boca e enrolar os dedos no meu cabelo. Esforcei-me para inalar oxigênio para os meus pulmões famintos. A dor crescendo para escalá-lo como uma trepadeira, me consumindo. Eu o empurrei. Ele cambaleou para trás e esfregou seu peito. — O que eu faço agora? Eu engoli o afagar da minha boca. — Sinto muito. Eu não queria o empurrar tão duro. Eu só... — Deus, o que estou dizendo? — Eu não vou dizer a ninguém que eu vi você chorando. E você não precisava me empurrar, ou se afastar. Não precisa quebrar minhas costelas da próxima vez. Basta falar, e eu vou recuar. — Não haverá uma próxima vez. — Eu cruzei os braços. — E eu pedi desculpa. As mãos nos quadris, ele olhou até que eu me contorci. — Você não vai me dizer o que está errado, certo? — Olha, eu estou apenas confusa. Não estou entendendo. Sinto-me... — Eu pressionei meus dedos, ainda formigando do toque da sua pele, contra os meus lábios, — ... Estranha. — Ele está fazendo algo para mim? — Isso se chama atração. Nada do que se envergonhar. Ao menos que você seja casada. Faz muito tempo desde que eu me senti assim também. Não, não é apenas uma atração. Compulsão. Ele emitiu algum tipo de energia? O que ele significa? Não importa. — Eu preciso ir. Não é seguro para que eu fique aqui. — Você continua dizendo isso, mas você não diz o porquê. Tem alguém ameaçando você? — Não estou com medo. — Eu estremeci. Não deveria ter dito isso. Ele balançou a cabeça como se ele tivesse entendido mais do que eu disse.


— Pense nisso um pouco. Antes de você ir vá para casa e tome um banho. Eu tenho algumas tarefas no celeiro, e então eu cozinho para você um café da manhã. — Liam soltou um suspiro. — Se você ainda quiser ir depois disso, eu não vou te parar. Uma explosão quebrou o silêncio e ecoou contra a montanha. Liam e eu caímos no cascalho. Meu peito doeu como se eu tivesse deixado o meu coração e os pulmões onde eu estava parada. Liam desenrolou os braços de sua cabeça. — Jesus Cristo. Clancy! É melhor que apenas não atire em mim, ou eu vou chutar o seu traseiro. — Vocês dois se levantem agora. — O dedo de Clancy tremia sobre o gatilho de sua arma. Liam foi o primeiro, as mãos metidas no ar. Segui depois, mantendo o olhar fixo no homem se contorcendo na nossa frente. — Nós podemos resolver isso, agora, Clancy. — Liam baixou as mãos um pouco, mas manteve-as para os lados. — Você ainda está ferido sobre a luta na noite passada? Nenhum de nós queria ofender você. — Ela é prostituta do Diabo que veio matar todos nós, chefe. — Clancy me olhou ao longo das vistas de sua arma. — Eu não vou deixá-la colocar suas garras em nós. Eu não vou. — Eu não sou prostituta de ninguém —, eu disse. — E eu não acredito em demônios, apenas os homens e mulheres. Você é mau, Clancy? — Energia subiu abaixo da minha pele como se preparando para fugir do meu alcance e explodir a arma na cara dele, mas eu agarrei isso como um aperto de morte. Eu curei de ferimentos de balas antes, mas realmente não queria ter que fazer isso de novo. Eu precisava manter sua atenção em mim. — Você cale a boca, porra. Não vá enfiar a língua bifurcada na minha orelha. — Clancy apontou para a porta torta com a cabeça. — Ande até a casa agora, chefe. — O que deu em você? — Liam deu um passo adiante. Clancy virou a arma que estava em mim para ele. Liam colocou as mãos mais altas. — Whoa, agora. Fácil. — Ele me lançou um olhar que apertou meu peito. — Não. — Eu balancei a cabeça. — Apenas vá. Eu vou ficar bem. — Eu


implorei a ele com os meus olhos, mas ele não se mexeu. — Vá. — Eu não vou para lugar algum. Meus pensamentos andavam para trás e para frente. Eu me recusava a matar, pelo menos não de propósito, de modo que limita as minhas opções. Eu poderia dobrar a arma, mas se Clancy puxasse o gatilho, arriscaria matá-lo. Eu poderia derrubar a arma, mas se disparasse e acertasse Liam, eu poderia curá-lo. Mas se a bala acertasse sua cabeça ou o coração, porém, eu não seria capaz de fazer qualquer coisa. Eu poderia fazer Liam ir, mas Clancy o pegaria, e ele poderia atirar em nós, e eu não posso curar nós dois. Foda-se! Por que minhas opções sempre se resumem à ruim e pior? — Bom, chefe. Eu vou apenas começar com você primeiro. — Calma caiu sobre o corpo de Clancy. Eu corri para ele, pensando que pudesse arrancar sua arma, ou ele atiraria em mim. Liam deve ter tido outra ideia. Ele pulou sobre mim, Clancy virou a arma em minha direção e apertou o gatilho. Outra explosão chocalhou através das colinas. Alguns cascalhos em minhas costas quando eu caí. O estômago de Liam no meu rosto, e seus joelhos golpearam meu abdômen. Por um segundo, eu não conseguia respirar e debatia abaixo dele. Eu parei quando percebi que ele não estava se movendo. Ofegante, eu passei meus braços em torno de sua cintura e o virei. Seu rosto já estava pálido, e uma roseta de sangue florescia no meio de seu torso. Cobre esmagando meus sentidos. — Liam! Porra! Liam! — Minhas mãos trêmulas pairaram sobre a ferida enquanto eu gritava para o céu. Quantas vezes eu estive assim, situando-se acima dos que eu não podia salvar? Quantas vezes o calor pegajoso de suas vidas escaparam ao redor dos meus dedos antes que eu pudesse curá-los? Demais. Não. Não! Eu não perderia outro. Minha mente recuou para um lugar que eu sobreviveria. O lugar ainda. O lugar branco onde a dor não existia, e eu tinha apenas lógica, pensamento racional – onde meus fantasmas não poderiam me alcançar. Onde os sons de morte ficavam em silêncio. Onde o cheiro de sangue desaparecia, e a dor em


minha alma aliviava. Eu estive lá antes, e eu iria sobreviver, e assim me ajudar, e então Liam. Pisadas trituraram atrás de mim. Um sorriso mortal curvou em meus lábios. Eu me levantei, meu corpo calmo, minha mente primordial de um instintivo predador. Eu me virei para olhar para a alma negra de um paranoico zumbi – um dos milhares que eu olhava desde que eu saí de casa. — Vou livrar o mundo de gente como você. — Clancy olhou para mim através da visão de sua arma. — Faça isso. Eu desafio você. — Eu levantei meus braços para o céu. Escuras nuvens de ardósia ferveram em cima de mim a partir do oeste. O vento soprava contra mim em todas as direções, girando, me enchendo com estática. As árvores ao redor da borda do vale se inclinaram para dentro, atingindo seus braços esguios. A grama chicoteou em torno dos meus pés, e uma nuvem de poeira subiu acima da garagem. O céu enviou sombras em todo o celeiro e na casa, mas não para mim. Minha pele se transformou em seu creme natural de ouro enquanto eu deixei cair minha ilusão. Um brilho sutil veio de baixo, meu próprio sol pessoal brilhando uma aura de luz tão brilhante que eu mal podia ver a sua volta. O ar tremia e pulsava como um coração. Eu rasguei a tampa do poço da minha mente. Clancy deixou cair à arma, balbuciando algo ininteligível enquanto corria. Eu coloquei minhas mãos em posição de oração, ajoelhei e coloquei-as no chão. A superfície se espalhou como manteiga sob uma faca quente. Um estrondo diante de mim. A terra se abriu sob os pés de Clancy como uma rachadura, muito mais alto do que o tiro tinha sido. Ele caiu de frente, preso tão apertado que ele não podia se mover. Com o meu cabelo ainda girando em torno da minha cabeça, eu caminhei para a arma e arranquei-a do chão. Clancy viu como eu dobrei o cano em um ‗s‘ disforme com um simples pensamento. Eu bati o cano em sua mandíbula. — Eu vou lidar com você mais tarde —, eu disse numa voz morta. Sua cabeça pendeu sangrando para o lado. Gemidos fracos sacudiram em sua garganta. Ele piscou algumas vezes como se estivesse tentando lutar


contra a inconsciência. — Durma —, eu disse. Seus olhos fecharam e sua cabeça inclinou para frente.


ANGUE ACUMULOU no cascalho debaixo do corpo imóvel de Liam. Eu rasguei a camisa dele, pressionando uma mão espalmada contra o centro, onde seu coração tropeçava, e a outra mão na sua testa úmida. Meus olhos fecharam e o vento apanhou novamente. Eu forcei todo o pensamento e emoção mais profundo dentro de mim enquanto eu colocava para fora uma chamada sobre a respiração da terra. Momentos depois, o silêncio quebrou sob os gritos de milhares de aves. O whap-whap de suas asas tamborilava contra o ar acima de mim. Uma sinfonia de grilos começou, latidos e uivos berravam da floresta ao redor, e o barulho de uma coruja veio por último. Eu nunca tive muitas respostas assim ao meu apelo. O ar estremeceu enquanto eu absorvia energia de cada pássaro, cada criatura peluda que vagava pelos bosques, cada folha de grama, cada inseto. A pulsação da terra chegou através do meu corpo e se juntou com a minha quando eu abri minha mente para o homem diante de mim. Procurei a ferida com a minha energia. A bala havia cortada sua vesícula biliar e rasgado o seu fígado. Imaginando seu corpo curado e seu coração batendo fortemente, forcei minha vontade pelos meus braços para o corpo desvanecido ao meu


alcance. Um grito borbulhante rebentou dos lábios de Liam. Sua coluna se curvou quando minha mente envolveu-se em torno de sua ferida, tricotando o seu corpo de volta. Manchas de sangue permaneceram no peito de Liam, mas o buraco da bala desapareceu. O vento se calou como o poço de energia esvaziado. Os que haviam respondido a minha chamada desapareceram na floresta. Levou mais de cinco minutos, embora parecesse que tinha acontecido em um piscar de olhos. Ele ficaria dolorido, e ele ficaria com medo de mim, mas ele viveria. Então porque meu coração arde como se fosse esmagado? Eu caí para trás sobre o cascalho, a minha energia gasta, lágrimas quentes arrastando pelo meu rosto, e encarei o céu até que tudo correu preto. Quando eu abri novamente, o sol subira mais distante no céu azul pálido. Clancy ainda estava caído sobre sua prisão alguns metros de distância. Onde estavam os outros caras? Eles devem ter ouvido os tiros e os meus gritos. Clancy os matou primeiro? Por favor, não. Garret não. Ele é apenas um garoto. Meu coração disparou. Eu me virei e sacudi Liam. Ele soluçou com os seus olhos fechados frisados quando minhas próprias lágrimas voltaram a cair. Por que as lágrimas? — Está tudo bem agora. — Eu o puxei para uma posição sentada. — Precisamos ir para casa. Vamos, me ajude. — Eu puxei o braço direito sobre meus ombros e o ergui. Nós tropeçamos através da porta torta e subimos os degraus da frente da casa. Eu o coloquei no sofá, o cobri e o beijei na testa. — Você deveria ter me escutado, seu estúpido teimoso. Durma agora. ♦♦♦ Limpei o vapor do espelho com o canto de uma toalha. Normalmente, eu tomo banho em rios, mas de vez em quando, eu entrava em uma casa e


tomava banho rápido com água e sabão. Fazia meses que eu tinha feito isso. Eu tinha esquecido como é bom se sentir limpa. Estando na frente do espelho, eu puxei meus dedos através do ‗ninho de pássaros‘ encharcado na minha cabeça. O meu reflexo me fez pular. Mesmo através da minha ilusão, a exaustão decorava a minha pele, hematomas roxos agarrados sob os meus cansados, olhos injetados de sangue. Bom. Eu pareço como uma morta-viva. Pelo menos o meu exterior combinava com meu interior. Fechei os olhos e agarrei os lados da pia, rangendo os dentes. — Eu nunca deveria ter vindo aqui. — Bati a palma da minha mão para baixo na porcelana. Com um grunhido de frustração, eu me afastei do meu reflexo e vasculhei minha bolsa evitando a próxima guerra na minha cabeça. Eu tinha que ir embora, então por que eu queria ficar? Algo sobre esse lugar. Algo sobre Liam, mas o quê? Eu precisava protegê-lo. Talvez ele fosse a primeira pessoa boa que eu tive. Será que ele sabe o que eu sou? Não. Eu poderia cheirar mentirosos da mesma forma que um tubarão podia sentir o sangue na água. A ideia de ir fez meu estômago enjoar, mas eu não podia ficar. Liam ficaria com medo de mim, e eu ia colocar os homens em perigo – se eles ainda estivessem vivos. Não, eu ia ficar um pouco, comer algo da geladeira e fugir antes que Liam acordasse. A roupa íntima que eu tinha pegou no zíper enquanto eu puxei do fundo da minha mochila. O buraco minúsculo uma vez no traseiro se transformou em uma cratera. O som rasgando terrível me fez pular. — Você tem que estar brincando comigo! — Colocar a suada novamente, essa com a bunda toda rasgada para fora, ou andar pela mata sem. Depois de abrir duas portas amarelas no corredor – um era um quarto vazio, e o outro apenas tinha um guarda-roupa – eu encontrei o quarto de Liam no final. Quarto pequeno para um cara grande, ele pintou o teto de azul. A decoração escassa incluía uma cama de casal sob a única janela, uma cômoda e dois armários. Uma colcha velha amarrota jazia no meio e a outra metade para


fora do colchão. A cômoda branca brilhante ao lado direito da cama tinha uma caixa de joias e alguns pacotes de meias em cima – deve ter pertencido ao cabeleireiro. Fui para a cômoda e puxei a gaveta. O lado esquerdo da gaveta tinha mais renda do que eu já tinha visto. À direita, uma prega de tecido rosa cobria um conjunto de sutiã e calcinha – ainda ostentando pouca renda – mas uma assustadora quantidade continua. Perfeito. Depois de rasgar a etiqueta da calcinha preta, eu coloquei e acrescentei uma azul na minha mochila. Antes de fechar a gaveta, eu hesitei, peguei uma calcinha vermelha com um sutiã combinando e enfiei-os na mochila. Eu encontrei dois pares de jeans na gaveta próxima abaixo e algumas camisetas na parte inferior. A porta do guarda-roupa estava metade aberta, revelando no interior, roupas de mulheres. Cabide após cabide de vestidos pendurados em uma fileira. Alguns pretos outros de vestidos de dia. Muitos suéteres estavam empilhados na prateleira de cima. Peguei um casaco com capuz preto e um de tricô vermelho e os enfiei na mochila. O assoalho rangeu atrás de mim. — Pegue o que quiser. — Liam disse. — Tenho certeza que um desses casacos vai ficar muito bonito em você. Eu apertei a toalha em torno de mim, os olhos lançados ao chão. — Eu... eu... desculpe. É só que, o inverno está chegando. Não pensei. — Eu fiz uma pausa, lembrando que ele provavelmente tinha dúvidas. — Você não precisa ter medo de mim. Liam ergueu a mão quando ele andou mais pra dentro do quarto. — Eu não sei como você fez aquilo, mas eu não tenho medo de você. E você não precisa se desculpar. Eu ia dar alguns destes para você de qualquer maneira. — Então, você viu? Eu meio que esperava que você estivesse visto. Ele desviou o olhar. — Eu vi como você derrubou Clancy, e eu sei que você me curou. Meu peito apertou, e meu estômago encheu de abelhas. Eu balancei a cabeça. — Ele está amarrado no galpão agora, para que você possa fazer o que quiser com ele. Eu vou me trocar, e vou embora. — Eu comecei a passar por ele, mas Liam se moveu para bloquear a porta.


— Não! Quero dizer, eu não quero gritar, é apenas... — Eu nunca faria mal a você. — Eu olhei para o seu peito nu, ainda frisado com água onde ele havia limpado a si mesmo. Nada poderia me fazer levantar os olhos. — Eu não machuco ninguém a não ser que não me deixa escolha. — Eu sei. Eu não acredito nele. Como ele não pode ter medo de mim? Não importa. — Onde está o resto dos caras? Por que eles não vieram ajudá-lo? — Eu disse a eles se alguma vez ouvissem tiros que corressem para a floresta. Nunca se sabe quando uma dessas gangues pode aparecer. Tenho certeza que os caras voltarão ao anoitecer. — Ele ergueu a mão para o meu rosto e hesitou por um momento antes das pontas dos dedos deslizarem ao longo da minha mandíbula e no meu cabelo. — Fique aqui comigo. — Eu preciso ir. — Eu lutei para me livrar dele, mas eu não conseguia encontrar a força para fazer. Eu inclinei o meu rosto até o dele, e o mundo reduziu a esses olhos castanhos intensos e a eletricidade fluindo entre nós. — Por que o meu coração está batendo tão rápido? — Minhas inspirações tropeçaram e mais e mais. — Eu não sei. Liam colocou sua palma acima do meu peito, pegou minha mão e colocou-a em seu peito nu. Seu coração palpitava mais rápido do que deveria, mas nada como o meu. À medida que olhávamos para o outro, os ritmos sincronizados batiam em uníssono. O ar pulsava em torno de nós, e as árvores fora da janela assobiavam, falando umas às outras em sua canção de madeira. — O que está acontecendo? — Eu levantei minha mão para traçar os cumes musculares do seu braço. Porque eu quero tocá-lo tão gravemente? Liam colocou os dedos sobre a minha boca e pressionou seus lábios ao meu rosto com um beijo puro. — Fica comigo esta noite. — Ele retirou os dedos e me beijou, levemente no início. Ofegante, ele esmagou sua boca contra a minha, deslizando sua língua entre meus lábios. Eu enrijeci por um momento antes que algum instinto, há muito adormecido em mim, despertasse e assumisse. Sons primais vieram de nós enquanto comíamos a boca um do outro, as mãos explorando. Onde quer que ele tocava, parecia


estar ligado a um nervo pulsante que levava a lugares mais baixos. Liam parou para respirar, rindo. Minhas pernas oscilaram. O céu lá fora rolou com as nuvens, e o vento pressionou contra a janela. — Eu preciso ir. — Eu fui mais perto dele. — Por quê? Eu pensei muito. — Eu não me lembro. Algo ruim. Alguma coisa ruim está chegando. — Eu deveria já ter ido embora, não sugando o rosto de um estranho. Então, por que eu não podia? Por que eu permaneci, esperando por ele para curar a minha dor? — Não. — Ele dava beijos ao longo da minha mandíbula. — Deixe-me mantê-la segura esta noite. — Mas... Ele me beijou de novo. Fechei os olhos, me entregando ao longo da urgência do meu corpo. A dor por ele se tornou insuportável. Quando abri os olhos novamente, a toalha estava no chão á meus pés. Eu estava sem nada, apenas com uma calcinha preta. Ele sentou na cama na minha frente, seus olhos virados para cima de mim com fome, escuro, predatório. Eu tremia sob seu toque, ele beijou a parte inferior do meu pulso, saboreando a corrente pulsante fluindo através de mim. — Eu não posso me aproximar o suficiente de você. — Sua voz era grossa com a necessidade. Eu puxei minha mão para longe dele e apoiei até que colidi com a porta. Um desejo tão espesso que eu não conseguia pensar após isso inundar o meu corpo. — Estou confusa, eu... Vibrações cantaram pelo chão como se o mundo inteiro se movesse para nos assistir, a antecipação tremendo de seus pés. Ele se levantou da cama, com as mãos tremendo, o medo brilhando em seus olhos. — Eu sei que isto não deveria estar acontecendo, e eu não deveria fazer isso, mas... — Zumbido encheu o quarto quando ele chegou para mim, vozes falando uma língua que eu não entendia. A harmonia ressoando através da minha alma. — Tantos problemas. — Ele me puxou de volta para cama.


— Mas a atração – a necessidade – sinto alta... — Ele respirou em cima de mim, balançou a cabeça. — Não é possível combater isso. O quarto se encheu de luz, quando ele me beijou e apertou seu peito nu contra os meus seios. Nossos corações ainda batendo em uníssono perfeito. Calor viajou por minha pele e mergulhou mais profundo, pegando os tremores da casa e da ressonância das vozes e os jogando dentro do meu corpo. Eu gritei quando Liam rasgou minha calcinha de renda fora e olhou para mim como um rei perante uma festa. Nós caímos de volta na cama, respirando com dificuldade e rápido. Suas mãos deslizaram pelas minhas pernas, sobre meus quadris, até a minha cintura. Onde quer que ele tocava, formigava, e os pelinhos do meu corpo subiram ao seu encontro. Quando sua boca encontrou o meu seio, eu contorci abaixo dele, gemendo. Ele se revezava tocando a língua sobre cada mamilo, mordendo brincando e sugando antes de retornar a minha boca. Minhas mãos exploraram a paisagem de suas costas, trazendo sons excitados com ele. Fogo latejante delicioso, travava através da minha carne. — Por favor —, eu sussurrei. — Por favor, por favor, por favor. — Sim. Ela nos quer. Ela deu a sua bênção. Bênção? Por que precisamos de bênção de alguém? Meu corpo congelou, mas seus toques lânguidos retiraram o pensamento da minha mente. Eu queria beber nas linhas apertadas de seu corpo e do deserto em seus olhos, me esfregar em cima dele, e explorar cada centímetro de seus lábios. Algo próximo ao desespero tomou conta de mim quando algo estourou dele dando-me o que eu queria. Ele se pôs para fora da cama, deslizou para fora de sua bermuda, me pegou pela cintura e me empurrou mais acima sobre os travesseiros. Ele enganchou as mãos debaixo dos meus joelhos e se encaixou em cima de mim novamente. Seus dedos me encontrando primeiro, brincando fora de alcance. Ele me beijou enquanto eu contorcia e me movia contra ele, lisa e inchada contra o seu toque. Quando ele teve misericórdia de mim e deslizou sobre o ponto certo, eu gritei, minhas costas se curvando. — Não provoque —, eu disse. O ar pulsava e pressionava contra nós, levando-nos mais próximos, incitando-nos a terminar. O vento, o assobio das


árvores, e as vozes penetraram no meu corpo como se eu tivesse vindo à parte, explodindo em nada, apenas energia. Liam comeu o meu grito com um beijo quando ele abriu caminho para mim. A sobrecarga sensorial de prazer me invadiu. — Tão ansiosa. — Ele guiou o nosso ritmo. Eu me movia com ele em perfeita sintonia. A intensidade em seus olhos me fez fechar os meus, mas ele gritou: — Não! Não desvie o olhar. Não se esconda de mim. Não agora. Abri-os novamente e caí em seus mares escuros marrons, enquanto ele persuadia o prazer em mim por toda parte. Em poucos segundos, a pressão do meu abdômen construiu para algo que logo estourou livre da minha pele. Todos os sons vieram nítidos e claros. A batida do coração de Liam. O som de sua respiração pesada. A energia fluindo através de nossos corpos com o crepitar de eletricidade estática. O quarto se iluminou. As linhas de luzes brilhantes se levantaram ao longo da nossa pele como uma rede de veias. Eu tive apenas um momento de medo antes que eu fosse ao longo da borda. Eu gritei minha libertação quando o mundo desapareceu em flâmulas douradas de luz e ondas de prazer inimaginável bateram em mim. Algo abriu entre nós. Doce liberdade. O meu espírito explodiu e permeou Liam, estendido dentro dele como um animal que foi mantido em uma gaiola muito pequena e havia encontrado um lugar para correr. Um momento depois, o ritmo de Liam fraquejou, e ele caiu em cima de mim, gritando com os lábios pressionados contra o meu ombro. Luz explodiu no quarto com a intensidade de mil sóis quando ele derramou-se dentro de mim, semente e espírito. Eu cobri os meus olhos e desabei.


NDE ESTOU? — Eu pisquei acordada. Duas pequenas lâmpadas azuis acampadas fatiando luz até o teto no quarto escuro. Rolei e encontrei Liam sentado na beira da cama de frente para a porta com os cotovelos sobre os joelhos. Ele estava vestindo calça escura e uma camisa azul clara com colarinho. Sem se virar, ele estendeu uma bebida desportiva. Seu estoque de mantimentos no porão devia ser maior do que ele disse. Eu agarrei-a e bebi. Lembranças de seu toque inundaram meus pensamentos. Um eco de prazer desenhou um suspiro em meus lábios. Eu me sentei. — Por que você está vestido? — Minha testa enrugou-se quando eu pensei na luz e vozes. Eu imagino que? Um sonho, talvez? — Você precisa se vestir. — Ele olhando para porta, sua postura rígida. — Não há muito tempo. A doença negra encheu o meu estômago. Eu pulei da cama, arrastando a colcha comigo. — O que está acontecendo? Onde estão minhas roupas? — Eu olhei para fora da janela. A escuridão tinha caído. Despertador tocou na minha cabeça. — Que horas são?


— Você esteve dormindo por um dia e meio. — Ele apontou para o armário branco. — Suas roupas estão lá. Liam se levantou e foi até a porta. — Espere! O que aconteceu com o seu sotaque? — Isso saiu como um sussurro. Ele não respondeu. O quarto balançou quando a realização chegou com força. — Você me diz o que está acontecendo, Liam Conner, ou eu juro que vou trazer essa casa abaixo ao seu redor! — Não, você não... Lila. Engoli em seco. Ele sabia disso o tempo todo. Liam voltou a olhar para mim com olhos como minas – de safira azul, com amarelo girando em torno da pupila. — Eu tenho bloqueado a sua energia. Agora ponha o vestido, ou eu vou colocá-lo em você. — Não! — Eu tropecei para trás até que eu bati na parede. — Todo o tempo – você esteve me mantendo aqui. — Eu me virei e chutei a parede com tanta força que o gesso amassou. A dor percorreu o meu pé descalço. Como pude ser tão estúpida? Tantos sinais. A energia. Sua capacidade de deslocar-se sobre mim com tanta facilidade. Os arrepios no galpão. Eles tinham que ser sobre ele, também. Eu negligenciei tudo, mas por quê? Eu não tenho tempo para isso! Fechei os olhos e procurei uma pequena energia que eu tinha encontrado não muito tempo depois de eu atingir a puberdade. Estava lá, mas uma barreira invisível me impediu de alcançá-la. Quanto mais eu empurrava contra isso, maior a resistência eu conhecia, como encostada numa mola enrolada. — O que você fez comigo? — Eu procurei no quarto por outra saída, mas só encontrei a janela. Eu não tinha tempo para curar uma perna quebrada de uma queda de dois andares. — Diga-me que você não está trabalhando para o Homem de Vidro. Liam fechou os olhos, e um véu levantou, entre minha mente e a terra. Som e sensação sobrecarregaram meus sentidos, me cambaleando. Os grilos gritaram a distancia, e os lobos uivaram fora da janela. Meu corpo paralisou


quando a presença do Homem de Vidro apertou minha mente, cobrindo meus pensamentos na sombra. — Sinto muito —, Liam disse. Dormência varreu através de mim. Eu varri através da cama para a cômoda e arranquei algumas gavetas, mas encontrei todas vazias. O armário também. Eu coloquei a calcinha ousada vermelha e um sutiã combinando que ele definiu, em seguida, puxei o vestido azul sobre minha cabeça. Quando eu inclinei para frente, notei que meu cabelo voltou ao normal – loiro. Sem a minha energia, eu não poderia mudar a minha aparência. Com meus punhos cerrados, eu parei na frente de Liam, ofegante através da raiva. — Você mal, cheio de merda! Deus! Quem é você? — Eu não tive escolha. — Ele não olhava para mim. — Há sempre uma escolha. — Você não pode dizer a ele o que fizemos, ou sobre as vozes e a luz. Se você dizer – ele matará todos nós esta noite. Com um sorriso de maldade. — O que fizemos? Senti sua mente no meu interior. Ele balançou a cabeça, fazendo caretas como se tivesse engolido algo afiado. — E toda a charada com Clancy no galpão, e depois fora. Você o deixou atirar em você de propósito? — Eu queria que você se sentisse segura para que eu não machucasse você. Meu Mestre me disse que você gosta. É por isso que Garret está aqui, porque eu sabia que você iria querer protegê-lo. Se os homens estivesse com medo de você... — Ele se virou. — E sim, eu o deixei atirar em mim. — Como você sabia que eu poderia curar? — Eu peguei a luz da mesa da cabeceira e atirei na parede ao lado de sua cabeça. Ele se abaixou quando isso quebrou e caiu em uma confusão irregular em torno dele. — Eu deveria ter deixado você morrer. — Nós deveríamos descobrir o quão poderosa você era. Eu poderia ter curado de qualquer maneira. As balas eram de ouro. O que balas de ouro têm a ver com alguma coisa? — Quem é você? O que o Homem de Vidro quer comigo?


— Você não entende? — Liam deu um soco no batente da porta, estilhaçando a madeira. Sangue escorrendo dos seus dedos. — Eu não sei o que ele quer. Mesmo se eu soubesse, eu não poderia te dizer. Se eu lhe contar alguma coisa... Ele vai matá-los. — Seu rosto se contorceu de raiva, ou talvez de tristeza – eu não estava perto o bastante para descobrir. — Não, é você que não entende. Sejam quem são, ele vai matá-los de qualquer maneira porque é isso que ele faz. Ele vai matá-los, e ele vai dançar no seu sangue só para ver a expressão no seu rosto. Seus olhos se arregalaram. — A realidade é uma puta. Acostume-se a ela. — Eu passei por ele e tomei três degraus de cada vez sob meus pés descalços. Sem nenhum passo seguindo atrás de mim. Se Liam não estava me seguindo – merda. O Homem de Vidro devia estar mais perto do que eu pensava. Meu coração disparou, e as cores da escada empalideceram. Eu fui tão cuidadosa e, em um momento, um homem que parecia ser bom desfez tudo o que eu tinha feito ao longo dos anos. No topo de tudo isso, eu havia perdido a caixa de música. Eu não iria deixá-lo vencer. Eu era a última dos Greys, a última da minha família, e eu não iria deixar aquele bastardo conseguir o que queria. Quando cheguei à cozinha, eu deslizei até parar. Quatro homens alinhados em frente da porta, as mãos juntas na frente, calçados com brilhantes sapatos em posições amplas. Eles usavam ternos pretos idênticos e um botão branco abaixo na camisa. — Boa noite —, O rosto rechonchudo de Clancy disse com um sorriso. Ao invés do seu puf de cabelos encaracolados, seus cabelos caíam diretamente em um corte confuso em torno de seus ombros. Profundo oceano azul substituindo o castanho claro. — Uma noite bonita, não acha? — Fodidos bastardos. — Eu balancei a cabeça, a minha energia inchando por baixo da barreira. — Vocês são realmente bons; eu vou te dar isso Clancy. — Eu levantei o dedo do meio. — Especialmente você, Clancy, se é esse mesmo o seu nome. Que tipo de pedaço de trabalho psicopata é você? Os outros três olharam para Sebastian. Ele caiu na gargalhada e o resto dos caras seguiu, todos, e Garret franziu a testa para o chão. O menino cruzou


os braços no peito. Isso fez desaparecer o qualquer menor de vista. Eu também encontrei a fenda na armadura. Talvez se eu pudesse jogá-los um contra o outro, isso me daria uma janela para sair. — Saia do meu caminho, Sebastian. — Olhei ao redor, procurando minha mochila e o meu tênis preto, mas não os encontrei. Ótimo. Eu encontrei alguns outros objetos que possam ser de alguma utilidade. Eu fui em direção à cadeira mais próxima da cozinha. — Ou o que? — Sebastian tocou um revólver de prata em um coldre sob o seu paletó. — Você não vai nos dizer o que fazer. Sem o seu poder, você é apenas uma princesa inofensiva. — O cabelo longo substituiu o seu corte, e ao invés de cinza, era um vermelho sangue fresco. Todas as rugas no seu rosto foram suavizadas em uma pele mais jovem. Rourke e Clancy compartilharam um olhar divertido. — Garret não parece muito feliz com o que está acontecendo aqui —, eu disse. Os outros três olharam para o jovem loiro, que encolheu ainda mais em si mesmo. — Toda aquela coisa que você disse foi verdade? — Eu perguntei ao garoto. — Toda aquela conversa sobre a perda de sua mãe, foi apenas uma carga de outra bosta de cavalo? Garret ficou um pouco mais reto e abriu a boca. — Cale o seu maldito orifício —, retrucou Sebastian. — Qual é o problema Sebastian? — Eu coloquei o meu melhor sorriso de escárnio. — Com medo de que ele estrague a festa surpresa do Homem de Vidro? — Eu olhei para Garret, empinado onde ele estava, os olhos arregalados. — Afinal, ele é apenas um garoto. Ele provavelmente não sabe de nada. — Não foi à merda de cavalo! — Garret desabou. O rosto de Sebastian endureceu, enquanto que os outros dois riam. Garret tropeçou, mas ele não caiu. Meu respeito por ele cresceu um pouco. — Saia da casa antes que eu lhe faça alguns buracos extras para você respirar.


Garret voltou seus olhos para Sebastian como um cão esperando levar uns tapas por fazer xixi no tapete. Sebastian abriu a porta e o empurrou completamente. Quando ele bateu passos atrás de mim, tendo a atenção de todos, peguei uma cadeira e soltei-a através da janela da cozinha em cima da pia. Uma explosão tilintante de vidro alimentou a adrenalina pelo meu corpo. Eu pulei em cima do balcão e saí cortando minhas coxas em pedaços irregulares na soleira. Eu caí nas rosas, agarrando-se às minhas feridas, estremecendo. Sangue escorrendo, mas eu não tinha nada para parar. Gritos eclodiram dentro da casa. A arma disparou, queimando na escuridão sobre a minha cabeça. O som adernou em torno do vale para a noite e abafou os gritos dos insetos. Atirei-me para o chão novamente, cortando os meus antebraços sobre os cacos caídos e amaldiçoei. — Maldito seja, Sebastian —, Liam gritou. — Ponha a porra da arma para longe. Se você machucá-la, ele vai te matar, e depois a mim. Arranhada e sangrando, eu me levantei e gemi quando cacos de vidros perfuraram meus pés descalços. Sem tempo para retirá-los. Segurando minha respiração, eu fechei meus olhos para que eu pudesse determinar de onde o impulso magnético veio. Ao norte. Com o meu pulso acelerado, eu corri em direção ao sul da floresta, imaginando o que eu faria com Sebastian quando eu encontrasse uma maneira de libertar a minha energia. Liam seria o próximo.


OR ATINGIU ATÉ MINHAS PERNAS enquanto eu corria da casa da fazenda, atravessando as árvores. Cacos de vidros penetraram mais fundo em minhas solas. Os cortes nas minhas coxas pingavam fitas quentes pelas minhas pernas, encharcando o vestido azul. Nenhuma quantidade de dor ou de sangue teria me feito parar. As silhuetas de árvores chicoteando por mim como um cenário de um sonho escuro. Eu tropecei em um tronco caído e caí, rasgando meus braços. Meu corpo se transformou em uma dor gigante. Um profundo rosnar se levantou das sombras na minha frente. Meu pulso galopou. Respeite as coisas selvagens e elas retribuirão na mesma moeda. Eu tropecei, pegando pedaços de casca das minhas feridas, e manquei por diante. O vidro em meu pé esquerdo encontrou com o osso, e ele não era uma visita agradável. Um rosnado chegou mais perto. Eu parei e acalmei o meu corpo enquanto eu fazia a varredura na escuridão. No fundo da floresta, o luar não penetrou no dossel, apenas manchando o piso da floresta. Olhos ambarinos apareceram na minha frente. Um lobo negro desalinhado surgiu. Ele ladrou e achatou suas orelhas enquanto ele espreitava


na minha direção, seus lábios curvados por cima de brilhantes dentes brancos. Animais nunca me incomodaram antes. Eu fiz o meu melhor para respirar normalmente, segurando minhas mãos enquanto eu desviava ao seu redor. O meu olhar nunca deixando o lobo, mas evitei seus olhos. Eu aprendi que nunca se deve olhar nos olhos de uma fera a menos que eu quisesse lutar – outra regra. Um gemido e um pequeno latido vieram da minha direita e um segundo lobo saiu para bloquear o novo caminho que eu tinha escolhido. Quando o terceiro lobo avermelhado apareceu, percebi que eles estavam me cercando. Sinos do inferno. O Homem de Vidro fez alguns novos amigos desde a última vez que o vi. Minha mente girou enquanto eu procurava ao redor por uma arma. Nada. Nem mesmo um ramo morto ou uma rocha. Eu testei as barreiras em torno da minha energia novamente, apertando e cutucando-a, eu empurrei mais duro, e mais impenetrável se tornou. Um quarto lobo, um branco, apareceu, e os quatro ficaram em forma de U na minha frente. Apenas um caminho a percorrer: a mesma direção que eu tinha vindo. Eu poderia escalar uma árvore, mas ia me deixar presa, não muito melhor. — Você está uma coisa agradável —, o Homem de Vidro, disse em tom divertido que ele sempre usava. Ele passeou por trás de uma árvore, vestindo um terno cinza escuro. Uma gravata de seda cinza brilhando em uma camisa apropriada. Seu cabelo ondulado estava puxado para trás e fixado com uma fita preta. Eu nunca o vi vestido. Em outra vida – uma que ele não fosse um assassino sociopata – eu poderia o achar bonito, mas ele naquele momento, parecia como o câncer vestindo um Armani. Ele estava em um pequeno círculo de luz alguns metros de distância. Meu lábio superior enrolou em um rosnado. — Onde está a minha caixa de música? Ele ajeitou a gravata, seu olhar abaixando do meu rosto. — Eu escolhi bem esse vestido. Seus olhos correspondem para a perfeição. — Seus olhos percorreram mais para baixo do meu corpo. — Tsk, tsk. Olhe o que você fez a ele. Sorte para você que comprei alguns extras. — Ele sorriu como se eu


tivesse feito algo para impressioná-lo. — Sangrando como um porco, e você ainda correu cerca de quatro quilômetros da casa antes de eu chegar até você. Eu posso pensar um uso melhor da sua energia. — Ele juntou suas patéticas sobrancelhas. — Sim, eu aposto que você pode. A única razão pela qual você me pegou foi porque você chamou seus cães. Qual é o problema, não é homem o suficiente para me pegar por conta própria? — Eu não sou homem! — Ele arrancou a fita de seu cabelo preto, e ele voou ao redor de seu rosto, dançando com a graça de fogo. Sua pele brilhou com veias azuis como se alguém tivesse ligado uma luz interior. Eu engoli o caroço de algodão passando na minha garganta. — Você continua dizendo isso e eu continuo sugerindo um psiquiatra. Talvez seja a hora de você pegar o meu conselho. — Eu olhei para os quatros lobos à minha direita. — E desde quando animais trabalham para você? Seus olhos brilharam enquanto ele alisou uma mão para baixo de seu terno. — Você gostou? — Se você está pescando um elogio, você está lançando para a garota errada. — Eu camuflei a pergunta dele. Infelizmente, ele continua me impressionando. Ele suspirou. — Oh, Lila, você gosta de dificultar as coisas, não é? Se você parasse de ser tão teimosa, isso poderia ser como uma ocasião alegre, erótica. Eu não queria saber o que ele quis dizer com isso. — Bem, você poderia me deixar em paz como eu disse a você, e você não teria que lidar mais comigo. Olhando dessa forma, eu acho que é você quem está dificultando as coisas, não eu. — A maioria das fêmeas implora por minha atenção. Arrogante. Meus olhos rolaram. — Eu não sou a maioria das mulheres. Eu tenho padrões. Ele me dispensou com toque de seus dedos. — É claro que você está zangada comigo. Vamos voltar para casa para que você tome um banho. Eu não posso levá-la para a Cidade Negra parecendo uma vítima de assassinato, agora eu posso?


Engoli em seco. — Por que a Cidade Negra? — Porque é sua nova casa, é claro. Década de raiva crescendo na minha barriga. — Eu não tenho casa. Você tirou de mim. E eu não vou a lugar nenhum com você. O Homem de Vidro riu, um som crepitante como um pavio aceso. — Você ainda acha que pode escapar de mim, não é? Isso é patético, realmente. Um sorriso floresceu em meus lábios, aquele que sempre acompanhava a resposta para o quebra-cabeça que eu estava tentando resolver. — Você sempre presumiu muito sobre mim. — Eu me virei e corri em direção aos lobos. Ele deveria ter contado a eles que eu não temia suas mordidas, mas ele não me conhecia tão bem quanto ele pensava. Lancei-me para os lobos sabendo que eles não seriam autorizados a me machucar. O lobo avermelhado gemeu, mas o negro se preparou e rosnou. Quando ele se moveu para me bloquear, eu mergulhei por cima e rolei, o desembarque em meus pés doeram. Eu parei alguns metros quando o tamborilar das patas fecharam atrás de mim. Dentes rasgaram a minha perna, então mandíbulas travaram em torno do meu tornozelo. Meu grito sacudiu através das árvores. Foda-se! Que momento para estar errada. — Solte-a! — O Homem de Vidro rugiu. Eu rolei e chutei o vira lata com o meu outro pé. O Homem de Vidro cavou os dedos em seu pêlo enquanto ele caminhou em nossa direção. Um estranho brilho explodiu de seus olhos, um sobrenatural vazio, mas o potencial de violência sangrenta. Eu gritei quando o lobo negro apertou minha perna antes de soltá-la. Pequenos gemidos vieram espontaneamente enquanto eu segurava minha ferida para estancar o jorro de sangue. O lobo gritou quando ele caiu nas folhas ao meu lado. Líquido escuro fluiu de suas orelhas e boca. Seus olhos revertidos. Seu corpo entrou em colapso com a evacuação repentina de líquido por todos os orifícios. Os outros lobos andaram e gemeram antes de se humilharem na frente do meu caçador. Ele olhou para baixo para eles. Eu agarrei o chão, puxando-me para a floresta, mas a minha visão ficou confusa e escura. Desvanecendo. Muito sangue.


— Rourke. — A voz do Homem de Vidro soou oca e distante. — Liam voltou? — Não, meu rei. — O tom de Rourke de satisfação, ralou do meu último nervo. Rei? Rei do quê? — Ele está escondendo algo de mim. Eu quero saber o momento em ele retornar. — Passos perturbados escovaram nas proximidades. — Leve-a de volta para casa e limpe-a. Compartilhe energia suficiente com ela, para que ela possa curar suas feridas. Eu tenho alguns preparativos para fazer antes que possamos ir embora. — Como quiser, meu rei. Eu pisquei por um momento, afundando naquele lugar negro onde as mentes morriam, mas por pura força de vontade, eu lutei de volta a consciência. Folhas rangiam sob os passos. Tudo borrado, formas escuras. Um silêncio estrondoso dominava minha cabeça. Um homem se agachou ao meu lado, Rourke eu assumi. Definitivamente o homem cheirava a perfume. Algo caro. — Eu vou amarrar você agora —, Rourke disse em um tom monótono que levantou arrepios. — Mas provavelmente você gosta desse tipo de coisa, não é? Eu não encontrei nenhuma energia para falar, mas eu dei a ele o que eu esperava ser um olhar desagradável. Ele riu. Um riso profundo, latido, o tipo que um leão poderia dar se pudesse rir. Ondas brancas de náuseas percorreram-me quando Rourke enrolou uma corda em meus tornozelos e mãos. Ele enrolou meus pulsos ao redor de seu pescoço, me pegou e embalou em seu peito. O pensamento de voltar inconsciente para casa dos comparsas do Homem de Vidro fez meu sangue gelar. Eu tremi quando a dor diminuiu. Minha essência desceu no abismo novamente, e eu não lutei contra isso. Nada importava, apenas o sono. Escuridão tirou a dor, o Homem de Vidro, e os homens que não eram homens. Eu tive um momento para pensar que poderia ser melhor se eu nunca acordasse novamente antes de a escuridão me sugar para baixo.


♦♦♦

— Acorde, Lila. — A voz da minha mãe encheu a escuridão em torno de mim. — Venha, meu amor, lute para a luz! Meu corpo cambaleou com um balanço nauseante. Uma dor de cabeça assolando na parte de trás da minha cabeça como se tivesse encontrado com uma marreta. Eu gemi e forcei meus olhos abertos, confusa, porque eu ainda não podia ver. Merda, eu estou cega? Estou morta? Acabei de ouvir a minha... Não, não estou ficando louca. Dormência amortecia meus braços, porém, meus pulsos queimavam. No meu estado desorientado, demorei um minuto para descobrir que eu estava com eles. Um lenço de seda ou lenço foi amarrado em torno dos meus olhos. Eu debati, retinindo correntes, me esforçando mais ainda. Empurrando o pânico de lado, acalmei meus pulmões ofegantes. Tudo doía, e eu estava fraca demais para fazer qualquer coisa. Ok, Lila, pense nisso. Morto era morto, alguma coisa eu poderia lidar. O quarto estava frio e úmido. A adega da fazenda, talvez? Eu não usava roupas, apenas um sutiã e calcinha de cetim escovando minha pele. Ritmos, sons raspando vieram de algum lugar atrás de mim – equilíbrio, mas pesado. Respire. Não era o Homem de Vidro, embora nada aglomerava minha mente. — Será que ele treina todos vocês para serem sociopatas assustadores, ou isso é um pré-requisito antes de contratar você? — Eu perguntei. Rangidos se transformaram em um riso que eu tinha ouvido na floresta. — Estou começando a ver o fascínio que Parthalan tem com você. — Os sapatos de Rourke bateram contra o chão. — Eu não vi nada, apenas uma cadela de cabeça forte quando você chegou pela primeira vez, mas vendo você forçar a sua vontade para uma arma e consumindo a energia da própria Deusa – agora isso é muito para se ver. Deusa? — Parthalan? Que tipo de nome é esse, afinal? — Eu não queria que ele


soubesse que as minhas engrenagens mentais zumbiram em uma emoção. — Velho gaélico, na verdade. Irlandês. — Eu sei o que é gaélico, seu merdinha. Ignorante não significa idiota. Essa risada novamente. — Então, não pergunte. Rourke arrancou a venda dos meus olhos. Eu pisquei contra a súbita claridade da luz da lanterna. Tudo ainda parecia embaçado, mas pelo menos eu podia ver o quarto: Uma adega com paredes de cimento, prateleira após prateleira de potes cheios de frutas e alimentos enlatados o suficiente para alimentar uma cidade inteira, durante anos, e um freezer sujo ao longo de uma parede. Tortos degraus de madeira em um canto. — Melhor? — Rourke estava a poucos metros de distância. — Melhor seria se eu estivesse desamarrada e você tendo sua bunda estreita fora do meu caminho. Quando minha visão decidiu se concentrar, eu queria que não tivesse. Fúria pulsava por trás dos olhos gelo azulado de Rourke, e seus lábios descascados para trás sobre seus dentes. Seu cabelo escuro estava com um estilo perfeitamente – gorduroso e penteado para trás – e ele vestia apenas calça preta com uma fivela de prata no cinto. Sombras espalharam dele enquanto ele rebolava em minha direção. Ele fez cócegas com seus dedos ao longo da minha barriga, acariciando uma linha suave logo acima do meu umbigo. Afastei-me tanto quanto eu podia fazendo minhas correntes balançarem. — Tire as suas mãos sujas de mim. — A única coisa que salva você de mim agora, é uma ordem do meu Rei. — Um olhar o invadiu que forçou um tremor através de mim – um sorriso diabólico e os olhos brilhantes como se tivesse acabado de pensar em algo terrível. Talvez eu estivesse errada sobre o líder do esquadrão de capangas. Rourke parecia o candidato mais provável. — Mas a atenção de Parthalan com as mulheres é muito curta, você vê. Ele raramente explora a mesma caverna duas vezes. Engoli em seco tão duro que queimou. — E uma vez que você usar toda a paciência dele, que, a julgar pela sua gigantesca atitude, não irá demorar — ele vai dar você a mim como o meu


brinquedo. — Ele deslizou sua mão ao longo do lado da minha mandíbula e no meu cabelo como se ele fosse me beijar. Eu resmunguei quando ele pegou um punhado e torceu ao invés. — Espero que você goste da dor. — Ele encolheu os ombros, riu. — Não que isso importa para mim, realmente. Mmm, nós vamos nos divertir, você e eu. — Vai sonhando, pequena aberração. — Diga-me, meu bichinho, já lhe ocorreu que o mundo humano começou a ruir logo após que Parthalan matou sua mãe? Minhas sobrancelhas juntaram, e eu não podia manter o choque da minha voz. — O que você está dizendo? Ele encolheu os ombros novamente. — Você está me dizendo que Parthalan destruiu o país todo? — Merda. Não podia ser verdade. Mesmo que ele fez, o que isso tem a ver com a minha mãe? Meu medo deu a lugar à ira, do tipo quente que ferve a partir do topo da cabeça e inunda cada canto do corpo como uma queimadura lenta e profunda. Por um lado, eu odiava qualquer tipo de confinamento. Por outro, eu odiava os homens me tratando como uma pessoa inferior apenas porque tive a oportunidade de ter peitos. Por fim, eu não tinha nenhuma utilidade para as pessoas que tinham prazer na dor das outras pessoas. — Você pode ser capaz de enviar algumas garotas gritando e chorando com esse pequeno infeliz ato sádico, mas eu não sou uma garota, Rourke. Espero que o seu rei descubra que você colocou suas mãos em cima de mim. E espero que ele, retire esse seu truque filho-da-puta e derreta seus ossos também. Ele empurrou. Minha cabeça de volta. Ele se afastou num acesso de raiva. Revirei os olhos quando ele flexionou os peitorais. — Vá colocar uma maldita camisa. Você não está impressionando ninguém aqui. — Você arruinou a minha única. — Ele se inclinou com as duas mãos em cima do freezer, olhando para mim através de fios do seu cabelo escuro. — Eu devo pedir desculpas pelo sangramento? — Eu dei um grunhido de nojo. — Que diabos é Parthalan, afinal? Com Rourke um pouco distraído, eu derrubei minha cabeça para trás para


ver o que me segurava. Correntes estavam fixadas às extremidades opostas de uma barra de metal. Correntes subiam de cada lado para as vigas transversais no teto. As algemas eram do tipo que fechavam com pinos. Bom. Eu não tinha nada para destravar a fechadura, então eu tinha que descobrir uma maneira de remover os pinos. Os músculos do braço de Rourke flexionaram. Seus dedos derreteram o plástico na parte superior do freezer ou ele agarrou tão bem que o material moldou em torno deles. Quando ele se afastou, uma cadeia azul de corrente elétrica se espalhou entre o freezer e suas mãos. Seus olhos virados para cima. Oh, inferno. Ele estava absorvendo a energia elétrica de modo como uma esponja absorve água. Sorrindo, ele se endireitou e fixou o olhar em mim, segurando as mãos em seus lados. Mantendo–se a distância. Poder se espalhou em um percurso curvado entre si, um incêndio estalando azul desenhando para fora em uma tira fina. — Eu pensei que você estivesse mais preocupada com o que você é. — Ele riu, o som forçando todos os pêlos do meu corpo a formigar. — Ou o que eu sou. Apesar de eu lutar para respirar e não conseguir afastar o pensamento de que ele poderia fazer, eu não podia dar o luxo de perder terreno. Engoli o medo e esforcei minha expressão ocasional para fora. — Deus não, você também. Você sabe, isso é velho com Partha... Seja lá qual for o seu nome, há cerca de sete anos atrás. Eu certamente não vou começar trocando réplicas espirituosas sobre o que eu sou com você agora, também. Seus lábios se separaram antes de enrolar em um sorriso de escárnio. A tensão em seu corpo se transformou. Eu esperava que ele me fritasse como uma fatia crocante de bacon. — Olha, se você vai me matar, então faça isso logo —, eu disse. — Se não, comece a ficar longe o inferno de mim para que eu possa pensar. Ele avançou para mim, enfiou as mãos contra o meu estômago. Minha boca se ampliou voando um grito silencioso, e o resto do meu corpo apreendido. Fogo queimando nos meus dedos e na minha cabeça. A dor não tinha descrição no meu vocabulário, mas passou por mim em ondas


intermináveis até que eu consegui controlar. Encolhi-me em um canto da minha mente e me afastei dele. Eu ainda podia sentir isso lá, mas não tão forte como a minha mente quebrou. Eu nem sabia que eu poderia fazer isso. Mãos. Rourke escorregou a mão em torno do meu pescoço, apertando até eu sufocar. Talvez o contrariar não foi a mais brilhante ideia que eu já tive. Ele não ficava confuso como os outros bandidos que eu conheci. Ele relaxou sua mão e falou com os lábios escovando os meus — Você não me decepcionou ainda, e isso é uma coisa rara. Não gritou muito, não tentou retirar minha mão e não gritou – pelo menos um pouco – significa que você é mais forte do que eu lhe dei crédito. Mas todos os gatos selvagens podem ser domados se você chicoteá-los por muito tempo. — Ele lambeu os meus lábios, mas eu me recusei a lutar. — Você vai fazer o que meu rei mandar. Só espero que Parthalan não tome a sua luta antes que eu a possua. Um verdadeiro sádico. Engraçado, eu pensei que ele estivesse brincando. Meu nível de medo clicou acima de um entalhe, e eu estremeci. Poderia uma pessoa entrar em choque duas vezes em uma noite? Primeira vez em tudo. Tossi, quando ele soltou minha garganta, mas eu mantive minha boca fechada. Xingando ele não iria me ajudar. Rourke me deu um olhar calculista, mas eu não tinha energia para ponderar o seu pensamento escuro. Será que todos eles têm poderes, como o seu? Se os tem, eles não teriam armas, eles teriam? A menos que eles fossem mais sádicos do que eu pensava, ou talvez apenas preguiçosos. Nada me surpreendeu nesse ponto. O riso de Rourke desapareceu enquanto ele subia as escadas. Uma pergunta se sentou a frente do meu caos mental. O que o rei gostaria que eu fizesse?


