Page 1


Traduzido por Mariel Westphal

1ª Edição

2019


Direção Editorial: Roberta Teixeira Gerente Editorial: Anastacia Cabo Tradução: Mariel Westphal

Arte de Capa: Dri KK Design Revisão: Fernanda C. F de Jesus Diagramação: Carol Dias

Copyright © Tara Sivec, 2019 Copyright © The Gift Box, 2019 Copyright © Kiss the Girl by Tara Sivec, 2019 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte do conteúdo desse livro poderá ser reproduzida em qualquer meio ou forma – impresso, digital, áudio ou visual – sem a expressa autorização da editora sob penas criminais e ações civis. Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e acontecimentos descritos são produtos da imaginação da autora. Qualquer semelhança com nomes, datas ou acontecimentos reais é mera coincidência. Este livro segue as regras da Nova Ortografia da Língua Portuguesa. CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ Meri Gleice Rodrigues de Souza - Bibliotecária CRB-7/6439

S637b Sivec, Tara Beije a garota / Tara Sivec ; [tradução Mariel Westphal]. - 1. ed. Rio de Janeiro : The Gift Box, 2019. Tradução de: Kiss the girl ISBN 978-85-52923-59-6 1. Romance americano. I. Westphal, Mariel. II. Título. 19-54907 CDD: 813 CDU: 82-31(73)


Capitulo um A FANTÁSTICA MULHER-PEIXE — Você só pode estar tirando com a minha cara. Olho para o meu celular, que está na mesa a minha frente, quando a música “Crazy Bitch”, da banda Buckcherry, soa entre o burburinho de conversas na cafeteria, pela sétima vez em poucos minutos. — Está tudo bem. Você pode atender, não me importo — Natalie, a loira alegre sentada do outro lado da mesa, sorri para mim. Volto meu olhar na sua direção, dando um pequeno sorriso por educação enquanto pego o celular e passo o dedo pela tela antes de levar o aparelho ao meu ouvido. — É melhor você estar morrendo em uma vala ou algo assim — murmuro como cumprimento. — Ariel? — Minha amiga Cindy pergunta, do outro lado da linha. Solto um suspiro sofrido, fecho os olhos e aperto a ponte do meu nariz. — Você ligou para mim, otária. Quem mais atenderia o telefone? Você está morrendo? — Ahm… Bem… Não. — Ela gagueja. — Então por que, pelo amor de todos os santos, você está me ligando? Desligue e me mande uma mensagem, como qualquer pessoa normal, ou eu vou cortar a sua garganta. Natalie tem o bom senso de parecer amedrontada enquanto sutilmente afasta a cadeira alguns centímetros da mesa e tira o braço do meu alcance. Não é que eu queira que ela tenha medo de mim, mas se essa entrevista continuar indo na mesma direção que está há meia hora, posso ter acabado de encontrar minha nova colega de quarto. É bom estabelecer quem está no comando, desde o começo. — Estou ligando apenas para me assegurar de que você ainda vai ajudar a Anastasia e eu a nos mudarmos para a casa do PJ amanhã. — De novo, isso é algo que você poderia ter me mandado em uma mensagem — rosno, irritada.

Beije Garota A

5


Eu amo a minha melhor amiga, realmente amo. Só não gosto de falar ao telefone com ninguém. Gostaria de dizer que esta minha atual irritabilidade é por ser obrigada a falar ao telefone, mas, no fundo, sei que não é verdade. Sou mulher o bastante para admitir que desde que Cindy anunciou que ela e a filha de quatorze anos se mudariam para a casa do seu namorado, estou me sentindo um pouco estranha. Adicione isso ao fato de que eu preciso de uma colega de quarto para dividir as contas, já que estou me afundando em dívidas, e você verá que a minha vida tem sido uma merda ultimamente. — Belle e Vincent também estarão aqui amanhã, às nove horas da manhã, para ajudar. Vou pegar café e donuts! — Ela fala, animada, como se café e donuts valessem a pena para eu levantar a uma hora dessas e carregar caixas pesadas o dia todo. Ok, tá bom. Os donuts contam, sim, a favor. Engulo outro gemido quando Cindy menciona a minha outra melhor amiga, Belle, e o seu namorado, Vincent. Quando nós três nos tornamos amigas, ninguém ficou mais chocada do que eu. Para início de conversa, eu não tenho amigas mulheres. Só de pensar nestas duas palavras juntas já me dá vontade de vomitar. Mulheres são muito instáveis e julgadoras, isso sem falar que guardam rancor por qualquer coisa que tenha acontecido vinte anos atrás. E no topo de tudo isso, Cindy era uma dona de casa recatada, e Belle era uma bibliotecária nerd e envergonhada. Completamente diferentes uma da outra, mas quando cada uma de nós percebeu que compartilhávamos o mesmo problema financeiro e o desejo de ganhar dinheiro rápido, sei lá, nossos santos meio que bateram. Ajudei as duas a saírem das suas conchas e se tornarem as mulheres fortes e independentes que sempre foram destinadas a ser, e ao mesmo tempo começamos nosso próprio negócio chamado The Naughty Princess Club. Basicamente, são strippers que fazem festas em casa. Pense como uma festa de aniversário, mas com menos roupa e sem comida. Estava tudo indo bem até essas duas idiotas se apaixonarem e arruinarem tudo. Ok, tudo bem. Elas não arruinaram tudo, só fizeram com que eu sentisse como se tivesse algo de errado comigo porque eu não queria ter nada a ver com homens, amor, romance ou qualquer outra coisa do gênero. Cindy se apaixonou pelo PJ Charming, o dono do Charming’s, um clube de cavalheiros onde inicialmente começamos nossas aulas de strip, antes de abrirmos a nossa empresa. E então a Belle se apaixonou pelo Vincent “Fera” Adams,

