Issuu on Google+

Jornal Mural da Assessoria de Comunicação Colaborativa Itaobim 50 anos

#1


Martins, Tadeu Franco, Acetides Avelar, Zé de bola, Roberto Alves (Biló), Roberto Alcântara, Bidinha e Buá, Basti de Matos, Coral Ouro de Minas, Banda Ouro de Minas, Altobely e Robson. Sabe se que nosso município sofre grandes influências da Bahia (Axé), Rio de Janeiro (Sam-

ba, Funk), fazendo a população por muitas vezes valorizar mais esse ritmos do que os ritmos tradicionais da cidade. “O povo é cultura e não sabe que existe cultura em seu sangue” citou a Vice-Presidente do GRUFEMI (Grupo Feminino Itaobiense), Maria das Graças Mendes Machado.

A diversidade de manifestações culturais e musicais existentes na cidade

I

taobim preserva suas raízes como os Artistas da Terra, a Folia de Reis, Boi de Janeiro, Pastorinhas, o canto dos Canoeiros, Tropeiros e Lavadeiras, além de manifestações populares como a festa do Padroeiro, Forrobim, Festa de São João, as quais

fazem parte da cultura do Município. Podemos destacar grandes cantores, artistas, pessoas que contribuem para o desenvolvimento e resgate de nossas raízes, por exemplo, Chico Rei, Trio Itaobiense, Edson Lucas, Tadeu

Ao lado esquerdo, foto dos tocadores e ao direito, da Festa de São João. Fotos retiradas do arquivo pessoal de Luiz Gustavo.

Comemoração do Boi de Janeiro Na foto em preto e branco, a histórica Maria Trovão. Foto retirada do arquivo pessoal de Luiz Gustavo.

O povo é cultura e não sabe que tem cultura no sangue.

“Temos que trabalhar forte para resgatar nossa cultura e fazer com que o povo se interesse por ela, pois muitos nem se quer a conhece” disse Roberto Alves Ribeiro (Biló), cantor e compositor da cidade. Itaobim está resgatando suas raízes. O fato de vivermos imersos num caldeirão cultural faz despertar nas pessoas o interesse e a preocupação por nossa cultura. Podemos destacar Manoel Rodrigues (Neneu), Pedro Paulo (Pedrinho), Andrette Ferraz que se preocupam em resgatar nosso passado para que no futuro possamos ter acesso à memória da nossa cidade, do nosso Patrimônio. Não podemos nos esquecer da nossa Maria Trovão, Dona Avery Chalub, Oldack Esteves (Kareca) e tantos outros que lutaram e lutam para que nossa cultura continue densa, fazendo com que, a cada dia, novos talentos, filhos e filhas possam surgir dessa Terra. Enfim, pedimos desculpas a todos que não foram citados e que de uma maneira ou de outra lutam para a preservação, resgate e reconhecimento de nossa cultura. Temos que reconhecer e agradecer a todos!


O

carnaval de Itaobim sempre caracterizou-se por sua multiplicidade. A festa nunca teve um formato fixo, já aconteceu em diversos pontos da cidade e de diversas maneiras: No Mangueiras, na praça, na Cabana, na Cancela 1030, em forma de baile, com saída dos blocos pelas ruas e até concurso de fantasias. Há registros de comemorações das festas da cidade desde a década de 70. Os moradores mais antigos contam que o carnaval era comemorado na primeira Igreja, onde atualmente se localiza

a feira. Porém houve muita resistência dos fieis, que não aceitaram que uma festa popular como o carnaval continuasse acontecendo dentro da Igreja. Conta a bocas miúdas que este foi o motivo para a derrubada da Igreja, mas há controvérsias. Segundo uma moradora que preferiu não se identificar, mas que participou de várias fases do carnaval de Itaobim, do período de 1983 a 2002, “o carnaval era animado, com muitas brincadeiras, poucas brigas e a família tinha o prazer em pular carnaval”. Ela lembra com saudade das marchinhas mais tocadas: O seu cabelo não nega, Menina vai, A bruxa vem aí e Cabeleira

do Zezé. “Agradável, todos se divertiam e terminavam felizes” relembra a moradora. Atualmente destaca-se em Itaobim o Carnaval do Zé, uma iniciativa entre o Zé do carnaval e seus amigos, que começou em 2007, quando eles decidiram colocar um som improvisado as margens do córrego São Roque . A iniciativa foi bem sucedida e houve superlotação. Posteriormente, Zé do Carnaval fez uma parceria com a organização do carnaval do São Cristovão, resultando em uma animada festa carnavalesca. Na comemoração dos 50 anos da cidade, dentre outros eventos, o carnaval será incorporado como uma festa popular. Quem sabe ele não volte a ser considerado como era antes: uma manifestação cultural da cidade.

