Issuu on Google+

NETO PORTFÓLIO ARQUITETUR A 2 011 - 2 016


INFORMAÇÃO PESSOAL Nome

CV

Tiago Samuel da Costa Neto

Morada

Santo Tirso, Portugal

Telemóvel

+351 91 295 93 37

E-mail

tneto.arq@gmail.com

Nacionalidade

Portuguesa

Data Nascimento 03 Agosto 1992 Sexo

Masculino


INFORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 2016-2017 2016-2017

Jorge de Almeida Arqº - Gabinete de Arquitectura EngeUrb - Gabinete de Engenharia, Urbanismo e Arquitectura

FORMAÇÃO ACADÉMICA: 2010-2015 Mestrado Integrado em Arquitetura Escola de Arquitectura da Universidade do Minho (EAUM), Guimarães, Portugal 2007-2010 Curso de Artes Visuais Escola Secundária de D.Dinis, Santo Tirso, Portugal TRABALHOS, SEMINÁRIOS & EXPOSIÇÕES: 2015 “Arquitetura Flutuante: Projetar para um ambiente em transformação” - Tese de Mestrado Integrado em Arquitetura 2015 “Requalificação do Espaço Público de Fafe” - Projeto em Exposição na Casa Cultural de Fafe 2011-2015 ANUÁRIA - Exposição anual da EAUM (trabalho de diferentes cursos), Guimarães, Portugal 2014 “Cenografia como reinterpretação do pré-existente”- Trabalho (com Angela Rocha) sobre a obra de João Mendes Ribeiro, com colaboração do Atelier Mendes Ribeiro e Escola de Arquitectura da Universidade do Minho (EAUM) 2014 “Acepção Contemporânea da Medina de Arzila” - Artigo (não publicado), em colaboração, sobre Cidades Islâmicas, Escola de Arquitectura da Universidade do Minho (EAUM) http://issuu.com/danieleburattini/docs/asilah_book 2013 Colóquio Ibéria Crítica - Jovens arquitectos portugueses e espanhóis em debate, Porto, Portugal

APTIDÕES E COMPETÊNCIAS PESSOAIS Língua Social Software

Português (Língua Nativa) | Inglês (Avançado) Empenhado, Motivado, Organizado e Pontual. Com espírito de equipa e boa capacidade de autonomia. Autocad | Sketchup | Archicad | V-Ray | Artlantis | Photoshop | InDesign | Microsoft Office


08

12

20

ÍNDICE

30


CENTRO DE ESTUDOS PARA ARQUITETOS E ESTUDANTES Guimarães, Portugal Junho 2011. Trabalho Individual. Orientado por Arq. João Rosmaninho

CASA PARA NADADOR Praia do Forte de Paçô, Viana do Castelo, Portugal Fevereiro 2012. Trabalho Individual. Orientado por Arq. Filipe Silva

BLACKBOX Largo da Misericórdia, Guimarães, Portugal Julho 2014. Trabalho Individual. Orientado por Arq. André Cerejeira Fontes

PISCINA NO CAMPUS Universidade do Minho, Guimarães, Portugal Fevereiro 2013. Trabalho Individual. Orientado por Arq. Elisiário Miranda


36

44


A CASA FLUTUANTE Sem Localização Outubro 2015. Trabalho individual. Orientado por Arq. Elisiário Miranda

REQUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DE FAFE Fafe, Portugal Fevereiro 2015. Trabalho coletivo. Orientado por Arq. Marta Labastida Juan


CENTRO DE ESTUDOS PARA ARQUITETOS E ESTUDANTES Largo dos Laranjais, Guimarães, Portugal. Junho 2011

Localizado no centro histórico de Guimarães, a proposta pretende requalificar o Largo dos Laranjais e atenuar a transição entre os dois momentos do largo. Se num primeiro momento, o largo é um momento de interseção entre várias ruas, claramente definido pelos limites volumétricos e árvores de fruto e onde se localiza grande parte dos equipamentos. A uma cota superior, o espaço de estar é mais ambíguo, feito de fragmentos e de difícil acesso. O objeto arquitetónico surge com o objetivo de dar um novo uso ao espaço. Vai buscar linhas à configuração do largo para definir a sua forma, organizar o espaço e direccionar/ reformular o acesso ao edificio próximo. O centro de estudos surge como a nova fachada nascente do largo, retirando esse cargo ao edifício adjacente, atualmente em bastante estado de degradação. A sua localização diminuí o espaço de praça à cota baixa, necessário para requalificar a cota superior e definir um novo espaço de estar, pertencente ao centro de estudos e ao edificio próximo. O acesso pedonal facilita a ligação à cota superior e divide o edificio em dois espaços, ligados entre eles por uma passagem mas podendo cada um funcionar individualmente: uma zona de serviços, próximo da via pública e que define o limite da rua, e um espaço habitacional autónomo, distinguido volumetricamente, destinado a estudantes ou outros.

