Issuu on Google+

CIDADES

PARA

UM

PEQUENO PLANETA

GRUPO: Henrique Gonรงalves Thiago Beck

RICHARD ROGERS

PROFESSORA: Aline A. Cruz


Richard Rogers (1933 - )

Richard Rogers

Formado entre a Architectural Association de Londres e a Universidade de Yale, Richard Rogers estabeleceu seu próprio escritório em 1978 depois de dissolver sua sociedade com Piano. Sociedade esta posterior ao efêmero TEAM 4 que criou nos anos sessenta junto a Norman Foster, Su Brumwell e Wendy Cheeseman. Com o Edifício edifício Georges Pompidou em Paris e o Lloyd’s na cidade de Londres, Rogers consolidou seu lugar como um dos protagonistas da arquitetura da segunda metade do século, sendo figura chave do movimento que se denominou high-tech.

O AUTOR


Buckminster Fuller (1895 - 1983), um dos mentores do jovem Rogers

“Para começar a correção de nossa posição a bordo da grande nave, o planeta Terra, antes de mais nada devemos reconhecer que a abundância dos recursos imediatamente consumíveis, inevitavelmente desejáveis ou absolutamente essenciais, até agora, foi o suficiente para permitir que continuemos nossa jornada, apesar de nossa ignorância. Esses recursos, em última instância esgotáveis e dilapidáveis, foram adequados até este momento crítico. Aparentemente, essa espécie de amortecedor dos erros de sobrevivência e crescimento da humanidade foi alimentado, até agora, da mesma forma que um pássaro dentro do ovo se alimenta do líquido envoltório, necessário para uma etapa de seu desenvolvimento somente até um certo ponto.” Buckminster Fuller – Manual de Operações para o Planeta Terra (1969).

O AUTOR

influências


Archigram foi um grupo de arquitetos ingleses formado no início dos anos 60, cujas propostas buscavam um diálogo mais próximo com o contexto cultural da época. Se inspirou na tecnologia como forma de expressão para criar projetos hipotéticos, na tentativa de resgatar as premissas fundamentais da arquitetura moderna. Suas idéias polêmicas, subversivas e inovadoras foram de grande influência para Rogers.

The Walking City - Archigram

O AUTOR

influências


Museu Georges Pompidou – Renzo Piano + Richard Rogers

O AUTOR

A Arquitetura High Tech, ou de Alta Tecnologia, é uma corrente emergente nos anos 70, muito centrada no emprego de materiais de tecnologia avançada nas construções para um melhor desempenho, tanto espacial como funcional. A arquitetura High-tech, além de defender a industrialização e a tecnologia como caminhos para a arquitetura, se orgulhou dos aparatos tecnológicos necessários como estética final. O museu Georges Pompidou é tido como o edifício manifesto dessa corrente.

Arquitetura High-Tech


Richard Rogers causou uma grande impressão em todos os ouvintes através de sua famosa palestra no Reith Lectures da BBC, em 1995. Sendo posteriormente condensada em um simpático e, aparentemente, inofensivo livro intitulado Cities for a Small Planet.

Cities for a Small Planet (1997) – Richard Rogers + Philip Gumuchdjian

Através dos Capítulos: 1- A cultura das cidades 2- Cidades Sustentáveis 3- Arquitetura Sustentável 4- Londres: A cidade Humanista e 5- Cidades para um Pequeno planeta, Rogers nos mostra com gráficos, dados, e exemplos reais - edificados ou não – as possibilidades que nossas cidades têm de se modificar antes de uma inevitável rota de colisão.

O LIVRO

definição


Vivemos em um planeta pequeno com recursos (excessão à luz) finitos. Nossa espécie, com suas necessidades e práticas, muda em uma velocidade exponencial o ambiente e o espaço que ocupamos, trazendo graves efeitos a todas as outras formas de vida que habitam o planeta, sendo essas muitas vezes importantes para nossa própria manutenção. Se nada for feito, em algum momento no futuro os recursos findarão e as modificações no meio ambiente serão irrecuperáveis, se já não são.

Existe escapatória para a espécie humana?

O LIVRO

a (in)evitável rota de colisão


SIM, e para Richard Rogers, a resposta para nossa sobrevivência está nas cidades.

As cidades do futuro devem possuir: - Atividades sobrepostas - Equitatividade - Consciência Ecológica - Facilidades para se estabelecer contatos e relações - Abertura - Beleza

O LIVRO

solução por Rogers


Proposta de reforma Urbana em Paris Arquitetos com base em Londres, incluindo Zaha Hadid, Rogers Stirk Harbour & Partners (antigo Rogers & Partners), estão competindo para liderar uma de dez equipes multidisciplinares, com o função de criar uma visão para o futuro de Paris. Em uma das mais ambiciosas ações jamais vistas na capital francesa, o projeto, tocado pelo presidente francês Sarkozy, tem como objetivo emular o “dinamismo de outras cidades mundiais, como Londres e Shangai, além de melhorar as ligações físicas entre o centro da cidade e os distritos periféricos”, criando a Grande Paris, nos moldes da Grande Londres.

