Issuu on Google+

A1

ID: 40944046

26-03-2012 | Projectos Especiais

Tiragem: 22956

Pág: XX

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Ocasional

Área: 26,63 x 35,09 cm²

Âmbito: Economia, Negócios e.

Corte: 1 de 1

Os períodos de crise são o momento certo para voltar a estudar Uma viagem à China é um dos pontos fortes da edição deste ano do “The Lisbon MBA”.

Tiago Calhau

Belén Vicente dirige o The Lisbon MBA desenhado em parceria com o MIT.

“Não me parece que a democratização dos MBA tenha tornado este tipo de formação menos valiosa para as empresas. Apenas a concorrência entre MBA é hoje mais acesa, pelo que o MBA em si mesmo não constitui garantia de sucesso”, afirma Tiago Calhau, advogado licenciado em Direito pela Universidade Nova de Lisboa. Assim, entendo que o MBA hoje continua a ser um óptimo cartão de visita e sinónimo de um elevado nível de qualificação, mas as demais competências pessoais e profissionais de cada um, bem como a respectiva experiência, continuam a desempenhar um papel fundamental. Cabe assim, a cada aluno de MBA, encontrar a melhor combinação de factores e construir a sua própria oportunidade.

Paula Nunes

O

que fazer num momento de crise? Devemos ser mais prudentes com o nosso dinheiro ou investir no nosso futuro? Em tempos de contenção financeira, será esta a altura certa para apostar num MBA? “Se pensarmos no que estamos a renunciar ao estar fora do mercado de trabalho durante este ano, facilmente chegaremos à conclusão que esta é realmente a melhor altura para o fazer”, defende o advogado Tiago Calhau, aluno da edição do programa The Lisbon MBA International 2012. O The Lisbon MBA, organizado em parceria entre a Nova School of Business & Economics e a Católica Lisbon School of Business & Economics, conta com dois programas. Com um custo de 21 mil euros e cerca de 60 vagas por ano, o The Lisbon MBA Part Time é um programa de dois anos em horário pós-laboral que conta com uma viagem internacional de estudo com duração de uma semana que será, em 2012, à China. Já o The Lisbon MBA International, que custa 33 mil euros e acolhe cerca de 34 alunos por ano, é um programa de um ano em regime full-time que está organizado em vários blocos. De Janeiro a Maio, os alunos frequentam disciplinas comuns e de frequência obrigatória, nas áreas de marketing, estratégia, finanças, contabilidade e operações. O segundo bloco é o período de imersão no MIT que decorre durante todo o mês de Junho. O terceiro bloco consiste num estágio profissional, um International Lab na China ou no Brasil em conjunto com os alunos de Fudan MBA e do Insper ou a oportunidade de desenvolver as suas ideias de negócio na Start Up Lisboa no âmbito do Entrepreneurship Hub. “Dada a situação de estagnação (ou mesmo de recessão) da economia e logo do mercado de trabalho, o custo de oportunidade é hoje provavelmente menor do que nunca”, defende Tiago Calhau. “Uma vez concluído o MBA, estaremos em condições manifestamente melhores do que antes para enfrentar as adversidades (se estas se mantiverem) ou para colher os frutos do desenvolvimento (se e quando a desejada retoma da economia for uma realidade)”. Mais do que tentar calcular qual o momento certo para investir neste tipo de formação, é importante começar a ver a educação contínua com uma necessidade constante para um profissional actualizado e que se quer manter competitivo no mercado de trabalho. “Nunca existe uma altura certa para investir na formação e no desenvolvimento pessoal de cada um porque isso é uma necessidade constante para um futuro de sucesso”, afirma Belén de Vicente, directora do The Lisbon MBA. “As circunstâncias económicas e políticas não devem ditar a decisão de investimento na

carreira. As grandes empresas continuam a investir em pesquisa e desenvolvimento durante períodos de crescimento lento para garantir um alto nível de competitividade e inovação relativamente aos concorrentes”, acrescenta. A inovação também está presente no próprio modo como estes cursos são leccionados. Especificamente, tem-se verificado uma cada vez mais forte tendência na inclusão de com-

ponentes online nos programas de MBA, aponta Belén de Vicente. “O formato denominado ‘blended’, que integra componentes presenciais com componentes online, em função do tipo de matérias a leccionar, está a aumentar significativamente. Esta tendência resulta da necessidade de uma maior flexibilidade devido aos requisitos de mobilidade dos alunos no âmbito dos seus desafios profissionais”. ■ P.S.


The Crisis Periods are the best ones to resume studies