Page 1

PODER JUDUCIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO AMAZONAS

1, 2, 3, 4 e 5 DE MAIO DE 2014

CLIPAGEM IMPRENSA

Jornais impressos


C6

CIDADES Manaus, 01 de maio de 2014

Âą


A5

POLÍTICA Manaus, 01 de maio de 2014

±


A6

POLÍTICA Manaus, 01 de maio de 2014

±


A6

POLÍTICA Manaus, 01 de maio de 2014

±


C1

CIDADES Manaus, 01 de maio de 2014

±

CONTINUA


C1

CIDADES Manaus, 01 de maio de 2014

Âą


A4

OPINIテグ Manaus, 02 de maio de 2014

ツア


A4

OPINIテグ Manaus, 02 de maio de 2014

ツア


A4

OPINIテグ Manaus, 03 de maio de 2014

ツア


BV3

BEM VIVER Manaus, 03 de maio de 2014

Âą


C1

CIDADES Manaus, 03 de maio de 2014

±

CONTINUA


C1

CIDADES Manaus, 03 de maio de 2014

Âą


A5

OPINIテグ Manaus, 04 de maio de 2014

ツア


A5

POLÍTICA Manaus, 05 de maio de 2014

±


FOTO Nathalie Brasil/10/01/12 MANAUS

06 ± O Liminar mantém suspenso au POLÍTICA

desembargador do ica 06Polí Tribunaltde Justiça

do Amazonas (TJAM), Mauro Quinta-feira, 1 de maio de 2014 Manaus, 01 de maio deDiário 2014 do Amazonas | visite D24am.com Bessa, aceitou, ontem, a limitica 06Polí nar ingressada pelos deputados estaduais Luiz Castro (PPS), Marcelo Ramos (PSB) e José Ricardo (PT) e suspendeu, novamente, o aumento de 19 para 26 no número de desembargadores do tribunal. Decisão presidente dovalidado tribunal haviae foi validado e foi derrubad Decisão do presidente doem tribunalANÁLISE havia aumento derrubadaaumento nesta quarta-feira A decisão foi do tomada Aumento no número de um mandado de segurança indesembargadores do TJAM FRASE gressado pelos parlamentares TEXTO Camila Carvalho ainda será julgado pelo STF FOTO Nathalie Brasil/10/01/12 contra a decisão do presidente MANAUS desembargador do do TJAM, desembargador Ari Tribunal de Justiça Moutinho, na última sedo que, Amazonas do (TJAM), desembargador Mauro O desembargador Mauro Bessa aceitou o pedido de liminar gunda-feira, concedeu liBessa, aceitou, ontem, a limi- deuma Mauro Bessa.feito pelos depu Tribunal Justiça Castro, José Ricardo e Marcelo Ramos em um mandado dergado segurança nar ingressada pelos recurso deputaDesemba r minar em um extraordos estaduais LuizdoCastro Amazonas A atribuição de efeito (PPS), Marcelo Ramos (PSB) epela Procudinário ingressado (TJAM), Mauro José Ricardo (PT) e suspensuspensivo ao recurso Bessa, aceitou, ontem, a limiradoria Geral do Estado (PGE) deu, novamente, o aumento de constitui medida nar pelos deputa19 para 26 ingressada no número de depara manter a vigência da Lei em um processo, segundo o de- to,aP desembargadora Graça Figueiabusiva e desprovida sembargadores do tribunal. Luiz Castro dos estaduais A decisão foiaumenta tomada em o ANÁLISE de razoabilidade” 126/13 que número putado Marcelo Ramos, “re- curso redo ingressou com uma repre(PPS), de Marcelo (PSB)no e número de Aumento um mandado segurançaRamos indesembargadores do TJAM degressado desembargadores. a falta de mo T sentação no Conselho Nacional pleto de vícios”, parlamentares Sobre como decisão do TJAM em tornar Josépelos Ricardo (PT) e ainda suspenserá julgado pelo STF contra a decisão do presidente válido aumento no número de deu, novamente,de o aumento de atribuição efeito susCons- dindo de Justiça (CNJ) alegando que reunião na Comissão do “A TJAM, desembargador Ari desembargadorede s. Moutinho, que, na última se- (extraordi19 para 26 no número de depensivo ao recurso tituição e Justiça (CCJ) da ALE to do pediu vista do projeto, ainda no O desembargador Mauro Bessa aceitou o pedido de liminar feito pelos deputados Luiz gunda-feira, concedeu umado li- tribunal. sembargadores Castro, José Ricardo e Marcelo Ramos em um mandado de segurança minar em um recurso extraoradvogado do deputado nário)constituimedidaabusiva TJAM, e teve o pedido negado. para discutir a Oproposta. dores A decisão foi tomada em ANÁLISE dinário ingressado pela ProcuLuiz Castro,FábioAmorim,dise radoria desprovida de (PGE) razoabilidade”, Os deputados ingressaram Ainda emnonovembro lar in do Estado se que a decisão “não tem cabiAumento número de de 2013, o umGeral mandado de segurança inpara manter a vigência da Lei desembargadora Graçadesembargadores segundo o de- to,aPGEingressoucom umRe- mento jurídico” porque não caFiguei- em um processo, do TJAM disse Mauro Bessa nadecisão. com um pedido de liminar para quea CNJ suspendeu, liminarmente, gressado pelos parlamentares 126/13 que aumenta o número putado Marcelo Ramos, redo ingressou com uma repre- será ainda julgado pelo STF“re- curso Extraordinário no Supre- be um recurso extraordinário de desembargadores. Tribunalsuspender Federal (STF) pe- osemmedidacautelar pleto dedo vícios”, como a faltados de mo sentação no Conselho a decisão presidente Ocontra aumento nodonúmero de oNacional efeitos da inominada. lei e o STFa aumento número de“A atribuição de efeito sus- de Justiça (CNJ) alegando que reunião na Comissão de Cons- dindoamanutençãodoaumen- “Nãocaberia recursoextraordido TJAM, desembargador Ari desembargadores do pediu TJAM foi pedido foi concedido, emháplando(CCJ) tribunal. Na pensivo ao recurso (extraordinário porque ainda recursos de desembargada ALE to do número vista do projeto,sembargadores ainda no tituição e Justiça Moutinho, que, na última se-o pedido negado. para discutir a proposta. nário)constituimedidaabusiva dores e com uma medida caute- emandamento”,disse. TJAM, e teve aprovado pleno Ainda douma tributão, pelo desembargador Jorge Após aOs publicação da lei, e desprovida depelo razoabilidade”, Segundo a decisão vaiLuiz com lar os inominada no TJAM para deputados ingressaram em novembro deO 2013, o desembargador Mauro Bessa aceitou o pedido de liminar feito pelosele, deputados gunda-feira, concedeu lidisseem Mauro Bessa nadecisão.de CNJ de encontro à Súmula 675 do quealeifiqueem vigoraté queo com um pedidode deMarcelo liminar para suspendeu, liminarmente, nal novembro 2013. Um Lins. O relator da ação, desemparlamentares oposição ao 635 d Castro, José Ricardo e Ramos em um mandado de segurança um recurso extraorOminar aumentoem no número de o aumento STF, na qual está expressa a do número dos de- suspender os efeitos da lei e o STFanálisea questão. desembargadores TJAM foi pela proibição de recursos extraorNa última segunda-feira, concedido, na em plansembargadores dia depois, odo projeto foiProcuapro-do tribunal. bargador João Simões, submegovernopedido dofoiEstado ALE inTJAM dinário ingressado aprovado pelo pleno do tribuApós a publicação da lei, os tão, pelo desembargador Jorge com base nas súmulas 634 e dinários contra decisões em radoria Geral do Estado (PGE) vado Assembleia Legisla-de oposição a Adindoaomedidas plenoliminares. do TJAM e, limin gressaram uma Ação635 Dinal em pela novembro de 2013. Um parlamentares O relator do STF,teu o presidente relator da ação, desemao Lins. Ocom dia depois, omanter projeto foiaaprode segurança, deTJAM, Ariprocesso, Moutinho, aceitou a doomandado João Simões, subme- em governo Estadodesembargadora na ALE in- bargador Graça para vigência dadoLei to,aPGEingressoucom um segundo deFigueitiva do Estado (ALE) e sanciopor maioria, os desembargado- a lei q retaDi-deteuInconstitucionalidade vado pela Assembleia Legisla- gressaram com uma Ação a Adin ao pleno do TJAM e, liminar da PGE e tornou válida sembargador Mauro Bessa, 126/13 que aumenta o número Marcelo Ramos, “re- curso Extraordinário n redo ingressou com os uma repre- putado tiva dopelo Estado (ALE) e sancio-sereta a lei que aumentou o número suspendeu o aumento e disse por maioria, desembargadode Inconstitucionalidade nado governo, transforres suspenderamaleieadiaram (Adin) no TJAM. Segundo eles, de de mo Tribunal de vícios”, do como de demonstrado sentação Nacional pleto nadode pelodesembargadores. governo, se transfor- (Adin) no TJAM. Segundo que ficou que o Federal (S de desembargadores tribu-a falta resConselho suspenderamaleieadiaram eles, no mando naatribuição Lei 126/13. ojulgamentodoméritodaação. lei é inconstitucional nal, a mando na“A Lei 126/13. pela PGE nal, até o julgamento da açãode recurso ojulgamentodoméritodaação. a lei é inconstitucional porque de efeito sus- deaJustiça dindoamanutençãodo reunião na Comissão Cons-ingressado (CNJ) alegando queporque Após a publicação da lei, a foi aprovada pela Assembleia não merece conhecimento. Coma suspensãodoaumen- movida pelo Estado no STF. Após a ao publicação da lei, a pediu Coma suspensãodoaumenfoi vista aprovada pela Assembleia pensivo recurso (extraordidese (CCJ) da ALE to do número demovid do projeto, ainda no tituição e Justiça

Liminar mantém suspenso aumento do número de desembargadores número de desembargadores do TJAM TEXTO Camila Carvalho FOTO Nathalie Brasil/10/01/12 MANAUS

O

O

nário)constituimedidaabusiva TJAM, e teve o pedido negado. para discutir a proposta. dores e com uma medid e desprovida de razoabilidade”, Ainda em novembro de 2013, o Os deputados ingressaram lar inominada no TJA disse Mauro Bessanadecisão. CNJ suspendeu, liminarmente, com um pedido de liminar para quealeifiqueem vigora O aumento no número de o aumento do número dos de- suspender os efeitos da lei e o STFanálisea questão. desembargadores do TJAM foi sembargadores do tribunal. Na última segun pedido foi concedido, em planaprovado pelo pleno do tribuApós a publicação da lei, os tão, pelo desembargador Jorge com base nas súmula Segundo Rozenha, a medida Namanhãdesta quarta-feira, guardadores de carros, os ‘flanenal em novembro de 2013. Um parlamentares de oposição aoju- Lins. O relator da ação, desem- 635 do STF, o presid uma maneira fican- visa encontrar 120 ‘flanelinhas’ ligados à Asso- linhas’, em locais públicos, dia o eprojeto apro-restrita para inibir a atividade apenas a dorídica ciação dos depois, Guardadores Lava- dofoi governo Estado na abusos. ALE “Não in- é bargador João Simões, subme- TJAM, Ari Moutinho, a para ninguém que a teu a Adin ao pleno do TJAM e, áreas privadas e expressamente doresvado de Veículos pelaAutomotores Assembleia Legislaliminar da PGE e torno gressaram segredo com uma Ação Dido Estado do Amazonas (Agla- autorizadas pelos proprietários. população vive uma espécie de tiva do Estado (ALE) e sancioa lei que aumentou o reta de Inconstitucionalidade milícia por parte desses traba- por maioria, os desembargado094/2003, vam) estiveram na Câmara Mu- ApropostaalteraaLei lhadores. Segundo Alguém temeles, que ter res suspenderamaleieadiaram que regulamenta a (Adin) atividade de nicipal de Manaus para se nado pelo(CMM) governo, transforde desembargadores d no TJAM. pressionar overeador Ednailson ‘flanelinhas’ em qualquer logra- coragem para se dispor e memando Lei o126/13. até o julgamento ojulgamentodoméritodaação. a lei é inconstitucional porque Segundo Rozenha,nal, a medida guardadores de ose‘flaneNamanhãdesta lhorar isso. Fuicarros, eleito para isso douropúblicodacidade. Rozenha (PSDB)na a retirar Pro-quarta-feira, caminha para a moOs ‘flanelinhas’ são aprovada contra Manaus jeto de Emenda 131/2014, que Após a publicação da lei, a movida Coma suspensãodoaumenfoi pela Assembleia ju-Estado no 120 ‘flanelinhas’ ligados à Asso- linhas’, em locais públicos, fican- visa encontrar uma maneirapelo Thiago Corrêa/CMM

‘Flanelinhas’ rejeitam proposta que estabelece regras para trabalho

‘Flanelinhas’ rejeitam proposta que estabelece regras para trabalho desagradou os associados à entidade. Rozenha disse que não retiraráaproposta. O PL proíbe a atuação dos

porque a emenda prevê especificamente que eles só poderão trabalhar se tiverem um espaço de trabalho próprio.

ciação dos Guardadores e Lavadores de Veículos Automotores

dernidade”, disse. Henrique André, presidente da Aglavam, disse que “a emenda vaiapenas prejudicar acategoria”.

CONTINUA

do a atividade restrita apenas a rídica para inibir abusos. “Não é O vereador Rozenha, autor da proposta, que não vai retirá-la que a segredo paradisseninguém áreas privadas e expressamente


bargadores do TJAM 06 ± Mauro Bessa. Desembargador

POLÍTICA A atribuição de efeito suspensivo ao recurso idado aumento e foi derrubada nesta quarta-feira Manaus, 01 demedida maio de 2014 constitui abusiva e desprovida deFRASE razoabilidade” Sobre decisão do TJAM em tornar válido aumento no número de desembargadores.

minar feito pelos deputados Luiz o de segurança

Mauro Bessa.

O advogado do deputado sembargador LuizDe Castro,FábioAmorim,disA atribuição detem efeito se que a decisão “não cabisuspensivo ao recurso jurídico” porque não caegundo o de- to,aPGEingressoucom umRe- mento um recurso extraordinário Ramos, “re- curso Extraordinário no Supre- be constitui medida inominada. mo a falta de mo Tribunal Federal (STF) pe- emmedidacautelar abusiva e desprovida recursoextraordisão de Cons- dindoamanutençãodoaumen- “Nãocaberia de razoabilidade” CCJ) da ALE to do número de desembarga- nário porque ainda há recursos posta. dores e com uma medida caute- emandamento”,disse. Sobre decisão do TJAM em tornar Segundo ele,noanúmero decisão ingressaram lar inominada no TJAM para válido aumento de vai desembargado res. à Súmula 675 do liminar para quealeifiqueem vigoraté queo de encontro STF, na qual está expressa a os da lei e o STFanálisea questão. pedido de liminar feito pelos deputados Luiz do, em planNa última segunda-feira, proibição de recursos extraorm mandado de segurança O advogado do deputado contra decisões em rgador Jorge com base nas súmulas 634 e dinários Luiz Castro,FábioAmorim,disrelator ação, desem- 635 do STF, o presidente do medidas se que aliminares. decisão “nãoOtem cabido mandado de segurança, mões, submeTJAM, Ari Moutinho, aceitou a caprocesso, segundo o de- to,aPGEingressoucom umRe- mento jurídico” porque nãodesembargador Mauro Bessa, oMarcelo do TJAM e, liminar da PGE e tornou válida Ramos, “re- curso Extraordinário no Supre- be um recurso extraordinário emmedidacautelar inominada. moaumentou Tribunal Federal (STF) pe-suspendeu vícios”, como a falta deque o aumento e disse embargadoa lei o número “Nãocaberia recursoextraordidindoamanutençãodoaumenna Comissão de Consleieadiaram de desembargadores do tribu- que ficou demonstrado que o nário porque ainda há recursos número de da desembargae Justiça (CCJ) danal, ALEatétoo do ingressado pela PGE éritodaação. julgamento ação recurso dores e com uma medida caute-nãoemandamento”,disse. cutir a proposta. merece conhecimento. odoaumen- movida pelo Estado no STF.

deputados ingressaram m pedido de liminar para der os efeitos da lei e o foi concedido, em plano desembargador Jorge relator da ação, desemr João Simões, submedin ao pleno do TJAM e, oria, os desembargadoenderamaleieadiaram mentodoméritodaação. ha, a medida ma suspensãodoaumen-

que

a maneira jubusos. “Não é

lar inominada no TJAM para quealeifiqueem vigoraté queo STFanálisea questão. Na última segunda-feira, com base nas súmulas 634 e 635 do STF, o presidente do TJAM, Ari Moutinho, aceitou a liminar da PGE e tornou válida a lei que aumentou o número de desembargadores do tribunal, até o julgamento da ação movida pelo Estado no STF.

Segundo ele, a decisão vai de encontro à Súmula 675 do STF, na qual está expressa a Thiago Corrêa/CMM proibição de recursos extraordinários contra decisões em medidas liminares. O relator do mandado de segurança, desembargador Mauro Bessa, suspendeu o aumento e disse que ficou demonstrado que o recurso ingressado pela PGE não merece conhecimento.


07

POLÍTICA Manaus, 01 de maio de 2014

Política 07

de 2014 visite D24am.com

ia

ores ida

mar , por ireta (Adin) ria res do que,

os o da EC) 75 a ação selho

B) igo e 2º, nse. O eo ública pela

±

CCJ da Assembleia suspende pedido de cassação de Fausto Comissãoesperarájulgamentododeputado, que respondeaprocessonoTJAM TEXTO Dhyene Brissow MANAUS

A

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) suspendeu, nesta quarta-feira, o pedido de cassação do mandato do deputado estadual Fausto Souza (PSD) até que a ação que ele responde por envolvimento com uma rede de exploração sexual de menores, seja julgada na Justiça do Estado. O pe-

dido de cassação foi feito pelo Intituto Amazônico de Cidadania (Iaci). A decisão foi unânime entre os cinco deputados membros da CCJ, em reunião extraordinária, realizada após a sessão. Os deputados também decidiram encaminhar cópia do pedido de apuração para a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia instalada na Casa. Segundo o presidente da CCJ, o deputado David Almei-

da (PSD), os deputados ainda cogitaram encaminhar o pedido para a Comissão de Ética da Casa, mas chegaram à conclusão de que ela poderia ser arquivada na comissão por não atender aos requisitos previstos no Regimento Interno. “O pedido não atende, de nenhuma forma, o que está previsto no Regime Interno. Se fosse encaminhado para a Comissão de Ética eles iam questionar isso. E mesmo que ela decidisse por cassar o mandato do deputado, o primeiro juiz ia

anular essa decisão, alegando que não foi cumprido o Regimento”, disse. Pelo Regimento Interno da Assembleia Legislativa, só a presidência, Mesa Diretora, líder partidário, ou um grupo de oito deputados podem pedir a cassação de um parlamentar da Casa. Também compõem a CCJ os deputados Belarmino Lins (PMDB), Orlando Cidade (PTN), Marcelo Ramos (PSB), e Sinésio Campos (PT). Todos participaram da reunião.

bleia

EC que s s.

