Issuu on Google+

Ano 1

nº 7 Canto Latino

Só brota em ponta de cano em brilho de punhal puro Brota em guerra e maravilha na hora, dia e futuro .. Da espera virar...

VERSOS LIVRES

Você que é tão avoada pousou em meu coração Moça, escuta esta toada cantada em sua intenção.. Nasci com a minha morte dela não vou abrir mão Não quero o azar da sorte nem da morte ser irmão .. Da sombra eu tiro o seu sol e do fio da canção amarro esta certeza de saber que cada passo não é fuga nem defesa não é ferrugem no aço É uma outra beleza feita de talho e de corte e a dor que agora traz aponta de ponta o norte Crava no chão a paz sem a qual é fraco o forte e a calmaria é engano prá viver nesse chão duro tem de dar fora o fulano apodrecer de maduro Pois esse canto latino canto para americano e se morre, vai menino montado na fome ufano Teus poucos anos de vida valem mais do que cem anos Quando a morte é vivida e o corpo vira semente De outra vida aguerrida que morre mais lá na frente Da cor de ferro ou de escuro ou de verde ou de maduro A primavera que espero de ti, irmão e hermano

INFORMATIVO DE POESIA

Milton Nascimento - Ruy Guerra

Meu povo e meu poema crescem juntos como cresce no fruto a árvore nova No povo meu poema vai nascendo como no canavial nasce verde o açúcar No povo meu poema está maduro como o sol na garganta do futuro Meu povo em meu poema se reflete como a espiga se funde em terra fértil Ao povo seu poema aqui devolvo menos como quem canta do que planta Ferreira Gullar


AMOSTRA GRÁTIS

EDITORIAL Este número , que deveria ter saído em plena primavera está chegando atrasado à suas mãos. É o primeiro exemplar do nosso VERSOS bimestral. O dois é o par, a dupla, símbolo de união. É assim o nosso informativo : união de vários amigos , muitos que nem se conhecem , mas que estão unidos pelo mesmo ideal. Os poetas e as pessoas sensíveis, como são nossos leitores, trazem a primavera no coração . E eu queria ter falado na esperança que a primavera traz, flores que se renovam, amores que renascem . O calor que se aproxima . A imagem do sol brilhando nos cabelos da mulher mais bonita do século , conceito que muda de pessoa prá pessoa. Flores coloridas no meu jardim . Espero que não tenham esquecido do nosso informativo. Cada editor alternativo sabe onde aperta o seu calo. Tudo se resolve. Eterna primavera prá vocês.

PROSA LIVRE - frases roubadas da nossa correspondência “ .. jamais poderão ser exterminados, o amor, a fé, a amizade verdadeira, nossa liberdade ! ( Hélio ) .e onde há poesia, há sempre mel .vencemos com o coração aberto para as coisas que não se prendem ( Emerson ) Enquanto existir um poeta que seja e este não esteja calado e suas doces inspirações passe de mão em mão e toque dos seres humanos o coração ( João) Acredito que estamos aqui com um propósito. Talvez o propósito seja apenas o de descobrir a que viemos.Eu tento descobrir, ter forças e não desistir ( Glenda ) Nas asas do ar. O minuano sopra .

Bom seria se conseguíssemos rejeitar sentimentos que provocam problemas cardíacos. Enquanto não os eliminamos, poetamos ( Cecília Fidelli)

Nós os poetas, temos uma missão aqui na terra : tocar o íntimo das pessoas e despertá-las para a Beleza da Vida ( MARTA MARIA) Eu quero as coisas da alma. Das coisas além da pobre superfície de tudo. Salve a Poesia, rastro de luz rumo ao infinito ( Larí ) Quando um acaso triste nos transtorna a vida, um bondoso amigo nos devolve

Sobre as ondas do mar ( Tânia Schwab )

EXPEDIENTE

VERSOS LIVRES

INFORMATIVO PARA DIVULGAÇÃO DA POESIA EDITOR - Antonio Luiz Lopes ( Touché )

ANO 1 - GUARULHOS - SP

ESPERANÇA Um pouco de esperança Um pouco de união Milhares de crianças Formando uma nação ! Um pouco de amor, Um pouco de atenção Estagnando a dor Achando-se a razão ! A minha vida é triste, Repleta de ilusão ; Mas esta poesia ainda insiste Em pregar a união.. ( CERTA VEZ. Luiz Antonio Cardoso. R. Alice Reinaldo Brandão, 358—Jd. Califórnia– Taubaté –SP—12062– 150 S TEUS OLHO ira que fixa cala e pira m a ra r ita ev o Com , da mina pu r o olhar belo Como desvia loucura ! ea nascido Que leva –m duzir o amor de o nt ta o duzir se Com á pr só , acolhe Que colhe e ferido.. ! E deixar-me a, cala e pira a mira que fix aurílio de r ita ev o om C A.M ÇÃO DIVIN ampos, 1495 ( INSUFLA Siqueira C . .R ra ei rr Jesus Fe 230—000 ) anjo.SP—18 S.Miguel Arc

