Page 1

3


Direitos de tradução e publicação em língua portuguesa reservados à CASA PUBLICADORA BRASILEIRA Rodovia SP 127 – km 106 Caixa Postal 34 – 18270-970 – Tatuí, SP Tel.: (15) 3205-8800 – Fax: (15) 3205-8900 Atendimento ao cliente: (15) 3205-8888 www.cpb.com.br 1ª edição neste formato Versão 1.0 2019 Coordenação Editorial: Diogo Cavalcanti Editoração: Vinícius Mendes, Guilherme Silva e Diogo Cavalcanti Revisão: Adriana Seratto e Luciana Gruber Design Developer: Taffarel Toso Projeto Gráfico: Eduardo Olszewski Capa: Thiago Lobo Imagem Capa: Montagem sobre Fotolia

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, sem prévia autorização escrita do autor e da Editora.

17984/39006


Agradecimentos A Deus, que me concedeu a capacidade, o tempo e as condições necessárias para compartilhar nossa esperança. À minha esposa, Adriene, e a meus filhos, Matheus e Mariana. Eles são minha fonte de inspiração e motivação, estão comprometidos com a missão e são parceiros em meu ministério. Aos colegas Bruno Raso, Rafael Rossi, Adolfo Suárez, Hélio Carnassale e Thadeu Silva, que contribuíram com dados, informações e histórias, facilitando muito o trabalho de escrita deste livro.


Palavra ao leitor A Bíblia tem algumas palavras marcantes, capazes de transmitir muito conteúdo em poucas letras. Esperança é uma delas e a minha preferida. Ela ocorre cerca de 290 vezes no texto sagrado e 4.406 nos escritos de Ellen White. Não há dúvida de que toda a Revelação oferece uma base segura para nossa esperança. Esse termo representa a mensagem distintiva da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ele pode expressar nossa unidade e identidade. Ao cantarmos “Oh, Que Esperança”, por exemplo, nos tornamos uma família ao redor do mundo. Experimentei isso alguns anos atrás no Jardim do Sepulcro, em Jerusalém. Estávamos em um programa especial e cantamos esse hino em português. Alguns norte-americanos se aproximaram com lágrimas nos olhos e perguntaram se éramos adventistas. Respondemos que sim e nos abraçamos ali. Mesmo com idiomas diferentes, estávamos unidos pela harmonia de nossa esperança. Na Divisão Sul-Americana, a palavra “esperança” representa um compromisso com a missão. Há mais de uma década, nossos projetos, livros missionários, veículos de comunicação e programas evangelísticos levam essa marca. Afinal, além de profundidade bíblica e identidade teológica, ela também possui um grande potencial missionário, pois apresenta nossa mensagem de maneira positiva. Somos uma igreja movida pela esperança. São muitas as razões para que estas Meditações Diárias sejam um alimento para sua esperança. Por meio delas, quero compartilhar mensagens espirituais que têm sido relevantes para mim. Preparei cada texto na expectativa de que, “se ajudar uma só pessoa a ter esperança, não terei vivido em vão” (Martin Luther King). O personagem central deste livro é Cristo, o verdadeiro motivo de nossa esperança. Ele é “a esperança da glória” (Cl 1:27). Nele centralizam-se “nossas esperanças de vida eterna” (Ellen G. White, Carta 100, 1895). Ele é a ponte que liga o passado ao futuro, conecta o Antigo ao Novo Testamento e ambos ao momento em que Ele virá com as nuvens “e todo o olho O verá” (Ap 1:7). A esperança de todos os que morreram fiéis é a ressurreição, mas ela só é digna de confiança porque Ele já ressuscitou. Aguardamos o momento em que nosso corpo será glorificado, porque o corpo Dele já foi glorificado. Temos certeza de que subiremos ao Pai, porque Ele já subiu. Viveremos para sempre, porque Ele vive para todo o sempre. Nossa esperança é confiável, porque Ele é confiável. Por isso, como disse Ellen White: “Sejamos animados pelo pensamento de que o Senhor logo virá. Que essa esperança alegre nosso coração” (Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 287). Aproveite cada mensagem para fortalecer o sentimento de alegria, compromisso e expectativa em seu coração.


Janeiro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


TERÇA

1° DE JANEIRO

Esperança certa Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens. 1 Coríntios 15:19

Esperança é o sentimento que melhor traduz o ano-novo e a expectativa de tudo o que virá pela frente. Ela é a âncora da alma. Não tem barreiras de etnia, cultura ou classe social e está por trás dos desejos e decisões que se multiplicam nestes dias. Segundo alguns estudos, uma pessoa deverá gastar, em média, sete anos de sua vida esperando por algo que nunca vai acontecer. Por isso, mais importante do que ter esperança em alguma coisa, é buscar a esperança certa. A esperança de alguns está neste mundo. Para gente assim, todos os desejos de ano-novo são daqui, estão aqui e ficarão aqui. Mas nem tudo por aqui é negativo. A família, os amigos, bons líderes e profissionais competentes podem ser um apoio positivo. Porém, a maioria se concentra no quarteto da ilusão: poder, dinheiro, sucesso e prazer. Positivas ou negativas, as fontes de apoio do mundo nunca oferecem verdadeira esperança. A esperança certa está no Céu. Se houver uma inversão de valores, você acabará frustrado e decepcionado e, segundo Paulo, será a pessoa mais infeliz da Terra. Ellen White diz que a humanidade fracassará em todas as suas tentativas de progresso se “negligenciar a única Fonte de esperança” (Caminho a Cristo, p. 20). Quando a esperança está no Céu, você encara a vida com outros olhos. Enxerga mais além, vê Deus no comando, entende o valor do sacrifício de Cristo, reconhece a atuação do Espírito Santo e sabe que em breve todo o sofrimento acabará. A esperança certa não ilude nem decepciona. Ao contrário, como diz John Maxwell, ela “brilha mais quando a hora é mais escura, motiva quando o desânimo aparece, canta quando todas as melodias silenciam, escuta respostas quando ninguém está falando, supera os obstáculos quando ninguém está ajudando, enfrenta dificuldades quando ninguém está se preocupando, sorri confiantemente quando ninguém está sorrindo, tem as respostas quando ninguém está perguntando, ousa dar quando ninguém está repartindo e traz vitória quando todos estão perdendo”. Ao começar este ano, tenha em mente a frase de um conhecido autor evangélico: Jesus “viveu a vida que não poderíamos viver e recebeu a punição que não poderíamos suportar, para oferecer uma esperança à qual não poderíamos resistir”. Escolha a esperança certa. O Senhor Se encarregará dos resultados.


QUARTA

2 DE JANEIRO

Que queres que Eu te faça? Perguntou-lhe Jesus: Que queres que Eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver. Marcos 10:51

Jesus gostava de usar perguntas. Com elas, levava os ouvintes à ​reflexão, ensinava novas mensagens e revelava a essência do coração das pessoas. Em Marcos 10, encontramos Jesus em duas situações diferentes, fazendo uma dessas perguntas reveladoras. Em busca de promoção pessoal, Tiago e João procuraram Jesus. Depois de prepararem o caminho, ouviram a pergunta: “Que quereis que vos faça?” (v. 36). A resposta revelou que eles queriam posição de destaque e autoridade num futuro reino do Messias. O Mestre foi firme com os dois e explicou para eles os princípios de Seu reino (v. 39). Na outra situação, Jesus ouviu os gritos que a multidão não conseguiu silenciar. Era Bartimeu, a quem Jesus dirigiu a mesma pergunta (v. 51). A resposta foi imediata: “Que eu torne a ver.” “Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora” (v. 52). Enquanto Tiago e João mostraram a força do egoísmo e a necessidade de repreensão, Bartimeu revelou a intensidade da fé e a necessidade de um Salvador. Os discípulos saíram vazios, tristes e precisando aprender uma lição. Bartimeu saiu curado, elogiado e perdoado. Neste começo de ano, ao receber de Jesus a mesma oportunidade, qual será sua postura? Ellen White aconselha: “Ao entrares em um novo ano, faze-o com nova resolução de seguir direção progressiva e ascendente. Seja tua vida mais elevada do que tem sido até aqui. Faze que o teu objetivo não seja buscar o próprio interesse e prazer, mas promover o progresso da causa de teu Redentor. Não permaneças numa atitude em que sempre necessites tu mesmo de auxílio, e outros tenham de guardar-te para te conservar no caminho estreito. Podes ser forte para exercer influência santificadora sobre outros. Podes estar em atitude em que o interesse de tua alma se desperte para fazer bem a outros, para consolar os aflitos, fortalecer os fracos e dar teu testemunho em favor de Cristo sempre que se ofereça oportunidade” (Testemunhos Seletos, v. 1, p. 239). Busque a Deus pelo motivo certo e ouça, pela fé, a pergunta que abrirá seus olhos e fará de você um candidato ao trono dos salvos no reino do Céu.


QUINTA

3 DE JANEIRO

Totalmente do Senhor O coração de Asa foi, todos os seus dias, totalmente do SENHOR. 1 Reis 15:14

No cenário de apostasia de muitos dos reis de Israel e Judá, ​diferencia-se o reinado de Asa. Após os longos e bem-sucedidos reinados de Davi e Salomão, o reino foi dividido. O declínio foi imediato com o reinado de Roboão em Judá e piorou ainda mais nos dias de Abias, que reinou em seu lugar por apenas três anos. Foi um rei tão fraco que em sua biografia a Bíblia gasta mais tempo falando de Davi do que dele mesmo. Asa, seu filho, assumiu o trono. O que você esperaria do novo rei nesta condição? Era filho e neto de péssimos governantes. Mesmo assim, Deus o preparou para liderar Seu povo. O governo de Asa teve uma duração maior que o de seus antecessores. Durante 41 anos, ele “fez o que era reto perante o SENHOR” (1Rs 15:11). Sua liderança foi séria, começando a obra de reforma na própria casa. Não foi perfeito, mas exerceu uma influência espiritual positiva. É dito sobre ele que seu coração “foi, todos os seus dias, totalmente do SENHOR” (1Rs 15:14). Pouquíssimas vezes a Bíblia repete palavras tão fortes e profundas sobre outros personagens. Apesar de pouco conhecido por muitos, Asa se tornou muito conhecido por Deus. Se a Bíblia fizesse uma descrição sobre você, qual seria? Ainda há tempo para buscar uma biografia como a de Asa. Estamos começando o ano, e este é o tempo para construir uma caminhada em que todos os dias o coração seja inteiramente do Senhor. A recomendação inspirada é direta e forte: “Consagrem tempo a orar, a examinar as Escrituras, a pôr o eu sob a disciplina de Jesus Cristo. Vivam em contato com o Cristo vivo, e assim que fizerem isso, Ele os segurará firmemente com mão forte que jamais afrouxará” (Nossa Alta Vocação, p. 99). “Mais oração e menos conversa é o que Deus deseja. Isso transformaria Seu povo em uma torre de força” (Review and Herald, 15 de junho de 1897). Priorize sua vida espiritual e repense sua rotina diária. Sobre isso, Dwight Moody disse certa vez: “Se você está tão ocupado que não tem tempo para estar em comunhão com Deus, saiba que você está mais ocupado do que deveria.” Comece organizando um tempo especial, na primeira hora do dia. Faça desse momento um hábito insubstituível e permita que Deus transforme seu comportamento e multiplique seu testemunho. Seja totalmente do Senhor, e Ele realizará em sua vida o que parece impossível.


SEXTA

4 DE JANEIRO

Deus vai adiante O SENHOR é quem vai adiante de ti; Ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes. Deuteronômio 31:8

Um antigo provérbio inglês lembra que “aquele que é relutante em partir diz adeus muitas vezes”. Foi o que aconteceu com Moisés, em seus momentos finais com o povo de Israel. Ele tinha medo de que, após sua saída, o povo deixasse os caminhos de Deus. Suas palavras de despedida, apresentadas em Deuteronômio 31, repetem conselhos e desafiam: “Sê forte e corajoso.” Primeiro ele se dirige ao povo e depois a Josué. Na parte final do capítulo, Deus apresenta o mesmo conselho ao novo líder e ainda o repete mais quatro vezes no primeiro capítulo de Josué. Ao todo são sete lembranças de que liderança, fidelidade, novos desafios e conquistas exigem força e coragem. A garantia da presença divina permanece firme, mas ela não elimina os problemas. Você precisa avançar com fé e enfrentar as crises com força e coragem, confiando que Deus acalma a tempestade ou fortalece os braços para suportá-la. Como ensinou Ellen White, “nesta vida, devemos enfrentar terríveis provas e fazer grandes sacrifícios, mas a paz de Cristo é a recompensa” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, 215). Por isso, o desafio continua: “Seja forte e corajoso.” Quanto mais escura for a noite, mais valioso será o amanhecer. Deus estará a seu lado, mas encare os desafios confiando Nele e também fazendo sua parte. Não espere que tudo já apareça pronto em suas mãos; não se coloque como vítima de nenhuma situação ou pessoa e não desista diante da primeira dificuldade. Se cair, aprenda a se levantar e tenha sonhos ousados. Seja “forte e corajoso”. Deus está com você. A promessa mais marcante para Josué, e também para você, que tem um ano inteiro pela frente, está no verso 8, que diz: “O SENHOR é quem vai adiante de ti.” Se você ainda tem dúvida sobre o futuro, está enfrentando uma crise espiritual, emocional ou financeira, tem algum problema sério de saúde, está passando por uma prova de fé e se sente sozinho, fraco ou desanimado, renove essa certeza. Com o Senhor à frente, não há rio que não se detenha, muro que não caia ou porta que não se abra. Fortaleça sua confiança no Senhor e troque sua ansiedade pela paz que Ele oferece. Não se esqueça: seus problemas passam, mas Deus é eterno.


SÁBADO

5 DE JANEIRO

A melhor escolha Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó. Hebreus 11:24

A mãe biológica de Moisés teve apenas 12 anos para transmitir os valores que o protegeram “da exaltação, de ser corrompido pelo pecado e de se tornar soberbo em meio ao esplendor e à extravagância da vida na corte” (História da Redenção, p. 108). Certamente, seus primeiros 40 anos foram passados com os reis da 18a dinastia egípcia: Tutmés I, Tutmés II e a rainha Hatshepsut, sua mãe adotiva e filha de Tutmés I. Mesmo assim, Moisés manteve sua fé. “Talvez o possível temor de que [um hebreu monoteísta] tomasse a coroa tenha levado os sacerdotes de Amom a conduzirem uma revolução no templo vários anos antes, colocando no trono um filho ilegítimo de Tutmés II, o marido falecido de Hatshepsut” (Dicionário Bíblico Adventista, p. 915). Moisés preferiu o Deus de Israel ao trono do Egito. Tutmés III, o escolhido para reinar no lugar que poderia ter sido de Moisés, tornou o Egito a nação mais poderosa e civilizada de sua época. Foi também um grande construtor e, nesse período, oprimiu os escravos hebreus. Moisés e Tutmés III eram dois líderes no mesmo palácio. Ellen White deixa claro que “Moisés era o grande favorito dos exércitos de Faraó” (História da Redenção, p. 108). Mas as histórias tomaram rumos diferentes. Tutmés III preferiu o palácio, e Moisés fugiu para o deserto. Durante os 40 anos seguintes, Tutmés III morreu, e Moisés foi chamado de volta ao Egito, para trocar “o cajado de pastor pela vara de Deus” (ibid., p. 111). Dois líderes, duas escolhas e dois destinos. Um lutou pelo poder; o outro aceitou o chamado para o serviço. Um escolheu o povo do Egito; o outro, o povo de Deus. Um escolheu o palácio; o outro, o deserto. Um escolheu exaltar o próprio nome; o outro, o nome de Deus. Um escolheu oprimir; o outro, libertar. Resultado: um tem o nome na história; o outro, na eternidade. A múmia de Tutmés III foi encontrada em 1889 já danificada, e pude vê-la no museu do Cairo, no Egito. Moisés, porém, foi ressuscitado e está no Céu. Moisés fez a melhor escolha! Ele “recusou ser chamado filho da filha de Faraó, preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado” (Hb 11:24, 25). Decida ficar ao lado do Senhor, mesmo que seja necessário pagar um alto preço. O tempo e a eternidade mostrarão os resultados.


DOMINGO

6 DE JANEIRO

Um pouco mais E, apressando-se em despejar o cântaro no bebedouro, correu outra vez ao poço para tirar mais água; tirou-a e deu-a a todos os camelos. Gênesis 24:20

Com muita esperança na providência divina, Abraão enviou Eliézer para uma das viagens mais interessantes da Bíblia: a busca de uma esposa para Isaque. Foi uma jornada de oração e compromisso com Deus. Deus estava preparando Rebeca. O encontro foi inconfundível. Entre as mulheres que estavam reunidas junto ao poço, seu jeito cortês atraiu a atenção de Eliézer. Ao primeiro pedido de água, ela se adiantou. Deu de beber ao viajante e a todos os camelos. Porque decidiu fazer um pouco mais, foi a escolhida e entrou para a história do povo de Deus. Eliézer viajava com dez camelos, e cada um bebia cerca de 120 litros de água em dez minutos. Dá para imaginar seu imenso trabalho; mas, mesmo fazendo um favor, ela não desistiu. Rebeca representa um grupo de pessoas acima da média, que não se contenta com o comum, quer ir além e fazer um pouco mais. Essas pessoas não estão presas a limites humanos, não têm medo de desafios, aceitam correr riscos e encaram tudo com sorriso no rosto e gentileza nas palavras. Acreditam que “a recompensa dada aos que triunfam será proporcional à energia e fervor com que lutaram” (Atos dos Apóstolos, p. 313, 314). O aposentado japonês Shigemi Hirata é um exemplo de gente que faz um pouco mais do que se espera. Ele se formou em ceramista pela Universidade de Belas Artes de Kioto, aos 96 anos, tornando-se a pessoa mais velha do mundo a obter um título universitário. Depois de sua aposentadoria, Hirata dedicou 11 anos ao estudo de cerâmica e acabou se tornando uma celebridade em sua faculdade. Segundo ele, até estudantes que não o conheciam lhe davam parabéns. “Isso me dá energia”, ele acrescentou. Seus sonhos ainda não acabaram: “Meu objetivo é viver até os cem anos e, se estiver em forma, seria divertido obter outro diploma.” Ele está cumprindo fielmente o princípio japonês: “Treine enquanto eles dormem, estude enquanto eles se divertem, persista enquanto eles descansam, e então, viva o que eles sonham”. A verdade é que, “quando há vontade de fazer, Deus abre o caminho” (Obreiros Evangélicos, p. 433). As coisas grandes nunca se fazem na zona de conforto. Muitas vezes é preciso perder o sono para alcançar o sonho. Com fidelidade, dedicação e oração você chega lá.


SEGUNDA

7 DE JANEIRO

Por que você está chorando? “Mulher, por que você está chorando?” “Levaram embora o meu Senhor”, respondeu ela, “e não sei onde o puseram”. João 20:13, NVI

Em 1910, o casal de pioneiros Ignacio e Cecilia Kalbermatter trabalhava em um distrito pastoral que abrangia todo o Paraguai. Naquela época, eles perderam o primeiro filho, Ismael, com apenas um ano e oito meses de idade. Por conta de uma viagem, Ignacio só soube do falecimento do filho cinco dias depois. Do Paraguai, o casal foi para a Bolívia. Um dia, depois de terminar as atividades domésticas, Cecilia foi ao quarto e se deparou com uma cena chocante: a filha de nove meses havia se sufocado com a própria fralda. Foi um golpe duro demais, e Cecilia chorava todos os dias, desconsolada. Afinal, havia perdido seus dois primeiros filhos no campo missionário. Dias depois, passando pela sala de sua casa, ela ouviu uma voz que dizia: “Cecilia, Cecilia”. Não havia ninguém na casa, e sua resposta imediata foi: “Fala, Senhor, tua serva está ouvindo.” A mensagem foi clara: “Por que você está chorando? Não chore mais.” A dor continuava forte, e dias depois ela ainda não conseguia controlar as lágrimas. Foi quando ouviu novamente a voz que dizia: “Não chore.” Mas seu pedido ao Senhor foi insistente: “Por favor, me ajude a não chorar mais.” Foi o dia de sua restauração. A partir dali, o consolo do Senhor a acompanhou. Ela teve mais quatro filhos. Ignacio e Cecilia viveram dias difíceis de pioneirismo, entrega e sacrifício. Eles não desistiram, e a igreja cresceu na região em que serviram. Décadas depois, o neto do casal retornou ao Paraguai para ser presidente da Igreja Adventista para todo o país. O que antes havia sido o distrito do avô tornou-se uma União, presidida por seu neto, também chamado Ignacio Kalbermatter. Desde o final de 2017, o bisneto de Ignacio e Cecilia, Hiram Kalbermatter, é o presidente da Igreja Adventista para toda a Bolívia. Seus filhos foram sepultados naqueles países, mas seus descentes voltaram para continuar a obra. Um dia você entenderá a razão de toda a dor. Como disse Wilson Sarli, “a despedida é a lei da Terra, mas o reencontro é a lei do Céu”. Até lá, confie que “Aquele que não poupou o Seu próprio Filho, antes, por todos nós O entregou, porventura, não nos dará graciosamente com Ele todas as coisas?” (Rm 8:32).


TERÇA

8 DE JANEIRO

Confie no Senhor Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim Se levantará sobre a terra. Jó 19:25

Alguns anos atrás, tive uma conversa muito difícil com duas mulheres decepcionadas com Deus. Eram mãe e filha encarando o drama da morte. A mãe havia perdido o esposo poucos meses antes, e a filha, bem jovem, também havia ficado viúva. Seu esposo, um comerciante bem-sucedido, entrou em uma forte depressão e acabou tirando a própria vida. Um drama difícil de explicar e entender. Nossa conversa não terminou bem. As duas estavam revoltadas e foram claras: “Não queremos mais saber de Deus. Nossa confiança Nele acabou.” Não foi fácil, mas terminei apenas lhes deixando uma questão para reflexão. Perguntei: Quando vocês estão em um trem, que entra num túnel escuro, como reagem? Pulam fora do vagão ou seguem firme até chegar do outro lado? Ao passar pelo túnel escuro do sofrimento, Jó decidiu segurar firme na mão de Deus. Esteve no palco do grande conflito entre Cristo e Satanás, e isso, com certeza, não foi fácil. A Bíblia diz que ele era “íntegro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal” (Jó 1:1). Por que Jó precisou enfrentar tamanha provação? A reputação divina estava em suas mãos; pois, se ele falhasse, as acusações do inimigo triunfariam. De um lado, Deus assumia que Seu servo não falharia; do outro, Satanás insistia que Jó não resistiria. Por que outros filhos fiéis tiveram destinos diferentes? Enoque foi transladado sem ver a morte, Moisés descansou e ressuscitou, Elias foi arrebatado em um carro de fogo. E, no caso de Jó, qual foi o segredo de sua vitória apesar de tanto sofrimento, doença, perda, rejeição e morte na família? A única resposta é a confiança em Deus. Ela foi muito bem descrita nas palavras que encontrei em um quadro, durante uma visita pastoral. A mensagem dizia: “Meu Deus, não Te entendo, mas confio em Ti.” Não tenha dúvida de que o “Senhor não coloca sobre alguém fardos demasiados para serem carregados. Ele calcula o peso de cada carga antes de permitir que esteja sobre o coração dos que estão trabalhando juntamente com Ele” (Testemunhos Para a Igreja, v. 7, p. 297). Em realidade, nossa bendita esperança nos motiva a enfrentar os desafios da vida. Nossa jornada não é fácil, mas a confiança em Deus fortalece nossos passos, orienta nossa direção e nos prepara para o fim do trajeto, quando encontraremos as respostas definitivas para todas as nossas dúvidas. Vale a pena confiar em Deus.


QUARTA

9 DE JANEIRO

Objetivo claro Onde quer que Ele entrasse nas aldeias, cidades ou campos, punham os enfermos nas praças, rogando-Lhe que os deixasse tocar ao menos na orla da Sua veste; e quantos a tocavam saíam curados. Marcos 6:56

Certa vez, uma frase escrita em um muro me impressionou: “Apenas os hospitais são capazes de provar que todos os homens são iguais.” Uma descrição simples e ao mesmo tempo profunda do egoísmo, orgulho e vaidade que dominam o coração, dividem os seres humanos e causam tantas tragédias. Jesus era o contrário dessa descrição. Deixou a glória do Céu e não alimentou o orgulho no coração. Mesmo sendo Deus, em Sua humanidade não Se tornou autossuficiente. Sua fama era tão grande que as pessoas faziam qualquer sacrifício para encontrá-Lo, receber Seu toque, ouvir Suas palavras e ter cura ou libertação. Porém, isso não fez Dele uma pessoa egocêntrica. O risco do orgulho e autossuficiência eram imensos. Ele foi tentado a pegar uma carona na fama e deixar de lado a verdadeira razão de Sua vinda à Terra. Poderia cair na tentação, tantas vezes sugerida pelos apóstolos e esperada pelas multidões, de Se tornar rei e libertar o povo do domínio romano. Mas Jesus não perdeu Seu objetivo. Que tremendo contraste quando comparamos a exaltação de Satanás e a humilhação de Jesus. O objetivo de Satanás era o eu; o de Cristo, a humanidade. O inimigo queria o benefício próprio; Jesus, a nossa salvação. E você? Como agiria se tivesse as mesmas oportunidades? Imagine todos querendo estar perto de você, ouvir sua voz e tocar sua roupa. Você conhece, com clareza, o objetivo de sua vida? Sabe quem realmente é e quem está no comando de seus sentimentos? Lembre-se de que “não temos exteriormente inimigos que precisemos temer. Nosso grande conflito é contra o eu não consagrado. Quando vencemos o eu, somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou” (Conselhos Sobre Mordomia, p. 21, 22). Ter o foco certo não é pensar menos de si mesmo, mas menos em si mesmo. Isso traz recompensa imediata. Siga o exemplo de Jesus, mantendo a humildade e o objetivo da vida claro. Benjamin Franklin nos lembra: “Quando somos bons para os outros somos ainda melhores para nós mesmos.”


QUINTA

10 DE JANEIRO

Mais do que negócios Não temas; pelo contrário, fala e não te cales. Atos 18:9

Um encontro que foi muito além de negócios. Assim começou a história de Samuel e Cecília. Ele é advogado da Associação Paulistana e responsável pela locação de imóveis. Cecília é consultora de imóveis em São Paulo. Em 2015, tiveram um primeiro contato quando ela se colocou à disposição para ajudá-lo em sua área de trabalho. Como havia muitas transferências de pastores, e ele precisava de novos imóveis, prontamente aceitou. Tiveram vários contatos, e Samuel observou o interesse de Cecília nas questões espirituais. Por isso, decidiu convidá-la para ir a uma igreja adventista. Ela aceitou e, ao participar da Escola Sabatina, ficou interessada no “livrinho” que as pessoas usavam. Ele não perdeu tempo, entregou a própria Lição e explicou como poderia usá-la diariamente. No sábado seguinte, Cecília chegou cedo à classe, triste por não ter respondido a todas as questões da Lição, mas prometendo que no sábado seguinte terminaria. Para surpresa de Samuel, ela já tinha respondido a quase toda a Lição do trimestre. Samuel entendeu a carência espiritual de Cecília, ofereceu um curso bíblico, e ela aceitou. Não demorou para que ela também pedisse o batismo. No dia 7 de novembro de 2016, entregou o coração a Jesus em uma festa batismal realizada no escritório da própria Associação. Hoje continua firme na fé e ajudando na liderança de sua igreja local. A história que começou com negócios chegou ao batistério. O que teria acontecido se Samuel preferisse não misturar as coisas? Estariam até hoje tratando apenas de negócios. Quando alguém entrega a vida a Cristo, não é chamado para ser apenas membro de igreja, mas para abraçar uma missão que envolve muito mais do que negócios, estudos ou amizades. Não se engane. Por trás de altos muros, profissões bem-sucedidas, nomes importantes, cargos poderosos ou corações aparentemente endurecidos existe muita gente sincera. Há muitos com “fome da Palavra”, e você só vai ​descobri-los construindo pontes e oferecendo uma mensagem de esperança. Deus está buscando pessoas “que arrisquem qualquer coisa e todas as coisas para salvar almas” (Evangelismo, p. 63). Atenda hoje ao chamado divino, dizendo: “Eis-me aqui.”


SEXTA

11 DE JANEIRO

O melhor lugar do mundo Maria, sua irmã, ficou sentada aos pés do Senhor, ouvindo a Sua palavra. Lucas 10:39, NVI

Envolvida em um grave acidente, Adriana protestava contra Deus. Não aceitava que isso acontecesse com uma pessoa tão boa, honesta e dedicada à família. Ao ser socorrida no hospital, porém, entrou em contato com um profissional que lhe ofereceu mais do que recuperação física. Conhecendo seus questionamentos, ele decidiu entregar a ela livros e CDs com mensagens espirituais. As músicas começaram a preencher seu tempo, alimentar seu coração e foram fundamentais para sua recuperação. Adriana encontrou respostas para seus dilemas, entendeu claramente o propósito de Deus para sua vida e decidiu se entregar inteiramente a Jesus. Um dos hinos que mais a tocou foi “O Melhor Lugar do Mundo”, fruto da parceria entre Lineu Soares e Valdecir Lima. Lineu sentiu-se chamado para o ministério da música aos oito anos de idade, quando seu pai, pastor Melchiades Soares, cantava na sexta formação do quarteto Arautos do Rei, de 1972 a 1975. Desde então, Lineu tem trabalhado com produção musical e direção de grupos em diferentes internatos adventistas no Brasil. Já Valdecir Lima é formado em Teologia e Letras, mas é também um letrista de raro talento. Ao compor “O Melhor Lugar do Mundo”, Lineu e Valdecir buscaram destacar o contraste entre a busca desumana por sucesso e a necessidade de estar com Deus em qualquer momento, lugar ou condição. Mas não foi fácil. Segundo Lineu, essa foi uma de suas composições mais trabalhosas. O resultado final, porém, se tornou uma bênção para a Igreja Adventista em toda a América do Sul e em outras partes do mundo. Aproveite a mensagem inspiradora desse hino para renovar seu compromisso de passar cada dia, desde a primeira hora, aos pés do Salvador. “Consagre-se a Deus pela manhã; faça disso a sua primeira atividade. Que sua oração seja: ‘Toma-me, ó Senhor, para ser Teu inteiramente. Deponho todos os meus planos a Teus pés. Usa-me hoje para o Teu serviço. Fica comigo, e que tudo o que eu fizer seja efetuado por Ti’” (Caminho a Cristo, p. 70).


SÁBADO

12 DE JANEIRO

Os sete “nãos” da vitória E logo o Espírito O impeliu para o deserto, onde permaneceu quarenta dias, sendo tentado por Satanás; estava com as feras, mas os anjos O serviam. Marcos 1:12, 13

No deserto da tentação, o inimigo usou suas melhores estratégias, mas Cristo foi o vencedor. Naquele momento, Ele rejeitou o caminho do poder e da glória e aceitou a trajetória do sofrimento e da cruz, definindo como conquistaria os seres humanos para Deus. Para que essa conquista também seja sua, apresento os sete “nãos” da vitória. 1. Não fique vulnerável. O inimigo sempre vai tentar você em seu ponto mais fraco. Cuidado, se você não quer negócio com o diabo, não vá olhar suas “vitrines”. 2. Não deixe que o apetite e o prazer dirijam suas decisões. Quando eles falam mais alto, você cai mais baixo. Aprenda a dizer não. 3. Não permita que as coisas materiais se tornem mais importantes que as espirituais. Crescimento espiritual é sempre melhor do que abundância, fartura ou prosperidade material. 4. Não coloque suas necessidades pessoais acima da Palavra de Deus. Desculpas como “eu estava passando necessidade, minha família precisa comer, meu casamento não estava bem, todos fazem isso” não justificam o pecado. 5. Não aceite interpretações parciais das Escrituras. O diabo tentou fazer isso com Jesus. Como Cristo, seja guiado pela mensagem completa e não apenas por aquilo que lhe interessa. 6. Não troque honra por poder. A glória só tem valor quando exercida dentro dos limites éticos da Palavra de Deus. 7. Não enfrente o inimigo com lógica ou argumentação. Ele sabe como derrubar seus argumentos e distorcer sua lógica. A tentação só pode ser enfrentada com profundidade na Palavra e intensidade na oração. Quando ele bater à sua porta, peça que Jesus atenda. Ellen White deixa claro que, no deserto da tentação, Cristo não estava sozinho, “pois os anjos estavam à Sua volta exatamente do modo como são comissionados por Deus para ministrar em favor dos que se encontram sob os temíveis assaltos do inimigo” (A Verdade Sobre os Anjos, p. 177, 178). Se você também estiver no meio das feras da tentação, saiba que estará protegido pelos anjos e terá a seu lado o Sumo Sacerdote que foi “tentado em todas as coisas” (Hb 4:15) e Se tornou vitorioso para vencer em sua vida.


DOMINGO

13 DE JANEIRO

Distância perigosa Mas Pedro O seguia de longe até ao pátio do sumo sacerdote e, tendo entrado, assentou-se entre os serventuários, para ver o fim. Mateus 26:58

Simão Pedro foi um homem intenso e inconstante. Em muitas situações, seguiu Jesus de longe. Em Mateus 26, por exemplo, encontramos seis momentos em que ele estava fisicamente perto de Cristo, mas seu coração mantinha uma distância perigosa. O primeiro aconteceu na santa ceia (v. 20-30). Em uma das mais solenes cerimônias religiosas da história, seu coração estava distraído, e sua visão, sem foco. Nesse caso, ele representa aqueles que vão à igreja com preocupação meramente relacional e mundana. Sempre distraídos das realidades ​espirituais profundas, perdem a oportunidade de consagrar a vida a Deus. No segundo momento, Pedro rejeitou o alerta e preferiu a exaltação (v. 31- 33). Em vez de se apoiar em Cristo, optou por exaltar a própria condição. Esse fato simboliza os que brigam por cargos e posições, são autoconfiantes, duros na crítica e sempre tentam ser melhores que os outros. No terceiro, Pedro expressou com palavras o que não sentia no coração (v. 35). Foi convincente ao afirmar: “Morrerei, mas não Te negarei.” Representou uma religião feita de boas intenções, mas da boca para fora. No quarto momento, dormiu quando deveria estar orando (v. 37-45). Jesus foi insistente, mas Pedro não resistiu. Quando agimos assim, começamos a perder o interesse pelas coisas de Deus. Na oração, aumenta o cansaço e diminui a vontade. A Bíblia fica fechada; a Lição da Escola Sabatina, esquecida; e os escritos de Ellen White, empoeirados. No quinto, Pedro tentou resolver as coisas de seu jeito (v. 51-54). Não teve paciência e enfrentou sozinho a multidão. Nesse caso, ele agiu como aqueles que não perseveram em oração. Se Deus não age, querem dar o próprio jeito. No sexto, tentou esconder sua identidade religiosa (v. 69-75). A queda foi desmascarada com o cantar do galo. Essa situação ilustra a realidade das pessoas que, para não perder amigos, negam o que acreditam e perdem oportunidades de testemunhar, por medo e vergonha. Não se distancie de Jesus. Siga-O de perto, fundamente sua vida Nele, e você será constante e firme como uma pedra.


SEGUNDA

14 DE JANEIRO

Três vezes três Então, Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, tu Me negarás três vezes. E, saindo dali, chorou amargamente. Mateus 26:75

O trabalho persistente de Jesus para transformar o caráter de Pedro é apresentado na Bíblia em três sequências de três que foram marcantes na vida do apóstolo. No texto de hoje, vamos dar destaque à primeira sequência, que ocorreu no momento de sua negação (Mt 26:69-75). Jesus tentou preparar Pedro, mas ele preferiu confiar na própria força. O resultado você já conhece: ele negou três vezes sua identidade. Quando alguém anda com Jesus, sua impressão fala mais que sua expressão. Foi um momento tão dramático que no final ele saiu e “desatou a chorar” (Mc 14:72). Essa história teve um ponto da virada. Em Lucas 22:60 a 62, encontramos o momento em que o olhar desesperado de Pedro se cruzou com o olhar perdoador de Jesus. Ele esperava censura e condenação, mas encontrou perdão e restauração. Antes da queda, Pedro “era sempre ousado e ditatorial, falando inadvertidamente segundo o impulso do momento. Ele estava sempre pronto para corrigir os outros e expressar os próprios pensamentos [...]. Mas ele se converteu, e o Pedro convertido era diferente do irrefletido e impulsivo Pedro. Embora conservasse seu primitivo fervor, a graça de Cristo ajustou seu zelo. Em vez de ser impetuoso, autoconfiante e presunçoso, era agora calmo, ponderado e dócil” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 334, 335). O interesse de Cristo por Pedro não parou por aí. Logo após Sua ressurreição, por meio de anjos, Jesus mandou um recado nominal a Pedro (Mc 16:7). O discípulo foi lembrado pelo nome, porque é assim que Deus trata os filhos que caem e se afastam. Ele sabe seu nome e o pronuncia para buscar e salvar você. A parte final da história foi ainda mais emocionante. Condenado à morte, “o apóstolo se lembrou de seu grande pecado em haver negado a Jesus na hora de Seu julgamento. Antes tão despreparado para reconhecer a cruz, agora ele considerava uma alegria entregar a vida pelo evangelho [...]. Como último favor, rogou aos seus algozes que fosse pregado na cruz de cabeça para baixo. O pedido foi atendido, e dessa maneira morreu o grande apóstolo Pedro” (Atos dos Apóstolos, p. 537, 538). Olhe para Jesus hoje e O verá olhando para você com amor e compaixão.


TERÇA

15 DE JANEIRO

Ainda três vezes três Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu Me amas? Pedro entristeceu-se por Ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu Me amas? E respondeu-Lhe: Senhor, Tu sabes todas as coisas, Tu sabes que eu Te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as Minhas ovelhas. João 21:17

A segunda sequência de três no trato de Jesus com Pedro confirmou a restauração do apóstolo (Jo 21:15-17). Ele já havia visto Jesus três vezes depois da ressurreição, mas sem nenhuma palavra de reprovação. Mas eles precisavam conversar. Pedro havia recebido três novas oportunidades para apagar de sua memória as três vezes que negou a Jesus, porque, para pecados profundos, Deus sempre providencia oportunidades intensas. Havia chegado o momento da confirmação: “Amas-Me mais do que estes?” Para facilitar, havia um termo de comparação. Mais do que os outros ​discípulos amavam? Mais do que aos barcos, as redes e a pesca? Esse parâmetro é importante porque, como disse Ellen White, apenas “quando amarmos a Deus acima de tudo, as coisas temporais ocuparão o lugar certo em nossas afeições” (O Lar Adventista, p. 372). Outro objetivo de Jesus era ensinar Pedro a amar e ter paciência com as pessoas. Comentando essa ocorrência da vida do apóstolo, Ellen White diz que “sem o amor de Cristo, [Pedro] não podia ser um fiel pastor do rebanho do Senhor” (O Desejado de Todas as Nações, p. 815). Por trás de uma única pergunta, repetida três vezes e de forma insistente, Jesus queria demonstrar o quanto realmente acredita em recomeços. Ellen White explica: “Afirmam alguns que, se uma pessoa tropeça e cai, jamais poderá recuperar sua posição; mas o caso [de Pedro] contradiz tal ideia. [...] Ao confiar a seu cuidado as almas pelas quais havia dado a vida, Cristo deu a Pedro a mais forte evidência de confiança em sua restauração. E ele foi incumbido de apascentar não só as ovelhas, mas os cordeirinhos – uma obra mais ampla e delicada do que aquela que lhe havia sido indicada até então” (The Youth’s Instructor, 22 de dezembro de 1898). Pedro (e por que não você e eu também?), com justiça, poderia repetir a confissão de um pregador atual: “Eu dei incontáveis razões para Jesus não me amar, mas nenhuma delas foi forte o suficiente para mudá-Lo.” Por conta disso, renove também seu amor por Jesus.


QUARTA

16 DE JANEIRO

Mais três vezes três Sucedeu isto por três vezes, e, logo, aquele objeto foi recolhido ao céu. Atos 10:16

A terceira sequência de três na vida de Pedro se deu no contexto de seu envio à missão (At 10:9-22). Na primeira, durante a negação, ele escondeu seu amor por Jesus. Na segunda, ouviu três vezes a mesma pergunta e foi desafiado a provar seu amor por Jesus. Na terceira, foi chamado a mostrar seu amor pelos filhos de Jesus. Tudo aconteceu enquanto ele orava, ao meio-dia. Era a hora da fome, e veio exatamente uma visão sobre comida. O problema é que dentro do lençol estavam animais puros e impuros. A ordem que recebeu foi para comer de tudo, mas sua rejeição foi imediata. Apenas depois de três insistências, o apóstolo aceitou não tratar como impuros os estrangeiros a quem Deus já havia tocado o coração. Alguns tentam tirar a visão do contexto para abolir a separação entre animais limpos e imundos (Lv 11). Fica claro, porém, que não aconteceu uma mudança na alimentação de Pedro, mas em sua visão acerca das pessoas a quem deveria pregar. Por isso mesmo, ele foi questionado depois não pelo que havia comido, mas com quem havia partilhado a refeição (At 11:3). Pedro já havia escutado do próprio Mestre o “ide” (Mt 28:18-20), mas sua compreensão ainda era limitada. A visão do lençol “tanto serviu para repreender Pedro como para instruí-lo” (Atos dos Apóstolos, p. 135). Deus é especialista em lidar com as duas pontas da linha ao mesmo tempo. Enquanto trabalhava com Pedro de um lado, também tocava o coração de Cornélio, de outro. A única diferença é que Ele precisou insistir com Pedro três vezes, enquanto, com Cornélio, precisou de apenas uma (At 10:3-8). De acordo com Ellen White, “Cornélio era centurião romano. Era homem rico e de nobre nascimento, e seu cargo era de confiança e honra. Gentio de nascimento, ensino e educação, pelo contato com os judeus adquirira o conhecimento de Deus e O adorava com coração verdadeiro” (Atos dos Apóstolos, p. 132). O centurião romano atendeu ao chamado prontamente. O grande apóstolo Pedro precisou que o Espírito Santo insistisse três vezes. Deus foi persistente com Pedro para que ele pregasse o evangelho a Cornélio. Da mesma forma, Ele insiste conosco hoje para que, cheios de amor à verdade e às pessoas, saiamos para compartilhar Sua mensagem de salvação.


QUINTA

17 DE JANEIRO

Visão positiva Ao partirem, disse-lhes: Não contendais pelo caminho. Gênesis 45:24

Neal C. Wilson, presidente mundial da Igreja Adventista de 1979 a 1990, gostava de contar a história de uma de suas passagens por Gana, país da África Ocidental. Ao visitar uma tribo, deram-lhe uma escultura na qual a mão de uma pessoa segurava um ovo. Achando o presente diferente, perguntou ao líder da tribo se tinha algum significado especial. A resposta foi rápida: “Sim. A liderança é como um ovo na mão. Se apertar demais ele quebra e se soltar demais ele cai.” Tremenda sabedoria! O desafio é encontrar esse equilíbrio não apenas na liderança, mas em todas as áreas da vida. Nelson Mandela disse certa vez que “uma boa cabeça e um bom coração sempre farão uma formidável combinação”. Infelizmente, não é assim que muita gente tem vivido. Você tem observado como as pessoas, em geral, estão mais negativas, tensas, críticas e desiludidas? Há uma multidão olhando apenas para o lado cinza da vida. Não é assim que devemos nos portar. Precisamos alimentar uma visão mais positiva e equilibrada da vida para sermos “sal da terra” e “luz do mundo”. Tudo começa pela fonte de alimento espiritual. Quem bebe da Água da Vida tem o fruto do Espírito (Gl 5:22, 23). Por sua vez, quem bebe água mortal do pecado vai refletir as obras da carne (Gl 5:20, 21). O cristão deve ser um instrumento de paz, agir sempre com equilíbrio e ter uma visão positiva da vida. Porém, isso só se torna realidade quando permitimos que Deus trabalhe em nós. Ellen White adverte: “Muitos pedem ao Senhor que os torne humildes, mas não estão dispostos a se submeterem à necessária disciplina. Quando sobrevém a prova, quando as aflições ou mesmo os contratempos ocorrem, o coração se rebela, e a língua profere palavras que são como setas envenenadas ou saraiva de granizo” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 176). Quando seguimos o exemplo de Cristo, nossos sentimentos, pensamentos, palavras e ações iluminam e dão sabor ao mundo. Os desafios da vida são como frágeis ovos em nossas mãos. Com equilíbrio, não os quebramos nem os soltamos. Permita que o Espírito Santo tempere sua mente e seu coração com as virtudes do Céu. Assim, você terá sempre a leveza e a firmeza necessárias para abençoar a todos que estiverem sob sua influência.


SEXTA

18 DE JANEIRO

Meu verso preferido Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mateus 6:33

Frequentemente me perguntam, em entrevistas ou programas especiais, qual o meu verso preferido. Agora você já sabe. Mateus 6:33 me acompanha há muitos anos. Cada vez que alguém pede uma dedicatória ou assinatura, faço questão de colocá-lo junto do meu nome, para que o foco não esteja na identidade do homem, mas na mensagem de Deus. Buscar em primeiro lugar o reino de Deus tem vários significados para mim: Significa separar um tempo cada dia para estar com o Senhor. Dedico minha primeira hora para estudar e orar, dentro do possível, no mesmo horário e lugar. Logo cedo, a mente está mais tranquila, paciente e receptiva. Por isso, posso ouvir melhor a voz de Deus. Tenho comigo a Bíblia, a Lição da Escola Sabatina, as Meditações Diárias e um livro de Ellen White. Aprendi que aquele que “foge de Deus pela manhã dificilmente O encontrará no resto do dia” (John Bunyan). Em segundo lugar, significa estudar a Bíblia com mais interesse, profundidade e regularidade. Já imaginou o que aconteceria se você abrisse a Bíblia com a mesma frequência que abre o WhatsApp ou liga a televisão? Em terceiro lugar, significa orar com mais intensidade e confiança. Ellen White lembra que a “oração é um meio estabelecido pelo Céu para se obter êxito. Apelos, pedidos, solicitações entre os homens movem as pessoas e atuam em parte para controlar os negócios das nações. Mas a oração mobiliza o Céu” (Refletindo a Cristo, p. 151). Em quarto lugar, significa depender completamente do Senhor. “Somos por nós mesmos incapazes de fazer qualquer bem; mas o que não somos capazes de fazer, o poder de Deus há de realizar em toda pessoa submissa e crente” (O Desejado de Todas as Nações, p. 98). Por fim, significa aceitar a vontade de Deus, descansar em Seus braços e ter paz no coração. Nem sempre as coisas acontecem como queremos. Por isso, devemos entender que a vontade de Deus é sempre melhor. Quando Ele está no comando, todas as outras necessidades são atendidas. Convido você a fazer do Senhor o primeiro em sua vida. Quem O prioriza pode descansar na certeza de que nada realmente necessário faltará.


SÁBADO

19 DE JANEIRO

Tu és fiel E o meu Deus, segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades. Filipenses 4:19

Muitos dos hinos que nos inspiram nasceram de uma experiência dramática. Mas não foi assim com “Tu És Fiel, Senhor”, (Hinário Adventista, no 35), composto por Thomas O. Chisholm (1866-1960). Chisholm nasceu em uma cabana de madeira crua nos Estados Unidos. Teve um começo humilde, só conseguiu completar o primário, e, mesmo assim, com muito sacrifício. Apesar disso, aos 16 anos, começou a carreira de professor, dando aulas na mesma escola em que havia estudado. Depois de aceitar a Cristo, aos 21 anos, tornou-se editor e, em 1903, com 37 anos, foi ordenado ao ministério. Pouco tempo depois, acabou tendo que abandonar suas atividades pastorais, por problemas de saúde. Decidiu, então, mudar-se com a família para uma fazenda onde teve melhores condições para se dedicar à poesia e à composição de hinos. Foi um período muito produtivo poeticamente. Sua maior inspiração vinha dos momentos devocionais com Deus. Foi nesse contexto que compôs “Tu És Fiel, Senhor”. A mensagem expressou, de maneira profunda, o sentimento de gratidão ao Senhor por Sua grande fidelidade. Em 1916, já se sentindo melhor, voltou a trabalhar como vendedor de seguros, mas continuou compondo hinos. Numa carta de 1941, Chisholm disse: “Minha renda não tem sido grande durante todos esses anos, devido à minha saúde debilitada que me persegue há muito tempo. Mas não posso deixar de registrar a fidelidade de Deus, que Se mantém infalível e tem me dado muitas e maravilhosas manifestações de Seu cuidado providencial. Por isso meu coração está cheio de gratidão.” Em toda sua longa vida, ele escreveu mais de 1.200 poemas com mensagens espirituais, dos quais 800 foram publicados. Aproveite este momento para renovar sua confiança em Deus, dizendo para Ele: “Tu és fiel, Senhor, ó Deus eterno! / Teus filhos sabem que não falharás! / Nunca mudaste, Tu nunca faltaste, / Tal como eras, sim, sempre serás. / Tu és fiel, Senhor! Tu és fiel, Senhor! / Dia após dia Tuas bênçãos nos dás / Tua mercê nos sustenta e nos guarda; / Sim, para sempre, ó Deus, fiel serás.”


DOMINGO

20 DE JANEIRO

O relógio de Deus Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã; para que, vindo ele inesperadamente, não vos ache dormindo. Marcos 13:35, 36

O efeito da Segunda Guerra Mundial e a preocupação com o uso de bombas atômicas motivaram um grupo de cientistas da Universidade de Chicago a criar o que foi chamado de Relógio do Fim do Mundo. Nesse símbolo, a meianoite representa o fim do planeta. O lançamento desse relógio foi em 1947, durante a Guerra Fria entre os Estados Unidos e a extinta União Soviética. Naquela ocasião, marcava sete minutos para a meia-noite. Desde então, tem sido avançado ou retrocedido em intervalos regulares, dependendo da situação mundial. Em janeiro de 2017, foi mudado de três para dois minutos e trinta segundos; em janeiro de 2018, chegou a dois minutos para a meia-noite. O que esse grupo de cientistas tem feito apenas amplia a mensagem profética. Afinal, Jesus já falava do fim do mundo à meia-noite, e Ellen White também disse: “A vinda de Cristo será, por assim dizer, à meia-noite” (Maranata: O Senhor Vem!, p. 53). Antes desses cientistas, Deus já tinha o próprio relógio. Que horas ele deve estar marcando? Não conhecemos o dia nem a hora (Mt 25:13), mas podemos concluir com facilidade que, na situação em que o planeta está, ou Cristo volta logo ou o mundo vai acabar por si só. Já não é apenas um tema profético, mas uma questão evidente. Entretanto, apesar de todas as crises e tragédias, o mundo só vai terminar no momento em que o relógio de Deus indicar. “Silenciosamente, despercebida como o ladrão à meia-noite, virá a hora decisiva que determina o destino de cada homem, sendo retraída para sempre a oferta de misericórdia ao homem culpado” (O Grande Conflito, p. 491). Jesus precisa intervir e começar a escrever uma nova história, do ponto onde o pecado a interrompeu. Podemos dizer que já “ouvimos os passos de um Deus que Se aproxima” (Evangelismo, p. 219), e com muito mais intensidade. O grande risco, porém, é a acomodação. É muito perigoso achar que tudo está normal e não perceber a agitação dos ventos e a força dos alertas. Não tire os olhos do Céu nem troque a eternidade pelo que está ao redor. Hoje é o dia de preparo para nossa esperança. Amanhã pode ser muito tarde.


SEGUNDA

21 DE JANEIRO

O que você tem nas mãos? Perguntou-lhe o SENHOR: Que é isso que tens na mão? Respondeu-lhe: Um bordão. Êxodo 4:2

O chamado de Moisés foi marcante. Aparentemente esquecido no deserto por muitos anos, Deus lhe apareceu em uma sarça ardente. Tiveram uma conversa séria, na qual Deus o desafiou com a pergunta: “Que é isso que tens na mão?” Por meio das mãos de Seu servo, Deus usaria coisas simples para alcançar resultados extraordinários. Mas qual era o currículo de Moisés? Um consultor de empresas adaptou sua situação para o mercado de trabalho atual: 1. Nome: Moisés 2. Filiação: Órfão. Conviveu poucos anos com os pais biológicos. Foi criado por uma família rica. Acabou abandonando de forma abrupta a casa dos pais adotivos. 3. MBA: Nenhum 4. Cursos de negociação: Nenhum 5. Experiência profissional: Tem girado pelo mercado, o que indica dificuldade de ficar muito tempo no mesmo lugar. 6. E-mail: Não usa computador. Afirma que seu forte é a palavra falada no contato direto com as pessoas. 7. Aparência: Pouco asseada; usa barba longa e descuidada. Com esse currículo, Moisés não encontraria mais que um emprego simples e de baixo salário. No entanto, nas mãos de Deus, ele fez muito mais: negociou com Faraó a libertação de incontáveis escravos israelitas; conduziu e orientou essas pessoas no deserto por cerca de 40 anos; ele as treinou para vencer batalhas; delegou autoridade e poder aos chefes das tribos; organizou todo o sistema de leis do povo; e preparou seu sucessor para concluir o estabelecimento de Israel. O que você tem nas mãos e o que está fazendo com isso? Não importa quantos e quais sejam seus recursos ou habilidades. Nas mãos de Deus, eles se multiplicarão. Apenas faça como o missionário e explorador britânico David Livingstone, quando orou: “Deus, envia-me para qualquer lugar, desde que vás comigo. Coloca qualquer carga sobre mim, desde que me carregues, e desata todos os laços de meu coração, menos o laço que prende o meu coração ao Teu.”


TERÇA

22 DE JANEIRO

Milagre na prisão Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. João 8:36

Participando do projeto Missão Calebe, os jovens desenvolvem sua vocação missionária e servem à comunidade, estabelecendo novas igrejas, dando estudos bíblicos e levando pessoas ao batismo. Cada ano os milagres e histórias emocionantes se repetem. Os participantes deixam sua marca, mas também são transformados nesse grande movimento missionário. O desafio de cada calebe, como são chamados, é usar sua paixão e criatividade, típica dos jovens, para quebrar barreiras e levar a mensagem a lugares desafiadores. E eles nunca decepcionam. Em Luzilândia, no Piauí, um grupo de calebes aceitou o desafio de levar esperança à pequena cidade de Matias Olímpio, com pouco mais de 10 mil habitantes. Eles não tinham ideia dos milagres que Deus estava preparando. O auditório alugado para a campanha evangelística ficava nos fundos da delegacia. Sem que eles soubessem, todas as noites, aproximadamente 20 detentos acompanhavam a mensagem de dentro das celas. Até que um dos missionários decidiu visitar a delegacia e descobriu o que estava acontecendo. Os presos não apenas ouviam a mensagem, mas também atendiam ao apelo de onde estavam. A equipe de jovens começou a visitar todos os dias a cadeia e dar apoio pessoal aos detentos. Durante a pregação da noite, mencionavam os nomes dos encarcerados que, do outro lado, respondiam “amém”. Como resultado, três detentos foram batizados. No momento do batismo, o pastor Marcos Elias, que dirigia a cerimônia, percebeu que um dos policiais se emocionava a cada palavra que ouvia. Após a reunião, o pastor buscou mais informações e descobriu que era o delegado Sampaio, chefe da polícia na cidade. Sampaio também ouviu as mensagens evangelísticas, de seu escritório. Em uma das noites, passou em frente ao auditório, observou o que estava acontecendo, mas não entrou. No dia seguinte, foi tocado pela pregação e começou a frequentar as reuniões. Cada noite, emocionado, atendia ao apelo e, no encerramento do programa, foi batizado. Além dele, mais 43 pessoas foram batizadas. Deus continua surpreendendo ainda hoje. Para toda ousadia missionária, Deus concederá milagres mais surpreendentes. Experimente isso em sua vida.


QUARTA

23 DE JANEIRO

O erro dos outros Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Mateus 7:3

Com certeza você já ouviu falar dos fariseus. Um grupo de pessoas muito preparadas e influentes, mas que, nos dias de Jesus, estavam mais preocupadas em criar regras, criticar e condenar. Não eram capazes de enxergar os próprios erros. Foram até chamados de sepulcros caiados, tamanha a falsidade que acabavam representando. Mas parece que alguns representantes deles ainda continuam por aí, provocando sérias crises no ambiente profissional, na família e até na igreja. Observe quantos casamentos terminam porque marido e mulher se ​acusam mutuamente. Só conseguem enxergar o erro do outro sem reconhecer as próprias falhas. Na igreja, há quem julgue e critique a postura, o descuido com os princípios ou o posicionamento de outra pessoa sem notar que tem problemas tão sérios ou piores em outras áreas da vida. Outros defendem seus pontos de vista, por mais corretos que sejam, criticando a opinião alheia duramente. Com razão alguém disse, usando um simples jogo de palavras, que “normalmente o problema não é o problema, mas o problema é como se trata o problema”. Muitas atitudes são piores que o problema em si. “Qualquer que seja o procedimento de outros, devemos representar a Cristo, fazendo o que Ele faria em circunstâncias idênticas. [...] O segredo do nosso êxito está em que revelemos o mesmo espírito” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 156). Você sempre vai conquistar mais com os joelhos no chão do que com a língua e ajudar muito mais com seus conselhos e orações do que com suas críticas e acusações. Isso não significa ignorar problemas reais que estejam afetando famílias ou igrejas, mas apenas agir da maneira certa. Ellen White orienta: “Os soldados de Cristo talvez nem sempre revelem perfeição em sua marcha, mas as suas faltas não devem suscitar, da parte de seus companheiros, palavras que debilitem, e, sim, palavras que fortaleçam e que os ajudem a recuperar o terreno perdido” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 344, 345). Preocupe-se mais com seus erros do que com o erro dos outros. Seja misericordioso e paciente em seus relacionamentos. Procure agir com os semelhantes do jeito que Deus age com você.


QUINTA

24 DE JANEIRO

Ações e intenções Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na Sua lei medita de dia e de noite. Salmo 1:1, 2

O livro dos Salmos tem uma grande riqueza histórica e teológica, mas também mostra a importância do louvor no contexto da adoração. Era o antigo hinário de Israel. Seus 150 salmos estão divididos em cinco “livros” que, segundo a tradição judaica, estão diretamente relacionados com o Pentateuco. Suas composições alcançam um período de cerca de 900 anos, desde o tempo de Moisés até o começo do 5o século antes de Cristo. O Salmo 1 é uma introdução geral ao livro. Ele separa justos e ímpios, dando destaque aos fiéis filhos de Deus. O justo é “bem-aventurado”, “não anda”, “não se detém”, “nem se assenta”, vencendo a atração e a decadência causadas pelo pecado. Suas ações são corretas, representam a vontade do Senhor e dão bom testemunho. Como ensina o salmo, o cristão deve ter compromisso com ações corretas, mas precisa ir mais além e ser movido por intenções puras. As ações são importantes para testemunhar aos homens, mas as intenções são fundamentais para ser avaliado por Deus. Ambas precisam estar em equilíbrio. Se não for assim, vamos repetir a história dos fariseus, que eram “perfeitos” por fora e corrompidos por dentro. Se as intenções não forem saudáveis, as ações serão equivocadas. Faremos o que é certo apenas para impressionar, receber aplauso, aprovação, promoção ou até mesmo para tentar garantir a vida eterna. Por isso, o salmista destaca que o prazer do cristão “está na lei do SENHOR” (Sl 1:2). Antes do fazer vem o ser. Antes de aparecer diante dos homens é preciso buscar a presença de Deus e colocar ações e intenções na ordem certa. Quando você busca a Deus, antes de qualquer coisa, tem prazer nestes momentos e faz deles um hábito que se repete “dia e noite”. Sua vida se torna “como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto […] faz [em sua vida] será bem-sucedido” (v. 3). Para que isso se torne realidade em sua jornada ao Céu, permita que Deus molde suas intenções, dirija suas ações e abençoe as consequências de suas escolhas. Só assim você será realmente bem-aventurado.


SEXTA

25 DE JANEIRO

A solução antes do problema De noite, porém, veio Deus a Labão, o arameu, em sonhos, e lhe disse: Guarda-te, não fales a Jacó nem bem nem mal. Gênesis 31:24

Alguma vez você já perdeu o sono, o apetite, a paciência ou talvez a fé por causa de algum problema aparentemente sem solução? Alguma dificuldade nos negócios ou nos estudos? Algum conflito dentro de casa, com os filhos ou entre marido e mulher? Uma questão envolvendo saúde, relacionamentos, ou mesmo a vida espiritual? Para ter paz em meio à tempestade, é importante conhecer com mais profundidade como Deus age nas crises. Precisamos entender que Ele é especialista em preparar soluções antes mesmo que os problemas surjam. Na noite anterior ao tenso encontro de Jacó com Labão, após a fuga do genro com sua família, Deus apareceu ao sogro e ordenou: “Guarda-te, não fales a Jacó nem bem nem mal” (Gn 31:24). No momento do confronto, o problema já estava resolvido. Enquanto Jacó imaginava a confusão que aconteceria, Deus já havia preparado a solução, e tudo terminou bem (Gn 31:55). Pouco tempo depois, Jacó buscou uma forma de reencontrar seu irmão Esaú. Era a oportunidade para colocar um fim às mágoas do passado. Jacó ficou apavorado com a notícia de que Esaú se aproximava com 400 homens. Clamou a Deus, lutou fisicamente com o Senhor no vale de Jaboque, temendo por sua vida e também por sua família. No momento do encontro, surpreendentemente “Esaú correu ao encontro de Jacó e abraçou-se ao seu pescoço, e o beijou. E eles choraram” (Gn 33:4, NVI). O que deveria ter sido um confronto de vida ou morte acabou se transformando em um lindo reencontro de família. Deus havia previamente trabalhado no coração de Esaú. Há muitos exemplos na Bíblia, porém o mais poderoso vem do próprio Deus e Seu plano de salvação, “estabelecido antes da criação da Terra” (Patriarcas e Profetas, p. 63). Antes mesmo de surgir o problema do pecado, Deus já havia providenciado uma solução para todos os seres humanos. Isso realmente demonstra, com profundidade e segurança, a maneira como Deus trabalha ao resolver nossos problemas. Ele sempre tem uma solução. Tenha fé, paciência e perseverança. Descanse na providência de Deus. Ele cuida de você.


SÁBADO

26 DE JANEIRO

Como você se relaciona com o dinheiro? Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro. Lucas 16:13, NVI

Tratar de questões financeiras no ambiente espiritual é sempre um desafio. Mas Jesus não teve dificuldade com isso. Ele falou muito a respeito de dinheiro. Dezesseis de suas 38 parábolas dizem respeito a como lidar com o dinheiro e propriedades. Nos evangelhos, um em cada dez versos (288 no total) tratam diretamente com o tema do dinheiro. E mais: a Bíblia apresenta 500 versos sobre a oração, menos de 500 a respeito da fé, e mais de 2 mil sobre o dinheiro e as propriedades. Toda essa ênfase não acontece porque o Senhor precise de nossos recursos, mas porque Ele conhece a bênção e a maldição envolvidas nas finanças. Em Lucas 18 e 19, encontramos o contraste entre a maneira como dois homens se relacionavam com o dinheiro. No capítulo 18, vemos o jovem rico; no 19, Zaqueu. O jovem rico buscou a Jesus achando que tinha tudo e acabou sem nada; Zaqueu buscou a Cristo achando que não era nada e acabou recebendo tudo. O que o jovem rico não fez diante do pedido de Cristo, de dar seus bens aos necessitados, Zaqueu fez sem que Jesus lhe pedisse. O jovem rico preferiu ficar sem Jesus, mas com seu dinheiro e bens; Zaqueu preferiu ficar com Jesus e entregar seu dinheiro e bens. O nome do jovem rico ninguém conhece, mas Zaqueu entrou para a história. A maneira como você trata seu dinheiro faz toda a diferença. Para o teólogo escocês John Caird: “O que impede o homem de entrar no reino dos Céus não é o fato de possuir riquezas, mas o fato de as riquezas o possuírem”. O problema não está no dinheiro em si, mas na posição que ele ocupa em nossa vida. A questão não é o bolso, mas o coração. “O dinheiro não é necessariamente uma maldição; ele é de grande valor porque, se corretamente usado, pode fazer bem na salvação de pessoas, em bênçãos a outros que são mais pobres do que nós mesmos. Pelo uso inadequado ou insensato, [...] o dinheiro se tornará um laço para o seu possuidor. Aquele que emprega o dinheiro na satisfação do orgulho e ambição o torna uma maldição em vez de uma bênção” (O Lar Adventista, p. 372). Não permita que o dinheiro o afaste de Jesus, mas que esteja sempre a serviço Dele.


DOMINGO

27 DE JANEIRO

Ricos de esperança E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo. Romanos 15:13

A primeira igreja adventista da Bolívia foi estabelecida na pequena cidade de Rosário. Foi para lá que me dirigi com outros líderes da Igreja para celebrarmos o centenário do adventismo naquele país em 2007. Saímos de La Paz num sábado, às 4h15 e viajamos em cinco caminhonetes 4x4, para chegar até o lugar. Durante mais de quatro horas, atravessamos o altiplano boliviano a uma altitude de 4.200 metros acima do nível do mar, em estradas de terra e atravessando pequenos rios, até chegar à cidade. Atualmente, na pequena cidade de Rosário, quase todos os habitantes são adventistas. O único templo de outra denominação está abandonado e destruído. Os irmãos ainda conservam o espírito dos pioneiros. Alguns chegam a caminhar quatros horas para ir ao culto cada sábado. Naquela época, o pastor local cuidava de 72 congregações e morava em quatro casas diferentes. O perímetro de seu distrito pastoral era cerca de 800 quilômetros. O casal tinha apenas uma filhinha de dois anos. Eles viviam um mês em cada casa, atendendo às igrejas mais próximas. Depois da visita, fiquei pensando na realidade daqueles irmãos e de seu pastor. Eles vivem em uma região financeiramente carente e têm muitos desafios; mas, em sua simplicidade, são “ricos de esperança”. A vida é comprometida com as coisas de Deus, e isso é o que tem mais valor. Também analisei a qualidade do meu comprometimento, em condições muito mais fáceis e favoráveis. E você? Já avaliou o nível de seu comprometimento? Sua liderança não está fazendo falta na igreja em que frequenta? Seu preparo pessoal não está sendo usado apenas para o crescimento profissional? Tem gente com “fome” da Palavra perto de você, esperando sua mão estendida para compartilhar esperança? Sua entrega pode ser maior do que tem sido? Ellen White assegura: “A tarefa a que somos chamados não requer riquezas, posição social, nem grandes capacidades. O que se requer é um espírito bondoso e abnegado e firmeza de propósito. Uma luz, por pequena que seja, se estiver sempre brilhando, pode servir para acender muitas outras” (A Ciência do Bom Viver, p. 355). Comprometa-se com a obra de Deus e enriqueça sua vida com fé e esperança.


SEGUNDA

28 DE JANEIRO

Coisas pequenas Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Mateus 25:21

O dia 28 de janeiro de 1986 entrou para a história. Às 11h38 de uma terça- feira, o ônibus espacial Challenger explodiu em pleno ar, aos 72 segundos de voo, com sete tripulantes a bordo. Todas as atenções estavam voltadas para o Challenger. Durante cinco anos, a NASA desenvolveu o programa que tinha sido elaborado para deixar as viagens espaciais mais rotineiras, com a ajuda de uma espaçonave reutilizável. O próprio Challenger já havia viajado nove vezes ao espaço, mas aquela seria a primeira vez em que um cidadão comum estaria no voo. Entre mais de 10 mil concorrentes, a escolhida foi a professora Christa McAuliffe, de 37 anos. A viagem seria transmitida para milhares de escolas nos Estados Unidos. A decolagem foi adiada duas vezes por problemas técnicos, mas o dia havia chegado. Trinta e seis segundos depois da decolagem, o Challenger atravessou a barreira do som e foi atingido por um forte vento lateral, que obrigou o sistema de navegação de bordo a corrigir a potência dos foguetes propulsores. Quando alcançou a potência máxima, uma chama começou a queimar as junções do foguete propulsor de estibordo e, em seguida, toneladas de combustível líquido envolveram a nave em uma bola de fogo. Tudo aconteceu tão depressa que não houve tempo para acionar nenhuma manobra de emergência. Enquanto o Challenger se desintegrava no ar, alguns tripulantes tentaram ativar suas provisões de oxigênio de emergência; mas, embora a cabine tenha se conservado praticamente intacta até cair no oceano, a pressão aerodinâmica matou aqueles que sobreviveram à explosão inicial. Uma investigação provou que juntas de borracha que deveriam ter selado a união entre os segmentos do foguete propulsor haviam falhado na decolagem. O relatório do acidente informou, mais tarde, que os gestores da NASA sabiam desse problema, mas o trataram como “um risco de voo aceitável”. Também estamos em viagem para o Céu. Não permita que coisas pequenas transformem sua esperança em tragédia. O alerta é claro: “A formação de nosso caráter será cheia de perigos, se avaliarmos mal a importância das coisas pequenas” (Parábolas de Jesus, p. 356). Ore hoje para que o Espírito Santo sele sua vida de modo que sua viagem ao Céu tenha um final feliz!


TERÇA

29 DE JANEIRO

Tem alguém esperando por você Então, o Senhor lhe ordenou: Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita, e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando e viu entrar um homem, chamado Ananias, e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista. Atos 9:11, 12

A conversão de Saulo é uma das histórias bíblicas que mais me impressiona, porque mostra como Deus pode conquistar corações duros, alcançar pessoas improváveis e usar métodos incomuns para isso. Saulo era um perseguidor convicto e muito culto. Tinha coragem e conhecimento para defender sua fé e matar os que não criam como ele. Deus o alcançou quando cumpriria seus planos em Damasco, fazendo com que caísse do cavalo e ainda ficasse cego. Deus não segue a lógica humana para cumprir Seus planos. Ele pode alcançar pessoas fáceis ou difíceis, usando métodos comuns e previsíveis ou incomuns e imprevisíveis. Não tenha medo de testemunhar a pessoas que pareçam inalcançáveis. Elas podem estar esperando por você. Após o encontro com Jesus, Saulo ficou três dias sem enxergar e foi levado para casa de um homem chamado Judas. Então um novo personagem entra em cena: Ananias. Sua missão foi ir ao encontro de Saulo para ​batizá-lo. Antes mesmo de enviá-lo, Deus havia revelado seu nome a Saulo, que o estava esperando. Ananias teve medo. Ele sabia muito bem quem era Saulo e entendia o risco que tanto ele quanto a igreja estavam correndo. Porém, Ananias obedeceu à ordem divina. Como resultado, o perseguidor temido se tornou uma das maiores referências da igreja cristã. O que teria acontecido se o medo tivesse paralisado Ananias? Sem dúvida, a história do cristianismo seria outra. Alguém também está esperando por você. Pode ser um vizinho, colega de trabalho, chefe, professor, autoridade, ou qualquer outra pessoa que Deus pode lhe mostrar. Quem sabe sejam os maiores inimigos da verdade que vão se tornar seus maiores defensores. Não se esqueça de que há “pessoas perplexas pela dúvida, oprimidas pelas fraquezas, fracas na fé, incapazes de se apegar ao Invisível; mas um amigo a quem podem ver, aproximando-se dessas pessoas em lugar de Cristo, pode ser um elo para firmar sua fé vacilante no Filho de Deus” (O Desejado de Todas as Nações, p. 297). Alguém espera por você hoje. Seja um agente de esperança e salvação.


QUARTA

30 DE JANEIRO

Outro espírito Porém o Meu servo Calebe, visto que nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-Me, Eu o farei entrar a terra que espiou, e a sua descendência a possuirá. Números 14:24

Gosto de observar gente equilibrada, que produz unidade e harmonia por onde passa, refletindo o caráter de Cristo. Afinal, essas características são as maiores demonstrações de um cristianismo verdadeiro e concretizam o sonho de Deus para Seu povo. Calebe é um dos bons exemplos desse tipo de atitude. Você se lembra do momento em que o povo de Israel ficou dividido por causa do relatório dos 12 espias que visitaram a Terra Prometida? Foi uma situação cheia de desânimo, falta de fé e crítica. Lembra-se também da atitude de Calebe? Ao lado de Josué, ele escolheu ficar com as promessas de Deus, ver o que era positivo e motivar o povo a seguir em frente. Quando a maioria tinha um espírito de agitação, ele demonstrou equilíbrio e confiança na direção divina. Calebe teve “outro espírito”. Como resultado, herdou a Terra Prometida. No entanto, parece que é mais fácil seguir os negativistas e pessimistas. Foi assim também com a maioria do povo. Observe que, em Números 13, está a lista dos 12 príncipes que foram espiar a terra, exatamente a última vez em que o nome dos dez murmuradores foi mencionado. Eles acabaram no esquecimento porque a história não tem lugar para quem só enxerga o lado negativo. Esse tipo de pessoa sempre anda para trás e ainda tenta levar outros. Já aqueles que têm “outro espírito” são os que escrevem a história. Foi o caso de Josué e Calebe. Um se tornou líder do povo, e o outro, um conquistador vitorioso e destemido. E você? Qual é o seu espírito? Lembre-se do que disse Winston Churchill: “O pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê oportunidade em cada dificuldade.” A família, a sociedade e a igreja estão precisando desesperadamente de gente que tenha “outro espírito”. O mundo tem pessimistas e negativistas demais. Há uma carência de pessoas equilibradas, de gente que sabe defender a verdade com amor. Deus está chamando você para ser assim. Isso é ser sal e luz na Terra. Lembre-se, porém, de que o “outro espírito” vem apenas como resultado da atuação do Santo Espírito.


QUINTA

31 DE JANEIRO

Consolador x acusador E Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco. João 14:16

Há um contraste muito forte na Bíblia entre os nomes e papéis do Espírito Santo e de Satanás. Eles trabalham intensamente pelo coração humano, mas com objetivos completamente diferentes. Consolador é uma das formas mais impactantes como o Espírito Santo é chamado. Esse termo é a tradução de uma expressão grega que se refere a alguém chamado para auxiliar como conselheiro, intercessor, mediador ou como advogado no tribunal. João chama o Espírito Santo dessa maneira quatro vezes em seu evangelho, e uma, em sua primeira epístola. Ao referir-se ao inimigo, João usa o termo acusador (Ap 12:10). Aliás, essa é uma das principais funções de Satanás. Por isso, esse nome o retrata muito bem. Nossas atitudes sempre demonstram qual desses poderes controla nossa vida. Infelizmente tem gente que confunde as coisas e age como acusador, dizendo ser usado pelo Consolador. Alguns chegam às igrejas com aparência de piedade; criticam a organização e a liderança sem fundamento ou espírito cristão, apresentam uma “nova mensagem”; têm um discurso unilateral, falando de um ou dois pontos doutrinários de forma insistente, ou aproveitam para semear dúvida na mente das pessoas. A história do povo de Deus mostra que sempre houve esse tipo de pessoas. Qual foi o resultado? Crises, agitação, divisão, dor e apostasia. Isso vem do Consolador? Com certeza, não. No fim, esses movimentos ficam pelo caminho. Seus líderes desaparecem e abandonam seus seguidores, muitos dos quais não conseguem se refazer espiritualmente. A Igreja, porém, avança firme. Mesmo frágil e defeituosa, ela é mantida pelo Senhor. No entanto, quanto mais perto da volta de Cristo, mais fortes, frequentes e insistentes serão esses movimentos. Essa é uma terrível estratégia do inimigo. Ellen White adverte: “Se Satanás não consegue prender as pessoas no gelo da indiferença, ele procurará impeli-las para o fogo do fanatismo” (Mente Caráter e Personalidade, v. 1, p. 38). A falta de equilíbrio sempre demonstra falta de Deus. Nestes últimos dias, precisamos nos unir ao redor da verdade e da missão, mas sempre no espírito do Consolador e não usando as armas do acusador.


Fevereiro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28


SEXTA

1° DE FEVEREIRO

Diamantes para Deus Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. 1 Coríntios 3:6

“Lá está o porto”, exclamou David a seus pais. A expectativa era grande. Jorge Riffel e sua esposa examinavam o rosto de todos os que estavam no local de desembarque enquanto o navio se aproximava. Queriam ver se alguém os aguardava. Finalmente, um homem acenou intensamente e chamou seus amigos. “Lá está ele!”, exclamou Riffel. “É o nosso amigo Reinaldo. Que bom que ele veio!” A família Riffel havia morado quatro anos no estado do Kansas, nos Estados Unidos, mas estava retornando para a Argentina. Durante aquele período, eles conheceram a mensagem adventista e queriam apresentá-la a seus amigos. Jorge escreveu cartas para a Argentina. Ele começou a orar pelas respostas até que um amigo lhe respondeu, dizendo que estava disposto a guardar o sábado se tivesse alguém para observá-lo com ele. “Isso resolve o problema”, disse Jorge Riffel. “Vamos vender nossa fazenda aqui no Kansas e voltar para a Argentina.” Riffel e outras três famílias de origem alemã viajaram para Argentina. Enquanto os outros permaneceram em Buenos Aires, Riffel, sua esposa Maria, e o filho, que se chamava David, viajaram mais um dia pelo rio Paraná e chegaram ao porto de Diamante. Ali, numa sexta-feira, em agosto de 1890, encontraram Reinaldo Hetze, que havia chegado da Rússia três anos antes. Depois de carregar a bagagem, a família Riffel entrou no “carro” de Reinaldo e ainda viajaram cerca de 28 km por estrada de terra. Estavam ansiosos para chegar a algum lugar antes do pôr do sol. Durante a viagem de três horas, Jorge aproveitou para contar como havia encontrado a verdade do sábado e da segunda vinda de Cristo. No sábado pela manhã, realizaram o que acreditamos ter sido o primeiro culto adventista na América do Sul. Dessa forma simples, mas milagrosa, a mensagem chegou pelo porto de Diamante e deu início à obra adventista no território da Divisão Sul-Americana. Começou com poucos, mas Deus deu o crescimento. Hoje existem milhões de diamantes para Deus como resultado do trabalho de uma família ousada e comprometida. Porém, ainda existem muitos que não conhecem essa mensagem de esperança. O desafio agora está em nossas mãos. Se tivermos fé e disposição, “todo o mundo será logo advertido, e o Senhor Jesus retornará à Terra com poder e grande glória” (Atos dos Apóstolos, p. 111).


SÁBADO

2 DE FEVEREIRO

Toda a família na missão Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR. Josué 24:15

Pouco tempo depois de chegar ao porto de Diamante, na Argentina, em 1890, Jorge Riffel e a família se instalaram em sua fazenda. Muitas pessoas da região queriam conhecer mais da Bíblia, e os Riffel iam a cada casa dar estudos bíblicos e fazer reuniões. A casa dos Weiss era a preferida de David. Eram muito interessados, e alguns já queriam ser batizados, mas não havia nenhum pastor ordenado na região. “Você acha que um missionário virá aqui?”, Júlia Weiss perguntou ao amigo David. “Tenho certeza de que alguém virá”, ele respondeu. “Meu pai escreveu para a sede da igreja em Battle Creek e pediu que enviassem um missionário ordenado.” As orações foram atendidas, e o pastor Frank H. Westphal chegou no dia seguinte à conversa. Na primeira reunião, depois de o pastor pregar por uma hora e terminar o programa com hino e oração, as pessoas não foram embora. Sentaram de novo e olharam para o missionário esperando mais. Depois de terminar o segundo estudo, outra vez o pastor anunciou o hino final e fez uma oração. Novamente as pessoas não foram embora e pediram mais. Terminaram a reunião depois da meia-noite. Em três semanas, vários foram batizados e, em setembro de 1894, com 36 pessoas, foi formada a primeira igreja adventista no território da Divisão Sul-Americana, na região de Crespo, Argentina, onde moravam Reinaldo Hetze e Jorge Riffel. A família Weiss foi batizada. Algum tempo depois, Júlia e David Riffel se casaram. Quando o primeiro filho deles nasceu, o vovô Riffel decidiu que era necessário fundar uma escola adventista. Ele, David e outros pioneiros trabalharam muito para construir o que hoje é a Universidade Adventista del Plata. David e Júlia tinham que viajar cerca de 25 km de carro para chegar à escola, mas cada um dos 14 filhos do casal concluiu o ensino fundamental, o médio e a faculdade; seis deles se tornaram missionários. Como foi com os pioneiros, nossas famílias são chamadas a fazer uma grande obra, ajudando na igreja local, evangelizando a comunidade ou mesmo dedicando os filhos integralmente à obra do Senhor.


DOMINGO

3 DE FEVEREIRO

Melhor amigo Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. João 15:13

Joseph Scriven (1819-1886) nasceu na Irlanda, em uma família bem estruturada, mas desde cedo a tragédia o alcançou. Na noite anterior a seu casamento, perdeu a noiva em um afogamento. Envolvido em profunda tristeza, entendeu que apenas o amigo Jesus lhe daria o consolo de que tanto precisava. A partir dessa experiência, compôs “Oh! Que Amigo em Cristo Temos” (Hinário Adventista, no 420). Esse hino tem sido um canal de esperança para o coração de muitas pessoas. Em reação à perda trágica de sua noiva, Scriven decidiu começar uma nova vida e se mudou para o Canadá, estabelecendo-se em Port Hope, na Província de Ontário. Ele decidiu dedicar sua vida como professor para ajudar outras pessoas em uma escola para os irmãos de Plymouth. Resolveu também servir sem nenhuma remuneração a todos que precisassem dele. Doava até mesmo a própria roupa para ajudar os necessitados. Ficou conhecido como “O Bom Samaritano de Port Hope”. No entanto, a tragédia o alcançou novamente. Dessa vez, sua segunda noiva adoeceu gravemente de pneumonia, depois de ser batizada em um lago gelado, e faleceu. Associado a isso, enfrentou também grande sofrimento físico, financeiro e a enfermidade da mãe. Enviou a ela uma carta de conforto com as palavras do hino “Oh! Que Amigo em Cristo Temos”. O hino foi publicado anonimamente e, até pouco antes da sua morte, ninguém sabia de seu dom poético. Um vizinho que foi ajudá-lo durante uma enfermidade viu a poesia escrita num papel ao lado de sua cama e perguntou: “Foi o irmão que escreveu isto?” Ele respondeu com humildade: “O Senhor e eu a escrevemos juntos.” Como você reage na hora da dor e do sofrimento? O melhor a fazer é dobrar os joelhos, recorrer ao melhor Amigo e lembrar que “Devemos nos manter tão perto de Deus que, em cada provação inesperada, nossos pensamentos se voltem para Ele tão naturalmente quanto a flor se volta para o Sol” (Caminho a Cristo, p. 99).


SEGUNDA

4 DE FEVEREIRO

Resgate Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos. Marcos 10:45

Durante a Copa do Mundo de futebol do ano passado, realizada na Rússia, uma equipe de futebol juvenil da Tailândia, os Javalis Selvagens, acabou atraindo a atenção de todos. Depois do treino, que realizaram em 23 de junho, os jogadores e o técnico decidiram explorar uma imensa rede de cavernas e acabaram ilhados devido a uma inundação. O técnico ajudou os meninos a manter a calma, usar o mínimo de ar e poupar energia. Tinham apenas lanternas, oxigênio e água que caía das paredes da caverna. Os pais e amigos estavam desesperados. Encontraram apenas bicicletas, mochilas e algumas chuteiras na entrada da caverna. Um grande movimento de busca foi organizado para encontrar os 13 desaparecidos. O fato mobilizou a imprensa mundial. Cerca de mil pessoas ajudaram, formando uma grande corrente de solidariedade e fé. Profissionais trabalhavam nas buscas, vizinhos arrecadaram dinheiro e comida para as famílias, e amigos cantavam e oravam na entrada da caverna. John Volanthen e Rick Stanton avançaram na lama e na escuridão até finalmente encontrar os meninos e o técnico. Infelizmente, Saman Kunan, mergulhador aposentado da Marinha tailandesa, morreu durante a operação. As águas continuaram subindo rapidamente, e não havia como esperar mais. O resgate começou em 7 de julho e demorou três dias até que o técnico e o último menino fossem retirados. Logo depois que os mergulhadores e médicos saíram, a água inundou o lugar. Essa história nos ajuda a refletir sobre nosso resgate do pecado. Imagine o sofrimento das famílias, durante as duas semanas que esperaram por uma solução, e você vai entender melhor o sofrimento de Deus, dos anjos e dos mundos não caídos ao contemplar nossa condição e a longa espera pelo momento certo do resgate. Pense na mobilização realizada pela busca daqueles meninos e vai ficar mais fácil entender o envolvimento de todo o Céu em nossa salvação. Sinta a dor da morte de um dos voluntários e você vai entender melhor a morte de Cristo para poupar nossa vida. Nosso resgate também terá um final feliz. Em breve, Cristo nos levará de volta para casa. Não perca esta esperança.


TERÇA

5 DE FEVEREIRO

Deus conhece tudo Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos. Salmo 139:23

Você já parou para avaliar o quanto Deus conhece sua vida e como Ele acompanha seus passos? Muita gente vive sem levar isso em conta ao fazer escolhas, alimentar pensamentos ou manter hábitos particulares. Deus está sempre a seu lado. Não importa a hora da noite, o lugar solitário ou se você está com uma turma de amigos. Ele sempre acompanha você. Será que, sabendo disso, seus atos, pensamentos e palavras poderiam continuar sendo os mesmos? Deus sempre está nos vendo para nos proteger e ajudar em qualquer momento, lugar ou situação. Mas quero lhe convidar a pensar um pouco nas suas atitudes diante dessa realidade. Uma leitura do Salmo 139 pode ajudar a entender até onde vai essa companhia. Se você precisa de um alerta mais forte, Hebreus 4:13 aprofunda o assunto ao nos lembrar de que “não há criatura alguma encoberta diante Dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos Daquele a quem havemos de prestar contas” (ACF). Você já pensou em quantas coisas as altas horas da madrugada têm para dizer? O que as luzes apagadas e as portas trancadas de alguns quartos poderiam mostrar? Quantas situações constrangedoras os círculos de amigos contariam? Infelizmente, muitas pessoas passam a impressão de um ótimo comportamento em público, mas levam outra vida em particular. Ellen White chama a atenção para a realidade de que Deus vê tudo. Ela diz: “Se procurássemos sempre ter a consciência de que Deus vê e ouve tudo que fazemos e dizemos e mantém um registro fiel de nossas palavras e ações, e de que um dia vamos prestar contas de tudo isso, teríamos receio de pecar” (Patriarcas e Profetas, p. 217). Esteja alerta contra a armadilha dos pecados secretos. Satanás tem trabalhado para manter algumas pessoas dentro da igreja como cristãos apenas de aparência. Isso aprofunda as raízes do pecado, deixa a vida cristã infeliz e compromete a salvação. É hora de enfrentar a situação, clamar por socorro e repetir, como José no Egito: “Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gn 39:9).


QUARTA

6 DE FEVEREIRO

O triunfo da verdade Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a Sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra. Oseias 6:3

A organização da obra Adventista do Sétimo Dia no território da Divisão Sul-Americana teve capítulos marcantes. No dia 3 de janeiro de 1890, a comissão de missões estrangeiras da igreja mundial fez um apelo a homens que tivessem alguma profissão de sustento próprio para que se mudassem para a América do Sul. Em fevereiro do mesmo ano, Jorge Riffel chegou à Argentina. No dia 18 de agosto de 1894, com a chegada do pastor Frank Westphal, foi dado o grande passo para organizar a obra em nossa região. Ele se tornou presidente de nossa primeira estrutura administrativa, que era chamada de Missão Costa Leste da América do Sul. Por problemas de saúde, em 1901 toda a família de Frank Westphal retornou aos Estados Unidos. Mas José, irmão de Frank, foi enviado para ​​substituí-lo. Em 1927, o pastor José Westphal escreveu um livro para contar suas aventuras durante os 33 anos que trabalhou em nossas terras. O título da obra, porém, tornou-se uma amostra dos desafios que ainda existiam na região: “Pioneirismo no Continente Negligenciado”. No entanto, no último capítulo, que chamou de “O Triunfo da Verdade”, ele revelou a confiança de que o continente seria conquistado pelo Senhor. De modo geral, as denominações protestantes eram céticas em relação à pregação do evangelho em nosso continente, por conta da predominância católica na região. A Igreja Adventista, no entanto, olhava com atenção para a América do Sul. De acordo com George Knight, a segunda grande oferta mundial da Escola Sabatina, recolhida em 1890 para o campo missionário, foi destinada à Missão SulAmericana. Em 1913, a Associação Geral tomou o voto de “agrupar as oito repúblicas ao sul da linha equatorial em uma unidade administrativa”. Há exatamente 103 anos, no dia 6 de fevereiro de 1916, foi organizada nossa sede administrativa, em La Plata, Argentina, com os mesmos oito países que hoje compõem a Divisão Sul-Americana. Deus cuidou de cada detalhe do passado, tem nos sustentado no presente e com certeza reserva coisas ainda maiores para o futuro. Apenas “conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor”.


QUINTA

7 DE FEVEREIRO

Grão de mostarda É como um grão de mostarda, que é a menor semente que se planta na terra. No entanto, uma vez plantado, cresce e se torna a maior de todas as hortaliças. Marcos 4:31, 32, NVI

O grão de mostarda representa muito bem a história da Divisão Sul-Americana. A sede que coordena o trabalho da Igreja Adventista na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai começou muito simples e pequena, mas Deus sempre esteve no comando. Em fevereiro de 1916, quando a sede sul-americana foi organizada, havia apenas um presidente, o missionário norteamericano Oliver Montgomery, e um secretário-tesoureiro. Éramos 4.903 membros batizados, 88 igrejas, três Uniões e 15 campos locais. Mas a igreja mundial criou as condições para o crescimento, enviando para nossa região 13,11% de todos os recursos destinados aos campos missionários. Menos de uma década depois, em 1922, o pastor Montgomery foi escolhido presidente da Divisão Norte-Americana e retornou para sua pátria. Mas o trabalho naquele que era chamado de “continente negligenciado” se tornou tão relevante que Rubén R. Figuhr, presidente da Divisão Sul-Americana de 1941 a 1950, foi escolhido presidente da igreja mundial. O grão de mostarda cresceu, multiplicando a obra que havia começado pequena. Dos 4.903 membros em 1916, a igreja já superou os 2,5 milhões atualmente. Das 88 congregações, já ultrapassamos o número de 28 mil igrejas e grupos. Dos 760 batismos do primeiro ano de nossa Divisão, apenas em 2017, chegamos a 230.364 novos membros. Tínhamos, em 1916, a média de um adventista para cada 851 habitantes. Em 2018, nosso número era de um para cada 136. Enquanto a população aumentou 139,96%, nos últimos 52 anos, a igreja na Divisão Sul-Americana cresceu 1.401,30%. Realmente temos que celebrar as bênçãos e renovar a confiança na direção divina. Esse caminho de conquistas foi aberto por pessoas como Jorge Riffel na Argentina, Albert Staufer no Brasil e no Uruguai, Ferdinand Stahl no Peru, Thomas Davis no Equador, Claudio e Antonieta Dessignet no Chile, Elwin Snyder no Paraguai e Sebastián Pereira na Bolívia. Os próximos capítulos dessa história estão em nossas mãos. Para escrevê- los somos chamados a olhar com confiança através do para-brisa, mas sem tirar os olhos do retrovisor.


SEXTA

8 DE FEVEREIRO

Liberdade e respeito Que vos ameis uns aos outros; como Eu vos amei. João 13:34

Uma das marcas históricas da Igreja Adventista do Sétimo Dia é sua defesa da liberdade, tanto religiosa quanto de expressão. Desde nossa origem, temos levantado essa bandeira não apenas para defender nosso direito de crer, pregar e adorar, mas também para compartilhar os princípios de liberdade e respeito com todos. Em uma sociedade civilizada e com princípios religiosos, liberdade e respeito deveriam ser valores naturais, mas nem sempre tem sido assim. Basta observar que, enquanto 90% dos habitantes do mundo professam alguma religião, o que deveria promover um ambiente de paz, amor e tolerância, 70% da população vive em regiões com algum tipo de restrição à liberdade religiosa e 32% têm restrição alta ou muito alta. Como em nossa região a maioria dos países tem baixa restrição, acabamos nos acomodando com o tema. Contudo, dia a dia, o cenário está se modificando. Devemos ser gratos a Deus pela liberdade oficial, mas também temos de nos preparar para encarar os desafios que começam a surgir. Por outro lado, esses princípios são uma via de mão dupla. Assim como devemos defender a liberdade e usá-la sempre com respeito a qualquer crença ou pessoa, também precisamos receber o mesmo direito. Não podemos aceitar nenhuma imposição que tente calar a expressão de nossa fé. Sobre esse tema, nosso dever é claro: precisamos “lavrar o mais eficaz protesto contra medidas tendentes a restringir a liberdade de consciência” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 452). Nossas ações devem ser sempre em defesa de ideias, evitando confrontação desnecessária. Afinal, não cremos na imposição de nossos valores sobre aqueles que não professam nossa fé. Se, para dar liberdade religiosa a alguns, outros tiverem de perdê-la, estaremos voltando à Idade Média, quando a religião foi usada como meio de opressão. Defendendo, vivendo e compartilhando a liberdade e o respeito, estaremos simplesmente encarnando os ensinamentos de Jesus: “Que vos ameis uns aos outros; como Eu vos amei” (Jo 13:34).


SÁBADO

9 DE FEVEREIRO

Fora de hora e lugar Por volta da meia-noite, [...] oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. Atos 16:25

Como pastor distrital, uma das mais interessantes histórias que ouvi de candidatos ao batismo foi a de uma irmã, moradora da região sul de São Paulo. Ela disse que a motivação para conhecer a igreja se deu pela atitude de um irmão que pulou o muro de sua casa. Achei estranho e fiz mais perguntas. Foi então que ela me contou sobre seu filho envolvido com drogas e as crises que eles tinham em casa. Seu coração foi tocado num dia de grande confusão, quando seu filho estava destruindo o que via. Um membro de nossa igreja, que passava em frente, ouviu o barulho e pulou o muro de mais de dois metros para ajudar. Acalmou a situação e orou com eles. Ela ficou muito impressionada. “Se ele foi capaz de pular o muro e enfrentar meu filho drogado para ajudar minha família, é um cristão de verdade”, pensou. A partir de então, começaram a estudar a Bíblia. Esse não é um método de testemunho convencional. Normalmente, em nossos programas de capacitação, ensinamos sobre amar pessoas e servir à comunidade, mas não orientamos ninguém a entrar numa casa sem permissão. No entanto, muitas vezes, Deus atua fora de hora e lugar. Isso me lembra a história de Paulo e Silas, quando estavam presos em Filipos. Tinham sofrido acusação, agressão e condenação (At 16:19-40). Porém, quando chegaram à prisão, em vez de gritar, brigar ou mesmo se defender, começaram a cantar e orar. E o mais interessante é que faziam isso por volta da meia-noite. O sofrimento não os impediu de testemunhar de maneira profunda e envolvente, a tal ponto que os outros presos se interessaram. Será que à meia-noite era a melhor hora para cantar num ambiente público? A prisão era o melhor lugar? Eles não escolheram hora nem lugar, apenas aproveitaram a oportunidade para dar seu testemunho. O resultado dessa atitude fora de hora e lugar foi um terremoto e o batismo do carcereiro e de sua família. O Espírito de Deus não escolhe circunstâncias para agir. Testemunhe sempre com respeito e carinho, mas sem ficar preso às limitações de tempo e espaço. Como aconteceu com Paulo e Silas, Deus também vai quebrar muralhas, paredes e corações para você.


DOMINGO

10 DE FEVEREIRO

Bênçãos no sofrimento Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte. 2 Coríntios 12:10

Momentos de crise costumam despertar muitas perguntas e oferecer poucas respostas, pois a realidade do sofrimento está muito acima de nossa compreensão. Mas Deus oferece a certeza de que estamos em Suas mãos, por mais que seja difícil entender ou aceitar. Podemos descansar na promessa de que “Deus não conduz jamais Seus filhos de maneira diferente da que eles escolheriam se pudessem ver o fim desde o princípio e discernir a glória do propósito que estão realizando como Seus colaboradores” (A Ciência do Bom Viver, p. 479). A visão do apóstolo Paulo era ainda mais ampla. Falando do espinho na carne, que tanto o incomodava, ele concluiu: “Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co 12:10). Sim, fraquezas renovam as forças. Elas nos tornam mais abertos, acessíveis e dependentes. E há pelo menos três razões para isso: 1. Promovem reavaliação da vida pessoal. Em função da vida apressada, muitas vezes deixamos o principal se tornar secundário, e o secundário ocupar o lugar principal. Isso acontece até surgir uma doença grave, a perda de um emprego ou uma crise familiar. Nesses momentos, os verdadeiros valores pessoais tendem a ressurgir. 2. Fortalecem os relacionamentos. O sofrimento une as pessoas e faz as dificuldades de relacionamento se tornarem pequenas. Vi isso bem de perto ao visitar uma pessoa gravemente doente. Por estar internada em uma área de cuidados intensivos, precisei esperar suas duas filhas adultas saírem para que eu pudesse entrar. Acabei descobrindo que elas eram inimigas, mas o amor em comum pela mãe diminuiu as diferenças. 3. Estimulam o encontro com Deus. A dor e o sofrimento podem restaurar o caminho de volta a Deus. Quando os desafios são maiores que sua capacidade de enfrentá-los, a única alternativa é pedir socorro ao Céu. Quantas pessoas tiveram seu verdadeiro encontro com Deus em um momento de dor? Não desanime na crise. Lembre-se de que “tempos ruins para se viver são bons para se aprender”, porque nossos grandes desafios precedem nossos maiores milagres.


SEGUNDA

11 DE FEVEREIRO

Presente de Deus A Ti me entreguei desde o meu nascimento; desde o ventre de minha mãe, Tu és meu Deus. Salmo 22:10

Desde o tempo de namoro, eu e minha esposa, Adriene, conversamos sobre filhos. Nosso plano era esperar alguns anos, após nos casarmos, para termos nossas crianças. O tempo passou, a hora chegou, mas descobrimos que ela não podia engravidar. Para tentar realizar esse sonho, começamos uma rotina de exames e tratamentos. Foi um tempo de muita dor e sofrimento, especialmente para ela. Porém, depois de sete anos de casados e sem sucesso nos tratamentos, decidimos deixar o sonho de lado. Imaginávamos que Deus tivesse outros planos e que nossa parte seria entender e aceitar. No entanto, quando fiz uma semana de oração em uma instituição adventista de ensino superior, sugeri aos alunos que escolhessem um pedido especial e orassem por ele toda a semana. Estimulei que fosse uma oração importuna em busca de uma resposta direta de Deus. Minha esposa estava comigo, e o sonho renasceu em nosso coração. Por que não colocar a situação diante de Deus e pedir um milagre? Foi por isso que oramos intensamente toda a semana. Pouco tempo depois, veio a notícia de que ela estava grávida. Não era a primeira vez que isso acontecia; ela sempre perdia o bebê logo no começo. Rapidamente buscamos acompanhamento médico, e o diagnóstico era de uma gravidez de alto risco, com repouso intenso nos primeiros meses, devendo se estender por todo o período. Deus fez um milagre, a gravidez deu certo, e ela só teve repouso nos primeiros dias. Como resultado, no dia 11 de fevereiro de 2000, em Recife, nasceu Matheus, nosso primeiro filho. Escolhemos esse nome pelo significado: “presente de Deus”. Ele se tornou uma lembrança de que não tivemos apenas um filho, mas recebemos um milagre. O texto bíblico de hoje é o preferido de Matheus, pois o lembra que, desde o nascimento, ele foi entregue a Deus. Seis anos depois, nossa família recebeu outro milagre: o nascimento de minha filha Mariana. Escolhemos seu nome também com um significado: a união dos nomes de Maria e Ana, duas mulheres que também tiveram filhos por intervenção divina. Nosso Deus continua o mesmo. De que bênção você está precisando hoje? Experimente entregar e confiar sua vida ao Senhor. Ele sempre faz os milagres certos, na hora certa.


TERÇA

12 DE FEVEREIRO

Escolhas Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada. Lucas 10:42

O dia de hoje marca os 210 anos do nascimento de dois homens que fizeram escolhas muito diferentes. Abraham Lincoln e Charles Darwin nasceram em 12 de fevereiro de 1809, separados por poucas horas e pelos lados opostos do Atlântico: Lincoln, nos Estados Unidos, e Darwin, na Inglaterra. Aos 22 anos, saíram para enfrentar a vida e foram moldados nas águas. Lincoln trabalhando em um barco no rio Mississipi, e Darwin, viajando ao redor do mundo no navio HMS Beagle. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1860, ambos tiveram suas maiores realizações. Darwin se tornou um famoso naturalista e escreveu seu livro mais famoso, intitulado A Origem das Espécies. Lincoln se tornou o 16o presidente dos Estados Unidos e o libertador dos escravos norte-americanos. Darwin dedicou sua vida ao estudo da ciência e do desenvolvimento dos seres vivos, mas sempre alimentando o conflito entre ciência e fé. Destruiu a confiança de muita gente na revelação e na criação. Durante toda sua vida foi cauteloso ao emitir opinião sobre temas espirituais. Era casado com uma mulher muito religiosa e queria poupar a família de desconfortos. Ao longo dos anos, escreveu muitas cartas, mas em nenhuma delas admitiu não acreditar em Deus. Aos 71 anos, ele enviou uma carta de três linhas para um advogado inglês, identificado como Frederick McDermott, em que finalmente assumiu: “Não creio na Bíblia como revelação divina; portanto, também não acredito em Jesus como o Filho de Deus.” Já Abraham Lincoln fortaleceu a fé e a unidade de seu povo. Enfrentou várias derrotas até chegar à liderança de seu país, superou a guerra civil e aboliu a escravatura, mas resgatou a nação. Foram dele as palavras: “Senhor, minha ​preoCupação não é se Deus está do nosso lado; minha maior preocupação é estar do lado de Deus, porque Deus sempre está certo.” Sua vida foi tão marcante, que somente Jesus e Napoleão Bonaparte foram mais biografados do que ele. Dois homens, duas oportunidades e duas histórias. Darwin rejeitou Cristo, a religião e a Bíblia. Lincoln afirmou: “Eu entendo que um homem possa olhar para baixo, para a terra, e ser um ateu; mas não posso conceber que ele olhe para os céus e diga que não existe Deus.” E você, que escolhas está fazendo?


QUARTA

13 DE FEVEREIRO

Literal ou simbólico? No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. Gênesis 1:1, 2

A discussão entre o literal e o simbólico está presente no tema das origens do Universo e da vida. Afinal, o relato da semana da criação é literal ou simbólico? Na ótica de cristãos genuínos, é uma descrição literal. Na visão de cristãos embebidos de secularismo e naturalismo, o relato bíblico da criação é meramente simbólico. Trata-se apenas de uma ilustração didática para mostrar Deus por trás da origem da vida. Afinal, é difícil acreditar que um mundo tão complexo tenha surgido de forma tão simples. Precisamos responder a algumas perguntas quando refletimos sobre esse tema: Somos resultado de um processo de evolução ou vivemos as consequências de um processo de degeneração? O avanço da ciência e tecnologia deve ser interpretado apenas como progresso do conhecimento ou é evolução do ser humano? A visão geral da evolução indica que surgimos de forma natural, dentro de processos muito primitivos. A vida humana se desenvolveu a partir de formas primárias até se tornar o que é. Por sua vez, as Escrituras deixam claro que fomos criados perfeitos pelo próprio Deus. De acordo com a Bíblia, a partir da entrada do pecado, teve início um processo de degeneração, que tem atingido níveis cada vez mais baixos. Cristo veio para nos salvar disso e prometeu voltar para nos levar ao estado original. É o processo inverso da evolução. Quem encara os primeiros capítulos de Gênesis como simbólicos acaba reproduzindo essa visão para toda a Bíblia, pois sente-se livre para selecionar o que gosta e interpretar como deseja. O resultado será superficialidade e confusão espiritual. Por exemplo: se não houve criação, também não houve casa- mento entre homem e mulher; se não houve criação, o sábado é apenas herança cultural de uma nação e não há razão para ​observá-lo; se não houve criação, também não surgiu o pecado na Terra e não há necessidade de um Salvador. E mais: Por que Jesus deveria voltar para recriar a Terra? Seja fiel à revelação, pois quem aceita e segue fielmente as orientações de Deus acerta no presente e ganha na eternidade.


QUINTA

14 DE FEVEREIRO

As cinco fases do amor O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará. 1 Coríntios 13:8

Por que alguns relacionamentos duram e são felizes, enquanto outros sofrem com os problemas e alguns acabam? A resposta está no amor, que é o cimento que une vidas e cola relacionamentos. Sem respeito, o amor se perde; sem cuidado, se desgasta; sem honestidade, se entristece; sem confiança, acaba. Cultivar o amor não é uma tarefa simples nem acontece de forma automática. Segundo o psicólogo Jed Diamond, o amor se consolida quando consegue superar cinco fases da vida a dois. 1a fase: Paixão. É a fase mais envolvente do relacionamento. Os “hormônios do amor”, a dopamina, oxitocina, serotonina, testosterona e estrogênio, atuam intensamente. Nesse período, cada um acredita que o outro é seu companheiro ideal. 2a fase: Comprometimento. Nessa fase, o amor se aprofunda, e os casais começam a construir a vida juntos. É um tempo de união e alegria, quando cada um descobre o que o outro gosta, e a vida a dois ganha profundidade. 3a fase: Desilusão. Nessa fase, muitos relacionamentos acabam, porque parece que aquele sentimento gostoso de amor e alegrias começa a desaparecer. Pequenos problemas vão se tornando grandes irritações. Por outro lado, muitos casais aproveitam esse momento para aprender a apreciar ainda mais o cônjuge. É o momento ideal para entender que o amor existe “quando você tem todos os motivos para desistir de alguém e não desiste”. 4a fase: Amor verdadeiro. Nesse ponto, o casal começa a ajudar-se mutuamente a curar as feridas. O amor que eles pensavam ter sumido reaparece; dessa vez, com maturidade e compreensão profunda um do outro. Quando um casal finalmente consegue passar a fase da desilusão, começa a enxergar o cônjuge como ele realmente é. 5a fase: Transformação. É o momento em que o casal já é capaz de pensar como um só, buscando e batalhando por um propósito em comum. Fortaleça seu relacionamento, lembrando que sucesso “não é encontrar a pessoa certa, mas ser a pessoa certa no poder da Pessoa perfeita (Deus)” (John Piper).