CONTINUA


07

já haviam se manifestado pela procedência da ação. Posteriormente, a Assembleia Legislativa do Amazonas juntou aos autos cópia da EC 75, de dezembro de 2011, que evidencia a revogação dos Manaus, 01 de questionados. maio de 2014 dispositivos

POLÍTICA

sexual de menor da na Justiça do

±

Quinta-feira, 1 de maio de 2014 Diário do Amazonas | visite D24am.com

Aposentadoria vitalíciapara ex-governadores doAMémantida O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Medes julgou prejudicada, por perda de objeto, a Ação Direta de inconstitucionalidade (Adin) 4547, sobre a aposentadoria vitalícia de ex-governadores do Amazonas. Mendes disse que, devido à comprovada revogação dos dispositivos impugnados com a edição da Emenda Constitucional (EC) 75 do Estado do Amazonas, a ação perdeu seu objeto. O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ajuizou a Adin contra o artigo 278, caput e parágrafos 1º e 2º, da Constituição amazonense. O advogado-geral da União e o procurador-geral da República já haviam se manifestado pela procedência da ação. Posteriormente, a Assembleia Legislativa do Amazonas juntou aos autos cópia da EC 75, de dezembro de 2011, que evidencia a revogação dos dispositivos questionados.

CCJ da Assem pedido de cass

Comissãoesperarájulgamentod TEXTO Dhyene Brissow

dido de cassação foi fe Intituto Amazônico d TCE julga 21 processos e dania (Iaci). condena gestores a A decisão foi unâni Comissão demil Consdevolver R$ 499,3 tituição e Justiça tre os cinco deputados (CCJ) da Assem- bros da CCJ, em reun O Tribunal de Contas do bleia Legislativa do traordinária, realizada Estado (TCE) julgou 21 Estado (ALE) suspendeu, nes- sessão. processosoe aplicou Os deputados tamb ta quarta-feira, pedido de e glosas a gestores cassaçãomultas do mandato do de- cidiram encaminhar c e ex-gestores no valor de pedido de apuração par putado estadual Fausto Souza R$ 499.390.22. Os (PSD) até que a ação que ele missão Parlamentar de prefeitos Itacoatiara e rito (CPI) da Pedofilia responde por de envolvimento Nova Olinda do Norte, com uma rede de exploração da na Casa. resmenores, pectivamente, Segundo o preside sexual de seja julgaMamoud (PSD) e CCJ, o deputado David da na Justiça do Amed Estado. O peCONTAS PÚBLICAS MANAUS

A

Joseías Lopes (PT), terão que devolver aos cofres públicos R$ 4.384,12, em 30 dias por atraso na entrega da execução orçamentária do 1º e 2º bimestre de 2013. O prefeito de Tapauá, Almino Albuquerque (PSD), foi multado em R$ 10 mil.


03

OPINIÃO

Sexta-feira, 2 de maio de 2014 Manaus, 02 de maio de 2014 Diário do Amazonas | visite D24am.com

±

Claro& i Escuro 9120-5333/3643-5034

Tribunal garante matrícula e condena discriminação no ensino

O

s desembargadores do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) que compõem as Câmaras Reunidas decidiram, ontem, por unanimidade, pela garantia de matrícula de uma candidata a estudante de Medicina aprovada em primeiro lugar em seleção à Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A reitoria da UEA havia negado a matrícula por entender que ela não se enquadrava na lei de cotas por ser oriunda do interior do Pará. A estudante cursou o Ensino Fundamental em Itaituba (PA) e o Ensino Médio em Santarém (PA). A relatora, desembargadora Maria das Graças Pessôa Figueiredo, entendeu que a educação deve ser tratada com mais seriedade. Conforme ela, o Brasil é uma federação e não deve discriminar pessoas que nasceram em outros Estados, principalmente no interior do Pará, que, como no Amazonas, dispõe de uma educação precária.

PRORROGAÇÃO Dia D em maio

SEGURANÇA Contêiner como apoio

cad este inst


06

POLÍTICA

Sexta-feira, 2 de maio de 2014 Diário do Amazonas | visite D24am.com

am em Neto

o da Ponta Negra

Manaus, 02 de maio de 2014

ABRIL

Fundo Partidário: legendas recebem mais de R$ 25 milhões

Foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico a distribuição do Fundo Partidário referente ao mês de abril deste ano (duodécimos). Segundo o documento, as 32 agremiações registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) receberam um total de R$ 25.060.716,71. O relatório de ordens bancárias foi encaminhado ao Banco do Brasil. A legenda que recebeu o maior montante foi o Partido dos Trabalhadores (PT), com R$ 4.183.736,72. O segundo maior valor foi distribuído ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), que recebeu R$ 2.988.410,37, seguido do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que foi contemplado com R$ 2.818.603,18. O Partido Comunista Brasileiro (PCB) teve as contas desaprovadas e não recebeu, em virtude de acórdão do TSE.

±


03

OPINIÃO Manaus, 03 de maio de 2014

Sábado, 3 de maio de 2014 Diário do Amazonas | visite D24am.com

±

Claro& i Escuro 9120-5333/3643-5034

Justiça garante dinheiro dos aposentados na desaposentação

O

Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que nos processos relativos à desaposentação que começaram nos Juizados Especiais Federais não há a necessidade dos aposentados devolverem os valores já recebidos. A decisão destrava ações que estavam suspensas desde 2012. O Supremo Tribunal Federal (STF) também reconheceu a repercussão do assunto, o que significa que a decisão vai valer para todas as ações, em todas as instâncias do Judiciário. O universo de aposentados beneficiados é estimado em 500 mil pessoas. Enquanto a decisão final não sai, vários aposentados que continuam na ativa buscam a Justiça para rever os valores da aposentadoria. No Brasil, o cidadão que trabalha e contribui para o INSS após a aposentadoria, não tem o direito de corrigir o provento. A desaposentação permite ao beneficiário renunciar o atual seguro e obter novos valores mais altos de aposentadoria.

SALÁRIOS Atenção política

PREVENÇÃO Com antecedência

TEM Ren


±

CAPA Manaus, 04 de maio de 2014

Domingo, 4 de maio de 2014 d24am.com.br Manaus Amazonas Ano28 Número 12569

Presidente Cassiano Anunciação

FALE COM OS EDITORES contato@d24am.com, redacao@d24am.com | SIGA-NOS

twitter.com/portalD24am

R$

2,00

facebook.com/D24am

Naufrágios registram 167 mortos, 610 inquéritos e nenhuma prisão Dados sãodos últimos seteanos noAmazonas,conformeo9ºDistritoNaval. Adificuldadeempunir estánaclassificaçãopor danomoralou material, segundooTribunaldeJustiça. CIDADES PÁG 22 E 23 Reinaldo Okita

VENCER

FlaePalmeiras buscammelhorar desempenho noBrasileirão O Rubro-Negro entra em campo com a missão de somar pontos, pois tem apenas 1 em dois jogos. Já Verdão busca reabilitação após derrota para o Fluminense. PÁG 31

POLÍTICA

Justiça eleitoral aposta no eleitor para monitorar campanha nas redes sociais “Os maiores fiscais da campanha serão a população e os próprios candidatos”, disse o juiz Délcio Santos. Para ele, fiscalizar a internet é impossível. PÁGS 6 E 7

De ídolo do futebol no Estado a voluntário na Arena. VENCER PÁG 37 Eraldo Lopes

ECONOMIA

Bares e restaurantes

CIDADES

Assassinatos de gays,


22 Cidades

22

CIDADES Manaus, 04 de maio de 2014

Naufrágios mataram 167 pessoas no AM e ninguém foi preso

±

Balanço é da Marinha e corresponde aos últimos 7 anos TEXTO Annyelle Bezerra FOTOS Chico Batata 05/05/2008

FRASE

MANAUS

N

os últimos sete anos, 167 pessoas morreram vítimas de acidentes fluviais no Amazonas, segundo o Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN) da Marinha do Brasil. Os dados apontam que, entre 2008 e 2014, 610 Inquéritos Administrativos sobre Fatos da Navegação (IAFN) foram abertos pela Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC), destes 31 apenas neste ano. Apesar do número elevado de mortes, ninguém no Estado ainda respondeu criminalmente pelos acidentes, segundo o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A classificação dos processos apenas como danos moral ou material nas estatísticas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), é apontada como uma das causas pelo TJAM. De acordo com o juiz da 9ª Vara Criminal, Henrique Veiga Lima, a inexistência de uma

HenriqueVeiga Lima. Juiz Sema varaespecífica,os processos são distribuídos para qualquer umadas 11 varas. Precisaria consultar cada umapara sechegar aessedado” vara específica para o recebimento de processos referentes a acidentes fluviais inviabiliza a centralização dos dados. “Sem a vara específica, os processos são distribuídos para qualquer uma das 11 varas. Precisaria consultar cada uma para se chegar a esse dado”, disse. Classificados como culposos (quando não há intenção

ACIDENTES FLUVIAIS

de matar) ou dolosos (quando há intenção) os acidentes fluvias, de acordo com o juiz, são encaminhados para as Varas Criminais ou ao Tribunal do Júri (vão a júri popular), respectivamente. Os acidentes culposos, conforme o juiz, são os mais comuns no Amazonas e os responsáveis podem ser punidos com prisão de um a três anos. Aos acidentes dolosos a pena prevista, em caso de condenação, varia de seis a 20 anos, saltando para 12 a 30 anos, quando tipificado. Apenas os acidentes com vítimas fatais são encaminhados à Justiça Criminal. Os casos envolvendo somente dados materiais seguem para a área cível para o requerimento de indenizações. “Poucos chegam ao Tribunal do Júri, porque é difícil encontrar casos em que a pessoa utilizou a embarcação para matar propositalmente”, afirmou. Dos poucos casos que foi à Júri Popular no Amazonas, o condutor do barco Comandante Sales, Luiz Alves de Sales, foi absolvido, em 2009, após aci-

CONTINUA

COMANDANTE

Parentes de vít recorrer à Just de indenizaçõe

dente que matou deixou outras dua das no Rio Solimõ maio de 2008, h seis anos. Sem precisar de comandantes envolvimento e com vítimas fatai juiz afirma que, e


Ano de 1998 foi recorde em CIDADES tes aciden

recorrer à Justiça em busca risão de um a três anos. de indenizações cidentes dolosos a pena a, em caso de condenaria de seis a 20 anos, salpara 12 a 30 anos, quanficado. enas os acidentes com s fatais são encaminhaManaus, 04 de maio de 2014 Justiça Criminal. Os caCom 98 passageiros mortos, O naufr volvendo somente dados 2008 foi o ano que mais matou nos últim ais seguem para a área no Amazonas, seguido por ara o requerimento de 2009 com 34 mortos; 2010 com zações. “Poucos chegam 2012 e 2013 com quatro bunal do Júri, porque é dente que matou 48 pessoas e 24; baixo poder ofensivo, cabe ao zemos casos cada; 2011 com duas encontrar casos em que deixou outras duas desapareci- réu ser beneficiado pela Lei a socie e este ano com uma oa utilizou a embarcação das no Rio Solimões no dia 4 de mortes; 9.099/95, que concede a conquer”, oco r rência . matar propositalmente”, maio de 2008, há exatamente versão da pena em prestação Dos 610 inquéritos u. de serviços comunitários. seis anos. Procedi abertos pela s poucos casos que foi à “A população quando vê um Sem precisar a existência administrativos Con Fluvial, no Estado, 107 opular no Amazonas, o de comandantes presos por Capitania acidente destes quer que o resmarítim 2010; 102 em tor do barco Comandan- envolvimento em acidentes ocorreram ponsávelem apodreça na cadeia, taurad cem em 2012; 97 em 2011; s, Luiz Alves de Sales, foi com vítimas fatais no Estado, o 2009; porém, nós somos apenas openhado em 2008; 86 2013; e 31 na época, o segundo maior O naufrágio Comandante em 2008, Rio Solimões, foiem considerado, ido, em 2009, após do aci-barco radores do Direito. Ou nós fajuiz afirma que,Sales, em delitos comno87 do Rio

23

±

em 48 2014. nos últimos dez anos no Amazonas, em número de vítimas: pessoas morreram

Municípios como Boca do Acre, Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Manaus e Tefé estiveram entre conversão zemos o que a lei determina ou Distrito Naval, para que registraramNAUFRÁGIOS realização do os acidentes, a sociedade escreve a lei que em processo e os com julgamento administrativo julgamento administrativo. quer”, afirmou. e criminal cabível ao Tribunal Assim Justiça, No dia 4 de maio de 2008,como o barcona regional Comandante Marítimo do Rio de Janeiro e procedimentos como diligênProcedimentos Sales, que conduzia 80 passageiros de Manacapuru para Tribunal de Justiça doInquéritos cias, delegação de atribuições, Concluído pela autoridade Manaus após uma festa, tombou na margem esquerda do Rio Amazonas (TJAM), Administrativos sobre Fatos coleta48depessoas depoimento de testemarítima local, o inquérito ins-matando Solimões, e deixando outras duas respectivamente. da Navegação (IAFN) foram munhas e produção de provas taurado no Estado, de é encamisaparecidas. pela Capitania dos técnicasdotambém sãocapacidade realiza- paraabertos nhado ao Tribunal Além Marítimo da superlotação barco, com 80 Portos, em sete anos. dos para investigar as causasinformações e do Rio de Janeiro, segundo 9º levava pessoasomas em média 120, conforme do, na época, o segundo maior

610

FRÁGIOS

0

éritos inistrativos sobre Fatos vegação (IAFN) foram s pela Capitania dos , em sete anos.

prestadas na época por agentes da Polícia Civil que atuaram no resgate, o condutor Luiz Alves de Sales não era habilitado na Capitania dos Portos, apesar de atuar há mais de 30 anos como tal. O barco também não tinha autorização para oficiais navegar.de dois juízes militares, os responsáveis pelo acidente. por realização quatro votos em abrilna deinatividade; 2009, após eir quaa Marinha, OAbsolvido prazo para doa três, Júri Popular, Luiz Sales foi condenado administrativamente julgamento varia de dois a três tro juízes civis, o procedimento Tribunalda Marítimo do do Rio deadministrativo, Janeiro a pagarem uma multa de caso de conanos,pelo a partir entrada R$ 33,9 mil. IAFN no Tribunal Marítimo e denação pode aplicar penalidaNa sentença, o relator do processo, Sérgio Bezerra desuspendes juiz como repreensão, sua autuação como processo. Matos, informou contribuíram para a culpa do réu, o sãodepessoalmarítimo,proibiJulgado por umque colegiado excesso de pessoas transportadas na a realização suspensão do tráfego da composto por Presidente (ofi- ção ouembarcação, de alterações estruturais no transporte sem o ou cancelamento embarcação cial-general do Corpo da Armaacompanhamento de um profissional técnico qualificado e a do registrodearmador. da da ativa ou na inatividade); ausência de equipamentos de segurança como boias, aparelhos flutuadores e coletes salva-vidas.

Vítima de um naufrágio e responsável pela morte de seis pessoas, entre elas duas crianças, o barco Dona Zilda encalhou num banco de areia, próximo

Em de fevereiro de 2011, um acidente ocorrido no município de Autazes, envolvendo uma balsa de transporte de soja e um

os respo Op julgame anos, a IAFN n sua aut Julg compos cial-gen da da a

Vítima de um naufrágio de seis pessoas, entre el Dona Zilda encalhou num ao município de Itacoati 2009. Com capacidade para 38 embarcação trazia 47 pe de madeira, farinha e cas comercializada no munic Em fevereiro deste ano, o Tribunal Marítimo do R condutor e o dono do ba 800 e R$ 2 mil, respectiv A sentença, publicada no (DOU) apontou que fato ‘imperícia’ levaram à col barco. “Erro de navegaç

CONTINUA


or

CIDADES

23 Manaus,23 Cidades 04 de maio de 2014

±

AMAZONAS

Ano de 1998 foi recorde em acidentes Com 98 passageiros mortos, 2008 foi o ano que mais matou no Amazonas, seguido por 2009 com 34 mortos; 2010 com 24; 2012 e 2013 com quatro casos cada; 2011 com duas mortes; e este ano com uma ocorrência. Dos 610 inquéritos administrativos abertos pela Capitania Fluvial, no Estado, 107 ocorreram em 2010; 102 em 2009; cem em 2012; 97 em 2011; 87 em 2008; 86 em 2013; e 31 em 2014. Municípios como Boca do Acre, Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Manaus e Tefé estiveram entre os que registraram os acidentes, com julgamento administrativo e criminal cabível ao Tribunal Marítimo do Rio de Janeiro e Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), respectivamente.

CONTINUA


rmou. Dos poucos casos que foi à ri Popular no Amazonas, o ndutor do barco ComandanSales, Luiz Alves de Sales, foi solvido, em 2009, após aci-

seis anos. Sem precisar a existência de comandantes presos por envolvimento em acidentes com vítimas fatais no Estado, o juiz afirma que, em delitos com

23

de serviços comunitários. administrativos abertos pela “A população quando um 107 Capitania Fluvial, novêEstado, acidente destes quer que o resocorreram em 2010; 102 em ponsável apodreça cadeia, 2009; cem em na 2012; 97 em 2011; porém,87nós ope- e 31 emsomos 2008; apenas 86 em 2013; radoresemdo2014. Direito. Ou nós fa-

CIDADES

Municípios como Boca do Acre, Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Manaus e Tefé estiveram entre os que registraram os acidentes, com julgamento administrativo e criminal cabível ao Tribunal Marítimo do Rio de Janeiro e No dia 4 de maio de 2008, o barco regional Comandante Tribunal de para Justiça do Sales, que conduzia 80 passageiros de Manacapuru Amazonas (TJAM), Manaus após uma festa, tombou na margem esquerda do Rio resoutras pectivamente. Solimões, matando 48 pessoas e deixando duas desaparecidas. Além da superlotação do barco, com capacidade para 80 oi considerado, na época, o segundo maior pessoas mas levava em média 120, conforme informações morreram prestadas na época por agentes da Polícia Civil que atuaram no resgate, o condutor Luiz Alves de Sales não era habilitado na Capitania dos Portos, apesar de atuar há mais de 30 anos dois juízes militares, ostal. responsáveis pelo acidente. o NAUFRÁGIOS como O barco também não tinha autorização para navegar.oficiais de Marinha, na inatividade; e quaO prazo para realização do o Absolvido por quatro votos a três, em abril de 2009, após ir a tro juízes civis, o procedimento a três administrativamente Júri julgamento Popular, Luizvaria Sales de foi dois condenado em de caso de conanos, a partir da entrada do , pelo Tribunal Marítimo do Rio de Janeiroadministrativo, a pagar uma multa denação pode aplicar penalidaIAFN no Tribunal Marítimo e R$ 33,9 mil. Inquéritos des como repreensão, suspensua autuação como processo. , Na sentença, o relator do processo, juiz Sérgio Bezerra de Administrativos sobre Fatos Julgado que porcontribuíram um colegiado Matos, informou para asãodepessoalmarítimo,proibiculpa do réu, o da Navegação (IAFN) foram ção ou suspensão do tráfego da composto por Presidente (ofis excesso de pessoas transportadas na embarcação, a realização abertos pela Capitania dos embarcação ou cancelamento cial-general do Corpo da Armade alterações estruturais no transporte sem o Portos, em sete anos. do registrodearmador. da da ativa oudena e acompanhamento uminatividade); profissional técnico qualificado e a ausência de equipamentos de segurança como boias, aparelhos flutuadores e coletes salva-vidas.

