Issuu on Google+


Paginação Novidade

Mercedes SLR Stirling Moss • Concept BlueZERO

O canto do cisne Para assinalar o final de carreira do SLR e homenagear o grande Stirling Moss, a Mercedes criou uma série muito especial do SLR. O Mercedes SLR Stirling Moss é uma evocação do passado com tecnologias do presente. Serão feitas apenas 75 unidades a um preço aproximado de… 750 mil euros!

N

os anos 50 do século passado, o Mercedes SLR 300 dominava provas como o Mille Miglia, o Targa Florio ou o Tourist Trophy com pilotos tão famosos como Juan Manuel Fangio, Karl Kling e, sobretudo, o britânico Stirling Moss. A Mercedes escolheu a melhor forma de assinalar o final da carreira comercial do SLR, através de uma justa homenagem a uma época e a um piloto que muito contribuíram para a imagem da marca de Estugarda e para o prestígio do desporto automóvel. O actual SLR deixa de ser produzido em Maio de 2009, mas logo a seguir, entre Junho e Dezembro, a marca da estrela vai construir e colocar no mercado uma limitadíssima série de 75 unidades do SLR Stirling Moss. A base é a do SLR722, com motor V8 5.5 de 650 cv, mas o design é inteiramente evocativo do SLR 300 dos anos 50. Para começar, tal como os carros dessa época, o SLR Stirling Moss não só é descapotável, como não dispõe sequer de pára-brisas: apenas dois pequenos deflectores de ar em frente do condutor e do passageiro. Atrás deles encontramos duas grandes entradas de ar, que também servem de arcos de protecção, igualmente evocativas do passado. As saídas de ar laterais pintadas a preto são outro detalhe histórico a mencionar. Quando não está a ser usado, há duas coberturas de carbono para o habitáculo, que podem ser usadas independentemente, ou seja, pode só o condutor ficar a descoberto, com o lugar do passageiro tapado.

22 Auto Magazine

O interior é igualmente desportivo e reduzido ao essencial, com as aplicações de fibra de carbono, o alumínio e a pele de alta qualidade a predominarem. O detalhe personalizador é conferido pela assinatura de Stirling Moss na placa numerada que identifica cada uma das 75 unidades. O fundo plano e o difusor traseiro de maiores dimensões contribuem para gerar downforce adicional. Se quiser utilizar o aileron traseiro como um travão aerodinâmico, o condutor pode fixá-lo numa posição adequada para esse efeito. O travão aerodinâmico também sobe automaticamente acima dos 120 km/h para proporcionar uma adicional segurança de travagem. O sistema de travagem recorre a discos de cerâmica. Com os 3,5 segundos dos 0 aos 100 km/h e a velocidade máxima de 350 km/h previstos na tabela de características técnicas, conjugados com o chassis desportivo e a ausência de vidros dianteiro, o SLR é capaz de proporcionar sensações de condução únicas, mais próximas às que experimentavam do pilotos do tempo de Stirling Moss do que as que se vivem nos dias de hoje. O peso foi reduzido em aproximadamente 200 kg face ao SLR normal e os 300 km/h são atingidos em apenas 26 segundos. Apesar do preço de 750 mil euros, a produção está já toda “apalavrada”. A produção será feita em cooperação com a McLaren, a partir e Junho deste ano. O último Mercedes SLR será entregue ao seu proprietário em Dezembro. Texto: José Moreno - jmoreno@motorpress.pt

Três em um

Com a mesma forma, a Mercedes apresentou, não um, mas três novos concept-cars no salão de Detroit. O que os distingue é a tecnologia de locomoção. Três alternativas para preservar o ambiente.

D

O Mercedes SLR 300 dos anos 50 serviu de inspiração para a versão Stirling Moss que marca o fim da carreira comercial deste superdesportivo

emonstrar a viabilidade prática dos veículos de emissões zero: eis a intenção da Mercedes ao mostrar no salão de Detroit, que neste momento decorre, três variantes do seu concept BlueZERO; cada uma delas recorrendo a uma tecnologia de alimentação diferente e cada uma fazendo a sua quota parte pela preservação do ambiente. O BlueZERO E-Cell usa somente a locomoção eléctrica, alimentada por baterias,e tem uma autonomia de 200 km O F-Cell é alimentado por fuel cell e também recorre à locomoção eléctrica, mas neste caso com uma autonomia de 400 km.O BlueZERO E-Cell,por fim,conjuga um motor eléctrico com um motor de combustão interna usado como um gerador de potência e extensor de autonomia, que deste modo vai até aos 600 km/h, podendo fazer 100 km somente com energia eléctrica. O concept BlueZero usa o chassis em“sanduíche”que a Mercedes utiliza desde o lançamento do Classe A e do Classe B como forma de acondicionamento das novas tecnologias de alimentação,que além disso têm a vantagem de permitirem baixar o centro de gravidade do carro.