SEXTA

15 DE FEVEREIRO

Desespero ou esperança? Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima. Lucas 21:28

Como você encara o preparo para a volta de Cristo? Com alegria e esperança ou com medo e desespero? Tenho acompanhado diferentes e-mails, cartas, “documentos”, notícias, sites, sermões e seminários que pretendem apresentar as últimas descobertas ou as teorias mais interessantes sobre a segunda vinda de Cristo. Muitos tratam o tema com equilíbrio e profundidade, mas alguns o apresentam de forma alarmista, gerando agitação, medo e desespero. É curioso ver como surgem pessoas apresentando informações “secretas”, que só elas possuem, ou as últimas novidades que foram “descobertas”. Será que gente assim consegue encarar o encontro com Cristo de forma positiva no seu dia a dia, vivendo o Céu na Terra e preparando-se para deixar a Terra e ir para o Céu? Ou precisam do medo e desespero como motivação? Em geral, os pregadores desses “reavivamentos” se estabelecem com críticas à igreja, a seus pastores, líderes e membros que discordam deles. Como igreja, precisamos buscar mais consagração, reavivamento e reforma. Vigílias, pequenos grupos e correntes de oração são fundamentais, assim como a busca diária pelo batismo do Espírito Santo e o comprometimento com o estilo de vida do Céu. Tudo isso deve sempre ser entendido como resultado de um compromisso pessoal e diário com Deus, de um clamor sincero e um estudo profundo da Bíblia e das profecias, e não de um sensacionalismo passageiro. Nos últimos dias, haverá um despertamento verdadeiro dentro da igreja. Isso ocorrerá como resultado da unidade, apoio espiritual mútuo, profundo estudo da Bíblia, oração e missão. A igreja se levantará unida para pregar, com poder, a mensagem do terceiro anjo. Reavivamento não combina com críticas desagregadoras e mordazes ao povo de Deus, pois a “igreja, débil e ​defeituosa, precisando ser repreendida, advertida e aconselhada, é o único objeto na Terra ao qual Cristo confere Sua suprema consideração” (Eventos Finais, p. 52). Quero desafiar você a não ficar correndo atrás de “novidades” nem dando ouvido a especulações. Alimente a “bendita esperança” (Tt 2:13) para não se expor a uma grande frustração.


SÁBADO

16 DE FEVEREIRO

Fogo do céu Vendo isto, os discípulos Tiago e João perguntaram: Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os consumir? Lucas 9:54

Poucos meses antes de ser morto, Jesus estava com Seus discípulos atravessando o território montanhoso de Samaria. Por ser quase noite, tentaram dormir na cidade, mas foram rejeitados pelos habitantes do local. A reação dos moradores foi motivada pelo forte clima de tensão entre judeus e samaritanos. Aquele era um conflito antigo. Os judeus diziam que os samaritanos haviam se misturado com outros povos e perderam sua linhagem como fiéis. Era um insulto para um judeu ser chamado de “samaritano” (Jo 8:48; 4:9). A partir desse contexto, fica mais fácil entender a reação dos discípulos quando souberam que seu pedido de hospitalidade havia sido negado. Naquele momento entraram em cena os “filhos do trovão”: “Quer que mandemos descer fogo do céu para matá-los?” O mais impressionante é o contraste entre a atitude dos discípulos e a visão de Jesus. Talvez eles pensassem que, com uma demonstração de poder tão impressionante, a mensagem do evangelho poderia criar um impacto e ser espalhada rapidamente. Os dois apóstolos estavam dispostos a sacrificar a vida dos moradores da vila para defender ou fazer avançar o evangelho. Mas Jesus os repreendeu. Mais tarde, os apóstolos ouviram que Samaria tinha aceitado o evangelho (At 8:14), e quem foi enviado para ajudá-los? Pedro e João. Lá estava João outra vez entre os samaritanos. Sozinho ali, ele entendeu que o propósito de Deus não era destruir, mas salvar aquele povo. Jesus decidiu não enviar uma chuva de fogo sobre eles, mas a chuva do Espírito Santo. O que deve ter passado pela mente de João quando viu o mesmo povo, que ele estivera pronto a destruir, alegrando-se na salvação? Como ele deve ter ficado agradecido a Jesus por não ter permitido que levasse adiante seus planos! Que tremendo contraste entre a visão do homem e a de Deus. A atitude humana teria levado à destruição de uma vila inteira. Contudo, o plano de Deus era dar salvação a todos eles. As pessoas sempre serão muito mais beneficiadas pelo que Deus quer dar do que pelo que nós queremos fazer.


DOMINGO

17 DE FEVEREIRO

Para o Senhor Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens. Colossenses 3:23

Pensando em ter o melhor resultado, alguns produtores de batata decidiram guardar as maiores para si e plantar apenas as menores. Depois de algumas colheitas insatisfatórias, descobriram que a natureza havia reduzido o tamanho das batatas colhidas. Com isso, eles decidiram estudar a situação e aprenderam uma importante lição: não podiam ficar com as coisas melhores e usar apenas as piores. A lei da vida ensinou a eles que a colheita seria o reflexo do plantio e que o egoísmo nunca seria recompensado com o altruísmo. É assim também na vida espiritual. A felicidade não é resultado do que ganhamos, mas do que damos. “O prazer de fazer o bem aos outros comunica aos sentimentos calor que atravessa os nervos, aviva a circulação do sangue e promove a saúde mental e física” (Testemunhos Para a Igreja, v. 4 p. 56). Para que isso ocorra, porém, é preciso entender a diferença entre fazer coisas para pessoas ou fazer algo para Deus. As pessoas podem nos desapontar, trair, rejeitar e maltratar. Deus não. Ao dar o nosso melhor para o benefício dos outros, devemos pensar que estamos fazendo para Deus. Um esposo não ama sua mulher simplesmente porque está casado com ela, mas porque Deus orienta a agir assim (Ef 5:25). Não tratamos nossos amigos apenas como eles nos tratam, mas como Cristo nos amou e nos deu o exemplo (Jo 13:14). Fazemos o melhor em nosso trabalho não como retribuição à maneira como os empregadores nos tratam, mas de acordo com a maneira como Deus nos trata. É a Ele que servimos (Ef 6:5). Se esse é o nosso princípio, então mediocridade e preguiça não terão lugar na vida cristã. Existirá integridade no lar e no ambiente de trabalho. Afinal, nosso compromisso não é com homens, mas com o Senhor. Nosso esforço se torna uma oferta para Deus. “Se Cristo habita em nós, manifestaremos Seu abnegado amor para com todos com quem temos de tratar. Ao vermos homens e mulheres necessitados de simpatia e auxílio, não devemos indagar: ‘São eles dignos?’, mas: ‘Como os poderei beneficiar?’” (A Ciência do Bom Viver, p. 162). Afinal, Ele é digno de nossos melhores esforços.


SEGUNDA

18 DE FEVEREIRO

Entrega completa Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes. Salmo 126:5, 6, NVI

Um grave acidente automobilístico vitimou o pastor Ivo de Souza, sua esposa e seus filhos. Acompanhei de perto os efeitos dessa tragédia. O pastor Ivo era primo do meu pai, que também é pastor. Eles foram criados em fazendas vizinhas. Nas férias pastorais, nossas famílias sempre se encontravam por alguns dias. No dia 17 de fevereiro de 1973, o pastor Ivo Souza pregou aquele que acabaria sendo seu último sermão na igreja de Rolante, sua terra natal. No dia 18, saiu de viagem com toda a família para o Rio de Janeiro, onde viviam. Ainda me lembro, com muita emoção, do momento da despedida. Eu e meus irmãos estávamos brincando no campo com os três filhos da família. Fizemos um ​círculo de mãos dadas e oramos. Eles entraram no carro e começaram a viagem. No outro dia, 19 de fevereiro, recebemos a notícia do acidente. Difícil de acreditar! Voltamos à mesma igreja, no dia seguinte, e lá estava toda a família, mas em cinco caixões diferentes. Poucos dias antes, a mesma igreja havia ouvido um sermão em vida, mas, no velório, ouviu a mensagem silenciosa de uma entrega completa. Toda a família está enterrada, um ao lado do outro, no cemitério adventista que fica atrás da igreja. Foi um momento difícil para os familiares. Mas enfrentaram com equilíbrio, sustentados pelo Senhor e apoiados por muitos amigos. O mais impressionante foi a atitude do pai, Balduíno Souza, que, ao receber os valores de indenização pela morte do filho e de sua família, doou tudo para a construção de um novo edifício escolar que pudesse preparar futuros pastores para ocupar o lugar deixado pelo filho. Exatamente um ano e oito meses após o sepultamento, em 20 de outubro de 1974, foi inaugurado o novo edifício da Escola Adventista Osvaldo Cruz, agora chamada Escola Adventista Pastor Ivo Souza, em homenagem ao ex-aluno. Rolante, onde Ivo Souza nasceu, é um berço de servidores da igreja. Muitos deles foram educados no edifício escolar construído com aquela doação especial. O que foi plantado com as lágrimas de uma família hoje é colhido com a alegria da salvação de muitas pessoas. O que você está disposto a entregar ao Senhor?


TERÇA

19 DE FEVEREIRO

A graça de Deus E, se é pela graça, já não é pelas obras; do contrário, a graça já não é graça. Romanos 11:6

Você sabe explicar o que a graça realmente significa? Tem experimentado esse presente? Ela influencia a maneira como você encara o cristianismo, os amigos, a família, a igreja, o estilo de vida? Imagine a seguinte situação. Um trabalhador sonhava em ter um carro novo. Comprou um modelo simples e barato, fazendo um longo financiamento. Pagava as prestações com sacrifício. Um dia, ao voltar para casa, descobriu que o carro tinha sido roubado. Ficou desolado, pois não tinha seguro e apenas três parcelas, de um total de 60, estavam pagas. Para piorar, dois meses depois, ele foi demitido. Parecia impossível controlar a situação. Os dias foram passando, e o dinheiro da demissão também foi acabando. A partir daí, as contas começaram a se ​acumular. Por correio, chegaram as primeiras cobranças. O cartão de crédito foi suspenso, e as dívidas se tornaram impagáveis. A casa onde vivia com a família era financiada. Por conta das dívidas, também teriam que entregá-la. Receberam o prazo de 30 dias para fazer os pagamentos atrasados ou desocupar o imóvel. Os 30 dias acabaram, e não houve solução. Depois de conversar com a esposa e os filhos, decidiu orar com eles e, mais uma vez, entregar tudo nas mãos de Deus. Logo cedo prepararam as roupas e alguns pertences para saírem, pois todas as tentativas haviam fracassado. A campainha tocou. Ao atenderem, receberam um envelope das mãos de um homem, que rapidamente saiu. Preparado para mais cobranças, o pai começou a abrir o envelope. A primeira coisa que viu foi um papel com uma mensagem: “Fiz um levantamento de suas dívidas e paguei todas elas. Os comprovantes estão dentro deste envelope. Além disso, deixei o saldo de sua conta bancária positivo. A vida vai recomeçar.” Com essa simples ilustração, você consegue entender melhor a graça salvadora? É ela que paga o preço, liberta, traz vida e renova a esperança. A graça de Cristo nos basta (2Co 12:9).


QUARTA

20 DE FEVEREIRO

Fragrâncias que nunca desvanecem Que darei ao SENHOR por todos os Seus benefícios para comigo? Salmo 116:12

Ele havia sido milagrosamente curado de uma doença terrível e decidiu organizar uma festa de celebração e gratidão com a presença de muitos pacientes recuperados. De repente, uma mulher quebrou um vaso de alabastro e derramou um perfume de nardo puro sobre a cabeça do convidado principal (Mt 26:7). O custo daquele perfume era equivalente ao salário de um ano de trabalho. A responsável pela homenagem: Maria. Ela homenageou Jesus, que havia restaurado a vida de tantas pessoas. Não foi apenas um ato de cortesia, mas também de sacrifício. O preço do perfume indicava que ele havia sido comprado com grande esforço. Na verdade, foi uma entrega como resultado de um amor verdadeiro. Os discípulos ficaram indignados. “Por que desperdiçar tanto? O dinheiro poderia ser dado aos pobres”, disseram eles. O coração de Maria “estava repleto de amor puro e santo. O sentimento [dela] era: ‘Que darei ao SENHOR por todos os Seus benefícios para comigo?’ (Sl 116:12). Aquele bálsamo precioso, como fora avaliado pelos discípulos, nada mais era que uma fraca expressão de seu amor por seu Mestre. Mas Cristo soube valorizar a dádiva como uma expressão de amor, e o coração de Maria se encheu de perfeita paz e felicidade” (Cristo Triunfante, p. 252). Quanto você estaria disposto a gastar em um perfume para Jesus? Mais do que pensar num presente material para o Mestre, lembre-se de que as boas ações são fragrâncias que nunca desaparecem. Na cidade de Antonina, litoral do Paraná, especificamente no bairro Portinho, uma outra Maria, depois de ver seu pequeno grupo crescer e se multiplicar, não tinha mais espaço em sua casa para atender as pessoas que vinham a cada semana. Ela decidiu derrubar as paredes e transformar a casa em uma igreja. Para isso, ela teve que ir morar com sua filha. Essa foi uma decisão de toda a família, que estava muito feliz por fazer parte do cumprimento da missão. A Maria dos tempos de Jesus, que se assentou aos pés do Salvador para ouvi-Lo, como uma expressão de gratidão, amor e sacrifício, dedicou um ano de salário ao Salvador. A Maria de nossos dias, com o mesmo espírito de amor e senso de missão, transformou sua casa em uma igreja. E você? O que está disposto a fazer para servir ao Senhor?


QUINTA

21 DE FEVEREIRO

Tudo pela missão E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas! Romanos 10:15

William Franklin Graham Jr. (1918-2018) deu uma grande contribuição para o cumprimento da missão. Mais conhecido como Billy Graham, entregou o coração a Jesus aos 16 anos em uma campanha evangelística. Billy cresceu durante a grande depressão dos anos 1930; nesse contexto, aprendeu o valor do trabalho duro. Casou-se, em 1943, com Ruth Bell (1920-2007), nascida na China e filha de missionários naquele país. Billy foi o pregador que alcançou o maior número de pessoas nos tempos modernos. Em suas cruzadas, que começaram em 1948, em estádios, parques e outros locais públicos, falou para uma audiência direta de quase 210 milhões, em 185 países. De acordo com sua equipe, a partir de 1993, mais de 2,5 milhões de pessoas haviam atendido a seus apelos. A cruzada de Los Angeles, em 1949, tornou Billy Graham conhecido internacionalmente. As reuniões aconteceram durante oito semanas, com multidões superlotando uma tenda erguida no centro da cidade. A partir daí, o movimento se espalhou pelo mundo. Em 1992, anunciou que sofria da doença de Parkinson e, por isso, teria que aliviar seu ritmo de trabalho. Em junho de 2005, iniciou sua última cruzada em Nova York. Em 21 de fevereiro de 2018, há exatamente um ano, faleceu, depois de uma longa luta contra o câncer. As mensagens de Billy Graham alcançaram multidões. Sua facilidade em falar a língua do povo o ajudou a tornar a linguagem bíblica compreensível. Frases como “Estude a Bíblia para ser sábio; creia nela para ser salvo; siga seus preceitos para ser santo” e “Nós somos as Bíblias que o mundo está lendo” evidenciam isso. Billy Graham foi um exemplo de comprometimento com uma missão. Seu zelo evangelístico deve servir de inspiração para nós, ainda que tenhamos diferenças doutrinárias em relação a pontos de seu ensino. Como adventistas, somos comissionados a anunciar o evangelho eterno no contexto das três mensagens angélicas. Essa é a nossa missão. Entregue-se sem reservas a esse chamado, e Deus fará grandes coisas por meio de sua vida.


SEXTA

22 DE FEVEREIRO

Resgatando valores Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis. 2 Timóteo 3:1

Os dias têm sido cada vez mais difíceis. O que a Bíblia já tinha antecipado as notícias confirmam cada dia. Os desafios estão por todos os lados, mas muitos deles afetam nossas crenças, valores e missão. Algumas perguntas surgem: O que podemos fazer para minimizar esse efeito? Vamos nos identificar com os hábitos da sociedade para sermos aceitos ou vamos nos apegar à Palavra de Deus para sermos salvos? Vamos continuar como um grande movimento ou nos tornaremos apenas um lindo monumento? São temas difíceis, mas que despertam reflexões necessárias. Conhecemos as profecias e sabemos que, mais do que nunca, a igreja precisa ser a voz de Deus e não o eco da cultura. Mas por que alguns acabam cedendo à pressão para ser mais genéricos e menos adventistas? Por que fecham os olhos para a realidade e escolhem a zona de conforto? Precisamos começar um movimento que resgate valores do interior para o exterior. Princípios que não podem ser esquecidos, mas precisam ser renovados neste momento de profundas crises e decisões morais, éticas e especialmente espirituais. Sem dúvida, tudo começa com a ação do Espírito Santo, mas ela não pode ficar restrita apenas ao coração. Nossas atitudes e relacionamentos precisam espelhar a obra divina em nossa vida interior. Como disse Lee Venden: “Cristianismo não diz respeito ao que você faz, mas a quem você conhece. Porém, quem você conhece muda o que você faz.” Não podemos comprometer nossa identidade, especialmente na reta final da jornada. Ellen White viu aqueles que “estavam no caminho largo, e, no entanto, professavam pertencer ao número dos que viajavam no caminho estreito. Os que estavam em redor deles diziam: ‘Não há distinção entre nós. Somos iguais; vestimos, falamos e procedemos semelhantemente’” (Mensagens aos Jovens, p. 127). Richard Baxter advertiu: “O Céu pagará qualquer prejuízo que possamos sofrer para ganhá-lo; mas nada pode pagar o prejuízo de perdê-lo.” É preciso que assumamos sem medo nossa identidade, renunciemos ao mundo e vivamos, “acima de tudo, de modo digno do evangelho de Cristo” (Fp 1:27).


SÁBADO

23 DE FEVEREIRO

Pregar e viver Efraim se mistura com os povos e é um pão que não foi virado. Oseias 7:8

Nos últimos anos, temos realizado grandes movimentos missionários. Multidões têm ido às ruas no Impacto Esperança e em projetos regionais e locais. Esse é nosso chamado, pois quem não ama a missão deve duvidar da própria salvação. Ou como diz o evangelista alemão Reinhard Bonnke: “Não pregar o evangelho significa que estamos escondendo o remédio do paciente.” Por outro lado, enquanto avançamos no cumprimento da missão, tenho refletido em nossa situação como igreja. Estamos evangelizando e ao mesmo tempo nos tornando mais sólidos? Estamos preocupados em oferecer, mas também em viver a mensagem que pregamos? Com preocupação, LeRoy Froom já alertava: “Enquanto a igreja evangeliza o mundo, o mundo seculariza a igreja.” Essa não pode ser nossa realidade! Vamos conquistar multidões para o reino dos Céus, mas precisamos chegar lá com elas. De maneira nenhuma podemos correr o risco de pregar a outros e ao final sermos desqualificados (1Co 11:27). Não podemos enfraquecer o cumprimento da missão; mas, ao mesmo tempo, precisamos fortalecer nosso compromisso com um estilo de vida bíblico, cristão e adventista. Só assim teremos um crescimento completo. Temos que pregar, mas, ao mesmo tempo, viver. Precisamos continuar sendo o remanescente da profecia bíblica, que está no mundo, mas não é do mundo. Oseias apresenta Efraim como um “pão que não foi virado”. Em outras palavras: bem assado de um lado e quase cru do outro. É o risco que pode afetar a igreja se não encontrar o equilíbrio correto. Podemos nos tornar fortes na missão e frágeis na identidade. Não podemos nos iludir; pois, como disse Emílio Abdala, “a igreja faz mais pelo mundo quando se parece menos com o mundo”. Quando tentamos ser iguais pensando em conquistá-los, definitivamente nos enfraquecemos. Ellen White foi clara sobre como podemos cumprir a missão com eficácia: “Uma vida semelhante à de Cristo é o mais poderoso argumento que pode ser apresentado em favor do cristianismo” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 290). Por isso, precisamos pregar e viver! Quero desafiar você a aprofundar a caminhada com Deus e torná-la visível em seu estilo de vida. Só assim poderemos pregar e viver na certeza de que aquele que faz a obra de Deus, usando os métodos de Deus, alcançará os resultados de Deus.


DOMINGO

24 DE FEVEREIRO

Quando o impossível se torna possível E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo. Atos 2:3, 4

Nas reuniões de liderança da igreja mundial, são discutidos os desafios e planos para regiões muito complexas. Um dos temas frequentes é a pregação do evangelho nas grandes metrópoles do mundo. Em muitas dessas cidades gigantescas, a presença adventista ainda é muito pequena. Se olharmos para a realidade do mundo todo, a preocupação é ainda maior. Em outubro de 2017, chegamos a 7,6 bilhões de habitantes, mas temos pouco mais de 20 milhões de adventistas. Como vamos alcançar tantos com tão poucos? Precisamos começar com a certeza de que essa obra é de Deus e não de seres humanos. Para nós, ela é impossível, mas o Senhor trabalha com milagres. A igreja apostólica iniciou com apenas 12 líderes e poucos fiéis; seu desafio era alcançar os mais de 200 milhões daqueles dias. Os apóstolos foram tão bem-sucedidos que, em 50 anos, o cristianismo se estabeleceu no mundo conhecido. O segredo foi a ação do Espírito Santo. Isso porque “não pode haver limite para a utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o próprio eu, ofereça margem à operação do Espírito Santo em seu coração e vive uma vida inteiramente consagrada a Deus” (A Ciência do Bom Viver, p. 159). A igreja de hoje precisa do Espírito Santo da mesma forma. Porém, como Billy Graham alertou acertadamente: “Cerca de 95% das atividades da igreja hoje poderiam continuar se o Espírito Santo fosse retirado de nós. Na igreja apostólica, 95% de todas as atividades parariam se o Espírito Santo fosse removido.” É necessário que entendamos que, sem Deus, somos completamente incapazes de cumprir a missão. No Pentecostes, a igreja tinha apenas 120 pessoas buscando o poder do alto. Ao cair a chuva temporã, o resultado foi de 3 mil pessoas batizadas. A pequena congregação cresceu 25 vezes num único sermão. Você entende o que o Espírito Santo pode fazer quando desce sobre a igreja? As impossibilidades desaparecem. Está profetizado o derramamento da chuva serôdia para nossos dias. Clame por esse poder e faça parte do grande movimento de salvação que Deus está realizando.


SEGUNDA

25 DE FEVEREIRO

Não Me esqueci de ti Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, Eu, todavia, não Me esquecerei de ti. Isaías 49:15

O que você sente quando pensa no amor de mãe? Lembra-se de sua infância? Imagina um amor guerreiro, apoiador e incondicional? Em geral, os filhos reconhecem no amor de mãe o sentimento mais forte e profundo que pode existir no mundo. Por isso, Deus o usa como referência para explicar o que Ele sente pela humanidade. Não há nada tão longe que o amor divino não consiga alcançar, tão profundo que não possa buscar nem impossível que não seja capaz de transformar. Cada promessa de Deus será cumprida no momento certo, ainda que pareça atrasada em nossa perspectiva. Há três décadas, um hino tem ajudado a gravar a mensagem do verso bíblico de hoje no coração de muita gente. Trata-se de “Eu Não Me Esqueci de Ti”, composição do pastor e maestro Jader Santos. Esse hino nasceu em um sábado de 1987, quando Jader ouviu um sermão do pastor Moisés Nigri na Igreja Adventista de Botafogo, no Rio de Janeiro. O sermão sobre a volta de Jesus o impressionou tanto que ele decidiu compor sobre aquele tema. Como os estúdios de A Voz da Profecia ficavam atrás da igreja de Botafogo, Jader foi para sua sala, logo após o culto, e compôs essa música em apenas 30 minutos. Foi um presente de Deus! A ideia inicial era que o quarteto Arautos do Rei gravasse a nova composição, mas não deu certo. A música ficou parada. No ano seguinte, o grupo Prisma Brasil fez a primeira gravação e, a partir daí, a melodia se tornou conhecida e querida pela igreja. Anos depois, com um novo arranjo, ela foi gravada pelos Arautos do Rei e hoje também é parte do Hinário Adventista (no 499). Nesse hino, Deus reafirma a mensagem de Seu amor ilimitado e inspira nossa fé na realidade de que, em breve, Jesus voltará para nos levar para o Céu. Hoje, por meio da poesia de Jader Santos, Deus mais uma vez nos diz: “Eu não Me esqueci de ti, virei outra vez.”


TERÇA

26 DE FEVEREIRO

Faça sua parte Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam; pois esta é a Lei e os Profetas. Mateus 7:12, NVI

Uma manchete do jornal O Estado de São Paulo, de 16 de janeiro de 2017, chamou minha atenção: “Sem-teto oferece agasalho para casal com frio e, em agradecimento, recebe convite que muda sua vida.” Uma história impressionante de sensibilidade e solidariedade. Os protagonistas foram o casal inglês Charlotte e Taylor, de 22 anos, e o morador de rua Joey. No dia 4 de janeiro, o casal havia perdido o último trem da madrugada em Londres. Os dois teriam que esperar por mais quatro horas sob o frio congelante da capital inglesa, mas Joey viu a situação e ofereceu um casaco e um cobertor, para que eles não sofressem na baixa temperatura. “Uma voz atrás de mim disse: ‘Você pode pegar meu casaco e meu edredom emprestados. É uma longa espera, e está fazendo muito frio nesta noite.’ Eu me virei e vi Joey pela primeira vez. Pulei na mesma hora para debaixo do edredom e agradeci o gesto, enquanto Taylor me olhou com aquela cara”, contou Charlotte em uma postagem no Facebook. O casal, emocionado com a atitude de Joey, decidiu convidá-lo para ir à sua casa. Joey não queria aceitar o convite. “Eu falei ao Joey que me recusava a ir embora sem ele”, disse Charlotte em sua rede social. Foi preciso que Taylor dissesse: “Se você não for conosco, eu não vou conseguir levá-la para casa.” Joey finalmente aceitou. Charlotte conta que sua família e amigos, no começo, disseram que eles estavam loucos. Mas, depois que eles apresentaram Joey, todos o receberam muito bem. Em cinco dias, Joey conquistou a todos. O melhor ocorreu no quinto dia. Joey encontrou um emprego. Ele não é mais um morador de rua. “Tudo o que ele precisava era que alguém confiasse nele e fizesse diferença. Ele é o mais incrível, interessado e maravilhoso ser humano que já conhecemos. Sou muito abençoada por ter feito parte do processo de tirá-lo das ruas”, refletiu. Deus também espera isso de nós. Faça a sua parte. Vá além das palavras de amor e ofereça atos reais de solidariedade. Lembre-se: “Empatia é calçar o sapato dos outros. Solidariedade é dar o sapato aos outros.”


QUARTA

27 DE FEVEREIRO

Deus sempre faz o melhor Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito. Romanos 8:28

O dia 27 de fevereiro de 2010 ficou marcado na história do Chile. Às 3h34, um terremoto de 8,8 graus na escala Richter atingiu a região centro-sul do país durante três minutos. Concepción e várias cidades da região foram afetadas, mas o abalo também foi sentido na capital Santiago, chegando ainda a cidades argentinas, peruanas e brasileiras. Alertas foram emitidos por 53 países, e um tsunami foi registrado, com ondas superiores a 2,6 metros no mar de Valparaíso, no Chile, invadindo até 300 metros de terra firme. Cerca de 800 pessoas morreram e aproximadamente 1,5 milhão de residências foram danificadas. O prejuízo financeiro pode ter chegado a 30 bilhões de dólares. O Chile já havia sido duramente afetado, em 1960, quando a cidade de Valdívia sofreu com o maior terremoto registrado pela ciência: um abalo de 9,5 graus na escala Richter, que deixou 1.655 pessoas mortas e mais de 2 milhões de desabrigados. Poucos dias depois da tragédia de 2010, estive no país visitando famílias adventistas e instituições afetadas. Fiquei impressionado ao conversar com a irmã Yolanda em frente ao que havia sobrado de sua casa. Ela me contou sobre o momento em que ela e a família fugiram para o lado alto da cidade, apenas com a roupa do corpo, e viram o tsunami invadir a área em que moravam. Apesar de toda a tragédia, ela e a família não perderam a esperança. Muitos prédios de nossa igreja também foram destruídos. Ao olhar para trás, vejo muitos motivos de gratidão. Deus transformou a tragédia em bênção. O terremoto aconteceu na madrugada de um sábado. Poucas horas mais tarde, nossas igrejas estariam cheias, e os danos seriam muito maiores. A destruição afetou apenas edifícios. Ao visitar a mesma região hoje, vejo igrejas, escolas e sedes administrativas maiores, mais bonitas e mais modernas. A tragédia foi transformada em crescimento da igreja. Do pior, Deus fez o melhor. É sempre assim quando enfrentamos as tragédias com o Senhor. Mesmo que no momento seja impossível reconhecer Suas bênçãos, o tempo mostrará cada um de Seus milagres.


QUINTA

28 DE FEVEREIRO

Cavalo de Troia E como ouvirão, se não há quem pregue? Romanos 10:14

No sábado 29 de fevereiro de 1992, o pregador na Igreja Adventista Central de Curitiba era o pastor Enoch de Oliveira. Grande líder, excelente orador, profundo conhecedor da Palavra de Deus e da história da Igreja Adventista, ele foi o primeiro sul-americano a presidir a Divisão Sul-Americana. Aposentou-se em 1990, como vice-presidente da igreja mundial, após 46 anos de ministério. Seu falecimento foi em 10 de abril de 1992. Um de seus últimos sermões recebeu um título intrigante: “Cavalo de Troia Dentro da Igreja”. A mensagem era um alerta contra os danos do secularismo. A seguir, compartilho algumas das ideias principais da pregação que podem ser úteis 27 anos depois. O título foi baseado na história da invasão de Troia. Na narrativa, como o exército grego não conseguiu tomar a cidade à força, resolveu construir um grande cavalo de madeira e “presentear” a cidade. O povo de Troia comemorou a vitória e levou o cavalo para dentro. À noite, enquanto a população dormia, soldados escondidos dentro do cavalo saíram e abriram as portas da cidade para o restante do exército grego. Em sua determinação por dominar o povo de Deus, o inimigo tem usado estratégia semelhante com a igreja. Disfarçados de coisas boas, valores seculares têm sido introduzidos em nosso meio, resultando na perda da fé e da esperança de muita gente. Por conta disso, muitos não veem mais a igreja como um movimento profético, perderam o senso da iminência da volta de Cristo e não sentem a urgência de nossa missão. Depois de refletir sobre isso, o pastor Enoch contou a história de um acampamento realizado em 1956 nas montanhas do norte da Itália. Enquanto nossos jovens cantavam ao redor da fogueira, um homem de cabelos brancos se aproximou e sentou-se com eles. Depois disse ao pastor: “Nós, os valdenses, para salvar nossa juventude, aceitamos as bebidas alcoólicas, depois construímos salões de baile ao lado das igrejas e, de concessão em concessão, perdemos nossos jovens. Hoje temos passado, mas estamos sem futuro. Continuem a obra que deixamos de cumprir.” A mensagem do pastor Enoch terminou com uma certeza: “A igreja talvez pareça como prestes a cair, mas não cairá” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 380). Após um forte convite ao reavivamento e reforma, ele deixou a pergunta, a qual eu repito: “Você também triunfará com este movimento?”


Marรงo Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


SEXTA

1° DE MARÇO

Falta pouco Porque, ainda dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não tardará. Hebreus 10:37

Os Arautos do Rei faziam uma caravana pelo estado do Mato Grosso. Terminada uma das apresentações, uma mulher, chamada Darlene Aguiar, entregou para os componentes do quarteto uma carta compartilhando seu testemunho. No texto, ela dizia que sua família havia recebido a notícia de que sua mãe estava com câncer. Em função da doença, a família teve que se mudar de Lambari d’Oeste, uma pequena cidade do interior, para Várzea Grande, próximo da capital, onde a mãe poderia fazer o tratamento de forma mais adequada. Na época, Darlene tinha apenas 13 anos e sentiu muito o distanciamento dos amigos da igreja e dos outros familiares. Chegando à nova cidade, logo sua mãe iniciou o tratamento indicado, e a doença terminal chegou a ser dada como eliminada. A felicidade voltou à família. Infelizmente, a enfermidade retornou com metástase nos pulmões. A situação se tornou pior e, quando clinicamente já não havia mais chance de cura, a música “Só Um Pouco Mais” entrou na vida de Darlene e de sua mãe. Depois disso, ela ouviu a mãe cantando diversas vezes: “É só um pouco mais, um pouquinho mais”. A esperança da música inundou seu coração. “Logo vou dormir no Senhor e nos reencontraremos, não vai demorar”, dizia a mãe com o sentimento de que sua vida estava chegando ao fim. Depois do período de tratamento, todos voltaram à pequena cidade do interior do Mato Grosso. Um mês depois, a mãe de Darlene faleceu, no dia 3 de fevereiro de 2014. Foi um momento muito triste para ela e sua família, mas algo ficou marcado. A mãe, antes de sua morte, pediu que a música “Só Um Pouco Mais” fosse cantada em seu funeral. O pedido foi atendido e, durante a cerimônia, a canção foi apresentada. As palavras dessa música renovaram a esperança do breve reencontro. Esse hino tem sido ouvido e cantado de um extremo ao outro da América do Sul, renovando a certeza de que não vai demorar para que toda a dor, injustiça e sofrimento tenham fim e nossa esperança se torne uma grande realidade. Que essa certeza faça você mais confiante no dia de hoje!


SÁBADO

2 DE MARÇO

A história ainda não acabou Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. Romanos 14:8

O tipo de compromisso cristão retratado no verso de hoje me traz à lembrança uma carta que recebi de um jovem adventista há algum tempo. Estava decepcionado com Deus por não ter sido aprovado no vestibular. Contou que um grupo de jovens adventistas estava se preparando para o ingresso na mesma universidade, até descobrirem que o vestibular aconteceria num sábado. A turma se dividiu. Um grupo decidiu fazer a prova mesmo assim, e outros lutaram para fazer depois do pôr do sol. Ficaram confinados na tarde de sábado e à noite fizeram o exame. Todos os que foram fiéis na guarda do sábado reprovaram; os que desrespeitaram o dia do Senhor foram aprovados. O jovem que me enviou a carta não aceitava que sua fidelidade terminasse assim. Respondi a ele, destacando uma frase: “A história ainda não acabou.” Por mais que o resultado imediato parecesse negativo, Deus tinha um plano maior. Todos enfrentamos provas de fidelidade. Alguns recebem grandes milagres e seguem em frente. Outros parecem derrotados. São demissões do emprego, famílias divididas, anos de estudo perdidos ou promoções não recebidas, tudo para ficar ao lado de Deus. A vida com Deus, porém, nunca tem um capítulo só. Alguns exemplos da Bíblia nos ajudam a entender melhor essa situação. Jesus, no entanto, é o melhor exemplo de todos. Ele foi completamente fiel. Viveu para amar, ajudar, salvar e acabou numa cruz. Aos olhos humanos, parecia derrotado, mas a história ainda não havia acabado. Ele ressuscitou, venceu o pecado e a morte, subiu ao Céu e virá uma segunda vez como rei para resgatar Seus filhos fiéis. Precisamos enxergar o cenário mais amplo. Algumas vezes, perdemos uma batalha a fim de ganharmos a guerra. Outras vezes, Deus abre portas imediatamente, e o milagre acontece. Em algumas situações, demora algum tempo até entendermos como Ele está agindo. Em outros casos, apenas a eternidade irá revelar o que realmente ocorreu. Em qualquer situação, o importante é confiar na direção divina e não se concentrar nas dificuldades. Afinal, esse não é o fim da história. É apenas mais um passo em direção às vitórias que Deus tem preparado para Seus filhos fiéis.


DOMINGO

3 DE MARÇO

Culpa dividida E fez o que era mau perante o Senhor; porque andou nos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel; não se apartou deles. 2 Reis 13:2

No início de meu ministério, recebi a intrigante pergunta sobre a salvação de Guilherme Miller. Na questão, a pessoa mencionava o fato de Miller ter sido o grande pregador da segunda vinda, mas destacava a realidade de ele ter continuado a marcar datas depois do desapontamento e de nunca ter se unido ao grupo que um dia formaria à Igreja Adventista do Sétimo Dia. Respondi com a citação de Ellen White, que deixa claro: “Guilherme Miller errou [...] [porém] outros levaram-no a isto; outros darão conta por isto. Mas os anjos vigiam o precioso pó deste servo de Deus, e ele ressurgirá ao som da última trombeta” (Primeiros Escritos, p. 258). A resposta levantou outro ponto: Guilherme Miller errou porque foi induzido por outros. Ele estará salvo, mas aqueles que o influenciaram negativamente são responsáveis pelo erro. Em Seu juízo, Deus leva em consideração vários fatores e atribui culpa não só a quem erra, mas a quem induz ao erro. Em Sua misericórdia e sabedoria, Deus perdoou o equívoco de Miller, porém não deixou de perceber o pecado de quem induziu Seu servo a agir dessa forma. Deus usa conosco os mesmos critérios. Imagine alguém estimulando outra pessoa a contar uma mentira. A pessoa aceita a ideia e inventa uma história qualquer. Quem mentiu é culpado, mas quem sugeriu também. Outra pessoa usa um estilo de roupa provocante. Alguém que tenha fraqueza nessa área pode olhar, cobiçar e pecar. A culpa é da pessoa que pecou, mas também daquela que estimulou o pecado com as roupas que usou. Você pode imaginar também uma família adventista que tem uma vida totalmente descomprometida em sua casa, com muita confusão e desrespeito, mas que, aos sábados, vai à igreja com a aparência piedosa. Os vizinhos se escandalizam com o mau testemunho e, possivelmente, nunca venham a aceitar nossa fé. Serão culpados por não aceitar a verdade, mas essa família terá parte da culpa. Você entende? Lembre-se: “Não podemos passar pelo mundo senão uma vez; não nos é possível voltar para retificar quaisquer erros; portanto, todo passo deve ser dado em piedoso temor e cuidadosa consideração” (Nossa Alta Vocação, p. 224). Que sua vida seja sempre coerente e que influencie para o bem!


SEGUNDA

4 DE MARÇO

Qual é seu preço? Tendo terminado todas essas tentações, o diabo O deixou até ocasião oportuna. Lucas 4:13, NVI

Um jovem, precisando de conselhos, procurou um homem sábio. No início da conversa, o sábio disse: “Preciso lhe conhecer melhor, por isso responda a uma pergunta: Se você nunca fosse descoberto e ninguém ficasse machucado, você mentiria por 10 mil dólares?” O jovem pensou um pouco e respondeu afirmativamente. O sábio balançou a cabeça e continuou. “Tudo bem, então só mais uma pergunta: Você mentiria por dez centavos?” Furioso, o jovem respondeu: “Que tipo de pessoa você acha que eu sou?” O sábio respondeu. “Eu já sei que tipo de pessoa você é. Estou tentando apenas descobrir o seu preço.” Para derrotar você, o inimigo também está tentando descobrir seu preço e faz isso com a tentação. Ele busca seu ponto fraco e não vai descansar até seduzir você. Ele quer encontrar apenas a “ocasião oportuna”. Não é difícil entender como tudo acontece, pois a tentação tem cinco fases distintas e claras. Quando você aprende a identificá-las, o inimigo perde espaço, e o Espírito Santo ganha força. Atenção. Algo o atrai e desperta o interesse. É aquela olhada mais atenta. Consideração. Avaliação dos prós e contras daquilo que o atraiu. Desejo. Momento em que você começa a gostar e decide se vai em frente ou não. É quando a tentação pode se tornar pecado. Desejo acariciado vira pecado, mas desejo negado vence a tentação. Planejamento. O pecado já é real, mas não foi executado por falta de oportunidade. Começam os planos para tirar o máximo proveito, não ser descoberto nem gerar qualquer escândalo. Ato. Até aqui, todo o processo aconteceu apenas dentro da mente. O ato será revelado quando houver a possibilidade ou no momento de maior fraqueza. As armas do inimigo são muitas, mas Deus é maior do que todas elas. O segredo para vencer em Seu nome é vigiar e orar (Mc 14:38), revestido “de toda a armadura de Deus” (Ef 6:11). Qualquer descuido abre a porta para o inimigo atacar e encontrar você desprevenido. O conselho é simples: “Os que não querem cair presa dos enganos de Satanás devem guardar bem as vias de acesso à alma; devem se esquivar de ler, ver ou ouvir tudo quanto sugira pensamentos impuros” (Atos dos Apóstolos, p. 518). Quando o inimigo bater à sua porta, peça a Jesus para atendê-lo.


TERÇA

5 DE MARÇO

Estratégia errada Pois Demas, amando este mundo, abandonou-me. 2 Timóteo 4:10, NVI

Havia acabado de pregar e fui almoçar na casa de uma das famílias da igreja. Enquanto conversávamos na sala, o filho ainda jovem foi direto: “Estou​ ​preocupado com os rumos que as coisas estão tomando na igreja.” Logo comecei a imaginar qual seria a observação. Para minha surpresa, ele disse: “O mundo está se modernizando, todos estão mais tolerantes, mas a igreja parece que ainda não entendeu isso.” Ainda continuou com a mesma linguagem forte: “O sábado, por exemplo, é um assunto em que a igreja precisa se contextualizar. Essa história de guardá-lo a qualquer preço está fora de lugar. Se a igreja continuar assim, vai se isolar e diminuir cada vez mais.” Foi uma conversa pesada, que tornou o almoço difícil. Confesso que fiquei triste com aquela perspectiva. É possível que ele não seja a única pessoa a pensar assim. Há outros que também estão tentando construir uma igreja mais moderna, flexível, mesmo que em desacordo com a revelação divina. Observe como a maioria das pessoas que fala sobre esses temas nunca baseia seus argumentos na Bíblia, mas sempre na opinião pessoal. Para esses casos, o conselho de Ellen White é contundente: “A conformidade aos costumes mundanos converte a igreja ao mundo; jamais converte o mundo a Cristo” (O Grande Conflito, p. 509). Há outras pessoas que não têm dúvidas sobre a mensagem, mas preferem esconder sua identidade para não gerar preconceito e abrir portas no futuro. Parece prudência, mas é outra estratégia errada. Somos chamados para apresentar a mensagem bíblica com amor e equilíbrio, sem imposição e apoiada em um estilo de vida coerente e atraente. Fomos chamados para ser luz. Quando Jesus está em nossos pensamentos, é impossível ​escondê-Lo em nossas ações. Avance com a estratégia certa, praticando a verdade, assumindo sua identidade e, como consequência, preparando muita gente para a eternidade. Deus está em busca de gente coerente, que não defende um evangelho mascarado, falsificado ou construído sobre o “achismo”. Ele procura pessoas que não tentam adaptar Deus à sua vontade, mas que se adaptam à vontade Dele. Use sua influência sempre para revelar a força e a beleza da verdade. Essa é a estratégia certa.


QUARTA

6 DE MARÇO

Uma família Não sois forasteiros nem estrangeiros, mas [...] família de Deus. Efésios 2:19, NVI

Como adventistas, somos uma família, e não apenas uma denominação. Apesar dos desafios culturais, geográficos, financeiros ou qualquer outra limitação, temos o mesmo Pai, fomos salvos pelo mesmo sangue, temos um mesmo nome e vamos para a mesma pátria. Como seria nossa realidade se cada igreja agisse isoladamente ou fosse independente? Cada “ilha” pensando unicamente em sua realidade e formando um arquipélago que tem em comum apenas o nome? Graças a Deus que, por orientação divina, não seguimos esse caminho. Somos dependentes uns dos outros, e nossas iniciativas são desenvolvidas para atender ao crescimento da igreja em todas as regiões. Nossos recursos financeiros são distribuídos para manter o máximo possível de igualdade e oportunidades para todos, tanto os que estão mais perto quanto àqueles que estão do outro lado do mundo. Somos uma família e não podemos nos esquecer de que a “unidade é a força da igreja” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 159). Entretanto, a unidade tem um preço. Envolve humildade e abnegação de cada um pelo bem de todos e o sacrifício de todos pelo bem de cada um. Afinal, “aquilo que não tem utilidade para o enxame não é útil à abelha” (Marco Aurélio). O apóstolo Paulo deu um grande exemplo dessa visão. Mesmo com seu temperamento forte e suas convicções claras, quando enfrentou uma crise com a igreja pelo tema da circuncisão, 14 anos depois de sua conversão, gastou três semanas viajando 500 km até Jerusalém para dialogar com os demais apóstolos e resgatar a unidade. À medida que nos aproximarmos da volta de Cristo, surgirão movimentos tentando quebrar os elos dessa corrente. Contudo, Ellen White deixa um alerta: “Alguns têm apresentado o pensamento de que ao nos aproximarmos do fim do tempo, todo filho de Deus agirá independentemente de qualquer organização religiosa. Mas fui instruída pelo Senhor de que nesta obra não há coisa que se assemelhe a cada homem ser independente” (Testemunhos Para Ministros, p. 489). Nossa missão é muita clara: “A igreja deve levantar-se e resplandecer” (E Recebereis Poder, p. 152). Esse é nosso desafio profético, mas só vamos ​cumpri-lo se permanecermos integrados como uma família. Faça a sua parte!


QUINTA

7 DE MARÇO

Nem um em vinte E todo o povo ia ter com Ele ao templo, de manhã cedo, para O ouvir. Lucas 21:38, ARC

Algumas visões causaram forte impacto em Ellen White. Uma delas, que se refere aos últimos dias, a deixou “profundamente impressionada” pelas cenas apresentadas. “Parecia estar ocorrendo em muitos lugares um grande movimento – uma obra de reavivamento. Nosso povo cerrou fileiras correspondendo ao chamado de Deus” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 402). Foi um impacto positivo ao ver a grande aceitação dos filhos ao forte chamado do Pai. Mas, ao olhar para este tempo do fim em que vivemos, as perguntas são imediatas: Quando acontecerá esse renascimento espiritual? A promessa é para estes dias ou para algum tempo no futuro? O cumprimento da promessa depende apenas da vontade de Deus ou está vinculado ao preparo das pessoas? Sem dúvida, a promessa é para nossos dias. Deus está esperando que você e eu, e toda a igreja, estejamos com o coração preparado para esse reavivamento. Será um ato especial de Deus, mas relacionado a uma condição especial de Seus filhos. O grande risco que corremos hoje é nos satisfazermos com grandes festas ou projetos, produzir bonitos materiais, construir belos templos, ouvir sermões bem preparados e esquecer que todas essas coisas são apenas aparência, ou podem ser um resultado, mas não são a essência desse movimento. A essência do reavivamento é um movimento espiritual. Segundo Billy Graham, reavivamento “não é descer a rua com um grande tambor; é subir ao Calvário em grande choro”. Não é uma simples mudança de método, mas uma profunda mudança de conteúdo. Para isso, precisamos viver na presença do Senhor. Ellen White alerta: “Nem um entre vinte dos nomes que se acham registrados nos livros da igreja está preparado para finalizar sua história terrestre, e se acharia tão verdadeiramente sem Deus e sem esperança no mundo, como o pecador comum” (Serviço Cristão, p. 41). Apesar de serem números simbólicos, eles apresentam uma proporção muito perigosa. Pela graça de Deus, essa realidade precisa ser diferente. Qual é a sua condição? O reavivamento tem um chamado corporativo, mas envolve uma decisão individual. Não seja um dos despreparados. Faça parte daqueles que, começando “de manhã cedo” fazem do Senhor a prioridade da vida.


SEXTA

8 DE MARÇO

Bendita esperança Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. Hebreus 10:23

A vida de Annie Smith não foi longa, mas deixou marcas profundas no início do movimento adventista. Escritora talentosa, compositora e a poetisa mais importante do início do adventismo, Annie viveu anos antes de nossa igreja ter um nome ou ser organizada. Sua vida, porém, foi interrompida precocemente, aos 27 anos, vítima de tuberculose. Ainda adolescente, conheceu e aceitou a mensagem pregada por Guilherme Miller. Aos 16 anos, porém, no Grande Desapontamento de 22 de outubro de 1844, abandonou a fé e decidiu se dedicar apenas aos estudos e à poesia. Em 1851, Deus a resgatou de uma forma curiosa. Sua mãe lhe sugeriu que assistisse a uma das palestras de José Bates, mas ela não se interessou. Seus planos mudaram quando teve um sonho no qual viu um senhor alto, idoso, pregando e usando gráficos. Decidiu ir, mas chegou tarde e ocupou o único assento disponível. Após a mensagem, Bates se encontrou com ela e lhe disse que havia sonhado com sua presença nas reuniões. Pouco tempo depois, Annie aceitou a mensagem adventista. Entusiasmada com a nova fé, começou a enviar poesias para a revista pioneira do movimento adventista (Advent Review and Sabbath Herald). Tiago White logo reconheceu seu talento e a convidou para trabalhar na área editorial. Por conta de uma séria deficiência visual, ela relutou, mas finalmente aceitou o convite, confiando na cura divina. Assim como seu irmão, Uriah Smith, Annie deu uma grande contribuição à nossa obra de publicações. Deus viu a fé daquela menina, a visão dela foi completamente restaurada, e, assim, pôde se dedicar eficientemente à revisão e edição de textos. Nos três anos e meio de trabalho antes de sua morte, contribuiu com 45 poesias para a Revista Adventista em inglês e para a Lição da Escola Sabatina da época. Uma de suas mais marcantes composições exalta a volta de Jesus: “Logo Ele vem! [...] Vem, ó Salvador, vem depressa! Bendita esperança! Nosso espírito se alegra. Leva Teus filhos resgatados ao lar.” A volta de Jesus é a nossa bendita esperança. Ela vai colocar fim à morte e inundará nossa vida de uma eterna poesia. Viva sonhando com esse dia, e sua vida será uma bela canção de louvor a Jesus.


SÁBADO

9 DE MARÇO

Pedido insistente Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que Eu te mostrarei. Gênesis 22:2

A falta de filhos era motivo de vergonha e sofrimento para Abraão. Vergonha, porque parecia que Deus não o abençoava; sofrimento, por não ter um filho que pudesse continuar a linhagem da família. Deus tinha um plano maior. Abraão ainda tentou “ajudar” ao se envolver com Agar. Contudo, Deus não faz promessas pela metade. Quando a velhice de Abraão não oferecia muita esperança sobre a possibilidade da paternidade, Deus fez o milagre. Isaque nasceu de Sara, sua esposa legítima. Deus mexeu fundo com o coração do patriarca. Em Gênesis 12, Ele insistiu três vezes para que Abraão deixasse sua terra. No capítulo 22, insistiu três vezes também para que Abraão sacrificasse Isaque. No capítulo 12, o patriarca é levado a abandonar o passado; no capítulo 22, Deus pede que ele dê adeus a seu futuro. O sacrifício de Isaque foi um pedido insistente de Deus. Na ordem divina, três pontos dolorosos são destacados. O Senhor disse: (1) “Toma teu filho”. Coisa terrível para um pai é sacrificar o próprio filho. (2) “Teu único filho”. Isaque era o único filho de Abraão. Perdê-lo significaria ficar sem seu bem mais precioso. (3) O Senhor acrescentou: “o filho a quem amas”. Sem dúvida, esse aspecto partiu o coração do velho pai. Deus pediu o que Abraão mais amava na vida. Havia três razões para esses três aspectos do estranho pedido de Deus. O Senhor quis provar o tamanho da fé e entrega de Abraão. Pretendeu que Abraão experimentasse o que Deus sentiria ao sacrificar o próprio filho, oferecendo uma ilustração mais real do sacrifício de Jesus. E, ainda mais forte: Deus pediu o que estava ocupando o centro do coração de Seu servo. Era o que ele tinha de mais importante e que havia se tornado sua prioridade. J. Oswald Sanders afirma que “não era Isaque que Deus queria, mas Abraão”. Quando alguma coisa, por mais justa que seja, começa a ocupar o centro da vida e o lugar que pertence a Deus, Ele pede que seja colocada no altar de sacrifício. É o momento da prova, mas também a oportunidade de salvação. Há alguma coisa que você esteja precisando sacrificar para Deus?


DOMINGO

10 DE MARÇO

Obedecer sem questionar Levantou-se, pois, Abraão de madrugada e, tendo preparado o seu jumento, tomou consigo dois dos seus servos e a Isaque, seu filho; rachou lenha para o holocausto e foi para o lugar que Deus lhe havia indicado. Gênesis 22:3

A ordem de Deus parecia estranha demais para Abraão, mas não era a primeira vez que ele recebia um pedido assim. Quando decidiu sair da casa de sua parentela, o patriarca aprendeu a confiar completamente no Senhor. E nunca foi decepcionado. Desde a primeira vez, Abraão poderia ter questionado as ordens do Senhor. Teria razões humanas para isso. “Poderia ele ter arrazoado e posto em dúvida os propósitos de Deus no caso. Mostrou, porém, que tinha perfeita confiança de que Deus o estava dirigindo; não perguntou se a terra para onde devia ir era fértil, aprazível, ou se teria facilidades ou não. Foi, por ordem de Deus. Esta é uma lição a cada um de nós” (Nos Lugares Celestiais, p. 112). No entanto, o pedido era ainda mais difícil: sacrificar ao Senhor o filho da promessa. Outra vez, Abraão obedeceu sem questionar. Ele poderia ter argumentado, mostrando que a ordem era irracional, que colocaria em dúvida a promessa do herdeiro e de uma grande nação, que Deus seria mal interpretado, como um Senhor arbitrário e cruel, que pede o sacrifício de filhos inocentes. Ele teria muitos argumentos para discutir com Deus e mostrar a falta de lógica de Sua ordem. Abraão, contudo, havia aprendido que, por trás de toda ordem divina, por mais estranha e ilógica que pareça, há uma bênção. Então, sem questionar, o pai da fé “levantou-se [...] de madrugada e [...] foi ao lugar que Deus lhe havia indicado.” Não houve discussão nem longa hesitação. Alguns pedidos de Deus parecem estranhos a você? Quem sabe, testemunhar para alguém difícil demais, deixar um emprego ou estudos para ser fiel, ou ir a uma região perigosa do mundo pregar o evangelho? Para cada pessoa Deus tem um desafio. Algumas vezes, Ele precisa de você e lhe coloca na frente da batalha. Outras vezes, você é quem precisa de uma experiência espiritual mais intensa, e o Senhor apenas lhe dá uma oportunidade. Com Deus, o importante é obedecer sem questionar. Assim como Deus foi com Abraão, Ele também irá com você até o fim.


SEGUNDA

11 DE MARÇO

Onde está o cordeiro? Então, falou Isaque a Abraão, seu pai, e disse: [...] Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Gênesis 22:7, ARC

A viagem de Abraão até Moriá foi difícil. É possível que ele tenha caminhado devagar enquanto observava seu filho. Era a viagem final. No monte indicado por Deus, terminaria a história do filho da promessa. Finalmente, o momento tinha chegado. Os servos foram deixados em um ponto da caminhada, e o pai subiu o monte com seu filho para o sacrifício. Essa cena não lembra algo mais? Séculos depois, o Pai caminhou com o Filho para o lugar do maior sacrifício. Tudo tinha um simbolismo. Abraão construiu o altar com calma. Precisava ser o melhor de todos, porque ali não estaria um cordeiro, mas seu filho. A imagem ficaria gravada em sua mente para sempre. O momento mais difícil foi quando Isaque fez a pergunta à qual Abraão preferia não responder: “Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto?” Você conhece a história, mas a pergunta merece reflexão: “Onde está o cordeiro?” Jesus é o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29). Que lugar Ele tem ocupado em sua vida? Quando você sai correndo pela manhã, onde está o Cordeiro? Quando faz suas provas na escola ou universidade, onde está o Cordeiro? Quando faz seus negócios ou cumpre suas responsabilidades, onde está o Cordeiro? Quando vê gente sofrendo ao seu redor, onde está o Cordeiro? Quando chega em casa à noite, cansado das intensas atividades do dia, onde fica o Cordeiro? Não se engane: “Quem foge de Deus pela manhã dificilmente O encontrará no resto do dia” (John Bunyan). Há muita gente colocando o coração na pedra, na lenha ou no fogo, mas esquecendo-se do Cordeiro. Você tem dedicado tempo à oração, estudo da Bíblia, da Lição da Escola Sabatina e dos escritos de Ellen White? Que prioridade o alimento espiritual tem ocupado em sua agenda? “Cada manhã ​consagre-se a Deus para aquele dia. Entregue-Lhe todos os seus planos para saber se devem ser levados avante ou não, de acordo com o que a providência divina indicar” (Caminho a Cristo, p. 70). Não perca o Cordeiro de vista. Ele assumiu o seu lugar no sacrifício. Ele é a garantia de sua felicidade eterna.


TERÇA

12 DE MARÇO

Deus proverá E pôs Abraão por nome àquele lugar – O Senhor Proverá. Daí dizer-se até ao dia de hoje: No monte do Senhor se proverá. Gênesis 22:14

O momento do sacrifício havia chegado. Isaque estava sobre o altar esperando a hora final. “As últimas palavras de amor são proferidas, as últimas lágrimas são derramadas, o último abraço é dado. O pai levanta o cutelo para matar o filho, quando o braço subitamente lhe é detido” (Patriarcas e Profetas, p. 152). Foi uma cena maior do que Abraão e Isaque podiam imaginar. “O Céu inteiro contemplava com espanto e admiração a estrita obediência de Abraão. O Céu todo aplaudiu sua fidelidade. [...] Derramou-se então luz sobre o mistério da redenção, e mesmo os anjos compreenderam mais claramente a maravilhosa providência que Deus tomara para a salvação do homem” (ibid., p. 155). Como deve ter sido grande o alívio do pai ao retirar seu filho do altar e colocar o cordeiro enviado por Deus. Foi o sacrifício mais marcante de toda a vida de Abraão. O nome do próprio lugar também passou a chamar-se “Deus Proverá”. Uma das preciosas lições dessa história é que o Senhor sempre provê uma saída para os filhos fiéis. Assim como Deus recompensou a fidelidade de Abraão e Isaque, também continua cuidando de Seus filhos fiéis. A promessa se repete a todos os que obedecem à Sua vontade, mesmo que para isso tenham que colocar em jogo família, emprego, manutenção, estudos, saúde, etc. Foi o que aconteceu com o casal de namorados Edgar e Kelly, que se conheceram na Faculdade de Engenharia Civil na Universidade Nacional de Piura, no Peru. Eles não iam às aulas aos sábados, e isso criou muitos problemas. O maior deles foi o exame final do curso, marcado para um sábado. Ambos decidiram colocar tudo nas mãos de Deus e ir à igreja. O professor ficou enfurecido; no dia marcado, ele aplicou a prova. A avaliação foi considerada muito complexa e desproporcional ao ensino anteriormente dado. Por isso, ele teve de refazê-la em função do mau desempenho de todos os alunos. A nova prova aconteceu numa quarta-feira. Edgar e Kelly foram aprovados e receberam o diploma. Hoje estão casados, têm um filho e a própria empresa de construção. Assim como Abraão e Isaque, Edgar e Kelly enfrentaram grandes provas. Você poderá enfrentá-las também. Permaneça fiel, pois “Deus proverá”.


QUARTA

13 DE MARÇO

Uma cerimônia para todos Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e, assim, coma do pão, e beba do cálice. 1 Coríntios 11:28

A Santa Ceia é uma celebração marcante. Segundo Ellen White, nela “todo discípulo é chamado a participar publicamente e dar assim testemunho de que aceita a Cristo como seu Salvador pessoal” (O Desejado de Todas as Nações, p. 656). É uma cerimônia para todos, embora ninguém deva participar indignamente (1Co 11:29). A graça de Deus não deve ser rejeitada. Não podemos deixar passar a oportunidade de restauração que ela oferece. A única alternativa é o autoexame do coração para participarmos com profunda reflexão e oração. É um momento solene. Ellen White deixa claro que “acham-se presentes mensageiros invisíveis aos olhos humanos. Talvez haja um Judas no grupo, e, se assim for, mensageiros do príncipe das trevas ali estão, pois acompanham todo que recusa ser regido pelo Espírito Santo. Anjos celestiais também estão ali. Esses invisíveis visitantes se acham presentes em toda ocasião como essa. Podem entrar pessoas que não são, no íntimo, servas da verdade e da santidade, mas que desejem tomar parte no serviço. Não devem ser proibidas” (O Desejado de Todas as Nações, p. 656). Há um significado especial em cada parte da Santa Ceia, que nos coloca em profunda sintonia com o Senhor. Antes da cerimônia, lavamos os pés uns dos outros, participando do rito da humildade, mas especialmente de um “rebatismo”, que purifica nossos pecados particulares. Segundo o próprio Cristo, “quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés” (Jo 13:10). Durante a cerimônia, nossos olhos são levados para além da cruz, pois a “Santa Ceia aponta à segunda vinda de Cristo. [...] É unicamente por causa de Sua morte que podemos esperar com alegria Sua segunda vinda. Seu sacrifício é o centro de nossa esperança” (O Desejado de Todas as Nações, p. 659, 660). No fim da cerimônia, celebramos a certeza do perdão dos pecados e experimentamos, de modo especial, a alegria da salvação. Da próxima vez que sua igreja realizar uma Santa Ceia, participe. “Examine-se, coma do pão, beba do cálice” e não deixe passar essa oferta de graça que renovará suas forças na jornada em direção ao Céu.


QUINTA

14 DE MARÇO

Viagem espacial Depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. 1 Tessalonicenses 4:17

Há exatamente um ano, em 14 de março de 2018, morreu Stephen Hawking. Cientista renomado, nasceu em Oxford, Inglaterra, no dia 9 de janeiro de 1942. Caçula de quatro irmãos, ainda pequeno, era chamado de Einstein pelos colegas da escola. Mesmo sofrendo por conta da esclerose lateral amiotrófica, diagnosticada quando ele tinha apenas 21 anos, Hawking viveu 76 anos e foi um dos mais notáveis cientistas da história. Infelizmente, Stephen dedicou sua vida e o conhecimento científico que possuía para defender a origem do Universo e da vida como fruto do acaso, além de ridicularizar a existência de Deus. Ele dizia: “Antes de entendermos a ciência, o lógico era acreditar que Deus criou o Universo; mas, agora, a ciência oferece uma explicação mais convincente [...]. Não há nenhum Deus. Sou ateu. A religião crê em milagres, mas eles não são compatíveis com a ciência.” Apesar de todos seus conflitos com Deus, a criação, os milagres e as questões espirituais, Hawking reconhecia que “estamos ficando sem espaço, e os únicos lugares a serem encontrados são outros mundos. É hora de explorar outros sistemas solares. Espalhar-se pode ser a única coisa que vai nos salvar de nós mesmos. Estou convencido de que os humanos precisam sair da Terra”. Hawking, mesmo sendo ateu, acabou estimulando a confiança nas promessas de Deus. Afinal, foi o Senhor que profetizou o estado de calamidade do planeta antes do fim, apontando o único caminho para deixá-lo. Essa não é a grande descoberta de Hawking, mas a grande esperança dos cristãos. Segundo Ellen White, os salvos: “Livres da mortalidade, alçarão voo incansável para os mundos distantes – mundos que fremiram de tristeza ante o espetáculo da desgraça humana e ressoaram com cânticos de alegria ao ouvir as novas de uma alma resgatada” (O Grande Conflito, p. 677). O Senhor da física, das estrelas, do cosmos e do Universo não elaborou uma teoria, mas fez uma promessa assinada com o próprio sangue. A hora da partida está muito próxima, a viagem já está paga e não será por um período curto, mas por toda a eternidade. Não fique de fora!


SEXTA

15 DE MARÇO

Você é um pescador? Disse-lhes Jesus: Vinde após Mim, e Eu vos farei pescadores de homens. Marcos 1:17

John M. Drescher conseguiu ilustrar de maneira clara os riscos da perda de foco na missão. Vou adaptar seu texto, procurando não perder a essência, para que ele nos sirva de alerta. Em uma região com lagos e rios cheios de peixes famintos vivia um grupo de indivíduos que se diziam pescadores. A cada semana, eles se reuniam para falar de seu trabalho, da abundância de peixes e de como pescá-los. Gastavam tempo estudando novos métodos de pesca que fossem mais eficientes. Sempre lembravam que o principal dever de um pescador é pescar. Só faltava uma coisa, que ninguém fazia: pescar. Todos os pescadores estavam de acordo que precisavam de reuniões e programas especiais que pudessem desafiar os pescadores a ser fiéis na arte de pescar. Muita gente foi reunida para apoiar as reuniões e comissões. Especialistas apresentaram projetos para pescar em águas mais profundas e alcançar peixes de outras cores. Mas nem os palestrantes nem os pescadores saíam para pescar. Foram criados amplos centros de treinamento para ensinar os pescadores a pescar. Eram oferecidos cursos sobre as necessidades dos peixes, sua natureza, onde encontrá-los, suas reações psicológicas e como se aproximar a fim de apanhálos. Alguns professores tinham altos títulos em ictiologia. Após anos de exaustivos estudos, muitos se tornaram licenciados em pesca. Porém, apenas ensinavam a ciência da pesca. Nenhum deles pescava. Em uma das reuniões, um jovem aceitou o apelo e decidiu sair para pescar. No dia seguinte, contou que havia apanhado dois peixes grandes. Foi elogiado por sua conquista e convidado a estar presente nas próximas reuniões para contar como havia conseguido tamanho sucesso. Acabou deixando de pescar para partilhar sua experiência como pescador e foi nomeado membro do Conselho Geral de Pescadores, por sua experiência excepcional. A história poderia ser mais longa, mas é suficiente para uma boa reflexão. Todos eram chamados de pescadores, conheciam as melhores teorias, tinham a melhor estrutura e os melhores equipamentos, mas, apesar de tudo, não sabiam pescar. Precisamos manter o foco claro na missão para não cair na mesma armadilha!


SÁBADO

16 DE MARÇO

Jovens embaixadores De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo. 2 Coríntios 5:20

A história dos irmãos peruanos Bruno e Olenka é emocionante. Representa a dedicação e fidelidade de um exército de jovens adventistas que são verdadeiros embaixadores de Cristo. Em 2016, decidiram participar de um concurso nacional para novos empreendedores e apresentaram uma chave de automóvel com bafômetro, que impede motoristas bêbados de dirigir e previne acidentes. Chamaram seu projeto de Smart Key. A partir daí, foi um milagre após o outro. Primeiro precisavam de um profissional para desenvolver o projeto. Apesar das desconfianças, encontraram apoio e se inscreveram no último dia. Foram classificados para a segunda fase e precisavam de uma imagem corporativa para o projeto e pontos de apoio para pedir votos. Deus enviou os meios, e eles foram os vencedores da votação virtual. Passaram para a terceira fase. Não tinham apoio de nenhuma universidade ou professor conselheiro, mas concorriam com alunos das melhores universidades do país. Com uma ajuda especial, fizeram um vídeo e novamente venceram a votação virtual. Precisavam ir a Lima, capital do país, buscar apoio da imprensa e de empreendedores. Deus enviou os meios necessários. Em cada entrevista, eles exaltavam o nome de Deus. Foram classificados para a final e receberam uma ligação informando que a cerimônia de premiação tinha sido mudada para uma sexta-feira à noite. Decidiram não participar, confiando que Deus estava no controle de tudo. A pressão foi muito forte, mas permaneceram fiéis. Pouco antes do pôr do sol, fecharam seu stand de exposições e foram para a casa de uma irmã da igreja. Logo chegou a informação de que tinham sido vencedores em sua categoria. Foram chamados publicamente, mas não estavam presentes, e todos souberam que era por princípios religiosos. Por meio disso, testemunharam para todo o país. Bruno e Olenka ainda têm desafios financeiros e buscam patrocínio para seu projeto. Mesmo assim, são líderes em sua igreja, dão muitos estudos bíblicos e seguem fiéis ao Senhor, confiando que os embaixadores de Cristo nunca serão desamparados.


DOMINGO

17 DE MARÇO

Um povo diferente Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos. Atos 11:26

Alguns anos atrás, quando era pastor em São Paulo, fui com um colega comprar uma jaqueta. Ao conversar com um vendedor, ele me surpreendeu com uma pergunta direta: “Vocês são adventistas?” Não tive dúvida em responder, mas também retribuí a pergunta: “Como você descobriu? Também é adventista ou nos conhece de algum programa especial?” A resposta dele foi ao ponto: “Não sou adventista, mas a gente pode reconhecer um adventista com facilidade. Vocês são um povo diferente. Tenho parentes adventistas e sei bem disso.” Até hoje não me esqueci das palavras daquele vendedor. Mesmo sem saber, ele pregou uma grande verdade. De fato, somos um povo diferente. Não simplesmente porque queremos, mas porque Deus nos chamou para sermos luz em meio às trevas. Ele nos escolheu para apresentar Sua mensagem em uma época de confusão e incredulidade (1Pe 2:9). Na verdade, não somos cidadãos deste mundo, mas nossa pátria está no Céu (Fp 3:20). Confesso, porém, que tenho me preocupado com essa questão. Ainda somos um povo diferente? Se eu voltasse àquela loja e encontrasse o mesmo vendedor, ele ainda poderia dizer as mesmas palavras? Continuamos conscientes de nosso papel de não sermos apenas “mais um povo” na Terra? Gostaria de desafiar você e sua igreja a avaliarem o caminho que estão seguindo. Essa não é uma simples questão administrativa, mas uma avaliação espiritual. Não acontece apenas pela sugestão de um líder ou o voto de uma comissão. É uma questão solene, que precisamos estudar com muita oração e amor, mas entendendo nosso papel, nossa missão e o tempo em que vivemos. Temos a missão de preparar um povo para o encontro com o Senhor. Por isso, Ellen White alerta: “Se, em desafio às disposições divinas, for permitido ao mundo influenciar nossas decisões ou ações, o propósito de Deus será frustrado. [...] Uma inabalável fidelidade na manutenção da honra e da santidade da lei de Deus despertará a atenção e a admiração do mundo, e muitos, pelas boas obras que contemplarem, serão levados a glorificar nosso Pai celestial” (A Igreja Remanescente, p. 13). Aproxima-se o dia em que nos encontraremos com o Senhor. Este é o momento para reafirmarmos nosso papel como igreja. Este é o tempo para andarmos seguros no caminho do Céu e continuar cumprindo poderosamente nossa missão.


SEGUNDA

18 DE MARÇO

Deus usa os livros Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, bem como os livros, especialmente os pergaminhos. 2 Timóteo 4:13

O surgimento da obra de publicações na América do Sul foi marcado por uma fé inabalável. Em 1905, no Colégio de Camarero, hoje Universidade Adventista del Plata, foi instalada uma imprensa, como se chamava na época. No ano de 1906, ela foi transferida para o bairro de Florida, em Buenos Aires e, em 1920, passou a ser chamada de Associação Casa Editora Sul-Americana (ACES). Em 1974, um incêndio provocou danos irreparáveis. A editora foi reconstruída. Hoje são consumidas cerca de 2 mil toneladas de papel por ano, que levam esperança, e são incontáveis os testemunhos de vidas transformadas. Um deles aconteceu no verão de 1984, em Santa Rosa, na província de La Pampa, na Argentina. Hana, com 33 anos, lutava sozinha para sustentar a casa e criar três filhos. Muito necessitada, entendia que precisava de uma igreja e pediu a Deus uma direção. Três dias depois, um colportor chegou à sua casa. Ele lhe apresentou uma grande Bíblia ilustrada, que a fez se lembrar da Bíblia de sua avó, quando vivia na República Tcheca. A avó era uma fiel adventista. Quando Hana tinha 12 anos, teve que se mudar para a Argentina, e as duas se separaram. Sabendo que o colportor também era adventista, Hana comprou dois livros: um sobre receitas e O Desejado de Todas as Nações. Decidiu ir à igreja, começou os estudos bíblicos e, em poucos meses, foi batizada. Com muito esforço, Hana se mudou para Libertador San Martín, para que seus filhos pudessem estudar no Colégio Adventista del Plata. Dedicou-se à colportagem e conheceu aquele que “vendeu” os livros que mudaram a sua vida, o pastor Carlos Fernandez. Seus filhos foram preparados para servir a Deus. Natalia é fisioterapeuta. Alejandro é pastor, e Gabriel, também pastor, é diretor-geral da ACES, a mesma editora de onde saíram os livros que transformaram sua família. A semente plantada deu um grande resultado. A literatura tem acompanhado a história do povo de Deus. Além disso, a revelação divina está registrada em um livro. Ainda hoje, existe muita gente precisando receber um livro para iluminar, curar e salvar. Faça sua parte e distribua essas “sementes de esperança” que podem transformar vidas.


TERÇA

19 DE MARÇO

Até que a morte os separe De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Mateus 19:6

A triste realidade do crescimento constante do número de divórcios tem tornado as pessoas mais carentes e infelizes, além de comprometer o plano de Deus para o casamento. Para que você fique longe dessas estatísticas, listo a seguir os dez hábitos que normalmente levam ao divórcio. São sugestões de Dave e Ashley Willis, autores de vários livros sobre casamento e relacionamentos. Criticar constantemente. A crítica entre os cônjuges prepara o caminho para o fim do relacionamento. Dividir tudo em “meu” e “seu”. Quando contas bancárias, passatempos, amigos e sonhos são separados, acabam sendo criadas também vidas separadas. Esperar as crianças crescerem. Alguns casais dão tanta atenção ao crescimento dos filhos que, quando eles finalmente crescem, descobrem que o ninho ficou vazio, e o casamento, também. Dar apenas as sobras. Depois que passa a euforia do início do casamento, muitos deixam de lado as gentilezas e começam a compartilhar apenas os restos do tempo, das palavras e emoções. Guardar rancor. Quando as palavras ou ações causam danos, precisamos ser rápidos em admitir falhas e buscar perdão. Confiar mais nos sentimentos que nos compromissos. Casais saudáveis veem o amor como um compromisso e não apenas como um sentimento. Tomar decisões sem consultar o cônjuge. Cada decisão que fazemos terá algum nível de impacto sobre o outro. Por isso, é fundamental decidir juntos. Tentar mudar o outro. A única parte do casamento que você pode mudar é a que enxerga em frente ao espelho. Manter o divórcio como uma possibilidade. Casamentos fortes não são aqueles que nunca tiveram motivos para se divorciar, mas os que fizeram um compromisso maior que suas falhas. Alimentar a sensualidade. A infidelidade começa na mente, não no quarto. Quando os olhos começam a se afastar do cônjuge, o coração irá segui-los. Em seu relacionamento matrimonial, escolha ser como um termostato e não como um termômetro. O termômetro sempre se ajusta ao clima, já o termostato muda o clima. Esteja certo de que, com oração e ação, você pode mudar qualquer situação e vivenciar milagres em seu casamento.


QUARTA

20 DE MARÇO

Liberdade religiosa Sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas. Mateus 10:16

Como 90% da população mundial professa alguma religião, o tema da liberdade religiosa não interessa apenas aos adventistas. Temos atuado fortemente como embaixadores da liberdade em todo o mundo, mas precisamos ir além. Não somos chamados para lutar por liberdade religiosa, mas para ​defendê-la. Precisamos defender nossa visão, postura e teologia com clareza e firmeza, mas em um ambiente de respeito para com religiões que pensam diferentemente de nós. Temos a seguir sete princípios que nos ajudam a aprofundar essa visão: 1. Princípio da prevenção. Precisamos atuar de maneira mais preventiva nessa área, nos antecipando aos problemas e não aparecendo apenas para resolvê-los quando uma crise já está estabelecida. 2. Princípio da abrangência. Precisamos estar sempre abertos a defender liberdade religiosa inclusiva, ou seja, para todos e não apenas para nós. 3. Princípio da consequência. Precisamos atuar com clareza e habilidade em áreas que não parecem estar diretamente ligadas à liberdade religiosa, mas que podem trazer consequências sobre ela, levando à intolerância religiosa. 4. Princípio do respeito. Precisamos saber discordar; mas, ao mesmo tempo, respeitar. Podemos ter diferenças teológicas com outras denominações, mas sempre mantendo um tratamento respeitável para defendermos a liberdade religiosa. 5. Princípio da relevância. Como igreja, precisamos fortalecer projetos de serviço junto à comunidade, demonstrando nossa relevância para o bem comum. Receberemos, como resultado, respeito, visão positiva e uma reação favorável à liberdade. 6. Princípio da coerência. Antes de defender a liberdade religiosa, precisamos lutar por coerência religiosa, mantendo uma vida denominacional coerente com os princípios bíblicos. 7. Princípio da prudência. Precisamos ter cuidado especial para não misturar defesa de liberdade religiosa com militância político-partidária-eleitoral. Nossa função é espiritual e missionária. A liberdade religiosa é um valor fundamental para a Igreja Adventista. Vamos defendê-la para que, enquanto for possível, usemos o direito de proclamar nossa esperança.


QUINTA

21 DE MARÇO

Sensacionalismo ou evangelismo? Então, disseram uns para os outros: Não fazemos bem; este dia é dia de boas-novas, e nós nos calamos; se esperarmos até à luz da manhã, seremos tidos por culpados; agora, pois, vamos e o anunciemos à casa do rei. 2 Reis 7:9

“Não acredito mais na volta de Jesus!” Essas duras palavras me deixaram preocupado. Eu estava em um pequeno grupo quando uma universitária disparou essa frase. Naquela noite, estudávamos os sinais da volta de Cristo, e todos participavam com muito interesse. Depois de soltar essa “bomba”, a jovem explicou melhor: “Meu avô foi adventista e sempre me dizia que Jesus estava voltando. Apontava cada um dos sinais e afirmava que dificilmente eu chegaria à faculdade nem conseguiria construir uma família. Ele já faleceu, e eu continuo aqui.” Suas palavras foram fortes e expressavam um tom de revolta. Ela ainda continuou: “Meu pai já está aposentado e sempre foi adventista fiel. A cada nova tragédia, ele me diz que realmente estamos chegando ao fim. Ele tem certeza de que vai estar vivo para ver Jesus voltar. É tanto sensacionalismo que já não acredito mais.” A conversa me chamou a atenção para o efeito negativo de palestras, programas e comentários sensacionalistas sobre os sinais da segunda vinda de Jesus. Nosso foco principal não deve estar nos sinais, mas no preparo para o encontro com o Senhor. Quando esse é o centro, a motivação é o amor ao Senhor e Sua missão. Os sinais da volta de Cristo são como um quebra-cabeça. A cada dia, as peças vão se encaixando, e o cenário fica mais claro. Não devemos nos concentrar nas peças, mas no cenário. À medida que vemos nossa esperança se tornar realidade, nosso desejo passa a ser gastar mais tempo na presença do Senhor e ajudar a preparar o maior número possível de pessoas para esse dia. Afinal, é a pregação do “evangelho do reino” (Mt 24:14) que vai definir a volta de Cristo e não outros sinais do mundo religioso, político, da natureza ou da condição humana. Não podemos nos expor ao risco de cair em conjecturas e interpretações alarmistas, participando de reavivamentos vazios e perigosos. O mais importante é saber como está nossa vida diante do Senhor e quantos daqueles que estão próximos de nós já foram evangelizados e estão preparados para a segunda vinda de Jesus.


SEXTA

22 DE MARÇO

Cara amarrada Muitos afluíram para ali, tantos que nem mesmo junto à porta eles achavam lugar; e anunciava-lhes a palavra. Marcos 2:2

Jesus tinha uma personalidade atrativa. Por isso, os discípulos O seguiram, e as multidões O acompanhavam por onde ia. Se Ele fosse alguém amargo, as pessoas não ficariam sem comer para ouvi-Lo. Se fosse antipático, famílias não lançariam suas roupas para que Ele passasse. Jesus era cativante. Sua mensagem, personalidade e Seu interesse não afastavam, mas aproximavam. Suas atitudes eram parte de Sua missão. Nosso compromisso hoje é ser uma extensão viva e moderna do ministério de Jesus, revelando Seu caráter, mas também Suas atitudes. Por isso, “aquilo que é feito para a glória de Deus deve ser feito com alegria, cânticos de louvor e ações de graça, não com tristeza e pessimismo” (Caminho a Cristo, p. 102). Há um grupo de cristãos que conheceu um Jesus diferente, que nunca existiu. Dizem que O representam, mas vivem para apontar o erro dos outros, estão sempre com uma aparência de sofrimento, andam de cara “amarrada” e palavras negativas. Para eles, ser cristão é ser sofredor. Como dizia alguém, parece que foram batizados com água de limão. Tomam alguns momentos do ministério de Cristo, em que Ele precisou ser duro nas palavras ou atitudes, e fazem deles a regra de sua vida. Nossa missão é compartilhar com o mundo uma vida cristã positiva, que mude coisas, pessoas e ambientes para melhor; que odeie o pecado, mas ame o pecador; que represente a Cristo de maneira digna e atraia as pessoas. Ellen White aconselha: “Ninguém deve tornar a religião repulsiva [...]. Não desmintam sua profissão de fé por meio de impaciência e descontentamento. Permitam que as virtudes do Espírito se manifestem em bondade, mansidão, longanimidade, alegria e amor” (Refletindo a Cristo, p. 360). Precisamos ser reconhecidos pela coerência, profundidade e fidelidade, mas também equilíbrio, solidariedade e amor. Só assim vamos representar a Cristo de maneira digna e atrair muitas pessoas a Ele.


SÁBADO

23 DE MARÇO

Mortos-vivos Assim diz o Senhor Deus a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Ezequiel 37:5

Em 14 de novembro de 2014, a rede britânica de notícias BBC publicou a história de Janina Kolkiewicz. Com 91 anos, ela foi declarada morta, inclusive com atestado de óbito; mas, depois de 11 horas na câmara fria de um necrotério, surpreendeu a todos ao se mexer. A polícia foi chamada, o enterro foi cancelado, e ela voltou para casa. A “morta” estava viva. Tanto sua família quanto o médico que a examinou ficaram em estado de choque. Do ponto de vista espiritual, a condição de algumas igrejas se assemelha ao que ocorreu com Janina. O diagnóstico é fácil: há falta de interesse em consagração, os cultos são mecânicos e sem vida, o templo está descuidado, não se vê adolescentes e jovens envolvidos nem há compromisso com a missão. O ambiente é frio, as pessoas vivem de aparências, pouco se fala no estudo da Bíblia e oração. Os sermões são superficiais, não há estudo de profecias, e o estilo de vida não revela um compromisso. É como se Deus tivesse sido colocado do lado de fora de Sua própria casa. Mas há esperança! Esses mortos-vivos precisam de um reavivamento. O mesmo poder que deu vida aos ossos secos de Ezequiel 37 ressuscitará “a verdadeira piedade entre nós” (Eventos Finais, p. 189). Esse movimento necessário e urgente não está ligado a pregadores carismáticos, cantores famosos, espetáculos apelativos, programas superficiais, muito menos com gente de semblante abatido e espírito negativo. Reavivamento não acontece com a mudança de formato, mas de conteúdo. Ellen White declara: “Só podemos esperar um reavivamento em resposta à oração” (Eventos Finais, p. 189). Em nossa vida, a oração deve ser sempre o primeiro recurso, e não a última alternativa, quando outras falharam. Só assim, com uma vida de oração, o Espírito Santo nos fará reviver, como na visão do vale dos ossos secos de Ezequiel. Lembre-se de que os filhos de Deus sempre ganham suas batalhas de joelhos. Por isso, faça da oração, hoje e sempre, sua arma mais poderosa, e você terá certeza de que está vivo espiritualmente.


DOMINGO

24 DE MARÇO

O Céu na igreja Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti. Salmo 119:11

Ao ler o livro Conselhos Para a Igreja, encontrei um texto que me deixou muito impressionado: “Se o povo de Deus apreciasse a Sua Palavra, teríamos um Céu na igreja, aqui na Terra” (p. 87). “Um Céu na igreja, aqui na Terra.” Que ideal! Que sonho! Precisamos ser, ou voltar a ser, o povo da Bíblia. Pensando no dia a dia dos pastores e líderes da igreja, vemos quanto tempo é gasto com problemas que não precisariam existir. Algumas vezes, radicalismo; outras, liberalismo. São questões de egoísmo ou de “achismo”, de gente querendo se beneficiar ou criticar a igreja. Se buscássemos mais a Bíblia, tudo poderia ser diferente! Precisamos ter fome da Palavra e priorizá-la mais do que os interesses pessoais. O resultado vai ser o Céu na igreja. Até o cansaço, o excesso de trabalho ou outros interesses perderão sua força. Vamos nos unir, como igreja, para trazer o Céu, de maneira mais clara, para nossa vida. Precisamos fazer isso de forma particular, mas também estimular, ainda mais, a leitura da Bíblia para a edificação da igreja. Esse é o caminho para experimentarmos a igreja dos sonhos de Deus. Isso é possível. Gastemos mais tempo para estudar a Bíblia, fortalecendo nossa caminhada diária, profunda e permanente com o Senhor, na primeira hora de cada dia. Se há falta de vontade, não há outro caminho a não ser começar. “Quanto mais se estuda a Bíblia, com coração humilde, tanto maior será seu interesse” (ibid.). Exploremos mais a Bíblia em nossa família, principalmente na educação de nossos filhos. O conselho é claro: “Seja o que for que se ensine no lar ou na escola, a Bíblia deve, como grande educadora, ter o primeiro lugar. Caso lhe seja concedida essa posição, Deus será honrado e por vocês trabalhará na conversão de seus filhos” (ibid., p. 88). Quando os filhos são ensinados a amar a Bíblia, eles a guardam no coração para sempre, e o Céu se torna presente na vida pessoal, na família e na escola. Cerquemos nossa vida com a Palavra de Deus, e as bênçãos do Céu cairão sem medida sobre nós individualmente, como família e igreja.


SEGUNDA

25 DE MARÇO

As palavras certas Pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado. Mateus 12:37

Com muita sabedoria, alguém escreveu que “o hábito de falar com Deus muda o jeito de falar com as pessoas”. Que tremenda verdade! A qualidade de nossa religião se revela por meio de nossas atitudes. Quanto mais perto de Deus estivermos, mais nossas palavras, opiniões, comportamentos e relacionamentos refletirão isso. Até o testemunho pessoal terá outro efeito. Como disse Dwight Moody, “de 100 homens, um lerá a Bíblia; 99 lerão o próprio cristão”. Sem dúvida, podemos defender nossas posições, especialmente quando são bíblicas e verdadeiras. A questão é como fazêlo. Devemos lembrar que defender um ponto de vista com classe faz parte da espiritualidade cristã. Em liderança, é comum dizer que o problema nem sempre é o problema, mas como se trata o problema. Há algum tempo, em uma de nossas igrejas, alguém se excedeu em sua participação. Uma pessoa que assistia ao programa filmou com o celular e postou em uma rede social. Foi o suficiente para que milhares de pessoas curtissem, compartilhassem e fizessem duros comentários. Não quero discutir o mérito dessa situação, mas a reação das pessoas. As palavras agressivas e de baixo nível me deixaram preocupado e até envergonhado. Qual foi a impressão daqueles que não são membros de nossa igreja ao ler aqueles comentários? Reconheceram que somos um povo transformado pela graça? Alguns comentários usaram palavras tão duras que foram piores do que o problema em si. Escondidos pelo anonimato da internet, atrás da tela de um computador, sem o contato pessoal, alguns expõem o pior de si. Dão lugar ao acusador, e, ao agirem assim, não permitem que o Consolador os use. Eles se esquecem de que, por suas palavras, serão justificados ou condenados (Mt 12:37). Por que não usar palavras equilibradas, dar conselhos sábios e orar pelas situações e pelos envolvidos? Afinal, como observou um conhecido líder cristão, “as pessoas podem recusar nosso amor ou rejeitar nossas palavras, mas não têm defesas contra nossas orações”. Em toda situação, vamos usar as palavras certas. Aquelas que o sábio chama de “maçãs de ouro em salvas de prata” (Pv 25:11). Palavras positivas, mesmo em situações negativas. Palavras que edificam, curam, motivam e levantam.


TERÇA

26 DE MARÇO

Uma voz de esperança Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as Suas veredas. Lucas 3:4

Braulio nasceu em uma família pobre e, desde pequeno, trabalhou limpando carros e vendendo doces. Foram tempos difíceis. Mas a vida de sua família mudou quando a irmã mais nova, Isabel, morreu de meningite aos seis anos, e vizinhos adventistas foram visitá-los em Buenos Aires. Além de palavras de conforto, eles os convidaram para visitar a igreja. Começaram a estudar a Bíblia, mas não demorou para que seu pai perdesse o emprego por causa do sábado. Tornou-se colportor e, mais tarde, o próprio Braulio também abraçou essa obra. Animado com o serviço para o Senhor, Braulio decidiu ir mais longe: estudar no então Colégio Adventista del Plata e se preparar para o ministério. Ele foi um estudante ativo e, desde cedo, demonstrou grande capacidade intelectual. Foi editor e diretor da revista A Voz do Colégio. Também escreveu muitos artigos, crônicas e poesias. Não tinha ideia dos planos de Deus para sua vida. Da Argentina, seu ministério se estendeu para Costa Rica, Panamá e Cuba, como professor, pastor e evangelista. Em 1942, quando a sede mundial da igreja decidiu iniciar o programa A Voz da Profecia, em espanhol, Braulio Pérez Marcio foi escolhido para ser o orador oficial. Sua voz calorosa e suas palavras agradáveis começaram a ser ouvidas no início de 1943, primeiro como A Voz da Profecia e, anos mais tarde, como A Voz da Esperança. Em uma de suas viagens, o editor de um jornal, no sul do Chile, lhe contou que havia perdido a visão devido a uma doença. Como resultado, acabou perdendo também a fé e a vontade de viver. Decidiu se suicidar, pegou uma arma e ligou o rádio bem alto para abafar o som do tiro. Naquele momento estava começando o programa A Voz da Esperança com o tema: “Por que Deus permite o sofrimento?” A mensagem mudou sua decisão. Ele refez sua vida, recuperou não apenas a fé e a confiança em Deus, mas também sua visão! Histórias como essa se repetiram aos milhares, e multidões foram tocadas pela mensagem de Braulio. Você também pode ser uma voz de esperança, usando os recursos que tem nas mãos. Suas limitações ou dificuldades não importam. Deus sempre usa gente comum para fazer uma obra extraordinária.


QUARTA

27 DE MARÇO

A escolha certa Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada. Lucas 10:42

Em sua primeira visita a Betânia, depois de uma cansativa viagem vindo de Jericó, Jesus encontrou refúgio na casa de Lázaro, Marta e Maria. Querendo demonstrar hospitalidade e oferecer o melhor ao convidado, Marta trabalhava incessantemente. Já Maria aproveitava cada minuto para ser alimentada pelas palavras do Senhor. Ambas faziam o que era importante, mas somente Maria escolheu o que era fundamental. Com amor, Jesus avaliou a postura das duas e declarou: “Maria, pois, escolheu a boa parte” (Lc 10:42). A igreja precisa de Martas e Marias. Somos beneficiados por pessoas dedicadas, ativas, apaixonadas e que fazem as coisas acontecer, como Marta. Mas é sustentada pelas Marias, que tornam a consagração mais importante que a dedicação. Toda Marta primeiro precisa ser Maria, porque, se não tiver tempo para Deus, viverá perdendo tempo. Não podemos permitir que nossa atividade seja mais forte ou importante que nossa espiritualidade. Maria não hesitou em dedicar o melhor de seu tempo ao Senhor. Seu amor, respeito e admiração pelo Mestre a levaram a se sacrificar por Ele, honrando-O e ungindo Seu corpo com lágrimas e um caríssimo frasco de perfume. Não se preocupou com sua imagem pessoal e fez por Cristo, em vida, o que outros só tiveram coragem de fazer depois de Sua morte. “A ‘uma coisa’ de que Marta necessitava era espírito calmo, devoto, mais profundo anseio de conhecimento da vida futura, imortal, e as graças necessárias ao progresso espiritual. Precisava de menos ansiedade em torno das coisas que passam, e mais pelas que permanecem para sempre” (O Desejado de Todas as Nações, p. 525). Somos chamados hoje à mesma decisão: “Se alguém se acha empregado em qualquer coisa que não permite o progresso na vida espiritual e aperfeiçoar-se em santidade no temor de Deus, deve mudar para uma ocupação na qual possa ter Jesus consigo a toda hora” (Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 234). Cada dia somos expostos a muitas decisões. Precisamos da direção de Deus para fazer o que é certo. Isso só será realidade se, como Maria, depusermos nossa vida aos pés do Salvador. Viva com essa perspectiva, e você sempre ouvirá pela fé “uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele” (Is 30:21).


QUINTA

28 DE MARÇO

Sorte ou bênção? E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. Mateus 10:30

Já notou quantas vezes creditamos à sorte ou ao azar os fatos positivos ou negativos que nos acontecem? Você acredita que eles sejam realmente fruto do acaso? Aconteceram porque você estava no lugar exato e na hora certa? Ou deram errado porque não era o seu dia? Você acredita em coincidência ou providência, sorte ou bênção? As perguntas parecem óbvias para um cristão, mas precisam nos levar a refletir sobre o contraste entre o que realmente cremos, como nos expressamos e quanto isso acaba demonstrando ingratidão e desrespeito ao Senhor. A Bíblia não incentiva a crença de que as coisas acontecem por acaso. O próprio Jesus foi claro ao mencionar que nada acontece sem o conhecimento do Pai, e Ele é tão preciso que “até os cabelos da cabeça estão contados” (Mt 10:30). Então, por que chamar de sorte as bênçãos de Deus e azar os desafios que Ele nos permite enfrentar? Se “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28), por que definir como azar o que acontece de negativo e sorte o que ocorre de positivo, quando todas são ações divinas para moldar o caráter e proporcionar salvação? Sobre esse assunto, Ellen White ensinou que “frequentemente os homens oram e lamentam por causa das perplexidades e obstáculos que os confrontam. Mas é propósito de Deus que eles enfrentem perplexidades e obstáculos e, se mantiverem firme até o fim o princípio de sua confiança, [...] Ele lhes tornará o caminho claro. Terão êxito ao lutar com perseverança contra dificuldades aparentemente insuperáveis, e com o êxito virá maior alegria” (Olhando Para o Alto, p. 110). O que parece perda pode se tornar ganho, e o que parece ganho pode acabar em perda, porque, conforme disse Roosevelt Marsden, “nossa fé não está nas bênçãos de Deus, mas no Deus das bênçãos”. Viva cada dia na certeza de que você não derrama “nenhuma lágrima [...] sem que Deus saiba. Não há sorriso que Ele não perceba” (Caminho a Cristo, p. 86). Deixe de lado a sorte e o azar e entregue sua vida nas mãos do Senhor, porque, “se você teme a Deus, não há necessidade de temer mais nada” (John Mason). Deus está acima do acaso!


SEXTA

29 DE MARÇO

Aprovado em Cristo Saudai Apeles, aprovado em Cristo. Saudai os da casa de Aristóbulo. Romanos 16:10

A Bíblia apresenta personagens que se tornaram conhecidos e realizaram uma grande obra, mas também registra os nomes de homens e mulheres que parecem ter passado rapidamente pela história. Um desses desconhecidos é Apeles, que alguns acreditam ter sido o mesmo Apolo. Possivelmente, eles tenham sido pessoas diferentes, o que aumenta ainda mais a curiosidade. Quem realmente foi esse homem? Apeles é um nome grego. Esse nome era muito comum entre os judeus e romanos dos tempos bíblicos. Ele consta na lista dos mais de 20 colaboradores de Paulo que se encontravam em Roma e para os quais o apóstolo enviou saudações (Rm 16:315). A única referência a ele está em Romanos 16:10, em que se encontra uma das mais importantes descrições dadas por Paulo a um colaborador: “aprovado em Cristo”. É impressionante alguém ter o nome citado apenas uma vez na Bíblia e ser classificado como “aprovado em Cristo”. Nosso conhecimento de Apeles se resume à metade de um verso, mas com certeza Paulo devia conhecê-lo muito bem para poder usar palavras tão importantes. A visão de ser “aprovado em Cristo” não era aplicada apenas a outros, mas o próprio Paulo a buscava. Era sua luta pessoal (1Co 9:27). No fim de sua vida, essa luta foi recompensada (2Tm 4:7, 8). Os “aprovados em Cristo” são pessoas dependentes do Céu e diferentes do mundo. Eles sempre se lembram de que “a Bíblia ensina a nos contentarmos com o que temos, mas nunca com o que somos” (John Blanchard). Sua ligação com o Senhor é íntima e permanente. Dedicam a primeira hora do dia para buscá-Lo e depois vivem as outras 23 horas em Sua presença. Concentram-se na Palavra e buscam o poder na oração. São movidos pela graça e motivados pelo amor. Sua vida está nas mãos do Senhor, na certeza de que “Deus não despede ninguém vazio, exceto aqueles que estão cheios de si mesmos” (Dwight Moody). Por outro lado, eles vivem o Céu na Terra e, por isso, são diferentes. Não importa o que o mundo fala sobre eles, mas o que Deus pensa a respeito deles. Suas atitudes e escolhas não são fundamentadas em desejos pessoais, mas em critérios espirituais. Se Paulo escrevesse um verso sobre você, o que ele diria? Seja você também um “aprovado em Cristo”. Mantenha comunhão com Jesus todos os dias, ​sirva-O fielmente, e Deus colocará em você o selo de Sua aprovação.


SÁBADO

30 DE MARÇO

Uma sentença de vida Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor. Romanos 6:23

No ano de 1897, a mensagem adventista chegou à Bolívia por meio das publicações distribuídas por Juan Sebastián Pereira. Ele foi colportor da Sociedade Bíblica e, em sua passagem pelo Chile, conheceu a mensagem adventista, aceitou nossas doutrinas e passou a espalhá-las. Dedicou 18 meses a colportar em território boliviano por sua conta e risco, vendendo os livros Patriarcas e Profetas e Caminho a Cristo. No entanto, o fanatismo de alguns religiosos o levou à prisão em Quillacollo, perto de onde está situado hoje o campus da Universidade Adventista da Bolívia. Líderes de diferentes denominações pediam sua expulsão da localidade e a destruição dos livros que distribuía. Foi acusado de divulgar publicações “ímpias e antirreligiosas” e, por conta disso, foi sumariamente condenado à morte no fórum da cidade. Por conta dessas publicações, a família Miranda começou a guardar o sábado e se converteu ao adventismo. Sua casa então foi transformada em um centro de estudo da Bíblia. Porém, o chefe da família era juiz de um tribunal de apelação, e o caso de Juan Sebastián Pereira chegou a suas mãos. Como desembargador, poderia confirmar a condenação anterior, mas o declarou inocente, o que resultou para Juan em uma sentença de vida. Foi assim que a obra adventista começou na Bolívia, o último país e talvez o que tenha sido o mais difícil a ser alcançado na Divisão Sul-Americana. Hoje é o território onde há a maior proporção de adventistas por habitantes. Lembrar histórias como a do pioneiro Juan renova a confiança no cuidado de Deus. Quando tudo parece perdido, Ele sempre abre uma porta de salvação. Não importa se os dias são difíceis, as noites parecem longas, a culpa atormenta ou as falhas parecem grandes demais. O ministério de Juan Sebastián Pereira também nos lembra de que vale a pena qualquer sacrifício pela causa de Deus. Pode haver oposição ou condenação, dificuldade ou fracasso aparente, mas, com Deus no comando, a causa sempre prosperará. O Senhor também pode contar com você?


DOMINGO

31 DE MARÇO

Mais pressa Não dizeis vós que ainda há quatro meses até à ceifa? Eu, porém, vos digo: erguei os olhos e vede os campos, pois já branquejam para a ceifa. João 4:35

Será que, em meio a tantos compromissos, falta de tempo, estresse e necessidade de uma pausa para descanso, é possível apelar por mais pressa? Quero, porém, convidar você a aliviar a pressa fora de foco e aumentar a pressa na realização das coisas que constituem nossa prioridade. Precisamos de mais velocidade no cumprimento da missão, para que Cristo volte logo. Veja a situação de nosso mundo: 1. Incapacidade dos líderes de encontrar soluções. Quanto mais reuniões, cúpulas e fóruns mundiais são realizados, mais confusos ficam nossos líderes. O mundo está cada dia mais fora de controle. 2. A Terra pede socorro. A crise ecológica é grave, demanda ações fortes e urgentes, para que o planeta possa sobreviver. Contudo, os esforços para tentar resolver esse problema, em geral, não vão para frente. A Terra agoniza cada dia mais acentuadamente. 3. A ficção reforça um “apocalipse”. Cada dia surgem mais filmes que exploram a visão secular de um apocalipse, prenunciando uma catástrofe final. Eles têm destaque na mídia e mexem com a cabeça das pessoas. 4. A moralidade está perdendo seus limites. A honestidade, os valores familiares, os limites da sexualidade, entre outras coisas, estão seriamente comprometidos. 5. O relativismo invade a sociedade e ameaça a igreja. As verdades absolutas são vistas como mitos, e a onda é cada pessoa ter a própria visão de Deus, da Bíblia, da mensagem, da moralidade, da criação, etc. E o pior é que essa visão está batendo furtivamente à porta de nossa igreja, teologia, de nosso estilo de vida, adoração e música. 6. Deus realiza grandes coisas em Sua igreja. Nem tudo é negativo nesse cenário. Deus está abrindo portas para que a mensagem avance de forma grandiosa. As muitas ações da igreja e os esforços individuais dos irmãos são uma prova disso. Estamos assistindo passivamente a todas essas coisas ou estamos testemunhando, com senso de urgência, para abrir os olhos de milhares de pessoas e levá-las a Jesus enquanto há tempo? Ellen White nos desafia: “A verdade há de em breve triunfar gloriosamente [...] apressem-se a comunicá-la a outros” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 352, 353). É tempo de pressa!


Abril Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30


SEGUNDA

1º DE ABRIL

Encontros com a cruz E Eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a Mim mesmo. João 12:32

Você já notou que, enquanto a morte de outros líderes religiosos foi lamentada, a morte de Cristo acabou sendo celebrada? É interessante perceber que os grandes heróis buscaram ou tiveram uma morte digna e um enterro justo, mas Cristo morreu pendurado numa cruz, símbolo de vergonha, e foi enterrado num túmulo emprestado. Além disso, a cruz, símbolo de derrota, acabou tornando-se a marca da vitória de Cristo. Comentando o drama da cruz e as implicações do grande sacrifício de Cristo, Ellen White escreveu: “Unicamente o Calvário pode revelar a terrível enormidade do pecado. Caso devêssemos suportar nossa própria culpa, ela nos esmagaria” (O Maior Discurso de Cristo, p. 116). Cada um de nós precisa ter um encontro com a cruz, receber o presente do Céu e experimentar sua transformação. Nos dias do Calvário, esses encontros ocorreram de diferentes formas e representam as mesmas oportunidades de hoje. O primeiro aconteceu como resultado de uma simples condição. Simão, o Cireneu, voltava do campo para a cidade e não planejou aquele encontro. Nem sabia o que estava acontecendo, mas acabou sendo obrigado pelos soldados romanos a levar a cruz de Cristo (Mc 15:21). Ele representa aqueles que não buscam, planejam ou desejam um encontro com Cristo, mas as circunstâncias da vida, dirigidas pelo Senhor, os levam a essa condição. O segundo encontro aconteceu por obrigação. O ladrão que estava ao lado de Cristo não queria estar ali. Foi obrigado a cumprir uma sentença pelos erros que havia cometido (Lc 23:32-43). Naquele momento indesejado, aconteceu um encontro transformador. Ele representa aqueles que fogem ou ignoram a cruz, mas, nas situações mais difíceis e inesperadas ou num momento de dor, acabam encontrando o Salvador. O terceiro encontro aconteceu por uma opção. João, Maria, mãe de Jesus, Maria, sua irmã, e Maria Madalena decidiram ficar com Jesus quando todos O haviam abandonado (Jo 19:25). Eles buscaram, cuidaram, amaram e abraçaram a cruz, representando os que diariamente decidem ficar ao lado de Jesus, aceitar Seu sacrifício e testemunhar de Seu amor. Não sei em qual dos grupos você se encaixa. O mais importante é permitir que a cruz de Cristo possa atrair você e transformar sua vida.