Manaus, 04 de maio de 2014

610

Vítima de um naufrágio e responsável pela morte de seis pessoas, entre elas duas crianças, o barco Dona Zilda encalhou num banco de areia, próximo ao município de Itacoatiara, no dia 5 de abril de 2009. Com capacidade para 38 passageiros, a embarcação trazia 47 pessoas, além de uma carga de madeira, farinha e castanha que seria comercializada no município. Em fevereiro deste ano, cinco anos após a tragédia, o Tribunal Marítimo do Rio de Janeiro condenou o condutor e o dono do barco a pagarem multa de R$ 800 e R$ 2 mil, respectivamente. A sentença, publicada no Diário Oficial da União (DOU) apontou que fatores como ‘imprudência’ e ‘imperícia’ levaram à colisão que abriu o casco do barco. “Erro de navegação, somando-se o excesso de passageiros e carga a bordo, reduzindo perigosamente a borda livre da embarcação, situação agravada pelo não uso do obrigatório colete salva-vidas por parte dos passageiros”, dizia o documento.

Em de fevereiro de 2011, um acidente ocorrido no município de Autazes, envolvendo uma balsa de transporte de soja e um barco de pesca deixou duas pessoas mortas e duas desaparecidas, no Rio Madeira. A aposentada Rosenira de Souza Silva, 63, encontrada no mesmo dia do naufrágio foi a primeira morte confirmada, seguida por um tripulante encontrado dois dias depois por mergulhadores do Corpo de Bombeiros e da Marinha. O acidente ocorreu próximo à Comunidade Urucurituba do Madeira, que fica a cerca de duas horas de barco da área urbana do município de Nova Olinda do Norte.

Procedi Con marítim taurad nhado do Rio

±


de indenização sobre painel

±

Empresa pediu R$ 498,9 mil por fim de contrato com a Câmara Municipal

08

POLÍTICA

de Sil

O parti ta’ e integ presi (PT) culo maçã pré-c Seg Edua Diário do Am os e alian Meio suap E te do parti Com enco moA Luiz DECISÃO FINAL Com a extinção, não há mais Luiz recursos para tentar obter BTG indenização na Justiça palan Empresa pediu R$ 498,9 mil por fim de contrato com a Câmara Municipal D ta d Edua Painel eletrônico gerou polêmica ao ser adquirido por ex-administração da Câmara Municipal e foi rejeitado pela atual, que constatou não ser necessário o equipamento Aéci do P nalto vrep TEXTO Nome do repórter bunal de Justiça do Amazonas ber da Câmara uma indeniza- tora suspender o certame. FOTOS Nome do fotógrafo “A No dia 20 de dezembro de ção de R$ 498.933,77. O painel (TJAM) no dia 29. nas p “Essa decisão é mais uma foi licitado pela CMM, na ges- 2012, o Tribunal de Contas do MANAUS emp prova de que fizemos o certo. tão do ex-presidente Isaac Estado (TCE-AM), na decisão táma da conselheira Yara Lins, deTayah (PSD), por R$ 990 mil. Atendemos ao princípio da juiz Cezar Luiz suas A licitação para a aquisição terminou a suspensão da conBandiera, da 2ª Va- economicidade”, disse o presiCam ra da Fazenda Pú- dente da CMM, vereador Bos- do novo painel eletrônico para corrência pública, fato que sodo”, blica Municipal, co Saraiva (PSDB). “Estamos a CMM foi realizada no dia 19 mente foi concretizado na gesDori tão de Bosco Saraiva que em jade novembro de 2012, pontrabalhando normalmente determinou a extinção do pro(Gru cesso, sem julgamento do mé- com o painel antigo e com isso to-facultativo no município de neiro de 2013 revogou o conriais) rito, referente à ação movida fizemos investimentos em ou- Manaus em função do feriado trato de compra do novo painel o fór pela empresa Imply Tecnolo- tras áreas que estavam bem de 20 de novembro, Dia da eletrônico. Uma avaliação da toma Coordenadoria de Informática Consciência Negra. Apenas a precárias. Essa medida do Trigia Eletrônica Ltda. contra a de ce Câmara Municipal de Manaus bunal de Justiça vai na direção empresa Imply, que forneceu o da CMM, a pedido de Bosco, ri-la (CMM), no caso da suspensão de tudo aquilo que estamos fa- painel anterior em meados de atestou que era desnecessária a A DECISÃO FINAL da licitação que resultou na zendo aqui na CMM, a otimi- 2005, compareceu ao processo compra do novo equipamento. discu Com a extinção, há maisda zação dos recursos”, afirmou. O procurador da CMM, José licitatório. O contrato da CMM compra do painelnão eletrônico recursos tentarde obter econ Na ação com a empresa foi assinado no Fernandes Júnior,explicou quea Casa em para dezembro 2012. A indenização na Justiça do d dia 30 de novembro pelo então rescisãodocontratocomaImply decisão foi proferida pelo ma- 0631290-42.2013.8.04.0001, do H sedeu naformalegale queagora presidente Isaac Tayah, mesmovida por perdas e danos, a gistrado no último dia 25 de quen abril e publicada no site do Tri- Imply alegou o direito de rece- mo após decisão da mesa-dire- foi reconhecidapelaJustiça. pelos Painel eletrônico gerou polêmica ao ser adquirido por ex-administração da Câmara desd Municipal e foi rejeitado pela atual, que constatou não ser necessário o equipamento com

Manaus, 05 de maio de 2014

08Política

Justiça extingue processo de indenização sobre painel

O

Municípios de Goiás e RN elegem novos prefeitos TEXTO Nome do repórter FOTOS Nome do fotógrafo MANAUS

Eleitores dos municípios de Cabeceiras, em Goiás, e de MosjuizDantas, Cezar soró e Francisco no Luiz Rio Bandiera, da 2ªaté VaGrande do Norte, participam da Fazenda Púas 17h desse ra domingo das novas eleições parablica prefeito eMunicipal, vice-predeterminou a extinção do profeito, de acordo com o Tribunal cesso, sem julgamento méSuperior Eleitoral (TSE). Ado Justirito, referente à ação çaEleitoral realizaos pleitosmovida agora pela empresa Tecnoloporque anulou aImply eleição de outugia Eletrônica contra brode 2012 nessasLtda. localidades de-a Câmara Municipal de Manaus (CMM), no caso da suspensão

O

Prefe bunal de Justiça do Amazonas ber da Câmara uma indeniza- tora suspender o certame. C No dia 20 de dezembro de Dilm ção de R$ 498.933,77. O painel (TJAM) no dia 29. “Essa decisão é mais uma foi licitado pela CMM, na ges- 2012, o Tribunal de Contas do cio t os diplomas do prefeito e do vido cassação dos diploEstado (TCE-AM), na decisão to co do ex-presidente Isaac NoRioGrandedoNorte,areprovaà de que fizemos o certo. ras,tão mas/mandatos dos candidatos vice-prefeitoeleitosem 2012,Na- novação do pleito será necessária da conselheira Yara Lins, de- setor Atendemos ao princípio da Tayah (PSD), por R$ 990 mil. que receberam mais de 50% dos dir de Paiva e Bim de Oemis, res- em Mossoró porque o TRE casA licitação para a aquisição terminou a suspensão da con- do L economicidade”, disse o presipectivamente, foram cassados. sou os mandatos daprefeitaeleita votos válidos. corrência pública, fatoseu que so- rios, doforam novoconsiderados painel eletrônico dente da CMM, vereador Bos- Eles inelegí-paraem 2012,ClaudiaRegina,ede Nestescasos, segundoaResomente foi concretizado na ges- brea a CMM foi realizada no dia 19 co Saraiva (PSDB). “E st amo s luçãonº 23.280/2010 doTSE,no- veis por oito anos pelo TRE de vice, Wellington Carvalho. Em tão de Bosco Saraiva que em ja- prese de novembro de 2012, pontrabalhando normalmente vas eleições devem ser marcadas Goiás devido à prática de compra 2013,das 87 novas eleições convoneiro de 2013 revogou o to-facultativo no município de com o painel antigo e com isso sempre no primeiro domingo de de votosnaquelaeleição.Omuni- cadas pelaJustiçaEleitoralhouve con- mais tratorenovação de compra do novo painel Cam Manaus em função feriadoa efetiva fizemos investimentos em ou- cípio de eleição em é atendido pela 11ªdoZona cada mês pelos Tribunais Regioeletrônico.doUma avaliação de 20dode novembro, Dia da75 municípios tras áreas que estavam bem Eleitoral país (em 12, os da líder estado e possui apronais Eleitorais. Coordenadoria de Informática nacio Consciência Apenas anovos precárias. Essa medida do Tri- ximadamente pleitos foram suspensos). seisNegra. mileleitores. NacidadeGoianadeCabeceibunal de Justiça vai na direção empresa Imply, que forneceu o da CMM, a pedido de Bosco, de tudo aquilo que estamos fa- painel anterior em meados de atestou que era desnecessária a zendo aqui na CMM, a otimi- 2005, compareceu ao processo compra do novo equipamento.


PRAZO

Tribunal de Justiça não definiu data para julgamento, mas deve ocorrer este ano

05

POLÍTICA Manaus, 05 de maio de 2014

±

Política

05

Segunda-feira, 5 de maio de 2014 Diário do Amazonas | visite D24am.com

FALE COM OS EDITORES politica@d24am.com, redacao@d24am.com | SIGA-NOS

twitter.com/portalD24am

facebook.com/D24am

Processo que anula venda da Cosama está pronto para ser votado na Justiça Tanques de tratamento da antiga Cosama, hoje Manaus Ambiental. Contrato de concessão do serviço de água será julgado na Justiça e pode ser anulado

Promotora diz que negócio gerou prejuízo de R$ 145 milhões e pede anulação da privatização

milhões para definir o preço sultando graves prejuízos a to- de janeiro de 2000 pelo então INVESTIMENTO mínimo de venda, assim como da a sociedade”, afirmou Silva- vereador e atual deputado fePRAZO não incluiu as contas a pagar na Nobre. deral Francisco Praciano (PT). MANAUS Tribunal de Justiça não dos usuários que somavam, na Ainda de acordo a procura- Na ação, Praciano desconstroi definiu data para julgamento, mas deve ocorrer este ano processo que época, R$ 23 milhões para fixar dora, os contratos com a con- o argumento de que a compra cessionária do abastecimento da Manaus Saneamento seja aponta irregulari- o valor econômico. Caso o parecer do Ministé- de água não vêm sendo cum- um investimento de risco. “Na dade na venda da seria mais lógico que Companhia de Sa- rio Público seja acatado pelo prido. “Atualmente, contam-se verdade, O advogado da Manaus Ambiental, um plus (aumenneamento do Amazonas (Co- juiz da 1ª Vara da Fazenda Pú- cinco termos aditivos a esse seja aplicado Daniel Nogueira, afirmou que se o patrimônio, em sama), em 2000, está pronto blica Estadual, Ronnie Frank contrato que nunca foram to) sobre editalesse for cancelado o Estado terá concessionáriacuja pelos deressarcir umaaatividade para ser julgado no Tribunal de Torres Stone, a atual operado- cumpridos, sendo que a con- funçãoque investimentos feitos. “Se chegar ao é de lucratividade e Justiça do Amazonas. O Minis- ra do sistema de água na capi- cessionária vem se benefician- expectativa absurdo jurídico, e nós não tal, Manaus Ambiental, será do, pelo vinculo ilegalmente sucesso”, disse Praciano. tério Público do Estado achamos que isto vá acontecer e (MP-AM) considera que o ne- afastada da prestação de servi- celebrado, ao arrepio da lei, de nem que seja correto, de se cancelar o edital, a empresa terá gócio causou prejuízo aos co- ço. No último dia 24 de abril, o favores do Poder Público, e CUSTO AdeMENOS que receber volta o dinheiro do fres públicos e emitiu parecer magistrado emitiu despacho mesmo assim não conseguiu contrato e tudo que ela já investiu. pela anulação da venda da Ma- informando que não havia mudar a realidade da cidade de Temos que lembrar que esta naus Saneamento S/A, uma mais provas a serem produzi- Manaus. Faltam investimenconcessão foi onerosa, ela foi comprada por 100 milhões de subsidiária da Cosama que das e que “os autos estavam tos, compromissos, seriedade dólares e ainda teve R$ 500 conclusos para sentença”. no trato da coisa pública e isso atendia Manaus. milhões de investimentos”, afirmou Para a procuradora, a priva- está escancarado em nossos De acordo com a procuraNogueira. milhões decom reais foi o a dora de justiça Silvana Nobre tização só causou prejuízo à so- jornais diariamente. Diversas De acordo o advogado, participou da licitação valoempresa r desconsiderado no edital de Lima Cabral, o valor fixado ciedade. “Passados mais de dez zonas da cidade ainda não têm as regras existentes. paracom estabelecer o preço “Ao se para venda da Manaus Sanea- anos da concessão, hoje é pos- sequer água potável”, cita a cancelar o edital, o Estado (do Tanques de tratamento da antiga Cosama, hoje Manaus Ambiental. Contrato de mínimo de venda da Manaus síveleperceber que os vícios in- procuradora em seu parecer. mento do foiserviço reduzido emjulgado 63%,na Justiça concessão de água será pode ser anulado Amazonas) terá um grande Saneamento, deter acordo coma crustados no negócio realizado A ação popular pedindo o pois o edital de privatização problema em que ressarcir parecer da Ambiental procuradora Manaus pelosde não contabilizou o passivo da com a privatização da compa- cancelamento do edital de priinvestimentos que a empresa TEXTO Álisson Castro de janeiro de em 200026 pelo então a topara definir o preço sultando justiça Silvana Nobre Cabral.ainda de saneamento vêm graves re- prejuízos vatização foi ingressada empresa que totalizava R$milhões 145 nhia FOTO Arlesson Sicsu 08/05/2009 TEXTO Álisson Castro FOTO Arlesson Sicsu 08/05/2009

Advogado diz que haverá devolução

O

145

MANAUS

O

processo que aponta irregularidade na venda da Companhia de Saneamento do Amazonas (Cosama), em 2000, está pronto para ser julgado no Tribunal de Justiça do Amazonas. O Ministério Público do Estado (MP-AM) considera que o negócio causou prejuízo aos cofres públicos e emitiu parecer pela anulação da venda da Manaus Saneamento S/A, uma subsidiária da Cosama que atendia Manaus. De acordo com a procuradora de justiça Silvana Nobre de Lima Cabral, o valor fixado para venda da Manaus Saneamento foi reduzido em 63%,

mínimo de venda, assim como não incluiu as contas a pagar dos usuários que somavam, na época, R$ 23 milhões para fixar o valor econômico. Caso o parecer do Ministério Público seja acatado pelo juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Ronnie Frank Torres Stone, a atual operadora do sistema de água na capital, Manaus Ambiental, será afastada da prestação de serviço. No último dia 24 de abril, o magistrado emitiu despacho informando que não havia mais provas a serem produzidas e que “os autos estavam conclusos para sentença”. Para a procuradora, a privatização só causou prejuízo à sociedade. “Passados mais de dez anos da concessão, hoje é possível perceber que os vícios in-

da a sociedade”, afirmou Silvana Nobre. Ainda de acordo a procuradora, os contratos com a concessionária do abastecimento de água não vêm sendo cumprido. “Atualmente, contam-se cinco termos aditivos a esse contrato que nunca foram cumpridos, sendo que a concessionária vem se beneficiando, pelo vinculo ilegalmente celebrado, ao arrepio da lei, de favores do Poder Público, e mesmo assim não conseguiu mudar a realidade da cidade de Manaus. Faltam investimentos, compromissos, seriedade no trato da coisa pública e isso está escancarado em nossos jornais diariamente. Diversas zonas da cidade ainda não têm sequer água potável”, cita a procuradora em seu parecer.

vereador e atual deputado federal Francisco Praciano (PT). Na ação, Praciano desconstroi o argumento de que a compra da Manaus Saneamento seja um investimento de risco. “Na verdade, seria mais lógico que seja aplicado um plus (aumento) sobre esse patrimônio, em função de uma atividade cuja expectativa é de lucratividade e sucesso”, disse Praciano.

CUSTO A MENOS

145

milhões de reais foi o valor desconsiderado no edital para estabelecer o preço mínimo de venda da Manaus

não amortizou neste período”, frisou. Nogueira afirmou que o autor da ação, o deputado federal Francisco Praciano, não entendeu que em uma empresa há uma diferença entre valor patrimonial e valor de venda. “A Manaus Saneamento não foi vendida, o patrimônio é do município. Quando terminar a concessão será tudo devolvido. Ao término da concessão, a Manaus Ambiental não irá pegar estes bens e levar embora, eles são bens reversíveis, ou seja, estão temporariamente em poder da concessionária”, afirmou. Sobre a ação popular, o advogado disse que o mecanismo não é ideal para discutir a mudança do valor da concessão. “A ação popular existe para se desfazer um ato administrativo, mas neste caso o que se quer discutir é a fórmula do

Adv que devo

O advoga Daniel No edital for que ressa investime absurdo j achamos nem que cancelar o que receb contrato Temos qu concessã comprad dólares e milhões d Nogueira De acord empresa com as re cancelar o Amazona problema Manaus A investime não amor frisou. Nogueira ação, o d Praciano, uma emp entre valo venda. “A foi vendid município concessã término d Ambienta e levar em reversíve temporar concessio Sobre a a disse que para disc concessã para se d administr que se qu cálculo us disse Nog concessã


MERCADOS

10,82% BOVESPA BRASIL

52.980| +2,62%

DOWJONES

NASDAQ

51.507 54.170

16.493 15.301

45.533

15.464

DAX

2013

ESTADOS UNIDOS

ESTADOS UNIDOS

16.513| -0,28%

4.155 3.815 3.600

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

CDB prefixado de 30 dias, com valor ao ano. Os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) são mais seguros que a Bolsa de Valores.