EXEMPLOS

Proposta para Paris


Proposta de reforma Urbana em Paris O aspecto multidisciplinar foi muito marcado, fazendo com que Rogers trabalhasse diretamente com sociólogos, geógrafos e outras áreas que influenciam no planejamento Urbano. Para tanto, Rogers e sua equipe multidisciplinar definiu alguns princípios para a renovação de Paris:

EXEMPLOS

Proposta para Paris


Proposta de reforma Urbana em Paris

-Construir Paris sobre Paris, para criar uma cidade de alta densidade; -Completar a rede de transporte metropolitano; -Criar uma Grande Paris policêntrica; -Reduzir as áreas impermeáveis na Grande Paris; -Investir em projetos de alta qualidade.

EXEMPLOS

Proposta para Paris


Distrito de Pudong, Xangai - China Em 1990, Xangai, a quinta maior cidade do mundo tinha uma população de 13 milhões de habitantes. Em 2000, a população chegou a 16.7 milhões de habitantes. A ambição da cidade é consolidar seu status de centro comercial da China mas, infelizmente a cidade pretende seguir o velho modelo ocidental e motorizar seus 7milhões de ciclistas.

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


Pudong - distrito de Xangai O planejamento de Pudong foi pensado para servir unicamente a usuários de escritórios internacionais, uma imposição da prefeitura. A proposta do escritório de Rogers, no entanto, foi uma série de medidas para que esse novo conglomerado não se tornasse um “gueto financeiro privado”. Em vez disso, promoveram a idéia de transformar Pudong em um setor comercial e residencial diversificado, realçado por uma rede de parques e espaços públicos e cujo acesso seria feito, sobretudo, por transporte de massa, constituindo uma área capaz de atuar como foco cultural para todo o resto do distrito.

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


Pudong - distrito de Xangai Para isso, quatro pontos primordiais foram aplicados: MULTIFUNCIONALIDADE MOBILIDADE DENSIDADE CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


MULTIFUNCIONALIADE

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


MOBILIDADE

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


MOBILIDADE

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


DENSIDADE

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA

EXEMPLOS

Pudong - Xangai


APLICAÇÃO

Juiz de Fora


De acordo com a teoria contida no livro, podemos associar a criação de diversas zonas na cidade. Aplicaremos, dentro dos limites impostos pela cidade já desenvolvida, tais conceitos na região central da cidade.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


MOBILIDADE A mobilidade pode ser atingida de duas formas: Adequandose o sistema de transportes ou diminuindo a distância até os serviços. Isto só é possível através da criação de subnúcleos que proverão os serviços mais essenciais sem a necessidade de grande locomoção.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


MOBILIDADE Para a demarcação dos sub núcleos, foram consideradas a topografia e a malha de distribuição interna dos mesmos e entre eles.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


MULTIFUNCIONALIDADE A multifuncionalidade é um fator essencial para a viabilização da mobilidade. O mix de usos faz com que a área seja sempre utilizada, evitando as áreas “fantasmas” em certos horários do dia, otimizando assim o uso das mesmas.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


DENSIDADE O uso de uma densidade mais alta otimiza a utilização do solo, além de gerar público para a rede de serviços criada na região.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA A consciência ecológica, amarra todos os conceitos anteriores: A maior mobilidade viabiliza a redução do uso de veículos, que por sua vez sustenta ainda mais a multiplicidade de usos. A densidade está diretamente ligada á otimização do uso do solo, aumentando as áreas de permeabilidade, e verticalizando a cidade, preservando assim imensas áreas verdes que serviriam para assentar a crescente população.

APLICAÇÃO

Juiz de Fora


Para a Realização deste trabalho, utilizamos a seguinte bibliografia: Livro: ROGERS, Richard; GUMUCHDJIAN, Philip. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Gustavo Gili, 2001. Internet: http://bfi.org/ - Buckminster Fuller Institute em 14/03/2009 http://www.richardrogers.co.uk/ em 14/03/2009 http://www.bdonline.co.uk/story.asp?sectioncode=426&storycode=3136155 em12/03/2009 http://vistadoobservador.blogspot.com/2009/03/reforma-urbana-em-paris.html em 16/03/2009

Bibliografia


FIM GRUPO: Henrique Gonรงalves Thiago Beck

CIDADES PARA UM PEQUENO PLANETA RICHARD ROGERS

PROFESSORA: Aline A. Cruz


Trabalho - Cidades para um Pequeno Planeta