TERÇA

2 DE ABRIL

Radical x fiel Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Apocalipse 2:10

Desde 11 de setembro de 2001, quando um grupo de terroristas coordenou o ataque às torres gêmeas, o tema do fundamentalismo religioso passou a ter enorme destaque na agenda mundial. Diante dessa questão, precisamos ter em mente que não devemos generalizar ao fazer qualquer análise sobre a religião dos outros. Afinal, a atitude de alguns não pode ser colocada na conta de todos. Por outro lado, não há como ignorar o aumento do ódio mundial contra essas pessoas e suas organizações. Todas essas barbaridades, além de provocar um sentimento de ódio, acabam lançando sementes para iniciativas futuras. A profecia nos indica que nos últimos dias outra vez haverá perseguição, condenação e morte em nome da religião. Em meio a esse cenário, a confusão entre fundamentalismo e fidelidade se aprofunda. Hoje, os fundamentalistas são vistos como pessoas fiéis às suas crenças, porém de forma egoísta, fanática e desequilibrada. Já a fidelidade se manifesta em pessoas que não negociam princípios, mas também não os impõem aos outros. O problema é que a fidelidade tem recebido o rótulo de fundamentalismo. Cada vez que alguém diz: “Estou disposto a perder meu emprego, um concurso ou um ano escolar para permanecer fiel às orientações de Deus”, surgem pessoas dizendo: “Cuidado com gente radical! É por causa dessas pessoas que o mundo está enfrentando todas essas crises.” A confusão acaba em discriminação contra quem simplesmente deseja exercer seu direito de ser fiel. Quando olhamos para o exemplo de Cristo, temos uma visão perfeita de fidelidade e liberdade. Ele foi completamente fiel, mas para isso não apoiou o uso de armas, não buscou poder, não incitou luta de classes e não viveu para Si. Sua vida foi usada para demonstrar e compartilhar amor. Morreu por aqueles que não O amaram nem O aceitaram. Precisamos seguir Seu exemplo e nos manter fiéis a toda prova, sem temer pressão ou discriminação. Contudo, vamos fazêlo com respeito e amor, sendo um testemunho vivo da real diferença entre fundamentalismo e fidelidade.


QUARTA

3 DE ABRIL

Que obra Deus fez! Toda boa dádiva e todo o dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança. Tiago 1:17

Durante 12 anos, Samuel Morse, filho de um pastor protestante, trabalhou em parceria com o químico Leonard Gale, o físico Joseph Henry e o especialista em máquinas Alfred Vail para criar e aperfeiçoar um instrumento que fosse capaz de transmitir mensagens a longa distância. A necessidade surgiu em 1825, quando Samuel Morse, que também era pintor, estava em Nova York executando uma de suas obras. Ainda no começo do trabalho, um mensageiro chegou a cavalo, com uma mensagem de seu pai, que dizia: “Sua querida esposa está doente.” No dia seguinte, recebeu outra mensagem informando que ela havia morrido subitamente. Decidiu, então, deixar a obra inacabada, voltar para casa e encontrar meios para desenvolver o telégrafo. Em 1835, construiu o primeiro aparelho com o qual transmitiu sinais a um quilômetro de distância. Em 1839, elaborou o código Morse, usando uma combinação de pontos, traços e pausas para transmitir informações. Em 1843, construiu a primeira linha telegráfica, ligando Baltimore a Washington. Mas foi em 1844 que ele transmitiu sua primeira mensagem, dizendo: “Que obra Deus fez!” Pouco tempo depois, em 1876, Alexander Graham Bell registrou no Escritório de Patentes dos Estados Unidos o telefone, e a criação de Morse perdeu sua relevância. Mais tarde, em 1973, Martin Cooper fez a primeira ligação usando um celular, direto da Sexta Avenida, em Nova York. Em 1990, a internet se popularizou quando o cientista da informática, Tim BernersLee, inventou a World Wide Web (www) e alterou completamente a forma como as pessoas se comunicam e se relacionam. A comunicação se desenvolveu muito desde os dias de Morse. Seu invento está praticamente em desuso, mas sua primeira mensagem – “Que obra Deus fez! – continua relevante e atual. Afinal, “toda boa dádiva e todo o dom perfeito são lá do alto” (Tg 1:17). É o Senhor quem dá sabedoria e desenvolve as habilidades humanas. Dele veio a capacidade para criar o papel, a impressão e a tecnologia com seus ​computadores, celulares ou tablets. Ele está por trás das grandes maravilhas da humanidade. Reconheça a mão de Deus presente em todas as coisas, dependa Dele e permita que Ele faça Sua obra em você e por meio de você.


QUINTA

4 DE ABRIL

A esperança vence o medo Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes. Romanos 12:12

Ao passar pelo 40o andar no elevador do Empire State Building, um dos edifícios mais altos do mundo, o filho puxou o casaco do pai e perguntou: “Pai, Jesus sabe que nós estamos indo para o Céu?” Sem dúvida, ir para o Céu é nossa grande esperança. A Bíblia confirma essa promessa de Jesus 1.845 vezes. Precisamos ser “animados pelo pensamento de que o Senhor logo virá. Que essa esperança alegre nosso coração” (Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 287). A expectativa em relação aos eventos que antecedem a volta do Senhor tem enchido o coração de alguns de temor. Medo e esperança não combinam; um anula o outro. Muita gente não entende a função dos sinais do fim no preparo para a volta de Cristo. Eles são indicativos, não protagonistas. Devemos acompanhá-los com os olhos, mas apegar-nos a Jesus com o coração. Se não for assim, eles provocarão agitação, alarmismo, engano e medo. O objetivo deve ser a preparação, não a especulação. O tempo de angústia, por exemplo, com seus elementos de perseguição, sofrimento e morte, tem sido a fonte do medo de alguns. Para que isso não aconteça, é preciso conhecer as duas tribulações profetizadas na Bíblia. A primeira está em Mateus 24:21, 22 e 29 a 30. É aquela que “desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais” (v. 21). Ela tem um antes e um depois; por isso, não se refere ao tempo do fim. Nunca se repetirá em extensão e intensidade. Representa os 1.260 anos de perseguição do povo de Deus durante a Idade Média (538-1798 d.C.). Trata-se da angústia dos justos, que foi abreviada pelo Senhor (v. 22). Apenas depois dela é que ocorrem os sinais no Sol, na Lua e nas estrelas (v. 29), anunciadores do tempo do fim. A segunda está apresentada em Daniel 12:1. Segundo o profeta, essa tribulação ocorrerá no fim da história humana. Para os ímpios, será uma angústia como nunca houve, pois enfrentarão as pragas. Para os justos, será apenas a angústia de Jacó, pois servirá como preparação adicional para a vida no Céu. Para quem confia em Jesus, a esperança sempre vence o medo. Coloque sua vida nas mãos de Deus, ame a mensagem da segunda vinda e viva em paz em relação ao futuro.


SEXTA

5 DE ABRIL

Achismo Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. Apocalipse 3:17

A opinião de um jovem adventista me chamou a atenção: “Se a igreja defender que não devo ir ao cinema, saio dela e vou seguir meu caminho.” Fiquei impressionado, pois ele estava assumindo que, entre a orientação da igreja e as próprias opiniões, ficaria com a segunda opção. Essa é a essência do “achismo”: construir as próprias verdades, com base em sentimentos como “eu acho”, “eu gosto”, “me sinto bem assim”, “cada um tem sua verdade”. Indivíduos que agem desse modo muitas vezes têm conceitos bem elaborados, atraem pessoas inteligentes e causam polêmicas, mas se tornam cada vez mais difíceis de ser alcançados pela Palavra do Senhor. Sem dúvida, nossa mensagem precisa ser bíblica, profunda e lógica. Ninguém crerá numa mensagem sem fundamento e relevância para nossos dias. Não podemos dar respostas do século 19 a perguntas do século 21. A questão tem que ver com o tipo de lógica que vamos adotar: pessoal ou bíblica? Vamos usar o “achismo” como base da verdade pessoal ou cavaremos mais fundo na Bíblia e nos escritos de Ellen White em busca da vontade de Deus? Outro efeito colateral do achismo é a constante busca por novidades para suprir o vazio espiritual. Não há problema com o novo, pois novos tempos exigem novos métodos. A crise se revela quando as novidades buscam apenas a satisfação pessoal. Isso aparece em novas formas de culto, novo formato de igreja, aparência pessoal mais contemporânea, estilo de louvor mais forte, estilo de vida mais aberto, e a lista poderia continuar... Estamos tremendamente expostos aos riscos do “achismo”. Muitas de nossas discussões sobre temas teológicos, eclesiológicos e de crescimento espiritual têm sido feitas sem a Bíblia e os escritos de Ellen White. Usamos grandes pensadores para defender uma opinião humana, mas não nos aprofundamos na revelação em busca da orientação divina. Nossa única segurança está na fidelidade à Palavra. Pouco antes da volta de Jesus, as investidas de Satanás serão intensas e sutis (O Grande Conflito, p. 624). Como vamos reconhecer seus enganos se procurarmos enfrentar questões espirituais apenas com opiniões particulares?


SÁBADO

6 DE ABRIL

Comprometidos Então, disse Maria: Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra. E o anjo se ausentou dela. Lucas 1:38

Gosto de ver pessoas comprometidas com uma causa. Gente capaz de pagar qualquer preço para defender o que acredita. Observo, por exemplo, os defensores das causas ecológicas, que vão aos lugares mais desafiadores e se expõem de formas muito perigosas pelo bem do planeta. Interesso-me ainda pelos defensores de causas sociais, que vão às ruas defender o que acreditam e muitas vezes arriscam a própria vida. O movimento adventista também começou com gente comprometida. Um dos pioneiros que mais me impressiona é Charles Fitch. Seu compromisso com a volta de Cristo era tão grande que ele não tinha medo de enfrentar desafios. Pouco antes de 22 de outubro de 1844, Fitch batizou três grupos de pessoas em um rio, ao ar livre e num dia muito frio. Sua saúde foi abalada, adoeceu e morreu de tuberculose em 14 de outubro, oito dias antes da data marcada para a volta de Jesus. A Bíblia também apresenta muitos exemplos de gente comprometida, a ponto de dar a própria vida por uma causa. Sem dúvida, o maior de todos é Jesus. Contudo, Maria, a virgem escolhida para ser Sua mãe, é um destaque. Normalmente exaltamos o privilégio que ela recebeu ao ser escolhida como mãe do Salvador, mas você já pensou no preço que ela pagou para cumprir essa missão? Aceitar o plano de Deus envolvia se tornar mãe solteira, e isso tinha consequências muito sérias. Poderia ser condenada por cometer um crime de contaminação e ameaça aos valores religiosos, sociais e familiares. Sua punição poderia ser a morte. Imagine também como ela seria vista pela família, amigos e pela sociedade. Como convenceria José, seu noivo, de que o bebê não era filho de outro homem, mas um milagre do Espírito Santo? E o que aconteceria com sua festa de casamento por conta dessa condição? Diante do alto preço, Maria poderia ter passado a responsabilidade para outra mulher. Seguiria sua vida, realizaria seus sonhos e evitaria problemas. Ela, porém, aceitou o desafio e respondeu: “Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra” (Lc 1:38). Não teve medo de arriscar tudo para cumprir sua missão. E você? Qual é o tamanho do seu comprometimento? Pague o preço de sua missão e esteja certo de que Deus vai cuidar de tudo para seu bem eterno e para a salvação de muitos.


DOMINGO

7 DE ABRIL

Filho pródigo E, levantando-se, foi para seu pai. Vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou. Lucas 15:20

Lucas 15 é a seção dos achados e perdidos da Bíblia. Ali estão três parábolas que mostram a busca incessante de Deus: a ovelha perdida, a dracma ​perdida e o filho pródigo. A história do filho pródigo é a maior e mais tocante das três. Aliás, poderíamos facilmente chamá-la de parábola do pai amoroso. Para entendê-la melhor, vamos analisar duas perguntas aparentemente óbvias. A primeira é: Se o Pai era tão bom, por que o filho decidiu sair de casa? Saiu porque tinha liberdade para sair. Deus nos criou livres e, embora nossas escolhas possam machucar Seu coração, Ele continua a respeitar nosso livre-arbítrio. Saiu porque se cansou da rotina do lar. O filho estava aborrecido com o mundo tranquilo da fazenda. Olhava com desprezo a vida monótona de agricultor e considerava sua vida uma prisão. Para ele, tudo ali era sem graça. Queria mais agitação. Saiu porque queria conhecer o desconhecido. Talvez tenha ido para alguma cidade grande da época em busca de diversão e liberdade. Desejando o desconhecido, destruiu o que era conhecido: sua família. Ainda podemos perguntar: Se o filho queria tanto sair, por que depois quis voltar? Voltou porque tinha liberdade para isso. No plano da redenção, Deus sempre busca salvar o ser humano. Ninguém foi tão longe que não possa voltar nem é tão pecador que não possa ser aceito novamente por Deus. Voltou porque sentiu saudade. A saudade é um instrumento do Espírito Santo que nos faz lembrar a felicidade que temos ao lado de Deus. O filho se lembrou dos dias felizes de sua infância e adolescência. Voltou porque precisava ser perdoado. O filho sabia que havia magoado profundamente o pai. Precisava acertar as contas. Quanto a você, esteja certo de que “Cristo jamais abandonará a pessoa pela qual Ele morreu. O ser humano poderá deixáLo e ser vencido pela tentação; Cristo, porém, não pode nunca Se desviar daquele pelo qual pagou o resgate com a própria vida” (O Maior Discurso de Cristo, p. 118, 119). Qualquer pessoa pode ter um novo começo, uma nova oportunidade. O importante é correr para os braços do Pai.


SEGUNDA

8 DE ABRIL

“Não opero sem orar” Os que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. Salmo 125:1

Uma das datas mais sensíveis do calendário é o dia internacional de luta contra o câncer, que acontece hoje. Em todo o mundo estão sendo realizadas atividades de prevenção e apoio às famílias que enfrentam os desafios dessa doença. É uma luta que envolve mudança de hábitos, o uso dos melhores recursos da medicina, esperança e confiança no Senhor. A história de René é um lindo exemplo de transformação em meio à dor. Há alguns anos, ele foi ao Hospital Adventista Silvestre, no Rio de Janeiro, com relatórios médicos pouco animadores. Estava com câncer no estômago e precisava de uma cirurgia. No dia do procedimento, o doutor Daniel Reis se aproximou da cama de René. Depois de cumprimentá-lo, pediu permissão para realizar uma oração, de acordo com seu costume. René rejeitou e disse: “Como vice-presidente da Sociedade Ateísta do Brasil não preciso de um Deus em quem não acredito, muito menos de oração.” A resposta do doutor Daniel foi rápida e direta: “Respeito sua opinião, mas quero deixar claro que não opero sem orar. Neste caso, teremos que procurar outro médico.” René entendeu que precisava ser mais flexível e disse: “Para mim não é necessário, mas se você precisa então pode orar.” O doutor Daniel e os demais médicos fizeram um círculo ao redor de René e oraram. A cirurgia foi bem-sucedida, mas seu quadro era desafiador. Alguns meses depois, teve que passar por uma segunda cirurgia; mas, no intervalo de tempo entre as duas, ele recebeu estudos bíblicos, orações e abraçou as promessas de Deus. No dia da segunda cirurgia, antes que os médicos orassem, o próprio René se antecipou: “Vocês não vão orar por mim?” Pouco tempo depois, ele disse: “Deus permitiu essa doença para que eu pudesse viver.” No momento de dor, René aprendeu a se apegar ao Salvador. A doença pode ser tragédia ou oportunidade, depende de você. Se permitir que Deus assuma o comando, a dor será transformada em paz. Em breve, “todas as perplexidades da vida serão então explicadas. Onde para nós apareciam apenas confusão e decepção, propósitos frustrados e planos subvertidos, veremos um propósito grandioso, predominante, vitorioso, uma harmonia divina” (Educação, p. 305). Nos braços do Senhor, qualquer peso fica mais leve.


TERÇA

9 DE ABRIL

Uma nova voz Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as Suas veredas. Marcos 1:3

O ministério de rádio da Igreja Adventista é um exemplo de como Deus usa pessoas e recursos para o cumprimento da missão. No dia 9 de abril de 1933, há exatamente 86 anos, o pastor H. M. S. Richards, fundador de A Voz da Profecia, transmitiu o primeiro programa, a partir de uma emissora da Califórnia, com o nome de Bible Tabernacle of the Air [Tabernáculo Bíblico do Ar]. Muita gente tentou desanimá-lo, mas ele avançou confiando no Senhor. Três anos depois, em 25 de julho de 1936, o nome A Voz da Profecia passou a ser usado. No ano seguinte, a Divisão NorteAmericana oficializou o pastor Richards como orador, e o programa passou a ser transmitido de costa a costa nos Estados Unidos. Cinco anos mais tarde, 225 emissoras transmitiam a cada domingo a mensagem de esperança na volta de Jesus. Muitas cartas de pessoas interessadas em conhecer melhor a Bíblia começaram a ser recebidas. O sucesso das transmissões motivou a igreja a utilizar o rádio em todo o mundo. Por conta disso, em 6 de setembro de 1942, foi feita a primeira transmissão de La Voz de La Esperanza, em espanhol, com o pastor Braulio Pérez Marcio. Em português, A Voz da Profecia começou a ser transmitida em 26 de setembro de 1943, com a voz marcante e inigualável do pastor Roberto Mendes Rabello. Naquele tempo, as músicas eram gravadas pelo quarteto King’s Heralds [Arautos do Rei], que cantavam em português, mas com um forte sotaque americano. Foi só em 1962 que surgiu a primeira formação local dos Arautos do Rei, que hoje está em sua 29a formação e continua pregando a breve volta de Jesus. Em 2 de junho de 1964, começaram as transmissões do programa Una Luz en El Camino [Uma Luz no Caminho], pela rádio El Mundo, em Buenos Aires, Argentina. O apresentador era o pastor Enrique Chaij. Atualmente, o programa tem mais de 50 anos de história e é transmitido em mais de 600 emissoras, dentro e fora da Argentina. Quando o Messias precisava ser anunciado, Deus usou a voz de João Batista. Quando a pregação do “evangelho do reino” (Mt 24:14) demandava um impulso, Deus levantou uma nova voz. Hoje precisamos de muitas outras vozes para terminar a obra que esses pioneiros iniciaram com visão, determinação e fé. Deus pode contar com você?


QUARTA

10 DE ABRIL

Aventais brancos E todos da multidão procuravam tocá-Lo, porque Dele saía poder; e curava todos. Lucas 6:19

Em seu livro Aventais Brancos, Otília Peverini trata sobre a nobre tarefa de enfermeiros-missionários. Ela escreveu com o coração, pois se dedicou a essa profissão por toda a vida. O Hospital Adventista del Plata, na Argentina, foi para Otília sua segunda casa. Lá se formou enfermeira, chefiou a equipe de enfermagem e passou seus últimos anos como paciente. Uma de suas lembranças mais comoventes é do doutor Carlos Westphal, filho do pastor Frank Henry Westphal, mais conhecido entre nós como Francisco, primeiro missionário enviado para a América do Sul. Além de médico da instituição, cirurgião audacioso, obstetra e professor, Carlos era também um pregador apaixonado pelo Apocalipse. Ele era procurado por pessoas de longe e, muitas vezes, passava a noite inteira ajudando num parto, voltando só depois, sem descanso, para cuidar dos pacientes que o esperavam. Otília acompanhou-o em um parto que durou uma noite inteira de inverno. Ao amanhecer, estavam exaustos e famintos, mas enfrentaram uma garoa persistente no caminho de volta. O doutor Westphal ficou gripado e com febre, mas foi diretamente para o hospital continuar seu trabalho. Otília visitou o doutor Westphal em seus últimos dias de vida, alguns anos depois de sua aposentadoria. Ela relata: “Era difícil para ele falar. Segurei uma de suas mãos, que tinham trabalhado salvando muitas vidas. Então ele me disse: ‘É a vida, não chore, estou pronto para descansar.’ E foi assim que um grande médico- missionário, pioneiro, altruísta, eficiente e disposto a servir em diferentes atividades descansou.” Terminou sua carreira, mas deixou um legado que permanece na vida de todos os que foram beneficiados por ele e seus descendentes. Os aventais brancos nos fazem lembrar o caráter de Jesus, o médico- missionário que veio do Céu, não para cuidar dos sãos, mas para restabelecer doentes. Hoje precisamos de mais profissionais de saúde e outros voluntários, que continuem a obra médico-missionária que Jesus começou. Vivendo e compartilhando nossa mensagem de saúde, você pode ajudar a transformar a vida de alguém.


QUINTA

11 DE ABRIL

Eu vi uma terra melhor Mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que O amam. 1 Coríntios 2:9

Como adventistas do sétimo dia, somos movidos pela esperança de “uma terra melhor”. Deus mostrou a Ellen White esse novo lar em detalhes. Naquela que foi sua primeira visão, ela subiu “mais e mais alto da escura Terra” (Primeiros Escritos, p. 14). Enquanto se distanciava, escutou uma voz que dizia: “Olha novamente, e olha um pouco mais para cima” (ibid.). Seus olhos encontraram um “caminho reto e estreito” por onde andava o povo do advento, viajando para a cidade que se achava na extremidade mais afastada. “Se conservavam o olhar fixo em Jesus, que Se achava precisamente diante deles, guiando-os para a cidade, estavam seguros” (ibid.). Alguns ficavam cansados pela viagem tão longa e difícil, mas Jesus os animava. Outros negavam que Deus estivesse guiando Seu povo, tropeçavam e caíam, voltando para o mundo (ibid., p. 15). Ellen diz que os perseverantes tiveram o privilégio de ouvir o dia e a hora da volta de Jesus e, na sequência, viram a pequena nuvem que cresceu, revelando o retorno do Filho do Homem em grande glória, com milhares de anjos. Todos os salvos viajaram por sete dias até o mar de vidro, onde receberam sua coroa das mãos de Jesus. Seus olhos viram uma grande cidade, um campo cheio de flores, animais de todas as espécies vivendo em harmonia e uma mesa de prata, com muitos quilômetros de comprimento. Ela viu o fruto da árvore da vida, que era “esplêndido; tinha o aspecto de ouro, de mistura com prata” (ibid., p. 17). Pediu a Jesus para comê-lo, mas Ele disse: “‘Agora não. Os que comem do fruto deste lugar não mais voltam à Terra. Mas, dentro em pouco, se fores fiel, não somente comerás do fruto da árvore da vida mas beberás também da água da fonte.’ E disse: ‘Deves novamente voltar à Terra e relatar a outros o que te revelei.’ Então um anjo me trouxe mansamente a este mundo escuro. Algumas vezes penso que não mais posso permanecer aqui; todas as coisas da Terra parecem demasiado áridas. Sinto-me muito solitária aqui, pois vi uma terra melhor” (ibid., p. 19, 20). Essa esperança em breve se tornará realidade. Permaneça firme no caminho estreito, tirando os olhos da Terra e colocando seu coração no Céu para também herdar esta “terra melhor”.


SEXTA

12 DE ABRIL

Ainda fala Pela fé, Abel [...] mesmo depois de morto, ainda fala. Hebreus 11:4

Aquele foi um sermão inesquecível. Sentado em uma cadeira de rodas, aos 94 anos, falando com dificuldade e quase não podendo se mexer, um gigante da pregação do evangelho da América do Sul e, por que não dizer, do mundo, pregava em um concílio de pastores. Apesar de suas limitações físicas, expunha com entusiasmo o tema da volta de Jesus. Essa mensagem deixou fortes marcas em mim. A vida do pastor Moisés Nigri foi uma inspiração para todos os que o conheceram. Nascido em 1914, no Rio de Janeiro, era filho de pai judeu e mãe católica. Conheceu Jesus e foi batizado em agosto de 1932 na pioneira Igreja Adventista do Meier, no Rio de Janeiro. Em 1935, decidiu estudar Teologia no antigo Colégio Adventista Brasileiro (atual Unasp, SP), onde formou-se em 1937. Serviu em diferentes regiões do país, como pastor de grandes igrejas, líder de departamentos, presidente de Associação e União. Em 1952, foi escolhido secretário da Divisão Sul-Americana. Foi o primeiro obreiro local a ocupar essa função. Em 1970, foi eleito vice-presidente da igreja mundial, sendo o primeiro latino, de língua não inglesa, a ocupar essa função. Em 1980, aposentou-se, mas continuou servindo intensamente como voluntário. No dia 20 de fevereiro de 2010, foi convidado para pregar em São Paulo e falou sobre seu tema preferido: a volta de Jesus. Durante a mensagem, abriu o coração: “Tenho pedido a Deus que me deixe viver até os 100 anos, para ver Jesus voltar. Não posso crer diferente, mas penso que este poderá ser meu último sermão.” De fato foi seu último sermão em vida. Na madrugada de domingo, caiu dentro de casa, fraturou o fêmur, foi levado ao hospital e ali descansou no dia 4 de março. A pregação de homens como Moisés Nigri não cessa com a morte deles. Sua mensagem continua ecoando por meio de seu legado e influência na vida daqueles que seguem seus passos. Sem dúvida, o texto que você está lendo é uma prova de que o pastor Nigri, “mesmo depois de morto, ainda fala”. De acordo com o texto bíblico de hoje, essa foi a realidade do justo Abel e de muitos dos gigantes do passado. Pode ser a sua também. Coloque-se nas mãos de Deus, e Ele falará por meio de você até mesmo quando sua voz não puder mais ser ouvida.


SÁBADO

13 DE ABRIL

Não desista Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã. Salmo 30:5

Permanecer firme em tempos de crise é um de nossos maiores desafios. O coração fica pesado, a noite escura parece que nunca vai terminar, e os piores pensamentos vêm à mente. Porém, permanecer firme, acreditar que as coisas podem melhorar e manter a fé em Deus exige coragem, pois os ​“obstáculos que nos impedem o progresso jamais desaparecerão diante de alguém vacilante e duvidoso” (Obreiros Evangélicos, p. 262). As pessoas mais fortes nem sempre são as que ganham, mas as que não desistem quando perdem. Você se lembra dos exemplos a seguir? Thomas Edison era o caçula da família e considerado uma criança- problema. Seu pai sempre dizia que ele nunca seria nada na vida. Contudo, ele patenteou 1.093 invenções, entre elas, o microfone, a máquina de escrever, a ferrovia elétrica, a lâmpada elétrica e a câmera de cinema. Nelson Mandela passou 27 anos na cadeia por atuar como principal representante do movimento contra o apartheid. Foi libertado em 1990, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1993 e se tornou presidente da África do Sul de 1994 a 1999, sendo o primeiro negro da história a assumir esse cargo no país. Albert Einstein não sabia falar até os quatro anos de idade e só aprendeu a ler aos sete. Sua professora o qualificou como “mentalmente lerdo, não sociável e sempre perdido em devaneios tolos”. Foi expulso da escola e não foi admitido na Escola Politécnica de Zurique. Ludwig Van Beethoven, compositor alemão, ficou completamente surdo aos 46 anos, após anos de perda progressiva da audição. No entanto, compôs boa parte de sua obra, incluindo três sinfonias, em seus últimos anos de vida. Não desista! Aprenda a resistir. Bertolt Brecht disse: “Há homens que lutam um dia e são bons; [...] Há aqueles que lutam muitos anos e são muito bons; mas há os que lutam toda a vida e são imprescindíveis.” Como disse Ellen White: “Nossa meta deve ser: Para a frente, sempre para a frente! Anjos do Céu irão adiante de nós, a preparar-nos o caminho” (Evangelismo, p. 707). Não desista! Enfrente a noite com oração, pois Deus já está preparando o amanhecer.


DOMINGO

14 DE ABRIL

Marca principal Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. 1 João 4:8

Qual será a marca principal do povo de Deus nos últimos dias? A profundidade teológica, o conhecimento das profecias ou a fidelidade ao sábado? A força das instituições ou o grande crescimento do número de membros? Não há dúvidas de que essas coisas são importantes, mas elas só trarão resultado efetivo se forem movidas por amor. Sem o mais nobre dos sentimentos, nossa teologia se torna árida, nossa fidelidade perde a força, e a igreja não passa de uma instituição. Em Mateus 25, no contexto de Sua segunda vinda, Jesus foi claro sobre a principal característica de Seu povo. O amor, a compaixão e o serviço desinteressado são marcas distintivas daqueles que aguardam Seu retorno. Quem não for além das palavras e intenções ficará de fora do Céu, por uma simples razão: “Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” (1Jo 4:8). Como estarão no Céu pessoas que nunca conheceram a Deus? Estudar as doutrinas bíblicas, levar pessoas ao batismo, liderar a igreja e mencionar o nome de Deus não salvará ninguém. Crer no Senhor de todo o coração, amá-Lo profundamente e entregar a vida completamente a Ele é a receita para a vida eterna. Quando amamos a Jesus, passamos a imitá-Lo, seguimos Seus passos, obedecemos a Suas palavras e praticamos Suas obras. Meditar sobre o exemplo de Jesus todos os dias em busca de referência sobre como se comportar é o objetivo de cristãos verdadeiros. Quem faz isso, com o poder do Espírito Santo, passa a amar como Jesus amou. Assim, o mundo conhece Jesus, e a igreja de Deus é distinguida. Falando sobre nosso dever de imitar Jesus, Ellen White diz: “Todo o membro de Sua igreja militante deve manifestar as mesmas qualidades, se deseja fazer parte da igreja triunfante” (Eventos Finais, p. 62). Nossa mensagem, doutrina, história e herança profética sem dúvida servirão de alicerce, mas só terão valor se reproduzirem o espírito de Cristo. O Senhor não está chamando um povo forte no amor e fraco na mensagem, nem fraco no amor e forte na mensagem. Ele busca um povo forte em ambos. Doutrinas com amor são remédio para o coração; sem amor, porém, ​tornam-se veneno para alma. Por isso, seja profundo na mensagem e intenso no amor.


SEGUNDA

15 DE ABRIL

O último converso Mas em nada tenho a minha vida por preciosa […] para dar testemunho do evangelho da graça de Deus. Atos 20:24, ARC

O “indestrutível” Titanic afundou em sua viagem inaugural na noite de 14 de abril de 1912, quando colidiu com um iceberg no Atlântico Norte. O barco partiu da Inglaterra para Nova York. No naufrágio, cerca de 1.512 pessoas morreram. Pouco mais de 700 passageiros e tripulantes sobreviveram. O pregador escocês John Harper e sua filha de seis anos, Nana, estavam a bordo. Quatro anos antes, a esposa de Harper havia morrido. O motivo de sua viagem no Titanic era pregar em uma das maiores igrejas de Chicago. Quando o Titanic colidiu com iceberg, Harper colocou a menina em um dos botes salva- vidas, deixando-a aos cuidados de um primo mais velho. Essa precaução salvou a vida de Nana, que morreu em 1986, aos 80 anos. O pregador poderia ter se juntado à filha, mas escolheu dar às pessoas mais uma chance de conhecer a Cristo. Quatro anos após o naufrágio, um dos sobreviventes disse em uma reunião em Hamilton, Canadá, que no meio das águas geladas estava agarrado a um pedaço de madeira, quando Harper nadou em sua direção e disse: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo”. O homem rejeitou o primeiro apelo. No entanto, quando ouviu novamente: “Creia no Senhor Jesus Cristo”, sabendo que estava sozinho, à deriva, aceitou crer em Cristo. Momentos depois, o sobrevivente viu Harper sucumbir ao frio e afundar. O sobrevivente testemunhou: “Eu sou o último converso de John Harper.” É significativo pensar em alguém afundando nas águas geladas para salvar mais uma pessoa. Mais profundo, porém, é pensar naquele que entrou nas águas frias do pecado para salvar a todos. Ellen White fez um apelo ao nosso coração: “Tenho apenas esta mensagem a dar; que agora é tempo de trabalhar, enquanto é dia, pois a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. [...] A Palavra do Senhor revela que o fim de todas as coisas está às portas” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 191). O tempo da graça e das oportunidades está terminando. O último hino será cantado muito em breve, o último sermão será pregado e a última pessoa tomará uma decisão pela eternidade. Há muitos que precisam ser salvos, e o Senhor conta com você nessa missão. Agora é o momento!


TERÇA

16 DE ABRIL

A glória da cruz Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois [...] a Si mesmo Se esvaziou, assumindo a forma de servo, [...] tornando-Se obediente até à morte e morte de cruz. Filipenses 2:5-8

A cruz de Cristo é o símbolo da maior religião do planeta, que alcança quase um terço da população mundial e agrega mais de 2 bilhões de seguidores. Sem dúvida, a cruz revela força, influência e poder. Mas será esta a sua verdadeira glória? Ela não representa o poder de uma religião, mas a força de um sacrifício. Nela não há superioridade humana e glória passageira. Nesse terrível instrumento de tortura, o Filho de Deus foi pregado porque aceitou entregar a Si mesmo, em silêncio e com muito sofrimento, para pagar o preço do pecado de cada um de nós. A glória da cruz está na submissão, humilhação e no sacrifício de Jesus. Por trás do alto preço que a cruz representou, estava a humildade Daquele que Se entregou. Ellen White reflete: “A cruz de Cristo será a ciência e o cântico dos remidos por toda a eternidade. No Cristo glorificado, eles contemplarão o Cristo crucificado. Jamais se esquecerá que Aquele cujo poder criou e manteve os inumeráveis mundos através dos vastos domínios do espaço, o Amado de Deus, a Majestade do Céu, Aquele a quem querubins e resplendentes serafins se deleitavam em adorar humilhou-Se para reerguer a humanidade caída” (O Grande Conflito, p. 651). Os discípulos não conseguiam entender essa realidade, pois buscavam um Salvador que restaurasse a glória humana da nação judaica. Jesus, porém, escolheu outro caminho: “a Si mesmo Se esvaziou”, humilhou-Se e decidiu morrer na cruz. A humildade é uma característica fundamental dos cristãos. Como imitadores de Jesus, precisamos manifestar, pelo poder do Espírito Santo, essa virtude do Senhor. Não podemos concorrer uns com os outros, querendo mostrar que somos melhores, exibindo carros, roupas, vestidos, cabelos ou padrões humanos de “santidade” ou “perfeição”. Jesus buscou ser o último nos privilégios e o primeiro no serviço. O que podemos fazer para que nossa mensagem de esperança seja relevante em nossos dias? O único caminho é decidirmos ser “ninguém” para fazermos dos outros “alguém”. Essa foi a escolha de Jesus e deve ser a nossa também. Só assim experimentaremos a verdadeira glória da cruz.


QUARTA

17 DE ABRIL

Paz seja convosco Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-Se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! João 20:19

Os fundadores da igreja cristã estavam com medo e escondidos. Os apóstolos haviam vivido por mais de três anos ao lado de Jesus e O viram ressuscitar mortos, mas a cruz havia enterrado suas esperanças. Mesmo assim, Jesus não desistiu deles. Ellen White narra o momento em que dois discípulos, portadores de boas-novas, bateram à porta da casa onde os apóstolos estavam escondidos após a morte de Cristo. “A porta é cautelosamente aberta, eles entram, e Outro, invisível, entra com eles. [...] Então os dois viajantes, ofegando em razão da pressa com que tinham feito a jornada, contam a maravilhosa história de como Jesus lhes aparecera. Apenas a terminam, enquanto alguns declaram não o poder crer, por ser demasiado bom para ser verdade, eis que outra Pessoa Se acha perante eles. Todos os olhos se fixam no Estranho. Ninguém batera, pedindo entrada. Nenhuma pisada fora ouvida. Os discípulos sobressaltam-se e cogitam o que quererá isso dizer. Ouvem então uma voz que não é outra senão a do Mestre. Claras e distintas soam-Lhe as palavras saídas de Seus lábios: ‘Paz seja convosco’” (O Desejado de Todas as Nações, p. 802, 803). Quando Jesus apareceu a eles, o medo desapareceu. Resgataram a confiança de que poderiam enfrentar qualquer desafio e ser vencedores. A partir daquele momento, passaram a confiar que, mesmo diante de provas e sofrimentos, a presença de Cristo produz paz, segurança e esperança. Quando permitimos que Jesus entre para ficar em nossa vida, os problemas começam a ter solução. Quem prefere enfrentar seus desafios sozinho sofre angústia, ansiedade e frustração. Porém, quando entra em nossa existência, Jesus oferece Sua paz. É Ele que vai à frente de tudo. Diante dos sérios desafios da vida, renove a certeza da presença maravilhosa de Cristo. Não se esqueça de que Ele “está sempre pronto a comunicar paz às almas carregadas de dúvidas e temores. Espera que Lhe abramos a porta do coração, convidando: Fica conosco” (O Desejado de Todas as Nações, p. 804). Ore com sinceridade e entregue seus desafios a Jesus agora. Ele troca sua angústia por paz.


QUINTA

18 DE ABRIL

Três razões para a cruz A palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus. 1 Coríntios 1:18

O sacrifício de Cristo é a base de nossa fé. Afinal, a “história da igreja na Terra e a igreja remida no Céu, tudo se centraliza na cruz do Calvário” (Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 433). Mas por que Jesus decidiu morrer? Segundo o teólogo Wilson Borba, há pelo menos três razões. Primeiro, Ele morreu para cumprir as profecias bíblicas. Quando Pedro tentou livrar Jesus de Seus perseguidores, foi repreendido com a resposta: “Como, pois, se cumpririam as Escrituras, segundo as quais assim deve suceder?” (Mt 26:54). As profecias detalharam Sua morte (Is 53:1-8), mostrando que nenhum osso Lhe seria quebrado (Êx 12:46), lançariam sortes sobre Suas roupas (Sl 22:18) e Seus assassinos veriam Aquele a quem traspassaram (Zc 12:10). Jesus também morreu para expulsar Satanás. A Bíblia fala de duas expulsões do inimigo. A física e a moral. A primeira ocorreu quando ele foi expulso do Céu (Ap 12:7-9), e a segunda, na cruz (Jo 12:32). Satanás provocou a morte do Filho de Deus (Jo 8:44), mas foi desmascarado, antipatizado e desacreditado diante de todo o Universo. A morte de Jesus também aconteceu pela necessidade de um Salvador e Substituto. Pelo pecado de um só homem, a morte entrou no mundo (Rm 5:12). Por isso, todos nós deveríamos morrer eternamente, para extinguir sua maldição. Porém, Deus revelou Seu imenso amor “para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16). A morte de Jesus foi uma decisão espontânea Dele (Jo 10:17, 18). Além disso, homens maus O condenaram à morte (Mt 27:1). Tanto a vontade de Jesus em entregar a própria vida quanto a vontade dos ímpios líderes religiosos e políticos em matá-Lo convergiram para que a suprema vontade divina fosse cumprida, a saber, pagar o preço eterno de nossa liberdade. Condenados por conta de nossos pecados, a única saída que nos restava era Cristo Se sujeitar à injusta condenação a que foi submetido a fim de garantir nossa plena absolvição. Jesus não foi forçado a morrer por nossos pecados. Ele cumpriu Sua palavra, venceu o inimigo e tomou nosso lugar. Fez tudo isso por um amor sublime e inexplicável. Qual será sua resposta diante de tão grande salvação?


SEXTA

19 DE ABRIL

Prova de amor Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e Este crucificado. 1 Coríntios 2:2

A cruz é a ponte que Deus construiu entre o Céu e a Terra, na qual pavimentou nosso caminho de volta para o lar. Com palavras inspiradas, Ellen White nos assegura: Da cruz “depende toda a nossa esperança” (Atos dos Apóstolos, p. 209). Diante da complexidade religiosa de Corinto, Paulo decidiu “nada saber [...], senão a Jesus Cristo e Este crucificado” (1Co 2:2). Para você, qual é a importância da cruz? O impacto da cruz sobre os primeiros cristãos foi tremendo, sendo visto não simplesmente como um fato histórico, mas como um agente transformador. Basta observar que 25% dos evangelhos são dedicados a apresentar a morte de Cristo. Se o restante de Sua vida fosse relatado com os mesmos detalhes, precisaríamos de pelo menos 8.400 páginas! Sua morte é igualmente lembrada até hoje por duas das principais cerimônias cristãs: a Santa Ceia e o batismo. Além disso, já no 2o século, a cruz se tornou o símbolo principal dos cristãos. A reação dos discípulos foi impressionante! Eles perderam o medo, não mediram as consequências e se entregaram completamente em resposta a essa prova de amor. Aos 75 anos, Pedro foi crucificado de cabeça para baixo. Tiago foi decapitado. André foi crucificado. Mateus foi morto à espada. Felipe foi enforcado. Tomé foi atravessado por uma lança. E Marcos foi arrastado pelas ruas de Alexandria. Diante da cruz, o medo foi substituído pela ousadia no cumprimento da missão. O exemplo de sacrifício pela fidelidade também foi seguido por Lucas, que acabou enforcado. Estêvão foi apedrejado, e Paulo, decapitado. Amor verdadeiro não se revela só com palavras, mas se prova com atitudes. Por isso, Deus foi além das declarações de amor quando o “Verbo Se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1:14). Ele “deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça” (Jo 3:16). Diante de expressões tão claras, qual é a prova de seu amor a Deus? Diante da cruz, nossa melhor resposta é reconhecer que não somos nada, mas Deus é tudo; que é preciso abandonar o engano da perfeição egocêntrica para abraçar o poder da graça; que precisamos renovar a confiança de que Deus não vai desistir de nossa salvação, transformando nossa condição; que precisamos de pressa em compartilhar a mensagem do Salvador que morreu, preparando o caminho para o Rei que virá.


SÁBADO

20 DE ABRIL

Rocha eterna Confiai no Senhor perpetuamente, porque o Senhor Deus é uma rocha eterna. Isaías 26:4

Augustus Montague Toplady ficou órfão de pai quando ainda era bem pequeno. Foi criado por sua mãe e, desde cedo, demonstrava muito interesse pelas coisas espirituais. Aos 12 anos, pregou seu primeiro sermão e, aos 14, começou a escrever hinos. Morreu quando tinha apenas 38 anos, mas deixou um legado que tem inspirado gerações: o hino “Rocha Eterna” (Hinário Adventista, no 195). Dois anos antes de sua morte, em 1776, escreveu um artigo sobre o perdão de Deus, com o objetivo de rebater as declarações de John Wesley sobre a perfeição cristã. Na parte final do artigo, colocou o poema “Rocha Eterna”, que anos depois se transformaria em um dos hinos mais cantados pelos cristãos. Alguns historiadores dizem que o hino foi composto enquanto Toplady caminhava pela caverna calcária de Burrington Combe, na Inglaterra. Ao ser surpreendido por uma tempestade, abriu uma fenda entre as lajes de pedra calcária para se proteger e ali compôs a letra. O hino tem uma mensagem inspiradora e nos motiva a estabelecer a fé sobre o fundamento verdadeiro, que é Cristo. Refletindo sobre a segurança que podemos encontrar em Jesus, Ellen White escreveu: “Pela ligação com Cristo, a pedra viva, todos quantos edificam sobre esse fundamento se tornam pedras vivas. [...] Nossa segurança eterna depende de edificarmos sobre o firme fundamento. Multidões se encontram hoje em dia edificando sobre fundamento não provado. Ao cair a chuva, e soprarem os ventos, e as enchentes sobrevirem, sua casa cairá, porque não está fundada sobre a Rocha eterna, a principal pedra de esquina – Cristo Jesus” (O Desejado de Todas as Nações, p. 599, 600). Firmados em Cristo conseguiremos enfrentar as lutas da vida, superar os desafios espirituais e avançar firmes em direção ao Céu. Permita que os versos a seguir inundem seu coração e fortaleçam sua fé:“Rocha eterna, meu Jesus, Tu morreste lá na cruz! / Vem de Ti um sangue tal, que me vem lavar do mal! / Traz as bênçãos do perdão: paz, conforto e salvação.” Aproveite as palavras dessa poesia e renove o compromisso de estabelecer sua vida sobre a Rocha, ampliando sua visão sobre o sacrifício de Cristo na cruz, que provê poder transformador e esperança de vida eterna.


DOMINGO

21 DE ABRIL

Ele ressuscitou E, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos. Mateus 27:53

Para não deixar dúvidas sobre a ressurreição de Jesus, Deus preparou uma cena impressionante, capaz de desmentir qualquer boato: “Abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos” (Mt 27:52, 53). Esses ressuscitados foram o troféu da vitória de Cristo, subiram com Ele para o Céu (O Desejado de Todas as Nações, p. 786) e anteciparam o glorioso futuro dos que morrerem fiéis. Ellen White comenta: “Quando Jesus foi posto no sepulcro, Satanás triunfou. Ousou acreditar que o Salvador não viveria novamente. [...] Quando viu Cristo sair em triunfo, compreendeu que seu reino chegaria ao fim e que ele finalmente morreria” (O Desejado de Todas as Nações, p. 782). Jesus ressuscitou e é vencedor. Essa verdade é essencial à nossa fé, porque sem ela não teríamos nada para crer e nada para anunciar (1Co 15:14). Segundo o teólogo e filósofo William Craig, há pelo menos quatro fatos que nos dão segurança sobre a veracidade da ressurreição de Jesus. O primeiro é que, após Sua crucifixão, Jesus foi sepultado por José de Arimateia. Os historiadores sustentam esse fato, baseando-se em evidências claras. O segundo fato é: após a crucifixão, a tumba de Jesus foi encontrada vazia por um grupo de Seus seguidores. Inúmeras fontes antigas independentes comprovam esse relato. O terceiro fato é que, em várias ocasiões e circunstâncias, diferentes pessoas e grupos testemunharam aparições de Jesus depois de Ele ter ressuscitado. O quarto fato é que os discípulos acreditaram com sinceridade nos relatos de que Jesus havia ressuscitado dos mortos, apesar das muitas pressões para que pensassem o contrário. “O túmulo vazio de Cristo foi o berço da igreja” (W. Robertson Nicoll). A partir daí, o cristianismo tomou um novo impulso e nossa esperança foi renovada. Podemos confiar Naquele que veio como Homem, morreu como Salvador, ressuscitou vitorioso e voltará como Rei.


SEGUNDA

22 DE ABRIL

As quatro dimensões da cruz Então, disse Jesus a Seus discípulos: Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me. Mateus 16:24

Não existe cristianismo sem a cruz de Cristo. Ela é o ponto de partida e de chegada de toda nossa experiência espiritual. Além de todo o significado espiritual que permeia a cruz, podemos pensar em suas dimensões físicas como uma ilustração de importantes verdades espirituais relacionadas ao sacrifício de Jesus por nós. A primeira dimensão está na base da cruz. Ela pode ilustrar a imensidão do pecado e a realidade da morte. Possivelmente você já tenha visto bem de perto a monstruosidade do pecado ao acompanhar a luta de uma pessoa querida com uma doença incurável, ou um familiar desempregado, um filho que abandonou a fé, um casamento que se desfez de forma dolorosa, ou a morte que tirou de modo prematuro a vida de uma criança. O pecado não poupa ninguém. A segunda dimensão da cruz é o braço que aponta para a esquerda. Por estar mais perto do coração de Jesus, esse braço da cruz pode representar o infinito amor de Deus que se manifestou em nosso favor (Jo 3:16). A plenitude desse amor só se revela em nós quando buscamos a plenitude do amor ao próximo. A terceira dimensão da cruz é o seu braço direito, que pode ilustrar a grandio- sidade da missão que recebemos de Deus. Provavelmente foi com a mão direita que Jesus apontou para o “ide”. O cumprimento dessa missão é uma consequência de viver no amor do Pai. É o resultado de uma pessoa que se sente tão amada que precisa compartilhar sua linda história de amor e transformação. Segundo um conhecido escritor norte-americano, evangelizar é apenas “construir uma ponte que ligue seu coração ao coração de outra pessoa e convidar Jesus a passar por ela”. A quarta dimensão da cruz aponta para cima e revela a grandiosidade de uma esperança. Jesus subiu ao Céu e voltará em breve para nos buscar (At 1:11). A cruz não foi o fim, mas a certeza de um novo início. Foi um símbolo de vergonha, mas hoje representa vitória. Ela nos permite tirar os olhos da Terra e direciona nossa visão para a eternidade. A cruz não é apenas um ponto na história, mas o poder de Deus que pode transformar toda a sua história. Por isso, deixe tudo para trás e siga Jesus, abraçando cada uma das dimensões de Sua cruz.


TERÇA

23 DE ABRIL

Qual é sua atitude? Os que iam passando blasfemavam Dele, meneando a cabeça e dizendo: Ó Tu que destróis o santuário e em três dias o reedificas! SalvaTe a Ti mesmo, se és Filho de Deus, e desce da cruz! Mateus 27:39, 40

Uma gravíssima epidemia de gripe se espalhou rapidamente pelo mundo, resultando em milhões de mortos. Os cientistas continuam trabalhando na descoberta de uma vacina, mas nada funciona. De repente, vem a notícia esperada: Conseguiram decifrar o código de DNA do vírus. É possível fabricar a vacina. É preciso, para isso, conseguir sangue de alguém que não tenha sido infectado pelo vírus. Atendendo a uma convocação mundial, você e sua família vão ao hospital para fazer exames. De repente, o nome de seu filho é chamado. Os médicos dizem que o sangue dele é puro e é o único que foi encontrado nessa condição. Depois de alguns minutos, um médico se aproxima de você e de sua esposa dizendo: “Precisamos que vocês assinem uma autorização para usarmos o sangue de seu filho.” Quando você começa a leitura, percebe que não colocaram a quantidade de sangue que vão usar. Quando você pergunta, o sorriso do médico desaparece, e ele responde: “Não pensávamos que fosse uma criança. Precisamos de todo o sangue do seu filho.” Você tenta questioná-lo, mas o médico insiste: “O senhor não compreende? Estamos falando da cura para o mundo inteiro. Por favor, assine! Nós precisamos de todo o sangue dele.” Em silêncio, e sem sentir a caneta na mão, você assina o documento. Logo perguntam: “Você quer ver seu filho?” Você caminha em direção à sala de emergência, onde seu filho está sentado na cama. Ele diz: “Papai, mamãe! O que está acontecendo?” O médico volta e lhe diz: “Sinto muito, senhor, precisamos começar. Gente do mundo inteiro está morrendo. Saia, por favor! Dê as costas a seu filho e deixe-o aqui.” Enquanto isso, seu filho grita: “Papai, mamãe! Por que vocês estão me abandonando?” Na semana seguinte, fazem uma cerimônia para homenagear seu filho. Muitas pessoas ficam em casa dormindo, outras não comparecem ao evento porque preferem fazer um passeio ou assistir a um jogo na TV. Algumas ainda vão, mas realmente não se importando. Você tem vontade de parar e gritar: “Meu filho morreu por vocês! Não se importam com isso?” (Autor desconhecido, texto adaptado).


QUARTA

24 DE ABRIL

O erro da multidão Ele percorreu toda a circunvizinhança do Jordão, pregando batismo de arrependimento para remissão de pecados. Lucas 3:3

Como colportor estudante, encontrei pessoas que não davam muita atenção à oferta dos livros que eu apresentava; mas, quando eu mencionava que era adventista do sétimo dia, a postura mudava. Começavam a se interessar, faziam bons comentários e até compravam os livros como resultado da imagem positiva da igreja. Ao perguntar por que tinham aquela visão, normalmente ouvia a história de adventistas fiéis que haviam dado um bom testemunho. Entretanto, nem sempre o resultado dessas conversas era positivo. Algumas vezes, as pessoas me ouviam com atenção; mas, quando eu falava da igreja, o ambiente cordial desaparecia. Em geral, a razão por que tinham uma imagem tão negativa é que haviam conhecido algum adventista que não dera bom testemunho. Essas reações lembram o erro da multidão quando Zaqueu tentou chegar até Jesus. Infelizmente, as pessoas que seguiam o Mestre, ouviam Suas mensagens e admiravam Seus milagres estavam mais preocupadas com elas próprias do que em criar condições para que outros pudessem chegar até Ele. O erro da multidão foi atrapalhar em vez de facilitar as coisas. A atitude pode fazer toda a diferença. Zaqueu precisou manter a motivação, enfrentar a multidão e subir em uma árvore para que, sozinho, pudesse ver Jesus. Porém, o que dizer dos que ficam pelo caminho? Muitos não têm forças para enfrentar a barreira dos próprios seguidores de Jesus e acabam desistindo. Existem muitas maneiras de repetir o erro da multidão em nossos dias. Isso acontece quando não há coerência entre a religião e a vida diária; quando a religião é apresentada de forma negativa e impositiva; quando a fé é defendida com discussão e sem atitude de amor; quando não há interesse sincero pelas necessidades das pessoas; quando a vergonha, a insegurança e o medo se tornam mais fortes do que a vontade de aproveitar oportunidades. Em vez de repetir o erro da multidão, precisamos ser aqueles que facilitam a vida dos que têm baixa estatura espiritual para que cheguem a Jesus. O desafio de testemunhar e facilitar o caminho está em nossas mãos. Nosso chamado não é para construir muros, mas para edificar pontes que facilitem o acesso das pessoas a Jesus.


QUINTA

25 DE ABRIL

Gente cuidando de gente Quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, pois Me convém ficar hoje em tua casa. Lucas 19:5

A igreja existe para cuidar de gente, mas corremos o risco de fazer dos métodos um fim em si mesmos, esquecendo o objetivo principal. Jesus veio para salvar pessoas, morreu para resgatar pessoas e, quando voltar, levará apenas pessoas para o Céu. Se esse foi o objetivo do Salvador, não deveria também ser o nosso? A visão de cuidado e discipulado do Mestre era marcante. Na análise de Brandon Kelley, Ele “ministrava a muitos e investia em poucos. [...] Tinha três contextos relacionais em que exercia Sua liderança: multidão, 12 e 3”. Para Mark Finley, a conclusão é clara: “Você pode inspirar muitos, capacitar alguns, mas só pode discipular poucos.” Observe como Jesus investia no discipulado e priorizava as pessoas. A lista de exemplos é grande, mas o caso de Zaqueu (Lc 19:1-10) é a “cereja do bolo”. Jesus esqueceu a multidão, olhou para um galho de sicômoro e ​concentrou-Se em uma única pessoa. Dedicou tempo especial, falou apenas com ela, ofereceu salvação específica às suas necessidades e cuidou de alguém que ninguém desejava cuidar. Precisamos repetir o exemplo de Cristo e dedicar atenção às pessoas. É uma mudança de cultura e um desafio para líderes, pastores e membros. O grande crescimento da igreja exige de nós essa visão de discipulado. A pressão secularizadora nos cobra um cuidado mais pessoal. As carências emocionais e sociais destes dias não nos deixam outra saída, e a força dos eventos finais indica que é hora de termos uma igreja mais acolhedora, profunda, frutífera e feliz. Para isso, precisamos conversar, orar e estudar mais sobre o tema, criar estratégias locais que nos tornem mais eficientes e estabelecer uma rede de discipulado em cada congregação. Precisamos cuidar de prédios, mas, acima de tudo, investir nas pessoas; cumprir a missão, mas salvar pessoas; abraçar projetos, mas desenvolver pessoas. Que não se repita a história de Joyce Vincent, que, segundo o jornal inglês The Guardian, morreu e ficou três anos em seu apartamento sem que ninguém sentisse sua falta. Quando seu esqueleto foi encontrado, ainda estava no sofá com a televisão ligada! A igreja é um lugar de gente cuidando de gente. Faça parte dessa rede e, assim, reflita o amor de Jesus.


SEXTA

26 DE ABRIL

Repentina destruição Quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição, como vêm as dores de parto à que está para dar à luz; e de nenhum modo escaparão. 1 Tessalonicenses 5:3

Tive a oportunidade de visitar o Museu Nacional de Chernobyl, em Kiev, na Ucrânia. Ele foi construído como memorial do acidente nuclear da usina de Chernobyl, o pior da história em termos de custo e mortes. O acidente ocorreu há 33 anos, no sábado 26 de abril de 1986, 1h23 da manhã. Houve uma explosão, e um incêndio passou a lançar grandes quantidades de partículas radioativas na atmosfera. Durante dez dias, o combustível nuclear queimou, liberando nuvens tóxicas que contaminaram por volta de três quartos da Europa. Cerca de 10 milhões de pessoas foram expostas de alguma forma à radiação, principalmente russos, ucranianos e bielorussos. Um relatório publicado pela Organização das Nações Unidas, em 2005, estimou que o acidente resultou em cerca de 4 mil vítimas fatais. Um ano depois, a organização ambientalista Greenpeace informou que esse número chegou a quase 100 mil mortos, considerando todas as pessoas que desenvolveram câncer e outras doenças, em decorrência do acidente. O que mais me marcou na visita ao Museu Nacional de Chernobyl foram as imagens de um vídeo gravado na cidade de Pripyat, a mais próxima da usina, no dia em que tudo aconteceu. Ninguém tinha noção da gravidade do acidente, e a vida seguia normalmente. As imagens mostravam famílias passeando tranquilamente, vendo tanques de guerra e pensando que era apenas um exercício militar. As cenas com crianças brincando inocentemente foram fortes demais. Pessoas se casavam sem perceber a gravidade do que estava acontecendo. Somente 36 horas depois do acidente, os 48 mil habitantes da cidade foram retirados. O mal da radiação era invisível, mas estava atuando. Todos, porém, seguiam sem saber da destruição que lhes sobrevinha. Impossível não relacionar a situação dos habitantes da região de Chernobyl com a condição de muitos antes da decisão definitiva de seu destino eterno. Quando menos se espera, o último dia da vida pode chegar ou pode sobrevir sobre o mundo a repentina destruição revelada nas profecias. Diferentemente dos habitantes de Chernobyl, porém, temos na Bíblia informação suficiente para evitar a tragédia. Você está se preparando?


SÁBADO

27 DE ABRIL

Use a Bíblia Achadas as Tuas palavras, logo as comi; as Tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo Teu nome sou chamado, ó Senhor, Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16

Somos o povo da Bíblia. Precisamos manter e aprofundar essa visão. Nossa doutrina é muito bem fundamentada na Palavra de Deus, os membros da igreja a conhecem e nossa pregação deve estar profundamente alicerçada em seu uso e em suas palavras. Em certa ocasião, assisti a um culto em que o pregador, em seu sermão, apresentou histórias, ilustrações engraçadas, citações de cientistas, psicólogos e outros estudiosos, mas nenhuma passagem da Bíblia. Para muitos, aquela manhã de sábado foi a única ocasião em que estiveram acessíveis para receber o alimento espiritual, mas saíram vazios da igreja. Em muitos casos, pregadores querendo ser modernos, criativos e tecnológicos substituem o uso da Bíblia pela mídia. Apresentam sermões bem ilustrados em PowerPoint e afins, nos quais a Bíblia é mencionada mas não aberta. Outras vezes, são usados tablets e smartphones ou outro equipamento tecnológico nas mãos, em lugar da própria Bíblia. A Bíblia é o livro que nos acompanha por toda a vida. É nela que lemos, sublinhamos, anotamos, nos emocionamos, deixamos nossas marcas. Ela registra nossa caminhada com Deus. Não muda, está sempre ali, ainda que usada e marcada. A Bíblia tem uma relação emocional e de reforço espiritual com seu leitor. Por favor, no púlpito ou na comunhão pessoal, use a Bíblia! A Bíblia tem muitas características que a distinguem. É exclusiva: não é um equipamento qualquer que serve para muitas atividades, entre as quais a leitura de palavras inspiradas. É única: consagrada e dedicada ao encontro com o Senhor. É motivo de respeito: cuidamos dela com o carinho e a solenidade que dedicamos a Deus. Não sou contra o uso da tecnologia. Eu a utilizo para fazer leituras e pesquisas. Ela pode ser muito útil, pois existem sites riquíssimos, bons materiais e programas que potencializam o conteúdo bíblico. Isso tudo pode fazer parte do dia a dia. Inclusive serve de apoio ao crescimento espiritual e na comunhão com Deus, mas os recursos tecnológicos não podem substituir o uso da Bíblia Sagrada. Deixá-la de lado ou substituí-la por algum equipamento pode parecer moderno, mas não tem o mesmo resultado. Por isso, use sempre a Bíblia e a tenha em mãos como companheira!


DOMINGO

28 DE ABRIL

Herança Que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a Sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus, antes dos tempos eternos. 2 Timóteo 1:9

Em 2010, o irmão do morador de rua norte-americano Max Melitzer morreu e lhe deixou uma pequena fortuna. Como a família havia perdido o contato com ele, ninguém sabia onde encontrá-lo. Durante dois meses, foi feita uma verdadeira caçada para achá-lo. O herdeiro acabou sendo localizado em um parque, com um carrinho de supermercado no qual estavam todos os seus pertences. Além de impressionantes, histórias assim podem ilustrar importantes questões espirituais. Pense um pouco: Como você reagiria numa situação semelhante? Possivelmente nem acreditasse, pois a notícia pareceria boa demais para ser verdade. Uma fortuna de graça para alguém que está na miséria, distante da família, crendo que não merece nada? Situações assim são raríssimas, mas é exatamente isso que o evangelho faz na vida de todo aquele que crê em Jesus. Relembre algumas características fundamentais da “herança” que recebemos de nosso Irmão mais velho. A graça é imerecida. Não fizemos nada para merecer; mesmo assim, Deus insiste em nos oferecer Seu presente. A consequência de nossos erros deveria ser a morte, mas Ele nos oferece vida eterna. “Não devemos pensar que nossa própria graça e méritos nos salvem; a graça de Cristo é nossa única esperança de salvação” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 351). A graça não se questiona. Quem somos nós para questionar a infinita bondade de Deus por nós ou mesmo criticar Sua misericórdia em favor de pessoas que achamos que são piores do que nós? A graça precisa ser recebida. Segundo Mire Tokics, “a graça é graça porque é dada aos que não a merecem, mas não é dada aos que se recusam a aceitá-la”. Você só vai recebê-la se cair de joelhos, confessar seus pecados e clamar por perdão, paz e salvação. Se não for assim, ela será apenas teoria. A graça deve ser oferecida. Se Deus é tão misericordioso com nossos erros, não deveríamos ser também com o dos outros? Lembre-se: “Aquele que não perdoa destrói a ponte sobre a qual ele mesmo deve passar” (George Herbert). Creia na herança incalculável da graça de Jesus. Com ela, você deixará a miséria da perdição e receberá a riqueza da salvação.


SEGUNDA

29 DE ABRIL

Anestesia de Deus Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes. Romanos 12:12

“Eu tinha vontade de pedir desculpas ao nosso cachorro por eu pertencer à raça humana. Quanto mais adentrávamos o campo de concentração e víamos os esqueletos revestidos de pele e as instalações características do campo de extermínio, tanto mais eu me sentia inferior ao cachorro, porque, como pessoa, eu pertencia à raça responsável por Dachau.” Assim, o rabino militar norte- americano Eli Bohnen descreveu seus sentimentos no momento da libertação do campo de concentração de Dachau, em 29 de abril de 1945, há exatos 74 anos. Construído em 1933, foi o primeiro campo de concentração nazista. Chegou a ter mais de 188 mil presos, de 30 países. Segundo os próprios registros nazistas, 31.951 presos foram executados, mas o número deve ter sido muito maior. Outras pesquisas indicam que pelo menos 3 mil religiosos também estiveram presos lá. Doze anos depois, chegou o dia da libertação. Pouco mais de 30 mil presos foram resgatados pelas tropas norte-americanas. Situações como essa nos remetem aos últimos dias quando, segundo a Bíblia, muitos serão perseguidos e oprimidos por sua fé. Algumas das cenas de Dachau se repetirão. Segundo Ellen White: “O tempo de agonia e angústia que está diante de nós exigirá uma fé que possa suportar o cansaço, a demora e a fome – fé que não desfaleça ainda que severamente provada” (O Grande Conflito, p. 621). Como poderemos resistir diante de uma situação tão desafiadora? Gosto de pensar na anestesia de Deus. Para entendê-la é só nos lembrarmos dos mártires que deram a vida por sua fé. A história relata que muitos morreram queimados ou devorados por feras e estavam cantando e orando. Como alguém pode ser queimado e cantar? É preciso entender que, quando um filho chega ao limite de sua fé, Deus o toma nas mãos e o “anestesia”. Esse “procedimento” não impede a dor física, mas tranquiliza o coração, enchendo a vida de esperança ao realçar na mente do mártir a recompensa futura. No momento certo, como em Dachau, o Senhor dará a libertação. Somente conseguiremos enfrentar a perseguição permanecendo pacientes na provação e perseverantes na oração. Os “pacientes” de Deus são sempre “anestesiados” com paz, fé e esperança.


TERÇA

30 DE ABRIL

Quatro amigos Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9:10

A diferença entre o fracasso e o sucesso muitas vezes não está nas oportunidades, mas nas atitudes. São elas que determinam se seremos vencedores ou vencidos. Para você entender melhor, quero lhe apresentar quatro amigos, personagens de uma fábula conhecida no contexto educacional. Não Quero tinha um mau gênio e era teimoso. Queria as coisas sempre do seu jeito. Se lhe passava pela cabeça não fazer alguma coisa, não havia meio de convencê-lo a mudar de ideia. Aborrecia os outros porque só queria o que tinha vontade. Ninguém gostava dele. Não Posso era um rapaz preguiçoso e muito covarde. Quando lhe pediam que fizesse alguma coisa, dizia que não podia, mesmo sem ter experimentado. Se lhe faziam alguma pergunta, respondia: “Não sei”. Se tinha que estudar uma lição, dizia: “Não posso”. Não Consigo era um rapaz bonito e sorridente, mas também preguiçoso. A tudo o que era pedido que fizesse, antes mesmo de tentar, já ia dizendo: “Não vou conseguir”. Dava um trabalho imenso fazê-lo ter uma atitude positiva, mesmo em seu benefício. Ficava resmungando pelos cantos, colocando defeitos em tudo que fosse feito, com inveja do sucesso dos outros. Vou Experimentar era um rapaz franzino e pequeno, mas tinha ânimo e persistência. Estava sempre pronto a tentar o sucesso. Costumava dizer: “Não sei se posso, mas vou experimentar”. Algumas vezes não conseguia, mas quase sempre era capaz de fazer o que tentava. Nos estudos, Vou Experimentar era o primeiro da classe. Não Posso e Não Consigo eram os últimos; Não Quero abandonou a escola. Hoje estão todos homens feitos. Não Posso é criado de um senhor muito exigente chamado: É Preciso. Não Quero é soldado raso que obedece ao Capitão Deve. Não Consigo trabalha na propriedade do senhor Não Tem Desculpas. Vou Experimentar é sócio da grande empresa Felizardo & Cia. John Heywood disse certa vez: “Um começo trabalhoso leva a um final proveitoso”. Por isso, diante dos desafios e oportunidades, deixe de lado as desculpas, críticas, inveja ou comodismo e faça o melhor, “conforme as suas forças”, com sacrifício e dedicação. Deus não deixará de recompensar você.


Maio Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

28

27

28

29

30

31


QUARTA

1º DE MAIO

As mãos de Jesus E, fitando todos ao redor, disse ao homem: Estende a mão. Ele assim o fez, e a mão lhe foi restaurada. Lucas 6:10

Existe uma forte relação entre as mãos e o trabalho. Com elas, escrevemos, cozinhamos, dirigimos, capinamos, etc. Em algumas atividades profissionais, as mãos são a prova inequívoca de uma vida de serviço. Nosso idioma cristalizou a expressão “dar uma mãozinha” como sinônimo de trabalhar para ajudar alguém. Trabalhar para o próprio sustento é digno, mas “dar uma mão” ao próximo é nobre, pois segue o exemplo de Jesus. No verso de hoje, Cristo pede que um homem lhe estenda a mão com o propósito de curá-la. Não sabemos o desfecho da vida desse personagem, mas mãos restauradas por Jesus sempre ajudam os outros. Deus está em busca de pessoas que rejeitem o egoísmo. Quanto mais as pessoas estão centradas em suas necessidades, menos sensíveis são à carência dos outros. Ajudam apenas a quem lhes interessa, mas acabam solitárias e infelizes. A saída: “Estenda a mão.” O egoísmo tem destruído muitos relacionamentos. Amizades são desgastadas pela cobrança ou destruídas pela crítica. Casamentos acabam por falta de amor prático. A terapia: “Estenda a mão.” O egoísmo tem sido o motor da corrupção. Ricos e pobres sucumbem à desonestidade, em busca de ter cada vez mais, sem a preocupação com quem tem cada vez menos. A solução: “Estenda a mão.” O egoísmo tem destruído a saúde de muita gente. Milhares de pessoas vivem apenas para ganhar e, quando surge uma crise financeira, alguns vão parar no hospital ou até no cemitério. O remédio: “Estenda a mão.” Mãos estendidas fazem a diferença para quem dá e para quem recebe, pois o “prazer de fazer o bem aos outros comunica aos sentimentos calor que atravessa os nervos, aviva a circulação do sangue e promove a saúde mental e física” (Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 56). Após a Segunda Guerra Mundial, somente uma estátua de Jesus em uma igreja em Frankfurt ficou intacta, com exceção das duas mãos, que foram destruídas em um bombardeio. No planejamento da restauração da igreja, os construtores decidiram não acrescentar as mãos à estátua. Isso se tornou o pretexto para a linda frase que acompanha o monumento: “Cristo não tem outras mãos além das suas.” Livre-se do egoísmo e permita que suas mãos sejam as de Jesus.


QUINTA

2 DE MAIO

Mudanças discretas Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. Salmo 51:10

Você deve conhecer bem aquela história dos sapos que pareciam espertos e, por isso, fugiram de uma panela de água quente, mas entraram confortavelmente em outra de água fria, que estava sobre o fogo. Sem notar, foram se adaptando à mudança de temperatura, até que não resistiram e morreram. Apesar da simplicidade, essa ilustração serve para mostrar como é fácil rejeitar o pecado quando ele mostra a cara, mas é ainda mais fácil ser enganado quando o inimigo disfarça suas intenções. No passado, Satanás foi mais direto e atacou o povo de Deus, assumindo claramente sua maldade. Hoje a estratégia dele é outra. Em lugar do confronto, ele vai inserindo sorrateiramente suas ideias, e as mudanças ocorrem de maneira quase imperceptível. São mudanças que estão em andamento de maneira discreta, e precisamos nos proteger contra elas. Vou mencionar apenas alguns exemplos: 1. Mudança na guarda do sábado como dia de adoração para um dia de ​recreação. As atividades espirituais do sábado vão se concentrando cada vez mais no programa da manhã, e o resto do dia é usado para sono e recreação. 2. Mudança de um casamento permanente para um casamento conveniente. O compromisso bíblico “até que a morte os separe” vai sendo substituído por “até que qualquer outro interesse os separe”. 3. Mudança na visão bíblica do sexo com a pessoa certa, da maneira certa e no momento certo para sexo com qualquer pessoa, de qualquer maneira e em qualquer momento. 4. Mudança da crença no relato da criação para a visão de uma simples ilustração. Quando o relato de Gênesis 1 e 2 é tratado de forma alegórica, toda a mensagem bíblica é comprometida, com destaque para o surgimento do pecado, a salvação, o sábado, a família, a sexualidade e especialmente a segunda vinda de Jesus. Afinal, quem não crê na criação não será capaz de crer na recriação. 5. Mudança do foco externo para o interno. Estamos consumindo nossas energias cuidando de nós mesmos e acabamos nos esquecendo de que não estamos em uma colônia de férias, mas somos um exército em campo de batalha. No fim, tudo se concentra na mudança discreta das prioridades do Céu para os interesses da Terra. Diante desse imenso desafio, o conselho inspirado é simples e eficiente: “Vigiai e orai” (Mt 26:41). Cuidado com as mudanças discretas!


SEXTA

3 DE MAIO

Alimento para a missão Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Salmo 127:1

Em 1932, quando o Colégio Adventista del Plata, na Argentina, estava ainda em seus primeiros dias, uma pequena fábrica foi aberta para a produção de flocos de trigo e milho com um sistema caseiro. O começo foi pequeno, com algumas máquinas fabricadas na própria oficina da escola. O grão era cozido em panela de pressão e, depois de seco, esmagado em um antigo moinho de farinha. Assim nascia a Alimentos Granix. O nome foi registrado e resistiu à passagem de décadas sem perder a vitalidade. Com seu crescimento, em 1937, foi decidido comprar o primeiro equipamento industrial, fabricado na Inglaterra. O barco que trazia a máquina chegou ao porto de Diamante, na Argentina. Na plataforma do porto já estava o veículo destinado a levá-la ao destino. Com o barco ancorado, o guindaste começou seu trabalho. Mas, antes da alegria, veio o desapontamento. O guindaste não conseguiu suportar o peso da máquina e cedeu. Ela caiu nas águas calmas do porto de Diamante. O processador de flocos foi para o fundo do rio. O seguro honrou seu compromisso, e uma nova máquina voltou a ser enviada da Inglaterra. Dessa vez, a Granose Foods Limited enviou George E. Norris para supervisionar a instalação. No momento em que o navio chegou ao porto, os líderes da igreja decidiram que a fábrica de alimentos deveria ser transferida para Buenos Aires, capital da Argentina. Em 3 de maio de 1938, a Alimentos Granix foi formalmente organizada em uma área de 3.200 metros quadrados, ao lado da Associação Casa Editora Sul-Americana, a editora da igreja para os países de fala hispânica. Com apenas três funcionários e a ajuda de sua esposa, George E. Norris colocou a nova fábrica em operação. A partir desse humilde começo, a Granix hoje é uma empresa líder e de referência. Com cerca de mil funcionários, são preparados e distribuídos anualmente 159 milhões de unidades de seus produtos saudáveis. A Granix produz alimentos saudáveis para cumprir a missão. Afinal, a igreja não tem fábricas de alimentos, mas igrejas construídas em formato de fábrica. Cada um de nós também pode dedicar os dons, influência ou mesmo o próprio negócio para apoiar a causa de Deus. Ele cuidará dos resultados.


SÁBADO

4 DE MAIO

Deus chama a todos Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. Atos 2:1

O dia 29 de outubro de 2006 deixou fortes marcas na minha vida. Próximo ao meio-dia, fui informado de que a igreja tinha me escolhido como líder da Divisão Sul-Americana. Muita gente foi tomada de surpresa, e a notícia correu rápido. A ênfase da informação era minha idade: 38 anos. Havia chegado a época dos jovens? A troca de um líder sempre provoca mudanças, mas não deve promover a ideia da substituição de uma geração por outra. Deus chama a todos. Ele não tem preferência por idade, etnia ou condição social. Ele tem tarefas especiais que podem ser executadas por pessoas diferentes. Porém, em Sua obra, há lugar para crianças, jovens, adultos e idosos, cada um com suas características. Observe o início do cristianismo. Num momento, Deus chamou os idosos Zacarias e Isabel para serem pais de João Batista. Em seguida, buscou Maria, uma jovem solteira para ser mãe de Jesus. João Batista, ainda jovem era um grande evangelista. Jesus, ainda criança, estava no templo cuidando dos negócios de Seu Pai. A Bíblia diz que, no dia de Pentecostes, “estavam todos reunidos no mesmo lugar” (At 2:1). Não havia diferenças, e o Espírito Santo foi derramado. Hoje, também precisamos avançar com a visão de uma igreja para todos. Cada faixa etária tem necessidades especiais, e estas precisam ser atendidas por toda igreja. Não precisamos de um culto só para jovens ou só para crianças nem só para adultos. Precisamos estar “todos reunidos no mesmo lugar”, oferecendo apoio às necessidades de cada um dentro da mesma adoração. Isso fortalece nossa unidade e potencializa nossa missão. O profeta Joel garante que nos últimos dias haverá um ministério para todos: filhos e filhas, idosos e jovens, servos e servas (Jl 2:28, 29). Começamos unidos e precisamos avançar ainda mais integrados. Só assim vamos construir uma igreja cada vez melhor em um mundo cada vez pior. Não podemos competir, mas sempre nos completar. O chamado é para todos, mas: “Cada jovem e cada criança têm uma obra a fazer para honra de Deus e erguimento da humanidade” (Educação, p. 58). Ajude a construir uma igreja que avance unida, com pessoas de todas as idades, na confiança de que Deus chama a todos.


DOMINGO

5 DE MAIO

Orações longas E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos. Mateus 6:7

Desde pequeno, fui ensinado a respeitar os momentos de oração e mantenho esse hábito até hoje. Porém, aos 12 anos, tive minha maior prova. Era desbravador e estava participando do encerramento de meu primeiro campori de União, em novembro de 1981. Meu clube foi anunciado como um dos vencedores, e comecei a vibrar com meus amigos antes da oração final do evento. Tentamos nos controlar e respeitar aquele momento, mas foi muito difícil. Além de estarmos extremamente animados, o pastor orou por “apenas” 22 minutos. Comecei a me perguntar se aquele realmente era o momento certo para uma oração tão longa. Orações assim deveriam ser feitas em público ou em particular? Na Bíblia, podemos encontrar orientações claras que tornarão nossas orações mais eficientes e coerentes. A primeira orientação, do próprio Jesus, mostra que, na oração particular, não existe limite de tempo. “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará” (Mt 6:6). O próprio Jesus tinha o hábito de passar noites em oração (Mt 14:23; Lc 6:12). Quando Ele orou no Getsêmani, sem ser acompanhado pelos discípulos, lamentou: “Nem uma hora pudestes vós vigiar Comigo?” (Mt 26:40). A expressão “nem uma hora” mostra que Jesus dedicava um longo tempo à oração particular. No verso de hoje, Jesus recomenda como deve ser a oração pública: “Não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos” (Mt 6:7). Seu conselho é claro: “A oração feita em público deve ser breve, e ir diretamente ao ponto” (Obreiros Evangélicos, p. 175). A Bíblia tem muitos exemplos de orações curtas e que tocaram o coração de Deus, mas o modelo é o Pai Nosso, ensinado pelo próprio Jesus (Mt 6:9-15). As orações públicas e longas na Bíblia são sempre exceções para momentos específicos do povo de Deus. Mas por que ainda acontecem desequilíbrios nessa área? Segundo Ellen White: “É muitas vezes devido à negligência da oração ​particular, que em público elas são longas e fastidiosas” (Obreiros Evangélicos, p. 176). Saber equilibrar corretamente o tempo e o lugar da oração é uma demonstração da profundidade da comunhão e da humildade do coração.


SEGUNDA

6 DE MAIO

Igreja virtual Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima. Hebreus 10:25

“Pai, agora não precisamos mais ir à igreja. Aqui em casa é muito melhor.” A frase do filho pequeno surpreendeu os pais, que haviam acabado de ​sentar-se confortavelmente no sofá da sala. Era sábado pela manhã, e a família havia decidido ficar em casa, dormir um pouco mais e assistir a um sermão na internet. Nos dias em que vivemos, tudo está ao alcance de um toque nos diferentes modelos de smartphones, tablets, computadores ou na grande tela da TV. A comunicação on-line está ganhando espaço, as redes sociais estão consumindo tempo e conectando pessoas, as compras ou consultas sobre produtos estão migrando para os meios virtuais e, apesar dos riscos, até informações sobre sintomas e doenças acabam sendo buscadas na rede. Todos parecem tão próximos, mas se tornam tão distantes; tão conectados, mas acabam tão alienados. Será que a substituição da igreja real pela virtual acontece sem prejuízos? É claro que há momentos em que os meios virtuais são a alternativa possível. É o caso de pessoas doentes ou idosas que não podem se deslocar e recebem a mensagem em sua casa, além de muitas pessoas sinceras que desejam conhecer a Palavra de Deus e só podem ser alcançadas dessa forma. Porém, será que a adoração virtual também é uma bênção para aqueles que podem estar na igreja e preferem permanecer em casa? É importante lembrar que o centro da adoração está no Senhor, não em nós. Quando os papéis se invertem e as escolhas são feitas apenas levando em conta os interesses pessoais, o inimigo triunfa em sua tentativa de colocar a criatura no lugar do Criador. Por mais que a mensagem seja apresentada por um grande pregador, com a Bíblia na mão, é preciso lembrar que adoração não é apenas conteúdo, mas também experiência. Não acontece somente em virtude de uma boa pregação, mas tem relação direta com o povo de Deus e a presença divina em uma reunião de adoração. Uma brasa longe do fogo rapidamente se torna em carvão. Quando fortalecemos a adoração real e não a substituímos pela igreja virtual, existem claros benefícios. Por isso, siga este conselho bíblico, que tem aplicação especial no tempo em que vivemos: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” (Hb 10:25). Não substitua a igreja real pela virtual!


TERÇA

7 DE MAIO

Por trás das selfies Porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração. 1 Samuel 16:7

Você já deve ter ouvido várias vezes a palavra selfie. Ela se tornou tão importante que, em 2013, foi escolhida a palavra do ano pelo dicionário Oxford. Mas o que realmente é selfie? Em geral, é uma foto digital que alguém tira de si mesmo. O inventor desse conceito de autorretrato foi o alemão Robert Cornelius, em 1839. Porém, a palavra selfie só passou a ser usada com esse sentido em 2002. Mais tarde, as redes sociais se tornaram as grandes promotoras desse tipo de foto. Os números são impressionantes. Desde 2013, quando o estilo selfie explodiu na internet, até o fim de 2016, o aplicativo Instagram registrou mais de 282 milhões de autorretratos postados, e esse número cresce rapidamente a cada dia. O fenômeno é tão forte que estudiosos têm tentado entender melhor o que representa o crescimento dessas postagens. Um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, dedicado à área de ciências da computação, decidiu ir mais a fundo no tema. Por três meses, analisaram 2,5 milhões de registros publicados no Instagram e divulgaram um perfil de quem publica selfies na revista da Associação para o Avanço da Inteligência Artificial. Em um artigo da revista Psychology Today [Psicologia Hoje], Pamela Rutledge, diretora de Psicologia e Mídia do Centro de Investigação em Boston, afirmou que “selfies, muito frequentemente, têm o poder de provocar uma busca excessiva de atenção e de dependência social, indicativas da baixa autoestima e do narcisismo pessoal”. Por meio delas, a maioria das pessoas tenta criar um mundo imaginário que traga realização e aprovação, não importa quão ilusório ele seja. Fazem poses e sorrisos, mostram amigos, lugares e realizações, projetando um ideal que poucas vezes combina com o real. Esse excesso de exibição exterior só aumenta a pobreza interior. Revela vidas que estão em busca de propósito. Você não acha que o objetivo está fora de lugar? Nossa maior preocupação deve estar na aprovação divina e não na quantidade de likes ou elogios nas redes sociais. Você pode até impressionar as pessoas, mas Deus enxerga mais longe e vê seu coração. Por que não decidir alimentar menos o eu e mais a vida espiritual? Diminua o tempo gasto em ilusão e autoexposição. Aumente o tempo de consagração. Assim não haverá ilusão virtual, mas felicidade real.


QUARTA

8 DE MAIO

A maior chance da vida Resolveu Daniel, firmemente, não contaminar-se com as finas iguarias do rei. Daniel 1:8

Depois de conquistar o território judaico, Nabucodonosor pediu que Aspenaz, chefe de seus eunucos, selecionasse jovens destacados para serem preparados para servi-lo. Estariam no palácio e comeriam da mesa do rei durante três anos e então iniciariam suas atividades (Dn 1:3-5). Naquele grupo, estavam Daniel e seus três amigos. Era a grande chance deles. Foram selecionados e levados para dentro do palácio. Teriam o melhor do reino, e as portas seriam abertas. O futuro já estava garantido. Não podiam perder a oportunidade. A maioria das pessoas se submeteria às orientações para não ter que voltar a viver entre os cativos. Porém, essa não foi a atitude dos jovens hebreus. Primeiro tiveram coragem de ser diferentes e decidiram “não ​contaminar-se com as iguarias do rei” (Dn 1:8). Poderia ser um assunto discutível, pois era uma comida selecionada, de qualidade e com algumas coisas permitidas pela dieta judaica. Contudo, eles não foram atrás da exceção ou da acomodação. Decidiram buscar os valores mais elevados. Decidiram também acreditar em suas convicções e lutar por elas. Não tiveram medo de pedir, correr atrás, dar o melhor de si e garantir que a oportunidade fosse muito bem aproveitada. Não brigaram nem impuseram, mas ganharam a confiança antes de conquistar seu direito. Eles também entenderam que ser diferentes significaria assumir um compromisso. Em nenhum momento, colocaram em risco sua decisão. Não foram radicais numa área e liberais em outra. Não pediram uma exceção na alimentação para depois extravasar na diversão. Não buscaram privilégios e depois fugiram da responsabilidade. Eles sabiam que, quando alguém aceita ser diferente, acaba indo para a vitrine, e sua vida passa a ser vigiada, as cobranças se intensificam e a responsabilidade aumenta. Por isso, cada dia conquistavam mais o favor do chefe dos eunucos. O resultado você conhece. O próprio rei reconheceu que eles se tornaram “dez vezes mais sábios do que todos os magos e encantadores de todo o seu reino” (Dn 1:20, NVI). Tiveram as mesmas oportunidades que os demais, mas decidiram ser fiéis no pouco e honrar seu compromisso. Deus recompensou a fidelidade deles e irá recompensar a sua sempre que decidir não negociar os valores do Céu e permanecer fiel.


QUINTA

9 DE MAIO

No limite Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora. Romanos 8:22

Estamos chegando ao limite! Os recursos naturais estão sendo esgotados. Ou Cristo volta logo, ou parece que o mundo vai acabar sozinho. Contudo, a Bíblia deixa claro que os anjos estão segurando “os quatro ventos da terra” (Ap 7:1) e, no momento certo, Deus virá para julgar o mundo e renovar o planeta. Desde 1969, a ONG Global Footprint Network calcula o que chama de “Dia de Sobrecarga da Terra”, que cada ano está chegado mais cedo. Em 2017, ele foi registrado em 2 de agosto, enquanto em 1971, foi em 21 de dezembro. A cada ano o planeta está sendo explorado com mais intensidade, sem tempo de se recompor. Em 2017, toda a água, energia, minerais e vegetais que o planeta tem capacidade para produzir em um ano tinham sido utilizados em apenas oito meses. Foi estourado o orçamento de recursos naturais disponível, e o planeta ficou no vermelho. Em 2 de agosto de 2017, a Global Footprint Network divulgou o seguinte comunicado: “O custo deste consumo excessivo já é visível: escassez de água, desertificação, erosão dos solos, queda da produtividade agrícola e das reservas de peixes, desmatamento, desaparecimento de espécies. Viver de crédito só pode ser algo provisório porque a natureza não conta com uma jazida para nos prover indefinidamente.” Segundo um dos representantes da Global Footprint Network, “hoje, nosso consumo coletivo excede em 70% o que o planeta pode renovar.” No site da ONG, é apresentada a estimativa de que precisaríamos de 1,7 planeta para satisfazer nossas necessidades atuais. A Austrália, país em pior situação, pre- cisaria de 5,2 planetas por ano, e os Estados Unidos, em segundo lugar, precisariam de cinco. Como igreja, profeticamente cremos que os efeitos do pecado vão deteriorar o mundo antes da volta de Cristo, mas também somos chamados a cuidar ativamente do meio ambiente, pois o mundo foi criado por Deus. Precisamos saber equilibrar as duas posições. Não podemos ser responsáveis pelos danos ao planeta; ao mesmo tempo, eles devem nos servir de alerta e mostrar o quanto estamos perto de nossa grande esperança. Prepare-se para a breve volta de Jesus! Enquanto esse dia não chega, seja um mordomo fiel da criação divina.


SEXTA

10 DE MAIO

Impacientes no caminho Então, partiram do monte Hor, pelo caminho do mar Vermelho, a rodear a terra de Edom, porém o povo se tornou impaciente no caminho. Números 21:4

Um dos momentos mais dramáticos da jornada do povo de Israel no deserto está relatado em Números 21. Quando os israelitas partiram da região do monte Hor, o povo se tornou “impaciente no caminho” (v. 4) e começou a falar duramente “contra Deus e contra Moisés” (v. 5). O juízo divino rapidamente se manifestou, e “serpentes abrasadoras” mataram “muitos do povo” (v. 6). A tragédia os abalou profundamente, e eles foram a Moisés arrependidos. Como sempre, Deus estava pronto para oferecer graça, salvação e restauração. Uma serpente de bronze foi levantada, e todos que a olharam foram curados (v. 8, 9). Que tremenda lição para nossos dias! O que tem acontecido em nossa jornada, como povo do advento, em direção ao Céu? Como você tem se portado nesta jornada? Para que você também não se torne impaciente no caminho, pratique algumas atitudes fundamentais: Troque a crítica pela oração. Se você acha que as coisas não deveriam ser como são, busque mais a Deus e critique menos Seus servos, pois o Senhor dirige esta igreja, apesar de nossas limitações. Agradeça mais e murmure menos. Recebemos bênçãos muito maiores do que as privações que enfrentamos. Desenvolva um coração grato. A gratidão cura as feridas do coração. Espere pelo tempo de Deus. Não queira fazer você mesmo o que acha que Deus já deveria ter feito. Ele tem o tempo certo para agir. Fique longe da especulação. Cuidado com tantas teorias, cálculos proféticos distorcidos, cartas misteriosas, descobertas raras, sinais secretos e tanta coisa que circula pela internet ou que é divulgada por pregadores alarmistas. Como igreja, não precisamos de tanta novidade, mas profundidade na Palavra de Deus. Não perca o foco. Nossos olhos precisam estar mais concentrados na chegada e menos na jornada. Para isso, precisamos cuidar do presente, mas investir no futuro. Olhe para o Salvador. Assim como houve graça, cura e restauração para os impacientes do caminho, quando olharam para a serpente levantada em uma haste, igualmente há esperança para aqueles que olham para o Salvador levantado na cruz. Esse é o maior e melhor remédio para que permaneçamos firmes.


SÁBADO

11 DE MAIO

As quedas de Jonas Então, os marinheiros, cheios de medo, clamavam cada um ao seu deus e lançaram ao mar a carga que estavam no navio, para o aliviarem do peso dela. Jonas, porém, havia descido ao porão e se deitado; e dormia profundamente. Jonas 1:5

No ano de 2016, visitei a cidade de Jope pela primeira vez. Foi nesse lugar, junto da atual cidade de Tel-Aviv, em Israel, que Jonas buscou um barco que o levasse para longe da missão divina. Chamado por Deus para ir à grande cidade de Nínive, que estava a leste do lugar onde ele se encontrava, teve medo e fugiu para Társis, que estava na direção contrária, mais distante e a oeste. Fugiu dos planos do Pai e por isso é chamado de “o filho pródigo do Antigo Testamento”. Como único profeta do Antigo Testamento chamado diretamente para ser missionário e pregar em outro país, Jonas entrou em crise. A partir daí, começaram seus quatro movimentos. Primeiro correu de Deus, depois correu para Deus, mais tarde correu com Deus e, por fim, correu à frente de Deus. Nessa jornada, vemos um profeta caindo cada vez mais. Primeiro, Jonas caiu em problemas. Decidiu fugir de Deus e andar sozinho, sem a bênção e proteção do Senhor. Foi para o lugar errado, pela motivação errada e na companhia errada. Depois, Jonas caiu no porão do navio. Estava no lugar mais escondido e distante de Deus e das pessoas. Era a atitude de um homem com a consciência pesada, que se sentia mais seguro no porão do que na missão. Acabou caindo ainda mais fundo, dessa vez no mar. Como o grande responsável por toda a tempestade e a tragédia da viagem, a única saída foi jogá-lo para fora do navio. Deus tentou enviá-lo para Nínive, mas os homens o lançaram no mar. Que contraste! Caiu ainda mais fundo, na barriga de um grande peixe. Esse foi o limite de sua queda. Foi nesse lugar que Deus o resgatou. Na desobediência, uma queda leva a outra. Apenas quando obedecemos aos planos de Deus começamos a subir, recuperar o que foi perdido e resgatar o prazer de servir não onde queremos, mas onde Deus necessita. Você prefere cair ou subir? Faça sempre a escolha certa e permaneça ao lado da vontade de Deus. Ele sempre colocará você no lugar certo, com a missão certa e os resultados certos.


DOMINGO

12 DE MAIO

Força de mãe Leve este menino e o crie para mim, que eu pagarei pelo seu trabalho. A mulher levou o menino e o criou. Êxodo 2:9, NTLH

Moisés foi um líder forte. Mas, por trás de sua história, podemos ver também a força de sua mãe. Joquebede foi uma mulher de fé e oração. Ela decidiu esconder seu pequeno bebê e depois o colocou em um cesto no rio Nilo. Como resultado de suas orações, “anjos invisíveis” cuidaram do esconderijo do bebê Moisés. “Os anjos encaminharam a filha de Faraó para ali” (Patriarcas e Profetas, p. 243). Moisés foi resgatado e voltou para casa protegido pelo mesmo palácio que o havia condenado. Joquebede teve poucos anos para moldar seu filho. Ela aproveitou bem a oportunidade que lhe foi concedida para modelar o caráter do homem que se tornaria o libertador de seu povo. Ela acreditou que “ele fora preservado para alguma grande obra, e sabia que breve deveria ser entregue à sua régia mãe, para ser cercado de influências que tenderiam a desviá-lo de Deus” (Patriarcas e Profetas, p. 243). O tempo passou rápido demais, e Joquebede teve que entregar o filho quando ele tinha por volta de 12 anos. A educação intensa, clara e profunda que recebeu da mãe moldou a vida, as atitudes e a liderança de Moisés por todos os anos seguintes. Nas mãos dessa mãe fiel, foi formado o futuro líder de Israel. “Com exceção de Maria de Nazaré, por intermédio de nenhuma outra mulher o mundo recebeu maior bênção” (Educação, p. 61). As marcas foram tão fortes que “toda a vida futura de Moisés e a grande missão que ele cumpriu como chefe de Israel testificam da importância da obra de uma mãe cristã. Não há outro trabalho que possa igualar-se a este” (Patriarcas e Profetas, p. 244). Nas mãos das mães há um grande poder entregue pelo Senhor. “O rei em seu trono não tem função mais elevada que a mãe. [...] Um anjo não desejaria missão mais elevada; pois em fazendo sua obra ela está realizando serviço para Deus” (Conselhos Para a Igreja, p. 146). Não foi sem razão que William Wallace escreveu: “A mão que balança o berço rege o mundo”. Mais do que preparar seus filhos para serem grandes nesta terra, Deus pede às mães que os eduquem para o Céu. Para que, quando Cristo voltar, elas possam dizer: “Eis-me aqui, com os filhos que o Senhor me deu” (Is 8:18).


SEGUNDA

13 DE MAIO

Egoísmo Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas. 2 Timóteo 3:1, 2

Você já notou como o ser humano está ficando mais carente de atenção, elogio, aprovação e buscando ser o centro de tudo? Cada dia aparece uma nova tendência que promete realização pessoal. Porém, por trás está o orgulho, um sentimento perigoso, que destrói aquilo que promete oferecer. Ellen White alerta: “O egoísmo é a essência da depravação, e, devido a se terem os seres humanos submetido ao seu poder, o que se vê no mundo é o oposto à fidelidade a Deus. Nações, famílias e indivíduos estão cheios do desejo de fazer do eu um centro” (Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 30). O egoísmo é o fundamento do pecado. Por isso, cuidado com aquilo que vem disfarçado de realização pessoal, satisfação e prazer, mas apenas alimenta o sentimento egoísta que nasceu no coração de Lúcifer no Céu. Só para se ter ideia por quantas anda o egocentrismo, em 2017, uma mulher solteira, de 40 anos, decidiu fazer sua cerimônia de casamento com vestido branco, véu, grinalda, um bolo de três andares, 70 convidados e nenhum noivo. É isso mesmo: nenhum noivo. Ela resolveu se casar consigo mesma numa cerimônia sem valor legal, mas que, para ela, representou o símbolo de seu amor-próprio. Ela diz ser a primeira e única mulher a fazer esse tipo de celebração. Mas, nos Estados Unidos, por exemplo, já existe um site que vende kits com aliança e cartões com mensagens positivas sobre o “autocasamento” para quem quer celebrar o amor a si mesmo. Quando Lúcifer se rebelou no Céu, o sentimento que extravasou em seu coração foi o egocentrismo. Em Isaías 14:13 e 14, estão registradas cinco menções do pensamento dele em relação a si mesmo. Elas revelam sua autoidolatria. Desde que ele conseguiu infectar o ser humano com esse mal, somos todos inclinados a pensar e agir da mesma forma. Para controlar o eu, recomendo duas atitudes: (1) mudança de direção, tirando o eu do centro da vida e colocando “em primeiro lugar, o reino de Deus” (Mt 6:33); e (2) busca permanente por santificação, “sem a qual ninguém verá ao Senhor” (Hb 12:14). Quanto mais você buscar a Deus, mais vazio será o eu. Seu coração estará naquilo que realmente tem valor para a eternidade e não cairá nas armadilhas do inimigo.


TERÇA

14 DE MAIO

Experimentar para explicar Sabeis, na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos? Mateus 16:3

As coisas de Deus não podem ser descobertas pela razão. Essa é a verdade que muitos homens de grande talento se negaram a reconhecer. Na ciência, Charles Darwin e Stephen Hawking; na filosofia, Arthur Schopenhauer e Friedrich Nietzsche; ou psicanalistas como Sigmund Freud, para citar alguns exemplos. Capazes e preparados em seus ramos de atividade, decidiram usar seu conhecimento para negar a existência de Deus ou para diminuir a importância do Criador. Alguns se basearam nos valores e ensinamentos religiosos que receberam para construir um conceito distorcido de Deus. Nunca experimentaram ir à Bíblia com humildade e ao Senhor com sinceridade. Sobre esse tipo de pessoas, alguém comentou: “Se você não crê em Deus, primeiro me diga que deus é esse, pois eu posso também não crer nele como você.” Ser profundo em questões técnicas, profissionais, acadêmicas ou científicas não garante a capacidade de entender as coisas espirituais. Afinal, as coisas de Deus se discernem espiritualmente (1Co 2:14). Sem viver com Jesus e entregar o coração a Ele, uma pessoa pode teorizar, desenvolver conceitos e ideias próprias, mas fala daquilo que não entende. Muitos até são capazes de descrever a ciência dos céus, mas não conseguem reconhecer os sinais dos tempos. Billy Graham dizia: “Uma pessoa pode ser intelectualmente brilhante, mas espiritualmente ignorante.” Lucidez e sabedoria espiritual não vêm dos livros, mas da experiência com o Senhor. Há outra lista de cientistas destacados que não tentaram explicar a Deus, mas decidiram experimentá-Lo e passaram a crer Nele. Não viram nenhuma incompatibilidade entre fé e ciência. Joannes Kepler, Blaise Pascal, Samuel Morse, Nikola Tesla, Louis Pasteur, Galileu Galilei e Isaac Newton são alguns exemplos. Eles foram profundos não apenas na ciência, mas também na Palavra. Com isso, aprenderam a discernir tanto os céus quanto os sinais dos tempos. Foram homens completos não apenas nos temas científicos e acadêmicos, mas também nas questões espirituais. Não tenha medo de desenvolver toda sua capacidade intelectual. Se você buscar em primeiro lugar a Deus, conhecimento e fé andarão sempre de mãos dadas em sua vida.


15 DE MAIO

QUARTA

Uma escola de vida A nossa capacidade vem de Deus. 2 Coríntios 3:5, NVI

A colportagem (venda de livros de casa em casa) foi a escola mais desafiadora de minha vida. Quando fui convidado para colportar, eu estava no ensino médio. Era muito tímido e não imaginava como poderia vender qualquer coisa. Para falar a verdade, até o líder que me convidou não acreditava muito que daria certo. Meus pais preferiam que eu fosse para casa reencontrar a família nas férias. Mas eu estava convencido de que aquela experiência seria importante para meu crescimento. Então, escrevi uma carta para eles destacando com letras maiúsculas e sublinhando: vou colportar. Eles respeitaram minha decisão e, assim, parti para uma das experiências mais enriquecedoras da vida. Decidir colportar foi fácil. O difícil foi encarar os clientes e convencê-los a comprar. Busquei coragem na oração e segui em frente com muita energia. O campo de trabalho era distante da igreja central de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, onde estava hospedado com a equipe de estudantes. Todos os dias precisava caminhar cerca de 30 minutos para chegar lá. No primeiro dia, o líder da equipe foi comigo para me ensinar. Assisti à primeira e à segunda oferta que ele fez. Na terceira, era minha vez, porém ainda não estava seguro. Pedi que ele fizesse apenas mais uma. No entanto, quando chegamos à casa de uma costureira, diferente do que tínhamos combinado, ele disse que eu faria a apresentação. Fui muito mal, mas, milagrosamente, ela comprou os livros. Colportei várias férias. Essa foi uma escola em que aprendi a expressar minhas ideias, refutar objeções e depender de Deus. Até hoje recomendo aos estudantes, ou mesmo aos profissionais, que experimentem essa obra de manutenção própria, mas que é sustentada pelo Senhor. Cada vez que encontro um colportor dedicado, tenho a clara percepção de que estou diante de um herói que cumpre a missão, vive bem perto dos milagres de Deus e depende deles cada dia. Se você deseja dedicar sua vida mais intensamente à obra do Senhor, experimente a colportagem. Foi uma bênção para mim e também será para você. Se Ele já está usando você de outra forma, faça seu melhor, não tenha medo dos desafios e lembre-se de que nossa capacidade vem de Deus.


QUINTA

16 DE MAIO

Prioridades Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado. Hebreus 11:24, 25

Frustração, desânimo, incoerência, apostasia, escândalo e corrupção. A lista negativa poderia ser maior, mas revela apenas a “ponta do iceberg” de uma crise de prioridades que está “engolindo” pessoas, famílias, igrejas e a sociedade como um todo. É um conflito entre intenções que parecem positivas e ações que normalmente são equivocadas. O efeito desse descompasso é duplo: por um lado, atinge aqueles que vivem com suas prioridades equivocadas; mas, por outro, afeta as novas gerações. Afinal, nossos filhos estão buscando modelos e não discursos. Para as novas gerações, permanecer na igreja não é mais uma questão de tradição, mas de inspiração. A crise aparece nos galhos, mas a causa está na raiz. Embora a igreja deva sempre melhorar sua abordagem com a juventude, a solução passa prioritariamente pela família. Uma religião sólida no lar alicerça a vida espiritual. Lembre-se de que as novas gerações não abandonam a igreja; abandonam a fé. Deixar a igreja é somente a demonstração exterior da fé que foi substituída dentro de casa. Você já notou como algumas famílias exaltam somente as conquistas profissionais, financeiras e culturais de seus filhos? E nada têm a dizer de sua vida espiritual? Quais são suas verdadeiras prioridades? Viagens, carros, imóveis, títulos, posições? São todas conquistas positivas; mas, se esses forem os interesses mais relevantes dos pais, eles se tornarão igualmente a prioridade dos filhos. Corremos o risco de falar de Deus e da igreja; mas, no dia a dia, não priorizar Deus nem a igreja. Podemos até falar da leitura da Bíblia e materiais devocionais, mas os filhos nunca nos encontrarem fazendo isso. Também podemos falar em orar, mas nunca sermos vistos em momentos de oração individual. Prioridades espirituais coerentes são poderosas. Há muitos exemplos bíblicos que confirmam isso, como os de Moisés e Isaque. Eles não foram educados por palavras, mas modelados pela conduta dos pais, porque os filhos não serão o que queremos que eles sejam, mas o que somos. “Uma criança jamais verá a Deus como um Pai a menos que veja um pouco de Deus em seus pais”, disse Austin L. Sorensen. Afinal, o exemplo fala mais alto do que as palavras.


SEXTA

17 DE MAIO

Motivo certo, método errado Então, Simão Pedro puxou da espada que trazia e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita; e o nome do servo era Malco. João 18:10

Pedro era um discípulo cheio de boas intenções, mas que, às vezes, usava o método errado. Ele demonstrou isso em várias situações, sobretudo ao cortar da orelha de Malco. Quem está seguindo Jesus de longe (Mt 26:58) nunca consegue agir de modo equilibrado. Como Pedro, quantas vezes queremos defender boas causas, usando os métodos errados? A motivação é boa, mas os métodos não são divinos. A motivação é ajudar, preservar ou mesmo purificar a igreja, mas a maneira como isso é feito não reflete o caráter ou as atitudes de Cristo. Quantas vezes podemos ferir pessoas em nome da defesa da fé ou da verdade? Quantas vezes podemos causar divisão na igreja por querer defender nossa visão de como as coisas devem ser feitas? Podemos ter boas intenções, mas os métodos usados são semelhantes ao que Pedro utilizou. Precisamos confiar mais na direção divina e menos em nossa força para manter a igreja unida da maneira como cremos que ela deve ser. A igreja é a menina dos olhos de Deus. Ele é o maior interessado em conservá-la pura e executar justiça sempre que for necessário. Assim como aconteceu quando Cristo foi preso, algumas vezes Ele não age no momento em que esperamos ou da maneira como queremos. Seus planos, bem como Seu amor, justiça e paciência são maiores que os nossos. Não podemos permitir que intenções boas produzam ações más. Se as coisas não são como gostaríamos e não conseguimos modificá-las usando os métodos de Cristo, então precisamos deixar que Ele resolva da Sua maneira. Somos chamados para defender a causa certa usando os métodos certos. Por isso, Ele aconselha: “Embainha a tua espada” (Mt 26:52). É interessante, porém, que, logo após sua crise pessoal, Pedro experimentou a verdadeira conversão (ver Educação, p. 89, 90). Jesus não desistiu dele, mas enxugou suas lágrimas e lhe deu um novo coração. Acabou a violência e começou a submissão. O medo foi abandonado. Nasceu uma santa ousadia. Em vez de ser autossuficiente, Pedro se tornou dependente do poder e da vontade de Deus.