201392,300 SALDO 5,56 | +0,27%

0,59

2014 JAN 90,500

POR GRAMA EM R$

9.556| -0,49%

2012

08

CDB prefixado de 30 dias, 2011 com valor ao ano. 2010 Os Certificados de Depósito CDB POUPANÇA INPC 2009 Bancário (CDBs) são mais 2013 3,47 2013 SALDO 2008 seguros que a Bolsa2de Valores. 10,8 2% 012 0,59 2014 JAN JUL 11111 OUT 11111 DEZ

OURO

3,47

ALEMANHA

4.124| -0,09%

9.572 8.213

5.500

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

5,56

7,50POLÍTICA 2014 FEV 101,500

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

93,300

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

0,63 0,64

EURO

DÓLAR

COTAÇÃO EM US$

COMERCIAL EM R$

MOED 2013 SALDO 5,91 2,2190 | -0,58% BOLÍVAR (VEN 2014 JAN 0,55

1,387 | +0,06% 1,379 1,356 1,307

2014 FEV

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

± 2,355 2,176

0,69

2,267

DÓLAR (

JUL 11111 OUT 11111 DEZ

IENE (JA 2014 MAR 0,92 BALANÇA COMERCIAL PESO (ARGE 2014 SALDO 2,18 EM US$ MILHÕES COTAÇÃO MERCADO EXP IMP SALDO EURO (EU 05MOEDAS de maio5,6 de 2013 SALDO 5,91 7,74 Manaus, 1BOLÍVAR ANOSALDO 2 2014 1 ANO SALDO 6,12 (VENEZUELA) 0,3833 DATA

6,80 IPCA 7,08

2014 MAR 0,82 CÂMBIO 2014 SALDO 2,10

0,63

2014 JAN

0,55

2011

7,50

2014 FEV

0,64

2014 FEV

0,69

DÓLAR (EUA)

2,2190

2012

242.5800.649 223.342 19.438

2010

6,80

2014 MAR

0,82

2014 MAR

0,92

IENE (JAPÃO)

0,02349

JUL/2012

21.003

18.151

2009

7,08

2014 SALDO 2,10

2014 SALDO 2,18

PESO (ARGENTINA)

0,3084

AGO/2012

20.807

22.704

-1.897

2008

7,74

1 ANOSALDO 5,62

1 ANO SALDO 6,12

EURO (EUROPA)

3,0780

2013 (TOTAL) 135.230

140.219

-4.989

2.872

Ações na Justiça ameaça Ações na Justiça ameaçam dar rombo de 1 trilhão no governono federal deR$R$ 1 trilhão govern Cofres da União correm risco com a possível perda das causas que tramitam na esfera judicial

Foram também incluídas ponsabilidade Fiscal, para tos de dívida (precatórios). Cofres da correm risco comOSaNÚMEROS possível perda dasA causas duas causas tributárias. priO volume de precatórios que União saibam que há faturas fo-

TEXTO Agência Estado BRASÍLIA

O

s processos que tramitam na JusTEXTO Agência Estado tiça contra a União e sobre os BRASÍLIA quais o risco de derrota é maior do que remoto somam R$ 909 bilhões, num cálculo conservador. É o que indica um levantamento feito pelo jornal ‘O Estado de S. Paulo’ num documento anexo à proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2015, chamado ‘riscos fiscais’. Em comparação com o ano anterior, a conta cresceu 31%. Esses números são informados aos parlamentares, em cumprimento à Lei de Res-

O

ra do Orçamento que podem causar impacto nas contas em algum momento - o que ficou conhecido, nos anos 1990, como ‘esqueletos’. Dessa forma, a cifra bilionária é divulgada para dar a deputados e senadores um horizonte de gastos do governo no médio e longo prazos, informa o Ministério do Planejamento. Ela não indica que tudo será convertido em despesa federal, pois são causas jurídicas em discussão. Além disso, uma eventual derrota da União não traz efeitos imediatos. O ‘prejuízo’ normalmente é diluído nos anos seguintes, com a emissão de títulos para pagamen-

s processos que tramitam na Justiça contra a União e sobre os quais o risco de derrota é maior do que remoto somam R$ 909 bilhões, num cálculo conservador. É o que indica um levantamento feito pelo jornal ‘O Estado de S. Paulo’ Man numutenção documento anexo à precária propostalimita de Lei de Diretrifluxo de grandes zes Orçamentárias (LDO) navios nos portos para 2015, chamado ‘riscos Oinvestimentobilionáriofeitopelo governofederalnãofoicapaz de fiscais’. Em comparação com ampliar acapacidadedamaioriados o ano anterior, a conta cresportos para receber anovageração denavios. Semmanutenção ceu 31%. adequada,alguns portos já perderamoganhoobtidocoma Esses números são infordragagem, quecustou R$1,6 bilhão, mados parlamentares, em segundodadosaos daSecretariade Portos (SEP). Cada umcentímetro cumprimento à Lei de Resperdidonaprofundidadedocanal significadeixar decarregar,por exemplo,oitocontêineres (ou R$ 24 mil)por navio.

Manutenção precária limita fluxo de grandes navios nos portos Oinvestimentobilionáriofeitopelo governofederalnãofoicapaz de

emitidos esteanodeveráchegar aR$14,7 bilhões, segundoinforma o anexo à LDO. Para os próximos três anos, a estimativa é deR$16,1bilhões acadaano. O crescimento da conta dos ‘esqueletos’ ocorreu, entre outros fatores, porque o governo elevou de R$ 50 bilhões para R$ 173,5 bilhões a estimativa de custo de uma derrota numa disputa de mais de 20 anos travada com os usineiros. “O aumento do valor se deu em razão de cálculo realizado decorrente da inclusão de novos processos sobre o tema, tudo em virtude de um diagnóstico mais preciso e aperfeiçoado de todos os processos”, explicou a Advocacia-Geral da União (AGU).

31%

meira, que pode custar até R$ 66,88 bilhões, discute se o governo poderia ou não ter revogado isenções tributárias anteriormenteconcedidas às cooperativas. Elas estavam livres do recolhimento da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido(CSLL),mas essasituação foi revertida por uma medidaprovisóriaeditadaem1999. Na outra causa, estimada em R$ 35,22 bilhões, as empresas discutem se têm ou não direito a crédito tributário do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre insumos adquiridos na Zona Franca de Manaus.

ponsabilidade Fiscal, para tos de dívida (precatórios). O do volume de precatórios que saibam que há faturas fofoi o crescimento volume do chamado ‘risco esteanodeveráchegar ra do Orçamento que podem fiscal’ queemitidos terá que ser compensado com o corte de aR$14,7 bilhões, segundoinforcausar impacto nas contas em custos ou aumento de impostos. algum momento - o que ficou ma o anexo à LDO. Para os próximos três anos, a estimativa é conhecido, nos anos 1990, coAs estimativas foram puxadas para cima também pela indeR$16,1bilhões acadaano. mo ‘esqueletos’. clusão de novas causas bilionáO crescimento da conta dos Dessa forma, a cifra biliorias na lista, segundo o Ministério do Planejamento. As prenária é divulgada para dar a ‘esqueletos’ ocorreu, entre oufeituras, por exemplo, cobram 118 bilhões da União, que te- porque o governo tros fatores, deputados e senadores R$ um riam sido perdidos em medidas de R$ 50 bilhões para horizonte de gastos do goverde combateelevou à crise econômica. no no médio e longo prazos, R$ 173,5 bilhões a estimativa informa o Ministério do Pla- de custo de uma derrota numa Disputa por tradisputa de mais de 20 anos nejamento. Ela não indica DOENÇAS a r recadação Falta estrutura de com os usineiros. “O auque tudo será convertido fiscalização em vada para proteger afeta exploração rebanho do Centro-Oeste deu em radespesa federal, pois são cau- mento do valor de se potássio de cálculoUma realizado decorsas jurídicas em discussão. Na regiãozão disputa entre duas cidades em que surgiu o de Sergipe arrecadação novo casorente suspeito de da inclusão depor novos proAlém disso, uma eventual paralisou um projeto bilionário da encefalopatia espongiforme cessos sobre o em derrota da União não traz Valetema, que prevê atudo exploração, na bovina, conhecida como região, de cloreto de potássio, mal da vaca louca, no virtude de um diagnóstico mais efeitos imediatos. O ‘prejuízo’ usado na produção de sudoeste de Mato Grosso fertilizantes. Planejado desde (MT), a fiscalização do e aperfeiçoado preciso de todos normalmente é diluído nos 2009 e com investimentos trânsito de animais é os processos”, explicou Advoanos seguintes, com a emisestimados em R$ a 4 bilhões, o precária. Numa faixa de 160 projeto até hoje não saiu do papel. quilômetros de fronteira cacia-Geral da União (AGU). são de títulos para pagamenEle prevê a exploração de uma entre o Brasil e a Bolívia, só há dois postos de fiscalização em operação.

OS N

3

foi vol fisca com cust

As das pa clusão rias na tério d feitura R$ 118 riam s de com

mina de carnalita que fica a cerca de 50 quilômetros ao norte da capital, Aracaju.

DOENÇ

CONTINUA

Falta e fiscaliz rebanh

Na r novo


erno federal 08 POLÍTICA

Manaus, 05 de maio de 2014

±

s causas que tramitam na esfera judicial

rios gar orróva é

dos ourno ara tiva ma raauraorroem mais dos vo).

OS NÚMEROS

31%

foi o crescimento do volume do chamado ‘risco fiscal’ que terá que ser compensado com o corte de custos ou aumento de impostos.

As estimativas foram puxadas para cima também pela inclusão de novas causas bilionárias na lista, segundo o Ministério do Planejamento. As prefeituras, por exemplo, cobram R$ 118 bilhões da União, que teriam sido perdidos em medidas de combate à crise econômica.

DOENÇAS

Falta estrutura de fiscalização para proteger

Foram também incluídas duas causas tributárias. A primeira, que pode custar até R$ 66,88 bilhões, discute se o governo poderia ou não ter revogado isenções tributárias anteriormenteconcedidas às cooperativas. Elas estavam livres do recolhimento da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL),mas essasituação foi revertida por uma medidaprovisóriaeditadaem1999. Na outra causa, estimada em R$ 35,22 bilhões, as empresas discutem se têm ou não direito a crédito tributário do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre insumos adquiridos na Zona Franca de Manaus.

Disputa por arrecadação afeta exploração


RęØ-EKN ØØ AMSEØDNØ ALEMSN Ø XØ ,EISEØ Ø3IMęRINØ EØ"QAGA Ø CNSADNØ AGTAQDAØØ

(  +$ ,

QM

DEØ NMSELØ bACEMDEQALØ TLØ RIMAKØDEØAKEQSAc ØNØOQERIDEM SEØ DAØ !KEAL Ø *NRTęØ .ESN Ø DIRREØ PTEØ ęØ bOQECIRNØ SEQØ LAIRØCTIDADNØCNLØAØDEFERAØ DNRØ OQNȫESNRØ DNØ GNUEQMNcØ MAØCARAØ/ØOQERIDEMSEØDIR REØ PTEØ AØ LAINQØ OQENCT

REGTMDAØ RELAMAØ DEØ LAIN Ø DEONIRØDEØOAQSICIOAQØDEØTLØ EMCNMSQNØ MACINMAKØ EMSQEØ KEGIRKADNQERØ ELØ "QARĝKIA Ø DEUEQĒØ REQØ QEAKIYADAØ TLAØ QETMIĔNØMAØ!RRELBKEIAØOAQAØ DIRCTSIQØ NØ bQENQDEMALEMSNØ DARØBARERØAKIADARcØ/ØOAQ

A5

POLÍTICA

BAMCADARØ 0AQAØ CNMSQNKAQØ ARØ DIRRIDĚMCIAR Ø *NRęØ -EKNØ ABQITØAØAGEMDAØOAQAØNRØOAQ KALEMSAQERØ EØ QETMITØ CNLØ BAMCADAØ ELØ ȫAMSAQØ MAØ ĨK SILAØ REGTMDA FEIQA Ø SEMDNØ CNLNØNQGAMIYADNQØNØAKIADNØ *NRTęØ.ESN

Manaus, 01 de maio de 2014

±

"")ÖQSQNDLCDÖNDCHCMÖCDÖB@QQ@ĕĒM 0QNSNCNKIYADNØOEKNØ)MRSISTSNØ !LAYģMICNØDEØ#IDADAMIAØ)ACI Ø MNØDIAØØDERSEØLĚR ØNØOEDIDNØ DEØ CARRAėĔNØ DNØ LAMDASNØ DNØ DEOTSADNØ&ATRSNØ3NTYAØ03$ Ø FNIØNMSELØRTROEMRNØOEKNRØCIMCNØ OAQKALEMSAQERØPTEØCNLOĤELØ AØ #NLIRRĔNØ DEØ #NMRSISTIėĔN Ø *TRSIėAØ EØ 2EDAėĔNØ ##*2 Ø DAØ !RRELBKEIAØ,EGIRKASIUAØ/ØOA QECEQØCNMȫTMSNØDIYØAIMDAØPTEØNØ OEDIDNØSELØFAKHAØCNMRSISTCIN MAKØONQØMĔNØSEQØRIDNØRNBQERCQISNØ ONQØMEMHTLØOAQKALEMSAQ !Ø DECIRĔNØ FNIØ ARRIMADAØ OE KNRØ DEOTSADNRØ $AUIDØ !KLEIDAØ 03$ Ø /QKAMDNØ #IDADEØ 04. Ø "EKAQLIMNØ,IMR Ø3IMęRINØ#AL ONRØ EØ OEKNØ NONRICINMIRSAØ OQę CAMDIDASNØANØGNUEQMN Ø-AQCEKNØ 2ALNR ØMTLAØQETMIĔNØLNBIKI YADAØ đRØ OQERRARØ OAQAØ NÜCIA KIYAQØ NØ OAQECEQØ PTEØ ȫĒØ HAUIAØ RIDNØ OQEOAQADNØ 5LØ ACNQDNØ OQęUINØ EMSQEØ NRØ OAQKALEMSERØ DEÜMITØ PTEØ MĔNØ HAUEQIAØ QEKA SNQØEROECĝÜCNØOAQAØAØLASęQIAØ ONKĚLICA Ø AOERAQØ DEØ 3IMęRINØØ SEQØRIDNØCNGISADN .NØOAQECEQ ØAØ##2*ØDIYØPTEØNØ OEDIDNØÜCAQĒØRTROEMRNØASęØPTEØ &ATRSNØ3NTYA ØQęTØONQØFAUNQE CILEMSNØđØOQNRSISTIėĔNØIMFAMSIK Ø REȫAØ ȫTKGADNØ MNØ 4QIBTMAKØ DEØ *TRSIėAØ DNØ !LAYNMARØ 4*!- Ø

NMDEØęØCISADNØMNØOQNCERRNØDAØ /OEQAėĔNØ%RSNCNKLNØ/ØȫTKGA LEMSN ØCNMFNQLEØNØQEKASNQØDAØ AėĔN Ø NØ DERELBAQGADNQØ 2A FAEKØ 2NLAMNØ SEQIAØ AÜQLADNØ ELØ LAQėNØ DERSEØ AMN Ø DEUEØ REQØ IMRSQTĝDNØ MNØ ÜMAKØ DERSEØ OQILEIQNØRELERSQEØ /Ø AQGTLEMSNØ TRADNØ OEKNRØ DEOTSADNRØLELBQNRØDAØ##*2Ø FNIØ NØ LERLNØ TRADNØ OEKAØ CN

.!ƋƉ+

.ÖNPDQHCDLRDÖCMÖ(@BH Ö '@KHJRMLÖ+DĒM Ö@T@

JH@ÖHLFPDQQ@PÖBMKÖSKÖ NPMȩDRMÖCDÖDKDLC@ÖďÖ "MLQRHRSHĕĒMÖCMÖ$QR@

CMÖOSDÖNDPKHR@Ö@ÖHLQRH

RSHĕĢDQÖDÖ@ÖNMNSJ@ĕĒMÖ QMJHBHR@PÖ@ÖB@QQ@ĕĒMÖCDÖ N@PJ@KDLR@PDQ LIRRĔNØ MNØ AMNØ OARRADNØ MAØ RTROEMRĔNØ DNØ OEDIDNØ DEØ CARRAėĔNØ DNØ DEOTSADNØ 2I CAQDNØ .ICNKATØ 03$ Ø QęTØ ONQØØ CNQQTOėĔNØMNØ4*!- /ØOQERIDEMSEØDNØGQTON Ø$AUIDØ !KLEIDA Ø DIRREØ PTEØ NØ OEDIDNØ BAREADNØ MNRØ MNUNRØ CARNRØ DEØ OEDNÜKIAØ EMUNKUEMDNØ &ATRSNØ

EØ DIUTKGADNRØ OEKNØ &AMSĒRSICNØ ONDEQIAØ REQØ CNMRIDEQADNØ IM CNMRSISTCINMAKØONQPTEØMĔNØFNIØ RNBQERCQISNØ ONQØ MEMHTLØ OAQ KALEMSAQØ KĝDEQØ DEØ BAMCADAØ 3EGTMDNØ EKE Ø MNØ EMSAMSN Ø AØ ##2*ØOQEFEQITØAOEMARØRTROEM DEQØ NØ SQēLISEØ ELØ bQEROEISNcØ ANØ OQNCERRNØ MNØ 4*!-Ø EØ ARØ IMUERSIGAėĤERØ IMICIADARØ OEKAØ #NLIRRĔNØ0AQKALEMSAQØDEØ)M PTęQISNØ#0) ØDAØ0EDNÜKIA ØELØ CTQRNØMAØ!KEAL b!Ø##*ØAMAKIRAØAROECSNRØKE GAIRØ EØ CNMRSISTCINMAIRØ /Ø )ACIØ MĔNØ SELØ KEGISILIDADEØ OAQAØ OEDIQØ AØ CARRAėĔNØ /Ø OEDIDNØ DEUEQIAØREQØAQPTIUADN ØLARØMĔNØ ÜYELNRØ IRRNc Ø DIRREØ !KLEIDAØ 0AQAØNØUICE OQERIDEMSEØDAØCARA Ø "EKAQLIMNØ ,IMR Ø b)RRNØ ęØ TLAØ LASęQIAØ DEØ CNLOESĚMCIAØ DNØ *TDICIĒQINØEØDAØ#0)Ø!NØRNBQER SAQ ØNØOEDIDNØÜCAØđØEROEQAØDNØ OAQECEQØDERRERØDNIRØIMRSQTLEM SNRØQERONMRĒUEIRØONQØAMAKIRAQØ NØLęQISNØDAØLASęQIAc /ØOQERIDEMSEØDAØ)ACI Ø(ALIK SNMØ,EĔN ØDIRREØPTEØIQĒØEMCALI MHAQØTLAØMNSAØIMRSISTCINMAKØELØ QEOĨDINØđØDECIRĔNØDAØ!RREL BKEIAØ b)RRNØ ęØ LAIRØ TLØ FNQLAØ PTEØEKERØEMCNMSQALØDEØADIAQØAØ DECIRĔN ØTLAØLAMNBQAØ!ØONOT KAėĔNØERSĒØCAMRADAØDIRRNc