ESBOÇO DE PROPOSTA


9


10

PLANTA 1/100


11


CASA PARA NADADOR Praia do Forte de Paçô, Viana do Castelo, Portugal. Fevereiro 2012

A casa faz parte de um conjunto de lotes habitacionais na praia do Forte de Paçô, em Viana do Castelo. Realizado para satisfazer as necessidades de um nadador, a piscina assume-se como parte integrante e central da casa. Todo o projeto se desenvolve à sua volta. Através das suas transparências é possível ver a piscina logo à entrada. Por se situar entre lotes, a entrada de luz é feita pelo topo ou pelas extremidades do lote. Os panos de vidro da piscina permitem a distribuição de luz para as divisões a uma cota mais baixa. Ao entrar na casa somos convidados a “mergulhar” para os espaços sociais da habitação que se organizam através das paredes estruturais que suportam a piscina. Estas fortes paredes de betão sem acabamentos suportam e realçam a robustez da piscina. No piso superior, encontram-se os espaços mais privados da habitação que pontuam cada extremidade da habitação e da piscina. Devido à sua definição no papel da habitação, ambos os quartos são diferenciados da robustez do betão pela utilização da madeira.

PLANTA DE LOCALIZAÇÃO


13


14

PLANTAS 1/50

PISO 1

PISO 0

PISO -1


15


16


17


18


19


BLACKBOX

Largo da Misericórdia, Guimarães, Portugal Julho 2014

Localizado no centro histórico, o Largo da Misericórdia trata-se de um espaço que tem perdido a sua identidade e têm-se transformando gradualmente num parque de estacionamento, perdendo o ar de praça pública que carateriza todas as praças do centro histórico de Guimarães. A Blackbox procura revitalizar o espaço ao condensar no seu interior diversas atividades culturais e sociais, garantindo uma multipluridade de atividades num único espaço. O edificio permite a realização de espetáculos de teatro, dança, exposições, cinema, entre outras atividades. Através da pluridade de programas, o espaço é apropriado e organizado de maneiras diferentes, mas onde a flexibilidade é o lema que se explora. A estrutura e a fachada do edificio permitem a exploração da luz e da estrutura como parte de cada uma das atividades, se necessário. Integrado na cércia dos edificios próximos, a “caixa” passa a fazer parte do Largo, transpondo para o exterior as suas atividades, ou possibilitando a integração do interior no desenho do Largo quando não se encontra em funcionamento. O espaço passa a estar acessível a todos. Trata-se de um espaço informal para a população, que reorganiza/ delimita a localização do estacionamento, e que passa a definir culturalmente o Largo da Misericórdia.

ESBOÇOS DE PROPOSTA


21


22

PLANTAS 1/100

PISO 2

PISO 1

PISO 0


MAQUETE 1/100

23


24

CORTES 1/100


MAQUETE 1/100

25


26

MAQUETE 1/100


MAQUETE 1/20

27


28

PORMENORIZAÇÃO FACHADA


MAQUETE 1/20

29


PISCINA NO CAMPUS

Universidade do Minho, Guimarães, Portugal. Fevereiro 2013

A piscina estabelece uma relação com os edificios do campus e têm como objetivo criar uma segunda entrada para a universidade. Para isso articula as diferentes topografias desde a cota mais alta da estrada até à cota mais baixa. A construção reaproveita os muros já existentes para definir a localização do estacionamento e do complexo de piscinas. Esses muros definem as sequências de volumes do projeto. A sua localização destina-se não só aos estudantes do campus e das residências, mas também dos moradores das àreas envolventes. O tratamento do espaço externo foi também tido em atenção de forma a garantir continuidade com o pavimento já existente. O corpo principal da piscina mantêm a cércia dos edifícios envolventes e contêm grande parte do programa. As aberturas do edifício caracterizam-se pelos grandes panos longitudinais e contínuos que permitem a entrada de luz natural e a relação visual com o terreno e praças adjacentes. A cobertura inclinada permite a iluminação do espaço mas a localização dos espaços na zona sul da nave evita que a luz incida diretamente nos planos de água, protegendo os utilizadores. O grande vão da nave é conseguido através de uma estrutura de madeira que descarrega as suas forças em pilares maciços de betão e que definem toda a métrica do edificio.