SÁBADO

18 DE MAIO

Pequenos missionários Respondeu-lhes Jesus: Sim; nunca lestes: Da boca de pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor? Mateus 21:16

Os pais são responsáveis por ensinar o caminho para seus filhos. Essa é a lei da vida. Eles têm a tarefa de educar, transmitir valores e dar o exemplo a ser seguido pelos pequenos. Porém, é interessante ver como, muitas vezes, Deus tem usado os filhos para guiar os pais em questões espirituais. Na cidade de Vitória, Camilla foi usada para ajudar os pais a ter um encontro com Deus. Seu pai, Jackson Rodrigues, havia conhecido a Igreja Adventista ainda pequeno, por intermédio dos avós, mas infelizmente seguiu outro caminho. Mais tarde, casou-se com Mariana, e eles tiveram a pequena Camilla. Quando a menina alcançou a idade para ser aventureira, o pai a matriculou no clube, mesmo não fazendo parte da igreja. O começo foi difícil para a mãe. Tudo parecia estranho, e a guarda do sábado não fazia muito sentido. Ela frequentava outra igreja enquanto seu marido e filha passaram a visitar a Igreja Adventista. Em um determinado dia, Camilla surpreendeu a mãe, dizendo que havia decidido se tornar adventista do sétimo dia. Essa decisão mexeu com o coração de Mariana. “Passei a me apaixonar pelo clube, fiz amizades e senti o desejo de ajudar na liderança”, ela conta. O casal se tornou ativo no Clube de Aventureiros Pedras Preciosas, da Igreja Central de Vitória. Os dois decidiram estudar a Bíblia e se preparar para o batismo. “Sem dúvida, o Clube de Aventureiros foi uma porta que Deus abriu para que estivéssemos aqui hoje. Acabamos envolvidos nas atividades, e Deus mostrou o que não conseguíamos enxergar”, disse o pai. Você pode imaginar a cena: toda a família Rodrigues, pai, mãe e filha uniformizados dentro do batistério. A cerimônia ocorreu no sábado 24 de setembro de 2016. Na mesma ocasião, foram batizados outros seis aventureiros. Deus quer usar as crianças na missão. Ellen White diz: “Nestes últimos dias as vozes das crianças se erguerão para dar a última mensagem de advertência a um mundo agonizante” (Conselhos Sobre Educação, p. 189). O Senhor precisa de todas as forças unidas para salvar nossas crianças e preparar esses pequenos missionários. O Clube de Aventureiros tem feito seu papel, mas precisamos de muito mais gente envolvida. Faça sua parte!


DOMINGO

19 DE MAIO

Abençoado pela fidelidade Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no Meu santo dia; [...] Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse. Isaías 58:13, 14

Alberto Timm foi autor das Meditações Diárias de 2018 e nelas apresentou muitos fatos históricos e suas aplicações espirituais. Hoje, porém, quero compartilhar com você uma história que ele mesmo vivenciou quanto à guarda do sábado. “Eu deveria viajar de Washington para Zurique, na Suíça, em 14 de março de 2015. Quando procurei os melhores voos, encontrei duas possibilidades: um voo sem escalas partindo às 17h40 e outro com duas escalas, partindo às 23h. A primeira opção era melhor, mas acabei comprando a segunda. O motivo foi simples: 14 de março era um sábado e não voo nas horas do sábado, exceto em caso de emergência. “Naquele sábado, fui à igreja com minha família e depois almoçamos juntos. Por volta das 17h, senti que meu estômago não estava bem. Pensei que não fosse algo sério, e depois do pôr do sol fui para o aeroporto. “A dor abdominal e a náusea ficaram mais fortes. Fiquei desesperado e perguntei à atendente da companhia aérea sobre a possibilidade de mudar meu voo. Ela notou que eu não estava bem e chamou os paramédicos. Eles me levaram de ambulância para o Reston Hospital Center. Meu abdômen havia inchado como um balão, e apenas uma injeção, mais forte que a morfina, controlou minha dor. “Os exames indicaram uma completa obstrução no intestino, que poderia ser um tumor. Os médicos fizeram vários exames adicionais, mas na ​segunda- feira um simples procedimento cirúrgico resolveu o problema e, depois de dois dias, voltei para casa. “O que teria acontecido se eu ignorasse o conselho inspirado de evitar viagens desnecessárias nas horas de sábado e voasse às 17h40? Certamente, a dor apareceria durante a travessia do Oceano Atlântico. Pela pressão na cabine do avião a dor teria sido bem mais intensa. Além disso, os aviões comerciais não estão equipados para lidar com esses problemas.” Seja fiel. “A guarda do sábado é um sinal de lealdade para com o verdadeiro Deus” (O Grande Conflito, p. 438). Ele sempre recompensará você.


SEGUNDA

20 DE MAIO

Heróis da Fé Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus. Atos 20:24

Deus sempre teve um povo fiel. Mesmo nos períodos mais difíceis, um remanescente arriscou a vida para manter acesa a tocha da verdade. Entre eles, destacam-se os valdenses. Seu nome vem de Pedro Valdo, um comerciante francês, cuja maior “ambição” era agradar a Deus. Ele leu a Bíblia e chegou à conclusão de que deveria vender tudo, distribuir seus bens aos pobres, levar uma vida modesta e ser fiel à Palavra de Deus. Decidiu, então, ir a Roma e pedir ao papa Alexandre III para continuar pregando. O papa disse que o autorizaria caso o arcebispo permitisse. Entretanto, além de não receber a permissão, Valdo e o restante do grupo passaram a ser perseguidos e fugiram para a região do Piemonte, no noroeste da Itália. A partir dali, mesmo com renúncia e sofrimento, difundiram a luz do evangelho a muitas pessoas. O coração deles estava em nossa grande esperança. De acordo com Ellen White, os valdenses acreditavam “que o fim de todas as coisas não estava muito distante; e, estudando a Bíblia com oração e lágrimas, mais profundamente se impressionavam com suas preciosas declarações e com o dever de tornar conhecidas a outros as suas verdades salvadoras” (O Grande Conflito, p. 72). Confiavam em Deus e viviam inteiramente para pregar o evangelho. Tinham a Bíblia traduzida para o seu idioma graças ao esforço de copiá-la e memorizavam verso a verso, como fonte de constante paz e encorajamento. Que tremendo testemunho de fé! Um grupo de valdenses, fugindo da perseguição, veio para a América do Sul e formou, no Uruguai, a Colônia Valdense. Hoje, vários de seus descendentes são adventistas do sétimo dia. Temos uma igreja com mais de 100 membros no coração da comunidade. O desafio está agora em nossas mãos. Diz a mensageira do Senhor: “Fazei o trabalho que vos está mais próximo. [...] Olhai para os valdenses. Vede que planos delinearam para que a luz do evangelho pudesse brilhar em mentes entenebrecidas” (O Colportor-Evangelista, p. 68). O Senhor está buscando “valdenses” para os nossos dias. Gente disposta, se necessário, a entregar sua vida para manter a fidelidade e cumprir a missão. Que eu e você sejamos essas pessoas!


TERÇA

21 DE MAIO

Renovando nossa esperança Os que guardam os mandamentos de Deus e mantêm o testemunho de Jesus. Apocalipse 12:17

O dia de hoje é especial, pois comemoramos 156 anos da organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Foi o primeiro passo para que aquele “pequeno rebanho” se tornasse um grande movimento. Ellen White diz: “Ao recapitular a nossa história passada, havendo revisado cada passo de progresso até ao nosso nível atual, posso dizer: Louvado seja Deus! Ao ver o que Deus tem realizado, encho-me de admiração e de confiança na liderança de Cristo. Nada temos que recear quanto ao futuro, a menos que esqueçamos a maneira em que o Senhor nos tem guiado, e os ensinos que nos ministrou no passado” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 443). Duas razões foram fundamentais para a organização: o forte desejo de cumprir a missão com ênfase na breve volta de Jesus e a insistência dos conselhos de Ellen White para que o trabalho não fosse feito de forma desintegrada, trazendo riscos para a unidade, crescimento e missão. É impressionante recordar o espírito de sacrifício daqueles dias. Um dos exemplos mais marcantes foi de John N. Andrews, o primeiro missionário oficialmente enviado pela Igreja para terras distantes. Um dos adventistas mais brilhantes, viúvo e com dois filhos, mudou-se em 1874 para a Suíça, onde começou a organizar a obra adventista na Europa. Sua filha Mary, grande apoiadora do seu ministério, teve tuberculose e faleceu. Algum tempo depois, com a mesma enfermidade, ele também adoeceu gravemente. Em vez de cuidar de sua saúde, buscou maneiras de escrever o máximo e deixar todo o trabalho organizado. Em seus últimos momentos de vida, ainda fez questão de dedicar 500 dólares para o avanço da obra de Deus. Que compromisso e desprendimento! Relembrando nossa história, quatro sentimentos me vêm ao coração: alegria por termos recebido muitas bênçãos; tristeza porque Cristo ainda não voltou; confiança de que o mesmo Deus que nos guiou até aqui vai continuar conduzindo Seu povo até o grande dia final; compromisso de renovar nossa esperança, tirando lições do passado que fortalecem o presente e apressam os eventos futuros. Vamos orar e trabalhar para “que a mesma fé que operou nos servos de Deus no passado possa operar em nós” (Profetas e Reis, p. 175). Só assim vamos escrever o último capítulo dessa história e ver Cristo voltar em nossa geração.


QUARTA

22 DE MAIO

Nem uma hora? Então, nem uma hora pudestes vós vigiar Comigo? Mateus 26:40

Os momentos finais da vida de Cristo foram difíceis e marcantes. No Getsêmani, Ele sentiu o peso de nossos pecados e derramou gotas de sangue. No entanto, quando buscou o apoio de Seus discípulos mais íntimos, ​encontrou-os dormindo. E não foi apenas uma vez (Mt 26:36-46). O momento era decisivo para a Terra. Os anjos e mundos não caídos observavam a angústia de Cristo e os efeitos do pecado, o inimigo estava agitado com seus anjos, e o Pai sofria pela separação de Seu filho. Em meio a tudo isso, os discípulos simplesmente dormiam. Eles não conseguiam enxergar o que realmente estava acontecendo. Estavam tão cansados, desinteressados ou mesmo preocupados com outras coisas, que desprezaram o fundamental. Que pena! Enquanto Jesus vencia o grande conflito, os discípulos perdiam a batalha. O cristão não pode abrir mão do privilégio da oração. Ellen White incentiva: “A oração e a fé farão o que nenhum poder da Terra conseguirá realizar” (A Ciência do Bom Viver, p. 509). A oração é a chave para o crescimento espiritual, pois ela diminui nossa confiança própria e deposita em Deus nossa esperança. Em outra passagem, ela adverte com ênfase: “A negligência da oração representa um desastre para a vida espiritual” (Perto do Céu, p. 105). O tema é mais sério do que alguns têm considerado. No fim do século 19, Reuben A. Torrey lamentava a ausência da oração na vida de muitos cristãos: “Estamos ocupados demais para orar. Por isso, estamos muito ocupados para ter poder. Temos grande quantidade de atividades, mas realizamos pouco; muitos serviços, mas poucas conversões, muitos equipamentos, mas poucos resultados.” Leonard Ravenhill foi contundente em sua análise da condição da igreja cristã: “Temos muitos que organizam, mas poucos que agonizam, muitos cantores, mas poucos intercessores, muitos convencidos, poucos convertidos, muitos informados, poucos transformados. Falhar na oração é falhar em tudo mais.” Não há nada mais importante do que buscar o poder do alto. A promessa é segura: “Se tiverdes voz e tempo para orar, Deus terá tempo e voz para responder” (Review and Herald, 1º de abril de 1890). E você? Quanto tempo tem dedicado ao Senhor? A oração tem sido sua prioridade? Pelo menos uma hora?


QUINTA

23 DE MAIO

Salvação disponível Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás. Eclesiastes 11:1

Deus usa meios diferentes para alcançar pessoas diferentes. Algumas aceitam rapidamente, e outras demoram um pouco mais. Porém, quando alguém lança o “pão sobre as águas”, Deus dá o resultado, mesmo que de maneiras inesperadas. Foi assim com José Carlos Lopes. Deus o encontrou ao desocupar um depósito para uma reforma. Durante a limpeza, encontrou um exemplar abandonado do livro O Grande Conflito. Levou para casa e o leu duas vezes. Durante a segunda leitura, quis saber mais sobre a autora, fez uma pesquisa na internet e encontrou várias referências que ligavam Ellen White aos adventistas. Alguns anos depois, José Carlos teve outro encontro com a Igreja Adventista. Zapeando pelos canais de uma TV por assinatura, encontrou a Novo Tempo. Ficou muito interessado na explicação de profecias bíblicas e, segundo ele, “ao final do programa Arena do Futuro, o pastor Luís Gonçalves, fez um convite para que os telespectadores visitassem a Igreja Adventista. Eu aceitei”. Lopes foi novamente à internet e lá encontrou o endereço da Igreja Central de Taguatinga, no Distrito Federal, bem próximo à casa dele. Numa quarta- feira à noite, foi até lá. Como acreditava que não estivesse usando a roupa apropriada para o culto, acabou indo embora. Contudo, Deus já estava providenciando outra forma de alcançá-lo. Benevaldo Barreiros vinha orando para que o Espírito Santo indicasse uma pessoa para quem pudesse dar estudos bíblicos. Sua oração foi respondida ao se encontrar com José Carlos na garagem de seu prédio. José Carlos descobriu que um adventista morava em seu condomínio. Benevaldo o convidou para ir à igreja no sábado seguinte. Desde então, passou a estudar a Bíblia e assistir aos cultos. No dia 4 de março de 2015, foi batizado. Sua caminhada começou com um livro O Grande Conflito, achado no lixo, envolveu a internet, a TV Novo Tempo, houve também o contato pessoal de um vizinho e, por fim, a participação da igreja, onde ele pôde conhecer melhor a Bíblia e tomar sua decisão. Use todos os meios para cumprir a missão. Talvez alguns deles pareçam não dar resultado, mas o pão lançado “sobre as águas” será encontrado no tempo certo. Não perca oportunidades e esteja sempre pronto para compartilhar nossa esperança.


SEXTA

24 DE MAIO

Livro missionário insistente Semeia pela manhã a tua semente e à tarde não repouses a mão, porque não sabes qual prosperará; se esta, se aquela ou se ambas igualmente serão boas. Eclesiastes 11:6

“Um livro missionário mudou minha vida. Tudo começou em 2005, antes de conhecer a Deus e a igreja.” A vida de Karen estava um caos, uma desordem completa. Ela não sabia o que era ter paz. Um dia perdeu completamente a motivação e o desejo de viver. Caiu em depressão profunda e percebeu que sua vida estava indo de mal a pior. Amigos, parentes, esposo e até os filhos se empenharam em fazer alguma coisa por ela, mas nada adiantava. Parecia não haver saída, tudo estava perdido. Certo dia, Karen estava na casa de seus sogros, quando de repente Estela Sosa chegou com um livro missionário para entregar à família. Karen não acreditava em nada, apenas nas coisas que podia fazer por si mesma, mas gostava muito de ler. Assim que ela começou a leitura, percebeu que cada página falava a seu coração. O livro estava sempre diante dela. Mudou-se cinco vezes de casa, mas ele sempre “aparecia”. Karen lembra: “Um dia, sentada na sala de minha casa, vi o livro entre os outros. Fui até a estante, peguei-o e disse: ‘Você quer que eu faça o que você diz; muito bem, então eu vou fazer.’” Nove anos haviam se passado desde que Karen tinha recebido o livro. Foi somente depois de todo esse tempo que ela decidiu procurar por Estela e ir à Igreja Adventista do Sétimo Dia mais perto de sua casa. Depois do primeiro sábado, sua vida começou a mudar. Alguns meses depois, ela aceitou ser batizada. Médicos, amigos, parentes e sua família não podiam acreditar na grande mudança que ela havia experimentado. Karen Abate foi batizada em 22 de novembro de 2014 e hoje frequenta a igreja de Las Piedras, no Uruguai. É diretora do Ministério da Criança, professora da Escola Sabatina e líder de pequenos grupos. Não perde a oportunidade de ir às ruas, no Impacto Esperança, entregar livros que podem salvar outras vidas, assim como aconteceu com ela. Que tremenda oportunidade Deus nos oferece! Junte-se a Karen e a milhares de outros adventistas e participe dessa experiência maravilhosa de impactar a vida das pessoas com a maior de todas as esperanças.


SÁBADO

25 DE MAIO

A missão une as pessoas Então, se levantou Pedro, com os onze; e, erguendo a voz, advertiu-os nestes termos: Varões judeus e todos os habitantes de Jerusalém, tomai conhecimento disto e atentai nas minhas palavras. Atos 2:14

Servindo à igreja como líder, tenho muita gratidão a Deus e a todos os que têm dedicado tempo, influência, dons e recursos para cumprir a missão de maneira tão relevante no território da Divisão Sul-Americana. Nosso desafio é continuar trabalhando para o Senhor e permanecer unidos na missão. Em cada iniciativa missionária da igreja, fica mais evidente para mim que, quando agimos unidos, somos mais fortes, vamos mais longe e chegamos mais rápido. Temos pensado e realizado grandes projetos para Deus porque nossa missão grandiosa torna essas ações indispensáveis. Muitos pequenos projetos isolados se diluem e podem se tornar insignificantes. Entretanto, quando a igreja une forças em um grande projeto, nós nos tornamos relevantes e ampliamos nossa influência. O Impacto Esperança é um exemplo disso. Nesse projeto, o mais marcante é ver como a missão une as pessoas. Num dos locais que visitei, durante a distribuição de livros em um determinado ano, ouvi o seguinte comentário: “Tínhamos muitos problemas por aqui, mas o Impacto Esperança nos uniu. Colocamos nossas energias na missão, e os problemas perderam sua relevância.” É isso mesmo. A missão une as pessoas! A fórmula de David Livingstone ainda continua atual: “O melhor remédio para uma igreja enferma é colocá-la em dieta missionária.” Você já notou que, quanto mais tempo gastamos com a missão, menos problemas temos para resolver em comissão? O pregador Dwight Moody costumava dizer que, quando alguém não está envolvido com a missão, “é como um bombeiro que corre para um prédio em chamas apenas para ajeitar o quadro na parede”. E Charles Spurgeon foi ainda mais contundente: “Se você não está levando ninguém para o Céu é porque não está indo para lá.” Neste momento em que enfrentamos o desafio da unidade da igreja tanto em nível mundial quanto local, precisamos reforçar o compromisso com a missão, sempre lembrando que “o fim de todas as coisas está às portas, e o que tiver que ser feito pela salvação de pessoas deve ser feito rapidamente” (Perto do Céu, p. 69). Por meio da missão, Deus une as pessoas. Una-se a Deus e a Seus servos na grande obra da pregação do evangelho.


DOMINGO

26 DE MAIO

Apenas um torpedo O reino de Deus é assim como se um homem lançasse a semente à terra; depois, dormisse e se levantasse, de noite e de dia, e a semente germinasse e crescesse, não sabendo ele como. Marcos 4:26, 27

Benvinda Carvalho é membro da Igreja Central de Redenção, em Vitória de Santo Antão, Pernambuco. Ajuda no orçamento familiar vendendo picolés e pães caseiros que ela mesma prepara. Em meio a todas essas ocupações, ela não perdeu a oportunidade de contribuir para a salvação de uma vida que milagrosamente Deus havia colocado em seu caminho. Benvinda conta a história: “Era sexta-feira, 30 de dezembro de 2011, já nas horas do sábado, quando resolvi enviar alguns torpedos para amigos e parentes. O último foi para uma sobrinha que mora em São Paulo. Para minha surpresa, recebi uma resposta imediata: ‘Moça, você mandou uma mensagem para o celular errado.’ Percebendo meu erro, me desculpei e desejei um feliz ano-novo. Em resposta, a pessoa escreveu: ‘Eu é que agradeço por você ser tão amável e gentil.’ “Resolvi me identificar, e ela fez o mesmo. Seu nome é Geralda. Não parei de enviar mensagens espirituais para ela. Em uma ocasião, disse a ela que alguém poderia bater à sua porta para entregar-lhe um exemplar de A Grande Esperança, pois aquela era a época da distribuição desse livro. Naquele mesmo dia, ela encontrou dois jovens na rua com livros nas mãos. Eles a levaram à igreja e ofereceram uma visita à sua casa. “Nas férias de julho, ela foi ao Ceará a fim de rever seus familiares. Saí de Pernambuco e fui até lá para ​conhecê-la. Finalmente, encontrei Geralda e conheci seus familiares, que me receberam muito bem. Na despedida, ela me garantiu que, quando chegasse a São Paulo, iria procurar os irmãos e pedir estudos bíblicos. “No mês seguinte, ela me disse que havia resolvido estudar a Bíblia. Passou a frequentar a Igreja Adventista e, na maioria das vezes, a família a acompanhava. Meses depois, ela tomou a decisão pelo batismo. Quando recebi seu convite, decidi viajar de Pernambuco para São Paulo e assistir à cerimônia, que foi realizada no dia 31 de março de 2013. A igreja estava lotada. Os filhos dela e alguns parentes estiveram presentes. Geralda e eu ficamos muito felizes. Foi uma grande festa na Terra e, com certeza, no Céu também!” Pense hoje em quantas oportunidades você tem recebido para pregar o evangelho. Nada é por acaso no reino de Deus. Coloque-se nas mãos Dele e seja também um semeador da mensagem de salvação.


SEGUNDA

27 DE MAIO

Mais que vencedores Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio Daquele que nos amou. Romanos 8:37

No dia 5 de novembro de 1984, uma garotinha recém-nascida foi encontrada por uma aluna de Enfermagem em uma caixa na lavanderia do dormitório da Universidade Estadual de San Francisco, nos Estados Unidos. Conhecida na época como “Baby Jane Doe”, a bebê foi adotada em março de 1985 e recebeu o nome Jillian Sobol. Em 27 de maio de 2016, depois de 31 anos, Jillian se formou em Hotelaria e Turismo na mesma universidade em que foi abandonada por uma estudante de 19 anos que escondeu a gravidez. Jillian é um grande exemplo de superação. A história dessa mulher nos ajuda a lembrar que, muitas vezes, o que parece o fim é na verdade um novo começo. Quando a situação é crítica e você chegou a seu limite, Deus pode estar apenas começando a escrever uma nova história. Por mais que pareça difícil de entender, as crises são apenas oportunidades disfarçadas. É nossa atitude diante delas que determina o resultado. Onde uns enxergam apenas dificuldade, outros são capazes de notar oportunidade. Ao mesmo tempo em que alguns vivem sofrendo pelo passado, em crise com o presente e pessimistas quanto ao futuro, outros fazem do limão uma limonada e tiram proveito daquilo que deveria ser motivo de frustração e decepção. Deus está no comando da vida de quem crê no evangelho. Ele sabe o que é melhor e, por Sua graça, um dia nossas lágrimas serão trocadas por sorrisos, e nossos sofrimentos, por esperança. A escola da adversidade nos torna mais fortes. De acordo com Horácio, ela “desperta em nós capacidades que, em circunstâncias favoráveis, teriam ficado adormecidas”. Além disso, por meio delas, preparamo-nos melhor para a obra do Senhor. Sobre isso, Aiden W. Tozer disse certa vez: “Deus nunca usa alguém grandemente até que Ele o teste profundamente.” Não se entregue nem desanime diante dos sérios desafios que a vida impõe. Confie em Deus, siga em frente sem medo. Ao passar pelos vales sombrios da existência, podemos contar com a presença consoladora de nosso Pastor. Com Ele, sempre somos mais que vencedores!


TERÇA

28 DE MAIO

Transformação e salvação E havia entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. Este, de noite, foi ter com Jesus. João 3:1, 2

Transformação e salvação de vidas são o propósito do evangelho. Para cumprir esse objetivo, desde que o pecado entrou no mundo, Deus tem enviado mensageiros para apresentar o caminho da salvação, o que inclui a vinda de Seu Filho, que encarna plenamente os valores da mensagem divina. Ele viveu com o exclusivo propósito de transformar e salvar pessoas. Essa é a ênfase do evangelho de João. O apóstolo apresenta dois capítulos em sequência, com histórias opostas de transformação e salvação. No capítulo 3, narra a histórica de Nicodemos, um homem poderoso que foi transformado após um encontro com Jesus. No capítulo 4, João apresenta a mulher samaritana, uma desconhecida e vulnerável, mas que também teve seu encontro com Cristo e foi transformada. Nicodemos poderia ter encontrado Jesus em público, mas preferiu fazê-lo em particular. Devido à sua situação vergonhosa, a mulher samaritana poderia ter se encontrado com o Mestre em particular, mas seu encontro com Ele acabou ocorrendo em um lugar público. Nesses dois episódios, todo o tipo de gente está incluído: ricos, cultos, respeitados e famosos; pobres, despreparados, desmoralizados e desconhecidos. Ao representar pessoas ricas e cultas, Nicodemos nos deixa uma grande lembrança: currículo não significa conhecimento espiritual. Nossa única esperança é um encontro transformador com Jesus. Por sua vez, a mulher samaritana nos ensina que o evangelho tem poder pleno de transformação. Não importa o fundo do poço em que estejamos, Deus sempre vai a nosso encontro com perdão e libertação. Essa mulher representa gente simples e inocente que se entrega com fé e não tem vergonha de assumir seu compromisso com Cristo. Nicodemos e a mulher samaritana exemplificam a abrangência da graça. A história deles deixa evidente que ninguém está além do alcance do amor de Deus. Não importa quem você seja, sua erudição, fama e riqueza ou a falta de tudo isso, Jesus quer e pode salvar sua vida. Receba-O hoje no coração. Deixe que a Palavra de Deus inunde seu coração e experimente a transformação e a salvação que só o evangelho pode produzir.


QUARTA

29 DE MAIO

Continue crescendo E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens. Lucas 2:52

O Everest, monte mais alto do mundo, exerce um incrível poder de atração e desafio para quem ama aventura. Até o fim de 2006, 8.030 pessoas haviam tentado escalar seus 8.850 metros. Duzentos e doze não retornaram. Os registros indicam que 56% dessas pessoas morreram depois de atingir o topo. Anualmente, mais de 60 mil turistas visitam a região, e cerca de 1.300 alpinistas tentam escalar essa montanha gelada, numa jornada que leva cerca de 40 dias. Edmund Hillary foi o primeiro homem a chegar lá. Sua conquista ocorreu na companhia de seu guia nepalês, Tenzinhg Norgay, às 11h30 do dia 29 de maio de 1953, há exatos 66 anos. Os dois ficaram apenas 15 minutos no cume, sob uma temperatura de 27 graus negativos, viram a paisagem e começaram a descida. Antes da conquista, porém, Edmund havia participado de uma expedição neozelandesa, em 1951, que fracassou na tentativa de subir o Everest. Alguns registros dizem que, apesar desse fracasso, ele foi convidado pelos ingleses a falar para uma numerosa plateia. Edmund começou a descrever suas dificuldades, e, apesar dos aplausos, dizia sentir-se frustrado e incapaz. Em dado momento, contudo, largou o microfone, aproximou-se da enorme gravura que ilustrava seu percurso e gritou: “Monte Everest, você me venceu a primeira vez. Mas eu irei vencê-lo no próximo ano, por uma razão muito simples: você já chegou ao máximo de sua altura; eu, porém, continuo crescendo!” Em 1953, Edmund uniu-se a uma equipe britânica de 400 pessoas. Todos foram ficando pelo caminho, mas ele e seu guia chegaram ao topo. Sua conquista coincidiu com a coroação da rainha Elizabeth II, a quem ele dedicou o triunfo. Mais de 40 anos depois, uma equipe de pesquisas descobriu que o Everest continua crescendo cerca de quatro milímetros por ano, mas isso não importa, porque Edmund cresceu muito mais. Não sei qual é seu Everest, mas quero desafiar você a continuar crescendo. Ellen White nos estimula a não desistir: “Quando há vontade de fazer, Deus abre o caminho” (Obreiros Evangélicos, p. 433). Segundo os evangelhos, Jesus crescia em todas as áreas. Não deveríamos seguir Seu exemplo? Nas questões estudantis ou profissionais, e especialmente nas espirituais, a vitória nunca pertence aos acomodados, desanimados ou derrotados, mas aos que levantam a cabeça, confiam no Senhor e seguem em frente.


QUINTA

30 DE MAIO

Preste atenção Vendo o Senhor que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça, o chamou e disse: Moisés! Moisés! Ele respondeu: Eis-me aqui! Êxodo 3:4

A cena realmente chamava a atenção: um arbusto que pegava fogo, mas não queimava. Moisés se aproximou para ver melhor e, por um momento, deixou tudo de lado. Foi então que Deus falou com ele. Durante aquelas décadas no deserto, Moisés havia aprendido a estar em sintonia com a vontade divina. Ellen White relata: “Enquanto os anos se passavam, e vagueava ele com seus rebanhos nos lugares solitários, ponderando na situação opressa de seu povo, reconsiderava o trato de Deus para com seus pais e as promessas que eram a herança da nação escolhida, e suas orações por Israel ascendiam de dia e de noite. Anjos celestiais derramavam sua luz em redor dele” (Patriarcas e Profetas, p. 251). O deserto havia cumprido seu papel. Moisés havia deixado de lado a autossuficiência do Egito e desenvolvido a dependência do Senhor. Hoje também precisamos ter essa mesma sintonia. Corremos o risco de estar ocupados demais, sem tempo para prestar atenção àquilo que realmente é importante. Fazemos muitas coisas para Deus; mas, infelizmente, dedicamos pouco tempo para conhecê-Lo e ouvir o que Ele de fato tem a nos dizer. Um fazendeiro perdeu seu relógio caro e de alto valor sentimental em um celeiro. Depois de procurar sem sucesso, decidiu pedir ajuda a um grupo de crianças e prometeu um bom presente para quem o encontrasse. Mesmo assim, o relógio não apareceu. Um dos meninos então pediu para tentar sozinho. Sem nada a perder, o fazendeiro o autorizou a entrar no celeiro. Não demorou, e o garoto saiu com o relógio. Todos ficaram surpresos e queriam saber como tinha conseguido. A resposta foi simples: “Eu só sentei no chão, fiquei em silêncio, escutei o tique-taque do relógio e olhei na direção certa.” Hoje, deixe de lado a agitação, pare, escute e olhe na direção certa. “Muitos, mesmo nas horas de devoção, deixam de receber a bênção da comunhão real com Deus. Estão com muita pressa. [...] Não têm tempo de permanecer com o Mestre [...]. Devem separar tempo para pensar, orar e esperar de Deus a renovação da força física, mental e espiritual” (Educação, p. 260, 261). O conselho de Dwight Moody poderá ajudar você: “Dedique 15 minutos por dia para falar com Deus; 15 minutos para que Deus lhe fale; e verá que o resto do dia não vai ser suficiente para contar tudo o que Deus fez por você nesta meia hora.”


SEXTA

31 DE MAIO

A graça é suficiente Então, Ele me disse: A Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. 2 Coríntios 12:9

Depois de pedir insistentemente a Deus por alguma coisa justa, necessária e urgente, você ficaria satisfeito em ouvir apenas: “A minha graça é suficiente”? Talvez você esteja clamando pela cura de uma doença, por um emprego, a restauração da família, a libertação de um filho das drogas, a vitória sobre a tentação, e Deus lhe responda apenas isso. Essa foi a experiência de Paulo ao enfrentar seu “espinho na carne”. Não era apenas uma irritação na pele, mas algo que o fazia sofrer intensamente. Poderia ter sido sua luta contra a tentação e o pecado. Afinal, ele mesmo fala sobre sua batalha pessoal, quando era dominado pelo mal e sobre sua incapacidade de fazer o bem que desejava (Rm 7:19, 20). Poderia também ser a terrível oposição que ele enfrentava. Muitos questionavam a genuinidade de seu apostolado, outros rejeitavam sua mensagem da graça (2Co 12:11, 12; 1Co 9). Poderia ser a pesada carga que ele carregava, ao sofrer um martírio quase permanente para pregar o evangelho (2Co 11:23-27). Talvez estivesse pedindo apenas que Deus aliviasse sua carga. Poderia ser sua fraqueza física ou a dificuldade de visão. Em Gálatas 6:11 e 17, ele sugere que algo não ia bem com seus olhos. Possivelmente, Paulo nunca tenha se recuperado plenamente da viagem a Damasco. A visão clara do Cristo glorificado pode ter lhe custado muito da visão física. Poderia ser também sua dificuldade de pregar. Era acusado de que sua “presença pessoal era fraca, e a palavra, desprezível” (2Co 10:10). É possível que ele tivesse dificuldade para falar. Talvez não tenha sido o grande orador que imaginamos. Teria sido Paulo um apóstolo melhor sem todas essas provas? Sem dúvida, se tudo tivesse dado certo, e Deus o livrasse de cada um de seus problemas, ele não saberia exatamente o que é o amor. Deus permite muitas provas para aprendermos a amar como Ele ama. Cada um tem seu “espinho na carne”, mas a graça divina continua sendo suficiente. Deus ainda não concluiu Sua obra em nós. Quando ela for terminada, todos os desafios serão superados. Quando Deus não dá a bênção que pedimos, Ele nos dá a paz de que precisamos. A graça Dele sempre nos basta!


Junho Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb 1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30


SÁBADO

1º DE JUNHO

Restaurador Serás chamado reparador de brechas e restaurador de veredas para que o país se torne habitável. Isaías 58:12

José Bates foi o mais idoso e um dos mais influentes pioneiros da igreja. Tornou-se também presidente da primeira Associação da igreja, organizada em Michigan, no ano de 1861. Era um líder espiritual, com visão clara, muita coragem e que não hesitava em fazer sacrifícios pela causa. Tinha uma alimentação simples, equilibrada e com hábitos saudáveis. Por isso, viveu até os 80 anos com ótima resistência física. Sua maior contribuição para o movimento adventista veio apenas em 1845, quando entendeu mais claramente a verdade sobre o sábado. Em 1846, imprimiu um pequeno material, de 48 páginas, para compartilhá-la. Era tão insistente em apresentar o dia de descanso que Ellen White achava que ele superestimava o quarto mandamento. Depois de ouvir todos os argumentos de Bates, e também estudar profundamente e discutir com ele, Ellen aceitou a mensagem do sábado. Algum tempo após isso, ela teve uma visão do santuário celestial. O templo de Deus estava aberto no Céu, e ela viu a arca. Quando Jesus levantou a tampa da arca, apareceram as tábuas de pedra em que foram escritos os Dez Mandamentos, com o quarto no centro e uma luz circundando-o. O anjo disse: “É o único dos dez que define o Deus vivo que criou os Céus e a Terra e todas as coisas que neles há” (Vida e Ensinos, p. 86). A confirmação foi ainda mais clara: “Quando foram postos os fundamentos da Terra, também foi posto o fundamento do sábado. Foi-me mostrado que, se o verdadeiro sábado houvesse sido guardado, jamais teria havido um incrédulo nem ateu. A observância do sábado teria preservado da idolatria o mundo” (ibid.). A visão impressionou Ellen White e mudou sua visão sobre o quarto mandamento. José Bates foi o “reparador de brechas”, usado por Deus para restaurar essa verdade e abrir os olhos da mensageira do Senhor. Ellen White diz que nos últimos dias “o sábado será a pedra de toque da lealdade; pois é o ponto da verdade especialmente controvertido. Quando sobrevier aos homens a prova final, será traçada a linha divisória entre os que servem a Deus e os que não O servem” (Eventos Finais, p. 225). Por isso, permaneça fiel e seja um restaurador do santo dia do Senhor.


DOMINGO

2 DE JUNHO

Deus de toda a consolação Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de toda consolação! 2 Coríntios 1:3, 4

Vivemos em um mundo marcado pela dor e pelo sofrimento. Chamamos de viúvo quem perde o cônjuge, e de órfão, quem perde os pais. Porém, não temos uma expressão para definir aqueles que perdem um filho. Não há uma palavra que possa sintetizar toda essa dor. Ellen e Tiago White perderam dois de seus quatro filhos. Primeiro foi o pequeno Herbert, que faleceu com apenas dois meses e meio. Foi uma dor profunda. “Quando aquele tenro ramo se quebrou, nosso coração sangrou, e ninguém mais podia compreender-nos senão aqueles que depuseram seus pequeninos na sepultura” (Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 103). Henry, o filho mais velho, morreu de pneumonia aos 16 anos. Desde o começo, experimentou um cuidado especial do Senhor. Aos 14 meses, esteve perto da morte por doenças graves, mas foi curado depois de intensa oração. Por causa das viagens frequentes, seus pais tiveram que deixá-lo aos cuidados de uma família de sua confiança, do primeiro ao sexto ano. Ellen sofria muito por essa separação. Um dia, depois de nadar em um rio, pegou uma forte gripe que se transformou em pneumonia. Seus pais buscaram todo o tratamento médico possível, mas a situação piorou. Entendendo que não sobreviveria, Henry começou uma jornada de preparo, confissão e perdão com o apoio da família. Em seus momentos finais, despediu-se de todos, prometeu encontrar sua mãe no Céu e pediu para ser enterrado ao lado do irmãozinho Herbert, para que pudessem despertar juntos na manhã da ressurreição. No dia 8 de dezembro de 1863, suspirou suas últimas palavras: “O Céu é doce”. E descansou. A dor da família foi imensa. “Nosso lar ficou vazio. Meu marido, eu e meus dois filhos restantes sentimos de modo muito agudo o golpe. Mas Deus ​confortou-nos em nosso luto, e com fé e ânimo retomamos a obra que Ele nos tinha dado, com a esperança de reencontrar nossos filhos, então tragados pela morte, em um mundo onde a doença e a morte não existirão” (Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 103). Tiago e Ellen enfrentaram o “vale da sombra e da morte” de mãos dadas com o “Deus de toda consolação”. Ao enfrentar seus momentos difíceis, tenha certeza de que, nas mãos do Senhor, os grandes desafios sempre virão antes dos maiores milagres.


SEGUNDA

3 DE JUNHO

Ajude a levantar Antes, sede uns para com os outros benignos. Efésios 4:32

Mary V. Thurston foi esposa de Frank Westphal, primeiro pastor adventista no território da Divisão Sul-Americana. Juntos eles tiveram cinco filhos: Carlos, Elena e Ruth, que nasceram nos Estados Unidos, Earl, que nasceu e morreu na Argentina, e Grace, que nasceu no Chile. Por 25 anos, o casal Westphal foi missionário na Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai, Chile, Peru e Equador. Os dois investiram seu tempo e suas prioridades na expansão e organização da igreja, bem como no estabelecimento da Educação Adventista. Mary era apaixonada pelas crianças e jovens e se dedicou a eles, especialmente ​preparando-os como missionários. Durante o tempo em que viveram no Chile, ela fez fortes apelos a amigos norte-americanos para ajudar a Educação Adventista. Em uma de suas mensagens, ela disse: “Eu escrevo essa carta orando ao Senhor para que a use como convite para alguém que esteja esperando por um chamado. Quando o espírito missionário movimenta a igreja, não tenho dúvidas de que muitos encontram um lugar para trabalhar com sustento próprio.” Logo que o casal chegou ao Chile, Grace adoeceu fortemente, enquanto Frank estava em uma de suas longas viagens. Mary clamou a Deus por ajuda, e o Senhor enviou um médico jovem e talentoso que resolveu o problema. A partir de então, passou a atender a família gratuitamente. O médico, porém, se envolveu com bebidas alcoólicas. Mary sentiu que precisava ajudá-lo e fez um apelo: “Doutor, por que não deixa este copo maldito? O senhor sabe como cuidar dos outros, por que não ajuda a si mesmo? Se tomar uma decisão, vai conseguir.” Os olhos dele se encheram de lágrimas. “Sim, senhora Westphal, eu gostaria muito; mas, se alguns amigos segurassem minha mão e me animassem, eu conseguiria. Mas os cristãos parecem felizes por me colocar para baixo em vez de segurar minha mão e me tirar dessa situação.” Mary encontrou ali um novo campo missionário. Que exemplo para nós! Antes de ser missionários em países muito distantes, precisamos ser missionários na vida de pessoas que vivem perto de nós. Não se esqueça: “O amor abrirá caminho por entre barreiras, ao passo que a censura fechará todo o acesso ao coração” (Ministério Pastoral, p. 59). Quem você pode ajudar e animar hoje? Mais perto do que você imagina, existe alguém precisando de motivação e apoio; não de crítica e condenação.


TERÇA

4 DE JUNHO

O melhor está por vir Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera? Romanos 8:24

Depois de chegar a um novo distrito e pregar seu primeiro sermão, o pastor foi procurado por uma irmã idosa. Ela pedia uma visita o mais breve possível, e o ministro encontrou uma forma de atendê-la. Ao chegar à casa da irmã, o pastor ouviu um pedido muito estranho: “Quero combinar meu funeral”, ela disse. E acrescentou: “Não tenho familiares e quero que meu pastor cuide de tudo.” O pastor ficou chocado. Era a primeira vez que encontrava aquela irmã, e a conversa já era sobre o funeral dela. Tentou mudar o assunto, mas a irmã insistiu: “Não conheço o futuro e quero deixar tudo resolvido agora.” O diálogo continuou, e a senhora passou a descrever a roupa com a qual gostaria de ser velada e a mostrou para o pastor. O momento mais difícil aconteceu quando ela explicou a forma com que deveria ser colocada no caixão. “Quero ter minhas duas mãos ocupadas. Na mão direita ponha minha Bíblia, a mesma que usei boa parte de minha vida.” O pastor ficou mais tranquilo porque viu lógica no pedido. Seria um forte testemunho a todos os presentes. “Na mão esquerda”, continuou ela, “ponha um garfo”. E ainda completou: “O senhor ainda não conhece minha história, por isso não fique preocupado.” Contou, então, que, por mais de 20 anos, tinha sido líder da assistência social na igreja e organizava almoços com grupos de famílias. Cada uma preparava um prato especial, e todos comiam juntos. Porém, ela sempre fazia a sobremesa. Quando passava, entre os participantes, com um garfo em sua mão esquerda, todos já sabiam que a sobremesa estava chegando. Paravam de comer e esperavam a doce surpresa. Concluiu, então, dizendo: “Se alguém ainda perguntar por que o garfo está na minha mão esquerda, pode dizer que eu descansei acreditando que o melhor está por vir.” Precisamos ser dirigidos pela mesma motivação. Os problemas existem, as crises não desapareceram, e os escândalos continuam. Apesar de tudo isso, estamos apoiados em um Deus presente e em uma promessa futura. Se vivemos movidos pela esperança, podemos ter a certeza de que “o melhor está por vir”. Isso dá significado à vida, alivia as dores e renova a confiança nas providências do Senhor. Seja movido por essa esperança!


QUARTA

5 DE JUNHO

Fé mais profunda Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte. 2 Coríntios 12:10

O famoso milionário, filantropo e escritor norte-americano Andrew Carnegie decidiu analisar a história de pessoas que foram bem-sucedidas, apesar das dificuldades que enfrentaram. Ele acabou chegando a duas conclusões: “Primeira, cada um sofre inevitavelmente derrotas temporárias, de formas diferentes, nas ocasiões mais diversas. Segunda, cada adversidade traz consigo a semente de um benefício equivalente.” E completou: “Toda vez que alguém supera os reveses, torna-se mental e espiritualmente mais forte.” Crises, problemas e dificuldades se resolvem com fé e não com desespero. Por isso, o apóstolo Paulo, em meio às mais duras provas, afirmava: “Quando sou fraco, então é que sou forte” (2Co 12:10). Essa fé mais profunda e que vence as provas mais difíceis precisa amadurecer ao passar por três níveis. O primeiro é o da fé com evidências, em que você confia porque a situação o incentiva a confiar. Pode haver muitas razões para isso: exemplos positivos de pessoas que venceram, demonstrações do amor de Deus em sua vida ou quem sabe a falta de alternativas a não ser entregar tudo nas mãos de Deus. O segundo nível é o da fé sem evidências, uma etapa mais difícil e desafiadora, em que você aprende a confiar quando ninguém enfrentou o mesmo problema antes, não há exemplos positivos ao redor, as orações não têm a resposta esperada ou você recebe muitos conselhos para desistir. O terceiro nível é o da fé contra as evidências, que é o mais complexo. Tudo indica que você não deve confiar, mas é desafiado a depender somente do Senhor. Quando você vê que outros tiveram a mesma enfermidade e não resistiram, enfrentaram a mesma prova e perderam a batalha, tentaram e não conseguiram, onde encontrará forças para seguir em frente? Para essa fé mais profunda, está destinada a promessa mais poderosa: “Os que mais sofrem, mais simpatia e piedade Dele recebem. Comove-Se com o sentimento de nossas enfermidades e deseja que Lhe lancemos aos pés as perplexidades e aflições, deixando-as ali” (A Ciência do Bom Viver, p. 249). Lembre-se sempre de que as provações aumentam nossa fé. Deixe Deus desenvolver sua confiança Nele em quaisquer circunstâncias, inclusive nas maiores dificuldades!


QUINTA

6 DE JUNHO

Graça x pecado Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro. Apocalipse 12:11

O sangue do Cordeiro é nossa garantia de que a graça irá restaurar tudo o que o pecado destruiu. A Bíblia nos dá certeza disso. O pecado destruiu nossas vestes. Adão e Eva perceberam “que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si” (Gn 3:7). A graça nos concede vestes novas. “O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida” (Ap 3:5). O pecado nos distanciou da presença de Deus. “Quando ouviram a voz do Senhor Deus, que andava no jardim pela viração do dia, esconderam-se” (Gn 3:8). A graça confirma que viveremos na presença de Deus. “Ao vencedor, fá-lo-ei coluna no santuário do Meu Deus, e daí jamais sairá” (Ap 3:12). O pecado tornou nossa vida mais difícil. “No suor do rosto comerás o teu pão” (Gn 3:19). A graça nos garante: “Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido” (Ap 2:17). O pecado nos leva de volta ao pó da terra (Gn 3:19). A graça nos leva à vitória sobre a morte. “O vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte” (Ap 2:11). O pecado diminuiu nosso domínio. O Senhor lançou o ser humano “fora do jardim do Éden, a fim de lavrar a terra de que fora tomado” (Gn 3:23). A graça recupera nossa autoridade. “Ao vencedor, que guardar até ao fim as Minhas obras, Eu lhe darei autoridade sobre as nações” (Ap 2:26). O pecado nos privou da árvore da vida. Deus “colocou querubins ao oriente do jardim do Éden” (Gn 3:24). A graça nos devolve essa oportunidade. “Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no ​paraíso de Deus” (Ap 2:7). A graça sempre oferece mais do que merecemos. Um conhecido escritor ilustra bem essa realidade: “A misericórdia deu ao filho pródigo uma segunda chance. Mas a graça deu uma festa para ele. A misericórdia impeliu o samaritano a fazer curativos na vítima. Mas a graça o impeliu a deixar o seu cartão de crédito para pagar o tratamento.” A cada instante você é restaurado pela graça, mas lembre-se de que isso não foi de graça. Apegue-se ao Senhor e permaneça fiel, confiando que os mesmos braços que foram pregados na cruz por você em breve se estenderão para lhe dar as boas-vindas no Céu.


SEXTA

7 DE JUNHO

Anjos Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Mateus 25:40

Ao enviar 25 famílias de missionários para alguns dos países mais desafiadores do planeta, a Igreja Adventista na América do Sul pensou em “pagar sua dívida” com o restante do mundo. Afinal, quando não havia presença adventista em nossos países, pessoas de outras terras vieram para iniciar a igreja aqui. Agora que crescemos e temos uma igreja forte, precisamos fazer o mesmo. Em julho de 2017, realizamos um concílio ministerial na Universidade Adventista do Oriente Médio, em Beirute, Líbano, com as 17 famílias de missionários sul-americanos que atuam no Oriente Médio e norte da África. Foi impressionante ouvir as experiências! Um dos momentos marcantes foi quando cada participante do concílio visitou uma família de refugiados sírios que vive na cidade. Fui a um lugar bem simples, sem móveis, que tinha somente alguns colchões no chão. Durante nossa conversa com os moradores daquela casa, o pastor Günther Wallauer, um dos missionários brasileiros no Líbano, perguntou sobre alguma necessidade especial da família. Esquecendo-se de outras coisas, eles pediram ajuda para conseguir um passaporte para o pai da família, pois ele desejava visitar seus familiares que haviam migrado para o Iraque. Ao ouvir o sonho daquele refugiado, o pastor Günther prometeu voltar nos dias seguintes para irem juntos à embaixada e resolver o problema. Completei a promessa dizendo que poderiam ficar tranquilos, pois o pastor Günther seria o anjo da guarda deles. As palavras que se seguiram, ditas pela esposa, me marcaram profundamente: “Para nós, todos os adventistas são anjos.” E passou a contar como alguns voluntários têm cuidado das necessidades básicas da família, levando comida, oferecendo educação aos filhos e tratando a saúde do esposo, que tivera câncer no ano anterior. E você? Tem sido realmente um “anjo” para alguém, cuidando daqueles que Deus coloca em seu caminho, com suas necessidades espirituais, emocionais ou mesmo financeiras? Lembre-se do que diz Ellen White: “A menos que haja sacrifício prático em bem de outros, no círculo da família, na vizinhança, na igreja e onde quer que estejamos, não seremos cristãos, seja qual for a nossa profissão” (O Desejado de Todas as Nações, p. 504).


SÁBADO

8 DE JUNHO

Música celestial E entoavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as Tuas obras, Senhor Deus, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações! Apocalipse 15:3

A música tem poder. Ellen White destaca: “Existem poucos meios mais eficazes para fixar Suas palavras na memória do que repeti-las em cânticos. E esses cânticos têm maravilhoso poder. Poder para subjugar a natureza rude e empobrecida; poder para avivar o pensamento e despertar compaixão, para promover a harmonia de ação e banir a tristeza e os maus pensamentos, os quais destroem o ânimo e debilitam o esforço. O canto é um dos meios mais eficazes para impressionar o coração com as verdades espirituais” (Educação, p. 166). Por isso, precisamos nos familiarizar com a boa música. Sua influência é poderosa em nosso dia a dia e também será nossa expressão de adoração no Céu. O livro do Apocalipse apresenta sete cânticos que usaremos ao chegarmos ao Céu para louvar e adorar Jesus, o único que é digno. O primeiro destaca a adoração (4:8-11). Somente o Senhor é digno de toda honra, glória e poder. O segundo exalta a missão redentora de Jesus Cristo (5:8-14). O terceiro apresenta o louvor dos redimidos a Deus e ao Cordeiro pela salvação (7:9-12). O quarto é o cântico da vitória, quando uma multidão inumerável louva a Deus como justo Juiz (11:15-17). O quinto é um novo cântico, entoado por seres celestiais diante do trono de Deus, e apenas os 144 mil podem compreendê-lo (14:1-3). O sexto destaca a poderosa intervenção de Deus em favor de Seu povo por ocasião do Êxodo e da conquista de Canaã (15:2-4). É o cântico de Moisés e do Cordeiro, pois, como Moisés, Cristo é o grande libertador de Seus filhos. Ele nos libertou do pecado, um cativeiro muito mais humilhante do que a escravidão do Egito. O sétimo é ​entoado pelo grande coro celestial que exalta a Deus por dar retribuição definitiva à Babilônia espiritual (19:1-8). Em breve, o grande conflito estará terminado, e poderemos celebrar: “As tribulações e lutas chegaram ao fim. Cânticos de vitória enchem todo o Céu, enquanto os remidos entoam o jubiloso coro: “Digno é o Cordeiro que foi morto” (Ap 5:12) e que vive outra vez, como “triunfante vencedor” (Atos dos Apóstolos, p. 602). Mantenha sempre os cânticos do Céu em seu coração, especialmente aqueles que exaltam a Jesus, fortalecem a jornada para a vida eterna e renovam a esperança.


DOMINGO

9 DE JUNHO

Reavivamento e reforma Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra? Lucas 18:8

Deus está levantando um forte movimento de reavivamento e reforma, que está despertando nossa igreja em todo o mundo. Sem dúvida, como disse Ellen White, “um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e mais urgente de todas as nossas necessidades. Buscá-lo deve ser nossa primeira ocupação” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 212). É tempo das grandes ações do Espírito Santo, as primeiras gotas da chuva serôdia. Precisamos ter a visão correta sobre esse tema. Não podemos permitir que, enquanto a igreja vai sendo despertada, o inimigo semeie desequilíbrio e divisão. Precisamos da sabedoria do Céu para permanecer alinhados à visão divina de reavivamento e reforma. Vejamos cinco aspectos essenciais: 1. É um movimento de busca a Deus na primeira hora de cada dia. Esse não é um movimento reservado a programas ou pregadores especiais. É um movimento de encontro pessoal com Deus todas as manhãs e ao longo do dia. 2. É um movimento com base sólida. A Bíblia precisa ser destacada em todo esse movimento, que não é baseado no que sentimos, mas em como reagimos. O verdadeiro despertamento leva a igreja de volta à Bíblia, à mensagem original e às orientações de Deus. 3. Deve ser encarado com equilíbrio. É preciso ser prudente ao tratar do assunto, pregá-lo, ou mesmo julgar o envolvimento das outras pessoas. O resultado natural do reavivamento é profundo amor a Deus, a Sua Palavra e a outras pessoas, nunca promovendo crítica e desunião. 4. O verdadeiro reavivamento leva à reforma. Vai além de um forte movimento de comunhão. O reavivamento produz reforma em nossa alimentação, músicas, aparência pessoal, amizades, vocabulário, temperamento, diversões, enfim, em toda a vida. 5. As consequências imediatas do reavivamento são a unidade e o cumprimento da missão. Membros reavivados são amorosos, buscam a felicidade e salvação de seus irmãos e não perdem nenhuma oportunidade para testemunhar de nossa esperança na breve volta de Jesus. O verdadeiro reavivamento produz uma vida renovada e alinhada com a vontade de Deus. Não existe reavivamento sem reforma. Permita que Deus reavive sua vida, família e igreja e experimente a reforma que o Espírito fará em você e por meio de você.


SEGUNDA

10 DE JUNHO

A melhor solução Disse o Senhor: Quem é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor confiará os seus conservos para dar-lhes o sustento a seu tempo? Lucas 12:42

“A partir de hoje, não devolvo mais meu dízimo!” Essa foi a frase que ouvi de um membro da igreja certa vez. Tentando entender o porquê da atitude tão drástica, imaginei o pior dos cenários. Porém, fiquei surpreso quando ele me disse que tudo aconteceu porque estava insatisfeito com o modo pelo qual era realizada uma das partes do culto de sábado e pediu ao pastor que a modificasse. Como seu pedido não foi atendido, resolveu partir para o ataque, usando o dízimo. Fiquei pensando: “Por que algumas pessoas tomam esse tipo de atitude?” Esse tema é muito mais sério do que alguns imaginam e vai além das relações pes- soais abaladas, amizades desfeitas, pessoas desvalorizadas, ações imprudentes ou mesmo equivocadas. Qualquer atitude, mesmo que por motivos aparentemente justificáveis, que atinja a “menina dos olhos de Deus”, é tomada contra o próprio Deus. Isso é sério! Lembre-se de que “fraca e ​defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre o qual Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção” (Atos dos Apóstolos, p. 12). A igreja é como um grande hospital. Por isso mesmo precisamos aprender a conviver com diversos problemas. Não podemos nos conformar com certas situações, mas precisamos saber administrar tudo isso com espírito cristão. A graça que recebemos de Deus é a mesma que precisamos oferecer às pessoas. Veja que exortação solene: “Aproximamo-nos do fim do tempo. Muitas serão as provações de fora, mas não permitam que venham de dentro da igreja” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 187). Ao surgir qualquer problema, procuremos resolvê-lo com oração e espírito amorável, nunca permitindo que o egoísmo nos leve a conflitos que venham a afetar a igreja, ofender a Deus e enfraquecer a força de nossa missão. “Não há coisa alguma que Satanás tema tanto como que o povo de Deus desimpeça o caminho mediante a remoção de todo impedimento, de modo que o Senhor possa derramar Seu Espírito sobre uma enfraquecida igreja” (Eventos Finais, p. 192). O chamado é claro: “Deem os crentes ouvidos à voz do anjo que disse à igreja: ‘Estejam unidos!’ Na união está a sua força” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 69). Essa é sempre a melhor solução para qualquer problema.


TERÇA

11 DE JUNHO

Seja uma bênção O Senhor, porém, era com José. Gênesis 39:21

A história de José é intrigante. Tinha tudo para dar errado, mas deu certo. Você pode imaginar um filho protegido e despreparado, sendo vendido como escravo? Certamente ele não teria estrutura para enfrentar o cativeiro. Um irmão rejeitado por quase todos os demais? Deveria ser emocionalmente fragilizado e sem condições de viver longe de casa. Um homem com desejo de vingança e com os traidores totalmente em suas mãos? Era sua chance de pagar com a mesma moeda. No entanto, Deus transformou cada fragilidade dele em força. Onde José chegava, as bênçãos apareciam. Afinal, não era a história de José, mas a de Deus atuando por meio de Seu servo. Quando José chegou à casa de Potifar, tudo começou a prosperar. Foi injustamente para a prisão, mas sua presença transformou a cadeia. Ainda jovem, tornou-se governador do Egito, e todo o país foi abençoado. O patrimônio se multiplicou, e os depósitos ficaram abarrotados. Quando sua família chegou em busca de alimento, também foi abençoada. Encontraram não apenas comida, mas libertação e proteção. O que haviam perdido foi restaurado. A vida de José era uma bênção porque o Senhor era com ele (Gn 39:21). Mesmo em meio à traição, mentira, prisão e fome, Deus o usava para abençoar. Você também pode levar Jesus a qualquer lugar e ser uma bênção. Que influência está exercendo em sua escola, trabalho, família, cidade ou igreja? Quando você chega, o ambiente fica melhor, as coisas se harmonizam, as soluções aparecem e todos reconhecem que Deus está a seu lado? A igreja também precisa ser uma bênção. Como a comunidade nos vê? Ela é melhor por estarmos ali? Pelo que somos mais conhecidos? Pelos carros que estacionamos em frente à casa dos vizinhos, pelo barulho de nossos programas, por sermos um povo que não trabalha aos sábados ou por termos espiritualidade profunda e verdade coerente? Ellen White diz: “Por intermédio de Seu povo hoje, Deus deseja trazer bênçãos ao mundo. Todo obreiro em cujo coração Cristo habita, todo aquele que manifeste Seu amor ao mundo é um colaborador de Deus para bênção da humanidade” (Testemunhos Para a Igreja, v. 6, p. 227). Que influência sua vida e sua igreja têm exercido? Mais do que palavras, as pessoas querem reconhecer sua religião pelas bênçãos que ela compartilha.


QUARTA

12 DE JUNHO

Amar é doar Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16

Em muitos lugares o dia de hoje é dedicado a exaltar o amor. Por isso, esta data pode ser uma boa oportunidade para avaliar de que maneira estamos construindo nossos relacionamentos. A Bíblia é fundamental na tarefa de edificar relacionamentos felizes e que resistam à prova do tempo. Apesar de não ser específico para casais, o verso de hoje pode ajudar a salvar namoros, casamentos e até outras relações sociais. Essa passagem das Escrituras tem um conselho e uma lembrança preciosos. O conselho: amor é doação. A lembrança: só Deus é a fonte do amor verdadeiro. Para Deus, amar de verdade é doar, não receber. Alguém certa vez disse que “amor verdadeiro é fazer o outro feliz, mesmo que você não faça parte dessa felicidade”. É isso mesmo. Amar não é ser beneficiado sempre, mas fazer o outro feliz e, na felicidade dele ou dela, encontrar a própria felicidade. Esse amor não é normal nem natural, vem apenas de Deus. Ele é a fonte. Ele amou sem receber nenhuma retribuição. Por isso, só Ele é capaz de dar condições de amar e oferecer, sem garantias ou cobranças. É fácil de entender essa realidade quando comparamos os dois tipos de amor. O primeiro é o amor altruísta. É o amor que dá, busca o bem-estar do outro, move as maiores ações de solidariedade e também as mais profundas expressões de afeição. É o amor Daquele que deu a vida na cruz mesmo sendo injustiçado e maltratado. É o amor que perdoa, tolera e tenta mais uma vez. É o amor que não desiste e acredita que sempre pode haver uma nova oportunidade para ser feliz. O segundo é o “amor” falso, egoísta. É o sentimento que deseja receber cada vez mais. Cobra, exige, reivindica, critica. É o “amor” do eu. O pai desse sentimento é o mesmo que disse: “Eu subirei ao Céu, eu serei como Deus, eu, eu, eu...” (ver Is 14:12-14). Para Ellen White: “A causa da divisão e da discórdia na igreja e na família é a separação de Cristo” (O Lar Adventista, p. 179). Quando Deus é deixado de lado, o inimigo assume o comando, e os danos começam a aparecer. Quer ter um relacionamento feliz? Busque ao Senhor e se preocupe em oferecer e não em receber. Deus sempre cuidará do resto.


QUINTA

13 DE JUNHO

Escolhas Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Filipenses 4:11

Minha esposa, Adriene, é meu grande apoio na liderança e no ministério. Depois de quase 27 anos de casamento, seu carinho, compromisso e consagração continuam fazendo uma grande diferença em minha vida. Por isso, hoje é ela quem escreve para você: A vida é feita de escolhas. Algumas são simples, e outras, bem complicadas; pequenos erros podem criar grandes problemas. Por isso, não podemos abrir mão do apoio e orientação de Deus a cada dia. Quando nos mudamos para Brasília, éramos bem jovens, e nosso filho, Matheus, tinha apenas três anos de idade. Eu sabia que a vida seria bem diferente, pois meu marido viajaria muito. Os primeiros meses não foram fáceis, porém uma vizinha, mais experiente, me deu um conselho que fez muita diferença. Ela me disse que estava em minhas mãos escolher entre lamentar e ser feliz. A partir daí, decidi ser feliz em qualquer situação. A felicidade é uma escolha. Ela não acontece por acaso nem garante apenas bons momentos. É construída quando nos conectamos diariamente com a Fonte de toda a alegria. Em minha vida, os momentos na presença de Deus são renovadores. Construí o hábito de dedicar tempo especial à oração, ao estudo da Bíblia, do Espírito de Profecia e dos materiais devocionais da igreja todos os dias. Essa escolha tem resultado em força de Deus para enfrentar os desafios do dia e me feito feliz e realizada. Quando meu filho tinha três anos de idade, precisei tomar uma importante decisão profissional. Sou enfermeira e, logo que chegamos a Brasília, comecei a trabalhar em um novo emprego. Meu horário era flexível, mas as atividades foram se intensificando. Comecei a sentir que isso estava prejudicando a educação do Matheus. Orei por alguns meses e decidi deixar o emprego para me dedicar totalmente aos cuidados dele. Algum tempo depois, Deus nos presenteou com nossa filha Mariana, para quem decidi dar também a mesma atenção. Diariamente fazemos escolhas, e algumas não são fáceis. Por isso, quero convidar você a fazer a melhor de todas: ser feliz apesar de qualquer situação. Isso só será possível ao lado de Cristo, o doador da verdadeira felicidade. Com Ele, você poderá “viver contente em toda e qualquer situação.”


SEXTA

14 DE JUNHO

Salvo pelo irmão Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida pelos seus amigos. João 15:13

A notícia publicada no dia 9 de janeiro de 2018, no site da rede britânica de notícias BBC, era impressionante: “Gêmeo doa metade da pele para salvar irmão que teve queimaduras em 95% do corpo.” O francês Franck Dufourmantelle, de 33 anos, manipulava materiais químicos perigosos na fábrica onde trabalhava, em setembro de 2016, quando, de repente, houve uma explosão. Ele chegou ao hospital com 95% do corpo queimado e tinha menos de 1% de chances de sobreviver. No entanto, o prognóstico dado pelos médicos mudou tão logo descobriram que ele tinha um irmão gêmeo, Eric. Ele doou a própria pele para um ousado transplante que salvou a vida do irmão. Franck contou à imprensa francesa que seu irmão “se recusou a aceitar” que ele tinha poucas chances. “Foi Eric quem disse aos médicos que queria me doar sua pele.” Uma semana depois do acidente, Eric teve pela primeira vez sua pele transplantada ao irmão. Foram ao todo dez cirurgias para implantar enxertos de pele nos quatro meses e meio que passou internado. Ele recebeu finas camadas de pele do couro cabeludo, costas e coxas de Eric; cada uma com cinco a dez centímetros de largura. No total, Eric doou metade de sua pele a Franck. “Não fiz isso por desespero, mas para termos esperança”, disse Eric, que não se importa com as marcas deixadas em seu corpo pelo procedimento. “O que eu fiz não se compara com o que meu irmão passou. Para mim, foi como um grande arranhão. Minha pele cicatrizou.” No início de 2017, Franck deu seus primeiros passos. Hoje, ele faz tratamento em um centro de reabilitação, onde se exercita todos os dias para ​recuperar totalmente seus movimentos, que ainda são limitados. Seu coração transborda de gratidão: “A pele do meu irmão agora é a minha. Foi um gesto de amor. Devo minha vida a ele. Meu irmão é meu herói.” Histórias como essa sempre nos ajudam a entender melhor o sacrifício de Cristo. Por mais impressionante que tenha sido a atitude de Eric, ela revela apenas parte do “maior amor”, que Cristo revelou na cruz. Jesus não ofereceu apenas a pele, mas entregou a vida por nós e leva no corpo as marcas que durarão por toda a eternidade. Aceite o sacrifício de Jesus por você e viva para compartilhar a mensagem de que há esperança disponível para todos aqueles que desejam.


SÁBADO

15 DE JUNHO

Resgatando nossa missão Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes Daquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz. 1 Pedro 2:9

Vivemos dias complexos. As pressões do liberalismo, conservadorismo, pós-modernismo, egoísmo e outros “ismos” têm, muitas vezes, consumido a atenção e a energia da igreja e de seus líderes. O mundo está complicado, as pessoas estão confusas, e as instituições, em crise. Como a igreja deve enfrentar essa situação? Nossa única saída é recordar permanentemente a razão pela qual existimos. O verso de hoje é bem claro sobre o propósito da igreja. Deus nos chamou para usar tudo o que somos e temos no cumprimento da missão de anunciar a salvação em Cristo Jesus. Não fomos organizados como igreja para nos entreter, construir lindos edifícios, concorrer com outras denominações nem para qualquer outra razão que não seja cumprir a missão de ser testemunhas vivas do Senhor. Um conhecido pregador afirmou: “Deus não mandou que os pecadores busquem a igreja, mas que a igreja busque os pecadores”. Essa missão é tão clara que devemos colocar todo o entusiasmo em sua realização. Na verdade, podemos afirmar que a igreja não tem uma missão, mas a missão tem uma igreja. Deus tem uma missão no mundo, e a igreja foi o meio que Ele decidiu utilizar para cumpri-la. Mas que missão é essa? Fomos chamados para preparar um povo para o encontro com o Senhor. Isso envolve: (1) os que já estão dentro da igreja e precisam ser fortalecidos espiritualmente para que se multipliquem; (2) os que ainda estão fora e devem ser alcançados por meio do testemunho dos que já aceitaram o Salvador. Precisamos confirmar os de dentro e conquistar os de fora. Como igreja, precisamos trabalhar para que nossos encontros, viagens, investimentos, ambientes, comissões e tudo o que temos e fazemos esteja voltado para cumprir a missão. Com o passar do tempo, corremos o risco de entrar em uma rotina formal, de nos acomodarmos com o que deu certo no passado e, assim, perder o objetivo principal. Como igreja, precisamos ser executores, promotores e defensores da missão que Deus nos deu. Afinal, Jesus só voltará em nossa geração se nos mantivermos fiéis ao propósito de nosso chamado.


DOMINGO

16 DE JUNHO

O Construtor da família Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam. Salmo 127:1

No livro Como Ser um Herói Para Seus Filhos, Josh McDowell e Dick Day sugerem seis princípios que podem ajudar tremendamente os pais a serem bem-sucedidos no processo de educação: aceitação, apreciação, afeição, disponibilidade, responsabilidade e autoridade. Eles fazem uma grande diferença quando aplicados de forma equilibrada e responsável. Para que esses princípios possam dar o melhor resultado, os pais precisam oferecê-los combinando as orientações certas e o exemplo adequado. A parte mais fácil tem a ver com as palavras, ensinamentos e conselhos. É sempre mais fácil falar e teorizar. O desafio está no exemplo pessoal. Se você é capaz de viver, está apto a ensinar. Se você pratica, vai inspirar os filhos a também praticar. Afinal, como diz um conhecido ditado: “A fruta nunca cai longe do pé.” Sempre que pergunto a jovens fiéis e bem-educados o que seus pais fizeram para que eles fossem assim, escuto pouca coisa sobre conselhos e muita coisa sobre exemplos de vida. O exemplo sempre fala mais alto do que as palavras. Por isso, viva de forma que, quando seus filhos pensarem em fidelidade, justiça, honestidade, generosidade e integridade, lembrem-se de você e copiem seus passos. No entanto, há um princípio maior: “Se o Senhor Deus não edificar a casa, não adianta nada trabalhar para construí-la” (Sl 127:1, NTLH). A sociedade, a escola e a igreja têm um papel importantíssimo na transmissão de valores, mas se “o Senhor não edificar a casa”, todos os esforços darão pouco resultado. Outra vez a atitude dos pais faz toda a diferença. “Pela sincera e fervorosa oração, os pais devem construir um muro em torno dos filhos” (Conselhos Para a Igreja, p. 152). Quando fazem isso, eles “cooperam com Deus, e Deus coopera com eles na salvação da alma das crianças pelas quais Cristo morreu” (O Lar Adventista, p. 317). Deus só vai atuar na educação dos filhos se estiver ativo no coração dos pais. Por isso, o pedido do Senhor é: “Trabalhem como se fosse para salvar a própria vida e para salvar seus filhos de serem afogados nas influências contaminadoras e corruptoras do mundo” (Orientação da Criança, p. 309). Permita que Deus seja o grande educador. Use as palavras com sabedoria e faça de seu exemplo uma lição de coerência.


SEGUNDA

17 DE JUNHO

Portas abertas Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; [...] com poder e muita glória. Mateus 24:30

O uso de caixas eletrônicos se tornou comum em muitos países. Esse recurso facilita a vida e confere agilidade aos processos bancários. Em 1969, foi inaugurado o primeiro caixa eletrônico do Chemical Bank, em Nova York. Um mês antes da data, o anúncio da inauguração era muito curioso e dizia: “No dia 2 de setembro, nosso banco abrirá às 9 horas e não fechará nunca mais.” Uma adaptação dessa mensagem poderia se aplicar muito bem à nossa esperança. Esperamos o momento quando as portas do Céu se abrirão para nunca mais se fecharem para os salvos. Ellen White conta em detalhes o momento em que será dado o ponto de partida para a eternidade. Vale a pena deixar que ela mesma descreva: Surgirá “no Oriente uma pequena nuvem negra, aproximadamente da metade do tamanho da mão de um homem. É a nuvem que rodeia o Salvador, e que, a distância, parece estar envolta em trevas. O povo de Deus sabe ser esse o sinal do Filho do Homem. Em solene silêncio fitam-na enquanto se aproxima da Terra, mais e mais brilhante e gloriosa [...]. Jesus, na nuvem, avança como poderoso vencedor. [...] “Nenhuma palavra humana pode descrever esta cena, mente mortal nenhuma é apta para conceber seu esplendor. [...] As nuvens começam a ​enrolar-se como um pergaminho [...]. Ouvem-se sons musicais, e, à medida que se aproximam, abrem-se as sepulturas, e os mortos são ressuscitados. [...] Por todo o comprimento e largura da Terra, os mortos ouvirão aquela voz, e os que ouvirem viverão. E a Terra inteira ressoará com o passar do exército extraordinariamente grande de toda nação, tribo, língua e povo” (Eventos Finais, p. 274-276). Esse momento será emocionante. Está cada vez mais perto o dia em que “aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem” e as portas da eternidade se abrirão para nunca mais fecharem. Enquanto isso, somos chamados a “esperar, vigiar, trabalhar, orar, advertir o mundo – este é o nosso trabalho” (Evangelismo, p. 219). Em breve, Jesus vai voltar. Prepare-se para esse momento e divulgue a mensagem de que a porta da graça ainda está aberta. Quem passar por ela em tempo terá livre e eterno acesso às portas do Céu.


TERÇA

18 DE JUNHO

Sonhadores E dizia um ao outro: Vem lá o tal sonhador! Gênesis 37:19

José era o filho preferido de Jacó. Afinal, ele nasceu quando o pai tinha 91 anos de idade, e depois de uma espera de 27 anos por um filho de sua amada Raquel. Certamente seu nascimento foi uma ocasião especial para a família. Além do fato de ser o preferido do pai, José era um sonhador. Essa combinação criou muitos problemas para ele em casa. Contou à família que tinha sonhado com uma colheita em que os feixes de seus irmãos se curvavam diante do feixe dele (Gn 37:7), e depois com o Sol, a Lua e as estrelas também fazendo o mesmo (Gn 37:9). Esses sonhos mudaram a vida de José. A princípio, os sonhos lhe criaram tantos problemas que os próprios irmãos quiseram matá-lo, mas acabaram vendendo-o como escravo. Quando foi ​visitá-los em Siquém, de longe, já o reconheceram como “o sonhador”. Porém, eles tinham se esquecido de que é possível até acabar com um sonhador, mas nunca destruir seus sonhos. Tempos depois, os sonhos o livraram da prisão, fazendo de José não apenas um líder poderoso, mas o salvador da própria família. Quando os sonhos vêm de Deus, eles sempre se cumprem. Onde estão os sonhadores de hoje? Em Joel 2:28 e Atos 2:17, está revelada a promessa de que o Espírito Santo despertará sonhadores e visionários nos últimos dias. Essa profecia começou a se cumprir no Pentecostes e na igreja apostólica. Os medrosos se tornaram corajosos, os tímidos se tornaram ousados, os fracos ficaram fortes e os incultos se tornaram sábios. Foi assim também no início da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Deus levantou Ellen White, uma jovem com pouco estudo, e Tiago White, um jovem pregador. Ela era tão sonhadora que chegou a pegar dinheiro emprestado em banco para comprar propriedades para futuros hospitais da igreja. Ele trabalhou na colheita a fim de conseguir recursos para imprimir literatura. Com essa visão sonhadora, Tiago e Ellen criaram a base do que o historiador George Knight chama de “o quadrilátero adventista”: igrejas, educação, publicações e saúde. Transformaram o “pequeno rebanho” em um movimento mundial, estabelecido em 216 países e 21 milhões de membros. O Espírito Santo levanta sonhadores e visionários para fazer a causa de Deus prosperar. Seja você um deles, pois o tamanho de um homem é medido pelo tamanho dos seus sonhos.


QUARTA

19 DE JUNHO

Multiplicando os talentos Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. Mateus 25:19

A parábola dos talentos é apresentada no contexto de Mateus 24 e 25. Esses capítulos revelam o cenário que antecederá a volta de Jesus. Alguns aplicam essa parábola ao uso dos dons, outros ao dinheiro, mas ela tem a ver, essencialmente, com um negócio deixado nas mãos de um grupo de servos. O senhor entregou cinco talentos a um, dois a outro e apenas um para o último. Deu a “cada um segundo a sua própria capacidade” (Mt 25:15). Ao final, proferiu uma bênção especial aos que os multiplicaram e uma dura maldição ao que apenas manteve o que recebeu. Essa mensagem está relacionada ao cumprimento da missão nos eventos finais. O contexto em que ela ocorre aponta para nossa esperança futura. Para reafirmar isso, Cristo usa a expressão “voltou o Senhor” (Mt 25:19). Essa referência indireta a Seu retorno à Terra aponta para posturas distintas em relação à pregação do evangelho que se manifestarão na igreja próximo à volta de Jesus. Jesus nos entregou o negócio da multiplicação de pessoas para Seu reino. É nosso dever participar dessa obra, e a omissão não é uma opção para os mordomos do Senhor. Para multiplicar a igreja, precisamos que o poder do Espírito Santo nos mantenha concentrados na missão, apaixonados por ela e comprometidos com a parte que nos cabe. Nosso chamado não é para manter, mas para multiplicar a igreja do Senhor. Temos entre nós os que multiplicam e aqueles que apenas mantêm. Aqueles que representam o servo negligente não se envolvem, não vibram nem cumprem a missão. Há outros que tentam fazer isso, mas aplicam zelo equivocado. Em igrejas de gente assim, não ocorre multiplicação, mas divisão. A multiplicação é um processo simples. Cada um faz sua parte, e o resultado aparece. Se cada adventista levasse apenas uma pessoa ao batismo a cada ano, em nove anos poderíamos batizar todos os habitantes dos países que compõem a Divisão Sul-Americana. Não seria maravilhoso? Ellen White nos diz: “Devemos trabalhar segundo o plano da adição, e o Senhor operará segundo o plano da multiplicação” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 379). Faça a sua parte, e Deus multiplicará o número dos salvos.


QUINTA

20 DE JUNHO

Além do sofrimento Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós. Romanos 8:18

A vida do apóstolo João foi intensa. Ele passou por uma grande transformação: de “filho do trovão” (Mc 3:17) tornou-se “discípulo amado” (Jo 19:26). Nos momentos finais da vida de Cristo, esteve ao lado do Senhor. Foi o que mais viveu entre os apóstolos, acompanhando inclusive a destruição do templo e de Jerusalém. Ele tinha muitas histórias para contar. Durante a perseguição, ele foi uma forte ajuda a seus irmãos. Ellen White destaca: “Quando a fé dos cristãos lhes parecia vacilar sob a feroz oposição que eram forçados a enfrentar, o velho e provado servo de Jesus lhes repetia com poder e eloquência a história do Salvador crucificado e ressurgido” (Atos dos Apóstolos, p. 568). Por conta de seu amor a Cristo e de seu zelo missionário, João despertava o ódio dos opositores. Os inimigos do povo de Deus acreditavam que, se calassem o apóstolo, colocariam um ponto final no avanço dos cristãos. Conseguiram formalizar uma denúncia contra ele e o levaram a Roma. Diante de um tribunal parcial, provas mentirosas foram expostas, e o servo de Deus foi condenado à morte. Contrariando a lógica, o caldeirão de óleo fervente não foi seu fim. Ellen White compara o livramento que ele recebeu ao dos três jovens hebreus (ver Atos dos Apóstolos, p. 570). Seus perseguidores, porém, não desistiram e o exilaram em Patmos para ser silenciado. No entanto, foi ali que o idoso apóstolo escreveu o Apocalipse, livro que tem fortalecido a esperança da igreja ao longo dos séculos. Naquela ilha árida, João “recebeu do Céu mais comunicações que durante todos os anos anteriores de sua vida” (ibid., p. 573). Em Patmos, João “fez amigos e conversos. Sua mensagem era de alegria, proclamava um Salvador ressurreto, que no Céu intercedia por Seu povo até que pudesse retornar e tomá-lo para Si mesmo” (ibid.). Quando tudo parecia acabado para João, Deus projetou os olhos de Seu servo para o futuro e conferiu a ele a maior bênção de sua vida. Em meio às provações do exílio, ficou claro para João que “os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós” (Rm 8:18). Como o discípulo do amor, enxergue além do sofrimento e veja a mão de Deus por trás de tudo. Permita que Ele revele Sua mensagem de esperança e transforme suas aparentes derrotas em bênçãos sem medida.


SEXTA

21 DE JUNHO

O pecado não compensa Pode alguém andar sobre brasas sem queimar os pés? Provérbios 6:28, NVI

O pecado nunca se apresenta como realmente é. Como a isca de um anzol, é atrativo, mas mortal. A interação humana com ele respeita a lei da ação e reação: quem brinca com fogo ou anda sobre brasas vai acabar se queimando no fim. A vida de Sansão mostra isso claramente. Seu nome deriva da palavra “sol”. Ele foi chamado para fazer o povo do Senhor voltar a brilhar. Deus o cercou de muitos privilégios. Dedicado desde o ventre de sua mãe, era um nazireu dotado de uma força extraordinária. Foi chamado para ser juiz e libertador de Israel. Entretanto, ele brincou com o pecado. Achou que podia seguir a própria lógica e subestimou as consequências de seus atos. Começou com um brilho forte, mas foi perdendo força até terminar quase apagado. Tornou-se um sol sem resplendor. Sansão tinha tudo para dar certo, mas sua história foi um fracasso. Por quê? Ele perdeu a noção da verdadeira fonte de seu poder, ignorou as orientações divinas e deixou que o coração definisse seu comportamento. Terminou humilhado e experimentou o resultado daqueles que brincam com o pecado. Ficou cego e não conseguia mais enxergar sua real condição, porque seus olhos foram vazados. Literalmente, passou a andar em círculos, rodando um moinho de trigo como escravo. Tornou-se motivo de piadas e perdeu completamente a dignidade. Em um ato de desespero, ainda tentou ​recuperar o plano original do Senhor; mas, para isso, teve que sacrificar a própria vida. Tudo poderia ter sido diferente. O pecado não compensa. Oferece um minuto de prazer, mas cobra uma vida de sofrimento. Como alguém disse: “Suas correntes são suaves demais para serem sentidas até que se tornem grandes demais para que sejam quebradas.” Porém, Deus não desiste de nenhum daqueles que escolheram “andar sobre brasas” e brincar com o pecado. Ellen White afirmou: “Ninguém, pois, considere incuráveis os seus defeitos. Deus dará fé e graça para vencê-los” (O Grande Conflito, p. 489). Se você está sendo tentado, não se iluda com as ofertas mentirosas do inimigo. Fuja dele enquanto há tempo! Se você caiu e está experimentando as amargas consequências de seu erro, receba o perdão divino e abandone o pecado. Compensa servir a Jesus!


SÁBADO

22 DE JUNHO

Cuide dele Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Lucas 10:35

A rivalidade entre judeus e samaritanos era tremenda. Os ânimos se exaltavam tanto que não havia limites para defender os interesses pessoais e nacionais. Porém, Jesus veio também para quebrar essa inimizade e aproximar os dois povos. A história do bom samaritano foi importante para isso. Contada como parábola, na verdade era “uma ocorrência verídica, que se sabia ser tal qual era apresentada. O sacerdote e o levita que tinham passado de largo se encontravam entre o grupo que escutava as palavras de Cristo” (O Desejado de Todas as Nações, p. 499). Jesus contou de um homem que descia de Jerusalém para Jericó, quando foi violentamente assaltado e abandonado no caminho. Um sacerdote e um levita passaram, olharam, mas não ofereceram ajuda. Ellen White relata: “Todo o Céu observava para ver se o coração desses homens seria tocado de piedade pela desgraça humana” (ibid., p. 500). No entanto, apenas um samaritano, filho de um povo inimigo, cuidou do ferido, levou-o até uma hospedaria e pagou a conta de seu cuidado. Em realidade, Jesus é representado pelo bom samaritano (ibid., p. 503). O ferido simboliza aqueles que o Senhor coloca em nosso caminho precisando de ajuda. Eu e você somos o hospedeiro, a quem o ferido foi entregue. Dessa forma dá para entender melhor as palavras do verso bíblico de hoje, em que o Senhor oferece uma missão, uma condição e Sua retribuição. “Cuide dele” é nossa missão. O Senhor não nos entregou programas para realizar, prédios para construir ou projetos para executar, mas pessoas para cuidar. Afinal, Ele veio por pessoas, morreu por pessoas e voltará para buscar apenas pessoas. “Dois denários” são os recursos para cumprir essa missão. O Senhor não nos pede uma obra para a qual não tenha dado os meios. “Tudo que gastares a mais, eu te pagarei quando voltar” é nossa grande retribuição. Muitas vezes, a missão é extrema, e a provisão parece limitada, mas a obra vale qualquer sacrifício. Se o preço for alto demais, o Senhor nos garante a justa recompensa quando voltar. Cuide dos “feridos” do bom samaritano Jesus, e Ele dará a você a justa retribuição.


DOMINGO

23 DE JUNHO

Riscos e oportunidades Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. Filipenses 4:8

A velocidade da popularização da internet chama a atenção. Enquanto o rádio demorou 38 anos para se tornar uma mídia de massa, e a TV levou 13 anos, a internet precisou de apenas quatro. Além disso, ela está acessível em toda a parte. O número de usuários está na casa dos bilhões: quase 45% dos habitantes do planeta, e a maioria, por meio de celulares. São pessoas que, provavelmente, passarão 10% da vida navegando nas redes sociais. Em pouco tempo, a internet se tornou uma revolução, mas ainda divide opiniões. Como deveríamos nos relacionar com o mundo virtual? Fugir dos riscos ou encarar as oportunidades? Nosso desafio não é evitá-la, mas aprender a ​usá-la corretamente, sempre para edificar e nunca ferir a nós mesmos e aos outros. As oportunidades são muitas e fáceis de identificar. Quando bem usada, a internet aproxima as pessoas, quebrando barreiras de cultura e lugar. Facilita a pregação do evangelho, fala a linguagem das novas gerações e acompanha a velocidade do mundo. Por isso, a igreja tem se inserido nos meios digitais e aproveitado essas oportunidades para o cumprimento da missão. No entanto, a internet apresenta graves riscos que precisam ser evitados para não comprometer a pureza, o equilíbrio e a própria salvação. O maior deles é o do conteúdo impróprio, tão acessível e que facilita o caminho para as tentações mais perigosas. Outros riscos incluem o excesso de distração, que rouba o tempo e atrapalha a concentração na comunhão com Deus; a exibição pessoal, revelada por meio das intermináveis selfies e da superexposição da vida pessoal; o isolamento social, que cria um mundo irreal e nocivo; e as opiniões apressadas, desinformadas e agressivas, que provocam crises desnecessárias, machucando pessoas e mostrando uma maldade que pode vir de alguém que usa até o nome de Deus para ferir. Não permita que a internet seja um risco para sua vida, levando você à própria perdição. Utilize-a como uma ferramenta para pregar na velocidade exigida pelos últimos acontecimentos antes de volta de Cristo.


SEGUNDA

24 DE JUNHO

Preparando o caminho Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. João 1:8

O evangelho de João relata as histórias mais conhecidas e tocantes de Jesus. Esses relatos influenciaram muito a igreja cristã. A obra omite alguns momentos marcantes da vida de Cristo, como o batismo, a transfiguração, o Getsêmani e a cura de endemoniados. Também não há nenhuma das parábolas apresentadas pelos demais evangelhos. A ênfase de João é apresentar Jesus como o Filho de Deus. Por isso, a palavra “crer” é usada mais de 100 vezes. O evangelho enfatiza de modo especial o sacrifício do Filho de Deus. A primeira metade do livro, dos capítulos 1 a 11, apresenta os três anos e meio do ministério de Cristo e registra sete milagres em ordem de importância. Começa com as bodas de Caná e termina com a ressurreição de Lázaro. A segunda metade, dos capítulos 12 a 21, concentra-se basicamente nos três dias e meio que envolveram a prisão, morte e ressurreição de Jesus. Os sinóticos apresentam Jesus como Messias de maneira indutiva. Porém, o evangelho de João tem uma abordagem direta. O primeiro verso aponta para o começo do começo: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.” Refere-se a uma mensagem anterior ao que está relatado em Gênesis 1:1, pois fala de um tempo antes do princípio do mundo. Ainda no primeiro capítulo, João faz uma quebra inesperada em sua narrativa. Começa a falar de João Batista e, apenas nos versos 10 a 14, volta a falar do Verbo. Mas quem era João Batista? Um homem com uma tríplice missão: pregar, batizar e discipular. Ele tinha um objetivo principal: preparar o caminho para a vinda de Jesus. A quebra no relato de João sobre o Verbo era uma forma de dizer o seguinte: a mensagem é divina, mas ela ganha força com um mensageiro humano. Ou seja, a salvação veio do Verbo, mas a pregação veio do servo. O centro é a história do Filho de Deus sendo enviado para salvar o ser humano, mas foi contada por um homem enviado para preparar o caminho do Filho de Deus. O ministério de Deus sempre envolve o ministério humano. Assim como Deus usou João Batista para preparar a primeira vinda de Jesus, hoje Ele conta conosco para preparar a segunda vinda do Senhor. Coloque sua vida a serviço dessa missão, e o Verbo escreverá, por meio de você, outras histórias de salvação.


TERÇA

25 DE JUNHO

Missionários Pela fé, Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e partiu sem saber aonde ia. Hebreus 11:8

No início de 2015, a Igreja Adventista na América do Sul se uniu para enviar 25 famílias de missionários a alguns dos lugares mais desafiadores do mundo. Normalmente não divulgamos seus nomes ou regiões onde estão, por uma questão de segurança. Uma das famílias, como Abraão, aceitou o chamado para o campo missionário sem saber para onde iria, até receber a informação de que seu novo campo de trabalho seria o Iraque. Eles estão no país de maneira oficial e, por isso, posso mencioná-los por nome. Everson e Jaqueline, ambos filhos de pastores, aceitaram o desafio de ir para a cidade de Erbil. Eles têm realizado um lindo trabalho lá. Iniciaram com contatos pessoais e reuniões de pequenos grupos em sua casa, tentando recomeçar uma igreja na cidade. Hoje já temos um templo inaugurado, com aproximadamente 20 membros. Em 1923, a obra começou no Iraque por meio de colportores. Em 1958, a primeira igreja foi aberta em Bagdá, capital do país. No melhor momento, tivemos quatro templos, reunindo aproximadamente 200 membros. Contudo, devido à guerra, essas igrejas foram sendo fechadas. Em 2011, um grupo de adventistas, locais e estrangeiros, começou a se reunir em Erbil, e nossos missionários chegaram apenas em 2015. Em pouco tempo, um milagre aconteceu. Um grupo de pessoas começou a estudar a Bíblia por conta própria, descobriu o sábado, mas não identificou uma igreja que o guardasse. Pesquisaram na internet e encontraram uma igreja adventista nos Estados Unidos. Entraram em contato com os irmãos norte-​americanos, usando um tradutor automático, pois não falavam o mesmo idioma. Everson foi informado da existência do grupo, com mais de 20 pessoas, e os convidou para a inauguração do novo prédio da Igreja Adventista em Erbil, em 25 de fevereiro de 2018. Logo após, esses interessados foram visitados em sua cidade, onde já se reúnem aos sábados. Eles já se decidiram pelo batismo. Deus está abrindo portas. Ore e apoie o trabalho de missionários dedicados que estão arriscando sua vida para pregar o evangelho. Porém, faça mais do que isso. Alimente em seu coração o sonho de compartilhar nossa grande esperança onde você está e aonde Deus o enviar.


QUARTA

26 DE JUNHO

Minha gratidão Para e considera as maravilhas de Deus. Jó 37:14

Hoje completo 51 anos de idade e gostaria de renovar minha gratidão. Cada aniversário é uma oportunidade de olhar para o passado com gratidão e para o futuro com esperança. Minha vida tem sido uma coleção de bênçãos. Claro que até aqui experimentei muitos momentos difíceis, mas eles ficaram no passado e acabaram se tornando motivação para novos desafios. Com alegria, lembro-me do que Deus tem feito em minha vida, e algumas das bênçãos que mais me marcaram chegaram bem cedo. O primeiro sermão foi pregado aos 12 anos em um campori de desbravadores. A primeira grande responsabilidade foi aos 16 anos, como líder de uma equipe de colportores estudantes, em que precisei da autorização de meus pais para movimentar conta em banco. O primeiro distrito pastoral veio aos 21 anos. O maior privilégio veio aos 38 anos, quando fui escolhido como presidente da Divisão Sul-Americana. Deus foi e continua sendo bom demais. A gratidão precisa ser considerada sempre como o combustível da fé. Afinal, Deus não muda, e cada vez que agradecemos pelo que Ele fez, estamos renovando a confiança naquilo que Ele fará. O conselho inspirado nos recomenda: “Na experiência de vocês, entrelacem [...] os fios dourados da gratidão” (Nos Lugares Celestiais, p. 36). Por isso, precisamos ter sempre três motivos em mente: Gratidão pelo que aconteceu de bom. As vitórias são presentes amorosos de Deus. Não somos o que somos nem temos o que temos pela própria capacidade. A vida, a saúde, os estudos, o trabalho, a casa, a família e a salvação, tudo deve ser motivo de gratidão ao Senhor. Gratidão pelo que foi aparentemente ruim. Quando confiamos em Deus, até as coisas que parecem negativas se tornam bênçãos disfarçadas e nos fazem crescer (ver Rm 8:28). Você tem agradecido, mesmo com lágrimas nos olhos, e confiado que Deus sempre faz o melhor? Gratidão pelo que poderia ter acontecido, mas não aconteceu. Talvez esta seja a razão menos mencionada em nossos agradecimentos. Mas, ao ver os livramentos que Deus realizou em sua vida, você tem agradecido a Ele pela proteção? Gratidão não custa nada, mas tem um valor imenso. Por isso, pare e também considere as maravilhas de Deus em sua vida hoje.


QUINTA

27 DE JUNHO

Deus cuidará de ti Bem-aventurado o homem que põe no Senhor a sua confiança. Salmo 40:4

Como você reage quando o sofrimento bate à sua porta? O que você faz quando perde o controle da situação, as coisas não saem como esperava ou parece que Deus não responde a suas orações como você gostaria? Um dia, W. S. Martin, um conhecido pregador, teve que enfrentar uma situação semelhante. Sua esposa, Civilla Martin, não estava bem de saúde. Ele ficou desesperado e quase deixou de cumprir um compromisso missionário. Martin foi surpreendido pelo questionamento do filho: “Pai, você não acha que, enquanto cuida das coisas de Deus, Ele vai cuidar da saúde da mamãe?” As palavras do filho o motivaram. Foi à igreja e pregou com seu entusiasmo característico. Logo depois de ter despedido a congregação, voltou ansioso para saber como estava a esposa. O filho veio encontrá-lo à porta e lhe entregou um envelope com as palavras da poesia “Deus Cuidará de Ti”, escritas pela esposa enquanto ele pregava. Hoje, as estrofes desse hino são cantadas em muitos idiomas, tanto nos períodos de paz como de guerra, na prosperidade ou na adversidade, animando pessoas a confiar no grande amor de Deus. Não há dúvida de que Deus cuida de Seus filhos. Ellen White nos diz: “Aquele que mantém os incontáveis mundos através da imensidão do Universo também Se preocupa com as necessidades do pequeno pardal que, sem qualquer temor, eleva seus humildes gorjeios. Quando as pessoas saem para trabalhar, quando se entregam à oração, quando se deitam à noite para dormir e quando se levantam pela manhã; quando o rico dá uma festa em sua mansão ou quando o pobre reúne seus filhos em volta de uma mesa escassa, em qualquer situação, o Pai celestial observa com ternura cada um de Seus filhos. Nenhuma lágrima é derramada sem que Deus saiba. Não há sorriso que Ele não perceba” (Caminho a Cristo, p. 86). Não importa o desafio que enfrente ou venha a enfrentar, coloque sua confiança no Senhor e siga em frente. Cuide das coisas de Deus, e Ele cuidará das suas.


SEXTA

28 DE JUNHO

Três conselhos para os pais E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor. Efésios 6:4

Não existem fórmulas perfeitas para educar filhos. Eles são diferentes e precisam de cuidado individual. Por isso, Deus providenciou conselhos que podem ajudar a fixar valores cristãos nas crianças a fim de prepará-las para o Céu. O verso bíblico de hoje apresenta três desses conselhos. O primeiro é um alerta: não provoque a ira nos filhos. Educar é uma arte que só pode ser desenvolvida com muita oração. Se não for assim, as limitações dos pais provocarão desequilíbrio nos filhos e levarão a um de dois extremos perigosos: superproteção ou permissividade. Há muitas formas de provocar a ira: disciplinar em momento de raiva, “educar” pela palavra e deseducar pelo exemplo, ter uma vida espiritual superficial, substituir a presença por presentes, estabelecer padrões inatingíveis, criticar e ser grosseiro. Fazer o contrário disso é um caminho seguro na educação dos filhos. O segundo conselho é desafiador: crie os filhos com disciplina. Os valores estão em crise, mas, às vezes, parece que os próprios pais é que estão em crise. Nossos filhos precisam de pais que disciplinem com firmeza e ternura, para que eles desenvolvam responsabilidade, estabeleçam limites e saibam fazer as escolhas certas. O terceiro conselho é fundamental: ensinem os filhos no caminho do Senhor. Quem transmite os valores espirituais com palavras, atitudes e prioridades não será decepcionado. Os filhos podem até sair do caminho, mas a semente estará plantada e vai trazê-los de volta. Antes de falar sobre Deus, pais cristãos vivem com Ele, e seu exemplo se torna irresistível. Esses pais estabelecem prioridades espirituais claras: estão sempre presentes aos cultos da igreja, não deixam faltar materiais devocionais, fazem o culto familiar diariamente, deixam que os filhos os vejam orando e lendo a Bíblia, etc. Escolhem ter o coração mais na eternidade do que na modernidade. Precisamos de pais que eduquem os filhos com equilíbrio, disciplina e consagração. Ouça os conselhos da Palavra de Deus e ajude a preparar uma geração para a breve volta de Jesus.


SÁBADO

29 DE JUNHO

A igreja dos meus sonhos A igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judeia, Galileia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor, e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número. Atos 9:31

Durante meu ministério, trabalhei em dois distritos pastorais na cidade de São Paulo: Jardim Lilah e Alvorada. A maior parte do tempo, era solteiro e não tinha ordenação ministerial, mas os irmãos me apoiaram e ensinaram. Um dos momentos mais desafiadores foi a transferência para o segundo distrito. Tratava-se de uma igreja com mais de mil membros, que sempre teve pastores experientes, e que, naquele momento, recebia um jovem, com dois anos de ministério. A igreja me acolheu de forma muito especial e passei a ser parte daquela grande família. Os anos que trabalhei lá foram inesquecíveis. Fui apresentado no sábado, 1º de fevereiro de 1992, e tive apenas sete minutos para pregar. Nesse pouco tempo, falei sobre a igreja dos meus sonhos. Mencionei a igreja apostólica, que foi batizada com o Espírito Santo, viveu em paz com a comunidade, cresceu em fidelidade e foi intensa na missão. Como resultado, a igreja dos sonhos de Deus, “crescia em número” (At 9:31). A igreja dos meus sonhos mantém os valores e princípios dos pioneiros, mas apresenta-se de modo atualizado e relevante para nossos dias. Afinal, não somos mais a igreja das décadas de 50, 60 ou 80. O mundo mudou, e nossos desafios são diferentes. Precisamos encarar a realidade atual e encontrar caminhos para levantar uma geração disposta a viver e pregar o “evangelho eterno” de forma compreensível e relevante para estes dias. A igreja dos meus sonhos é intensa na comunhão. Estuda a Bíblia, ora e busca o poder do Espírito Santo. É fiel. Vive em harmonia com Deus e não em sintonia com o mundo. Ama a volta de Jesus. Canta, prega, vive e compartilha a nossa grande esperança. É comprometida com a missão. Existe para levar pessoas a Jesus e, por isso, não perde o objetivo nem se distrai com outras atividades. É acolhedora. Vive como uma família, usando seus pequenos grupos e outras comunidades relacionais para integrar, desenvolver e mobilizar. É relevante na comunidade. Existe para pregar e salvar, mas também para amar e servir, melhorando o lugar onde está. Prepara discípulos. Nela há gente que cuida de gente e, por isso, cresce em comunhão, relacionamento e missão. Essa também é a igreja dos seus sonhos? Podemos juntos concretizar esse ideal. Não fique esperando pelos outros. Faça sua parte com dedicação e oração. Assim, a igreja dos sonhos se tornará realidade.


DOMINGO

30 DE JUNHO

A dor prepara para a glória Tendo Jesus falado estas coisas, levantou os olhos ao céu e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a Teu Filho, para que o Filho Te glorifique a Ti. João 17:1

Foram 18 horas de sofrimento intenso. O sangue lhe saía pelos poros e caía pelo chão lentamente. Foram 39 chibatadas, com chicotes que tinham três pontas de ossos de carneiro e outros objetos cortantes, somando 117 golpes. Então a coroa de espinhos foi colocada em Sua cabeça, causando sangramento no couro cabeludo. A cruz de madeira com mais de 20 quilos foi posta sobre Seus ombros. Ele foi obrigado a carregá-la por oito quilômetros. No topo do monte, com pregos de 12,5 centímetros de comprimento, prenderam Suas mãos à cruz. Segundo o médico legista norte-americano Frederick Zugibe, um dos mais conceituados peritos criminais em todo o mundo e professor da Universidade de Colúmbia, os castigos levaram Jesus a um elevado nível de estresse e a uma parada cardiorrespiratória. Zugibe escreveu três livros e mais de dois mil artigos sobre esse tema, todos publicados em revistas especializadas. Nesses textos, ele descreve o martírio sofrido por Cristo ao analisar peças históricas, testes laboratoriais e experiências reais com voluntários. O sofrimento de Cristo foi forte demais. “Satanás torturava com cruéis tentações o coração de Jesus. O Salvador não podia enxergar para além dos portais do sepulcro. A esperança não Lhe apresentava Sua saída da sepultura como vencedor, nem Lhe falava da aceitação do sacrifício por parte do Pai. Temia que o pecado fosse tão ofensivo a Deus, que Sua separação tivesse que ser eterna. Cristo sentiu a angústia que há de experimentar o pecador quando a misericórdia não mais interceder pela humanidade culpada” (O Desejado de Todas as Nações, p. 753). O sofrimento e morte de Jesus tiveram uma razão maior. Em Sua oração sacerdotal, o Senhor deixou claro que entendia toda aquela dor como preparo para a glorificação. Sua luta inicial criou as condições para o sacrifício final. Sua angústia preparou o caminho para nossa salvação. Ninguém sofreu mais do que Jesus. O exemplo Dele nos ensina a encarar nossos sofrimentos, por mais duros que sejam, com a certeza de que eles apenas nos preparam para vitórias maiores.


Julho Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


SEGUNDA

1º DE JULHO

Paz verdadeira Deixo-lhes a paz; a Minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo. João 14:27, NVI

As cenas do possível uso de armas químicas na Síria ainda estão muito vivas em minha mente. As imagens fortíssimas revelam homens, mulheres, crianças e idosos tentando respirar, em meio aos escombros, enquanto outros ​procuram ajudar, abanando e jogando água. Um completo desespero! Pior ainda é ver outros países tentando resolver a guerra com mais guerra. Neste momento, a Síria é o país mais perigoso do mundo, segundo o Global Peace Index [Índice de Paz Global]. Esse anuário, coordenado pela revista inglesa The Economist, mede o nível de paz, bem como a realidade dos conflitos domésticos e internacionais em andamento, a proteção e a segurança da sociedade e o grau de militarização em 163 países e territórios. Segundo o Index, a Islândia é considerada o país mais pacífico do mundo. Contudo, mesmo os islandeses não vivem em completa paz. Isso porque há apenas uma fonte de paz verdadeira. Ela foi entregue por Jesus a Seus discípulos, como despedida, antes de morrer. Ele disse: “Deixo-lhes a paz; a Minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo” (Jo 14:27, NVI). Há uma paz que nenhuma pesquisa ou estatística pode medir. Não está ligada à ausência de problemas, mas à presença de Cristo. Afinal, Ele não disse que viveríamos num mundo sem crises, mas garantiu uma paz que confere esperança mesmo em meio aos problemas. No Sermão do Monte, Jesus ensinou que a bênção e a felicidade são reais para quem vive para compartilhar paz (Mt 5:9). Ao comentar essa passagem, Ellen White afirmou: “Os seguidores de Cristo são enviados ao mundo com a mensagem de paz. Quem quer que seja que, pela serena, inconsciente ​influência de uma vida santa, revelar o amor de Cristo; quem quer que, por palavras ou ações, levar outro a abandonar o pecado e entregar o coração a Deus é um pacificador” (O Maior Discurso de Cristo, p. 28). Só existe paz por meio do evangelho. Portanto, quem evangeliza é um verdadeiro pacificador. Nunca haverá paz real enquanto os homens lutarem por conquistas exteriores sem ser transformados em sua vida interior. A paz não é resultado da guerra. A paz é um dom de Deus. Busque, receba e compartilhe esse presente divino e experiente a paz que excede todo o entendimento.


TERÇA

2 DE JULHO

Um grande Deus Sonda-me, ó Deus, [...] prova-me [...] e guia-me pelo caminho eterno. Salmo 139:23, 24

O Salmo 139 é considerado a coroa dos salmos. Nesse poema inspirado, o salmista destaca alguns dos atributos incomunicáveis de Deus e se rende em louvor e exaltação diante da presença, do poder e da sabedoria divina. Na primeira estrofe (v. 1-6), Davi apresenta a onisciência de Deus. Essa característica divina permite que nossa mente seja constantemente “​escaneada” por Deus de modo que os motivos de nosso coração possam ser avaliados e orientados por Ele. Nada passa despercebido à sabedoria infinita. Deus sabe de tudo. Conhece como ninguém as lutas que enfrentamos e emprega todo esse conhecimento para abençoar Seus filhos. Na segunda estrofe (v. 7-12), o salmista fala da onipresença de Deus. Ele está em todos os espaços: desde o mais alto céu até a região mais profunda da Terra. Nem Jonas, dentro de um grande peixe; Elias, no interior de uma caverna; Daniel, na cova dos leões; nem seus companheiros, na fornalha ardente, estiveram fora do alcance de Deus. Estamos sempre diante Dele, mesmo que aparentemente sozinhos. Na terceira estrofe (v. 13-18), Davi se refere à onipotência divina. Deus é capaz de fazer todas as coisas. Ninguém pode detê-Lo. Ele transformou o mar em terra seca, uma rocha em fonte de água e cinco pães e dois peixes em comida para uma multidão. Ele andou sobre as águas, transformou a doença em saúde, a culpa em perdão e continua fazendo milagres para restaurar vidas. Na quarta estrofe (v. 19-24), aqueles que reconhecem a grandeza de Deus demonstram o desejo de viver com Ele. Por isso, Davi encerra o salmo com três orações: “Sonda-me”, pedindo a Deus que o examine a fundo; “prova-me”, buscando mais refinamento e “guia-me pelo caminho eterno”, expressando submissão aos planos do Senhor. Temos um grande Deus e podemos confiar nossa vida a Seus cuidados. “Somos por nós mesmos incapazes de fazer qualquer bem; mas o que não somos capazes de fazer o poder de Deus há de realizar em toda pessoa submissa e crente” (O Desejado de Todas as Nações, p. 98). Ao longo deste dia, lembre-se de que você está na presença constante de um Deus todo-poderoso que sabe de todas as coisas. Com Ele, você nunca estará sozinho, não poderá ser vencido pelo medo e terá sempre a segurança de andar pelo caminho da eternidade.