Auto Magazine 23


Ao volante

6 Auto Magazine

Audi A4 Allroad quattro


AUTÓDROMO ALGARVE

PU TEC

6

5

2

ONDE ESTÁ A PISTA

TRAVAGEM DELICADA

Saindo da anterior esquerda bastante rápido rumamos a outro topo cego, antes do qual é necessário definir a melhor posição na pista e a velocidade de abordagem a uma dupla direita cega que fecha no final. Se entrarmos mal na primeira não fazemos a segunda...

A travagem da recta interior, a segunda mais violenta, é feita no final de uma descida acentuada. O ponto de travagem varia em função da variante que se vai utilizar colocado uma centena de metros mais à frente.

A TODA A LARGURA DA PISTA A saída da dupla direita dá acesso a uma zona rápida. Esta tem início numa descida acentuada que passa a subida numa esquerda rápida e termina na travagem para um gancho lento a subir.

3

3

7

4

2

5

1

OU A SUBIR, OU A DESCER

6

Com excepção das duas primeiras curvas, daí em diante estamos sempre a subir ou a descer. Curiosamente, as saídas das curvas mais lentas são sempre feitas a subir (exigindo tracção e um motor muito disponível), ao passo que as travagens e a inscrição em curvas rápidas tende a ser feita em descida

COMEÇAR A DAR GÁS Esta direita média (3ª na entrada, 4ª na saída) com início em ligeira inclinação negativacomeça a definir a velocidade possível de atingir na recta, pois daí em diante é sempre a fundo a subir na caixa durante 1380 metros.

7

8 4

SERÁ A FUNDO? Logo após o topo mais alto da pista esta desce com uma forte inclinação rumo a uma esquerda muito rápida. Poderá ser feita a fundo, até porque logo após a inscrição a pista passa a subir e as suspensões em compressão aumentam a aderência…

6

A direita super rápida que dá acesso à recta da meta é completamente cega na entrada, com a pista a cair num declive acentuado e em curva para a direita. Exige nervos de aço, um chassis bem equilibrado e uma condução precisa.

8

1

RECTA DA META A recta maior tem 970 m de comprimento por 18 de largura. A primeira metade é em subida acentuada com a potência fazer (toda) a diferença. No Seat Leon FR#18 com 170 cv chega ao fim a cerca de 190 km/h. Já um M3 V8 com 420 cv chega a 240 km/h...

O “POÇO DA MORTE”

A

três meses da inauguração do Autódromo Internacional do Algarve, o Autohoje, revista do Grupo Motorpress Lisboa, a que pertence igualmente a MAXI tuning foi a Portimão para descobrir os segredos da pista ainda antes da inauguração que decorreu em Novembro. Adaptámos para este Especial as sensações transmitidas pela pista de 4658 metros, pelo jornalista Pedro Silva, Chefe da Equipa de Ensaios da MPL, que a descreveu como emocionante! O alcatrão ainda era recente e tinha pouca aderência, mas sete anos de trabalho e 120

milhões de euros de investimento depois é necessário verificar que tudo está pronto. Por isso, pegaram num BMW M3, numa moto e um Seat Leon FR e andaram até já o sol se pôr… O caso não é para menos. O empreendimento da Parkalgar é viciante pelo desafio que coloca a quem gosta de acelerar. Após ter-se realizado cerca de 15 voltas a impressão não podia ser mais positiva. Cada curva de cada volta encerra um novo desafio, para o que muito contribuem os topos e as curva cegas que deixam sempre no ar uma sugestão a imprevisto. A pista parece uma montanha russa gigante, pois com excepção das duas primeiras curvas, estamos sempre a subir ou

a descer, com destaque para as “curvas verticais” (são variações de inclinação longitudinal). O interesse destas reside no facto de fazerem variar a aderência e a estabilidade em momentos cruciais, como as travagens e as fases de inscrição em curva, o que acrescenta um picante extra e exige um chassis muito bem afinado. Por exemplo, a travagem no final da recta da meta é feita em plena descompressão/ compressão das suspensões, logo seguida da inscrição para a primeira curva em nova fase de descompressão… Isto depois de termos visto a pista a desaparecer debaixo das nossas rodas na direita rápida que dá acesso à recta da meta… PERFORMANCE