O carnaval era animado, com muitas brincadeiras, poucas brigas e a família tinha o prazer em pular carnaval

As Palmeiras Comunistas de Itaobim

Em mil novecentos e sessenta e quatro ano difícil até de lembrar na cidade de Itaobim o prefeito era Tiná e foi com ele que se deu esse caso que vou contar

O presidente da Câmara vereador de oposição anticomunista ferrenho deu o trato na imaginação chamou o Cabo da polícia e tramou uma conspiração

Tiná foi a Pernambuco representar Minas Gerais numa exposição agropecuária coisa que ele gosta demais e lá ficou conhecendo o governador Miguel Arraes

Falou que aquelas palmeiras foram presente de um governador que queria levar o país para um regime opressor e fez a cabeça do Cabo com o seu jeito de bom orador

Arraes lhe deu de presente para embelezar a cidade princesa umas mudas de palmeiras maravilha da natureza que Tiná havia pedido quando viu aquela beleza

O policial criador de bodes resolveu colaborar e na calada da noite puseram o plano para funcionar e perto de cada palmeira botaram um bode para pastar

Ele transportou com cuidado para a sua terra natal e nas margens da Rio-Bahia a rodovia federal plantou as primeiras mudas de palmeira imperial

E daquelas bonitas palmeiras só sobraram para comprovar as da Rio-Bahia e as da fazenda que conseguiram escapar da fúria devoradora dos bodes que estavam sem alimentar

Plantou nas ruas da cidade plantou também na praça e aproveitando a oportunidade já que tinha sido de graça plantou o resto em sua fazenda onde criava gado de raça

Quando se viu descoberto o vereador não abaixou a crista e tentou explicar o seu gesto como político oposicionista que ele havia livrado a cidade das “palmeira comunista”.

Devagar com o andor, que o santo é de barro. Terra Brasil Zé de Bola

Quando acorda a natureza A águia voa ao céu Procurando liberdade Que alguém lhe prometeu Índio, negros e baianos Guarani, raça Tupi Ianomâmis, Iracema Terra mãe, gente eu vi, meu Brasil A arma de cortar madeira Fruto da destruição Não maltrate essa gente Nem destrua essa canção Nessa terra Brilham sonhos

Pede a Deus Por um novo país Pelas casas Pelos vales Soa o grito De Zumbi dos Palmares Nesse canto tem uma paixão Nesse terra que não é de ninguém Você planta, você colhe Tudo você tem.


Foto Legenda Mineiro bom de serviço conta prosa, cria causo e versa um tanto de coisa

O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada.

Confira também! www.itaobim50anos.com.br

T

adeu Martins Soares, nascido em 26 de abril de 1953 na cidade de Itaobim, é poeta, professor, produtor cultural e grande cordelista, reconhecido nacionalmente. Durante a juventude saiu da cidade para concluir os estudos, mas sempre procurou participar das atividades da cidade. Um dos seus maiores objetivos é a valorização e difusão da cultura do Vale. Entre as coisas que mais gosta de fazer estão ler, escrever, ouvir música e ir ao cinema. Ele acredita que Conhecer, gostar, defender e divulgar são a base do desenvolvimento de uma cidade, de um estado ou de um país.

im Itaob m u ver e dois, ualidade d om e t am mq : Ele onho rático e co o e voltar s m U ã c pulaç demo me mais ra toda po taobi da a I p e a d d . e vi do es cidad er saí atrav rar na alização: T onhecido ís e no a ec re Uma ssim ser r egião, no p a r ainda fissão, na or, fra m a o , r o poi sua p . ida, a v o a d d n e mu é: Bas ade... a i l í m branmiz Fa a m , e l e d a a ed ternid é pared o. a n m i o Itaob rato fixad e do mund dadeira r t d Um re elhor cida erosa e ve d m o ap ça. A é: Um m povo. a r u t Cul de u dade i t n e id

Autieres Pereira

Bruna Lubambo

Daniel Oliveira

Gáudio Luiz

Isabella Reges

Letycia Lopes

Luiz Gustavo

Marcela Mascarenhas

Relled Moreira

Stefane Vieira

Thaciane Soares

Tomás German

Programa Polo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha Projeto Agência de Comunicação Solidária no Vale do Jequitinhonha – Universidade Federal de Minas Gerais – PROEXT/MEC-2011 Coordenador: Prof. Márcio Simeone Henriques


1º Maria Notícia