&EDEQAKØ!RØIMFNQLAėĤERØRĔNØ DAØ!GĚMCIAØ"QARIK 'EMNIMNØ CTLOQEØ OQIRĔNØ DNLICIKIAQØ SELONQĒQIAØ DERDEØ MNUELBQNØ DNØ AMNØ OARRADNØ .ERSAØRELAMA ØTLØMNUNØKAT DNØ DNØ (NROISAKØ 5MIUEQRISĒQINØ DEØ "QARIKIAØ (5" Ø CNMCKTITØ PTEØ NØ ERSADNØ DEØ RAĨDEØ DNØ

A7

OQERĝDINØ MNØ OQAYNØ DEØ H Ø RNBØ OEMAØ DEØ EWOEDIėĔNØ DEØØ LAMDADNØDEØOQIRĔN 3EGTMDNØ NØ OQERIDEMSEØ DNØ 34& ØNØEW DEOTSADNØDEUEØUNK SAQØAØCTLOQIQØAØOEMAØMNØ#EMSQNØ DEØ)MSEQMALEMSNØEØ2EEDTCA ėĔNØ #)2 Ø DNIRØ Manaus, 01ONIRØ de maio deKATDNR Ø 2014 FEISNRØOEKAØȫTMSAØLęDICA ØCNM

POLÍTICA

!/(.!%)!*0+/

QQDKAJDH@ÖCDTDÖBMLTMB@PÖ CDQDKA@PF@CMPÖ PHÖ,MSRHLGM /Ø DEOTSADNØ ERSADTAKØ -AQ CEKNØ 2ALNRØ 03" Ø OQNOģR Ø NMSEL Ø TLØ DEBASEØ EMSQEØ NRØ OAQKALEMSAQERØDAØ!RRELBKEIAØ ,EGIRKASIUAØDNØ%RSADNØ!KEAL Ø CNLØNØ4QIBTMAKØDEØ*TRSIėAØDNØ !LAYNMARØ4*!- ØOAQAØRABEQØ PTAKØAØQEAKØRISTAėĔNØÜMAMCEIQAØ DNØĢQGĔNØ.AØNOIMIĔNØDNØOAQ KALEMSAQ Ø AØ RNCIEDADEØ CNLNØ TLØ SNDNØ OQECIRAØ RABEQØ REØ NØ 4*!-Ø UIUEØ NTØ MĔNØ TLAØ CQIREØ NQėALEMSĒQIA 3EGTMDNØ2ALNR ØNØ4QIBTMAKØ DEØ *TRSIėAØ ęØ TLAØ IMRSISTIėĔNØ RęQIA ØONQSAMSN ØFAY REØMECER RĒQINØPTEØREȫALØOQEREQUADNRØ NRØUAKNQERØQEOTBKICAMNRØDNØ%R SADNØDNØ!LAYNMARØEØDNØOAĝRØ b/ØĢQGĔNØMĔNØONDEØREQØNBȫESNØ DEØDERCNMÜAMėAØDAØRNCIEDADEØ EØDNØONUNØDNØ!LAYNMAR ØȫĒØPTEØ NØ4*!-ØęØAØĨKSILAØ`GTAQISAaØMAØ DEFERAØ DNRØ DIQEISNRØ DNØ CIDA DĔNc ØARREGTQNT %KEØ DERSACNTØ PTEØ MNØ AMNØ OARRADNØNØOQERIDEMSEØDNØ4*!- Ø DERELBAQGADNQØ!QIØ-NTSIMHN Ø OEDITØQEFNQėNØDEØQECTQRNRØDAØ !RRELBKEIAØOAQAØDAQØONRREØAØ MNUNRØ ȫTĝYERØ .TLAØ ASISTDEØ QEOTBKICAMA Ø2ALNRØDIRREØPTEØ NØOEDIDNØFNIØACASADNØ!NØEMSQAQØ DEØFęQIARØFNIØRTBRSISTĝDNØOEKNØ DERELBAQGADNQØ2AFAEKØ2NLA

MN Ø PTEØ ANØ ARRTLIQØ NØ ONRSNØ SNLAØAØDECIRĔNØDEØRTROEMDEQØ SNDNRØ NRØ OAGALEMSNR Ø OEDEØ TLAØATDISNQIAØMARØCNMSARØDNØ SQIBTMAKØEØDIYØPTEØAØIMRSISTIėĔNØ UIUEØTLAØCQIREØGQAUĝRRILAØDNØ ONMSNØDEØUIRSAØNQėALEMSĒQIN 2ALNRØDERSACNTØPTEØANØUNK SAQØDEØFęQIAR Ø-NTSIMHNØAMTKAØ AØ ONQSAQIA Ø SAWAMDN AØ DEØ DE LAGĢGICA Ø EØ SNLAØ AØ DECIRĔNØ DEØ ATLEMSAQØ NØ MĨLEQNØ DEØ UAGARØ DEØ DERELBAQGADNQER Ø NØPTEØATLEMSAØABRTQDALEMSEØ NRØGARSNRØDNØSQIBTMAKØ$IAMSEØ DERREØILOARRE ØNØOAQKALEMSAQØ DEFEMDEØ PTEØ NØ ĢQGĔNØ SELØ NØ DEUEQØ DEØ ABQIQØ RTARØ CNMSARØ OAQAØ PTEØ AØ ONOTKAėĔNØ ONRRAØ RABEQØPTAKØęØAØUEQDADEØb.ĔNØ SELØCABILEMSNØAØDECIRĔNØDNØ DERELBAQGADNQØ2AFAEKØ2NLA MNØELØRTROEMDEQØOAGALEMSNR Ø OQNLNUEQØDELIRRĔNØDEØSELON QĒQINRØEØRNKICISAQØATDISNQIAØREØ ONQØNTSQNØKADNØNØOQERIDEMSEØ!QIØ -NTSIMHNØ QERNKUEØ ATLEMSAQØ NØMĨLEQNØDEØDERELBAQGADN QERc ØDIRREØ-AQCEKNØ2ALNR /Ø DEOTSADNØ ERSADTAKØ ,TIYØ CARSQNØ003 ØELØAOAQSE ØDIRREØ PTEØERSĒØRNKICISAMDNØAØQEAKIYA ėĔNØDEØTLØDEBASEØCNLØNØĢQGĔNØ MAØ!RRELBKEIAØOAQAØERCKAQECEQØ ERRAØRISTAėĔN

LęDICN ØREØOQECIRAQ .AØ DEFERAØ AOEREMSA 3TOQELN ØNØADUNGADNØD OAQKALEMSAQ Ø ,TIYØ &EQM 0ACHECN Ø DEFEMDETØ PT CTLOQAØ OQIRĔNØ DNL DEÜMISIUAØ $EØ ACNQDNØ C ADUNGADN Ø 'EMNIMNØ ęØ O DNQØ DEØ CAQDINOASIAØ GQ

±

6+*Ã".

2DL@CMPÖQDÖPDSLHSÖ

!P@F@

/ØREMADNQØ%DTAQ EMSQEGNT ØMAØLAMHĔ ANØOQERIDEMSEØDAØ#ē $EOTSADNR Ø DEOTSA QAKØ (EMQIPTEØ %DTA 0-$" 2. Ø NØ SEWS SNØOEKNØGNUEQMNØFED AØ UNSAėĔNØ DAØ 0QN %LEMDAØđØ#NMRSISTI OAQAØAØOQNQQNGAėĔN &QAMCAØDEØ-AMATRØ LAIRØØAMNR !Ø UNSAėĔNØ DAØ LA REGTMDNØ STQMN Ø MA