PLANTA DE LOCALIZAÇÃO


MAQUETE 1/100

31


32

PLANTAS 1/100

PISO 1

PISO 0

PISO -1


MAQUETA 1/100

33


34

CORTES 1/100


MAQUETE 1/100

35


A CASA FLUTUANTE Sem Localização Outubro 2015

É desenvolvida uma solução de habitação-tipo seguindo as premissas da arquitetura flutuante, utilizando-a como meio de resposta ao ambiente volátil em que se insere. Reconhecendo os impactos que as alterações climatéricas têm atualmente nas cidades próximas a ambientes aquáticos, a arquitetura flutuante apresenta-se como uma solução de caráter social e que garante a habitabilidade e a conservação das construções nesses ambientes em mudança. É focada a temática da arquitetura modular e flexível como potencial método de adaptação das construções ao aumento do nível de água. Aliado a questões de mobilidade da construção e à sua autossuficiência como elemento autónomo, a casa flutuante pretende não só fornecer segurança e condições de habitabilidade em caso de cheias mas garantir a flexibilidade de construção, através da adaptação da casa às transformações constantes de uma sociedade. Isto permite que a habitação tenha a capacidade de mutação através do papel ativo do habitante na conceção e no processo de composição da casa, ao explorar questões de organização e de evolução compositivas. Explora-se assim as qualidades de uma habitação-tipo flutuante e dos seus processos de construção e desenho enquanto soluções com capacidade para gerar uma intervenção adequada às necessidades atuais.

ESBOÇO DE PROPOSTA


37


38


39


40

CORTE E MAQUETE 1/20


MAQUETE 1/20

41


42 01. Perfil de Fixação 15MM 02. Junta Reveal de Zinco 03. Placagem de Zinco 1MM

PORMENORIZAÇÃO 1/2 04. Perfil Horizontal 05. Lã de Rocha 80MM 06. Placa de OSB 11MM

07. Contraplacado 12MM 08. Perfil UPN de Aço Inox AISI 316 (80X45X6MM)

09. Caixilho de Aço Inox 5MM 10. Vidro Incolor (4X12X6MM) 11. Perfil Tubular de Aço Inox AISI 316 (80X80X10MM)

12. Tela Pitonada 13. Perfil Tubular de Aço Inox AISI 316 (100X80X10MM) 14. Barra Chata de Aço 8MM

15. Perfil Horizontal Abas Desiguais 16. Base Flutuante de Betão 150MM 17. Pedestais Reguláveis 18. Perfil Tubular de Aço (80X45X3MM)

12 06 03 05

01 02 03 04

13 06

05 06 07 08

09 10

09 10

14 11 05 06 15

07

18

1707 05 06

0816


43


REQUALIFICAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DE FAFE Fafe, Portugal. Fevereiro 2015 Contribuição de Dário Cunha & Elena Moroni

O trabalho centra-se na requalificação dos espaços públicos de Fafe, com foco na Praça Martires do Fascismo. Através da requalificação procurou-se uma melhor articulação entre praça, parque, centro da cidade e zona residencial. A praça situada entre estes espaços tornou-se o ponto fulcral para articulação. É proposto um novo desenho para a praça evidenciando as fachadas e reformulando a circulação para manter acesso às lojas. O espaço torna-se ponto de encontro e de distribuição para os espaços mais importantes da cidade Se no passado com a estrada real nº32 (atual EN206), existiu uma coesão que definiu e desenvolveu a cidade através desse eixo principal, a proposta centra-se num novo eixo atual que articula-se todos os núcleos acima referidos. É proposto um prolongamento da ciclovia já existente, continuando a reaproveitar a linha férrea desativada e que terminava junto à Praça Mártires do Fascismo. Através dos espaços de charneira entre os diferentes núcleos, a ciclovia pode assumir um papel importante na articulação e coesão dos espaços em Fafe. A ciclovia funciona como a antiga estrada real e mais do que trazer visitantes à cidade, permite que a própria população usufrua facilmente da mesma.

ESBOÇO DA PROPOSTA


45


46

PLANTA 1/2000

LIBERTAR PRAÇA

PROLONGAR PARQUE

ARTICULAR ESPAÇOS PÚBLICOS PRÓXIMOS


47

PLANTAS 1/1000

PRAÇA ANTES REQUALIFICAÇÃO

PRAÇA APÓS REQUALIFICAÇÃO


48

FOTO COLAGEM


FOTO COLAGEM

49


50

PLANTA 1/2000


CORTE-MAQUETE 1/200

51


52

MAQUETA E PLANTA 1/200


53



Tiago Neto Portfólio