RÉPLICA Porque foste o meu verso versado de dor Porque fosse o meu corpo a réplica óbvia Do teu ( corpo ) Porque foste o latejar das bebidas Recíprocas escoriações de colos e vincos Não e não me queiras selada avulsa Invicta ( como quem expulsa juízo ) em vésperas de regozijo e sodomas Nem me vejas regrada pacífica açucarada Nas tuas neuroses como em odes duvidar De enteados e escleroses da frieza E não me despir neófita e convulsa Para esmiuçar a nitidez dos teus pesadelos ( ARTE E MANHA.Denise Teixeira Viana. Caixa Postal 11052 - RJ—22022

RECADO

A poetisa e escritora Adriana Manarelli quer trocar correspondência com outros poetas. R. Negi Cury,325 -Pedro Perri DAQUI A POUCO Araçatuba –SP. CEP 16026-320 Sidney Gomes da Silva convida a todos a se Daqui a pouco não será mais hoje filiar no Clube de Poesia Capixaba . Sem taxa de inscrição . Publica antologias. Intercambio E o que fizemos nós da vida ? Olhamo-nos, mas não nos vimos com a literatura alternativa. R. Açucena, 08— Serra Dourada II—29171-540—Serra—ES Conhecemo-nos mas não nos encontramos Com pessoas convivemos MATA Mas, como tais, não as reconhecemos Hoje me matas violentamente Do amor, só falamos não o sentimos com este machado Nem sequer experimentamos Mas, amanhã das minhas flores Daqui a pouco não será mais hoje te farão uma coroa E o que a vida fará de nós ? E do meu caule tua urna mortuária. ( André Arruda.Franco Poemas)

DISTRIBUIÇÃO GRATUÍTA

.(Selmo Vasconcelos.Resquícios Ponderados)

CORRESPONDÊNCIA - R. Francisco Antunes, 687 - Vila Augusta - Guarulhos - CEP 07040 010

Aceitamos colaboração, independente de solicitação . Acuse o recebimento para envio de novos exemplares .

MANDE SELOS, DÊ UMA FORÇA !

reprodução do quadro “Tropical”de Anita Malfatti POESIA : ALEGRIA DOS QUE NÃO SABREM E DESCOBREM ( O AnPágina 2

V E R S OS L I V R E S

REGULAMENTOS DE CONCURSOS podem ser encontrados em Divulgação de Concursos Literários - Caixa Postal 2553 –CEP 11021-970 –Santos –SP - F. (013) 271 5726 - dcl@LBM.com.br - (cerca de 20 concursos por edição ) -LEIA , ASSINE , DIVULGUE. A NO 1

Página 15


As mãos que dizem adeus são pássaros que vão morrendo lentamente ( MARIO QUINTANA) O QUE EU QUERO FAZER COM VOCÊ

EM POESIA

Uma alma quer outra alma e seu corpo

Quisera escrever em poesia Marcas do tempo em minha alma Sorrisos e cicatrizes, lembranças e esquecimentos, prantos e gargalhadas VIDA Quisera escrever em poesia Marcas dos pés neste espaço Verde e poluído, violento e suave Silencioso e barulhento TERRA Quisera escrever em poesia Marcas do espaço no tempo Lugares que já nem lembro Momentos que esqueci, Quisera escrever em poesia Marcas do tempo no espaço Velhas estrelas brilhantes Escuro da lua nova Neste canto que se renova A TERRA, A VIDA, O AQUI

Quero, por exemplo Que coloque as duas mãos Sobre meu ventre e entre as duas, Escolha a que melhor acaricie.. Que aceite o veludo negro A lhe vedar os olhos E aspire, sussurre, respire.. Quando eu começar a massagear As mamas, os glúteos, o dorso, Com espasmos angelicais e abruptos Queimarei tuas virilhas Em minha língua Naquele ponto agridoce e com Teu odor inventarei um perfume Entre 27 e 30 graus centrígrados Jogarei por tua garganta A umidade da saliva enquanto Aguardas líquido superior.. Pouco te incomodarás Com o desconforto De incontáveis posições: sois Glenda Maier. RJ) Um albatroz , um líquen, um jaguar ! É bom que ensaies o movimento Do pêndulo e com ele te assegures Da virtude da paciência.. A gente pensa na vida E, por fim, conturbado de desejo, A vida não pensa na gente Murmurarás,de olhos flanantes : Não se engane , fique alerta “ suicido-me se não me foderes.” ( TOM. MG) Cauteloso, diligente...

