Page 1

Comissão Concelhia de Silves

Uma proposta inqualificável e prenha de sectarismo e desprezo pelas populações

TRANSFERÊNCIAS PARA AS JUNTAS DE FREGUESIA Proposta de Orçamento da CMS para 2011 (em milhares de euros)

Juntas de Freguesia

2010

2011

(euros)

(euros)

Variação (euros)

%

Alcantarilha

71828,00

49950,00

-21878,00

-30,46

Algoz

79446,00

66385,00

-13061,00

-16,44

100113,00

78200,00

-21913,00

-21,89

70687,00

49440,00

-21247,00

-30,06

S. B. de Messines

219647,00

114500,00

-105147,00

-47,87

S. Marcos da Serra

117134,00

70455,00

-46679,00

-39,85

Silves

100159,00

48345,00

-51814,00

-51,73

Tunes

77554,00

63520,00

-14034,00

-18,10

Armação de Pêra Pêra

Total

836568,00 540795,00

-295773,00 -35,36

Fonte: Proposta de Orçamento da Câmara Municipal de Silves para 2011

Esta proposta apresentada pela Executivo Municipal de Maioria PSD na autarquia silvense é injustificável, inaceitável, iníqua, desproporcionada e discriminatória. Pelo quadro acima descrito é claro que, numa primeira linha, as Freguesias de Silves e S. Bartolomeu de Messines, as mais extensas e populosas do concelho, curiosamente (ou não?), lideradas pela CDU, são as mais prejudicadas, com a imposição de cortes brutais na ordem dos 52 e 48 por cento, respectivamente. Neste conjunto também é de incluir a Freguesia de S. Marcos da Serra (Maioria PS), território com penosos problemas de interioridade e desenvolvimento, que é castrada em 40 por cento das suas verbas. Numa segunda linha de apreciação surgem as freguesias de Algoz, Armação de Pêra, Tunes e Pêra, curiosamente (ou não?), de Maioria PSD, i.e., a cor do poder camarário, a que se acrescenta a freguesia de Alcantarilha (Maioria PS), porventura para confundir, que sofrem


amputações mais suaves que vão desde os 16 por cento (Algoz) até aos 30 por cento (Pêra, e também Alcantarilha). Que critério foi este de penalizar brutalmente as freguesias onde a população está mais concentrada? Afinal, o poder local foi criado para servir as populações? Ou não?! Que critério foi este, de por um lado, infligir cortes de 16 por cento na transferência de verbas para o Algoz, e por outro, cortes de 48 e 52 por cento para Messines e Silves?! Como pode alguém de bom senso justificar que de um ano para o outro, uma freguesia como a de Messines, deixe de receber 220 mil euros, e passe e receber 115 mil euros? Que espécie de base legal, modelo de governação, princípio moral ou coerência levou a uma atitude destas por parte da Maioria PSD? Nunca tal coisa ocorreu na história do poder local democrático em Silves. Enquanto o Poder Central diminui em 5 por cento as transferências directas para os Municípios, e em 8,6 por cento, para as Freguesias, a autarquia de Silves, mais papista que todos os Papas, pretende efectuar cortes na ordem dos 50 por cento!!! Não é por razões decorrentes da profunda crise económica e financeira que assola o país que se pode justificar reduções tão violentas nas transferências correntes da CMSilves para as Juntas de Freguesia do concelho, porque ao fim e ao cabo, a Proposta de Orçamento do Município para 2011 será equivalente em termos reais aos valores executados nos últimos anos, i.e., 33/35 milhões de euros. No fim de contas, esta proposta inqualificável só poderá ser viabilizada no Executivo Municipal e na Assembleia Municipal, se os Vereadores e Eleitos do PS, resolverem mais uma vez, tomar o gosto do famoso “queijo limiano” . A Comissão Concelhia de Silves do PCP denuncia esta verdadeira aberração da gestão PSD na Câmara Municipal. Uma gestão caduca que pretende arrastar com ela o concelho.

12 de Dezembro de 2010 Comissão Concelhia de Silves


Comunicado da Concelhia do PCP Silves  

TRANSFERÊNCIAS PARA AS JUNTAS DE FREGUESIA Proposta de Orçamento da CMS para 2011

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you