EU CORPO TREMIA de agonia queimando a partir dos meus pés e pensamentos de Rouke me ter à sua mercê. Depois de um momento, eu deixei ir. O aperto na garganta relaxou. Não há tempo a perder. Se eu não descobrir como fugir, nada importa. Se eu não sair, eu fracassei com a minha mãe. Olhei para baixo e encontrei um final da corrente presa aos grilhões em meus tornozelos e na outra extremidade presa a um bloco de concreto. Uma ideia floresceu em minha mente. Girei minhas pernas para trás e para frente até que eu pudesse reunir a parte frouxa da corrente em torno de um tornozelo. Depois de várias tentativas, eu atraí o bloco perto o suficiente para enganchar com a parte superior do meu pé. Resmungando, o arrastei mais próximo, o virei de lado e fiquei sobre ele. Meus pés gritando, pressionados contra a superfície áspera. O suor escorria pela minha pele enquanto eu estava lá. Depois de acalmar o meu corpo e mente novamente, eu me concentrei em empurrar dos dedos dos pés contra o bloco, mas isso não me impulsionou o bastante para obter os meus dentes em torno do pino. Eu usei meus braços para me puxar o resto do caminho. A parte superior do pino — estava escorregadia de sangue fluindo


dos meus pulsos — sentou-se nivelado com o eixo. Antes que eu me movesse ainda um pouco, meus braços escorregaram, e eu caí de volta para o chão. — Porra! — A dor subiu para as minhas pernas e mãos mais uma vez. Um rangido escapou de mim quando algo colidiu através da janela na parte superior da parede na minha frente. Chamas de luzes multicoloridas invadiram a sala antes que ela desaparecesse. Quando a luz voltou ao normal, Liam estava nu diante de mim. Agachado, com os olhos desconfiados varrendo a sala. A visão de seu corpo levantou minha temperatura antes que a minha raiva explodisse. A porta no andar de cima colidiu para dentro e gritos realizaram para baixo. Liam pesquisou através da confusão de vidro no chão a partir da janela que ele tinha quebrado e puxou uma arma de um saco. Ele atirou para as escadas. — Eu vou matar você! — Rourke berrou do outro lado da porta superior. Eu ouvi um estalo de um clipe em uma arma. — Você perdeu sua maldita mente? Você não pode atirar enquanto Lila estiver aqui embaixo, seu imbecil. Essas balas são de ferro. O que ferro tem a ver com alguma coisa? — Oh, inferno —, eu disse a Liam. — Por que tinha que ser você que apareceu? — Cale a boca. — Ele pegou as algemas. — Não me toque. Nem fodendo, me toque. Liam balançou a cabeça, flexionou o queixo. — Nós não temos tempo para isso! Você quer sair daqui, ou não? Porque se quiser, então cale a sua maldita boca, Deus, e me deixe ajudá-la. — Ele disparou outro tiro para a porta, onde os dois homens continuaram xingando um ao outro. Forcei meu rosto carrancudo de volta à posição neutra. Ficar e esperar por Parthalan, ou deixar que o cara que me traiu coloque suas mãos em mim? Sim, não é uma grande escolha. Liam iria receber o seu mais tarde. — Tudo bem —, eu disse. Com um aceno, ele arrancou o pino em meu pulso esquerdo, enquanto eu me puxava para cima e mastigava sobre o caminho certo. Quando ele terminou, ele libertou os meus tornozelos e me ajudou com o último pino. Eu


caí no chão, como um tapa molhado, direto no meu próprio sangue congelado. Arma ainda estendida, Liam me puxou pelo braço e me empurrou em direção à janela. — Há um cobertor perto da saída. Suba nessa prateleira e puxe-o completamente antes de você rastejar para fora. E porra, se apresse. Parthalan estará de volta a qualquer momento, e eu não sei onde Clancy está. — Ótimo. Fiz o que Liam disse. Depois de subir na janela, me virei e empurrei minha mão para baixo para ele. — Vamos lá. Eu vou puxar você para cima. — Apenas saia do caminho. — Ele atirou novamente antes que arma clicasse — vazia. Eu me movi a tempo de ver algo passando pálido e caindo na grama alguns metros à distância. — Como você fez isso? — Eu fiquei boquiaberta, mas desviei meus olhos quando me dei conta o quão pouco ele usava. — E por que você está nu? — Cale a boca e entre no carro, porra! — Eu não gosto de carros. — Mova-se. Eu fiz, mas minhas pernas desabaram debaixo de mim. Será que os grilhões drenaram alguma coisa de mim? Eu puxei-me ao longo da grama, rangendo os dentes, rastejando e tremendo no ar úmido. Liam me agarrou pela cintura e correu, arrastando-me para um sedan vermelho estacionado ao lado da casa. Ele arrancou a porta aberta e me colocou no banco de trás. Fechei a porta, enquanto ele mergulhava por trás do outro lado do carro. Balas voaram novamente. — Se você não puxar a porra da arma, você vai comê-la, Sebastian! — Rourke gritou. Quando o crepitar de energia atingiu nos meus ouvidos – o mesmo som que ouvi no porão quando Rourke atraiu energia do freezer, eu gritei: — Tirenos daqui, agora! A porta do motorista voou aberta, e Liam se arrastou, permanecendo abaixado enquanto ele se atrapalhou com as chaves. O barulho ficou mais alto.


Uma luz azul se espalhou para noite. Todos os pelinhos do meu braço eriçaram, e os pêlos da minha nuca arrepiaram. — Agora, Liam. Rourke não deveria me machucar por causa do decreto do seu rei, mas ele era, afinal, um psicopata. Um momento depois, o carro rugiu a vida e derrapou na grama antes de ir para a estrada. A noite se iluminou azul atrás de nós. O caminho de cascalho irregular deu lugar à lisa Rota 59. Eu pensei ter ouvido Sebastian gritar. — Eu preciso de você para desfazer o que você fez para mim —, eu disse. — Estou curando de alguma forma, mas eu ainda estou sangrando em todo o carro, e me sinto fraca. — Minha pele nua principalmente animou-se em uma onda de arrepios contra o assento de couro frio e a proximidade de Liam. — Não até eu ter você longe daqui —, Liam disse em um huff de ar. — Eu preciso te tocar, e eu preciso me concentrar. Eu olhei para o seu perfil. — Você está com medo que eu vou te machucar. Uma pausa pesada estendeu o silêncio. — Também. Nenhum de nós dois falamos por alguns minutos, os nossos olhos olhando para o movimento ao nosso redor. — Eu não ouço nada. Liam virou para olhar para mim. — Por que você está sussurrando? — Eu não sei. — Fiz uma careta e examinei a estrada vazia pela janela traseira. — Eles não estão nos seguindo. Por quê? — Eu furei todos os seus pneus, mas não vai atrasá-los por muito tempo. Parthalan saberá que nós fugimos. E ele não precisa de armas ou carros. Perguntas empilharam na minha cabeça. — Onde você conseguiu a gasolina para isso? Eu não acho que você poderia comprá-la mais por aqui. — Este carro não funciona com... Combustível convencional. Eu balancei minha cabeça. Não há tempo para merda enigmática. — Eu preciso saber algumas coisas antes de decidir se devo ir com você ou obter o inferno fora do carro. — Agora não! — Sim, agora. Não foi uma coincidência eu acabar naquela fazenda, foi?


Um grunhido retumbou em sua garganta. — Não. Usando os encostos de cabeça dos assentos, me inclinei para que eu pudesse olhar para ele. Lembrei de sua nudez, e então, olhei para o painel. Minhas mãos esticaram para alcançar e tocar sua pele, mas eu enterrei meus dedos no couro, ao invés. — Preciso de mais do que isso. Por que, eu fui lá, e não responda com uma única palavra. Eu sei que eu senti uma onda de poder, mas desapareceu logo que cheguei perto da casa. — Por que eu atraí você lá com a minha energia, é por isso. E vai levar muito tempo para explicar, então não me pergunte. — Seu tom aumentou. — Não se atreva a gritar comigo, Liam, se isso é mesmo o seu nome! Você não tem o direito de ficar puto. Eu sou a única que foi regidamente fodida. — Meu nome é Liam Kane. Fomos informados para manter você lá até Parthalan chegar. Eu não sei sobre os outros, mas eu não tive escolha. — Como você curou a ferida de bala? Eu senti isso, então eu sei que foi real. — Nós não precisamos da nossa Luz para curar. Qualquer um, como nós podemos fazer isso. Agora, cale a boca. Eu preciso pensar, e eu não posso com você tagarelando assim. — O que você quis dizer com Luz? — O poço de energia dentro de nós que nos dá o nosso poder. Então, ele tem, isso também? — O que aconteceu com os Conners reais? Ou eles já estavam mortos quando você tomou o lugar deles? Silêncio. Sua mandíbula flexionada enquanto dirigia. — Liam! — Tudo bem! Os amarramos no celeiro. Eu cobri meus olhos com as palmas das mãos. — Quantos? — Os pais, dois meninos e uma menina. Feliz agora? — Feliz? Não, eu não estou malditamente feliz. — Minha respiração engatou na minha garganta. — Quando Clancy saiu do galpão naquela noite... — Eu respirei tremendo, certa de que não queria a resposta. — Quantos anos tinha a menina? Depois de uma pausa longa, tensa, Liam disse: — Não me pergunte. Eu


não sabia até... Não vou falar sobre isso. Eu balancei minha cabeça. Raiva transformou minhas entranhas um uma piscina de fogo negro. A vida de outra família destruída por minha causa. — Por que o sotaque e a história policial? — Por que você é uma maldita observadora. Eu conhecia a merda sobre agricultura, e eu queria lhe fazer perguntas, então eu surgi com uma capa que você podia comprar. — Ótimo. Por que você está me ajudando agora? Eu pensei que você estivesse com medo que o Homem de Vidro pudesse ferir alguém. Liam deu um grito doloroso e bateu a palma da mão no volante. — Seus corpos foram deixados na porta da frente da Cidade Negra, enquanto estávamos... — Sua respiração engatou. — Minhas irmãs. Eu esfreguei minha cabeça doendo. — Rourke? — Claro que foi Rourke! — Sua voz trovejou. Eu pulei para trás contra a cadeira e olhei para o quadro de dor e de sofrimento: Seu maxilar firme, os olhos apertados, e uma veia pulou do seu templo. — Elas foram mutiladas. — Ele soltou um gemido, mas se transformou em um grito de tristeza. — Foda-se! Foda-se! Foda-se! Foda-se! — Um punho bateu no volante pontuando cada palavra. Se estivéssemos a toda velocidade, nós poderíamos ter acabado em um buraco. Dizer ‗eu te avisei‘ seria cruel. Dizendo que eu estava triste parecia inadequado. Antes de eu pensar sobre se eu deveria ou não contar a ele, minha história saiu da minha boca. — Quando eu tinha treze anos, o dia que me tornei uma mulher, ou atingi a puberdade, ou o que você quiser chamar isso, acidentalmente transformei meu quarto em uma pilha de escombros quando cheguei com raiva do meu irmão. — Segurei o couro até meus dedos doerem. — Eu o machuquei. Ele apenas ficou lá enquanto eu batia na cara dele, e outra vez. Eu nem sabia o que estava fazendo, nem por quê. E eu não conseguia parar. Eu acordei no dia seguinte. Meu quarto e Milo voltaram ao normal. Ele e minha mãe disseram que eu apenas tive um sonho, mas as minhas irmãs pequenas


agiram estranhas ao meu redor pelo resto do dia. Naquela noite, minha mãe me pegou da cama e me arrastou pela rua para a casa de Nan. Minha família inteira estava lá dentro da casa de Nan, em seus pijamas, até mesmo as minhas irmãs pequenas. Era cinco. Eu nunca vou esquecer o olhar de terror em seus olhos. Minha mãe me empurrou à sua frente até chegarmos ao quarto de Nan. Ela colocou uma mochila em meus braços, e depois colocou a mão no chão de madeira. Que abriu como uma flor. Eu estava tão atordoada que eu não podia sequer perguntar como ela tinha feito aquilo. Foi à única vez que ela fez algo fora do comum. Um pouco de tensão saiu de Liam, e seus ombros abaixaram. Ele se mexeu um pouco no assento. — Ela me empurrou para dentro do buraco, um túnel que deve ter levado meses para cavar. Agarrei o meu peito, os sons e imagens daquela noite apertando-me pela garganta. — Vá em frente —, Liam disse. — Por favor. Engoli o soluço e limpei o nariz. — Ela me disse que um homem viria para mim. Ela me entregou a caixa de música e me disse que era a chave para o nosso povo, que eu iria encontrar um homem que ia me mostrar o caminho de casa. Ela me disse para correr. Ela me disse para escutar a terra e o vento, para olhar para a bondade em lugares improváveis, para não ter medo de coisas da vida selvagem, que iria cuidar de mim. Ela me disse um monte de regras para seguir quando eu partisse. E então, eu ouvi a gritaria. — Minhas palavras se misturando com um soluço. — Do outro quarto. Eles estavam morrendo. Eu podia sentir o cheiro do sangue, podia ouvir seus gritos. Eu ouvi caindo e vi a luz vazando por baixo da porta do quarto de Nan. Minha mãe sorriu para mim, tocou o meu rosto. Ela me fez prometer que eu seria corajosa e o matasse para que eu pudesse viver até colocar as coisas no lugar. Eu lhe dei a minha promessa, e ela fechou o piso acima de mim. — Eu desenhei uma respiração irregular e soltei. — Mas eu fiquei. Eu a escutei morrer, a última de suas respirações, enquanto ele uivava como um deus enlouquecido. Fiquei até seu sangue escorrer pelo chão e cobri meu rosto, e eu não podia fazer nada para ajudá-la,


apenas arranhar o chão. — Jesus —, Liam disse. — O Homem de Vidro matou todos eles, e eu tenho uma promessa a cumprir, mas eu não sei como. Inferno, eu não sei o que tudo isso significa, e agora eu nem sequer tenho a caixa de música. — Parthalan tem isso, mas eu não acho que ele sabe o que fazer com ela. — Eu sou apenas uma pessoa. Como eu posso enfrentá-lo? Liam não respondeu. Eu realmente não esperava, mas eu esperava que ele pudesse ter algo encorajador para dizer. — Como a sua mãe explicava o seu cabelo e seus olhos? Você tinha que saber que não eram iguais as outras pessoas ao redor. — Ela deve ter feito alguma coisa para alterar a minha percepção. Parecíamos apenas como todo mundo, pele de pêssego e olhos azuis. Eu vi minha pele verdadeira, pela primeira vez depois que ela morreu. Quando eu vi meus olhos semanas depois em um banheiro no posto de gasolina, eu chorei. — Eu soltei uma risada para cobrir a ferida. — Ela deveria sentir muita vergonha, me educando em casa para que ninguém pudesse descobrir que sua filha era uma aberração. — Ela estava tentando protegê-la, tenho certeza. — Não importa. Eu não quero falar sobre isso. Após um longo silêncio, ele disse. — Você sabe quem é seu pai? — Eu perguntei a minha mãe uma vez quando eu tinha oito anos. No instante em que as palavras saíram da minha boca, eu gostaria de levá-las de volta. Eu poderia jurar que seus olhos mudaram de cor, quase preto, e sua pele passou à cinza. Ela abriu a boca algumas vezes, mas eu a parei. Eu teria feito qualquer coisa para tomar aquela agonia dos seus olhos. Eu nunca perguntei de novo.


ONDE VAMOS? — Eu não podia suportar o silêncio no carro mais. — Portão Sete —, Liam disse. — Será que isso significa algo para mim? Ele agarrou o volante até os nós dos dedos ficaram brancos. — É o portão de entrada para Dun Bray, a cidade Sidhe Seelie e sua Corte. Eu me inclinei para frente como se isso pudesse me ajudar a fazer sentido do que eu tinha ouvido. — Inglês, Liam. Eu não entendo o que você acabou de dizer. — Eu sei que você está se perguntando o que somos. — Ele se remexeu em seu assento. — Nós somos Fae–Sidhe como somos originalmente conhecidos. — O quê? Fae, como no país das fadas? Você tem que estar brincando. — Eu ri, mas vacilei. — Eu li todos os contos de fadas e lendas do antigo Celta, Grego, Nórdico para ver se alguma coisa encaixava o que Parthalan é – nada. E Fae são supostos para serem pequenos e com asas. Você não é pequeno e nem alado. — Lendas raramente fazem alguma coisa direito. Sua mãe era a Rainha do Tribunal Seelie, e agora que todos na família real estão mortos... Menos você...


— Ele suspirou. — Você é a Rainha Sidhe Seelie. Eu ignorei a doença no meu estômago. — Você está me dizendo que você não é humano? — Eu estou te dizendo que nós não somos humanos. Você e eu, e todos os homens que você conheceu nos últimos dois dias. Somos Fae. — Eu não entendo o que isso significa! — As palavras voaram em pânico gritando. Minha mente doeu sob o peso da verdade. — Você está me dizendo que eu sou como Parthalan? — Você nunca vai ser como ele. Parthalan é o mais sádico. Deus, você sabe como ele é. Ele é o Rei do Tribunal Unseelie. Antes dos humanos começarem a destruir o planeta, nós éramos um povo. Servimos o espírito da terra, a Deusa. Que foi o seu batimento cardíaco que preencheu você antes de você me curar. Nós éramos os guardiões de suas criaturas, mas nós discordamos o que fazer com os seres humanos. Nós nos separamos há séculos após a nossa guerra civil. Metade do nosso povo acreditava que nenhuma vida deveria ser destruída. A outra metade queria acabar com a raça humana. Sua mãe levou metade para Dun Bray, uma cidade escondida criada por ela pelos ancestrais após a guerra Fae. A Rainha dos Unseelies levou o resto e tomou a Cidade Negra. Parthalan matou os seis, meses atrás. Nós dois ficamos tensos quando faróis vieram sobre o monte em nossa frente e bufei uma respiração quando passou por nós. Na luz, lágrimas frescas brilhavam nas bochechas de Liam. — A rainha —, eu disse, — ela era sua esposa? Ele riu, mas manteve a tristeza mal contida. — Minha mãe. — Merda. — Eu não queria sentir pena dele. Eu queria odiá-lo, humilhálo e feri-lo, mas o nó em meu estômago não quis ouvir a razão. Eu mastiguei o meu dedo, enquanto eu pensava. — Mas seus olhos são mais parecidos como os meus, e o resto dos homens – Fae – qualquer que seja, tem os olhos semelhantes aos de Parthalan. Se sua mãe era a Rainha Unseelie, então... — Depois da guerra, meu pai seguiu sua mãe, e minha mãe ficou como Rainha Unseelie. — Ele tomou uma respiração irregular. — Eu pareço como ele. Ambos os Tribunais me consideram mestiço agora, mas os Unseelie me


aceitaram porque eu sou filho da ex-rainha. Para alguns, isso ainda significa alguma coisa. — Um mestiço? Mas você disse que eles eram foram um único povo. — Nós éramos um povo, Lila. Você incluída. Deixei escapar um gemido. — Tanto faz. Basta ir em frente. — Os Seelies são vaidosos, geralmente sua natureza. Eles apreciam a vida, mas guardam rancor gigantesco contra os Unseelie. Os Unseelies são mais de aceitar, mas eles são puristas quando se trata de proteger a santidade das terras selvagens. Eles odeiam tudo o que leva sangue Seelie, qualquer coisa para preservar a vida humana. Eu não sei a razão para as diferenças na cor dos olhos, mas qualquer um que vive principalmente em Dum Bray sob as colinas das fadas, desenvolveu profundos olhos azuis, e os da Cidade Negra tem os olhos azuis de gelo. Você e eu – nós somos a única exceção a essa regra – e não, eu não sei por quê. Meus dedos entrelaçaram. — Por que eu quero tocar você e Parthalan tão gravemente, como uma necessidade de respirar? Isso me deixa doente. — É uma coisa Fae. Tocamos por várias razões. Conforto, por sentir ligado a outro, como uma forma de comunicação. Nós somos seres sexuais insaciáveis, e somos atraídos por alguns mais que outros, como você e eu estamos. Isso pode ser inebriante e às vezes até viciante. — Ótimo. Bom para caralho. — Eu estufei sobre isso por um minuto. — Por que os insetos têm um ataque quando ele está por perto? — Eles só reagem quando ele está perto de você, então eu acho que é a maneira da Deusa avisar. — A sua mente sente-se pesada quando ele está perto de você? Ele me olhou no espelho retrovisor. — Pesada? Ótimo, então eu sou a única estranha. — É como se sua presença me empurrasse. — Hmm. Talvez seja porque ele é seu oposto polar, noite e sol. Vocês dois não podem existir naturalmente com o outro, mas você ainda tem uma profunda ligação com ele, duas metades de um ciclo completo. Dei de ombros. Isso realmente fez muito sentido. — Você me disse que acreditam que os humanos precisam morrer antes do mundo se erguer. Você


quis dizer isso? Você realmente ajudou a destruir a raça humana? — Sim. Não. Inferno, eu não sei. Até eu conhecer você, a resposta era sim, mas agora... — Agora, o quê? — Nada. Apenas pare. Eu não posso pensar. — Ótimo. Tudo isso soa ridículo, de qualquer maneira. — Havia tantas perguntas que flutuavam em torno da minha mente, e eu não sabia o que perguntar primeiro. — E o seu pai ainda está vivo? Liam ligou o rádio. A música country fanhosa explodiu para fora. — Eu não sei. Eu não o vi desde que sua mãe deixou Dun Bray vinte anos atrás. O Portão Sete tem sido intransitável desde então. — Espere, quantos anos você tem? — Seiscentos, mais ou menos uma década ou duas. Eu gemi desejando que eu acordasse e descobrisse que toda a conversa não passava de um sonho ruim. — Por que minha mãe foi embora? — Para ocultar você, eu acho. — Mas por quê? Ela tinha vergonha de mim? — Deus, eu não sei, certo? Tudo o que sei é que alguns acreditam que você tem potencial para se tornar a mais poderosa das Sidhe. A maioria de nós recebe alguma forma de poder, uma vez que nós atingimos certa idade – o seu caso é Força de Vontade – uma vez que o acasalamento é concedido pela Deusa, recebemos outro poder. A crença comum é que você será abençoado com mais presentes do que o normal, e também o seu companheiro. Um pensamento me pegou, revestindo minhas veias. — O que você quer dizer com um acasalamento? Ele encontrou meus olhos no espelho. — Um casamento, um casal ligado. Eu tossi, varrendo dormência através de mim. — Você usou a palavra acasalamento por uma razão. Como dois Fae se tornam um casal? — Não me diga. Por favor, não me diga. Quando ele não respondeu, minha intuição me bateu, eu soquei em sua cadeira. — Você tem que estar me gozando! É verdade, não é? Foi isso que aconteceu lá atrás com as vozes e a luz. Você disse algo sobre uma bênção. —


Eu esperava que ele respondesse, mas ele ainda não disse nada. — Diga-me! — Tudo bem! — Ele virou o suficiente, então eu podia ver as linhas apertadas ao redor de sua boca e sua testa enrugada sob as luzes do painel. — O sexo não é sempre necessário, mas sim, nos acasalamos perante a Deusa, é verdade. Deus, por que você tem que ser tão fodidamente observadora o tempo todo? Se Parthalan descobre – Jesus, estou tão ferrado. — Como você pôde fazer isso comigo? — Eu segurei no banco quando o meu mundo interior desabou. — Não venha para mim como se eu tivesse uma escolha. Você realmente acha que eu ia atravessar Parthalan de propósito? Minha cabeça girava com a confusão. As memórias do que fizemos jogado na minha cabeça. Ecos de prazer percorreram-me, e eu lutava para manter o efeito no meu rosto. Lembrei-me do olhar de medo nos olhos de Liam, do jeito que ele tropeçou em suas palavras. Eu suspirei. — Não, eu acho que você não faria. — Parei por um tempo com uma pontada estranha no meu estômago. — Você se arrepende? — No instante que as palavras saíram da minha boca, eu queria levá-las de volta. Por que diabos eu tenho que perguntar isso? Um pouco da rigidez saiu da postura de Liam, e ele se recostou em sua cadeira. — Não, eu não. O que eu senti com você – seu cheiro, sua pele, o olhar em seus olhos, a sensação do seu espírito deslizando através de mim – foi à experiência mais incrível que eu já tive. Mesmo se eu morrer esta noite, eu não vou lamentar o que fizemos juntos. Mesmo que eu não escolhi isso, eu não iria desfazer, mesmo se eu pudesse. — Nós temos que desfazer isso. Sim. — Eu balancei a cabeça, incapaz de encontrar uma palavra que acabasse com essa frase de uma maneira que não me fizesse soar como uma louca sedenta de sexo que eu havia me tornado sob o seu toque. — Eu não vou estar vinculada a você. Assim que chegarmos a Dun Bray, eu não quero mais nada a ver com você. — Minhas mãos se esforçaram para alcançar ele outra vez, mas, antes eu as imobilizei entre o assento e as minhas pernas. Um punho apertou em torno de meus pulmões. Parte de mim queria o seu conforto, para se perder em seu olhar novamente. Nunca eu me senti tão bem. Nunca encontrei um canto tranquilo para


enroscar em lugar onde os horrores da minha vida não pudessem me alcançar. Meus dentes clicaram juntos. Não! Ele me traiu. Ele é um deles. Foi tudo uma mentira. — Se há uma maneira de desfazer isso, eu não sei. Você sentiu o poder que criamos juntos, e eu sei que você gostou do meu toque tanto quanto eu apreciei o seu, então pare de ser tão teimosa e aceite isso. É a vontade da Deusa. Eu rachei até o absurdo absoluto de suas palavras. — Ótimo. Isso é ótimo. Eu vou encontrar uma maneira de desfazer isso sozinha. — Você não vai ficar com raiva de mim para sempre. Você vai perceber logo que você não consegue ficar longe de mim por muito tempo. Eu fiz um gemido de nojo. — Seu merda, arrogante pomposo. Eu nunca precisei de ninguém, e eu certamente não precisarei de você. Ele encolheu os ombros, liquidado de forma mais confortável em seu assento e colocou uma mão sobre o volante. O canto de sua boca se contorceu com um sorriso. — Vamos ver. Carrancuda, eu me recostei contra o assento e cruzei meus braços sobre o peito. — Qual é o seu poder? — Eu precisava de uma mudança de assunto. — Eu posso suprimir o poder que provém da mente. Eu não posso tocar para ter poder como Rourke, porque é uma força que vem do nível celular. Seu poder requer contato, por isso é limitado, pelo menos. — É o que foram aqueles fogos de artifícios no porão. Seus músculos flexionaram, mas ele não disse nada. — Tudo bem, pode manter seus malditos segredos. Diga-me o que Parthalan quer de mim. — Eu disse a você, eu não sei, — Eu não acredito em você. Independentemente disso, o que eu faço agora? — Sente-se e deixe-me levá-la ao Portão Sete. Se você puder entrar, eu estou certo que você pode encontrar uma de suas pessoas que podem responder o resto. Dormência varreu meu corpo quando as suas palavras afundaram. Eu caí contra a janela como se alguém tivesse deixado o ar sair de mim. — Apenas


para o registro, eu acho que você perdeu completamente suas bolinhas de gude. Mas vamos fingir que você esteja dizendo a verdade, e minha mãe queria que eu me tornasse a líder deste – Fae, qualquer que seja. Não conheço o povo de Dun Bray, Sidhe – que seja. Quero dizer, onde tiveram todo esse tempo? Por que nenhum deles veio me pegar, ou pelo menos me dizer o que diabos eu sou? — Minha voz caiu em um chiado. Agarrei a tensão piorando no meu peito. — Por que você está chorando? — Eu não estou chorando! Por que minha mãe não me disse? Por que ela me deixou vagar ao longo da vida pensando que eu era uma mutante, ou uma louca? Como eu não posso ser humana? — Não é tão ruim —, Liam disse. — Deixe-me recapitular. Eu tenho que ser uma rainha das fadas de um povo que eu nunca ouvi falar, e eu acho que implica que Parthalan matou minha família para promover uma agenda política. Tenho que derrotar sozinha um lunático furioso, e agora eu acabei em um casamento arranjado com um saco de sujeira mentiroso. Realmente entendi direito? Liam suspirou. — Apenas durma um pouco. Você está sobrecarregada, eu entendo. É uma longa viagem, então tome um tempo para pensar nisso, e eu vou levar você para casa. Casa? Dun Bray não era a minha casa, e não havia nenhuma maneira que Liam pudesse ser a pessoa que a minha mãe falou. Ela tinha uma sensibilidade para os mentirosos e trapaceiros mais do que eu. Eu queria gritar, anos sem conhecimentos, de solidão. Tristeza e raiva bateram em mim de uma só vez com o peso de um oceano inteiro. Eu coloquei minhas mãos sobre meu rosto e me virei para a janela, puxei meus joelhos e cerrei os dentes, até que se dissipou. O carro deslizava pela estrada quando uma música country encheu o silêncio com canções patéticas de desgosto, ao ritmo de tambores e as lamúrias de um violão de aço. Os gritos de pneus me chamaram de volta dos meus pensamentos errantes. Liam grunhiu enquanto ele pisou bruscamente nos frios e o carro balançou até parar tão rápido que eu bati na traseira do banco da frente.


QUE ESTÁ ACONTECENDO? — Engoli em seco e olhei através dos bancos, esfregando meu peito. Poeira encheu os faróis na nossa frente. Quando se dissipou, um suspiro explodiu de mim. Lobos enormes mais do que eu já tinha visto estavam em fileiras, como fileiras de um exército. — Malditos lobos. — Liam engatou a ré, mas quando ele jogou o braço através do outro branco e torceu para olhar a parte de trás, ele sacudiu a cabeça e virou para frente novamente. — Atrás de nós, também. Quando ele jogou o carro em marcha novamente, eu me pressionei entre os assentos e agarrei seu ombro. O choque de energia que subiu correndo o meu braço me jogou um discurso. — O que você está fazendo? Você não pode simplesmente atropelá-los. — Olhei para os olhos dourados e dentes arreganhados, meu coração pesado acima de meus pulmões frenéticos. — Os lobos escolheram um lado, Lila. Você precisa escolher o seu. — Merda. — Ele estava certo, mas nós não poderíamos simplesmente matá-los. Será que podemos? — Eu estou irritado, e vou matá-los —, Liam disse enquanto os pneus cantaram contra o asfalto. O carro balançou para frente numa rota de colisão para os dentes e pele.


Só tive tempo de apertar o cinto de segurança ao meu redor antes do veículo ser erguido – como se um gigante tivesse levantado pelo pára-choque dianteiro. Ambos gritaram. O carro caiu ao contrário, o som terrível do teto esmagado e o vidro quebrado. Liam, que não tinha colocado o cinto de segurança, desabou sobre o teto. Ele olhou para mim, onde eu pendia com a cabeça para baixo, derrota clara em seus olhos. — Liam! — Eu não podia ver a razão de seus gritos de dor, mas eu estendi a mão para ele enquanto eu lutava com o meu cinto de segurança. Antes de soltar a trava, ele desapareceu pela janela quebrada. Eu quase não o vi ir. Quando eu me libertei e cai, examinei a estrada através da janela quebrada, olhei Liam. Ele estava sentado na calçada. Sua pele desnuda com cortes irregulares do vidro. Um lobo branco tinha suas mandíbulas ao redor do seu pescoço, rosnando e o puxando. As mãos de Liam pressionando contra seus dentes, mas apenas conseguindo cortar seus dedos. — Pare com isso! — Eu gritei através da janela, já saindo. — Deixem-no ir! — Oh, Lila —, Parthalan disse através de um profundo suspiro quando ele encostou-se à frente do carro. Ele cruzou as pernas no tornozelo, e os seus braços sobre o peito de seu terno cinza de mil dólares. — Este ponto fraco que você tem para os Neandertais e os traidores é a sua maior falha. Eu vou consertar você com o tempo. — Aqui estou, idiota. — Eu me levantei, usando a porta como apoio. — Agora chame os seus cães, e deixe Liam ir. — O deixar ir? — Parthalan cantou sua risada de pássaro novamente. — Oh, você é divertida, princesa. Ele irá certamente conosco para a Cidade Negra. — Aqueles olhos árticos varreram de mim para Liam, desviando-se com a raiva preenchida neles. — Se ele vier inteiro ou em pedaços será sua escolha. Meu estômago agitou e minha cabeça latejava. Parthalan andou para Liam, se agachou ao lado dele e inclinou em direção a mim. — Eu suponho que você disse a ela sobre nós?


Liam grunhiu quando o lobo o sacudiu novamente. — Ela merecia saber. Parthalan revirou os olhos, mas sua tentativa de indiferença não cobriu o seu aborrecimento. — Diga-me Liam, o que você está escondendo de mim? — Nada! Com os seus lábios alongando em um sorriso maligno, Parthalan agarrou a mandíbula de Liam e apertou. O lobo lamentou e soltou dele, inclinou a cabeça e se afastou. Parthalan sussurrou no ouvido de Liam. Ele se esforçou no início, chutou os pés e rosnou, mas quando os segundo se passaram, a cor começou a escoar de sua pele, e ele se calou. A luz apagou de seus olhos, deixando sombras assombradas para trás. Ele engoliu em seco. — Pare com isso! — Eu corri para frente dando alguns passos antes de um lobo vermelho bloquear meu caminho. — Tudo o que você está dizendo, pare com isso! Que diferença faz? Você me tem. Com seus lábios pressionados contra a orelha de Liam, Parthalan riu e jogou Liam para trás. Sua cabeça bateu contra o chão. Parthalan levou seu pé para trás e o lançou nas costelas do homem caído – Fae – ou o que diabos ele era. O som, quebrando seus ossos enviou um choque atrás de mim. Eu vacilei e apertei meu peito como se tivesse sido chutada. Por que eu sofro tanto? Eu ouvi falar de compaixão, mas a dor nas minhas costelas era, além disso. Minha raiva ainda mastigava em pensamentos sobre ele, mas outra coisa havia escapado de lá, também – algo que eu não entendia. Um aperto definido em meu coração que não tinha nada a ver com a dor física. Eu não queria que Liam morresse, mas por que eu me importo se Parthalan o chuta? Inferno, uma hora antes, eu queria fazer isso eu mesma. ―Porque você não é das trevas, Lila,‖ o fantasma da voz da minha mãe ecoou na minha cabeça. ―Você se importa até mesmo quando fica difícil, mesmo quando você foi injustiçada, porque esse é o nosso caminho. Abra seu coração e acredite no que ele lhe diz. Volte para casa, meu amor.‖ — Eu não vou deixar você —, eu sussurrei para o espírito da minha mãe enquanto Parthalan continuava chutando Liam. O gosto de cobre de seu sangue encheu minha boca. A minha carne doía nos lugares onde surgiram hematomas em sua pele. O lobo diante de mim plantou os pés e latiu quando eu me movi para frente. — Eu nunca vou ser como você, mãe. Eu nunca vou


preencher o seu lugar, mas enquanto eu viver, eu – não – vou – decepcionar – você. O lobo se virou para mim, recuou um passo. Em seguida, outro. E outro. Parthalan fez uma pausa para limpar respingos de sangue do rosto e olhou para cima. Eu não sabia o que ele viu no meu rosto, mas ele se virou para mim, seu corpo rígido, punhos firmes. Meu foco passou para Liam, o frio de preocupação se espalhando a partir da minha alma. Ele não se mexeu no início, mas depois de alguns segundos, ele gemeu e passou os braços em volta de seu estômago. Deixei escapar um suspiro que eu estava segurando e dei outro passo e outro. Fúria substituiu o frio com o calor escaldante, e eu esperava que meus olhos brilhassem quando eu o concertasse, voltando ao lobo que me observava. — Eu não quero machucar você, lobo, mas não teste a minha paciência. Passos. Passos. Passos. O lobo tentou segurar o meu olhar dos seus olhos cor de âmbar, mas acabou desistindo, balançou a cabeça e se virou para Parthalan como se em busca de orientação ou permissão. Ele deu um toque de seus dedos estreitos, e o lobo se virou para mim, curvando-se e saiu lamentando. — Quem foi que disse quem era o seu pai? — Parthalan tirou um lenço do bolso e enxugou o sangue salpicado de suas mãos. Eu lhe dei o meu ‗foda-se‘ sorriso. Pela primeira vez desde que o conheci, ele pareceu na borda, com o rosto tão bem realizado, pequenas linhas surgiram nos cantos de seus lábios franzidos. — Somente o Unseelie tem poder sobre os animais da Deusa. Eu já suspeitava a algum tempo que você foi gerado por um dos meus, mesmo que você pareça com um Seelie puro. Eu tive minhas dúvidas sobre o seu potencial, mas talvez os antepassados estivessem certos, afinal. — Ele sorriu,


apagando a máscara incerta e desvelando o palhaço do mal de novo. — Vamos ver hoje à noite se você vive até a profecia. Profecia? Que diabos ele quis dizer com isso? Dei mais um passo. — Seus lobos são um bando de maricas. — Eu ri, um som, tropeçando bêbada. — Estou surpresa com você, Homem de Vidro. Passos. Passos. — Você não aprendeu até agora que tudo leva a sacudir uma matilha de cães fracos é um dominante que não permanecerá para a sua merda? — Minha voz cresceu pelo tempo que eu tinha terminado. — Rourke —, Parthalan chamou, diversão brilhando em seus olhos. — Deus, você não pode fazer nada sozinho? — Eu afiei ainda mais perto. — Peço-lhe que escolte a minha futura rainha para o carro? — O que? — Eu olhei para ele como se isso pudesse me ajudar a fazer sentido no que eu ouvi. Liam ecoou um momento depois, gemendo enquanto ele virava para olhar para o Fae regozijando com olhos arregalados e horrorizados. — Você não pode. — Liam tossiu as palavras. — Os Unseelies jamais a aceitarão para sua rainha. — Você ficaria surpreso, meu pequeno traidor, o que posso e o que não posso fazer, e que o meu povo aceitará dando o direito... Motivação. Ainda sem camisa, Rourke surgiu como um pequeno cachorrinho. Seus olhos implorando para lhe dar uma razão para me machucar. Eu manobrei para a esquerda para colocar um lobo entre nós e lancei meus olhos para ele e Parthalan, que, no momento em que eu desviei o olhar, se aproximou. Meus pulmões pareciam pensar que eu corri uma maratona, bufei e esforcei por ar que não veio rápido o suficiente. — Eu não sei em que mundo de fantasia você vive, Parthalan —, eu disse. — Mas eu não vou ser nada sua, e certamente não a sua rainha. Como se uma porta se abrisse entre nós, a mente de Liam escorregou dentro de mim, me enchendo como o uísque até a borda do copo de cristal. Meus joelhos se dobraram, e eu agitava os braços mais não encontrei nada


para me equilibrar. Algo estranho borbulhava na minha garganta antes de um riso bêbado estourar de meus lábios. Eu bati a mão sobre eles. ―Jesus‖, a voz de Liam sussurrou em minha mente. ―Sim, é bom, mas poderia ser um pouco mais sutil sobre isso? Por que eu ouço Liam na minha cabeça? Rouke inclinou a cabeça e franziu o cenho para mim. Ele olhou para Parthalan, que deu esse dar de ombro insignificante que ele geralmente reservava para mim. Um aceno sutil seguiu. Eu não sabia o que fazer. Deve ter sido parte do processo de acasalamento que a Deusa fez para nós. Baixei os olhos para Liam brevemente. Ele insistiu com seus olhos para que eu fizesse alguma coisa. ―Basta pensar em mim, e eu vou ouvir você,‖ ele disse. ―Mas...‖ ―Nós não temos tempo para perguntas! Agora cale a boca e ouça. E pare de olhar para mim.‖ Liam quebrou quando Rourke circulou ao meu redor. Eu torci o corpo para mantê-los na minha visão. Parthalan se aproximou, andando num arco oposto de Rourke. Os lobos voltaram para ficar em uma fileira ao lado da estrada. Covardes. ―Se você tem algo a dizer, Liam, apresse-se e diga, já.‖ — Qual o problema? — Parthalan perguntou com sua voz cantante, seus olhos vagando para cima e para baixo do meu corpo vestido de roupa de baixo. Ele lambeu os lábios. — Você está parecendo um pouco inquieta. Vinde a mim, princesa. Deixe-me acalmar suas dores. — Foda-se. Rourke riu. Parthalan não. Seus lábios apertando juntos. — Por que o drama, meninos? — Minha voz saiu tensa e não tão estável como eu gostaria. — Mesmo um gatinho sem garras pode ter armas escondidas... Escondidas em sua pele deliciosa —, Parthalan disse. — Outras habilidades que ainda não vi. Encantador. Eu iria com isso. Acendi um sorriso irônico.


―Não lute contra eles,‖ Liam sussurrou na minha cabeça. ―Vá com eles, e eu irei e alcançarei você. Modere o tom, ou o que Rourke fez com você na adega vai parecer um tapinha e cócegas.‖ ―Você está fora de sua mente maldita? Por que eu faria algo que você disse?‖ — Clancy —, Parthalan chamou. Algo com sua voz fez todo o meu corpo tenso. Quando rasguei os meus olhos de Rourke – cada vez mais perto – eu encontrei o olhar do Homem de Vidro para Liam. Não era um olhar feliz, mas um suspeito, considerando um. Será que ele descobriu que nós podemos conversar? Clancy, com seu rosto redondo e rechonchudo, emergiu das sombras, o modo desajeitado de um homem muito maior. Seu lábio inchado e sangrando. Talvez alguém o chutou, mais recentemente, do que eu tinha. Isso seria uma vergonha. — Se não é o cachorrinho número dois —, eu disse. Todo mundo rachou, exceto Clancy e Liam. ―O que você está fazendo?‖ Liam quebrou. ―Não se antagonize com eles, ou isso vai ficar muito pior.‖ ―Como isso pode ficar pior?‖ Fiz uma pausa. ―Espera, não responde a isso.‖ — Eu vou te mostrar o cachorrinho, cadela! — Clancy segurou sua virilha e retirou um revólver de prata sob a lapela de seu terno preto. — Não deve ser tão difícil foder sem sua pequena força de vontade, agora você está? — Não ela, seu idiota. — Parthalan falou para Clancy como se ele tivesse problemas de audição ou o seu QI se igualasse à de um saco de martelos. — Fique aqui. Pergunte a Liam sobre o que ele está escondendo e como ele está se comunicando com a minha princesinha, aqui. Cada vez que ele não responder, atire. — Não! — Eu caí para frente com uma passada. — Eu não sabia que nós... ―Não diga isso!‖ Liam advertiu através do nosso link mental. No momento em que Liam me distraiu, Rourke passou os braços vigorosos ao meu redor por trás e me levantou do chão. Eu grunhi e o chutei,


mas tudo que eu pude atingir foram seus tornozelos. Ele andou para trás passando o carro capotado de Liam. Eu me perguntava por que ele faria isso, mas é claro, Parthalan iria querer uma audiência. Como sou estúpida. — Então, você é apenas um gatinho inofensivo depois de tudo. — Rourke lambeu o lado do meu rosto. — Deus, você é uma aberração, Rourke —, eu soltei entre grunhidos. — Será que sua mãe deixou sua cabeça cair uma vez – várias vezes – porque você é um grau de ‗Um psicopata‘. Depois de um breve, sorriso torto de satisfação, Parthalan se virou para Clancy. — Se isso não funcionar, comece a cortar suas coisas fora. — Ele caminhou até Liam – que segurava suas costelas com um braço ao tentar se colocar a distância – e o angulou entre as pernas. — Começando com isso. Gritando, Liam se contorceu no chão, apertando sua virilha. Um eco doloroso me bateu um momento posterior. Eu resisti à tentação de cobrir o mesmo local. — Pare com isso! — Eu gritei e gaguejei antes de seus braços recuarem. ―Eu vou ficar bem‖, a voz sussurrante de Liam sussurrou na minha cabeça novamente. ―Olha, eu posso estar chateada com você, mas eu não vou deixar você aqui para morrer assim. Por favor! Simplesmente diga a eles. ―Nós todos morremos onde nos encontramos. Há coisas que não posso explicar a você agora, mas eu lhe dou minha palavra que eu estarei bem. Pare a cerimônia até que eu possa chegar lá. ―Sua palavra não significa nada para mim.‖ ―Você não tem escolha. faça o que eu digo de uma vez.‖ Parthalan, exibido como um lindo pavão, acenou para Rourke, que me deixou na estrada e caminhou em direção ao maior carro que eu já vi. Eu tropecei, braços me pegaram para me manter em pé. Quando olhei mais de perto o veículo, eu revirei os olhos. Compensando alguma coisa, talvez? Rindo de si mesmo, Parthalan passou o braço em volta do meu pescoço e me puxou junto a ele, os lábios em cima da minha cabeça. — Vamos mudar a cara da noite Fae – minha querida —, ele sussurrou no meu cabelo. — E uma vez que nossos poderes forem concedidos e as nossas luzes combinadas, nós


seremos indestrutíveis. Nós vamos destruir Dun Bray, reunir nosso povo sob a minha regra, e depois livrar a Deusa da sua praga. Meu corpo enrijeceu, e minha garganta apertou, bloqueando toda a entrada de ar. Ele não poderia dizer... Pessoas. Ele poderia? — Oh sim, princesa. O tempo para a humanidade está acabando. Vamos empurrar os grãos de areia finais através da ampulheta em um festejo sangrento.


OURKE ENTROU no brilhante preto gigante e Parthalan me empurrou em sua homenagem. Eu cambaleei para a porta distante, mas Rourke derrubou o seu braço atrás de mim e me enviou para o carpete cinza caro. Ele ainda tinha acabado de sair da fábrica de perfume. Eu não percebi até aquele momento que eu nunca dirigi um carro. Talvez minha mãe tivesse problema com objetos de metal, também. A porta fechou e o motor rugiu para vida. Na guinada inicial, Rourke virou e bateu contra o banco de trás, rindo. Seu cabelo caiu sobre seu rosto em sequência escura, acrescentando o toque perfeito para sua bizarrice. Saltei para cima e embaralhei por cima dele para o banco de trás. Depois de um breve olhar para Garret, que estava encolhido perto da janela ao meu lado, eu procurei o luar pela janela atrás para Liam. Clancy o tinha pelo pescoço com uma mão, e pressionando a arma à sua testa com a outra. Os lobos estavam ao lado da estrada. — Venha agora, minha querida —, Parthalan disse. — Sente-se perto do seu rei. Meus dedos cavaram no estofamento de couro, mas eu cerrei meus dentes que eu não iria proferir as palavras ardentes em minha garganta. Como


poderia o Homem de Vidro fazer isso com um de seu próprio povo? Por que meu coração doía como se tivesse sido esmagado? Quando eu não pude mais ver Liam, meu peito paralisou e um soluço reuniu na minha garganta. Eu não vou chorar, não por ele, e não agora. Um flash, seguido por outro em rápida sucessão, iluminou o céu. O eco distante de tiros encontrou meus ouvidos. Um rosnado frustrado queimou no fundo do meu peito enquanto eu virei. Ele estava morto? Será que eu sei que ele estar? Sim, eu sei – eu acho. Ele vai ficar bem. Ele tem que estar. Rourke se ajoelhou na minha frente, vestindo um sorriso. Cheguei perto batendo fora dele. — O rei solicitou a sua presença —, ele disse. — Aprenda a obedecer agora, ou vou ser forçado a te ensinar mais tarde... Da maneira mais dura. Notei que ele não me chamou de seu animal de estimação diante do seu rei. Covarde. — Rei. — Eu joguei a palavra em Parthalan. — Eu não tenho um rei, e você não está apto para governar um rebanho de cabras. — Liam me disse para não antagonizar com eles, mas eu não consegui evitar. A sombra escura atravessou os olhos de cristal de Parthalan, e seu cabelo preto se mexeu, a luz do teto brilhando fora das dicas sutis de roxo. O sorriso se espalhando por todo o seu lábio não tinha nenhum humor, apenas maldade. Ele deu um tapinha no assento de cada lado de suas pernas. — Vinde a mim. — Ele me olhou com seus olhos perigosamente lindos. — Saudai o rei corretamente. Oh, não inferno. Meu estômago vazio apertou, e eu cruzei os braços. — Volte para o que diabos você rastejou para fora. Seu olhar deslizou à Rourke, que tinha subido para o assento ao lado de Garret. Uma faísca azul queimou um momento antes de Rourke enfiar as mãos contra o peito do jovem. Coluna curvando-se e olhos revirados para cima, Garret gritou da forma como os homens que morrem fazem – um som alto lamentando que eu ouvia centenas de vezes. Eu desembaralhei do chão e sentei no banco ao lado de Parthalan, cada músculo saltando debaixo da minha pele.


— Não. — Ele balançou a cabeça, deu um tapinha no banco novamente. — Sente-se sobre mim, uma perna de cada lado, de frente para mim. A gritaria parou quando Rourke fez uma pausa e olhou para Parthalan. Garret soluçava, as mãos trêmulas pressionadas contra a janela. O pensamento de escarranchar sobre Parthalan, especialmente vestindo apenas calcinha e sutiã, fez a minha coluna coçar. Alguma coisa sempre acontecia quando ele me tocava dessa maneira, mas... Eu tenho uma escolha? Eu posso engolir isso, engolir meu orgulho para salvar o garoto? Quando hesitei, Rourke bateu em Garret novamente. Eu joguei minha perna por cima de Parthalan. Ele enganchou as mãos por trás dos meus joelhos e me puxou contra ele. Ele estava obviamente feliz por me ter lá. Meu lábio enrolou em desgosto. — Essa é a minha boa garota. Meu poder subiu por trás do escudo que continha Liam. — Não me ampare. — Eu não podia me fazer olhar para o abismo frio contido dentro de seus olhos, então eu olhava pela janela. — Eu estou aqui, então informe ao seu cão de guarda que recue. Traga Garret aqui onde eu possa vê-lo. — Mmm, tão exigente. — Parthalan escovou os lábios por toda a minha mandíbula e deslizou sua mão do outro lado da minha garganta. Eu lutei a ânsia de vômito. — Eu suponho que isso iria prejudicar a entrega da minha rainha. Garret subiu no assento ao meu lado, seus olhos azuis de gelo tão grande quanto à lua e tão brilhante. Ele murmurou, — Sinto muito —, enxugou as lágrimas daqueles olhos tristes e assustados. Eu não disse nada de volta, mas eu esperava que o meu olhar dissesse a ele que eu não o culpo. Quando eu percebi que a pele de Parthalan tocou na minha e eu não queria rasgar sua roupa e rolar sobre ele do jeito que eu costumava fazer, eu tomei um fôlego. Meus arrepios se destacaram quando eu pensei sobre isso. Se eu pudesse sentir a dor de Liam e ouvi-lo na minha cabeça... O que mais me aconteceria? — Vem agora, minha querida, você está estragando o clima. — Parthalan agarrou meu rosto e me forçou a ele. Aqueles olhos árticos perfurando todo


caminho para o meu núcleo. — Por que tão tensa? Seus músculos se transformaram em pedra, quando deveriam ser moldados em torno do meu corpo agora. E você não me provou ainda. — O beicinho em sua voz me deu vontade de estrangulá-lo. — Hmm, deixe-me ver. Você foi atrás de mim em dois países durante sete anos. Você matou a minha família enquanto eu escutava. Você colocou seu vira-lata lá em mim, deixou uma das suas pessoas para serem fotografadas e mutiladas, ordenou a eletrocussão de um menino, e agora você está carregando um sociopata doente de amor. Por que eu estou tensa? Eu estou como uma pedra aqui, Parthalan. Ele suspirou. — O sarcasmo é indecoroso, a uma dama da Corte. — Então eu acho que é uma coisa boa que eu não sou uma dama da Corte. — Oh, mas você é, minha querida. Você é a Rainha Sidhe Seelie e do seu patético Tribunal, que em breve será dissolvido. Você será minha mão direita enquanto eu controlo todos eles. — Mas meu senhor! — Rourke se ajoelhou no banco ao nosso lado, como o rosto chocado tão perto que se afastou. — Eu sou seu servo fiel. Eu não sou... — Silêncio, meu amigo. — Parthalan me soltou e colocou a mão na bochecha de Rourke. — Você não está sendo substituído, apenas argumentado. Dos três, um de nós irá se sentar sobre os tronos do novo Tribunal Fae, e todos se curvarão diante de nós. Não leia mais do que eu digo. Suspirando, Rourke passou uma mão em torno da bochecha pálida, fechou os olhos se misturando ao toque. — Bem, isso é muito emocionante —, disse. — Eu vou deixar vocês dois sozinhos. Eu empurrei contra Parthalan para escalar fora, mas ele passou os braços ao meu redor. Sua mão deslizou até a volta do meu pescoço e apertou minha bochecha à dele, de frente para a doninha viscosa ao nosso lado. — Uma vez que a Rainha for oficialmente violada... — Os dois homens riram enquanto eu revirei os olhos. — Talvez possamos compartilhar uma noite juntos, só nós três.


O quê? Um trio com Thor presunçoso e um psicopata que se preocupava mais com o cabelo do que a vida humana? Sobre o meu cadáver. — Oh, sim —, Rourke sorriu como se tivesse sido oferecido um hit de heroína. — Até então, me permita supervisionar a sua formação? Parthalan pressionou seus lábios contra o meu templo. Eles curvaram em que eu assumi que fosse um sorriso. — Eu não poderia pensar em outro, velho amigo. Enquanto eles continuaram com o seu pequeno interlúdio, minha mente se afastou para Liam, uma nota de desespero deslizando em meus pensamentos. Onde você está? Algo abriu em mim. Uma porta cheia de luz. Um flash me cegou, mas eu mantive a minha reação de sobressalto. Aromas da floresta giravam em torno de mim, o pinheiro, a umidade no ar da noite. ―Liam?‖ — Eu pensei para ele. Outro flash de luz, mais e mais brilhante. Luz etérea. Luar. O som de grandes asas batendo contra o vento sobrecarregando meus ouvidos. Eu quase levantei as mãos para eles, um instinto para bloquear o tambor – como dissonante do som – mas as mantive pressionadas contra o peito de Parthalan para manter uma pequena distância dele. Tive um vislumbre de penas brancas com traços de preto. Um momento depois, os locais e sons estrangeiros desapareceram – desligado como se um interruptor tivesse sido lançado. Eu estava vendo através dos olhos de... Árvores? Não! Eu não gostaria de acrescentar insanidade à minha lista de questões. Um pedaço de alívio filtrou através da preocupação. De alguma forma eu sabia que Liam ainda estava vivo, não que eu acreditava que ele seria capaz de me ajudar novamente. Por que isso mesmo importa? Ele me traiu! Pare de pensar nele! Parthalan me segurou pelo rosto de novo e alinhou com o seu. Eu vacilei. Sua pele brilhava perolada. Ele olhou tão profundamente que me tomou toda a força pra não se contorcer. — Agora me beije antes de Sebastian nos levar para casa. Seu método de viagem pode ser um pouco desorientador para alguém que nunca o experimentou. — O que você quer dizer? — Eu disse, a voz com orgulho continuou


forte, apesar de que minhas estranhas estavam em caos. — Você vai ver. Agora me beije, ou eu vou dar o menino a Rourke para o resto da noite. Olhei para Garret ao nosso lado e o encontrei amontoado em uma bola tremendo. Um halo de luz solar do seu cabelo girava em torno de sua cabeça como se ainda carregado de eletricidade. Suas mãos trêmulas tapando os ouvidos, balançando a cabeça para trás e para frente, e ele sussurrou: — Não, não, não —, uma e outra vez. Uma única lágrima derramou de seus cílios e correu para baixo de sua bochecha rosada. A visão agarrou meu coração e rasgou do meu peito. Virei para Parthalan. Derrota deve ter mostrado em meus olhos, porque seu sorriso espalhou, comendo a parte inferior do seu rosto. — Todo o poder no mundo, e você ainda está fraca. — Rourke sorriu. Inclinei-me para longe de Parthalan para que eu pudesse dar uma olhada melhor na psicótica doninha ao lado dele. Parthalan permitiu o meu movimento, mas levantou uma sobrancelha. Fúria encheu meus membros com um potencial de destruição. Meus dedos se enroscaram em um punho, dores de estar livre para bater alguma coisa. — Você não sabe nada de mim, show de horrores. — Meus dedos racharam no rosto presunçoso de Rourke, pegando o quadrado do nariz. Eu derrubei um soco com força, mas Parthalan me agarrou pelos quadris e me puxou de volta a ele. Eu ignorei a dor em meus dedos. Parthalan inclinou a cabeça para trás e cantou uma risada. Rourke se empurrou de seu assento em minha direção, mas o rei o mandou afastar com alguns movimentos de seus dedos. Carrancudo, Rourke afundou no assento. Murmúrios baixos saíram de seus lábios. — Apesar de que isso foi totalmente divertido, não brinque com a sorte. — Parthalan suspirou. — Agora, pressione os lábios carnudos Seelie contra os meus. Eu senti sua falta. Eu engoli o trem desgovernado de palavras negras e me inclinei, minha respiração irregular, meu pulso saltando na minha garganta. Meus lábios pairaram sobre os dele. O perfume da noite se agarrou a ele, orvalho, a


frescura do ar fresco, e o aroma orgânico de verde. Teria sido mais fácil se ele cheirasse mal para acompanhar o resto do corpo, mas parte de mim queria se embrulhar em seu cheiro, e fechar essa última polegada de distância. Não. Uma parte de mim se revoltou, levantou a cabeça e me deu um chute mental na bunda. Isso era novo. Normalmente eu tinha pouco controle com ele. Isso tem algo a ver com o que a Deusa fez para Liam e eu? Um pedaço pequeno de esperança permeou minha mente. Engoli em seco, lambi meus lábios. Ele se contorceu debaixo de mim. O carro balançou a uma parada e eu bati em Parthalan. Nós dois se afastamos com os lábios sangrentos. — Você não consegue fazer nada direito! — Ele bateu contra a janela que nos separava do assento do motorista. A voz de Sebastian veio pelo interfone. — Eu pensei que você gostaria de testemunhar os frutos do seu trabalho, meu rei. Um sorriso terrível deslizou pelo rosto de Parthalan. Ele girou em torno de mim, de joelhos, empurrou Garret do assento com o pé, e apertou meu rosto contra a janela. Ele passou os braços ao meu redor por trás. — Cuidado —, ele sussurrou em meu ouvido. — Veja o que eu comecei e vamos terminar juntos. Eu não queria olhar, não poderia imaginar o que ele quis dizer, mas a curiosidade me obrigou a olhar para a janela. Alguns momentos depois, algo chamou minha atenção. Fogo, mas se movendo em pequenos grupos. Oh, não. Tochas. Olhei para o luar e tinha seis formas escuras, quatro delas segurando as tochas flamejantes. As figuras foram até um pequeno bangalô não muito longe da estrada. Fumaça escorria para fora da chaminé de tijolos. As janelas eram todas escuras. Duas das formas escuras quebraram a porta da frente. O resto desapareceu em torno da parte de trás da casa. Gritos rasgaram o silêncio e cortaram meus ouvidos. Chamas laranja comiam as cortinas da sacada. As pessoas saíram pela porta da frente fragmentadas. — Deixe-me ir! — Lutei contra a aderência de ferro de Parthalan. Eu tinha que ajudá-los. — Eles vão matar a família por algumas latas de comida! Ele agarrou meu pulso com uma mão e apertou o botão do sistema de


intercomunicação. — Mate todos, exceto o filho mais novo e a menina mais velha. — Ele viu. — E então os faça assistir. — Ele soltou o botão. Levou um momento antes que eu pudesse encontrar o ar suficiente para falar. Minhas entranhas torceram. — Eu contei pelo menos seis pessoas naquela casa. Por que você as matou? — Eu me esforcei para libertar de suas garras, mas ele me puxou de volta para o círculo de seus braços. Uma das portas do carro se abriu e se fechou. Sebastian passeava na vista, balançando as chaves do carro em volta e em volta de seu dedo, todas as medidas casuais, de um cara fora para atender a um encontro para um filme. — Ninguém entende os humanos da maneira que eu faço —, Parthalan disse. — Um menino que testemunha o horror vai se transformar em algo útil para mim. Eu congelei nos cenários que se formaram na minha cabeça. — Quer dizer que ele vai ajustar e matar um monte de gente? Oh, Deus. É isso que você tem feito todo esse tempo, por isso que existem tantos malucos por aí? — Você os chama de psicopatas, eu os chamo de arma em minha guerra contra a doença humana. — Por que eles sempre queimam as casas depois? — Por que, para esconder os corpos, é claro. Eu não posso ter meus assassinos desmiolados sendo pego por assassinato, agora eu posso? Eu moí meus dentes. — Você já matou pessoas em todo o mundo? — Não. Pelo menos não diretamente. — Ele riu, enrolando para o lado do meu pescoço. — Espalhe um boato aqui e ali, e coloque as agências de países em guerra de uma falsa inteligência sobre um ataque iminente do outro, forneça algum poder Fae – reforce. Voilá! Eles aniquilam um ao outro por pura arrogância e estupidez. — Ele respirou. — Maravilhosamente brilhante, você não acha? — Você é realmente doente. — Quanto mais eu lutava, mais apertado ele me apertava. Ele forçou meu rosto para a janela novamente. Sebastian, seu cabelo brilhante como sangue fresco no brilho prateado, apontou uma arma para um adolescente. Um menino se ajoelhou na grama na frente deles. Eu não precisava ver o olhar no seu rosto. Meu coração tinha sido arrancado da mesma maneira quando minha família morreu.