7


POWER

INFILTRAMO-NOS NAS FILEIRAS DE UM GRUPO DE SKINHEADS ALEMÃES E CAPTURÁMOS EM EXCLUSIVO UM DOS SEUS CARROS DE ASSALTO. VEJAM SE NOS ENGANÁMOS…

CORRADO

O Corrado é um dos carros que ficará sempre ligado à história dos tuners, em especial na Alemanha

CORRACER 320 CV

5900 RPM

TEXTO: P.PASSARINHO FOTOS: A. RIVAS

Q

uando Arturo Rivas, colaborador da MAXI tuning no México, deslocou-se a Dusseldorf, enamorou-se pela cidade e fez amizade com Brandt Kohl que se auto-intitulava um “Rennläuufer Jungen” (algo do tipo: “Jovens das estradas”). Segundo o próprio, ele e os seus amigos divertem-se justamente a desafiar os limites das auto-estradas alemãs (as famosas “autobahn” que, por vezes, não tem limite de velocidade). Deste Corrado poderíamos dizer mil maravilhas, mas teremos que destacar que os quatro longos anos de trabalho de dedicação do

proprietário não deixam transparecer a verdade dos já 15 anos que o modelo leva… O esmero colocado nos detalhes cromados no interior poderiam dar a imagem de que o carro está feito apenas para show, mas não se enganem pois o motor leva este Corrado a outros patamares. Antes das ASA 17” brilhantes que ostenta, esta proposta já experimentou OZ, Katana, BBS entre outras, mas ficou-se por este modelo. Quem vê a actual cor dificilmente imagina que este VW já foi amarelo (sim o anterior proprietário gostava de dar nas vistas…), agora a “sobriedade” deste lilás é bem evidente. Todo o carro foi inteiramente descascado por Brandt que se entregou a um autêntico trabalho

JANTES ASA

7X17" COM 215/40 R17

26

PERFORMANCE

27


POWER CAMARO

São imensas as alterações propostas neste Chevrolet Camaro, com uma estética bastante agressiva e os interiores muito desportivos

TRUQUE

DE MANGA

A

Chevrolet recuperou o Camaro, um dos modelos com mais peso na história daquele construtor, responsável por espalhar o nome da marca para além das terras do “tio Sam”. Faz parte do emblemático universo dos “muscle cars” e apresenta-se aqui como uma proposta bastante arrojada. Para começar, a imagem é uma forte aposta, recorrendo a uma pintura bicolor dividida em preto metálico e manga fluorescente! E como se não bastasse este jogo de cores para chamar as atenções, foi concebido um kit de carroçaria em carbono e aplicadas portas LSD, deixando o Camaro com uma pose única. As aparências levam-nos a “espreitar” o que se passa debaixo do capot e as expectativas não saem defraudadas. O motor continua a ser de oito cilindros mas agora com 7.000 cc, “importado” do Corvette Z06 para substituir o original de

ESTE CHEVROLET CAMARO PROPÕE-NOS UM ALICIANTE LEQUE DE ALTERAÇÕES, INCLUSIVE VISUAL EM CARBONO, PRETO E… MANGA! TEXTO: PEDRO MARTINS FOTOS: EDMUNDO CANO

CARROÇARIA

PORTAS

ELEMENTOS EM CARBONO

VERTICAIS LSD

JANTES BBS 20"

34

PERFORMANCE

35


POWER CAMARO

400 cavalos. A cambota e os pistons são em alumínio forjado, de forma a elevar ao máximo a resistência do V8. Da marca Katech vem a árvore de cames, ao passo que a cabeça do motor é da Kooks. Além destes componentes “de peso”, o Camaro recebe um novo compressor da Procharger, novo intercooler concebido por medida e uma bomba de gasolina Melling com maior débito de combustível. Para

melhorar a qualidade da combustão o propulsor do Corvette monta novas velas e o filtro de ar K&N ajuda a respirar melhor. Estas são alterações que permitem ao Camaro passar a debitar 785 cavalos de potência, um valor, no mínimo, “interessante”! O carácter apelativo no “muscle car” continua nas ligações ao solo, com umas jantes de 20 pol. BBS pretas, contornadas pelo aro cromado e com

pneus Pirelli P Zero. As suspensões também foram modificadas, de forma a “ligar” os 785 cv ao trem inferior. O conjunto foi trocado por outro da Ohlins, com diversas regulações, e aplicaram-se novas barras estabilizadoras. A Brembo é a marca responsável por travar o andamento deste “Chevy”, com oito pistons à frente e quatro atrás, a trabalharem em conjunto com as pastilhas de cerâmica.