QUARTA

3 DE JULHO

Vale a pena seguir Jesus E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe [ou mulher], ou filhos, ou campos, por causa do Meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna. Mateus 19:29

Você já se perguntou se realmente vale a pena deixar amigos, hábitos, lugares, roupas ou alimentos para ser fiel a Deus? O jovem rico tinha essa dúvida. Porém, com base em critérios humanos e imediatistas, ele resolveu amar mais a riqueza do que Jesus. Após observar a atitude desse homem, Pedro foi direto e perguntou a Cristo: “Eis que nós deixamos tudo e Te seguimos; que receberemos?” (Mt 19:27, ARC). A resposta do Senhor, retratada no verso de hoje, não deixa dúvida alguma sobre os benefícios incontáveis de ficar do lado de Deus. Não seguimos Cristo pelo que ganhamos, mas porque O amamos e pela esperança que vibra em nosso coração. Mesmo assim, essa escolha tem resultados para esta vida. Em minha adolescência, certa vez, tentei fazer uma lista das 100 coisas que poderia ganhar seguindo a Jesus. Obviamente não consegui concluí-la no centésimo item. Deus oferece muito mais do que podemos listar. Contudo, daquela lista, guardei três benefícios. (1) Felicidade. Deus nos criou e entregou a Bíblia como manual do fabricante. Nessas páginas santas, estão registrados os segredos para “funcionarmos bem”. Ao seguirmos suas orientações nos aproximamos do plano original de Deus e da felicidade que Ele planejou. (2) Liberdade. Apesar de alguns acharem que a perdemos, o próprio Jesus garante que a verdade nos liberta (Jo 8:32). Quem vive de acordo com as orientações da Bíblia não tem dificuldade para mudar de vida. Quem vive sem regras, mesmo que não saiba, é escravo dessa condição. Quando tenta mudar, descobre que não consegue. Por outro lado, quem deixa tudo para seguir Cristo é livre de verdade. (3) Proteção. Uma pesquisa, realizada em 17 países, indicou que sexo, drogas e violência são os três problemas que mais afetam os jovens de hoje. Estamos apenas colhendo os resultados da falsa liberdade estimulada em grande medida a partir do final da década de 1960. No entanto, jovens, adultos, crianças ou idosos que deixam tudo para seguir Cristo, estão protegidos desses problemas e de muitos outros. Vale a pena seguir Jesus. Você ganhará muitas bênçãos nesta vida e ainda herdará a eternidade.


QUINTA

4 DE JULHO

Solidão em boa companhia O povo estava de longe em pé; Moisés, porém, se chegou à nuvem escura onde Deus estava. Êxodo 20:21

John Donne, poeta e pregador inglês (1572-1631), escreveu: “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; cada ser humano é uma parte do continente, uma parte de um todo.” Essa é uma linda mensagem sobre o senso de dependência e comunidade que deveria ser a marca dos seres humanos. No entanto, a vida nem sempre é assim. Em alguns momentos, somos desafiados a encarar jornadas solitárias com pesadas responsabilidades. Esse foi o caso de Moisés quando Deus o chamou para tirar Seu povo do Egito. Depois de passar 40 anos no deserto, ele partiu em uma jornada solitária, que envolvia enfrentar Faraó e libertar Seu povo. Ele temeu, tremeu e insistiu com várias desculpas diante da responsabilidade pesada que havia recebido. Ao longo de sua vida, Moisés teve que lidar com momentos fortes, difíceis e marcantes, nos quais esteve sozinho. Começou solitário, no berço de junco colocado no rio Nilo. Ao fugir para o deserto, também foi sozinho. Ao se deparar com a sarça ardente e ter um encontro com Deus que mudou sua vida, não tinha ninguém a seu lado. Na subida ao monte Nebo, caminhando para o próprio funeral, fez uma jornada solitária mais uma vez. Mesmo assim, em todos esses momentos, ele foi vitorioso. Deus preparou um dos maiores líderes de Seu povo em jornadas solitárias. Moisés não foi o único. Outros homens de Deus também foram formados no deserto da solidão: José, Davi, Abraão e o próprio Jesus. Quando encaramos uma jornada solitária, aprendemos a não ser dependentes de outros, da aprovação das pessoas, dos aplausos e dos elogios. Nesses momentos a sós, podemos ter um encontro mais profundo com Deus e mais realista com nós mesmos. O crescimento é mais sólido e consistente. Aprendemos a depender do Senhor de maneira mais intensa. Jesus lidou muito bem com o desafio de estar com a multidão para a convivência e Se retirar a lugares solitários para a dependência (Lc 5:15, 16). Ele sabia que sem a comunhão, alimentada nos momentos de solidão, não levaria as pessoas à salvação. Quando o som silencia, as luzes se apagam e a noite chega, ficam somente você e Deus. É o momento de crescer, depender Dele, ter a fé fortalecida e descobrir que Ele é tudo o que você precisa para vencer. Não esqueça: um com Deus sempre será maioria.


SEXTA

5 DE JULHO

Fome da Palavra Eis que vêm dias, diz o Senhor Deus, em que enviarei fome sobre a terra, não de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. Amós 8:11

A combinação de algumas situações, nestes últimos meses, chamou minha atenção para a quantidade de pessoas em busca de Deus. Em uma caminhada com minha família, encontrei um casal de aposentados; conversamos um pouco e acabamos falando sobre temas espirituais. Ao terminarmos a conversa, o esposo pediu estudos bíblicos para entender melhor o Apocalipse. Em seguida, assisti ao batismo de uma família alcançada por uma professora da Escola Adventista. Ela tinha pedido autorização dos pais para levar a filha deles a um culto de sábado. Ficou surpresa quando os pais perguntaram se também poderiam ir à igreja. A professora aproveitou a oportunidade e estudou a Bíblia com eles. Um mês depois, realizei uma semana de evangelismo transmitida pela internet. Foi impressionante ver a quantidade de computadores conectados cada noite, os pedidos de estudos bíblicos e batismo, além do contato de grupos que estavam reunidos para assistir à transmissão no Brasil e em outras partes do mundo. As pessoas estão mais carentes do que podemos imaginar. Segundo o profeta Amós, Deus despertaria essa “fome” não apenas nos dias de Israel, mas especialmente agora, no tempo do fim. O Espírito Santo está tocando corações sinceros. As pessoas estão mais carentes e não encontram solução nas promessas humanas. Estão confusas e querem uma mensagem bíblica mais clara e profunda. Precisam de um milagre que só Deus pode realizar. Somos chamados para saciar essa “fome” não com o que as pessoas querem, mas com o que elas realmente precisam. Para isso, nosso objetivo principal precisa ser a missão. Cada contato pessoal, negócio, amizade, postagem nas redes sociais, ou mesmo eventos da igreja, materiais, estruturas, sistemas, edifícios, tudo precisa ser usado para salvar. Podemos usar livros, TV, rádio, internet ou redes sociais, mas eles são apenas meios. A missão realmente acontece quando há compromisso e contato pessoal. Faça sua parte. Não perca oportunidades, dê um testemunho positivo e estude a Bíblia com alguém. Você pode ajudar a suprir a “fome” espiritual das pessoas e prepará-las para o Céu.


SÁBADO

6 DE JULHO

Servos da justiça Uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. Romanos 6:18

Deus nos criou para sermos livres, mas o pecado nos tornou escravos. Antes da conversão, estávamos todos sujeitos ao mal e, mesmo sem querer cair, não éramos capazes de resistir (Rm 7:15-24). O Senhor, porém, pagou o preço de nossa redenção. Pela graça, deixamos de ser dominados pelo pecado, para nos tornarmos servos que se submetem voluntariamente à justiça de Cristo. Segundo Ellen White, essa transformação ocorre porque Jesus “salva os seres humanos, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão Seu amor por meio da obediência” (O Desejado de Todas as Nações, p. 668). A liberdade em Cristo não é uma oportunidade para fazermos o que queremos. Deixamos de ser escravos do pecado para nos tornamos servos submissos a Cristo. A obediência deixa de ser uma opção e se torna uma condição. Por isso, o Senhor nos entregou os Dez Mandamentos e não dez sugestões. A vida cristã é uma luta diária contra o próprio eu, “a maior de todas as batalhas. [...] A pessoa deve se submeter a Deus antes de ser renovada em santidade” (Caminho a Cristo, p. 43). Paulo experimentou essa submissão ao se tornar “servo de Jesus Cristo” (Rm 1:1). Quando era maltratado, ele não tinha mais o direito de retribuir de acordo com seus impulsos. Quando era tentado, não tinha mais a “liberdade” de seguir os desejos do coração. Quando se envolvia em atividades comerciais, não podia mais ser egoísta. Ele entendeu que, como servo, devia representar e honrar o Senhor em todas as coisas. Há uma identidade envolvida nessa submissão. É preciso realmente deixar muito claro de que lado estamos para que o inimigo não misture sutilmente as coisas e, sem notar, nos leve gradualmente a ser escravos do pecado outra vez. Ellen White alerta: “Essa distinção será mais assinalada, mais decidida, ao nos aproximarmos do fim do tempo” (Para Conhecê-Lo, p. 308). A decisão de sermos servos de Cristo depende de nós, mas a transformação do coração só pode ser feita pelo Senhor. A mensagem de esperança para nós é: “Se consentirmos, Ele Se identificará tanto com os nossos pensamentos e ideais que dirigirá o nosso coração e espírito em conformidade com o Seu querer, e, obedecendo-Lhe, estaremos apenas seguindo nossos impulsos” (O Desejado de Todas as Nações, p. 668). Experimente essa transformação hoje e peça que o Espírito Santo faça de você um servo mais fiel e submisso.


DOMINGO

7 DE JULHO

Quem você segue? Então, retirando-se os fariseus, consultaram entre si como O surpreenderiam em alguma palavra. Mateus 22:15

A Bíblia está repleta de histórias de pessoas que escolheram não olhar para modelos humanos nem seguir pegadas independentes. Tornaram-se discípulos de Cristo e nos deixaram seu exemplo. Olhe para sua história e responda: Quem você está seguindo hoje? Seus olhos estão em Jesus, e sua vida, depositada nas mãos Dele, ou você está apegado a referências humanas? Quando visito nossas igrejas e vejo homens e mulheres que somam, fico entusiasmado e emocionado. São pessoas integradas, apaixonadas por Cristo, Sua Palavra e Sua causa. Gente que está fazendo seu melhor, dando um bonito testemunho de fidelidade e cumprimento da missão. Por outro lado, sofro quando vejo gente que escolhe o caminho da dissidência. Pessoas que preferem as próprias ideias e descobertas. Na maioria dos casos, estão mergulhadas na crítica e envolvidas pelo egoísmo. No meio desses dois grupos, estão aqueles que observam a situação e se deixam influenciar. Algumas vezes, veem os frutos e fazem a escolha certa. Outros demonstram uma visão superficial e se deixam levar por qualquer novidade que aparece. Acabam sofrendo quando poderiam estar abençoando. Cada um de nós, consciente ou inconscientemente, se identifica com um desses grupos. Qual deles você está seguindo? Os seguintes conselhos inspirados podem ajudá-lo a fazer a escolha certa: “O tempo atual é de grande perigo para o povo de Deus. O Senhor está conduzindo um povo, não um indivíduo aqui e ali” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 79). “Advirto a Igreja Adventista do Sétimo Dia a ser cuidadosa quanto à maneira pela qual recebe toda ideia nova e aqueles que pretendem ter grande iluminação” (A Igreja Remanescente, p. 61). “Caso haja na igreja alguém que […] puxa em sentido contrário ao de seus irmãos, homens fiéis devem tratar desses casos com sabedoria, trabalhando pela alma deles, cuidando, todavia, que sua influência não levede outros, e que a igreja não seja desviada por seu desafeto ou suas falsas informações” (Ellen G. White, Testemunhos Seletos, v. 2, p. 186). Quanto mais seguirmos a Cristo, fazendo Dele nosso modelo e referência, mais unida estará a igreja e menos aberta a porta para a dissidência e a independência.


SEGUNDA

8 DE JULHO

As oportunidades de Deus Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes Eu quis [...] e vós não o quisestes! Mateus 23:37

Não foi fácil para Jesus contemplar Jerusalém, a cidade escolhida, e aceitar que havia sido rejeitado por ela. Chorou ao pensar nas oportunidades desperdiçadas e naquilo que ainda aconteceria. Como a história poderia ter sido diferente! Pouco tempo depois do lamento expresso no verso de hoje, a maior rejeição a Jesus ocorreria na cruz. Era o prenúncio do fim das oportunidades de Deus para a cidade de Jerusalém. Depois do ano 34, as oportunidades continuariam apenas para aqueles que aceitassem Jesus individualmente. A chance de arrependimento também pode acabar para nós? Existem três momentos em que isso pode acontecer. O primeiro está no futuro. Acontecerá pouco antes da volta de Cristo, quando for fechada a porta da graça. O veredito será dado (Ap 22:11), e ninguém mais poderá mudar de lado. Findarão as oportunidades. Entretanto, há dois momentos no presente. O primeiro deles é chamado “pecado contra o Espírito Santo”. O próprio Jesus explicou que esse tipo de ofensa não seria perdoado (Mt 12:32). O que é esse pecado? Trata-se de um crime, escândalo ou erro sem conserto? Não é um ato específico, mas um processo de afastamento, em que Deus fala e o ser humano não consegue mais ouvir Sua voz. Imagine Deus e o ser humano no seu limite, que é a porta do coração. A pessoa pelo lado de dentro e Deus pelo lado de fora. Cada vez que Ele bate à porta e mostra o caminho, você diz não e dá um passo para trás. Quanto mais rejeita, mais se distancia. Deus continua no mesmo lugar, mas você vai tão longe que não ouve mais a voz do Espírito Santo. Sem ela, não há arrependimento nem poderá haver perdão. Cuidado com os “nãos” que você tem dito a Deus. O segundo momento é o fim da vida. Quando a morte chega, as oportunidades acabam. E se elas acabassem hoje, como você estaria? Não podemos escolher a hora em que isso irá acontecer, mas podemos definir qual será nossa condição. Viva cada dia como se fosse o último, sempre na presença do Senhor. Não deixe passar as oportunidades de Deus. O momento de clamar pelo poder do Céu e fazer as escolhas certas é agora.


TERÇA

9 DE JULHO

Creia nos milagres Jesus, fitando neles o olhar, disse-lhes: Isto é impossível aos homens, mas para Deus tudo é possível. Mateus 19:26

Após uma cirurgia para redução de estômago, o mundo de Ivanilda se tornou uma confusão. Descobriu que tinha câncer e fez um pesado tratamento de quimioterapia. Quando pensava que já poderia estar curada, descobriu outro tumor e teve que se submeter a mais uma etapa de tratamento. Além da doença, veio a solidão, pois não tinha ninguém que pudesse ​ajudá-la. Naquele momento de dor, seus únicos companheiros eram o quarto e o travesseiro. Deprimida, não tinha motivação para levantar da cama. “Minha vida é um projeto falido”, foram suas palavras no auge da crise. Um dia, pegou uma faca e sentou-se no sofá para dar fim a sua dor e sofrimento. No entanto, sua mão esbarrou no controle da televisão, que ligou na TV Novo Tempo. Estava no ar o programa Arena do Futuro. O pastor Luís Gonçalves falava diretamente a uma pessoa que, naquele momento, estivesse com uma faca em suas mãos. Impressionada com aquelas palavras, Ivanilda decidiu conhecer o Deus que a TV havia apresentado. Relembrando o modo maravilhoso como Deus salvou sua vida, ela disse: “A Novo Tempo foi o começo de tudo, foi a estrada que me levou a Jesus.” Mário não tinha família, amigos nem razão para continuar a viver. Em uma das noites de depressão, já alcoolizado, tomou uma corda, subiu a escada para o andar de cima de seu sobrado e preparou o fim de sua vida. Antes, porém, decidiu descer para tomar a última dose de uísque que ainda sobrava na garrafa. Amargurado, sentou-se à frente da TV. Enquanto bebia, começou a mudar os canais e deparou-se com a TV Novo Tempo no momento do programa Arena do Futuro. “Você que está aí para tirar sua vida, ouça: Deus ama você.” Essas palavras do pastor Luís Gonçalves tocaram seu coração. Mário recebeu os estudos da escola bíblica da Novo Tempo e conheceu a verdade transformadora da Palavra de Deus. Hoje seu maior desejo é estar no Céu com Jesus. Deus é especialista em milagres. Por isso, Ellen White incentiva: “Nunca devemos deixar de trabalhar por uma pessoa enquanto houver um raio de esperança” (A Ciência do Bom Viver, p. 168). Creia nos milagres de Deus. Permita que Ele use você para fazer o impossível na vida de outras pessoas.


QUARTA

10 DE JULHO

Deus conosco Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e Ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco). Mateus 1:23

Como você encara situações que parecem maiores do que sua capacidade de resolvê-las? Como você reage quando o chamado de Deus exige uma alta dose de renúncia e sacrifício? Nessas horas, apenas uma certeza é capaz de nos sustentar. Em uma espécie de moldura, o livro de Mateus começa e termina reafirmando a presença de Deus conosco. No início do livro, ocorre o verso bíblico de hoje, no qual Jesus é apresentado como Emanuel, que significa “Deus conosco” (Mt 1:23); na conclusão, Mateus apresenta Jesus reafirmando a promessa de Sua presença: “Eis que estou convosco todos os dias” (Mt 28:20). Não precisamos ter medo, ansiedade ou insegurança, pois não estamos sozinhos. Avançamos rumo ao futuro com confiança não porque o conhecemos, mas porque ele está nas mãos de Deus. Um pregador pediu que sua congregação ficasse em silêncio por alguns segundos. Em seguida, ligou um rádio e passou por diferentes estações. Todos os tipos de sons começaram a ser ouvidos. Então ele começou sua aplicação: “De onde vieram estes sons? Surgiram no próprio rádio? Não! Eles estavam no ar ao nosso redor, com ondas tão reais como a minha voz. Não podemos vê-las, mas isso não significa que elas não existam.” Mesmo que você não possa ver, ou muitas vezes apareça apenas um par de pegadas na areia, avance confiando que a companhia do Senhor é real. “Qualquer que seja nossa situação, temos um Guia para nos dirigir o caminho; quaisquer que sejam nossas perplexidades, temos um Conselheiro infalível; quaisquer que sejam nossas aflições, privações ou solidão, temos um Amigo compassivo. Se em nossa ignorância dermos passos errados, Cristo não nos abandona” (Parábolas de Jesus, p. 173). Com todas essas promessas, podemos trocar o medo pela confiança. Um conhecido escritor refletiu: “O medo nunca escreveu uma sinfonia ou um poema, negociou um tratado de paz ou curou uma doença. O medo nunca tirou uma família da pobreza ou um país da intolerância. O medo nunca salvou um casamento ou um negócio. A coragem fez isso. A fé realizou isso.” Por isso, siga em frente com fé e a certeza de que Deus está a seu lado todos os dias, do início ao fim.


QUINTA

11 DE JULHO

“Ide” Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Mateus 28:19

Desde o início, a igreja cristã reconhece sua missão no “ide” apresentado por Jesus na grande comissão. Segundo Ellen White, o conteúdo do verso de hoje “abrange todos os crentes em Cristo até ao fim dos séculos” (O Desejado de Todas as Nações, p. 822). A ênfase das palavras de Cristo não está na expressão “ide”. Em realidade, no original grego, o imperativo está em “fazer discípulos”. Nosso chamado não é apenas para pregar e batizar, mas cumprir a missão, fazendo discípulos que tenham profundidade e compromisso com a evangelização. Jesus não pediu algo novo aos apóstolos. Eles foram discipulados e deveriam discipular. Passaram três anos com o Mestre e foram chamados para compartilhar o que receberam. Jesus também recebeu do Pai o que compartilhou. Ele mesmo disse: “Assim como o Pai Me enviou, Eu também vos envio” (Jo 20:21). Discipulado é oferecer o que foi recebido de Jesus, projetando a vida Dele em outra vida. Não é simplesmente preparar alguém para o batismo, mas para o Céu. Envolve compartilhar a Bíblia, mas também desenvolver a fé do novo discípulo. Dessa forma, o “ide” pode ser cumprido com muito mais consistência. Assim, a igreja não fica cheia de pessoas vazias, diminui o número daqueles que abandonam a fé e aumenta a quantidade de gente que conquista amigos para Jesus. Essa é uma visão mais ampla do “ide”. Pensar assim nos desafia a compartilhar nossa esperança com uma visão voltada para as pessoas. O “ide” é a receita de Jesus para alcançarmos não apenas aqueles que vivem perto de nós, mas o mundo todo. A ênfase global da missão não ocorre apenas em Mateus 28. Em Mateus 24:14, Jesus diz que o “evangelho do reino” deve ser pregado “a todo o mundo” antes do fim. Em Atos 1:8, a promessa do Espírito Santo é dada com vistas a alcançar as pessoas “até aos confins da terra”. Em Apocalipse 10:11, recebemos o chamado para pregar a “muitos povos, nações, línguas e reis”. No capítulo 14:6 do mesmo livro, o anjo representa a igreja que prega o evangelho eterno “a cada nação, e tribo, e língua e povo”. Podemos dizer que encontramos cinco comissões evangélicas no Novo Testamento. O “ide” de Jesus é para nós. Ele deseja alcançar a todos. Ajude a cumprir a missão, fazendo discípulos que tenham profundidade, compartilhem a fé e se empenhem em levar nossa esperança a todo o mundo.


SEXTA

12 DE JULHO

“Todos” Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações [...]; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século. Mateus 28:18-20

A grande comissão, apresentada por Jesus, destaca quatro “todos”. Ela requer um comprometimento total, pois: “Seja qual for a vocação de uma pessoa na vida, seu primeiro interesse deve ser ganhar pessoas para Cristo” (O Desejado de Todas as Nações, p. 822). Para essa obra tão relevante e abrangente, temos cada um dos “todos” deixados por Jesus: Toda autoridade. O nome de Jesus tem poder, abre portas, toca corações insensíveis, resolve problemas insolúveis, levanta pessoas abatidas, restaura mentes emocionalmente doentes e resgata vidas espiritualmente destruídas. É em nome Dele que cumprimos a missão. Todas as nações. Nossa obra é local, mas a visão é mundial. Temos o conceito claro de que Jesus não vai voltar apenas para nossa região. Enquanto cuidamos de nosso território, estendemos os braços para ajudar outras áreas carentes do mundo. Enviamos missionários, apoiamos projetos de voluntariado, compartilhamos dízimos e ofertas e, algumas vezes, fazemos sacrifícios locais para investir em projetos globais. Somos chamados a desenvolver movimentos simples, ousados e relevantes, que alcancem as pessoas onde elas estão, do outro lado da rua ou do outro lado do mundo. Todas as coisas que vos tenho ordenado. Nossa mensagem é completa. Não é apenas relacional, devocional ou unilateral. Não envolve apenas o que é atual ou o que terá o aplauso dos outros. Não apresentamos apenas o que as pessoas desejam ouvir nem somente o que gostamos de pregar, mas o evangelho eterno e completo da Palavra de Deus. Uma mensagem distintiva, de um povo remanescente, com fundamento profético, que transforma a vida na Terra e prepara para a vida no Céu. Todos os dias. É a certeza de que o Senhor estará conosco quando a missão for fácil ou difícil, quando estivermos felizes ou tristes, se os resultados forem os esperados ou tivermos frustrações. É a convicção de que, quando a vida está nas mãos de Deus, não há derrotas, apenas aprendizado e crescimento. Vamos fazer da missão o “todo” da igreja, confiando em todas as promessas de Jesus.


SÁBADO

13 DE JULHO

Dia do Senhor Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Êxodo 20:8

“Pastor, é certo almoçar em um restaurante no sábado?” “Meus familiares chegaram de viagem, e eu gostaria de visitá-los no sábado à tarde. É errado viajar para isso?” “Estou pecando se dormir no sábado à tarde?” É possível que você já tenha ouvido algumas dessas perguntas ou inúmeras outras sobre a guarda do sábado. As dúvidas se multiplicam ao buscarmos saber o que é certo ou errado fazer no dia do Senhor. O princípio da observância do sábado está apresentado de forma clara e profunda no quarto mandamento do Decálogo (Êx 20:8-11). Para facilitar a aplicação desse princípio e permitir que ele responda às perguntas acima e a outras semelhantes, precisamos perguntar antes: Quem será o beneficiado? Se aquilo que você deseja fazer é para seu benefício pessoal (familiar, profissional, social, etc.), está claro que deve ser feito nos seis dias da semana que lhe pertencem. Se sua decisão tem que ver com Deus, Sua causa, Sua adoração, ou ajuda aos carentes, que é a maior demonstração de amor a Ele, isso pode ser feito no sábado. Mais do que tomar decisões corretas, precisamos preservar a essência da observância e santidade do sábado. Sem santificação, esse dia é usado apenas para descanso físico, reunião social ou algo parecido. Quando quebramos o princípio do sábado, sua santidade empobrece, e o resultado logo fica evidente. Precisamos refletir mais a fundo nesta questão: Apenas ir à igreja pela manhã já torna o sábado um dia sagrado? Por que Deus declararia o sábado santo, se fosse dedicado apenas para nossos interesses pessoais? É justo se sacrificar durante seis dias e usar o dia do Senhor apenas para ​recuperar as forças e continuar buscando nossas ambições? Transmitimos valores cristãos para as novas gerações quando deixamos o sábado vazio de atividades espirituais? As atividades on-line devem também estar submetidas à santidade do sábado? Seremos capazes de sacrificar tudo para manter a fidelidade quanto ao sábado nos eventos finais se hoje o tratamos de qualquer maneira? Santificar o sábado significa descansar em Deus, adorá-Lo, reconhecê-Lo como Criador e, com nossa família, cumprir a missão. Quem guarda o sábado é alcançado pela bênção desse dia. Deixe que o sábado “guarde” você toda semana.


DOMINGO

14 DE JULHO

Relacionamento é mandamento Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. João 13:34

Desenvolver bons relacionamentos é uma arte que precisa ser cultivada de joelhos. Se isso não ocorre, o efeito do pecado nos torna mais egoístas, individualistas, críticos, competitivos e afasta as pessoas. A situação se torna ainda mais desafiadora neste tempo de relações virtuais e superficiais, em que as pessoas se conectam somente quando querem, como querem, onde querem e para mostrar o que querem. Somente Deus pode nos ajudar a construir relacionamentos saudáveis e equilibrados. Sobre isso, Ellen White ensina: “Quanto mais perto nos achegamos de Cristo, mais perto estaremos uns dos outros” (O Lar Adventista, p. 179). Há uma relação direta entre a maneira como nos relacionamos com Deus e a maneira como nos relacionamos com as pessoas. Uma coisa precisa afetar a outra. Por isso, Jesus estabeleceu os bons relacionamentos como mandamento. Ele foi muito claro ao definir o modelo de amor que temos que ter com o ​próximo: “como Eu vos amei”. O assunto é mais sério do que parece. Não é uma questão de você gostar de quem quiser e rejeitar quem não lhe agrada. Não é um tema de impulso pessoal, de ser generoso com quem poderá nos retribuir, mas amar sem barreiras nem interesses. Além de tornar a vida muito mais feliz, bons relacionamentos também são um poderoso testemunho missionário e revelam o quanto o Espírito Santo habita no coração. Por isso, Deus leva o tema tão a sério, e a Bíblia menciona tantos outros mandamentos que envolvem relacionamentos. Você conhece alguns deles: “Vivam em paz uns com os outros” (Mc 9:50, NVI); “Amem também uns aos outros” (Jo 13:34, NTLH); “Trabalhem juntos com alegria” (Rm 12:16, NBV); “Deixemos de julgar uns aos outros” (Rm 14:13, NAA); “Levem os fardos pesados uns dos outros” (Gl 6:2, NVI); “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros” (Ef 4:32, NVI); “Perdoem uns aos outros” (Ef 4:32, NTLH); “Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo” (Ef 5:21, NVI); “Considerem os outros superiores a si mesmos” (Fp 2:3, NVI); “Orem uns pelos outros” (Tg 5:16, NVI). Ame as pessoas como Jesus amou e, assim, seus relacionamentos refletirão o mandamento do Senhor. Quando enfrentar dificuldades em relação a isso, lembre-se: a oração abre a porta de qualquer coração.


SEGUNDA

15 DE JULHO

Guardei a fé Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. 2 Timóteo 4:7

Os grandes homens de Deus nunca tiveram vida fácil. Realizaram Sua obra passando por sofrimentos e duras provas, mas guardaram a fé e avançaram vendo sempre o invisível (Hb 11:27). O exemplo de Paulo é um dos mais tocantes. Deus permitiu que ele enfrentasse muitas dificuldades, mas transformou todas elas em oportunidades. Seu aprisionamento em Roma é um exemplo disso. A prisão Mamertina, onde se supõe que Paulo esteve encarcerado, dá uma ideia do desgaste físico e da pressão emocional que ele teve que enfrentar. Mesmo nessas condições, o Senhor permitiu que ele pregasse para autoridades, líderes e pessoas estratégicas, expandindo o evangelho de forma mais rápida. Roma era considerada a metrópole do mundo, onde poucos davam atenção à história de Jesus. Mas, “em menos de dois anos, o evangelho teve acesso da modesta casa do prisioneiro aos recintos imperiais” (Atos dos Apóstolos, p. 462). Apesar de ser abandonado por muitos em sua condenação, o apóstolo “guardou a fé”. Naquele momento extremamente difícil, fez questão de perdoar seus executores e animar os cristãos. Há um tremendo contraste entre sua morte e a de Nero. O ímpio imperador “infringiu a si mesmo um golpe mortal” (ibid., p. 497) com medo de ser morto por seus inimigos. Paulo, por sua vez, “ao encontrar-se no lugar do martírio, não vê a espada do carrasco ou a terra que tão logo há de receber o seu sangue; olha, através do calmo céu azul daquele dia de verão, para o trono do Eterno” (ibid., p. 511, 512). Até os soldados romanos que o acompanharam ficaram impressionados e “aceitaram o Salvador que Paulo pregava, e sem demora selaram destemidamente com o sangue a sua fé” (ibid., p. 510). Quando aceitamos o chamado do Senhor e avançamos sem medo de oposição ou sofrimento, podemos estar seguros de que a recompensa virá. A mão que se move silenciosamente ao longo da história lhe entregará a “coroa da justiça” (2Tm 4:8) no momento certo, e, então, todas as perguntas terão respostas. Com o mesmo zelo de Paulo, realize a obra para a qual o Senhor o chamou e tenha a certeza de que Deus sempre transformará as dificuldades em novas oportunidades.


TERÇA

16 DE JULHO

Eu sei em quem tenho crido Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos Seus santos. Salmo 116:15

Ellen White foi mensageira do Senhor por 70 anos. Durante seu ministério, ela escreveu mais de 5 mil artigos e 49 livros. Incluindo as compilações de seus manuscritos, temos mais de 150 livros disponíveis. Em seus 87 anos de vida, Ellen ofereceu o melhor para o serviço do Senhor. Quando entendeu que teria poucos dias de vida, ela se dedicou a produzir o máximo de livros. Em 1911, terminou Atos dos Apóstolos; em 1913, Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes; em 1914, Obreiros Evangélicos e, em seus últimos meses de vida, trabalhou no livro Profetas e Reis. Na manhã do sábado 13 de fevereiro de 1915, por volta do meio-dia, ao entrar em seu escritório, Ellen tropeçou e caiu. Sua sobrinha a encontrou e buscou ajuda. Ela havia fraturado o fêmur esquerdo. Naqueles dias, isso era quase uma sentença de morte. Entendendo que vivia seus momentos finais, ela disse: “Não tenho certeza de que minha vida se prolongue muito tempo, mas sinto que estou aceita pelo Senhor” (Fundamentos da Educação Cristã, p. 548). Como seria o futuro da igreja sem a presença de Ellen White? Todos acompanharam sua jornada final. Seu filho William publicava, quase semanalmente, uma nota curta na Review and Herald, informando sobre o estado de saúde da mãe. No dia 14 de julho, num sussurro, ela disse suas últimas palavras: “Eu sei em quem tenho crido.” Depois disso, entrou em estado de inconsciência. Em seu coração, tinha certeza de que havia sido fiel ao Senhor e que não precisava ter medo da morte. Na sexta-feira, 16 de julho, à tarde, sua respiração começou a ficar mais lenta, suas forças foram acabando, e as pessoas mais próximas foram convidadas para a última despedida. Mabel, sua neta, permaneceu todo o tempo sentada ao lado da cama segurando a mão da avó. Às 15h40, Ellen White descansou. Foram realizadas três cerimônias fúnebres. Em seguida, ela foi enterrada ao lado do esposo no cemitério de Oak Hill, em Battle Creek. Sua vida se apagou suavemente como a luz de uma vela, mas a luz da palavra do Senhor, que ela fielmente viveu e transmitiu, continuará brilhando para sempre. Viva hoje com a mesma certeza que acompanhou Ellen por toda sua vida.


QUARTA

17 DE JULHO

Deus não desiste E chamou o Senhor Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás? Gênesis 3:9

Você já caiu em pecado e teve vergonha de orar? Já se sentiu constrangido de pedir perdão novamente pelo mesmo erro? Cometeu alguma falha grave e acha que seu pecado não tem mais perdão? Todas essas dúvidas surgem quando não conhecemos a Deus profundamente e O julgamos com critérios humanos. Achamos que Ele age como nós agiríamos nas mesmas situações. Para entender melhor, precisamos voltar ao jardim do Éden e recordar a história da queda. Adão e Eva foram avisados de que não deveriam comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas ousaram ultrapassar o sinal vermelho. Duvidaram das palavras de Deus e acabaram destruindo toda a perfeição que Ele havia criado. Satanás rapidamente encheu o coração deles de culpa: “Olha o que vocês fizeram. Destruíram tudo!” É assim que ele sempre faz. Adão e Eva tiveram vergonha, medo e se esconderam de Deus. O verso bíblico de hoje mostra a atitude divina quando alguém peca. Por mais grave que seja o erro, Ele procura, vai buscar e pergunta: “Onde estás?” Não busca para condenar, porque sabe que um pecador escondido já se sente punido, envergonhado e humilhado. Ele busca para perdoar, porque sempre odeia o pecado, mas ama o pecador. Ele tira as roupas da vergonha, feitas de folhas, e oferece vestes novas, representando Sua justiça, proteção e perdão. Sua oferta de amor não é uma desculpa para o pecado. Não quer dizer: “Fique livre para pecar porque Eu sempre vou perdoar você.” Ele sabe que o pecado tem consequências, e quem mais sofre com isso é o próprio pecador. O que Ele quer dizer é: “Se no meio da culpa, da dor, da vergonha, ou mesmo das consequências, você quiser sair dessa situação, conte Comigo.” Ellen White reforça essa atitude quando diz: “Quando sentimos que pecamos, e não nos é possível orar, é o momento de orar. Talvez nos sintamos envergonhados e profundamente humilhados; devemos, porém, orar e crer” (O Maior Discurso de Cristo, p. 115). Se você está sentindo o peso da culpa, envergonhado pelo que fez e não consegue voltar, não desista. Corra para os braços de Jesus porque é Ele mesmo quem diz: “E o que vem a Mim, de maneira nenhuma o lançarei fora” (Jo 6:37). Ele não desiste de você!


QUINTA

18 DE JULHO

Mais gente envolvida A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores. Lucas 10:2

O desafio missionário da igreja está crescendo cada vez mais. O mundo não para de crescer, e as cidades seguem se expandindo. O inimigo não cessa de atuar, e o secularismo se aprofunda. A obra está ficando muito maior do que nossa condição de realizá-la. Para encarar esse desafio, precisamos da combinação de um poder sobrenatural com um envolvimento total. Mais trabalhadores, atuando pelo poder do Espírito Santo, farão o que nossas limitações, projeções e temores não são capazes de realizar. Precisamos de mais pessoas que façam a diferença, como Vagno Caetano. Antes de conhecer Jesus, durante 14 anos, ele esteve envolvido com o espiritismo, foi dependente do álcool e de outras drogas. Morador da cidade de São Paulo em uma rua em que há uma Igreja Adventista do Sétimo Dia, nunca conseguiu enxergá-la antes de sua conversão. Certa vez, depois de se envolver num ritual por 15 noites, chegou a seu limite e disse a Deus: “Se existe um caminho melhor, mostra-me, pois sei que o que está acontecendo comigo não é da Sua vontade.” Naquela noite, o inimigo foi embora. No dia seguinte, uma vizinha, que é adventista, lhe ofereceu estudos bíblicos. Ele foi batizado em 1980. Cerca de uma década depois, conheci Vagno, quando cheguei a meu segundo distrito pastoral. Ele era membro da igreja sede. Após ouvir sua história, eu o convidei a mudar de trabalho e se dedicar totalmente à obra bíblica. Ele avaliou bem, orou muito e acabou aceitando. Trabalhamos juntos por mais de dois anos, e aprendi a admirar sua seriedade e seu compromisso com a missão. Anos depois, recebeu um convite para ajudar a professora Iraci Cunha no projeto 300 de Gideão. Após o falecimento dela, passou a ser o líder do projeto, que dura 28 anos e apoia o crescimento da igreja, especialmente nos estados do Ceará, Piauí e Paraíba. Hoje, Vagno tem 73 anos. Por meio de seu trabalho e do projeto que lidera, já foram construídas e reformadas mais de 400 igrejas, e cerca de 30 mil pessoas foram batizadas. Deus também pode contar com você? Que diferença você está fazendo no cumprimento da missão?


SEXTA

19 DE JULHO

O melhor GPS Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos. Deuteronômio 6:6, 7

O GPS (Sistema de Posicionamento Global) tem sido um grande socorro para guiar pessoas a qualquer lugar. Hoje, com os aplicativos para celular, seu uso ficou ainda mais acessível. O sistema funciona por meio de 24 satélites. Cada um circula a Terra duas vezes por dia, de modo que pelo menos quatro deles estejam sempre disponíveis. Deus também Se preocupou em colocar Seu GPS à nossa disposição. O “equipamento” divino tem precisão absoluta. Ele nos ajuda a encontrar o caminho certo, e seu sinal vem direto do trono do Universo, muito além de qualquer rede de satélites. A Bíblia é o GPS que não falha. Ellen White assegura: “Uma única frase da Escritura é de muito mais valor que dez mil ideias e argumentos humanos” (Testemunhos Para a Igreja, v. 7, p. 71). Moody disse que ela não “foi dada para aumentar nosso conhecimento, mas para mudar nossa vida”. Entretanto, Bíblias fechadas não transformam vidas. “Não diga que Deus está em silêncio se sua Bíblia está fechada”, diz uma frase conhecida. Além disso, se ela estiver “empoeirada é porque sua vida está ficando suja”. Você está dedicando o tempo necessário para ouvir a voz de Deus cada dia? Em tempos nos quais a família está cada vez mais desacreditada, os valores, mais empobrecidos, e a religião, mais desfigurada, também precisamos resgatar a leitura da Bíblia em família. Sem ela nossos lares estão em risco e dificilmente transmitiremos os valores espirituais para a próxima geração. Esses momentos merecem uma atenção especial. “Torne-se a hora do culto de família a mais feliz do dia. A leitura das Escrituras seja bem escolhida e simples; as crianças tomem parte nos cânticos; e sejam as orações curtas e específicas” (Serviço Cristão, p. 210). Costumo viajar muito, mas minha família se reúne cada dia para o culto familiar, pela manhã e à noite. Nesses momentos, em que a Bíblia é aberta em casa, nossa unidade é fortalecida, e nosso relacionamento com Deus se estreita. Assim, nosso GPS está sempre ligado. Fortaleça seus momentos de estudo da Bíblia de modo individual e familiar e esteja seguro de que receberá as orientações certas para chegar ao destino da vida eterna.


SÁBADO

20 DE JULHO

Conheça melhor Portanto, nada julgueis antes do tempo. 1 Coríntios 4:5

“Por que você transferiu nosso pastor?” Assim começou a conversa com um ancião que eu havia acabado de conhecer. Fiquei surpreso porque não tinha nenhum contato com a igreja nem com o pastor que ele havia mencionado. Depois de algumas explicações, entendi que o mal-estar havia sido criado por uma informação de que a transferência fora feita por orientação direta do presidente da Divisão Sul-Americana. Expliquei a ele que não é assim que a igreja trabalha. Foi interessante observar como as pessoas aceitam muitas conversas como verdade e tiram conclusões sobre determinados assuntos sem conhecer melhor a realidade. Nas redes sociais, é possível observar como algumas pessoas discutem questões complexas de forma impulsiva, apaixonada e com base em informações que não são reais. Nesses casos, é muito útil o conselho do estadista e primeiro-ministro britânico Winston Churchill: “É necessário ter coragem para se levantar e falar, mas é preciso mais coragem para ​sentar-se e ouvir.” É incrível observar como surgem afirmações sobre fatos que nunca aconteceram, artigos com base em comentários de terceiros, acusações e duras críticas fundamentadas em suposições. Gente que faz isso não tem ideia de quantos dias e horas são gastos em reunião, discussão e oração em busca da vontade de Deus para as decisões que são tomadas na igreja. Em assuntos complexos, é preciso conhecer melhor antes de emitir ​opiniões, construir conceitos, produzir conteúdo, gravar vídeos, promover reuniões ou influenciar pessoas. O conselho de Paulo continua atual: “Portanto, nada julgueis antes do tempo” (1Co 4:5). Lembre-se de que “um sábio fala porque tem alguma coisa a dizer; o tolo, porque tem que dizer alguma coisa” (Platão). Em nossa jornada como família adventista, precisamos cultivar prudência, conhecer mais, ter profundidade, ir à fonte, entender o contexto e saber o que realmente é verdade antes de nos manifestarmos. Só alcançaremos esse ideal se avançarmos com os joelhos no chão e a Bíblia nas mãos, na certeza de que “nossos grandes desafios sempre precedem nossos maiores milagres” (Mark Finley). Que sua fé esteja firmada em Deus e na Palavra, não em boatos.


DOMINGO

21 DE JULHO

O melhor para Cristo Eis que uma mulher da cidade, pecadora, sabendo que Ele estava à mesa na casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; e, estando por detrás, aos Seus pés, chorando, regava-os com suas lágrimas e os enxugava com os próprios cabelos. Lucas 7:37, 38

A história da unção de Jesus por Maria é uma das mais polêmicas dos evangelhos. Há muita discussão sobre quem realmente era essa Maria, onde aconteceu a história e se todos os relatos se referem à mesma situação. Porém, não temos dúvidas sobre a veracidade do relato. No capítulo 62 do livro O Desejado de Todas as Nações, Ellen White discorre sobre detalhes do ocorrido. Segundo ela, Simão realizou um banquete para homenagear Jesus. Afinal, Ele havia sido curado de lepra e queria agradecer ao Senhor. A festa aconteceu em Betânia, no dia anterior à entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, e menos de uma semana antes da crucifixão. Lázaro havia ressuscitado havia menos de dois meses e estava à mesa, na casa de Simão. Ellen White identifica claramente a mulher anônima, do relato de Lucas, como Maria, de Betânia, e o próprio Simão como aquele que levou Maria ao pecado, algum tempo antes. Durante a festa, como em outras ocasiões, “Marta servia à mesa, mas Maria escutava ansiosamente toda palavra que caía dos lábios de Jesus” (O Desejado de Todas as Nações, p. 558). Seu sentimento de gratidão fez com que quebrasse um vaso de alabastro e ungisse Jesus. Era um perfume de nardo puro caríssimo, equivalente ao salário de 300 dias de um trabalhador comum. Um presente digno de reis que representava seu espírito de sacrifício. Era vergonhoso para uma mulher judia aparecer em público com o cabelo solto, mas ela não teve medo de enxugar os pés do Mestre com os próprios cabelos. Segundo Marcos, ela “fez o que pôde” (14:8). Jesus valorizou sua atitude e disse: “Onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também contado o que ela fez” (Mc 14:9). E foi o que aconteceu. Várias décadas depois, quando escreveu seu evangelho, João identificou Maria como irmã de Lázaro (11:1, 2). A atitude dessa mulher marcou a história do cristianismo. Maria ofereceu o melhor. E você? O que tem oferecido a Jesus? O que tem feito pela causa Dele? Dá a Ele a sobra ou o sacrifício? Não importa se você pode oferecer muito ou pouco, ofereça sempre o melhor.


SEGUNDA

22 DE JULHO

A última chance Em verdade vos digo: onde for pregado em todo o mundo o evangelho, será também contado o que ela fez, para sua memória. Marcos 14:9

O relato da unção de Jesus por Maria é uma pérola do evangelho. Revela com clareza o amor de Deus e apresenta a resposta que Ele espera de nós. Nessa história, encontramos uma pessoa que não desperdiçou a chance que teve de exaltar Jesus antes de Ele morrer. Havia um sentimento profundo de amor e gratidão no coração dela por Cristo. É possível que Maria tenha deixado seu lar em Betânia para viver de modo pecaminoso em Magdala. Depois de seus encontros libertadores com Jesus, ela voltou a morar em Betânia, onde o momento mais importante de sua vida ocorreu. No banquete na casa de Simão, Maria não deixou escapar a oportunidade de exaltar o Senhor. Caiu aos pés de Jesus, ungiu-os com suas lágrimas e com o caríssimo perfume de nardo puro, enxugando-os com os próprios cabelos. A morte de Jesus ocorreria dentro de poucos dias. Maria não sabia, mas aquela era sua última chance. Ela foi submissa ao impulso do Espírito Santo e eternizou seu ato de gratidão (ver O Desejado de Todas as Nações, p. 560). Alguns esperam demais e deixam a oportunidade passar. Por mais honrado que tenha sido o ato de José de Arimateia e Nicodemos, eles “não ofereceram suas dádivas de amor a Jesus em vida. Com amargo pranto levaram suas custosas especiarias ao frio e inconsciente corpo” (ibid.). Maria fez por Jesus em vida o que outros fizeram apenas depois da morte Dele. Existem pessoas que são verdadeiros vasos de alabastro fechados. Têm sentimentos preciosos no coração, mas não os repartem. Mesmo tendo vontade de compartilhar, acabam guardando carinho, amizade, elogios, incentivos ou presentes para si. Pior ainda são aqueles que compartilham apenas amargura e condenação. Abra o vaso de alabastro de seu coração e permita que dele exale o perfume de amor e gratidão a Deus e às pessoas. Não deixe para depois o que pode ser feito hoje. Amanhã pode ser tarde demais. Homenagens póstumas são emocionantes e necessárias, mas não podem ser percebidas pelos homenageados. Por isso, não perca a oportunidade de falar coisas boas e agir de modo gentil. Elogie, agradeça e presenteie quem estiver à sua volta, especialmente seus queridos. Pode ser sua última chance.


TERÇA

23 DE JULHO

Julgue menos e ame mais Mas Judas Iscariotes, um dos Seus discípulos, o que estava para traí-Lo, disse: Por que não se vendeu este perfume por trezentos denários e não se deu aos pobres? João 12:4, 5

Durante o banquete oferecido por Simão para homenagear Jesus, Maria aproveitou para ungir seu Mestre e, sem saber, preparou-O para os momentos finais que aconteceriam em uma semana. Quando o perfume se espalhou pela casa, e a atenção de todos foi chamada para a homenagem de Maria, não faltaram críticas e julgamento. Simão julgou Jesus por comer com pecadores, quando ele mesmo havia levado Maria ao pecado. Por outro lado, Judas criticou Maria por gastar tanto dinheiro com um perfume e deixar de usar o valor para ajudar os pobres. Entretanto, Ellen White afirma: “Judas não tinha coração para os pobres. Houvessem vendido o unguento de Maria, caísse o lucro em seu poder, e não teriam os pobres recebido o benefício” (O Desejado de Todas as Nações, p. 559). Ela diz ainda que ele “era altamente considerado pelos discípulos e exercia sobre eles grande ​influência. [...] Suas sugestões estavam sempre despertando desejos ambiciosos de vantagens temporais, desviando assim os discípulos dos importantes assuntos que deveriam ter considerado” (ibid., p. 717, 719). Judas foi muito duro. “Maria ouviu as palavras de crítica. O coração tremeu- lhe no peito. Temeu que a irmã a repreendesse por seu desperdício. Talvez o Mestre também a julgasse imprevidente. Sem se justificar ou apresentar desculpa, estava para se esquivar dali, quando se ouviu a voz de seu Senhor: ‘Deixai-a, para que a molestais?’” (ibid., p. 560). Cuidado com o julgamento. Ainda me lembro de uma entrevista concedida por um dos juízes aposentados do Supremo Tribunal Federal. Ao ser perguntado se concordava com um procedimento da operação Lava Jato, que combate a corrupção no Brasil, ele respondeu: “A princípio não concordo, mas não posso insistir em minha opinião. Os juízes que tomaram esta decisão devem ter informações que eu não tenho. Quando estava na corte sabia de coisas que o público não sabia e, baseado nelas, tomava minhas decisões.” As coisas podem não seguir a lógica que você espera nem ser como em seu pensamento. Há sempre um outro lado da moeda. Enquanto Simão e Judas preferiram julgar, Maria decidiu amar, e Jesus aproveitou para salvar. Julgue menos e ame mais.


QUARTA

24 DE JULHO

Cristo Redentor E, chegando-vos para Ele, pedra viva. 1 Pedro 2:4, ARC

O Cristo Redentor foi eleito uma das sete maravilhas do mundo moderno e, em 2012, tornou-se patrimônio da humanidade pela Unesco. O monumento foi projetado pelo engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa e construído, de 1922 a 1931, de concreto armado e pedra-sabão, com a colaboração dos franceses Paul Landowski e Albert Caquot. A obra mede 38 metros e equivale a um prédio de 13 andares. Seus braços abertos têm 28 metros e, por estar no topo de uma montanha, o monumento foi projetado para resistir a furacões de categoria 5. Apesar do símbolo e da imponência dessa obra de arte, temos que reconhecer que seus braços, seu coração, seus olhos e seu rosto são todos feitos de pedra. Nosso Cristo é diferente! É mais que um cartão-postal, não foi construído por profissionais e não está há quase 90 anos estabelecido no mesmo lugar. Segundo Pedro, Ele é “Pedra viva” (1Pe 2:4, ARC). João O apresenta como sendo “levantado da terra” e atraindo todos a Si mesmo (Jo 12:32). Paulo revela que Seus braços estão abertos para alcançar a todos e convida: “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente [...] a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb 4:16). Ellen White declara: “Seu amorável coração se comovia até às profundezas por aqueles cuja condição oferecia menos esperança e que mais necessitavam de Sua graça regeneradora” (Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 603). Nosso Cristo é Aquele que foi predito no Antigo Testamento, revelado nos evangelhos, pregado em Atos, explicado nas epístolas e esperado no Apocalipse. Nele temos um amor que jamais será completamente compreendido, paz que não será perturbada, descanso que nunca será interrompido, alegria que jamais desaparecerá, esperança que jamais será desapontada, felicidade que nunca será destruída, luz que jamais se apagará, força que não poderá ser vencida, beleza que jamais murchará, pureza que nunca será manchada, recursos que não se esgotarão e salvação que não nos será tirada. O verdadeiro Cristo Redentor está de braços abertos para você. Jesus é a “Pedra viva”, e isso significa que Ele não fica estático diante de seus desafios. Ele Se move para abraçar você e abençoar sua vida.


QUINTA

25 DE JULHO

Renove a esperança Esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. 2 Pedro 3:12

Como nos dias de hoje, no tempo de Pedro também havia dúvida e confusão sobre a volta de Jesus. Porém, o apóstolo não deu espaço para a incredulidade. Ele enfrentou a pressão, o alarmismo, as interpretações desequilibradas e renovou a certeza de nossa esperança. Você mantém firme sua confiança na breve volta de Jesus? Tem sentido sua fé vacilar? Há muito tempo temos ouvido, pregado e cantado sobre a segunda vinda. Alguns têm descrido da promessa, mas a aparente tardança de Jesus é um ato de misericórdia. Seu desejo é salvar mais pessoas. Não há espaço para a dúvida. Ellen White deixa claro: “O Senhor vem. Ouvimos os passos de um Deus que Se aproxima” (Evangelismo, p. 219). Para renovar sua esperança, a segunda carta de Pedro apresenta uma sequência de três conselhos nos três últimos versos do capítulo três: Seja fiel. Os que estiverem realmente preparados viverão “em santo procedimento e piedade” (2Pe 3:11). Somente irá para o Céu quem viver o Céu na Terra. Não porque Deus não queira salvar a todos, mas porque é a fidelidade que indica o quanto realmente queremos estar lá. Esteja ativo. É preciso esperar e apressar (2Pe 3:12) de maneira intensa a vinda de Jesus. Com comunhão diária, estudo da Bíblia e oração, esperamos Jesus, mas também enfrentamos o inimigo, entendemos o tempo de Deus e estamos sempre preparados para Seu retorno. Não há ansiedade ou desespero, mas confiança e paz. Quando pregamos o “evangelho do reino por todo o mundo” (Mt 24:14) apressamos nossa esperança. Quanto mais intensa for a missão, mais perto estaremos de nossa redenção. Não podemos gastar tempo inventando novas interpretações, semeando crítica, medo ou agitação, mas devemos estudar a Bíblia com amigos e levar pessoas à salvação. Ellen White motiva: “É o privilégio de todo cristão não somente aguardar, mas apressar a vinda do Salvador” (Atos dos Apóstolos, p. 600). Mantenha a esperança. Os tempos serão difíceis, mas a Palavra é fiel: “Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova terra” (2Pe 3:13). Você pode continuar confiando Naquele “que é, que era e que há de vir” (Ap 1:8). Por isso, renove hoje sua esperança em Jesus. Ele nunca falha.


SEXTA

26 DE JULHO

Estamos de mudança Porque aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador. Hebreus 11:10

Mudanças não são movimentos fáceis, mesmo que seja dentro do mesmo bairro ou cidade. Encaixotar as coisas, descartar o desnecessário, ​desvincular-se do lugar e projetar a adaptação para a nova realidade envolve organização, disciplina, equilíbrio e planejamento. Toda mudança é uma oportunidade para a família fazer o balanço do que tem, desapegar-se do que não é útil e se adaptar à nova realidade. Mudanças de país são ainda mais complexas. As famílias de missionários que a igreja envia para outras culturas, por exemplo, são orientadas sobre os cuidados necessários para se estabelecerem no novo local. É preciso amar as pessoas e o lugar, se identificar com elas e oferecer-lhes o melhor, mas também lembrar que a estada no campo missionário é por tempo limitado. Isso significa que é preciso se preparar para a mudança quando chegar o momento de voltar para casa. Estamos de mudança para o Céu, e os mesmos princípios podem muito bem ilustrar nossa atitude em deixar o mundo e sonhar com a pátria celestial. Devemos nos lembrar de que estaremos aqui por pouco tempo e que nossas prioridades devem ser dirigidas pela esperança que pulsa em nosso coração. Nossas crenças, pregações e hinos falam sobre um lugar de onde nunca deveríamos ter saído e para onde queremos em breve voltar. Ellen White faz coro com essa ideia: “Devemos introduzir o Céu em nosso coração, na vida diária” (Este Dia com Deus, p. 318). “Estamos indo para casa. Aquele que nos amou de tal maneira que morreu em nosso lugar construiu para nós uma cidade. A Nova Jerusalém é nosso lugar de repouso” (O Lar Adventista, p. 542). Estamos de mudança, e é tempo de sintonizarmos nossa mente na frequência do Céu. Desse modo, aprenderemos a valorizar o que Deus valoriza e, como Paulo, considerarmos tudo como refugo. Toda nossa vida deve estar alinhada com a pátria celestial. Devemos abrir mão do que é importante para o mundo e nos apegar aos valores do reino de Deus. A. W. Tozer disse certa vez: “Quanto mais fascinados nos tornarmos com os brinquedos deste mundo, mais esqueceremos que há outro mundo por vir.” Estamos de mudança para um lugar no qual “habita a justiça” (2Pe 3:13), e falta pouco para que isso aconteça. Portanto, desapegue-se do pecado, ​prepare-se para a breve vinda de Jesus e passe a sonhar com seu novo lar. Permita que essa esperança molde sua mente hoje e habilite você para viver a eternidade.


SÁBADO

27 DE JULHO

Um coração mais conectado Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas. 2 Coríntios 4:18

Já imaginou o que aconteceria se tratássemos a Bíblia como tratamos o celular? Se déssemos uma olhada nela várias vezes ao dia? Se voltássemos para buscá-la quando a esquecêssemos? Se a usássemos para enviar mensagens aos amigos? Se a tratássemos como se não pudéssemos viver sem ela? Se a levássemos sempre que viajamos? Se ela fosse nossa fonte de consulta permanente, nosso guia e apoio? Ao contrário do celular, ela não fica sem sinal. Funciona em todos os lugares. Não é preciso se preocupar com a falta de crédito, porque Jesus já pagou a conta, e os créditos não têm fim. Não cai a ligação, e a carga da bateria é para toda a vida. Sempre seremos atendidos. Não existe caixa de mensagens com respostas automáticas do tipo: “Deixe a sua mensagem após o sinal”; “não foi possível completar a chamada”. Sobre a estratégia do inimigo de tirar nossa atenção da Palavra de Deus, Ellen White ensina: “Satanás deleita-se quando vê seres humanos empregando as faculdades físicas e mentais naquilo que não educa, não tem utilidade, não os ajuda a ser uma bênção aos que lhes necessitam do auxílio. [...] É seu empenho levar os homens a passarem por alto a Deus. Busca ocuparlhes e ​absorver-lhes tão completamente o espírito, que o Senhor não encontre lugar em seus pensamentos” (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 274, 275). Ao comentar sobre nossa necessidade imprescindível de estudar a Bíblia, ela diz: “Todos que dizem crer que o Senhor breve virá devem estudar as Escrituras como nunca antes, pois Satanás está determinado a tentar todas as estratégias possíveis não só para manter as pessoas em trevas, mas também cegar a mente aos perigos do tempo em que vivemos” (Review and Herald, 2/11/1892). Não perca a conexão com Deus. Faça da Bíblia sua companheira em todo o momento e lugar. Não gaste seu tempo com opções infindáveis de entretenimento digital e de outras formas. Mantenha o coração conectado ao Senhor e use as outras conexões para alimentar sua fome da Palavra. A Bíblia é um canal direto de comunicação com Deus. Com ela, você fará parte da rede social do Céu.


DOMINGO

28 DE JULHO

Orar e acreditar Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele. Atos 12:5

Uma das histórias mais interessantes da Bíblia reúne oração, milagre e incredulidade. Para entender como isso aconteceu é preciso voltar aos dias de Herodes Agripa I. Para agradar aos judeus, esse rei ímpio mandou matar Tiago e ordenou a prisão de Pedro. O povo de Deus não ficou passivo diante disso. Segundo o relato de Lucas, “havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor” de Pedro (At 12:5). Enquanto os irmãos oravam, Deus enviou um anjo para libertar o apóstolo da prisão. Livre, Pedro decidiu ir até a casa em que “muitas pessoas estavam congregadas e oravam” (At 12:12). Quando bateu à porta, a criada reconheceu sua voz e ficou tão entusiasmada que não o atendeu. Correu para contar aos demais. Os mesmos que clamavam incessantemente pela libertação não acreditaram no que tinha ocorrido. “Estás louca”, eles disseram à mulher. Acharam que poderia ser até “o seu anjo” (At 12:15). “Pedro continuava batendo; então, eles abriram, viram-no e ficaram atônitos” (At 12:16). Apenas depois de entrar na casa e contar sua história, ele conseguiu acalmar seus intercessores. Haviam esquecido da eficácia da oração e de que ela “e a fé farão o que nenhum poder da Terra conseguirá realizar” (A Ciência do Bom Viver, p. 509). Entre outras situações, experimentei os resultados da oração em um dos lugares em que trabalhei. Havia uma pessoa que me criava muitos problemas e, sempre que estava por perto, me tornava alvo de piadas, humilhações e críticas. A situação estava esgotando minha paciência e já não sabia mais o que fazer. Poderia enfrentar ou “pagar com a mesma moeda”. Contudo, preferi orar e confiar em Deus. Pedi a Ele que mudasse as atitudes daquela pessoa e que trabalhasse em meu coração, ajudando-me com o sentimento de rejeição que nutria. Orei intensamente durante um ano, sem que a pessoa soubesse. Aos poucos, comecei a ver os resultados. As brincadeiras de mau gosto começaram a diminuir, e minha rejeição também. O tempo passou, o problema acabou e hoje temos uma relação de respeito. Em resposta às minhas orações, ambos fomos transformados. Deus está sempre disposto a fazer grandes coisas por nós em resposta à oração. Por isso, clame ao Senhor com fé e não se surpreenda com os milagres que Ele fará.


SEGUNDA

29 DE JULHO

Perdoar e salvar Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem. Mateus 5:44

É fácil tolerar pequenas falhas. O mais difícil é perdoar inimigos ou aqueles que nos causam danos irreparáveis. A baiana Márcia Vita Santos mostrou que é possível seguir o conselho de Cristo. Mesmo educando o filho Rafael na igreja e no Clube de Desbravadores, ela teve a decepção de vê-lo abandonar os caminhos de Deus aos 15 anos. O menino se envolveu com drogas e acabou preso. O vício do filho lhe causou sérios problemas. Traficantes faziam cobranças em sua porta. Para evitar o pior, Márcia entregava a eles até o dinheiro com o qual compraria alimentos para a família. Com a ajuda dos irmãos de sua igreja, colocou Rafael em um centro de recuperação; mas, três meses depois, ele desistiu. Rafa Jhow, como era conhecido, acabou se envolvendo com o crime e foi preso várias vezes. Contudo, depois de ser baleado e ficar internado, aceitou que a mãe lhe desse estudos bíblicos. Após três meses, na madrugada de 16 de abril de 2008, Márcia decidiu fazer um apelo ao filho. Ele aceitou; mas, no mesmo dia, acabou sendo assassinado. Márcia não desistiu. Enfrentou a dor e o sofrimento com amor e perdão. Visitou a mãe do assassino, que estava em depressão, e depois de um ano em oração foi à prisão visitar Tarcísio, que havia tirado a vida de seu filho. Quando o encontrou, sentiu um amor sobrenatural. Decidiu “adotá-lo” como filho, ofereceu estudos bíblicos e passou a acompanhar sua vida. No entanto, Tarcísio foi morto em 29 de junho de 2016. Márcia acredita que ele já havia aceitado Cristo. Além de perdoar o assassino de seu filho, Márcia decidiu iniciar um trabalho de evangelização dentro do presídio de sua cidade. Ela transformou a dor em amor, e amor, em missão. Aprendeu também que quem insiste em não perdoar acaba sofrendo mais que o ofensor. Ela recomenda: “Você só terá paz no dia em que entender o que é o perdão.” Permita que Deus toque sua dor com graça, e você experimentará o conforto do Céu. Como resultado, sua vida replicará o ministério de Jesus e até os inimigos serão alcançados por seu amor.


TERÇA

30 DE JULHO

Coração alegre O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos. Provérbios 17:22

Que tal experimentar um remédio gratuito, fácil de usar e que atua em qualquer situação? Essa recomendação é bíblica e tem grande impacto na expectativa de vida, manutenção de relacionamentos e equilíbrio emocional. As emoções têm origem na mente, mas atuam diretamente no corpo. A maneira como lidamos com elas provoca reações positivas ou negativas sobre nós, causando, prevenindo ou até “ressuscitando” doenças. Por que não cultivar sentimentos de satisfação, paz, equilíbrio e amor, levando o corpo a ter muito mais saúde? Atitudes simples podem fazer a diferença. Por exemplo: você usa 72 músculos para franzir a testa e apenas 14 para sorrir. É inegável que, em algumas situações, um estado de espírito negativo é resultado da ausência de elementos químicos que favorecem a saúde emocional. No entanto, em situações normais, sorrir é mais fácil do que fazer “cara feia”. Esse remédio divino atua não apenas no corpo, mas também na expressão facial (ver Pv 15:13). Uma descrição não oficial do apóstolo Paulo relata que ele era de baixa estatura, mais ou menos um metro e meio, calvo e com poucos cabelos nas laterais, tinha nariz grande, sobrancelhas grossas que se uniam sobre o nariz e tinha pernas tortas. Quem fez essa descrição, porém, a concluiu dizendo que, ao falar, Paulo parecia um anjo de Deus. Sua atitude transformava sua aparência. A falta de um coração alegre traz prejuízos ainda maiores, pois muitas pessoas negativas têm dificuldade de relacionamento e aceitação. O mau humor que manifestam deixa o clima pesado. Algumas se tornam críticas e mantêm pensamentos pessimistas sobre quase tudo. Essas características são um repelente natural. Por outro lado, o bom humor atrai as pessoas e ajuda a criar um ambiente favorável. A receita divina para a saúde emocional está disponível para todos. Aqueles que não têm força nem para sorrir podem olhar para o Céu e ter a certeza do acolhedor sorriso divino. Independentemente de nossa situação emocional, podemos hoje orar para que Deus nos mostre motivos para ter alegria. Procure manter um sorriso no rosto e alegria no coração.


QUARTA

31 DE JULHO

Milagres Existe alguma coisa impossível para o Senhor? Na primavera voltarei a você, e Sara terá um filho. Gênesis. 18:14, NVI

Abraão vivia junto aos carvalhais de Manre quando recebeu a visita de três “homens”. Como sempre, foi hospitaleiro e, sem saber, recebeu anjos (ver Hb 13:2). Entre eles, estava o próprio Senhor. Depois do almoço, o patriarca foi perguntado sobre os filhos. Ele e Sara, sua esposa, não os tinham e sentiam ter perdido essa bênção de Deus. Foi então que ouviram a grande promessa: “Voltarei a você na primavera, e Sara, sua mulher, terá um filho” (Gn 18:10, NVI). Como isso seria possível se já eram tão idosos? Aqueles “homens” nem os conheciam para fazer uma promessa assim. Sara riu diante da impossibilidade. A pergunta divina acabou com as dúvidas: “Existe alguma coisa impossível para o Senhor?” (Gn 18:14, NVI). Abraão havia tentado “ajudar” a Deus e teve um filho com Agar, sua serva. Porém, o Senhor não cumpre promessas pela metade. No tempo certo, nasceu Isaque, filho de Sara. Existe alguma coisa impossível para Deus? Algo que Ele não possa fazer? Doença que não possa curar? Problemas que não possa resolver? Desafios que não possa enfrentar? Lutas que não possa vencer? Decisões que não possa ajudar? Onde está o Deus dos milagres? Apenas registrado nas páginas da Bíblia ou ajudando outras pessoas? Por que não experimentamos esses milagres hoje? Há quatro razões para isso: Pedimos errado. Queremos direcionar a vontade de Deus. Se Ele não dá o que pedimos, concluímos que não atende a nossas orações. Milagres só acontecerão quando confiarmos totalmente nos planos do Senhor. Não temos fé. Pedimos por desencargo de consciência e, muitas vezes, nem nós mesmos acreditamos no que pedimos. Se não acreditarmos de verdade, Deus poderá nos atender? Temos pressa. Queremos que Deus resolva as coisas de acordo com o nosso relógio. No entanto, o tempo e os planos de Deus podem ser diferentes. Muitas vezes Ele sabe que não estamos preparados para receber o que pedimos, por mais justo que seja. Bloqueio na comunicação com o Céu. Se alguma coisa está bloqueando nossa comunicação e relação com Deus, o milagre não virá. Algumas vezes pode ser um perdão não oferecido ou um pecado acariciado. Quebre as barreiras, acredite e experimente hoje os milagres de Deus.


Agosto Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


QUINTA

1º DE AGOSTO

Enquanto a cura não vem Pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. 2 Coríntios 4:17, NVI

Quando Juliana tinha oito anos, seus pais descobriram que ela havia contraído uma doença degenerativa nos olhos. Durante sua infância e juventude, ela foi perdendo gradualmente a visão; mas, apesar disso, decidiu levar a vida da melhor maneira possível. Depois de concluir o ensino médio no Brasil, foi para a Universidade Adventista do Chile, onde cursou Licenciatura em Música. Ali conheceu um estudante de Teologia, Michael, que se tornou seu esposo. Juntos tiveram três filhos: Emanuel, Hugo Miguel e Pedro Daniel. Em 2013, Hugo Miguel adoeceu gravemente e ficou alguns dias internado. Certo dia, ao ir para o hospital, Juliana notou que os outros carros buzinavam e chamavam sua atenção. Ela não conseguia manter seu carro na pista. Foi a última vez que dirigiu, pois sua visão não lhe permitia mais. A adaptação à nova realidade não foi fácil. Muitas vezes, ela orou a Deus pedindo cura, mas não a recebeu. “Mais tarde entendi”, disse ela, “que a cura definitiva chegará com poder e grande glória nas nuvens do céu. Encontrei paz e esperança ao perceber que qualquer sofrimento atual será muito pequeno se comparado às maravilhas do mundo por vir. Compreendi que as coisas que hoje eu não posso ver em nada se comparam àquelas que vou contemplar, com meus novos olhos, por toda a eternidade.” Hoje Juliana só consegue perceber um pouco de luz e alguns vultos a uma distância muito curta. Trabalha com educação e reabilitação de crianças e adultos com deficiência visual. Estuda a Bíblia pelo celular ou tablet com a ajuda de um programa de leitura de tela, mas afirma com convicção: “Gosto muito de decorar textos bíblicos. Assim, prego nas igrejas e nos eventos. Amo levar pessoas para mais perto da Bíblia. Se há alguma coisa que eu posso fazer para melhorar a vida de alguém, faço e não meço esforços. Eu não posso fazer tudo, mas faço tudo que posso com a ajuda de Deus.” Juliana confia que na companhia do Senhor é possível enfrentar perdas, limitações e frustrações. Ao passar por problemas na vida, esteja certo de que, nas mãos de Deus, suas dificuldades temporais se tornarão em bênçãos eternas.


SEXTA

2 DE AGOSTO

Grão de mostarda É como um grão de mostarda que, quando semeado na terra, é a menor de todas as sementes [...]; mas, uma vez semeada, cresce e se torna maior do que todas as hortaliças. Marcos 4:31, 32

Era o ano de 1884. Um jovem, conhecido como Borchardt, agrediu gravemente outra pessoa. Com medo da polícia, resolveu fugir em direção ao porto de Itajaí, no estado de Santa Catarina. Lá conseguiu embarcar clandestinamente em um navio para a Alemanha. Em uma das escalas, encontrou dois missionários adventistas que lhe perguntaram se conhecia algum protestante no Brasil. Meio desconfiado, Borchardt respondeu que seu padrasto, Carlos Dreefke, era luterano. Os missionários pediram o endereço e, alguns meses depois, um pacote contendo revistas adventistas em alemão chegou à colônia de Brusque, Santa Catarina, com o selo de Battle Creek, Estados Unidos. A encomenda foi aberta no armazém de Davi Hort. Dreefke, desconfiado, pegou uma das revistas, com o título de A Voz da Verdade, e distribuiu as outras para seus amigos. Com o tempo, algumas famílias demonstraram interesse e continuaram a pedir mais literatura, usando o nome do Sr. Dreefke. Ele, com medo de que algum dia lhe mandassem a conta, cancelou novos pedidos. O que começou como uma viagem de um fugitivo se tornou o início da obra adventista no Brasil. Foi um começo simples e pequeno, como um grão de mostarda, mas Deus concedeu o crescimento. Hoje, o Brasil é o país com o maior número de adventistas do mundo. Quando Deus está no comando, não precisamos temer os resultados. Às vezes, parece que apenas uns poucos aceitam a mensagem, os livros que entregamos são jogados fora, os convites distribuídos não são aceitos ou somos ridicularizados por fazer a obra missionária. Porém, Deus vai expandindo sua igreja por caminhos que não entendemos. Nossa parte é não perder oportunidades nem desanimar quando os resultados não ocorrem como esperamos. O pouco nas mãos de Deus se torna muito. Ellen White diz: “É chegado o tempo em que podemos esperar que o Senhor faça grandes coisas por nós. Nossos esforços não devem afrouxar nem enfraquecer” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 111). Sem o poder divino, a obra de evangelizar o mundo não será concluída. Contudo, há uma missão para cada um de nós, e o Céu conta conosco. Faça sua parte, compartilhe nossa esperança, e Deus produzirá os resultados.


SÁBADO

3 DE AGOSTO

Maná diário Achadas as Tuas palavras, logo as comi; as Tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração. Jeremias 15:16

Quando o povo de Israel estava no deserto em viagem para a Terra Prometida, Deus os alimentava diariamente, pela manhã, com o maná. Esse alimento sustentou o povo em sua peregrinação. O maná de hoje é diferente, mas a necessidade é a mesma. Também estamos numa jornada para a Terra Prometida e precisamos “comer”, logo cedo, nosso alimento espiritual. Isso não pode ficar para depois. O conselho de Ellen White é preciso: “Consagre-se a Deus pela manhã; faça disso a sua primeira atividade” (Caminho a Cristo, p. 70). Nosso alimento fundamental é a Bíblia. Entretanto, por intermédio da Lição da Escola Sabatina, temos a oportunidade de nos nutrirmos espiritualmente com mensagens preparadas para cada dia. Esse método de estudo facilita a compreensão e aplicação das Escrituras. Deixar algum membro da família, dos menores aos maiores, sem esse maná diário é formar pessoas espiritualmente desnutridas. Veja o conselho inspirado: “A fim de que adquiram o benefício que deveriam alcançar na Escola Sabatina, cumpre tanto a pais como a filhos dedicar tempo ao estudo da Lição, procurando obter completo conhecimento dos fatos apresentados e também das verdades espirituais que esses fatos se destinam a ensinar” (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 137). Há uma bênção especial em cada Lição. Foi o que descobriu Jean Carlos. Um dia, ao sair para dar uma volta perto de casa, encontrou dois exemplares jogados no chão. Ficou interessado no conteúdo e os levou para casa. Começou um estudo detalhado, e isso lhe gerou muitas dúvidas. Como era evangélico, procurou os líderes de sua igreja, mas ficou frustrado com as explicações. Continuou estudando as lições sozinho e enfrentou vários conflitos espirituais, pois havia pontos que não se harmonizavam com as crenças de sua denominação. Decidiu então procurar uma Igreja Adventista do Sétimo Dia. Foi bem acolhido, recebeu estudos bíblicos e foi batizado. A Lição da Escola Sabatina é o maná de hoje. Não deixe faltar este “alimento” para você e sua família. “Coma-o” logo pela manhã e seja um cristão forte e preparado para as lutas do dia a dia.


DOMINGO

4 DE AGOSTO

Ele vai voltar E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Mateus 18:3

Algumas palavras ditas pelas crianças surpreendem, impressionam e nos levam a profundas reflexões. Entre outras situações, lembro-me de uma, quando minha filha, Mariana, tinha seis anos. Estávamos conversando sobre algo que poderia acontecer no futuro e, de forma natural, eu disse: “Isso, se Jesus não voltar antes, é claro!” Sem demorar, ela respondeu com segurança: “Mas Ele vai voltar!” Essa certeza infantil é necessária na vida de todos nós! Como disse Jesus, devemos nos tornar como crianças (Mt 18:3). Contudo, não podemos nos perder em especulações proféticas e nos desviar do “assim diz o Senhor”. A Bíblia apresenta os sinais da volta de Jesus e, a partir da observação deles, podemos evidenciar nossa esperança. Não devemos dar atenção a sensacionalismos e distorções das profecias. Quanto mais previsões, mais frustrações e incredulidade. Essa é a estratégia do inimigo, usando uma visão superficial, parcial e particular das profecias. Ellen White foi clara ao afirmar que, depois da experiência de 1844, “o povo não terá outra mensagem sobre um tempo definido” (Eventos Finais, p. 36). A orientação da Bíblia e dos escritos inspirados de Ellen White é cristalina. Então, por que insistir? Precisamos ter uma visão mais ampla do que está por trás de movimentos alarmistas e sensacionalistas que precisam marcar datas para permanecer alerta. O grande maestro dessas iniciativas é um inimigo desesperado, “sabendo que pouco tempo lhe resta” (Ap 12:12). Ele sabe que, quanto mais datas marcadas houver, mais confusão e desilusão haverá, dificultando o conhecimento da verdade e deixando muitas pessoas fora do Céu. Seu grande objetivo é fragilizar uma das mensagens mais importantes de toda a Bíblia, apresentada 1.845 vezes desde Gênesis até o Apocalipse. Essa é a nossa grande esperança e, por isso, o inimigo trava uma luta incessante contra uma mensagem relevante. Para enfrentar estes tempos difíceis, Deus chamou um remanescente, com certidão de nascimento registrada em Apocalipse 10. Vamos andar na presença do Senhor, estar preparados a cada dia e pregar esta mensagem com poder, na certeza de que realmente “Ele vai voltar”. Essa precisa ser nossa busca hoje e sempre.


SEGUNDA

5 DE AGOSTO

Música para a missão Cantem ao Senhor, todas as terras; proclamai a Sua salvação, dia após dia. 1 Crônicas 16:23

A música exerce um papel fundamental no cumprimento da missão. Um dos melhores exemplos disso é o ministério do quarteto Arautos do Rei. Formado há 57 anos, esse grupo tem levado muitas pessoas a Jesus. Há poucos anos, o quarteto foi convidado para cantar no interior do estado do Pará. Para chegar ao local, os Arautos precisavam passar pela imensa rodovia Transamazônica, que corta a floresta e ainda tem muitos trechos inacabados. No meio da viagem, o carro em que estavam quebrou. A estrada era de terra, não havia sinal de celular, e poucos carros transitavam por ali. Como ninguém parou para ajudá-los, começaram a ficar preocupados. Enquanto os colegas da equipe de apoio buscavam uma saída, o quarteto decidiu caminhar pela estrada. Logo um dos componentes viu uma casa atrás de densas árvores e sugeriu: – Vamos fazer uma visita? Todos concordaram. Bateram palmas, e uma senhora os atendeu. – Podem entrar – disse dona Infância, com um sorriso no rosto. O quarteto se sentiu à vontade na casa daquela mulher. Cantaram um hino, e o pastor Ivan Saraiva pregou uma mensagem bíblica. Muito emocionada, dona Infância os surpreendeu ao dizer: – Que bom que vocês são adventistas! Esperem aí que tenho uma surpresa. Ela foi ao quarto e trouxe o livro missionário A Grande Esperança todo sublinhado. Com lágrimas nos olhos, mencionou o quanto aquele livro foi importante para sua comunhão com Deus e seu preparo para a volta de Jesus. Terminaram a visita e voltaram para seguir viagem em outro carro. Nunca mais viram dona Infância, a senhora que visitaram no meio da floresta amazônica. Porém, a mensagem que havia sido deixada por um livro foi confirmada pela música. Resta a esperança de reencontrá-la no Céu. Não importa se você é cantor, instrumentista ou apenas apreciador. Use a música para compartilhar nossa esperança, cumprir a missão e preparar pessoas para o breve encontro com Jesus.


TERÇA

6 DE AGOSTO

Anjos disfarçados Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação. 2 Coríntios 4:17

Em nossos momentos de aflição, precisamos de alguém que se interesse por nós e ofereça o ombro amigo ou uma palavra de apoio. Pessoas assim são como anjos enviados por Deus. Em maio de 2013, Deus mandou um desses “anjos” para nos ajudar. Minha esposa, Adriene, estava enfrentando dificuldades de saúde, e nenhum médico encontrava a solução. Num sábado, a situação piorou bastante. Eu viajaria no domingo e não sabia o que fazer. Contei a situação a um médico adventista, e ele me indicou a doutora Salete, membro de nossa igreja. Ao findar o sábado, Adriene ligou para ela, explicando melhor o problema, e eu viajei no domingo. Estava confiante, mas preocupado. A doutora Salete foi muito atenciosa, marcou a consulta para segunda-feira e se colocou à disposição para qualquer emergência. Na madrugada de segunda-feira, a situação piorou. Minha esposa ligou para a médica, e as duas foram para o pronto- socorro. Adriene ficou internada, passou por um procedimento cirúrgico, não melhorou, e o hospital pediu à doutora Salete para que voltasse. Quando ela entrou no quarto, minha esposa, bastante emocionada, lhe disse: “Deus mandou você para cuidar de mim. Não sei como agradecer.” No mesmo instante, a médica começou a chorar e contou algo muito forte. Na madrugada em que Adriene pediu ajuda, Salete também recebeu uma ligação de sua mãe, que mora bem distante de Brasília. Seu pai havia passado mal, estava internado numa UTI, e a família precisava dela. Salete ficou aflita. Sem saber o que fazer, decidiu orar. Em sua intuição, sentiu que Deus lhe falava de maneira clara: “Adriene está sozinha, porque seu marido está cuidando das Minhas coisas. Por isso, cuide da Minha filha, que Eu vou cuidar do seu pai.” A dúvida acabou, e ela foi para o hospital. Adriene foi bem tratada, ​recuperou-se totalmente e voltou para casa. O pai de Salete recebeu alta antes mesmo de minha esposa e também se recuperou muito bem. Deus sempre cumpre o que promete! Para minha família, a doutora Salete foi um desses “anjos”. Em seus momentos de aflição, tenha certeza de que você nunca está sozinho. Deus sempre envia algum anjo real ou disfarçado para cuidar de você.


QUARTA

7 DE AGOSTO

Conhecer Jesus é tudo Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por Mim. João 14:6

“Todos os caminhos levam a Roma.” Você já ouviu esse ditado? A ideia é a de que existem diferentes maneiras de fazer a mesma coisa, e todas elas acabarão chegando ao mesmo lugar. Esse conceito pode até se aplicar a algumas situações da vida, mas não às coisas espirituais. Jesus é o único caminho que dá significado à existência na Terra e garante a vida no Céu. Ele é o centro de toda a Bíblia e, sem Seu sacrifício, a salvação seria impossível. Com maestria, o pastor Williams Costa Jr. apresentou essa verdade por meio da composição do hino “Conhecer Jesus é Tudo”. No ano de 1986, Costa Jr. recebeu a missão de escrever uma música para a Campal de Jovens em Itabuna. Depois de algumas semanas, a canção foi apresentada e aprovada. Entretanto, a música simplesmente desapareceu. Depois de procurar muito, Williams decidiu escrevê-la de novo. Dessa vez, guardou-a em um lugar seguro. Misteriosamente, ela voltou a sumir. Perplexo, escreveu pela terceira vez e, para que nada desse errado, fez imediatamente a reserva no estúdio para a gravação. Quando foi fazer o arranjo para a orquestra e vocal, percebeu que o original mais recente também tinha sumido. Como naquela altura já havia memorizado a música, ele a escreveu mais uma vez, fez o arranjo, e o acompanhamento foi gravado. No dia da gravação do vocal, a letra e a música desapareceram de novo. Sem entender por que aquilo estava acontecendo, Costa Jr. fez cópias para não as perder mais. No dia em que foi gravar a voz, mais uma vez o novo original e todas as cópias desapareceram. Muito tenso, escreveu tudo de novo e tão logo terminou, enviou uma cópia para a Casa Publicadora Brasileira, que publicou a letra na Revista Adventista. A partir daí, nunca mais ela sumiu, e sua mensagem ajudou a resgatar muitos corações, sobretudo ao ser apresentada nas campanhas evangelísticas do pastor Alejandro Bullón. De modo poético, a canção ensina que é impossível fazer o bem, “servir aos homens / Se ainda não sabemos servir Jesus”. Sem Cristo, até nossas boas ações perdem o significado. A vida pode ter muitos caminhos e alternativas, mas só Jesus é o caminho para a salvação.


QUINTA

8 DE AGOSTO

Não desista Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados. 2 Coríntios 4:8

Nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936, Jesse Owens se tornou conhecido mundialmente por ganhar quatro medalhas de ouro. Com determinação, Owens transpôs o obstáculo do preconceito racial e, na Alemanha nazista, o esportista negro evidenciou o engano da pretensa superioridade racial de alguns. Com base na própria experiência de vida, Owens escreveu: “Nós todos temos sonhos. Mas, para tornar os sonhos em realidade é preciso uma enorme quantidade de determinação, dedicação, autodisciplina e esforço.” Como no caso de Owens, a dedicação poderá alcançar vitórias, mas a determinação nos manterá na luta. Muitas vezes não somos recompensados no tempo nem de acordo com a maneira que queremos, mas não desista! Deus não desiste! Quando José foi jogado em uma cisterna, Deus não desistiu. Quando Moisés disse que não sabia falar, Deus não desistiu. Quando Arão fez um bezerro de ouro, Deus não desistiu. Quando apenas dois espias trouxeram um relatório positivo, Deus não desistiu. Quando Sansão sussurrou para Dalila, Saul perseguiu Davi ou quando Davi traçou seu plano contra Urias, Deus não desistiu. Quando Jesus foi vítima de uma tentativa de assassinato antes de completar dois anos, Deus não desistiu. Quando Pedro O negou, Jesus não desistiu. Quando na cruz exclamou “está consumado”, e Se entregou por nós, Ele não desistiu, mas Se levantou vitorioso da sepultura. Até hoje, Ele ​continua intercedendo por nós e não desistiu de nossa salvação. Por esse poder e por esse amor, nunca desista. Muitas vezes, nossos esforços não recebem a devida consideração nem somos recompensados pelo que fazemos. Sobre isso, Ellen White aconselha: “Não devemos trabalhar com a esperança de receber nossa recompensa nesta vida, mas com nossos olhos firmemente fitos no prêmio que será dado ao fim da carreira. Agora são precisos homens e mulheres que sejam tão fiéis ao dever como a bússola ao polo – homens e mulheres que trabalhem sem ter o caminho aparelhado e removido todo o obstáculo” (O Colportor-Evangelista, p. 68, 69). Se você está vivendo momentos de tribulação e angústia, não desanime nem desista, porque Deus não desistirá de você.


SEXTA

9 DE AGOSTO

Servo, evangelista e mártir Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Atos 6:8

Estêvão foi um cristão cheio do Espírito Santo. Homem de fé, sabedoria e poder, entrou para a história como o primeiro mártir do cristianismo. A expressão bíblica “cheio de”, usada em relação a pessoas, significa “controlado por”. Estêvão foi um homem submisso ao Espírito Santo e movido pelo desejo de levar pessoas a Jesus. Podemos olhar para Estêvão como um servo. A igreja estava crescendo e se tornando mais complexa. Por conta disso, os apóstolos, que deveriam se concentrar na pregação e na oração, estavam ocupados servindo às necessidades materiais do povo. Para compartilhar responsabilidades, um concílio escolheu sete homens qualificados como “diáconos” (servos), e os apóstolos os separaram para o ministério. Estêvão era um deles. Podemos olhar para Estêvão também como um evangelista. Enquanto estava ministrando, ele foi preso e julgado pelo mesmo conselho que condenou Jesus e os apóstolos. Porém, o poderoso testemunho de seu ministério, e também de sua morte, provocou um grande impacto sobre os judeus e um forte movimento missionário. “Os que foram dispersos por causa da tribulação que sobreveio a Estêvão se espalharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus” (At 11:19). Podemos considerar Estêvão um mártir. Ele não teve apenas um julgamento parecido com o de Jesus, mas também morreu com uma oração semelhante: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito!” (At 7:59). Um escarnecedor perguntou certa vez: “Por que Deus não fez alguma coisa por Estêvão enquanto ele estava sendo apedrejado?” Na verdade, Deus fez algo por ele. Deu condições para que perdoasse seus assassinos e orasse por eles. Além disso, fez com que aquele momento deixasse fortes marcas no coração de Saulo (At 22:20), que depois fizeram dele um herói do cristianismo. Tertuliano afirmou que o sangue dos cristãos era como semente que produzia um número maior de cristãos. Foi o que aconteceu com o martírio de Estêvão. Cristãos verdadeiros vivem para servir e, até depois de mortos, seu testemunho continua vivo. Tenha uma vida cheia de graça e poder, permitindo que Deus use você como servo, evangelista e, se for preciso, também como mártir. No Céu, você conhecerá os resultados e receberá a verdadeira recompensa.


SÁBADO

10 DE AGOSTO

Vocações infantis O Senhor chamou o menino: Samuel, Samuel! Este respondeu: Eis-me aqui! 1 Samuel 3:4

Muitas pessoas perguntam sobre minha decisão de ser pastor, sempre com a expectativa de ouvir algum testemunho marcante e emocionante. Porém, minha história é diferente. Sou filho de pastor, e meu chamado foi ​construído desde a infância, e não em um momento específico. Quando me perguntavam sobre o que eu seria quando crescesse, minha resposta estava na ponta da língua: “Vou ser um pastor.” Minhas brincadeiras de criança quase sempre envolviam o ministério. Gostava de colocar o paletó de meu pai e de carregar sua pasta. Por trás dessas atitudes infantis, Deus estava construindo meu chamado. Ainda me lembro com carinho das viagens com meu pai para ajudar nas projeções das séries de evangelismo. Em muitas reuniões que ele dirigia, eu ficava no escritório brincando, mas atento ao que acontecia. Lembro-me de ter me escondido algumas vezes dentro da sala para acompanhar comissões da igreja. Por alguns anos, depois das aulas, eu ia ajudar o pessoal do escritório na Associação em que meu pai trabalhava. Minha alegria era estar envolvido com as atividades da igreja. Sem que eu soubesse, Deus estava me preparando. Nesse processo, foi fundamental o exemplo coerente de meu pai e o constante estímulo de minha família. Eles alimentaram minha vocação infantil, confirmaram o chamado de Deus e criaram as condições para que eu me tornasse pastor. As vocações infantis merecem nossa atenção. O chamado de Deus não é apenas para jovens no início de um curso universitário ou para adultos dispostos a mudar seus planos de vida. Muitas vezes, como aconteceu com Samuel, Ele chama crianças ainda pequenas. Precisamos estimular nossos filhos a se sentirem chamados pelo Senhor, reconhecerem Sua voz e dedicarem a vida a Ele. Por meio das simples atividades de uma criança, Deus pode estar preparando algo maior, pois, como afirmou Ellen White: “Cada jovem e cada criança têm uma obra a fazer para honra de Deus e o reerguimento da humanidade” (Educação, p. 58). Deus chama as crianças para servi-Lo nas diferentes áreas de Sua obra. Viva servindo ao Senhor, e isso ajudará seus filhos a decidir o que serão quando crescer.


DOMINGO

11 DE AGOSTO

O exemplo dos pais Chegaram ao lugar que Deus lhe havia designado; ali edificou Abraão um altar, sobre ele dispôs a lenha, amarrou Isaque, seu filho, e o deitou no altar, em cima da lenha. Gênesis 22:9

Pense na postura de Isaque em Moriá. O mais natural seria sair correndo, tentar imobilizar o pai ou pedir ajuda aos servos que haviam ficado no pé da montanha. Talvez pudesse confrontar seu pai e argumentar com ele, mostrando que essas ordens de Deus poderiam ser apenas sonhos noturnos ou delírios irresponsáveis. Isaque, porém, simplesmente obedeceu ao pai. Ele “tinha sido educado desde a meninice a uma obediência pronta e confiante, e, ao ser o propósito de Deus manifestado perante ele, entregou-se com voluntária submissão. Era participante da fé revelada por Abraão e sentia-se honrado sendo chamado a dar a vida em oferta a Deus. Com ternura procura aliviar a dor do pai e ​auxilia-lhe as mãos desfalecidas a amarrarem as cordas que o prendem ao altar” (Patriarcas e Profetas, p. 152). Há uma grande lição na atitude de Isaque: os filhos não são o que desejamos que eles sejam; são apenas o que somos. Isaque só aceitou fazer a viagem com seu pai e ser amarrado, porque antes viu o exemplo de Abraão. O patriarca havia deixado sua terra para obedecer fielmente às ordens de Deus. Aceitou a estranha promessa de ter um filho na velhice. Obedeceu à ordem de sacrificar seu filho. Com certeza, em muitos outros momentos, Isaque viu a profunda fidelidade do pai. Foi educado pelo exemplo. Quando chegou a sua vez, não agiu diferente do que o próprio pai faria. A regra também tem seu efeito negativo, e isso aconteceu com Isaque. Assim como o pai havia mentido sobre sua esposa, dizendo que ela era apenas sua irmã, Isaque acabou fazendo o mesmo. No Egito e em Gerar, com Faraó e o rei Abimeleque, Deus teve que corrigir o erro de Abraão (Gn 12:13; 20:2). Na mesma região de Gerar, outra vez com Abimeleque, Isaque também mentiu dizendo que Rebeca era apenas sua irmã (Gn 26:7). É uma tremenda verdade: os filhos não são o que queremos, são o que somos. Afinal, como alguém disse, “o exemplo não é a melhor maneira de educar, é a única”. Quer que seus filhos sejam profundamente fiéis a Deus? Seja você fiel. Esteja certo de que “um grama de exemplo sempre valerá mais que uma tonelada de conselhos”.


SEGUNDA

12 DE AGOSTO

Tecnologia para a missão Uma geração louvará a outra geração as Tuas obras e anunciará os Teus poderosos feitos. Salmo 145:4

Novos tempos exigem novos métodos. Essa é uma lei da vida e dos negócios, mas também da missão. Cada nova geração precisa ser alcançada de uma forma diferente, sempre respeitando o limite de nossos valores e a santidade de nossa mensagem. Vivemos a era da tecnologia e somos cada vez mais dependentes dela. Estamos sempre conectados a aplicativos, redes sociais e sites de busca. A internet está a nosso alcance com coisas de grande utilidade, mas também com o que há de pior na humanidade. Um grande salto tecnológico ocorreu em 12 de agosto de 1981, quando a IBM apresentou seu primeiro computador pessoal. A partir daí, o que estava restrito a poucos começou a chegar às mãos de muitos. Hoje, o lançamento da IBM é coisa de museu. Os equipamentos tecnológicos pessoais foram reduzidos em tamanho, multiplicados em velocidade e ficaram acessíveis à maioria das pessoas. Entendendo essa realidade, a igreja estabeleceu, em 2015, o IATec, uma instituição adventista de tecnologia, com sede no estado de São Paulo. Seu objetivo é preparar os sistemas e soluções tecnológicas de que a igreja necessita, com custos mais baixos, maior eficiência e melhores condições de nos apoiar no cumprimento da missão. Entretanto, a tecnologia não está restrita a instituições. Ela está nas mãos de todos. Pode ser usada em qualquer lugar, não só como meio de comunicação ou busca de alguma solução, mas especialmente como uma forma de evangelização. Afinal, a tecnologia quebra barreiras, alcança pessoas sem pedir licença, vai a qualquer lugar do mundo, usa recursos que tornam a mensagem mais ​atraente, é instantânea e pode alcançar muitas pessoas ao mesmo tempo. Você já pensou na força de todos esses recursos usados por Deus e a serviço da missão? Não se esqueça, porém, de que a eficiência da tecnologia não substitui o contato pessoal. Mais do que redes de computadores, precisamos construir redes de pessoas. A tecnologia é fundamental em nosso tempo. Antes de usá-la hoje, ​conecte-se com Deus para que ao teclar, curtir, compartilhar ou fazer qualquer outra coisa on-line você seja um instrumento para levar alguém para mais perto de Jesus.


TERÇA

13 DE AGOSTO

Canal de bênção Eu de muito boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. 2 Coríntios 12:15

Esposa de Ferdinand Stahl, Ana foi uma enfermeira dedicada, uma professora sempre pronta a ensinar e uma pregadora preparada para compartilhar esperança. Ela acompanhou o ministério do marido e ganhou a confiança e admiração de muitos por seu trabalho na obra médico-missionária. Com sua família, deixou profundas marcas na vida da Igreja Adventista na América do Sul. Ela dedicou a vida para aliviar o sofrimento de ricos e pobres. Ensinou as disciplinas da escola primária, bem como os princípios da saúde e os ingredien- tes básicos da experiência religiosa. Educou muitas crianças e considerou ​muitas delas como filhos. Foi também a mãe que inspirou os filhos a serem missionários. Ana esteve 30 anos no Peru e na Bolívia. Viajou de barco, trem, caminhão, mula e a pé. Ficou doente muitas vezes com febre tifoide e malária. Sua casa foi incendiada, dormiu na neve e foi exposta à morte mais de uma vez, mas nada nem ninguém a desviou do objetivo principal de sua vida: servir, amar e salvar. Ana ajudou mais de mil mães a dar à luz nos Andes e na Amazônia. Em 1927, ela deu início a uma pequena maternidade em Iquitos, no Peru, que se transformou em um hospital, inaugurado em 1961, e que hoje leva seu nome. Em 1939, seu período missionário terminou. “Foi um verdadeiro privilégio passar tantos anos ajudando os outros. Minha vida com você foi maravilhosa”, disse ela ao marido. A vida de Ana Stahl se encaixa perfeitamente no chamado divino a seguir: “Mulheres de firme princípio e decidido caráter são necessárias, mulheres que creem estarmos, sem dúvida, vivendo nos últimos dias, e que temos a última solene mensagem de advertência para ser dada ao mundo. Devem sentir que estão empenhadas numa importante obra ao espalharem os raios de luz que o Céu tem derramado sobre elas” (Beneficência Social, p. 149). Ana entendeu isso em seu tempo e cumpriu fielmente sua parte. Hoje, Deus continua contando com mulheres que abracem a obra de salvar o perdido. Quando as mulheres se levantam e entendem o momento da história em que vivemos, nossa missão avança mais rápido. Deus está chamando Anas modernas, mulheres dispostas a se gastar e deixar-se gastar por Sua causa. Para quem aceita, a recompensa é garantida.


QUARTA

14 DE AGOSTO

Investindo na crise Veio, pois, a mim, segundo a palavra do Senhor, Hananel, filho de meu tio, ao pátio da guarda e me disse: Compra agora o meu campo que está em Anatote, na terra de Benjamim; porque teu é o direito de posse e de resgate; compra-o. Então, entendi que isto era a palavra do Senhor. Jeremias 32:8

Nabucodonosor realizava o último cerco contra Jerusalém. A crise era grave, e todos estavam com medo. Apesar da oposição que sofria, o profeta Jeremias anunciava que a cidade seria destruída e que os judeus passariam 70 anos sob o domínio de Babilônia. Naquele momento de crise, enquanto o desespero aumentava, Deus alimentou a esperança de Seu povo. A profecia da destruição de Jerusalém era tão certa que o profeta alertava seus conterrâneos a não ouvir as falsas promessas de que em breve voltariam do cativeiro. Deveriam se estabelecer, constituir famílias, comprar propriedades e criar raízes (Jr 29:4-10). Ele informou a condição em que a terra ficaria, quem os dominaria e quanto tempo o cativeiro duraria (Jr 25:11, 12). Deus não poderia ser mais claro. No entanto, o Senhor pediu a Jeremias que colocasse não só suas palavras, mas seus recursos para anunciar que ainda havia esperança. O profeta deveria comprar uma propriedade de seu primo Hananel, em Anatote. A pequena cidade ficava a cinco quilômetros de Jerusalém. O problema é que “nesse tempo o exército do rei da Babilônia cercava Jerusalém” (Jr 32:2). Uma propriedade no meio do cerco inimigo não tinha valor nem interessados. Contudo, Jeremias obedeceu. Deus tinha um único interesse: mostrar ao povo que eles voltariam, e todas aquelas propriedades teriam valor e utilidade outra vez. Era um investimento de fé. Você faria um investimento assim? Como fez com o profeta, Deus pede que nossos investimentos hoje mostrem qual realmente é nossa visão de futuro. Estamos interessados apenas naquilo que traz resultados presentes, ou no que tem resultado eterno? Nossos olhos estão nas batalhas perdidas da Terra, ou na pátria celestial? Nossas decisões, prioridades e investimentos precisam mostrar que acreditamos na Bíblia, seguimos as profecias, temos esperança e confiamos que Jesus em breve voltará. Enxergue mais além. Seu investimento na Terra mostra o tamanho de seu interesse na nova Terra.


QUINTA

15 DE AGOSTO

Uma vida de oração Por esta causa me ponho de joelhos diante do Pai. Efésios 3:14

A Bíblia apresenta muitos exemplos de homens e mulheres que tiveram uma profunda vida de oração. O profeta Daniel, por exemplo, manteve seu hábito de falar com Deus, mesmo diante de ameaça à sua vida. Ana, por sua vez, “não deixava o templo, mas adorava noite e dia em jejuns e orações” (Lc 2:37). Além desses e outros personagens bíblicos, muitos cristãos ficaram conhecidos por sua vida de comunhão. A voz do pastor Roberto Rabello era inconfundível. Muitas pessoas foram alcançadas por ela e entregaram a vida a Cristo. O que pouca gente sabe é que o dono dessa voz singular foi um homem de oração. A base do sucesso do diretor e orador do programa de rádio A Voz da Profecia durante décadas estava em seus joelhos calejados. Na biografia de Rabello, seu genro, o pastor Léo Ranzolin, registrou uma das conversas marcantes entre sua esposa, Lucila, e o pai, revelando a intensidade da vida de comunhão do evangelista radiofônico. Ela disse: “Papai, nunca vi o senhor perder a paciência, o controle próprio ou erguer a voz com a mamãe e conosco, seus filhos [...]! Pode me explicar como conseguiu essa vitória?” Lucila continua: “Recordo-me de que meu pai ficou quieto. Havíamos conversado sobre muitos outros assuntos e agora estava ponderando a pergunta de sua filha. Em vez de responder, [mostrou os] joelhos e disse: – Aqui está, minha filha, o segredo: a oração! Essa foi a única maneira de controlar o meu temperamento e ter paciência com vocês, com mamãe e com aqueles com quem convivi.” Lucila arrematou: “Observei, então, que seus joelhos estavam bem calejados! Pude recordar quantas vezes vi meu pai ajoelhado, intercedendo diante do Senhor” (Uma Voz Dedicada a Deus, p. 59). O pastor Rabello descobriu e experimentou que “a oração é [...] o segredo do poder espiritual” (Mensagens aos Jovens, p. 249). Como resultado, Deus amplificou a voz de Seu servo, e milhares de pessoas ouviram sobre as profecias que anunciam a única esperança para o mundo. O privilégio da oração também está à sua disposição. Nenhum outro recurso pode substituí-la. Se ela for desprezada, você perderá o apoio espiritual. Viva de joelhos, e Deus usará sua vida como instrumento para compartilhar Sua mensagem de salvação.


SEXTA

16 DE AGOSTO

Orar para educar Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão. Salmo 127:3

Minha filha tinha nascido havia poucos dias quando um amigo perguntou como estavam as coisas. Como a maioria dos pais de recém-nascidos, eu lhe respondi: “O único problema é que não estou conseguindo dormir bem.” Sua reação foi imediata: “Não se apavore, pois minha filha tem 22 anos e até hoje eu também não durmo direito.” Realmente, educação de filhos é um processo que dura a vida inteira. Em cada fase, as necessidades vão mudando, novas realidades também vão aparecendo, mas os pais cristãos continuam perguntando: Como formar filhos com valores cristãos em uma sociedade sem princípios? Como educar filhos para a eternidade, conduzi-los no caminho em que devem andar (Pv 22:6) e moldá-los com sabedoria, reconhecendo-os como “herança do Senhor” (Sl 127:3)? Não existem fórmulas prontas para responder a todos esses questionamentos. Os bons livros podem dar grande ajuda, mas apenas as palavras inspiradas podem fazer a diferença. A Bíblia e os livros de Ellen White, como O Lar Adventista e Orientação da Criança, trazem orientações e conselhos diretamente de Deus para pais sinceros. O maior segredo da educação está na oração. A oração capacita os pais a fazer uma obra que é maior do que eles mesmos. Este é o tempo de usarmos menos a intuição humana e mais a sabedoria divina. Por isso, precisamos de pais e mães de oração. Orar para educar. Somente Deus conhece cada filho com suas necessidades específicas e pode dar sabedoria aos pais para agir. Ao orar pelos filhos, os pais são transformados. Isso é fundamental. Nesse processo de educação, os filhos somente verão Deus como Pai se eles O enxergarem na vida de seus pais. Orar para unir. Lembre-se de que “famílias que oram unidas permanecem unidas”. Famílias que olham para a eternidade não podem passar um dia sem culto familiar. Orar para resgatar. A oração pode trazer de volta filhos que foram educados nos caminhos do Senhor, mas que hoje estão afastados. Ela toca qualquer coração, não importa onde esteja. A oração é uma arma poderosa. Mantenha o hábito de orar por seus filhos e durma tranquilo na certeza dos milagres de Deus na vida deles e na sua também.