DEØ )LOKAMSAėĔNØ ANØCQILEØDEØUINKAėĔNØ (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ !Ø OIQASAQIAØ DNØ REØ EM $EOAQSALEMSNØ DEØ DNØ DEØDIQEISNRØATSNQAIRØ đØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM PTADQAØ MNØ AQSIGNØ Ø (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ !Ø OIQASAQIAØ REØ EM CEMSQAėĔNØ DEØ UEMDAR Ø DIRREQØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ PTADQAØ MNØ AQSIGNØ Ø DNØ QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜØCA PTEØ AØđØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM UINKAėĔNØ DNRØ DIQEISNRØ CEMSQAėĔNØ DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ERSĒØ DIRRE ATSNQAIRØ CNMRIRSEØDEØ MAØOUEMDAR Ø QĒSICAØDEØDIRREQØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜØCA PTEØ AØ UINKAėĔNØ DNRØ DIQEISNRØ LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ QEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ERSĒØ DIRRE ATSNQAIRØCNMRIRSEØMAØOQĒSICAØDEØ NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ QEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø CNLEQCIAKØ )RRNØ UAKEØ SALBęLØ SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ OAQAØQNTOARc ØAÜØQLNTØ SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ CNLEQCIAKØ )RRNØ UAKEØ SALBęLØ SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ OAQAØQNTOARc ØAÜØQLNTØ SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØ /ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ #IUIK Ø NØ OEQÜØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØ PTEØNØCNLBASEØ DERSAØIKEGAKIDA # CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØ /ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØ DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ NØ OEQÜCØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØ PTEØNØCNLBASEØDERSAØIKEGAKIDA IMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ PTEØAØQ#IUIK Ø EOQEEMRĔNØ IUIKØ TSIKIYAØ MNØ # # #H@Ö@ÖCH@ QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØ DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ OQNDTSNØFAKRIÜØCADNØMĔNØęØOQN %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ IMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ PTEØAØQEOQEEMRĔNØCIUIKØTSIKIYAØMNØ BKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØ ANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ OQNDTSNØFAKRIÜØCADNØMĔNØęØOQN %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ OQNDTSNRØ OIQASARØ ęØ CQILEØ DEØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI BKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØ ANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ 6INKAėĔNØ DEØ $IQEISNØ !TSNQAKØ LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA OQNDTSNRØ ęØ CQILEØ ->OB@B¿FJMLPPƳSBI¿COB>O¿>¿MFO>Q>OF> ¿ OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø REØ ELØ CILAØ DNØOIQASARØ UEMDEDNQØ !Ø DEØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI RJ>¿SBW¿NRB¿KƪL¿Eƨ¿OBDFPQOL¿AB¿ !@R@JG@QÖNMPÖRMC@QÖ@QÖEPDLRDQ 6INKAėĔNØ DEØNØ$IQEISNØ !TSNQAKØ LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA #IUIKØ SELØ ONDEQØ DEØ ->OB@B¿FJMLPPƳSBI¿COB>O¿>¿MFO>Q>OF> ¿MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò Ø òØ EØ òØ 0NKĝCIAØ MRKFƭƪL¿BUBJMI>O¿B¿MLR@>P¿ABKƿK@F>P OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø REØ ELØ CILAØ DNØ UEMDEDNQØ !Ø RJ>¿SBW¿NRB¿KƪL¿Eƨ¿OBDFPQOL¿AB¿ DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØ QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò Ø òØ QEOQNDTėĔNØ EØ UEMDAØ /RØ AL EØ OQIMCIOAKLEMSEØ ASACAQØ NRØ EØ òØ 0NKĝCIAØ #IUIKØ SELØ NØ ONDEQØ DEØ MRKFƭƪL¿BUBJMI>O¿B¿MLR@>P¿ABKƿK@F>P DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØ QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY (5$Ö18+.Ö$Ö#$-8Ö"õ-"(. YNMARØ 4*!- Ø #AQKNRØ :ALISHØ QEOQNDTėĔNØ EØ UEMDAØ /RØ AL EØ OQIMCIOAKLEMSEØ ASACAQØ NRØ ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ %PTIOEØ%-Ø4%-0/ DEØ/KIUEIQAØ*ĨMINQ ØAONMSAØPTEØ BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY AØCNMDTSAØØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ NØ CNLęQCINØ DEØ OQNDTSNRØ FAK CNLEQCIAKIYAėĔNØ DEØ RIÜØCADNRØ MNØ !LAYNMAR Ø ęØ NØ ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ OQNDTSNRØOIQASARØęØTLAØ QEÝØEWNØDNRØOQNBKELARØRNCIAIRØ (5$Ö18+.Ö$Ö#$-8Ö"õ-"(. YNMARØ 4*!- Ø #AQKNRØ :ALISHØ (5$Ö18+.Ö$Ö#$-8Ö"õ-"(. 4*!- Ø :ALISHØ AØCNMDTSAØØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ QEAKIDADEØ ELØ SNDAØ EØDAØDERIGTAKDADEØMNØOAĝRØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ EØ YNMARØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ#AQKNRØ OQNDTėĤERØ AØ CAOISAK Ø DEØ /ØLAGIRSQADNØDECKAQAØ %PTIOEØ%-Ø4%-0/ DEØ/KIUEIQAØ*ĨMINQ ØAONMSAØPTEØ %PTIOEØ%-Ø4%-0/ DEØ/KIUEIQAØ*ĨMINQ ØAONMSAØPTEØ 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ LAINQIA Ø AGELØ MAØ IMFNQLAKI ATDINUIRTAIRØ RELØ OEQLIRRĔNØ ACNQDNØ CNLØ AØ DEKE PTEØ MNØ OEQĝNDNØ DEØ NØ CNLęQCINØ DEØ OQNDTSNRØ FAK CNLęQCINØ OQNDTSNRØ FAK GADAØ-AQIAØ#QIRSIMAØ ØAØØAØUAQAØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ EØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ OQNDTėĤERØ DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DNØNØATSNQØ REȫAØDEØ CQILE Ø NØ PTEØ 0NQSTGAK ØCNNQDEMA PTASQNØ CNLEQCIAKIYAėĔNØ REMSEMCINTØ DEØ RIÜØCADNRØ MNØCNLEQCIAKIYAėĔNØ !LAYNMAR Ø ęØ NØ DEØCNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ RIÜØCADNRØ MNØAGELØ !LAYNMAR Ø ęØ NØ LAINQIA Ø MAØ IMFNQLAKI ATDINUIRTAIRØ RELØ OEQLIRRĔNØ DIÜØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ DNQAØ DAØ CNLIRRĔNØ CARNRØQEKACINMADNRØ OQNDTSNRØOIQASARØęØTLAØ ØEWNØDNRØOQNBKELARØRNCIAIRØ OQNDTSNRØOIQASARØęØTLAØ QEÝØEWNØDNRØOQNBKELARØRNCIAIRØ DEØ )LOKAMSAėĔNØ DNØ ANØCQILEØDQEÝ EØUINKAėĔNØ DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DNØ ATSNQØ REȫAØ CQILE Ø NØ PTEØ ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜ ØCTKSAØ ęØ AØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø $EOAQSALEMSNØ DEØ QEAKIDADEØ ELØ SNDAØDEØDIQEISNRØATSNQAIRØ EØDAØDERIGTAKDADEØMNØOAĝRØ QEAKIDADEØ ELØ SNDAØ ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ EØDAØDERIGTAKDADEØMNØOAĝRØ DIÜØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ CNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ !Ø OIQASAQIAØ REØ EM AØ CAOISAK Ø DEØPTADQAØ MNØ AQSIGNØ Ø AØ ADPTIQEØ CAOISAK Ø DEØ /ØLAGIRSQADNØDECKAQAØ đØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM DNØ /ØLAGIRSQADNØDECKAQAØ ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜØCTKSAØ ęØ AØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø ONIRØ PTELØ OQNDTSNØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø CEMSQAėĔNØ DEØ UEMDAR Ø DIRREQØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ ACNQDNØ CNLØ AØ DEKE PTEØCNLØ MNØ OEQĝNDNØ ACNQDNØ DEKE AØDEØON CIDADĔN Ø PTEØUAIØ MNØOAQAØ OEQĝNDNØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜØCA PTEØ AØ UINKAėĔNØ DNRØ DIQEISNRØ FAKRIÜ ØCADNØ MĔNØAØ AUIRAØ PTEØ ERREØDEØ DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ERSĒØ DIRRE ATSNQAIRØCNMRIRSEØMAØOQĒSICAØGADAØ-AQIAØ#QIRSIMAØ DEØ GADAØ-AQIAØ#QIRSIMAØ ØAØØAØUAQAØ ØAØØAØUAQAØ ONIRØ PTELØ ADPTIQEØ OQNDTSNØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØ ȫTRSALEMSEØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ QEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø 0NQSTGAK ØCNNQDEMA REMSEMCINTØ PTASQNØ REMSEMCINTØ PTASQNØ NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ FAKRIÜØCADNØ MĔNØ AUIRAØ AØ ON CIDADĔN Ø PTEØ UAIØ OAQAØ ERREØ AØ 0NQSTGAK ØCNNQDEMA FNQLAØ CNLNØ EKERØ ASTALØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN CNLEQCIAKØ )RRNØ CNLIRRĔNØ UAKEØ SALBęLØ SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR DNQAØ DAØ CARNRØQEKACINMADNRØ DNQAØ DAØ CNLIRRĔNØ CARNRØQEKACINMADNRØ KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØØEWNØDAØ ȫTRSALEMSEØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝ OAQAØQNTOARc ØAÜØQLNTØ SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ DEØ )LOKAMSAėĔNØ DNØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ AKGTMRØ ANØ CQILEØDEØ UDNØ INKAėĔNØ DEØ )LOKAMSAėĔNØ ANØCCNLNØ QILEØDEØEKERØ UINKAėĔNØ %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ AØ FNQLAØ ASTALØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN OQNDTSNRØ UEQDADEIQNRØ DERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØ /ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ $EOAQSALEMSNØ DEØ DEØDIQEISNRØATSNQAIRØ $EOAQSALEMSNØ DEØ SIONØ OAĝR Ø NMDEØ DEØDIQEISNRØATSNQAIRØ NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝØEWNØDAØ NTØ MAØ IMFNQLAKIDADE Ø MĔNØ HĒØ ELOQEGNRØ #IUIK Ø NØ OEQÜØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØ PTEØNØCNLBASEØDERSAØIKEGAKIDA (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ !Ø OIQASAQIAØ REØ EM (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ !ØOQNDTSNRØ OIQASAQIAØUEQDADEIQNRØ REØ EM QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØ DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ AKGTMRØ DERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA IMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ PTEØAØQEOQEEMRĔNØCIUIKØTSIKIYAØMNØ đØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM PTADQAØ MNØ AQSIGNØ Ø DNØ đØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM PTADQAØ AQSIGNØ Ø DNØSIONØ OAĝR Ø NMDEØ MĔNØ HĒØ ELOQEGNRØ NTØ MAØMNØ IMFNQLAKIDADE Ø ALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ $EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA OQNDTSNØFAKRIÜØCADNØMĔNØęØOQN %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ BKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØ ANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ CEMSQAėĔNØ DEØ UEMDAR Ø DIRREQØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ CEMSQAėĔNØ DEØ UEMDAR Ø DIRREQØDN Ø #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA 0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI DNØ MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ OQNDTSNRØ OIQASARØ ęØ CQILEØ DEØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜ ØCA PTEØ AØ UINKAėĔNØ QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜ ØCA QECEBIDNRØ PTEØALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ AØ UINKAėĔNØ DNRØAOEMARØ DIQEISNRØ 6INKAėĔNØ DEØ $IQEISNØ !TSNQAKØ LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA $EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA LE Ø AØ 0NKĝCIAØ DNRØ #IUIK ØDIQEISNRØ ONQØ LEINØ MNØ 4*!- Ø OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØ 0EMAK ØERSĒØ REØ ELØDIRRE CILAØ DNØ UEMDEDNQØ !Ø CNMRIRSEØ DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ATSNQAIRØ M AØ O QĒSICAØ D EØ DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ERSĒØ DIRRE ATSNQAIRØ C NMRIRSEØ M AØ O QĒSICAØ 0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI DN Ø DNØ MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ DNRØ đØ UINKAėĔNØDEØ MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò Ø òØ EØ òØ 0NKĝCIAØ #IUIKØ SELØ NØ ONDEQØ DEØ $IRSQISNRØ )MSEGQADNRØ DEØ Ø QEFEQEL^REØ LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ QEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØ QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ LE Ø AØ 0NKĝCIAØ #IUIK Ø ONQØ 0NKĝCIAØ $)0R Ø DAØ $EKEGACIAØ DEØQEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø DIQEISNRØ ATSNQAIR Ø ONIRØ AØLEINØ QECEBIDNRØ MNØ 4*!- Ø AOEMARØ QEOQNDTėĔNØ EØ UEMDAØ /RØ AL EØ OQIMCIOAKLEMSEØ NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ ASACAQØ NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ NRØ DNRØDNRØ $IRSQISNRØ )MSEGQADNRØ LAINQIAØ CARNRØ ERSĔNØ QE DEØ Ø QEFEQEL^REØ đØ UINKAėĔNØ BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY DEØ 2EOQERRĔNØ ANØ #QILEØ /Q CNLEQCIAKØ )RRNØ UAKEØ %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ SALBęLØ SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR CNLEQCIAKØ )RRNØ UAKEØ SALBęLØKACINMADNRØAØQNTBNØEØERSEKIN SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ 0NKĝCIAØ $)0R Ø DAØ $EKEGACIAØ DEØ DIQEISNRØ ATSNQAIR Ø ONIRØ AØ GAMIYADNØ$2#/ ØEØ3ECCINMAKØ AØCNMDTSAØØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ OAQAØQNTOARc ØAÜ ØQLNTØ SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ OAQAØQNTOARc ØAÜØQLNTØ SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ DEØ 2EOQERRĔNØ ANØ #QILEØ QEAKIYAØCNMRSAMSERØNOEQAėĤERØ MASNØ b4AMSNØ ęØ PTEØ MNRØ REM /Q LAINQIAØ DNRØ CARNRØ ERSĔNØ QE 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ 4KÖBPHKDÖOSDÖNPMTMB@ÖQHKN@RH@ %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ EØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ OQNDTėĤERØ %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ GAMIYADNØ$2#/ ØEØ3ECCINMAKØ KACINMADNRØAØQNTBNØEØERSEKIN MAØ CAOISAKØ b0NDELNRØ CISAQØ AØ SILNRØ LTISNØ CNMRSQAMGIDNRØ LAINQIA Ø AGELØ MAØ IMFNQLAKI ATDINUIRTAIRØ RELØ OEQLIRRĔNØ CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØ CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØELØ /ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ QEAKIYAØCNMRSAMSERØNOEQAėĤERØ MASNØ b4AMSNØ ęØ PTEØ MNRØ REM DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DNØ ATSNQØ REȫAØ CQILE Ø/ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ NØ PTEØ NOEQAėĔNØQEAKIYADAØOEKAØ3EC CNMDEMAQØ NØ CALEKģØ PTEØ DIÜ ØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ CNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ #IUIK Ø NØ OEQÜØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØ PTEØ N#IUIK Ø ØCNLBASEØ DCTȫAØ ERSAØ IKEGAKIDA NØ OEQÜ ØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØERSĒØ PTEØUEMDEMDNØ NØCNLBASEØ ERSAØ MAØ CAOISAKØNØDb0NDELNRØ CISAQØ AØ SILNRØ LTISNØ CNMRSQAMGIDNRØ CINMAKØ 3TK Ø IMUERSIGAėĔNØ $6$ØIKEGAKIDA NTØ #$Ø ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜØCTKSAØ ęØ AØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØ DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØOIQASA ØPTEØDEUIDNØđØPTERSĔNØ DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ NOEQAėĔNØQEAKIYADAØOEKAØ3EC ELØ CNMDEMAQØ NØ CALEKģØ PTEØ FNIØFEISAØOEKNØ$2#/Ø.EKAØFN ONIRØ PTELØ ADPTIQEØ OQNDTSNØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø IMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ PTEØAIMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ ØQEOQEEMRĔNØCIUIKØTSIKIYAØMNØ PTEØCINMAKØ AERCNKHEØ ØQEOQEEMRĔNØ CIUIKØIMUERSIGAėĔNØ TSIKIYAØMNØ 3TK ØCNLEQCIAKIYAQØ CTȫAØ ERSĒØ UEMDEMDNØ NØ $6$Ø NTØ #$Ø FAKRIÜØCADNØ MĔNØ AUIRAØ AØ ON CIDADĔN Ø PTEØ UAIØ OAQAØQALØ ERREØ OQERNRØ MĔNØ RNLEMSEØ ARØ RNCIAKØ OQNDTSNØFAKRIÜ ØCADNØMĔNØęØOQN %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ OQNDTSNØFAKRIÜ ØCADNØMĔNØęØOQN %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØ ȫTRSALEMSEØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ FNIØFEISAØOEKNØ$2#/Ø.EKAØFN OIQASA ØPTEØDEUIDNØđØPTERSĔNØ OERRNARØ PTEØ UEMDIAL Ø LARØ OQNDTSNRØ IKEGAIRØ .NØ OEQĝNDNØ AØBKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØ FNQLAØ CNLNØ EKERØ ASTALØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN ANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ BKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØDEØANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ QALØASęØ OQERNRØ MĔNØ RNLEMSEØ ARØ RNCIAKØ ERCNKHEØ CNLEQCIAKIYAQØ AKGTMRØPTEØOQNDTYIAL ØSQAMR Ø NØ AMNØ OARRADN Ø NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝØEWNØDAØ OQNDTSNRØ CQILEØ DEØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI AKGTMRØ OQNDTSNRØOIQASARØ UEQDADEIQNRØęØDERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ OQNDTSNRØ ęØ CQILEØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI OERRNARØ PTEØ UEMDIAL Ø LARØ OQNDTSNRØ IKEGAIRØ .NØ OEQĝNDNØ ONQSAUALØ EØDOIQASARØ IRSQIBTĝALØ NRØOQN DEØDELNRØPTASQNØREMSEMėAR ØDEM NTØ MAØ IMFNQLAKIDADE Ø SIONØ OAĝR Ø NMDEØ MĔNØ HĒØ ELOQEGNRØ 6INKAėĔNØ DEØ $IQEISNØ !TSNQAKØ LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA 6INKAėĔNØ DEØ $IQEISNØ LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA AKGTMRØPTEØOQNDTYIAL ØSQAMR DEØ Ø ASęØ NØ AMNØ OARRADN Ø UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA DTSNRØ FAKRIÜØCADNRØ !CHNØ!TSNQAKØ PTEØ SQEØERRARØTLAØCNMDEMAėĔNØ4I ALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØ$EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA 0EMAK Ø REØFNIØ ELØ CILAØ DNØ UEMDEDNQØ !Ø OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØMERSEØ 0EMAK ØUELNRØTLØCARNØIMSEQERRAMSE Ø REØ ONQSAUALØ ELØ CILAØ EDNØ UEMDEDNQØ ØDIRSQIBTĝALØ NRØ!Ø OQN DELNRØPTASQNØREMSEMėAR ØDEM AØ LAINQØ NOEQAėĔNØ 0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI DN Ø DNØ MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò ØQECEBIDNRØ òØ EØ MNØ òØ4*!- Ø 0NKĝCIAØ #IUIKØ SELØ NØ ONDEQØ DEØ MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò Ø òØ EØ òØ 0NKĝCIAØ #IUIKØ SELØ NØ ONDEQØ LE Ø AØ 0NKĝCIAØ #IUIK Ø ONQØ LEINØ AOEMARØ DTSNRØ FAKRIÜ ØCADNRØ !CHNØ REMSIDNØMNØ!LAYNMARØ&NIØEW DNØ DIQIGEMSEØ DEØ TLAØ FĒBQICAØDEØPTEØ SQEØERRARØTLAØCNMDEMAėĔNØ4I DNRØ $IRSQISNRØ )MSEGQADNRØ DEØ Ø QEFEQEL^REØ đØ UINKAėĔNØ DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØ QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØMNØ$IRSQISNØ)MDTRSIQAK ØPTEØSE QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ FNIØ AØ LAINQØ NOEQAėĔNØ MERSEØ UELNRØTLØCARNØIMSEQERRAMSE Ø CEKEMSEc ØKELBQNTØØ 0NKĝCIAØ $)0R Ø DAØ $EKEGACIAØ DEØ DIQEISNRØ ATSNQAIR Ø ONIRØ AØ QEOQNDTėĔNØ EØ UEMDAØ /RØ AL OQIMCIOAKLEMSEØ NRØ AL QIAØEØFAKRIÜ QEOQNDTėĔNØ EØ ASACAQØ UEMDAØ /RØ OQIMCIOAKLEMSEØ ASACAQØ DEØ 2EOQERRĔNØ ANØ #QILEØ /Q LAINQIAØ DNRØ CARNRØEØ ERSĔNØ QE REMSIDNØMNØ!LAYNMARØ&NIØEW DNØ DIQIGEMSEØ DEØ TLAØ FĒBQICAØ ØCADNØ NØ LAMTAKØ DEØNRØ GAMIYADNØ$2#/ ØEØ3ECCINMAKØ KACINMADNRØAØQNTBNØEØERSEKIN BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY CEKEMSEc ØKELBQNTØØ MNØ$IRSQISNØ)MDTRSIQAK ØPTEØSE 1DÛ ÖDVM IMRSQTėĔNØDAØLAQCAØ#AMNM ØEØ QEAKIYAØCNMRSAMSERØNOEQAėĤERØ MASNØ b4AMSNØ ęØ PTEØ MNRØ REM ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ MAØ CAOISAKØ b0NDELNRØ CISAQØ AØ SILNRØ LTISNØ CNMRSQAMGIDNRØ QIAØ FAKRIÜØCADNØ NØ LAMTAKØ DEØ /Ø ȫTIYØ DAØ ñØ 6AQAØ #QILIMAKØ AØ OQĢOQIAØ LAQCAØ EMSQNTØ CNLØ NOEQAėĔNØQEAKIYADAØOEKAØ3EC ELØ CNMDEMAQØ NØ CALEKģØ PTEØ AØCNMDTSAØØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ AØCNMDTSAØØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ 1DÛÖDVM IMRSQTėĔNØDAØLAQCAØ#AMNM ØEØ CINMAKØ 3TK Ø CTȫAØ IMUERSIGAėĔNØ ERSĒØ UEMDEMDNØ NØ $6$Ø NTØ #$Ø -@ÖïÖ5@P@Ö"PHKHL@J ÖMÖȩSHXÖ"@PJMQÖ9@KHRGÖQĠÖQ DNØ4QIBTMAKØDEØ*TRSIėAØDNØ!LA TLAØAėĔNc ØQEKELBQA FNIØFEISAØOEKNØ$2#/Ø.EKAØFN OIQASA ØPTEØDEUIDNØđØPTERSĔNØ 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ /Ø ȫTIYØ DAØ ñØ 6AQAØ #QILIMAKØ AØ OQĢOQIAØ LAQCAØ EMSQNTØ CNLØ QALØ OQERNRØ MĔNØ RNLEMSEØ ARØ RNCIAKØ ERCNKHEØ CNLEQCIAKIYAQØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ EØOEQĝNDNØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ OQNDTėĤERØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ EØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ OQNDTėĤERØ OERRNARØ PTEØ UEMDIAL Ø LARØ OQNDTSNRØ IKEGAIRØ .NØ -@ÖïÖ5@ DNØ4QIBTMAKØDEØ*TRSIėAØDNØ!LA TLAØAėĔNc ØQEKELBQA AKGTMRØPTEØOQNDTYIAL ØSQAMR DEØ Ø ASęØ NØ AMNØATDINUIRTAIRØ OARRADN Ø LAINQIA Ø AGELØ MAØ IMFNQLAKI OEQLIRRĔNØ LAINQIA ØRELØ AGELØ MAØ IMFNQLAKI ATDINUIRTAIRØ RELØ OEQLIRRĔNØ ONQSAUALØEØDIRSQIBTĝALØNRØOQN DELNRØPTASQNØREMSEMėAR ØDEM DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DNØ ATSNQØ REȫAØ CQILE Ø NØ PTEØ DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DNØ ATSNQØ REȫAØ CQILE Ø NØ PTEØ DTSNRØ FAKRIÜØCADNRØ !CHNØ PTEØ SQEØERRARØTLAØCNMDEMAėĔNØ4I FNIØ AØØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ LAINQØ NOEQAėĔNØ MERSEØ UELNRØTLØCARNØIMSEQERRAMSE Ø DIÜ CNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ DIÜ ØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ CNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ REMSIDNØMNØ!LAYNMARØ&NIØEW DNØ DIQIGEMSEØ DEØ TLAØ FĒBQICAØ ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜØCTKSAØ ęØ AØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜØCTKSAØ ęØ AØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø CEKEMSEc ØKELBQNTØØ MNØ$IRSQISNØ)MDTRSIQAK ØPTEØSE 3EGTMDNØ QIAØ FAKRIÜØCADNØ NØ LAMTAKØ DEØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ SQNØ CARNRØ 1DÛÖDVM IMRSQTėĔNØDAØLAQCAØ#AMNM ØEØ /Ø ȫTIYØ DAØ ñØ 6AQAØADPTIQEØ #QILIMAKØ AØ OQĢOQIAØ LAQCAØ EMSQNTØ CNLØ ONIRØ PTELØ OQNDTSNØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø ONIRØ PTELØ ADPTIQEØ OQNDTSNØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø HNTUEØQEIMC -@ÖïÖ5@P@Ö"PHKHL@J ÖMÖȩSHXÖ"@PJMQÖ9@KHRGÖQĠÖQDLRDLBHMSÖOS@RPMÖNPMBDQQMQÖPDJ@BHML@CMQÖďÖNHP@R@PH@ ÖDKÖSKÖNP@XMÖCDÖÖ@LMQ DNØ4QIBTMAKØDEØ*TRSIėAØDNØ!LA TLAØAėĔNc ØQEKELBQA FAKRIÜØCADNØ MĔNØ AUIRAØ AØ ON CIDADĔN Ø PTEØ UAIØ OAQAØ ERREØ FAKRIÜ ØCADNØ MĔNØ AUIRAØ AØ ON CIDADĔN Ø PTEØ UAIØ OAQAØ ERREØ EQALØOQILĒ KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØ ȫTRSALEMSEØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØ ȫTRSALEMSEØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ CNLNØ AOKIC AØ FNQLAØ CNLNØ EKERØ ASTALØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN AØ FNQLAØ CNLNØ EKERØ ASTALØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN LEDIDAØAKSE NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝ ØEWNØDAØ NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝØEWNØDAØ DNMAQALØ A 3EGTMDNØ:ALISH ØDNRØPTA SQAMGEDNQØ OTMIQØ ERRERØ PTEØ DNRØELØFERSAR ØNTØBAIWA REØ AKGTMRØ OQNDTSNRØ UEQDADEIQNRØ DERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ AKGTMRØ OQNDTSNRØ UEQDADEIQNRØ SQNØ CARNRØDERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ QEGIRSQADNRØ MĔNØ ERSĔNØMAØONMSAØ!RØOERRNARØ DAØIMSEQMESØLĨRICARØEØNBQARØ b#QEINØ PTE HNTUEØQEIMCIDĚMCIA ØNRØQęTRØ PTEØIMFQIMGELØNØAQSIGN ØNB OAQAØNFEQECEQØAØNTSQNRØ%R NTØ MAØ IMFNQLAKIDADE Ø SIONØ OAĝR ØNTØ NMDEØ HĒØ ELOQEGNRØ SIONØ MAØMĔNØ IMFNQLAKIDADE Ø OAĝR Ø NMDEØ MĔNØ HĒØ ELOQEGNRØ CNKABNQALØ EQALØOQILĒQINRØEØQECEBEQALØ REQUALNR Ø RĔNØ OERRNARØ DEØ RARØ bGEMSIKEYARcØ RĔNØ OQĒ CNLNØ AOKICAėĔNØ OTMISIUAØ AØ BNAØ ĝMDNKEØ 0NQØ IRRNØ PTEØ AØ SICARØ IKEGAIRØ b-ERLNØ PTEØ UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA 0EKNØ FASNØ LEDIDAØAKSEQMASIUA ØEØABAM ONKĝCIAØ EØ AėĤERØ DEØ CNLBA MĔNØ ERSEȫAØ REMDNØ CNLEQ ALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ $EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA ALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ DNMAQALØ AØ $EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA OQĒSICAØ IKEGAKØ SERØDEUELØREQØCEMSQAKIYADARØ CIAKIYADNØEØRELØAØIMSEMėĔNØ CNMRSQAMGIL ERRARØ CNLØAØASEMėĔNØMAPTEKEØPTEØ 0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI DN Ø DNØ0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ b#QEINØ PTEØDN Ø DNØOERRNARØ MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ DEØKTCQN ØNØAQSIGNØęØCKAQNØANØ CAQØRETØRTRS CNKABNQALØ CNLØ AØ *TRSIėAØ OQNDTYØEØDIRSQIBTI ØMNRØCABE CNMDEMAQØ AØ OQĒSICAØ (ĒØ NØ LE Ø AØ 0NKĝCIAØ #IUIK Ø ONQØ LEINØ QECEBIDNRØ 4*!- Ø AOEMARØ LE Ø AØMNØ 0NKĝCIAØ #IUIK Ø ONQØ LEINØ 4*!- Ø AOEMARØ GAMHNØDAØRILOASIAØEØADLI 0EKNØ FASNØQECEBIDNRØ DEØ OARRAQØ OEKNØMNØ ėARØ.ĔNØUAKEØAØOEMAØLAMDAQØ DEØOQNDTSN