Depois de forçar a garota a se estabelecer de bruços na grama, Sebastian caminhou até os outros membros da família, colocando a arma no coldre dentro de sua jaqueta preta. Todas as figuras sombrias estavam ao redor assistindo casualmente. Quantos assassinatos alguém têm que ver antes de sua alma morrer? Eu não podia levar esse pensamento até o final. Dor rasgou através do meu corpo quando uma mulher, provavelmente a mãe, gritou quando Sebastian quebrou-a como um palito de fósforo. A lua lançou formas perturbadoras. O homem caiu logo depois, seguido pelos outros dois filhos. Eu nunca tive o desejo de matar Parthalan mais do que tinha naquele momento. Se eu tivesse acesso ao meu alcance, eu o teria enterrado na terra e o esmagado. Quando Sebastian terminou, ele pegou a menina e o menino pelas gargantas e os arrastou como ratos suburbanos. Eu já sabia o que Sebastian iria fazer com eles. Maldito seja, Liam! Por que você não devolveu o meu poder? Rourke rebocou seu rosto contra uma das janelas e riu. A adrenalina subiu por mim. Eu precisava ajudá-los. Todos eles. Sebastian forçou o menino de joelhos com uma arma e apertou o rosto da menina para a janela na minha frente, uma mão enrolada em sua garganta. Ela tinha o cabelo loiro e parecia estar no final da adolescência. Seus olhos bem abertos. Medo derramado por trás deles. Cada uma de suas respirações frenéticas enviando nuvens de neblina em todo o vidro. Seus pedidos desesperados transcendiam o carro, e minha alma. Fechei os olhos e procurei a minha luz, mas não encontrei nada. A barreira parecia estar crescendo mais densa enquanto o tempo prosseguia. Em vez disso, eu deixei a adrenalina construir, um foguete prestes a lançar. Quando eu já não podia contê-la eu joguei minha cabeça para trás e atingi o rosto de Parthalan. Ele me liberou com um rugido. Dei um pontapé para fora da parte traseira do assento e caí no chão. Rourke pulou sobre mim, mas meus pés pegaram o quadrado do seu peito, forçando o ar de seus pulmões. Garret chutou mais e pulou em cima dele. Eu nunca teria adivinhado que o cara – o jovem tremendo – tinha a coragem dentro dele. Meu respeito por ele cresceu um pouco mais. Eu joguei a porta aberta e saí.


Lá fora, Sebastian não olhou para cima, enquanto ele se atrapalhava com o botão do jeans da jovem, grunhindo como o porco que ele era. Lancei um soco nele, apontando para um lugar do outro lado de sua cabeça e peguei toda a sua mandíbula. Ele balançou para o lado. — Vadia! — Ele tropeçou e caiu. — Corra! — Eu gritei. A menina disparou, mas o menino ficou lá boquiaberto para mim, e para aquela alma com aparência tremendo com o rosto se contorcendo em algo antinatural. Dei um chute no cascalho para ele. — Corra, porra, você. Corra! Ele ficou de pé e correu para a floresta. Eu me virei para Sebastian, mas caí no cascalho antes de eu perceber que ele me derrubou. Um desfile de poucas luzes brancas dançando em círculos sem fim em torno dos meus olhos. Os cabelos vermelhos em cascata sobre o meu rosto quando Sebastian me pegou pelo pescoço e apertou. Ele me levantou do chão como se eu não pesasse nada. Eu sempre fui mais forte do que a maioria das pessoas, mas ele era um tanque. Talvez fosse outra qualidade Fae. — Solte-a! — O rosto de Parthalan apareceu na porta do carro aberta. — Coloque-a dentro do carro, seu imbecil! Uma explosão abalou a casa. Chamas dispararam no céu da noite. Empurrei Sebastian longe e esfreguei minha garganta. Dormência me envolveu como se meu corpo escondesse a dor na minha alma para a dor que não podia me tocar. Olhando para Parthalan, que olhou para trás com diversão, entrei no carro e sentei ao lado de Garret no banco de trás. Ele cobria o rosto com as mãos, mas eu ainda podia ver o início de contusões e riachos vermelhos escorrendo de seus lábios. Rourke se sentou no canto do assento oposto, olhando para mim, e pelo modo como ele segurava seu corpo, eu pensei que ele estivesse de mau humor, também. Pobre bebê. O sangue escorria do nariz de Parthalan, onde eu o atingi. Isso deveria ter me dado um pouco de satisfação, mas tudo que eu podia ver eram corpos quando eles caíram do chão e o menino que assistiu. Tudo que eu podia ouvir eram seus gritos. A fumaça da casa em chamas grudada na minha pele – um cheiro acre e amargo. Eu limpei isso, tentando


tirá-la, mas só intensificou o cheiro. O carro andou novamente. Alguns risos patéticos explodiram dos lábios de Parthalan. Um momento depois, uma luz ao redor do carro brilhou. Inclinei-me para mais perto da janela para ver melhor. Meu pulso acelerou. Luz prata saiu enquanto a terra dobrava, apertando junto, como uma sanfona. A pressão na minha mente me jogou no chão, e eu gritei, agarrando a dor na minha cabeça. Tinta preta engolindo o mundo.


ORA DE ACORDAR, PRINCESA. — A voz de veludo flutuou para mim, distorcida e distante. A dor percorreu o meu rosto. Eu gritava em minha cabeça enquanto eu subia pela escuridão. Perdida, tão perdida. Mais dor trouxe luz para o outro lado das minhas pálpebras fechadas. Corri em direção a ela, quase incapaz de respirar. Alguém me bateu no rosto com tanta força que ardia. Gostaria de saber quanto tempo que isso vinha acontecendo. Quando eu abri meus olhos, eu fitei o teto de um carro. — Onde estou? O rosto para o lado de Parthalan apareceu acima de mim, seus cabelos negros caindo sobre mim, fazendo cócegas no meu nariz. — Eu estava começando a ficar preocupado. — Ele sorriu. — Eu quero você acordada para a próxima viagem. Ele olhou para cima, balançou a cabeça. Alguém me agarrou pelos tornozelos e me puxou para fora do carro até a minha bunda cair na calçada. Um deles me vestiu com um vestido de algodão azul idêntico ao que eu tinha arruinado. O pensamento de suas mãos em cima de mim enquanto eu dormia me fez querer descascar minha pele fora e subir em um tanque de água sanitária.


Um vestido não seria a minha primeira escolha das artes de fuga, mas pelo menos eu não estava mais semi-nua. Meus olhos não funcionavam muito bem, jogando fora o meu equilíbrio enquanto eu me esforçava para os meus pés só para tropeçar novamente de joelhos. Ainda sem sapatos, no entanto. Ótimo. Rourke sentado em uma pedra ao meu lado, rindo. Deus, eu odeio esse cara. Sebastian saiu da porta do motorista e encostou ao carro, olhando como se tivesse disparando agulhas para mim. Eu inspecionei seu rosto pelos danos que eu poderia ter feito, mas eu não encontrei nenhum. Piedade. O céu, como uma mancha de sorvete de arco-íris, lançando um brilho de cor de rosa por cima de tudo. Amanhecer. Há quanto tempo eu dormi? A grande questão: Por que eu dormi? Esfreguei os olhos e examinei o meu redor. — Por que estamos no Grand Canyon? — Eu perguntei com uma voz sussurrante e incerta. Como é que chegamos aqui tão rápido? — Estou prestes a levar você para casa. — Parthalan saiu do Suburban5, arrastando Garret pelo braço. O menino choramingou, sua testa desbotada para o branco. — Aqui? A Cidade Negra é no Grand Canyon? — Esforcei-me para os meus pés novamente, determinada a permanecer ereta. Rourke compartilhou um olhar alegre com Parthalan, que jogou Garret para o chão. Cantarolando para si mesmo, Parthalan enganchou o braço em volta do meu pescoço e me puxou para o resto do caminho até a borda do penhasco. Pedras pequenas e grandes alinhadas na borda de cada lado de nós. Ele parou, puxou-me na frente dele e apoiou o queixo no meu ombro. Minhas sobrancelhas se uniram enquanto eu olhava para o buraco aberto na terra diante de mim. — Você está pronta para ficar comigo por toda a eternidade, minha querida? Merda. Pânico sacudiu pela minha espinha. Eu fui em sua direção, os meus pés apoiados para encontrar aquisição sobre a rocha. Minha mente 5

Um carro, no estilo limusine.


apreendeu, e tudo virou uma sombra pálida mais do que o normal. — O que você está fazendo? Você me perseguiu todo esse tempo apenas para me jogar de um penhasco? Você está uma merda de insano! O vento no meu cabelo, jogou alguns fios contra o meu rosto. Então abaixo. Não olhe, sua idiota! Eu não gostava de altura. Não, risque isso. Altura me petrifica. Adrenalina queimou pelo meu corpo, e eu perdi o controle dos meus pulmões. Um desejo para o toque de Liam tomou conta de mim. Você está vivo? Onde você está? A mesma visão que eu tive no carro me ultrapassou. Eu podia sentir o cheiro da floresta de novo e ver olhos amarelos brilhantes. Olhos de pássaro. A cabeça branca de penas virou um pouco e olhou bem para mim como se me ouvisse. — Hora de ir. Minha visão rebateu a borda quando Parthalan me empurrou um pouco mais. A borda não estava mais de dois metros de distância. Meu dedo do pé nu chutou uma pedra que deslizou pelo chão. Ela tilintou e caiu para baixo da face do penhasco pelo que pareceu uma eternidade. Um gemido tremeu nos meus lábios. Não! Eu não vou o deixar fazer isso. Eu não vou falhar com você, mãe. Após um momento de hesitação, eu fui de peso, desfalecendo, caindo de joelhos. Ele vai vir comigo ou vai me deixar ir. Ele me segurou mais apertado, mas eu escorreguei por entre os dedos no chão, tão perto do abismo que parte dos meus joelhos ressacou. Joguei meu corpo para o lado com tanta força que eu enfiei minha mão contra o seu joelho. Um grito de guerra explodiu até minha garganta. Seu joelho angulou não natural. Parthalan gritou e se inclinou. Ele me pegou pelo tornozelo enquanto eu batia, mas ele me arrastou para trás. Eu chutei e agitei sem sucesso – um rato puxando contra um motor de trem. Garret fez um movimento na minha direção, mas Rourke bateu um punho em toda a volta de seu pescoço. Ele caiu. — Sorte para você que eu curo mais rápido do que a maioria. — Parthalan estremeceu quando ele me puxou para os meus pés de novo. — Eu


admiro a sua tenacidade, mas para isso, haverá consequências. Que consequência poderia ser pior do que cair um quilômetro e criar uma poça vermelha no chão do Canyon? Tomei uma respiração. Ele deu um passo mais perto da borda, me empurrando junto na frente dele. Virei-me para encará-lo, olhei para aqueles olhos impiedosos e deixei que ele visse o medo nos meus. — Atire em mim, arranque minha cabeça, arranque meu coração, que seja, não faça assim. Por favor. Outro passo. A pedra ruiu sob meu calcanhar. Eu me apertei mais perto dele, minhas pernas tremendo. — Por favor! Passo. Eu segurei na borda pelos meus dedos. O vento no meu vestido e cabelo. Não é suposto que eu termine desta forma. Ainda não. Liam. Arrependimento me encheu. Eu nunca receberia seu toque de novo, nunca teria o seu espírito me enchendo com sua essência inebriante. A culpa sobre o rei matou, guerreou com a minha parte que queria perdoar Liam. — Por que você está fazendo isso? — A primeira lágrima quente deixou meus cílios e caiu no meu rosto fresco. A doença escura enchendo minha alma. Parthalan colocou um beijo prolongado na minha testa. — Porque eu posso. Eu olhei para ele e não encontrei nada, apenas a insanidade fria olhando para trás. Ele vai fazer isso. Oh, Deus! Ele jogou o peso para mim, riso histérico correndo de seus lábios. Nós caímos. O vento soprava em torno de nós, roubando o fôlego. Eu perdi o meu domínio sobre ele, ofegando e gritando, balançando os braços e pernas como um nadador se afogando. A pressão do vento contra os meus ouvidos enviou dor pela minha cabeça. O chão se aproximava incrivelmente rápido. Sinto muito, mãe. Sinto muito. Minha direção mudou em um instante, como se um ímã atraísse os meus


pés em direção ao penhasco. Um momento depois, bati em algo duro. Minha cabeça me disse que deve ser uma direção diferente do que o limite de pedra cinza acima de mim. Pés trajando sapatos pretos brilhantes caminhando em minha direção, e o restante se agachou. — Você gostou da viagem? — Parthalan usava um sorriso travesso, seus olhos brilhando de tanto rir. Meus punhos enrolados doíam por bater na cara dele, mas eu os segurei contra o chão de mármore preto. — Onde estamos? — Minha voz tremeu. — Nós caímos... Como nós chegamos aqui? Tentei ficar de pé, mas a tontura me enviou para a parede duas vezes. Eu desisti e me sentei. Rourke apareceu um minuto depois com um Garret desfalecido nos braços, e Sebastian caiu logo depois. Será que eles abandonaram o limite? O olhar no meu rosto deve ter sido bom, porque Parthalan e tanto Rourke caíram na gargalhada demente. Sebastian olhou para mim com um sorriso de escárnio. — Atravessando o portal para a Cidade Negra pode ser um pouco irritante... E a mudança para esta realidade tende a perturbar o equilíbrio por um tempo. — Parthalan enxugou as lágrimas divertidas. — Se alguém tentar entrar sem minha permissão, o portal simplesmente os deixa cair para a morte. Brilhante, não acha? Brilhante, não era a palavra que eu usaria. Insano, talvez. Fodido com ‗F‘ maiúsculo, certamente. Fazia sentido. Apenas as criaturas débeis mentais como Parthalan consideraria se jogar para o Grand Canyon com apenas uma chance de desembarcar em um lugar esquecido por Deus. — Leve-a para meu quarto e diga para Althea e Willa vesti-la com algo mais... — Parthalan coçou o queixo. — Provocador? — Rourke ofereceu. — Eu estava pensando em algo escandalosamente promíscua, mas provocante é bom. — Ele deu um tapinha no ombro de Rourke e se agachou ao meu lado novamente. — Nosso momento está quase chegando, finalmente, minha querida. — Ele me beijou, mas eu fiquei rígida, enquanto


sua língua insinuava seu caminho entre meus lábios. Vômito dentro da minha boca seria mais satisfatório. Com seus lábios ainda pairando sobre os meus, ele acrescentou. — Esta é geralmente a parte onde você me devasta. Talvez a viagem foi mais difícil para você do que pensei. Perdoe-me? — Perdoar você? Você tem que estar brincando comigo. — Encontrei aqueles olhos de vidro com toda a fúria e ódio que eu tinha em mim. — Talvez você não seja tão bom quanto você pensa que é. Rourke parecia uma garrafa de refrigerante que havia sido bem agitada, sua tampa mal segurando. Garret largado contra a parede. Sua pele tinha uma tonalidade verde, seus olhos querendo calar a minha boca. Sebastian girou as chaves do carro no dedo, aborrecido ou nervoso, eu não poderia dizer qual. Os olhos de Parthalan se dilataram. Pensei ter visto chamas negras ardentes atrás deles, antes que ele se virasse e os colocassem sobre Rourke. — Não quero que nada de mal aconteça com ela. Não falhe a respeito disso. Ele se levantou, alisou as mãos pelo seu terno e puxou os dedos pelos cabelos ondulados, antes que ele desaparecesse pela porta de madeira mais alta que eu já vi. — Você pode andar? — Rourke desfilou em minha direção. — Se isso significa que você vai manter suas mãos assustadoras em mim, eu vou, e ainda faço piruetas e cambalhotas. — Eu usei a parede para me levantar. Meu cérebro me disse que eu iria oscilar, mas como eu coloquei um pé na frente do outro do piso de mármore frio, ele acreditou no que meus olhos disseram. Rourke murmurou algo que eu não entendi quando ele abriu as portas. Ele olhou para mim. — Apressem-se, então, todos vocês. Eu dei dois passos do lado de fora antes do meu queixo cair, e eu estiquei o pescoço para olhar para o céu. — É água? — Um líquido roxo agitado movia acima de mim. — Lindo, não é? — Rourke olhou com reverência. — Nosso céu, congelado em uma noite perpétua. Não é líquido. São as almas dos nossos antepassados remanescentes para proteger e nos guiar. Virei-me para dizer que ele deveria ter esquecido de tomar seus remédios, mas algo me chamou atenção antes que eu pudesse falar. Lutando para voltar


para a porta, eu gritei: — Que porra é isso? — Uma massa escura no céu envolta em névoa girando parado, e se eu não soubesse melhor, seus olhos estavam fixados brilhantes cor de laranja para mim. Meu coração fez o seu melhor para se libertar do meu peito. Sebastian bateu em mim quando ele entrou. Minha cabeça se virou e eu gritei. — Cuidado —, ele latiu enquanto ele se retirava. — Está tudo bem, Lila. — A voz mansa de Garret veio do meu lado. Ele apontou para o céu. — Isso é Bain, senhor do Sluagh, os guardiões da Cidade Negra. Faça o que fizer, não o chame de Sluagh na sua cara. Chame-o de anfitrião. Um vulto escuro feito de uma fumaça espessa cinza no chão. Eu esperava ver uma mancha de sangue na estrada quando a névoa clareasse, mas sim eu encontrei uma criatura envolta em preto. Ele estava rígido. Estranhos olhos alaranjados me olhando por baixo do capuz. Eu não conseguia ver o seu rosto, e arrepios subiram pela minha coluna. Penas pretas escovando debaixo do seu capuz. — O que é isso? — Bain sibilou dos lábios que não soaram enquanto eles foram projetados para o idioma inglês. — Boa noite, M‘lord Bain —, Rourke disse. — Meu rei pediu que sua rainha fosse levada para seus aposentos. A cerimônia será em duas horas na sala do trono. — Ela vai trazer dor aqui, dor e luz. O anfitrião não gosta da luz. — Tenho certeza que o meu rei vai ouvir sua queixa, M‘lord. Bain acenou com a cabeça sutilmente, me estudou por muito tempo. Meus pés me levaram para trás até que eu bati na parede. Que explodiu no céu liquido, um foguete escuro com asas gigantes estourou da fumaça para levá-lo mais alto até que eu não pude mais vê-lo. Eu caí em silêncio por um momento. — Bem, você não vê isso todo dia. O que ele é, exatamente? Garret veio para o meu lado. — Eles são Fae caídos. Meu pai disse que eles recuperam os que morrem e enterram-nos no Cemitério Cargun no lado Slugh da cidade. Quando eles se levantam novamente, eles são mortos-vivos.


Mais eles tem uma versão mais suave do seu poder. — Vá —, eu disse. — Evite morrer na Cidade Negra. — Você não tem que morrer aqui para que eles te peguem. Eles voam fora dos montes dos países das fadas durante a noite à procura de qualquer um que pode levar a sua fantasia. — Rapidamente, ele acrescentou. — Eles não levam muitos Seelie, apesar de tudo. Se ele quis dizer isso para acalmar minha mente, não teve muito êxito. — Não é o seu pai olhando para você? — Rourke fez uma careta para o jovem Fae. — Mesmo que não seja ele, se perca. Os olhos de Garret refletiam a preocupação e medo, mas eu acho que ele temia por si mesmo. Eu fiz algo que eu nunca fiz. Eu o abracei. Ferozmente. — Vá —, eu sussurrei. — Eu vou ficar bem. — Seu toque me confortou, e levou um grande esforço para libertá-lo. Ele foi, mas não antes de olhar para trás algumas vezes. — Eu sabia que Bain reclamaria sobre algo —, Rourke murmurou para si mesmo, balançando a cabeça. — Maldição da minha porra, existência. Eu ri. — Se eu não soubesse melhor, eu diria que ele assustou uma merda fora de você, Rourke. — É bom saber que alguém poderia colocar o anormal em seu lugar. A luz queimando enquanto ele se aproximava de mim. — A Cidade Negra detém o poder o suficiente para que eu possa jogar você pelo ar. Eu poderia fritar você onde você está antes que alguém pudesse me parar. Engasguei com o resto do que ele queria dizer. — Sim, é bom saber. — E eu vou vê-la se ajoelhar na minha presença uma vez que Parthalan se elevar acima de Fae como um Deus. — Ele se virou e começou a descer a rua de paralelepípedos. — Vamos lá, essa merda nos atrasou. Eu pensei sobre voltar pela porta, mas sem a minha luz, Rourke me teria em sua misericórdia – não um lugar que eu queria estar. Eu segui atrás dele, o meu olhar correndo em volta para as silhuetas escuras de prédios de ambos os lados da estrada. Os lobos trotavam por entre eles e formavam linhas subindo e descendo as ruas – como espectadores de um desfile da meia-noite. Será que eles mergulharam sobre o penhasco para chegarem até aqui, também?


Certamente que não. Então, novamente, eles fizeram um trabalho para Parthalan. Se eu tivesse que mergulhar de um penhasco ou tiver meus ossos fundidos por ele, eu escolheria o salto também. Os olhos atentos ambarinos fizeram arrepios pela minha coluna, mas continuei caminhando para frente, corri para alcançar Rourke, que acelerou bem e murmurava para si mesmo. Algo se moveu próximo a um dos edifícios, por isso parei. Olhando para um tapume escuro não me trouxe o mais próximo do conhecimento de que foi feito – de nenhum material que eu já tinha visto antes. Isso se expandiu e contraiu como se respirasse. Duas janelas acima do buraco negro de uma porta com luz de velas tremeluziam. Isso está apenas... Piscando? Apertei minhas mãos contra a superfície fria, sem saber como eu cheguei ao seu lado. — Isso está vivo —, eu disse. — É suave, como escamas de cobra. Rourke surgiu ao meu lado, olhou para o edifício, então para mim como se nunca tivesse me visto antes. Seus olhos ampliaram. — O que... — Ele agarrou meu pulso e me puxou de volta para o meio da rua. — Nós temos que ir. Agora. E não toque em mais nada. — Mas como é que um edifício respira? E aquilo piscou, ou piscou para mim, ou... Alguma. — Cala a boca e anda! Eu tropecei ao longo de seu alcance. Felizmente o toque de Rourke não me afetava da mesma forma do que Liam. Toda a cidade tinha uma batida de coração de sua própria pulsação sob os meus pés. Mais e mais prédios passando, as paredes de seus tórax subindo e descendo, as janelas seus olhos atrás de mim, piscando de vez em quando. Eles me reconheceram. Eles viveram para mim. Eu não sei como eu sabia, mas eu sabia. Nós subimos uma colina gradual e paramos diante de um vasto conjunto de escadas. Elas conduziam para a base de um castelo de pedra que se estende bastante para o céu. Liam me disse para parar. No instante em que pensei nele, eu peguei


outro vislumbre dessas penas brancas navegando no céu ‗sorvete‘. O que eu estou vendo, Liam? Será que ele ainda vem por mim? Oh, inferno. Agir, não fazia parte da minha lista de competências, e eu nunca contei a ninguém antes. Por que, depois de uma noite fumegante na cama, de repente eu me preocupo com ele? Eu precisava esquecê-lo. Eu tinha problemas mais urgentes. Rourke subiu os degraus, e eu segui atrás dele. A pedra cantava sob os meus pés como se fizesse cócegas pelo meu toque. Na metade do caminho até as escadas, Rourke abaixou e gritou. Colei-me a pedra, os olhos varrendo a área ao nosso redor, mas eu não encontrei nada, apenas Rourke se contorcendo em torno de alguns passos acima de mim. Ele golpeava o ar como se algo o tivesse agarrado. — Corra! — Uma voz baixa e distante gritou para mim. — Agora, antes que a ilusão desapareça. Após um momento de busca, eu encontrei em pé Garret com um homem barbudo. Eles estavam em uma torre no castelo acima de mim, — Corra, pelo amor da Deusa. Agora! Eu queria dizer que ele não precisava me dizer duas vezes, mas aparentemente ele fez. Eu subi meu vestido e corri. Descendo os degraus, tropeçando duas vezes antes de consegui voltar para a calçada e corri na direção em que viera. Se eu pudesse voltar para a sala, talvez eu pudesse encontrar uma saída. Lobos inundaram a rua como um arco-íris – cinzas, brancos e negros. Foda-se. A massa fervia e rosnava, um ensopado de dentes e peles. Adrenalina pegou os meus pés e os impulsionou em outra direção, passando pelos degraus e em direção a uma parte da cidade sem luz, exceto pela luz púrpura sobrecarregada da piscina do espectro. Eu gritei quando foguetes de fumaça dispararam por cima e empilhou na rua na minha frente. Mais dos caras Sluagh assustadores. Duas vezes foda. Eu corri entre dois dos edifícios escamosos, mas encontrei dois lobos e mais velozes, encapuzados, fechando esse caminho. Quando saí, os animais encobertos na rua formaram um semicírculo ao meu redor. Acabei contra a parede de uma grande casa, acariciando minhas mãos sobre ela em um movimento suave.


Um dos menores Sluagh fez um som estranho e gutural, seguido pelo assobio baixo. Eu pensei que talvez eles estivessem falando em qualquer língua que eles usavam. Outro passo a frente, um Sluagh maior com olhos – como os de água, a cor da água do mar do Caribe sobre uma praia de areia branca. Ele respondeu a um curto, com uma serie de curtos, sons ocos. Eles continuaram, para frente e para trás até que minha paciência chegou ao fim. — Quem é você? — Eu me achatei contra a parede e procurei pela base por uma arma ou algo útil. Nada. Figuras. — Eu sou Rodan. — O alto embaralhou mais perto. — O capitão da guarda, e este... — Ele balançou a cabeça para o mais baixo. — É Tobias, tenente. — Rodan inclinou a cabeça. — Isso é verdade? Você carrega o sangue doce, doce da Rainha Arianne? — Meu sangue não é da sua conta, Rodan. Agora, o que você quer? — Por que ele chamou meu sangue de doce? Como ele sabia o nome da minha mãe? Dúvida se espalhou no meu âmago com a velocidade de fogo através de palha seca. Era verdade, o que Liam havia dito? Minha mãe, uma Rainha das Fadas? Isso me faria... Mãe amorosa do inferno! — Veja —, o menor assobiou. — Ela é um problema. Mate-a agora, a enterre no pátio dos ossos. Tome-a para os seus próprios, e use-a para recuperar a Cidade Negra. Pegue de volta o que é legitimamente Sluagh. De jeito nenhum. Sobre o meu cadáver. Esse era o ponto, eu supunha. Pense, Lila, pense! Se eles odiavam os Unseelies... Havia possibilidades. — Quero que o rei morra, tanto quanto você —, eu disparei. Os seis Sluagh congelaram diante de mim abaixando seus mantos negros. Eles me ouviram? Os lobos passeavam tranquilamente para cima nos farejando. Todas as cabeças dos Sluagh estalaram para o lado, olhando para a rua como se um único cérebro controlasse todos eles. Minha cabeça apertou sob o impulso magnético. O Homem de Vidro se aproximava. Sua fúria carregada pelo vento sufocada pelo nevoeiro. — Tire-me daqui, e eu vou ajudá-lo. Eu juro —, eu disse a Rodan. — Não! — Tobias gritou. — Entregue-a. reivindique-a antes que seja tarde demais.


Os mármores de água de Rodan liquidaram em mim. Embora eu não pudesse ver o resto do seu rosto, o amassado nos cantos dos olhos traiu seu sorriso. Isso forçou uma nova energia em meu corpo. Engoli em seco quando a pressão em minha mente aumentou. Os lobos gemiam e andavam. O que eu podia fazer? Eu não tinha poder para lutar contra eles, nenhuma arma, e nenhum lugar para correr. Onde você está Liam? Esse lampejo de penas apareceu novamente com um vislumbre de dor. — Leve-a para o pátio dos ossos e mate-a. — Rodan apontou um dedo retorcido, para mim Foda-se.


M MAR DE SLUAGH encapuzados correu para mim. Eu caí para trás através da parede esponjosa da casa. — Que diabos? — Eu recuperei a minha posição sobre o azulejo escorregadio preto. Será que a casa apenas... Engoliu-me? Quando eu coloquei a minha mão contra a superfície vermelha, tinha solidificado novamente, tão suave quanto às escalas exteriores. Cumes corriam pelo comprimento do espaço, nas entranhas de uma besta. Eu me virei em busca da fonte de luz piscando na sala. Um lustre de ferro forjado preto continha dezenas de velas brancas penduradas no centro. Cera escorria e seca ao redor da base como a pele derretendo. Um sofá de couro preto gigante estava no meio da sala, rodeado por duas poltronas brancas e uma cadeira de balanço perto da lareira. Delgadas cortinas pretas penduradas nas janelas. — Lila. — Parthalan rugiu para além dos muros. Enquanto minha mente girava por situações de fuga, asas trovejantes e lobos latindo enviando vibrações pela casa. Eu disparei em volta da sala com os meus dedos entrelaçados no meu cabelo para que ele permanecesse fora do meu rosto. — E agora?


Como se a casa tivesse me ouvido, uma escadaria surgiu do chão ao meu lado e que se estendia até o segundo andar. Bacana. Eu entendi como Alice se sentia, mas em vez do País das Maravilhas, eu me sentia como Hades sobre ácido. Eu fui até as escadas. No topo das escadas, os olhos da janela ao longo das paredes azuis fecharam, apagando o céu roxo. — Ok, cara inteligente, e agora? — Ótimo, agora eu estou falando com uma casa. O barulho fora ficou mais alto. Semelhante ao piso inferior, móveis escassos preenchiam grande espaço aberto: uma cama com cobertas de cetim branco, um tapete preto, e outra poltrona branca semelhante à sala de estar. Não havia imagens enfeitando as paredes, e nada mais indicava que alguém vivia aqui. Uma explosão abalou o edifício. Restos bateram em todo piso térreo. Eu pulei, tropecei e caí sobre a cama. A casa estremeceu e gemeu. — Como você ousa desafiar o Rei! — Sapatos de Parthalan remendado da sintonia de um diabo no andar de baixo. — Devolvê-la a mim, ou eu vou queimar você. Meus olhos se ampliaram enquanto eu procurava uma fuga. — Abra sua janela de novo, e eu saltarei. — A janela à minha esquerda piscou aberta. Um dos Sluagh pairava fora, o exaustor jogador de volta para revelar um bico denteado preto saindo de um rosto alongado. Grandes olhos vermelhos saltavam acima dele, e penas pretas parcialmente cobertas de pele branca. — Ok ideia, ruim. Feche-as novamente. Escolher o diabo, ou seus lacaios? Eu não gosto de qualquer escolha, mas a opção ‗c‘ não tinha se apresentado ainda. Meus pensamentos se voltaram para Liam, que ele de alguma forma mantenha sua promessa de vir para mim. Ridículo. Eu me dei um tapa mental. Não há tempo para contos de fadas. Sapatos de Parthalan clicando subindo as escadas. — Você não pode detê-lo ou algo assim? — As vibrações abaixo de meus pés mudaram. Levei um tempo para perceber que a casa estava tremendo de medo. Fui até a parede e acariciei minha mão sobre a superfície lisa. A janela à minha direita voou líquido claro escorrendo pelo canto. — Oh, não chore —,


eu sussurrei. — Por favor, não chore. Sinto muito. — Como tocando? — Parthalan fluiu sobre o topo das escadas como um vento furioso. — Na cidade por dez minutos e já fez um amigo. — O olhar ameaçador no seu rosto não corresponde a suas palavras. O olhar disse que ia me machucar, e ele se divertir. Eu não me movi, não disse nada. Eu olhei para ele e mantive as mãos contra a parede porque parecia me confortar tanto quanto a casa. — Você resiste a seu Rei, a cada passo, me desafia, me insulta, me humilha, e agora você de alguma forma despertou essas criaturas depois de séculos de dormência só para seduzi-las a se voltarem contra mim. Virei meu rosto para a parede quando ele se aproximou. Despertados depois de séculos? O que isso significa? Ele estava tão perto que sua respiração doentia invadiu meu cabelo e nas costas do meu pescoço. Eu tremi e não inteiramente de medo. Quando eu desloquei para a direita, ele me prendeu contra a parede com seu corpo. Ele apertou o rosto contra o meu ouvido. — Não tem nada para me dizer? Imagino você de joelhos, implorando meu perdão. — Eu acho que você ficaria terrivelmente desapontado se eu tivesse chegado em silêncio. Silêncio. Eu segurei minha respiração e esperei que a dor viesse, mas nada aconteceu. Ele caiu na gargalhada. Meus músculos contraídos. Por que ele está rindo? — Você me conhece bem, minha querida. O desafio me manteve entretido durante todos esses anos. Eu me concentrei em manter meu corpo para que não assumisse o meu medo. Então... Que isso significa que ele não ia derreter minhas entranhas? — Mas para a sua maldade, eu prometi há Rourke algumas horas com você amanhã, depois que nós apreciarmos a nossa noite de núpcias. Eu pulei quando Parthalan fixou uma algema em volta do meu pulso, do tipo que fechava com cadeado. Porra! Eu chorei quando ele pegou o meu outro braço e prendeu os dois atrás de mim. — Isso vai atrapalhar se você de alguma maneira conseguir escapar de novo.


Ele me puxou pelo braço em direção a escada e virou para a parede. — Eu vou lidar com você mais tarde. O ferro minou energia através da minha pele. — Deixe isso, é apenas uma casa. — Nada é exatamente o que parece aqui. Além disso, qualquer um que ficar contra mim deve cair. — Ele cuspiu uma risada escura quando ele me orientou a descer os degraus. — Exceto por você, é claro. Por agora. Por agora? Lambi os lábios secos. — Por que você me escolheu? E o que acontece agora? — Os antepassados me disseram que um nasceria entre os Seelies que seria igual a minha energia. Senti a primeira vez que você usou aquela luz deliciosa de vocês. Você estava com treze anos, apenas a beleza de uma flor. Os espíritos me disseram que se eu a trouxesse aqui, eles iriam me conceder um acasalamento perante a Deusa, que quando ela visse o nosso potencial como um par, ela nos abençoaria com presentes de ambos as Cortes. — Ele me jogou dos dois últimos degraus. Caí de joelhos. — Mas eu decidi esperar até que eu pudesse matar a rainha primeiro. Então você seria só minha para comandar em vez de nós dois servindo como suas marionetes. A casa continuou tremendo, fazendo com que o lustre balançasse para trás e para frente. Cera derramando pingos opacos para o quadrado preto. Eu pulei para os meus pés e me virei para enfrentá-lo. — Ambas as Cortes? Então, Seelie tem dons diferentes do que você faz? — Nós somos presentes da natureza, a partir da Deusa. A capacidade de mudar, de ter um animal para comandar, controle de um elemento, até mesmo de se regenerar após a morte em si. Existem muitos para citar, na verdade. Eu recuei até que eu bati na parede. Os olhos de Parthalan devorando minhas pernas enquanto ele rebolava na minha direção. — E o Seelie? — Eu rangi. Ele riu. — Com medo, e você ainda me questiona. Forte. Maravilhosa. — Ele suspirou e afastou alguns fios de cabelo do meu rosto. — Você e eu temos um poder similar. A maioria dos poderes Seelies tem a ver com a visão do passado ou futuro – cura, vôo, psicocinese, e outras ninharias inúteis. Força de Vontade é um poder único entre os Seelies, daí o meu interesse em seu pai.


Fiz uma careta, olhei para o lado e cerrei os dentes por que eu não ia descarregar uma torrente de palavrões para ele. As paredes gemeram. Eu pesquisei a ferida aberta que Parthalan fez no lado da casa. O que deveria ser madeira lascada e gesso pareciam mais carne e osso. Um buraco foi lançado do chão ao teto. Líquido negro escorria e se agrupava abaixo. — Como você fez isso? — Distrações não vão te salvar das minhas perguntas sempre, minha querida. — Ele seguiu meu olhar. — Esse é o trabalho de Rodan, capitão da minha guarda. Seus talentos vieram a calhar ao longo dos séculos, e agora ele segue minhas ordens, ao invés da infernal rainha. Que já foi tarde. — Ele disse a última frase como se tivesse provado algo amargo. Pensei em lhe contar que o seu capitão leal o havia traído, me solicitando morta, mas decidi salvar esse petisco para mais tarde. — O que é o líquido escuro correndo fora das paredes? Não pode ser... Sangue. — Eu diria que está morrendo, mas não rápido o suficiente para mim. Gelo subiu a minha espinha. — Você não pode simplesmente deixar isso morrer. Um vinco formou em sua testa. — Por que eu iria salvar um traidor da Corte Unseelie? Por que ele tentou me salvar? Porque ele está vivo e merece ficar desse mesmo jeito que eu não sei exatamente o que é? Essas respostas eu ganharia umas zombarias e alguns olhos laminados, então eu encolhi os ombros. Parthalan estudou o meu rosto de tão perto que eu só pude ver seus olhos hipnotizantes. Demorou algum esforço, mas eu segurei seu olhar. Ele sorriu como se tivesse encontrado o que estava procurando. — Você realmente é macia sob uma casca dura. — Ele cheirou ao longo da minha pele, gemendo. — Talvez nós pudéssemos fazer uma barganha? Eu lutei para respirar em sua sombra gelada. — O que você quer? — O que estou disposta a desistir para salvar algo que eu não entendo? — Apenas uma ninharia, realmente. Um beijo, talvez, nos únicos lábios Seelie Sidhe que podem dar. Para ouvir você falar as palavras de que eu venho


tendo dores para ouvir de seus lábios. Eu podia engolir meu orgulho para conseguir? O preço não era tão alto quanto eu temia, e que iria salvar uma vida. — E você não vai deixar esta casa... Morrer se eu fizer isso? — Eu dou minha palavra que não vou destruí-la. — Um sorriso vitorioso arqueou de seus lábios. — Isso não é bom o suficiente. Eu te conheço melhor do que isso. Você não pode destruí-la, ninguém pode destruí-la, e você também tem que curá-la. Isso me rendeu uma jogada de olhos. — Bem, bem, o que você desejar. — Diga isso. Você não pode destruí-la ou mandar alguém destruí-la, e você terá alguém a curando se você não puder fazer isso sozinho. Depois de uma expiração irritada, ele repetiu. Ele andou para um sofá preto e desabou. Sorrindo da forma como homens fazem quando está admirando a vista, ele abriu os braços no encosto e tamborilou os dedos ao longo do couro. — Vem agora, minha querida. Vamos compartilhar o momento em que foi roubado de dentro do carro. Eu hesitei, incapaz de me descascar a partir do conforto da parede. Como eu poderia tocá-lo sem se deixar levar? Ele provavelmente quer provar que ele ainda tem algum efeito fisiológico sobre mim, mas eu tenho que me manter sob controle. Pensando em afogar cachorrinhos e velhos enrugados, eu fui até ele. Parei. — Levante-se. Eu não vou sentar em você novamente. Ele revirou os olhos. — Você concordou. — Concordei com um beijo, não me entregar. Levante-se, e eu vou fazer bem a minha promessa. Depois de alguns huffs e uma visão suja, ele se moveu para fora do sofá e ficou na minha frente. Nós éramos da mesma altura, aumentando a intimidade, mas pelo menos os meus pedaços femininos não iam ser pressionados contra ele. Suspirando ele acariciou minha bochecha, enquanto ele olhava para mim. Seu toque ainda me dava alguns solavancos, mas nada comparado como ele costumava ser. Nada comparado ao toque de Liam. Pense nele. Só desta vez. Eu relaxei um pouco, mais no controle do que eu jamais estive com Parthalan.


— Agora me beija e resolva isso. — Retire isso para que eu possa fazer direito. Ele ponderou por um momento, deu de ombros. — Acho que não importa. — Ele cavou uma chave do bolso dentro do seu paletó e abriu minhas algemas. Eu flexionei e relaxei meus dedos até eles funcionarem corretamente novamente. Um gemido escapou de Parthalan quando eu deslizei meus dedos ao longo de sua mandíbula forte. Eu não fiz isso por causa da intimidade, mas porque eu queria controlá-lo. Levou tudo que eu tinha para não vomitar quando eu inclinei e coloquei meus lábios contra os seus. Energia se espalhou entre nós, mas não me libertou e me comeu como normalmente fazia. Beijei-o suavemente. Quando estava me afastando, ele passou a mão na minha cintura, apertou-nos juntos e agarrou um punhado do meu cabelo. Ele me beijou com força, invadindo-me com a língua. Eu gritei em sua boca quando ele me empurrou contra a parede. Sua pele brilhava, e a minha respondeu com um arco-íris de cores fraco. Quando ele começou a empurrar a barra do meu vestido para cima, virei minha cabeça. — Pare! Você disse só um beijo. Sua respiração soprou em meu ouvido em puffs irregulares. — Você é uma provocação. O toque da carne Seelie é como nenhuma outra, tão quente e suave, seu perfume é tão doce. E o seu poder... — Ele gemia e lambia minha pele. — Não finja que você não quer isso, que você não sente que não vamos ser acasalados perante a Deusa. Pode um Fae ser acasalado duas vezes? Eu estava começando a ver por que Liam não queria lhe dizer. Fogo se espalhou através da minha carne; meu pulso acelerou. Não é tão ruim quanto eu temia, mas eu precisava ir embora. — Nós devemos esperar —, eu soltei. — Guardar toda essa energia para mais tarde, na cerimônia. Você não acha? No começo, ele continuava puxando a minha roupa, mas desistiu e desabou sua cabeça para baixo na minha. — Eu suponho que você está certa. Vamos dar a eles uma visão que ninguém viu antes e nunca o verá novamente. — Ele me soltou e estabeleceu a sua rotina: Terno, gravata, e deslizando a


mão no cabelo como de costume. O que ele quis dizer com ‗eles‘? Conhecendo Parthalan, sexo estaria envolvido, apesar de que Liam disse que não era necessário. O pensamento torceu meu estômago, enviando ácido na minha garganta. Uma espécie de ritual deve anteceder a consumação da cerimônia. Esfreguei meus braços, desesperada por um pouco de sabão e água para lavar o cheiro dele. Eu tive um desejo insuportável de jogar minha pele fora. — Agora —, ele disse quando terminou de se ajeitar, — ajoelhe-se diante de mim. — O que? Oh, inferno. Eu não vou fazer isso. Ele inclinou a cabeça para trás e uivou uma risada. — Eu amo tanto a sua mente suja. Esta é a segunda parte do nosso negócio, apenas palavras, a menos que o humor golpeie você ainda mais. — Ele levantou uma sobrancelha. Quando eu não fiz, o brilho voltou, ele continuou. — Agora se ajoelhe diante de mim. Você deu sua palavra. Quebrando o juramento você terá consequências terríveis. Agora ele me diz. Não que eu tivesse qualquer intenção de recuar, ao menos. Carrancuda, me ajoelhei na frente dele, dobrando a saia do vestido sobre meus joelhos. Seu olhar deslizou para baixo no topo do meu vestido. — Agora, repita comigo. Eu sou sua, meu rei. Meu cérebro apertou. Toda vez que eu tentava cuspir as palavras, se transformavam em ganchos farpados em minha garganta. Meus braços tremeram, e meus dedos se enroscaram em punhos enquanto eu olhava para suas coxas. Merda, merda e mais merda. Parthalan mudou seus pés. — Diga! Eu abri minha boca várias vez, mas não saiu nada. — Eu sou... Rourke tropeçou através do buraco na parede e caiu ao nosso lado. Pela primeira vez, fiquei feliz em vê-lo. Suas palavras saíram através de respirações ofegantes. — Meu Rei, por favor, me perdoe. — Agora? — Parthalan jogou as mãos para cima. — Sério? Será que eu me cerquei de nada mais que pestes desmiolados? — Oh! — Rourke sorriu, levantou-se e escovou pedaços de escombros


de suas calças pretas. — Ela jurou a si mesma para você tão cedo? Você me decepcionou, Lila. Mesmo o seu próprio povo irá chamá-la de traidora agora. — O que? — Eu me levantei, olhei para Parthalan. — Então, apenas por dizer essas palavras, você é meu dono? Ele lançou um olhar de fogo em seu peão, que encolheu. — Ela teria se você tivesse me dado mais uma porra de tempo. Rourke gaguejou algumas vezes. — Foi Garret e seu pai, Donovan. Lançaram uma ilusão em cima de mim. Um dragão. Ele me queimou. — Ele ergueu os braços como se para nos mostrar as marcas carbonizadas, mas elas eram tão suaves e pálidas como antes. A sombra em torno de Parthalan pulsou e se espalhou como uma nuvem de fumaça em torno de nós. Um vento repentino levou seu cabelo acima de sua cabeça e seus olhos cintilaram com fogo azul. — Eu não posso confiar em ninguém além de mim, parece. Vou levar Lila para a minha câmera e lide com eles sozinho. — Você jurou curar esta casa —, eu disse. Rourke virou sua expressão chocada em direção ao seu rei. Parthalan lançou um olhar malicioso em minha direção. — Você não cumpriu sua parte do negócio. Deixe isso apodrecer. — Bastado mentiroso! Ele encolheu os ombros. — Eu já fui chamado de coisa pior. Resmungando para si mesmo, Parthalan fixou uma corrente sobre os meus pulsos. Eu gritei e puxei tarde demais. Ele me colocou sobre seu ombro enquanto eu desencadeava uma tempestade de maldições para ele. Ele resmungou, e seus músculos endureceram debaixo de mim enquanto ele atravessava o buraco para a rua. Eu não me preocupei em lutar, uma vez enfraquecida pelas correntes. Eu tinha que pegar o inferno fora do mundo de Parthalan, mas havia alguns detalhes que eu precisava saber primeiro, como – porque o pai de Garret me ajudou?


ARTHALAN ME CARREGOU subindo os degraus do castelo e esperou na frente das portas imponentes em forma de arco. Quando elas se abriram um momento depois, ele cruzou o limiar e me jogou no chão de mármore preto. Rodan, e o resto dos Sluagh que eu vira na rua fora da casa, entraram depois de nós e fecharam a porta com um estrondo retumbante. Parthalan se virou para Rodan, sua voz um comando de respeito. — Faça uma chamada para o resto das tropas. Traga Garret e Donovan para mim imediatamente. Faça. Não. Falhe. Comigo! Rodan mergulhou sua cabeça em um aceno. Seu capuz preto não fez nada para esconder o desprezo em seus olhos. Ele deu sinais manuais sutis, e vários de seus irmãos deslizaram para fora da porta. Subi aos meus pés e olhei para o teto muito acima de mim. — Algo está se movendo lá em cima. — Quando eu olhei mais perto, toda a extensão fervia preto e prata. Eu voltei para a porta. — Não, arranhe isso. Um monte de coisas está se movendo lá em cima. — O que é isso? — Esses são os Bean Sidhe —, Parthalan disse. — Alguns os chamam de


banshee, animais de estimação do Sluagh. Eles mantêm uma vigilância atenta sobre a Corte. Melhor não incomodá-los. Devia haver milhares, mas a forma como se contorcia em torno do outro parecia difícil dizer. Rostos de mulheres flutuavam em trapos negros, mas eles não tinham olhos, apenas buracos onde deveriam estar e bocas escancaradas. Meus olhos se ampliavam a cada segundo. Minhas mãos atadas tateou a maçaneta da porta atrás de mim, mas acabei agarrando o tecido ao invés. Eu fiz um som quando eu me virei e encontrei Rodan com o seu bico preto me encarando. Quando eu recuei, eu pensei ter pegado diversões em seus olhos de água do mar. Meu coração tentou subir na minha garganta. Parthalan me olhou, riu. — Oh, eu amo ver você se contorcer, minha querida. — Vá para o inferno —, eu sussurrei sob a minha respiração. — Rodan, leve Lila para meus aposentos e mantenha guarda na porta. O capitão deu aquele sutil aceno de novo, mas ele continuou me encarando. Seu rosto enrugado até ao redor dos olhos como se ele sorrisse em algum lugar na sombra. Isso não pode estar acontecendo. O cara morto-vivo assustador precisava de apenas um momento para tirar meu pescoço, e sem a minha luz, eu não podia me defender. Eu procurei pelo Salão por alguém ou algo que pudesse ser útil para mim. Nada além do que lixos Unseelie e o cara ‗penas‘ esperando. Lancei um olhar para Parthalan. Pela primeira vez, eu o considerava o menor dos males. — Eu gostaria que você me levasse. — Eu me enfiei de volta para o rei Unseelie, balançando os quadris com entusiasmo fingido. Ele ficou rigidamente no seu lugar, me olhando com a testa franzida. Depois de alguns momentos de hesitação, os ombros achataram, e ele deslizou o braço em volta dos meus ombros. Parthalan levantou uma sobrancelha esculpida quando ele me levou para longe do salão cavernoso e por um corredor largo forrado com o mesmo mármore negro como a entrada. Trepadeiras grossas serpenteavam ao longo do teto e por todos os lugares – brilhantes linhas de esmeralda sobre o pano de fundo escuro. Pequenas flores amarelas apareciam em aglomerações.


Um ponto sobre o meu ombro revelou Rodan andando conosco à distância, olhando-me como se soubesse o que eu planejava fazer quando Parthalan e eu estivéssemos sozinhos. Alguns dos outros Sluagh pulavam e serpenteavam atrás dele, e alguns dos banshess rastejavam ao longo das paredes e teto. Seus pedaços de roupas misturadas com o mármore. Exceto pela pele pálida de seus rostos sem olhos e as mãos nodosas tateando cegamente ao longo da superfície, eles eram invisíveis. Eu reprimi um tremor e virei para frente novamente. Se eu tivesse que escolher entre se tornar um dos Sluagh ou ir com Parthalan, eu escolheria este último. Eu poderia influenciá-lo com um pouco de paquera e toque. Eu precisava descobrir como usar isso para minha vantagem. Paramos na frente de outra porta de madeira. Parthalan se virou e agarrou meu rosto com as mãos. Apesar da vontade desesperada de se livrar dele, eu fiquei lá e forcei um sorriso. — Eu não posso te dizer como isso me excita quando você começou a me abraçar. — Ele me beijou suavemente, traçando meu lábio superior com a língua. Eu encontrei o contraste entre o psicopata e seu lado suave perturbador. — Bem vinda à suíte nupcial. — Ele abriu a porta com um floreio e me levou para dentro. Eu limpei a sua baba quando ele ficou de costas. Quando Rodan se aproximou da porta, eu a fechei em seu rosto com o meu ombro e virei. — Eu preciso falar com você... Meu Rei. — Me amordace. O maior quarto que eu já vi estendido diante de mim. O teto pairava alto, semelhante ao hall de entrada, com exceção feito a partir de vidro. O céu líquido lançando uma sombra estranha no quarto. O edifício pulsava com vida debaixo dos meus pés descalços. — Eu não tenho muito tempo, mas vou ouvi-la, minha rainha. — Amordaça-me duas vezes. Ele deitou em uma cama enorme, revestida com cetim vermelho. Vigas de madeira escuras se erguiam dos quatros cantos, suportando uma estrutura aberta no topo. Teia de aranha vermelha e hera pendurada em um desenho recortado, algo que eu esperaria se alguém fizesse um filme pornô de princesa. — Você não pode deixar o Sluagh para me proteger —, eu soltei quando


ele me chamou para ficar ao seu lado. — Ele se sentou, olhou para mim como se eu tivesse mudado minha pele. — Por que não? — Rodan deu uma ordem para matar e me enterrar no cemitério poucos antes de você aparecer na casa hoje à noite. Outra, Tobias, o encorajou. Ele disse que o Sluagh poderia me usar para derrubar o Unseelie e tomar de volta a sua cidade. Ele se retirou da cama. — Você está acusando o meu guarda fiel de traição? — Ele segurou seus braços duros e retos em seus lados. — Eu lhe dou o meu juramento, que isso é verdade. Parthalan balançou a cabeça, enrolou o lábio em um rosnado e andou. Dez passos para a parede, dez passos para trás. Suas mãos gesticulando como se sua cabeça enfatizasse pensamentos cheios psicóticos. No seu quinto passo, eu disse. — Você vai fazer um buraco no chão, se você continuar. Eu pensei que você disse que estava com pressa. — Eu precisava que ele saísse da minha frente para eu pudesse encontrar Donovan. Um som fraco me fez virar. Tive um vislumbre de duas mulheres espiando em torno de uma porta em frente da cama antes que elas desaparecessem novamente. O espaço em que elas se esconderam parecia ser um banheiro ou um vestiário. — Se verdadeiro ou não, eu não posso correr o risco. Hoje não. — Parthalan olhou para o chão e coçou o queixo. — Mas eu preciso ser cauteloso, ou eles vão trazer a guerra sobre mim de qualquer maneira. — Ele olhou para mim, algo estranho reunido em seus olhos. Eu nunca o vira com medo antes. Virei-me para que ele não pudesse ver o meu sorriso. — Willa! Althea! As duas mulheres surgiram, a primeira andava a passos largos ousados. Seu cabelo longo pendia passando sua cintura, balançando enquanto ela caminhava. Ela usava uma saia vermelha baixa em seus quadris cheios. No topo, ela usava algo semelhante a um sutiã. O jeito que ela olhou para Parthalan me fez querer vomitar. Finalmente entendi como ele achava que as mulheres o adoravam, ou pelo menos como ela fez. A necessidade em seus olhos me fez evitar que o calor se alargasse


para fora e me queimasse. A outra mulher, mais baixa e mais volumosa, olhou ao redor da porta. Depois de um olhar, profundo cauteloso, ela penetrou no quarto. Seu cabelo loiro areia estava em duas tranças sobre os ombros. Ambas as mulheres tinham enormes olhos castanhos, mas ela tinha os cílios que faria a maioria das mulheres ficarem com inveja – espessos, ondulados e escuros. Ela usava uma roupa semelhante à outra, só que seus seios transbordavam no sutiã e o azul brilhante substituiu o vermelho. Assim como o calor nos olhos da outra me fez afastar, o medo nela me chamou, me deu vontade de alcançá-la e escondê-la do monstro do quarto. Saia vermelha se aproximou de Parthalan. — O que você deseja, meu rei? — Ela perguntou com uma cadência grossa irlandesa enquanto ela deslizava sua mão na frente de sua calça. Ele puxou seu braço à distância e empurrou para trás. — Agora não, Althea. Prepare o banho de Lila e a vista para a cerimônia de união. Você sabe o que eu gosto. Você tem uma hora. Com um sorriso, ele se moveu para mim, mas Althea agarrou seu braço. Seu rosto contorcido de raiva. — Sua? Sim, irá assumir a Seelie como seu cão de estimação? Parthalan revirou os olhos, se virou para Althea. Ele lançou um riso debochado no rosto da mulher. — Como você pode perguntar isso? Porque eu não desejaria a carne Seelie e desejaria o poder de um mero selkie6? — Uma mera – coragem sua! — Seus olhos castanhos escureceram para preto. — Você me tratou como sua rainha, me levou para sua cama. Eu dei tudo que um rei poderia querer. Agora esta chega, e eu não sou nada para você? — Ela lançou um longo dedo em minha direção. Uma pequena mudança na postura de Parthalan se transformou em algo pior, algo mais imponente se possível. — Para sua insolência, vou destruir sua pele. O mar será perdido para sempre. Althea arfou e caiu de joelhos, apertando o rosto contra as pernas e o apalpou-o. — Perdoe-me, meu rei. Eu só quero sua felicidade. A Seelie não o deseja da maneira que eu faço. Eu não. Eu não quis... 6

São criaturas mitológicas encontradas em ilhas, podendo se transformar em humanos.