A vida é feita Para gregos e troianos Porém, não perdoa, Nem admite enganos.. A vida é feita De sofrimento e prazer Se agilize, se ligue, adote-a Para que você seja feliz.. E consiga projetar o seu viver Para conquistar, para vencer !

Um corpo quer outro corpo

Este excesso de realidade me confunde Jonathan falando : Parece que estou num filme. Se eu lhe dissesse você é estúpido Ele diria sou mesmo Se ele dissesse vamos comigo ao inferno passear eu iria. As casas baixas. As pessoas pobres e o sol da tarde, Imaginai o que era o sol da tarde sobre a nossa fragilidade Vinha com Jonathan

vou crescer Realmente Vou crescer Serei na vida Um vencedor

O Caminho do Céu .

Escuridão . Tato . Boca Não é preciso ver. Sabemos com certeza onde colocar a mão, o dedo, a língua . Cida Marconcine. MA.

V E R S OS L I V R E S

CASA PEQUENA

MAS NA JANELA

QUE LUA !

ADELIA PRADO

( Hélio Militão. SP)

Página 14

Claudete Assumpção. SP

pela rua mais torta da cidade

VENDADOS Se você me tocar Se você me olhar Se você me estimular ; Levemente incentivar as minhas potencialidades,

De súbito a tarde colheu meus sonhos E na brandura dos pingos da chuva que caíam no chão vi escorrer entre os dedos o sabor das palavras abandonadas que encharcavam o papel de um jeito tão doce que adormeci nos sonhos ! E quando acordei a noite debruçava sobre mim toda a sua majestade límpida, dourada plenitude vestindo-me com toda sua Paz !

A NO 1

( Sidnei Schneider)

Espanto-me pelo meu tanto te amar Congratulo-me com a minha falsa solidão .. Escuto teu cantar no bater das ondas E no cantar dos pássaros ouço teus passos Repasso minha alma hoje emparedada pelo cansaço da dor da minha solidão OSAEL DE CARVALHO

Página 3


DESERTO

Nesta tarde De muito barulho Ao longe . Grande silêncio Por perto Só tu Tua presença .Preencheria Esse meu deserto.

Benedicta és tu intra mulieribus. Mãe imaculada de Ave Maria gratia plena . Nosso Irmão Jesus. Tu és a Mãe das mães, apenas ? Maria, és santa, és mulher A mulher que busca sua liberdade

AMOSTRA GRÁTIS NATAL ..sinto uma tristeza. Tantos não vieram à festa ! Ouço estomagos roncando de fome ! Meu coração começa a bater pesado.O sonho que não se realizou; o amor que não veio; os pais que não estão mais presentes..não é possível. Errei outra vez. Luz ! Sim. Aqui está a solução, Esta noite é de luz. ( PROSA POÉTICA DE GLENDA MAIER. Glenda Maier R.Oscarito, 61/ RJ -CEP 22743-730 )

(PSICOPOÉTICAMaria do Socorro Xavier • R Nevinda Cavalcanti,260/ UM SAPATINHO NA JANELA Miramar/João Pessoa/PB ...Véspera de Natal e Bento ainda não estava totalmente CEP 58108-560 refeito da triste notícia da reprovação escolar. Mesmo assim , reuniu forças para escrever um bilhete, em forma de versos, ao Papai Noel, pedindo um presente bem baratinho, pois o seu sonho maior, que era uma bicicleta, achava que estava descartado por sua reprovação. Para ele, Papai Noel não gostava de criança que ficasse reprovada, entre outros atributos./No seu bilhete estava assim escrito : “Confiante que me mande/ simples carro de corrida/por gostar de Chico Lande/ conto com sua guarida” ( Agostinho Rodrigues . Caixa Postal 45004 –RJ—21235-970 )