6


o segurança do Charming’s, que chocou todas nós quando descobrimos o homem doce e gentil que estava escondido sob toda aquela carranca. — Como foi a sua entrevista com a possível colega de quarto? — Cindy pergunta, me fazendo voltar ao presente momento. — Ainda está acontecendo — falo para ela, enquanto observo Natalie rasgar, nervosa, o guardanapo na sua frente, em milhares de pedaços. — Ela é legal? — Acho que sim — respondo, dando de ombros. — Ela é legal demais? — Cindy questiona. — Que merda isso significa? Escuto Cindy suspirar do outro lado da linha. — Significa que ela vai se transformar em uma mulher branca, solteira e que vai pintar o cabelo da mesma cor que o seu, e tentar transar com o seu namorado…? — Eu não tenho namorado — a lembro, enquanto Natalie se endireita e olha para mim. — Ainda — Cindy ri. Reviro os olhos e solto outro suspiro irritado. — Eu não tenho namorado e nunca terei um. Pare de tentar dar uma de cupido para cima de mim, só porque encontrou o único cara no mundo todo que é doce e romântico e que a ama por ser você mesma. — Ele não é o único cara assim em todo o mundo. Belle também encontrou o dela, não se esqueça disso. — Cindy fala. — Podemos parar de falar sobre isso agora? Você está me deixando irritada. — Cale a boca e pergunte para a garota legal sobre o cabelo dela. — Cindy manda. Neste exato momento, estou seriamente me arrependendo por ter ensinado Cindy a encontrar a sua voz e não deixar que as pessoas tomassem conta dela. Afasto o celular do rosto e olho na direção da Natalie. — Você está feliz com a sua atual cor de cabelo? Natalie olha, confusa, para mim por alguns segundos, levanta a mão e enrola uma mecha do seu longo cabelo loiro nos dedos. — Ahm, sim? — Ela sussurra. — Quer dizer, ultimamente tenho pensado em mudar, talvez para uma cor castanha, com luzes mais claras. Estou ficando um pouco cansada do… — Pare de falar — eu a interrompo, levantando a mão no ar, e volto a aproximar o celular de mim para falar com Cindy. — Está feliz agora?

Beije Garota A

7


Ela não vai pintar o cabelo de vermelho como o meu, eu não acho que ela tenha coragem de transar com o namorado que eu nunca terei, e estou bem confiante de que se ela tentasse me matar, conseguiria fazê-la beijar o chão e cravar uma chave de fenda no seu olho, antes mesmo de ela piscar. Natalie começa a tremer visivelmente na cadeira, e eu começo a me sentir realmente mal por assustar a coitada. Haha, brincadeirinha! Estou pouco me lixando. Porcaria, estou sim. Preciso de uma colega de quarto, tipo, para ontem, e a Natalie é a única pessoa normal que encontrei nessas últimas semanas. — Pare de assustá-la — Cindy ralha comigo. — Dê uma chance para ela e nem pense em expulsá-la antes de terminar a entrevista. Endireito-me quando escuto as suas palavras, e cerro os olhos, mesmo que ela não possa me ver. — Dei uma chance para todos esses imbecis que entrevistei nessas semanas. Não é minha culpa se todas as pessoas estranhas, a um raio de cem metros, responderam ao meu anúncio. Você se esqueceu da Felicia Agressiva ou da Patricia Adoro Erva? Que tal darmos uma pequena relembrada?

casa.