Com um tremor irritado de sua cabeça, ele se virou e desapareceu atrás de mim, mexendo nos meus grilhões, até que eles caíram no chão. A fraqueza que causou em meus braços começaram a diminuir. Ele reuniu o meu cabelo em suas mãos e o empurrou para o lado, beijou o lado da minha garganta. Um arrepio correu pela minha pele. — Para controlar os fracos basta apenas um Fae menor, mas para controlar os fortes, para controlar o que não será controlado – agora é uma emoção digna de um rei. — Ele respirou no meu ouvido, ao longo da minha mandíbula. Eu segurei meu corpo rigidamente e resisti à tentação de esfregar a minha pele. — Eu estarei esperando. A porta se abriu e se fechou atrás de mim. O ar dos meus pulmões expeliu reprimido. Quando eu foquei na mulher que estava ajoelhada do outro lado do quarto, seus olhos estavam incrivelmente amplos como se alguém tivesse golpeados entre eles com um martelo. — Como ele pôde? — Ela gritou. — Eu vou matá-lo, eu vou. Vou arrancar seus malditos olhos. — Eu disse que não encontraria felicidade. — A mulher de vestido azul – Willa disse – falou com uma voz suave, angelical. Ela lançou um olhar cauteloso para porta antes de se pendurar em torno da mulher aos prantos. — O que ele quis dizer sobre a pele? — Me aproximei. Willa colocou um dedo sobre os lábios para me calar e continuou sussurrando, os olhos correndo para a porta de vez em quando. — Nós somos selkies. Somos chamadas de Elementais da Água pelos Sidhe. Sem nossas peles de foca, estaríamos presas em terra seca, deixadas para morrer seca em vista do mar grande da Deusa. — Então, vocês se transformam em focas, como focas reais com aquelas peles...? — Eu nunca li essa lenda antes. Willa assentiu com a cabeça enquanto ela passava a mão suave sobre o cabelo de Althea. — O rei nos tomou de modo que ficamos. Disse que se nós mostrássemos o nosso valor, ele nos deixaria ir. — Ele mente, Willa. Não importa o que ele diz, se ele é o dono de uma parte de vocês, vocês nunca irão ver isso novamente. Há quanto tempo vocês estão aqui?


Seu tipo de expressão se voltou para tristeza. Eu queria ter que olhar para fora de seus olhos. — Como prisioneiras, uma vez que ele se casar com a rainha. Mais seis meses. Eu balancei a cabeça, sabendo que eu tinha que adicionar mais um item à minha lista de coisas a fazer. — Eu vou ajudar vocês se eu puder, mas eu preciso de vocês para me ajudar primeiro. Althea surgiu do chão como se algo tivesse a erguido. — Ah, vá ah! Por que a Seelie que ajudar ‗pessoas como nós‘? — A expressão dela não podia compor sua mente entre a esperança e o desprezo por mim. — Os Fae não fazem nada, apenas cospe nos selkie e nos usam como putas. Eu apontei um dedo em sua direção. — Eu nem sei o que significa ser Seelie, assim você vai ter que perdoar a minha ignorância se houver algum tipo de história entre você e eles. E eu vou ajudar vocês, porque ninguém deve ser tratado como escravos, especialmente por Parthalan. Agora o suficiente sobre isso, não temos tempo. Enquanto você me veste para esta coisa, eu preciso que me diga tudo o que você sabe sobre Donovan, o pai de Garret, e leve uma mensagem para ele, se puder.


OCÊ TEM que estar brincando comigo. — Eu estava na frente de um espelho de corpo inteiro no vestiário do Parthalan. — Eu pareço uma Barbie pornô. Uma meia calça preta abraçava minhas pernas. Por cima da meia arrastão, eu usava brilhantes botas de vinil preta com saltos prata. Elas faziam minhas pernas parecerem um quilômetro de comprimento. Ligas pretas pendiam na meia, e um fio dental vermelho minúsculo cobria minha parte feminina, deixando minha bunda para a brisa. Um espartilho rosavermelho apertava minha cintura que eu mal podia respirar e esmagava os meus seios. — Acha que está demais? — Willa continuou enfeitando o meu cabelo. Metade estava em uma trança e o resto pendurado nas minhas costas em cachos dourados. Althea fez uma pausa de sua tarefa e andou para as prateleiras infinitas de roupas ao longo da parede mais distante. Ela colocou as mãos nos quadris. — Nós cobrimos você, tanto quanto ele permite. Sabendo que ele, não queria nada, apenas a calcinha vermelha. — Eu acho que eu devia agradecer a vocês, então —, eu disse. Eu nunca


vi um quarto tão grande dedicado para vestir. As roupas de Parthalan pendiam em um armário gigantesco através de uma porta ao lado da penteadeira. Montes de maquiagem e acessórios para o cabelo cobriam a superfície de mármore, e alguns tinham caído ao chão, espalhando pó rosa por todo o azulejo brilhante. Todas as roupas que ele tinha feito para mim eram mais adaptadas para um bordel em atendimento. Um riso à minha esquerda atraiu meu olhar longe do espelho. — Oh, inferno. — Revirei os olhos e procurei por algo para me cobrir, mas não encontrei nada, apenas minhas próprias mãos. — O que você quer? Veio para se vangloriar, muco? Rourke ficou me olhando da porta. Notei algo diferente em seus olhos, alguma coisa mais suave. Seria orgulho? Não. Ele riu, um som diferente do que o seu latido normal. — Você sempre fala com Rourke assim? As duas riram atrás de mim. Apertei os olhos e aproximei dele. As roupas eram diferentes: Calças pretas, um negro botão baixo na camisa e um casaco vermelho ornamentado com bordados dourado nos ombros. Seus cabelos haviam sido bem arrumados e fixados com uma fita vermelha amarrada em uma curva. — Por que você está falando sobre você na terceira pessoa? — Eu procurei o que eu tinha perdido e que as meninas achavam tão engraçado, mas eu não vi nada óbvio. A fita desapareceu, e seus cabelos em um estilo mais curto, com leves cachos castanhos. Em seus olhos apareceu um pouco de redemoinhos amarelo em vez de prata. Um cavanhaque brotava no queixo, ombros mais largos, e ele havia crescido uns dois centímetros. Meu queixo caiu. — Você é Donovan, o da torre. Como você fez isso? — É o meu poder. — Seu rosto divertido e relaxado. — Eu posso criar ilusões que vão além do glamour Fae normal. — Astucioso. Mas... Onde está o Rourke real? Ele abriu um sorriso satisfeito. — Eu o fiz pensar que eu era você e o atraí até a cela. Ele provavelmente ainda está acorrentado à parede, esperando para que você possa o colocar em algo mais... Sedutor. — Ele me olhou, revirou os olhos e balançou a cabeça.


Eu bufei. — Você o quê? Por que ele iria ser tão estúpido? Ele sabe que Parthalan o mataria se ele fizesse algo assim. — Você conhece o nosso Rourke? — Althea perguntou. — Prometa-lhe um pouco de dor e ele segue as indicações como se fosse um gatinho depois de lamber um creme. — Nós todos gememos e balançamos a cabeça. — Por que você me parece tão familiar, Donovan? — Eu me movi para perto dele. — E por que você me ajudou lá na escada? — Te disse cara —, Althea disse. — Ela não perde tempo com presentes. — Eu vejo isso. — Ele sorriu, enviando calor pelo meu corpo. O calor de um lar. Virei-me para Althea. — Como você o encontrou? — Tive sorte. Ele me encontrou enquanto eu estava procurando Willa. — Ela piscou para ele e se afastou. Eu coloquei a minha atenção de volta para Donovan. — Quem é você realmente? Ele desviou os olhos por um momento. — Eu pensei que eu nunca ia conhecer você. Eu pensei... Todos nós pensamos que você morreu quando Parthalan o rodou de mãos vazias. — Nós vamos... — Willa agarrou Althea e elas saíram pela porta. Ele me ofereceu sua mão, e eu a tomei-a com uma sensação instantânea de confiança. Isso era novo. — Parthalan poderia ter me levado dezenas de vezes, mas ele brincou comigo e foi embora. — Porque ele queria você por si mesmo. Eu vejo isso agora. Se ele transformou até a rainha, ele não seria capaz de matá-la tão facilmente. Eu juro que nenhum de nós viu isso chegando. Eu procurei você tantas vezes, mas... Parthalan é melhor rastreador do que eu. Sinto muito. Ele colocou a outra mão por cima da minha. Seus olhos tristes viajando por todo o comprimento do meu braço até que pousou no meu rosto. Eu rangi quando ele me puxou para frente e passou os braços ao meu redor. Sua respiração raspando enquanto ele trabalhava para manter a calma. — Você parece tanto com sua mãe. Eu congelei. Levou algumas tentativas para encontrar o ar para falar. —


Você é meu pai. Ele me empurrou para fora dos seus braços, continuou com as mãos nas minhas bochechas. Ele assentiu. Uma única lágrima percorreu sua pele de marfim escuro. Eu a peguei na ponta do meu dedo. Parte de mim escrevera-o como um produto da imaginação da minha mãe, um sonho que nunca existiu verdadeiramente. A outra parte de mim o reconheceu desde o lugar em minha alma, ele sempre esteve comigo. — Então isso significa... — Garret é seu irmão. Recuei, minha visão oscilando. — Eu só preciso de um minuto. — Andei, meu pulso voando em uma emoção, enquanto eu pensava sobre isso. Durante anos eu me perguntei como ele se parecia, que tipo de pessoa ele teria que ser para conquistar o coração da minha mãe. Eu estive perto dele por alguns minutos, e eu já sabia por que ela o amava. Ele irradia bondade e carinho, uma presença reconfortante de um mundo frio. Uma parte que não faz qualquer sentido. — Se Garret é meu irmão... Ele deve ter uma mãe diferente. — Eu amava a sua mãe com cada parte de mim. Fomos secretamente acasalados perante a Deusa após a guerra Fae. — Ele beliscou o topo do nariz como se revivendo uma memória dolorosa. — Nós não tínhamos filhos facilmente apenas alguns casais conseguem produzir filhos. Arianne e eu... Fomos abençoados com Milo – prometeu trazer o maior número que podíamos para o mundo. — Mas... Quantos anos Garret têm? — Quinze. As engrenagens no meu cérebro guinchavam a um impasse. — Eu estaria com cinco anos de idade. Eu saberia se minha mãe estivesse grávida. — Ela usou o mesmo glamour que ela usou para mudar sua aparência e fazer você acreditar que sua pele e os olhos parecessem humanos. — Mas... — Eu balancei a cabeça. — Por que esconder a gravidez e as minhas irmãs? Donovan puxou uma cadeira da mesa da penteadeira e fez sinal para me sentar. Depois de olhar para ele sem encontrar sinais de engano, eu me sentei. Ele se ajoelhou diante de mim.


— Arianne conheceu e amou todos vocês a partir do momento da concepção. Ela sabia que Garret deveria se parecer Unseelie, como eu, e ele ficaria melhor crescendo entre nosso povo. É difícil para um Fae viver feliz fora dos montes das fadas. Minha mãe parecia bastante feliz. Ela não? Eu tentei ser paciente enquanto eu esperava pelo resto. Quando não veio, eu fiz uma careta para ele. — Isso não explica por que ela o escondeu de mim, e mudou minha aparência, e não me diga que ela era uma rainha, e que éramos todos Fae e, provavelmente, todos tinham algum tipo de poder. Ela tinha vergonha de mim? Donovan segurou minhas mãos e as aninhou no meu colo. Ele colocou a testa para baixo sobre elas por um momento antes de olhar para mim de novo. — Sua mãe, Abigail, o que vocês chamavam de Nan, emitiu a profecia. — Sua voz mais grossa e calma, como se ele falasse palavras proibidas. — Uma criança de cabelos dourados nasceria Seelie com o poder de uni-los novamente. — E por que minha mãe pensou que fosse eu? Ele sorriu. — Sua mãe nunca ‗pensou‘ minha doce criança. Ela sabia que você era única, ela podia sentir seu poder fluindo através de seu corpo enquanto ela carregava você. Ela fugiu de Dun Bray para mantê-la segura. Os Seelies crescem fracos e vão, tão presos em aparelhos modernos e apresentações que eles esqueceram os seus deveres a esta terra. Sua mãe queria que você conhecesse a Deusa com seus próprios olhos, para comungar com suas criaturas e seus povos e fazer seus próprios julgamentos intocados de Fae de qualquer Corte. Ela conhecia Greisha, a Rainha Unseelie, que ouviu da profecia e enviou para você. Arianne não esperava que os seus poderes se manifestassem tão cedo ou que Parthalan a encontrasse tão rapidamente depois. — Ele olhou para baixo. Fiquei imaginando o que ele não queria que eu visse em seu rosto. — Ela nunca sonhou que Parthalan colocaria fatos em movimento para destruir os humanos. Se ela tivesse, eu acho que ela teria preparado melhor. — Ela poderia ter, pelo menos, me dito quem eu era. — Eu engoli a raiva para baixo. Dormência varreu meu núcleo. — Liam me disse que ninguém o


quer porque ele é um mestiço. Então é isso que eu sou também, certo? — Não importa. Ninguém nunca vai saber a menos que você diga a eles. — Ele olhou para mim com adoração paternal e colocou um fio de cabelo atrás da minha orelha. — Você e eu somos Fae, apenas sabemos da verdade. Tirei minhas mãos para trás e me afastei. Talvez por isso nenhum dos Sidhe Seelie me encontrou. Eles precisam saber, também. — Isso não é verdade. Tenho certeza que eles procuraram por você, como eu fiz. — Seus olhos me encontraram novamente, assombrados. — Além de nossa família, ninguém viu um em cada vinte anos. Isso significava que todos os Seelie estavam mortos? Eu esfreguei meu estômago para acabar com a agitação. — Por que é tão errado levar o sangue de ambas as Cortes? O que há de errado comigo? — Um estúpido, conflito de séculos, isso é tudo. E eu acho que você está esquecendo o fato mais crucial. Uma criança de sangue mista é mais poderosa do que qualquer pessoa que veio antes. Você, Lila. Você pode unir as Cortes de novo. — Ele se levantou e encostou-se a penteadeira, lançou um olhar firme para mim. — Pode devolver civilidade para os seres humanos. Pode demorar séculos, você pode ter que derramar sangue para ver isso feito, mas se alguém pode fazer, é você. Você fez até agora com nada, apenas sua própria força de vontade e tenacidade. Eu tenho fé em você. — Isso faz com que um de nós... — Eu tranquei. — Parthalan está prestes a me ligar a ele. Eu já falhei. — Será que Parthalan pode ser capaz de saber que eu já estou acasalada com Liam? — Não diga isso! Você não falhou. Vá para a câmera e espere. Você vai sair daqui esta noite, assim como você é, a Rainha de direito da Sidhe Seelie. Minha testa franziu. — O que você está planejando fazer? — Nós não temos tempo. Eu preciso fazer... — Não. Eu preciso de você para fazer algo por mim, e eu não quero você perto de Parthalan. Ele sabe que foi você quem distraiu Rourke nos degraus. Ele vai te matar. — Você não tem a teimosia de sua mãe, mocinha. — Seu sorriso realizado de tristeza. — Eu farei o que for preciso. — Ele ergueu a mão quando eu abri a minha boca novamente. — Agora me diga o que deve ser


feito. Tentei encará-lo, mas eu não podia. Eu suspirei. — As peles das Selkie... Você sabe onde Parthalan as mantém? — Presas no armazenamento refrigerado poucos andares para baixo, por quê? — Você pode chegar lá sem levantar suspeitas? Um sorriso curioso curvou seus lábios. — Eu não posso, mas Rourke pode. — Então, por favor, pegue as peles e ajude as meninas a saírem deste lugar. Eu vou descobrir alguma coisa de Parthalan. Eu não posso sair daqui até que eu saiba que elas estarão seguras. Orgulho inundou seus olhos novamente. — Agora você parece com sua mãe. — Ele me beijou na testa. — Altruísmo. — Se você diz. — Eu hesitei, tropeçando nas palavras algumas vezes antes de cuspi-las. — Só mais uma coisa antes de ir... Os prédios, eles... — Eu grunhi em frustração e mexi no espartilho. — Se eu disser, você vai pensar que eu estou louca. — Eles vivem para o que eles reconhecem como seu verdadeiro Monarca, seu protetor e conhecedor. Eu acenei com ele. — Isso não significa. Seus olhos escureceram. — Será que Parthalan sabe? — Ele destruiu um deles quando isso me comeu mais cedo, então sim, acho que ele sabe. Donovan acenou com a cabeça e abriu a porta do quarto de Parthalan, seus lábios apertados. Quando ele passou, ele disse: — Não fique chateada com ele. — Fechou a porta atrás dele. Quando suas palavras afundaram no meu cérebro aturdido, eu segui atrás dele e gritei: — Ficar com raiva de quem? — Mas ele já tinha passado pela porta externa para o corredor. A doença agravou no meu estômago enquanto eu caminhava para o quarto e me sentava em uma cadeira perto da lareira. Willa parou no final da cama com babados da princesa. — Quanto tempo até que eu tenho que ir? — Eu perguntei. Ela veio e se ajoelhou ao meu lado, me olhou com aqueles olhos grandes


derivados de foca. — Quinze minutos. O que está para acontecer agora? — Donovan trará suas peles aqui, e então ele vai tirar você e Althea daqui. Althea parou de alisar as cobertas na cama e se virou para mim, sua boca aberta em choque. Do jeito que ela babava em Parthalan, eu me perguntei se ela realmente queria ir. — O que eu quis dizer é, ‗o que está acontecendo?‘ Eu ri, uma explosão histérica. — Eu não tenho ideia do que vai acontecer. Eu acho que Donovan tem algo em mente, mas... — Você está com medo por ele. Eu não podia falar, então eu assenti com a cabeça. Ela enrolou suas mãos em torno das minhas. — Eu vou me preparar melhor, então. — Ela apertou minha mão por um momento e sorriu enquanto se levantava. — O selkie ‗esqueceu o que você disse.‘ Enquanto se afastava, doeu para que ela voltasse e segurasse minha mão novamente. Um sentimento ridículo que me sacudiu. Não há tempo para desmoronar agora. Eu encontrei meu pai. Eu precisava encontrar uma maneira de sair da cerimônia sem ele morrer. Eu nunca escapei de Parthalan uma vez que ele me tinha em suas mãos, mas tinha que fazer isso dessa vez, mesmo se eu tivesse que... Matá-lo. Meu peito apertou. Matar de propósito conduziria por uma estrada escura e escorregadia que eu jurei nunca mais viajar. Para salvar o meu pai, eu quebraria cada uma das minhas regras.


ATERAM NA PORTA do quarto de Parthalan dez minutos depois que Donovan saiu. Dois guardas Fae entraram, vestindo a mesma roupa preta com as capas vermelhas e douradas que Donovan usava. Seus sapatos pretos brilhando. — Eu gostaria de usar uma túnica até eu chegar lá, Willa. — Olhei em volta no batente da porta do closet. O espartilho vermelho apertado, e a meia coçava minhas pernas sob as botas de vinil. Meus lábios formigavam, com um pegajoso, batom vermelho brilhante. — Como você desejar —, o menor dos dois guarda, disse. Ele tinha o cabelo verde floresta pendendo em traças e uma pele com tom de café. Seus olhos de cristal realizado com manchas de hortelã. Ele parecia simples com uma camiseta. Willa deu de ombros, uma carranca puxando seus lábios carnudos. — Desculpe. Tenho certeza que ele gostaria de ―mostrar o seu prêmio‖. Bati um punho contra a porta e derrubei minha cabeça por um momento antes de cruzar meus braços sobre o peito e andar o resto do caminho para o quarto. Se eu tivesse o poder de Donovan, eu me faria parecer com um corcunda cheio de verrugas e me arrastaria até a torre de sino mais


próxima. Os olhos do outro guarda esbugalharam como se pudesse saltar e rolar para um olhar mais atento. Eu olhei para ele. Seu cabelo curto parecia escuro no início, mas quando eu olhei mais perto, eu encontrei alguns tons de ameixa. Ele limpou a garganta, fez uma pequena reverência. — Prazer em servir você, minha rainha. — Sua voz profunda e suave acalmada. — Eu não sou sua rainha. — Eu não podia ser tão rude como eu queria ser. Quem diria que um Fae poderia ser útil mais tarde? — Prazer em conhecer os dois. — Meus quadris rebolando enquanto eu caminhava em direção a eles. Botas malditas. Não admira que as mulheres que usavam isso sempre caminhavam como prostitutas, eu não poderia ajudá-las. — Como você se chama? Cabelo verde se atrapalhou com a maçaneta da porta, enquanto seus olhos me verificavam. Quando ele conseguiu abri-la. Ele gesticulou para eu sair com uma varredura dramática de seu braço. Ele gaguejou algumas vezes antes de falar. — Eu sou Lochlann, e este é Cas. — Ele limpou a garganta, e seus olhos me deixou um favor. Ele ganhou um pouco do meu respeito por isso. Eu mantive o meu sorriso estampado e passei por eles, balançando a cabeça como se eu desse a mínima. Os lábios de Cas arrancaram um sorriso torto, patético. Concentrando-se na dor crescente em meu abdômen, segui Lochlann ao longo do corredor largo. Eu tentei evitar minha mente da tarefa impossível adiante e as consequências de que eu falhei. Liam estaria lá se houvesse sobrevivido. Dúvida deslizou em torno das minhas entranhas e me enojou. Lochlann rebolava como se tivesse tentando manter o contato com alguém que tinha uma passada muito mais a frente. Cas seguia atrás de mim. Caminhamos ao longo de um labirinto infinito infestado de videiras e até um lance de escadas. Meus pés queixando das botas. Considerando que eu nunca havia usado saltos antes, era um milagre que eu pudesse andar em tudo. — Onde estão àquelas coisas banshee negras que se arrastam ao longo do teto? — Eu perguntei quando não pude mais suportar o estalido das minhas botas. Um assalto constante de pensamentos veio para mim. E se eu


não pudesse parar isso? E se o plano de Donovan não funcionar? Como eu poderia suportar Parthalan me tocando daquele jeito de novo? E se ele me usar para destruir o que resta do mundo humano? Um tremor correu através de mim. Ajuda-me, mãe. Dá-me força. — Nosso rei enviou todos os Sluagh para fora em uma tarefa. — Lochlann olhou para mim por cima do ombro. — Ele enviou os banshee com eles. Suave, Homem de Vidro, muito suave. Eu não podia suportar o peso do olhar do Cas por mais tempo, então eu parei e virei com as minhas mãos em meus quadris. Onde mais eu podia colocar as minhas mãos nesta roupa? Cas congelou. Seus olhos estavam fixos para o lugar onde a minha bunda estava exposta. Eu olhei enquanto a sua pele ficou de bronzeada escura para vários tons de vermelho. — Gosta do que ver, Cas? — Eu perguntei. — Eu... Perdoe-me, minha rainha. — Ele olhou para o chão. Lochlann pisou duro e deu um tapa no jovem Fae ao lado de sua cabeça. — O que você está fazendo? Se Parthalan o pegar olhando-a assim, ele limpará você do chão com um esfregão e balde. — Eu duvido. — Eu soltei um grunhido de frustração. — Qualquer coisa que me humilhe parece agradá-lo. O que há de tão fascinante afinal? Isso é apenas pele normal. Cas ergueu o olhar, esfregou a cabeça onde o outro guarda tinha batido nele. — Não há nada de comum com a sua pele. Eu não pude evitar, o seu nu... — Ele parou, e apareceu alguns tons mais de rubi pelo seu rosto, enquanto gesticulava para o meu traseiro novamente. — Eu nunca vi nada como isso, e eu nunca encontrei um Sidhe Seelie antes. Eu sinto que eu preciso te tocar para ver se você é real. Uma gargalhada explodiu espontaneamente de mim. Lochlann estreitou os olhos para mim. — Você só pode estar brincando, Cas? Você realmente não pode ajudar. Mesmo agora você está olhando para meus seios. — Sua inocência e constrangimento, o tornou querido para mim em um tipo de forma ao


contrário. Cas sorriu e rasgou o seu olhar para longe, mas eu podia afirmar que teve algum esforço. — Vamos! — Lochlann o puxou pelo braço, e ambos andaram na minha frente. Cas continuou tentando olhar por cima do ombro para mim, mas ele ganhou um tapa na cabeça novamente. — Então, por que não podemos fazer essa cerimônia no quarto de Parthalan? — Eu esfreguei os braços nus e revirei meu pescoço. — Ele precisa de um grande palco para representar? Cas virou. — Os membros da Corte não caberiam em seu quarto. Lochlann o agarrou pela garganta e o empurrou na parede. — O quê? — A palavra saiu em um sussurro. — Você está dizendo que ele vai... Na frente da Corte Unseelie inteira? — Não que eu soubesse quantos Fae iriam, mas se o plano de Donovan não funcionasse, então eu não tinha chance de escapar de um rebanho inteiro de fadas. Não admira que ele me queira com pouca roupa para uma humilhação suprema. Meus pés me moveram para trás, e meus pulmões apertaram até que eu mal podia respirar. Eu me virei e, corri, perseguida por Lochlann gritando: — Pare! As botas, me desacelerou no início, mas eu me inclinei para frente e corri com as pontas dos pés. Corredores se ramificaram a poucos metros. Não demorou muito tempo para que eu me perdesse. Quando passadas pesadas se aproximaram, eu disparei e virei à esquina por um corredor. Que cresceu mais escuro e estreito quanto mais eu corria. — Não me faça machucar você! — Lochlann gritou entre suspiros. — Você não pode... — Cas começou. — Feche a armadilha! Virei-me o suficiente para ver o quão perto eles estavam, mas tropecei e caí. Quando eu me levantei, xingando, o rosto de Rourke encontrou o meu. Minhas entranhas contorceram. Prendi a respiração e esperei que o raio me fritasse. Ele piscou. Minha respiração saiu de uma só vez. — Donovan. Você assustou o inferno fora de mim.


— Jogue junto. — Ele girou ao meu redor, passou um braço ao redor da minha garganta e torceu meu braço direito atrás das minhas costas. Lochlann e Cas deslizaram até parar na nossa frente, olhei para o chão. — Tenho certeza que o rei vai gostar de saber que vocês dois falharam novamente —, Donovan disse em cadência assustadora de Rourke. — Vão agora. Lila e eu vamos ter uma conversinha. — Ele me empurrou para frente, e eu tropecei ao longo da sua frente. Tentei mostrar pânico no meu rosto, mas não era necessário. Ambos os guardas mantiveram seus olhos para baixo. Eles se afastaram lentamente, como se todos os movimentos bruscos atraíssem um ataque de uma cobra. Quando eles chegaram ao corredor principal, eles se viraram e correram na direção que estávamos andando. Donovan me deixou ir, e nós andamos lado a lado. — Tolos —, ele murmurou. — Willa e Althea estão seguras? — Eu dei a elas as peles e as disfarcei como lobos. Eu fiz tudo o que poderia por elas. — Obrigada. — Um pouco de tensão aliviou dos meus músculos. — Você as salvou. Eu balancei minha cabeça. — Eu não fiz nada. Ele colocou a mão no meu ombro, me virou em direção a ele. O sorriso do meu pai saindo do rosto de Rourke era perturbador. Orgulho brilhou em seus olhos novamente. — Não seja humilde. E não tenha medo. Nossos planos estão no lugar. — Nossos? Quem mais está ajudando você? Meu pai não respondeu. Parei e fiquei na frente dele. — Quem? Ele desviou o olhar. — Você precisa confiar em mim agora, e fazer exatamente o que eu digo. — Eu não gosto disso. Um riso triste sacudiu em sua garganta. — Nem eu, mas temos de ir agora. — Com um sorriso, ele ofereceu sua mão para mim. Após algumas respirações profundas, eu peguei. — Porque você não pode me disfarçar e me deslocar da mesma maneira? Nós poderíamos sair


juntos, agora. Donovan abaixou a cabeça antes de olhar para mim. — Eu testei todas as saídas deste edifício. Parthalan teve Sebastian colocando uma ala do perímetro em torno de toda a estrutura. Se você atravessar a barreira, Sebastian saberá. — O que são alas? — Isso é um poder de Sebastian. É tipicamente o poder de um bruxo. Há muitos tipos diferentes, mas este é uma espécie de barreira mágica especificamente sintonizada para você. — Bruxos na verdade não existe, certo? — Muitas raças habitam este mundo, minha filha, mas agora não é o momento para isso. Ele estava certo. Sacudi a minha curiosidade. — Como você sabe que há uma ala? E como você sabe que está sintonizada a mim? Quero dizer, você tem certeza? — Minha esperança desvaneceu. — Eu sinto isso, como caminhar através de teias de aranha. Eu não sabia que era específico para você até que eu perguntei a Sebastian sobre isso. — Teias de aranha. — Então foi isso que eu senti naquele dia na fazenda onde eu encontrei Liam. Ele deve ter feito algo para mascarar a sua energia de mim e manter a maior parte dos sons fora. Eu pensei por um minuto, retratando a forma como Liam fechou seus olhos diante dos meus sentidos que voltaram para mim naquela noite. — Eu pensei que Liam tivesse levantado à ala na noite em que Parthalan veio. — Eles devem ter tido um meio metafísico de comunicação entre o grupo. Liam provavelmente disse a Sebastian pra removê-la. Eu balancei a cabeça, um pouco esclarecida e mais confusa ao mesmo tempo. Começamos pelo corredor novamente em silêncio. Poucos minutos depois, chegamos diante de gigantescas portas de madeira que eram pelo menos vinte metros de altura. Virei e parei de tocar Donovan. — Eu estou... — Eu não podia dizer isso. Sua presença me lembrava da minha mãe – um porto seguro onde eu poderia lhe dizer qualquer coisa, de que eu estava com medo, ou deixá-la me ver chorar. Eu não era mais uma garotinha. Eu não tinha raspado meu joelho ou achava que tinha ouvido


um monstro embaixo da minha cama. O monstro já tinha me arrastado para sua caverna escura, e ele esperava por trás daquela porta. Eu precisava ser forte. Donovan passou os braços em volta de mim e me abraçou forte. Meu coração cantava. — Logo você estará livre deste lugar. Você estará livre para ser quem você realmente deve ser, e um dia você pode voltar aqui como rainha. A rainha de todos os Fae. — Depois de me beijar na testa, ele empurrou abrindo as portas e entrou. A visão diante de mim apagou todos os pensamentos da minha mente. Eu fiquei lá pasma, incapaz de me mover. Você tem que está gozando comigo. Uma catedral enorme estendida tão longe que eu não conseguia ver os lados. As conversas em torno do salão batendo em um rugido ensurdecedor, e todos os olhos de cristal viraram para olhar para mim. Tinha que haver milhares, pelo menos. Donovan limpou a garganta. Quando rasguei meus olhos do teto de vidro altaneiro, ele me pediu para ir à frente com a cabeça. Dei um passo e parei quando ricocheteou como um tiro no silêncio. Depois de uma respiração profunda, eu endireitei as costas, levantei meu queixo e andei pelo corredor principal em direção à plataforma elevada na extremidade distante. Eu não daria a Parthalan o prazer de me ver se contorcer por mais tempo do que eu poderia ajudar. Três ornamentados tronos de madeira com cadeiras vermelhas bordadas estavam em cima da plataforma de pedra à distância. Dois bancos enquadrados em ambos os lados. Atrás deles, um vitral estendido da parede a parede, uma versão da Cidade Negra, preenchendo com alguns Sluagh que pontilhavam o céu roxo. Em ambos os lados do corredor, havia pequenos conjuntos de palanques ao longo de um delicado, declive em forma de tigela, assim o mais alto sentado acima da minha cabeça, ainda tinha uma visão perfeita de todo o salão. Corpos preenchiam todos os lugares, todos reunidos em pequenos grupos de Fae vestindo roupas combinando. Principalmente, eles usavam preto com uma cor diferente ou um manto padronizado em suas gargantas.


Alguns usavam chapéus elaborados de contas ou de penas, enquanto outros tinham espadas incrustadas presas a seus lados. Cada cor de pele pintava o salão. Meus saltos estalaram enquanto eu continuei em direção à frente da Corte. Parthalan descansava no mais alto trono na plataforma. Uma perna pendia sobre o braço de madeira, balançando casualmente. O satisfeito, disperso sorriso ao invés de lobo em suas características. Eu olhei para ele. Sebastian estava sentado sobre um dos bancos, frente largada com os cotovelos sobre os joelhos. Seus olhos giraram para mim. A porta caiu fechada atrás de mim. Eu quase arranquei meus saltos e joguei-os na plataforma, ao invés, me virei para encontrar Lochlann e Cas empurrando algum tipo de objeto retangular grosso ao longo do corredor. Um cobertor de veludo vermelho foi jogado por cima e arrastado pelo chão. Donovan pigarreou novamente. Quando eu olhei para ele, envolvido em sua ilusão de Rourke, sua expressão me fez pensar que ele tinha tentado por um tempo chamar minha atenção. Retomei meu curso para frente e andei até eu atingir a borda do tablado em uma grande área aberta. Parthalan sentado dez metros de distância, ainda empoleirado em seu trono. Tensão despertou os músculos das minhas costas. Eu tenho que parar com isso. A plataforma chegou atrás de mim. Os dois guardas ordenadamente colocaram o cobertor e almofadas de cetim vermelho ao redor. Não havia nada debaixo da plataforma, apenas uma laje de pedra grossa. Um altar do sacrifício. Eu fiz o meu melhor para respirar, enquanto eu rasguei o meu olhar da cama improvisada por Donovan, que tinha um olhar feroz em seus olhos de cristal. Ele se virou e deu a volta na plataforma do rei até as escadas, subiu e sentou a direita do trono de Parthalan – onde Rourke normalmente sentaria, eu supus. Ele olhou para o relógio, depois para mim. Meu lado lógico sabia que meu pai estava sentado a poucos metros de distância, mas parte de mim ansiava por ter a segurança de seus braços ao meu redor novamente. Eu me


segurei ainda. — Meu povo. — A voz de Parthalan ecoou no salão. Ele se levantou de seu trono, ágil, real, me observando enquanto ele andava para frente da plataforma, e pulou para o meu lado. — Esta noite vocês irão testemunhar uma união entre dois Fae mais poderosos que já existiu. — Ele andava em círculos ao meu redor, estudei todos os Fae como se fosse um grande insulto para um grupo desconhecido. Ele estendeu os braços, e sua voz aumentou, com cada palavra. — E quando nos levantarmos, ligados, abençoados pela Deusa, vamos limpar o mundo de sua doença! Um rugido de aplausos trovejou. Todos se levantaram, gritando e jogando os punhos para o ar triunfante. Os olhos de Donovan seguiu um circuito a partir de seu relógio para o vitral e voltou para mim. Fiz um gesto para Sebastian com os meus olhos, esperando que meu pai percebesse que ele precisava ser mais sutil. Ele deu um aceno de cabeça pequeno, sentou-se na cadeira e tamborilou os dedos ao longo do braço de madeira. — E agora, minha querida. — Parthalan sorriu para mim. — Nosso tempo chegou, finalmente. — O quê? — Eu rangi. — Quero dizer, já? Não há uma espécie de ritual pela primeira vez com, você sabe... Palavras? — Oh, há um ritual. — Ele riu enquanto traçava meu lábio inferior com o dedo. — Tudo começa quando eu terminar de descascar o último pedaço da roupa do seu corpo delicioso e espalhar sobre o altar como a festa real que você é. Eu consegui não vomitar. Com o coração trovejando, eu dei um passo para trás, mas Parthalan caiu para frente e me agarrou pelos braços. Pensei em implorar. Eu considerei fingir desmaiar ou algo igualmente degradante. Meu orgulho não permitiria isso. Em vez disso, eu segurei seu olhar, minha respiração ofegante em rajadas curtas. Ele me beijou duro, resmungou quando ele me puxou para fora do equilíbrio e me arrastou em direção ao altar. Um Fae gritou, incitando-nos como uma multidão barulhenta em um bar de tetas. Entrei em pânico quando meu traseiro nu pressionou contra o cobertor


de veludo. Eu empurrei minha cabeça para o lado para procurar Donovan. Um silêncio caiu sobre a multidão. O beijo quebrou, e nós dois olhamos para cima. Um redemoinho roxo desceu do teto e nos envolveu em uma névoa gelada. Eu tremi do contraste do calor de Parthalan e o cobertor gelado que nos rodeava. Isso tinha um pulso e falava, mas eu não conseguia entender o que ele dizia. Meu batimento cardíaco diminuiu ao contrário do ritmo amplificado de Parthalan. Nossa pele brilhava azul claro. Um momento depois, a neblina evaporou-se, tomou o brilho da nossa pele e do frio do ar. Parthalan me soltou e segurou os braços. — O que é isso? — Ele gritou para o teto. — Você deu sua palavra. Até mesmo os mortos realizam seus juramentos. — Ele parou por um longo tempo. Sua postura cedeu. Lentamente, ele se virou para mim. A intenção das trevas em seus olhos me fez embaralhar sobre o altar antes de eu olhar para ele novamente. Seu cabelo escuro brilhou ao redor de sua cabeça, e seus olhos se transformaram em fogo azul. — Diga-me, Lila. Diga-me que você não esteve com Liam, enquanto você se hospedou no depósito humano. Eu abri minha boca, mas fechei novamente quando eu não encontrei o ar para falar. Evitar perguntas geralmente me serviu bem, então eu fui com isso. — Por que isso importa? — Diga-me! — Ele bateu com o punho sobre o altar. Isso rasgou ao meio e todo o salão tremeu. Ninguém mais fez um som. — A única razão que os antepassados não nos concedeu uma união é se você já foi acasalada perante a Deusa. — Ele pontuou cada palavra com uma inspiração forte. — Agora... Diga... Me. Antes que eu fique com raiva. Inferno. Se ele não estava com raiva, eu não queria ver o depois. Parthalan andou ao redor do altar. Eu embaralhei para o outro lado para mantê-lo entre nós. — Lila. — Donovan gritou. Minha cabeça rodopiou em busca dele. Ele estava ao lado de Parthalan, mudando seus pés. A porta na minha cabeça abriu. A voz de Liam sussurrou em minha mente. ―Proteja-se. Agora!‖ Eu suspirei. Quando eu sacudi a euforia inicial, eu mergulhei por trás da


plataforma de pedra. Um momento depois, o vitral explodiu atrás da plataforma em uma explosão surpreendente de cor e som. O vidro atingiu Parthalan, jogando-o para trás á poucos metros e para o chão. Ele gritou e agarrou seu rosto, onde fragmentos se projetavam em alguns lugares. Atrás de mim, gritos de dor e terror aumentaram até que o som machucou meus ouvidos. Quando eu olhei para o restante dos Fae, eu não vi nada que pudesse fazer com que eles gritassem e se contorcessem no chão da maneira como eles faziam. Muitos correram para a porta na parte de trás como se fugindo de um monstro invisível, mas que não iria abrir. Alguns permaneceram imóveis no corredor, os olhos vítreos abertos. Outros caídos sobre seus tronos ou bancos, inconscientes, ou talvez mortos – eu não poderia dizer. Alguém me puxou para os meus pés. Eu me virei e o soquei na cara. Garret gemeu e jogou para trás o capuz de seu manto negro. — Merda, eu pensei que você fosse um dos Sluagh —, eu gritei sobre a multidão gritando. — O que está acontecendo? Ele não disse nada enquanto me puxava para o lado mais distante do palanque, os olhos brilhantes. O sangue escorrendo de seu nariz. Um grito, alto comovente explodiu dos lábios de Parthalan. Ele arqueou as costas, onde ele estava deitado no chão, jogou as mãos como se alguém batia nele repentinamente na barriga. Ilusões de Donovan. Quando Garret e eu saímos do palanque, Donovan passou para o lado. Liam ficou entre os confetes de vidros no chão, ainda nu, ainda bonito e sem uma marca nele. A visão dele facilitou uma dor que eu não tinha notado em torno do meu coração. Donovan acenou para mim, correu em direção de Parthalan, os olhos fixos sobre algo além da multidão. — Vamos! — Liam gritou. Eu nunca estive tão feliz em ver outra pessoa na minha vida. Eu corri e me joguei em torno dele. Ele me arrancou e me sacudiu. — Não há tempo, temos que ir. — O que aconteceu com a janela? Como você chegou aqui?


— Agora não! — O que devemos fazer? Ele me arrastou pelo braço em direção à janela, enquanto eu procurava por cima do ombro por Donovan. — Suba nas minhas costas —, Liam disse. Quando hesitei, ele gritou: — Agora, Lila. Agora, agora, agora! Testa franzida, eu deslizei meus braços em volta de sua cintura. Garret pressionou-se contra as minhas costas e segurou-se em mim. Uma centena de perguntas alinhadas na minha cabeça, mas eu não disse nada. Parthalan não gritou mais, mas o resto dos Fae conscientes continuava gritando. Donovan estava a poucos metros do rei, o sangue jorrando do seu nariz. Dor insuportável invadiu o meu coração. Liam pressionou as mãos por cima das minhas. — Faça o que for, não olhe para baixo, e não caia. — O que você quer dizer? — Gritei. — Nós vamos pular? Não! Eu não vou embora daqui sem Donovan. Quando eu tentei sair, Garret forçou meus braços ao redor da cintura de Liam novamente. — Esta é a maneira como o meu pai quer —, Garret disse com uma voz vacilante. Liam tentou nos manobrar próximo a ferida aberta em que a janela se tornou, mas eu enterrei meus calcanhares no chão. Lutei contra Garret, que era claramente mais forte do que ele pareceu. Uma única lágrima passou pelos meus cílios quando eu olhei para trás. Parthalan subiu para seus pés, agarrou o altar quebrado como apoio e lançou um olhar para o meu pai demônio. Vento girou ao seu redor, levantando seu cabelo em uma dança acima de sua cabeça. Sua pele brilhava, e seus olhos escureceram quando seu olhar pousou em nós três na janela. Minha pele arrepiou. Eu rugi e cavei meus calcanhares no chão. — Deixe-me ir. Donovan! Liam se esforçou para nos mover para frente. Ele balançou no parapeito. — Sinto muito. Não há outra maneira. Um momento depois, eu só vi o meu pai de joelhos, com os olhos em mim, um sorriso triste nos lábios.


Liam me empurrou fora de equilíbrio e mergulhou para fora da janela. Gritos dolorosos de Donovan nos perseguiram abaixo enquanto nós caímos. Eu gritei, agarrei apertado Liam, sem fôlego quando o terror apertou minha garganta. — Volte! Eu posso salvá-lo se você devolver o meu poder. Você tem que voltar! — Eu gritei através do nosso link. Depois de uma longa queda livre, os músculos de Liam se contorceram debaixo de sua pele como cobras dentro de um saco. Prendi a respiração quando explodiu penas no seu corpo, afogando minha visão em branco. Seu corpo cresceu incrivelmente grande embaixo de mim. Seu pescoço e cabeça desapareceram em uma massa de penas. Gigantescas asas desdobraram e bateram contra um momento de ar antes de nós atingirmos a rua de paralelepípedos. Instinto forçou minhas mãos sob as penas, e agarrei duas das penas grossas da sua base. A coruja, pelo menos duas vezes o meu tamanho, empurrou-se contra o vento, subindo mais alto, então inclinou para a direita. Ele virou a cabeça. Um olho amarelo piscou para mim antes que ele se virasse novamente. Eu comecei a implorar, mas a parte racional do meu cérebro sabia que era inútil. Nenhuma quantidade de mendicância poderia mudar o fato de que meu pai morreu para me salvar. Minha alma abalada, e meu estômago apreendido com a dor profunda da perda. Como pode o destino ser tão cruel? Para me dar o meu pai por uma hora apenas e levá-lo embora de novo? Meu irmão. Liam. Todos em perigo por minha causa. Eu não podia suportar a ideia de perdê-los também. Garret me apertou mais forte enquanto o vento nos pegou, mas ele não disse nada. Ele pressionou o rosto contra o meu ombro nu, suas lágrimas quentes molhando minha pele. Ele perdeu o pai, também, mas eu não conseguia consolá-lo ainda. Tínhamos que sair primeiro. Parthalan estaria em pé de guerra depois do que tínhamos acabado de fazer. Ninguém perto de mim estaria seguro. Gostaria de saber onde Liam nos levaria. — Estamos atravessando o portal —, Garret gritou como se tivesse ouvido a pergunta que eu nunca pedi. O rugido do vento contra os meus


ouvidos me esticou para ouvi-lo. — Mas o Sluagh virá até nós. Nós não poderíamos fazer isso. — Ele riu, mas se transformou em um soluço. — Eu não tenho certeza se eu ainda quero. Eu suspirei e, com um esforço hercúleo, empurrei minha tristeza e a selei. — Nunca mais diga isso para mim de novo. Eu vou morrer antes de deixá-los levar você de volta para o Homem de Vidro.


CÉU ESCURECEU para líquido negro enquanto nos aproximávamos das portas altas de madeira do edifício. — Eles estão vindo! — Garret me apertou rigidamente. Minhas costelas rangeram, e eu grunhi. — Você precisa ir mais rápido, Liam. Deus, há muitos que eu mal posso ver o céu. — Olha, eu apenas estou aprendendo a voar como isso, então cale a boca para que eu possa me concentrar! — O que quer dizer, apenas aprendendo? — Eu imaginei que ele por se transformar em uma coruja propositadamente omitiu o fato da sua lista de habilidades. Um momento depois, Liam reuniu suas asas perto do seu corpo e nós quebramos as portas. Seus ombros largos roçaram a abertura. O edifico gemeu. Um fragmento irregular de madeira cortou meu braço e me jogou para o lado, mas eu segurei, arrancando uma de suas penas no processo. — Ai! Porra, isso dói! — Nós quase caímos! Obrigada pela sua preocupação. — Pensando em como sobreviveríamos nos próximos minutos, minha mente tomou pensamentos sombrios.


No interior, Liam não podia espalhar suas asas, então ele se agachou e pulou para a parte de trás do salão. Ele empurrou para fora, e rompeu o teto. Eu enterrei minha cabeça, certa de que seria esmagada contra o mármore. Uma lufada de ar fresco esquentou enquanto nós aparecemos no meio do Grand Canyon em uma queda livre em direção ao fundo. Com alguns retalhos batendo de suas asas, Liam mudou de direção e se dirigiu para a borda superior do penhasco. — Por que já é noite aqui? — Eu gritei de volta para Garret. — Era madrugada quando nós saímos, e não poderia ser mais de três horas. — O tempo passa de forma diferente na Cidade Negra. — Ele falou mais perto da minha orelha. — Dun Bray é diferente, assim eu ouvi. Ela se move junto com o mundo humano. — Como os Unseelies costumam deixar a Cidade Negra? Nós saímos caindo. — Parthalan controla o portão. Se ele não deixa ninguém sair, então eles irão cair. Qualquer outra pessoa aparecerá no topo do penhasco onde pulou. Momentos depois que nós limpamos o desfiladeiro, um enxame negro de Sluagh ferveu por cima da borda em nossa perseguição. — Merda —, gritei. — Eu não acho que eles nos seguiram através. Onde está o Seven Gates? — É no norte de Ontario. — A voz de Garret era oca e sem emoção. — Muito longe. Nós nunca vamos conseguir. Mesmo que... — Mesmo se o que, Garret? — Nada. Eu não tinha tempo ou paciência para lidar com a merda enigmática. Olhei por cima do meu ombro. Uma tempestade de movimentos rápidos de Sluagh se aproximava, suas asas negras carregando um brilho do luar silenciado. Eu tremi no ar úmido e o vento castigando. Nuvens cobriram a maior parte do céu, desenhando um cobertor ameaçador sobre a terra. Liam mergulhou. As forças urgentes contra o meu corpo me deu vertigens. Esforcei-me para segurar. Quando nós desaceleramos, sentei-me mais ereta para dar uma olhada melhor. — O que você está fazendo? Eles estão bem em cima de nós.


— Confie em mim —, foi tudo o que ele disse. Uma série de gorjeios tocou para fora antes de uma dúzia de pássaros dispararem fora do topo de uma árvore na nossa frente. Liam inclinou sua lateral duramente e seguiu as aves, empurrando-se mais duro do que ele tinha, já que nós tínhamos perdido a calçada abaixo da Corte Unseelie. A vibração de suas asas explodiu como um tambor. Os Sluaghs romperam em torno de nós como a água preta ao redor de uma rocha. Eles nos cercaram completamente, exceto por um estreito caminho em frente. Encontrei-os acima e abaixo de nós, também. — E agora? — Perguntei. O dia não estava melhorando. Garret tenso atrás de mim, murmurou algo que eu não entendi. O ar em torno das aves canoras vibrava e brilhava. Meu coração se afundou. — O que você está fazendo para eles, Garret? — Eu não sou tão forte como o meu pai é... Era —, Garret disse em meu ouvido. — Eu preciso de algo para conectar a ilusão. — Eu não quero mais que ninguém morra para me salvar, Liam. Basta me soltar e levar Garret para longe daqui. — Não seja estúpida —, ele disse. — Eles se ofereceram. Isso é um sacrifício necessário. Garret tocou meu ombro. — Sinto muito. Ilusões explodiram ao nosso redor, imagens espelhadas de nós. Eles voaram em direções diferentes, enquanto Liam despencou. Um grito triunfante explodiu da boca da coruja Liam à medida que bateu em alguma coisa. Um miado agudo veio abaixo. Dois dos Sluaghs caíram, esmagados em suas garras. Será que os mortos-vivos ainda morrem? O restante dos Sluagh rompeu no caos. Assobios guturais soaram misturados numa sinfonia terrível. Garret continuou cantando com uma voz quebrada, com os braços tremendo, cercando minha cintura. Dor e medo irradiavam de seu corpo como um vento gelado de inverno. Quando chegamos ao topo da árvore, Liam nivelou e voou longe da massa escura. Os Sluaghs seguiram as aves. Tentando agarrar a minha ilusão, eles não encontraram nada, apenas o ar. Seus guinchados aumentaram conforme suas tentativas falhavam. Um momento depois, um pássaro sob o


feitiço despencou, quebrado no chão. Garret, de alguma forma nos fez invisível para os demônios de penas. — Isso é errado, Liam —, pensei para ele. — Nós nunca esperávamos que os Sluaghs nos perseguissem tão rapidamente, mas marcamos isso como um último recurso para o caso. Agora, não faça nenhum som, ou o seu sacrifício terá sido em vão. Um grito aflito na distância encontrou meus ouvidos, depois outro e mais outro. Dor rasgou o meu coração do meu peito, e eu desmoronei contra Liam. Onde deveria haver tristeza veio à raiva. Tantos mortos: os pássaros, as irmãs de Liam, tantos dos humanos. Meu pai. Minhas mãos tremiam, a dor procurando uma maneira de escapar. Ninguém deveria ter que morrer por mim. Eu não valia a pena. — Eu sinto muito por Donovan —, Liam disse. — Ele tinha que estar perto deles, a fim de manter uma ilusão tão grande. Ele sabia o que estava fazendo. — Eu quis saber quem era meu pai minha vida inteira. Eu nem sequer tive a chance de conhecê-lo, e agora ele se foi. — Um soluço escapou antes que eu pudesse detê-lo. — Jesus. Eu juro, eu não... Não importa. ♦♦♦ No momento em que Liam pousou nas rochas algumas horas mais tarde, o sol ardente picava a minha cabeça acima das árvores. Um grande vazio habitava em mim. Meus pensamentos e emoções foram trancados em uma caixa no fundo da minha cabeça latejante. Eu deslizei de costas e sentei sobre a rocha cinzenta. Um clarão de luz branca brilhou atrás de mim. Liam gemeu. — Lila? — A voz mansa de Garret veio atrás de mim. Seus passos preenchidos mais perto. — Não me toque. — Minha voz soou sem vida. — Eu não... Isso não foi... Desculpe-me. Eu balancei minha cabeça. — Todo mundo está triste. Bem, pegue a sua


desculpa e enfie naquele lugar. Desculpa, não vai mudar nada, então salve isso. Liam pisou ao redor para me enfrentar em seu corpo regular. Seus dedos puxando um zíper de um jeans. Gostaria de saber onde ele o tinha encontrado, mas eu não perguntei. — Ele arriscou sua bunda para que você pudesse viver. Nós todos fizemos o que tínhamos que fazer. Eu pulei para os meus pés. — Talvez eu não queira viver assim! Você considera mesmo isso? Você poderia ter me contado sobre o que você e Donovan estavam planejando. — Eu engoli todo o pedaço gigantesco na minha garganta. — Eu poderia ter encontrado outra maneira. — Se eu pudesse ter chegado ao castelo conhecendo Sebastian, as coisas poderiam ter sido diferentes, mas eu não sabia. Brisa, o espírito do vento, com a ajuda da Deusa, mandou minhas mensagens para Donovan, e ele me deu um risco tremendo para si mesmo. Seu pai e cada um desses pássaros sabiam o que estavam fazendo, então pare de ser tão egoísta. Eles amavam e acreditavam em você o suficiente para trocar suas vidas por você. — Seu... — Garret começou, abriu a boca algumas vezes. — Mas... Liam espalmou a testa. — Merda, ele não sabia? — Ele sabe agora. — Eu olhei para um mato ao redor, mas realmente não vi além dos meus próprios pensamentos sombrios. Garret pigarreou algumas vezes como se as palavras fossem apanhadas. — Então... Você é a minha irmã? Minha mente vagueou tão longe que tudo o que fiz foi um aceno de cabeça. Minha cabeça cheia de sombras e ecos de sons que eu não podia suportar ouvir novamente. Minha garganta apertada. — Você tem que consertar tudo, então você tem que viver —, Liam disse. — Isso é o que sua mãe queria. Uma nova onda de tristeza roubou meu ar por um momento. — Não fale da minha mãe. — Eu me virei. — Como você se afastou de Clancy? Uma pausa esticou o silêncio em algo doloroso. — Eu mudei e o esmaguei. Meu suspiro veio fechando os meus olhos. — Jesus. Você preferia que ele tivesse me matado, ao invés disso? Todo pensamento lógico caiu sob o peso enorme de perda. Inclinei-me


e vomitei, mas não saiu nada, meu estômago vazio de toda a dor, assim, como o resto de mim. Liam ergueu uma pequena garrafa de água para mim. Agarrei-a de sua mão e bebi. — Onde está o portão? Eu preciso ficar longe de você. — Eu precisava ficar longe da minha vida e das imagens me atormentando, para cavar um buraco e nunca mais sair. — Eu não acredito nisso. Tudo bem, você quer me culpar por tudo? Ótimo, eu vou levá-la. Eu prefiro que você me odeie para sempre do que viver comigo mesmo tendo falhado com você. Não é só você ou eu em risco aqui, então você precisa se concentrar. Você tem algumas escolhas difíceis a fazer e mais sacrifícios para suportar antes de isso acabar. Cruzei meus braços sobre o meu espartilho vermelho enquanto Liam e Garret passaram por mim. Garret me lançou um olhar aflito por cima do ombro antes de ele se virar para frente novamente. Ele parecia menor, mais jovem. Eu não poderia lidar com qualquer coisa diferente do que a raiva mastigando a minha alma. Sacrifício. Quantos vão cair em meu nome antes de terminar? Eu não poderia viver comigo mesmo, assim como poderia Liam esperar que eu continuasse como se nada tivesse acontecido e sabendo que mais sangue será derramado? Minha voz da razão concordou com ele. Eu estava agindo irracionalmente. Naquele momento, eu não me importei. Caminhamos ao longo da superfície da rocha gigantesca por um tempo. Liam parou em frente de uma abertura arredondada, dez metros de altura e somente larga o suficiente para uma pessoa passar. — Há sete delas ao longo do penhasco —, Garret disse. — Meu pai disse que se você entrar sem saber qual porta certa tomar, ou que caminho tomar, uma vez você estando dentro, fica para sempre, perdido. — Por que tudo é tão complicado com essas pessoas. — Fui até a abertura. — Então o que eu faço agora? Liam andou, seu olhar apontado para o chão. Minha energia subiu atrás da barreira em seu silêncio. Se eu tivesse a minha energia naquele momento, eu teria o quebrado em uma pilha de gravetos. Advertência saiu em algum lugar no fundo da minha mente, mas eu


ignorei. — Me dê a minha Luz. Ele parou e olhou para cima. — Não. — Ele recomeçou a andar. — É minha. Dê-me de volta. — Ou o quê? Quando você começar e aceitar a maneira como as coisas são, eu vou liberar sua energia e ser seu humilde servo. Por enquanto, eu estou no comando, e eu digo não. Eu chutei a pedra. Um pedaço voou contra a parede de pedra com um claque. Eu me virei e bati o meu punho contra a parede mais e mais até que a dor cantou o meu braço em uma onda brutal. Uma dor para tirar a outra. Quando terminei, virei e encostei-me à parede fria. Minha mão pulsava, ocupando os meus sentidos para que outra dor não me alcançasse. — Você está pronta? — Liam apertou a mão contra a parede e se inclinou para mim. Tentei retardar o meu consumo de ar, mas meus pulmões vacilaram, tensos e fracos. — Por enquanto. — Então me deixe ver isso. Minha sobrancelha subiu. — Ver o quê? — A sua mão. Parece um hambúrguer cru. — Ele chegou para elas, mas eu puxei. Eu tentei não deixar que a dor demonstrasse no meu rosto, mas pelo seu olhar, eu não tinha conseguido. — Pare de ser tão malditamente teimosa! Antes que eu pudesse desviar, ele me agarrou, fisgou um pé atrás dos meus tornozelos e me empurrou para o chão. Um grunhido saiu dos meus lábios. — Que diabos você está fazendo? Fique longe de mim! Ele montou em mim e agarrou meu braço onde o sangue escorria da minha mão mutilada. — Agora, pare, ou eu juro que vou amarrar você. Sua pele contra a minha injetando um calor quente e delicioso, mas eu não deixei ir adiante. Eu olhei para ele enquanto ele olhava para minha mão. — Devem ter sido alguns cacos da parede. — Ele virou meus dedos em direção à luz. — Você bateu tão duro que você tem pelo menos dois fragmentos certos até o osso. Eu preciso retirá-los antes que a pele cicatrize em torno deles.