DIA A DIA #H@Ö@ÖCH@ # #H@Ö@ÖCH@

#

C2

#H@Ö@ÖCH@

±

RHTHC@CDÖCHQE RHTHC@CDÖ RHTHC@CDÖCHQE@Pĕ@ Manaus, 04 de maio de 2014

1(" 1#.Ö.+(5$(1

RHTHC@CDÖCHQE@Pĕ@@C@ÖCDÖLDBDQQHC@CD

->OB@B¿FJMLPPƳSBI¿COB>O¿>¿MFO>Q>OF> ¿ ->OB@B¿FJMLPPƳSBI¿COB>O¿>¿MFO>Q>OF> ¿ RJ>¿SBW¿NRB¿KƪL¿Eƨ¿OBDFPQOL¿AB¿ RJ>¿SBW¿NRB¿KƪL¿Eƨ¿OBDFPQOL¿AB¿ !Ø MRKFƭƪL¿BUBJMI>O¿B¿MLR@>P¿ABKƿK@F>P MRKFƭƪL¿BUBJMI>O¿B¿MLR@>P¿ABKƿK@F>P

1DÛÖDVM /Ø ȫTIYØ DAØ ñØ 6AQAØ #QILIMAKØ DNØ4QIBTMAKØDEØ*TRSIėAØDNØ!LA

3EGTMDNØ:ALISH ØDNRØPTA SQNØ CARNRØ QEGIRSQADNRØ MĔNØ HNTUEØQEIMCIDĚMCIA ØNRØQęTRØ EQALØOQILĒQINRØEØQECEBEQALØ CNLNØ AOKICAėĔNØ OTMISIUAØ AØ LEDIDAØAKSEQMASIUA ØEØABAM DNMAQALØ AØ OQĒSICAØ IKEGAKØ b#QEINØ PTEØ ERRARØ OERRNARØ CNKABNQALØ CNLØ AØ *TRSIėAØ 0EKNØ FASNØ DEØ OARRAQØ OEKNØ CNMRSQAMGILEMSNØDEØȫTRSIÜØ CAQØRETØRTRSEMSNØCNLØUEMDARØ DEØOQNDTSNRØIKEGAIR ØANØQER ONMDEQELØ NØ OQNCERRN Ø EKARØ MĔNØUNKSALØAØAGIQØIKEGALEM SEc ØAMAKIRA b&QIRNØPTEØREØSNQMAØCNMR

SQAMGEDNQØ OTMIQØ ERRERØ PTEØ ERSĔNØMAØONMSAØ!RØOERRNARØ PTEØIMFQIMGELØNØAQSIGN ØNB REQUALNR Ø RĔNØ OERRNARØ DEØ BNAØ ĝMDNKEØ 0NQØ IRRNØ PTEØ AØ ONKĝCIAØ EØ AėĤERØ DEØ CNLBA SERØDEUELØREQØCEMSQAKIYADARØ CNLØAØASEMėĔNØMAPTEKEØPTEØ OQNDTYØEØDIRSQIBTI ØMNRØCABE ėARØ.ĔNØUAKEØAØOEMAØLAMDAQØ TLØCIDADĔNØđØCADEIAØONQØFASNØ SĔNØOEPTEMN ØEØAIMDAØCNLNØ OQILEIQNØQęTc ØNBREQUA !Ø OIQASAQIAØ REØ AOQEREMSAØ DEØFNQLAØRTSIKØ$IRSQIBTI REØ CNLNØ KELBQAMėAØ #$RØ QE OQNDTYIDNRØ OAQAØ CNMUIDA

a/HP@RDHPMQbÖDKÖ @ĕĒMÖNPMCSRMQÖ OSDÖTHP@KÖAPHLCDQ

/TSQNØUIęRØMNØCNLBASEØđØ OIQASAQIAØęØNØ%RCQISĢQINØ#EM SQAKØDEØ!QQECADAėĔNØEØ$IR SQIBTIėĔNØ%CAD ØILBTĝDNØDEØ CEMSQAKIYAQØAØAQQECADAėĔNØEØ DIRSQIBTIėĔNØDNRØDIQEISNRØAT SNQAIRØDEØEWECTėĔNØLTRICAKØ OĨBKICAØ!ØIMRSISTIėĔNØOQIUA DA ØRELØÜØMRØKTCQASIUNR ØFNIØ IMRSISTĝDAØOEKAØKEIØØ EØLAMSIDAØOEKARØKEIRØFEDE QAIRØØEØ Ø EØLAMSęLØTLAØUEQDADEIQAØ BQIGAØCNLØRAKĤERØDEØFERSARØ EØEUEMSNRØb/Ø%CADØPTEQØCN BQAQØ%LØSERE ØELØEUEMSNR Ø MERSARØDIRSQIBTIėĤERØMĔNØHĒØ KTCQNR Ø LARØ NRØ CNLONRI SNQERØ EØ ATSNQERØ SĚLØ RETRØ DIQEISNRØ ATSNQAIRØ ELØ RTARØ NBQARc Ø CNLEMSAØ NØ LAGIR SQADNØ#AQKNRØ:ALISH 2DKÖKDCM !ØUEMDEDNQAØDEØ$6$RØOI QASARØ !MA Ø Ø MNLEØ ÜØCSĝ CIN ØHĒØØAMNRØCNKABNQAØCNLØ AØQEMDAØFALIKIAQØNBSIDAØCNLØ AØUEMDAØIMFNQLAKØDIĒQIAØ!Ø CALEKģØ DIYØ MĔNØ SEQØ LEDNØ DEØREQØOQERAØNTØOQNCERRADAØ OEKAØ*TRSIėAØb*ĒØOARREIØONQØ DTARØ AOQEEMRĤERØ DAØ ONKĝ CIA Ø PTAMDNØ KEUAQALØ SNDAØ AØLEQCADNQIAØ2ECTOEQEIØNRØ OQNDTSNRØEØQESNLEIØARØUEM DARØýØARRILØPTEØRTRSEMSNØ LIMHAØFALĝKIAc ØDIRREØ !MAØ ȫTRSIÜØCAØ RTAØ OEQ RIRSĚMCIAØ MNØ CNLęQCINØ IKE

GAKØ EØ AÜØQLAØ SEQØ LTISNRØ CNMCNQQEMSERØ MAØ LERLAØ AUEMIDA Ø PTEØ AOEKALØ OAQAØ OQEėNØ BAIWNØ EØ OQNLNėĤERØ OAQAØ REØ RNBQERRAĝQELØ DNRØ DELAIRØALBTKAMSERØb#ADAØ TMIDADEØCTRSAØ2ØØEØSELØ AØOQNLNėĔNØDEØSQĚRØÜØKLERØ ONQØ 2Ø Ø #NMRIGNØ KTCQN Ø AIMDAØ REMDNØ QEUEMDEDNQAØ #NLOQNØ DNØ FNQMECEDNQØ AØ 2Ø ØAØTMIDADEc ØQEUEKA Ø LARØRELØPTEQEQØIDEMSIÜØCAQØ RETØbFNQMECEDNQc

/DL@ $EØ ACNQDNØ CNLØ NØ AQSI GNØ Ø DNØ #ĢDIGNØ 0EMAKØ "QARIKEIQNØ #0" Ø ęØ OQE UIRSAØ AØ QECKTRĔNØ DEØ Ø AØ Ø AMNRØ LAIRØ LTKSA Ø OAQAØ PTELØ QEOQNDTYIQØ SNSAKØ NTØ OAQCIAKLEMSE ØCNLØIMSTISNØ DEØKTCQNØDIQESNØNTØIMDIQESN Ø NBQAØIMSEKECSTAK ØIMSEQOQE SAėĔN ØEWECTėĔNØNTØFNMN GQALA Ø RELØ ATSNQIYAėĔNØ EWOQERRAØDNØATSNQ ØAQSIRSA Ø IMSęQOQESE ØOQNDTSNQØNTØDEØ PTELØNRØQEOQEREMSEØ !ØOEMAØęØAØLERLAØOAQAØ PTEL Ø UIRAMDNØ KTCQN Ø DIR SQIBTI Ø UEMDE Ø EWOĤEØ đØ UEMDA Ø AKTGA Ø IMSQNDTYØ MNØ OAĝR Ø ADPTIQE Ø NCTKSA Ø SELØ ELØ DEOĢRISN Ø NQIGIMAKØ NTØ CĢOIAØ DEØ NBQAØ IMSEKECSTAKØ NTØFNMNGQALAØQEOQNDTYIDNØ CNLØUINKAėĔNØDNØDIQEISNØDEØ ATSNQØNØQEOQEREMSAMSEØ

Ö@SQĘLBH@ÖCDÖSK@ÖPDNPDDLQĒMÖDÚÖBHDLRDÖ@MÖBMKėPBHMÖCDÖNPMCSRMQÖNHP@R@QÖHLBDLRHT@ÖQS@ÖNPMJHEDP@ĕĒM

DNRØELØFERSAR ØNTØBAIWA REØ DAØIMSEQMESØLĨRICARØEØNBQARØ OAQAØNFEQECEQØAØNTSQNRØ%R RARØ bGEMSIKEYARcØ RĔNØ OQĒ SICARØ IKEGAIRØ b-ERLNØ PTEØ MĔNØ ERSEȫAØ REMDNØ CNLEQ CIAKIYADNØEØRELØAØIMSEMėĔNØ DEØKTCQN ØNØAQSIGNØęØCKAQNØANØ CNMDEMAQØ AØ OQĒSICAØ (ĒØ NØ GAMHNØDAØRILOASIAØEØADLI QAėĔNØDNRØOQEREMSEADNRØ/Ø CQILEØASTAØSALBęLØMNØLEINØ UIQSTAK ØLARØFAYEQØDNVMKNADØ DEØ NBQARØ OAQAØ ÜØLØ OERRNAKØ MĔNØęØCQILEØ4NQMA REØPTAM DNØHĒØNØCNLOAQSIKHALEMSNc Ø EWOKICAØNØȫTIYØØ

(.-$Ö,.1$-.

CNLEQCIAKIYAėĔNØ DEØ OQNDTSNRØOIQASARØęØTLAØ QEAKIDADEØ ELØ SNDAØ AØ CAOISAK Ø DEØ ACNQDNØ CNLØ AØ DEKE GADAØ-AQIAØ#QIRSIMAØ 0NQSTGAK ØCNNQDEMA DNQAØ DAØ CNLIRRĔNØ DEØ )LOKAMSAėĔNØ DNØ $EOAQSALEMSNØ DEØ (NLICĝDINRØEØ0QNSEėĔNØ đØ0ERRNAØ$(00 Øb3EØAØCNM CEMSQAėĔNØ DEØ UEMDAR Ø DIRREQØ QEROEISNØAØ$6$ØEØ#$ØFAKRIÜØCA DNR Ø IMFEKIYLEMSEØ ERSĒØ DIRRE LIMADNØOEKAØCIDADE ØONQØSNDNRØ NRØ BAIQQNRØ PTEØ SEMHALØ RESNQØ CNLEQCIAKØ )RRNØ UAKEØ SALBęLØ OAQAØQNTOARc ØAÜØQLNTØ %KAØEWOKICNTØPTE ØDEØACNQDNØ CNLØAMĒKIREØFEISAØOEKAØ0NKĝCIAØ #IUIK Ø NØ OEQÜØKØ DNRØ bOIQASEIQNRcØ QEUEKAØTLAØOERRNAØCNLTLØPTEØ IMFEKIYLEMSEØACHAØPTEØUEMDEQØ OQNDTSNØFAKRIÜØCADNØMĔNØęØOQN BKELAØ#NMSTDN ØCNLEQCIAKIYAQØ OQNDTSNRØ OIQASARØ ęØ CQILEØ DEØ 6INKAėĔNØ DEØ $IQEISNØ !TSNQAKØ OQEUIRSNØ MNØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø MNRØ OAQĒGQAFNRØ ò Ø òØ EØ òØ DNØAQSIGNØ ØPTEØSQASALØDAØ QEOQNDTėĔNØ EØ UEMDAØ /RØ AL BTKAMSERØONDELØREQØOQERNRØELØ ÝØAGQAMSEØCARNØREȫAØOEQCEBIDAØ AØCNMDTSAØØ 0NQSTGAKØEWOKICNTØAØASTAėĔNØ DNRØIMFQASNQERØPTE ØELØGQAMDEØ LAINQIA Ø AGELØ MAØ IMFNQLAKI DADEØDNØCNLęQCINØALBTKAMSE Ø DIÜØCTKSAØAØKNCAKIYAėĔNØEØAėĔNØ ONKICIAKØ b/Ø PTEØ DIÜØCTKSAØ ęØ AØ FAKSAØDEØIMFNQLAėĔN ØDEMĨMCIA Ø ONIRØ PTELØ ADPTIQEØ OQNDTSNØ FAKRIÜØCADNØ MĔNØ AUIRAØ AØ ON KĝCIAØ %Ø NTSQAØ ęØ ȫTRSALEMSEØ AØ FNQLAØ CNLNØ EKERØ ASTALØ NTØ TSIKIYAL REØ DEØ KNȫARØ CNLØ AKGTMRØ OQNDTSNRØ UEQDADEIQNRØ NTØ MAØ IMFNQLAKIDADE Ø SIONØ UEMDAØ DIQESAØ ANØ CNMRTLIDNQØ ALBTKAMSE c ØEWOKICISNTØ 0AQAØCNIBIQØERREØSIONØDEØCQI LE Ø AØ 0NKĝCIAØ #IUIK Ø ONQØ LEINØ DNRØ $IRSQISNRØ )MSEGQADNRØ DEØ 0NKĝCIAØ $)0R Ø DAØ $EKEGACIAØ DEØ 2EOQERRĔNØ ANØ #QILEØ /Q GAMIYADNØ$2#/ ØEØ3ECCINMAKØ QEAKIYAØCNMRSAMSERØNOEQAėĤERØ MAØ CAOISAKØ b0NDELNRØ CISAQØ AØ NOEQAėĔNØQEAKIYADAØOEKAØ3EC CINMAKØ 3TK Ø CTȫAØ IMUERSIGAėĔNØ FNIØFEISAØOEKNØ$2#/Ø.EKAØFN QALØ OQERNRØ MĔNØ RNLEMSEØ ARØ OERRNARØ PTEØ UEMDIAL Ø LARØ AKGTMRØPTEØOQNDTYIAL ØSQAMR ONQSAUALØEØDIRSQIBTĝALØNRØOQN DTSNRØ FAKRIÜØCADNRØ !CHNØ PTEØ FNIØ AØ LAINQØ NOEQAėĔNØ MERSEØ REMSIDNØMNØ!LAYNMARØ&NIØEW CEKEMSEc ØKELBQNTØØ

YNMARØ 4*!- Ø #AQKNRØ :ALISHØ DEØ/KIUEIQAØ*ĨMINQ ØAONMSAØPTEØ NØ CNLęQCINØ DEØ OQNDTSNRØ FAK RIÜØCADNRØ MNØ !LAYNMAR Ø ęØ NØ QEÝØEWNØDNRØOQNBKELARØRNCIAIRØ EØDAØDERIGTAKDADEØMNØOAĝRØ /ØLAGIRSQADNØDECKAQAØ PTEØ MNØ OEQĝNDNØ DEØ ØAØØAØUAQAØ REMSEMCINTØ PTASQNØ CARNRØQEKACINMADNRØ ANØCQILEØDEØUINKAėĔNØ DEØDIQEISNRØATSNQAIRØ !Ø OIQASAQIAØ REØ EM PTADQAØ MNØ AQSIGNØ Ø DNØ #ĢDIGNØ 0EMAK Ø DESEQLIMAMDNØ PTEØ AØ UINKAėĔNØ DNRØ DIQEISNRØ ATSNQAIRØCNMRIRSEØMAØOQĒSICAØDEØ QEOQNDTYIQ ØONQØPTAKPTEQØLEIN Ø NBQAØIMSEKECSTAK ØELØOAQSEØNTØ SNDN ØOAQAØNØCNLęQCINØNTØDIR SQIBTIėĔNØRELØATSNQIYAėĔNØDNØ ATSNQØDNØOQNDTSNØ /ØȫTIYØ#AQKNRØ:ALISHØDECKAQAØ PTEØNØCNLBASEØDERSAØIKEGAKIDA DEØSELØNØEMSQAUEØMNØLęSNDNØ PTEØAØQEOQEEMRĔNØCIUIKØTSIKIYAØMNØ %RSADN ØONIRØNØASAPTEØSELØRIDNØ ANRØCNLEQCIAMSERØIMFNQLAIR ØAØ OAQSEØFQACAØDERSAØCADEIAØCQI LIMNRAØb.NQLAKLEMSEØASTA REØ ELØ CILAØ DNØ UEMDEDNQØ !Ø 0NKĝCIAØ #IUIKØ SELØ NØ ONDEQØ DEØ QEOQILIQØNRØCNLęQCINRØOIQASARØ EØ OQIMCIOAKLEMSEØ ASACAQØ NRØ CNMSQAUEMSNQERc ØDIY %LBNQAØAØONOTKAėĔNØERSEȫAØ LARRIUALEMSEØCIEMSEØDEØPTEØAØ QEOQNDTėĔN Ø CNLEQCIAKIYAėĔNØ EØ DIRSQIBTIėĔNØ DEØ OQNDTėĤERØ ATDINUIRTAIRØ RELØ OEQLIRRĔNØ DNØ ATSNQØ REȫAØ CQILE Ø NØ PTEØ CNMSQIBTIØOAQAØNØCQERCILEMSNØ DAØOIQASAQIA ØREGTMDNØ:ALISH Ø ęØNØOQNBKELAØRNCIAKØDECNQQEMSEØ DAØFAKSAØDEØNONQSTMIDADEØb/Ø CIDADĔN Ø PTEØ UAIØ OAQAØ ERREØ CALIMHN ØMĔNØUAIØONQPTEØPTEQØ REQØCQILIMNRNØ.NØCALONØRN CINKĢGICN ØERSEØęØNØQEÝØEWNØDAØ DERIGTAKDADEØRNCIAKØDNØMNRRNØ OAĝR Ø NMDEØ MĔNØ HĒØ ELOQEGNRØ DECEMSERØAØSNDNRaa ØDECKAQA $EØACNQDNØCNLØNØLAGIRSQA DN Ø DNØ MĨLEQNØ DEØ OQNCERRNRØ QECEBIDNRØ MNØ 4*!- Ø AOEMARØ Ø QEFEQEL^REØ đØ UINKAėĔNØ DEØ DIQEISNRØ ATSNQAIR Ø ONIRØ AØ LAINQIAØ DNRØ CARNRØ ERSĔNØ QE KACINMADNRØAØQNTBNØEØERSEKIN MASNØ b4AMSNØ ęØ PTEØ MNRØ REM SILNRØ LTISNØ CNMRSQAMGIDNRØ ELØ CNMDEMAQØ NØ CALEKģØ PTEØ ERSĒØ UEMDEMDNØ NØ $6$Ø NTØ #$Ø OIQASA ØPTEØDEUIDNØđØPTERSĔNØ RNCIAKØ ERCNKHEØ CNLEQCIAKIYAQØ OQNDTSNRØ IKEGAIRØ .NØ OEQĝNDNØ DEØ Ø ASęØ NØ AMNØ OARRADN Ø DELNRØPTASQNØREMSEMėAR ØDEM SQEØERRARØTLAØCNMDEMAėĔNØ4I UELNRØTLØCARNØIMSEQERRAMSE Ø DNØ DIQIGEMSEØ DEØ TLAØ FĒBQICAØ MNØ$IRSQISNØ)MDTRSIQAK ØPTEØSE QIAØ FAKRIÜØCADNØ NØ LAMTAKØ DEØ IMRSQTėĔNØDAØLAQCAØ#AMNM ØEØ AØ OQĢOQIAØ LAQCAØ EMSQNTØ CNLØ -@ÖïÖ5@P@Ö"PHKHL@J ÖMÖȩSHXÖ"@PJMQÖ9@KHRGÖQĠÖQDLRDLBHMSÖOS@RPMÖNPMBDQQMQÖPDJ@BHML@CMQÖďÖNHP@R@PH@ ÖDKÖSKÖNP@XMÖCDÖÖ@LMQ TLAØAėĔNc ØQEKELBQA

(.-$Ö,.1$-.