Rompe os grilhões antes que seja tarde Para, em toda a sua plenitude, viver Mãe mulher, mulher mãe amada de todos os rincões, credo e cor, Distribuis graça, beleza, amor És forte como Maria, mãe Idolatrada És a fortaleza que acolhe o forte e abriga o fraco, o consolo o alento, a esperança dos aflitos. Sofres calada ; ninguém ouve os teus gritos. Em águas serenas ou bravias, Altiva, conduzes o barco. Maria ! Este é teu nome, mulher amiga ! Exemplo de lutas, batalhas e lágrimas. Que sejas tu querida, amada, respeitada ! Coração sublime que ao mundo dá a vida ELTON. Ipatinga.MG

ESCALA MEU CORPO. TAMBÉM SOU ALPINISTA ( Cecília Fidel-

Concede uma licença à minha mão errante Para ir ao meio, encima, embaixo, atrás, adiante. Oh, minha América ! Oh, meu novo continente Meu reino, a salvo porque um homem tens à frente, Tenho aqui minhas minas, meu império aqui. Que abençoado sou por descobrir a ti ! Este acordo liberta a quem ele segura : Onde coloco a mão, eu deixo a assinatura

Sou uma virgem pura - Sou pura virgem sinto uma mordaça em minha garganta O mundo não é para mim ! Tudo me espanta Nada depois de você - Agora sou uma santa Meus beijos são somente assim Para os Anjos, para os querubins, os Arcanjos . Desaprendi meus vôos de mariposa

( JOHN DONNE ) Página 4

( Adriana Manarelli.SP) V E R S OS L I V R E S

FAUSTO REVISITADO

ESPÍRITO

Depois de botar rolhas nas estrelas Fausto pensou que podia descansar Nada ! Desconhecia o estrondo da aurora ? Moedas dele cresciam sobre si próprias Putrefação que incha antes de despencar Nulo ! Desconhecia a luta dos povos ? ( PLANO DE NAVEGAÇÃO . Sidnei Schneider. R. Washington Luiz, 630/402/ Porto Alegre/RS/ 90010-460

Sou como as folhas do inverno que deslizam Envoltas pela brisa à espera dos raios de sol Que com seu calor as confortem Em um momento triste.. Como o horizonte longe do mar Que anseia tocar suas águas.. Como um pássaro em busca de um refúgio.. Voando no céu tão vasto.. Como um dos elementos da noite Que luta para brilhar de dia.. Meu espírito é o sopro da vida A eterna busca. ( MELODIA . Marta Maria Margaritelli. Rua Graúna, 422– Apto. 91– 04514-001.SP

Filosovendo a vida .Poemas. Maria do Socorro Xavier. Nossa Gente, Nossa Arte 2 .Antologia Cultural Cooperarte. R. Açucena, 8 / Serra Dourada 2 Serra– ES / CEP 29171—540 Catarse de Cartomante. Crônicas. Anita Costa Prado.Caixa Postal 20020 –SP - 02597– 970 Painel Brasileiro de Novos Talentos. Antologia Poética. Camâra Brasileira de Jovens Escritores. R. Crundiúba, 71/201F / Rio de Janeiro / RJ / 21931— 500 A NO 1

Armas e Bagagens. Poesia. Denise Teixeira Viana . Caixa Postal 11052 -/ 22022– RJ Impressão.Poesia . Cecília Fidelli. R. Francisco Andugar Espinosa, 21 / Taboão da Serra, SP 06763 –060 A Poesia das Palavras. Poesia. Maurílio de Jesus Ferreira. Pedaços de Heranças. Crônicas .Contos . Poesia. Leila Biagioni dos Reis . Av. Rodrigues Alves, 154—S J Boa Vista . SP - 13870—000

Página 13


coxas ÚMIDAS . DESEJOS agudos beijos INSANOS LÁBIOS maduros A MENINA CRESCIDA qual bela flor NUMA NOITE IMENSA De intenso calor DESTILA POESIA e dá com amor

La luna era absoluta . Lubricada. Entreabierta ingresó Por la malicia de la escena Revuelta . Revolviéndose Bloque aciago el silencio

Muito mais.. Muito mais do que poeta sou o caminho por onde as rimas fazem seu percurso O farol por onde a inspiração guia seu destino O balcão de informações que orienta a poesia... Mais do que poeta, Sou o abrigo da poesia abandonada, Aquela ’inda carente de elogios E da certeza de sua própria fantasia.. Mais do que poeta, Sou o interruptor a acender idéias, Almoxarifado onde Deus guarda aventuras Que os jovens farão ser inspiração... Mais do que poeta, Sou caixeiro viajante que não vende Mas de escola em escola, Desvenda um baú de emoções Em troca de sorrisos e esperança. Ofereço o melhor que da vida pude conquistar : minha própria vida, Minha própria esperança e certeza Minha própria poesia Que anda cada vez mais distante das rimas, Dos versos, da eternidade ( posto que seja melhor escrevê-las a melhor maneira de eternizá - las ) Mais do que poeta, sou quem vive para a poesia Mais do que poeta, sou o sonho do poeta, E por Deus, esta semente há de multiplicar-se Em mil em minhas mãos !

