Issuu on Google+

EB1/PE LOMBO DO Sテグ JOテグ

Trabalho realizado: Turma 4ツコ Ano


Ao longo do mês de Outubro, a nossa turma trabalhou a obra «O Segredo do Rio» de Miguel Sousa Tavares. Foi um trabalho muito motivante.

Tudo começou com a apresentação de um pequeno teatro de marionetas (http://www.youtube.com/watch?v=-R-JkE5UWgo) que nos deixou muito curiosos sobre a história que o livro nos contaria. Depois, ao longo de várias semanas, realizámos diversas actividades em torno da obra, entre as quais exploração oral, exploração escrita, abordagem de conteúdos gramaticais, ilustrações, acrósticos, pesquisas. Aqui deixamos alguns exemplos:


Continuação da história «- Mas como é que tu nos arranjas comida para dois meses? - Já arranjei. Está ali, no fundo do rio. Ora, olha. (…) - O que é aquilo? – perguntou ele. - Ah, aquilo é uma longa história e difícil de acreditar. Ora ouve-me:» quando tu me disseste para eu ir-me embora, eu fui ter a uma cascata e comecei a pensar sobre os teus pais quererem comer-me. Surgiu-me uma ideia. Ao meu lado, estava uma rede de pesca e à minha frente alguns peixes caiam em cima de pedras. - Mas o que é que isso tem a ver com aquilo que está no fundo do rio? – perguntou o rapaz. E o peixe retorquiu: - Eu ainda não acabei. - Desculpa! – disse o rapaz. - Posso continuar? – perguntou o peixe. - Ora! Por mim tudo bem. – disse o rapaz. E o peixe continuou a história: - Bem, eu agarrei a rede com as minhas barbatanas e comecei a apanhar os peixes que caiam nas pedras. Assim pude vir contigo. - A história não foi muito longa e difícil! – exclamou o rapaz. - Isso não importa, o que importa é que eu estou aqui de novo. – disse o peixe feliz. Diva


Resumo O Segredo do Rio Havia um menino que vivia num campo onde havia um ribeiro que vinha do rio. Ele gostava muito do ribeiro. Certa noite, foi lá ver as estrelas e viu passar uma estrela cadente e ouviu um barulho atrás dos arbustos. Foi ver o que era e viu uma mãe javali a ir com os seus filhos beber água ao ribeiro. No outro dia, foi até perto do ribeiro e viu um peixe grande a dar um salto e depois começaram a conversar, porque o peixe sabia falar como as pessoas, e ficaram amigos. Quando o Verão começou, a mãe autorizou o rapaz a nadar no ribeiro e ele nadava com o peixe. Tiveram grandes aventuras nesse Verão. O Outono chegou mas as primeiras chuvas não caiam. Tudo tinha secado, não havia comida. O pai não sabia como ia arranjar comida. Numa noite, a mãe teve uma


ideia que era matar uma carpa que tinha visto no ribeiro por duas vezes. O rapaz estava ouvindo a conversa e saiu pela janela para ir avisar o peixe para fugir. Passadas algumas semanas, estava o rapaz cheio de saudades do peixe, de noite, olhou pela janela, e viu o seu amigo. Foi até ao ribeiro perguntar-lhe o que fazia ali e o peixe disse-lhe que tinha comida para eles. O rapaz perguntou-lhe como tinha arranjado a comida e ele disse que tinha sido de um barco que no ano anterior tinha encalhado em pedras e afundado e que tinha ido lá buscar as latas de comida que havia no porão e as tinha trazido numa rede com a ajuda de duas raposas. No dia seguinte, o rapaz e os pais levaram as latas de comida para casa e ele disse ao pai que tinha sido o peixe quem tinha arranjado a comida. O pai, nesse mesmo dia, pôs uma tabuleta a dizer «proibido pescar neste local» e, no outro dia, o rapaz pôs uma a dizer «este rio tem um segredo e esse segredo é só meu». Francisco

Resumo O Segredo do Rio Numa pequena aldeia, havia perto de uma casa um pequeno ribeiro, mesmo em frente. E um rapaz nadava nesse ribeiro todo o Verão. Às vezes, quando não conseguia dormir, ia para ao pé do pequeno lago olhar para as estrelas e num dia viu uma estrela cadente. Um dia, quando estava de bruços a fazer construções, viu um peixe a dar um salto tão grande que até teve de olhar para o céu. Logo a seguir, entrou na água, subiu para a superfície e cumprimentou o rapaz. Inicialmente, o rapaz assustou-se, mas depois perguntou-lhe que tipo de peixe era ele e ele disse que era uma carpa. Com o passar do tempo, tornaram-se grandes amigos e, quando chegou o Verão, o rapaz ia todos os dias para o ribeiro tomar banho e brincar com o peixe, sempre sem ninguém saber que eles eram amigos e que o peixe falava a língua dos humanos. Certo dia, ouviu uma conversa entre o pai e a mãe em que diziam que não tinham comida e a mãe sugeriu que apanhassem uma carpa que tinha visto no ribeiro.


O rapaz ficou triste porque iria perder o seu melhor amigo e porque também se o amigo se fosse embora a família iria ficar sem comida. Pensou muito e foi dizer ao peixe que tinha de fugir. Algum tempo depois, o peixe voltou e o rapaz, mesmo de pijama, foi para dentro do ribeiro e abraçou-se a ele. O rapaz perguntou-lhe o que é que ele fazia ali e ele disse que trouxera latas de comida para a sua família, que tinha ido buscar a um barco naufragado. No dia seguinte, os pais foram buscar as latas de comida e arrumaram dentro dos armários. Depois, o pai foi pôr uma tabuleta que dizia que era proibido pescar no ribeiro e o rapaz fez a mesma coisa, ao pé da do pai, e escreveu «este rio tem um segredo e esse segredo é só meu». Helena

No final, entre outras coisas, ouvimos a música “Sou um peixe fora d’água” (http://www.youtube.com/watch?v=l_uov8wPZ7s), fizemos um paralelo entre a história relatada na mesma e a da obra que tínhamos estado a trabalhar, e terminamos realizando trabalhos escritos, aos pares, sobre a amizade.


O segredo do rio