(5$Ö18+.Ö$Ö#$-8Ö"õ-"(. %PTIOEØ%-Ø4%-0/

#($&.Ö) - 3ö

-!.!53 Ø$/-).'/ ØØ$%Ø-!)/Ø$%Ø

4KÖ

4KÖBPHKDÖOSDÖNPMTMB@ÖQHKN@RH@

CONTINUA


C2

DIA A DIA Manaus, 04 de maio de 2014

±

HXÖ"@PJMQÖ9@KHRGÖQĠÖQDLRDLBHMSÖOS@RPMÖNPMBDQQMQÖPDJ@BHML@CMQÖďÖNHP@R@PH@ ÖDKÖSKÖNP@XMÖCDÖÖ@LMQ

4KÖBPHKDÖOSDÖNPMTMB@ÖQHKN@RH@ 3EGTMDNØ:ALISH ØDNRØPTA SQNØ CARNRØ QEGIRSQADNRØ MĔNØ HNTUEØQEIMCIDĚMCIA ØNRØQęTRØ EQALØOQILĒQINRØEØQECEBEQALØ CNLNØ AOKICAėĔNØ OTMISIUAØ AØ LEDIDAØAKSEQMASIUA ØEØABAM DNMAQALØ AØ OQĒSICAØ IKEGAKØ b#QEINØ PTEØ ERRARØ OERRNARØ CNKABNQALØ CNLØ AØ *TRSIėAØ 0EKNØ FASNØ DEØ OARRAQØ OEKNØ CNMRSQAMGILEMSNØDEØȫTRSIÜØ CAQØRETØRTRSEMSNØCNLØUEMDARØ DEØOQNDTSNRØIKEGAIR ØANØQER ONMDEQELØ NØ OQNCERRN Ø EKARØ MĔNØUNKSALØAØAGIQØIKEGALEM SEc ØAMAKIRA b&QIRNØPTEØREØSNQMAØCNMR

SQAMGEDNQØ OTMIQØ ERRERØ PTEØ ERSĔNØMAØONMSAØ!RØOERRNARØ PTEØIMFQIMGELØNØAQSIGN ØNB REQUALNR Ø RĔNØ OERRNARØ DEØ BNAØ ĝMDNKEØ 0NQØ IRRNØ PTEØ AØ ONKĝCIAØ EØ AėĤERØ DEØ CNLBA SERØDEUELØREQØCEMSQAKIYADARØ CNLØAØASEMėĔNØMAPTEKEØPTEØ OQNDTYØEØDIRSQIBTI ØMNRØCABE ėARØ.ĔNØUAKEØAØOEMAØLAMDAQØ TLØCIDADĔNØđØCADEIAØONQØFASNØ SĔNØOEPTEMN ØEØAIMDAØCNLNØ OQILEIQNØQęTc ØNBREQUA !Ø OIQASAQIAØ REØ AOQEREMSAØ DEØFNQLAØRTSIKØ$IRSQIBTI REØ CNLNØ KELBQAMėAØ #$RØ QE OQNDTYIDNRØ OAQAØ CNMUIDA

DNRØELØFERSAR ØNTØBAIWA REØ DAØIMSEQMESØLĨRICARØEØNBQARØ OAQAØNFEQECEQØAØNTSQNRØ%R RARØ bGEMSIKEYARcØ RĔNØ OQĒ SICARØ IKEGAIRØ b-ERLNØ PTEØ MĔNØ ERSEȫAØ REMDNØ CNLEQ CIAKIYADNØEØRELØAØIMSEMėĔNØ DEØKTCQN ØNØAQSIGNØęØCKAQNØANØ CNMDEMAQØ AØ OQĒSICAØ (ĒØ NØ GAMHNØDAØRILOASIAØEØADLI QAėĔNØDNRØOQEREMSEADNRØ/Ø CQILEØASTAØSALBęLØMNØLEINØ UIQSTAK ØLARØFAYEQØDNVMKNADØ DEØ NBQARØ OAQAØ ÜØLØ OERRNAKØ MĔNØęØCQILEØ4NQMA REØPTAM DNØHĒØNØCNLOAQSIKHALEMSNc Ø EWOKICAØNØȫTIYØØ

CONTINUA


@ÖCDÖLDBDQ C3 ±

a/HP@RDHPMQbÖDKÖ @ĕĒMÖNPMCSRMQÖ OSDÖTHP@KÖAPHLCDQ

DIA A DIA

1(" 1#.Ö.+(5$(1

Manaus, 04 de maio de 2014

!@R@JG@QÖNMPÖRMC@QÖ@QÖEPDLRDQ /TSQNØUIęRØMNØCNLBASEØđØ OIQASAQIAØęØNØ%RCQISĢQINØ#EM SQAKØDEØ!QQECADAėĔNØEØ$IR SQIBTIėĔNØ%CAD ØILBTĝDNØDEØ CEMSQAKIYAQØAØAQQECADAėĔNØEØ DIRSQIBTIėĔNØDNRØDIQEISNRØAT SNQAIRØDEØEWECTėĔNØLTRICAKØ OĨBKICAØ!ØIMRSISTIėĔNØOQIUA DA ØRELØÜØMRØKTCQASIUNR ØFNIØ IMRSISTĝDAØOEKAØKEIØØ EØLAMSIDAØOEKARØKEIRØFEDE QAIRØØEØ Ø EØLAMSęLØTLAØUEQDADEIQAØ BQIGAØCNLØRAKĤERØDEØFERSARØ EØEUEMSNRØb/Ø%CADØPTEQØCN BQAQØ%LØSERE ØELØEUEMSNR Ø MERSARØDIRSQIBTIėĤERØMĔNØHĒØ KTCQNR Ø LARØ NRØ CNLONRI SNQERØ EØ ATSNQERØ SĚLØ RETRØ DIQEISNRØ ATSNQAIRØ ELØ RTARØ NBQARc Ø CNLEMSAØ NØ LAGIR SQADNØ#AQKNRØ:ALISH 2DKÖKDCM !ØUEMDEDNQAØDEØ$6$RØOI QASARØ !MA Ø Ø MNLEØ ÜØCSĝ CIN ØHĒØØAMNRØCNKABNQAØCNLØ AØQEMDAØFALIKIAQØNBSIDAØCNLØ AØUEMDAØIMFNQLAKØDIĒQIAØ!Ø CALEKģØ DIYØ MĔNØ SEQØ LEDNØ DEØREQØOQERAØNTØOQNCERRADAØ OEKAØ*TRSIėAØb*ĒØOARREIØONQØ DTARØ AOQEEMRĤERØ DAØ ONKĝ CIA Ø PTAMDNØ KEUAQALØ SNDAØ AØLEQCADNQIAØ2ECTOEQEIØNRØ OQNDTSNRØEØQESNLEIØARØUEM DARØýØARRILØPTEØRTRSEMSNØ LIMHAØFALĝKIAc ØDIRREØ !MAØ ȫTRSIÜØCAØ RTAØ OEQ RIRSĚMCIAØ MNØ CNLęQCINØ IKE

GAKØ EØ AÜØQLAØ SEQØ LTISNRØ CNMCNQQEMSERØ MAØ LERLAØ AUEMIDA Ø PTEØ AOEKALØ OAQAØ OQEėNØ BAIWNØ EØ OQNLNėĤERØ OAQAØ REØ RNBQERRAĝQELØ DNRØ DELAIRØALBTKAMSERØb#ADAØ TMIDADEØCTRSAØ2ØØEØSELØ AØOQNLNėĔNØDEØSQĚRØÜØKLERØ ONQØ 2Ø Ø #NMRIGNØ KTCQN Ø AIMDAØ REMDNØ QEUEMDEDNQAØ #NLOQNØ DNØ FNQMECEDNQØ AØ 2Ø ØAØTMIDADEc ØQEUEKA Ø LARØRELØPTEQEQØIDEMSIÜØCAQØ RETØbFNQMECEDNQc /DL@ $EØ ACNQDNØ CNLØ NØ AQSI GNØ Ø DNØ #ĢDIGNØ 0EMAKØ "QARIKEIQNØ #0" Ø ęØ OQE UIRSAØ AØ QECKTRĔNØ DEØ Ø AØ Ø AMNRØ LAIRØ LTKSA Ø OAQAØ PTELØ QEOQNDTYIQØ SNSAKØ NTØ OAQCIAKLEMSE ØCNLØIMSTISNØ DEØKTCQNØDIQESNØNTØIMDIQESN Ø NBQAØIMSEKECSTAK ØIMSEQOQE SAėĔN ØEWECTėĔNØNTØFNMN GQALA Ø RELØ ATSNQIYAėĔNØ EWOQERRAØDNØATSNQ ØAQSIRSA Ø IMSęQOQESE ØOQNDTSNQØNTØDEØ PTELØNRØQEOQEREMSEØ !ØOEMAØęØAØLERLAØOAQAØ PTEL Ø UIRAMDNØ KTCQN Ø DIR SQIBTI Ø UEMDE Ø EWOĤEØ đØ UEMDA Ø AKTGA Ø IMSQNDTYØ MNØ OAĝR Ø ADPTIQE Ø NCTKSA Ø SELØ ELØ DEOĢRISN Ø NQIGIMAKØ NTØ CĢOIAØ DEØ NBQAØ IMSEKECSTAKØ NTØFNMNGQALAØQEOQNDTYIDNØ CNLØUINKAėĔNØDNØDIQEISNØDEØ ATSNQØNØQEOQEREMSAMSEØ

Ö@SQĘLBH@ÖCDÖSK@ÖPD


REMRIBIKIYAQØNRØREQUIDNQERØOAQAØ OQNLNėĔNØ DAØ OAYØ MNØ SQēMRISNØ E ØSALBęL ØGEQAQØAØCTKSTQAØDEØ LTKSIOKICADNQERØ DEØ EDTCAėĔNØ MNØSQēMRISNØb%RSALNRØABQIMDNØ MNUARØFQEMSERØDEØDIRCTRRĤERØEØ ASIUIDADERØOQĒSICARØRNBQEØERREØ SELA ØPTEØONQØLTISARØUEYERØęØ CEQCADNØDEØLISNR ØDEØOQECNMCEI SNRØNTØAOEMARØDERIMFNQLAėĔNc Ø DIRREØ*NRTę 4ALBęLØ CNLNØ OAQSEØ DAØ CALOAMHAØ b*TMSNRØ OEKAØ OAYØ

BKEIAØOAQAØUEICTKAQØLEMRAGEMRØ DIĒQIARØRNBQEØEDTCAėĔNØMNØSQēM RISNØMNRØUEĝCTKNRØIMRSISTCINMAIRØ ^Ø2ĒDINØ!KEAL Ø46Ø!KEAL ØRISEØ EØQEDERØRNCIAIR !NØOQNONQØNØOACSNØOEKAØUIDA Ø *NRTęØ .ESNØ OEDITØ NØ AONINØ DEØ SNDAØ AØ RNCIEDADE Ø MNØ REMSIDNØ Manaus, 05 de maio de 2014 DEØCNMRSQTIQØTLAØGQAMDEØQEDEØ OAQAØPTEØREØONRRAØbFAYEQØDER SEØ AMNØ DEØ Ø TLØ AMNØ CNLØ LEMNQERØĝMDICERØDEØACIDEMSERØØ #SP@LRDÖRMCMÖDQRDÖKĘQ Ö@ÖHJSKHL@ĕĒMÖLMR EØLNQSERØMNØSQēMRISNc

A5

POLÍTICA

±

!),.!/Ã%),(5

3) ,ÖLDF@ÖNDCHCMÖBMLRP@Ö@Ö",, /ØȫTIYØ#EYAQØ,TIYØ"AMDIEQA ØDAØ ñØ6AQAØDAØ&AYEMDAØ0ĨBKICAØ-T MICIOAK Ø DESEQLIMNTØ AØ EWSIMėĔNØ DNØ OQNCERRN Ø RELØ ȫTKGALEMSNØ DNØ LęQISN Ø QEFEQEMSEØ đØ AėĔNØ LNUIDAØOEKAØELOQERAØ)LOKXØ4EC MNKNGIAØ%KESQģMICAØ,SDAØCNMSQAØ AØ#ēLAQAØ-TMICIOAKØDEØ-AMATRØ #-- Ø MNØ CARNØ DAØ RTROEMRĔNØ DAØ KICISAėĔNØ PTEØ QERTKSNTØ MAØ CNLOQAØDNØOAIMEKØEKESQģMICNØELØ DEYELBQNØ DEØ Ø !Ø DECIRĔNØ FNIØ OQNFEQIDAØ OEKNØ LAGIRSQADNØ MNØ ĨKSILNØ DIAØ Ø EØ OTBKICADAØ MNØ RISEØ DNØ 4QIBTMAKØ DEØ *TRSIėAØ DNØ !LAYNMARØ 4*!- Ø MNØ DIAØ ØDEØABQIK b%RRAØ DECIRĔNØ DNØ 4*Ø ęØ LAIRØ TLAØ OQNUAØ DEØ PTEØ ÜYELNRØ NØ CEQSNØ !SEMDELNRØ ANØ OQIMCĝOINØ DAØ ECNMNLICIDADEØ %RSALNRØ SQABAKHAMDNØ MNQLAKLEMSEØ CNLØ NØ OAIMEKØ AMSIGNØ EØ CNLØ IRRNØÜYELNRØIMUERSILEMSNRØELØ

NTSQARØĒQEARØPTEØERSAUALØBELØ OQECĒQIARØ%RRAØLEDIDAØDNØ4QI BTMAKØDEØ*TRSIėAØUAIØMAØDIQEėĔNØ DEØ STDNØ APTIKNØ PTEØ ERSALNRØ FAYEMDNØ APTIØ MAØ #-- Ø AØ NSI LIYAėĔNØDNRØQECTQRNRc ØDIRREØNØ OQERIDEMSEØ DAØ #-- Ø UEQEADNQØ "NRCNØ3AQAIUAØ03$" ØANØSNLAQØ CNMHECILEMSNØDAØREMSEMėAØFA UNQĒUEKØ,EGIRKASIUNØ .AØ AėĔNØ LNUIDAØ ONQØ OEQDARØ EØ DAMNR Ø AØ )LOKXØ AKEGNTØ NØ DI QEISNØ DEØ QECEBEQØ DAØ #ēLAQAØ TLAØIMDEMIYAėĔNØMNØUAKNQØDEØ2Ø  ØLIKØ/ØOAIMEKØFNIØKICISADNØ OEKAØ #-- Ø MAØ GERSĔNØ DNØ EW OQERIDEMSEØ )RAACØ 4AXAHØ 03$ Ø ANØCTRSNØDEØ2ØØLIKØ !Ø KICISAėĔNØ OAQAØ AØ APTIRIėĔNØ DNØMNUNØOAIMEKØEKESQģMICNØOAQAØ AØ#--ØFNIØQEAKIYADAØMNØDIAØØ DEØ MNUELBQNØ DEØ  Ø ONM SNØFACTKSASIUNØMNØLTMICĝOINØDEØ -AMATRØELØFTMėĔNØDNØFEQIADNØ

DEØ Ø DEØ MNUELBQN Ø $IAØ DAØ #NMRCIĚMCIAØ .EGQAØ !OEMARØ AØ ELOQERAØ)LOKXØPTEØFNQMECETØNØ OAIMEKØAMSEQINQØELØLEADNRØDEØ  ØCNLOAQECETØANØOQNCERRNØ KICISASĢQINØ/ØCNMSQASNØDAØ#--Ø CNLØ AØ ELOQERAØ FNIØ ARRIMADNØ MNØ DIAØ Ø DEØ MNUELBQN Ø OEKNØ EMSĔNØ OQERIDEMSEØ )RAACØ 4AXAH Ø LERLNØAOĢRØDECIRĔNØDAØLERAØ DIQESNQAØDAØCARAØDEØRTROEMDEQØ NØCEQSALEØ .NØ DIAØ Ø DEØ DEYELBQNØ DEØ  Ø NØ 4QIBTMAKØ DEØ #NMSARØ DNØ %RSADNØ 4#% Ø MAØ DECIRĔNØ DAØ CNMREKHEIQA ATDISNQAØ 9AQAØ ,IMRØ DESEQLIMNTØ AØ RTROEMRĔNØ !MQBMÖ2 DAØ CNMCNQQĚMCIAØ OĨBKICA Ø FASNØ PTEØ RNLEMSEØ FNIØ CNMCQESIYADNØ MAØ GERSĔNØ DEØ 3AQAIUAØ PTEØ ELØ ȫAMEIQNØDEØØQEUNGNTØNØCNM SQASNØDEØCNLOQAØDNØMNUNØOAIMEKØ EKESQģMICNØADPTIQIDNØONQØ4AXAH Ø CTLOQIMDNØAØDECIRĔNØDNØ4#%

Clipagem tjam 05 5 2014  
Advertisement