( Catarina Maul. RJ)

SUTIL II O verso, saibam, não é razão e não é sentimento e nunca será paixão É antes , o que ninguém sabe É o que não cabe no coração.

É só o vento a arremessar folhas Contra a vidraça É só o vento a ( talvez) querer Se fazer notar É só a solidão a evocar lembranças Da foto que descorou.. É só a saudade a ( talvez) querer Me fazer chorar É só o que é só a expelir o último hálito Que em si restou

GOSTO DE IMAGINAÇÃO No centro, no espaço , No percurso, um caminho, Uma imaginação Na volúpia, no tempero Uma esperança, uma emoção Nas raízes presentes, as situações. No olhar permanente o lançar da percepção . A criatura aparece prá avivar ilusões, Rompendo realidade Mostrando o crescer

E a validade Quando aceitamos como normalidade Habitarmos o contexto Ilusão que vem flutuando em sentidos compondo Imagens que levam o nome de fantasia E tem gosto de imaginação ( Isabel Borazanian.Guarulhos )

AS POMBAS

Vai-se a primeira pomba . Tonta. Sobre os concretos rígidos da cidade Vai-se outra mais.. Mais outra.. Sem tecer saudade. Depois outra e outra. Uma a uma vão-se elas. Sacudindo as penas da manhã. Sob o céu pálido. Amarelas. E de madrugada Quando o meu coração gélido, roto

Se arrasta com o vento As pombas vão-se longe. Loucas. E o meu coração sem asas, fica pela vida. E as pombas, uma a uma, voam Vão-se todas as pombas Sob o negro céu do meu País. Prá nunca mais. Adeus pombais ( Valdeli. Guarulhos.SP )

Incomodam-se ; Não com o óbvio, que é a sede e a fome de pessoas mais absurdas : debatem sobre minhas alpargatas marrons... ( com meias cinzas )

( Claudiney Ribeiro. SP) ( vinícius gá.guarulhos) Página 12

V E R S OS L I V R E S

A NO 1

SOS Meus olhos são poliglotas Falam de minha paixão Falam, mas você não nota Ou faz de conta que não .. (Mário Neves.Guarulhos.SP)

Página 5


ATRÁS DA PORTA Atrás da porta Encontras outra porta Que é o avesso da porta Atrás da porta Tem prego, tem calendário, Tem réstia de cebola e alho, Tem até a folha da fortuna, Já seca e inoportuna. Atrás da porta do quarto, Tem sapato, tem bengala, Tem um monte de tralha. Atrás da porta do banheiro, Tem balança de ver peso, tem roupão Tem revista de sexo, tem gaveteiro, Atrás da porta da frente Tem mandinga contra mau - olhado Tem copo d’água com sal grosso, Para afastar os azarados, Tem reza contra roubos. Mas é pela porta aberta Que entra e sai para a festa, E não vê que é atrás da porta Que fica e mora a promessa. ( Filomena Novi)

Os sons são passadiços As gotas caem como meteoritos É chuva na certeza das horas que correm É fonte de luz perene. São gotas de orvalho. E na cerração forte, sinto-me tranquila. Adormeço pensando na paz dos pequeninos Na grande paz dos adormecidos. E na canção, das horas, dos minutos, Permaneço assim , pensando na chuva. Na solidão dos deuses, crio metáforas. Crio palavras do pensamento vão. Por fim, sei do presente e do futuro, Porque permaneço nas horas.. Sons, miragens do céu sem fim e sem limite Imagens que as lembranças criam Sentimentos de poeta, criação também ilimitada face às intempéries da Vida... Também sou como a luz, Transporto-me num vai e vem Como as ondas do mar. Repasso o tempo num continuar. ( Regina Maria de Mello. Guaratinguetá.SP)

HORÁRIO MARCADO Por volta das seis da manhã, Queria você para o café. Por volta das onze, Queria você para o almoço Por volta das quatro da tarde, Queria você para o lanche Por volta das nove das noite Queria você para o jantar. Por volta da meia noite Queria você para amar, Na madrugada, sem horário marcado Apetitosas sobremesas acompanhadas de um concentrado de beijos, e a silenciosa lua, faria o fundo musical