— Faça isso e saia de cima de mim. — Eu posso distraí-la enquanto Garret faz. — Ele limpou a garganta e se sentou. — Se você quer. Olhei para Garret, que virou uma pálida sombra verde. — Sim, eu não penso assim. — O que ele quis dizer com distração? — Faça isso. Liam balançou a cabeça e praguejou baixinho. Ele puxou a minha mão para chegar aos fragmentos, mas seus dedos eram muito grossos e suas unhas estavam roídas. — Garret, vá até onde Karo esconde tudo. Peça a ele para soltar um kit de primeiros socorros. — Quem é Karo? — Eu perguntei. — Ele é o regente das corujas daqui até no Canadá. Ele tem alguns de seus irmãos soltando suprimentos para nós. — Você pode falar com todos os animais agora? Liam puxou minha mão novamente. Eu estremeci, enterrada debaixo de uma carranca. Seus olhos percorreram meu rosto. — Não, apenas os pássaros e só quando eu estiver em forma de coruja. Garret voltou com o kit. Liam abriu a caixa, pescou em volta e retirou uma pinça de metal comprida. Ele se inclinou para perto do meu rosto. — Isso vai doer. — Você acha? Quando ele cavou ao redor, na minha carne com a pinça, um pedaço de fragmento conectou com o osso. Eu vacilei. Ele deu um puxão forte e tirou um pequeno pedaço de rocha cinza, quase não valendo a dor que causou. Tontura tomou conta de mim. — Vou-lhe dar um minuto antes de eu tirar o resto. Eu balancei minha cabeça. — Não. Faça logo. Depois de um encolher de ombros, Liam pegou mais um pedaço do que se soltou, cavando mais fundo. Eu gritei como o fogo assolando até meu braço. Ele fechou a pele, bem como podia e enfaixou desde a ponta dos meus dedos para o pulso. — Você não precisa se preocupar com a infecção, pelo menos —, ele disse quando terminou. — Os Fae curam rapidamente, e nós somos imunes à maioria das doenças que afligem os seres humanos.


Quando ele saiu de cima de mim, eu rolei para o lado e agarrei meu braço ao meu peito. Ele se agachou na minha frente e afastou o meu cabeço para trás do meu rosto. Se a dor não fosse tão terrível, eu teria mudado. Parte de mim queria ter a distração de seu toque, o prazer de contrariar a dor, mas o meu orgulho e raiva não me deixou pedir-lhe para ficar. — Por favor —, sussurrei. — Apenas me deixe sozinha. Culpa acompanhou a pequena voz jogando conversa fora na parte de trás da minha cabeça. Por que eu estou atirando sobre ele? Nada disso é culpa dele. Liam baixou o olhar para o chão, saltou e foi embora. — Você é bemvinda. ♦♦♦ — Quanto tempo antes de nos encontrar? — Garret sentou-se empoleirado em uma rocha, joelhos elaborados ao peito, olhando para as sete aberturas na parede. Minha mão já tinha começado a cicatrizar, então eu sentei e olhei para ele. — Não o suficiente. — Liam andou atrás de mim. — Precisamos parar de mijar em volta e descobrir isso. — O Sluag continuou falando sobre o quanto eles odiavam a luz —, eu disse. — Eles até mesmo viajam de dia? Liam grunhiu. — Não. — Então nós temos, pelo menos, algumas horas, então pare de estimular. Você está me deixando louca. E Parthalan é igual? É por isso que eu nunca o vi durante o dia? — Ele é mais forte durante a noite, isso é tudo. Donov... Alguém me disse que ele recebe energia da lua. Francamente, eu acho que é porque ele acha que seu cabelo parece melhor à luz de prata. O nome do meu pai agarrou meu coração por um momento e levou aos pensamentos da minha mãe, a caixa de música e da vida que eu não tinha mais. Liam parou e ficou na frente do meu irmão. Eles trocaram um olhar


considerado. Ambos se viraram para me olhar. — Eu acho que você precisa da sua caixa de música —, Liam ofereceu. — O que havia nela, exatamente? Eu suspirei enquanto eu tentava pensar. — Uma corrente de ouro com um pingente de rubi e um anel de tecido em um padrão celta. Os dois pareciam antigos. — Você acha que precisa usá-los para abrir a portal? — Garret coçou o nariz com as costas da mão. — Se assim for, nós somos merda sem sorte. Isso seria a porra da cereja do bolo. — Você não achou nada de anormal sobre a caixa de música? — Liam revirou os olhou e soltou um bufo. — Ela tocava música e guardava as joias. A caixa em si era feita de madeira de cerejeira. As dobradiças e fechos eram de prata. Eu a olhei centenas de vezes, mas não havia nada escrito, nenhum compartimento secreto, nada, apenas a caixa e o ouro. — Espere. — Garret pulou da rocha. Seus olhos de cristal esticados, e seu dedo tocando na sua cabeça como se formando um ponto. — Ela tocava música. Você me disse que sua mãe... Nossa mãe cantava essa música para você. Você acha que isso é a chave? A música em si, e não a caixa? — Você se lembra da música? — Liam perguntou. — Eu nunca poderia esquecê-la. — Meu foco se encaixou em Liam. — Espere, você não está me pedindo para cantar, não é? Liam jogou uma mão para cima. — Por favor, me diga que não está se queixando porque você está com vergonha de cantar na nossa frente. Você pode, por favor, engolir seu orgulho e dignidade o suficiente para nos salvar do louco? Eu estava sendo uma péssima merda. Eu suspirei. — Sinto muito —, eu disse, embora isso saiu petulante. — Eu vou tentar.


IAM E GARRET PERAMBULARAM um pouco ao longo da parede, enquanto eu estava diante de uma das aberturas. Olhei para o lugar que minha mãe viveu antes que eu arruinasse tudo para ela. A canção caiu de meus lábios antes de poder pensar sobre isso. ―Codail a mhuirnín, codail a stor Dún do shúile Gheobbair is gheobbair, o gheobbair a pháiste Codail a stóirín go ciúin is go sámb‖ — Não! — Garret apontou para a segunda abertura da esquerda. — Há luz saindo. — Foi tão difícil? — Liam resmungou enquanto ele apressou-se passando por mim. — Qual é o seu problema? — Parem! — Garret empurrou para trás o capuz de seu manto preto e parou na nossa frente. Ele se virou e ergueu as mãos. — Será que vocês dois apenas podem apreciar o momento. Este dia tem sido difícil o suficiente sem


os dois mastigando um ao outro como um casal furioso de trolls. Apertei os olhos para ele. — Trolls não existem. Certo? Garret gemeu e olhou para longe por um momento antes que seus olhos azul-gelo se voltassem para mim. — Você está mudando de assunto? Eu desenhei uma respiração gigante, bufando. — Olha, eu sinto muito, eu estou com raiva, e me desculpe ter atirado em você. Vamos entrar. Eu prometo que vou calar a boca se ele... — Eu apontei o polegar para Liam. — Isso seria um milagre que eu gostaria de ver —, Liam murmurou. Fiz uma careta para ele. — Eu ouvi isso. — Basta! — Garret enfiou os dedos em seus cabelos. — Deusa, eu estou começando a me perguntar quem é o adulto aqui. Liam assentiu. — Tudo bem. — Tudo bem —, eu concordei. Garret sacudiu a cabeça, se virou e desapareceu na abertura iluminada. Liam deu uma curva e uma varredura dramática de seu braço para me conduzir a entrar. — Seios antes de paus. — Eu passei por ele. Ele me seguiu, riu, como se tentando manter algumas palavras feias dentro de sua boca. Basta tê-lo perto para acalmar minha alma, então por que eu continuo o empurrando? Porque ele me traiu. Porque ele é do povo de Parthalan, é por isso. Eu esperava mais frio, ar abafado dentro da caverna. Ao invés, eu encontrei o calor reconfortante. As paredes eram lisas em vez de acidentadas, e tudo brilhava como se alguém tivesse recentemente polido a partir do chão ao teto. Garret andava à minha frente, pulando cada vez que ele chutava uma pedrinha ou quando os meus saltos faziam um clique mais alto que o outro. Um halo de cabelo loiro escuro destacando de sua cabeça. A visão dele me fez lembrar-se de Rourke. Espero que ninguém o encontre onde quer que Donovan o tenha acorrentado. Eu tremi apesar do calor. A luz na caverna nunca mudou, nunca nos permitiu recuperar o atraso e nunca nos deixou para trás. Seguimos em silêncio até que o túnel terminou em um lago. O teto pairava apenas alguns metros acima da água. Agachando, nós


poderíamos ver a pequena luz do outro lado. Tinha que ser pelo menos um quilômetro de diâmetro. Liam intensificou ao meu lado. — E agora? — Eu acho que temos que nadar. — Eu desembrulhei as ataduras da minha mão. — Por que você supõe que colocaram algo parecido como isto aqui? — É um teste para qualquer um que tenta atravessar. Se o portal não considera que você seja digno de entrar, o teto, provavelmente, desce e afoga você. Garret fez um som pequeno. A cor se esvaiu de seu rosto, e ele olhava para água como se fosse comê-lo. — Deixe-me adivinhar —, eu disse. — Você não sabe nadar? Ele balançou a cabeça, seu olhar nunca deixando o lago. — Eu não gosto da água. Fui até ele e peguei sua mão fria e úmida. Minha raiva drenada diante do terror do meu irmão. Meu irmão, tudo que me resta da minha família. Ele era meu para proteger, e gostaria de fazer isso, então me ajude. — Está tudo bem. — Segurei seu ombro com a mão. — Eu posso nadar muito bem. Eu deito de costas na água, e você fica na minha frente. Vou puxá-lo junto. Tudo que você tem que fazer é ficar mole, e nós ficaremos bem. — Talvez eu deva levá-lo. — Liam encontrou os meus olhos. Um momento depois, ele sacudiu a cabeça. — Não importa. — Ele abriu o botão da calça jeans. Meus olhos arregalaram antes que eu desse um tapa mental. — Por que você está se despindo de novo? — Eu não estou nadando com meu jeans. — Ele se virou para mim quando ele empurrou-o para baixo de seus quadris. — Você não pareceu se importar, quando você tratou meu corpo como um parque de diversões na outra noite. — Ele abriu um sorriso desafiador e mergulhou na água. — Por que ele é tão irritante? — Eu tirei minhas botas ridículas, então a liga e a meia. Eu continuei com o pouco que me restava. Garret encolheu os ombros quando ele deixou cair o manto. — Eu acho


que está apenas começando para todos nós. — Eu não sei. Talvez você esteja certo. Ainda assim, isso me faz pensar por que a Deusa brincou com a gente. — Ela deve ter tido uma boa razão. — Ele baixou as calças pretas e ficou em uma cueca azul, esfregando as mãos ao longo dos braços finos. Se ela tivesse uma boa razão, eu gostaria de ouvir. Então, algo surpreendente aconteceu quando estivemos juntos. Isso não quer dizer que éramos companheiros de vida compatíveis. Entrei na água e me virei, saboreando o frio contra a minha pele quente. Isso não cheirava a peixe da maneira como os lagos normais, mas doce e suave como mel. Garret olhou para mim. Suas mãos tremiam. — Ok, pequeno irmão. Eu prometo que não vou deixar você se afogar. Ele abriu aquele sorriso inocente que eu vi naquela primeira noite no galpão. — Você jura? Eu balancei a cabeça. — Sim. Agora vamos lá, vamos acabar com isso. Depois de testar a água com os dedos dos pés, Garret entrou e pulou em mim. Ele passou os braços ao meu redor, tremendo. Seus dentes batendo. Eu esfreguei minhas mãos para cima e para baixo de suas costas, enquanto eu o segurava. — Silêncio, agora, vai dar tudo certo. Você precisa me ouvir, ou você vai afogar nós dois. Vou girar você ao redor agora, e você precisa relaxar. Você vai flutuar melhor assim. — Não me deixe afundar, por favor, por favor, por favor —, sussurrou ele com os olhos fechados. Quando eu o girei, comecei a cantar novamente. Ele inclinou-se contra mim. Eu coloquei meu braço em volta do seu peito e enfiei a mão debaixo do seu braço esquerdo. Ele ficou tenso e chiou quando eu comecei a empurrar, então ele relaxou contra mim. — Você me disse que sua mãe cantava como um sapo com frio —, eu disse quando cansei de cantar. — Essa parte foi uma mentira, mas eu lembro do seu cheiro. Você parece com ela? — Assim me disseram. Sinto muito que você nunca a conheceu. Ela


foi... Tudo para mim. Gostaria de tê-la salvado se eu pudesse. — Algumas lágrimas escaparam e arrastaram para baixo pelos lados do meu rosto. Garret concordou. — Sim, eu sei. Eu não posso acreditar que eu tenho uma irmã. — Eu dei-lhe um aperto, porque minha voz teria me traído. Levou um longo tempo apenas com minhas pernas e um braço movendo nós dois, mas depois de algumas pausas ao longo do caminho, nós chegamos até o outro lado. Liam ofereceu a mão para Garret, então pra mim. Olhei para ele por um momento antes de eu pegá-la e sair da água. Eu ignorei o calor subindo no meu braço. — Obrigada. — Eu desviei os olhos das linhas estreitas do seu corpo nu e passei meus braços ao meu redor para que minhas mãos por si só não se estendesse para ele. Deus, por que me sinto assim? — Garret, você pode nos dar um minuto? Ele me olhou por um momento, parecendo um gato meio afogado. Com um sorriso, ele assentiu, virou-se e seguiu a luz. A areia gradualmente virou grama e ao longo, uma campina verde se estendia por quilômetros. — Eu sei que estou sendo uma idiota. — Eu cavei um dedo do pé na areia. — Sim —, Liam disse. — Está, mas eu também estou. Às vezes eu esqueço como sua vida foi. Eu assenti. — Eu estou tão irritada, está me sufocando. Está saindo de você, e eu não consigo evitar. — Eu dei uma risada sem humor. — Não é que eu estou tentando desculpá-lo. Eu ainda estou furiosa porque você não, pelo menos, me deu uma chance, mas obrigada por salvar meu irmão... E eu. Você não precisava. Um zap de eletricidade cantou no meu braço quando sua mão pousou no meu ombro nu. Eu pulei longe e virei para ele. Quando meu olhar viajou para baixo no seu corpo nu, fitas de água ainda escorriam no seu peito, eu coloquei minha mão sobre os olhos. — Não me exclua. Agora não. Toque-me. Encontre algo de bom neste dia escuro. Eu segurei minha mão até eu falar sem a minha voz embargada. —


Sentir o que eu sinto quando você me toca... É uma traição para eles. Eles estão mortos, toda a minha família, exceto Garret, e é minha culpa. Eu não deveria sentir nada de bom. Eu descobri meus olhos, mas os forcei a seu rosto. Ele balançou a cabeça. — Nada disso é culpa sua. — Como eu posso cuidar de alguém quando isso só vai levá-lo para longe de mim? — Eu apertei os meus dentes. Eu não vou chorar. — Eu não tenho certeza se eu entendo, mas vou me distanciar até que você tenha algum tempo. Mas não se feche para mim. Eu quero tocar em você tão malditamente quanto você quer tocar em mim. Eu desenhei respirações curtas para acalmar meus pulmões doloridos. — Como é que às vezes eu posso sentir você na minha cabeça, e outras vezes eu não posso? É como se uma porta se abrisse entre nós. — Eu posso me desligar de você. Eu sabia que você estava sobrecarregada, e eu não queria acrescentar isso. Eu balancei a cabeça. Parte de mim queria ver um futuro com ele, mas meu lado lógico sabia que era só um conto de fadas. Ele estaria mais seguro se não estivesse ao meu redor. Eu não daria a Parthalan outro alvo que ele poderia usar para chegar a mim. — Por enquanto, você pode simplesmente calar a boca enquanto encontramos Garret? Ele sorriu, aquecendo os meus pés. — Eu acho que posso lidar com isso. Caminhamos ao longo da grama em direção à campina – Garret, um pequeno ponto à distância. — A mudança, que aconteceu depois de nós... — Eu fiz um gesto estranho entre nós com a minha mão. — Sim. Tomando uma forma animal é um poder Unseelie. Assustou o inferno fora de mim, também. Quando você mergulhou pela janela naquela noite na fazenda, eu saí pela porta da frente depois de você. Eu estava tão confuso e com medo do que Parthalan poderia fazer. E então eu senti algo crescendo dentro de mim muito rápido como se fosse estourar fora da minha pele e não parasse. Saí correndo atrás do celeiro e caí como um saco de merda. Deus, doeu muito. Todos os ossos do meu corpo quebrados e refeitos em si. Eu não sabia o que tinha acontecido até que meu braço mudou e vi uma asa.


Pensei que tinha perdido minha mente maldita. — E as cores que eu vi quando você voltou para me pegar no porão, foi você mudando de volta? — A mudança usa muitas luzes. Quando eu mudo de volta, a Luz é liberada como energia pura. Quando eu pude olhar para isso sem ficar cego... É lindo. — Você já deveria ter começado a mudar antes de você chegar pela janela. Você é grande como sendo uma coruja. Você teria tomado à metade da casa. — Sim, eu comecei um pouco cedo, na verdade. Quase choquei minha cabeça no chão, mas eu consegui manter a última de minhas penas até o último segundo. Sorri quando eu imaginei isso, mas desapareceu. — Alguma coisa aconteceu quando eu deixei você na estrada naquela noite. Quando eu pensei em você... — Eu não conseguia reunir as palavras certas na minha cabeça sem soar outra coisa senão insanas. — O quê? — Ele parou e ficou na minha frente. — Será que a Deusa lhe concedeu um presente? — Eu não sei. Pensei em você, e... Eu acho que eu estava usando as árvores como um vasto conjunto de sentidos. Eu podia ouvir o bater de suas asas, podia ver vislumbres de suas penas brancas, podia sentir o cheiro da floresta e sentir a umidade no ar, mas era fugaz. Liam parado como uma estátua, piscando para mim, o rosto continuando assegurado na concentração. — Visão da Deusa. Minhas sobrancelhas se juntaram. — O que significa isso? — É uma lenda Seelie. Se a Deusa sempre considera um Fae digno, ela empresta seus sentidos terrestres para ajudá-lo. Você pode pensar em qualquer pessoa no mundo, então você pode ver onde ela está e talvez até mesmo se comunicar com ela. Porra, isso é incrível. — Eu chamei você e vi olhos amarelos, seus olhos de coruja. Você olhou para cima como se pudesse me ouvir. — Foi você? Eu achei que ouvi uma voz no vento, mas eu pensei que tivesse ouvido coisas.


— Então você me ouviu. — Eu não sabia mais o que dizer. Eu queria deitar, dormir e acordar para encontrar a minha vida como uma piada de mau gosto, ou um sonho. Pior, eu queria que Liam deitasse comigo. Nós encontramos Garret em pé no meio de uma campina verde. Brancos minúsculos em forma de estrela de flores espalhados em toda a extensão como confetes sobre um tapete de jade. O cheiro de chuva misturada com uma brisa suave. Se eu não soubesse que estávamos no interior da caverna, eu teria dito que nós estávamos fora. O silêncio tinha uma qualidade, oca quase musical a isso como se o ar cantarolasse numa frequência que eu não conseguia ouvir, apenas vibrações registradas em meus ossos. Eu esperava um certo grau de familiaridade, e, embora a campina fosse bonita, ela provocava nada mais do que admiração. Diante de nós havia uma porta ampla de carvalho. Nada acima, nenhuma parede, quadros, dobradiças ou cordas. Meu irmão se virou para nós e deu de ombros. — Não há nenhum identificador ou qualquer coisa. Liam e eu olhamos um para o outro. — E agora?


IAM PASSOU A MÃO por debaixo da porta e esticou para alcançar os lados. Se o glamour Fae escondia a construção de escondê-lo, o toque o revelava – ele me disse quando eu tinha o interrogado. Eu andava em círculos em torno da porta, pela quinta vez, mas não encontrei nada de novo. A incrustação de madrepérola decorava o topo arqueado e continuava até o perímetro de dois centímetros da borda da porta. A madeira era uma cor de mel escuro, e um emblema de um olho estava entalhado no centro do painel. Garret sentado de pernas cruzadas na grama, com os cotovelos sobre os joelhos, olhando para a laje de carvalho. — Eu vou tocá-la —, eu disse. — Não. Eu disse a você, não sabemos o que pode acontecer. — Liam estava ao meu lado, ainda nu. Todo o tempo, eu mexia no espartilho e na calcinha fio dental, desejando que eu tivesse bolsos. Eu fiz o meu melhor para manter o meu olhar colado ao seu rosto, mas meus olhos continuavam andando de volta para sua paisagem sedutora. — Não podemos arriscar a sua segurança —, Liam continuou, — e se


Garret e eu tocá-la, isso certamente vai fazer alguma coisa desagradável para nós, porque somos Unseelie. Meus olhos se estreitaram quando me aproximei dele. — O que você acha que vai fazer comigo? — Eu não sei. Esse é o problema. — Ele parou na frente da porta, braços em linha reta em seus lados, seus olhos intensos fixos em mim. — Então, o que você sugere? Ficar aqui e olhar para isso? — Por um lado, eu queria Dun Bray para me encher com uma sensação de lar e para encontrar outros como eu, depois de acreditar que eu estava sozinha por tanto tempo. Por outro lado, eu queria encontrar nada e provar que a minha mãe não tinha mentindo para mim, que eu não era a rainha Seelie. Eu não queria ser Fae, e eu certamente não era uma rainha importante. Eu não sabia o que eu queria. A paz pode ser o suficiente para passar um dia sem ver algo horrível, ter o conforto do corpo de Liam ao meu redor mais uma vez e o prazer insano que nós compartilhamos naquela noite. Eu gemi internamente. Pare com isso! Não vai acontecer. Ocupe-se na tarefa, Lila. Ocupe-se na tarefa. Quanto mais eu pensava sobre o que encontraria além da porta, mais a minha mente conjurava imagens de cadáveres espalhados, ruas e edifícios em ruínas. De alguma forma, eu precisava que Liam ficasse longe dessa porta antes que eu me convencesse que todo o povo da minha mãe estaria morto. Se eu tinha que matar Parthalan, então eu tinha que ter algumas aulas de interpretações. Estremecendo, eu pressionei meus dedos ao meu templo. — O que há de errado? — Liam, correu para frente, mas eu me afastei dele. Quando ele chegou à minha frente, eu rodopiei e corri para a porta. Eu coloquei minhas mãos contra o acabamento liso, apenas tocando até que resolvi que isso não iria me comer como o último que eu tinha encostado. Meu coração acelerou. — Maldição. — Liam surgiu ao meu lado, mandíbula flexionada e os olhos estreitos. Garret intensificou no meu outro lado, mas não demasiadamente perto. — Isso apenas é uma porta. — Decepção infectou minha voz.


Liam se virou e pronunciou uma maldição. Quando ele voltou seu foco para mim, ele disse: — Ótimo, você está certa. Empurre isso então. — O malestar escondido por trás de sua aparência suja infiltrada para fora. Eu queria perguntar o que ele pensava que ia encontrar do outro lado, mas eu queria que ele soubesse a extensão da minha confusão. Eu hesitei por um segundo antes de eu empurrar rigidamente. Quando a porta não se moveu, eu abaixei minha cabeça. — Eu acho que não sou bemvinda aqui depois de tudo. — Eu estabeleci o meu olhar sobre Liam, com medo de tirar minhas mãos como se isso fosse a minha rejeição final. Liam chegou até mim, mas parou e retirou minhas mãos. O azul de seus olhos me atraiu, mas eu não tomei a intensidade deles. Olhar para eles por muito tempo enfraquecia minha decisão sobre a distância que eu precisava para manter. Eu desviei meus olhos de volta para a porta. — Nós vamos descobrir isso, nós três —, ele disse. — Não desista de mim agora. Talvez a minha rejeição a Dun Bray fosse um sinal. Eu gritei quando a dor rasgou através das minhas mãos. Liam agarrou meus pulsos e me puxou para longe da porta. Picos de madeira saltaram para fora da superfície no lugar exato onde minhas mãos estavam. Meu sangue corria pela superfície como lágrimas de rubi antes de desaparecer na madeira. Nenhum de nós disse nada, apenas ficamos boquiabertos quando a porta grunhiu e abriu. Eu puxei minhas mãos, mas Liam apertou-as e o prazer em espiral atingiu até meus ossos. Ele intensificou o seu aperto, olhos de safira estreitos para mim. — Eu estou bem! Com um gemido, ele me liberou. — Eu não vou tocar em você, mas deixa-as perto para que eu possa olhar. — Por que essa coisa fez isso? — Garret mantinha o olhar fixo para a porta aberta. — Foi para provar o seu sangue. — Liam traçou cada uma das perfurações em minha mão. — O Seelie provavelmente selou, e só a rainha verdadeira pode abri-la... Com um pequeno sacrifício. — Ele olhou para


Garret. — Eu preciso de sua bermuda. — O quê? Eu não estou te dando o meu short. — Em outros dias, minha boca ficaria escancarada, meus olhos arregalados de horror como se eu tivesse sido convidada a dançar nua na frente de um bando de adolescentes. — Eu estou bem —, eu disse. — E, além disso, eu não quero um short sujo enrolado em minhas mãos. — Eu te disse, não pegamos infecções como os humanos. Você vai curar mais rápido se parar o fluxo de sangue com uma pressão constante. — Liam caminhou para o meu irmão e estendeu a mão para o seu short. Garret se afastou. — Olha, você pode se sentir bem andando por aí com suas coisas balançando na brisa, mas eu não fico. Ela não está com hemorragia. Certo, Lila? — Ele acenou com a cabeça para mim, incentivandome a concordar. Eu entrelacei meus dedos e apertei as palmas das mãos juntamente. — Isso vai parar o sangramento. Que está começando a cicatrizar. Eu posso sentir. Então, podemos ir agora, enfermeiro Liam? — Minhas mãos doíam, mas não me mataria. Liam beliscou a ponta do seu nariz e fechou os olhos. Talvez falando para si mesm outro discurso. Quando ele olhou para cima, ele sacudiu a cabeça. — Eu não entendo a questão toda da nudez, especialmente você, Garret. Você cresceu com os Unseelies. Francamente, eu tenho vergonha de você por não conseguir lidar com isso por dez minutos para ajudar a sua irmã. — Hey, o deixe em paz. — Fiz uma pausa, considerando o que ele disse. — Você está me dizendo que os Unseelies saem por aí sem roupa às vezes? Ele encolheu os ombros. Seus lábios puxados para cima em um sorriso malicioso. — Você está declarando isso. Por que usar roupas se você não precisa? Eu ri enquanto eu caminhava em direção à porta. — Ótimo. Estou metafisicamente se juntando a um maldito nudista. — Na minha cabeça, eu acrescentei, ―eu não posso apenas olhar para um pirulito sem lamber.‖ Eu precisava ficar longe dele para que eu pudesse pensar, sem ter aviso triplo na minha testa. — Então... Estamos indo, ou não? — Liam perguntou.


Eu me virei para ele. — S... Sim. — Este é o último lugar onde minha mãe foi verdadeiramente feliz. Eu não mereço estar aqui. Minha dor esperando profundamente, uma sombra pronta para me engolir. Eu precisava de um plano para lidar com Parthalan, mas naquele momento, eu apreciei e me concentrei em ter a coragem de entrar por aquela porta. Garret intensificou ao meu lado. Um sorriso pequeno apanhou um lado de seus lábios. — Pelo menos você não está indo sozinha. Com um olhar mais próximo, eu encontrei o meu irmão mais velho, Milo, em Garret, olhos grandes e cabelos loiros pesados. A semelhança me lembrou de que, eu carregava pedaços dele em mim, também. — Obrigada, irmãozinho. Isso me rendeu um sorriso devastador, o sorriso da minha mãe. Eu desviei meus olhos antes que as lágrimas pudessem formar e entrei pela porta. Garret seguiu, e Liam veio por último. A porta de carvalho fechou atrás de nós e desapareceu, revelando uma rua em uma disposição semelhante ao que eu tinha visto pela primeira vez na Cidade Negra. Longa e estreita, feita com paralelepípedos em uma cor de areia clara e alinhada com edifícios brancos de ambos os lados. Depois de um silêncio horrível, Liam limpou a garganta. — Eu não tenho certeza do que estava esperando, mas não é isso. O céu, semelhante ao da Cidade Negra, pareceu ser líquido, mas ao invés de púrpura, era uma mistura de creme de ouro, e amarelo. Grama crescia com a calçada aos nossos pés, e trepadeiras escalavam os edifícios de ambos os nossos lados como se a natureza havia começado a reivindicar a terra para consumo próprio. Nenhum som quebrou a estranha calma. A falta de vibrações ou batimentos cardíacos aos meus pés fez meu coração cair. O ar cheirava obsoleto, como um túmulo lacrado da vida. Talvez isso fosse o que era. — O que aconteceu aqui? — Eu engasguei, faminta por ar. Em algum lugar no fundo da minha mente, eu estava tentando me preparar para encontrar meus piores medos, mas ao ver isso antes encheu meu estômago com agulhas. Eu me aproximei de uma das casas – uma alta, branca, de dois andares,


mais estreita na parte inferior do que o topo. Depois de arrancar a erva daninha, eu coloquei minhas mãos contra a superfície. Ela tinha a mesma textura lisa, escamosa como as da Cidade Negra, mas não se mexeu. As janelas permaneceram escuras, e nenhum ritmo de vida pulsou dentro das paredes. — Isso significa que todos os Seelies estão mortos, também? — Eu não sei —, Liam disse em algum lugar atrás de mim. — Eu simplesmente não sei. Quando eu tirei minhas mãos, impressões sangrentas das minhas mãos permaneceram. Um momento depois, a parede absorveu o sangue, e um pequeno arrepio percorreu através de mim. Meu pulso acelerou. — Você viu isso? Reagiu ao meu sangue. Isso não está morto, então... O que há de errado com isso? — Ele deve precisar de Luz Seelie para sobreviver. Cada célula tem energia residual, mesmo o nosso sangue. Se todo o Seelie deixou Dun Bray quando sua mãe fez, então a cidade deve ter entrado em uma espécie de hibernação. Excitação escalou os meus ossos. — Devolva minha Luz. Eu posso curá-los. Eu sei que posso. — Olhos fechados, eu coloquei minhas mãos na parede e pressionei para forçar mais do meu sangue pra sair. — Pare com isso! — Liam agarrou-me pelo braço. Quando olhei para ele, ele rosnou e ergueu as mãos. O breve toque deixou uma erupção de formigamento ao longo da minha pele. — Vamos dar uma olhada primeiro. — Ele saiu pela rua sem olhar para trás. Garret deu de ombros para mim e seguiu atrás deles. Corri para alcançá-los. — Eu não vou fazer nada para você. Você tem meu juramento. Agora, pare de adiar e corrija o que você fez para mim. Essas coisas, casas, estão passando fome. — Ainda não. — Liam parou no meio da rua infestada de grama. Ele olhou para baixo, numa rua lateral antes de prosseguir na mesma direção que estávamos andando. Estávamos subindo na maior parte. — Porque ainda não? O que você está procurando? — Eu inspecionei cada edifício quando passamos. Alguns eram altos com tantas janelas refletindo o céu que toda a estrutura brilhava ouro. Alguns eram baixos e


atarracados com dois olhos em forma de janela e a boca uma porta preta. Alguns quarteirões estendiam-se, com apenas uma porta central e algumas janelas estreitas ao longo do topo. Todos eram brancos maçantes sob o emaranhado de trepadeiras, com telhados caídos, tremidos e sem sinais de vida. — Assim... — Liam gemeu e esfregou os dedos ao longo dos seus templos. — Por favor, fique quieta até que eu possa descobrir onde está a Corte. Se alguém estiver aqui, é aqui onde eles estarão. — Se estes são o meu povo, eu os sinto de alguma forma? Quero dizer, se há alguém aqui? Liam encontrou meu olhar, mas ele não segurou por muito tempo. — Derrame isso, Liam. — Ali. — Garret apontou para uma encosta íngreme no ponto mais alto que podia ver. — Eu vi algo refletindo lá em cima. Sem uma palavra, Liam começou a subir a colina. Um pedaço pequeno de esperança vazou em meus pensamentos na possibilidade de alguém vivo em Dun Bray. Por favor, deixe alguém estar aqui. Eu não tinha ideia do que fazer se um de nós fosse contra Parthalan sozinho. Se ele viesse aqui à raça humana morreria uma morte violenta, e nós também. Antes que nós chegássemos a meio caminho até o topo branco brilhando na colina, um grupo de Fae piscou em existência ao nosso redor. Enfiei Garret entre Liam e eu enquanto eu examinava a última merda que tínhamos desembarcado. Eu não tinha energia suficiente para ter medo – ou mesmo irritada, apenas um desejo ardente de chegar até a colina. — Quem são vocês? — Eu exigi. Uns vinte Fae ou algo assim olhavam com olhos azuis profundos semelhantes aos meus. Todos eles usavam calças enfiadas em botas pretas e brancas túnicas em estilo de camisas com um brasão de ouro de olho em todo o seio esquerdo. Eles poderiam ter saído de um set de filme ruim dos Três Mosqueteiros. Um deles tinha uma espada presa ao seu lado. Ele adiantou-se, estendeu a mão aberta. Energia inundou o ar, ele curvou os dedos em um punho como se estivesse tentando arrancar alguma coisa fora do ar.


Quando eu pensei em me mover, meu corpo não obedeceu. Nós três grunhimos e resmungamos enquanto nós lutávamos contra nossas correntes invisíveis. — Como vocês chegaram aqui? — O cara com a espada enfiada e cabelos loiros platinados na altura dos ombros atrás de uma orelha. Seus olhos brilhantes se destacavam contra a sua pele pálida. Ele se esforçou para manter os olhos acima da linha do perigo do meu espartilho vermelho. — Apenas a nossa rainha pode abrir... — Ele olhou para mim, respirou. — É isso mesmo, merda —, Liam disse atrás de mim. — Ela é sua rainha. Se eu pudesse virar o suficiente para encará-lo, eu teria. O Fae com a espada sorriu, seus olhos brilhando. Ele deu um passo adiante e virou minha palma. Enquanto eu olhava para ele, ele varreu o dedo sobre uma das pequenas perfurações que ainda não tinha cicatrizado. Ele colocou o dedo na boca e fechou os olhos. — Isso é nojento —, eu resmunguei. — É verdade. — Ele abriu os olhos. — Lila Gray voltou para casa finalmente. Perdoe-me. Eu deveria ter percebido a semelhança. — Ele proferiu algo que tirou o controle sobre mim. — Qual é o seu nome? — Eu disse. — Eu sou Mannix, capitão da sua guarda pessoal. A maioria me chama de Nix. — Bem, Nix, você e seus mosqueteiros são os Seelies que restaram em Dun Bray? Ele olhou para sua roupa, rindo. — Não, minha rainha... — Apenas Lila. Ele assentiu. — Há alguns ainda na Corte. Quando os outros foram embora, alguns de nós continuaram mantendo o coração de Dun Bray vivo até o seu retorno. — Ele deu um sorriso deslumbrante. Covinhas afundaram em ambos os lados do seu rosto. Ele era bonito, eu daria isso a ele. — Perfeito. Leve-me para quem está no comando. Estou morrendo de fome, e eu preciso de algumas roupas. — Eu tinha que fazer xixi rápido, como um maldito cavalo de corrida, mas eu mantive isso para mim.


— Eu vou cuidar de você, minha... Lila. — Os olhos de Nix viajaram pelo meu corpo, mas não de uma forma que me insultou. Quando retornou seu olhar para meu rosto, a tensão em volta da boca relaxou. — Você se parece com sua mãe em alguns aspectos, mas tem uma beleza mais natural sobre você. — Seu foco disparou para o espartilho, em seguida, de volta aos meus olhos. — Eu vejo que alguém tem tentado domar você, mas não teve êxito. Eu ainda vejo quem você é. Eu não acho que eu mantive o olhar atordoado no meu rosto. — Não, ele não teve êxito. E a última coisa que eu preciso é alguma merda arrogante pensando que ele pode fazer um trabalho melhor. Ele abriu um sorriso bobo. — Eu não sonharia com isso. Na verdade, eu acho você muito revigorante. Os Seelies precisam de um bom pontapé na bunda. — Com um toque de seus dedos, os outros guardas se reuniram ao meu redor em uma massa de preto e branco. Eu parei de tentar entender o Senhor Suave e foquei no resto. E agora? — O que você está fazendo? — Liam girou ao meu redor. Seu calor permeado nas minhas costas. Tive que me concentrar para não derreter nele por acidente e começar a gemer como uma estrela pornô novamente. Garret encostou ao meu lado, me fazendo perder o equilíbrio por um momento. — Seu povo levará você o resto do caminho —, Nix disse. Seu olhar nunca deixando o meu. — O quê? — Eu levantei uma sobrancelha. — Não, eu não penso assim. Eu não tenho nenhum uso para preguiça, e minhas pernas não estão quebradas. Basta conduzir e vamos seguir. Eu me virei a tempo de ver Liam dar um passo atrás de mim, um sorriso minúsculo no canto de seus lábios. Um dos guardas, baixo e atarracado, com cabelo vermelho brilhante, ficou olhando para mim, depois para seu capitão. — Mas ela parece cansada —, ele disse. — Você ouviu sua rainha —, Liam reclamou. — Tirem as mãos e se movam. Girei para Liam e inclinei-me perto o suficiente para sussurrar. — Acalme-se. Nós deveríamos estar agradecendo a essas pessoas pela ajuda,


então pare de agir como um idiota. Nossa ligação se abriu, e eu suspirei, feliz que eu permaneci de pé e não rir. ―Eu não gosto desse cara. Você vê o jeito que ele olha para você? Ele pode muito bem arrancar o resto de suas roupas e acabar logo com isso.‖ Minha testa enrugou enquanto eu dei um passo para trás. Ele fixou um olhar aquecido em Nix, que sorriu de volta para ele. ―Oh meu Deus,‖ — sussurrei através do nosso link. ―Você está puxando alguma merda de macho ciumento comigo? Um – você não é meu proprietário, Liam. Dois – eu tenho tanto interesse sobre esse cara como eu tenho em esfaquear meus olhos com um garfo. Três – eles consideram você Unseelie. Se o que você disse é verdade, eles vão te odiar, então comece a agir amigável para que eu não tenha que vender a porra da minha alma para convencê-los a deixá-lo ficar em sua cidade. ―É a sua cidade. Você os comanda, então comece a comandar.‖ Eu esfreguei minha cabeça doendo e me afastei dele, rangendo os dentes. Depois de sacudir a minha frustração, fiz um gesto para a rua. — Podemos ir agora, por favor? Nix olhou para Liam, levantando uma sobrancelha para mim. Ele acenou para os guardas. Que se afastaram de mim, mas manteve sua atenção fixada em Liam. A testosterona no ar cravada enquanto Nix e Liam continuavam enquadrados em suas guerras de olhares. Na cidade por dez minutos, e Liam já havia irritado os moradores. Este dia vai ter um fim?


O MOMENTO em que nós chegamos ao topo da colina, eu me amaldiçoei por não deixá-los me levar. Minhas pernas queimavam, e meu estômago roncava. O concurso de mijo silencioso entre Liam e Nix – com os olhos aquecidos e punhos cerrados me desgastou ainda mais. Eu parei e olhei para o topo de um edifício que desaparecia no céu dourado. As escamas brancas que compunham as paredes exteriores brilhavam e mostrava dicas de amarelo. A cena brilhava diante de mim, uma miragem celestial ou algo saído de um sonho fantástico. Algumas das janelas piscaram, e luz brilhou com elas. Um pouco do aperto aliviou do meu peito, substituído com esperança de que a cidade não estava além do reparo. Eu não estou muito atrasada, mãe. Eu estou aqui. Quando me deparei com o primeiro dos degraus que conduzem ao edifício da Corte, Liam e Nix vieram para mim tão rápidos que quase bateram a cabeça. A morte parece continuar entre eles, embora Nix mantinha o sorriso no lugar. Eu não tenho paciência para alguém lutar por mim. Nós tínhamos um louco para parar. — Estou bem —, eu disse, ofegando da caminhada. — Eu só preciso de um minuto.


— Você não está bem. — Liam me ergueu da calçada e começou a subir os degraus sem esperar a minha reação. Astucioso. Eu tinha de forma demasiada que tocar sua pele nua, e um fogo delicioso se propagando pelo meu corpo. Pare com isso! Ele me traiu. Ele tomou meu poder, e aqui estou, bebendo-o como um uísque. O que há de errado comigo? Comecei a protestar, mas meus sentidos retrocederam em alta velocidade, e eu ansiava por chegar mais perto. Seu coração palpitava debaixo do meu braço, um ritmo constante que me acalmou. Ele cheirava tão bem como se ele usasse algum perfume masculino, de outro mundo destinado a confundir-me em sua apresentação. Antes eu sabia o que tinha feito isso, eu passei meus braços ao redor do seu pescoço e me puxei mais perto, enterrei meu rosto contra sua garganta e fechei os olhos. Ele me embalou perto, protetor, ou talvez possessivamente, eu não podia dizer. Naquele momento, eu não tinha forças para se importar. Eu podia ficar assim para sempre. *** O sono deve ter me superado em algum ponto, porque eu acordei olhando para um teto branco, enterrada debaixo de um edredom macio ouro. Algo enviou uma sensação de formigamento no meu braço, junto com o calor. Minha cabeça pendeu para o lado, ainda desorientada e grogue, para encontrar um homem estranho segurando minha mão. Uma mulher estava ao lado dele. O homem tinha a pele de um marrom mais escuro que eu já tinha visto. Adicione o cabelo branco puro pendurado com tranças em volta do rosto que fazia um contraste surpreendente. Seus olhos estavam nublados, mas eu podia dizer que eles eram de um azul profundo sob a película esbranquiçada. Ele usava um terno do século dezoito com um alto colarinho branco e um casaco de sarja marrom e colete. A mulher tinha o cabelo prateado metálico que se estendia até o chão como enfeites de Natal. Movia-se mesmo quando ela não o fazia, como se tivesse uma vontade própria. Seu rosto parecia jovem, à primeira vista, mas uma rede de pequenas linhas insinuava que ela podia ser muito mais velha. Seus olhos azuis Seelie tinham um brilho de lavanda sangrando para fora da pupila. Ela usava um vestido azul sem mangas que fluía amarrado atrás de seu


pescoço esguio. — Não tenhas medo, Lila. — O homem tinha uma voz tão baixa que não parecia real, como se fossem dedos dedilhando um contrabaixo. Joguei minha mão para trás, flexionando e relaxando os meus dedos para ver se ele tinha feito alguma coisa para mim. Além de alguns alfinetes e agulhas, tudo parecia normal. — Meu nome é Gallagher e esta... — Ele acenou para a mulher à sua esquerda. — É Neasa. Estamos aqui para lhe oferecer conselho e para ajudar na sua transição para o trono. Eu não estava interessada no maldito trono. Eu tentei sentar, mas o quarto girava, então eu não terminei o movimento. — Onde estão Liam e Garret? Gallagher limpou a garganta e franziu a testa. — Nix os tornou confortáveis. Minhas mãos se fecharam em punhos para o confortável. — Quer dizer que eles estão confinados em algum lugar. — Eu olhei para Neasa, a responsável, pelo jeito que ela ficou reta. Ela sorriu. Parecia real, mas eu tenho a impressão que não iria gostar das palavras formando em sua boca. — Eles são Unseelies, minha senhora —, ela disse, sem perder aquele lampejo irritante de dentes brancos. Ela se sentou na borda da cama e pegou minha mão, mas eu embaralheias para longe dela. O negócio sentimental já tinha começado a usar comigo. — Eles não podem andar sobre nossa bela cidade. Eu gemi, falando comigo mesma das balas de canhão que eu queria lançar para ela. — Em primeiro lugar, nada de ―rainha‖ ou ―minha senhora‖, apenas Lila. E, segundo, ambos arriscaram suas vidas para me trazer aqui. Você traga-os aqui onde eu possa vê-los. Arrume-me algumas roupas e alimentos, e depois vamos conversar como pessoas civilizadas. — Eu examinei o que eles estavam usando, e acrescentei, — e nada de frufrus, babados e rendas. Jeans, ou algo que eu possa mover-me sem se preocupar com o que possa cair. E eu preciso de um banheiro. Gallagher deu as costas. No início, eu pensei que tivesse dito algo


ofensivo, mas depois percebi que ele soltou os ombros com o riso escondido. Neasa bufou, os cantos de sua boca amassados devido aos seus lábios franzidos. — O guarda-roupa da rainha não contém calças. — Um pouco de brilho nos seus olhos enfatizou sua frustração. Empurrei-me um pouco mais longe e olhei-a. — Então, invada um dos quartos do guarda e me traga uma calça que me sirva. Eu não posso lutar com Parthalan vestida em uma porra de um vestido. — Calças? Onde diabos ela veio? Ela disparou e agarrou Gallagher pelo braço, as rugas em sua testa aprofundando. — Não há necessidade para palavrão, Alteza. Eu me encolhi. Quando ela puxou o Fae risonho para a porta, ela me deu uma pequena reverência. — Quanto à roupa, vamos ver o que pode ser arranjado. — Ela balançou a cabeça em direção a uma porta no canto. — A instalação é por ali. Eu confio em você para encontrar ao seu gosto. Contanto que tivesse um banheiro, eu não ligaria se ela tivesse colocado um circo inteiro lá. Gallagher piscou para mim enquanto ele seguiu Neasa para fora e fechou a porta atrás deles. Ele, eu gostei. A outra iria dar algum trabalho. Eu olhei o quarto, ainda não convencida que eu estava finalmente em paz. As paredes eram todas pintadas de creme e tinha paisagens agradáveis pendurada em esculpidas molduras pretas em torno do perímetro. — Um pouco triste, você não acha? — Outros edifícios tinham me ouvido. Será que o castelo, também? O quarto gemeu. As paredes tremeram. A tinta creme derreteu e reuniu no chão, revelando um vermelho profundo. Todas as pinturas caíram com um estrondo. Novas cresceram, imagens vívidas de pôr do sol, um dos Fae se parecia com minha mãe aquecendo suas mãos por um fogo, e outras paisagens brilhantemente coloridas. Quando eu recolhi meu queixo do chão, eu consegui um sorriso. — Vermelho combina melhor com você, e eu não acho que tendo suas entranhas cobertas de tinta seja particularmente confortável. — Eu balancei as pernas para o lado da cama. Tão ampla, como dois reis juntos e longe o bastante do


chão que tomou dois passos apenas para descer o colchão. Depois que eu não tão graciosamente tropecei descendo as escadas, eu segurei a parte de trás de uma poltrona azul e fiz meu caminho em direção à porta no canto. Uma lareira de pedra crepitava na mesma parede que a porta do corredor em frente ao pé da cama. Eu corri para o banheiro onde a maioria dos aparelhos era de ouro, até mesmo o vaso sanitário. Uma banheira afundada tomou a maior parte do chão, embora fosse mais do tamanho de uma piscina do que uma banheira. Um Box envidraçado sentado na extremidade com um chuveiro redondo enorme de outro situado sobre o centro. Eu tive que admiti que, a ideia de um banho quente me seduziu. Mais tarde. Uma penteadeira de madeira escura estendida no comprimento da parede distante com pias de ouro. Eu fiz o meu negócio enquanto balançando a cabeça com o absurdo de tal ambiente exorbitante. Quando eu terminei, eu abri algumas poucas portas do armário até que encontrei um robe de seda que eu apliquei por cima do espartilho e fio dental vermelho. Levei meia hora vendo uma pilha de fotos antigas ao longo de uma parede. Eu estava na cama, trabalhando em um quadro da metade do tamanho de um Volkswagen preso atrás da cabeceira, quando uma voz me assustou. — Você precisa de alguma ajuda com isso? — Nix encostado no batente da porta, a mão ainda na maçaneta. Divertimento amadureceu seu tom. — Qual é, Nix, me assustou o inferno. — Minha respiração pulou para fora em explosões insalubres. — Já ouviu falar em bater? — Eu fiz, mas você estava absorvida no que está fazendo. Eu acho que você não me ouviu. Eu daria a ele o benefício da dúvida. Eu assenti as minhas desculpas e voltei a minha atenção para a pintura, em busca de um lugar para obter uma boa aderência. Eu tinha que se esticar para alcançá-lo. — Você se importa de ficar do outro lado? Ele subiu na cama ao meu lado, olhou ao redor do quarto. — Redecorando? Nós abaixamos a pintura e configuramos contra a frente da cabeceira. Seu cabelo loiro caiu para frente. Isso me lembrou da pálida seda do milho.


— Ele está. — Eu apontei para a parede. — Eu só fiz uma sugestão. — Pulei da cama e resmunguei enquanto eu arrastava a pintura sobre o resto. — Esses prédios estão vivos. Dê-lhes uma palmadinha de vez em quando. Eles se sentem sozinhos. — Neasa diz que eles existem para nos servir. Eu cerrei dos dentes, montando meus pensamentos para que eu não dissesse as palavras desagradáveis queimando minha boca. — Eu não disse que concordava com ela. — Ele sorriu. — Agora você está tirando sarro de mim. Ótimo. — Eu balancei a cabeça e acariciei os dedos ao longo da parede lisa. — O que são essas estruturas, exatamente? — Quando a nossa população cresce, eles se erguem do solo dentro dos montes Fae. Quando eu precisei de um lugar para viver, eu enviei uma explosão de luz, e uma das criaturas me respondeu. Uma vez que eu formei um vínculo com ele, eu imaginei o que eu queria: cor, design de móveis. As mudanças aconteceram diante dos meus olhos. Meu lar perfeito e companheiro também, como dormir nos braços de um amigo querido. Gallagher diz que eles são os mutantes que precedem até mesmo um Fae. De alguma forma eles se tornaram dependentes da nossa luz para sobreviver. Acho que ficam aqui porque gostam da companhia. Fae, trolls, bruxas, mutantes. Eu não tinha qualquer espaço mental para mais, por isso eu levantei a minha mão para detê-lo. — Como faço para corrigir o restante da cidade? Nix sorriu sem entusiasmo. — Eu lhe dou minha palavra que vou explicar tudo, mas depois. — Ele apontou para uma pequena mesa perto da porta com uma bandeja de comida. — Eu lhe trouxe algo para comer. Por que você não guarda, então eu vou encontrar alguém para me ajudar a tirar a arte que Neasa arranjou para você. Talvez Nix não seja a dor no meu pescoço que eu imaginava. — Isso seria ótimo. Voltei com o sorriso. Um choque de pânico me pegou desprevenida quando me lembrei de Liam e Garret. — Onde estão os meus caras? Quero dizer, obrigada pela


comida e pela ajuda. Eu não quero parecer tão ingrata. — Eles estão nos esperando na sala de reunião principal. Eles se alimentaram, tomaram banho e trocaram de roupa, eu dou a minha palavra que ninguém os machucou. — Certo. Você pode dizer a eles... — Dizer a eles o quê? Que eu ansiava ter Liam perto de mim outra vez? Que a ideia do meu irmão sozinho e com medo em algum lugar feria o meu coração? Eu não conhecia Nix, e eu não queria entregar a ele as minhas fraquezas, embora a minha reação, provavelmente, me traiu de qualquer maneira. — Eu vou dizer a eles da sua preocupação. Eu brinquei com o meu cabelo, torci um punhado em minhas mãos quando ele tirou a tampa prateada de uma tigela de sopa e outra alaranjada de um prato que continha uma variedade de queijo e biscoitos. — Liam me disse que você não tem se alimentado muito, então eu pensei que, algo simples seria melhor até você retornar com a sua força total. — O sorriso satisfeito nunca deixou seu rosto enquanto ele falava, ou quando ele olhou para mim depois. — Uh... Obrigada. Isso é de se pensar. E, pensando bem. — Eu me vi puxando o robe apertado ao meu redor e querendo saber se sua pele pálida era tão macia quanto parecia. Deus, o que diabos estou pensando? Eu não posso ficar em torno de um Fae sem se transformar em uma mulher ninfomaníaca, eu estaria indo de volta para o mato para viver debaixo de uma árvore para o resto da minha vida. — Você precisa de mais alguma coisa antes de eu ir, Lila? — A maneira como ele disse meu nome atraiu os meus olhos para o seu. Eu não tenho tempo para isso! — Não. Eu só preciso de algum tempo para mim. Já tive dias melhores. — Compreensível. Uma vez que você tiver algum tempo para se ajustar, vamos estabelecer um link para que você possa me chamar metafisicamente. Por enquanto, há um painel prateado na parede ao lado da cama. Basta colocar a mão contra ele, pensar sobre o que você necessita e eu venho. Brigh estará aqui em algum tempo para deixar suas roupas. — Ele piscou para mim, mas eu não sabia por quê.