Eu: Bem, acho que foi tudo bem. Eu entro em contato. Felicia Agressiva: Ótimo! Meu agente da condicional vai ter que inspecionar a sua

Eu: Desculpe, o quê? Felicia Agressiva: Está tudo bem. Contanto que você mantenha trancada e longe do meu alcance qualquer coisa que possa ser usada como arma, ele vai aprovar. Você sabe, coisas tipo facas, garfos, pauzinhos para comida japonesa, stilettos e isqueiros. Eu: *olho para ela com os olhos arregalados* Felicia Agressiva: Honestamente, o B.O. com os stilettos foi uma coisa ridícula. Não foi como se o salto tivesse atravessado o pescoço do meu ex-namorado. Ele é só um chorão e eu não sabia que feridas no pescoço sangravam tanto. Eu: Caia fora.

8


Eu: Foi bom falar com você. Ligarei no decorrer da semana. Patricia Adoro Erva: Cara, só uma perguntinha. Você faz testes aleatórios de drogas? Eu: Eu… O quê? Patricia Adoro Erva: Tudo bem se você fizer. Eu só preciso, tipo, de ao menos uns três dias para conseguir uma urina limpa. Tudo certo. Eu conheço um cara. Você vai terminar esse muffin? Adoro blueberries, cara. Eu poderia comer um Cheetos. Bob Esponja é realmente engraçado. Podemos tirar um cochilo agora? Eu: Caia fora.

Cindy grunhe do outro lado da linha e eu sei que ela também está pensando nas minhas outras entrevistas desastrosas, com potenciais colegas de quarto. — Só seja boazinha e me ligue quando terminar — ela me diz. — Desde quando eu sou boazinha? Além disso, vou mandar uma mensagem para você quando terminar aqui, como um ser humano normal. Deixe-me em paz e vá trepar até desmaiar, com o seu namorado, antes de amanhã, quando você estiver maluca com a mudança, quando toda a magia tiver desaparecido e você matá-lo enquanto ele dorme, por não ter reposto o papel higiênico. — Um dias desses, Ariel, você terá o seu próprio conto de fadas, e eu vou apontar e rir de você quando acontecer — Cindy me informa. — Você vai encontrar o seu próprio Príncipe Encantado, e ele vai deixar você de… Afasto o celular do meu ouvido e desligo na cara da Cindy, interrompendo a sua baboseira sobre contos de fadas. Contos de fadas não acontecem na vida real. Merda. Esqueça o que eu disse. Eles aconteceram com as minhas duas amigas. Vamos só dizer que eles não acontecem comigo, e eu estou de boa com isso. Totalmente D-E B-O-A. — Tem mais alguma coisa que você queira perguntar para mim? — Natalie pergunta, suavemente. — ESTOU BEM! — Grito para ela. Não preciso de um cavaleiro de armadura brilhante para me salvar e me deixar de quatro, como Cindy disse. Não preciso de um homem selva-

Beije Garota A

9


gem, com um coração de ouro, para me ajudar a abrir as asas e salvar a minha preciosa biblioteca, como aconteceu com a Belle. Só preciso ser capaz de pagar as minhas contas, finalmente começar a dançar no The Naughty Princess Club, e morrer feliz e sozinha, sem um homem me enchendo o saco e me dizendo o que fazer. E isso não será estranho. Não vou me tornar uma daquelas tias que adoram gatos ou qualquer coisa do tipo, porque eu odeio gatos. Minhas amigas podem ir em frente e ter os seus contos de fadas idiotas. Eu serei a Fantástica Mulher-peixe. Meus peixinhos não me decepcionarão, não vão me cobrir de pelos, isso sem falar que será impossível alguém encontrar o meu corpo morto, com metade do rosto comido. Estou bem. ESTOU DE BOA.

10


A The Gift Box é uma editora brasileira, com publicações de autores nacionais e internacionais, que surgiu no mercado em janeiro de 2018. Nossos livros estão sempre entre os mais vendidos da Amazon e já receberam diversos destaques em blogs literários e na própria Amazon. Somos uma empresa jovem, cheia de energia e paixão pela literatura de romance e queremos incentivar cada vez mais a leitura e o crescimento de nossos autores e parceiros. Acompanhe a The Gift Box nas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades. www.thegiftboxbr.com /thegiftboxbr.com @thegiftboxbr @thegiftboxbr bit.ly/TheGiftBoxEditora_Skoob

Profile for The Gift Box

1º Capítulo "Beije a Garota", Tara Sivec  

Leia o primeiro capítulo do livro "Beije A Garota", da autora Tara Sivec, publicado pela The Gift Box Editora.

1º Capítulo "Beije a Garota", Tara Sivec  

Leia o primeiro capítulo do livro "Beije A Garota", da autora Tara Sivec, publicado pela The Gift Box Editora.

Advertisement