Page 8

www.todahelohim.com 8 Devocional: A Oração

5. Intenção... Ação! GUARDAI-VOS DE EXERCER A VOSSA JUSTIÇA DIANTE DOS HOMENS, COM O FIM DE SERDES VISTOS POR ELES; DOUTRA SORTE, NÃO TEREIS GALARDÃO JUNTO DE VOSSO PAI CELESTE. (MATEUS 6.1) Como vimos, quando agimos com imaturidade, Deus pode nos parecer ruim não dando o que tanto queremos, mas quando crescemos, entendemos que Ele tem o melhor reservado para nós, porque nos ama. A forma como Deus trabalha em nossa vida visa o nosso crescimento e aperfeiçoamento, por mais dura que a experiência possa ser e ainda que entre em choque com as tradições que aprendemos. É isto que nos ensina a Palavra. O Sermão do monte é o primeiro grande discurso público de Jesus. Podemos dizer que ele foi um marco do início de Seus ensinamentos. É bom ter sempre em mente que ensinar foi o principal ensejo do seu ministério, conforme ele mesmo afirma: Jesus, porém, lhes disse: Vamos a outros lugares, às povoações vizinhas, a fim de que eu pregue também ali, pois para isso é que eu vim. (Marcos 1.38) Uma característica notória no sermão do monte, é que Jesus quebra muitos paradigmas da velha religiosidade, inclusive na questão da oração. Lembre-se que é neste contexto que Cristo faz menção sobre este assunto pela primeira vez, contradizendo o velho conceito: Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. (Mateus 5.44) Ao entrarmos no capítulo 6 do livro de Mateus, Jesus deixa claro uma ideia que já estava implícita em toda sua mensagem: a falibilidade da justiça humana, suas motivações e o julgamento de Deus sobre estas coisas. Ao vermos (humanamente falando) homens praticando boas obras, como o dar esmolas, por exemplo, (6.14), não temos recursos para julgar suas reais intenções. Mas há algo que Deus vê e o homem não vê, que é o recôndito mais escuros e profundos do coração humano. É lá que, muitas vezes escondido sobre uma casca de bondade, ocultam-se nossas intenções mais enganosas. É disto que o profeta Jeremias se referia quando escreveu e logo completou: Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações. (Jeremias 17.9-10) Estou cada vez mais convencido que Deus leva muito mais em conta nossas intenções do que nossas ações. Não podemos nos deixar enganar, nem pensar que podemos enganar a Deus. Leia o que Paulo diz: Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. (Gálatas 6.7-8) O raciocínio é bem simples: se nossas intenções ao praticarmos qualquer ato de aparente bondade ou espiritualidade (sejam esmolas ou orações) forem outras senão o amor e temor ao Senhor, pode ter certeza: não valeram absolutamente nada para Deus. Se desejarmos o reconhecimento dos homens, é tudo o que obteremos. Ação é o que o mundo enxerga, intenção é o que Deus considera.

Profile for Thiago Zambelli

Devocional sobre Oração  

Vinte e dois (22) dias de reflexão sobre oração neste devocional (ou devocionário) escrito por Reinaldo Bui.

Devocional sobre Oração  

Vinte e dois (22) dias de reflexão sobre oração neste devocional (ou devocionário) escrito por Reinaldo Bui.

Advertisement