— Obrigada —, eu murmurei quando ele saiu pela porta. No instante em que ele saiu, eu queria que ele voltasse. Meu frenesi de limpar o quarto tinha sido apenas uma distração. Sozinha, eu não tinha nada para fazer, somente pensar. Pensamentos de Donovan, de seu rosto, de seus gritos se arrastaram para fora das sombras da minha mente para me assombrar. A ideia de comer me fez engasgar, então eu andei, desesperada para levar minha mente para outro lugar novamente. Pensamentos mais sombrios derramados em: Meu irmão, Milo, gritando de fora da porta, naquela noite, os gritos das minhas irmãs pequenas quando o Homem de Vidro as levou de mim, o olhar no rosto da minha mãe ao fechar o piso acima de mim. Garret. Liam. Do garoto e da menina que testemunhou o assassinato de sua família inteira. Os Conners, que nunca seriam os mesmos. Atirei-me na cama e gritei em um travesseiro, os sons na minha cabeça como um boom crescendo, o sangue derramando na pintura da minha mente. O quarto vibrou enquanto eu pulei, desesperada por alguma forma de cortar a dor em mim. Corri para o banheiro, tirei minha roupa e liguei o chuveiro. A água quente derramando sobre a minha cabeça enquanto eu deslizava minhas costas ao longo da parede, apertando até que eu sentei no azulejo branco debaixo do chuveiro. ―Lila‖ —, a voz de Liam sussurrou através de mim. Quando eu tentei falar eu percebi que estava chorando. ―O quê?‖ Eu pensei para ele. ―Você não pode enganar-me quando você estiver assim. Eu posso sentir a sua dor. Não me exclua‖. Eu engasguei quando seu espírito me encheu até que eu pensei que eu fosse estourar. Ele envolveu sua essência ao meu redor, um abraço a partir do interior, enquanto a água secava minhas lágrimas por Donovan, e para o resto dos que eu não consegui salvar. Liam me alimentou com o seu calor, seu desejo de tirar os meus fantasmas, me agarrou e fugiu comigo, para me manter segura. Pela primeira vez desde que eu saí de casa, eu coloquei o peso da minha mente em outra pessoa, e deixei ele me abraçar. Eu queria ficar assim para sempre, para nunca ficar sozinha novamente. A suavidade de seus


pensamentos de correr pela minha mente trouxe luz a minha noite escura. Quando não havia mais nenhuma lágrima, eu me recompus e desliguei o chuveiro. Gostaria de encontrar uma maneira de manter a minha promessa para minha mãe. Gostaria de corrigir os Seelie e a devastação que Parthalan trouxe ao mundo humano. De algum modo. ―Eu estarei esperando por você‖, Liam sussurrou quando ele saiu da minha cabeça. Sequei-me com uma toalha e coloquei o robe novamente antes de sair para o quarto. A sopa estava fria, mas ainda tinha gosto de ambrosia. Eu engoli os biscoitos e o queijo até o prato conter apenas migalhas minúsculas. Minha boca ainda estava cheia quando a porta do corredor se abriu e uma garota entrou. Seu cabelo rosa claro, a cor do céu antes do amanhecer, estava recolhido em um rabo de cavalo que chegava até seus ombros. Ela tinha a aparência fresca da juventude – com um punhado de sardas nas bochechas e lábios carnudos rosa glosado. Sua saia branca até seus joelhos, e uma camisa no mesmo tom que seus cabelos, esticada sobre os seios pequenos. Ela segurava uma trouxa de roupas nos braços. A jovem Fae parou meio passo e esquadrinhou o quarto com uma energia mal contida, impaciente como um cavalo de corrida atrás do portão de partida. Quando ela se virou e me viu em pé ao lado da porta, ela soltou um bufo. — Bem, vamos lá, garota. — Ela me incentivou avançar com um aceno de cabeça em direção à cama. — Vamos vesti-la em algumas roupas práticas, antes que a galinha velha volte e bique meus olhos. Eles estão esperando por nós. — Ela tinha que ser Brigh. — De quem é? — Eu peguei as roupas verificando uma por uma até que eu encontrei uma calça preta do tamanho razoável. — Tudo o que resta na cidade. — Onde você encontrou essas roupas? — Eu coloquei uma calcinha e um sutiã azul encontrado na trouxa. Eu vesti a calça e puxei uma camiseta branca confortável sobre a minha cabeça. Esfreguei as mãos sobre o algodão, feliz por estar vestida de novo. — Eu vi você chegando e fui procurar algo prático para você vestir. Eu


sabia que a cadela nunca iria achar qualquer coisa, somente a merda de babados que ela usa, por isso eu juntei. — Ah, é por isso que Nix piscou. Parei durante a tentativa de enfiar o pé em uma meia cinza, meus pensamentos a uma parada brusca. — O que você quer dizer quando me viu chegando? — Eu sou uma vidente. Eu não sou muito boa nisso ainda, mas alguns trechos do futuro vêm a mim mais forte do que outros. Vendo você passar pelo portal me mandou para fora da cama no meio da noite. Rachando minha testa sobre a mesa e saí por aí por três horas com os dois olhos pretos e um ponto de exclamação vermelho esculpido acima do meu olho. Machucada como uma puta, mas eu percebi que eu poderia muito bem começar a trabalhar quando eu estivesse acordada. — Ela saiu da conversa com um sorriso deslumbrante em um instante. Ao observá-la pulando me encheu de algumas de suas inquietações. Como poderiam todos levar suas habilidades na esportiva quando eu machuquei mais pessoas do que ajudei? Por que não temiam os seus poderes? Comecei a me perguntar se eu estava fazendo algo errado. Depois que eu terminei de calçar um par de tênis preto, fui para a porta onde Brigh pulava enquanto esperava por mim. — Qual é a pressa? — Eu perguntei. Algumas de suas alegrias drenaram enquanto ela encontrou meu olhar. A ansiedade de Brigh convenceu-me de que algo esperava por mim. — Recebemos uma mensagem de Parthalan. Tossi, em um esforço para evitar vomitar minha sopa. — Oh, inferno.


U CORRI pelo corredor após Brigh. As paredes de alabastros brilhavam polidas, tornando o corredor alto e aparentemente interminável parecer mais brilhante do que realmente era. — Qual foi à mensagem? — Meu peito apertado, não do esforço de correr, mas dos pensamentos horríveis que se infiltraram em minha mente sobre o que Parthalan poderia ter feito ou ameaçado fazer. Conhecendo-o, seria ruim. Ela parou na frente de um conjunto de portas de madeira duplas, uma incrustação de um olho de ouro no centro de cada uma. As portas se abriram um momento depois, revelando uma câmera branca. Sem uma pausa, ela pegou minha mão e me puxou para dentro com ela. As portas fecharam, e a luz na parede iluminou. — O que é isso? — Eu perguntei quando minha visão distorceu. — É um transporte. Muito melhor do que subir as escadas. — Ela andou e murmurou algo ininteligível. Mudei-me para bloquear seu caminho. — A mensagem. O que era? Pela maneira que você está carregando, eu estou pensando que nós precisamos conseguir que este tipo de transporte se mova mais rápido. — Meu coração


batia uma melodia sinistra contra minhas costelas enquanto eu olhava para o seu medo bem grudado nos olhos. — Eu não sei exatamente, mas assustou Gallagher. Se o assustou, então... Merda. Ele não se assusta com nada. — Ela sacudiu as mãos e jogou os braços ao meu redor. Eu tropecei de volta para a parede com ela. Quando eu não pude afastar a Fae tremendo para longe do meu corpo, eu esfreguei as costas dela até que ela se acalmou. — Sua luz é tão quente — , ela sussurrou contra a minha garganta. Estranho eu não acalmá-la completamente. Agarrei-a pelos baços e empurrei-a para trás longe o bastante para que eu pudesse ver o seu rosto. — Você pode ver o que Parthalan planeja fazer? — Eu perguntei. Ela baixou os olhos, esfregou os braços. — Não é assim que funciona. E eu não quero ver. — Ela colocou a mão sobre os olhos, uma criança com medo de olhar para o monstro. Gostaria de saber quantos anos ela tinha. Imaginei final da adolescência, mas considerando o quão lentamente os Fae envelhecem, ela poderia ter quatrocentos anos no lugar de quinze. — Então como isso funciona? — Eu vejo visões ao invés de caminhos certos, como quando você escapou de Parthalan e partiu para Dun Bray. Nada com ele está sempre certo. Sua loucura o torna muito imprevisível para ver, e sua ambição faz com que ele seja perigoso. — Ela encontrou meu olhar com os olhos assombrados. — Ele ainda pode ganhar. Ele ainda pode destruir tudo o que somos e cada último ser humano sobre a terra. Tudo que ele precisa é que você faça isso. Eu caí contra a parede da câmera. Ela falou a verdade, mas ouvir de uma vidente dizer isso em voz alta, desmoronou o momento que eu estava construindo. As portas se abriram. Pânico lançou-me para fora do transporte sob um teto abobadado de vidro. A enorme sala circular cantarolava, preenchida com pelo menos cinquenta Fae, sentados, em pé, alguns conversando e olhando distraidamente alguns nas paredes de alabastro. Suas posturas, vozes baixas e os olhos dardejando traiam um medo comum. Liam levantou de uma cadeira de couro preto, uma de muitas que rodeava uma mesa redonda do tamanho de uma pequena casa.


Corri, incapaz de descascar meus olhos longe dele como os outros estavam. Barbeado, com o cabelo espetado um pouco – semelhante à primeira vez que eu o vi – vestia jeans leve e uma camiseta branca. Parei antes que eu o tocasse, percebendo quantas pessoas estavam observando. Ele continuou vindo, agarrou-me num abraço apertado até que eu pensei que ele fosse me quebrar em duas. Eu o abracei, pressionando meu rosto contra seu peito e inalando seu cheiro até sua essência abafar todo o resto. Tremendo, ele agarrou meu rosto e esmagou seus lábios contra os meus. Nossa luz queimando, permeando-me o meu âmago. Eu me abri para ele, aproveitei a suavidade de seus lábios, a habilidade da sondagem de sua língua. Quando ele finalmente me liberou, eu encontrei em pé Nix ao nosso lado. A visão dele trouxe meus pensamentos de volta à realidade. Eu coloquei a mão no rosto de Liam. ―Eu perdi você,‖ ele disse através do nosso link. ―Senti sua falta também. Admito isso, mas eu não sou uma exposição pública, e nós meio que temos um grande problema agora.‖ Gostaria de saber se Liam colocou por aquele pequeno visor para o benefício de Nix, mas eu empurrei isso de lado. Mensagem agora, preocupações mesquinhas mais tarde. — Qual é a mensagem? — Eu perguntei a Gallagher. Minha voz ecoou de volta para mim do teto. Neasa se aproximou. Sua boca estava aberta, eu assumi, após o exame da minha roupa. Garret sentado encolhido ao lado de uma lareira de pedra além da mesa. Ele me lançou um olhar, e os cantos de sua boca caiu em uma carranca. Depois de chutar a cadeira mais próxima o bastante, ele bateu contra a mesa, ele cruzou os braços sobre o peito e fez uma careta. Gallagher se levantou e caminhou diretamente para mim como se seus olhos nublados pudessem realmente me ver. Expressão de sua mandíbula, sombria flexionada, ele estendeu a mão e tocou meu braço. Instinto obrigoume dar um passo para trás, e ele não insistiu. Eu gostei dele mais ainda. — Eu acho que seria melhor se o garoto saísse antes de começarmos. —


Gallagher olhou para mim de uma forma que fez a minha coluna coçar. — Ele perdeu o pai ficando comigo aqui, Gallagher. Ele tem tanto direito de ouvir isso como eu tenho. O Fae de cabelos brancos olhou para meu irmão. Depois de colocar as mãos nos bolsos, ele se aproximou. — Está longe da bondade para o que eu vou falar na frente do garoto. Trata-se do seu pai, e sua participação emocional nesta questão não vai nos ajudar a chegar a uma decisão sobre o que há a ser feito. Nós temos uma escolha difícil de fazer, e o resultado será, sem dúvida um efeito profundo sobre Garret. Meus joelhos queriam dar em mim, mas me mantive rígida e concentrada na respiração. Eu me aproximei para deixar escapar que ele era meu pai também, mas eu mantive meu juízo a meu respeito o tempo suficiente para lembrar por que eu não deveria. Liam deve ter ouvido e enfiou a mão na minha. Apertei-a enquanto as cores do salão empalideceram. A borda da consciência desgastada e ameaçou enviar-me para o abismo. — Eu acho certo, Gallagher — , Liam disse. — Eu posso falar com Garret, se quiser. Eu balancei minha cabeça, meus pensamentos caóticos bloqueando as palavras na minha garganta. — Onde você conseguiu essas roupas horríveis? — Neasa se sentou em uma cadeira pesada de madeira perto e apertou as mãos no colo. Brigh, que estava ao seu lado, deu de ombros. — Agora não, Neasa. — Eu pensava o que dizer para Garret que não fosse aborrecê-lo mais do que ele já estava. — Por que você toca neste... — Neasa balançou o dedo para Liam, — ... Mas se recusa a tocar no seu próprio povo? — Seus olhos me desafiaram. Eu olhei para Liam, que parecia saber o que eu queria. Ele fechou os olhos e nosso link abriu um momento posterior. ―Eu digo a eles?‖ Eu perguntei. ―Eles vão descobrir isso de qualquer maneira.‖ Seus olhos vagaram para Nix, um sorriso triunfante minúsculo se espalhando por todo o seu rosto. ―Pare com isso, Liam‖. Eu balancei a cabeça e virei para Neasa. — Eu


farei isso em breve, porque não temos tempo para essa merda de protocolo. Eu e Liam fomos acasalados perante a Deusa há poucos dias. Não, não foi a nossa escolha. Não posso deixar de tocá-lo, e eu não sei como me sinto sobre isso, apenas é o que é. Com o meu olhar fixo no meu irmão, eu caminhei para ele, o peso de todos os olhares no salão pressionados sobre mim. Uns poucos suspiros e sussurros seguiram. — Garret. — Eu me sentei ao lado dele. — Eu não tenho tempo para explicar isso para você corretamente, mas eu preciso de que você volte para o seu quarto até que eu vá pegar você. Quando ele deu um pulo, eu o puxei de volta para baixo e coloquei um dedo sobre os seus lábios. Sua mandíbula flexionou, e seus olhos se estreitaram. — Eu lhe dou minha palavra, que eu vou explicar tudo depois de eu falar com essas pessoas. — Se eu fosse qualquer outra pessoa, a escuridão por trás de seus olhos poderia ter me feito encolher. Ele não falou, chutou uma das cadeiras da mesa e correu de volta para o transporte. Quando um dos guardas em uma túnica branca o seguiu, Garret olhou para ele. O que diabos aconteceu antes de eu chegar aqui? Quando as portas fecharam, eu me levantei e fui até a mesa onde Liam esperava. Ele fez sinal para eu sentar na cadeira vazia ao lado dele. Aqueles que não tinham um lugar na mesa estavam em um círculo por trás das cadeiras. — Qual é a mensagem? — Eu perguntei de novo. Gallagher sentou-se reto na cadeira e fechou os olhos. Sua cabeça se contorceu como se algo o machucasse. Quando Parthalan apareceu no meio da mesa, eu empurrei a cadeira para trás com força suficiente e ela tombou, jogando-me no chão junto à lareira. — Está tudo bem. — Nix ofereceu sua mão para me ajudar. — Gallagher está projetando a mensagem que ele recebeu de um dos telepatas do Parthalan. Depois de tomar algumas respirações profundas para superar a onda de pânico, eu peguei a mão de Nix e me levantei. Suas mãos eram grandes e ásperas. Mãos de um homem trabalhador. Eu gostei disso.


Liam pairou ao nosso lado, olhando fixamente para a Mosqueteira loira. Eu balancei minha cabeça, deixando ambos para trás e sentei à mesa. A ilusão desempenhou diante de mim. Parthalan sentado em um quarto escuro, vestindo uma camisa listrada vermelha com manchas de sangue espessa o suficiente para ser confundido de alguém. Ele se inclinou para frente, os cotovelos sobre os joelhos, o cabelo pilhado acenando em torno de sua cabeça. — Embora eu tenha gostado da perseguição, minha querida, minha paciência com você chegou ao fim. Você vai voltar para a Cidade Negra antes do sol se pôr no mundo humano, amanhã ou Donovan vai sofrer por sua recusa. Com um suspiro, eu disparei para cima da mesa. — Ele não está morto? Mas, eu o vi entrar em colapso. Liam passou os braços ao meu redor por trás e me puxou contra ele. Lutei com o seu aperto. A ilusão continuou. — Ele já sofreu mais do que qualquer Fae sofreu e sobreviveu, mas prometo que sua dor vai crescer a cada hora que você se atrasar. Ele vai pedir para morrer antes que eu conceda. — Parthalan ficou de pé, sua carranca evoluindo para um sorriso psicótico. Ele caminhou até o outro lado do quarto. Isso tinha a aparência de um calabouço de um velho castelo, as correntes penduradas nas paredes, como braços quebrados. Salpicos escuros marcados na pedra, o sangue provavelmente velho. O próximo conjunto de algemas continha um Fae caído para frente. O sangue escorria em um fluxo constante de sua cabeça curvada. Meu coração parou quando Rourke entrou na imagem, agarrou o Fae pelos cabelos e puxou sua cabeça para que eu pudesse ver o rosto. Mal reconhecível como um Fae, golpeado e revestido em sangue, eu só podia ver o cavanhaque em seu queixo. Os sons no salão desapareceram sob o ensurdecedor do meu batimento cardíaco. Meu pai. Rourke se virou como se ele soubesse exatamente onde me encontrar, piscando seu sorriso lunático. — Permitam-me. — Ele puxou um pano do bolso de suas calças pretas e limpou o caminho de sangue. — Merda! — Eu soltei. — Pare, por favor, pare por um segundo. — ‗O


homem de vidro fala apenas mentiras‘. O aviso da minha mãe ecoou na minha cabeça. Gallagher piscou e se sentou para frente em sua cadeira. A imagem congelou. — O que é isso, Lila? — Eu vi a queda de Donovan. O sangue derramado de seus olhos e ouvidos quando nós pulamos da janela. Existe mais alguém que não seja Donovan e Garret que podem criar ilusões? — Eu apontei um dedo trêmulo no holograma de Parthalan. — Isso tem que ser um truque. — É possível — , disse Gallagher. — Essa é uma das razões pelas quais eu não queria que Garret visse isso ainda. À minha direita, uma Fae fêmea com o cabelo marrom claro pigarreou. — Eu posso ver através de qualquer glamour Fae, e não vejo nenhuma ilusão aqui. — Mas você está vendo o que eu vejo, Granya — , Gallagher disse. — Pode tornar o seu poder ineficaz nesse caso. Ela assentiu com a cabeça, deixou cair o olhar para a mesa, então virou para mim e deu um sorriso simpático. Alguns dos outros ao redor da mesa sussurravam uns aos outros, com os rostos todos igualmente sombrios. Eu caí de volta na minha cadeira quando a tontura me envolveu. — Okay. — Eu plantei minhas mãos sobre a mesa para me equilibrar. — Vamos ver o resto. — Eu falei as palavras, mas a voz no fundo da minha cabeça gritou para não olhar. Eu tinha que ver. Gallagher fechou os olhos e a cena continuou com Rourke jogando o pano ensanguentado no chão. Parthalan apareceu no outro lado do meu pai, entregou um punhal com uma lâmina curvada para Rourke, que girou uma vez em seus dedos com a habilidade que somente anos de prática poderia ter aperfeiçoado. Ele riu e apertou a ponta dela no peito de Donovan na base da sua garganta. Os olhos de cristais do meu pai arregalaram-se. Ele gritou quando Rourke deslizou a lâmina mais abaixo de sua pele. Fazendo uma linha escarlate como rastro. Peguei a mesa até que meus dedos ficaram brancos. O som da dor do meu pai invadiu meus ouvidos e injetou ácido em minha alma. Parthalan andou de volta para sua cadeira e se sentou. — Se isso não


convencê-la a retornar, então eu vou começar armando meus humanos assassinos com armas Fae. Sua linhagem animal tem me divertido, mas eu cresci entediado. Talvez um pouco de ação violenta poderia... Entreter-me. — Ele me soprou um beijo, o sangue de sua mão manchando sua boca de vermelho. Gemendo, ele lambeu os lábios. — Vejo você em breve, princesa. A ilusão desapareceu, juntamente com o ar nos meus pulmões. Eu me levantei da cadeira, tropeçando em direção à parede e esmaguei o meu punho contra ela novamente e novamente até que Liam agarrou meus pulsos e os apertou contra a superfície lisa. Eu gritei. — Eu poderia tê-lo salvo. — Não — , Liam disse. — Você não poderia. ―Vou matá-los. Eu vou matar todos eles.‖ — Ele está vivo. Vou mantêlo dessa maneira. Liam girou ao meu redor, segurou meu rosto com as mãos e me obrigou a olhar para ele. Seus olhos azuis turbulentos puxando cada músculo do meu corpo. — Nós não sabemos ao certo. — Liam desviou o olhar. — Donovan tinha medo que isso pudesse acontecer. Eu dei o meu juramento que eu não iria deixar você voltar por ele, e eu pretendo manter minha palavra. Eu dei um soco em seu peito, arrancando um gemido dele. — Eu não vou deixá-lo sofrer e morrer assim! — O assunto do Unseelie não interessa para nós, Majestade. — Neasa cruzou as mãos sobre a mesa. — Precisamos decidir nossa defesa antes que ele aumente a guerra entre os humanos. Incapaz de conter a raiva instantânea, corri para ela, imaginando minhas mãos em volta do seu pescoço magro. A tampa do meu poço de energia sacudiu, mas não forneceu. Caso contrário, ela teria sido dobrada em uma pilha de carne no chão. Uma comoção passou ao meu lado antes que alguém me pegasse e me prendesse no azulejo frio. Eu lutei contra Nix enquanto ele me prendia em seus braços com esforço. — Sinto Muito — , ele disse entre grunhidos. — Eu não quero que você faça qualquer coisa que se arrependerá mais tarde. — Eu não me arrependo dessa maldita bruxa sem coração!


Nós gritamos quando Nix voou para cima, trazendo-me com ele. — Deixa-a ir. — Os dedos de Liam travados na camisa de Nix. — Basta! — Enfiei a mão em cada um de seus peitos, tomando algumas respirações para me acalmar. Suas energias com gostos diferentes. Nix parecia mudo de alguma forma, mas ambos se arrastaram até os meus braços como uma onda de calor e ameaçou me oprimir. Afastei-me, sacudi meus dedos do formigamento. — Eu prometo que não vou arrancar suas cabeças hoje. Então o que fazemos agora? — A rainha deve invocar o seu povo de volta — , disse Gallagher. Encontrei-o parado atrás de mim, com as mãos nos bolsos. — Por que eles foram embora em primeiro lugar? — Eu segurei os punhos contra as minhas pernas ainda lutando com o desejo de bater em alguma coisa. — Quando sua mãe foi embora, eles ficaram com medo que os Unseelies destruíssem a cidade. Eles fugiram e se esconderam entre os seres humanos. Meu sangue queimou pelo meu corpo, uma raiva que eu mal podia conter. — Bem, isso é simplesmente perfeito. Uma pessoa sai e todos fogem? Fodidos covardes. Eles abandonaram a cidade para morrerem. O que eu quero com um bando de egocêntricos maricas? — Você precisa trazê-los. Construir-nos em uma nação. Faça-nos orgulhosos de chamar a nós mesmos Seelie novamente. Eu pisquei para ele por um longo tempo. — Eu não sei como fazer isso. Eu nem tenho certeza se eu quero. — Chame-os de volta, e eu vou ajudá-la. — Gallagher fez um gesto para o resto dos Fae no salão. — Todos nós temos força de vontade. — E quanto a Donovan? — Coloque um aviso externo, e nós falaremos sobre isso. Esfreguei minha testa para aliviar o peso da tarefa impossível descansando ali. — Assim, em outras palavras, não vamos fazer porra nenhuma? Gallagher se aproximou, ofereceu-me sua mão. Depois de uma breve hesitação, eu suspirei e peguei.


— Nós não vamos arriscar sua segurança, Lila, mas eu dou a você meu juramento de que, se houver uma maneira de salvar esse Fae, isso será feito. Estudei seu rosto e não encontrei nenhum engano. Seu toque me confortou, minou a raiva de mim, bem como uma dose de diazepam. — Obrigada. — O rasgo na minha alma não interrompeu o sangramento, mas não doeu tanto. A testa de Gallagher enrugou quando ele colocou os dedos contra as têmporas e fechou os olhos. — O que você está fazendo? — Eu contorci por um instante. O que ele pode encontrar na minha cabeça? Ele sabe que eu sou uma mestiça? Com um rosnado, eu puxei minha mão. — Saia da minha cabeça. — Incrível — , ele sussurrou. — Perdoe-me, mas eu não pude evitar. A Deusa deu a você a visão. Se eu não visse por mim mesmo, eu não teria acreditado. Suspiros e sussurros aumentaram em um coro ao redor do salão. — Eu aprecio que você não anunciou minha merda pessoal para um bando de estranhos. Ele assentiu com a cabeça, as mãos caíram para os lados, e sua boca rejeitou nos cantos. — Devo dizer-lhe, que não é tudo aquilo que mudou com você. Eu segui o seu olhar quando ele se virou para Liam, que se mexeu ao meu lado. — Ele tem bloqueado mais do que sua Luz — , Gallagher disse. Minha boca se abriu quando registrei suas palavras. Eu me virei para encarar Liam. — O que ele está falando? Liam não cumpriu o meu olhar. — Eu fiz isso para protegê-la. — Fez o quê? — Eu joguei minhas mãos, me aproximando. Nix veio por trás de Liam, estava pronto com uma ampla postura, os olhos em mim. Liam rosnou. — Depois que nós... O seu pensamento com Parthalan, quando ele disse que você reagiu a ele... — Alguém poderia me dizer o que diabos está acontecendo aqui?


Porque eu não falo gaguejando e meias palavras. — Ele inibiu a sua atração por outros Fae — , Gallagher disse. — Como um rádio, ele ajustou você à sua frequência e bloqueou o resto. Meus olhos se arregalaram. — Você o quê? É por isso que você não está tão disposto a me corrigir? Assim eu posso rastejar por cima de você como uma ninfeta apaixonada e você não precisa se preocupar com qualquer tipo de concorrência? — Apertei meu peito, um peso insuportável em cima dele que ameaçava esmagar-me como uma pasta. Eu apontei o dedo para ele, ofegante. — Você sabe como é difícil para mim confiar, e você puxa essa merda de mim? O que mais existe Liam? O que mais você não me contou, porque agora é a hora, porra! — Nada — , ele murmurou quando ele chutou o chão de ladrilhos. — Não há mais nada. — Perfeito. Então devolva a minha Luz desfaça a merda que você fez a mim. Hesitante, ele fechou a distância, procurando em todos os lugares, porém por mim. — Lila, eu... — Salve isso. Eu sabia que havia uma razão para eu não confiar em você. Acho que meus instintos estão sempre certos. Ele balançou a cabeça, os ombros caídos. — Preciso tocar o seu peito nu. Quero dizer, não, acima dos seus... — Ele fez um gesto para os meus seios. — Apenas faça. Depois de lutar com a minha camisa, ele foi para trás de mim e colocou suas mãos para baixo da gola até as suas mãos descansarem contra a pele abaixo da minha garganta. A pressão sob suas mãos me fez gemer e travei meus joelhos para permanecer em pé. Sua respiração se acelerou, e ele gemeu. Eu gritei quando minha energia inundou pelo meu corpo, brilhando através da minha pele como se eu tivesse engolido algo radiativo. Um momento depois, todos os Fae no salão se iluminaram em minha mente – as luzes do salão – alguns dos outros. Liam sussurrou em minha mente quando ele me soltou, ―Eu te amo‖. Engoli após o caroço gigante na minha garganta. Meu rosto endureceu


em uma máscara de pedra que eu tinha usado durante anos. Mesmo a voz em minha mente se transformou fria. Eu pensei lento, palavras apontadas para ele. ―Como você ousa dizer isso para mim! Eu nem sei o que essas palavras significam, mas eu sei que você não iria me tratar como sua puta pessoa, se você me ama.‖ Como eu pude ter imaginado uma vida com ele? Eu vivi sozinha toda a minha vida adulta e tinha sobrevivido muito bem. Talvez fosse esse o jeito que deveria ser. — O que fazemos com ele? — O olhar aquecido de Nix estava fixo em Liam. Meus olhos fecharam, roubando a situação do Unseelie. — Tirem ele da minha vista.


ALLAGHER APARECEU AO MEU LADO enquanto alguns dos guardas escoltavam Liam para o transporte. — Como é que eu chamo os Fae? — Minha voz drenada de emoção. Eu me virei, incapaz de assistir Liam indo embora como se fosse dirigir a dor mais profunda para dentro de mim. Eu apertei alguma coisa quente nos meus dedos. Energia intensa subiu no meu braço. Eu olhei para baixo para encontrar a mão de Nix ficando branca do meu aperto. Eu o soltei e recuei com uma careta. — Sua visão da Deusa, será mais fácil —, Gallagher disse. — Vamos para o todo da torre. Concentre-se em todos os Seelies, então use a sua Luz para fazer com que a sua voz fique mais forte sobre o vento. Quando eles sentirem o seu poder, eles voltarão. — E depois? — E então você vai cumprimentar o seu povo como sua rainha. Digalhes o que você espera deles. Temos que lidar com Parthalan como uma nação ou cairemos abaixo de sua bota. Eu limpei a mão pelo meu rosto, segurei meus quadris. — Vou curar primeiro a cidade.


Nix me ofereceu seu braço. — Eu vou ajudá-la. — O retorno dos Fae vai curar a cidade. — Neasa com quatro polegadas de saltos caminhava através do salão na nossa direção. Seu cabelo ouro balança atrás dela. — Não desperdice sua Luz sobre os seres inferiores. Você vai precisar dela para chamar o nosso povo para casa. — O único ser inferior aqui é você. — Minha energia brotou em um flash. O ar vibrava ao meu redor e brilhava. Meu cabelo dourado dançava à minha volta, tecendo em um emaranhado caótico acima da minha cabeça. Eu não percebi o quanto eu perdi com minha Luz, como uma entidade viva dentro de mim com seu próprio pulso, sua própria mente. Minha velha amiga. A boca de Neasa se abriu como se eu tivesse colocado uma arma no seu traseiro rígido. Pena que eu não tinha uma. Nix agarrou meu braço. Ele inspirou bruscamente ao toque, e eu ecoei um momento posterior. Fogo inebriante em espiral percorreu ao longo dos meus ossos, invadindo meu peito e em outros lugares. Eu recuei para longe, esfregando meus braços em arrepios. — Como você pode pensar em outra coisa enquanto sua cidade sofre? — Eu falei para a cadela presunçosa. — Os Shifferes são seres com almas. Eles sentem dor e solidão, como você, e eu vou curá-los quer você goste ou não. Gallagher ficou entre nós. — Posso extrair Luz dos outros e emprestar para você quando você acabar. — Perfeito. — Eu me dirigi para o transporte. — É bom saber que alguém dá uma merda sobre esse lugar. Nix me seguiu, rindo. — É hora de alguém colocar isto em seu lugar. Ela está desfilando por aqui como se ela possuísse o lugar desde que... — Ele limpou a garganta e remexeu ao meu lado, enquanto esperávamos pelo transporte. — O nome da minha mãe não vai me transformar em uma besta feroz, Nix. — Fechei minhas mãos em punhos apertados. Seus lábios contraíram. — Sim, eu acho que é um pouco tarde para isso. — Eu não estou de bom humor para você zombar de mim. Se eu lhe der um soco ou alguma coisa na sua cara, a culpa é sua. — Eu me forcei a


respirar pelo nariz até a raiva diminuir. Neasa e eu tínhamos que chegar a um entendimento, ou eu ia acabar estourando-a. quando as portas se abriram, eu entrei, fui para o canto e concentrei em minha energia para me distrair. Juntei tudo e o relacionamento com Liam e guardei no fundo do porão da minha mente. Não há tempo para se preocupar com mentiras. Eu tinha uma cidade para salvar e uma porrada de jumentos para chutar. Eu segurei a pouca esperança de que eu poderia salvar o meu pai, mas eu tinha que tentar. ♦♦♦ Nix e eu paramos em um pequeno jardim no meio da cidade. Um tapete verde exuberante de musgo amortecia os meus pés e cheirava a novas plantas em crescimento. Pequenas flores azuis em forma de sino acrescentou uma pitada de cor para a tela de esmeralda. Pequenos montes de flores silvestres cresciam em torno das árvores que eu nunca tinha visto antes, uma folhagem rosa escuro e fina como penas. A fragrância cheirava um pouco como rosas, só que mais doce. — Isto é o coração de Dun Bray —, disse Nix, clara paixão em sua voz. — A maioria chama o coração da Corte, mas isso é onde eu sinto a maior conexão com a cidade – e suas criaturas, e para os que deixaram seus corpos terrestres e preencheram o nosso céu com suas luzes. — Ele olhou para cima, um sorriso devastador em seu rosto. — Você já perdeu alguém? — Parte de mim esperava que sua resposta fosse sim, que talvez ele pudesse entender a minha agonia. Deus, realmente? Eu estou desejando repartir a minha dor com ele, então eu vou ter alguém para conversar? Agora eu posso adicionar a cadela fria à minha lista de qualidades. Ele baixou o olhar para mim de novo. Nós éramos da mesma altura, então eu podia ver através de sua fachada para a habitação ferida por trás daqueles olhos brilhantes. Quando ele me ofereceu sua mão, tomei-a sem hesitação, ansiosa para aliviar seu sofrimento e o meu ao mesmo tempo. — Os anos passaram sem nenhuma palavra, alguns de nós saíram procurando você. — Ele apertou minha mão, usando isso para me aproximar.


— Poucos de nós voltaram. Lancei minha mão para trás, me afastando e olhando para a rua de paralelepípedos. — Existe alguém que não perdeu alguém por minha causa? — Não... espere! Não falei que você foi à culpada. — Quem você perdeu, Nix? — Eu cruzei as mãos sobre o meu estômago para acalmar a agitação lá. Ele parou por um longo tempo. — Minha mãe e meu irmão mais novo. Eu assenti, uma dor crescente em meus ossos. — Eu vou consertar a cidade agora, e então eu vou chamar de volta os Seelies para que eles possam fazer alguma coisa. — Com os olhos fechados, eu me concentrei na minha Luz, deixando-a construir e iluminar até que eu pensei que fosse me despedaçar ou me queimar. Eu me ajoelhei e coloquei minhas mãos contra o musgo fresco. A vibração da cidade pulsava como um batimento cardíaco fraco abaixo de mim. Um vento repentino pegou no meu cabelo e roubou meu fôlego. As árvores rangeram em protesto. Quando eu não pude mais conter a energia, eu enterrei meus dedos no musgo e empurrei a minha vontade para dentro da alma de Dun Bray, rasgando o seu coração e derramando no meu próprio. Todas as minhas células queimando com a intensidade da liberação. Eu gritei quando eu coloquei tudo que eu tinha no chão. Minha Luz acendeu o céu e tudo ao meu redor, como se um raio tivesse brilhado e congelado no limite. À medida que, minha energia se espalhava pela cidade, mais e mais figuras de shifteres despertavam. Suas alegrias me encheram quando seus corpos adormecidos voltaram à vida novamente, seguido por suas ânsias de anos de solidão. Eu tive um impulso irresistível para rastejar dentro de um e dormir para sempre. Quando minha energia desvaneceu e minha Luz apagou, eu desabei sobre o musgo, ofegante. Nix não disse nada, apenas me deitou ao seu lado – perto o suficiente para que eu pudesse compartilhar o seu calor e o prazer suave de sua energia, mas não perto o suficiente para me oprimir. Olhamos um para o outro por um longo tempo antes que eu fechasse os olhos. Quinze minutos depois, eu me recuperei o suficiente para ficar de pé. — Por que Gallagher quer que eu vá para o topo da torre? — Eu


esfreguei pedaços de musgo da minha calça preta. — Eu não tenho a mínima ideia de como chamar um monte de gente que nunca vi. — Ele é um telepata poderoso. Talvez ele possa lhe mostrar os seus rostos. Um pouco de esperança acendeu em mim. — Talvez você não seja apenas músculos depois de tudo. — Eu estremeci. — Eu não quis dizer da maneira que soou. Nix riu, um som brilhante e contagiante. — Você me chamou de musculoso, bonito e inteligente. Eu poderia achar um insulto em que? Eu me virei. Meu coração doía demais para lidar com flertar, não importa quão leve ou inocente. Respirei fundo, quando tive uma ideia. — Com a visão da Deusa, eu posso pensar em Donovan, então eu saberei se ele está vivo. Certo? — Parthalan pode ter alas ao redor da cidade, para saber que todos os poderes penetraram. Eu sei o que fazemos. — Eu estou prestes a descobrir. — Donovan, eu pensei. A elaboração da memória de seus braços em volta de mim, à adoração eu vi, quando ele olhou para mim. Minha visão estendida por toda parte, realizada acima da Terra pelo vento. Flashes vieram de diferentes lugares – florestas, campo, deserto, um lugar onde a neve e o gelo se estendiam por centenas de quilômetros. — Você o encontrou? — Nix perguntou quando eu abri meus olhos. — Não, mas eu não vi nenhum flash de dentro – ou da Cidade Negra ou de Dun Bray. Eu pareço estar limitada para o mundo humano. — Eu me inclinei para frente, apoiando as mãos contra as minhas coxas. Eu me virei e comecei a subir a colina, sacudindo a decepção. — Vamos. Voltamos para o edifício branco e subimos os degraus. Um passeio pelo transporte mais tarde, entramos na sala de reuniões, onde Gallagher e Neasa conversavam ao pé da lareira. Todo mundo tinha ido embora. — Vamos conseguir este feito, Gallagher —, eu disse. Os dois Fae pararam e estalaram suas atenções para mim. — Algum problema aqui? Eu preciso conversar com... — Merda. Eu quase falei meu irmão. — Garret.


Quando Gallagher se virou para mim, Neasa o agarrou pelo braço. Ele girou a cabeça para trás para ela. Seus olhos se arregalaram quando ela o soltou. Eu gostaria de ter visto seu rosto. O olhar deve ter sido muito bom. Vestindo um sorriso irônico, Gallagher continuou em direção a nós. — O que foi aquilo? — Eu perguntei a ele. — Em outra ocasião, talvez. — Gallagher fez sinal para que nós entrássemos no transporte. — Por enquanto, deve agradar você saber que, Brigh está com Garret. Pensei que seria melhor se ele não estivesse sozinho. — Obrigada. — Segui Nix para dentro da câmara branca. Depois de uma viagem vertiginosa, saímos no topo da torre. Engoli em seco, notando um muro separando-me de uma longa queda. O vento me empurrou para o lado, e dei um passo atrás para Nix. — Eu não vou deixar você cair —, ele sussurrou. Gallagher pegou minha mão e me levou para longe das portas do transporte. Eu fiz o meu melhor para caminhar, apesar dos meus músculos rígidos, e mantive meus olhos afastados da parede. — Por que nós estamos aqui? — Minha boca secou a uma pasta de giz. — Eu posso amplificar seu poder com o meu próprio e Nix, que funciona melhor em campo aberto. Não pode fazer a diferença, mas precisamos de todas as vantagens que podemos obter. — Certo, mas, por favor, depressa para que possamos sair daqui. Gallagher ficou na minha frente, suas mãos segurando meus braços. Nix veio de trás e colocou as mãos por cima de Gallagher. — Eu vou plantar imagens do Fae em sua mente —, Gallagher disse. — Use-as para enviar a chamada. Eu concordei e fechei os olhos. A corrida de imagens me dominou. Esforcei-me para fugir, mas Nix sussurrou confirmações para mim. Tantos rostos, cores de pele e cabelos de todas as tonalidades imagináveis. Quando me ajustei o suficiente para pensar além da apresentação de slides constante, eu abri o poço na minha cabeça e libertei a pouca Luz que permaneceu. Um momento depois, Gallagher forçou sua energia, juntamente com Nix, em mim. Fogo acendeu a minha carne, inundando-me com a vontade de rir como uma idiota bêbada. Eu me concentrei nos rostos e usei a nossa Luz combinada


para empurrar a minha vontade mais longe através do vento e para as árvores. Foi preciso alguns minutos antes de suspiros para as respostas tocarem em meus ouvidos. Rostos assustados apareceram para mim, alguns sentados nas mesas de um escritório, alguns em suas banheiras, andando pelas ruas movimentadas ou em suas janelas. Horas se passaram, junto com centenas de rostos, talvez milhares – eu perdi a contagem. — Lila! — Uma voz gritou no meu ouvido. Minha concentração quebrou, e eu caí de volta à realidade. Gallagher tropeçou e sentou-se sobre uma pedra, coçando a cabeça. Me virei para encontrar de pé Brigh ao meu lado. Alguns de seus cabelos cor de rosa tinha escapado de seu rabo de cavalo. Sangue seco endurecido na borda de uma narina. O olhar nos olhos dela me fez agarrá-la pelos braços e sacudi-la. — O que aconteceu? Ela me entregou um pedaço de papel dobrado. Uma lágrima escorreu pelo seu rosto sardento. — É Garret. Ele me nocauteou. Quando acordei, eu encontrei isto. Com as mãos tremendo, eu agarrei a nota e desdobrei-a. Lila. Vou voltar para o papai. Eu me cobri na ilusão e retornei para a sala de reunião, então eu sei de tudo. Talvez você possa viver sentada, enquanto ele sofre, mas eu não posso. Eu prefiro morrer. Garret. — Não! — Eu corri para o transporte com Nix em meus calcanhares. — O que diz? — Ele pegou o bilhete da minha mão. Ele fechou os olhos e apertou as mãos contra a testa. — Foda-se. Ela deveria vê-lo! — Isso não é culpa dela. É minha. Eu deveria tê-lo mantido comigo. Ele é a minha responsabilidade. Eu preciso trazê-lo de volta. Ele cerrou os punhos. — Por favor, me dê algum tempo para descobrir isso. Eu não vou deixar você cometer suicídio. — Ele não pode ter ido muito longe, mesmo se ele pegou uma carona em um carro. — É noite no mundo humano. Você dormiu por muito tempo quando você desmaiou nos braços de Liam. O Sluagh vai pegar Garret se não o tiver


feito. Enfiei minhas mãos contra a parede do pequeno espaço enquanto descíamos. — Eu esqueci sobre essas coisas, mas ainda não importa. Eu prometi para ele que o manteria em segurança. — Com a minha Luz de volta para mim, o Sluagh não fazia diferença, embora Parthalan sim. — Parthalan sempre encontra uma maneira de conseguir o que quer. — Gallagher disse que o seu poder não funciona contra Parthalan. Se você se deu a ele... — Nix andava comigo. — Eu não entendo por que ele ainda me quer. Eu estou acoplada a Liam. — Uma pontada de dor no meu estômago me pegou desprevenida. Eu gemi. — Há maneiras de quebrar o vínculo. — Nix falou cuidadosamente como se tivesse medo da minha reação. — Não importa. Eu vou de qualquer maneira. — A dor por Liam piorou, se espalhou através de mim, uma doença em que a cura poderia me machucar pior do que a aflição. Quando chegamos ao nível do chão, eu passei por todo o salão principal e pelas portas. Desci as escadas, pulando degrau em degrau. Impelida ao longo de pura adrenalina, eu corri pela calçada, os olhos das janelas das casas me observando enquanto eu passava. Eu pensei em parar e usar minha visão para encontrá-lo, mas eu continuei correndo, impulsionada a se mover. — Lila, espere! — Liam surgiu de uma das casas, com o rosto e as mãos sangrando. — Onde estão os seus guardas? — Nix rosnou. Liam ficou na minha frente como se não tivesse ouvido Nix. — Eu posso sentir tudo que você sentir, lembra-se? O que aconteceu? Eu parei e desviei os olhos, pensando se conto ou não a ele. O papel amassado me fez virar. Nix entregou a nota. Liam pressionou a nota contra seus lábios. Seu peito arfava. Ele pulou para mim antes que eu pudesse reagir e me beijou com violência, permaneceu tão perto que eu podia ver a determinação nos seus olhos. A dor no meu corpo aliviou com sua proximidade. — Eu te amo —, ele sussurrou. — Eu vou morrer antes de eu deixar


você de novo. — Ele me soltou e correu em direção ao portão principal. Levou um segundo para o efeito de seu toque desgastar. — O quê? Espere, onde você está indo? Ele gritou por cima do ombro enquanto ele saía da cidade. — Mantenha-a na cidade, Nix, ou eu vou pessoalmente matar sua bunda esteja eu vivo ou morto.


U ANDAVA NO MEU QUARTO, xingando a mim mesma. Nix estava encostado na parede oposta à cama. Nódoas roxas floresceram abaixo de seu olho esquerdo, onde eu tinha o decorado tentando ir atrás de Liam. Gallagher havia aparecido durante a briga e fez alguma coisa para me nocautear. Ele e eu teríamos uma conversa mais tarde. — Você sabia o que Liam iria fazer quando você mostrasse a nota. — Eu andei para Nix pela centésima vez. — E vá colocar alguma coisa sobre isso. Você parece ridículo com essa túnica branca. Seu comportamento pacífico e jovial subjacente desapareceu, substituído por músculos tensos e uma testa enrugada. — Eu juro que nunca mentirei para você — , ele disse. — Você acredita em mim? Parei e fiz uma careta para ele. — Eu não vou responder essa merda até você admitir que fez isso de propósito. — Sim, eu dei a ele sabendo o que ele faria. Peguei uma escova de cabelo da mesa de cabeceira e atirei-a para ele. Ele não vacilou quando ela bateu na porta ao lado dele e caiu no chão a seus pés. — Por quê? — Porque ele tem uma melhor chance de trazer Garret de volta do que


você. Ele conhece a cidade. Ele pode voar. Ele pode suprimir uma Luz Fae. — Nix deu um passo hesitante mais próximo. — Você sabe que era a coisa certa a fazer. — O que eu sei é que ele vai morrer do mesmo lado que Garret se eu não fizer alguma coisa. Então, agora, em vez de dois reféns, eu tenho que resgatar três. Pensamento brilhante, Senhor Gênio. — Não se ele tiver êxito. — Você não entendeu. — Eu resmunguei, sem saber o que fazer com a fúria inchando no meu corpo – como uma besta com raiva a ponto de se libertar de sua gaiola. — Parthalan é totalmente Bat-merda, e agora ele está puto. Liam... Não... Sucesso. — Joguei as minhas mãos para pontuar o meu ponto. — Meu dever é para você. Eu vi uma oportunidade, provavelmente a melhor que temos de corrigir isso sem colocar você em perigo, e eu peguei. Eu não vou me desculpar por isso. — Dever. — Eu joguei a palavra num tom petulante. — Eu não quero que ninguém se sinta obrigado a mim. Nix levantou-se reto. — Eu vou cuidar de você porque eu quero, e não por outro motivo. Sim, me foi dado o privilégio de protegê-la, mas foi requisitado isso há muito tempo. Eu inclinado longe dele, cruzei os braços. — Eu posso cuidar de mim mesma. — Eu sei, e quando isso acabar, vou recuar. Fiz uma pausa, tentando pensar com clareza e falhei. Liam me traiu e continua mentindo para mim, então por que meu coração se sente como se estivesse quebrando tudo de novo? Eu tentei entrar em contato com ele usando a minha visão, mas eu recebi imagens de penas novamente. Se ele tinha ouvido os meus pensamentos para ele voltar, ele ignorou. — Os que nós amamos sempre nos machucam mais. — Uma nota de tristeza se aprofundou na voz de Nix. — O que isso quer dizer? — Se você não amasse, você não estaria sofrendo tanto.


Eu balancei minha cabeça. — Eu não estou sofrendo. — Você pode esconder isso de alguns, mas não de mim. Eu soltei um riso amargo. — Eu o conheço há alguns dias. Do que eu sei do amor, isso não acontece tão rápido. É apenas este vínculo maldito enroscado com a minha cabeça. Eu não o amo ou preciso dele, mas isso não significa que eu quero que ele morra. Nix caminhou ao redor para me enfrentar e sorriu. — Ok. Um som frustrado retumbou na minha garganta. — Estou saindo agora. — Não, você não está. Os Fae estão chegando. Alguns não vão ficar por muito tempo, mas você tem que cumprimentar aqueles que vão ficar por duas horas. — Duas... Eu não posso esperar duas horas! — Inclinei-me para ele. — Saia do meu caminho, ou eu vou mover você eu mesma. — Um vento repentino pegou o meu cabelo, e um brilho dourado cobriu minha pele. — Não faça isso. — Nix foi para a porta e ficou em uma postura pronta para a batalha. — Eu sou psicocinético, você viu o que eu poso fazer. Ao primeiro sinal de poder, eu prendo você. Eu não quero te machucar, então, por favor, não me obrigue. Eu ampliei a minha posição e ri, um som obscuro, sinistro. — Você pode prender o meu corpo, mas não minha mente. — Você não vai me machucar. Gallagher me deu algumas alas pessoais para impedir que você afete minha mente. — Sua postura mudou imitando a minha. Eu não podia discutir com ele. Eu não iria machucá-lo – gravemente. Através dos meus pés, eu empurrei a minha energia para o chão e a usei para arremessar uma mesa em direção a ele. Com um toque de seus dedos, a mesa se quebrou em uma pilha de gravetos no chão ao redor dele. Nix agachou e se firmou. — Você não pode me machucar com qualquer coisa neste quarto. Isso nos coloca em um impasse. — Supondo que eu não vou esmagar seu coração em uma polpa pegajosa. Nix deu uma risadinha, mas inquietação nublou seu olhar. — Sim,


assumo isso. Eu disse que quando nos conhecemos eu podia ver quem você é. Eu sei que você não vai fazer isso. Você não quer ser como Parthalan ou os seres humanos que tentaram fazer coisas horríveis para você. — Ele se endireitou, colocou as mãos por trás dele e encostou-se à porta. — Brigh vai estar aqui com suas roupas em breve. Por que você não faz alguma coisa para relaxar? Um banho, talvez? Eu odiava que eu pudesse ser tão previsível. Eu precisava ir embora, mas eu não iria machucá-lo para fazer isso. O amanhecer ressuscitava os Shadows além dos portões, e o sol se punha por volta das seis. Tão pouco tempo. Parthalan disse que a tortura intensificaria a cada hora que eu demorasse. Eu não podia deixa-los sofrer duas horas. Tinha que haver uma saída. Eu só tinha que pensar sobre isso. — Por que eu preciso me trocar? — Eu comecei a andar. — Neasa tem um guarda-roupa inteiro projetado para a nova rainha. Joias novas, também. A Sidhe da Corte é muito – vistosa. — Ela pode enfiar. Tudo isso. Eu vou como estou, pronta para trabalhar. Riso brilhante explodiu dele. — Contanto que eu esteja lá para ver o rosto dela quando você aparecer na Corte Seelie de tênis e uma camiseta. — Ele encolheu os ombros. — Você sabe, eu acho que está perfeito. Nenhuma pretensão, apenas mostra a eles quem você é na verdade, mas você pode ter dificuldade oscilante de enxergar alguma razão vestida dessa maneira. Para mostrar solidariedade, talvez os guardas devessem começar a usar calças jeans e camisetas, também. Parei novamente. — Sim, por que não se troca, antes de fazermos essa coisa? Ele sorriu. — Não, vou ficar por aqui. Boa tentativa, no entanto. ♦♦♦ Nix, juntamente com os cinco outros guardas, cercaram-me de onde eu estava no salão principal. O tempo tinha passado dolorosamente, e meus nervos


estavam tão desgastados ao redor das bordas que eu havia começado a rosnar, mas os Fae finalmente começaram a se reunir na Corte. Centenas ainda estavam desaparecidos, mas não podíamos esperar mais. — Eu não posso esperar para ver o rosto de Neasa quando nós aparecermos assim — , um dos guardas do sexo feminino, disse. Ela respirava a sexualidade da maneira como os outros expulsavam dióxido de carbono. Eu não tinha a capturado quando ela estava entre os outros, mas de pé ao meu lado, vestindo uma confortável camiseta e calça preta, sua presença me envolveu. Ela tinha cabelo loiro tecido em duas tranças que pendiam na frente dos ombros. — Não deixe que a falta de uniforme permita que você esqueça o seu dever, Neve. — Nix olhou de volta para mim. — Você está indo bem. Apertei os olhos para ele. — Por que você diz isso? Ele se inclinou e falou palavras suaves. — Você está fumaçando, e você amaldiçoou mais nos últimos cinco minutos do que eu amaldiçoei em toda minha vida. Inferno. É óbvio que eu estou prestes a explodir como um foguete. Olhei para o teto distante e a névoa dourada ondulava além. Algumas respirações profundas, e o pânico diminuiu. O que eu poderia dizer para inspirar a mudança de uma nação? Eu não era minha mãe. Eu não tinha a sua bondade ou carisma. Ninguém fez nada por ela por medo. Eles fizeram isso porque não podiam suportar a ideia frustrante de alguém tão profundamente bom. Os Fae não me amam mais do que eu me preocupo com eles. Eu não seria capaz de esconder isso por muito tempo, mas de alguma forma eu tinha que fazê-los ouvir. Então eu tinha que encontrar meu irmão, meu pai – e Liam. Bati a mão no meu coração batendo. — Está na hora. — Nix falou com uma mão nas minhas costas em direção às portas em arco. Lambi os lábios secos, revirei os ombros e assenti. Neve e outro guarda abriram as portas. Nix caminhava à minha direita, e um guarda com o cabelo vermelho curto permaneceu à minha esquerda. Mais dois vieram atrás de mim. A Luz da Corte me atingiu primeiro. A pedra de alabastro das paredes


altas iluminava como o sol brilhando sobre uma crosta brilhante de neve. Colunas brancas cobriam as paredes distantes, hera verde serpenteava até o comprimento delas e se arrastavam ao longo do teto de vidro em alguns lugares. Piscando, eu entrei no salão, os ecos dos meus passos submetidos aos solados de borracha dos meus tênis. O silêncio quando entramos cresceu em conversas sussurradas, uns poucos suspiros e até mesmo um "quem deixou este riff raff na nossa Corte?" Notei aquela – mulher alta vestindo um terninho de cetim azul gelo. Ela estava com as mãos nos quadris estreitos. Ela usava o problema como um perfume. Eu tenho que manter meu olho nela. Similar à Corte Unseelie, palanques em miniatura estavam empilhados em forma de tigela ao meu redor, e um tablado grande erguido sentado na frente com uma dourada cadeira. Eu balancei minha cabeça com o absurdo de tal trono ridículo. Por trás dele, um cenário de vidro brilhante manchado estendia-se por todo o comprimento da parede de vidro âmbar, e creme criando o céu e vidro branco representando os Shifters de Dun Bray. A Fae que se parecia com minha mãe flutuava no céu, os braços abertos como um anjo olhando para seu povo. Seu povo. Eles sempre serão o seu povo. Os pensamentos se esgueiraram para dentro, formando um nó na garganta. Eles vão ouvir-me, ou eu vou fazê-los ouvir. De alguma forma eu tenho que fazer isso acontecer. Quando cheguei à frente, eu saltei em cima do tablado e sentei com as pernas balançando para fora da borda do mesmo. Os rostos chocados dos Fae na Corte olharam para mim. Uma olhada para Nix, e ele, juntamente com o resto dos guardas, ficou na frente como pilares em ambos os meus lados. — Por favor, sentem-se — , gritei. Isto ecoou no salão mais alto do que eu imaginava. Todo mundo pulou. Neve cutucou minha perna com o cotovelo. Levei um segundo para encontrar Neasa olhando para nós a partir da extremidade da plataforma. Sua boca escancarada, com a metade da mão estendida como se quisesse jogar uma cortina para ocultar-nos de vista. Acenei para ela. — A Corte Sidhe não se senta até que a rainha esteja sentada — , a mulher alta disse. — Onde ela está? Nós todos temos vidas caso você não


saiba. — Um sorriso terrível disposto em meus lábios enquanto eu ficava de pé em cima do tablado. — Meu nome é Lila Gray. Eu lhe disse para se sentar, então se sente antes que seu traseiro encontre uma cadeira da maneira mais difícil. — Minha boa vontade durou apenas trinta segundos – um novo recorde para mim. Suspiros e gritos lamentáveis percorreram a multidão dos Fae. Um cara usando uma jaqueta prata de lantejoulas e calça branca falou sobre o ruído. — Você não pode ser filha da rainha, e nenhum plebeu ousaria falar com Callandra dessa forma. Ela tem mais de mil anos, um membro desta Corte durante séculos. — Qual é seu nome? — Eu dei-lhe um olhar duro. — Richard. — Eu não me importo quem ela é, nem tenho tempo para mimar um monte de Fae absortos. Estamos em guerra caso você percebeu. Isto vai levar todos nós para luta, sem nos esconder mais, nenhum de vocês. Todos eles gritaram obscenidades e jogaram os punhos em minha direção. Tudo isso com os cabelos perfeitamente decorados, roupas certas, obra de algum designer – um dos poucos que permaneceu. Seus pescoços e dedos brilhavam com diamantes suficientes para que eu precisasse usar óculos de sol. Eu me perguntava onde eles tinham encontrado tudo isso. Glamour Fae, talvez? — Rainha Arianne deveria nos proteger — , um deles gritou. — Ela nos abandonou — , disse outro. — Ela nos deixou indefesos — , alguém gritou do alto. — Se não tivesse salvado a nós mesmos, ninguém mais teria. — Foi assim por diante. Eu fiquei lá, a raiva fervendo nas minhas entranhas. Nix deve ter notado porque ele pulou em cima da plataforma e colocou a mão no meu ombro controlando. — Você parece que simplesmente se arrastou para fora da floresta, Lila Gray — , Callandra na seda azul gritou. — Eu não posso acreditar que você é filha de Arianne. Será que ela ensinou alguma coisa de ser uma dama da Corte?