SÁBADO

17 DE AGOSTO

Casa nova Na casa de Meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, Eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. João 14:2

Uma das mais duras perdas humanas com a queda foi a expulsão de nossa primeira casa. Segundo Ellen White, Adão e Eva com “humildade e indizível tristeza se despediram de seu belo lar, e para habitar na Terra, onde repousava a maldição do pecado” (Patriarcas e Profetas, p. 61). A partir daí, toda a humanidade ficou “sem teto”, pois a desobediência tirou nossa casa. Esse foi o primeiro despejo da história da humanidade. A crise foi tão séria que o Senhor precisou colocar anjos à porta do jardim. Adão e Eva viam sua casa, mas não podiam entrar nela. Como consequência da queda, a impiedade se alastrou, e Deus teve que enviar o dilúvio. Antes disso, retirou Seu jardim daqui. Os seres humanos não tinham mais dignidade para viver naquele local sagrado. Deus despediu dali nossos primeiros pais com pesar; mas, desde aquele triste momento, Ele tem trabalhado para devolver a nós a dignidade perdida e, com ela, nosso lar. Momentos antes da cruz, Jesus disse que iria para o Céu com o propósito de nos preparar um lugar (Jo 14:2). Deus nunca Se sentiu bem por estarmos fora de casa. Era como se estivesse dizendo: “Eu nunca mais Me esqueci daquele momento. Por isso, vou preparar um novo lugar para vocês.” É lindo pensar que, antes do lugar, Ele providenciou o meio para que a humanidade possa habitar o Céu. Na cruz, Jesus pagou o preço de nossa redenção, abriu a estrada de volta para o lar e garantiu que Seus filhos fiéis um dia voltariam ao Éden perdido. Desde a queda, o mundo tem estado dividido em dois grupos: os filhos de Deus e os dos homens. A Terra se tornou um lugar incompatível para nós, pois a impiedade fixou raízes neste solo. Estamos desconfortáveis aqui. Este não é nosso lugar. O planeta passou a ser o território do inimigo. Em seu reino, predominam injustiça, violência e morte. Não somos daqui. Jesus nos prometeu que teremos o Éden de volta. Ele retornou para o Céu e, desde então, está preparando novamente um lugar para Seus filhos. Ao mesmo tempo, na pessoa do Espírito Santo, Ele trabalha para que sejamos habitantes dignos desse lugar maravilhoso. O Éden nos será devolvido. Prepare-se para viver nele eternamente.


DOMINGO

18 DE AGOSTO

Finalmente teremos um lugar E, quando Eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, estejais vós também. João 14:3

Se você realmente ama a Deus deve estar tremendamente incomodado neste mundo, pois ele não é nosso lugar. Satanás está permanentemente tentando criar um ambiente que nos deixe confortáveis aqui. Prazeres ilícitos, ilusões sem fim e pecados disfarçados são algumas de suas estratégias para nos deixar acomodados por aqui. Mesmo as coisas consideradas lícitas são usadas pelo inimigo para nos iludir. Ele oferece um determinado cartão de crédito para que você seja parte de um grupo especial; um tipo de carro para que chame a atenção; um imóvel em região nobre para que tenha status. Todas essas coisas não passam de tentativas humanas frustradas para tornar mais confortável um lugar que não é nosso e para fazer com que nos sintamos à vontade fora de nossa verdadeira casa. Não adianta. Não somos daqui e não nos encaixamos neste lugar. Como uma espécie de representante do povo de Deus em todas as eras, Abraão passou a vida inteira em busca da Terra Prometida. Entretanto, a cidade que ele almejava não está localizada em parte alguma deste planeta (Hb 11:10). João a viu descendo até nós (Ap 21:1, 2). Podemos confiar na promessa de Jesus: “Voltarei e vos receberei para Mim mesmo” (Jo 14:3). Em breve, iremos para casa. O Senhor estará para sempre conosco. Não seremos mais expulsos; não lutaremos por uma casa ou emprego; não haverá mais lágrima, luto ou dor; não vamos mais enterrar nossos queridos; nunca mais veremos tragédias ambientais; não haverá mais corrupção, hipocrisia, traição; não enfrentaremos mais violência, medo, sequestro ou roubo. Nunca mais! A Nova Jerusalém é nosso verdadeiro lugar. O que você prefere: Viver cercado de luxos e prazeres neste mundo passageiro ou se preparar para morar num lugar onde não “haverá luto, nem pranto, nem dor” (Ap 21:4)? A segunda opção é muito superior. Falando da nova Terra, Ellen White diz: “Nessas pacíficas planícies, ao lado daquelas correntes vivas, o povo de Deus, durante tanto tempo peregrino e errante, encontrará um lar” (O Grande Conflito, p. 675). Prepare-se para o dia em que voltaremos para casa. Mantenha os olhos no Céu e não se acomode neste mundo. Em breve, chegaremos a nosso verdadeiro lugar de descanso.


SEGUNDA

19 DE AGOSTO

Nossa bendita esperança Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus. Tito 2:13

Uma das marcas registradas do programa A Voz da Profecia sempre foi sua tradicional abertura. No tempo da pastor Roberto Rabello, o quarteto Arautos do Rei cantava: “Servos de Deus a buzina tocai, / Jesus em breve virá! / A todo mundo a mensagem levai, / Jesus em breve virá!” Em seguida, o pastor Rabello dizia suas célebres palavras: “Apresentamos o programa A Voz da Profecia, uma mensagem de fé e esperança que anuncia a volta do Senhor.” É impossível contar quantas milhares de vezes essas palavras foram repetidas por ele, mas uma coisa é certa: o pastor Rabello acreditava profundamente nessa mensagem. Roberto Conrad Filho, possivelmente, tenha sido a pessoa que mais tempo trabalhou com o pastor Rabello. Conrad conta que decidiu ligar para ele depois de um bom tempo em que não conversavam. Durante a ligação, entre outras coisas, o pastor Rabello disse que, além de não produzir mais palestras para o programa, também não fazia mais caminhadas por causa de uma queda. Conrad então perguntou o que ele fazia durante o dia, já que não escrevia nem fazia suas caminhadas. A resposta foi: “Eu oro, estudo a Bíblia e canto.” Como Conrad nunca havia escutado o pastor Rabello cantar, em 25 anos de trabalho, ficou curioso e perguntou que músicas ele mais gostava de cantar. Respondeu que seu hino preferido era “Oh, que Esperança!” (Hinário Adventista, no 469), de Wayne Hooper. Comovido, Conrad pediu que ele cantasse a música, pelo menos uma vez. Depois de uma pequena pausa, ele começou a cantar. “Oh! que esperança vibra em nosso ser, / Pois aguardamos o Senhor! / Fé possuímos, que Jesus nos dá, / Fé na promessa que nos fez. / Eis que o tempo logo vem, / E as nações daqui e além / Bem alerta vão cantar: / Aleluia! Cristo é Rei! / Oh! que esperança vibra em nosso ser, / Pois aguardamos o Senhor.” Após a conversa, o pastor Rabello tomou um banho, foi para o quarto e, antes de se deitar, teve um derrame. Ele faleceu no dia 19 de agosto de 1996. Descansou aos 87 anos, firme na bendita esperança da breve volta de Jesus. Temos o privilégio de crer na mesma mensagem e sermos também movidos por essa bendita esperança. Nosso desafio é vivermos o que pregamos e pregarmos o que vivemos.


TERÇA

20 DE AGOSTO

Manancial Aquele, porém, que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que Eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. João 4:14

Mananciais são corpos de água usados para o abastecimento populacional. Rios, represas e nascentes estão entre essas fontes que propiciam subsistência para quem se beneficia delas. Por conta de seu valor incomparável, os mananciais podem representar a riqueza da salvação. No diálogo com a mulher samaritana, Jesus lhe disse que sua conversão faria de sua existência uma fonte a jorrar para vida eterna. Em outras palavras, o Senhor garantiu que a aceitação Dele significa ter acesso ao manancial inesgotável da graça. Seguindo essa belíssima metáfora, Robert Robinson compôs um dos hinos mais amados da história do cristianismo. “Manancial de Toda a Bênção” apresenta a certeza de que os dons de Deus nunca cessam (Hinário Adventista, no 214). Robinson nasceu em 1735, filho de uma família muito humilde. Com 14 anos, sua mãe o enviou a Londres para que ele aprendesse a profissão de barbeiro. Após a morte do pai, Robert se tornou alcoólatra e passou a viver de modo depravado. Depois de assistir às reuniões do grande evangelista George Whitefield, entregou a vida a Jesus e decidiu ser um pastor. “Manancial de Toda a Bênção” é resultado de sua confiança no amor de Deus e na certeza de que as fontes do pecado não podem satisfazer o coração. Jesus é o verdadeiro manancial. Foi Ele quem inspirou Robinson a escrever esse hino. Nessa poesia poderosa, somos lembrados de que não importa o quanto estejamos afundados na lama do pecado, frustrados ou desapontados, podemos confiar em Jesus. Não se esqueça de que “Satanás treme e foge diante da mais débil pessoa que se refugia nesse nome poderoso” (O Desejado de Todas as Nações, p. 131). O Senhor pode resgatar, levantar e dar a qualquer pessoa uma nova oportunidade. Ele não consulta seu passado para determinar seu futuro. Mesmo que você esteja fraco ou ferido, está nas mãos de um “Deus benévolo, amoroso e zeloso, [...] a maior Fonte de todo o conforto e consolo, o inesgotável manancial da graça” (Orientação da Criança, p. 149). Recorra hoje a Jesus, a infinita fonte da salvação. Nele você encontrará descanso para o coração e saciará sua sede de vida eterna.


QUARTA

21 DE AGOSTO

Barnabé, o consolador José, cognominado pelos apóstolos Barnabé (que, traduzido, é Filho de Consolação). Atos 4:36, ARC

Barnabé foi um homem que apareceu pouco, mas influenciou muito. Suas marcas não ficaram em sua biografia, mas na vida de outros e na história da igreja cristã apostólica. Como consolador, seu objetivo era ajudar, defender, corrigir e motivar outras pessoas a fazer o que era certo. Serviu sem receber benefícios ou recompensas; por isso, seu ministério reproduziu o de Jesus. O espírito consolador de Barnabé se destacou em três grandes atitudes: Mão generosa. Em Atos 4:36 e 37, ele é retratado vendendo uma propriedade e colocando todo o dinheiro à disposição dos apóstolos para ajudar os necessitados. Barnabé não reteve, escondeu nem pensou em si mesmo. Sua mão foi generosa para ajudar primeiro nas necessidades da igreja e das pessoas. Mente generosa. Em Atos 9:26 e 27, ele ofereceu sua amizade e apoio ao recémconvertido Saulo de Tarso. Ainda novo na fé, Saulo tentava se integrar aos discípulos, mas eles estavam resistentes. Seu histórico de perseguição era mais forte do que seu testemunho de conversão. Mesmo assim, Barnabé confiou no novato. A mente generosa o capacitou a enxergar mais longe e aceitar o que parecia inaceitável. Apresentou Paulo ao ministério e o iniciou como missionário. Coração generoso. Em Atos 15:36 a 40, ele se revelou um líder paciente com o jovem João Marcos. Desentendeu-se com Paulo, que não queria o rapaz em sua segunda viagem missionária. Foi graças ao coração generoso de Barnabé que João Marcos amadureceu. Anos mais tarde, o próprio Paulo reconheceu a importância de Marcos para seu ministério (2Tm 4:11). Pessoas como Barnabé são mais felizes e realizadas. Há uma série de motivos para isso, mas Ellen White destaca a razão principal: “A maneira em que se pode alcançar a verdadeira felicidade é buscar o bem alheio” (Conselhos Sobre Mordomia, p. 24, 25). Existe muita sabedoria na frase: “O modo como você faz os outros se sentirem diz muito sobre você.” Por isso, ofereça consolação e, no crescimento das outras pessoas, você terá sua realização.


QUINTA

22 DE AGOSTO

A verdadeira riqueza de Jó Mudou o Senhor a sorte de Jó, quando este orava pelos seus amigos; e o Senhor deu-lhe o dobro de tudo o que antes possuíra. Jó 42:10

O livro de Jó não apresenta o nome de seu autor; mas, possivelmente, Moisés o tenha escrito antes dos outros cinco livros de sua autoria. É uma história sem data definida e com uma forte característica atemporal, pois se identifica com os desafios de qualquer período da história. Seu ​conteúdo, com 329 perguntas, provoca importantes reflexões sobre justiça, sofrimento e restauração. Ao estudar esse livro, vemos que Deus não expôs Jó a nada que não experimentaria na pessoa de Cristo. A única diferença é que Jó sofreu até seu limite, mas Jesus foi além, morrendo pela humanidade. Deus parecia estar em ​silêncio para ambos, mas as duas histórias tiveram um final feliz. Na cruz, o livro de Jó pode ser colocado na perspectiva correta. Naqueles dois pedaços de madeira, Deus sofreu mais do que qualquer ser humano, inclusive Jó. Ele assumiu de maneira coletiva as enfermidades e dores que experimentamos. Por isso, ninguém pode questionar a atitude divina diante do sofrimento. Se considerarmos Jó como o primeiro livro da Bíblia a ser escrito, podemos entender que Jó 1:1 é o primeiro verso das Escrituras. Sendo assim, Deus começa o livro sagrado apresentando o tipo de filhos que está buscando, antes mesmo de falar do início do mundo em Gênesis 1:1. Ele apresenta Jó, um filho fiel, que era íntegro, reto, temente a Deus e que se desviava do mal. Nos primeiros versos do livro, são apresentadas as três grandes riquezas de Jó: a espiritual, a familiar e a material. Elas estão nessa sequência, porque também revelam a ordem das prioridades de Deus. No entanto, o inimigo tentou tirá-las do patriarca numa ordem invertida. Primeiro tirou a material, depois a familiar e, por fim, tentou tirar a espiritual. Satanás revelou claramente quais eram suas prioridades. Acreditou que Jó valorizaria o que é material e terreno, mas se enganou. O fim da história é impressionante. Jó foi restaurado quando orava pelos amigos. Apoiado na riqueza espiritual, a única que não perdeu, recebeu em dobro tudo o que havia perdido. Siga o exemplo de Jó e permaneça sempre fiel aos valores espirituais. Eles serão sua verdadeira riqueza.


SEXTA

23 DE AGOSTO

Primeiro Deus Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e o mais Ele fará. Salmo 37:5

O que é mais importante para você: Deus ou uma pizza? Bem, para fazer esse tipo de pergunta, estou considerando que você goste de pizza tanto quanto eu. Sei que essa questão pode parecer óbvia ou até desrespeitosa, mas é somente uma chance para convidá-lo a pensar sobre o verdadeiro lugar que Deus ocupa em sua vida. A resposta é óbvia e não imagino que seja diferente: Deus é mais importante e sem qualquer comparação. Mas é realmente assim? Pense comigo: Se você tem uma semana especial na igreja e um convite para comer pizza com os amigos no mesmo horário do culto da noite, qual é sua escolha? Se tem apenas 15 minutos pela manhã, você escolhe a comunhão pessoal ou o desjejum? Você gasta mais tempo nas redes sociais ou nos momentos devocionais? As perguntas poderiam ser diferentes, mas Deus realmente ocupa o primeiro lugar? É tempo de não vacilar com as coisas espirituais. Ou estamos realmente comprometidos com Deus ou a batalha estará perdida. Ou nossas palavras combinam com nossas prioridades ou seremos como a casa construída sobre a areia, que parece forte e bonita, mas não resiste às primeiras tempestades. Vivemos um momento decisivo da história. Estamos expostos às tentações mais sutis do inimigo e enfrentamos uma desafiadora crise espiritual como igreja. Essa é uma combinação altamente perigosa. “Considerando a brevidade do tempo, nós como povo devemos vigiar e orar, e em caso algum permitir que sejamos desviados da solene obra de preparo para o grande acontecimento à nossa frente” (Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 306). É tempo de nos levantarmos para realmente colocar primeiro Deus na vida pessoal e também na igreja. Nos escritos de Ellen White, a certeza é clara: “Se tiverdes voz e tempo para orar, Deus terá tempo e voz para responder” (Minha Consagração Hoje, p. 16). Por que não experimentar? “Quando Deus quer fazer uma grande obra, primeiro Ele coloca Seu povo para orar”, disse o pregador Charles Spurgeon. Não perca tempo! Coloque Deus em primeiro lugar em sua vida e una-se ao reavivamento que Ele está levantando. Como resultado, mais rapidamente nossa esperança se concretizará.


SÁBADO

24 DE AGOSTO

O salmo de Lutero Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus. Salmo 46:10

O Salmo 46 é chamado de “Salmo de Lutero” porque o grande reformador se inspirou em suas palavras para compor “Castelo Forte” (Hinário Adventista, no 33), o hino tema da Reforma Protestante. Ao longo do tempo, esse salmo tem fortalecido muitos cristãos em meio a duras provações. Ellen White afirma que esse salmo será cantado pelos remidos no último livramento antes da volta de Jesus. Ela diz sobre o povo de Deus: “Seu rosto, pouco antes tão pálido, ansioso e descomposto, resplandece agora de admiração, fé e amor. Sua voz ergue-se em cântico triunfal: ‘Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia” (O Grande Conflito, p. 639). O Salmo 46 merece nossa atenção. Sua mensagem sustentou o povo de Deus no passado, sustentará no futuro e pode ser um forte apoio ao enfrentarmos nossos desafios no presente. Em suas três estrofes, podemos conhecer melhor a Deus e, como Davi, renovar a confiança de que o Senhor Deus estará ao lado de Seus filhos em qualquer situação. Na primeira estrofe, Deus é. O autor mostra a soberania de um Deus sempre pronto a ajudar em todas as circunstâncias. “Ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares” (ARC), não precisamos temer, pois Ele continua sendo Deus. Na segunda estrofe, Deus está. Não importa os tumultos, os rugidos, os gemidos da natureza ou dos impérios, Deus está conosco. Ele é nosso refúgio seguro e poderoso. Na terceira estrofe, Deus faz. As obras do Senhor são impressionantes. No momento certo, Ele acaba com as guerras, o mal e o pecado. Por isso, Davi descreve um campo de batalha repleto de armas quebradas e veículos queimados, mostrando uma vitória total. Não importa o quanto nossa situação esteja tumultuada, o Senhor nos convida: “Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus.” Deixe de lado o medo e a ansiedade. Confie que “o Deus de Jacó é o nosso refúgio”. Assim como Lutero, você pode entregar suas dificuldades ao Senhor. Nas mãos Dele, tudo estará seguro.


DOMINGO

25 DE AGOSTO

A oração é a solução E, orando Abraão, sarou Deus Abimeleque, sua mulher e suas servas, de sorte que elas pudessem ter filhos. Gênesis 20:17

Uma de minhas atividades mais frequentes é a direção de comissões. As mais sensíveis são sempre as de nomeações nas assembleias administrativas. Elas avaliam vidas, pessoas e posições e, quase sempre, há fortes convicções e opiniões envolvidas. Em cada uma dessas reuniões, dedicamos bastante tempo para o diálogo, mas o que tem feito mesmo a diferença é a oração. Em geral, oramos mais intensamente no início e dedicamos um tempo especial para orar quando as decisões são mais complexas. É emocionante ver como a oração resolve todas as dificuldades. Ao fim de 2017, dirigi cinco dessas comissões. Em quatro delas, tivemos momentos difíceis, com decisões que não avançavam. Depois de gastar bastante tempo avaliando um nome, não era possível fechar a decisão. Ou havia um empate insistente ou muita polêmica. Em cada uma dessas situações, paramos a reunião para orar, em busca de mais sabedoria. De modo impressionante, os problemas desapareceram após a oração. O que era impossível se tornou fácil. O poder da oração está disponível em qualquer momento da vida. John Ortberg afirma: “Quando oramos, os corações se convencem, os pecados são confessados, os crentes se unem, as intenções são motivadas, o povo recebe orientação, a igreja é fortalecida, a obstinação é dissolvida, as vontades se rendem, o mal é derrotado, a graça é libertada, a enfermidade é curada, as tristezas são consoladas, a fé renasce, a esperança cresce e o amor triunfa.” Então, por que gastamos tão pouco tempo orando se temos a promessa de que “a oração da fé moverá o braço de Deus”? (Ministério Pastoral, p. 102). Muitas vezes dedicamos tempo demais discutindo e exaltando as próprias opiniões, quando deveríamos buscar mais intensamente a opinião do Senhor. Sobre isso, Ellen White afirmou: “A confiança em nós mesmos se desvaneceria se falássemos menos e orássemos mais” (Filhos e Filhas de Deus, p. 99). Enfrente seus desafios pessoais, profissionais, emocionais e espirituais com mais oração. Ela fará “o que nenhum poder da Terra conseguirá realizar” (A Ciência do Bom Viver, p. 509).


SEGUNDA

26 DE AGOSTO

Anjos missionários Vi outro anjo voando pelo meio do céu. Apocalipse 14:6

As três mensagens angélicas estão no DNA da Igreja Adventista do Sétimo dia. Nascemos profeticamente para anunciar o “evangelho eterno”, conectado ao “evangelho do reino” (Mt 24:14) e preparar o mundo para a segunda vinda de Cristo. Por meio dessas mensagens, Deus oferece Sua última oportunidade ao mundo e marca o começo do “tempo do fim” (Dn 8:17). Mas quem são esses anjos? Mensageiros celestiais ou missionários humanos? Segundo Ellen White, “os três anjos de Apocalipse 14 representam o povo que aceita a luz das mensagens de Deus, e vão como agentes Seus fazer soar a advertência por toda a extensão e largura da Terra” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 156). Em outras palavras, você e eu somos esses anjos! O chamado, porém, é mais amplo: “Em sentido especial, os adventistas do sétimo dia foram postos no mundo como vigias e portadores de luz. A eles foi confiada a última mensagem de advertência [...]. A eles foi confiada [...] a proclamação da primeira, segunda e terceira mensagens angélicas. Nenhuma obra há de tão grande importância. Eles não devem permitir que nenhuma outra coisa lhes absorva a atenção” (Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 19). É um chamado missionário pessoal e denominacional, mas também um alerta contra a distração. Existimos para anunciar essa mensagem de esperança; por isso, todas as nossas forças, tempo, recursos, talentos, programas, iniciativas e materiais devem estar voltados para essa causa maior. Quando proclamarmos a mensagem do terceiro anjo em alta voz e a missão for cumprida apaixonadamente, veremos os maiores resultados da igreja. “Mais de mil se converterão […] em um dia, a maioria dos quais reconhecerá haver sido primeiramente convencida através da leitura de nossas publicações” (Evangelismo, 693). Os livros missionários distribuídos e a obra dos colportores encontrarão seu resultado pleno. Deus também usará outros meios de comunicação, que surgiram ou ganharam força mais tarde, como o rádio, a TV e a internet para apoiar a obra desses “anjos”. O chamado é para nós: “Se cada um de vós fosse um missionário vivo, a mensagem para este tempo seria rapidamente proclamada em todos os países, a cada povo, e nação, e língua” (Serviço Cristão, p. 9). Seja um desses “anjos” e abrace a missão de pregar o evangelho.


TERÇA

27 DE AGOSTO

Nossa identidade Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo. Apocalipse 14:6

As três mensagens angélicas são a base de nossa identidade denominacional. Somos adventistas como resposta à terceira mensagem, que prepara o caminho para a volta de Jesus. Mas também destacamos o “sétimo dia” como resultado da primeira mensagem, que resgata a adoração Daquele “que fez o céu, e a terra, e o mar” (Ap 14:7). As três mensagens angélicas têm três marcas especiais. Elas são: Urgentes. O anjo aparece voando. Isso indica que não há tempo a perder. Cada dia, milhões estão morrendo ou se colocando longe do alcance do Espírito Santo. Por isso, temos que usar todos os meios, aproveitar a tecnologia, desenvolver uma visão mundial, não perder tempo com coisas desnecessárias, nos concentrarmos em nosso objetivo e clamar pelo batismo do Espírito Santo. Só assim teremos mais agilidade, velocidade e poder para cumprir a missão que o Senhor nos entregou. Eternas. Recebemos um “evangelho eterno” para pregar. É uma mensagem bíblica permanente e enviada diretamente por Deus. Infelizmente ela foi esquecida, ignorada, substituída e até rejeitada; mas, no “tempo do fim”, Deus pede que a resgatemos e a tornemos conhecida e relevante. Não é mais uma mensagem, mas a essência do “evangelho”. Uma oferta de salvação e não de condenação. Apesar das insistentes palavras de juízo que são apresentadas, a condenação não é a mensagem, mas apenas o resultado de sua rejeição. O “evangelho eterno” tem que ver com oportunidades, restauração, amor, fidelidade e salvação. Globais. Elas devem chegar a “cada nação, e tribo, e língua, e povo”. Recebe-mos uma missão local, com abrangência mundial. Nossa ação opera localmente, mas nosso apoio se espalha globalmente. Isso só acontece no contexto de uma igreja organizada, que mantém conexões desde a esfera local até à mundial. Por isso, temos um plano financeiro que sustenta a evangelização em todos os níveis da organização adventista. Não somos enviados ao mundo apenas para anunciar o nome de Jesus, mas para levar pessoas de volta à Sua Palavra e resgatar o “evangelho eterno”. Faça sua parte para que essa mensagem tenha força local e alcance global.


QUARTA

28 DE AGOSTO

Mensagens integradas Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo [...]. Apocalipse 14:8

As três mensagens angélicas são o alerta de Deus para aqueles que vivem nos dias da igreja remanescente. Por isso, Ellen White diz que “Apocalipse 14 é um capítulo do mais profundo interesse. Essa passagem logo será entendida em todo o seu alcance, e as mensagens dadas a João, o revelador, serão repetidas com clareza” (Review and Herald, 13/10/1904). Cada uma das mensagens tem um período específico de tempo para seu cumprimento, mas também se aplica a outros momentos. Elas têm um ​início definido, mas não um fim estabelecido. Possuem uma mensagem relevante para seu tempo, mas se conectam com os períodos anterior e posterior. A terceira se integra às demais apresentando o juízo e a volta de Jesus. Essa integração fica ainda mais evidente quando Ellen White afirma que “a primeira e a segunda mensagens foram transmitidas em 1843 e 1844, e estamos agora sob a proclamação da terceira, mas todas as três mensagens ainda devem ser proclamadas” (Eventos Finais, p. 89). Juntas elas trazem uma visão mais ampla e revelam novas responsabilidades. Elas também nos desafiam a resgatar mensagens esquecidas ou rejeitadas, exaltar a Cristo como Salvador e Senhor, ensinar a clara diferença entre obedecer à lei de Deus e à dos homens e anunciar a breve volta de Jesus. Para isso, Deus chamou um povo e lhe entregou uma missão. Não deu uma mensagem simples nem fácil, mas forte e desafiadora. O conteúdo dessa pregação é urgente, opõe-se às crenças populares e mexe com poderes religiosos dominantes. Para anunciá-la, Deus precisa de um povo profundo na Palavra, equilibrado, obediente e comprometido com a missão. Ellen White diz: “Cristo virá segunda vez com poder para salvar. Tendo em vista preparar os seres humanos para esse evento, enviou Ele as mensagens do primeiro, segundo e terceiro anjos. Estes anjos representam aqueles que recebem a verdade e com poder abrem o evangelho diante do mundo” (Verdade Sobre os Anjos, p. 247). Essa missão tem a ver com você. Não perca tempo. Coloque o seu melhor a serviço da causa do Senhor, pois em breve Jesus voltará “e o que tiver que ser feito pela salvação de pessoas deve ser feito rapidamente” (Perto do Céu, p. 69). A hora é agora!


QUINTA

29 DE AGOSTO

O resgate de uma mensagem Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegada a hora do Seu juízo; e adorai Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. Apocalipse 14:7

Apenas duas vezes Deus advertiu o mundo de uma catástrofe que estava por vir: a primeira foi com Noé (Gn 6:13-18; Mt 24:37), e a segunda, com as três mensagens angélicas (Ap 14:6-12). Assim como nos dias de Noé, Ele revela Seu juízo por meio dessas mensagens, mas deixa clara a ampla oportunidade que oferece a todos. A primeira mensagem apresenta um resgate. Assim, por meio dela, oportunidades são dadas, escolhas são feitas e, só depois disso, o juízo é enviado. No conteúdo dessa mensagem, três elementos bíblicos são resgatados: Antigo Testamento. Expressões como “temer a Deus”, “dar-Lhe glória”, “a chegada de Seu juízo”, “adoração” e “[criação] do céu, da terra, do mar e das fontes das águas” são alusões à mensagem do Antigo Testamento. A primeira mensagem nos recorda de que a Bíblia não é composta de uma primeira parte legalista, ilustrativa, histórica, abolida e de outra cristocêntrica, verdadeira, espiritual e vigente. O apóstolo Paulo é claro: “Toda a escritura é inspirada por Deus” (2Tm 3:16). Sem o reconhecimento de toda a Bíblia como Revelação, não haverá oportunidade de salvação. Sábado. Há um chamado à adoração do Deus criador, que é enfatizado no mandamento do sábado. A própria linguagem da primeira mensagem tem clara conexão com Gênesis 2:1 e 2 e com Êxodo 20:8 a 11, textos que apresentam a instituição do sábado e a recordação do dever humano de observar esse dia, respectivamente. O sábado é símbolo do repouso na graça. Desconsiderá-lo é rejeitar o descanso da salvação. Criação. O apelo para adorar ao Criador recebe destaque em um momento crucial da história. Logo após o movimento milerita (1831-1844), que impulsionou a primeira mensagem angélica, a teoria da evolução teve seu maior impulso com o lançamento do livro A Origem das Espécies, de Charles Darwin. Sem a mensagem de um Deus criador, o alicerce da teologia bíblica desaba. Por isso, o inimigo trabalha de maneira tão intensa para descaracterizar ou destruir a criação bíblica. Sem criação não haverá oportunidade de salvação. Portanto, permita-se ser usado por Deus para que a pura e completa mensagem da Palavra de Deus seja restaurada e pregada a todo o mundo.


SEXTA

30 DE AGOSTO

A hora do Seu juízo Pois é chegada a hora do Seu juízo. Apocalipse 14:7

O tema do juízo está no coração do livro do Apocalipse. Esse é um assunto mal compreendido por muita gente que vive com medo e preocupação. Muitos acham o juízo uma atitude arbitrária da parte de Deus, com padrões rígidos, quase inalcançáveis e que fragiliza a certeza da salvação. Talvez por isso a mensagem seja apresentada poucas vezes em nossos púlpitos. Em alguns casos, quando apresentada, a ênfase é agressiva, desequilibrada ou ofensiva a outras pessoas e denominações. Na Bíblia como um todo, e especificamente nas três mensagens angélicas, o juízo não é uma condenação, mas uma oportunidade de salvação oferecida por Deus. No Apocalipse, ele sempre é apresentado com um apelo ou advertência. Nunca é realizado contra o povo de Deus, mas sempre a seu favor. Talvez você ainda tenha dúvidas sobre a real necessidade de um julgamento, uma vez que Deus já sabe quem será salvo ou estará perdido. Porém, é preciso entender que o juízo não acontece para que Deus descubra falhas, pecados, ou condene uma pessoa culpada. Ele é necessário para rebater as acusações do inimigo contra o povo de Deus. É uma oportunidade especial para que o Universo entenda melhor o que está por trás do conflito entre o bem e o mal e também para que Deus nos declare oficialmente inocentes. É o momento de deixar claro que não temos culpa alguma, porque Ele já pagou o preço. Mais do que analisar a situação do ser humano, o juízo vindica o caráter de Deus. Se você enfrentasse um julgamento humano, precisaria basicamente de duas coisas para resolver seu problema: o melhor advogado e a descoberta do verdadeiro culpado. No juízo divino, Jesus oferece as duas coisas. Ele é o melhor advogado e, ao mesmo tempo, assume toda a culpa que está sobre você, dando completa liberdade. Por que então ter medo do juízo ou apresentá-lo de maneira negativa? Por outro lado, não podemos brincar com a bondade divina. Lembre-se: “Devemos aproveitar ao máximo nossas oportunidades atuais. Não nos será concedido outro tempo de graça em que possamos preparar-nos para o Céu” (Eventos Finais, p. 236). Responda a essa oferta de graça com uma vida de fidelidade e gratidão.


SÁBADO

31 DE AGOSTO

Um chamado à missão Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição. Apocalipse 14:8

A segunda mensagem angélica menciona Babilônia pela primeira vez no Apocalipse. O conteúdo envolve todas as organizações e líderes religiosos que se distanciaram de Deus, desde o passado até o fim dos tempos. Babel, ou Babilônia literal, foi fundada por Ninrode (Gn 10:10, 11:1-9) e, desde o começo, representou descrença e rebelião contra Deus. Isso a tornou, mais tarde, símbolo de confusão. Desde que a cidade literal caiu, Satanás tem procurado, por meio de diferentes poderes mundiais, controlar nosso planeta. Ele fracassou e nunca conseguiu unir os povos, porque o mal, por natureza, é um causador de divisões. Perto do fim, porém, ele terá um sucesso aparente, por pouco tempo, e despertará uma oposição mundial contra o povo de Deus. No entanto, a segunda mensagem angélica deixa claro que Babilônia já está derrotada e cairá. Para que não haja dúvida, o anúncio é feito duas vezes. A Babilônia do Apocalipse, entretanto, representa todos os grupos e movimentos religiosos que se afastaram da verdade. Por isso, sua queda vem acontecendo de forma progressiva, ao longo dos tempos, e se completará com a união de diferentes correntes religiosas para combater o povo de Deus. Apesar de todo esse cenário, a segunda mensagem angélica é uma grande oportunidade para o cumprimento da missão. Diante da ampliação de sua queda, em Apocalipse 18:1 a 4, Deus faz um chamado direto àqueles que ainda estão em Babilônia: “Sai dela, povo Meu” (ARC). Ellen White observa, sobre Babilônia, que “a grande massa dos verdadeiros seguidores de Cristo encontra-se ainda em sua comunhão” (O Grande Conflito, p. 390). Por conta disso, ela aconselha sobre a maneira de pregar o evangelho para essas pessoas: “Deus tem pedras preciosas em todas as igrejas, e não devemos fazer denúncias impetuosas do professo mundo religioso” (Eventos Finais, p. 197). Olhe para Babilônia como um grande chamado à missão. Deus ama os filhos sinceros que ainda estão dentro dela. Por isso, não use a segunda mensagem angélica para acusar ou combater, mas para amar, testemunhar e buscar aqueles que o Senhor está preparando para se unir a Seu povo.


Setembro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30


DOMINGO

1º DE SETEMBRO

O último convite Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz: Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca na fronte ou sobre a mão [...]. Apocalipse 14:9

A mensagem do terceiro anjo é o último convite de Deus ao mundo. Ela apresenta de modo claro a identidade do remanescente e revela o apelo final de Deus com vistas ao preparo para a segunda vinda de Cristo. Três ênfases especiais podem ser percebidas na terceira mensagem angélica: Justificação pela fé. “A mensagem da justificação pela fé [...] é verdadeiramente a mensagem do terceiro anjo” (Evangelismo, p. 190). Afinal, o grande conflito contra o inimigo não será vencido pela capacidade, coragem ou perfeição humana, mas pelo sangue do Cordeiro. A justificação pela fé é um alerta contra os “ismos” do legalismo, criticismo e perfeccionismo. Um chamado para viver permanentemente nas mãos de Deus. Mas isso não é desculpa para o pecado, pois o remanescente será reconhecido por guardar os mandamentos de Deus. Não seremos fiéis porque somos capazes, mas porque Ele é capaz. Identidade. O remanescente tem uma identidade clara. São “os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap 14:12). É um povo menos parecido com todos e mais parecido com Jesus. O povo de Deus está no mundo, mas não é do mundo. Nossa missão é assumir, preservar e compartilhar essa identidade de forma equilibrada, mas ao mesmo tempo com clareza. Missão. A terceira mensagem envolve não apenas o último preparo para a vinda de Cristo, mas também um convite para que cada pessoa faça parte do remanescente fiel. Por meio do alto clamor, o Espírito Santo usará o povo remanescente para abalar o mundo. Para isso, precisamos usar todos os meios possíveis, sobretudo nossa vida e comportamento, para compartilhar nossa esperança. Como disse Roberto Badenas, “a verdade é poderosa quando defendida, contudo, é ainda mais poderosa quando encarnada”. Nos momentos finais da história do mundo, somos chamados a pregar o evangelho eterno sem desequilíbrios, evidenciar nossa identidade e cumprir nossa missão. Assim, daremos o alto clamor, que será a última mensagem de advertência ao mundo. Permaneça firme como uma rocha e mantenha a fé e a esperança mais vivas do que nunca (ver O Grande Conflito, p. 602).


SEGUNDA

2 DE SETEMBRO

Grande voz Seguiu-se a estes outro anjo, o terceiro, dizendo, em grande voz [...]. Apocalipse 14:9

As três mensagens angélicas são “como uma âncora para o povo de Deus. Aqueles que as compreendem e as recebem serão preservados de ser arrastados pelos muitos enganos de Satanás” (Eventos Finais, p. 68). Além disso, elas são um forte chamado ao cumprimento da missão. Nesse sentido, a primeira e a terceira se combinam e são anunciadas em “grande voz”. São mensagens decisivas na caminhada do povo de Deus. A primeira foi proclamada pelos pioneiros mileritas, que resgataram a mensagem da volta de Cristo. Eles se entregaram por completo a essa causa. Investiram tudo na pregação. Apenas em 1844, ano em que esperavam ver Jesus voltar, distribuíram mais de 5 milhões de publicações sobre a segunda vinda nos Estados Unidos. O país tinha cerca de 17 milhões de habitantes, e isso representou quase uma literatura para cada 3,4 pessoas. Mais de uma por casa. Eles fizeram sua parte e pregaram em “grande voz”. O mesmo está prometido para os nossos dias: “A mensagem do terceiro anjo não será divulgada em sussurros, mas com forte voz” (ibid., p. 202). Ellen White prossegue: “As profecias que se cumpriram no derramamento da chuva temporã no início do evangelho devem novamente se cumprir na chuva serôdia, no final do mesmo” (ibid., p. 203). O impacto da terceira mensagem será ainda maior. Segundo a mensageira do Senhor, “esta mensagem se encerrará com poder e força muito maiores do que o clamor da meia-noite” (ibid., p. 202). Será um movimento missionário sem precedentes. “Servos de Deus, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, se apressarão de um lugar para outro para proclamar a mensagem do Céu. Por milhares de vozes, em toda a extensão da Terra, será dada a advertência” (ibid., p. 203). “Multidões receberão a fé e se unirão aos exércitos do Senhor” (Evangelismo, p. 700). A mensagem está agora em nossas mãos. Somos convocados para ​anunciá-la com poder, dinamismo e simplicidade. Nosso dever é usar todos os recursos disponíveis para alcançarmos cada “nação, e tribo, e língua e povo” (Ap 14:6). Faça parte do último movimento missionário da história da humanidade e proclame em “grande voz” a mensagem de esperança para o nosso tempo.


TERÇA

3 DE SETEMBRO

Santuário do Espírito Santo Acaso não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo. 1 Coríntios 6:19, 20

A mensagem de saúde é um legado profético da Igreja Adventista do Sétimo Dia. A partir de 1863, Ellen White começou a orientar sobre a importância de cuidar do “santuário do Espírito Santo”. Um dos resultados de suas mensagens foi o surgimento de fábricas de alimentos saudáveis. No Brasil, nasceu a Superbom, que teve seu início em 1925. A princípio, a pequena fábrica produzia apenas suco de uva no Colégio Adventista Brasileiro, atual Unasp, campus São Paulo. A fábrica cresceu e hoje oferece uma grande variedade de produtos saudáveis que se destacam e ajudam a cumprir a missão. Um dos exemplos de pessoas alcançadas por esse ministério é Dora Garcia. Formada em Farmácia e Bioquímica, ela decidiu estudar a pureza de sucos de uva disponíveis no mercado. Ao fazer uma análise em laboratório do suco Superbom, comprovou que ele não continha conservantes químicos. Quando analisou o rótulo, encontrou a frase: “Uma Indústria Adventista a Serviço da sua Saúde”. Decidiu conhecer mais sobre a igreja e, após alguns meses de estudos bíblicos, foi batizada. Cuidar da saúde, porém, é mais do que simplesmente escolher o que comer ou beber. É um presente de Deus que torna o corpo mais disposto e a vida mais feliz. Relaciona-se com a vida espiritual, porque Deus Se comunica conosco por meio de nossa mente. Ela só estará clara para ouvir Sua voz se o corpo estiver saudável. Quando o corpo é negligenciado, a relação com Deus também sofre. Além disso, a mensagem de saúde é uma forte ferramenta missionária, porque abre a porta de corações que têm preconceito com as coisas espirituais. A essência de nosso ensino sobre esse assunto está resumida em oito remédios naturais: “Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino. [...] Aqueles que perseveram na obediência a suas leis serão recompensados com saúde de corpo e de alma” (A Ciência do Bom Viver, p. 127). Permita que seu corpo seja uma morada saudável para o Espírito Santo. Assim, por seu intermédio, muitas outras pessoas encontrarão o caminho da saúde e da salvação.


QUARTA

4 DE SETEMBRO

Quando Jesus demora a voltar Quando Maria chegou ao lugar onde estava Jesus, ao vê-Lo, lançou-se-Lhe aos pés, dizendo: Senhor, se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido. João 11:32.

Segundo o evangelho de João, o maior milagre realizado por Jesus foi a ressurreição de Lázaro. Entretanto, a grandeza do milagre está associada à frustração da família: Jesus só chegou quando já fazia quatro dias que Lázaro estava sepultado (Jo 11:17). Sua aparente demora destruiu os argumentos de Seus opositores que, então, decidiram matá-Lo (Jo 11:53). Foi um momento marcante, pois a partir dali começou a jornada de Cristo para a prisão, morte e ressurreição. A família não aceitava a demora de Jesus, que havia sido avisado de que Lázaro estava gravemente enfermo. O Senhor ficou dois dias no lugar onde estava (Jo 11:6) e depois decidiu ir para a Judeia (Jo 11:7). Parecia ignorar o momento de dor de Seus amigos. Quando finalmente chegou a Betânia, ouviu as palavras de decepção de Marta e Maria (Jo 11:21, 32). Você também já se sentiu inconformado pelo fato de Jesus demorar a vir? Talvez tenha pensado: “Se o Senhor já tivesse vindo, minha filha não teria morrido naquele acidente”; “minha esposa não teria sofrido tanto com aquela doença”; “meu filho não teria saído da igreja”; “meu negócio não teria falido”. A aparente tardança de Jesus tem sido retratada em nossas canções: “Não desistir, Cristo vem logo”; “É só um pouco mais, um pouquinho mais”; “Eu não Me esqueci de ti”. A impaciência é natural para quem vive num mundo saturado pelo pecado e espera ver logo o Salvador. Podemos confiar que Jesus voltará no tempo certo. Mark Finley disse de modo acertado: “O atraso para a volta de Jesus está apenas na mente das pessoas, mas nunca na mente de Deus.” Em vez de alimentar a dúvida, renove a esperança. O apóstolo Pedro disse: “Não retarda o Senhor a Sua promessa” (2Pe 3:9). Quando Ele não vem no momento em que esperamos, é porque está preparando uma bênção maior. O conselho inspirado para nós hoje é: “Sejamos animados pelo pensamento de que o Senhor logo virá. Que essa esperança alegre nosso coração. ‘Porque, ainda dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não tardará’ (Hb 10:37)” (Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 287).


QUINTA

5 DE SETEMBRO

Esqueceram Jesus Terminada a festa, voltando seus pais para casa, o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que eles percebessem. Lucas 2:43, NVI

Aos 12 anos, Jesus viveu Sua transição entre a infância e a juventude, como era comum aos judeus. Para celebrar esse momento, seus pais O levaram para a festa da Páscoa, em Jerusalém. Ellen White descreve o acontecimento: “Pela primeira vez, contemplou o menino Jesus o templo. Viu os sacerdotes de vestes brancas, realizando seu solene ministério. Viu a ensanguentada vítima sobre o altar do sacrifício. [...] Cada ato parecia estar ligado a Sua própria vida” (O Desejado de Todas as Nações, p. 78). A festa terminou, e a família começou sua viagem de volta, mas José e Maria esqueceram Jesus. “O prazer de viajar com os amigos e conhecidos absorveulhes a atenção, e não Lhe perceberam a ausência até que chegou a noite. [...] Por um dia inteiro haviam perdido de vista Aquele a quem não deviam ter esquecido nem por um momento” (ibid., p. 80, 81). Apenas três dias depois, eles O encontraram no templo, discutindo com os doutores da lei, que “pasmavam de Suas respostas” (ibid., p. 78). Essa história tão incomum pode se repetir também em nossos dias? Quando terminam nossas festas espirituais, projetos missionários e atividades da igreja, o que levamos? Um encontro com os amigos, um momento social, uma foto marcante, um show com cantores famosos ou a mensagem de um pregador eloquente? Não podemos nos esquecer de que nossos cultos, sermões, encontros, projetos e músicas são apenas meios. Eles precisam nos levar a Jesus. Se O esquecermos, ficará mais difícil encontrá-Lo depois. As oportunidades não se repetirão, poderemos nos distanciar demais ou outras prioridades acabarão ocupando o coração. Jesus é o centro da Bíblia e precisa ser também o destaque de nossas atividades. Como Ele mesmo disse: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de Mim” (Jo 5:39). Quem O busca pela Palavra encontra o caminho da salvação. Descrevendo o incidente mencionado no texto bíblico de hoje, Ellen White dá um de seus mais preciosos conselhos: “Faria bem para nós passar diariamente uma hora a refletir sobre a vida de Jesus. Deveremos tomá-la ponto por ponto e deixar que a imaginação se apodere de cada cena, especialmente as finais” (ibid., p. 83). Por isso, não O perca de vista. Passe o dia com Ele pela fé e esteja pronto para, em breve, encontrá-Lo em Seu retorno glorioso.


SEXTA

6 DE SETEMBRO

Portas Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, Comigo. Apocalipse 3:20

Em Apocalipse 2 e 3, estão registradas as cartas endereçadas originalmente às sete igrejas da Ásia Menor. Sua aplicação profética se refere aos diferentes períodos do cristianismo, desde a primeira até a segunda vinda de Cristo. A Igreja Adventista nasceu entre a mensagem da sexta e da sétima igreja, Filadélfia e Laodiceia, que apresentam duas portas de oportunidades (v. 8, 20). Contudo, Deus tem uma mensagem especial para Laodiceia, a igreja dos últimos dias. Quando João escreveu sua mensagem à igreja dessa cidade, o cristianismo estava estabelecido ali havia mais de 40 anos. O convite era destinado a quem já conhecia Jesus. A mensagem é dura, mas apresenta uma oportunidade de Deus a nós para avaliarmos nossa condição espiritual. A forte condenação é apenas resultado de nossa grave condição. Com mais amor, interesse e oração, podemos nos arrepender e desviar de nós a reprovação divina. O objetivo de Deus é sempre salvar. Na mensagem à igreja de Laodiceia, o destaque especial está no amor de Jesus. Ele nos diz: “Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, Comigo” (Ap 3:19, 20). Em outras palavras, Sua mensagem é: “Eu não vou desistir de você.” A expressão “estou à porta e bato” revela o interesse e urgência de Deus em nos salvar. Ele insiste em nos dar a chance que mudará nosso destino. Porém, Ele não força a entrada. Ele diz: “Se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta...” Ele bate à porta de nosso coração, mas a chave está do lado de dentro e em nosso poder. Quem decide abrir a porta, participa com Jesus de um banquete de santidade e se alimenta de vida eterna. Enquanto a porta da graça estiver aberta, Cristo não desistirá de bater à porta de seu coração. Abra a porta de sua vida e deixe-O entrar. Enquanto isso, entre também pela porta da salvação, que Ele ainda mantém aberta para você.


SÁBADO

7 DE SETEMBRO

Nuvem Nunca se apartou do povo a coluna de nuvem durante o dia, nem a coluna de fogo durante a noite. Êxodo 13:22

Dediquei 12 anos inesquecíveis de minha vida trabalhando no Ministério Jovem. Durante aquele período, vivi muitos momentos marcantes. Porém, a experiência mais desafiadora foi organizar o III Campori Sul-Americano de Desbravadores, com 20 mil participantes, de 11 a 16 de janeiro de 2005, em Santa Helena, no estado do Paraná. Durante aqueles dias, Deus mostrou que gosta de acampamento. Gosto de pensar que Ele nos presenteou com uma nuvem semelhante à que acompanhou os israelitas no deserto. O verão na região da tríplice fronteira entre Paraguai, Brasil e Argentina, onde fica a cidade de Santa Helena, é extremamente quente e com muito risco de chuva. As duas situações eram preocupantes. Muita gente orava a Deus pedindo um cuidado especial durante aqueles dias. E Deus não falhou. Todas as manhãs, durante o devocional, quando o sol era forte e a temperatura ficava entre 30 e 35 graus, uma nuvem cobria o acampamento. No sábado de encerramento, a presença da nuvem foi ainda mais forte. Durante a tarde, o céu ficou escuro, indicando temporal. O vento era forte, e o palco, que ficava dentro do lago da hidrelétrica de Itaipu, balançava com força. As barracas precisaram de reforço para não serem danificadas. Todos estávamos em oração e preparados para o pior, mas os ventos passaram, e a chuva não chegou. As pessoas que estavam hospedadas em cidades vizinhas testemunharam mais de perto o milagre de Deus. Houve tempestade em toda a região ao redor do acampamento. Alguns motoristas tiveram até dificuldade para dirigir, tamanha a intensidade da chuva. Muitos até imaginaram os estragos no Campori ou o cancelamento do programa. No entanto, a nuvem permaneceu sobre o acampamento. Apenas ali a chuva não caiu. Foi um milagre que ficou na mente dos 20 mil acampantes. Entre outras coisas, essa experiência nos ensina que podemos continuar confiando no cuidado de Deus. Ellen White nos lembra: “Uma coluna de nuvem de dia e de fogo à noite move-se diante de nós, como se movia diante do antigo Israel” (Orientação da Criança, p. 565). Enfrente seus desafios sem medo, pois o Senhor sempre guiará e protegerá Seus filhos fiéis.


DOMINGO

8 DE SETEMBRO

Deus não Se esquece Porque Deus não é injusto para ficar esquecido do vosso trabalho e do amor que evidenciastes para com o Seu nome. Hebreus 6:10

O livro de Hebreus foi escrito por Paulo para judeus que haviam aceitado o cristianismo. Gente perseguida e que fazia um grande sacrifício para seguir Jesus. Por isso, no verso bíblico de hoje, o apóstolo oferece uma mensagem de confiança em relação ao futuro. Os leitores originais podiam avançar seguros sem desanimar nem se acomodar. Sempre haverá recompensa para aqueles que entregam tudo pela causa do Senhor. A promessa também é para hoje. Precisamos enxergar além, pois Deus não trabalha só com resultados imediatos. Muitas vezes, Ele vê grandes benefícios em situações que hoje parecem apenas problemas. Vê você como a pessoa certa, apesar das crises ou oposição. Vê o que parece apenas uma dificuldade como uma escola de crescimento para a vida. Ele vê suas perdas de hoje na perspectiva dos ganhos de amanhã. A Bíblia e a história mostram que Deus sempre recompensa Seus filhos fiéis. Ele não Se esqueceu de Noé, que pregou por 120 anos ao construir a arca. Quando o dilúvio chegou, a recompensa se realizou. Deus não Se esqueceu das humilhações pelas quais José passou no Egito. No momento certo, tornou-o governador daquela nação. Não Se esqueceu de que Moisés havia deixado a casa de Faraó, passado 40 anos no deserto e enfrentado momentos difíceis ao liderar Seu povo. Como recompensa, Deus ressuscitou Seu servo e o levou para o Céu. Não Se esqueceu da fidelidade de Daniel e seus amigos em Babilônia. Concedeu a eles vitória e libertação. Não Se esqueceu de Saulo. Fez dele um herói do cristianismo. Não Se esqueceu da entrega completa de Ellen White. Tornou-a Sua mensageira, pregadora e escritora poderosa. Não Se esqueceu de John N. Andrews, o mais preparado de nossos pioneiros, que aceitou ser o primeiro missionário adventista fora dos Estados Unidos. Por meio dessa decisão, abriu a missão da igreja para o mundo. Deus continua olhando com atenção para aqueles que aceitam o desafio de fazer mais e melhor pelo Senhor. Nem sempre as recompensas vêm da maneira ou na velocidade que esperamos. Deus tem o tempo e o modo certos. O mais importante é servir Sua causa e deixar nas mãos Dele a recompensa. Ele não Se esquecerá!


SEGUNDA

9 DE SETEMBRO

Destruindo Babel Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra. Gênesis 11:4

Depois do dilúvio, os novos habitantes da Terra se esqueceram da misericórdia divina e desejaram fazer célebre o nome deles. Começaram a construir uma torre que alcançasse o céu, com a qual desejavam afrontar o Deus verdadeiro. Assim nasceu Babel e a maior divisão da história da humanidade. No entanto, com Deus não se brinca. Eles estavam bem adiantados na construção quando “o Senhor mandou dois anjos para confundi-los em seu trabalho” (História da Redenção, p. 73). A Bíblia diz que até aquele tempo, “em toda a terra havia apenas uma linguagem” (Gn 11:1). Depois disso, ninguém mais conseguiu se entender. A arrogância dessas pessoas acabou mal. Deus confundiu seu idioma, e eles foram espalhados pela face da Terra. Em Atos 2, o Espírito Santo fez o contrário na vida dos discípulos. Depois de orarem pelo cumprimento da promessa do envio do Consolador, eles receberam o poder do Espírito. Milhares de pessoas de diferentes idiomas entenderam a mensagem dos apóstolos, e o povo de Deus se uniu. O Espírito Santo pode juntar o que Babilônia espalha. Em Babel, os homens queriam tornar seu nome célebre; por isso, houve confusão e divisão. No Pentecostes, no poder do Espírito, os apóstolos glorificaram o nome de Deus. O resultado não poderia ser outro: 3 mil conversos e uma igreja unida. Em nossos dias, precisamos do mesmo poder para, em uma só voz, proclamarmos nossa esperança. O batismo do Espírito Santo é nossa mais urgente necessidade. Deus está ansioso para nos conceder essa graça. Ecoando as palavras de Jesus, Ellen White afirmou: “O Senhor está mais disposto a dar o Espírito Santo àqueles que O servem do que os pais a dar boas dádivas a seus filhos” (Atos dos Apóstolos, p. 50). Não existe cumprimento da missão sem esse poder. Sobre isso, John Stott reflete: “Antes de mandar a igreja para o mundo, Cristo mandou o Espírito para a igreja. A mesma ordem precisa ser observada hoje.” Ore hoje pelo derramamento do Espírito. Com Ele, o povo de Deus se une, confusões são desfeitas e o evangelho é pregado com poder.


TERÇA

10 DE SETEMBRO

No centro da vontade de Deus Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste. 2 Timóteo 3:14

Timóteo recebeu uma sólida formação bíblica da mãe, Eunice, e da avó Loide (2Tm 1:5). Ainda jovem, tornou-se líder da igreja. Paulo tinha um carinho especial por ele e o aconselhou a manter suas sólidas raízes espirituais. Os tempos mudaram, e a sociedade de hoje está mais desafiadora do que na época de Timóteo. As pessoas têm adotado posições extremas, radicais, desequilibradas, e a igreja sente os reflexos disso. Um desses reflexos é a polarização política entre esquerda e direita, que acaba aparecendo na vida espiritual. Contudo, nossa religião não é de esquerda nem de direita, mas de Deus e da Bíblia. A religião de direita aparece no ultraconservadorismo. Os adeptos desse modo de pensar podem ser classificados como aqueles que “têm zelo por Deus, porém não com entendimento” (Rm 10:2). Trata-se de gente que vive ​procurando erro e apostasia em tudo. Pessoas assim tentam levar os outros à fidelidade, mas acabam afastando-os de Deus. O resultado é sempre frustração e apostasia. Pessoas, igrejas e a própria família acabam destruídas. A religião de esquerda pode ser percebida no liberalismo. Em geral, os “esquerdistas da fé” adaptam a vontade de Deus aos próprios interesses. Não estudam a Bíblia para entender o que Deus diz, mas apenas para defender o que pensam. Buscam uma religião self-service, pois escolhem o que querem e rejeitam o que não gostam. Exaltam a Jesus como Salvador, mas não fazem Dele seu Senhor. Sem notar, vão se afastando de Deus e da verdade. Diante dessa realidade polarizada que ameaça a igreja, podemos nos lembrar do conselho de Paulo a Timóteo: “Permanece naquilo que aprendeste.” Essa mensagem do apóstolo pode ser entendida em nosso contexto da seguinte forma: Não se esqueça das verdadeiras raízes espirituais. Se a vida cristã não estiver apoiada na comunhão e fundamentada na revelação, terminará em frustração. A religião de Deus sempre forma pessoas que são fiéis ao que está revelado e não se pautam por opiniões desconectadas da Bíblia. Não ande em busca de extremos. Rejeite o relativismo permissivo da esquerda e se afaste do radicalismo agressivo da direita. Esteja fundamentado na Palavra de Deus, mantendo firmes as verdadeiras raízes espirituais.


QUARTA

11 DE SETEMBRO

Onde está Deus? Então, a cidade toda saiu para encontrar-se com Jesus; e, vendo-O, Lhe rogaram que Se retirasse da terra deles. Mateus 8:34

Em resposta à jornalista Jane Clayson sobre onde Deus estava durante os atentados de 11 de setembro de 2001, Anne Graham disse: “Creio que Deus ficou tão profundamente triste com o que aconteceu, quanto nós. Por muitos anos, temos pedido a Deus para não interferir em nossas escolhas, sair de nosso governo e de nossa vida. Sendo um cavalheiro, como Deus é, creio que Ele calmamente nos deixou. Como podemos esperar que Ele nos dê Sua bênção e Sua proteção se exigimos que Ele não Se envolva mais conosco?” Lamentavelmente nos afastamos de Deus, mas O questionamos como se Ele tivesse nos deixado. Alguém descreveu esse processo da seguinte forma: Primeiro disseram que não deveríamos mais orar nas escolas, e aceitamos. Depois, que a Bíblia não fosse mais usada no ambiente educacional. Sim, a própria Bíblia que ensina que devemos amar o próximo como a nós mesmos e não matar nem roubar. Também aceitamos. Depois veio alguém ensinando que não devemos disciplinar nossos filhos, e a sugestão também foi socialmente aceita. Depois, alguém disse que os educadores não deveriam disciplinar os alunos quando se comportassem mal. E isso rapidamente virou regra. Surgiu então a proposta de que deveríamos deixar nossas filhas fazerem aborto, se elas quisessem. A sugestão também foi aceita. Então alguém sugeriu que se liberasse o uso de materiais de conteúdo sexual. Aceitamos como sendo um pilar da democracia, pois todos têm o direito de se expressar e seguir seus desejos. Agora estamos nos perguntando por que nossos filhos não têm consciência e por que não sabem distinguir entre o bem e o mal, o certo e o errado; por que não respeitam ninguém e não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou mesmo seus colegas de classe ou até eles mesmos. Se analisarmos seriamente, vamos compreender que a sociedade está simplesmente colhendo o que plantou. É como a ilustração de um bilhetinho que uma menina escreveu para Deus: “Senhor, por que não salvaste aquela criança na escola?” A resposta Dele foi: “Minha filha, infelizmente não Me deixam entrar nas escolas!” Diante de toda essa desintegração moral, reafirme seus princípios e solidifique sua fé na Palavra de Deus.


QUINTA

12 DE SETEMBRO

O chamado dos discípulos E, quando amanheceu, chamou a Si os Seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu também o nome de apóstolos. Lucas 6:13

Ao estabelecer as bases da igreja, Jesus chamou doze homens para serem Seus discípulos mais chegados. Com esse número, confirmou que Seus planos não haviam mudado, apenas Seus representantes. Originalmente, Deus estabeleceu 12 patriarcas, que depois se organizaram em 12 tribos. Ao escolher os 12 apóstolos, Ele deixou claro que seguia buscando salvar o mundo por meio de Seus representantes. Antes dessa escolha, porém, passou a noite orando para nos dar o exemplo de que, antes de uma grande decisão, é preciso gastar um grande tempo em oração. Mesmo que Seus escolhidos parecessem não ser os melhores, Ele chamou, aceitou e amou cada um. Veja alguns deles: Filipe. Ouviu a pregação de João Batista, mas tinha dúvidas sobre a divindade de Cristo. Conseguia ver o Filho de Deus apenas como “Jesus, o Nazareno, filho de José” (Jo 1:45). João. Era conhecido como “filho do trovão” por ter um temperamento forte. Além disso, ele e o irmão, Tiago, eram ambiciosos. Pedro. Era sincero em sua busca, mas muito impulsivo. Falava e agia sem pensar e criou muitas situações difíceis por isso. Judas. Ofereceu-se para ser discípulo. Jesus o aceitou. Apesar de conhecer a ganância dele, Jesus lhe deu as mesmas oportunidades. Por que Jesus escolheu homens tão falhos como esses? Segundo Ellen White, “Cristo não escolheu, para Seus representantes entre os homens, anjos que nunca pecaram, mas seres humanos, homens semelhantes em paixões àqueles a quem buscavam salvar” (O Desejado de Todas as Nações, p. 296). Ao escolher cada um dos apóstolos, Jesus pensava em nós. Ele os escolheu para nos dizer: “Eu chamei, aceitei e amei os doze porque quero fazer o mesmo com você.” Os discípulos foram transformados quando entregaram completamente a vida a Cristo. João deixou de ser o “filho do trovão” e passou a ser “o discípulo amado”. Pedro se entregou no caminho do Calvário, quando o olhar de Jesus o encontrou. Filipe se entregou antes do Pentecostes. Judas, porém, nunca se entregou completamente. Mesmo tendo sido aceito no grupo dos discípulos acabou perdido. E você? Já entregou completamente sua vida a Cristo?


SEXTA

13 DE SETEMBRO

Contraste E a si mesmo se purifica todo o que Nele tem esta esperança, assim como Ele é puro. 1 João 3:3

Comparar a vida de João e Judas permite perceber um dos maiores contrastes entre os 12 apóstolos. De um lado, encontramos o trovejar do temperamento forte e ambicioso do filho do trovão, que, ainda assim, era sensível e submisso a Deus. De outro, nos deparamos com a capacidade e inteligência admiráveis de Judas, que eram inflamadas por excessivas doses de ​egoísmo e ganância. João é um grande exemplo de santificação. Ellen White declara: “Dia a dia seu coração era atraído para Cristo, até que perdeu de vista o próprio eu no amor pelo Mestre. O poder e a ternura, a majestade e a brandura, o vigor e a paciência que ele via na vida diária do Filho de Deus encheram-lhe a alma de admiração. Ele submeteu seu temperamento ambicioso e vingativo ao modelador poder de Cristo” (Atos dos Apóstolos, p. 557). Sua relação sincera com Cristo e a luta intensa contra o pecado permitiram que o Mestre realizasse nele o processo da santificação, que, conforme o ensino de Ellen White, “não é obra de um momento, de uma hora, de um dia, mas da vida toda. [...] É o resultado de morrer constantemente para o pecado e viver constantemente para Cristo” (ibid., p. 560). Em contraste com a santificação de João, vemos a apostasia de Judas. Ele desejou seguir o Senhor e não era totalmente insensível às tentativas do Céu de salvá-lo, “mas ele não humilhava o coração nem confessava seus pecados” (ibid., 557). Por conta disso, ele permitiu que o pecado crescesse de modo descontrolado em sua vida “até que Satanás alcançou sobre ele pleno controle” (ibid., p. 558). Os dois tiveram as mesmas oportunidades. Ellen White indica o motivo de eles terem tido finais tão diferentes: “João guerreou ferozmente contra suas faltas; mas Judas violava a consciência e cedia à tentação […]. Ao passo que um em humilhação estava aprendendo de Jesus, o outro revelava não ser cumpridor da Palavra, mas ouvinte apenas. Um, morrendo diariamente para o eu e vencendo o pecado, era santificado pela verdade; o outro, resistindo ao poder transformador da graça e condescendendo com desejos egoístas, era levado para a escravidão de Satanás” (ibid., p. 558). Qual tem sido sua escolha? Permita que Deus realize em sua vida a maravilhosa obra de santificação diária, que preparará você para viver no Céu.


SÁBADO

14 DE SETEMBRO

Crescimento completo E crescia Jesus em sabedoria, em estatura e em graça, diante de Deus e dos homens. Lucas 2:52

André morava com os pais, Marlene e Julio, em Iquitos, na selva peruana. Como Julio era militar e viajava muito, André começou a participar do Clube de Desbravadores com a mãe. Julio não gostava que o filho fosse ao clube. Entretanto, depois de muita insistência, o pai foi a uma reunião. Ao ver a ordem unida, o respeito à pátria e à família, o preconceito dele foi quebrado. Começou então a frequentar as reuniões aos domingos, ajudar como instrutor e logo também passou a participar das atividades do clube aos sábados. Envolveu-se em um pequeno grupo, recebeu estudos bíblicos e, poucos meses depois, toda a família foi batizada. Deus gosta de usar crianças e juvenis em Sua obra. Por isso, precisamos prepará-los corretamente para esta vida e para a eternidade. O Senhor estabeleceu diferentes meios para que isso possa ser feito. A família, a educação cristã e a igreja são parceiras nesse processo. Cada um desses métodos tem um importante papel na transmissão dos valores cristãos e no preparo de cada criança para ser testemunha de Jesus. Na igreja, porém, o Clube de Desbravadores é um meio eficiente de dar consistência à vida espiritual das crianças e juvenis. Ele estabelece valores mais profundos, um discipulado mais intenso, um aprendizado mais amplo para a vida e um preparo mais sólido para enfrentar desafios. Se esses meios forem empregados de modo correto, as crianças e juvenis se desenvolverão de modo integral, como Cristo. Crescerão mental (sabedoria), física (estatura), espiritual (graça diante de Deus) e moralmente (graça diante dos homens). A educação sólida e completa não acontece por acaso. É resultado de ação intencional, exemplo coerente e oração intensa. Ellen White afirma: “Pela sincera e fervorosa oração, os pais devem construir um muro em torno dos filhos. Devem suplicar, com plena fé, que Deus habite entre eles e santos anjos os guardem, a eles e aos filhos, do poder cruel de Satanás” (Conselhos Para a Igreja, p. 152). Faça tudo o que você puder para oferecer a nossas crianças um crescimento completo como o de Jesus. Assim, elas serão instrumentos poderosos nas mãos de Deus.


DOMINGO

15 DE SETEMBRO

Crise O diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta. Apocalipse 12:12

É possível que a palavra “crise” seja a que melhor represente o momento em que o mundo está vivendo. Ao ouvir esse termo, alguns pensam no cenário político, na corrupção ou na moralidade, mas a ferida é muito mais profunda. Ela aparece nas folhas; mas, na verdade, está na raiz. Origina-se na rejeição gradual dos valores cristãos. A sociedade está apenas colhendo o que tem plantado. As Escrituras nos ajudam a entender a origem das crises. O problema teve início no Céu e, desde que veio para a Terra, não para de piorar. O apóstolo João apresenta o “olho do furacão” da grande crise humana: “O diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta” (Ap 12:12). Não é difícil perceber os efeitos cada vez mais destrutivos da fúria desesperada do inimigo. Como resultado, a maldade avança vertiginosamente. As pessoas fazem o que é errado e defendem o erro como acerto. Cada um se acha dono da própria verdade; mas, em realidade, estão todos sem rumo. O egoísmo está cada vez mais forte nos corações, e o resultado é uma crise sem precedentes. A atuação do inimigo é desenfreada e produz rápidas transformações no mundo. O terrorismo e o fundamentalismo religioso explodiram de uma hora para outra, mudando o comportamento global e a maneira de ver as ​religiões. Estamos vivendo em meio a uma revolução cultural, em que as questões ​sexuais e familiares deixam de ser regidas pelos parâmetros bíblicos e passam a ser orientadas pelos impulsos pecaminosos da sociedade. No âmbito ecológico, o mundo só anda para trás. Pouco se falava sobre isso no passado, mas os danos foram se ampliando e, de uma hora para outra, o planeta ficou ameaçado e não há organismos mundiais capazes de resolver o problema. A crise está ficando sem controle. E o que nós estamos fazendo diante desta situação? Se o inimigo tem pressa para a perdição, não deveríamos ter ainda mais pressa para anunciar esperança e salvação? Deus está buscando pessoas que não tenham medo de se levantar e enfrentar a crise com esperança. Permaneça ao lado de Deus e ajude quem está ao seu redor a tirar os olhos das dificuldades e colocá-los na eternidade.


SEGUNDA

16 DE SETEMBRO

Obreiras de Deus Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à Sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, Ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. 1 Pedro 5:10

Não é fácil enfrentar crises. Muitas vezes, elas esgotam as energias, afetam o ânimo e até debilitam a saúde. É assim que a maioria encara as ​situações difíceis. Entretanto, existe outra maneira de enfrentar os problemas. Ellen White nos diz: “As provações da vida são obreiras de Deus para remover de nosso caráter impurezas e arestas” (Beneficência Social, p. 20). O entendimento do apóstolo Paulo era semelhante. Ele disse: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co 12:10). Como diz um antigo ditado: “A extremidade do homem é a oportunidade de Deus.” Em momentos assim, podemos aprender lições preciosas, pensar com mais profundidade na vida, valorizar as pessoas, olhar para cima e buscar mais intensamente a Deus. Há uma bênção escondida por trás de cada lágrima. Spurgeon disse: “Aqueles que mergulham no mar das aflições trazem pérolas raras para cima.” As crises são “obreiras de Deus” também porque confirmam nossa esperança. Profetizadas nas Escrituras como sinais do tempo do fim, elas se cumprem de modo pleno bem diante de nossos olhos todos os dias. Por mais que tudo esteja profetizado, não nos alegramos com o sofrimento. Porém, como povo do Senhor, nos levantamos para servir e compartilhar esperança. Todo esse cenário difícil nos indica em que altura estamos de nossa jornada para o Céu e que atitude devemos ter. O próprio Jesus recomendou que, quando todas essas coisas estivessem ocorrendo, não deveríamos baixar a cabeça em sinal de lamento, mas levantá-la em sinal de confiança, pois nossa redenção se aproxima (Lc 21:28). Enfrente as crises com esperança. Quando você permite que elas se tornem “obreiras de Deus”, Ele as usa para “aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar” (1Pe 5:10) seu caráter e preparar você para viver no Céu.


TERÇA

17 DE SETEMBRO

Levante-se Então, lhe disse Jesus: Levanta-te, toma o teu leito e anda. João 5:8

Era festa da Páscoa, e Jesus decidiu ir para Jerusalém. Sábado cedo, ao sair para a sinagoga, passou pelo que era considerado o “hospital” público da cidade. Chamado de Betesda, que em hebraico significa casa de misericórdia, era um “hospital” diferente, com cinco pavilhões e uma piscina no centro. Não havia médicos, enfermeiras nem medicamentos. Os doentes acreditavam que quem descesse primeiro às águas movimentadas por um anjo seria curado. Um homem, paralítico havia 38 anos, estava ali. Ao Se aproximar dele, Jesus foi direto: “Queres ser curado?” (Jo 5:6). O paralítico respondeu apenas que não havia ninguém que o lançasse nas águas. Ele não respondeu à pergunta de Jesus. Precisava somente dizer sim ou não e mostrar o tamanho de sua fé. Por isso, Cristo fez o milagre, colocou a solução nas mãos dele e disse: “Levanta-te, toma o teu leito e anda” (v. 8). O paralítico precisava decidir se aceitaria o milagre ou continuaria deitado pelo resto da vida. Havia recebido a cura, mas precisava colocar forças nas pernas e levantar. De modo semelhante, quem está paralisado pelo pecado só vivencia o milagre da libertação quando o poder divino e o esforço humano se unem. Você já observou como há pessoas que desejam vencer seus pecados, mas isso não se traduz em atitudes de abandono do erro? Gente assim ouve a Palavra de Deus, mas não a pratica. Quando enfrentamos as tentações, o Senhor nos dá coragem para agir e as condições para vencer, mas a decisão de recusar o mal é nossa. Não adianta orar se você não assumir uma atitude resoluta de abandonar o pecado. O esforço humano é necessário. Por outro lado, há aqueles que se apegam apenas à própria força e se esquecem de que o poder para vencer o pecado está em Deus. Nossa participação é importante, mas sozinha não tem valor algum. Sem conexão com o Céu, somos fracos e não temos nenhuma chance contra o tentador e a tentação. Quer vencer o que tem derrotado você? Busque permanentemente o poder de Deus e decida enfrentar seu ponto fraco. Apodere-se da Palavra de Deus, que pronuncia sua vitória. Creia nela, levante-se e ande pela fé. Agindo assim, pecado algum poderá paralisar você.


QUARTA

18 DE SETEMBRO

O cuidado de Deus Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. Filipenses 4:6

Em 2002, com minha família, passei por uma situação que nos causou estresse e ansiedade. Na época, eu era diretor de jovens da União Nordeste Brasileira e deveria participar do Congresso Sul-Americano de Jovens, no Chile. Com pouca experiência em viagens internacionais, chegamos para o embarque sem ter um passaporte para meu filho, que era um bebê. Não nos autorizaram embarcar com a criança. Eu tinha que ir ao Chile, mas estava triste por não poder levar minha família. Tentamos todas as possibilidades, mas não deu certo. Minha esposa, Adriene, e nosso filho, Matheus, ficaram com meus sogros no Rio de Janeiro para tentar fazer os documentos e embarcar no dia seguinte. Contudo, o que era ruim ficou ainda pior. O juizado de menores estava em greve. Se isso não fosse suficiente, eu não havia deixado uma autorização escrita para que Adriene fizesse os documentos do bebê sozinha. Mesmo assim, ela decidiu tentar. Depois de muita oração e insistência, foi atendida pela pessoa responsável. A funcionária resistiu em preparar o documento sem a autorização do pai, mas, no fim, acabou aceitando o avô como responsável. Faltava ainda o passaporte. Tensa com a situação, Adriene, na companhia de meus sogros, foi à Polícia Federal orando e pedindo outro milagre. Foi quando dois senhores lhe deram uma atenção especial. Um deles preencheu pessoalmente todos os formulários, e minha esposa apenas assinou. Em poucos minutos, ela recebeu o passaporte pronto. Mais tarde, ela descobriu que havia sido atendida pelo delegado-chefe da Polícia Federal. No fim do dia, depois de muitos milagres, embarcaram para o Chile. Aquela parecia uma situação impossível, mas Deus cuidou de tudo. Experimentamos o que Ellen White disse: “Em qualquer emergência devemos sentir que a batalha é [do Senhor]” (Profetas e Reis, p. 202). Se quiser sentir a paz de Deus em meio aos desafios da vida, faça tudo o que estiver a seu alcance, mas não deixe de colocar cada necessidade nas mãos do Senhor com oração, súplica e ação de graças. Ele sempre fará o melhor.


QUINTA

19 DE SETEMBRO

Criação e recriação Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram. Apocalipse 21:1

Criação e recriação estão profundamente ligadas. Isso fica evidente quando comparamos o primeiro e o último livro da Bíblia. Em Gênesis 1:1, Moisés relata que “no princípio criou Deus os céus e a terra”; em Apocalipse 21:1, João se refere ao recomeço de tudo com a expressão “novo céu e nova terra”. Os dois primeiros capítulos da Bíblia (Gn 1, 2) e os dois últimos (Ap 21, 22) apresentam um mundo sem pecado. Gênesis também revela como foi o começo do mundo e o fim da perfeição. O Apocalipse mostra o fim do mundo e o começo da perfeição. Em Gênesis, o pecado surge; no Apocalipse, ele é exterminado. Em Gênesis, a árvore do conhecimento do bem e do mal traz a morte; no Apocalipse, a árvore da vida traz eternidade às nações. Em Gênesis, surgem a lágrima, a dor e a morte; no Apocalipse, elas desaparecem. Em Gênesis, Deus busca o homem e pergunta: “Onde estás?”; no Apocalipse, toda a carne adora perante o Senhor. Em Gênesis, as portas do jardim são fechadas; no Apocalipse, as portas da nova Terra são abertas. Em Gênesis, a vida eterna é perdida; no Apocalipse, ela é devolvida. Finalmente, o conflito que se inicia em Gênesis é resolvido no Apocalipse. Para crer no livro do Apocalipse é preciso acreditar no livro de Gênesis. Por isso, o inimigo tenta a todo custo lançar descrédito no relato bíblico da criação. Assim, ele desestabiliza a base de nossas crenças. Se não houve criação, conforme relatada em Gênesis 1 e 2, também não houve pecado nem há necessidade de salvação. O sábado passa a ser apenas um elemento cultural de um povo e não mais o dia do Senhor para toda a humanidade. A família perde seu modelo divino e pode se orientar por outros paradigmas. A mensagem da volta de Cristo também deixa de ter significado, porque, se não somos capazes de crer na criação, como creremos em um processo ainda mais complexo de recriação? Se não aceitamos que Deus formou o “homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida” (Gn 2:7), como iremos crer que “ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, [...] os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1Ts 4:16)? Apenas quando você aceita o começo, passa a entender o fim. Por isso, permaneça fiel à revelação para não comprometer sua salvação.


SEXTA

20 DE SETEMBRO

Nossa esperança Vi novo céu e nova terra, […] e o mar já não existe. Apocalipse 21:1

O Apocalipse renova nossa esperança e garante que o dia do retorno de Jesus está próximo. O mundo já parece estar “maduro” ou bem perto disso. Pense bem: Será que a situação ainda pode ficar muito pior? Qual será a condição do planeta e das pessoas, daqui a 20 ou 30 anos, se continuarmos no ritmo em que estamos? O evangelho do reino também está sendo pregado fortemente. Com os rápidos meios de comunicação em massa, já não podemos contabilizar seu alcance. O Céu também está pronto. João o viu e confirmou a promessa feita a Isaías: “Eis que Eu crio novos céus e nova terra” (Is 65:17). Como Ellen White disse, “ouvimos os passos de um Deus que Se aproxima” (Evangelismo, p. 219). Ao falar sobre a nossa esperança de viver no lugar perfeito que Deus está preparando para nós, João enfatiza, no verso de hoje, que “o mar já não existe”. Isso parece contraditório, já que o mar é parte da criação divina, e o próprio apóstolo menciona, em Apocalipse 4:6 e 15:2, a existência do mar de vidro no Céu. Para entender melhor, é preciso lembrar que o apóstolo estava exilado na ilha de Patmos, onde o mar, em determinadas épocas do ano, é extremamente violento. As ondas fortes representavam para ele medo, ameaça e condenação. Além disso, cercado de água por todos os lados, é possível que João enxergasse o mar como algo que o separasse de seus queridos. Por meio dessa linguagem figurada, o apóstolo estava dizendo que, na nova Terra, “a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram (Ap 21:4). Se fosse contextualizar para sua vida, como você terminaria o verso bíblico de hoje? Talvez você escreveria: “e o câncer já não existe”, ou “e a morte já não existe”, ou possivelmente “e o desemprego já não existe”. Deus lhe permite olhar para cima com a certeza de que em breve o sofrimento acabará. O livro do Apocalipse apresenta de modo claro nossa esperança. Nele, além de revelar a concretização de Sua justiça e as belezas que têm preparado, o Senhor nos conforta com a certeza de que todo tipo de sofrimento existente neste mundo não existirá mais. Jesus em breve virá! Essa é a nossa esperança. Mantenha essa certeza viva no coração.


SÁBADO

21 DE SETEMBRO

Oração nas vitórias E, tendo-os despedido, subiu ao monte para orar. Marcos 6:46

Qual é seu sentimento depois de uma grande realização ou vitória espiritual? Você fica confiante e independente, ou mais sensível e dependente do Senhor? É interessante observar o exemplo de Jesus. Depois de Suas maiores realizações, Ele Se tornava mais dependente do Pai. Quanto maior Sua conquista, mais necessidade Ele sentia de oração. Jesus havia acabado de alimentar uma multidão com apenas cinco pães e dois peixes (Mc 6:34-44). Todos estavam eufóricos, queriam fazê-Lo rei, e Ele experimentava o auge de Sua aceitação pelos discípulos e pelo povo. Se quisesse uma oportunidade para aproveitar a fama e dormir tranquilamente, aquele seria o momento ideal. Porém, em vez disso, subiu ao monte para orar. O Senhor celebrava Suas vitórias com mais oração e enfrentava Suas lutas aumentando a comunhão. Ele sabia que, se deixasse de orar ao comemorar Suas conquistas, estaria em sério risco, e o inimigo não perderia a oportunidade. Se não intensificasse a comunhão nos momentos de dificuldade, perderia Sua fonte de poder e seria dominado pelo desânimo. Jesus enfrentou cada situação pelo poder da oração. Ao mesmo tempo, os discípulos observavam Suas atitudes e aprendiam como Ele enfrentava de joelhos os desafios. Eles viam que “nas horas de oração particular […] Jesus, em Sua vida terrestre, recebia sabedoria e poder” (Educação, p. 259). Isso despertou neles a mesma necessidade (ver Lc 11:1). Quando Jesus subiu ao monte para orar, Deus O preparou para a feroz tempestade que viria a seguir (Mc 6:48). Os discípulos foram direto para o mar da Galileia, embarcaram sozinhos e ficaram desesperados quando uma terrível tempestade os assaltou. Jesus estava preparado para resolver aquela ​situação porque havia dedicado um bom tempo em comunhão com o Pai. Por isso, andou sobre as águas e acalmou o mar e os ventos. Devemos celebrar nossas realizações espirituais fortalecendo a conexão com o Céu. Depois dos picos vêm os vales; depois da bonança, muitas vezes, vem a crise; depois da calmaria, forma-se a tempestade. Aquele que sobe a montanha de mãos dadas com Deus sempre descerá para o vale carregado em Seus braços. Intensifique a oração nas vitórias, e Deus renovará suas forças para as batalhas que virão.


DOMINGO

22 DE SETEMBRO

Sete trios Aquele que isto viu testificou, sendo verdadeiro o seu testemunho; e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. João 19:35

Alguns comentaristas creem que o evangelho de João tenha sido o último livro da Bíblia a ser escrito. Acredita-se que o apóstolo o tenha redigido após seu retorno da ilha de Patmos, por volta do ano 96 d.C. Assim, esse tesouro das Escrituras deve ter ficado pronto cerca de 60 anos depois de Jesus ter regressado ao Céu. Tudo indica que João teve bastante tempo para analisar a vida e os ensinos de Cristo. Muitas das histórias relatadas em seu livro não são narradas nos outros evangelhos. Sua atenção se concentrou no sacrifício de Cristo. Afinal, esse é o centro da mensagem da salvação. O capítulo 19 recebe um destaque especial. Nessa seção, João explora o sacrifício expiatório de Jesus por meio de sete trios, que ocorrem combinados apenas em seu evangelho. Eles mostram a força do sacrifício, da entrega e da salvação oferecidas pelo Senhor. Ao julgar o caso de Jesus, três vezes Pilatos disse: “Não vejo culpa neste homem.” No entanto, mesmo sem base legal, permitiu que o Senhor fosse condenado à morte. Três pessoas foram crucificadas no Calvário na Páscoa do ano 31: Jesus e dois ladrões. Três idiomas foram usados no texto colocado sobre a cruz: hebraico, grego e latim. Três Marias estavam ao pé da cruz: a mãe de Jesus, a irmã de sua mãe e Maria Madalena. Três frases foram proclamadas por Jesus na cruz: “João, esta é tua mãe”, “Tenho sede” e “Está consumado”. Três escolhas nasceram no contexto do sacrifício do Calvário: Jesus escolheu carregar a cruz, escolheu as palavras que usaria na cruz e escolheu o tempo de Sua morte. Três feridas estiveram ligadas à cruz: Jesus foi açoitado, Suas mãos e pés foram furados pelos pregos e Seu lado direito foi furado. Tudo isso teve o objetivo de mostrar o quanto nossa salvação foi preparada em detalhes pelo Céu, experimentada com intensidade por Jesus e descrita com profundidade na Bíblia. Como disse C. S. Lewis, nas Escrituras, vemos como “o Filho de Deus tornou-Se homem para possibilitar que os homens se tornem filhos de Deus”. Permita que esse sacrifício de amor, tão intenso, transforme sua vida hoje.


SEGUNDA

23 DE SETEMBRO

Transtornando o mundo Porém, não os encontrando, arrastaram Jasom e alguns irmãos perante as autoridades, clamando: Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui. Atos 17:6

Paulo e Silas estavam em Tessalônica. Como era de costume, foram à sinagoga no sábado. Aquele era o lugar ideal para adorar, mas também para encontrar corações sinceros. Durante três sábados, Paulo pregou, mostrando Jesus nas profecias do Antigo Testamento, apresentando Seu ministério no santuário celestial e Sua volta à Terra. Segundo Ellen White, o impacto da mensagem sobre a segunda vinda foi tão forte “que produziu na mente de muitos dos ouvintes uma impressão que nunca mais se apagou” (Atos dos Apóstolos, p. 228, 229). Os resultados foram impressionantes. Primeiramente “foi atraída a atenção de grandes congregações” (ibid., p. 229). Em seguida, uniram-se a eles “numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres” (At 17:4). No entanto, os judeus ficaram incomodados e reuniram uma turma de malandros para atacar Paulo e Silas. Como não encontraram os evangelistas, “alvoroçaram a cidade e, assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para o meio do povo” (At 17:5). Eles foram levados às autoridades e acusados de ser apoiadores dos dois pregadores. Querendo atacá-los, os judeus acabaram fazendo um grande elogio dizendo: “Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui” (At 17:6). A versão King James diz que eles estavam “virando o mundo de cabeça para baixo”. Essa acusação mostra o tamanho do impacto causado por uma obra que alcançava tantas pessoas e mexia intensamente com as crenças judaicas. Onde os cristãos chegavam, as coisas nunca mais voltavam a ser como antes. Os pregadores eram impactantes; a mensagem, transformadora; e a igreja, relevante. Essa combinação “virou o mundo de cabeça para baixo”. E a igreja da qual você é membro? Também está “transtornando” ou “virando de cabeça para baixo” sua comunidade? A presença dela é sentida, sua atuação é efetiva, a mensagem é poderosa, e os resultados, impactantes? E sua vida? Tem sido marcante, com uma visão missionária e uma liderança que move a igreja? Onde quer que você esteja, faça a diferença, mova sua igreja, com brilho nos olhos e fogo no coração.


TERÇA

24 DE SETEMBRO

É apenas o começo Então, disse Moisés a Deus: Quem sou eu para ir a Faraó e tirar do Egito os filhos de Israel? Êxodo 3:11

Para Deus, nossas aparentes derrotas são claras vitórias. Essa realidade está registrada em toda a Bíblia. Gosto de observar a forma como isso é destacado na história de Moisés. Muitas vezes, as coisas penderam para um fim dramático. O inimigo parecia comemorar dizendo: “É o fim!” Deus, porém, permitia que uma grande porta se abrisse para dizer: “É apenas o começo.” Moisés nasceu escravo, num período em que todos os meninos hebreus deveriam ser mortos. Naquele momento, tudo parecia acabado. Dava para imaginar o inimigo dizendo: “Agora é o fim!” Pouco tempo depois, ao ser encontrado e adotado pela filha de Faraó, Moisés passou a ter não apenas garantia de vida, mas também o cuidado da própria família. Era como se Deus dissesse: “É apenas o começo das bênçãos que tenho para ele.” Quando ele cresceu e sua mãe precisou devolvê-lo à filha de Faraó, o inimigo parecia dizer: “Agora, sim, é o fim!” Apesar disso, no período em que o jovem Moisés esteve no palácio, foi educado pelos melhores mestres, para mais tarde escrever a história de Jó e os cinco primeiros livros da Bíblia. Era como se Deus estivesse dizendo: “É apenas o começo.” Quando Moisés matou o egípcio e fugiu para o deserto, parece que o inimigo tinha razão em dizer: “Agora, realmente, é o fim!” Por outro lado, quando Deus o chamou da sarça ardente, após 40 anos e mostrando diferentes milagres, estava dizendo: “Isso é apenas o começo do que vou fazer por intermédio dele.” Quando o povo estava diante do Mar Vermelho, preso entre as montanhas e o exército de Faraó, o inimigo estava comemorando: “Agora será o fim!” Mas Deus abriu o mar, o povo passou em terra seca e começou a jornada de conquista da Terra Prometida. Foi como se Deus estivesse dizendo: “Isso foi apenas o começo!” Quando Moisés feriu a rocha e perdeu o direito de entrar na Terra Prometida, o inimigo acreditou: “Agora, sim, chegou o fim!” Então, do alto do monte Nebo, Moisés contemplou toda a terra, morreu, foi ressuscitado e levado ao Céu. E Deus confirmou: “Realmente, é apenas o começo.” E assim pode ser conosco também. Tenha essa certeza sempre com você, durante suas atividades, planos e desafios pessoais. A vitória de Cristo torna nossas dificuldades apenas o começo de novas oportunidades e vitórias.


QUARTA

25 DE SETEMBRO

Os “nãos” de Deus Não terás outros deuses diante de Mim. Êxodo 20:3

No Decálogo, a palavra “não” se destaca. Somente o quarto e o quinto mandamentos, que conectam as duas partes da lei moral, são iniciados de outra forma. Por que Deus diz tantos “nãos”? Alguns creem que o objetivo é tirar a liberdade e a felicidade humana. Outros veem como proteção, que livra de riscos, perigos e sofrimentos. Mas há pelo menos quatro razões para esses “nãos” de Deus. Para nos proteger das sutis tentações de Satanás. Deus sabe que o inimigo é sutil e perigoso. Para evitar que sejamos enganados, Ele redigiu Sua eterna lei no Sinai de modo muito claro. Não deixou portas abertas para que o erro pudesse se disfarçar de verdade. Quanto mais a porta estiver fechada, menos o inimigo terá entrada. Para estabelecer o padrão divino e não o humano. Nossa consciência e preferências pessoais estão infectadas pelo pecado; por isso, não somos capazes de definir o certo e o errado. A Bíblia é clara em afirmar que a tendência “da carne é inimizade contra Deus” (Rm 8:7). Em geral, nossas escolhas nos afastam mais da verdade. Só Deus conhece o caminho certo. Você já pensou no que aconteceria com a igreja se cada um definisse seus limites ​espirituais? Os liberais iriam se basear na opinião e na atração, e os ultraconservadores multiplicariam regras e opressão. Tudo terminaria em uma grande confusão. Para definir nossa identidade. Somos representantes diretos do Senhor e, se não formos coerentes, o cristianismo perderá sua força, influência e relevância. Os limites de Deus preservam nossa identidade e estilo de vida. Se seus hábitos são semelhantes aos de quem não têm Jesus como Senhor, como Ele será revelado em sua vida? Para não brincarmos com fogo. Muitas vezes, as regras de Deus tratam de questões aparentemente pequenas ou inofensivas. No entanto, nunca podemos nos esquecer de que Ele enxerga mais longe. Quando diz “não”, na verdade, quer nos livrar de riscos que não somos capazes de identificar. Ele conhece, melhor do que ninguém, as estratégias do inimigo, o limite de nossa resistência e os danos futuros. Sabe que, se brincarmos com fogo, vamos acabar nos queimando. Os “nãos” de Deus são uma bênção para nós. Por trás de toda negação divina, há um sonoro “sim” amoroso que garante nossa liberdade e felicidade. Permaneça fiel aos preceitos do Céu, e você não ficará preso às garras do pecado.


QUINTA

26 DE SETEMBRO

Sua casa é o mundo Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura. Marcos 16:15

Os pioneiros adventistas enfrentaram muitos desafios para encontrar o papel exato da igreja no cumprimento da missão. Primeiro pensavam que a obra deveria ser feita apenas entre os que esperaram a volta de Jesus em 22 de outubro de 1844. Depois, passaram a acreditar que deviam pregar também para os que viviam nos Estados Unidos e não haviam aceitado a mensagem milerita. Preocupado com essa compreensão, em 1859, um leitor da Review and Herald perguntou ao editor Uriah Smith se a tríplice mensagem angélica seria pregada em todo o mundo ou apenas nos Estados Unidos. Em resposta, o pastor Smith afirmou que talvez não seria necessário proclamar essa mensagem em outros países, uma vez que a população dos Estados Unidos era composta de pessoas de quase todas as nações. Essa visão se manteve por um bom tempo na mente dos pioneiros. Somente 30 anos após o Desapontamento, foi enviado o primeiro missionário oficial para pregar a mensagem de esperança a “muitos povos, nações, línguas e reis” (Ap 10:11). Em abril de 1874, enquanto estava na Califórnia, Ellen White teve um sonho surpreendente no qual escutou a declaração de um anjo sobre a missão da igreja: “Vocês estão tendo ideias limitadas sobre o trabalho para este tempo. [...] A luz de vocês não pode ser posta debaixo do alqueire […]. É preciso ter mais ampla concepção da obra. Sua casa é o mundo. [...] A mensagem irá com poder a todas as partes do mundo [...]. Nada é impossível para Deus” (Vida e Ensinos, p. 216, 217). Essa visão foi fundamental para ampliar a compreensão missionária da igreja e também confirmar a decisão de John N. Andrews de se tornar o primeiro missionário oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Numa terçafeira, 15 de setembro de 1874, o pastor Andrews e seus dois filhos partiram do porto de Boston rumo à Suíça a bordo do navio Atlas. Nossa casa ainda é o mundo. Assim como essa mensagem ficou clara no começo, precisa ser reforçada no fim. A igreja deve pregar o evangelho a todo o mundo e, assim, “o Senhor Jesus retornará à Terra com poder e grande glória” (Atos dos Apóstolos, p. 111). Compartilhe Cristo onde você estiver e aonde Ele o enviar.


SEXTA

27 DE SETEMBRO

Jessie Halliwell O Rei responderá: “Digo-lhes a verdade: O que vocês fizeram a algum dos Meus menores irmãos, a Mim o fizeram”. Mateus 25:40, NVI

Jessie e Leo Halliwell dedicaram 27 anos aos ribeirinhos da região amazônica. Realizaram uma obra humanitária e missionária impressionante. Mais da metade das crianças da região morria sem atingir a juventude, por causa de malária, cobras, jacarés e piranhas. Na selva, viviam cerca de 100 tribos indígenas com grandes necessidades. Leo e Jessie chegaram com seus filhos Jack e Marian a essa região a bordo do barco Luzeiro, enfrentando todo tipo de experiências. Jessie era uma pessoa de sorriso franco e temperamento paciente. Uma esposa amorosa, mãe exemplar, mulher hospitaleira, enfermeira por vocação, amiga, corajosa e muito prestativa. Especialista na aplicação de tratamentos hidroterápicos, também foi uma excelente nutricionista e colportora de sucesso. Jessie ajudou no nascimento de centenas de crianças, tratou mais de 250 mil doentes e atendeu às necessidades físicas e espirituais de cerca de 750 mil pessoas. Juntos, Leo e Jessie levaram milhares de pessoas a Jesus e estabeleceram dezenas de igrejas. Em uma noite, uma canoa se aproximou do barco Luzeiro com um menino remando contra a correnteza. Ele estava com malária, o pai e os irmãos haviam morrido e sua mãe estava muito doente. Ele perguntou a Jessie: “Você tem algum remédio para a febre? O feiticeiro tentou expulsar os maus espíritos e me bateu com espinhos.” Jessie o curou da malária e o libertou da escravidão do mal. Ela descansou aos 68 anos de idade. Dedicou a vida para curar, educar e salvar pessoas. Em seu túmulo, há uma pequena lápide com o desenho de um barco missionário e o resumo de seu ministério: “Ela cumpriu sua missão de amor.” Em geral, quando o ministério do casal Halliwell é lembrado, Leo é o homenageado. Porém, gostaria que você também fosse inspirado pela história de entrega e dedicação de Jessie, que, sem dúvida, foi fundamental para que muitas pessoas fossem abençoadas. Os ribeirinhos continuam recebendo atendimento de vários barcos Luzeiro e de novos missionários na região amazônica. Contudo, o desafio de curar e salvar não está restrito a esse lugar. Existe gente bem perto de você precisando de ajuda. Como protagonista ou atuando com mais discrição, use seus talentos para cumprir essa missão de amor.


SÁBADO

28 DE SETEMBRO

O momento certo Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai celeste que pereça um só destes pequeninos. Mateus 18:14

Nos anos de 2010 e 2016, tive o privilégio e a emoção de batizar meus filhos. Tínhamos combinado que o batismo dos dois seria realizado no sábado mais próximo ao aniversário de dez anos de cada um, e foi exatamente o que aconteceu. O momento certo para o batismo de um juvenil é pessoal e deve ser analisado sempre com carinho e equilíbrio pelos pais. Antes de chegar a uma conclusão sobre o momento certo, precisamos ter em mente que o batismo é o início e não o fim de um processo. A decisão de um juvenil deve ser vista dentro desse contexto, pois ele está apenas começando a entender as questões mais complexas da vida. Segundo Ellen White, “o batismo não torna nenhuma criança cristã, nem as converte; é apenas um sinal exterior que mostra que devem ser filhos de Deus, reconhecendo que creem em Jesus Cristo como seu Salvador e que, dali por diante, viverão para Ele” (Orientação da Criança, p. 499). Apenas o desejo de uma criança não é suficiente para que ela seja batizada. É preciso que compreenda a importância dessa decisão e conheça as verdades bíblicas básicas. Porém, se ela começar a alimentar esse desejo desde cedo, não deve ser proibida, e sim motivada a continuar estudando, com atividades criativas que a preparem para o momento certo. Por outro lado, precisamos ser habilidosos ao tratar do assunto, sem criar imposições, dificuldades, metas de “santidade”, e muito menos ameaçar usar o batismo como forma de disciplina. Tudo isso provoca rejeição em lugar de motivação. No futuro, quando os pais ou líderes acharem que chegou a hora, o adolescente ou jovem poderá não mais ter interesse. Voltando à questão do momento certo, Ellen White nos ajuda a encontrar a solução. Ela ensina que “crianças de oito, dez ou doze anos já têm idade suficiente para ser levadas ao tema da religião individual” (Orientação da Criança, p. 490, 491). Sempre valorize as decisões espirituais de seus filhos, pois a “criança que crê em Cristo é tão preciosa à Sua vista como são os anjos ao redor do Seu trono. Elas devem ser levadas a Cristo e educadas para Ele” (O Lar Adventista, p. 279). No momento certo, o batismo deve ser incentivado, não censurado.


DOMINGO

29 DE SETEMBRO

Quantidade e qualidade Crescia a palavra de Deus, e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos; também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé. Atos 6:7

Certa vez, ouvi uma declaração de um teólogo que me intrigou: “Como líderes e membros temos muitos problemas, mas como igreja temos apenas um problema: Jesus ainda não voltou.” Fiquei me perguntando: “Onde estamos falhando?” Esse tipo de questão costuma provocar debates tensos entre aqueles que defendem uma ênfase exclusiva na missão para que Jesus volte em nossa geração e os que acreditam que nosso objetivo principal deve ser o de preparar uma igreja sem mácula para o encontro com o Senhor. Afinal, devemos investir no crescimento ou concentrar as energias na manutenção? Nossa ênfase deve estar na missão ou na condição? Apesar dos fortes defensores de cada posição, o ideal é integrar os dois pontos de vista. Se queremos realmente ver Cristo voltar em nossos dias, precisamos crescer em quantidade e qualidade, ou seja, muito e bem. Não podemos alimentar uma visão unilateral nem acreditar que crescer pouco é crescer bem ou crescer muito é crescer mal. Ao mesmo tempo em que fomos chamados para ser o remanescente dos últimos dias, também fomos escolhidos para levar ao mundo uma mensagem de graça, verdade e esperança (Mt 24:14; 28:18-20). Nossa condição deve nos levar ao cumprimento da missão, pois “uma igreja que trabalha é uma igreja viva” (Ellen White, Medicina e Salvação, p. 332). Nossa busca deve ser por uma igreja que cresça em número, mas também em profundidade, compromisso, conhecimento da Palavra e fidelidade. E que esteja mais forte e preparada para receber o Espírito Santo, cumprir a missão com poder e então ver Cristo voltar. Ellen White, referindo-se aos dias pouco antes da segunda vinda de Jesus, afirma: “Muitos se converterão em um dia; pois a mensagem avançará com poder” (E Recebereis Poder, p. 126). Não vamos resolver o problema da apostasia diminuindo a ênfase no crescimento. O equilíbrio entre quantidade e qualidade nos servirá de lembrança de que o objetivo da igreja não é apenas ter um templo cheio, mas ver o Céu cheio.


SEGUNDA

30 DE SETEMBRO

Melhores influências Aquele que pratica o bem procede de Deus. 3 João 11

Ao escrever sua terceira carta, a menor de todas, o apóstolo João fala de influência e de relacionamentos. Ele usa como referência três pessoas cujo comportamento pode nos ensinar algumas lições. A primeira é Gaio, apresentado como um genuíno homem de Deus. Ao descrevê-lo, o apóstolo diz que ele era amigo, fiel, coerente e de bom trato com todos, tanto os irmãos na fé quanto os desconhecidos e estrangeiros. Ele alegrava o coração de João por sua fidelidade. Era um exemplo que merecia ser seguido por todos. João também menciona um homem chamado Diótrefes. Ao contrário de Gaio, esse indivíduo é descrito como criador de problemas, egoísta, crítico, insensível e orgulhoso. Alguém que não apenas incomodava os irmãos, mas também atrapalhava os interessados. Se Gaio era um homem de Deus, Diótrefes se sentia um “deus” para os homens. A atitude de Diótrefes não merecia ser seguida por ninguém. Além desses dois homens, o apóstolo apresenta Demétrio e seu triplo testemunho positivo. Em primeiro lugar, João deixa claro que a influência de Demétrio podia ser sentida pela comunidade. Em relação a ele, a carta registra a expressão “todos lhe dão testemunho” (v. 12). Além disso, o texto bíblico diz que “até a própria verdade” testemunhava sobre Demétrio, evidenciando que seu discurso e prática estavam em sintonia. Finalmente, “nós também damos testemunho”, diz o apóstolo. Com essa expressão, João disse que a liderança apostólica reconhecia a vida piedosa, equilibrada e consagrada de Demétrio. A comunidade, a verdade e a liderança da igreja testemunhavam positivamente sobre esse homem de Deus. Todos nós influenciamos pessoas. Que influência você tem exercido? Seus atos e palavras têm ajudado os outros a serem mais equilibrados, coerentes e fiéis? Sua vida tem inspirado pessoas a amar e seguir a Cristo ou suas atitudes as afastam Dele? Apenas Cristo é o modelo perfeito. Você e eu temos muitas falhas. No entanto, quando andamos com Ele, nossa vida se torna referência positiva (ver 1Co 11:1). Seja um imitador de Jesus e você influenciará muitas pessoas para o bem.


Outubro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


TERÇA

1º DE OUTUBRO

Tire as sandálias Não te chegues para cá; tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é terra santa. Êxodo 3:5

Moisés vivia um momento singular. Primeiro se deparou com o milagre de um pequeno arbusto que queimava, mas não era consumido. Em seguida, ouviu a voz de Deus, pronunciada entre as labaredas de fogo. Depois, reconheceu a santidade do Senhor e tirou as sandálias dos pés, aceitando que o solo poeirento do deserto se tornara sagrado, porque Deus estava ali. Deus é santo e deve ser respeitado como tal. Não podemos perder o senso de Sua grandeza, glória, majestade, soberania, poder e santidade. É verdade que Deus é nosso amigo, porém não devemos nos esquecer de que Ele é o Senhor; merece carinho, mas também respeito e reverência. O próprio Moisés, quando estava em Sua presença, virava o rosto para não ser consumido por Sua glória. No terceiro mandamento, recebemos a ordem de respeitar o Senhor e Seu nome (Êx 20:7). No entanto, esse respeito não é automático para a natureza pecaminosa. Precisa ser cultivado. Se quisermos honrar nosso Deus, não devemos: 1. Usar ou mencionar Seu nome de maneira vulgar, em expressões impulsivas ou até negativas. 2. Agir de maneira desrespeitosa dentro da igreja, demonstrando desinteresse ou falta de atenção, e até mesmo usando roupas que não combinem com a santidade do lugar. 3. Atuar de maneira incoerente, assumindo nossa identidade cristã, mas sendo desonestos, desrespeitando os princípios bíblicos ou não demonstrando amor ao próximo. 4. Alimentar orgulho espiritual, tentando manipular o Senhor e usá-Lo para defender os próprios interesses, ou mesmo nos sentir espiritualmente superiores aos demais. Nosso Deus é santo. Ao se comportar na presença Dele, seja sempre simpático, nunca debochado; alegre, mas não sarcástico; sorridente, sem ser irreverente. Na presença divina, entendemos a real condição humana. Nosso pecado é revelado, e nossas máscaras caem. Porém, Sua misericórdia nos envolve e, em Sua graça, somos restaurados. Por isso, nosso relacionamento com o Senhor deve ser pautado por respeito e amor. Diante da Majestade do Universo, tire as sandálias dos pés. Nunca se esqueça: Deus é santo e justo, mas é também amoroso e cheio de misericórdia.