Resolvi dar um pausa ao meu doido coração Quero que compreenda a causa E passando o tempo me dê razão. O amor é gostoso e ilumina Assim como também ensina Que é preciso cumplicidade Para ser completa a felicidade A agonia da espera do encontrar.. Do nada realizado do teu sonhar O desespero de correr atrás Entristece, deixa dúvidas, insatisfaz.. Em nenhum momento renego o amor Este amor encantado , porém cansado para mim Em mim guardarei com fervor . Forte, único, Que eu o alimente enquanto presente Que eu o aceite como linda lembrança Se um dia virar passado

NO MEIO DO NADA Nada será como antes amanhã ! Viva o momento, o minuto, o segundo.. Esqueça tudo de ruim, Guarde na lembrança tudo que já viveu de bom. Encontre no meio do nada tudo que lhe agradou Encontre tudo, no meio do nada. Encontre você ( Nívea. Guarulhos.SP) EU Quem sou eu ? Sou o recheio de um óvulo fecundado. no ventre materno Trago sentimentos ali contidos Traços, olhos, cabelos, modelos obtidos Não conhecia o frio Não conhecia o calor Quem me dera ficar ali guardada Mas a hora chegou. Rompe-se a capa de proteção Passei a morar em seu coração. Minha mãe ! Obrigada pela morada Deu-me tudo, sem pedir nada Hoje sei o que sou : tua filha ! O recheio do óvulo O bebê protegido Agora sou mãe aquela do óvulo, Da proteção que se rompeu, E tenho um filho que mora No meu coração Obrigada minha mãe ! ( Leda B.S. Figueiró)

Efêmera a orbe clamando enaltece Poder caprichoso de um símbolo nobre O vácuo do espaço infinito é perene No íntimo excita e um manto recobre O ar que perpassa já é percebido Na cúpula acima qual sino de bronze Além de primórdios a brisa se espalha A assim vagarosa, vai, clama, de longe Perduram enredos sem crase nem lume O vento constante lhe dá o prefixo Soprando nos mares a luz se irradia Sorri e braveja - já é mais um dia ( ELISA ZANOTTO)

PSIU ! Silêncio ! Ela pede Procura em vão a voz distante, eco na escuridão. Melancolia, solidão Na noite obscura Replica, perdão Medo da vida do mundo, do cais . Das favelas perigo e dor Silêncio ! Ela clama.. ( Henrique M. Freitas.RS)

LAÇOS DESFEITOS Hoje partes..( a morte ronda perto) Tens outro amor ? Pois vai. Não és perjura Amor de um lado só, bem sei, não dura, Talvez eu sobreviva ao lar deserto..

COSMOAGONIA Deixe cair as palavras lentamente Visto –me de agonia Acordo depressa Para não envelhecer minha solidão .. Analiso os meus sonhos e vejo que eles trouxeram –me Um sentimento de repouso. Então, as minhas idéias Se perdem no meu pensamento . ( Luiz Fernandes da Silva.)

Hoje te vais !..és pássaro liberto Não hei de maldizer a noite escura Já tive meus momentos de ventura, Que eu pague agora o preço justo e certo Se um novo amor anula outros amores.. Vai então ! Sê feliz ! .. E se puderes Não lembres mais de mim, Ó sina crua ! Leva tudo daqui quando te fores, Só não retira a dor com que me feres.. Quero que me reste alguma coisa tua. ( Miguel Russowsky..SC)

Página 6

V E R S OS L I V R E S

A NO 1

Página 11


TOCA MINHA PELE ASSIM

ATIRADOR DE FACAS MANOBRAS DAS FORÇAS OCULTAS Para Émerson Oliveira da Silva, Cubatão Me esquivar do seu vaivém. Absorver seu nome num repente. Libertar-me do som de sua voz que sopra em forma de canção... Época em que meu encanto limitava-se À exclusividade de caminhar só e unicamente Ao seu encontro . Aeronave que voava No sustento desse seu amor flutuando no ar todo tempo. Somente seu amor ..... Sobre o fluir das águas do oceano extraviado, Flecha subornada rumo ao desvio do curso Que corre as ondas. Entretanto, nem toda força contrária consegue Impedir a continuidade dessa mesma evolução Entusiasmos inspirados durante eternas Madrugadas borbulhando imensamente Gota a gota que se espalha sobre minha pele... Imaginações frequentes sem que nada houvesse A não ser as manobras das forças delicadas e ocultas , no orvalhar da obscuridade Das campinas frias posso sentir seu perfume semelhante à flor. Aroma estonteante , abrangente, que aspira ao vento e inspira meu ar completamente Junto ao pensamento, silencioso... Nuvens refletindo a passagem de uma vida No som sussurante dos sabores puros Da sua sinfonia musical. Aonde o céu repleto de estrelas Soprava na brisa, o frescor majestoso do vento Em toda formosa magia. Nas delicias que luziam sem cessar Retratei no desencontro o desengano Que em mim afligia na sua total ausência... ( Sara Teixeira. Catanduva.SP)