— Ela virou o nariz. — Você não está apta para ser rainha. A verdade em suas palavras me enviou sobre a borda. Gallagher apareceu de algum lugar à minha esquerda. Ele olhou para mim com uma expressão que eu não conseguia ler. Eu achava que era decepção. As vozes em expansão, o peso das minhas promessas para minha mãe me mandou correndo do salão. Eu não parei de correr até que eu cheguei ao jardim no coração da cidade, sugando o vento. Eu caí de joelhos, olhei para o céu. — Eu não posso fazer isso! Eu nunca vou ser você. Eu não sei o que fazer! Lágrimas choveram em minhas bochechas. — Por que você não me disse o que eu era e me ensinou a ser você, se é isso que você queria de mim? — Enquanto eu olhava para os espíritos das pessoas da minha mãe, a resposta veio como um choque pelo meu corpo. Minha voz caiu para um sussurro. — Você não quer que eu seja como você. — Eu olhei para o meu passado, aprendendo a sobreviver através do inferno, sua finalidade se tornando mais clara. — Você precisava de um guerreiro que pudesse enfrentar Parthalan, que não tivesse medo de colocar suas mãos na massa. Se eu tivesse crescido aqui, eu seria como eles. Um momento depois, Nix ajoelhou na minha frente. Eu não podia rasgar meus olhos do céu para encontrar o olhar dele. — É isso mesmo. Você é Lila Gray, uma sobrevivente, exatamente o que esta nação precisa, agora, mesmo que eles não percebam isso. Ninguém precisa saciar seus caprichos ou ouvir suas besteiras e pegá-los pela mão, para ver a razão. Eles precisam de tudo o que você se tornou, tudo o que sua mãe quis que você fosse. Rainha Arianne não poderia ganhar esta luta, mas você pode. Baixei minha atenção para ele. — Então o que eu faço com eles? Você sabe que eles não podem me ajudar com Parthalan. Levando os Fae para a batalha seria como levar um bando de ovelhas brilhantes para a jaula do lobo e tocar o sino de merda do jantar. Ele balançou a cabeça. Seu queixo tremia como se lutando contra um sorriso. — Eu sei. Eles não podem ajudá-la a derrotar Parthalan, mas eles


podem ajudar o que está acontecendo do lado de fora do portão e defenderão esta cidade. A maioria tem poderes úteis. Coloque-os para trabalhar para reparar o dano que Parthalan fez para os seres humanos. Impeça a destruição até que possamos encontrar uma maneira de reconstruir seu mundo. Então você e eu vamos descobrir o que fazer com o rei Unseelie. Jogue para fora o que você espera deles, e então exija isso. — Ele tomou minhas mãos nas suas, fixando os olhos determinados sobre mim. — Use força se necessário. Minha testa enrugou quando eu estendi esse pensamento. — O que você quer dizer com força? Não posso forçar a minha vontade em mais de mil Fae. — Eu posso? — Você não precisa. Sua reputação de um caso difícil precede. — Ele riu e desviou os olhos por um momento. — Embora agora que eu te conheci, eu vejo que foi muito subestimado. Eu ridicularizei uma risada. — Sim, você é muito engraçado. — Basta fazer uma ameaça estando disposta a cumprir. — Nix olhou para o céu. Um sorriso devastador cresceu nos lábios. — Olha. Um turbilhão dourado no céu desceu sobre nós, banhando-nos em luz e calor. Sua presença me cercou: minha mãe, Milo, minhas irmãs, Nan. Suas essências me enchendo de ecos de risos antes de voltar ao seu lugar de descanso. Eu inalei a doce fragrância do jardim e olhei com admiração. Um peso enorme retirado da minha alma. Minha mãe ficou feliz. Sua alegria atravessou o meu corpo – batizado da luz solar através de uma noite interminável. Ela não tinha nenhum arrependimento, nenhuma vergonha, mas nenhuma certeza de que eu iria encontrar meu próprio caminho. Eu tomei uma respiração profunda, tremendo. Eu beijei meus dedos e me levantei para o que restava de uma vida que eu tinha esquecido, e aos espíritos contentes da minha família. Nix estava certo. Eu tinha que garantir a segurança da cidade e seu povo, mas eu não queria forçá-los á fazer isso. Que não resolveria nada em longo prazo. Talvez eu pudesse encontrar um compromisso, satisfazer a metade dos métodos da minha mãe. Minha tarefa ainda estava diante de mim como aos pés de uma


montanha intransponível, mas eu poderia finalmente ver o caminho. Eu só precisava começar a andar. Eu coloquei minha mão no braço de Nix, a necessidade de algo para aterrar-me novamente. — O que acontece se um Fae não retorna aos montes das fadas? — Se eles não retornam, pelo menos, em poucas décadas, a sua luz desaparecerá, e eles voltarão às idades normais como mortais. Perfeito. — Como é que os portões funcionam? Eu sei que Parthalan pode controlar quem entra e sai da Cidade Negra. — O rei ou rainha reinante pode interagir com o portão e dar a ele comandos. — Sua sobrancelha levantou. — O que você vai fazer, Lila? — Só por curiosidade. Agora cale a boca, eu preciso voltar para a Corte. Corri de volta para a torre branca e corri até as escadas com Nix em meus calcanhares. Quando chegamos ao salão principal, Gallagher estava de fora das portas da Corte. Vozes ainda caindo do outro lado. Um olhar mais atento e à minha ajuda real revelou um queixo cerrado e sulcos profundos em sua testa. Parei na frente dele, meus braços moles aos meus lados. — E agora? Gallagher suspirou. — Recebi outra mensagem. Eu segurei minha mão para impedi-lo de falar, sem vontade de deixar as minhas feridas irem mais fundo. — Parthalan tem Garret e Liam. Ele assentiu. Liam tinha me bloqueado de sua detecção, mas a sua captura era inevitável. Eu não tinha tempo para se debruçar sobre o meu coração dolorido. Minha decisão já foi tomada, e nenhum deles aprovaria. Nix, menos ainda.


BRI O POÇO DA ENERGIA, derramando calor delicioso através do meu corpo. Nix agarrou meu braço. — O que você está fazendo? Quando eu disse força, eu não quis dizer para você destruir a Corte para fazer seu ponto. Um fantasma de um sorriso apareceu em meus lábios. — O que você sente? — Eu coloquei a mão contra sua bochecha, para que ele ficasse mais perto de mim. — Você sente raiva de mim agora? Destruição? Não me sente fora de controle? Ele suspirou, inclinou-se para o meu toque e colocou a mão sobre a minha. Gallagher pisou atrás dele, seus olhos estreitos com preocupação. — Eu sinto o efeito ao invés do poder. — A voz de Nix soou ofegante. — É incrível, é como ser preenchido com os raios do sol. Um pouco da tensão saiu dos ombros de Gallagher, e ele ofereceu um sorriso de aprovação. Eu coloquei um beijo na testa de Nix. — Você queria que eu fosse rainha, então eu vou ser a rainha. Confie em mim agora. — Espere, Liam. Estou indo. Por favor, fique bem. Nix arfou e cambaleou para trás quando eu o liberei. Um sorriso bêbado


torceu em seus lábios. — Eles não saberão o que os atingiu. — Isso é uma espécie de ponto. Os cinco guardas abriram as portas para a Corte. Vozes furiosas chocaram contra mim. Gallagher e Nix seguiram-me quando entrei. Meu cabelo foi para trás de mim sobre a corrente de energia. Levantei minhas mãos para os lados, empurrando minha Luz através dos meus dedos. Lentamente, o barulho diminuiu para sussurros abafados. Os guardas espalharam-se e subiram na plataforma conforme eu subia atrás deles. Quando eu girei para enfrentar a Corte, eu encontrei os Fae com suas bocas escancaradas. A maioria ostentava uma profunda carranca, e o ar brilhava ao redor deles. Alguns usavam sorrisos de prazer conforme a minha Luz continuava saturando o ambiente. — Callandra estava certa. — Minha voz ecoou para o teto distante. — Eu não sou minha mãe, eu nunca irei ser como ela. Ela não ensinou nada da Corte. Ela nem sequer me disse que eu era Fae, ou por que eu podia fazer as coisas que consigo fazer. — Sentei-me no braço do trono ridículo. — Mas acho que ela não sabia como me ajudar, então eu precisava encontrar meu próprio caminho aqui, para ver e experimentar o lugar frio que o mundo se tornou. Isto me endureceu e me aperfeiçoou para esta tarefa. Não entendia isso, até hoje. Eu pisquei para Nix. — Ela sabia que a bondade, brilho, e o protocolo não me daria às armas que eu precisava para ir à guerra. — Eu fiquei de pé. — E esta é a guerra. A segunda guerra Fae e eu entendo a nossa história corretamente. Se Parthalan vencer, vocês estarão sob seu governo e os seres humanos deixarão de existir de um modo mais cruel, animais carnais para sua diversão. Bocas começaram a se fechar e alguns dos Fae se deslocaram para frente em seus assentos. — Eu também sei que nenhum de vocês podem me ajudar contra Parthalan, por isso não vou exigir de vocês. Mas isso não significa que vocês precisam ficar até que esteja terminado. Se eu falhar no que eu estou prestes a fazer, então ele vai vir para esta cidade, e quem não declarar sua lealdade a ele


vai morrer junto com Dun Bray. Nix lançou um olhar desconfiado para mim. Afastei-me dele. — Antes de eu partir daqui, vou alterar o portal. Ambos Gallagher e Nix reagiram com uma onda de poder, mas com a minha Luz já inundando o ar, enfiei as mãos para eles e disse: — Durmam. — Eu contei com ambos para baixarem as guardas, e eu encontrei alguma sorte finalmente. Minha Luz estourou através de suas consciências, e ambos caíram na borda da plataforma. — Sinto muito. Neve e alguns dos outros guardas deslocaram-se ao meu lado. — Vocês precisam confiar em mim agora. — Eu encontrei cada um de seus olhos. — Nix e Gallagher não entendem ainda. Isto é o que eu nasci para fazer. Agora me deixem fazer isso. Eles recuaram. Neve sorriu para mim, tocando o meu ombro. Voltei minha atenção para a propagação Fae perante a mim. — Qualquer um que fugir de Dun Bray antes de Parthalan morrer será permanentemente impedido de entrar no Seven Gates. A maioria de vocês têm poderes úteis, assim que eu ouvi. Então se preparem para defender a sua cidade, ou se transformarem em mortais de forma permanente. Escolham com cuidado. Callandra se remexeu na cadeira. O ar oscilou em torno dela. Olhei para ela. — Eu não estou blefando. Se por algum milagre eu voltar, então estejam preparados para começarem a sujar suas mãos como humanos. Vocês todos são preguiçosos, viraram as costas para a Deusa. Fizeram uma promessa a ela. Não a decepcionem novamente. Com isso, saltei do tablado e corri pelo corredor principal com os guardas em meus calcanhares. Todos os olhos me seguiram. A gritaria aumentou para um rugido de novo, mas eu não dei ouvido. O guarda ruivo abriu uma das portas. Eu assenti quando passei. Ele fechou as portas atrás de mim. — O que você acha que está fazendo? — Neasa cuspiu as palavras para mim quando eu surgi no salão principal. Brigh estava á seu lado, revirando os olhos. — Você não pode tratar o povo da sua mãe desta forma. — Eu estou tentando salvá-los. Você não entende isso?


Seu corpo inteiro tremeu – como um gato preparado para atacar. — Eles nunca irão ficar por isso. Não vou aguentar isso. — Então, eles estão livres para ir embora, assim como você. — Eu me virei para as portas exteriores, mas ela entrou na minha frente. — Eu não vou deixar você nos humilhar. — Sua luz invadiu-me, envolvendo-me como um véu negro. Meus joelhos se dobraram quando minha mente preencheu com escuridão. Eu tropecei, perdida na minha própria cabeça. Com a escuridão, veio o desespero espesso o suficiente para me afogar. Uma voz gritou à distância. O som emitido fez meu coração dar um galope frenético. Onde eu estou? Eu não conseguia pensar além da angústia. Se eu não encontrar uma maneira de escapar disso, a minha sanidade mental vai desaparecer na noite gelada. Loucura. Ele espera por mim para ceder, para abraçá-lo. Eu preciso fazer alguma coisa. Liam. Eu tenho que começar por Liam. Minha visão voltou ao salão com um flash. Os gritos que ouvi em minha cabeça derramaram livremente pela minha boca. Parei, meus pulmões lutando procurando ar. — Lila? — Cabelo cor de rosa caiu em torno do meu ombro antes de um rosto jovem aparecer em cima de mim. — Está tudo bem — , disse ela. Olhei para ela por alguns segundos antes da minha mente clarear. — Brigh? — Sim. — Você precisa se levantar. — Eu procurei Brigh passando para encontrar de pé Neve nas proximidades, sacudindo a mão manchada de sangue. Neasa estava esparramada no piso ao lado de Neve. Punhos bateram às portas da Corte atrás de mim. Alguns dos guardas estavam apoiados contra ela. Eu me levantei. — O que diabos aconteceu? — Ela atacou você — , disse Neve. — Eu soquei o rosto dela quando eu descobri o que ela estava fazendo. Mas não há tempo. Quando ela interrompeu sua Luz, Nix e Gallagher se libertaram do seu encanto.


Merda! Eles ainda podem me parar. Sem outra ideia, eu corri para as portas principais, tropeçando alguns passos antes de Neve aparecer ao meu lado e segurar meu braço. Independentemente do que Neasa tinha feito para me segurar, o mais leve som me surpreendeu. Brigh pegou meu outro braço um momento depois e as duas me puxaram pela rua em direção ao portal. Que surgiu conforme nos aproximamos. — Você pode controlar o portal. — Neve desenhou a porta aberta. — Coloque um selo temporário sobre ele de modo que ninguém possa sair até que você tenha ido. Eu assenti. — Obrigada. Vocês duas. — Volte para nós, Lila. — Brigh tocou minha bochecha. — Eu não faço promessas que não possa cumprir. — Eu entrei no portal sem olhar para trás, que fechou atrás de mim. Ainda um pouco insegura, chamei a minha Luz e toquei na parte de trás da porta. Eu pensei sobre as novas regras e forcei meu desejo na superfície lisa. Ninguém fora por uma hora, e depois disso, qualquer um que fugir antes de eu ter chutado a bunda de Parthalan será eternamente impedido de voltar a entrar. Ao invés da campina que eu esperava, quando eu passei, eu encontrei a entrada exterior da caverna à minha frente. Tudo o mais – o lago, a extensão trançada da caverna, havia desaparecido. Saí sob o sol do meio-dia. — Lila! Eu tropecei de volta para a parede de pedra com a mão sobre o meu coração batendo freneticamente. Um pequeno grupo de pessoas estava a poucos metros de distância. Eles vestiam mantos marrons e capas de pele envolta em torno de seus ombros. Um se afastou dos outros e abaixou para trás o capuz, derramando o cabelo loiro de areia sobre os ombros. — Willa? — Corri em direção a ela, deixando escapar a respiração. — O que você está fazendo aqui? — Esperando alguém sair para que possamos nos localizar. — Ela sorriu. — Eu sei que não há tempo. Os selkies ouviu o que aconteceu com Donovan. Nós tentamos, mas... — Seu sorriso desapareceu, e ela lançou os


olhos para baixo. O nó em meu estômago puxou mais apertado. — Diga-me que você não irá voltar para lá. — Não importa. O que está feito está feito. Viemos oferecer nossa ajuda. — Parthalan tem Garret e agora Liam também, mas você não pode vir comigo. Eu não vou deixar você. — Eu mexi com a minha T-shirt, forçando as lágrimas. Willa colocou os braços ao meu redor. Por um momento, eu permiti o conforto, então me afastei. — Eu sinto muito por ter que voltar. — Ela me segurou no comprimento dos braços. — Nós vamos fazer o que é certo, e eu não estou com medo dessa escolha. Vamos voltar com ou sem você até não restar nenhuma vida entre nós. Eu não tenho tempo para isso! A ideia de colocar uma alma terna de volta nas mãos de Parthalan colocou um aperto extra no meu coração sobrecarregado. Eu corri ao longo da rocha, sem pensar no caminho percorrido ou como eu voltaria para o Arizona. — Quinn pode nos transportar — , Willa me chamou, uma nota de triunfo em sua voz. — Vai ser mais rápido do que correndo. Eu parei e pendi minha cabeça antes de me virar e correr de volta para eles. — Ok, tudo bem. Você pode vir comigo agora, mas eu não vou dar-lhe como refém. Willa sorriu quando um outro do grupo adiantou-se e deixou cair à capa. Ele tinha o cabelo curto negro convidativo ao toque. — Estamos fora, então? — Perguntou ele. Uma cicatriz corria do comprimento de seu rosto a partir de cima do olho esquerdo até o queixo. Isso não fez nada para tirar sua beleza, mas deu-lhe uma vantagem robusta. Eu não sabia como o transporte funcionava, então eu estava entre o grupo. Minha espinha arrepiou. Eu estou chegando, Liam. Não se atreva a morrer, ou então encontro alguém para me ajudar a ressuscitar você, assim eu poderei chutar o seu traseiro. Quinn olhou para o céu e jogou os braços para os lados. Ele proferiu


algo em gaélico. Eu conhecia um pouco da língua, mas eu não entendi o que ele disse. O ar comprimiu e pressionou sobre mim. Eu oscilei em meus pés. Flashes de luzes escuras acenderam a minha visão e meu estômago se agitou. O silêncio me convenceu que eu estava surda. Quando o mundo parou de girar, eu caí no chão aos pés de Quinn. Meus ouvidos transmitiram som mais uma vez ao ponto que o vento impetuoso passasse causando um barulho ensurdecedor. Ele estendeu a mão para mim. Tomei-a e fiquei de pé, agarrando-se a ele até a minha cabeça clarear. — Deus, eu estou tão cansada dessa merda sobrenatural — , eu disse. — Eu caí de bunda mais vezes na última semana do que em toda a minha vida. — Sim, é completamente um passeio pela primeira vez. — Quinn olhou para o Canyon. — Temos que ir. Todos para a câmara. — Não! — Eu procurei por Willa. Ela estava ao lado de Quinn. — Eu disse a você, você não vem comigo. Eu não quero ter que se preocupar com todos vocês, também. Vou libertar Liam e os outros, e então eu vou lidar com Parthalan. Aquele sorriso inocente outra vez, seus olhos castanhos brilhavam de vedação com ele. — Yeh posso ser teimosa, e eu posso ter medo, mas os Selkie não se afastam de algo tão vital, mesmo com a morte encarando-nos na cara. A libertação do rei beneficia muitos de nós, e somos a melhor chance. Goste você ou não. Tenho certeza que o choque deu na minha cara. — O portal vai deixar você cair. — Eu não acho que ela estivesse dentro. Quinn pigarreou. — Eu vou nos transportar diretamente da câmara, e nos enviar para outro lugar, mas estamos cautelosos com os Sluagh. — Eu poderia forçá-los a ficar. — Mas você não vai. — O sorriso de Willa nunca vacilou. — Agora, caia fora antes que eu peça para Althea dar a você um empurrão. Provavelmente receba um chute dela também. Eu ainda não tinha reparado nela na multidão. Ela acenou para mim, mas não pareceu inteiramente feliz por estar de volta. — Mas o que você vai fazer quando você estiver lá embaixo? O lugar vai


estar cheio de Unseelie de qualquer espécie. — Exatamente. — A sombra de um sorriso levantou nos lábios de Quinn. — Distração, então vamos improvisar. — Em seus olhos, eu encontrei a mesma determinação e o mesmo desespero que me fez. Eu suspirei e virou. — Vocês são burros. Eu acho que vocês podem decidir por si mesmos como vocês vão morrer. — Hesitei, olhei o grupo de dez, talvez mais, me perguntando quantos mais haviam caído tentando salvar meu pai. — Obrigada. Todos vocês. — As palavras nunca seriam suficientes, mas para o momento, elas eram tudo que eu tinha para dar. Com algumas respirações profundas, eu empurrei o meu medo de lado e corri o resto do caminho até a borda. Sem hesitação, pulei para o Canyon com os olhos fechados. O vento assobiava nos meus ouvidos enquanto eu caía. Ocorreu-me que Parthalan poderia ter me levado de volta somente para me ver esmagada no chão. Tarde demais. Quando eu tinha caído o suficiente a minha teoria ganhou mérito, o portal jogou-me contra a rocha, e eu desabei de joelhos na câmara. Vazia. Nem uma alma dentro do edifício. Isso eu não esperava. Olhando para as sombras, eu rastejei até as portas e entrei a céu aberto. Alguém me agarrou pela camisa e puxou-me completamente. Sua colônia picou meu nariz. O mundo girou quando eu caí no chão e bati o lado do meu rosto contra a calçada. Antes que eu pudesse me endireitar, ele atolou um joelho em meu estômago e envolveu sua mão ao redor da minha garganta. Tossi com a dor e o aperto na minha traqueia. Minha Luz, saiu rapidamente da minha pele, mas eu não conseguia localizar a mente e controlar o corpo que se apoderou de mim. Após alguns segundos, meus olhos focaram. Meu coração pulou algumas batidas. Por um momento eu me perguntei se ele iria parar todos. — Ah, isso traz de volta memórias, não é? — O sorriso de Rourke pairava centímetros acima do meu nariz. Seu emaranhado escuro cabelo bloqueando seu rosto. Por um breve momento, eu esperava que meu pai estivesse escondido debaixo da ilusão de Rourke novamente, mas os olhos de pedra frios roubou minha esperança.


— Parece-me que é assim que nos conhecemos. — Ele riu, empurrou o joelho na minha barriga. Eu grunhi enquanto eu lutava de seu alcance. — Caso você esteja se perguntando por que você não pode me intimidar, Sebastian me bloqueou contra você. Mas você tem problemas maiores, meu animal de estimação. O Rei espera por você, muito impaciente, na verdade. Ele está muito desapontado por você ter se manchado com aquele insolente mestiço, Liam. E você está atrasada. Parthalan não gosta de ficar esperando. Ainda bem que ele tem algumas coisas – para se divertir. — Ele sorriu. — Vamos? Rourke arrancou-me de meus pés. Amaldiçoei sob a minha respiração enquanto eu andava a passos largos na frente dele. Pensamentos de que Parthalan poderia estar fazendo para Donovan e os outros ameaçaram dominar-me, mas eu joguei-os de lado. Que diabos serve a minha boa Força de Vontade, se todos podem desligar seu cérebro para mim? Não importava. Eu precisava derrotar Parthalan, e meu poder não iria trabalhar com ele de qualquer maneira. — O que é isso? — Rourke disse. — Sem sarcasmo? Sem golpes? Sem sarro? — Quando eu não disse nada, ele acrescentou: — Se você não vai falar comigo, então talvez você grite por mim. Eletricidade passou através de mim. Eu gritei um som alto lastimoso que veio espontaneamente. Ondulações de agonia percorreram o meu corpo. Minhas costas arquearam. Raiva contaminou sua Luz, intensificando-a em algo não só doloroso, mas terrível, também. Eu tinha caído no chão, em algum momento. Ele pulou em minhas costas, pegou um punhado do meu cabelo e torceu meu rosto para o lado. Seu hálito quente lavou em meu ouvido enquanto ele ofegava – de exaustão ou talvez excitação. — Eu tenho desejado tanto ouvir esse som bonito de seus lábios, meu animal de estimação. Um gostinho do que está por vir entre nós. Uma vez que Parthalan quebrar seu vínculo com o seu precioso Liam e tomá-la para si, ele não vai querer nada mais do que seu poder e vê-la se curvar diante dele como sua escrava. O restante, ele me prometeu você. — Ele lambeu todo meu


ouvido, risadas sombrias resmungando em seu peito enquanto ele endireitoume novamente. Dormência consumiu meu corpo. Com algum esforço, consegui respirar dentro e para fora, para mover um pé na frente do outro. Eu tinha que continuar Me movendo ou a minha coragem seria um fracasso. Eu preferia ter caído para a minha morte no desfiladeiro do que se tornar a vagabunda de Rourke. Se eu falhar, isso será o meu futuro. Ele pode ter pretendido me derrubar, para me assustar, mas ele reforçou a minha decisão primeiramente. Onde você está, Liam? Nenhuma resposta. Chegou o momento de quebrar as minhas regras. Rourke não podia ser influenciado pelo meu poder, mas eu ainda podia quebrar seu corpo. Virei-me e mergulhei-o, batendo-o no chão. Meu poço de energia se abriu. Eu pressionei meu joelho em seu peito e agarrei sua garganta com a mão. Rourke olhou para mim com esperança brilhando nos olhos, rosto firme com a necessidade. Enfiei meu desejo em sua carne, imaginando suas canelas fragmentadas, em uma confusão sangrenta. A quebra de seus ossos invadiu os meus pensamentos. Rourke gritou debaixo de mim. Seu corpo estremeceu. Saltei para cima e bati em suas costelas duas vezes enquanto ele gritava. Ele se virou e tirou as pernas quebradas perto de seu corpo. Tosse gorgolejou correndo até sua garganta. Ele gemeu e inclinou o rosto para cima para olhar para mim, o tipo de gemido que pertencia na cama, não o som que uma pessoa pudesse fazer depois que alguém quebrou suas pernas e talvez uma costela ou duas. — Oh, meu Deus. — Fiz uma careta. — Você realmente é uma dor do caralho. Você me deixa doente. — Mais. — Um ronronar baixo vibrava em seu peito. — Por favor. — Ele rolou de costas. Umidade se espalhou pela frente de sua calça jeans. A visão dele induziu meu reflexo de vômito. Eu o machuquei, e ele descarregou em suas calças. Merda irreal. — Vá para o inferno. — Eu comecei andar pela rua, mas parei. Rourke e eu tínhamos desenhado uma pequena audiência para o nosso show de horror. Lobos e Unseelie Sidhe alinhados na rua pela luz púrpura do


céu pulsando em torno deles. Seus poderes espessos no ar em algo que tocou minha pele como uma mão quente e áspera. Sluagh alinhados sobre os telhados e pairando acima de mim. Cada cor de olho brilhante olhando em minha direção. Ótimo. Durante, ao redor, ou através?


S SLUAGHS DESPENCARAM DO CÉU. Bain, o Senhor dos caras de penas, pousou na calçada na minha frente. — Onde está Rodan? — Suguei vento por causa da luta com Rourke. Medo subiu pela minha coluna. — Imaginei que ele tivesse assumido o seu trabalho até agora. — Ele foi – rebaixado. — Bain sussurrou em sua forma irregular. Presumir que, ser rebaixado significava ter matado sua bunda. Que vergonha. Bain jogou para trás o capuz, reveland seu pálido rosto, o rosto de pássaro. Ele se contorcia e gemia como o bico preto e retirou penas em seu corpo. Após alguns segundos, um homem normal com a pele pálida estava diante de mim. Seus olhos ardentes alaranjados permaneceram os mesmos, e penas de corvo cobria sua cabeça. Achei-o bonito ao todo. Era todos Fae, um glamour temporário – eles ainda poderiam usar? Quantos Sluaghs eu passei na minha vida, sem saber o que eram? Eu reprimi um arrepio quando eu considerei as implicações. — O rei e eu viemos para um novo acordo. — A voz de Bain soou normal, embora baixa e um pouco rouca. Antes de eu chegar, eu considerei a possibilidade de fechar um negócio


com o Sluagh. Não era essa ideia. Eu tinha acabado de chegar, e Parthalan já estava um passo à minha frente. — O que você quer? — Você vai vir comigo para a Corte. Depois que eu concluir o meu último dever, a cidade será dividida, e nós não serviremos ao rei. Vou governar Cargun, e os Unseelie manterão o resto da Cidade Negra. Como diabos eu iria com ele. Eu examinei meu redor, imaginando onde os Selkies tinham ido. Se você estiver vindo, agora seria um bom momento. Algo mudou no lado direito da rua, mas não me virei para olhar, no caso dos Selkies estivessem montando um ataque. Em vez disso, eu dei um passo e fingi dor na minha perna. Quando me inclinei para esfregar minha perna, olhei ao longo da fileira de casas. A mais próxima a mim abriu as portas. Cenários jogados na minha cabeça. Se eu forçasse o meu desejo sobre todos os lacaios do rei, iria me drenar, deixando-me impotente por alguns minutos – minutos que eu não queria estar na Cidade Negra. Eu nem sequer sabia se o meu poder funcionava em mortos-vivos ou se eles tinham me bloqueado. Eu não podia arriscar. Rastejando dentro de um metamorfo poderia me deixar presa, mas eu daria um fim sobre a escolta de mortos-vivos. Se não bastasse, eu ia ter um tempo para pensar. Bain estava a poucos metros de distância, girando os dedos humanos para frente e para trás como se ele não os visse muitas vezes. Eu corri em direção a tal porta quando se abriu. Uivos e asas batendo explodiram atrás de mim quando eu mergulhei pela abertura. A porta se fechou atrás de mim. Punhos martelando contra a parte exterior dela. — E agora? — Eu gritei para a sala vazia. As paredes vermelhas expandiam e contraíam como se estivesse respirando. O chão se abriu e formou escadas até o porão. Eu nem sequer hesitei. Poderia ser uma armadilha, mas naquele momento, meus instintos gritavam para obter o inferno as escadas abaixo. A porta se fechou acima da minha cabeça. As escadas desapareceram, jogando-me no chão do porão. O buraco no teto selou. — Obrigada. — Andei ao longo da parede. — E agora? Logo em seguida, um buraco abriu na parede vermelha na minha frente,


revelando um túnel, perdido a distância. Se a passagem levasse para a Corte... Encantador. Se não... Oh boy. — Você é o melhor. — Entrei no túnel, iluminado pela luz vermelha fraca. Se eles tivessem bloqueado minha Luz, então eles teriam se reunidos a partir dos Unseelie? Talvez tivessem sido o Fae que viveu neles? Isso pode ser útil. Gritos pontuaram a agitação exterior. Meus pensamentos conjuraram imagens de Willa, aterrorizada enquanto ela enfrentava o Sluagh, mas eu tinha que pensar em outra coisa. Ela fez sua escolha, e eu fiz a minha. Eu esperava que todos tivessem êxito. Deusa os ajude. Na medida que, eu caminhava, as lembranças da última vez que eu entrei através de um túnel me assombrou: o cheiro de cobre do sangue, os sons de gritos da minha mãe, a luz ofuscante que escoava através das rachaduras no andar acima de mim, os sons da risada do Homem de Vidro quando ele matou todos eles. Eu parei por um momento, inclinei-me e apoiei as mãos nos meus joelhos. Não agora! Eu posso ficar triste mais tarde, quando isso estiver terminado. Algumas respirações agitadas acalmaram-me, e eu comecei a andar novamente. Cada vez que eu avançava mais para parte interior do Shifter, eu agradeci pela pouca luz em suas paredes antes de passar para o próximo túnel. Que agitou como resposta. Após vários minutos, uma parede de pedra apareceu na extremidade da passagem. Eu corri em direção a ela. A poucos metros antes de chegar à parede, outra energia passou sobre a minha pele, semelhante a da fazenda Conner – uma teia de aranha invisível. Eu não tinha tempo para perguntar para que servia, mas sabia que tinha que ser de Sebastian. Deixei um pouco de esperança afastar a dúvida que tomou conta de mim. Eu nunca acreditei que eu tinha que fazer isso, mas a parede tinha que levar para o castelo da Corte. Reunindo poder, eu coloquei minhas mãos contra a pedra fria. Eu suspeitava que não fosse funcionar, mas eu tinha que tentar. Depois de evocar uma imagem da parede explodindo, eu coloquei o meu desejo na rocha. Não só quebrou, mas enviou um choque de resposta de energia fria para mim. Caí


de costas poucos metros de distância. Eu rugi minha frustração para isso. Ultimamente, não parecia ser diferente que "da maneira mais difícil". A corrida me trouxe de volta para o último Shifter que eu tinha passado. — Eu preciso de algo para quebrar a pedra. — Fiz um gesto com as mãos. — Escolha algo, um machado, um pé de cabra. Você pode criar algo assim? — Eu os vi criar mobílias, mas nunca ferramentas. A casa tremeu, mas parecia fraca ou talvez ferida com uma vibração lenta. Apertei minhas mãos contra a parede e dei-lhe um pouco da minha Luz. A sensação de alegria que irradiou com isso, fez pouco para superar a sua dor enquanto as suas portas e paredes levavam uma surra do que eu supus ser, os meus perseguidores. Merda. Minha cabeça ricocheteou procurando algo que eu pudesse romper a parede. Eu sabia que não restava muito tempo. Se já não bastasse ser ruim o suficiente, os Sluagh eram propriedade dos céus. Eu tinha que permanecer no subsolo e encontrar uma maneira de fazer isso funcionar. O Shifter gemeu quando uma massa de líquido negro escorregou e parou em meus pés. Repugnante, ruídos, sentimentais e o cheiro metálico de sangue encheram meus sentidos. Parte disso, endureceu dando forma de um cabo de madeira. A cabeça de metal de uma picareta se formou logo após. — Perfeito! — Meu plano tinha que funcionar depois de tudo. Peguei o machado e o levei para trás, forçando minha energia para a parede da Corte. Eu picotei a pedra novamente, e novamente, minando pedaços pequenos de cada vez. O rugido maçante de uma luta ficou mais alto. Eles tinham penetrado através da parede exterior do último Shifter. Eu investir mais rápido. O suor perolado em minha testa escorria ao longo do meu rosto enquanto eu trabalhava. Minha camisa ensopada com o esforço antes de eu fazer um buraco grande o suficiente para colocar minha cabeça. Depois de verificar o movimento da outra sala, enfiei o machado através e penetrei em seguida. — Liam — , pensei para ele, — onde você está?


Quando não recebi nenhuma resposta, resolvi arriscar usando a minha visão. A Ala de Sebastian teria bloqueado a minha chegada de qualquer maneira. Pensei em Liam, seu toque, as linhas agradáveis de seu rosto. Lembranças de seu cheiro me alcançaram, persuadindo um suspiro de meus lábios. Flashes de mármore preto encheram minha mente. Por corredores, escadas, através de salas, minha visão viajou. Eu não sabia que parte à Deusa viveu na Corte, mas seja o que for, me emprestou a sua visão descansando ao longo do teto. As videiras. Lembrei-me de vê-las durante a minha primeira visita, como elas serpenteavam por cima enquanto eu andava pelos corredores. Deixei minha mente vagar ao longo de seus caminhos. Apertei meu peito quando eu encontrei Donovan, Garret e Liam acorrentado a uma parede de pedra, a mesma que eu tinha visto na visão de Gallagher. Eles estão vivos. — Liam! — Eu chamei através de todo vento. Ele olhou para cima como se ele pudesse me ouvir – ensanguentado, inchado e quebrado. A porta se abriu entre nós, arranco um gemido de mim. ―Não, Lila! Você...‖ A conexão caiu tão rápido quando veio. Algo – ou alguém – o cortou. Eu tinha uma suspeita de que eu teria que destruir Sebastian antes de chegar ao seu Rei. Embora a voz de Liam houvesse sido cortada, sua Luz ainda me gritava – um andar acima, logo abaixo da Corte Unseelie. Subi as escadas, segurando a parede. Meus pulmões doíam enquanto eu me concentrava para retardar o meu arfar. Uma porta de metal com um cabo de marfim estava no topo dos degraus. Agarrei-o e o lancei a porta, abrindo uma rachadura. O corredor estava escuro e silencioso. Nem mesmo um Banshe deslizava ao longo do teto. Eu esperava no mínimo os exércitos Sidhe e Sluagh. Arrastei-me até a porta, procurando ambas as direções antes de andar. Uma pequena voz em minha cabeça gritou, mas eu tinha que continuar enquanto eu podia. Meus instintos me guiaram com a mesma ferocidade que me levaram para Valley em direção a Liam pela primeira vez.


Eu não resisti à tentação de seu poder, eu me abri para ele, deixando-o atiçar meu fogo interno. Cada corredor que eu passava estava vazio. Nenhuma luz brilhava sob as portas. Nenhuma pisada ecoando abaixo enquanto eu subia a escada em caracol para o próximo andar. Os alertas gritavam mais alto, mas eu marchei, espreitando para baixo para o chão, até eu ver a porta que eu estava procurando. Musgos e videiras serpenteavam pela parte de cima e corriam em ambas as direções até o teto de mármore. Energia emanava o espaço em torno disso. Depois de um momento, percebi onde estava – o corredor de fora do quarto de Parthalan. Envolvida na energia, percebi, com horror, que não provou ser a mesma que Liam usou para me atrair para a fazenda Conner. Era mais sombria, mais potente. Minha respiração prendeu na minha garganta, me sufocando. Eu cerrei meus dentes e encostei-me à parede, para eu não cair. Eu percorri o caminho até Parthalan como um rato em um labirinto, mas ao invés do queijo, eu consegui um encontro com um psicopata. Pensei que eu fosse um gênio encontrando um caminho através da multidão lá fora, mas eles apenas serviram como obstáculos no quebra-cabeça. Ele sabia que eu ia encontrar uma maneira de contorná-los assim que eu abrisse caminho dentro do castelo e, provavelmente, iria rir quando eu o deixasse me capturar. Dormência saturou minha pele e eu deixei cair a picareta no chão. A porta se abriu, sem um som. Passei por ela, que se fechou atrás de mim. Uma luz clara brilhava do teto no centro do quarto, onde um círculo brilhante grande havia sido desenhado no chão. Pequenas gotas vermelhas interrompiam o círculo brilhante a cada metro. Uma sombra caiu sobre a luz. Ecos de riso cruel induziram um arrepio em mim. A acústica tornou difícil determinar em que direção veio. Eu mordi meu lábio inferior, enquanto pensamentos giravam em minha cabeça. Mantenha a calma. Isto é o que a Mãe me treinou. — Entre minha querida — , cantou Parthalan das sombras. — Acho que vou ficar por aqui, obrigada. — Tendo a porta atrás de mim me deu uma sensação de segurança, embora parte de mim sabia que era apenas uma ilusão. Fique ereta, Lila.


Antes que eu pudesse pensar sobre o que fazer em seguida, a porta se abriu novamente. Dividindo minha atenção, olhei para o closet para que eu pudesse ver a maior parte do quarto, ou pelo menos o pouco que a luz revelava. Respire fundo, Lila. Não o deixe te ver com medo. Eu sacudi minha cabeça. Ótimo, agora eu estou falando comigo mesma. Eu odiava ter Parthalan fora da minha vista, mas sua presença pressionava em minha cabeça como de costume, me dando uma sensação geral de onde ele estava. Sebastian entrou primeiro pela porta, segurando um dos braços de Rourke. Bain detinha o outro. Eles arrastaram o pedaço de merda psico em direção aonde eu pensei que Parthalan pudesse estar. Poucos Sluagh entraram atrás deles, junto com uma dúzia de Fae que reconheci da Corte. Eles se espalharam ao longo da parede oposta ao lado da cama vermelha, cochichando e rindo. Minha Luz pulsava e queimava um brilho dourado no quarto. Uma risada bêbada explodiu de Rourke. Com a adição da minha Luz, eu podia vê-lo encostado na parede a poucos metros de onde eu estava. Ele riu, seu rosto em forma de uma doninha, com um sorriso lunático enquanto ele olhava para Sebastian com olhos arregalados e contentes. — Ela quebrou suas pernas. — Sebastian disse com os dentes cerrados. Ele o largou dentro do círculo no final da cama. Ele se inclinou para o outro lado, uma cortina de sangue do seu cabelo caindo para frente. Aí está você, Parthalan, seu caralho. Seu peão só levou você para longe. Eu não podia deixar de sorrir, mas não durou muito. Sabendo a sua localização não melhorou muito a minha situação. — Mmm, ficando mais ousada, eu vejo. — Parthalan riu. — Algumas de suas regras preciosas foram embora finalmente? — Rourke não parece se importar, caso você não tenha notado — , eu resmunguei. — Não, na verdade, você deu a ele exatamente o que ele queria de você. — Os pés descalços de Parthalan apareceram ao longo do azulejo. Por que ele não está usando sapatos? Por favor, por favor, esteja vestido. — Tenho um presente para você, minha querida.


— Guarde-o. Eu tenho tudo que preciso. — Oh, eu acho que você vai querer o presente. Um grito precedido de uma briga no corredor. Voltei minha atenção para a porta aberta, com medo de ver, mas não conseguia desviar o olhar. Meu cabelo varreu meu rosto, e eu empurrei-o de volta com a mão trêmula. Cas, o guarda de cabelos cor de ameixa, entrou pela porta rebocando duas formas flácidas algemadas e cobertas por pesadas correntes de ferro. Ele não me encarou, e seus lábios estavam dobrados em forma de carranca profunda. Cas abaixou suas cargas no chão e desapareceu para um canto escuro do quarto. Sangue novo e seco revestido em ambos os Fae no chão. Um não se mexia, o outro gemia baixinho. — Donovan! — Corri em direção a ele, mas Sebastian me prendeu lá. Ele segurava uma pistola preta na testa do meu pai inconsciente. — Dê mais um passo, e ele morre. Garret levantou a cabeça do chão. Quando abriu os olhos inchados e pousaram em Rourke, ele gemeu e sacudiu suas correntes. Minha mente quis me assombrar com cenários do que meu irmão tinha passado nas mãos do psico, mas eu não podia permitir a distração. — Eu estou aqui Garret. — Me machucava, por não reuni-lo em meus braços e curar suas feridas, dizer-lhe que estava tudo bem, mas eu não podia mentir para ele. Minha energia respondeu á minha raiva, iluminando minha pele. Meu irmão olhou para mim. Lágrimas lavando seu rosto manchado de sangue. Eu assenti o incentivando. O de cabelo verde, Lochalann, grunhiu enquanto andava passando pela porta, lutando para segurar Liam. Um de seus olhos estava inchado e suas roupas estavam rasgadas em pedaços. Contusões e arranhões cobriam a maior parte de sua pele pálida. Lochlann o jogou para o chão e colocou um pé no meio de suas costas com um sorriso debochado contorcendo seu rosto


tonificado. A visão de Liam me fez querer gritar, mas eu guardei. Minhas mãos trêmulas em punhos cerrados. Por ele, por todos eles, fique calma. — Passe para o círculo, Lila. — Parthalan ordenou. — Você tem cinco segundos para obedecer antes que um de seus Fae deixe de existir. — Nós não valemos a pena — , Liam murmurou com os lábios inchados. Engoli o medo e a raiva como uma serpente negra, se contorcendo e balancei a cabeça. — Você está errado. Andei em direção à linha brilhante no chão e congelei após passar por uma grossa Ala como se estivesse sido envolvida em lã. A silhueta de Parthalan surgiu diante de mim, a poucos metros mais longe do que a luz poderia alcançar. Eu não precisava ver seu rosto para saber que ele usava um sorriso triunfante. — Estou aqui — , eu disse, — então os deixe ir. Parthalan entrou no círculo com a graça de um fantasma flexível pelo chão. Ele usava apenas uma calça apertada de couro preto. Seu cabelo dançava ao redor da cabeça. Uma criatura de outra época e lugar onde os deuses e demônios vagavam pela Terra. Luz, desempenhou ao longo dos montes e vales do seu corpo, acentuando os sulcos musculares ao longo dos seus braços e estômago. Ele deve praticar suas poses no espelho, ou ele tem um talento natural para a sensualidade dramática. Pelo menos ele não está nu. Se eu não estivesse aterrorizada, eu poderia ter revirado os olhos. — Tão terrivelmente previsível. — Ele suspirou. — Eu não entendo a atração por isto. — Ele agitou os dedos em direção a Liam. — Mestiço camponês. — Eu poderia explicá-lo todos os dias, e mesmo assim você não iria conseguir. Eu travei meus olhos em direção a Parthalan e os forcei em outro lugar. Pânico sussurrou em meu peito como uma fera à caça. Eu tinha esquecido o efeito que ele tinha sobre mim, sem Liam interferir. Como eu poderia matar um Fae que me tornava impotente por aparecer sem camisa diante de mim?


Ele me lembrava da medusa, mas em vez de pedra, ele me transformava em uma mulher ninfomaníaca. — Você vê o que eu quero dizer agora, Liam? — Parthalan gemeu quando ele me cobiçou, sua voz adequada para as palavras dos amantes compartilhados entre lençóis de cetim. Coisas abaixo reagiram, inchando e apertando. Porra! — Você vê como ela está atraída pelo meu poder? Você cheira o seu desejo? — Eu disse para deixa-los ir! Isso é entre você e eu. — Cocei meu braço para quebrar a minha dor crescente por tocá-lo, por correr as minhas mãos ao longo das linhas duras do seu corpo sob o couro macio. Seu poder nunca me ultrapassou tão ferozmente, quente e potente com o potencial para me comer viva se eu deixasse. Sua risada ondulou pelo quarto. — Eu não disse nada sobre liberá-los, minha querida. Somente que eu não iria mata-los se você chegasse a tempo. Agora, nós iniciaremos o relógio de novo. Minha mente girou. Eu me dirigi a Liam, desesperada por conforto, por uma ideia que pudesse salvá-los. Na borda do círculo, esbarrei em uma barreira invisível. — Que diabos é isso? — Eu corri minhas mãos na superfície invisível, mas esponjosa. O poço em minha mente se abriu, liberando minha Luz em minha pele. Eu tentei segurá-la, mas cresceu dentro de mim até que eu pensei que fosse desmoronar. Minha pele se iluminou por um creme dourado, iluminando os Sidhe e os Sluagh de pé ao longo das paredes. Liam ficou tenso contra as correntes. O olhar em seus olhos, rasgou o meu coração. — Sinto muito — , ele sussurrou. — Você não deveria ter vindo. — Não. — Apertei minhas mãos contra a barreira. — Você está dentro de um círculo de proteção que Sebastian projetou apenas para você, querida. — Parthalan aproximou-se enquanto falava. — Isso também limita o seu poder em um pequeno espaço, aumentando a sua potência. — Ele gemeu ao lado direito da minha orelha, me assustando como um inferno. Eu girei e o encontrei beijando perto. — Os efeitos são mais...


Intoxicantes, você não concorda? Eu me afastei, testando o perímetro do círculo com os dedos. — Não se atreva — , Liam disse. — Se ele se vincular a você, você não será capaz de detê-lo. Você não vai lembrar-se de mim. Você não vai lembrar que ele matou sua família. Conheço você. Se você fizer isso, sua alma morrerá. Ele vai usá-la para destruir tudo o que somos, e que temos sido por milênios. Por favor, ouça-me agora. — Seus olhos – arregalados, porque ele tinha começado a se curar – implorando-me. — Mais ele vai matá-lo, e isso vai acontecer de qualquer maneira. — A verdade em minhas palavras cortadas pela minha mente como uma lâmina quente. — Eu não tenho escolha. — Você me disse que sempre há uma escolha. Eu ofereci um sorriso fraco. — Não desta vez. A visão de seu queixo tremendo e a umidade em torno de seus olhos apertou a ferida na minha alma e rasgou-a mais larga. Se isso pudesse sangrar, eu teria morrido de onde eu estava. Eu tinha que encontrar uma maneira de corrigir isso, tudo isso. Tudo que eu precisava estava diante de mim, acorrentado. Família. Alguém para cuidar de mim, apesar da minha dureza. Imaginei uma vida juntos, que eu nunca me permiti antes, e eu sabia que iria quebrar algo dentro de mim se eu o deixasse ir ou causasse a sua destruição. Uma única lágrima deixou um rastro quente em minhas bochechas. Eu não vou deixar você. Deusa me ajude. Parthalan acenou para Sebastian com a onda de seus dedos. Os dois sussurraram fora do círculo. O rosto de Sebastian se iluminou, e ele olhou para mim. Seu sorriso me fez agarrar meu estômago. Ele assentiu e andou em torno do perímetro do círculo para Liam e os outros. — O que ele está fazendo? — Eu corri para a borda da Ala quando o idiota ruivo chegou mais perto. Ele acariciou uma mão na arma. Meus músculos tensos ao ponto de dor, eu me joguei contra a barreira, batendo o punho contra ela. Eu voltei e lancei um chute apenas para me sacudir e tropeçar para trás, gritando minha frustração. Parthalan veio para mim, sua cabeça inclinada para frente. Seus olhos de


vidro me desafiando a desafiá-lo. Quando eu tentei evitá-lo, ele mudou-se para me bloquear. Sem outra opção, eu mantive minha posição, com os dentes cerrados. Ele parou de me tocar, seu hálito quente e doce lavando em meus lábios. Eu segurei meu terror no interior quando sua sombra me envolveu. Sua Luz diferente da minha, semelhante ao brilho estranho antes de uma tempestade quando o potencial de destruição permanece no ar. — Nós vamos jogar um pequeno jogo agora — , ele sussurrou com a boca perto da minha. Seu poder lambeu minha pele, envolto de prazer e um frio intenso ao meu redor. Eu não me movi, mas me tomou um grande esforço. Parte de mim queria provar esse poder, para levá-lo dentro de mim e deixar-me drogar a um estado de estupor. — Que jogo? — Eu não queria saber, mas ele parecia estar esperando por uma resposta. — Cada vez que você desobedecer a seu Rei, Sebastian vai atirar em Liam. A primeira bala atingirá sua extremidade inferior, em seguida, continuará atirando pelo seu corpo até que ele receba uma entre os olhos. As balas tem ferro, então ele não pode curar a si próprio. E ele não pode se transformar e sair porque as correntes são de ferro puro. Engoli após o ressecamento na minha boca. — Vamos acabar com isso, só você e eu. Deixei-os ir, e eu fico com você, sem luta, sem problemas. — Eu não podia manter o desespero na minha voz. Minhas mãos tremiam ao meu lado. Enfiei-as em meu bolso para que eu não as deslizasse ao longo das ondulações suaves de seu peito ou lhe batesse no rosto. Eu não conseguia decidir o que era mais urgente. — Onde está à diversão nisso? — Ele se afastou com um riso, acariciou as linhas nítidas de sua mandíbula com os dedos. — Vamos começar? — Seus olhos brilhavam. — Mostre-me o que você pode fazer. Destrua alguma coisa. Eu procurei no quarto, o meu estômago em nós. — O que você quer que eu destrua? Os pensamentos obscuros passaram através de seus olhos. — Estou curioso. Quão preciso é o seu poder? Você quebrou as pernas de Rourke de


propósito, ou isso apenas acontece se você estiver em um lugar onde seu poder se manifesta? — Seu olhar vagou pelo quarto enquanto ele coçava o queixo e fez um movimento de ‗vem cá‘ com o dedo. Virei-me para encontrar Sebastian arrastando um Garret choramingando dentro do círculo. Ele o jogou no chão e voltou para Liam. — Quebre seus dedos. — Parthalan apontou para meu irmão. — O quê? Não! Os olhos de Garret arregalaram-se. — Não, por favor! Ele lutou contra as correntes. Sebastian enfiou a arma no pé de Liam e puxou o gatilho. O som enorme enviou um choque na minha cabeça e vibrações pelo chão. Ele gritou. As correntes chiaram enquanto que o seu corpo estremecia. A Ala deve ter me impedido de sentir isso junto com ele. Eu queria ter isso eu mesma, mas a nossa ligação se tornou intransitável. Rourke ficou de pé para dar uma olhada melhor, seu rosto organizado com alegria sombria. Como ele se curou tão rápido? — Pare! — Eu cambaleei em todo o azulejo para Garret. Ajoelhei-me ao lado dele e acariciei seus cabelos loiros, agarrando-se a ideias para o que eu tinha que fazer. Nada útil veio até mim. — Apenas faça. — Ele olhou para mim com tristes olhos azuis. — Eu sei que você precisa. Está tudo bem. Eu não quero que ele machuque Liam novamente, também. A poucos metros fora do círculo, Liam apertava seus dentes juntos até que seu queixo tremeu. Linhas de rubi escorriam de seu ferimento. Pisquei as lágrimas que ameaçavam transbordar meus cílios antes de voltar a minha atuação para o meu irmão. Rosto em branco mais uma vez, forcei meu sorriso, esperando que Garret pudesse ver em meus olhos como eu estava orgulhosa dele. Depois de reunir minha energia, eu coloquei minhas mãos em seu braço. Com a minha visão metafísica, eu procurei pelo corpo do meu irmão até que encontrei os ossos de sua mão esquerda. — Eu sinto muito. — A fissuração


terrível me fez pular para trás. Garret gemeu e virou o rosto para o chão, mas ele não gritou. — Pronto, você teve sua pequena demonstração, agora me deixe curá-lo. — Sem esperar a resposta de Parthalan eu alcancei Garret novamente. Bain entrou em cena entre nós. Ele agarrou Garret pelo tornozelo e o arrastou para fora do círculo. — Você precisa tocar em alguém pra causar danos? — Parthalan andava atrás de mim. Eu hesitei, dor por não atravessar a barreira em direção ao meu irmão. O que você quer agora, Homem de Vidro? — Quanto mais longe eu estiver de alguém, menos controle eu tenho. — Então se você tivesse forçado a sua energia, por exemplo, através do chão, você poderia ter quebrado o pescoço ou esmagado o seu coração, em vez disso? Engoli antes o nó em minha garganta. — Isso é previsível. Eu não poderia sequer atingir a pessoa ou objeto pretendido. Donovan tinha acordado em algum ponto. Ele me encarou, seus olhos vazios de medo e decepção. Minha coragem cresceu um pouco. Ofereci-lhe um aceno sutil e ele devolveu. — Quanto você pode controlar ao mesmo tempo? — Parthalan perguntou. Eu balancei minha cabeça. — Talvez centenas. — Eu não sabia quantas pessoas havia na Corte Seelie, mas eu não iria dizer que eu podia senti-las todas de uma vez. — Tente. Sinta as mentes nesta cidade. Diga-me quantos estão aqui. Seu pedido não foi tão ruim quanto eu temia, mas eu não queria que ele soubesse que eu podia chegar a todos eles. Olhei para Liam. Se Parthalan soubesse que eu tinha mentido, ele diria á Sebastian para matá-lo novamente. Com os olhos fechados, eu parei e recolhi minha Luz até minha pele não poder mais conter. Liguei minha Visão e empurrei-a em toda a cidade como ondas em ouro através de uma fotografia em preto e branco. Mentes rastreadas através de cada canto escuro, pelas ruas e dentro dos Shifters. Os locais e os pensamentos enviaram uma dor penetrante por minhas têmporas.