QUARTA

2 DE OUTUBRO

Nada é impossível Porque para Deus nada é impossível. Lucas 1:37, NTLH

Histórias de milagres sempre aquecem o coração e renovam a esperança. Relatos assim nos dão a oportunidade de ver Deus em ação ao transformar vidas e resolver casos insolúveis. No texto de hoje, apresento a você a atuação de nosso Pai, fazendo o que só Ele pode: milagres. Durante muito tempo, Maviael lutou contra o vício da bebida. Precisando trocar seu colchão, levou-o até o quintal da casa, colocou fogo e saiu para comprar um novo. No caminho para a loja, passou por um bar e não resistiu. Entrou, bebeu e gastou todo seu dinheiro. Voltou para casa sem o colchão novo e sem dinheiro. Situações semelhantes se repetiram tantas vezes que ele não via mais solução. Resolveu tirar a própria vida. Certo dia, depois de beber muito, estava sem rumo e procurou um terreno vazio para usar como banheiro. O primeiro que encontrou ficava bem ao lado da Igreja Adventista do bairro de Prazeres, em Pernambuco. Naquele dia, era realizado o evangelismo de Semana Santa, e Maviael ouviu a igreja cantar o hino “Caminhando” (Hinário Adventista, no 490). A música chamou sua atenção, ele foi à porta da igreja e ficou ali até o fim do programa. Mesmo sem estar totalmente lúcido, gostou do culto. Voltou no dia seguinte, acompanhado de um vizinho adolescente. Eles não pararam mais de ir à igreja, foram batizados e permanecem fiéis até hoje. Maviael se tornou ancião da mesma igreja, e Paulo César, o vizinho adolescente, se tornou pastor adventista. Além disso, Maviael tem um filho pastor, um neto ​pastor – hoje trabalhando como missionário fora do país – e uma filha professora universitária em uma instituição adventista. Olhando para Maviael, um alcoólatra incorrigível, você seria capaz de imaginar um futuro tão promissor? Talvez você conheça outras pessoas que pareçam casos perdidos, ou você mesmo se sinta nessa condição. Apesar de não poder voltar ao passado para escrever um novo começo, você pode recomeçar e escrever um novo final. Resgate sua confiança no amor de um Deus que “escreve com uma pena que nunca borra, fala com uma língua que nunca erra, age com uma mão que nunca falha” (Charles Spurgeon). Não se esqueça de que Deus é capaz dos maiores milagres, nas piores condições, usando as mais simples situações. Confie Nele, e o impossível se realizará em sua vida.


QUINTA

3 DE OUTUBRO

Um amigo em Jesus Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Vós sois Meus amigos, se fazeis o que Eu vos mando. João 15:13, 14

O nome de Guilherme Miller é bem conhecido de todo adventista do sétimo dia, tanto pela mensagem que pregou quanto por tudo o que ocorreu em torno de 1844. Portanto, sua caminhada com o Senhor também merece ser conhecida, pois serviu de base para sua conversão, pregação e para o reavivamento que causou na vida de milhares de pessoas. Miller foi um lavrador íntegro, de coração puro que desejava sinceramente conhecer a verdade. Deus o escolheu para resgatar a mensagem da segunda vinda de Cristo, que já vinha sendo estudada em diferentes lugares, mas foi potencializada em suas mãos. Guilherme fugiu dessa responsabilidade o quanto pôde, mas Deus o buscou, confirmou seu chamado e lhe deu as condições necessárias para conduzir esse movimento. Em sua infância, ele teve o primeiro contato com a religião; mas, ao chegar à juventude, por influência de amigos deístas, passou a acreditar em um mundo criado, mas deixado por Deus à mercê de causas naturais. Aos 34 anos, decidiu voltar a estudar a Bíblia em busca de respostas para suas inquietações. Sentia-se infeliz, mas não sabia bem a razão disso. Finalmente, Miller encontrou seu verdadeiro amigo. “Subitamente”, disse ele, “o caráter de um Salvador impressionou minha mente. Percebi que existia um Ser tão bom e compassivo que fazia expiação por nossas transgressões, livrando-nos, assim, de sofrer a pena do pecado”. Descobriu que a Bíblia não era um livro apenas de história, filosofia ou profecia, mas a revelação do Salvador. Aprofundou-se em um estudo sistemático da Bíblia, começando com o livro de Gênesis, e foi avançando verso por verso. Seu interesse se concentrou nas profecias ligadas ao tempo, especialmente nos livros de Daniel e Apocalipse. O resultado dessa pesquisa séria das Escrituras teve seu auge com o movimento de 22 de outubro de 1844. Mais do que ler a Bíblia e outros escritos inspirados, realizar um grande movimento de reavivamento ou mesmo entregar a vida pela missão, é preciso antes encontrar em Jesus um amigo. Somente a partir dessa descoberta tudo o mais na vida começa a fazer sentido, e a existência passa a ter a motivação correta.


SEXTA

4 DE OUTUBRO

Ele vem! Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima. Lucas 21:28

Guilherme Miller é um dos grandes heróis da mensagem do advento. Sua contribuição foi profunda para resgatar a grande esperança que estava esquecida. Segundo o doutor Armitage, autor do livro A História dos Batistas, Miller era “um homem forte, de cabeça um tanto larga, com testa alta, de olhar suave e expressivo, e as inflexões de sua voz indicavam uma devoção das mais sinceras. […] Ele exercia uma influência benéfica em todos os que o cercavam, pelas muitas virtudes e pelo imaculado caráter”. Miller era carismático, mas tinha uma visão humilde sobre si. Embora plenamente convicto da importância de sua mensagem, ele relutou muito em pregá-la. Depois de várias provas, aceitou apresentar um sermão na Igreja Batista de Dresden. Ao voltar para casa, recebeu outro convite e, daí para a frente, não teve mais descanso. Gostava de pregar sempre em igrejas pequenas, nos campos e aldeias. Entretanto, ao final de um culto em Exeter, New Hampshire, no ano de 1839, conheceu Joshua Himes, pastor da Igreja Cristã, da rua Chardon, em Boston, e essa história começou a mudar. Devido à convicção de Miller e à relevância da mensagem, Himes o convenceu a ir a grandes centros, como Boston, Nova York e Filadélfia. Em poucos meses, Miller pregou em quase todas as grandes cidades dos Estados Unidos. A convicção desse grande homem de Deus fez com que a mensagem do advento alcançasse todo o território dos Estados Unidos. Quando o movimento ainda ganhava força, em 26 de março de 1832, Miller enviou uma carta ao pastor T. Hendryx, confirmando sua certeza. Nessa mensagem, ele dizia: “Os reinos deste mundo em breve serão destruídos pela ‘pedra cortada da montanha sem auxílio de mãos’, será em breve, quando os pecadores se converterão.” Em 20 de maio do mesmo ano, ele enviou outra carta ainda mais forte. Tinha convicção de que o dia esperado estava chegando: “Estou mais e mais convencido de que o fim deste mundo está às portas. [...] Ele vem! Ele vem! Veja, o Salvador vem! Ergam a cabeça, santos, Ele vem! Ele vem! Ele vem!” Que tremenda certeza: “Ele vem! Ele vem! Ele vem!” A expectativa de Miller não se cumpriu ainda, mas em breve será realidade, e Jesus voltará. Mantenha firme a esperança, porque Quem prometeu é fiel.


SÁBADO

5 DE OUTUBRO

Pedras para a nova geração Para que isto seja por sinal entre vós; e, quando vossos filhos, no futuro, perguntarem, dizendo: Que vos significam estas pedras? Josué 4:6

Depois de 40 anos, Israel estava quase chegando à Terra Prometida. Moisés havia morrido, e Josué era o novo líder do povo. Ao escolher esses dois líderes, Deus fez milagres especiais, como garantia de que estaria com eles. Quando Moisés começou, o Mar Vermelho foi aberto; quando Josué começou, as águas do rio Jordão foram represadas por Deus. Nos dias de Josué, a travessia foi impressionante. As águas do Jordão pararam e formaram uma barragem invisível. Depois que todos haviam passado, Deus pediu que fossem recolhidas 12 pedras, como símbolo da libertação. Ele estava pensando nas novas gerações: “Quando vossos filhos, no futuro, perguntarem, dizendo: Que vos significam estas pedras?, então, lhes direis que as águas do Jordão foram cortadas diante da arca da Aliança do Senhor [...]. Estas pedras serão, para sempre, por memorial aos filhos de Israel” (Js 4:6, 7). Como família, igreja e educadores, precisamos refletir sobre o tipo de “pedras” que estamos deixando para as novas gerações. O que estamos fazendo para que, no futuro, nossos filhos continuem caminhando com o Senhor e permanecendo fiéis a Ele? A família tem um papel fundamental. Se os pais forem coerentes, intencionais e oferecerem uma educação com valores realmente cristãos, colocarão “pedras” que durarão por toda a vida e alcançarão a eternidade. A igreja também tem ferramentas preciosas como uma rede de escolas, os clubes de Desbravadores e Aventureiros, além dos departamentos infantis da Escola Sabatina. Esses ministérios têm material de apoio relevante, linguagem apropriada e líderes comprometidos com os valores de nossa fé. Podem fazer uma grande e positiva diferença. Os professores têm as maiores oportunidades. Os alunos estão em suas mãos para ser moldados, muitas horas cada semana. No entanto, precisam entender que sua missão vai além de ensinar; são chamados a transformar vidas. Na fase escolar, precisamos de “pedras” que deixem marcas profundas na caminhada com o Senhor. Nossas crianças, juvenis e jovens estão se preparando para entrar na nova Terra e precisam desesperadamente de referências espirituais. Faça o que estiver a seu alcance para ter uma experiência real com Deus. Dessa forma, as novas gerações manterão viva a nossa esperança.


DOMINGO

6 DE OUTUBRO

Tempo e sinais No monte das Oliveiras, achava-Se Jesus assentado, quando se aproximaram Dele os discípulos, em particular, e Lhe pediram: Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da Tua vinda e da consumação do século. Mateus 24:3

Em 2010, pouco antes do início da Copa do Mundo da África do Sul, recebi uma apostila com mais ou menos 30 páginas. Nela alguém apresentava sua “visão profética” de como aquele evento esportivo seria o último sinal do fim do mundo. Por meio de uma pirâmide, o autor tentava me convencer de que havia uma combinação de resultados em cada uma das copas, e isso demonstrava a existência de um poder religioso no controle de tudo. A pessoa profetizava ainda que seu país seria o campeão, e todas as coisas se esclareceriam. Seu país não venceu, nada se esclareceu, e o fim não chegou. Foi apenas mais uma tentativa de descobrir o último sinal ou encontrar o período aproximado da volta de Jesus. Os discípulos também tinham essa curiosidade. Por isso, foram a Jesus pedindo esclarecimentos: “Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá” (Mt 24:3). Queriam conhecer com mais precisão o tempo e os sinais. Para protegê-los, “Jesus não respondeu aos discípulos falando em separado da destruição de Jerusalém e do grande dia de Sua vinda. Misturou a descrição dos dois acontecimentos” (O Desejado de Todas as Nações, p. 628). Por outro lado, Ele também tentou ajudá-los a não se concentrar na data, mas no acontecimento. Nesse contexto, Ellen White afirmou: “Não poderemos dizer que Ele virá daqui a um ano, ou dois, ou cinco anos, nem devemos postergar Sua vinda com a declaração de que não se dará antes de dez ou vinte anos. […] Não nos é dado saber o tempo definido [...] da vinda de Cristo” (Evangelismo, p. 221). Você não precisa saber o dia em que Cristo irá voltar para estar preparado hoje. Tentar definir o tempo ou especular sobre os sinais é uma estratégia do inimigo para empobrecer o preparo, promover a motivação equivocada e desacreditar a mensagem. Devemos acompanhar os sinais com interesse, mas analisá-los com prudência, gastando menos tempo com cálculos, segredos e especulações. Isso nos afasta da mensagem e ainda pode nos tirar do Céu. Concentre seu tempo e energias em menos especulação e mais preparação. Assim você estará sempre pronto para o encontro com o Senhor.


SEGUNDA

7 DE OUTUBRO

Maranata E Ele lhes respondeu: Vede que ninguém vos engane. Mateus 24:4

Maranata é a palavra que melhor representa nossa esperança. Desde os tempos bíblicos, essa expressão (ver 1Co 16:22) se tornou uma marca dos cristãos apostólicos, expressando a certeza de que o Senhor não demoraria a voltar. Em minha família, “maranata” também é uma palavra muito representativa. No túmulo de meus avós, Júlio e Lídia, é a única palavra escrita, além dos dados pessoais de ambos. Esse termo confirma a esperança de que, um dia, eles serão ressuscitados “ao ressoar da última trombeta” (2Co 15:52). Na parte final de meus e-mails, eu também escrevo “maranata” como forma de destacar que minha fé está baseada na certeza da breve volta de Jesus. Jovens, desbravadores e aventureiros também destacam o termo “maranata” em sua saudação. Repetem suas quatro letras “A” e as atitudes que devemos ter com a volta de Jesus: amar, aguardar, anunciar e apressar. Mais do que a força de uma palavra, porém, queremos ver a glória de sua realização. Em Mateus 24, Jesus nos ajuda a entender melhor quando isso acontecerá e também alerta para “que ninguém vos engane” (Mt 24:4). Nos versos 4 a 14, o Senhor apresenta uma lista que mistura sinais de Sua segunda vinda e da destruição de Jerusalém, os quais podem ser resumidos em apenas dois: um mundo que cai violentamente e uma igreja que se levanta poderosamente. Os sinais indicam uma destruição sem controle, não porque Deus queira, mas porque os seres humanos vão se colocando cada vez mais nas mãos do inimigo (v. 5-13). Diante de tanta deterioração, o mundo não poderá resistir muito tempo mais. Jesus precisa voltar para colocar um ponto final no pecado e começar uma nova história. Antes da segunda vinda do Senhor, porém, o “evangelho do reino” (v. 14) será pregado em todo o mundo, levando esperança, oportunidades e mostrando que Deus não está buscando punir ou destruir, mas salvar. O Espírito Santo quebrará barreiras e, por meio da igreja, alcançará os extremos da Terra. Será um poderoso movimento de reavivamento e proclamação. Isso já está acontecendo com a distribuição de milhões de livros missionários, o amplo uso de meios de comunicação de massa, missionários espalhados pelo mundo e a ênfase clara na missão de anunciar nossa esperança. Esses sinais estão acontecendo diante de nossos olhos. Por isso, podemos dizer com muito mais entusiasmo: “Maranata, o Senhor logo vem!”


TERÇA

8 DE OUTUBRO

A palavra final E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Mateus 24:6

Todos os sinais negativos que antecedem a volta de Cristo não são sinais de Deus, mas de um mundo sem Deus. Não é Ele quem causa guerras, fome, pestes, terremotos e muitas outras tragédias mencionadas em Mateus 24:4 a 13. Essas ocorrências são provocadas pelo inimigo de Deus e algumas delas são resultado da escolha humana. Por isso, não será Satanás nem seus sinais que darão a palavra final sobre o momento da volta de Jesus. Logo no início de Sua apresentação, Jesus fala de guerras e rumores de guerras, mas deixa claro: “Ainda não é o fim” (v. 6). Em seguida, ampliando a lista de catástrofes, Ele insiste: “Tudo isto é o princípio das dores” (v. 8). Os resultados do pecado são ainda mais terríveis. Envolvem tribulação, ódio e a morte daqueles que permanecerem fiéis ao Senhor (v. 9). Revelam seres humanos sem rumo, dominados por escândalos, traição e inimizade (v. 10). Mostram um ambiente religioso confuso, com multidões seguindo pregadores que falam de Deus, mas estão longe Dele (v. 11). Produzem relacionamentos superficiais e artificiais, com pessoas pensando apenas em si mesmas, sem se importar com a dor do próximo, pois “o amor se esfriará de quase todos” (v. 12). Após essa lista tão forte e negativa, o Senhor insiste: “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (v. 13). Apesar do cenário de grave crise, o inimigo não terá autoridade para pôr fim na história do mundo. A volta de Cristo não será definida pelas catástrofes causadas pelo inimigo, mas pelas oportunidades oferecidas por Deus. Por isso, não podemos apoiar nosso calendário profético nas tragédias e crises. Elas estão na Bíblia, são sinais gerais, fazem parte de nossa caminhada em direção ao fim, mas não são a palavra final. São apenas resultados de um mundo sem Deus. Não dependa disso nem se motive pelo medo. Você pode acabar frustrado. O destino do mundo não será decidido pela decadência global, mas pela ascensão da igreja, cheia do Espírito Santo. Não viva impressionado com a maldade, a violência e a degradação moral da sociedade. Essas coisas indicam que o fim está próximo, mas não o determinam. Será o reavivamento do povo de Deus que evidenciará com clareza o breve retorno do Senhor. Seja você parte desse sinal maravilhoso!


QUARTA

9 DE OUTUBRO

Faça sua parte E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. [...] Mateus 24:14

No sermão profético, apresentado em Mateus 24, Jesus vincula Sua segunda vinda à pregação do “evangelho do reino” em todo o mundo (v. 14). Para essa tarefa, escolheu uma igreja de alcance mundial, que leva o “evangelho do reino” em sua identidade e “certidão de nascimento” e tem um forte compromisso com a missão de compartilhar esperança. Você já imaginou como essa profecia se cumpriria se a Igreja Adventista do Sétimo Dia fosse um movimento independente? Cada templo, cidade ou pastor cuidando apenas de sua área, ou tentando atender o campo mundial com planos pessoais e projetos da própria congregação? Para cumprir a missão mundial, Deus levantou uma igreja organizada, unida e com alcance global. No momento, estamos estabelecidos em 215 dos 237 países reconhecidos pela ONU. Alcançamos cerca de 7,5 bilhões de habitantes, do total de 7,6 bilhões da população mundial. Isso não significa que todos já saibam algo sobre a segunda vinda de Cristo, mas estamos em seu território, nos relacionamos com sua cultura e pregamos em seus idiomas principais. Chegamos a 90,7% dos países, onde está concentrada 97,7% da população mundial. Faltam apenas 22 países, com aproximadamente 174 milhões de habitantes a serem alcançados. Desde que a igreja foi organizada, em 21 de maio de 1863, Deus tem multiplicado as bênçãos sobre Seu povo. Naquela data, a igreja tinha apenas seis Campos locais, 30 pastores, 125 igrejas e 3,5 mil membros. Uma imensa diferença para os dias de hoje, quando somos 135 Uniões, 655 Campos locais, 154,7 mil igrejas e grupos, 20 milhões de membros pregando o “evangelho do reino” em pouco mais de mil idiomas e distribuindo literatura em 375 línguas. De uma igreja inicialmente estabelecida nos Estados Unidos, hoje somos uma família espalhada pelo mundo. Apesar desse alcance mundial, ainda temos países como Coreia do Norte, Marrocos, Iêmen, Afeganistão, Mauritânia, Arábia Saudita e Somália, onde o “evangelho do reino” precisa ser pregado. Faça sua parte para apoiar a igreja com suas orações, recursos, influência e comprometimento. Somente assim pregaremos o “evangelho do reino” em todo o mundo, na esperança de ver Cristo voltar em nossa geração.


QUINTA

10 DE OUTUBRO

Nosso chamado Então, virá o fim. Mateus 24:14

O amor de Deus é a grande mensagem por trás dos sinais da segunda vinda de Jesus. Em Mateus 24, Cristo deixa claro que não voltará por causa da pressão ou efeitos do pecado, mas apenas quando todos tiverem oportunidade de ouvir sobre Sua vinda. Mesmo que algumas pessoas ainda insistam em alimentar a esperança com alarmismo, sensacionalismo e radicalismo, o Senhor prefere transformar vidas por meio da pregação, salvação e do cumprimento da missão. Deus sofre com os resultados do pecado, mas está disposto a tudo para salvar mais pessoas. Por outro lado, uma leitura mais detalhada de Mateus 24 revela que, em Sua mensagem, Jesus não anunciava o “reino da graça”, que representa a nova vida recebida por aqueles que se entregam a Ele. O contexto indica que o reino a que Ele se referia era o “reino da glória”, que será estabelecido em Sua segunda vinda. Portanto, a pregação do “evangelho do reino” é específica. Não é uma mensagem geral sobre a pessoa de Cristo, Seu amor, perdão e salvação, por mais bíblicos e transformadores que sejam esses temas. Ela tem que ver com Sua segunda vinda. É apenas pregando sobre a volta de Jesus que prepararemos pessoas para Seu retorno. Pregar o “evangelho do reino” e anunciar a volta de Jesus é um chamado específico para os adventistas do sétimo dia. Temos essa mensagem em nossa “certidão de nascimento”, identidade e crenças fundamentais. Não podemos esperar que outros se levantem para pregá-la, quando não creem nela ou a tratam como insignificante. O chamado é pessoal e direto. Deus conta com nosso envolvimento. Ele fará milagres e usará os meios mais inesperados para que a pregação avance, mas Seu primeiro recurso ainda são aqueles que já foram alcançados e transformados. Quando o mundo for abalado por um povo cheio do Espírito Santo, “então virá o fim”. A volta de Jesus não ocorrerá por conta de templos imponentes ou programas impressionantes, muito menos com dissidência ou independência, mas como resultado da união do remanescente na pregação do “evangelho do reino”. Precisamos colocar toda a nossa dedicação nessa missão. A prioridade de Deus precisa ser a nossa. Não há outro caminho. Se você ama a volta de Cristo, pregue continuamente o evangelho do reino. “Então, virá o fim.”


SEXTA

11 DE OUTUBRO

Resolvendo problemas Ora, naqueles dias, multiplicando-se o número dos discípulos, houve murmuração dos helenistas contra os hebreus. Atos 6:1

Alcançar o mundo parecia um desafio impossível para os cristãos. No início da igreja apostólica, havia um cristão para 1,5 milhão de habitantes do mundo. Porém, o Pentecostes começou a mudar essa história. Foram 3 mil novos fiéis (At 2:41) e, em pouco tempo, já eram 5 mil pessoas (At 4:4). Não parou por aí, pois o livro de Atos registra que “crescia mais e mais a multidão de crentes” (At 5:14) e “se multiplicava o número de discípulos” (At 6:7). O inimigo não ficou satisfeito com esse crescimento, e os desafios logo começaram a aparecer. Em Atos 6, a igreja teve que resolver seu primeiro grande problema: a tensão de diferentes grupos por conta do sustento das viúvas. As três atitudes que foram tomadas pela liderança podem nos ajudar ainda hoje: A ação foi rápida (At 6:2). Houve diálogo em busca de consenso e de uma solução efetiva (At 6:3-6). A ação promoveu integração, envolvendo diferentes grupos na discussão (At 6:5). Em Atos 11, a igreja enfrentou seu segundo grande problema, que envolvia a pregação de Pedro aos gentios. Havia dúvida se o apóstolo havia agido de modo correto. A igreja o interrogou (v. 1-3), ouviu sua história (v. 4-17) e confirmou a direção divina (v. 18). Sempre que há paciência para orar e dialogar, Deus dá a solução. Em Atos 15, a igreja enfrentou seu terceiro grande problema envolvendo discussões teológicas (v. 1, 2). Tinha havido um intenso debate, mas o acordo parecia distante. Cada lado tinha fortes convicções e não abria mão de seus pontos de vista. Não havendo solução local, decidiram buscar uma decisão geral. A vontade de Deus sempre se revela, de maneira mais clara, em decisões tomadas pelo corpo da igreja. O modo como esse problema foi resolvido apresenta também uma lição para nossos dias. Os líderes apostólicos valorizaram a unidade. Como resultado, potencializaram o cumprimento da missão. A igreja de Deus sempre esteve firmada em três bases sólidas: missão, estrutura e mensagem. Se qualquer uma é fragilizada, a unidade fica comprometida. Ao enfrentar os problemas que rondam a igreja hoje, devemos usar sempre o modelo bíblico. Agindo dessa forma, estaremos seguros de que estamos seguindo a vontade de Deus.


SÁBADO

12 DE OUTUBRO

Crianças missionárias Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele. Marcos 10:15

Jesus apreciava as crianças e dedicava tempo a elas. Conhecia sua pureza e queria ver nos adultos o mesmo comportamento. Por isso, colocou sua inocência, sinceridade e entrega sem reservas como modelo a ser seguido por todos aqueles que querem chegar ao Céu. Contudo, o interesse dos pequenos por Jesus não surge de maneira natural. As famílias cristãs precisam atuar de modo intencional para construir um muro de proteção ao redor de cada criança, ensinando valores bíblicos, amor a Deus e compromisso com a missão. Foi o que aconteceu com Bruno Lotze Kuntze, que vive em Florianópolis, no sul do Brasil. Em março de 2016, quando ainda tinha 12 anos, foi, com seus irmãos Isabelle e Lucca, ao consultório da dentista Leda Sabarros Coelho e ali teve início uma história impressionante. No dia 31 de janeiro do mesmo ano, Leda havia pedido a Deus um sinal, pois ela se “sentia morta neste mundo vazio e queria que Deus mostrasse no que acreditar”. Menos de dois meses depois, Bruno e Isabelle foram a seu consultório. Bruno não estava animado com o tratamento, mas a dentista, vendo seu interesse pela Bíblia, decidiu pedir a ele que a ensinasse a estudá-la durante as consultas. Enquanto seus irmãos eram atendidos, ele fazia leituras bíblicas e explicava as partes de que mais gostava. Durante aqueles dias, estava sendo apresentado o filme Os Dez Mandamentos, e ambos combinaram que Bruno faria uma lista de tudo o que estava errado na história para que a doutora Leda conferisse na Bíblia. Até hoje a dentista guarda as anotações de Bruno. Não demorou para que ele convidasse a dentista para visitar a Igreja Adventista. Ela ainda se lembra de quando ele disse com carinho: “Vamos, doutora Leda. Lá a senhora vai ser bem aceita e acolhida.” Impressionada com a integridade e o conhecimento bíblico do garoto, ela resolveu visitar a Igreja Adventista Central de Florianópolis, que fica a poucos metros de seu consultório. Iniciou os estudos bíblicos e, no dia 25 de junho do mesmo ano, foi batizada. Por intermédio de uma criança missionária, o Senhor respondeu à oração de uma profissional competente e a salvou. A atitude desse menino é um grande exemplo a ser seguido pelos adultos que também desejam cumprir a missão. Receba o reino de Deus como uma criança e você também falará com poder sobre Jesus às pessoas.


DOMINGO

13 DE OUTUBRO

Conselho seguro Se, hoje, te tornares servo deste povo, e o servires, e, atendendo, falares boas palavras, eles se farão teus servos para sempre. 1 Reis 12:7

Depois das grandes conquistas de Davi e Salomão, Israel viveu uma de suas maiores crises de liderança. Sem um líder consagrado e capaz, o reino começou a se desintegrar. O povo estava cansado dos pesados impostos estabelecidos por Salomão e aproveitou a chegada do novo rei para cobrar mudanças. Roboão estava em Siquém para ser coroado quando um grupo o procurou para fazer reivindicações. Eram liderados por Jeroboão, que havia voltado às pressas do exílio. O novo rei ouviu, agiu com prudência e pediu três dias para pensar. Enquanto isso, buscou o conselho de dois grupos: os anciãos, que haviam aconselhado seu pai, e os jovens, que haviam crescido com ele. O conselho dos anciãos foi baseado na prudência que haviam adquirido com a vida e na sabedoria que aprenderam dos erros e acertos de Salomão. Por isso, recomendaram a Roboão: “Se, hoje, te tornares servo deste povo, e o servires, e, atendendo, falares boas palavras, eles se farão teus servos para sempre” (1Rs 12:7). Já os amigos de Roboão, que nunca haviam enfrentado as dificuldades da vida, pensaram apenas em manter o poder e os privilégios do reino. Sugeriram que ele dissesse ao povo: “Se meu pai vos impôs jugo pesado, eu ainda vo-lo aumentarei; meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos castigarei com escorpiões” (1Rs 12:11). Roboão foi inteligente ao ouvir diferentes conselhos, mas errou em não buscar a sabedoria divina para fazer a escolha certa. Seguiu a sugestão de seus amigos, e o reino terminou dividido. Dez tribos de Israel rejeitaram sua liderança e se separaram. Apenas duas permaneceram com o descendente de Davi. Em 17 anos de reinado, ele acabou com o que Davi e Salomão haviam construído. Se tivesse seguido o conselho dos anciãos, ele teria entendido que, quando alguém age como servo, todos se tornam seus servos; quando ajuda, todos o ajudam; quando ama, todos o amam. Em outras palavras, sempre colhemos o que plantamos. Por isso, os anciãos recomendaram que ele agisse com humildade e sensibilidade. Se Roboão tivesse ouvido o sábio conselho, o povo estaria do seu lado por gratidão e não por imposição. Ao tomar decisões no dia de hoje, busque sempre bons conselhos e, antes de bater o martelo, recorra à infinita sabedoria divina. Essa é sempre a coisa certa a fazer.


SEGUNDA

14 DE OUTUBRO

Consolados para consolar Deus de toda a consolação! É Ele que nos consola em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia. 2 Coríntios 1:3, 4

Arturo era um jovem ateu, enérgico e muito capaz. No quarto ano da faculdade de Engenharia, um amigo adventista “esqueceu” propositalmente um livro em sua casa. Ele o leu e ficou impressionado. Em seguida, pediu para estudar a Bíblia, aceitou Jesus e foi batizado. Mudou completamente o rumo de sua vida, fechou sua oficina metalúrgica e decidiu estudar Teologia na Universidade Adventista del Plata, na Argentina. Quando já havia concluído as aulas e aguardava a formatura, sofreu um grave acidente. Caiu num córrego, bateu o pescoço em uma rocha submersa e ficou tetraplégico. Você pode imaginar seu desespero, mas ele não desistiu. Ficou preso a uma cama, mas decidiu realizar seu ministério a partir dali. Retornou a seus estudos de Engenharia e, em 1992, graduou-se como engenheiro eletromecânico. Quando seus pais faleceram, teve que morar sozinho, mas um vizinho ia até sua casa a cada quatro horas para mover seu corpo, ​ajudando-o a evitar feridas nas costas. Arturo instalou uma antena nos fundos de sua casa, conseguiu autorização para transmitir a TV Novo Tempo em Mendoza, sua cidade, e montou uma estrutura de apoio em seu quarto. Deitado, ele convidava as pessoas para sintonizar o canal e oferecia estudos bíblicos por telefone. Visitei Arturo em sua casa e conheci de perto seu trabalho. Não encontrei um homem que lamentava, mas uma pessoa com brilho nos olhos e sonhos no coração. Esteve ativo na missão até seu falecimento em 2013. Ellen White também enfrentou suas crises, mas aprendeu a confiar no Senhor e a dedicar-se a Seu serviço com alegria. Viúva, doente e trabalhando na Austrália, longe de sua terra, escreveu: “Por ser o sofrimento a minha porção, não é que eu pense em bater em retirada. É-me dada a bendita segurança de que Jesus é meu e de que sou Sua filha. As trevas são dispersadas pelos brilhantes raios do Sol da Justiça” (Idade não é Problema, p. 85). Independentemente do desafio que você estiver enfrentando, saiba que Deus está a seu lado. Ele sempre conforta e sustenta você para que possa ajudar a salvar outros. Permita que o Consolador console você e torne sua vida uma fonte de consolação para quem estiver à sua volta.


TERÇA

15 DE OUTUBRO

Educação e missão E Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres. Efésios 4:11

Segundo George Knight, a Igreja Adventista do Sétimo Dia foi estabelecida sobre quatro pilares especiais: As igrejas locais; a obra de publicações, iniciada em 1849; a obra médico-missionária, a partir de 1863; e a educação, estabelecida na década de 1870. O tema da educação passou a receber destaque na liderança adventista em dezembro de 1863, quando um membro da igreja perguntou a Tiago White: “É certo e coerente para nós, que cremos com todo o nosso coração na volta iminente do Senhor, dar educação para nossos filhos?” A resposta foi ao ponto: “O fato de que Cristo voltará em breve não é razão para que a mente não seja aprimorada. Uma mente bem disciplinada e informada pode melhor receber e acalentar as verdades sublimes do segundo advento.” Essa resposta foi um passo determinante para o estabelecimento da Educação Adventista. Primeiro, a igreja considerou a educação como um apoio indispensável à salvação. Ellen White declara: “No mais alto sentido, a obra da educação e da redenção são uma” (Educação, p. 30). Por isso, professores não são apenas educadores, mas “pastores do rebanho de Deus” (Ministério Pastoral, p. 45). Para Paulo, o chamado de “pastores e mestres” é o mesmo (Ef 4:11). Nos evangelhos, Jesus “é chamado mais vezes de Mestre do que de qualquer outra função” (Adolfo Suárez). Deus recompensará aqueles que fizerem de seu magistério um ministério. Seu trabalho não será em vão. Sobre a recompensa final dos professores, Ellen White diz: “Apenas pela fé veem as crianças que educaram se tornarem uma bênção e inspiração a seus semelhantes, e essa influência repetir-se mil vezes mais” (Educação, p. 306). A Educação Adventista foi estabelecida também para o fortalecimento de nossa missão. O surgimento da primeira escola e o envio do primeiro missionário oficial aconteceram em datas bem próximas, e isso não foi coincidência. Educação e missão ganharam forças juntas, e o sucesso de uma estava ligado ao da outra. Apesar dos novos desafios do século 21, nossa visão de uma educação fundamentada em salvação e missão precisa continuar forte. Acredite no diferencial da Educação Adventista. Ore pelos professores e os apoie. Cada educador consagrado, que planta suas sementes nesta vida, com certeza as colherá na eternidade.


QUARTA

16 DE OUTUBRO

Heróis da fé Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa. Hebreus 11:39

Hebreus 11 é um dos capítulos mais emocionantes da Bíblia. Nele, Deus relembra a história de Seus heróis, homens e mulheres que passaram pela Terra sem tirar os olhos do Céu. Eles foram movidos pela fé. Não tinham apenas um sentimento de confiança, mas um compromisso com pistis, palavra grega que significa tanto fé quanto fidelidade. Demonstraram que a fé verdadeira sempre se revela em fidelidade profunda. A vida desses heróis também nos é apresentada como motivação para confirmar nossa esperança. Os últimos versos de Hebreus 10 mostram a ​preocupação de Paulo com o enfraquecimento da confiança no reencontro com o Senhor. Ele usa expressões como “não abandoneis a vossa confiança” (v. 35), “não somos dos que retrocedem para a perdição” (v. 39), “Aquele que vem virá e não tardará” (v. 37) e então apresenta cada um dos testemunhos de fé do capítulo 11. Mostra pessoas que comprometeram tudo por essa esperança. Entregaram família, recursos financeiros, imagem pessoal e arriscaram a própria vida. Eles sabiam que “a fé viva se manifesta na exibição de um espírito de sacrifício e dedicação para com a causa de Deus” (O Cuidado de Deus, p. 147). Além de renovar a promessa final, Paulo também resgata a confiança no relato da criação original. Por isso, começa Hebreus 11 destacando que “a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem” (Hb 11:1). Suas palavras remetem à criação, que foi o único ato neste mundo onde nenhum ser humano esteve presente. Ela é a essência e o verdadeiro princípio da fé. O apóstolo ainda confirma que “o Universo foi formado pela palavra de Deus” (Hb 11:3), mostrando que a criação é a base de toda a galeria dos heróis da fé. Cada um desses heróis da fé, que escreveu uma história intensa com Deus, foi recompensado. Porém, todos eles “morreram na fé, sem ter obtido as promessas” (Hb 11:13). Tudo o que o Senhor fez foi uma pequena amostra da grande recompensa futura. Na verdade, Eles buscavam “uma pátria superior”, preparada por Deus (ver Hb 11:16). “Eles não obtiveram, contudo, a concretização da promessa” (Hb 11:39), mas mantiveram firme a esperança. Renove sua confiança no Senhor e creia que Ele cuidará de cada detalhe no presente e ainda preparará sua grande recompensa no futuro.


QUINTA

17 DE OUTUBRO

Tripla revelação Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o Seu eterno poder, como também a Sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Romanos 1:20

Os “mistérios de Deus” (1Co 4:1) têm sido estudados intensamente ao longo dos tempos. Mas esse estudo tem limite. Ellen White afirmou: “Que ninguém se aventure a explicar a Deus” (Medicina e Salvação, p. 92). Quando o objetivo é conhecer melhor a Deus, mais do que novas descobertas, precisamos aprofundar os conceitos que já temos, buscar mais intimidade com o que está revelado e nos desviarmos de conjecturas. Um estudo mais profundo da Bíblia nos dará condições não só de conhecê-Lo, mas também de nos entregarmos a Ele. Uma tripla revelação mostra Sua ação nos três grandes momentos da história humana: seu começo, meio e fim, “desde o princípio do mundo” (Rm 1:20) até o momento em que Ele mesmo dirá: “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21:5). Em Gênesis 1:1, encontramos Deus no início da história. A Terra estava “sem forma e vazia” (Gn 1:2), mas Ele falou e tudo se fez. Todas as coisas foram ordenadas e ocuparam seu lugar. Ele Se revelou como poderoso Criador. Em João 1:1, encontramos Deus presente na história humana quando veio ao mundo como Emanuel, “Deus conosco” (Mt 1:23). O mundo havia se tornado novamente um caos; mas, dessa vez, pela confusão religiosa. Ele enviou Seu “Filho unigênito” (Jo 3:16), na “plenitude do tempo” (Gl 4:4) e “assumindo a forma de servo” (Fp 2:7). Ele Se revelou como amoroso resgatador e salvador. Em Apocalipse 21:1, encontramos Deus no fim da história, quando fará “um novo céu e uma nova terra” (Ap 21:1). Aliás, esse será o fim para alguns e o recomeço para outros. O mundo estará novamente em situação caótica, com o inimigo desesperado “sabendo que pouco tempo lhe resta” (Ap 12:12), e os anjos segurando “os quatro ventos da terra” (Ap 7:1). A partir dessa última desordem do planeta, Deus irá restaurar a Terra a seu estado original, mas definitivamente sem a presença de “pecado e pecadores” (O Grande Conflito, p. 678). Ele Se revelará como soberano e restaurador. Os atributos de Deus (ver Rm 1:20) nos garantem que estamos em boas mãos. Por que, então, gastar tempo com dúvidas e conjecturas vazias se podemos aprofundar a confiança no poder e amor divinos?


SEXTA

18 DE OUTUBRO

Protegidos pelos anjos O anjo do Senhor acampa-se ao redor daqueles que O temem e os livra. Salmo 34:7

O começo da obra adventista no Peru mostra, de maneira clara, como o anjo do Senhor vai adiante daqueles que entregam a vida para servir a Sua causa. Os pioneiros José e Libório Osório chegaram ao país em 1898, provenientes do Chile. Desembarcaram em Mollendo para fazer uma obra de sustento próprio, mas foram imediatamente presos e deportados. Anos mais tarde, José Luis Escobar, Víctor Thomann, Luis e Víctor Osório com suas famílias se estabeleceram na cidade de Lima. Entretanto, foi a chegada da família Stahl que fez uma grande diferença no estabelecimento da obra adventista no Peru. Eles viajaram de barco por três semanas, de Nova York a Mollendo, com sete caixas e um barril. Depois, seguiram de trem para o lago Titicaca e o atravessaram para trabalhar na Bolívia. Algum tempo depois, retornaram ao Peru e se instalaram entre os índios aimarás na região de Platería. Eles enfrentaram perseguição, pobreza, dificuldades de comunicação e várias doenças. Mesmo assim, seguiram em frente usando o método de Cristo: cuidavam dos doentes, estabeleciam escolas e igrejas e então apresentavam a mensagem bíblica. Certo dia, em Queñoani, um grupo com cerca de 500 homens armados com chicotes, pedras e pedaços de pau, instigados por líderes religiosos e autoridades, atacaram a cabana onde estava a família Stahl. Acreditavam que seria uma honra destruir aqueles “hereges”. Ouviu-se, então, um grito: “Pichantañani Catuñani!” [Agarre-os e ​queime-os!]. Mas, em vez de acatarem a ordem, acabaram fugindo. Um índio gritou: “Vejam aquele grande exército de índios armados que vem para ​defendê-los.” Eram os anjos de Deus mais uma vez protegendo Seus filhos fiéis. Eles tiveram muita fé e coragem. Por isso, experimentaram milagres impressionantes. Deus sempre cumpre o que promete. Os que se expõem a riscos e perigos em nome do Senhor nunca ficarão desprotegidos. Deus está conosco em todo o tempo e lugar. Sobre isso, Ellen White afirmou: “É fazendo a obra de Cristo que a igreja tem a promessa de Sua presença” (O Desejado de Todas as Nações, p. 825). Mesmo que haja 500 pessoas cercando sua cabana, uma multidão inimiga enfurecida e todos os ventos contrários, cumpra sua missão e vá em frente. Quem faz a obra do Senhor sempre será protegido pelo Senhor da obra.


SÁBADO

19 DE OUTUBRO

Cuide de seu pastor Dar-vos-ei pastores segundo o Meu coração. Jeremias 3:15

Pastores não são anjos, mas apenas homens chamados por Deus para uma obra especial. Como líderes, têm grandes responsabilidades, expectativas e cobranças. Como ministros, são representantes diretos do Senhor. Quanta responsabilidade! O ministério não é apenas uma profissão. É muito mais do que isso. Quem não entende a vocação sublime que recebeu se torna infeliz e carrega nos ombros um peso sobrenatural. Não é fácil ser pastor. Peter Drucker disse que o ministério pastoral é uma das quatro ocupações mais difíceis dos Estados Unidos. Para ele, em termos de dificuldade, o pastorado está no mesmo grupo em que constam a presidência da nação, de universidades e a diretoria de hospitais. Quando um pastor é movido pela missão e vive na presença de Deus, seu ministério se torna mais fácil e inspirador. Ellen White observa: “Aqueles que devotam a existência a um ministério semelhante ao de Cristo conhecem o que significa a verdadeira felicidade. Seus interesses e orações estendem-se muito além de si mesmos” (Serviço Cristão, p. 269). Mesmo sendo um instrumento do Senhor, o pastor ainda é humano. Ele representa Jesus, está entre o Céu e a Terra e lida com a salvação e a perdição de pessoas. Mas ele é um alvo especial do inimigo. Por conta dessa realidade, pastores também precisam se reconhecer como ovelhas e ser tratados como tal. Muitas vezes olhamos para o pastor e nos esquecemos do ser humano. Queremos que sua família seja modelo, suas emoções sejam saudáveis, seu sermão, criativo, e sua liderança, empolgante. No entanto, assim como seus membros, ele também precisa de cuidado para permanecer firme e oferecer seu melhor. Por isso, cuide de seu pastor. Olhe para ele e para a família pastoral como ovelhas que precisam de amor e oração. O Senhor nos recomenda: “Aqueles que amam ao Senhor e Sua verdade devem [...] orar pedindo a bênção de Deus sobre o pastor” (Ministério Pastoral, p. 48). E se as coisas não estão bem, ore ainda mais. Como disse Robert E. Harris: “Se uma igreja quer um pastor melhor, ela pode conseguir isso orando por aquele que já tem.” Portanto, cuide de seu pastor. Ajude-o a viver feliz e fielmente seu ministério. Você e sua igreja serão os maiores beneficiados.


DOMINGO

20 DE OUTUBRO

Nunca desista Todos os teus filhos serão ensinados do Senhor; e será grande a paz de teus filhos. Isaías 54:13

Edson foi o segundo dos quatro filhos de Tiago e Ellen White. Era criativo, cheio de iniciativa e intenso em tudo o que se envolvia, mas também era imprevisível e excêntrico. Teve uma juventude difícil, com fortes conflitos espirituais. Desde cedo, aprendeu a ser impressor nas editoras da igreja; mas, ao final da década de 1880, decidiu criar a própria gráfica. O negócio não deu certo, as dívidas aumentaram e a condição espiritual se deteriorou. Apenas no verão de 1893, depois de muitas lutas, decidiu reorganizar a vida e se dedicar ao trabalho de Deus. Tiago e Ellen viveram o drama de ter um filho em crise espiritual e nunca deixaram de orar intensamente por ele. Ellen sofria tanto por essa situação que algumas vezes pensou em como seria o Céu sem a presença de Edson. Seus apelos ao filho eram constantes. Em um deles, ela disse: “Se buscares a Deus com coração humilde e crente, para ter Sua direção em meio à perplexidade, terás a oportunidade de depositar teu caso em Suas mãos. O céu e a terra passarão, mas Suas promessas não falharão. [...] Você creu em Suas promessas quando tinha apenas três anos de idade. Revele agora a simplicidade de uma criança e vá ao Senhor com fé inabalável” (Carta 2, 24 de junho de 1886, dirigida a Edson e Emma White). Em sua volta para Deus, Edson aceitou os apelos insistentes que a mãe fazia para que alguém desenvolvesse um trabalho especial entre os afro-americanos no sul dos Estados Unidos. Em 1894, formou a Sociedade Missionária do Sul, viajando no navio a vapor Estrela da Manhã pelo rio Mississipi. Desenvolveu um forte trabalho de educação e evangelização, usando seu barco como sala de aulas e igreja. Deus é capaz de resgatar, transformar e usar filhos em crise espiritual. Ellen White experimentou esse milagre na própria família. Com base na própria experiência, recomenda aos pais: “Nunca se sintam tranquilos enquanto eles estão frios e indiferentes. Clamem a Deus dia e noite. Orem e trabalhem pela salvação de seus filhos” (Review and Herald, 23 de abril de 1889). Não desista! A semente espiritual que você plantou no passado pode parecer sufocada e não dar o resultado esperado. Porém, com oração e trabalho, os filhos “ensinados do Senhor” retornarão. Não há impossíveis para Deus.


SEGUNDA

21 DE OUTUBRO

Julgamento precipitado Os filhos de Israel ouviram dizer: Eis que os filhos de Rúben, os filhos de Gade e a meia tribo de Manassés edificaram um altar defronte da terra de Canaã. Josué 22:11

Em Josué 22:10 a 34, encontramos uma história que revela a causa de muitas crises do povo de Deus e mostra o dano causado por boatos, fofoca e julgamento precipitado. O povo de Israel já estava acomodado na Terra Prometida. As tribos de Rúben, Gade e a metade da tribo de Manassés, que haviam ajudado seus irmãos na conquista do território, mereciam receber sua herança. Moisés havia definido que eles habitariam do outro lado do Jordão, e eles foram para lá. Tão logo chegaram, levando muitas riquezas, decidiram construir um “altar grande e vistoso” (Js 22:10) junto ao rio Jordão. O problema começou quando seus irmãos, das outras tribos, “ouviram dizer” (Js 22:11) que esse altar era um ato de rebeldia contra Deus. Imediatamente se prepararam para a guerra. Precisavam corrigir os rebeldes e defender a causa do Senhor. As intenções pareciam as melhores, mas as atitudes eram totalmente imprudentes. Somente depois de estarem prontos para a guerra, decidiram investigar melhor a situação. Enviaram representantes para repreender os “rebeldes”. Quando decidiram ouvir as explicações, descobriram que as coisas eram completamente diferentes do que haviam ouvido e imaginado. Por pouco, o povo não foi para a guerra e sacrificou vidas, simplesmente por causa de conversas sem fundamento, interpretações pessoais e atitudes impulsivas. Em nossos dias, também precisamos ter cuidado com quem vive espalhando boatos. A internet e a vida como um todo estão cheias de pessoas que falam com “autoridade” sobre assuntos que não conhecem. Por conta dessas atitudes precipitadas, pessoas são expostas, reputações são manchadas, famílias são divididas, inclusive igrejas. Como resultado, um tremendo dano é causado à obra de Deus. Ellen White aconselha: “Antes de julgarmos os outros, nossa primeira obra é vigiar e orar, travando guerra contra os males do nosso coração pela graça de Cristo” (Review and Herald, 3 de janeiro de 1893). Quer evitar sofrimentos para você mesmo e para outros? Não se deixe levar por conversas, críticas ou comentários maldosos, mas defina suas atitudes pela prudência, pelo equilíbrio e pela oração.


TERÇA

22 DE OUTUBRO

Verdade progressiva O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho Se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão. Salmo 37:23, 24

Desde o começo, Deus guiou o movimento adventista de maneira progressiva. Entre erros e acertos, estudo e oração, discussão humilde e busca fervorosa, a luz foi sendo revelada de maneira mais plena. O Senhor firmou os passos de Seu povo. O primeiro grande equívoco foi a marcação de uma data para a segunda vinda de Cristo. Sem dúvida, somente o Pai sabe o dia e a hora da volta de Jesus (Mt 24:36). Mesmo assim, os adventistas se prepararam para encontrá-Lo em 22 de outubro de 1844. Deus, porém, transformou a vergonha e o fracasso em vitória. A frustração levou os pioneiros a recomeçar do zero e reestudar toda a mensagem. O segundo equívoco foi a doutrina da porta fechada. Nossos pioneiros acreditavam que a porta da salvação havia se fechado em 22 de outubro de 1844. Para eles, unicamente os que haviam se comprometido com a volta de Jesus até aquela data seriam salvos. Por isso, decidiram concentrar seu trabalho entre os mileritas. Deus transformou também esse equívoco em bênção. Enquanto estiveram fechados em si mesmos, tiveram tempo de estudar, dialogar e orar mais amplamente e, a partir disso, estruturaram seu estilo de vida, organizaram a igreja e amadureceram sua compreensão sobre a missão. O terceiro equívoco foi o antitrinitarianismo. Os pioneiros adventistas não tinham a compreensão da Trindade, formada por Deus Pai, Filho e Espírito Santo, como temos hoje. José Bates, Uriah Smith, John Andrews e outros pioneiros não compreendiam esse tema. Porém, como em outras áreas, o estudo, o diálogo e a oração os levaram à verdade. Eles resgataram a Trindade como um dos pilares da fé cristã. Mais uma vez, o Senhor transformou o erro em bênção. Nossa história deixa claro que, quando Deus está no comando, a igreja pode ter falhas e cometer equívocos, mas Ele sempre levanta Seus filhos e firma seus passos. Todos estamos sujeitos a errar em nossa jornada. Por isso, apegue-se a Deus e mantenha-se humilde, pois “a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito” (Pv 4:18).


QUARTA

23 DE OUTUBRO

O dia é hoje Porque, ainda dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não tardará. Hebreus 10:37

Em 22 de outubro, o movimento adventista sofreu uma grande decepção. Por conta disso, muita gente tem criticado nossa igreja. Contudo, não estamos sozinhos quando o assunto é desapontamento. A igreja cristã também nasceu assim. Os apóstolos esperavam um Messias conquistador, mas se depararam com um Cristo crucificado. Somente depois de orar, estudar e reavaliar sua compreensão, os discípulos se levantaram para alcançar o mundo. Em sua pregação, o movimento milerita anunciou o retorno de Jesus em 22 de outubro de 1844. Os cálculos estavam certos, mas o acontecimento, errado. Em realidade, o texto de Daniel 8:14 apresenta o início do juízo investigativo no Céu e não o retorno do Senhor, como eles entenderam de modo equivocado. Mesmo sendo o grande pregador da segunda vinda de Jesus, Guilherme Miller nunca se tornou membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ele fez parte de um dos três grupos que surgiu após 22 de outubro de 1844. O primeiro decidiu estudar novamente a Bíblia em busca de compreensão e, mais tarde, formou a Igreja Adventista do Sétimo Dia. O segundo reuniu pessoas decepcionadas que acabaram abandonando a fé. O terceiro decidiu continuar marcando datas. Miller fez parte desse grupo. Em 10 de novembro de 1844, ele escreveu para Joshua Himes: “Fixei minha mente sobre outro tempo, e aqui pretendo permanecer até que Deus me dê mais luz – e isto é hoje, ‘hoje e hoje’ até que Ele venha.” Ele falhou em sua compreensão sobre a marcação de datas, mas permaneceu firme em seu senso de urgência para o preparo e pregação de nossa esperança. Precisamos manter essa mesma visão de urgência, pois “dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não tardará” (Hb 10:37). Não há tempo a perder no preparo pessoal. Não podemos deixar decisões importantes para amanhã, pois hoje muitos terão sua última oportunidade. Sempre que era perguntada sobre esse tema, Ellen White respondia: “Agora é tempo de trabalhar, enquanto é dia, pois a noite vem, quando ninguém pode trabalhar” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 191). Você está cumprindo a missão com intensidade e fazendo seu preparo com urgência? O dia é hoje! Amanhã pode ser muito tarde.


QUINTA

24 DE OUTUBRO

Visão mais ampla Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo! Isaías 5:20

Uma visita que fiz com minha família à fazenda de Guilherme Miller ​deixou marcas especiais em mim. Quando visitamos o quarto e o escritório dele, bem como seu túmulo, algumas perguntas me vieram à mente. Por que Miller nunca fez parte do grupo que originou a Igreja Adventista do Sétimo Dia? Por que continuou marcando datas para a volta de Cristo? Por que viveu apenas poucos anos depois do desapontamento de 1844? Ellen White oferece respostas profundas e uma visão mais ampla e esclarecedora sobre o assunto no livro Primeiros Escritos (p. 257, 258). Isso mostra que precisamos ter cuidado com conclusões rápidas, superficiais e precipitadas em qualquer situação. Sempre há uma história por trás da história, e precisamos conhecê-la bem. Diz a mensageira: “Se tivesse sido possível a Guilherme Miller ver a luz da terceira mensagem, muita coisa que lhe parecia escura e misteriosa teria sido explicada. Mas seus irmãos professavam tão profundo amor e interesse que ele achou não dever romper com esses. Seu coração se inclinava para a verdade, e então ele olhava para seus irmãos, que se opunham a ela. Podia se afastar dos que com ele tinham permanecido lado a lado na proclamação da vinda de Jesus? Ele pensava que certamente não poderiam levá-lo ao extravio. “Moisés errou quando estava prestes a entrar na Terra Prometida. Assim também, vi que Guilherme Miller errou quando já estava perto de entrar na Canaã celestial, ao permitir que sua influência fosse contra a verdade. Outros o levaram a isso; outros darão conta por isso. Mas os anjos vigiam o precioso pó desse servo de Deus, e ele ressurgirá ao som da última trombeta.” O assunto é mais amplo do que possa parecer. Miller falhou, mas isso foi resultado da influência de outros, e eles serão responsabilizados. Induzir pessoas ao erro nos faz culpados em seu lugar, e esse princípio continua válido. Sua morte igualmente não foi apenas resultado da idade ou enfermidade, mas de uma ação divina para protegê-lo. Ainda hoje, a morte pode parecer algo acidental ou natural, e procuramos entender seus porquês. Contudo, Deus tem uma visão mais ampla que só a eternidade irá revelar. O descanso de Seus filhos é uma demonstração de Seu amor.


SEXTA

25 DE OUTUBRO

Em honra ao Rei Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao Céu virá do modo como O vistes subir. Atos 1:11

A expectativa da volta de Cristo mexeu com a vida e os planos de muita gente no mês de outubro de 1844. Milhares de publicações foram ​distribuídas nas três semanas que antecederam o dia 22. Na Filadélfia, uma alfaiataria colocou um cartaz na porta informando: “Fechada em honra ao Rei dos reis que está vindo por volta de 22 de outubro.” No dia esperado, estabelecimentos fecharam as portas e dispensaram os empregados. Milhares de pessoas foram às igrejas para se consagrar, e os pastores tinham dificuldade para batizar tantos em tão pouco tempo. Altas somas de dinheiro foram doadas para que os pobres pudessem pagar suas dívidas. Nos campos, muitos fazendeiros abandonaram a colheita. Batatas apodreceram na plantação, e maçãs, nas árvores. Os mensageiros corriam. Aproximava-se o fim de todas as coisas. Aqueles que pertenciam ao movimento milerita aguardavam a hora tão esperada. Entre eles, estava a adolescente Ellen Harmon. Sobre esse dia de espera, ela escreveu: “Estas eram as horas mais felizes da minha vida. O meu coração transbordava de expectativa.” Finalmente, chegou o dia 22 de outubro de 1844, mas Jesus não voltou. Você pode imaginar não só a decepção, mas o desespero de muitos e os transtornos que isso causou. O estudo da Bíblia estava correto. A profecia de Daniel 8:14, sobre os 2.300 anos, deveria cumprir-se naquela data. Contudo, o acontecimento foi interpretado de maneira equivocada. A profecia não se referia à volta de Jesus, mas a Sua passagem para o lugar santíssimo do santuário celestial, iniciando o juízo investigativo. Esse amargo acontecimento também estava previsto na profecia. Em Apocalipse 10:10, lemos sobre um livrinho que foi ingerido pelo profeta. Segundo ele, na boca, “era doce como mel”. Mas, em seguida, algo mudou, relata João: “Quando, porém, o comi, o meu estômago ficou amargo”. No verso 11, tendo a missão adventista pós-desapontamento em perspectiva, o anjo diz: “É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis.” Entre as amargas decepções da vida, como povo de Deus, podemos contar com Sua doce presença, a qual orienta nossos passos e nos dá segurança na jornada rumo ao Céu.


SÁBADO

26 DE OUTUBRO

Presença na igreja Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns. Hebreus 10:25

Ir à igreja não é uma questão de escolha pessoal, mas de necessidade espiritual. A vida cristã é como a brasa. Se estiver perto do fogo, permanecerá quente e viva; mas, se for afastada, logo se tornará apenas um pedaço de carvão. Não deixe de ir à igreja. A distância dos irmãos, do louvor, da pregação e do estudo da Bíblia acabará colocando você longe de Deus. Não deixe de ir à igreja simplesmente porque está chovendo. Isso não afastaria você do trabalho, da escola ou de atividades sociais. Não deixe de ir à igreja porque está frio. Nela você encontra o calor que realmente precisa. Não deixe de ir à igreja porque está cansado. Ela renova suas forças. Não deixe de ir à igreja porque pode assistir a bons sermões pela TV ou internet. Sua casa nunca substituirá a casa de Deus. Não deixe de ir à igreja pela falta de boas roupas. Deus vê seu coração. Não deixe de ir à igreja porque é pobre. A entrada é gratuita. Não deixe de ir à igreja porque a música não agrada você. Deus ouvirá o louvor de seu coração. Não deixe de ir à igreja porque o pregador ou pregadora não são tão talentosos. Deus pode usar pessoas simples para alcançar seu coração. Não deixe de ir à igreja porque fica longe de sua casa. Deus sempre vai ao extremo para buscar você. Não deixe de ir à igreja porque não há estacionamento para o seu carro. O encontro com Jesus compensa uma pequena caminhada. Não deixe de ir à igreja porque foi ignorado ou maltratado. Quem deixa de frequentá-la por causa de pessoas nunca entrou nela por causa de Jesus. Não deixe de ir à igreja porque ela é fria. Você pode levar o calor que está faltando. Não deixe de ir à igreja porque tem algum pecado no coração. É no “hospital” que as feridas são curadas. Não deixe de ir à igreja porque seu nome não está mais na lista de membros. Ele continua no coração de Deus. Não deixe de ir à igreja porque ela é imperfeita. Se você encontrasse uma perfeita e fizesse parte dela, se tornaria imperfeita também. Não deixe de ir à igreja porque você não fará falta no meio de tanta gente. Deus sente sua ausência. Não deixe de ir à igreja por qualquer motivo, com exceção daqueles que você poderia apresentar pessoalmente a Deus. Afinal, você não é tão mau que não possa participar nem tão bom que deva ficar de fora.


DOMINGO

27 DE OUTUBRO

Testemunhas oculares Nós mesmos fomos testemunhas oculares da Sua majestade. 2 Pedro 1:16

Uma das profecias mais intrigantes de Cristo está registrada em Mateus 16:28. Nessa passagem, o Senhor afirma que alguns daqueles que O ouviam não provariam a morte até vê-Lo em Seu reino. Suas palavras levantaram um grande debate que continua até hoje. Jesus teria prometido que alguns permaneceriam vivos até Sua volta? Ele falhou em cumprir essa promessa? Ou se referia a algum outro acontecimento? A resposta está registrada nos primeiros versos do capítulo 17. Jesus levou Pedro, Tiago e João a um alto monte e transfigurou-Se diante deles. Também apareceram Moisés e Elias. Juntos criaram uma réplica perfeita da segunda vinda. Jesus em Sua glória, Moisés representando os que morreram e ressuscitarão, e Elias como exemplo dos que serão arrebatados sem ver a morte. Os dois também confirmavam as promessas das Escrituras. Moisés representando a lei; e Elias, os profetas. O momento foi tão impactante que Pedro não resistiu e sugeriu que permanecessem ali. Os três discípulos não queriam mais descer, porque quem vê a glória de Cristo e tem uma prévia da segunda vinda do Senhor começa a ver este mundo com outros olhos. Não dá vontade de voltar. No entanto, a glória do monte tem o objetivo de renovar nossas forças para cumprir a missão que ainda temos no vale. O impacto da transfiguração acompanhou o restante da vida e do ministério de Pedro. Ao anunciar a vinda do Senhor, ele usou a força de suas credenciais como “testemunha ocular” para garantir que não falava de “fábulas engenhosamente inventadas” (2Pe 1:16). Lembrando sua experiência no monte (2Pe 1:18), ele desafiou a todos que não tiveram a mesma experiência, mas alimentam a mesma esperança a terem “mui firme a palavra dos profetas, à qual fazeis bem em estar atentos, como uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça, e a estrela da alva nasça em vosso coração” (2Pe 1:19). Em breve, seremos testemunhas do maior evento da história. Enquanto esse dia não chega, Deus nos dá vislumbres do Céu e enche nosso coração de esperança por meio de Sua Palavra. Com a força dessa motivação, seguimos rumo a Canaã, levando mais pessoas a desejar o retorno de Jesus.


SEGUNDA

28 DE OUTUBRO

Raízes para baixo e frutos por cima O que escapou da casa de Judá e ficou de resto tornará a lançar raízes para baixo e dará fruto por cima. Isaías 37:31

Quando Deus está à frente, não importa o tamanho do inimigo nem a dificuldade da batalha. Ele sempre será vitorioso. Foi o que aconteceu no conflito entre a Assíria, liderada pelo poderoso e arrogante Senaqueribe, e Judá, sob a liderança do enfraquecido Ezequias. A derrota parecia certa, mas, por meio do ministério profético de Isaías, Deus garantiu a vitória de Seu povo e ainda fez um tremendo milagre. A batalha nem chegou a acontecer. Um anjo do Céu destruiu 185 mil soldados do exército assírio e colocou em fuga os demais sobreviventes, incluindo Senaqueribe. Além da vitória, Judá recebeu uma promessa de abundância. A nação seria restaurada, e suas terras se tornariam ainda mais férteis. Seu povo voltaria a ter “raízes para baixo” e demonstrar “frutos por cima”, sendo completos no Senhor. Nas grandes e complexas batalhas de hoje, o Senhor também nos promete vitória e restauração. Ele deseja nos tornar completos, permitindo que nossas raízes se aprofundem no rico solo de Sua graça, de modo que nossa vida seja frutífera e uma bênção para Sua obra. Aqueles que têm “raízes para baixo” são espiritualmente consistentes. São profundos espiritualmente e possuem convicções claras sobre sua origem, identidade e destino. Não se deixam levar por novidades, curiosidades ou superficialidades nem se abatem por qualquer crise relacional ou espiritual. Contudo, nem só de profundidade vive a fé cristã. É preciso apresentar “frutos por cima”. Boas raízes sempre produzem muitos frutos, e isso também acontece na vida cristã. Com profundidade espiritual, sempre há crescimento missionário. Pessoas são alcançadas, decisões são tomadas e batismos são realizados. Os frutos aparecem em quantidade e qualidade. Sem o equilíbrio entre essas duas características, não haverá discipulado de verdade. Buscar apenas “raízes para baixo” levará ao egoísmo espiritual, criticismo, desânimo e apostasia. Mostrar apenas “frutos por cima” produzirá muitos números e poucos discípulos, muitas boas obras e pouca consistência espiritual. Cuidado para não ter uma pretensa vida de consagração sem resultados ou de resultados aparentes sem consagração. Na vida espiritual, apenas o equilíbrio entre comunhão e missão trará realização.


TERÇA

29 DE OUTUBRO

Grandes desafios Agora, pois, ó Senhor, meu Deus, Tu fizeste reinar Teu servo em lugar de Davi, meu pai; não passo de uma criança, não sei como conduzir-me. 1 Reis 3:7

No dia 29 de outubro de 2006, fui escolhido para liderar a igreja na Divisão Sul-Americana. Tinha apenas 38 anos, era a pessoa mais jovem escolhida para o cargo, não havia passado pela mesma responsabilidade em outros níveis da igreja e substituía o respeitado, equilibrado e experiente pastor Ruy Nagel. Entendi minha escolha como uma mensagem clara de que é o Senhor quem dirige Sua obra. Não importa a pessoa escolhida, Ele sempre será o líder supremo. Havia muita preocupação com a saída de um líder experiente e a entrada de um jovem inexperiente, mas Deus mostrou que pessoas são apenas instrumentos. A partir de então, exercer a liderança tem sido uma escola permanente. Entre virtudes e limitações, tenho aprendido muitas lições, das quais destaco quatro. Quanto menor a experiência maior pode ser a dependência. Tudo na função era novo para mim. Estava diante de reuniões complexas, decisões importantes e problemas difíceis de resolver. Em especial, os anos iniciais foram de intensa oração e muitos milagres. Aprendi a depender ainda mais de Deus, ouvir Seus conselhos e ser usado como Seu instrumento. Quando Deus chama, Ele capacita. Eu não tinha todas as habilidades necessárias para a função. De uma hora para outra, era preciso falar inglês e espanhol, responder por áreas técnicas e legais e aconselhar líderes mais experientes. Em Sua infinita graça, o Senhor tem provido o necessário para o bem de Seu povo. A missão une as pessoas. Decidi concentrar minhas forças na missão. Foi assim que nasceu o Impacto Esperança e outros movimentos que fortaleceram a razão de nossa existência. Ao nos concentrarmos na missão, toda a igreja foi envolvida, as pessoas se uniram e tudo isso tornou a liderança mais fácil. Deus envia as pessoas certas para ajudar. Nunca faltaram pessoas dignas de confiança, que apareceram na hora certa, ofereceram um conselho apropriado e oraram por mim. Gente muito mais preparada do que eu, mas humilde e disposta a ensinar, apoiar e respeitar. Assim como eu recebi grandes desafios, o Senhor também pode colocar outros em suas mãos. Aceite e vá em frente com humildade, oração e coragem. Deus sempre surpreenderá você.


QUARTA

30 DE OUTUBRO

Pequenos começos Assim, também vós, visto que desejais dons espirituais, procurai progredir, para a edificação da igreja. 1 Coríntios 14:12

Há exatos 38 anos, eu pregava meu primeiro sermão. Eu havia sido convidado para falar em um campori de desbravadores. Vergonha é a palavra que melhor representa o que senti após concluir aquela mensagem. Mesmo assim, ainda guardo com carinho o sermão que usei. As folhas estão amareladas, mas lembram como Deus trabalha com pequenos começos. Eu era criança e pedi a meu pai que preparasse a mensagem para mim. Ele datilografou um texto especial em seis pequenas folhas. Durante várias semanas, eu treinei, preguei na frente do espelho e decorei o texto. Porém, quando cheguei ao Campori e vi os 1.600 participantes na cerimônia de abertura, fiquei desesperado. Minha saída era esconder o nervosismo na hora da pregação. Pensei em me proteger atrás do púlpito para ninguém ver minhas pernas e mãos tremendo ao segurar os papéis. Para meu desespero, ao chegar à plataforma, descobri que não havia púlpito, apenas um pedestal com microfone. Todos os meus planos caíram por terra. Não tinha mais como esconder o nervosismo. Quando comecei a pregar, o problema ficou evidente. Por causa da tensão, não conseguia lembrar do sermão. Levantava as folhas para ler e logo começava a tremer. Quando baixava os papéis, eu esquecia o texto e tinha que levantar outra vez. Subia e descia as folhas como um abanador. Acabei apresentando toda a mensagem em três minutos e meio. Decidi nunca mais pregar e entendi que não era meu dom. Não queria passar vergonha outra vez. Contudo, pouco tempo depois, fui convidado pelo meu clube de desbravadores para pregar outra vez e acabei aceitando. Adaptei a mesma mensagem, acrescentei mais textos bíblicos e tentei torná-la mais longa, mas a vergonha se repetiu. Preguei toda a mensagem em pouco mais de cinco minutos. Tudo isso indicava que pregar não era minha vocação, mas Deus trabalha com pequenos começos. Ele pode usar nossos fracassos aparentes como preparo para vitórias maiores. Aceite hoje o chamado do Senhor e não se esconda atrás do medo e da vergonha. Se você se sente incapaz para sua missão, lembre-se de que Deus sabe como trabalhar pedras brutas e torná-las preciosas para Sua causa.


QUINTA

31 DE OUTUBRO

Pedras vivas Vocês, também, como pedras vivas, deixem que Deus os use na construção de um templo espiritual onde vocês servirão como sacerdotes dedicados a Deus. 1 Pedro 2:5, NTLH

A Bíblia usa várias ilustrações para representar a igreja. Uma delas é a construção de um templo espiritual composto de “pedras vivas”. Nessa metáfora, há um detalhe interessante: as construções não se edificam sozinhas. Precisam ser trabalhadas e erguidas. Além disso, quero destacar duas lições marcantes no texto bíblico de hoje. A primeira é que as pedras de uma construção não chegam polidas, refinadas e cortadas para se encaixar no lugar certo. Elas precisam ser moldadas, acabadas e para isso dão bastante trabalho. Quando Jesus diz que somos “pedras vivas” de Sua casa espiritual, Ele está dizendo também que tem um trabalho especial a fazer em nossa vida. Ele deseja nos fazer refletir corretamente Sua graça para nos tornar agentes transformadores do mundo. Antes de fazer algo por meio de nós, Jesus faz algo em nós. Em Sua obra de salvação em nós, Cristo lapida nosso caráter. Muitas vezes, esse processo é doloroso e incômodo. Em geral, preferimos que Deus retire as arestas da vida de outros que vivem perto de nós. Temos a sensação de que são eles que realmente estão precisando. Parece que estamos bem. No entanto, o Senhor segue trabalhando em nós, por Sua graça e com Seu poder, para construir um templo forte, onde possamos revelar a glória de Seu caráter e a majestade de Seu amor. A segunda lição que destaco do texto de hoje é o fato de nenhum templo espiritual ser construído com uma única pedra. Cada pedra é colocada sobre outra pedra. Jesus Cristo é o fundamento. Os discípulos foram construídos sobre esse fundamento. Os primeiros cristãos, enfrentando perseguição, sendo devorados por leões e queimados na fogueira, também foram pedras no templo espiritual. Homens e mulheres fiéis ao longo dos séculos, perseguidos, julgados e oprimidos mantiveram firme a verdade da Palavra de Deus. Os reformadores e os valdenses tiveram a coragem moral de defender a verdade da Palavra de Deus. Todos eles fizeram parte desse templo espiritual. Hoje, você é um herdeiro da reforma e a “pedra viva” sobre a qual o Senhor segue construindo Seu templo. Permita que Ele faça Sua obra em você, tornando Sua vida um instrumento de salvação.


Novembro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30


SEXTA

1º DE NOVEMBRO

Fiel até a morte Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Filipenses 1:20, ACF

O início da obra adventista no Paraguai é resultado de um evangelismo familiar. Em 1898, alguns adventistas da Argentina e do Uruguai enviaram literatura para seus parentes no Paraguai. Vários aceitaram a mensagem em Colônia Nacional e solicitaram que um missionário fosse visitá-los para ensinar mais sobre a Bíblia. Em 1900, Elwin W. Snyder e sua família foram enviados ao Paraguai num tempo em que os meios de locomoção e comunicação eram difíceis. Em 1901, cinco pessoas foram batizadas em Colônia Nacional e, em 1903, foi organizada a primeira igreja em Encarnación, com 14 membros. O trabalho avançou, e a história da obra no país foi marcada por sacrifício e fidelidade. Um exemplo marcante ocorreu em 1910 com um dedicado líder da igreja, conhecido como irmão Flores, acompanhado de sua esposa e mais um casal. Eles viajaram para visitar a igreja de Villa Rica e, durante todo o trajeto, mantinham a Bíblia e o hinário nas mãos. No meio do caminho, encontraram uma procissão. Com gritos irados, a multidão pediu que jogassem as Bíblias no chão para pisoteá-las, ​ameaçando-os de morte. Isso não intimidou o irmão Flores nem os que estavam com ele. Não negaram sua fé. De repente, um participante da procissão puxou uma faca e atingiu o irmão Flores. Cambaleando, ele caiu no chão sangrando, mas ainda manteve a Bíblia na mão. Nos braços da esposa, ele disse suas últimas palavras: “Seja fiel. Eu morro por Cristo.” O sangue do irmão Flores foi como semente para o crescimento da obra adventista no Paraguai. Os tempos mudaram, e as provas hoje são outras. Muitas vezes, a fidelidade não custa a vida, mas o emprego, a formatura, o relacionamento ou a realização de um sonho. Ellen White declara: “Quanto mais perto chegarmos do final da história da Terra, mais enganosos e ardilosos serão os ataques do inimigo. Seus ataques ficarão cada vez mais ferozes e frequentes” (Comentário Bíblico Adventista, v. 6, p. 1.240). Embora as provações sejam outras em nosso tempo, a recompensa para a fidelidade continua a mesma. O Céu valerá qualquer renúncia. Seja fiel a toda a prova, e a coroa da vida eterna será colocada sobre sua cabeça quando Jesus voltar.


SÁBADO

2 DE NOVEMBRO

Lugares de esperança Porque ainda um pouquinho de tempo, e o que há de vir virá, e não tardará. Hebreus 10:37, ACF

No início da obra adventista na América do Sul, os “protestantes hereges”, como eram chamados nossos pioneiros, não podiam enterrar seus familiares nos cemitérios da comunidade. Por isso, em alguns locais, nossos irmãos tiveram que ser enterrados no terreno da própria igreja. Dessa realidade nasceram os cemitérios adventistas. No território da Divisão SulAmericana ainda existem cinco. Conheço bem alguns deles. No Cemitério Adventista de Campo dos Quevedos, no interior do estado do Rio Grande do Sul, está enterrado meu bisavô, Henrique Köhler. No Cemitério Adventista da Fazenda Passos, também no Sul do Brasil, estão meus avós, Júlio Carlos Köhler e Lídia Marquart Köhler. Muitas vezes estive ali para ouvir histórias de irmãos fiéis, famílias dedicadas e líderes que deram uma importante contribuição à obra do Senhor. Todos descansaram confiando que mais “um pouquinho de tempo, e o que há de vir virá, e não tardará” (Hb 10:37, ACF). Mesmo morando longe, algumas vezes viajei até o cemitério de Rolante com minha família para contar algumas histórias inspiradoras de pessoas que estão enterradas nesses locais. Ao levar meus filhos comigo, meu objetivo é impactar a vida deles e mostrar que nossa esperança não pode ser sepultada. No cemitério ao lado da primeira Igreja Adventista do Brasil, em Gaspar Alto, uma placa confirma a certeza de que, em breve, esses lugares terão muito movimento e testemunharão reencontros emocionantes. Não só neles, mas em todos os locais onde descansam os “mortos em Cristo” (1Ts 4:16). A placa reproduz o seguinte texto de Ellen White: “A voz do filho de Deus chama os santos que dormem. Ele olha para a sepultura dos justos e, levantando as mãos para o céu, brada: ‘Despertai, despertai, despertai, vós que dormis no pó, e surgi!’ […] Criancinhas são levadas pelos santos anjos aos braços de suas mães. Amigos há muito separados pela morte reúnem-se para nunca mais se separarem” (O Grande Conflito, p. 644, 645). Nossa esperança não morre no cemitério. Jesus em breve voltará! Quando esse dia chegar, a morte não poderá mais reter os salvos, e nós viveremos para sempre com o Senhor na companhia de nossos queridos e irmãos. É só um pouco mais.


DOMINGO

3 DE NOVEMBRO

Um herói esquecido Então, Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos. Atos 9:17

Com certeza você conhece muitas histórias de heróis que realizaram grandes coisas e receberam reconhecimento por isso. Porém, os pequenos atos de “heroísmo diário”, que envolvem coisas simples e importantes, na maioria das vezes passam despercebidos. Ananias foi um desses heróis anônimos. Ele é mencionado apenas duas vezes em toda a Bíblia. Chamado pelo Senhor para uma missão especial, deveria ir ao encontro do maior inimigo do cristianismo e impor as mãos sobre ele. O próprio Saulo de Tarso confirmou que havia sido um “perseguidor” (1Tm 1:13) e que investiu contra o povo do “Caminho até à morte” (At 22:4). No entanto, antes de obedecer, Ananias ainda tentou lembrar ao Senhor quem realmente era “o escolhido”. Ele disse: “De muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos Teus santos em Jerusalém” (At 9:13). A situação era tão complicada que todos entenderiam se ele pedisse para não cumprir essa missão. Entretanto, a ordem divina não dava alternativa: “Vai, porque este é para Mim um instrumento escolhido para levar o Meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel” (At 9:15). Apesar do medo, Ananias aceitou o desafio. Encontrou Saulo de Tarso, restaurou sua visão e o preparou para o grande ministério que Deus colocou em suas mãos. Com toda razão, Ananias tem sido considerado um dos heróis esquecidos da fé, como muitos outros que servem a Cristo nos bastidores. Nunca os conheceremos nem saberemos seus nomes. São pessoas que se contentam em permanecer nas sombras, ignorando a atração das luzes e dos aplausos. Mesmo assim, são heróis, gigantes da fé, por seus atos silenciosos de fidelidade e dedicação a Deus. Você está resistindo ao chamado de Deus para alguma missão especial ou desafiadora? Está avaliando demais os riscos e se sente paralisado pelo medo do futuro ou do desconhecido? Não permita que o dia termine sem dizer sim, decidindo aceitar, confiar e avançar, por mais surpreendente que seja o plano do Senhor. Só a eternidade revelará o impacto de seu passo de fé. O mundo precisa de mais heróis que estejam dispostos a ser anônimos. (Escrito por Matheus Marques Köhler)


SEGUNDA

4 DE NOVEMBRO

Resgate o poder Olhei, e eis que havia tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Ezequiel 37:8

A obra do Espírito Santo é fundamental para a igreja. Sem Ele, somos apenas uma estrutura sem vida, incapaz de fazer o que se espera de nós. No entanto, Ele tem sido esquecido por alguns, confundido por outros, e Sua obra perdeu muito do destaque que deveria ter. Como resultado, nos tornamos mais fracos na luta contra o pecado e no cumprimento da missão. Acabamos nos tornando espiritualmente pálidos e sem vida. Essa realidade foi muito bem ilustrada pela visão que o profeta Ezequiel teve de um vale com ossos secos (Ez 37:1-14). Ela veio numa época em que o povo de Israel estava ameaçado de destruição por ter se afastado da Palavra de Deus e caído em apostasia. Ezequiel ficou impressionado com a quantidade desses ossos e com a condição em que estavam: “Eram muito numerosos” e “estavam sequíssimos” (Ez 37:2, NAA). Expostos ao vento e à chuva, haviam perdido todo o vestígio de vida. Um detalhe chamou ainda mais a atenção do profeta: essas cenas lhe foram apresentadas no mesmo lugar em que ele havia tido a visão da majestade de Deus (Ez 3:22, 27). Ezequiel ouviu a pergunta: “Filho do homem, acaso poderão reviver estes ossos?” Com fé, ele respondeu: “Senhor Deus, Tu o sabes” (Ez 37:3), reconhecendo que somente o Senhor seria capaz de fazer aquele milagre. O profeta seria apenas um instrumento e, por isso, recebeu a ordem de profetizar àqueles ossos secos. Ezequiel ainda estava falando, mas já havia percebido o efeito de suas palavras. Houve agitação entre os ossos, até que um esqueleto foi formado. Apareceram os nervos, que se uniram aos ossos, a carne ocupou seu lugar, e os músculos, também. Lá estavam todos os órgãos, mas ainda faltava a vida. Por mais poderosa que seja, a palavra do homem apenas move os ossos. Ela é capaz de pregar, cantar, entusiasmar, organizar, impressionar e liderar, mas é só isso. Produzimos algumas mudanças exteriores, reformas e melhorias, mas não podemos restaurar vidas. Quando o Espírito Santo é recebido, a igreja é revestida de poder, o pecado é vencido e a vida de Cristo nos é comunicada. Ore hoje para que o Vento de Deus sopre sobre nós e transforme nossos ossos secos em um poderoso exército de salvação.


TERÇA

5 DE NOVEMBRO

Nossa maior necessidade Profetizei como Ele me ordenara, e o Espírito entrou neles, e viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso. Ezequiel 37:10

A visão do profeta Ezequiel sobre o vale de ossos secos teve dois grandes momentos. No primeiro, a palavra do homem resultou em ação. No segundo, o Espírito agiu, e a vida surgiu. Esse contraste deixa evidente o limite humano e o alcance do poder vivificador do Espírito. Como igreja, temos abundância de palavras, mas falta o sopro do Espírito. Sem Ele, continuaremos vivendo uma rotina fria e sem vida, com festas, programas, cerimônias e rituais baseados em formalismo e até egoísmo. No diagnóstico preciso de Ellen White, vemos que onde “a necessidade do Espírito Santo seja um assunto de que pouco se pense, ali se verá sequidão espiritual, escuridão espiritual e espirituais declínio e morte” (Atos dos Apóstolos, p. 50). Deus organizou Sua igreja de forma perfeita, com cada membro em seu lugar. Porém, enquanto o sopro do Espírito Santo não encheu a sala em que os apóstolos estavam no Pentecostes, o povo de Deus não teve vida, poder e crescimento. Não podemos concentrar todo o nosso tempo e energia na busca por novos programas, melhores planos, tecnologia de ponta ou aparência mais moderna e deixar de pôr em destaque o que é essencial: movimentos profundos e equilibrados em busca de poder, vida e transformação do Espírito. Precisamos Dele para nos levantar como um exército poderoso. Ellen White adverte: “Se o cumprimento da promessa não é visto como poderia ser é porque a promessa não é apreciada como deveria ser. Se todos estivessem dispostos, todos seriam cheios do Espírito Santo” (ibid.). Não existe cumprimento da missão sem o batismo do Espírito. O poder de Deus é a chama que move a igreja. Somente por meio Dele, a missão será cumprida. No Pentecostes, o Espírito Santo foi enviado apenas depois que Jesus foi entronizado no Céu. Nosso Pentecostes pessoal também virá somente quando Jesus for entronizado no coração. Por isso, faça dessa busca uma prioridade pessoal e trabalhe para que coletivamente a igreja também seja abençoada com o poder do Espírito Santo.


QUARTA

6 DE NOVEMBRO

Imprimindo esperança Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois Aquele que prometeu é fiel. Hebreus 10:23, NVI

Leopoldo Preuss apegou-se “com firmeza à esperança que professamos”. Por mais de cinco décadas, ele trabalhou na CPB, imprimindo a mensagem do breve retorno de Jesus. Nascido em 8 de fevereiro de 1887, passou a trabalhar na editora, aos 17 anos, girando manualmente a pesada roda de ferro que movimentava o prelo da gráfica. Sua história na editora começou em 1904, em Taquari-RS, quando lá chegaram os primeiros equipamentos tipográficos para a então Sociedade Internacional de Tratados do Brasil, antigo nome da CPB. Em 1907, Preuss foi o responsável pela impressão do primeiro livro adventista no Brasil: A Gloriosa Vinda de Cristo. Pelas mãos de Leopoldo, passaram as publicações adventistas que deram o tom do início da pregação do evangelho no país. Preuss foi o único brasileiro de que se tem notícia que trabalhou por 56 anos em uma só instituição da Igreja Adventista. Segundo a Revista Adventista, ao longo de sua vida, Preuss atravessou os portões da editora 58 mil vezes, fazendo a pé, de sua residência ao trabalho, um percurso de 43,5 mil quilômetros. Ele não queria parar de trabalhar e, mesmo depois de aposentado, continuou servindo à CPB. A visão missionária desse pioneiro da página impressa é inspiradora. Seu amor ao trabalho na CPB é fruto do entendimento de que “os nossos prelos dev[em] estar continuamente ocupados em publicar a luz e a verdade”. Preuss tinha a certeza de que é “em grande parte por meio de nossas casas editoras que se há de efetuar a obra daquele outro anjo que desce do Céu com grande poder e, com sua glória, ilumina a Terra” (O Colportor-Evangelista, p. 2, 4). Por isso, ele dedicou toda sua vida para imprimir nossa esperança. O senso de missão e o desejo de ver Jesus voltar foram impressos no coração de Leopoldo Preuss. Ele permaneceu fiel a Deus até o fim. Faleceu no dia 12 de outubro de 1980, com 93 anos de idade. Por meio de seu trabalho desprendido, milhares de pessoas foram abençoadas com o evangelho. A editora continua sua obra de imprimir esperança com o objetivo de que outras pessoas sejam alcançadas pela mensagem da salvação. Deus conta com você também. Apegue-se firmemente à nossa esperança e ajude a preparar o mundo para o breve retorno de Jesus.


QUINTA

7 DE NOVEMBRO

Verdadeira transformação Então, Jesus e os Seus discípulos partiram para as aldeias de Cesareia de Filipe. Marcos 8:27

Em cada atitude de Jesus, havia um objetivo específico. Suas palavras, Seus milagres e viagens sempre tinham uma mensagem a transmitir. Não foi diferente em Sua ida de Cafarnaum para Cesareia de Filipe. É possível que Jesus tivesse em mente quatro razões ao escolher ir a essa cidade. Cesareia de Filipe era o centro do culto ao deus grego Pã. Os gregos acreditavam que os deuses habitavam ali. Foi por isso que Alexandre, o Grande, construiu um santuário na cidade. Ao ir até lá, Jesus queria contrastar Seu ministério com a idolatria, as falsas religiões e a mitologia grega. Buscava salientar que os falsos deuses não mudariam o mundo. Isso só poderia ser feito pelo Filho de Deus. A cidade era um centro da filosofia grega. Naqueles dias, os ensinamentos de Platão, Sócrates e Aristóteles influenciavam profundamente o mundo romano, colocando sua ênfase na filosofia e no conhecimento humano. Ao ministrar na cidade, Jesus queria mostrar que a sabedoria humana oferece informação, mas nunca transformação. Aquele lugar também era o centro do poder militar romano. O nome da localidade era uma referência aos césares, e nela havia um importante posto militar fundado por Filipe, um dos filhos de Herodes. Foi o poder militar que levou os romanos a dominarem o mundo do 1o século, mas Jesus foi àquela cidade para anunciar que o evangelho é a força mais poderosa do Universo. Cesareia de Filipe era o centro da religião formal. De lá, afluíam muitos ritos e crenças. Jesus visitou o lugar também para revelar que uma religião meramente ritualística jamais poderá mudar o mundo. Somente a entrega completa do coração a Ele ligará em definitivo o homem a Deus. A mensagem foi dada no 1o século, mas continua relevante no século 21. Jesus estava afirmando que as divindades pagãs, a filosofia grega, o poder militar e uma religião de formalidades não podem mudar o mundo. Só Ele tem essa capacidade e realiza Sua obra por intermédio do Espírito Santo. Não se iluda com as promessas encantadoras de uma vida melhor. Permita que Jesus atue em sua vida. Somente Ele realiza verdadeira transformação.


SEXTA

8 DE NOVEMBRO

Quem é Jesus para você? Indo Jesus para os lados de Cesareia de Filipe, perguntou a Seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do Homem? Mateus 16:13

O grande evangelista Dwight Moody dirigia uma série de conferências, e um casal de idosos decidiu convidar um vizinho para participar. Porém, o homem não se interessou pelo tema. Sabendo de sua apreciação por boa música, eles o convidaram para assistir à apresentação musical do culto. Na noite combinada, ele foi ao programa, sentou-se na última fila e ouviu a música especial. Quando Moody começou a pregar, ele tapou os ouvidos, demonstrando desinteresse. Não demorou, e uma mosca pousou em seu nariz. Ele tentou afastála de todas as maneiras, mas não deu certo. Tirou uma das mãos do ouvido para espantá-la exatamente no momento em que Moody perguntava: “Quem é Jesus para você?” O vizinho tapou novamente o ouvido, mas a pergunta não saiu de sua mente. A reflexão acabou sendo tão profunda que ele voltou outras noites e, durante o encerramento da programação, ele foi batizado. Nas mãos de Deus, uma pergunta pode mudar vidas. Por isso, Jesus perguntou aos discípulos: “Quem diz o povo ser o Filho do Homem?” (Mt 16:13). Depois de eles responderem sobre o que o povo pensava, Jesus foi mais longe: “Mas vós, [...] quem dizeis que Eu sou?” (v. 15). Pedro tomou a palavra e respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (v. 16). Esse diálogo de Jesus com os discípulos revela algo maravilhoso. Não é a posição social que nos qualifica para sermos cheios do Espírito e agentes transformadores do mundo. Títulos, diplomas, liderança, nome, sobrenome ou dinheiro podem até impressionar as pessoas, mas não transformam vidas. Só há um caminho: conhecer Jesus, ser transformado por Sua graça, encantar-se por Seu amor e ser fortalecido por Seu Espírito. O poder do cristianismo apostólico vem da pessoa de Cristo. Somente quando nos entregamos a Ele, somos transformados e transformamos o mundo. Não podemos nos esquecer do que disse Ellen White: “Sua esperança não está em si mesmo, mas em Cristo. [...] E ao amáLo, imitá-Lo e depender inteiramente Dele é que você se transforma à Sua semelhança” (Caminho a Cristo, p. 70). Se Cristo for o primeiro em sua existência, você será um poderoso instrumento para transformar muitas vidas.


SÁBADO

9 DE NOVEMBRO

O dia em que Pedro ficou rico Simão respondeu: “Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pegamos nada. Mas, porque és Tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes”. Lucas 5:5, NVI

Pedro era um pescador que trabalhava duro para conseguir o sustento diário e manter a família. Por isso, voltar para casa sem ter pescado nada era frustrante e motivo de preocupação para ele. Porém, o Carpinteiro ensinou o grande pescador a pescar: “Vá para onde as águas são mais fundas, e lance as redes para a pesca”, Ele disse. Pedro poderia ter rejeitado a sugestão, mas reconheceu que estava diante do Mestre e aceitou o desafio. Aquela foi a maior pesca da vida de Pedro e resultou em dois barcos completamente cheios de peixes. Pedro ficou rico! Todos seus problemas financeiros estavam resolvidos por um bom tempo. No entanto, quando a pesca foi mais promissora, Pedro foi definitivamente pescado por Jesus e se tornou um pescador de homens. Ele entendeu que algo sobrenatural estava acontecendo, caiu de joelhos e disse: “Afasta-Te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!” (v. 8, NVI). Finalmente seu coração estava preparado. Cristo o tranquilizou e o chamou: “Não tenha medo; de agora em diante você será pescador de homens” (v. 10, NVI). Três anos depois, aconteceu tudo de novo. Desanimado com a morte de Cristo, Pedro e seus amigos voltam a pescar (Jo 21:1-14). Frustrado por trabalhar a noite toda sem resultados, ouviu o conselho de um Desconhecido, e o processo se repetiu: ele obedeceu, voltou com o barco cheio, foi chamado de novo e deixou sua nova fortuna para seguir Jesus mais uma vez. Nessa ocasião, ele abandonou definitivamente os peixes para salvar pessoas e se esqueceu da pesca para se entregar à missão. A entrega foi definitiva, e sua marca passou a ser: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5:29). No dia em que ficou rico, Pedro teve que escolher qual seria sua verdadeira riqueza. Ele escolheu não dar mais atenção ao dinheiro e permitir que Jesus colocasse seu coração na salvação e na missão. E você? Que tipo de riqueza está buscando? Os tesouros de Deus não podem ser comparados a nada deste mundo. Por isso, não permita que qualquer tipo de prosperidade comprometa sua salvação. Escolha a riqueza certa.


DOMINGO

10 DE NOVEMBRO

Sábios para a salvação O que ganha almas é sábio. Provérbios 11:30

O conceito bíblico de sabedoria está diretamente associado ao conhecimento de Deus. Sem Ele, não somos nada, e nada do que pensamos, falamos ou fazemos tem significado real. A sabedoria divina não se limita ao campo intelectual. Ela passa por todos os aspectos da vida e desemboca em um comportamento que revela claramente o contato com Deus. De modo mais específico, o texto bíblico de hoje nos diz que a sabedoria se revela na atitude de ganhar almas. Levar pessoas ao reino de Deus é resultado de muito trabalho, compromisso com a missão e habilidade relacional. Só um coração aquecido pela chama do evangelho estará disposto a enfrentar os desafios da conquista de pessoas para o reino do Céu. O poder do Espírito Santo inflama o coração com amor e enriquece a mente com sabedoria. Essa combinação resulta em pessoas salvas. Ovidio Arzamedia e Alberto Pavon têm experimentado essa realidade. Eles são vizinhos, membros da mesma igreja e também formam uma dupla missionária. Vivem na cidade de Curuguaty, no Paraguai, onde Ovidio trabalha como construtor e Alberto possui um comércio de eletrônicos. Ambos têm família e várias responsabilidades, mas separam um tempo cada semana para a missão. Todos os sábados viajam 170 km de moto, pagando as próprias despesas, para dar estudos bíblicos e plantar igrejas. Andam por caminhos difíceis, algumas vezes com sol de até 40 graus Celsius, outras com chuva intensa, mas não desistem. Cumprir a missão para eles não é algo simples nem barato; ainda assim, abraçaram esse chamado e têm sido abençoados. Evangelizar não ocupa apenas seu tempo livre. Eles decidiram dedicar o melhor que têm para salvar vidas. Ovidio e Alberto são homens sábios. Mesmo não sendo diplomados com títulos acadêmicos de destaque, são plantadores de igrejas e ganhadores de almas. O conhecimento real a respeito de Deus é fruto do novo nascimento, que produz invariavelmente o desejo de compartilhar as novas de salvação. O mesmo Deus que nos motiva a trabalhar pela salvação dos outros nos capacita com sabedoria para isso. O Céu é o destino dos sábios, ou seja, daqueles que conhecem e amam a Deus. Permita que Deus inunde seu coração com o evangelho, e sua mente será inflamada com o conhecimento que o tornará sábio para a salvação. O resultado? Muita gente será conduzida ao Céu.


SEGUNDA

11 DE NOVEMBRO

A melhor escolha Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada. Lucas 10:41, 42

Além de suas conquistas militares, que resultaram na independência da Argentina, do Chile e do Peru, José San Martín deixou conselhos preciosos para sua filha. Em um deles, disse: “Você vai ser o que deve, ou não será nada.” Essa frase parece óbvia, mas destaca a realidade de que existe um significado transcendente para a vida, um motivo para existir. Qual é a verdadeira prioridade de sua vida? Você conhece a essência de sua existência ou vive apenas de aparência? Ao desenvolver suas responsabilidades diárias, você age como Marta ou Maria? Acredito que você conheça a história dessas duas irmãs. Marta recebeu Jesus em sua casa e Lhe ofereceu o melhor. Contudo, para isso, ficou tão ​ocupada que não conseguiu dar atenção ao Visitante. Por sua vez, Maria decidiu ouvir o que Ele tinha para ensinar. Por conta disso, ela foi criticada e pressionada pela irmã: “Eu fiquei com a parte mais difícil”, reclamava Marta, “enquanto ela fica sentada conversando!” Gentilmente, Jesus censurou Marta. Duas vezes a chamou pelo nome, e isso demonstrava um carinho muito especial. Ele sabia de todo seu esforço, mas queria seu coração. Maria não ofereceu muitas coisas; apenas a si mesma. O Senhor fez questão de destacar que ela havia escolhido a melhor parte. Como você administra as prioridades de cada dia? Dedica tempo ao Senhor da obra ou apenas à obra do Senhor? Dedica o mais importante a Jesus e depois cuida das tarefas, ou cuida das tarefas e depois entrega o que sobra a Jesus? O grande reformador Martinho Lutero dizia: “Se não queres ter um encontro com o diabo durante o dia, encontre-se com Deus antes do amanhecer.” Nessa linha, também recomendou: “Não veja a face do dia sem primeiro ver a face de Deus.” Ellen White nos aconselhou: “Consagre-se a Deus pela manhã; faça disso sua primeira atividade. Que sua oração seja: ‘Toma-me, ó Senhor, para ser Teu inteiramente. Deponho todos os meus planos a Teus pés. Usa-me hoje para o Teu serviço. Fica comigo, e que tudo o que eu fizer seja efetuado por Ti’” (Caminho a Cristo, p. 70). Agindo assim, você escolherá a melhor parte, e ninguém tirará isso de você.


TERÇA

12 DE NOVEMBRO

Ofereça suas mãos E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários. Atos 19:11

Em sua terceira viagem missionária, Paulo dedicou três anos para evangelizar a cidade de Éfeso (At 20:31). Ela “não era somente a mais magnificente, como também a mais corrupta das cidades da Ásia. A superstição e os prazeres sensuais mantinham domínio sobre sua fervilhante população. À sombra de seus templos encontravam guarida os criminosos de toda espécie, e floresciam os mais degradantes vícios” (Atos dos Apóstolos, p. 286). Paulo começou pregando ousadamente na sinagoga, mas não pôde ir muito longe. Sofreu forte oposição e precisou sair, realizando a primeira separação de um grupo completo de cristãos de uma sinagoga judaica. A partir daí, o programa foi transferido para a escola de um filósofo chamado Tirano. Apesar das intensas dificuldades, Deus não deixou essa obra sem resultado. Ellen White relata: “Ao apóstolo Paulo, em seus labores em Éfeso, foi dada especial demonstração do favor divino” (ibid.). De fato, ocorreram milagres impressionantes. O povo foi curado, os demônios foram expulsos e houve grande agitação. Os novos conversos queimavam seus livros de magia, que chegavam a 50 mil denários, o equivalente a 130 anos de trabalho de um operário. Quer saber por que tudo isso aconteceu? Porque “Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários” (At 19:11). Era uma parceria: Deus colocava todo Seu poder, e Paulo aplicava toda sua disposição. Como resultado, “a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente” (At 19:20). Além das conversões na própria cidade, todos os habitantes da Ásia ouviram a palavra do Senhor (At 19:10). As mãos eram de Paulo. Seu tempo, saúde, capacidade e perseverança foram consagrados ao Senhor, mas os milagres eram de Deus. O poder é Dele. Por isso, só a Ele pertence a glória. Quando deixamos de lado a dependência do Senhor e tentamos avançar com as próprias forças, podemos chegar a impressionar, mas deixaremos de transformar. Podemos criar admiração, mas não seremos capazes de levar salvação. Por isso, ofereça suas mãos sem reservas para que, por meio delas, Deus também faça milagres extraordinários.


QUARTA

13 DE NOVEMBRO

A igreja que a Providência construiu Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Colossenses 1:18

Swan Quarter é uma pequena cidade, com pouco menos de 350 habitantes, localizada na costa da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. No final do século 19, havia ali um grupo de cristãos que não tinha lugar para se reunir. Durante vários anos, eles arrecadaram dinheiro para comprar um terreno, e o escolhido, no centro da comunidade, pertencia a Sam Sadler. Porém, ele se recusou a vendê-lo. Como não tinha religião nem interesse pelas coisas de Deus, foi duro em sua resposta: “Nada feito. Não estou interessado em vender minha propriedade para uma igreja.” Como não conseguiram comprar o terreno, aqueles cristãos construíram sua capela em outra propriedade. No entanto, em 16 de setembro de 1876, na noite em que a nova capela seria dedicada, um furacão passou por Swan Quarter. O pequeno edifício da igreja foi abalado por fortes ventos e uma violenta inundação, que atingiu quase dois metros, arrancando a capela de seus pilares. Testemunhas disseram que ela começou a flutuar pela rua principal, em direção ao terreno de Sam. A ventania aumentou ainda mais até levar a igreja para as terras dele. Quem visita hoje Swan Quarter pode ver, atrás da Igreja principal, aquela igrejinha que é chamada de “a igreja que a Providência construiu”. Isso porque, quando ela foi deslocada para as terras de Sam, ele disse: “Não posso lutar contra seu Deus. O terreno é de vocês.” A igreja de Deus, golpeada e ferida pelas tempestades, em breve triunfará. Ao longo dos séculos, ela tem enfrentado contratempos, mas nunca foi derrotada. Tem enfrentado desafios, mas nunca foi abandonada. Tem lutado contra obstáculos, mas nunca foi vencida. Os egípcios não puderam derrotar a verdade de Deus nos dias de Moisés. Os babilônios não puderam esmagá-la nos dias de Daniel. Os persas não puderam obscurecê-la nos dias de Ester. Os romanos não puderam destruí-la nos dias de Paulo. E Satanás e todos os anjos das trevas não podem destruí-la hoje. Por isso Ellen White afirmou com ênfase: “Tenhamos fé em que Deus há de pilotar seguramente ao porto a nobre nau que conduz o povo de Deus” (A Igreja Remanescente, p. 68). Jesus é O cabeça da igreja e está à frente dela. Permaneça fiel a Ele e unido a Seu povo militante e, em breve, você será parte da igreja triunfante.


QUINTA

14 DE NOVEMBRO

As duas portas Eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar. Apocalipse 3:8

Toda a experiência da igreja cristã, desde a primeira até a segunda vinda de Jesus, pode ser vista nas sete igrejas do Apocalipse. Elas estão apresentadas na mesma ordem geográfica que um mensageiro usaria para levar uma carta desde Patmos, onde João estava exilado. Mas a mensagem que elas apresentam é atemporal. A sexta igreja é a de Filadélfia. Ela representa o movimento protestante do final do século 18 e primeira metade do século 19. Um período de grande despertamento religioso e pregação sobre a segunda vinda de Cristo (Ap 3:11), com destaque ao movimento milerita, que foi o mais relevante. Diante dessa igreja, Deus colocou “uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar” (Ap 3:8). A abertura dessa porta se refere à passagem de Jesus do lugar santo para o santíssimo do santuário celestial” (ver Primeiros Escritos, p. 42). Laodiceia é a última igreja. Ela representa o povo remanescente, que tem a última mensagem enviada por Deus ao mundo. A ela, Deus diz: “Eis que estou à porta, e bato” (Ap 3:20). No Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia encontramos a seguinte afirmação: “Por Seu amor, Suas palavras e Suas providências, Cristo bate à porta do coração; por Sua sabedoria, Ele bate à porta da mente; por Sua autoridade, Ele bate à porta da consciência; e por Suas promessas, bate à porta das esperanças humanas” (v. 7, p. 844). A Igreja Adventista do Sétimo Dia nasceu entre essas duas portas. A porta aberta de Filadélfia e a porta “fechada” de Laodiceia. As portas são, muitas vezes, usadas na Bíblia como símbolo de oportunidades, e isso deve nos lembrar de que, como igreja, somos resultado de uma nova oportunidade e nascemos para oferecer mais oportunidades. Não podemos atuar como um clube fechado, pensando apenas em nós mesmos. Somos a igreja da porta aberta, que existe para compartilhar esperança, cumprir a missão e usar todos os meios necessários. Ellen White esclarece: “A igreja de Cristo é a agência designada para a salvação do ser humano. Sua missão é levar o evangelho ao mundo. E essa obrigação repousa sobre todos os cristãos” (Caminho a Cristo, p. 81). Por isso, abra a porta de seu coração a Jesus e aproveite todas as oportunidades para compartilhar nossa esperança.


SEXTA

15 DE NOVEMBRO

Fé sem milagres Uma geração má e adúltera pede um sinal; e nenhum sinal lhe será dado, senão o de Jonas. E, deixando-os, retirou-Se. Mateus 16:4

Algumas pessoas estão mais interessadas nos milagres do que no próprio Realizador deles. Condicionam sua fé às intervenções miraculosas de Deus e esperam que, em qualquer situação, Ele abra um Mar Vermelho em sua vida. Acreditam que a oração cura todas as doenças e resolve todos os problemas. Quando isso não acontece, vivem uma verdadeira crise espiritual. Não entendem o que disse um conhecido escritor: “A fé não é a crença de que Deus fará o que queremos, mas a confiança de que Ele fará o que é certo.” Por isso, Jesus foi duro com pessoas que dependiam de milagres e atos extraordinários para crer Nele. O grande ato de fé não é depender de milagres, mas fazer uma entrega verdadeira. Não é a crença de que Deus fará o que você quer, mas o que é melhor. Roosevelt Marsden disse: “Nossa fé não está nas bênçãos de Deus, mas no Deus das bênçãos. Pouco é muito quando é Ele quem dá.” Uma das declarações mais impressionantes sobre fé verdadeira vem do Antigo Testamento. Ao enfrentar a fornalha ardente, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego disseram: “Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, Ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste” (Dn 3:17, 18). Eles decidiram confiar em Deus sem depender de milagres. Se o Senhor fizesse uma grande intervenção, ficariam agradecidos; se não o fizesse, continuariam fiéis. Os jovens hebreus entenderam que fé é entregar tudo e não esperar nada. Estavam dispostos a qualquer coisa para viver o que acreditavam. Não havia um descompasso entre o que falavam e o que faziam. Confiavam tanto em Deus que nem pediram para ser poupados. Foram capazes de exercer uma fé que não dependia de milagres. Como anda sua fé? Você tem limitado a atuação divina em sua vida a grandes demonstrações de poder? Ou resolveu viver com base nas promessas de Deus ainda que nessa vida tudo pareça perdido? O Senhor é capaz de fazer muito mais do que resolver os problemas que enfrentamos. Só Ele tem o poder de nos salvar, e isso ninguém mais pode fazer. Decida hoje confiar em Jesus, independentemente da situação, e o milagre da fé ocorrerá em seu coração.