Arrancar as vendas e acompanhar de olhos abertos a trajetória do punhal cravado em nosso corpo em nosso peito a cada amor desfeito ( Leila Míccolis)

O meu coração está fechado para balanço Estou contabilizando as perdas e ganhos dos meus sonhos : -quantos foram abandonados -quantos ainda vivem -quantos exigem cuidados -quantos já morreram E quantos, vivos, foram enterrados ( Candida M.L.Papini. SP )

AMANHÃ E DEPOIS O amanhã é outro dia, E bem sei, não sou eterna. Por isso, vivo os agoras Na realidade das horas, E na esperança dos depois ( Doroni Hilgenberg. AM)

CASAMENTO DE PADRES. É difícil entender. Ou mesmo aceitar : Porque quem casa os outros, Não pode se casar ? O celibato é imposição, arcaica e secular Pois o padre é humano. Não há como negar ( ANITA COSTA PRADO. SP) Página 10

Tua essência faz vibrar minha essência Caminhamos juntos e não importa mais Para onde estamos indo O passáro que está em meu peito Quer voar no céu do teu coração, No silêncio da minha espera Te faço uma declaração e tua expressão sincera Sempre causa-me enorme comoção. Nosso futuro vai bem agora que nos conhecemos tenho um desejo Eu quero que o conheça É um apelo vasto e o tempo quer nos unir “ a esperança sussura em nossos ouvidos Palavras que só o nosso coração conhece “ Tudo está em chamas A lua, as estrelas e tudo o que existe Mas a expansão é infinita E não importa o quanto queime agora Que tudo nos é possível Quero que sinta este novo amanhecer E temos vontade ( algo sobre-humano) Nunca é tarde para tentar Sabemos o que realmente importa, Percebo muitas coisas Percebo o que se passa com você Agora que nos amamos ( Emerson Oliveira da Silva. SP)

O PALÁCIO DA VENTURA Sonho que sou um cavaleiro andante Por desertos, por sóis, por noite escura Paladino do amor, busco anelante O palácio encantado da Ventura ! Mas já desmaio, exausto e vacilante , Quebrada a espada já, rota a armadura.. E, eis de súbito, o avisto, fulgurante Na sua pompa e aérea formosura ! Com grandes golpes bato à porta e brado Eu sou o Vagabundo, o Deserdado.. Abri-vos, portas de ouro, ante meus ais ! Abrem-se as portas d’ouro, com fragor.. Mas dentro encontro só, cheio de dor Silêncio e escuridão — nada mais ! ( ANTERO DE QUENTAL)

V E R S OS L I V R E S

A NO 1

Toca minha pele assim : As costas com beijos lentos A nuca com lábios roxos As coxas com mãos noturnas Nada é mais suave Que teu cabelo solto Aberto como asa Sobre meu corpo ( Neide Archanjo.RJ)

CARPENTERS ______________ Transamos ao som dos Carpenters . Mas você não conhece os Carpenters . Você é um garoto de rodeio. ( Tom.MG)

FUNDO __________________ Quanto mais fundo entro na desordem Melhor me oriento ( Bruna Lombardi)

As civilizações sucedem-se umas às outras, na voragem do tempo que a tudo consome. Tombam-se reis, faraós e conquistadores, deuses lançados no turbilhão da História. Será a Eternidade um divino castigo Ou tributo pago aos heróis ? Se das cinzas ressurgimos qual Fenix, A vida então não terá sido mera utopia.. Ontem a Voz que clamou no deserto, Árido e ardente de teu coração Talvez hoje te desperte os sentidos, E amanhã nos amemos então Se o presente te lançou um espesso véu Deixando-te indiferente e fria Serei a luz de teus olhos, E o calor dos teus últimos dias Verás que eterno é meu amor por ti E há de brilhar fulgurante no infinito Desvendarei os enigmáticos mistérios, Do Aço e da Esfinge . Vencerei a Morte mil vezes Buscar– te– ei pelas sucessivas vidas Não me curvarei à vontade dos deuses Enquanto minha não fores ! ( Pulsar. Taubaté.SP) Página 7


NO MEIO DO CAMINHO SEM SER DRUMMOND No meio das pedras há um caminho

Há um caminho de carros

Há um destino rasgando pedras

De cracks que nunca jogarão peladas

Há um caminho de pés descalços

De guerras que nunca lhes dizem nada

De roupas rotas de semblantes pueris

No meio do caminho

Há um caminho de pedra, de pedras

No meio das pedras

Que lhes vão, enchendo o intestino

Quantos já perderam a conta

No meio das selvas .