Eu sabia o número das mentes na cidade sem precisar contar. — Três mil, setecentos e quarenta e seis Sidhe, Um mil, duzentos e cinco lobos e Quatro mil Shifters, embora algumas das mentes são silenciosas, então eu não tenho certeza de seus números exatos. Alguns suspiros realizados em torno do quarto quando abri meus olhos. Parthalan me encarou como se eu tivesse o surpreendido. Ele sorriu. — Além dos meus mais loucos desejos. — Sua mão estendida em minha direção. — Agora venha a mim. Sebastian levantou-se, inspecionando sua arma. Meu coração pulou. Eu corri em todo o azulejo para o rei Unseelie. — Essa é minha boa menina. Agora me banhe na sua luz. Deixe-me provar sem resistência. Idiota. Ele poderia tirar minha energia por conta própria, então por que ele precisa de mim para fazer isso? Merda. Se eu me abrisse de boa vontade, ele poderia me drenar. Será que ele tem medo de mim? — Por que você não apenas a toma? Seu olhar buscou Sebastian. Eu joguei meus braços e abri o poço em minha mente antes que Parthalan pudesse dar a ordem. Eu não podia suportar a ideia de ferir Liam novamente. Estática estalou no ar. Vento rodou como se viesse de dentro do meu corpo e minha Luz pulsou no quarto como tiras fundidas de fogo. Parthalan espelhou minhas ações, abriu os braços para os lados. Minha energia secou até que se misturou com a sua. A tonalidade de sua pele brilhou mais brilhante quanto a minha cresceu redutora, e eu caí enfraquecida. Quando meus joelhos não podiam mais me segurar, ele me pegou e me segurou. — Assim, a montanha pode ser movida com a motivação certa. — Sua mão encontrou a pele nua de meus braços. Com um gemido, ele inclinou a cabeça para trás e revirou os olhos para cima. Seu perfume me envolveu – doce ar da noite e persistente. Eu enterrei meu rosto no buraco debaixo do seu queixo quando ele enfiou a Luz em mim – uma força terrível do tipo que eu nunca tinha imaginado, com fome de destruição, inebriante a ponto de vício. Tão bom.


— Liam não pode dar a você o que eu posso — , Parthalan sussurrou em meu ouvido. — Sinta o que nós podemos estar juntos, o prazer que podemos compartilhar. Rompa o vínculo, e meu poder será seu para sempre. Junte-se a mim, e nós vamos controlar todos eles. A vontade de rasgar o couro de seu corpo e jogá-lo para o chão tomou conta de mim. Eu deslizei minhas mãos ao longo de seu peito, vi a sombra do desejo engolir o rosto enquanto eu fazia. Ele estremeceu e suspirou sob meu toque. Eu ri um som gutural frenético. — Lute contra isso, Lila! — Uma voz gritou de longe. — Lembre-se de quem você é. Donovan. Pai. Sua voz veio a mim com tal urgência que quebrou meu transe. A pouca energia que me restou queimou o suficiente para quebrar a preensão de Parthalan sobre mim. Eu empurrei-o para longe e limpei a minha pele. Seu poder me fez cócegas, persuadiu-me de volta para outro sabor. Eu queria. Deusa me ajude, mas eu quero. Não! — Eu sou um Fae que consegue o que quer, e eu quero a sua Luz — , Parthalan rosnou. — Quebre o vínculo, ou Sebastian vai terminar com seu lixo mestiço. Você tem cinco segundos para decidir. De qualquer maneira, vou ter você e tudo que você é, esta noite e todas as noites. — Meu Rei! — Rourke deixou escapar. — Você... — Silêncio. Minha raiva me fez tolo. Seja um bom menino, e compartilhe com o seu rei. Rourke flexionou o queixo e olhou para o chão, enquanto ele assentiu. Eu considerei iniciando-o uma luta, mas iniciando até os loucos seriam muito imprevisíveis. — Cinco — , disse Parthalan. Virei-me para Liam, apertando a minha garganta para conter o grito. — Eu não tenho escolha. — Não. — Seus profundos olhos azuis me imploraram. — Eu prefiro morrer sentindo seu espírito dentro de mim do que morrer sozinho. Você sabe que ele vai me matar de qualquer maneira. Meu foco mudou para Parthalan. — Se eu fizer isso, você promete que


todos os três serão libertados sem danos? Eles podem voltar a Dun Bray. — Quatro. — Por favor! — Três. Eu engoli um soluço. — O que devo fazer, Donovan? Ele balançou a cabeça. — Não há boa escolha. — Dois. Sebastian enfiou o cano de sua pistola na testa de Liam. Seu dedo tremia sobre o gatilho. A curvatura de seu lábio e brilho em seus olhos disse que ele iria fazer isso e apreciar. — Eu sinto muito. — Eu virei às costas para Liam, por um lado eu tinha começado a imaginar uma vida. As lágrimas corriam pelo meu rosto em um desfile interminável. Eu não podia suportar ver o olhar no seu rosto, então eu olhei para o diabo no couro, em seu lugar. — Diga-me como quebrar o vínculo. Rindo, Parthalan escovou as lágrimas do meu rosto e me beijou. — Procure na sua mente o lugar onde seu espírito está ligado ao seu. Force-o para fora. Abra espaço para o seu único rei e verdadeiro. Fechei os olhos. Demorou alguns minutos antes de eu encontrar o ponto brilhante na minha cabeça onde nossa conexão tinha formado. Eu não sei como não havia notado isso antes, então – tão quente, tão brilhante. Talvez eu fiz, mas tinha se tornado uma parte de mim como se estivesse sempre lá. Imediatamente minha Luz tocou, a ligação entre nós abriu. "Perdoe-me," eu pensei nele. "Eu sinto muito por duvidar de você, por tudo. Eu – Eu te amo." Eu centralizei minha força de vontade na tarefa e destruí a conexão à parte. Tanto Liam e eu gritamos em uníssono. Dor varreu minha mente, agarrou a minha alma e ameaçou quebrar. Grandes estantes de soluços explodiram dos lábios de Liam enquanto ele se esforçava contra suas correntes, gritando — Não! Um momento depois, uma mão fria tocou a minha testa. Calma me alcançou. Parthalan olhou para mim com algo que eu tomei como arrependimento antes de eu me lembrar do que esse olhar era. — Leve Donovan e o garoto para o portão e libere-os — , ele disse. —


Deixe que eles voltem para Dun Bray. Não faz muita diferença. A cidade vai cair em breve. Não enquanto eu viver, ela não irá. Segurei o pulso de Parthalan, tanto para manter sua atenção e me impedir de cair de joelhos. — E quanto Liam? — Ele ficou mais poderoso desde que provou de sua Luz. Eu preciso dele onde eu possa vê-lo até que tenhamos sido acasalados pelos antepassados. — Ele se inclinou para mais perto e sussurrou em meu ouvido. — E quanto a minha orientação de torná-la mais... Razoável, você pode escolher o seu destino. Eu balancei minha cabeça, a doença se espalhando pelo meu corpo como o câncer. — Por favor, me leve para outro lugar. Eu não quero que ele veja. O sorriso malévolo de Parthalan emergiu. — Ah, mas eu, princesa. Eu quero ver o rosto dele quando você destruir o caminho que você fez pela primeira vez. Vamos criar uma força e um espetáculo não visto antes. Ele beijou-me forte e rápido. Minha Luz, respondeu a ele, estourando no quarto como fogos de artifício. Tempo rastejou – ou talvez parou – enquanto eu aquecia em seu poder. Quando ele me liberou, eu encontrei minhas pernas envolvidas em torno de seus quadris. Eu pulei para baixo, engolindo um grito. Minha energia transbordou. — Você é uma provocação. — Ele me puxou de volta para seus braços. Afoguei-me em seu cheiro, derretendo contra sua pele macia. Vozes de advertência gritaram comigo, mas eu não entendi o que elas disseram. "Mate o camponês", uma voz sussurrou em minha mente. A língua não era o Inglês, mas eu entendi muito bem. Abri os olhos arregalados. — Qual é o problema? — Parthalan acariciava meu cabelo, mas eu o afastei dele. "Leve o pai e filho para o Pátio Ósseo. Levem todos os que caem nesta noite." Como o Pátio Ósseo dos Sluagh? Vários pensamentos derramados na minha cabeça de uma vez, nenhum deles o meu. Eles tinham diferentes tons de vozes e cadências diferentes. Será que eles têm uma mente coletiva? Se sim,


porque eu poderia ouvir? — Você disse que ia deixá-los livre! — Esfreguei minhas têmporas, as vozes tão altas que tomou a maior parte da minha concentração para pensar por eles. Parthalan inclinou a cabeça. — O que você está falando? Malditos sinos fodidos, apenas alardeiam isto em voz alta, por que não você. Eu não queria que ele soubesse que eu podia ouvir os Sluagh – não até que descobrir como usá-los. Antes que eu pudesse pensar em uma boa mentira, a porta travou para dentro. O Sluagh lançou no ar, gritando, e saltou para o Fae. Sua energia saturou na sala com brilho e cores variadas, terrível e maravilhosa ao mesmo tempo. Eu oscilei sobre os meus pés como se eu estivesse me afogando em uísque. Eu coloquei minhas mãos em meus ouvidos. "Lixo Selkie. Mete-os. Mais no corredor. Expulse-os." Uma mulher gritou, depois parou. Eu pensei que o som veio do grupo na porta, mas o barulho do Sluagh tornou difícil dizer. O silêncio me assustou pior do que a gritaria. Eu não sabia o que havia caído, e a Ala proferida para mim, tornou impotente para eu fazer qualquer coisa sobre isso. — Suponho que seja isto que você esteja fazendo? — Parthalan olhou para a massa de ebulição de corpos perto da porta. — Eu cansei de seus jogos, Lila. Não cruze comigo. — Ele saiu do círculo. Os Sluagh se separaram o suficiente para revelar Willa e Quinn de pé no canto, agachados em posturas defensivas. — Por que, Willa — , Parthalan disse com sua voz monótona. — Como é bom ter você de volta. Sua pele se tornará um tapete lindo na frente da lareira. A multidão mudou de novo. Althea estava esparramada no chão, o pescoço inclinado em um ângulo perturbador. — Não! Desgraçados! — Arfando, eu dei um soco na barreira invisível, porque eu precisava fazer algo com a raiva. A dor em meus dedos pouco fez para esquecer a visão diante de mim. — Eu não vou desperdiçar minha energia preciosa sobre essas ninharias.


— Parthalan agarrou Bain pela sua capa. — Mate-os ambos. Os Sluagh avançaram sobre eles de uma só vez. A excitação encheu-me com sede de sangue que não era meu, um desejo vil que pediu para ser saciado. — Pare! — Gritei. Todos eles congelaram, passos pequenos e olhares fundidos um com o outro. Hã? Eu realmente não esperava que eles me ouvissem. Parthalan agarrou um dos Sluagh pela garganta. — Eu disse para matálos! — Eu os proibi. — A ideia me desorientou. Eu tinha pedido ajuda da Deusa. Talvez em vez de conceder para mim um animal de comando, ela me deu o Sluagh. Eu poderia trabalhar com isso. — Remova todos os Sidhe deste edifício, exceto Liam, Donovan e Garret. — Eu pensei por um instante, depois adicionei o nome de Cas à lista. Eu tenho a sensação que ele não gostava das festividades da noite mais do que eu. Parthalan correu para mim, mas o Sluagh bloqueou seu caminho enquanto eles atacaram os Sidhe em torno dele. Eu me permiti uma pequena faísca de esperança. Eu não entendia por que eles tinham que me obedecer, mas eu não estava disposta a questionar. Alguns dos Sluagh gritaram e voaram. O sangue escorria de suas bocas. Parthalan atravessou o resto da multidão, o rosto contorcido de confusão. Eu virei para o outro lado da cama. — Matem os Selkies e, em seguida, Liam — , ele disse. — Faça isso, Bain, ou eu vou tomar todas as suas terras e jogá-lo fora da cidade. — Seus músculos se contorciam sob sua pele, e os dentes cerrados, enquanto se aproximava do círculo. Banshees pairavam pela porta e corriam por todo o teto, suas órbitas vazias olhando cegamente para frente. Seus corpos negros delgados arrastavam atrás deles. O quarto irrompeu em caos quando os Sluagh atacaram em uma massa sólida negra de penas. Bain pulou do chão. Suas asas explodiram ao redor dele. Ele pairou por um momento, os olhos alaranjados estreitando à medida que me encarou.


Os Banshees desceram, estridentes gritos de lamentação anterior a eles. Eles levaram os Fae gritando em direção ao teto, pelos corredores e para fora da porta. Liam gritou meu nome em algum lugar do outro lado do quarto, mas eu não podia vê-lo através da multidão. Parthalan reentrou no círculo e me agarrou. — Largue-me! — Eu bati nele com meus punhos, mas ele me segurava com mãos de ferro. Quanto mais energia eu expulsava, mais ele poderia me drenar. — Liam! Parthalan me beijou enquanto me forçava de volta contra a cama. — Não há tempo para fazer isso de forma divertida. — Ele inclinou seu rosto até o teto. — Ancestrais, ouça meu chamado. Uma névoa gelada roxa desceu ao nosso redor. Vozes reduzindo a alguns gritos enquanto o quarto esvaziava. Por cima de tudo isso veio o barulho de uma coruja. Desci com Parthalan na escuridão até nossos corações baterem em uníssono. Vozes encheram as sombras escurecidas ao nosso redor – sombrios, sussurros malévolos enviaram medo cru trilhando ao longo da minha espinha. Meu corpo já não me obedecia. Nossa pele explodiu com uma luz azul profunda. Vento empurrou-nos mais próximos. O quarto sumiu da minha vista. Eu me afoguei no poder tão forte que eu pensei que fosse rasgar a minha alma em duas. Nossa pele não apenas tocando – derretendo juntamente. O mundo tremeu. Andei na escuridão. Tão frio. — Ajudem-me! — Perdida. Tão perdida. Riso apenas respondeu. Lamentações. Eu tentei me lembrar como eu tinha chegado lá. Rostos passaram por meus pensamentos, mas eu não tinha nomes para eles. A presença colidiu com meu espírito. Eu gritei e empurrei minhas mãos para mantê-lo afastado, mas não tinha forma física dentro da minha alma. Energia encheu meu corpo antes de estourar livre da minha pele. Um momento depois, outra consciência me rodeou.


Sua loucura e desejo de poder se agarrava a ele como um sanguessuga, esperando para devorar a minha sanidade mental, juntamente com a sua. Ele invadiu a minha mente, roubou o meu fôlego. Meu espírito se deslocou de mim para ele – um lugar frio e vazio onde apenas a ambição e ganância existiam. Dormência varreu meu corpo. Uma solidão terrível estabeleceu em mim, sugando a minha Luz e desejo. Eu não tinha mais nada do que lutar, então o deixei me ter. Tempo não tinha nenhum significado enquanto eu vagava em seu deserto. Poderia ter sido horas? Dias? Sons distantes me assustaram onde eu estava sozinha no frio. Gritos. Gorgolejantes respirações de um Fae morrendo. Gritos. O cheiro inconfundível da morte liquidada em minhas narinas. Minha visão retornou. Uma névoa roxa subiu em direção ao teto, até que se dissipou por trás do vidro. Um corpo quente agitado ao meu lado. Seu cabelo negro ondulado pendurado em um emaranhado em torno de seu rosto sorridente. Ele parecia tão calmo. Eu sorri de volta, colocando seu cabelo atrás de sua orelha com o dedo. Prendi minha mão e fiquei maravilhada com a visão dele. — Eu te conheço? — O ser não parece ter qualquer pele, apenas a energia pura e branca. — Lila! — Uma voz gritou do meu lado esquerdo. Eu me sentei e olhei em volta. Eu conhecia aquela voz. Porque eu não...? Um homem estava a poucos metros de distância. Sangue seco cobria seu corpo da cabeça aos pés. Dois outros estavam para trás, vestindo mantos marrons e peles. Dois homens pairavam na porta, gritando com alguém pelo corredor fora do quarto. Lágrimas riscavam todos os seus rostos. — Você se machucou? — Perguntei ao coberto de sangue. — Eu matei Sebastian, mas a Ala não quebra — , o homem bonito, disse. — Diga-me o que fazer. — Quem é Sebastian? — Eu olhei ao redor do quarto, até que encontrei um corpo deitado no chão perto da porta. Cortes profundos marcavam suas costas, como se garras gigantes tivessem o cortado em pedaço. — Você fez isso?


Ele assentiu. Eu deslizei para fora da cama. Luz clara brilhava através do meu jeans e camiseta, como se eles não estivessem lá. O homem da cama se levantou e colocou os braços ao meu redor. Eu sorri para ele. — Você sabe o que é uma Ala? — Não, minha querida. Por que você não pergunta a seus amigos, os Sluagh, para nos livrarmos desses invasores? — Eu estou tão cansada. Não podemos dormir? A beleza negra à minha frente se reuniu comigo mais perto dele. — Dê a ordem, e vamos dormir o quanto quiser. Virei-me para os cinco estranhos. O queixo da mulher tremia. O homem ao seu lado olhou em volta do quarto, à procura de quê, eu não poderia imaginar. O ensanguentado andava, seus dedos congestionados em seu cabelo curto. Sons que vibravam atraíram meus olhos para o teto. Centenas de criaturas aladas agarradas às vigas transversais ou deslizavam através do vazio. Alguns desembarcaram ao longo das paredes e deslizaram para baixo da superfície. Uma infinidade de olhos brilhantes fixos em mim. — São aqueles meus amigos? — Estava maravilhada com as suas graças escuras. — Ele está enganando você! — O homem ensanguentado gritou. — Lembre-se de mim. Lembre-se que eu te amo, Lila Gray. Eu balancei minha cabeça, minha testa franzida. Minha cabeça latejava. — Você – me ama? — Mate-os — , meu companheiro rosnou. — Eles vão te machucar. Eles querem tirar você de mim para sempre. Peça para os Sluagh matá-los. Eles não pareciam perigosos, mas a dúvida brotou a vida em meus pensamentos. — Não os deixe me machucar. — Agarrei-me ao meu companheiro, olhando para a dança infinita de cores nos olhos de cristal. Aquele que me amava parou de andar. Ele lamentou enquanto caiu no chão. Seu corpo torcido, mãos pressionadas contra os seus ouvidos. Todos os olhos se voltaram para ele. A mulher caiu de joelhos ao lado dele, segurou suas mãos acima de seu


corpo como se não pudesse encontrá-lo. A cor de sua pele e cabelo desbotado. Em um piscar de olhos, ele desapareceu. Meu companheiro me jogou de volta contra a cama e deu um passo adiante. — Você está resistindo a mim, Liam. Até mesmo os guardiões que interferirem vão morrer. — Ele olhou para o céu — Vocês ouviram a rainha. Encontre-o. Mate-o! A sala cheia de sons de asas batendo correndo no teto. Um flash de luz me cegou por algumas respirações. Arrastei-me pelo chão até chegar a uma parede que eu não podia ver. Terror apertou minha garganta. A mulher que vestia uma pele se agachou fora da barreira na minha frente. — Eu sou Willa. Não se lembra de mim? Eu balancei a cabeça, apertei meu peito acima dos pulmões frenéticos. — Parthalan matou sua família. Ele está prestes a nos matar. Você tem que detê-lo. — Este é o seu nome? — O martelar na minha cabeça piorou. — Não. Ele não faria isso. Os espíritos nos acasalaram. Ele é meu. — As palavras não pareciam certas. Uma voz pequena gritou para mim, mas eu não conseguia entender o que ela disse. Gigantes asas brancas preencheram o círculo. Engoli em seco e fiquei perto da parede invisível. Em desespero, olhei para trás para Willa. Garras e bico arrancaram e o arrancaram... Os gritos terríveis da coruja esfaqueando em meus ouvidos. — Você me ajudou uma vez fora deste lugar — , insistiu a mulher. — Ouça-me agora. Você é Lila Gray, filha de Arianne, Rainha Seelie. Você tem que lembrar. Esses são os Sluagh. Você tem que detê-los. Um dos Sluagh mergulhou acima da mulher. Ela virou de costas e o chutou duramente. O Sluagh gritou e girou, se preparando para outro mergulho. Dois ao lado da porta, junto com outro homem, também lutou com os atacantes. Alguém com o cabelo cor de ameixa veio do corredor, portando uma espada e segurando uma caixa de madeira na mão.


— Mas, eu sou de Parthalan. Ele prometeu me manter segura. — Sinta a Deusa presente fluindo através da sua pele. Minhas mãos pressionadas com força em meus ouvidos. — Não. Mentiras. Ele disse que ia me levar para longe para sempre. O homem com a espada jogou a caixa para Willa. Ela abriu, e uma melodia assombrosa fluiu. — Lembre-se da canção que sua mãe cantava. Lembre-se da sua promessa. Eu balancei a cabeça, confusa com os rostos e sons intermitentes através da minha mente: um Fae olhando para mim, seu sorriso, o olhar no rosto dela quando ela fechou o piso acima de mim no dia que ela me deixou sozinha no mundo. Minha mãe. O toque de Liam, a profundidade da emoção em seus olhos quando ele olhava para mim, a alegria, o seu espírito fluía por mim. Meu irmão. Meu pai. Eu desenhei uma respiração profunda que não conseguia encontrar um caminho de volta. Tudo inundado antes com uma velocidade tremenda, me afogando em imagens, sons e pensamentos. Lágrimas escorriam pelo meu rosto e pingavam no meu queixo. A pomba Sluagh foi para Willa novamente. — Parem de atacar! — Acenei para a multidão acima. Liam. Meu amor. Enquanto eu estabelecia isso na minha própria cabeça, meus olhos voltados para a batalha feroz diante de mim. A coruja grande usou suas asas para sustentar-se contra o chão, enquanto ele atacava o rei com suas garras. Gritos perfuraram o quarto. Parthalan contornou-o e atacou com uma velocidade que o deixou em um borrão. Sangue jorrava do bico de Liam enquanto ele agarrava o braço de Parthalan e abaixava-o. O osso quebrou. Parthalan gritou, e sua Luz respondeu com um toque brilhante. Merda. — Ouçam-me — , eu ordenei ao Sluagh. — Quebrem o círculo se vocês puderem. De repente uma parede de escuridão desceu. Eles despencaram em direção à barreira, mas passaram atravessando. Alguns se chocaram contra a


parede do outro lado, outros inclinaram duramente para evitá-la. Quando percebi que não podia afetar a Ala, eu os pedi para atacar Parthalan. Não importa quantos voaram para ele de só uma vez, eles caíram no chão numa pilha de sangue. Ele continuou a luta com Liam, esmagando os Sluagh longe como moscas. Seu braço já tinha curado. Eu pedi para os Sluagh saírem. Mesmo os mortos-vivos não devem cumprir o seu objetivo final dessa maneira. A crepitação de energia chamou a minha atenção para longe da luta. Rourke estava simplesmente fora do círculo. Fogo azul se espalhando entre seus dedos. Seu olhar malicioso travado em Liam. Posicionei-me na frente do Sr. Psico. — Venha você merda ruim. Rourke focou em mim, sorriu e pulou em direção à barreira. Rugindo, Garret se chocou com Rourke de lado e o derrubou de costas no chão. Os dois enrolados e emaranhados através do piso. — Não! — Eu gritei. A luz azul explodiu no quarto. Um lamento triste amorteceu todos os outros sons. Enquanto eu batia os punhos contra a barreira, Donovan correu para seu filho. Com uma risada, Rourke entrou na Ala antes que eu pudesse agarrá-lo. Garret estava imóvel. Marcas pretas caracterizadas em um padrão de estrelas adornadas em seu peito. Ele não podia estar morto. — Donovan — , eu sussurrei. Meu pai levantou a cabeça de Garret e embalou-o em seu colo. Fumaça rodopiava em fitas de prata da pele do jovem Fae. A dor nos olhos de meu pai quebrou alguma coisa em mim. A Luz de Parthalan rebentou em minha mente, uma fúria fria cavando em cada canto do meu ser. Nas garras de uma fome de ver Rourke quebrado aos meus pés, eu mudei a minha atenção para o psico de merda. — Você é um Fae morto, Rourke. Liam e Parthalan gritavam e berravam enquanto batiam um no outro, repetidas vezes, mas eu não podia vê-los, somente o louco assassino diante de mim. Ele olhou para cima quando me aproximei, ainda sorrindo. — Você vai


me machucar de novo? — Ele virou suas mãos e joelhos, bateu seus cílios para mim. Eu assenti. — Você matou meu irmão. — Irmão? — Rourke levantou uma sobrancelha e riu. — Você não tem isso em você, meu bichinho. Um sorriso floresceu em meus lábios. Agarrei-o pelo pescoço e lancei uma perna por cima de suas costas para arreganhar as pernas dele. Meus lábios pressionados contra seu ouvido, e eu falei macio, até mesmo a minha expressão. — Dez minutos atrás, você estaria certo, mas o seu Rei precioso apenas mudou tudo isso. O corpo de Rourke endureceu debaixo de mim antes de eu passar meus braços em volta da sua cabeça e dar um empurrão forte para o lado. O som de seu pescoço quebrando enviou um choque de alegria através de mim. Eu joguei o corpo de Rourke para o chão e o chutei no peito até a dor assolar minha perna. — Lute contra isso, Lila — , disse Donovan. Ele estava com as mãos contra a barreira ao lado de Willa. — Esta não é você. Você é mais forte do que Parthalan. Não se entregue ao seu poder. Esforçando para superar ao encanto sedutor, voltei meu foco para a batalha. Parthalan abriu um corte largo no peito de Liam. Ele cambaleou para trás, ofegante, suas asas brancas batendo. Se eu não podia enfrentar Parthalan com a Luz, então eu podia apenas com a força bruta ou o poder de fogo. — Arma de Sebastian. — Eu apontei em direção ao seu corpo perto da porta. — Pegue-a Willa. Atire em Parthalan. Ela correu para a porta e procurou ao redor do piso a arma. Donovan e Quinn ajudaram. Cas estava na porta, seu olhar apontava para algo além da minha visão. Sua espada pingava gotas vermelhas no chão. Liam gritou pela boca coruja. O sangue jorrou dele um momento depois. Parthalan o circulou, rindo. — Você está muito atrasado — , ele cantou. — Eu moro dentro dela agora, e ela dentro de mim. Ela é minha, e através dela, eu vou governar todos vocês. Ou talvez eu vá matar todos os Seelie junto com os humanos apenas para o meu divertimento. Raiva mastigou para mim outra vez, meu corpo uma massa de energia


incandescente, minha mente processando. Minha Luz tinha escurecido para o bronze com a minha raiva. Enquanto eu pensava sobre o que fazer com isso, Parthalan desviou através do link que ele tinha formado comigo. Esta merda fodida não está acontecendo. Eu considerei atacá-lo fisicamente, mas eu não sabia nada sobre a luta corpo-a-corpo. Willa voltou um momento depois, com a arma. Os outros três vieram depois dela. — Você tem certeza que as balas vão penetrar na Ala? — Donovan perguntou. Nenhum de nós sabia. Liam caiu para trás com um estrondo, sua respiração ofegante saindo de seu bico. Manchas rubis decoravam suas penas brancas. Parthalan soltou um rugido profundo. Ele caiu de joelhos, choramingando, contrariando seu corpo. Um momento depois, seus membros quebraram e reformaram, lançando clarões de luz azul profundo no quarto. Pele preta brotou enquanto ele se contorcia no chão. Quando ele se levantou novamente, um lobo gigante apareceu diante de nós, um estrondo baixo vibrando em sua garganta. Levei um momento para perceber que ele estava rindo. Oh, inferno. Eu me joguei no chão quando penas, dentes, garras e peles explodiram dentro do círculo. O som foi suficiente para abalar minha mente. — Atire! — Eu gritei com Willa. Ela segurou a arma, ajustando seu alvo enquanto os dois destruíam a cama cortando um ao outro. — Não é possível. Eles estão mudando rápido demais — , Willa gritou. — Eu poderia acertar seu Fae. Uma nova ideia amanheceu. Se Parthalan drenou minha luz e a minha vontade – isto significa que ele pode sentir a minha dor também. Levantei-me e lancei um olhar determinado para Willa. — Atire em mim. — O quê? — Os olhos de Donovan se ampliaram. — Não. — Ele


bateu na barreira, como intransponível para ele quanto era para mim. Meu pai estava tão perto, mas eu não conseguia consolá-lo. Eu só podia assistir a concretização tirando o brilho de seus olhos molhados. Coloquei meus dedos contra a parede invisível. Ele colocou a mão no outro lado. Um soluço sacudiu-o enquanto ele inclinava a testa para baixo ao lado de sua mão. — Confie em mim agora. — Eu não prolonguei para ver se ele respondia. Quanto mais eu olhava para meu pai, maior a chance da minha coragem rachar. Em vez disso, voltei minha atenção de volta para Willa. — Atire em mim, antes que seja tarde demais. Eu posso alimentá-lo com a minha dor através do nosso link. Isso dará uma oportunidade para Liam. As mãos de Willa tremiam. Seus olhos corriam ao redor do quarto como se estivesse procurando uma saída para a tarefa terrível. — Eu gostaria de não ter que lhe pedir, mas você precisa se apressar. Rosnados e gritos continuaram atrás de mim, penas voando, rasgando a carne. Eu estremeci e trouxe as mãos para os meus ouvidos. Cada som cavou mais fundo em minha mente, ameaçando quebrá-la. Willa deu alguns passos para trás e tentou por três vezes apontar a arma para mim, mas continuou deixando cair o braço. — Eu sinto muito. — Ela soluçou. Quinn agarrou a arma dela e apontou para mim, nenhuma dúvida o influenciando, apenas o olhar determinado e um aceno de incentivo. Eu tentei manter o medo fora do meu rosto, mas não acho que fui bem sucedida. Eu respirei e prendi a respiração. Minhas mãos tremiam. Seus olhos escureceram. Seu corpo ficou imóvel. Ele hesitou por um momento antes de apertar o gatilho. A sala desapareceu atrás de um flash branco. Eu nem sequer ouvi o tiro por causa da propagação do fogo através da minha barriga. "Procure por sua escuridão." A voz da minha mãe ecoou em meus pensamentos. "Ele lhe causou nada além de dor. Devolva isso a ele.‖ Eu vaguei pela minha mente em busca do lugar onde ele tinha furado minha cabeça com o entusiasmo de um carrapato sedento. Tão escuro aqui, agora. Tão frio.


Quando descobri o túnel frio que provou do seu poder, a intensidade de sua Luz me encheu de prazer e dúvida. Toda vez que eu tentava romper o link, eu caía em um transe. ―Use a sua Luz, Lila.‖ Luz para vencer a escuridão. Juntei a minha dor em um pacote concentrado no meu centro e envolvi a Luz em torno de minha consciência. Com um ar de limpeza, forcei meu caminho através das sensações desconcertantes e projetei o meu sofrimento através do link para Parthalan. Ele gemeu em agonia, tropeçou, mas ele não caiu. Liam abriu um corte profundo ao longo de seu lado e o derrubou de lado antes de Parthalan o atacar novamente com ferocidade renovada. Sentei-me na agonia da queimadura torturante em meu abdômen. — Mais uma vez, Quinn. No peito. — O gosto metálico de sangue saturando minha boca. Lutando contra o meu reflexo de vômito, eu tossi, um som terrivelmente molhado. — Não! — Donovan rugiu. — Podemos encontrar outra maneira. Eu sorri para meu pai. — Não, este é o único caminho. — Eu me virei para Quinn. — Acabe com isso. Quinn balançou a cabeça, as narinas abrindo e fechando. Ele demorou algumas tentativas para levantar a arma. — Um Selkie nunca esquece seu sacrifício. Perdoe-me. Calor insuportável queimava pelo lado direito do meu peito. Antes de a escuridão me consumir, eu alimentei a minha dor para Parthalan novamente. Risos borbulharam na minha garganta. Gostaria de encontrar a paz onde minha mãe esperava dentro da luz superior eterna em Dum Bray. De alguma forma, o tempo todo, ela estava olhando por mim além do túmulo. Ela vivia dentro de mim, me levaria de volta ao seu abraço carinhoso. Olhei para o teto, sem vontade e incapaz de se mover de onde eu estava. Sangue encheu meus pulmões. Eu tossi, quando comecei a me afogar. Um grito profundo perfurou meus pensamentos. Asas brancas batendo contra o ar, carregando um Fae sangrando em suas garras. Eles subiram e colidiram através do teto de vidro. Fragmentos tilintaram no chão ao meu redor. Fechei os olhos. Dormência desceu para os meus membros e os


apaguei do meu conhecimento. Meu corpo estremeceu como se eu estivesse caindo. Tão longe, o vento soprando o meu cabelo, o medo tão cruel. Eu esperei por isso para consumirme com dentes afiados. Um grito ecoou em meus ouvidos quando mais dor me envolveu. Sua dor. Medo saiu da minha mente. Apesar de cansada, eu sabia que tinha subido a montanha. Meu povo poderia consertar o mundo humano, eventualmente, e as Cortes teriam que ficar separadas. Até mesmo uma profecia nem sempre é correta. Eu sorri. Depois nada.


IGA-ME. — A voz suave veio de longe. Eu abri meus olhos para um céu líquido acima. Uma dissonância de gritos – alguns próximos, outros distantes. — Aqui. Eu olhei para cima para Liam, sua mandíbula apertada, seus olhos azuis frenéticos. Ele me carregou por toda a cidade. Por quê? Eu estou morta. Eu deveria estar com o espírito da minha mãe, não neste lugar sem Deus. O céu desapareceu atrás de uma sombra carmesim. — Coloque-a no chão. — Eu reconheci a voz de Cas. Tentei falar, mas um gorgolejo escapou, em seu lugar. Liam me pôs. Meu corpo abaixo do pescoço não se registrava com o meu cérebro. Lágrimas escorriam pelo seu rosto e pousavam nas minhas bochechas. — Não se atreva a desistir de mim — , ele disse. Eu não acho que eu tenha uma opção quanto ao assunto. Ele levantou minha mão em seus lábios, mas eu não conseguia sentir o seu beijo. — Está começando. — Donovan se agachou ao lado de Liam, colocando sua palma da mão fria contra a minha testa. — Você sente alguma


coisa, Lila? Sangue encheu meu pulmão, espirrou na minha garganta quando eu tentei respirar. Rompi em um ataque de tosse borbulhante. Dor rugiu através de mim de uma vez. Um grito molhado explodiu espontaneamente de mim. Eu ergui minhas costas em um arco, mas algo me prendeu ao chão. Tentáculos úmidos rastejaram através de minhas feridas, cavando minha pele abaixo. Liam se inclinou e descansou sua testa contra a minha, suas respirações irregulares ventilando em meus lábios. — Sinto muito. Nós não podemos fazer nada sobre a dor. Eu estou aqui. Estamos todos aqui. Meu corpo apreendido, estremecendo incontrolavelmente através de mim. Tive um vislumbre de Willa andando de um lado para o outro aos meus pés. Lágrimas desenhavam uma linha molhada pelo seu rosto. Esforcei-me para sentar, mas Liam jogou seu corpo sobre o meu. A dor assolou a agonia insuportável. Quinn estava à minha direita, com a cabeça pendurada, ombros caídos. Meus pulmões drenados de líquido. Desenhando respirações curtas e superficiais. Reconheci onde eu estava deitada – sobre o chão de um dos Shifters. A dor diminuiu enquanto pele crescia dentro de mim, reparando o dano feito pelas balas. Minhas costas arderam quando os tentáculos recuaram abaixo. O Shifter gemeu e roncou. Sangue preto escorreu do teto, em seguida jorrou para fora dos muros. — Merda. — Liam saltou para seus pés. — Temos que sair daqui, agora! — O que está acontecendo? — Minha voz trêmula. Ele me pegou do chão e correu para fora da porta. O resto seguiu atrás de nós. A casa desabou, pontuada com um grito triste. Eu tossi e levantei a mão para a minha garganta. — O que aconteceu com o Shifter? — Tomou seus ferimentos para si mesmo — , disse Donovan. — Pensei que Cas talvez pudesse curar você quando ficasse mais forte, mas os


seus ferimentos eram muito grave. Eu não tinha mais nada em mim. — Onde está Garrett agora? Donovan levantou o rosto para o céu. — Eu não posso sentir o seu espírito aqui na Cidade Negra. — Então ele está com a Mãe no céu acima de Dun Bray. — A dor no meu coração aliviou um pouco. — Ele está morto, não é? Parthalan? O sentir morrer. — Quando você o alimentou de sua dor, ele se transformou. — Liam me embalou. — Eu o esmaguei e ele caiu de cima da torre da Corte. Observei-o bater no chão. Meus olhos continuaram fechados. O que eu não disse foi que uma sombra de seu poder se escondia num local escuro que ele havia deixado para trás na minha cabeça, contaminado com raiva, com fome de liberdade dentro do seu novo hospedeiro. E eu nunca deixaria livre. — Você acha que pode segurar-se em Liam o suficiente para voar? — Donovan pairou sobre mim. Em um piscar de consciência, o cheiro de Liam girou ao meu redor, suas penas brancas amortecendo meu corpo enquanto Donovan me prendia à coruja gigante com corda. — Leve Lila de volta para seu povo. Liam tomou o voo. Seus músculos laminados debaixo de mim, enchendo-me de uma sensação de lar, de pertencimento. Minha consciência caiu no vazio. ♦♦♦ Uma mão quente descansou de encontro no meu rosto. Luz pintada de cores atrás de minhas pálpebras fechadas, mas eu não conseguia encontrar a força para abri-los. — Volte para mim, minha filha. — A voz de Donovan me puxou o resto do caminho para a consciência. Eu forcei meus olhos abertos. A luz os picou enquanto eu procurei por meu pai. Sua mão subiu para escovar o meu cabelo e voltou ao meu rosto. O sorriso em seu rosto agradável e disposto roubou minha confusão e mal-estar.


Meu coração cantou na visão dele. — Onde estou? — Eu resmunguei. — Você está segura agora. Este é seu quarto, no castelo Seelie. Eu balancei a cabeça, mas não acreditando. — Eu não posso acreditar que você esteja vivo. Eu pensei que talvez eu tivesse sonhado tudo isso. Ou eu acho que pesadelo seria mais apropriado. Donovan entregou-me um copo de água e me ajudou a sentar-se. Bebi, derramando metade na camisola de cetim que eu usava. — Onde estão os outros? — Memórias dos últimos gritos de Garret voltaram, rasgando meu coração. Sinto muito, irmão. Vou terminar o que começamos. Eu prometo a você. — Liam está esperando por você no jardim. Os poderes aqui não permitem que ele entre no castelo. Eu me disfarcei, cuja à única razão de estar sentado aqui. — Donovan olhou por cima do ombro para a porta. — Tenho certeza de que Nix sabia sobre o disfarce, mas ele é perspicaz. Eu acho que ele sabia que eu não causaria nenhum dano. Ele está fora de sua porta e não saiu de seu lado, uma vez que nós trouxemos você aqui há dois dias. — Dois dias. — Eu balancei minha cabeça. — Vou conversar com Gallagher, embora seja provável que Neasa não quer Liam aqui. Onde estão aqueles dois? Estou surpresa que eles não estão pulando em cima de mim agora. — Eu acho que Nix os convenceu de que você precisa de algum tempo para se curar. — O corpo de Garret... — Dor instantânea roubou o ar dos meus pulmões novamente. — Eu o cuidei dele pessoalmente. Seu espírito é feliz aqui, Lila. Ele não possui arrependimento sobre o que aconteceu. Eu concordei, mas não podia aceitar isso. — E sobre os Selkies? — Quinn e Willa voltaram para casa. — Somente dois fizeram isso? — Eu coloquei minhas mãos sobre meus olhos. Lágrimas corando meus cílios. — Os números deles chegam à casa dos milhares. Os que vieram voluntariamente, sabendo que tinham poucas chances de voltar, e agora que você mostrou o seu valor para o seu povo, todos eles terão prazer em alinhar-


se com você. Você ofereceu a Deusa sua vida para salvar a todos nós, e ela não a tomou. — Suas mãos seguraram a minha. — Isso tem um significado imensurável para todos os que são fiéis a ela, para todos os que querem ver o mundo e todas as suas criaturas retornando para a paz. Os Selkies consideraram sua parte um pequeno sacrifício para o bem maior, e então devem a você. Em teoria, eu entendi o significado do sentimento por trás disso, mas eu não conseguia tirar a imagem do corpo quebrado de Althea da minha mente. — Eu preciso ver Liam. Donovan me beijou na cabeça. — Eu achei que você quisesse. Vai ter uma festa. Eu vou arranjar comida e alguma roupa para você – que você aprove usar. — Ele sorriu, seus olhos brilhando com o mesmo orgulho que ele sempre usava quando olhava para mim. — A caixa de música de sua mãe está em sua mesa de cabeceira. Saltei da cama e corri para a mesa, peguei a caixa de madeira e abri a tampa. Fechei os olhos enquanto a melodia assombrosa tocava. Minha voz cheia com as palavras, então meu pai está em harmonia. O som aplicava em mim com alegria que não conseguia encontrar uma maneira de escapar. Eu ri através das minhas lágrimas. A única conexão física que eu tinha a minha mãe, de volta em minhas mãos. Eu não podia acreditar nisso. — Estou tão feliz por você estar aqui – Pai. — Eu coloquei a caixa de música para baixo e passei meus braços em torno dele. Meu pai. As palavras ainda soavam estranhas para mim, mas me cercou de paz. Ele reuniu-me em seus braços e me girou. Eu ri, apesar dos protestos do meu estômago vazio. Quando ele me colocou no chão, fiquei na frente dele. — Ela fala comigo às vezes. Ele pegou minhas mãos. — A morte não realmente separa o Fae daqueles que amamos. Assim como ela carregou uma vez dentro dela, parte de sua carne e sangue, parte de sua alma, agora ela é uma parte de você. Ela nunca deixou você, minha filha. — Ele pegou uma lágrima em meus cílios, virou-se e saiu pela porta. Parte de mim sempre soube que ela estava me observando, que ela


sempre esteve lá para me guiar quando eu precisava dela. Ouvir meu pai dizer, remendou um pouco meu coração ferido. Que ela segurava nos braços o espírito de Garret acalmou-me ainda mais. Depois de tomar banho e vestir um belo jeans e uma camiseta vermelha, eu comi um prato de sopa enquanto Nix me observava. Ele estudou-me, sorriu quando eu olhei para ele, mas a expressão não atingiu seus olhos. Eu contorci. Ele poderia ver o poder negro que Parthalan deixou para trás em mim – um eco da sua luz e do seu espírito? Parthalan poderia estar morto, mas eu ainda podia senti-lo em minha cabeça – vivo, respirando e pulsando no fundo. Sua energia sedutora, sua loucura esperava que eu me abrisse para ele. Sua presença formava um nó emaranhado no meu estômago, mas eu não sabia o que fazer sobre isso ainda. Donovan retornou quando eu terminei de comer. — Você está pronta? Levantei-me segurando a mão de Nix. — Obrigada por cuidar de mim. Ele reuniu-me em seus braços. — Perdoe-me por duvidar de você. Eu nunca vou fazer isso de novo. ♦♦♦ Eu andava com meu pai em direção ao jardim no meio da cidade, mas parei antes que pudesse vê-lo. Meu dedo do pé cavado na grama entre os paralelepípedos. — Eu não sei o que dizer para ele. Ele me salvou. — Você deu a ele o que ele precisava para terminar com Parthalan, de bom grado deu a sua vida no processo. Apesar das terríveis dificuldades, você veio das profundezas do inferno para salvar a todos nós, e sem isso, nenhum de nós teria saído. Nunca se esqueça disso. — Ele tentou e não conseguiu segurar um sorriso. — E eu acho que quando você ver Liam, seu coração vai superar sua mente. — O que é que isso quer dizer? — Tentei encará-lo, mas não consegui. Em vez disso, eu coloquei minhas mãos em meus quadris e o enfrentei para que ele visse o sorriso rastejando pelo meu rosto. — Eu vou te dar alguma cobertura, enquanto vocês se reencontram.


Agora se aprece, antes que ele acabe com todo o musgo. — Obrigada. — Com uma risada, eu comecei em direção ao jardim. Depois de um momento, eu desisti de tentar ser casual e corri. Meu coração palpitava em meu peito. A risada do meu pai seguiu atrás de mim. Minha respiração presa na minha garganta quando eu encontrei Liam correndo os dedos por entre a folhagem emplumada de uma das árvores rosa no jardim. Eu diminuí o ritmo e andei o resto do caminho, obtendo cada detalhe dele. Ele usava calça escura cinza com um suéter creme e uma jaqueta de couro sob medida para seu físico magro. Eu queria tocar seu rosto para ver se ele estava tão bem barbeado como ele pareceu. Ele estendeu a mão para mim. O sorriso que ele piscou derreteu-me em meus sapatos. Quando recuperei o controle dos meus sentidos, eu fechei a distância, concentrando-se para colocar um pé na frente do outro. Em vez de tomar sua mão, eu passei meus braços em volta do seu pescoço e o prendi. — Você está tremendo — , ele sussurrou. — Nós estamos bem. Eu aliviei meus braços para trás e descansei as mãos sobre o seu peito. Transpassada por seus brilhantes olhos azuis, eu olhava para ele. Um sorriso idiota puxou meus lábios. Estávamos bem? Eu não estava tão certa como Liam parecia, mas eu empurrei esses pensamentos. Enquanto mordia meu lábio inferior, puxei-o pela mão para o espaço aberto no meio do jardim. Calor correu em meu rosto e em outros lugares. — Você sabe, isto apenas me ocorreu que eu te devo uma. Ele riu. — Você não me deve nada. — Oh, eu discordo. Dessa vez, fora do Seven Gates... Você não lembra? — Coloquei meu pé por trás de seus tornozelos e empurrei-o. Ele caiu de volta para o musgo com um grunhido. Um ronronar escorria dos meus lábios enquanto eu o montava e o prendia no chão. — Agora, fique assim, ou eu juro que amarro você. — Antes que ele pudesse responder, eu o beijei, explorando lugares mais longínquos de sua doce boca antes de eu recuar. — Suponho que nós estamos quites. O calor ardente em seus olhos brilhantes induziu um arrepio correndo ao longo da minha espinha. Pulei e deslizei para longe, rindo.


— Eu pensei que você não se exibia em público. — Ele subiu para os pés, agachado, predatório. Dei de ombros. — Donovan lançou uma ilusão sobre nós. Se alguém olhar desta forma, eles vão ver nada além de um belo jardim. — Eu espero. Ele abriu o mais vilão sorriso que eu já tinha visto e me perseguiu através das árvores, enquanto que, a Luz dourada dos meus ancestrais dançava acima. Roupas salpicavam nossos caminhos como marcas em um mapa do tesouro. Nós brincamos por um tempo que estendeu interminavelmente. Dedos, lábios, língua explorando um ao outro. O cheiro de sua pele, a textura do seu cabelo, o playground muscular de seu corpo me fez enlouquecer por mais. Quando ele mergulhou dentro de mim, Luz quebrou a superfície de nossa pele e se misturou à medida que enroscávamos nossos corpos juntos, mudando-se para o ritmo da terra, nossos olhos se encontraram em um abraço carinhoso. O mundo parecia distante, um pesadelo que existe fora de nossa existência em comparação com a emoção em seu olhar, na forma como seu corpo se movia em cima de mim, o prazer que ele estimulava saindo de mim novamente e novamente. Ele gritou a sua libertação contra a minha garganta quando ele sucumbiu ao meu toque. Eu desabei em cima dele, meu rosto pressionado contra sua garganta. Ele acariciou minhas costas em um padrão circular. — Como você conseguiu atravessar a Ala naquela noite? — Eu perguntei quando eu encontrei a energia para falar. — Parecia que você tinha – desaparecido. — Mmm — , ele murmurou. — Eu não entendia isso, mas a Deusa me deu um presente Seelie, embora nossa ligação foi cortada. — Que presente? — As pessoas me chamam de Guardião. Um vinco formou ao longo da minha testa. — Guardião de quê? — Do lugar entre os dois. — Ele riu como se eu tivesse dito alguma coisa boba. Eu o bati no seu peito. — Não ria de mim. Todo mundo fala em enigmas por aqui. Como eu vou saber?


Ele me apertou, seu calor penetrando-me para o núcleo. — Eu continuo esquecendo que você não sabe tudo sobre nós, ainda. Eu posso viajar pelo lugar entre a escuridão e a luz, o sono e a vigília, vida e morte. É como caminhar através de um pesadelo, tudo distorcido, mas focado em você, e eu apenas apareci de volta para a realidade dentro do círculo. Eu não sabia o que dizer sobre isso, então eu aconcheguei mais perto de Liam e me deliciei com a sua luz. — A Deusa é astuciosa. Eu pensei que perderíamos nossos dons uma vez eu quebrei o vínculo, não obtendo mais. Liam engoliu em seco, me apertou. — Eu perguntei a Gallagher sobre meu pai. Ele não precisava dizer mais nada. — Sinto muito. — Ele está feliz, e eu acho que ele está orgulhoso de mim. Eu nunca pensei que ele fosse, nós nunca realmente nos demos bem, mas o senti lá em cima. Apertei-o de volta. Eu pensei sobre o que iria acontecer, sobrecarregada com a tarefa que ainda estava por vir e as expectativas pressionando sobre mim. Estamos vivos. Isso é mais do que eu esperava. Quando os meus olhos se fecharam a noite de Parthalan morreu, eu pensei que nunca ia ver o sol nascer novamente. — O que acontece agora? — Eu matei o rei — , Liam disse como se devesse responder a minha pergunta. Afastei-me para que eu pudesse olhar para ele. — Você diz isso como sua significativa. — Qualquer pessoa forte o suficiente para matar um rei ou rainha, ganha o seu lugar no trono. Eu rolei de cima dele e caí no musgo de costas. Meu peito apertado enquanto eu pensava sobre isso. — Então – você está dizendo que você é o novo rei Unseelie? — Sim, é isso que eu estou dizendo. Fechei os olhos. Depois de tudo que nós tínhamos passado, Parthalan ainda levaria Liam para longe de mim. Eu me levantei, lutando com meus pensamentos.


— Qual é o problema? — Liam veio atrás de mim. — Eu pensei que você ficaria feliz com isso. Nós podemos resolver as coisas juntos agora. Oh inferno. Eu não pude deixar de sentir a sensação mesquinha de perda no meu coração. — Eu – estou, desculpe. Eu estou agindo como uma idiota novamente. Parabéns. — Eu abri meus olhos, virando e sorrindo para afastar as lágrimas. — Eu não poderia pensar em um Fae melhor para a ocupação. Ele segurou meu queixo e me forçou a olhar para ele. — Diga-me. Virei-me livre de seu alcance. Após algumas respirações profundas, forcei as palavras. — Eu não quero que você vá, tudo bem? Eu pensei que nós poderíamos – você sabe – passar algum tempo juntos agora. Como, por um longo período de tempo. Ele riu, seus olhos refletindo isso. — Eu não pensava que pudesse ouvir essas palavras da sua boca. Fiz uma careta para ele. — Ótimo. Eu finalmente derramei minhas tripas para você e você simplesmente ri. — Oh, não é assim. — Ele me abraçou, embora meu corpo permanecesse rígido. — Você me faz tremer, falando desse jeito. Eu cedi e moldei contra ele. — Por que a Deusa não nos acasalou novamente? Ele suspirou como se tivesse esperando pela minha pergunta. — Ela não pode. Pelo menos não ainda. — Por que não? — Sem ameaça de morte a eles, meu povo não vai aceitá-la como sua rainha e seu povo não vai me permitir ser seu consorte. Nós não podemos forçar isto a eles, ou nós seríamos nada mais do que Parthalan. Minha garganta apertou. — Você está dizendo que não podemos estar juntos? — Não, eu não estou dizendo isso. Apenas ainda não, não formalmente de qualquer maneira. Lembre-se, você deveria ser a ponte que leva nossas Cortes de volta juntas. Até lá, vamos nos ver – em segredo. — Eu não acredito nisso. — Limpei a mão pelo meu rosto para evitar que a minha frustração fosse exibida. — Eu odeio me esconder. É como


admitir que nós estamos fazendo algo errado. — Vai levar tempo para mudar duas nações teimosas. Temos que ter paciência, dar passos de bebê para levá-los para uma nova era, e depois vamos levá-los juntos. — Ele usava um sorriso conhecedor. — Se você tivesse uma escolha entre discrição e nunca fazer o que acabamos de fazer de novo enquanto não consertar as coisas, o que você escolheria? Inferno. O que posso dizer? Apesar de eu não gostar disso, ele estava certo sobre forçar a questão. Eu não seria como Parthalan. Eu suspirei. — Tudo bem, você ganha. Vamos se esconder como adolescentes com tesão até os Fae obterem suas cabeças para fora de suas bundas. — Mmm, adolescentes com tesão. Eu teria dito tolos apaixonados, mas eu vou com isso. Sombras penetraram em torno de minhas memórias. Tinham sido persistente desde que acordei, mas não seriam ignoradas por mais tempo. — O que você fez com o corpo do Parthalan? Liam fez uma varredura abrupta e recolheu suas roupas. Ele as pôs e enquanto as vestia, procurava em todos os lugares, as minhas. Eu olhava para ele, estudando profundamente os sulcos em sua testa. — Liam? Ele parou e esfregou na parte de trás do pescoço. — Eu queria esperar até saber ao certo antes de dizer qualquer coisa. Apertei minhas mãos contra a minha testa. — Diga-me que tinha alguém com seu corpo e o destruiu. — Quando Cas e Donovan voltaram — , ele sentou-se no musgo, puxando seus sapatos. — O dente na rua estava lá, e muito sangue, mas seu corpo tinha desaparecido. — Bain! — Cerrei os punhos. — Isso é o que pensamos. Ele isolou o lado Cargun da cidade de alguma forma. Nós não vimos qualquer um dos Sluagh desde aquela noite. Nenhum ar. Andei, apertei minhas mãos e estalei meu pescoço procurando alguma coisa para aliviar a pressão subindo como chamas. Liam me agarrou e me forçou a olhar para ele. — Se ele voltar com os Sluagh, você os possui. Lembre-se, você os


comanda agora. Seu tipo de palavra fez sentido para mim, e minha respiração agitada diminuiu de volta para a respiração normal. — Eu acho... Mas o pensamento de vê-lo outra vez... Doença permeando minha alma enquanto eu organizava minhas roupas e as colocava novamente. Liam e eu caminhamos até o portal de mãos dadas, meus pés se arrastando para estender os nossos últimos momentos. Quando chegamos, encontrei Donovan esperando por nós. — Diga-me que você não está indo embora, também? — Meu espírito caiu ainda mais no buraco negro. Donovan se aproximou em uma corrida, beijou-me em cada bochecha. — Eu sou um visitante bem-vindo, eu vou manter a minha distância de Dun Bray – mas eu vou ver você. — Ele olhou para cima. — E o resto da nossa família, muitas vezes de uma forma ou de outra. — Ele passou os braços em volta de mim, me segurou até que eu sorri. Antes de ele se afastar, ele sussurrou, — você fez um velho Fae muito orgulhoso, mocinha, mas se alguma vez me assustar assim de novo, eu vou aterrar você por um século. Nós rimos e enxuguei uma lágrima feliz ou duas. — Qualquer coisa que você decidir fazer com os seres humanos, os Unseelie irão apoiá-la. — Liam plantou um último beijo persistente em meus lábios. Ele colocou um quadrado pequeno de prata na minha mão. Parecia semelhante a um telefone celular, mas nenhuma das redes funcionava mais. — O que é isso? — Virei-o em minha mão. — Isso pode criar um link temporário metafísico entre nós para que possamos organizar nossas estratégias de batalha. — Ele me deu um olhar sério e, piscou. Ahh – astuto. — Astucioso. — Eu sorri quando eu considerei as possibilidades. Donovan entrou pela primeira porta, seguido por Liam, que parou no meio e olhou para trás. Ele ficou mais reto, mais confiante se que era possível com ele. Ele apareceu majestoso, um olhar de um rei digno. Ele pressionou os dedos sobre os lábios e estendeu-os para mim enquanto ele fechava a porta atrás dele.


Eu caí para baixo contra um dos Shifters. Muitos perderam em meu nome. De alguma forma eu tinha que pagar tributos ao meu irmão, para os Shifters e Selkies, e salvar os humanos dos danos que Parthalan deixou para trás. Eu tinha que ser forte, para ganhar a confiança que tinham me dado. O perfume masculino de Liam se agarrou a mim, trazendo um sorriso aos lábios e calor ao meu corpo. Deitei ao longo da calçada e olhei para o céu dourado. Tensão diminuiu dos meus ombros. O futuro de repente não parecia tão escuro quanto uma vez foi. Duas nações preconceituosas estavam entre nós, mas com a ajuda de Liam, nós as conduziríamos a uma nova era de paz. Ele me amava. Eu não conseguia pensar em uma motivação melhor do que isso.

FIM CONTINUA EM SHADOWBORN


Papyrus Traduções de Livros

“Qui sait beaucoup ne craint rien.” “Do muito saber vem o nada a temer.”

Lila#1  

lila liam partalam

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you