SÁBADO

16 DE NOVEMBRO

Sacrifício para salvar Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? 2 Coríntios 12:15

Quando veio ao mundo, Jesus pagou um alto preço pela nossa salvação. Segundo Isaías, Ele foi “desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer” (Is 53:3). A pressão foi grande; a dor, terrível; e o peso, insuportável, mas Ele não desistiu. Avançou em direção à cruz com confiança, porque entendia o resultado de Seu sacrifício. Diante disso, Ellen White nos ajuda a refletir: “Como poderemos ser considerados dignos de entrar na cidade de Deus, se não nos dispomos a fazer verdadeiros sacrifícios para salvar as almas que estão prestes a perecer?” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 338). Assim como Cristo, precisamos “gastar e nos deixar gastar”, pagando o preço necessário para compartilhar a salvação com mais pessoas. Precisamos levar as pessoas a Jesus e libertá-las do inimigo. O preço disso é alto, pois essa obra revela a essência do grande conflito, e o inimigo nunca fica satisfeito com isso. Assim como Jesus pagou o preço na cruz, também precisamos estar dispostos a sofrer por aqueles que queremos salvar. Talvez seja necessário enfrentar o risco de rejeição, desapontamento, incompreensão, desprezo e até perseguição. Como o Salvador não permitiu que o sofrimento O afastasse do plano de Deus, também precisamos permanecer firmes diante das dificuldades. As palavras de Ellen White nos ajudam a entender o custo de nosso chamado: “Deus deseja homens que arrisquem qualquer coisa e todas as coisas para salvar almas. [...] Que avancem tanto na treva como na luz e se mantenham com bravura sob desânimo e esperanças frustradas e, não obstante, ainda trabalhem com fé, com lágrimas e perseverante paciência, semeando junto a todas as águas, confiantes em que o Senhor produzirá os resultados. Deus exige homens de fibra, esperança, fé e perseverança para trabalharem sem rodeios” (Evangelismo, p. 63). Não desista diante de pessoas que não aceitam Jesus da forma ou no tempo que você gostaria. Continue trabalhando em favor delas com sacrifício, dedicação e oração. Jesus fez tudo o que era necessário para sua salvação. Como resposta, ​“gastese e desgaste-se” pela salvação de outros.


DOMINGO

17 DE NOVEMBRO

Acesso Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. Hebreus 4:16

O livro de Hebreus é um grande argumento em defesa do cristianismo. Seus 13 capítulos apresentam Cristo como o novo, último e superior Sumo Sacerdote. Sua leitura é fundamental para quem deseja ter uma visão mais clara da salvação e do ministério de Cristo no santuário celestial. Seu conteúdo é rico e muito bem elaborado. Segundo Mark Finley, a essência de sua mensagem pode ser bem representada pela palavra “acesso”. Afinal, a vida, morte, ressurreição e ministério sacerdotal de Cristo nos dão acesso a três bênçãos especiais, apresentadas no livro. Acesso ao perdão de Cristo. Podemos ir a Ele com confiança “a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb 4:16). O Filho de Deus Se tornou Filho do Homem e nos entende melhor do que nós mesmos. Ele Se identificou com nossas necessidades e fraquezas, por isso podemos colocar em Suas mãos o peso de nossa culpa para receber a paz de Sua graça e a bênção de Seu perdão. Acesso à presença de Cristo. Pela fé, podemos “lançar mão da esperança proposta; a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu” (Hb 6:18, 19). Ele nos leva à Sua presença, “além do véu”, tornando possível o que nenhum hebreu alcançaria por meio de seus rituais ​religiosos. Temos um Deus presente, que nos oferece uma esperança real, que é a “âncora da alma”, e nos dá estabilidade nas tempestades da vida. Não importa o tamanho das crises, em Sua presença o coração encontra segurança. Acesso ao poder de Cristo. Seu ministério no santuário celestial “pode salvar totalmente os que por Ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hb 7:25). Recebemos não apenas o perdão dos pecados, mas especialmente o poder para enfrentar as tentações do presente e a certeza da vitória completa no futuro. “Devemos ir [a Ele] com todas nossas fraquezas, imprudência e pecaminosidade[...] Ele Se alegra ao nos envolver em Seus braços de amor, curar nossas feridas e nos purificar de toda impureza” (Caminho a Cristo, p. 52). O “Autor e Consumador da nossa fé” (Hb12:2, NVI) está intercedendo permanentemente por você e oferecendo acesso aos recursos ilimitados do Céu. Por que não recorrer a Ele na luta contra o pecado e o mal?


SEGUNDA

18 DE NOVEMBRO

O mais importante Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mateus 6:33

O colportor Alberto Stauffer foi quem apresentou a mensagem adventista pela primeira vez no Uruguai. Tudo começou em 1892, em Colônia Suíça, entre os colonos suíço-alemães. Entretanto, mais pessoas participaram da história de pioneirismo no Uruguai. Parte dessa história ainda pode ser contada por Marta, que hoje tem 90 anos e permanece fiel à fé adventista. Seus pais, Verena Ana Kufer e Emilio Burger, foram fundamentais no início da obra no país. A família Burger emigrou da Suíça para os Estados Unidos e desenvolveu seus negócios na área de alimentação. Alguns membros da família, porém, foram para o Uruguai, onde conheceram o evangelho e ajudaram no estabelecimento e crescimento da igreja. Naquele país, os Burger, com outros imigrantes suíços, fundaram uma colônia que hoje é chamada de Nueva Helvecia. Cerca de cinco quilômetros dali, nasceu Marta, em Barrancas Coloradas. A família recebeu a mensagem adventista por meio de publicações e conheceu a verdade mais profundamente por meio das conferências bíblicas do pastor Francisco Westphal. Com emoção, Marta conta que seu pai, Emilio, e seu avô, Santiago, abraçaram a fé adventista com toda convicção e compromisso. Colocaram seus dons e recursos a serviço do evangelho e apoiaram financeiramente o estudo de Teologia de Luís Ernst, um jovem promissor que, depois de formado, retornou ao Uruguai para iniciar seu ministério. Nesse período, mais uma vez, Emilio colocou suas finanças a serviço da obra de Deus e ajudou o pastor Ernst a construir a igreja de Nueva Helvecia, a casa pastoral e a Escola Adventista. Mais tarde, o mesmo pastor, Luís Ernst, deu os estudos bíblicos para Marta, oficiou seu batismo e, anos depois, também fez seu casamento. Contudo, a dedicação da família pelas coisas de Deus não diminuiu. Jorge Echezarraga, o filho de Marta, que é médico, também dedica a vida à missão. Por vários anos, ele dirigiu o Hospital Adventista de Belgrano, em Buenos Aires. Essa família ajudou a lançar a semente do evangelho em solo uruguaio e, há quatro gerações, tem sido uma bênção na obra do Senhor. O segredo deles foi colocar Deus em primeiro lugar na vida. Faça o mesmo, e Ele se encarregará do resto.


TERÇA

19 DE NOVEMBRO

A mão não se encurtou Porém o Senhor respondeu a Moisés: Ter-se-ia encurtado a mão do Senhor? Agora mesmo, verás se se cumprirá ou não a minha palavra! Números 11:23

Em sua jornada de 40 anos pelo deserto, Israel foi abençoado, entre muitas outras coisas, com o maná, que caía do céu seis vezes por semana para alimentar o povo. Apesar do bom sabor e da qualidade nutricional desse alimento, os israelitas se cansaram da dieta divina. Passaram a reclamar e, por mais inacreditável que pareça, tiveram saudades do Egito. Para satisfazer o apetite, estavam dispostos a trocar os milagres de Deus pela escravidão do faraó. Em Sua infinita misericórdia, o Senhor decidiu dar aos israelitas o que eles pediam, com o propósito de evidenciar Seu poder e deixar clara a loucura da reclamação que faziam. O ponto em questão é: Como Deus faria o que tinha prometido? O próprio Moisés questionou a oferta divina. Mesmo acostumado às grandes intervenções sobrenaturais de Deus, o líder disse ao Senhor com certo tom de incredulidade: “Seiscentos mil homens de pé é este povo no meio do qual estou; e Tu disseste: Dar-lhes-ei carne, e a comerão um mês inteiro. ​Matar-se-ão para eles rebanhos de ovelhas e de gado que lhes bastem? Ou se ajuntarão para eles todos os peixes do mar que lhes bastem?” (Nm 11:21, 22). Deus estava prometendo algo impossível, e Moisés queria apenas “ajudá-Lo a entender” que não teria como cumprir Suas palavras. Entretanto, os milagres de Deus não estão limitados por nossa lógica nem pela incapacidade humana de compreender o alcance de Seu poder. Se fosse assim, deixariam de ser milagres. Por isso, Deus desafiou Moisés: “Ter-se-ia encurtado a mão do Senhor? Agora mesmo, verás se se cumprirá ou não a Minha palavra!” (Nm 11:23). Deus superou todas as expectativas. Soprou um vento, “trouxe codornizes do mar, e as espalhou pelo arraial quase caminho de um dia, ao seu redor, cerca de dois côvados sobre a terra” (Nm 11:31). As aves voavam a um metro do chão e todos recolheram em abundância, no mínimo, 1.800 quilos. A mão de Deus não se encolheu. Quando Deus promete, Ele cumpre, mesmo indo muito além de nossa compreensão. Por isso, diante de qualquer necessidade, projeto ou desafio, confie nas promessas divinas. A mão do Senhor nunca se encurta. Ele é capaz de “fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos” (Ef 3:20).


QUARTA

20 DE NOVEMBRO

Necessidades infantis Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as abençoava. Marcos 10:16

O dia de hoje tem um significado especial para as crianças em todo o mundo. Celebramos a proclamação da Declaração dos Direitos da Criança (1959) e a adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança (1989), pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Esses dois documentos lembram que cada um de nós deve oferecer o melhor para proteger as necessidades básicas dos pequenos. Jesus entendia muito bem as necessidades das crianças. Em vários momentos e lugares, Ele parou, deu atenção a elas e as tomou nos braços. Mesmo sem o apoio dos que O cercavam, o Mestre cuidava delas, ​demonstrava-lhes amor e as abençoava. O gesto acolhedor de Cristo revela que a maior necessidade de nossas crianças não é de passeios, brinquedos, equipamentos eletrônicos ou viagens especiais. A maior necessidade delas é a bênção de Jesus. É isso que traz equilíbrio, felicidade, prosperidade, sabedoria e salvação. Estamos oferecendo a nossos filhos as bênçãos necessárias para mantê-los perto de Deus, da igreja e da salvação? No livro Why Teenagers Reject Religion [Por que os Adolescentes Rejeitam a Religião], Roger Dudley afirma que “entre os adolescentes, a rejeição à religião encontra-se no nível emocional e não no nível intelectual” (p. 25). Possivelmente, o problema não esteja com a mensagem, mas com aqueles que a representam: adultos, outros líderes e, especialmente, os pais. Um bom exemplo sempre valerá mais do que muitos conselhos. O papel de representar Jesus para os filhos está nas mãos dos pais. Agindo assim, segundo Ellen White, os pais constroem “um muro em torno dos filhos”. Ela continua dizendo que é dever de cada pai e mãe “suplicar, com plena fé, que Deus habite entre eles, e santos anjos os guardem, a eles e aos filhos, do poder cruel de Satanás” (Conselhos Para a Igreja, p. 152). Essa é uma tarefa desafiadora, que exige equilíbrio e sabedoria, mas, nas mãos de Deus, dará bom resultado.


QUINTA

21 DE NOVEMBRO

Você é o que pensa Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. Filipenses 4:8

O cérebro humano é uma das maravilhas da criação. Pesa aproximadamente 1.200 gramas e conta com quase 100 bilhões de neurônios. Cada neurônio pode se ligar a outros 10 mil, resultando em incalculáveis possibilidades de conexão. Seu papel é vital na vida humana. Além de ser a fonte do raciocínio e dos pensamentos, ele também dirige as atividades do corpo. Segundo Ellen White, a relação entre a mente e o corpo é “muito íntima” (A Ciência do Bom Viver, p. 241). Essa obra-prima da criação é o único meio pelo qual Deus “pode Se comunicar com o homem e influenciar sua vida” (Conselhos Sobre Saúde, p. 616). Por isso, a “mente deve ser mantida clara e pura para que possa distinguir entre o bem e o mal” (Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 328). Quanto mais lúcida ela estiver, mais facilmente reconhecerá a voz do Espírito Santo. Se estiver impura, doente ou cansada, a comunicação ficará prejudicada, e nos tornaremos mais vulneráveis. Não podemos nos esquecer de que o grande conflito entre Cristo e Satanás é uma luta pela conquista da mente. O inimigo também está atento a isso. Tudo começa com os pensamentos. Por conta disso, o conselho inspirado é muito claro: “Quem não deseja cair nas armadilhas de Satanás deve guardar bem as vias de acesso à mente, evitando ler, ver ou ouvir qualquer coisa que sugira pensamentos impuros. Nossos pensamentos não devem ser deixados a divagar à toa em qualquer assunto que o inimigo possa sugerir” (Atos dos Apóstolos, p. 518). Em outras palavras, “tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Fp 4:8). Quanto mais consagrados forem os pensamentos, mais purificadas serão as atitudes, porque não somos o que pensamos ser, mas somos o que pensamos. Somos convocados por Deus a uma renovação de nossa mente (Rm 12:2). Esse é o primeiro passo para a vitória sobre a tentação e os maus hábitos. Faça isso com a Bíblia aberta e os joelhos dobrados, na presença do Senhor. Só assim suas atitudes estarão em sintonia com a vontade Dele.


SEXTA

22 DE NOVEMBRO

Milagres vão acontecer Achadas as Tuas palavras, logo as comi; as Tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração. Jeremias 15:16

Deus tem feito muitos milagres em favor de Seu povo. Um exemplo disso ocorreu em 1975, quando Ivan Santos, um juvenil com 13 anos de idade, saiu para distribuir folhetos. Ele convidava as pessoas que passavam próximo à sua casa para que participassem do evangelismo da Semana Santa, no primeiro grupo adventista da cidade de Caucaia do Alto, no Estado de São Paulo. Um dos folhetos foi entregue por Ivan ao senhor Leontino Godinho. Mesmo estando embriagado, ele ficou impressionado com a atitude do menino. Guardou o folheto e o levou para casa. Ao chegar, entregou-o à sua esposa, Rosinha, e manifestou a vontade de ir ao local, naquela mesma noite, para ver o que aconteceria. Assim fizeram. Na chegada, foram bem recebidos, gostaram e continuaram a frequentar as reuniões. Dona Rosinha logo se tornou frequentadora assídua, com seus quatro filhos: Aurélio, Fernando, Carla e Davi; ela estava grávida de Paulo. A família Godinho começou a receber estudos bíblicos de uma dupla missionária persistente e amorosa, as irmãs Aurelina e Isabel Santos (mãe do garoto Ivan). Dona Rosinha foi a primeira a tomar a decisão e foi batizada no dia 19 de outubro de 1976. Os filhos também se decidiram. Aurélio e Carla foram os primeiros, tendo sido batizados em 13 de outubro de 1979. Desde seu batismo, a irmã Rosinha passou a orar pelo esposo. Foram 19 anos clamando por um milagre. Afinal, o primeiro folheto havia sido entregue a ele e, por suas mãos, a mensagem havia chegado a toda a família. Enquanto isso, Leontino frequentava a igreja esporadicamente, lutava contra os vícios do cigarro e do álcool e tentava conseguir o sábado livre no trabalho. Finalmente, ele venceu esses obstáculos e foi batizado no dia 30 de julho de 1995. Como resultado de um folheto, entregue por um garoto a um homem alcoolizado, 25 membros da família Godinho foram batizados, incluindo Paulo, que é pastor, e mais oito amigos que também foram conduzidos a Cristo pela influência dessa família. Essa é apenas uma amostra dos milagres que Deus pode fazer por meio da entrega de literatura. Não subestime o poder de evangelização de um folheto ou de um livro missionário. Coloque-se nas mãos de Deus, semeie sua mensagem com fé e colha milagres poderosos.


SÁBADO

23 DE NOVEMBRO

Dias comuns Apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Midiã; e, levando o rebanho para o lado ocidental do deserto, chegou ao monte de Deus, a Horebe. Êxodo 3:1

Até o momento de seu encontro com Deus no monte Horebe, Moisés estava vivendo um dia normal, como tantos outros. Nenhum anjo havia batido em seu ombro na hora de calçar as sandálias e dito: “Prepare-se, porque hoje você entrará para a história. Fique atento porque Deus fará maravilhas!” Nada disso! Moisés apascentava o rebanho de seu sogro, uma ocupação normal que ele executava como parte de seu trabalho diário. Moisés estava apenas sendo fiel às suas responsabilidades. Que contraste com nossos dias, quando estamos dominados pelo conceito de show. Pressionados por novidades, buscamos fazer coisas diferentes, criativas, inovadoras: novas abordagens, novas tentativas, novos métodos, novas linguagens. Queremos ser e fazer algo único, sair da rotina, apresentar novas estratégias, sugerir novos cenários, criar empreendimentos atuais e surpreendentes. O encontro de Deus com Moisés nos ensina que Ele costuma falar com as pessoas na normalidade da vida. Ele age sem anúncio em jornais, rádios, revistas, TV ou internet, e sem previamente enviar mensagem por WhatsApp, Facebook ou Instagram. Deus costuma Se comunicar conosco quando estamos realizando nossos deveres diários, como a organização do escritório, limpeza do carro, arrumação da cozinha, leitura de um livro, na caminhada matinal ou no momento de reflexão pessoal. Por isso, não espere viver um dia espetacular ou sentir uma grande emoção. Não aguarde a maravilhosa visão de um grande e sublime trono. Nem sempre é assim. Quase nunca é assim. Na verdade, Deus está em busca de gente comum para realizar uma obra extraordinária. Por isso, Ele quer nos encontrar no fiel cumprimento de nossas atividades diárias. Em meio a esses momentos, Deus quer nos encarregar de mensagens celestiais poderosas que transformarão a vida daqueles a quem transmitirmos Seus recados. Em um dia comum, Deus falou com Moisés. Em qualquer momento deste dia, no meio de sua rotina, o Senhor também quer falar com você. Então, esteja preparado para ouvir Sua voz, atender a Suas orientações e cumprir a missão que Ele lhe der.


DOMINGO

24 DE NOVEMBRO

Revelação Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos Seus servos as coisas que em breve devem acontecer e que Ele, enviando por intermédio do Seu anjo, notificou ao Seu servo João. Apocalipse 1:1

O livro do Apocalipse entusiasma alguns e apavora outros, mas seu conteúdo é fundamental para entender nossa identidade e o tempo em que vivemos. Por isso, Ellen White recomenda: “As mensagens solenes que foram dadas, em sua ordem, no Apocalipse, devem ocupar o primeiro lugar na mente do povo de Deus” (Testemunhos Para a Igreja, v. 8, p. 302). A partir do primeiro verso do Apocalipse, podemos entender os dois princípios que servem de base para todo o seu conteúdo. O objetivo principal: a revelação de Jesus Cristo. A mensagem principal do livro vem Dele, e seu conteúdo é sobre Ele. Jesus é o “Filho do Homem” do capítulo 1; o “Leão da Tribo de Judá” e o “Cordeiro” do capítulo 5; o “Filho Varão” do capítulo 12; e o “Verbo de Deus” do capítulo 19. O livro começa com Ele e termina com Ele. Apesar de estar cheio de profecias, símbolos e sinais, o Apocalipse não foi escrito para saciar nossa ansiedade e curiosidade sobre o futuro. Seu objetivo é mostrar que, não importa o que aconteceu ou ainda irá acontecer, Jesus está do lado de Seu povo ao longo da história e o sustentará até o fim. A mensagem principal: Deus está no controle do futuro. Se o futuro estivesse em nossas mãos, haveria uma grande confusão; se estivesse nas mãos de Satanás, ele venceria; se fôssemos simples resultados do destino, nossa vida perderia o significado. Podemos estar seguros de que o futuro está nas mãos de um Deus que nos conhece e sempre faz o que é melhor para nós. Ao mesmo tempo, o Apocalipse é o livro da grande esperança. No primeiro capítulo, apresenta Aquele que “há de vir”. No último, repete três vezes a certeza deixada por Jesus: “Virei outra vez”. O Apocalipse não é apenas um livro de profecias, mas a revelação do amor e cuidado de Deus. Não tenha medo de seus símbolos, pois eles apontam para o estabelecimento definitivo do reino de Deus e de Sua justiça eterna. Permita que Jesus Se revele a você no Apocalipse. Assim, a esperança será renovada em seu coração.


SEGUNDA

25 DE NOVEMBRO

Estamos em guerra Houve peleja no Céu. Miguel e os Seus anjos pelejaram contra o dragão. Apocalipse 12:7

Se tivesse que descrever a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que ilustração você usaria: um clube ou um exército? Um piquenique ou um campo de batalha? O capítulo 12 do Apocalipse fornece a pista necessária para uma resposta satisfatória. Essa passagem está no centro do livro e apresenta um cenário de guerra. O conflito ocorre em diferentes momentos da história, com os mesmos protagonistas e diferentes participantes, que interagem no campo de batalha. A primeira batalha (v. 7-9) ocorre no Céu. De um lado, lutam Miguel e Seus anjos; de outro, o inimigo e seu exército mau. A identidade do grande antagonista de Deus foi revelada como dragão, serpente, diabo, Satanás e enganador. Ele e seus anjos foram derrotados e lançados para a Terra. A segunda batalha (v. 13) tem como palco a Terra e revela a tentativa do dragão de destruir Cristo logo após Seu nascimento. Toda a vida do Senhor foi marcada por um intenso conflito com o mal, por tentações diversas, oposição, provocação e, finalmente, crucifixão. Porém, em cada luta, Ele foi vitorioso. A terceira batalha (v. 14) é travada contra a igreja cristã. Nesse tempo, a “mulher”, símbolo profético dos fiéis, é sustentada e protegida diretamente por Deus, durante 1.260 anos, o maior período de opressão que o cristianismo sofreu. A quarta batalha (v. 17) se dá contra o remanescente de Deus. O dragão está irado e tentando derrotá-lo, usando armas como sedução, imposição e perseguição. Esse cenário permanente de guerra nos lembra de que: O inimigo não desiste. Em seu desespero por ocupar o lugar de Deus, Satanás muda suas estratégias e aumenta a pressão, mas não abandona o campo de batalha. Precisamos estar preparados para enfrentá-lo, revestidos com toda a “armadura de Deus” (Ef 6:11, 13). O Cordeiro é o vencedor. A guerra entre um cordeiro e um dragão parece injusta, mas estamos falando do Cordeiro de Deus, e ninguém pode vencê-Lo nem derrotar Seus seguidores. Por isso, a vitória está anunciada: “O Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com Ele” (Ap 17:14). No grande conflito, Jesus é o vencedor. Mantenha-se ao lado Dele, e você também fará parte dessa grande vitória.


TERÇA

26 DE NOVEMBRO

Deus é o vencedor Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida. Apocalipse 12:11

Precisamos enxergar a vida sempre pela perspectiva correta e lembrar que não estamos num piquenique, mas num campo de batalha. Há uma guerra em andamento, “contra os exércitos das trevas. A menos que sigamos nosso Líder, bem de perto, Satanás obterá vitória sobre nós” (Olhando Para o Alto, p. 194). Nossa única alternativa para a vitória é buscar mais profundamente o Senhor. Afinal, nossa luta não é “contra o sangue e a carne”, mas contra “principados e potestades” (Ef 6:12). Só podemos vencer esse conflito se empunharmos armas espirituais. O inimigo é muito mais forte e esperto do que nós. Ele já provou isso no Éden e continua demonstrado sua força ao longo da história. Se o enfrentarmos sozinhos e sem Deus, vamos acabar seduzidos e comprometidos com aquilo que facilmente poderíamos reconhecer e vencer. Entretanto, um com Deus é sempre maioria. É na comunhão pessoal com Ele que venceremos. Com oração e estudo da Bíblia somos protegidos no campo de batalha. Não podemos seguir a vida de forma intensiva durante a semana e nos contentarmos com um supletivo espiritual no sábado. Não dá para gastarmos todas as energias com o que é pessoal e levarmos a vida cristã de modo superficial, sem comprometimento, entrega nem sacrifício pelas coisas do Senhor. Nossas prioridades não podem estar na trindade materialista, formada por móveis, imóveis e automóveis, muito menos em roupas, restaurantes e viagens. Essas coisas podem ter até algum lugar em nossa vida, mas não devem assumir o protagonismo de nossa existência. Como ensinou Ellen White, precisamos “dispensar as satisfações egoístas [em vez de] negligenciar a comunhão com Deus” (O Grande Conflito, p. 622). A advertência inspirada é clara: “Satanás vigia cuidadosamente para encontrar cristãos fora de guarda. Ah, se os seguidores de Cristo se lembrassem de que o preço da vida eterna é a eterna vigilância!” (Olhando Para o Alto, p. 194). Deus está em busca de homens e mulheres que sejam intensos na comunhão. Não abra mão de seus momentos de relacionamento com o Céu. Estamos em guerra e só podemos vencer pelo sangue do Cordeiro.


QUARTA

27 DE NOVEMBRO

Nossa identidade Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus. Apocalipse 12:17

Um dos grandes desafios da igreja remanescente é preservar sua identidade sem perder a relevância. Precisamos continuar sendo o povo que “guarda os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” e, ao mesmo tempo, atender às necessidades de quem vive no século 21. Entretanto, certas ênfases têm prejudicado o equilíbrio da igreja. Alguns têm defendido a visão de uma igreja social, que faz do serviço comunitário sua maior prioridade. Nessa perspectiva, o alívio ao sofrimento humano assume o protagonismo, e a salvação eterna perde espaço. Outros, por sua vez, defendem a busca pela igualdade religiosa. Pretendem anular nossa identidade distintiva em busca de maior aceitação popular, tornando-nos mais evangélicos e menos remanescentes. Há quem defenda também menor ênfase na Bíblia e nos escritos de Ellen White. Esse segmento se apoia nas próprias opiniões e valoriza em excesso os grandes nomes das ciências sociais ou do mercado editorial evangélico. Somos uma igreja aberta ao novo, desde que isso nos fortaleça e não nos empobreça. As inovações são bem-vindas se aprofundarem nosso compromisso com a Palavra de Deus e se nos ajudarem a transmitir nossa mensagem profética com amor, sensibilidade e relevância. Nosso chamado e identidade são bem definidos. Para mantê-los, precisamos deixar de lado a areia movediça das interpretações pessoais e continuar firmes na rocha do “assim diz o Senhor”. Não podemos nos relacionar com a revelação divina como se ela fosse um produto na prateleira de mercado, na qual pegamos somente o que nos interessa. Nossa interação com a sociedade não deve ser como água e açúcar, que, na mistura, unem-se e não é possível diferenciálos. Temos que ser como água e óleo, que, quando misturados, permanecem bem distintos. Como disse alguém: “A igreja precisa atrair pela diferença e não pela igualdade.” Em uma carta enviada a seu filho Edson e à nora Emma, Ellen White alertou: “Todas as forças de anjos maus combinadas com homens maus estarão em ação para suprimir a verdade.” Nesse campo de batalha, mantenha sua fidelidade e identidade fortemente baseadas na comunhão com Deus e Sua revelação.


QUINTA

28 DE NOVEMBRO

Estilo de vida A terra abriu a boca e engoliu o rio que o dragão tinha arrojado de sua boca. Apocalipse 12:16

Uma de nossas armas mais importantes no grande conflito é o estilo de vida bíblico-adventista. Por meio dele, demonstramos nossa sintonia com o Senhor, revelamos nossa identidade e fortalecemos nossa missão. Por isso, ele é fundamental para a vitória. Praticados com consagração, humildade e amor, os comportamentos cristãos fortalecem a comunhão e se tornam um apoio para a missão. Porém, se forem motivados por egoísmo, arrogância ou perfeccionismo, afastam de Deus, machucam pessoas e dão mau testemunho. Cristãos verdadeiros não vivem de acordo com as propostas do mundo ou conforme os desejos do coração. Precisamos redobrar a atenção com aquilo que o sentimento não filtra e parece interessante, mas não é edificante; é atraente, mas não é coerente; é aceito pela sociedade, mas não tem a aprovação de Deus. É preciso dar atenção especial a alguns elementos de nosso estilo de vida que estão sendo fortemente atacados hoje. Temos que cuidar com as horas do sábado, pois elas revelam a qualidade de nossa relação com Deus e a visão de Sua santidade. Além disso, precisamos dar atenção especial também ao tema de nossa aparência pessoal. Lembre-se: Quanto mais você se expõe por fora, mais vazio fica por dentro. Outro aspecto importante é a nossa relação com os bens materiais. O desejo de fama, luxo e riqueza tem levado muitas pessoas a sacrificar princípios. O tipo de entretenimento aos quais nos expomos também tem papel fundamental em nossa vida. Como disse, Alden W. Tozer, é fácil “dizer o quanto de Deus você tem pelo quanto de entretenimento você precisa”. Quanto mais perto de Cristo estivermos, menos atração pela tentação teremos. Quanto mais distante Dele, mais irresistível ela se tornará. A advertência divina é clara: “Aquilo que não vencermos acabará nos vencendo, e causará nossa destruição” (Caminho a Cristo, p. 32). A fórmula bíblica para a vitória é simples: “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tg 4:7). Permaneça fiel hoje e sempre em todos os detalhes da vida. Agindo assim, na guerra contra o mal, a vitória será uma realidade em sua vida.


SEXTA

29 DE NOVEMBRO

Fortalecer a unidade Houve peleja no Céu. Miguel e os Seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no Céu o lugar deles. Apocalipse 12:7, 8

Desde o surgimento do pecado, Satanás trabalha para semear dúvida, gerar comparação, promover competição, estimular críticas e colocar uns contra os outros. Quando essa obra de rebelião e desunião começou no Céu, Deus teve paciência e amor, mas preservou a unidade mandando Satanás e seus seguidores embora. O alvo do inimigo passou a ser, então, o povo de Deus na Terra. Por meio de diferentes estratégias e pessoas, ele continua a semear desunião como forma de atingir a Deus e prosseguir na obra que começou no Céu. De tempos em tempos, ele desperta movimentos dissidentes ou ministérios independentes que acusam a igreja de haver se tornado Babilônia e chamam um remanescente para sair do remanescente. Há, porém, uma dura advertência contra isso: “Tomais passagens dos Testemunhos que falam do fim do tempo da graça, da sacudidura do povo de Deus, e falais da saída dentre esse povo de um outro povo mais puro, santo, que surgirá. Ora, tudo isso agrada ao inimigo” (Eventos Finais, p. 51). Em muitas ocasiões ao longo da história, Deus separou um remanescente do movimento religioso dominante. No entanto, nos últimos dias, será diferente. Deus não vai retirar os bons do meio dos maus, mas os maus do meio dos bons. O nome desse processo é sacudidura. O joio será arrancado, e a palha, levada pelo vento. Ellen White deixa claro: “A igreja talvez pareça como prestes a cair, mas não cairá. Ela permanece, ao passo que os pecadores de Sião serão lançados fora na sacudidura – a palha separada do trigo precioso” (ibid., p. 180). Unidos sempre somos mais fortes, chegamos mais longe e vamos mais rápido. A desunião produz efeito contrário. Nós nos tornamos mais fracos, não conseguimos avançar, e tudo se torna mais difícil. Quando, por qualquer razão, a unidade é afetada, ou construída sem base bíblica, ​nossas crenças, estrutura e missão são enfraquecidas, comprometendo a própria salvação de quem estiver envolvido nesses movimentos. Faça tudo o que estiver a seu alcance para tornar a igreja mais unida, fiel, bíblica e poderosa na missão. Nunca atue para dividir forças. Estamos em guerra e não podemos ser um exército que luta contra si mesmo.


SÁBADO

30 DE NOVEMBRO

A verdade com amor Foi expulso o acusador de nossos irmãos, o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante do nosso Deus. Apocalipse 12:10

Você já deve ter visto pessoas que andam sempre com cara de tristeza e sofrimento. Vivem em crise com sua fé, lamentando por seus pecados ou apontando o erro de outros. Acreditam que esses sentimentos vêm do Espírito Santo. Estão enganadas, pois essa é a obra do acusador, que foi expulso do Céu. O objetivo do Espírito Santo não é nos oprimir com nossos pecados, mas nos livrar deles. Não podemos cumprir a missão usando os métodos do acusador. Somos representantes do Consolador e não defendemos nossas crenças com hostilidade. Vivemos em um tempo de intolerância religiosa. Em nome da fé, atos terroristas ocorrem; pessoas são agredidas ou mortas por mudarem de religião; membros, líderes e igrejas usam palavras agressivas e de baixo nível para “defender” seus interesses; denominações que se dizem representantes de Deus não são capazes de respeitar diferenças de pensamento. Sou um adventista do sétimo dia convicto e não abro mão das minhas crenças, mas reconheço que cada pessoa tem o direito de fazer sua escolha religiosa. Se Deus nos criou com o livre-arbítrio e respeita nossas decisões equivocadas, como deveríamos agir em relação àqueles que não compartilham de nossos valores espirituais? Nosso papel é levar esperança e salvação, nunca enfrentamento e agressão. Devemos sempre apresentar a mensagem bíblica com equilíbrio e amor. As pessoas estão buscando primeiro um pedaço de nosso coração para então receber uma fatia de nosso cérebro. O pastor Dwight Nelson conta que viu uma garotinha na rua, tremendo de frio, usando um vestido fino e com fome. Ficou bravo com Deus e disse: “Por que o Senhor permitiu isso? Por que não faz alguma coisa para resolver o problema?” Na mesma noite, ele entendeu a resposta divina: “É claro que Eu fiz alguma coisa. Eu criei você.” Então Nelson conclui: “Muitos ficam pensando por que Deus não age. E Deus fica pensando por que tantos que pertencem a Seu povo não se importam.” Talvez tenhamos que orar mais assim: “Ó Deus, perdoa as vezes em que olhamos o mundo com os nossos olhos enxutos” (Frank Laubach). Não podemos nos esquecer de que estamos em guerra, e que nossa arma mais poderosa deve ser o amor.


Dezembro Dom

Seg

Ter

Qua

Qui

Sex

Sรกb

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


DOMINGO

1º DE DEZEMBRO

Ousadia na missão Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta. Apocalipse 12:12

Estamos em guerra, e os efeitos desse conflito estão chegando ao limite. O planeta, a igreja, as famílias e as pessoas não suportam mais as ​consequências do pecado. Queremos ver, em breve, o grande conflito terminado, com o pecado destruído e a harmonia em todo o Universo restaurada (ver O Grande Conflito, p. 678). Desde que foi expulso do Céu, Satanás tem colocado toda sua ousadia na destruição. Está irado e sabe que tem pouco tempo, por isso ruge como um leão “procurando alguém para devorar” (1Pe 5:8). Diante disso, não deveríamos trabalhar com mais ousadia para salvar, como anjos “voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap 14:6)? Essa é a maneira mais rápida para ver o fim da dor e do sofrimento, pois todos conhecerão nossa esperança, e Cristo voltará à Terra para buscar Seu povo. Por outro lado, precisamos evitar a distração de confundir nosso papel social com nossa missão espiritual. Sem dúvida, nosso chamado envolve amar e servir à comunidade, e existe muita gente precisando de ajuda. Contudo, nossa missão espiritual é preparar o mundo para a segunda vinda de Cristo. Isso envolve ações sociais, mas nossa prioridade é a pregação do evangelho. Não podemos nos empolgar com a satisfação de servir e considerar que já estamos cumprindo a missão de salvar. Servir ajuda a aliviar necessidades exteriores e temporais, mas apenas a salvação resolve os problemas interiores e traz soluções eternas. Vamos servir à comunidade com amor, mas especialmente cumprir a missão com ousadia. As portas continuam abertas, e os corações estão cada vez mais carentes. Ellen White nos faz um apelo: “Cada dia o tempo de graça de alguém se encerra. […] E onde estão as vozes de aviso e rogo, mandando o pecador fugir desta condenação terrível? Onde estão as mãos estendidas para o fazer retroceder do caminho da morte? Onde estão os que com humildade e fé perseverante intercedem junto a Deus por ele?” (Patriarcas e Profetas, p. 140). Como missionários, lutamos no exército do Senhor, aguardando com muita expetativa a volta de Jesus e o fim do grande conflito. Use todos os meios disponíveis e vença todas as barreiras possíveis para testemunhar com ousadia. Deus estará a seu lado.


SEGUNDA

2 DE DEZEMBRO

Sem medo do futuro Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. 2 Pedro 3:13

É interessante observar como os sentimentos mudam quando chega o fim do ano. Durante 11 meses, fala-se em crise e são feitas duras previsões para o futuro. Mas, no último mês do ano, todos ficam otimistas. Mesmo assim, as coisas continuam como sempre foram. Vemos o planeta diante de uma destruição que ninguém consegue deter. Percebemos uma crise de valores em uma sociedade que já não sabe mais distinguir entre o certo e o errado. Sofremos com a desintegração da família resultante de relacionamentos vazios e passageiros, centralizados apenas na satisfação própria. Ficamos à mercê da insegurança financeira, causada pela instabilidade política e econômica. E a lista poderia crescer ainda mais. Entretanto, durante os próximos dias – os últimos do ano –, o otimismo irá renascer. Fracassos do passado darão lugar às certezas do futuro. O que era impossível, agora se tornará realidade. Enfim, este é o tempo de boas notícias e de esperança. Como nós, adventistas do sétimo dia, encaramos essa situação? Engrossamos o coro dos pessimistas diante da realidade que está aí, ou nos apegamos às expectativas otimistas e milagrosas das festas de fim de ano? Na verdade, nossa visão precisa ir além desses impulsos temporais e emocionais. Necessitamos enxergar mais do que o olhar humano pode revelar. Sabemos das crises que o mundo enfrenta e dos riscos que corremos cada dia. Por outro lado, não podemos nos esquecer de que os 365 dias de cada ano estão nas mãos de Deus. Seu poder não trabalha apenas no período de bondade das festas de Natal e Ano-Novo. A Bíblia deixa claro que, em nossos dias, “sobrevirão tempos difíceis” (2Tm 3:1-4). Por outro lado, as dificuldades de hoje reforçam a esperança de amanhã. Elas apontam para algo maior, melhor e eterno. “Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima” (Lc 21:28). Ao se aproximarem as festas de fim de ano, vamos nos manter serenamente caminhando ao lado do Senhor e renovando nossa confiança Nele. Podemos avançar sem medo do futuro, porque Deus o conhece e dirige nossa vida. Com essa segurança, vamos ter não somente um ano-novo feliz, mas uma vida inteira repleta de esperança.


TERÇA

3 DE DEZEMBRO

Hinos alegres e solenes Falando entre vós em salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais. Efésios 5:19

A família de Ellen e Tiago White valorizava a música. Tiago costumava cantar enquanto caminhava para o púlpito, antes de pregar, e os dois filhos mais velhos, Henry e Edson, eram músicos. A família White gostava de cantar nos cultos familiares. Pela manhã, Tiago dirigia o louvor, e o hino “Desponta o Sol” (Hinário Adventista, no 24) era o mais cantado. No fim do dia, antes de dormir, o hino “Bendita Hora de Oração” (Hinário Adventista, no 419) era sempre repetido. “Meu Divino Protetor” (Hinário Adventista, no 97), de Charles Wesley, era o favorito de Ellen White. Em seu diário de 15 de julho de 1892, ela registrou as estrofes desse hino para se referir à experiência que teve ao preparar o livro O Desejado de Todas as Nações. Os hinos acompanharam a mensageira do Senhor até o fim. Pouco tempo antes de sua morte, em um sábado, familiares e amigos se reuniram para cantar hinos que trouxessem paz e lhe renovassem a esperança. Quando cantaram o hino “Lar Feliz” (Hinário Adventista, no 572), Ellen se uniu a eles, deitada em sua cama, e com uma voz fraca e trêmula, balbuciou: “Eu avisto uma terra feliz, onde irei para sempre morar...” Assim como Ellen White e sua família, “os filhos de Israel, jornadeando pelo deserto, suavizavam pela música de cânticos sagrados a sua viagem”. Da mesma forma, “Deus ordena a Seus filhos hoje que alegrem a sua vida peregrina” (Evangelismo, p. 496). Ellen White ainda recomendou como poderíamos fazer isso: “Que haja auxílio, se possível, de instrumentos musicais, e a gloriosa harmonia suba a Deus em oferta aceitável” (ibid., p. 505). Devem ser “hinos com música apropriada para a ocasião, não notas de funeral, porém melodias alegres, e todavia solenes” (ibid., p. 508). Precisamos alimentar o coração com a música, pois ela traz a atmosfera celestial para mais perto da Terra e grava mensagens espirituais no coração. Porém, não podemos descuidar, pois “Satanás fará da música um laço” (Eventos Finais, p. 159). Quando chegarmos ao Céu, conheceremos a “música e os cânticos; sons e harmonias que ouvidos mortais jamais ouviram nem a mente humana imaginou” (Educação, p. 307). Enquanto esse dia não chega, cantemos sobre nossa esperança, que em breve será concretizada.


QUARTA

4 DE DEZEMBRO

O perigo das concessões Habitando Israel em Sitim, começou o povo a prostituir-se com as filhas dos moabitas. Números 25:1

Os israelitas jornadeavam pelo deserto havia quase 40 anos quando acamparam no vale de Sitim, à margem oriental do rio Jordão. Eles tinham vencido uma importante batalha em Basã e estavam confiantes na conquista de Canaã. O acampamento foi montado em uma planície de clima tropical, onde havia um bosque de acácias. Mas era também o lugar onde os moabitas realizavam seu culto público a Baal, com rituais muito depravados. Ellen White explica: “A princípio, pouca comunicação houve entre os israelitas e seus vizinhos gentios; mas, depois de algum tempo, mulheres midianitas começaram a entrar furtivamente no acampamento. Sua aparência não provocara alarme […]. Era o objetivo dessas mulheres, em sua associação com os hebreus, seduzi-los a transgredir a lei de Deus, atrair sua atenção para os ritos e costumes pagãos e levá-los à idolatria” (Patriarcas e Profetas, p. 454). Por sugestão de Balaão, o rei de Moabe fez uma grande festa a seus deuses, e um grupo de israelitas foi induzido a assistila. “Aventuraram-se a ir ao terreno proibido e foram enredados na cilada de Satanás. Iludidos pela música e dança, e seduzidos pela beleza das vestais gentílicas, romperam sua fidelidade para com Jeová” (ibid.). O domínio próprio foi enfraquecido, e as paixões começaram a dominar as decisões. Não demorou muito, e essa influência se espalhou. O que havia começado com música, dança e festas acabou em idolatria e rituais pagãos, praticados no acampamento de Israel. Aqueles que estavam preparados para enfrentar grandes inimigos e vencer qualquer barreira foram seduzidos e destruídos por coisas ilusórias. Como resultado, 24 mil pessoas morreram. Estavam tão perto da Terra Prometida e acabaram tão longe. Muitos séculos depois, Paulo resgatou a mesma história como um alerta: “Essas coisas aconteceram a eles como exemplos e foram escritas como advertência para nós, sobre quem tem chegado o fim dos tempos. Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!” (1Co 10:11, 12, NVI). Estamos muito perto da eternidade, mas corremos o risco de estar preparados para as grandes batalhas e cair nas pequenas tentações que seduzem o coração. Não faça concessões. Elas podem acabar deixando você de fora da Terra Prometida.


QUINTA

5 DE DEZEMBRO

Ele vive Ainda um pouco, e o mundo não Me verá mais; vós, porém, Me vereis, porque Eu vivo, vós também vivereis. João 14:19

A inversão de valores da contracultura e a teoria de que Deus estava morto alastrava-se pelo mundo no fim da década de 1960. Por conta disso, Bill e Gloria Gaither estavam apreensivos quanto ao futuro. Eles tinham duas filhas e aguardavam a chegada de uma nova criança. Os rumos do mundo estavam deixando o casal com medo do que o futuro prepararia para seu bebê. No entanto, eles decidiram olhar para cima e confiar em Deus. Reascendeu na mente deles a certeza de que Jesus está vivo, e que, por isso, poderiam “crer no amanhã” para seu filho. Foi com essa confiança que Bill e Gloria compuseram o hino “Porque Ele Vive” (Hinário Adventista, no 70). Quase 50 anos se passaram desde a composição desse hino, e o mundo está ainda mais caótico sob todos os pontos de vista. Ateísmo, corrupção, violência e imoralidade de toda sorte se multiplicam bem diante de nossos olhos. Considerando que o mundo vai de mal a pior, é aterrador imaginar o futuro da humanidade. Contudo, a Palavra de Deus está recheada de promessas preciosas sobre o futuro. Em breve Jesus voltará! Nesse evento, concentram-se todas as nossas expectativas, pois é a partir dele que todos os problemas do mundo serão definitivamente resolvidos. A Terra será purificada e renovada. Depois de uma temporada de mil anos no Céu, os salvos poderão viver aqui para sempre, sem medo do futuro. Um novo ano se aproxima, e é comum termos algum receio sobre o que está pela frente. Pensamos nos desafios financeiros, na manutenção do emprego e da renda, em nossa saúde, nas situações de família, enfim, temos uma lista grande de preocupações. Entretanto, a certeza de que Cristo está vivo e de que um dia voltará é suficiente para nos manter em paz quanto ao futuro. Aconteça o que acontecer, podemos contar com a presença constante do Espírito Santo, que trabalha de modo incansável a fim de nos preparar para viver no Céu. Não tenha medo do futuro. Confie plenamente em Jesus e cante do fundo do coração o motivo de sua certeza: “Porque Ele vive, posso crer no amanhã; / porque Ele vive, temor não há. / Eu sei que minha vida não será mais vã, / Pois meu futuro em Suas mãos agora está.”


SEXTA

6 DE DEZEMBRO

O homem mais honesto da cidade Não furtarás. Êxodo 20:15

O pioneiro adventista José Bates nunca mediu esforços nem perdeu oportunidades para apresentar a verdade às pessoas. Em 1852, Deus lhe mostrou, em sonho, que deveria levar a mensagem a Battle Creek, uma vila no interior de Michigan, Estados Unidos. Como não conhecia ninguém ali, orou a Deus e sentiu uma impressão tão clara como se estivesse ouvindo uma voz: “Vá imediatamente e pergunte ao agente do correio quem é o homem mais honesto da cidade.” Bates obedeceu. Sem hesitação, o agente do correio lhe disse: “O homem mais honesto da cidade é David Hewitt.” Bates foi até a casa de Hewitt. Identificou-se, foi convidado para o desjejum e disse que tinha uma mensagem a apresentar para a família. Hewitt o convidou para dirigir o culto matinal, que acabou durando o dia todo. Até às cinco da tarde, eles estudaram sobre o sábado e a terceira mensagem angélica. A família se converteu, tornando-se os primeiros adventistas de Battle Creek. Honestidade precisa ser a marca de um cristão verdadeiro. Não podemos nos conformar com a força da corrupção nem aceitar o ganho fácil, que troca os valores morais pelos interesses pessoais. Podemos compreender a honestidade por meio de três princípios: 1. Propriedade privada. Se algo não é meu, não posso usar sem autorização. 2. Boa administração. Devo usar corretamente as coisas, o tempo e as circunstâncias. Enfim, tudo o que está sob meu controle. 3. Justiça. Envolve não tirar vantagens, ser correto na divisão de tarefas e não se aproveitar das pessoas. Está se tornando raro encontrar uma pessoa honesta. Por isso, Ellen White apelou: “A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que não se comprem nem se vendam; homens que, no íntimo de seu coração, sejam verdadeiros e honestos; […] homens que permaneçam firmes pelo que é certo, ainda que caiam os céus” (Educação, p. 57). A honestidade é uma das marcas de cristãos genuínos. Por meio dela, podemos testemunhar de modo efetivo sobre nossa esperança. David Hewitt foi o homem mais honesto de Battle Creek e, por conta disso, essa cidade foi alcançada. Comportese com honestidade em todas as áreas de sua vida e você conduzirá muitas pessoas para a cidade celestial.


SÁBADO

7 DE DEZEMBRO

Precisamos resgatar Naquele dia, o Senhor tornará a estender a mão para resgatar o restante do Seu povo. Isaías 11:11

O dia 7 de dezembro traz duras lembranças para os habitantes da Armênia. Em 1988, um terremoto de magnitude 7,2 na escala Richter atingiu o norte do país. Em questão de segundos, mais de 40% do território da então república soviética foi fortemente abalado pelo tremor. Foram mais de 300 localidades afetadas, 25 mil pessoas morreram, 140 mil ficaram inválidas, 500 mil perderam a casa e 250 mil alunos ficaram sem escolas. O resgate demorou muito, pois a maioria dos médicos e servidores públicos morreu no terremoto ou feriu-se na tragédia. O clima também não ajudou. O inverno foi um dos mais intensos já registrados. Os que conseguiram sobreviver à catástrofe tiveram que enfrentar durante a noite temperaturas de mais de 35 graus abaixo de zero. No meio desse caos, conta-se a história de um pai que correu para a escola do filho para tentar achá-lo. Chegando ao lugar, encontrou o edifício totalmente destruído e, com lágrimas nos olhos, lembrou-se da promessa que sempre fazia ao filho: “Não importa o que aconteça, eu sempre estarei a seu lado.” No lugar em que ficava a sala de aula do menino, o pai começou o trabalho de resgate. Outros pais, mães, bombeiros, policiais, com boa intenção, diziam: “É tarde demais, não vale a pena todo este esforço.” Mas ele não desistiu. Continuou a cavar, pedra após pedra, entulho após entulho no meio dos escombros. As forças estavam acabando, e as mãos já estavam sangrando. O tempo foi passando: 8, 12, 24, 36 horas de trabalho. Quando completou 38 horas, ele removeu uma pedra, ouviu uma voz e gritou com todas as suas forças: Armando! Cheio de esperança, ouviu uma voz fraca, mas segura. “Pai, eu disse para as outras crianças que não se preocupassem, porque eu sabia que você nos salvaria. Somos 14 esperando o senhor.” Eles estavam com medo, fome e sede, mas o pai de Armando estava lá. O pecado desabou sobre a humanidade e nos deixou soterrados na perdição. Porém, nosso Pai prometeu nos salvar e cumpriu Sua palavra. Nesse ponto da história do mundo, Ele nos envia como agentes de resgate. Aceite essa missão do Senhor, vá em busca de Seus filhos e diga-lhes que ainda há esperança.


DOMINGO

8 DE DEZEMBRO

Sacrifício pela causa Por isto, Deus meu, lembra-te de mim e não apagues as beneficências que eu fiz à casa de meu Deus e para o Seu serviço. Neemias 13:14

No ano de 1904, a Associação Geral decidiu enviar Thomas Davis, sua esposa Susana e suas filhas para o Equador. Foram os pioneiros da obra naquele país e começaram ali o trabalho da colportagem. Logo na chegada, sentiram o desafio que os esperava. No porto de Guayaquil, Thomas ouviu do chefe da alfândega: “Enquanto o Cotopaxi estiver de pé, não haverá lugar no Equador para os evangélicos hereges.” O Cotopaxi, a que ele se referia, é o vulcão localizado próximo à cidade de Quito e um dos mais altos do mundo. Não demorou para que a resistência e oposição aparecessem. Os líderes religiosos orientavam seus fiéis a rejeitar os missionários. Por isso, ouviam com frequência: “Esses livros contêm heresias”; “Não quero livros! Saia da minha casa!”; “Se você não deixar de visitar as pessoas neste bairro, vou chamar a polícia”. Enquanto Thomas Davis continuava sua jornada missionária, mais de uma vez ouviu pessoas gritando: “Diabo, diabo!” Isso não o desanimou. Seguiu incansável, distribuindo livros e ensinando a Bíblia para as pessoas. Sua visão era clara: “Eu não gostaria de ver o Senhor voltar até que o Equador tenha a oportunidade de conhecer a verdade sobre a segunda vinda de Cristo.” Enquanto isso, sua esposa Susana esperava o terceiro filho. Sua saúde estava fragilizada, e eles tinham muita dificuldade para conseguir remédios. Ninguém queria vendê-los a um “protestante, herege”, como era tratado. O bebê nasceu e recebeu o nome de Atha, mas, cinco dias depois, três anos desde sua chegada ao país, Susana faleceu. O momento era difícil, mas a perseguição não diminuiu. Davis foi proibido de enterrar sua esposa no cemitério da cidade de Ambato. Sempre corajoso, cavou um túmulo sob uma amoreira, fez uma oração cheia de fé e enterrou Susana. Nada detinha aquele homem de Deus: nem a dor mais forte ou a oposição mais amarga. Sem dúvida, Deus não Se esqueceu do trabalho desse herói missionário e de outros que também nos emocionam com seu espírito de sacrifício pela causa. Os tempos mudaram, e talvez hoje nosso maior desafio não seja a oposição, mas a acomodação. Você está disposto a pagar qualquer preço, ou sair de sua zona de conforto, para compartilhar o evangelho do reino e ver Cristo voltar em sua geração?


SEGUNDA

9 DE DEZEMBRO

Quatro marcas da oração Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos Dele. Atos 1:14

O livro de Atos é a certidão de nascimento da igreja cristã. Nele encontramos a intensa marcha da missão, a poderosa ação do Espírito Santo e a força transformadora da oração. A oração foi o ponto de partida de todo o movimento. Foi por meio dela que o Espírito Santo agiu e a missão ganhou força. Estava bem claro para a igreja apostólica que “a maior preocupação do diabo é afastar os cristãos da oração. Ele não teme os estudos, o trabalho nem a religião daqueles que não oram. Ele ri de nossa labuta, zomba de nossa sabedoria, mas treme quando nós oramos” (Samuel Chadwick). Para resgatar esse mesmo poder em nossos dias, precisamos conhecer as quatro marcas da oração do livro de Atos. A oração não muda a Deus, mas a nós (1:14; 2:4). Deus era o maior interessado no crescimento de Sua igreja, mas primeiro precisava das pessoas certas para representá-Lo. Por isso dedicou dez dias, antes do Pentecostes, para prepará-los. Eles não oraram para receber o poder do Espírito Santo, mas para estar em condições de recebê-Lo. A oração tem poder (4:31). Foi por meio dela que os discípulos e a igreja cristã viram seus maiores milagres. Portas de prisões foram abertas, doentes foram curados, mortos foram ressuscitados, e o evangelho foi anunciado com intrepidez. A oração é um ato de fé (12:5, 9-17). Não podemos correr o risco de orar intensamente sem acreditar profundamente. Deus sempre responde de três formas: sim, e lhe dá o que você quer; não, e lhe dá o que é necessário; espere um pouco, e lhe dá o que é melhor. Sobre isso, Ellen White afirmou: “Quando nossas orações parecem não ter resposta, devemos nos apegar à promessa, pois o momento da resposta chegará, e receberemos a bênção de que mais necessitamos” (Caminho a Cristo, p. 96). Não há hora nem lugar para a oração (16:25). A igreja apostólica estava sempre disposta a buscar a Deus. Essa deve ser nossa postura também. Em todo o tempo e lugar, devemos renovar nossa confiança em Deus e buscá-Lo com fé. Nem sempre estaremos de joelhos para uma oração formal, mas os “pensamentos e desejos podem ser elevados ao Céu continuamente” (Filhos e Filhas de Deus, p. 99). Ao enfrentar os desafios da vida, por meio da oração, sintonize seu pensamento ao de Deus, experimente os milagres da fé e viva cada dia na presença do Pai.


TERÇA

10 DE DEZEMBRO

Corpo de Cristo Ora, vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo. 1 Coríntios 12:27, NVI

Uma das melhores ilustrações que a Bíblia usa para a igreja é o corpo humano. Ela permite aplicações perfeitas, pois todos os membros estão ligados entre si, cada um tem funções importantes, e Cristo representa a cabeça. No Calvário, essa comparação fica ainda mais clara. Lá o corpo de Cristo está suspenso, os cravos atravessam Suas mãos, e o sangue escorre pelo Seu pulso. Uma coroa de espinhos está sobre Sua cabeça, e o sangue escorre pelo Seu rosto. Ali, Ele é traído por Judas, negado por Pedro, acusado pelos líderes judeus e crucificado pelos romanos. Depois do último suspiro, Ele é retirado da cruz. Seu corpo está ensanguentado e ferido. Se você e eu estivéssemos diante dessa cena, o que teríamos pensado? Possivelmente que o cristianismo estivesse acabado e sem futuro. Graças a Deus, a manhã da ressurreição chegou, e Cristo ressurgiu. Ele saiu do sepulcro e Se levantou triunfante. A igreja de Cristo, como Seu corpo, também enfrenta dor, sofrimento, maus-tratos e opressão. Algumas vezes, é negada por amigos e ridicularizada por inimigos, mas chegará o dia da “ressurreição”. Ela será despertada pelo poder do Espírito Santo, se levantará e anunciará o evangelho até os confins da Terra. Às vezes, a igreja parece estar abatida, derrotada ou quase destruída. Mas ela chegará a seu destino. Não será fragmentada nem destruída. Não ficará irreparavelmente danificada. A igreja está nas mãos do Senhor e finalmente triunfará. Ellen White é clara: “Fraca e defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre que Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção” (Atos dos Apóstolos, p. 12). Ela finalmente triunfará. A única decisão que precisamos tomar é se triunfaremos com ela. Usaremos os dons que Deus nos deu e todas as nossas forças para edificar a igreja e não para destruí-la? Será que vamos amar cada vez mais a noiva de Cristo como Ele a ama? A igreja tem necessidades, mas a graça de Deus é maior do que todas elas. De modo semelhante à ressurreição de Jesus, a igreja será reavivada e cumprirá totalmente a missão. Mantenha-se no corpo de Cristo, e a vida Dele também será sua.


QUARTA

11 DE DEZEMBRO

Tocado por Deus Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniquidade foi tirada, e perdoado, o teu pecado. Isaías 6:7

O povo de Israel levava uma vida dupla. Como resultado, sua situação era dramática. Iam ao templo para cumprir rituais sagrados, mas viviam em rebelião e apostasia. Ellen White amplia o contexto: “Práticas iníquas tinham-se tornado tão predominantes entre todas as classes, que os poucos que permaneciam fiéis a Deus eram não raro tentados a perder o ânimo” (Profetas e Reis, p. 306). Para enfrentar essa situação, Deus chamou Isaías para ser Seu mensageiro. Porém, o futuro profeta não se sentia em condições de encarar uma obra tão desafiadora. Seu receio tinha fundamento, pois, durante seu ministério, “Samaria devia cair, e as dez tribos de Israel seriam espalhadas entre as nações. Judá seria mais de uma vez invadida pelos exércitos assírios, e Jerusalém devia sofrer um cerco do qual teria resultado sua queda se Deus não tivesse intervindo miraculosamente” (ibid., p. 305). A situação era muito difícil e ficou bem clara nos seis “ais” apresentados pelo profeta, no capítulo 5. No entanto, quando Deus lhe revelou Sua glória, Isaías não pôde mais resistir e pronunciou seu sétimo “ai”. Dessa vez, não era contra o povo, mas contra si mesmo. Ele reconheceu que, para alcançar gente de coração duro, precisava primeiro ter um coração puro. Com uma brasa viva, um serafim tocou seus lábios e lhe deu a condição necessária para cumprir sua missão. De modo semelhante, hoje Deus está buscando gente para uma obra de restauração, mas que, antes de tudo, esteja comprometida com a própria salvação. Ele pode contar com você? Como estão suas mãos, seus pés, lábios e olhos? O que o anjo do Senhor precisa tocar primeiro em sua vida? Talvez sejam seus pés, que têm ido a lugares onde o Senhor não Se agrada em estar; suas mãos, que podem estar clicando em conteúdos virtuais impróprios; quem sabe seus ouvidos, que estejam ouvindo músicas que lhe dão satisfação, mas comprometem sua salvação; sua boca, que pode estar pronunciando palavras inadequadas; ou seus olhos, que leem ou veem imagens que não edificam. Reconheça sua condição e peça a Deus que purifique e transforme o que não está em sintonia com Sua vontade. Somente dessa forma Ele poderá confirmar sua salvação e lhe preparar para a missão.


QUINTA

12 DE DEZEMBRO

A razão da esperança Estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós. 1 Pedro 3:15

A Bíblia tem orientações claras sobre como devemos compartilhar nossa fé. Segundo o apóstolo Pedro, um testemunho completo e convincente sempre deverá manter o equilíbrio entre fé – “esperança que há em vós” – e razão – “estando sempre preparados para responder”. A palavra traduzida por “responder” (apologian) originou a palavra “apologia”. De acordo com o teólogo W. C. Taylor, o sentido de “responder” tem a ver com uma defesa forense, ou seja, um discurso de defesa perante um tribunal. Isso significa que devemos estar preparados para argumentar em defesa de nossa fé. É claro que cada palavra precisa estar temperada com amor e respeito, mas nunca aceitando que a mensagem seja distorcida ou mal compreendida. Argumentar sobre nossa fé vai além de um estudo bíblico rápido. É resultado de preparo consciente, respostas inteligentes, ideias bem articuladas e crenças bem organizadas. Uma fé inteligente está baseada em uma teologia bíblica sólida e usa os melhores recursos do conhecimento para atingir o coração daqueles que buscam saber a razão da esperança que há em nós. E não poderia ser diferente, porque tão ruim quanto não crer é crer sem saber o porquê. Na prática, a razão é muito útil para compreender os mais diversos temas bíblicos. Apenas um exemplo: Como podemos saber se um profeta é verdadeiro? Há pelo menos quatro critérios ou argumentos racionais e que podem ser confirmados: (1) Suas predições se cumprem (Jr 28:8). (2) O que ele diz está em harmonia com a Bíblia (Is 8:20). (3) A vida do profeta está de acordo com a vontade de Deus (Mt 7:15-20). (4) O profeta testemunha a respeito da natureza divino-humana de Jesus Cristo (1Jo 4:1-3). Observe que os quatro pontos acima compõem um quadro argumentativo lógico, baseado na Bíblia, para defender uma crença cristã fundamental. Uma fé lógica pode iluminar mentes inseguras, superficiais e que estejam em conflito. Deus espera que estejamos preparados a qualquer momento para compartilhar a razão da fé que há em nós: “Todo o Céu está à espera de homens e mulheres por cujo intermédio Deus possa revelar o poder do cristianismo” (Atos dos Apóstolos, p. 600). Devemos compartilhar nossa esperança com amor, mas também com uma fé inteligente. Esteja sempre pronto para explicar por que crê no que crê e por que vive como vive.


SEXTA

13 DE DEZEMBRO

Missão cumprida Tu, porém, segue o teu caminho até ao fim; pois descansarás e, ao fim dos dias, te levantarás para receber a tua herança. Daniel 12:13

O programa Anjos da Esperança estava no ar quando o pastor Milton Souza, diretor da rede Novo Tempo e apresentador do programa, achou que suas mãos estavam pálidas demais. Foi o início de seus 83 dias de luta pela vida. A notícia de sua doença surpreendeu a todos. Imediatamente, uma corrente de oração em favor desse homem de Deus foi formada. Por meio de um blog, ele compartilhava sua experiência. Num mapa, marcava os países onde alguém orava por sua recuperação. Em todo o tempo, manteve firme a confiança no Senhor e deixou isso claro na mensagem à sua equipe de gerentes, tão logo descobriu a doença: “Não sei o plano de Deus para a minha vida terrena, mas Ele sabe que estou em Suas mãos. O que Ele me deu até aqui valeu muito. Por isso, só tenho a agradecer. Agora chegou a hora de pedir um pouquinho mais – de vida, de tempo, mas sobretudo para viver cada vez mais de acordo com Seus planos.” Milton era um visionário, apaixonado por comunicação e trabalhador incansável. Assumiu a liderança do antigo Sistema Adventista de Comunicação em 2002, mas, em 2005, foi em busca de novos horizontes e coordenou a mudança da sede para a cidade de Jacareí, SP. Muitos frutos que colhemos hoje são sementes que ele plantou. Quando os recursos médicos se esgotaram e a situação ficou difícil, Milton se preocupou em animar a família. Ele escreveu: “Fiquem firmes na igreja e eduquem meus netos no caminho do Senhor. No Céu vou fazer tudo o que planejei fazer aqui e não foi possível, como andar de bicicleta e passear. Aceitem os planos de Deus. Não vejam isso como uma derrota, pois Deus sabe o que é melhor.” No dia 13 de dezembro de 2007, sua jornada terminou. Repetiu as palavras de Paulo, que também foram ditas por Ellen White: “Eu sei em quem tenho crido” (2Tm 1:12), recordou Apocalipse 14:13 e Isaías 57:2 e pediu à família que cantasse o hino “Sou Feliz com Jesus” (Hinário Adventista, no 230). Depois de 51 anos de vida, 29 como pastor e cinco como diretor da Rede Novo Tempo, sua missão estava cumprida. Descansou de sua luta e, na manhã da ressurreição, cremos que ele se levantará para receber sua herança. Como Milton Souza, faça sempre seu melhor e deixe os resultados com o Senhor.


SÁBADO

14 DE DEZEMBRO

Igrejas acomodadas Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus. Atos 4:31

“A estabilidade e o conforto ainda vão enfraquecer o crescimento da igreja na América do Sul.” Havíamos acabado um seminário para líderes com a equipe da Divisão Sul-Americana, e o professor, convidado de uma universidade adventista norte-americana, fez essa previsão. Para ele, a estabilidade e o conforto foram grandes inimigos do crescimento da igreja no primeiro mundo. Sua análise foi direta: “Quanto mais confortáveis são as casas, com conexão rápida à internet, aparelhos de ar-condicionado e TV com múltiplas opções, mais exigentes as pessoas se tornam e menos envolvidas em atividades externas. Elas vão se concentrando mais nos próprios interesses, e a igreja deixa de ocupar um papel central.” Na visão dele, os países do Hemisfério Sul ainda têm muitas dificuldades que afetam seu desenvolvimento, mas que facilitam a pregação do evangelho. O professor deixou, porém, um alerta: “Fiquem atentos, pois a realidade também está mudando rapidamente por aqui.” Essa conversa me levou a refletir: A prosperidade está acelerando o avanço da igreja ou intensificando nossa acomodação? Seremos vítimas naturais desse processo ou poderemos ser uma exceção? Para alguns, seria mais seguro se pudéssemos parar no tempo e fugir dessa tendência. No entanto, diante da rapidez das mudanças, só nos resta pedir a Deus sabedoria para modernizar sem mundanizar e manter os princípios sem perder a relevância. Por isso, devemos avaliar permanentemente onde estamos e como deveríamos estar. Não podemos aceitar a simples tradição ou a boa acomodação. Quando Jesus precisou alcançar o mundo de Seus dias, convocou Seu povo para estudar, dialogar e orar intensamente. Enviou o Espírito Santo para agir poderosamente e, como resultado, “tremeu o lugar onde eles estavam reunidos” (At 4:31). A igreja saiu de seu conforto, foi ao encontro das pessoas, cumpriu a missão de forma poderosa e teve um crescimento explosivo. A fórmula continua sendo a mesma: somente “uma igreja que trabalha é uma igreja viva” (Ellen White, Medicina e Salvação, p. 332).


DOMINGO

15 DE DEZEMBRO

Sementes Outra, enfim, caiu em boa terra e deu fruto: a cem, a sessenta e a trinta por um. Mateus 13:8

Você já se perguntou, alguma vez, o que estaria acontecendo com tanta literatura distribuída, especialmente nas últimas grandes campanhas realizadas pela igreja? Será que esses movimentos valem a pena? Compensa todo o investimento de tempo, energias, recursos e em mobilização? Apenas em 2012 e 2013, distribuímos cerca de 60 milhões de livros A Grande Esperança, apresentando a mensagem específica para os últimos dias. O que irá acontecer? Livros são como sementes. Algumas dão resultado rápido, e outras demoram mais tempo. O importante, porém, é espalhálas. Não sabemos exatamente onde elas estão, nem os métodos que o Espírito Santo está usando. Mas, no momento certo, elas vão germinar. “É certo que alguns dos que compram os livros os colocarão na estante ou na mesa da sala de visitas e raramente os olharão. Contudo, Deus tem cuidado de Sua verdade, e virá o tempo em que esses livros serão procurados e lidos” (Ellen G. White, O Colportor-Evangelista, p. 150). Nosso desafio é lançar essas sementes e permitir que Deus trabalhe ao longo do tempo. Já podemos ver muitos milagres acontecendo em vidas transformadas, mas o melhor ainda está por vir. Maria Luiza Nunes (ou Malu, como é conhecida) é um bonito exemplo disso. Em abril de 2010, enquanto cursava Enfermagem, ela estava perturbada e depressiva com a suspeita de uma doença gravíssima. Para ajudá-la, uma de suas professoras ofereceu alguns livros para que ela escolhesse os que lhe interessassem e os levasse para casa. Malu encontrou O Conselheiro Médico do Lar, impresso pela Casa Publicadora Brasileira e vendido por um colportor em 1979. Rapidamente, ela leu toda a obra e, com o desejo de saber mais, visitou o site da CPB para conhecer outros livros da editora. Ela também pesquisou o endereço de uma igreja perto de sua casa. Numa quarta- feira, Malu entrou pela primeira vez em um templo adventista, no Capão Redondo, em São Paulo. Após concluir os estudos, mesmo tendo descoberto que sofria da Doença de Graves, ela tomou a decisão pelo batismo. No dia 17 de setembro de 2011, Malu foi batizada pelo pastor Rafael Rossi. Mais de três décadas depois, um livro produziu resultado. O que acontecerá com os milhões de livros que estamos distribuindo? Vamos continuar firmes lançando essas sementes!


SEGUNDA

16 DE DEZEMBRO

Uma ponte de madeira Tive por necessidade escrever-vos, e exortar a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Judas 3, ACF

Claudio Dessignet e sua família foram os primeiros adventistas que chegaram ao Chile, em 1885, vindos da França. Em 1894, os colportores pioneiros A. Nowlin, Frederick Bishop e Thomas Davis se uniram à família Dessignet. No começo, as dificuldades eram imensas, mas os milagres do Senhor são sempre maiores. Os pioneiros não hesitaram em ser consumidos pela causa que tanto amavam. O pioneiro Victor Thomann, evangelista nato, falava seis línguas e buscava todas as maneiras de alcançar pessoas: colportagem, pregação, educação e outros. Ele viajava longas distâncias para visitar novos grupos de adventistas e encorajálos a ser fiéis, aprofundar seu conhecimento bíblico e participar da missão. Em 1905, ele viajava a cavalo dentro de uma grande floresta de pinheiros levando uma grande soma de dízimos e ofertas. De repente, ouviu o som de outros cavalos galopando em sua direção e percebeu que seria assaltado. Seguiu ao lado do rio Tolten, percorrendo um caminho paralelo, até chegar a uma ponte de madeira. Viu uma casa grande e iluminada do outro lado do rio, atravessou a ponte e perguntou se havia alguma acomodação. Ficou surpreso quando descobriu que a casa era o posto policial que fazia a segurança da região. A maior surpresa ainda estava por vir. Os policiais o receberam e o convidaram para entrar. Assim que entrou, um dos policiais lhe perguntou como havia conseguido chegar até lá. “Atravessei a ponte de madeira”, disse ele. Então o policial lhe disse de forma contundente: “Não há ponte neste lugar nem nesta região do rio.” É emocionante ver como Deus cuida de seus missionários fiéis. Em 2017, visitando Temuco, no sul do país, encontrei outro pastor Victor Thomann, que é bisneto do pioneiro e tem o mesmo nome. Ele me emprestou a Bíblia do missionário e fiquei emocionado ao tocar aquelas páginas que fortaleceram sua confiança e levaram salvação a tantas pessoas. Essa história me faz pensar sobre nossa missão de advertir o mundo. Ellen White nos pergunta: “Que estamos fazendo, como indivíduos, para levar a luz a outros? Deus deixou a cada homem sua obra; cada um tem sua parte a desempenhar, e não podemos negligenciar essa obra senão com risco para nossa alma” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 126). Faça sua parte cada dia!


TERÇA

17 DE DEZEMBRO

Descobrindo a estratégia No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras. 2 Pedro 2:1, NVI

Recentemente, Simon Singh publicou seu livro The Codebreakers [Os Decifradores de Códigos]. Nele o autor conta a história do matemático inglês Alan Turing, que trabalhou durante a Segunda Guerra Mundial decifrando os códigos usados pelos alemães. Ele atuava em Bletchley Park, uma antiga instalação militar secreta localizada a 80 km de Londres. Alan Turing começou a observar os 159 quintilhões de combinações nos códigos alemães e descobriu como quebrá-los em tempo real. Enquanto a liderança nazista enviava códigos para suas forças de guerra, Turing enviava mensagens às forças aliadas para que soubessem exatamente onde se encontravam os inimigos. Por causa desse trabalho, muitos estudiosos da Segunda Guerra Mundial dizem que, na pior das hipóteses, Alan Turing ajudou a encurtar a guerra em dois anos e que, na melhor das hipóteses, sua iniciativa ganhou a guerra. Quando você conhece a estratégia do inimigo, é muito mais fácil desenvolver um plano para a vitória. Por isso, Pedro alertou quanto ao surgimento de falsos profetas e mestres que trabalhariam para introduzir secretamente seus ensinos destruidores. Segundo ele, as heresias não surgiriam abertamente, mas sempre de forma muito discreta. É preciso estar alerta e saber ​interpretá-las com profundidade bíblica. Por um lado, temos hoje nossas maiores oportunidades para chegar aos confins da Terra. Podemos usar TV, rádio, internet e as publicações, sem barreiras geográficas. Regimes totalitários ou qualquer outro tipo de força não podem impedir a pregação do evangelho. Por outro lado, enfrentamos nossos maiores desafios. O inimigo sabe que uma igreja unida, buscando o poder do Espírito Santo, preocupada em formar discípulos e em manter-se concentrada na missão pode abreviar a volta de Jesus. Por isso, ele faz de tudo para impedir o progresso da obra de Deus. Ele causa confusões doutrinárias, desperta novas aplicações para as profecias e incita a marcação de datas para a volta de Jesus. Fique atento à estratégia do inimigo. Ele está usando toda a sua astúcia para desviar os adventistas do sétimo dia da missão de alcançar o mundo com o evangelho. Antecipe-se a seus ataques, permaneça fiel e aproprie-se da vitória de Jesus.


QUARTA

18 DE DEZEMBRO

Tempestade de areia da dúvida Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina. Efésios 4:14

Estamos vivendo em dias nos quais “todo vento de doutrina” tem soprado sobre a igreja. Ellen White comenta sobre isso em um longo artigo na Review and Herald, de 11 de janeiro de 1887. Segundo ela: “Os dias se aproximam rapidamente, quando haverá grande perplexidade e confusão. Satanás, vestido com vestes de anjos, enganará, se possível, os próprios eleitos. [...] Todo vento de doutrina estará soprando.” Com base em um recente sermão do pastor Mark Finley, apresentarei hoje, e nos próximos quatro dias, cinco “ventos de doutrina” que têm soprado sobre a igreja. O primeiro é a “tempestade de areia da dúvida”. Caso você já tenha enfrentado uma tempestade de areia real, entende bem o que isso significa. Durante a tempestade de areia, não é possível identificar o caminho; a visão fica obscurecida; o pensamento, confuso; e o rumo, perdido. Ao longo dos tempos, o inimigo tem usado a “tempestade de areia da dúvida”. Ele fez isso no Éden e também na tentação de Cristo, dois momentos decisivos da história da humanidade. Nos dois casos, ele torceu as palavras de Deus em favor de seu engano. Com as dúvidas que levanta, o inimigo pretende minar a confiança na integridade da Bíblia e da mensagem adventista. Não há problema em fazer perguntas, mas, quando elas apenas provocam dúvidas e espalham incertezas, acabam destruindo a fé. Os primeiros cristãos não alcançaram o mundo pregando um Cristo que levantava dúvidas, mas um Deus que trazia certezas. No sermão “O Valor da Mente Fechada”, Mark Finley faz um importante contraponto ao constante estímulo a ter “mente aberta” e ver tudo como opcional. Finley destaca que, em muitos casos, há um grande valor na mentalidade fechada. Ele usa como exemplo seu casamento, que tem mais de 50 anos. Mark diz que sua mente não está aberta para outras opções. Nesse sermão, cita também sua conversão, aos 17 anos, e confirma seu compromisso de fé, que não mudou. As “tempestades de areia da dúvida” são uma das estratégias do inimigo para fragilizar nossa fidelidade e enfraquecer nossa missão. Enfrente-as com a Bíblia na mão. Ela é a única lâmpada que pode iluminar seu caminho e fortalecer seus passos.


QUINTA

19 DE DEZEMBRO

Brisa contaminada pela heresia Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. 2 Timóteo 2:15

Os diferentes ventos de doutrina (Ef 4:14) que sopram sobre a Igreja Adventista hoje trazem uma “brisa contaminada pela heresia”. Essa corrente de ar adoece o corpo de Cristo e transmite com rapidez o vírus do erro de uma pessoa para outra e de uma igreja para outra. Em geral, ela deixa um rastro de conflito e causa morte espiritual. Essa brisa afetou a igreja cristã apostólica e continua atingindo a igreja hoje. Ainda no começo do cristianismo, Paulo procurou alertar Timóteo contra a heresia. Ele disse: “Continue a lembrar essas coisas a todos, advertindo-os solenemente diante de Deus, para que não se envolvam em discussões acerca de palavras; isso não traz proveito, e serve apenas para perverter os ouvintes” (2Tm 2:14, NVI). Ele chegou a nomear duas pessoas, Himeneu e Fileto, mencionando que o “ensino deles alastra-se como câncer” (2Tm 2:17, NVI). Como uma doença mortal, ideias de mentes isoladas e sem coerência com a Bíblia causam feridas na igreja, distraem o povo de Deus, provocam desperdício de energia e atrapalham o cumprimento da missão. Em todas as épocas, Deus tem acrescentado luz a Seu povo, e Ele faz isso conectando a nova mensagem com Sua revelação ao longo da história. Ellen White orienta: “As velhas verdades são todas essenciais; a nova verdade não é independente da antiga, mas um desdobramento dela” (Parábolas de Jesus, p. 127). Poderemos ter novas perspectivas sobre nossas crenças e doutrinas? Certamente. No entanto, qualquer nova revelação da verdade sempre estará fundamentada essencialmente no que Deus já comunicou à Sua igreja. As heresias aparecem sempre bem disfarçadas. Essas ideias são apresentadas como nova luz e minam sorrateiramente a confiança na igreja e em sua liderança. Em geral, seus defensores assumem a posição de guardiões da verdade e se apresentam como os únicos que podem expressá-la. Isso não é o surgimento de uma nova luz, mas o ressurgimento de uma velha heresia. Como resultado, as pessoas perdem o interesse de alcançar o mundo e se tornam obcecadas em mudar a igreja. As brisas da heresia fazem muito mal à igreja. Proteja-se delas, permanecendo fiel à Revelação e manejando bem a Palavra da verdade.


SEXTA

20 DE DEZEMBRO

O vento quente do fanatismo Que a vossa fé e esperança estejam em Deus. 1 Pedro 1:21

“O vento quente do fanatismo” tem soprado sobre a igreja hoje. Normalmente baseada em uma religião emocionalista, essa corrente bastante perigosa coloca os sentimentos acima da Palavra de Deus. Para uma geração que muitas vezes é superficial em sua compreensão da Bíblia e quer uma forma instantânea de religião, o inimigo se sentirá à vontade para mostrar seus sinais e maravilhas dentro da própria igreja. E eles se transformarão na essência da fé para alguns. Ellen White fez um contundente alerta sobre essa ameaça: “Cenas assombrosas, com as quais Satanás estará intimamente ligado, terão lugar em breve. A Palavra de Deus declara que Satanás operará milagres. Fará com que as pessoas fiquem doentes, e depois, de repente removerá delas seu poder satânico. Serão consideradas então curadas. Essas obras de cura aparente levarão os adventistas do sétimo dia à prova” (Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 53). Milagres têm seu lugar em nossa experiência de fé, mas não podem, de modo nenhum, substituir o valor da Palavra de Deus em nossa vida. Em breve, a igreja receberá a chuva serôdia, e muitas demonstrações de poder divino ocorrerão, mas elas jamais serão usadas como base para anular as verdades das Escrituras. Não podemos correr o risco de ser uma geração sempre em busca de “algo mais” e que se torna presa fácil da sedução do inimigo. Se não estivermos ancorados e fundamentados em Deus e em Sua Palavra, poderemos ser levados pelo fanatismo e seu falso movimento religioso. Precisamos ficar atentos, e isso significa observar sempre o primeiro passo do avanço que o mal esteja fazendo entre nós. Se não percebermos a maneira como ele discretamente começa a influenciar e ditar comportamentos, abraçaremos o erro como se fosse verdade. Depois da mudança de comportamentos é muito mais difícil despertar e voltar ao caminho original. Por isso, não seja um cristão em permanente busca de êxtase e novidade, tornando-se, assim, vulnerável ao “vento quente do fanatismo”. Estabeleça sua fé e esperança na Palavra de Deus, e Ele manterá seus pés firmes, e seus olhos, abertos.


SÁBADO

21 DE DEZEMBRO

O vento gelado do formalismo Tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. 2 Timóteo 3:5, NVI

O formalismo religioso é um dos ventos de doutrina que têm soprado com força sobre a igreja. Seus efeitos diminuem a vitalidade, a alegria e a espontaneidade cristã. Essa corrente fria de ar espiritual chega para congelar nossa essência e valorizar apenas a aparência. Temos que dizer não ao “vento gelado do formalismo”. Ele tem fechado a porta da frente e aberto a porta dos fundos da igreja. Seu efeito empobrece a missão e aumenta a frustração. Tudo se torna muito frio e formal, sem vida, sem sentimentos, carinho, perdão, amor e aceitação. Nessa corrente, os ​rituais assumem o protagonismo, enquanto as pessoas ficam em segundo plano. Igrejas paralisadas pelo vento gelado do formalismo perdem a sensibilidade espiritual. As pessoas mantêm sua religião por uma questão de família, tradição, hábito ou comodidade. Não surgem novos sonhos, planos e projetos. Não há ousadia, inovação nem paixão pela missão. Igrejas assim sobrevivem, mas deixam de crescer. Como disse o apóstolo Paulo, têm aparência de piedade, mas negam o seu poder (ver 2Tm 3:5). Igrejas congeladas pelo formalismo creem que, se alterarem suas rotinas, elas se afastarão dos antigos caminhos. Apegamse aos costumes e deixam de lado os princípios. Estão mais preocupadas em não mudar o que os pioneiros fizeram do que em encontrar alternativas bíblicas para se comunicar e influenciar a geração do século 21. É óbvio que não podemos sacrificar nosso estilo de vida nem deixarmos de ser bíblicos. Porém, precisamos encontrar caminhos eficazes para representar melhor o caráter de Cristo e comunicar o evangelho às pessoas. Jesus não veio ao mundo para preservar rituais, mas para “buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Quando nos entregamos a Jesus, o formalismo perde seu lugar. Nossas cerimônias se tornam vivas, nossos relacionamentos passam a ser autênticos, e nossa mensagem ganha força e profundidade. Ao mesmo tempo, o Senhor destrói a frieza que, muitas vezes, leva à falta de aceitação, crítica, intolerância, divisão e fanatismo. Em igrejas submissas à Palavra de Deus, as coisas são diferentes. “O vento gelado do formalismo” para de soprar, o Espírito Santo está ativo e a transformação acontece. As pessoas são fiéis e demonstram isso vivendo em amor e engajadas na pregação do evangelho. Fuja da frieza do formalismo e mantenha sempre o equilíbrio entre a profundidade na Palavra e a intensidade no amor.


DOMINGO

22 DE DEZEMBRO

A brisa suave do comodismo Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Apocalipse 3:15

O vento de doutrina mais perigoso que sopra sobre a igreja é a brisa suave do comodismo. Ela embala calmamente, faz com que as pessoas se sintam confortáveis e as coloca para dormir. Essa “suave brisa” aparece claramente na descrição de Laodiceia, a sétima igreja do Apocalipse. Essa igreja é descrita tentando se equilibrar entre o calor da Palavra e o frio do secularismo. Ela tenta harmonizar as orientações de Deus com os desejos do coração humano não regenerado. Sente-se rica e abastada, mas não consegue notar que essa riqueza aparente a coloca em uma triste condição. A brisa suave do comodismo nos faz querer entrar na igreja para adorar sem ter o desejo de sair para salvar. Ela nos torna mais exigentes com a pregação, o louvor, a arquitetura do templo, o conforto dos bancos, a acústica do som, o estilo do pastor e a fama do cantor, mas nos deixa insensíveis às necessidades do pecador. Vemos o mundo ir de mal a pior, reconhecemos os sinais da segunda vinda de Jesus, cantamos de nossa esperança, ouvimos sobre o poder do Espírito Santo, choramos nos apelos, nos emocionamos com os batismos, mas continuamos com a velha vida. Somos capazes de dar boas ofertas, participar em projetos desafiadores, enviar missionários, plantar novas igrejas, distribuir milhões de livros, pregar no rádio, TV e internet, mas não permitimos que o Espírito Santo nos desperte e reavive. Nosso problema não está na visão, mas na reação. Não está no entusiasmo, mas na falta de poder. Não está no conhecimento, mas na ausência de transformação. Não está na falta de iniciativas, mas na ausência de entrega. A descrição de Laodiceia parece pessimista, mas sua mensagem é encorajadora: “Ao anjo da igreja em Laodiceia escreve: Estas coisas diz o Amém” (Ap 3:14). Podemos confiar que, apesar de nossas limitações, o Senhor não desiste de Seus filhos. Depois de Laodiceia, não haverá outra igreja, porque quando Deus diz amém, é amém. Não há um remanescente saindo do remanescente. Não há uma oitava, nona ou décima igreja. Laodiceia está nas mãos da “testemunha fiel e verdadeira” (Ap 3:14), que é Jesus. Não se esqueça de que Ele tem poder de espantar a brisa suave do comodismo com o fogo transformador do Espírito Santo. Permita que o Senhor faça essa obra em sua vida hoje.


SEGUNDA

23 DE DEZEMBRO

Ele virá Na esperança da vida eterna que o Deus que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos. Tito 1:2

Durante todo o ano falamos sobre nossa esperança, mas 2019 está terminando e ainda estamos aqui. Parece que o relógio de Deus está atrasado e que Jesus já deveria ter voltado para colocar um fim em tanta dor e sofrimento. Se esse aparente atraso o incomoda, é porque a esperança continua viva. A própria contagem de tempo é interessante. Afinal, já passaram dois mil anos desde que Jesus fez a promessa, mas apenas 175 desde que nossa esperança foi resgatada e começou o tempo do fim. A grande questão é que, até 1844, havia profecias com tempo definido, mas, a partir de então, de acordo com Ellen White, “nossa posição tem sido a de esperar e vigiar, sem proclamações de algum tempo para se interpor entre o fim dos períodos proféticos em 1844 e o tempo da vinda de nosso Senhor” (Eventos Finais, p. 36). Portanto, não existe atraso no relógio de Deus. O próprio Jesus deixou claro que haveria alguma demora. A parábola das dez minas foi contada para corrigir a ideia de que “o reino de Deus havia de manifestar-se imediatamente” (Lc 19:11). Na parábola dos lavradores maus, Jesus disse que certo homem “ausentou-se do país por prazo considerável” (Lc 20:9), mostrando que Sua volta não seria imediata. Na parábola das dez virgens, o noivo chega tarde, à “meia-noite” (Mt 25:5, 6). Na parábola dos talentos, um homem se ausenta do país e, “depois de muito tempo” (Mt 25:19), volta para ajustar conta com seus servos. Mesmo assim, desde os dias dos pioneiros, temos esperado intensamente. Então por que Jesus ainda não voltou? Para alguns, Ele não virá até que a igreja aceite e pregue algum ponto mais específico da mensagem. Outros acreditam que o atraso tem a ver com a necessidade de um reavivamento, ou que a maioria da igreja deve alcançar a perfeição de caráter. Entretanto, temos crido que Ele virá quando o “evangelho do reino” for pregado a todo o mundo (Mt 24:14). Mais importante do que discutir as possíveis razões do atraso é manter a atitude correta. Enquanto Ele não vem, precisamos intensificar a busca pela comunhão e aumentar o compromisso com a missão. Isso nos dará a motivação e o apoio necessários para continuar esperando pelo tempo de Deus. Permaneça firme, sem se distrair com o atraso e renove a certeza de que Ele virá no tempo certo.


TERÇA

24 DE DEZEMBRO

O espírito de Natal Porquanto Deus enviou o Seu filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele. João 3:17

O primeiro ministro britânico Winston Churchill costumava lembrar que “o Natal não é uma época somente para celebração, mas especialmente para reflexão”. Charles Spurgeon disse certa vez que essa é uma boa época para pensarmos mais profundamente no Deus “que fez o homem e foi feito homem”. Há muita beleza ao redor desse dia. Mesmo sabendo que ele não é sagrado nem oficial, mas apenas uma lembrança especial, devemos aproveitar o verdadeiro espírito de Natal. Provavelmente, os cristãos estivessem mais concentrados na ressurreição de Cristo e, por isso, não preservaram a data de Seu nascimento. Muitos tentaram recuperá-la, mas sem sucesso, até que foi escolhido o dia 25 de dezembro. É possível que sua origem esteja ligada a uma celebração secular, que começou a ser aceita pelo cristianismo a partir do 4o século. Eruditos cristãos do 3o século tinham outra explicação. Acreditavam que o mundo foi criado em 25 de março, e que Jesus foi concebido nessa data, pois Ele é o recomeço de tudo. Contando nove meses a partir do início da gravidez de Maria, Ele teria nascido em 25 de dezembro. Porém, considerando que os pastores estavam no campo e o clima nesta época é muito frio, possivelmente o nascimento do Senhor tenha ocorrido em abril, quando o clima é mais ameno. Há muita polêmica ao redor da definição de um dia, por isso, concentre seus olhos na celebração. É uma linda oportunidade que deve ser bem aproveitada com a casa e a igreja mais bonitas, as pessoas queridas por perto e momentos especiais de confraternização. Mas não faça disso o centro da comemoração. O verdadeiro espírito de Natal nos convida a olhar para a manjedoura e refletir mais profundamente no momento em que “Deus enviou o Seu filho ao mundo”. Ellen White tinha a mesma preocupação de aproveitar a celebração sem perder a verdadeira motivação. Quando lhe perguntaram sobre o uso da árvore de Natal, ela aconselhou: “Não há particular pecado em selecionar um fragrante pinheiro e pô-lo em nossas igrejas, mas o pecado está no motivo que induz à ação” (O Lar Adventista, p. 482). Aproveite essa comemoração para fortalecer o verdadeiro espírito de Natal, celebrando o dia em que “o Filho de Deus Se transformou em Filho do Homem para que você seja transformado em filho de Deus” (Marcos De Benedicto). Boas festas!


QUARTA

25 DE DEZEMBRO

Natal da gratidão Porque um Menino nos nasceu, um Filho Se nos deu; o governo está sobre os Seus ombros; e o Seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9:6

A celebração de hoje é maior do que uma data. É o reconhecimento de que realmente precisamos do Salvador que Deus nos enviou. No dia de hoje, temos a oportunidade especial de agradecer o fato de a “manjedoura, a cruz e o túmulo estarem vazios, mas o trono não” (James Bradson). Por isso, este deve ser o Natal da gratidão. Concentre-se em doar, agindo de modo diferente de muitos, que esperam apenas receber. Siga o exemplo de Deus que “amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito” (Jo 3:16, ACF). Que tal resgatar o significado mais profundo do Natal com algumas atitudes diferentes? Ofereça presentes a pessoas carentes. Tudo o que você der a elas estará dando ao próprio Jesus, o verdadeiro motivo da celebração (Mt 25:40). Separe uma oferta especial. Essa é uma oportunidade para pensar menos em si mesmo e fazer mais pela causa Daquele de quem celebramos o nascimento. Ellen White aconselha: “Deus Se alegraria muito se, no Natal, cada igreja tivesse uma árvore de Natal sobre a qual pendurar ofertas. [...] Os galhos dela devem estar carregados com o fruto de ouro e prata da bondade de vocês, e apresentem isso a Deus como seu presente de Natal” (Review and Herald, 11 de dezembro de 1879). Compartilhe salvação. Ao fazer isso, você resgata a essência do Natal, repetindo a atitude dos anjos, que proclamaram aos pastores a maior notícia da história da humanidade: nasceu o Salvador (ver Lc 2:11). O Natal oferece uma excelente oportunidade para contar ao mundo que o Menino nascido em Belém em breve voltará. Celebre este Natal de forma completa. Primeiro, agradecendo por ter recebido o melhor Presente, pois “um Menino nos nasceu, um Filho Se nos deu; o governo está sobre os Seus ombros; e o Seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Is 9:6). Mas também compartilhando o que Deus lhe deu. Afinal, como disse Tim Keller, “nunca poderíamos chegar ao Céu por conta própria, mas Deus veio até nós”. Faça deste Natal o mais marcante e significativo, não pelo que já recebeu ou ainda receberá, mas pelo que será capaz de oferecer.


QUINTA

26 DE DEZEMBRO

Deus nunca abandona Na minha primeira defesa, ninguém foi a meu favor; antes, todos me abandonaram. [...] Mas o Senhor me assistiu. 2 Timóteo 4:16, 17

A vida de Paulo é uma grande inspiração. Aprendemos muito com suas histórias, crescemos com suas orientações e recebemos ânimo e coragem de seu exemplo de vida. De modo especial, os momentos finais da existência desse herói do evangelho me tocam e me fazem pensar em nosso papel como cristãos nos dias de hoje. Possivelmente, no momento de seu chamado na estrada de Damasco, Paulo não tenha imaginado o tamanho do sofrimento que enfrentaria durante seu ministério. No entanto, o Senhor havia revelado a Ananias que Paulo sofreria por Seu nome (At 9:16). O apóstolo perdeu tudo por amor a Cristo, inclusive alguns amigos, pouco antes de sua morte. Quando precisamos conviver com a desilusão de ser abandonados ou ​traídos por pessoas que admiramos e nos sentimos sozinhos quando mais gostaríamos de ter alguém a nosso lado, nós também sofremos muito. Afinal, esse desejo de receber amor e simpatia foi “implantado em nosso coração pelo próprio Deus” (Atos dos Apóstolos, p. 491). O próprio “Cristo, na hora de Sua agonia no Getsêmani, ansiou pela simpatia de Seus discípulos” (ibid.), mas foi deixado sozinho. Nos momentos de maior sofrimento, Seus amigos mais próximos preferiram dormir. De modo semelhante, Paulo também enfrentou seus momentos mais difíceis sozinho. Ellen White nos diz: “Os poucos amigos que haviam compartilhado dos trabalhos do apóstolo começavam agora a abandoná-lo, alguns por deserção, outros em missão a várias igrejas” (ibid., p. 490). Você pode imaginar a tristeza e o sofrimento do apóstolo? Sua força, porém, vinha do alto. Ele se manteve firme: “O Senhor me assistiu e me revestiu de forças.” Talvez você esteja terminando este ano cansado e com o gosto amargo de alguma decepção. Tenha a certeza de que, em momentos assim, Deus jamais nos deixa sós. Quando estiver sozinho, olhe para o Céu e sinta a companhia de Deus. Ele nunca abandona um filho Seu. (Escrito por Adriene Köhler)


SEXTA

27 DE DEZEMBRO

O último dia Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Lucas 12:20

Estamos nos aproximando do último dia do ano. Normalmente, a virada de ano é momento de reflexão pessoal, gratidão e novos propósitos. Basta observar quantas festas, cerimônias e até atividades supersticiosas são promovidas nesse período. Há uma motivação especial no ar; mas, por outro lado, não existe nada de mágico em 31 de dezembro. É apenas uma mudança de data. A expressão “último dia”, porém, deve provocar uma reflexão mais profunda. Não falo da festa de 31 de dezembro, mas do último dia de vida. Qual seria sua atitude se soubesse que esse dia chegou? O que mudaria em seus planos, pensamentos, decisões e atitudes? Quando alguém perguntava a John Wesley o que ele faria se tivesse a certeza de que Jesus ​voltaria amanhã e esse fosse seu último dia na Terra, ele respondia que faria exatamente o que havia planejado. Qual seria sua resposta? Jesus alertou sobre o assunto quando contou a parábola do rico tolo, que pensava em acumular riquezas, fazer investimentos e aproveitar a vida, sem considerar o dia seguinte. Ele terminou com um duro apelo: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lc 12:20). Ellen White tinha a mesma preocupação: “Devemos vigiar e trabalhar e orar como se este fosse o último dia que nos fosse concedido” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 60). A cada manhã, ela diz, devemos consagrar nossa vida a Deus. “Não façam cálculos para meses ou anos; eles não lhes pertencem. Um curto dia é o que lhes é dado. Como se fosse esse seu último dia na Terra, trabalhem para o Mestre durante as suas horas” (Testemunhos Seletos, v. 3, p. 93). Se a sua vida for um exemplo, nenhuma pessoa que tiver contato com você viverá seu último dia sem oportunidade de salvação. Afinal, 10% das pessoas leem a Bíblia e 90% leem nossa vida. Por meio de seu exemplo pessoal, as pessoas conhecerão o caminho para se entregar ao Senhor. Quando cuidamos de nossos valores espirituais e os compartilhamos com outras pessoas, estamos sempre preparados e podemos dizer com tranquilidade: “Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor” (Rm 14:8).


SÁBADO

28 DE DEZEMBRO

O Senhor vai adiante de ti O Senhor é quem vai adiante de ti; Ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te atemorizes. Deuteronômio 31:8

Em um das primeiras reflexões deste livro, usei o texto bíblico de hoje. No entanto, quero relembrá-lo, com uma abordagem um pouco diferente, agora que estamos quase concluindo o ano: “O Senhor é quem vai adiante de ti.” Deus é fiel, e Sua promessa não falha. Temos visto os milagres se multiplicarem, e os resultados do cumprimento da missão sempre superarem nossa expectativa. Essa promessa divina é uma garantia para todos os fiéis, em todas as ​situações. Quando enfrentamos crises políticas e financeiras, precisamos descansar nas mãos de Deus e lembrar que “o Senhor vai adiante” de nós. Quando pensamos na formação e salvação dos filhos, não podemos nos esquecer de que “o Senhor vai adiante” de nós. Quando temos decisões difíceis, precisamos avançar seguros de que “o Senhor vai adiante” de nós. Quando surgem crises na igreja e parece não haver saída, precisamos confiar na promessa de que “o Senhor vai adiante” de nós. Não devemos ter medo do futuro. Essa promessa é ainda mais preciosa quando nos preparamos para um novo ano cheio de incertezas. Trata-se de um tempo de grandes desafios e imensas oportunidades para a igreja. Somos pressionados com a secularização, que tenta impor sua agenda quanto a assuntos como casamento, família, criacionismo e observância do sábado. Já as oportunidades nunca foram tão grandes com nossos fortes movimentos missionários e também no crescimento da área de comunicação, que alcança multidões sinceras. Esse cenário mostra o quebra-cabeça profético sendo completado diante de nossos olhos. Não podemos alimentar medo nem ansiedade, mas precisamos renovar a confiança no caminho que Deus já traçou antecipadamente nas páginas da Bíblia. Por isso, ao preparar-se para 2020, renove sua esperança, pois, conforme escreveu Ellen White, “Deus [...] é a força do Seu povo hoje. [...] Devemos lembrar que os seres humanos são falíveis e falhos, e que Aquele que tem todo o poder é nossa forte torre de defesa. Em qualquer emergência devemos sentir que a batalha é Sua. Seus recursos são ilimitados, e as aparentes impossibilidades farão que a vitória seja ainda maior” (Profetas e Reis, p. 202). Se nos mantivermos fiéis, poderemos ter a certeza de que Deus vai adiante de nós.


DOMINGO

29 DE DEZEMBRO

Expectativas de Deus Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus. Miqueias 6:8

A cada fim de ano, fala-se muito em expectativas. Elas vão do governo à família; das férias ao trabalho; da saúde às emoções; do relacionamento com as pessoas ao relacionamento com Deus. Quais são as suas expectativas para 2020? Você está preparado para o melhor ou está com medo do pior? E o que você espera de Deus para o novo ano? Aproveite a motivação destes dias para apresentar suas expectativas “Àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos” (Ef 3:20). E as expectativas de Deus estão em sua lista de prioridades? Elas são muito simples, mas ao mesmo tempo profundas. O profeta Miqueias resumiu o que Deus espera de nós e apresentou isso a um povo espiritualmente confuso e que não sabia como agradar a Deus. Queriam oferecer bezerros de um ano, milhares de carneiros, ou até dez mil ribeiros de azeite. Chegaram a pensar em entregar seus primogênitos (ver Mq 6:6, 7). Porém, o profeta deixou de lado os sacrifícios e as doações e foi direto às intenções do coração, onde realmente estão as três expectativas de Deus (ver v. 8). Ele espera que: “Pratiques a justiça”. Mais do que receber a justiça de Cristo, precisamos oferecer justiça ao tratar as pessoas. Falar a verdade, honrar as promessas, viver com integridade, ser fiel nos relacionamentos, tratar a todos com respeito e agir com equilíbrio. “Ames a misericórdia”. Assim como Deus nos dá a misericórdia que não merecemos, também precisamos oferecê-la às pessoas. Ajudar os que sofrem, perdoar os que caem, tolerar os reincidentes e controlar o próprio temperamento. “Andes humildemente com teu Deus”. Ele não pede ações espetaculares que todos poderão aplaudir, mas atitudes humildes que apenas o Senhor pode retribuir. O Senhor deseja que tenhamos menos orgulho, competição, crítica e exaltação. Peça a Deus para que você tenha condições de cumprir as expectativas Dele. Elas darão sentido, significado à sua vida e tornarão possíveis os desejos legítimos de seu coração.


SEGUNDA

30 DE DEZEMBRO

Certezas Estou plenamente certo de que Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus. Filipenses 1:6

Ao terminarmos 2019, algumas certezas precisam estar em nosso coração: 1. Estamos vivendo a combinação de um mundo que cai violentamente e uma igreja que se levanta de forma poderosa. Isso indica que está chegando o tempo em que nossa grande esperança se tornará uma grande realidade. 2. Deus está fazendo coisas grandes e com rapidez. Precisamos estar preparados para os últimos acontecimentos. 3. A unidade da igreja é inegociável. Quando nos unimos, o Espírito Santo atua. Quando permitimos que qualquer coisa nos divida, entregamos o controle ao inimigo, e isso não pode acontecer. 4. É tempo de buscar a Deus de maneira mais comprometida. Apenas andando com Ele vamos resistir ao inimigo e permanecer em pé. 5. Precisamos de um compromisso mais claro com a vontade de Deus. À medida que vivermos os últimos dias, seremos cada vez mais diferentes do mundo ao nosso redor. Nosso compromisso não pode estar com as últimas tendências, mas com o reino de Deus. Precisamos alinhar com o Céu nosso gosto pessoal, conversas, músicas, alimentos, roupas, aparência, lugares que frequentamos, enfim, nossa vida. 6. Deus pede de nós um sacrifício ainda maior. Se realmente queremos que Cristo venha logo, precisamos colocar nosso tempo, nossas propriedades, nossos recursos e nossos talentos no cumprimento da missão. Não podemos sonhar com o Céu e, ao mesmo tempo, manter o coração preso à Terra. A causa de Deus não vai avançar por meios naturais, mas com milagres realizados por intermédio de pessoas comprometidas. 7. O melhor está por vir. Essa é minha maior certeza. Ao ver o que Deus tem feito e as portas que têm sido abertas de maneira cada vez mais impressionante, estou seguro de que apenas começamos a conhecer o que o Espírito Santo realizará nestes últimos dias. Diante de cada uma dessas bênçãos e certezas que nos movem para o futuro, aceite o convite inspirado: “O novo ano está exatamente diante de nós, e deveriam ser feitos planos para um esforço zeloso e perseverante no serviço do Mestre. Há muito a ser feito a fim de avançar a obra de Deus” (Ellen White, O Colportor-Evangelista, p. 17).


TERÇA

31 DE DEZEMBRO

Últimas palavras Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! Vem, Senhor Jesus! Apocalipse 22:20

As últimas palavras de uma pessoa têm um significado muito especial. Revelam a essência da vida e são o melhor legado que alguém pode deixar. “Por favor, terminem a obra que eu não consegui terminar” foram as palavras finais do pastor Haroldo Morán, um líder da igreja em diferentes áreas e que estava aposentado havia pouco tempo, quando foi diagnosticado com uma doença bastante agressiva. No Dia dos Pais de 2007, depois de muitos tratamentos, foi internado pela última vez. Uma semana depois, fui visitá-lo no Peru. Segurei sua mão enquanto ele falava com muita dificuldade sobre o ministério, o preparo para a morte e sobre seu sonho de ver Cristo voltar. Ficou 23 dias internado e faleceu, mas suas últimas palavras ainda permanecem vivas em meu coração! Embora esteja vivo para sempre, Jesus deixou registradas em Apocalipse 22 Suas últimas palavras para nós, com as quais Ele destaca e confirma nossa esperança três vezes: “Eis que venho sem demora” (v. 7, 12, 20). Elas sugerem três desafios especiais que podem tornar a promessa final mais intensa e desejada. Não tire os olhos do Céu. As tentações vão atrair cada vez mais seus desejos, planos e prioridades para o mundo. Entretanto, o conselho de Deus vai na direção oposta: “Devemos nos desprender constantemente da Terra e ​apegar-nos ao Céu” (Signs of the Times, 14 de agosto de 1884). Viva o Céu enquanto está na Terra. As escolhas que você faz aqui mostram o quanto realmente deseja chegar lá. “Assim como imaginamos o Céu, devemos viver aqui embaixo” (Signs of the Times, 31 de julho de 1893). Não deixe para o ano que vem o que você deve fazer hoje. Quando Cristo voltar, haverá apenas dois grupos: Os salvos e felizes (Is 25:9) e os perdidos e desesperados (Ap 6:16). A atitude de cada um será resultado do que foi feito das oportunidades dadas por Deus. Aqueles que aceitaram Cristo e praticaram Sua justiça celebrarão a salvação. Os que ignoraram ou rejeitaram, lamentarão a perdição, mas será tarde demais. Ao começar um novo ano, coloque suas prioridades no Céu, e Deus também lhe dará a Terra. Se seus olhos estiverem apenas no mundo, você acabará perdendo os dois. Pense nisso com carinho.


Profile for Thiago Oliveira Baixo Guandu

Meditação Diária 2019 - Nossa Esperança  

IASD

Meditação Diária 2019 - Nossa Esperança  

IASD

Advertisement