Pois não sabem somar ( só diminuem )

No meio de argilas .

A beleza de serem meninos ? ! ...

No meio de carvões e de monturos

No meio de pedras,

Cercados de arames farpado

Ainda há um caminho !

E de muros ! ....

(Raimundo de Magalhães)

Sem lamentações há um caminho Há um coração que se empedra Há uma perna que se perdera Há uma mão que se perdera Há um mago Há uma cruz que tantas vezes Não valeram o grão do suor, Da pedra, do pão.. Que pão ?.. No meio do caminho No meio do reverso

DANCING DAYS II

ele estava ali com a família Pedindo esmola Pressenti que como ele havia muitos E sem saber o que fazer com aquele Pensamento novo Dei a ele uma ficha de fliperama.

Os poetas do mês são Álvares de Azevedo ( 1831– 1852 ) nascido a 12 de Setembro Mário de Andrade ( 1893 - 1945) que nasceu em 09 de Outubro

Se eu morresse amanhã , viria ao menos Fechar meus olhos minha triste irmã ; Minha mãe de saudades morreria Se eu morresse amanhã ! Quanta glória pressinto em meu futuro ! Que aurora de porvir e que manhã ! Eu perdera chorando essas coroas Se eu morresse amanhã ! Que sol ! Que céu azul ! Que doce n’ alva Acorda a natureza mais louçã ! Não me batera tanto amor no peito Se eu morresse amanhã ! Mas essa dor da vida que devora A ânsia de glória, o dolorido afã.. A dor no peito emudecera ao menos Se eu morresse amanhã !

ULISSES TAVARES .Pega Gente

Eu sou trezentos, sou trezentos e cincoenta, As sensações renascem de si mesmas Sem repouso. Oh espelhos, oh! Pirineus ! Oh caiçaras ! Si um deus morrer, irei no Piauí buscar outro ! Abraço no meu leito as melhores palavras, E os suspiros que dou são violinos alheios ; Eu piso a terra como quem descobre a furto Nas esquinas, nos táxis, nas camarinhas Seus próprios beijos ! Eu sou trezentos, sou trezentos e cincoenta, Mas um dia afinal eu toparei comigo ... Tenhamos paciência, andorinhas curtas, Só o esquecimento é que condensa. E então minha alma servirá de abrigo.

( ÁLVARES DE AZEVEDO ) ( MÁRIO DE ANDRADE)

OS VERSOS DA LOIRA SINISTRA sempre abro o meu caderno prá escrever as mesmas coisas. nesse exato momento, os rios tem peixes mortos e eu penso em você : a mina que foi seduzida ao som de um velho piano a sociedade de consumo e as profecias do milênio sempre abro o coração prá sentir as mesmas dores; para reclamar da vida. sou ainda adolescente nem comecei minha vida rock faz minha cabeça e eu pensando em você, toda vestida de azul....

Página 8

Não amo a loira sinistra, Mas quero ser morto por ela. você é a pequena que eu amo, não tenho nada que eu amo. .. canto prá loira sinistra essa canção que era sua. entrego a noite prá ela, ao sol a faço sonhar, depois morro assassinado, com seus beijos venenosos.. sempre abro os meus lábios, prá morrer do mesmo jeito ( touché.guarulhos.sp.)

V E R S OS L I V R E S

ESTA NOITE Esta noite queria você Bem perto de mim O frio fosse embora Os cães parassem de latir Esta noite eu cuidasse de você Você de mim. Esta noite eu dispensasse o café amargo, O penúltimo cigarro Um livro de Kafka ou Christie, A Agatha.

A NO 1

Ao menos esta noite Ignorasse à janela, Entreaberta, sombras Que as árvores traçam Na solidão da rua Na solidão da lua Esta noite queria você bem perto de mim Tão perto. À flor da pele ao inverso, Fogo que ardesse O tempo que fosse

O tempo que fosse E o mundo todo fosse Entre ondas E brancos lençois Só de nós dois. ( Lari Franceschetto.RS)

Página 9

e


Cópia de versos livres sete copy