O MOTOR V8 VEM DE UM CORVETTE E OFERECE 7,0 L DE CAPACIDADE. AS ALTERAÇÕES PASSAM, POR EXEMPLO, PELA CAMBOTA E PISTONS FORJADOS

JANTES As jantes BBS de 20 polegadas calçam pneus Pirelli P Zero. O sistema de travagem Brembo tem oito pistons nos discos da frente

O motor V8 7.0 foi "importado" de um Corvette. Montou-se um compressor e trocaramse árvores de cames, cabeça de motor, cambota, pistons , bomba de combustível...

36

www.maxituning.com.pt

PERFORMANCE

37


PRO EIBACH

A Eibach pegou num Dodge Challenger e decidiu revelar todo o poderio das suas propostas para este ícone americano

CHALLENGER

O

REI DO ASFALTO

s chamados "muscle-cars" americanos foram reis e senhores da prova de quarto de milha, sensivelmente 400 metros, embora seja bastante fácil actualmente arranjar quem o faça com carros mais rápidos, menos potentes mas muito mais leves e logo mais rápidos. Com uma potência de 425 CV, o motor 6.1 L V8 corresponde à performance do lendário motor Hemi de 426 CV, o mais potente motor original das primeiras séries. Estamos a falar do Dodge Challenger. Esta unidade em específico foi

importada para a Eibach pela USCars24 e homologado para a Alemanha. A Eibach equipou o Dodge com o sistema de suspensão MultiPro-R2 do seu catálogo de produtos para o mercado americano para lhe dar mais acerto no comportamento em estrada. Os pneus escolhidos foram os Toyo Proxes T1R em 265/30 R22. Assim assegurou-se que os 569 Nm de binário não se perdem e são efectivamente transmitidos às rodas. As jantes são as Botticelli III 9.5 x 22 polegadas da OZ. Para dar um toque mais personalizado, o anel exterior das jantes tri-partidas foi pintado com a

tonalidade laranja da carroçaria para lhe dar aquele look custom tão característico do Challenger. O Dodge também está equipado com uma unidade multimédia Alpine instalada pela XTON de Dortmund. A referência é a duplo-Din IVA-W505R e conta ainda com a colaboração do sistema de navegação PMD-B200P. Os altifalantes são também Alpine, série R, bem como o subwoofer na mala. O amplificador é o PDX-5, chegando e sobrando para todo o sistema. Por fim, a afinação áudio ficou a cargo do processador PXA-H100 Imprint.

O DODGE CHALLENGER PROJECT CAR DA EIBACH MOSTRA QUE O MUSCLE CAR VOLTOU AO CHARME DA VERSÃO ORIGINAL E ESTÁ TAMBÉM MAIS RÁPIDO, MAIS FÁCIL DE CONDUZIR E, SOBRETUDO, MAIS AMEAÇADOR PARA OS SEUS OPOSITORES.

70

PERFORMANCE

71


PRO BRABUS SLR

650 O MERCEDES-BENZ SLR MCLAREN, COUPE OU ROADSTER, É UM DOS CARROS DESPORTIVOS MAIS FASCINANTES DO MUNDO. E SÓ FICOU MELHOR COM A INTERVENÇÃO BRABUS.

74

Aqui ao lado está um pormenor das jantes escolhidas: as Brabus Monoblock VI Platinum Edition

CAVALOS

O

s engenheiros e designers da Brabus desenvolveram um programa desportivo exclusivo para o bi-lugar, permitindo aos proprietários personalizarem os seus veículos. A Brabus equipa o SLR com um diferencial auto-blocante com um rácio de 40% de bloqueio o que optimiza a tracção e melhora a aceleração. O tuning Brabus inclui arrefecimento do combustível e árvores de cames especiais aumentando a potência do motor V8 para os 650 CV, fazendo-o chegar aos

100 Km/h em apenas 3.6 segundos e atingir uma velocidade maxima de 340 km/h. Para melhorar a estabilidade da direcção a velocidades elevadas, a Brabus desenvolveu um spoiler para aplicação dianteira. Esta peça em fibra de carbono e elevado recorte aerodinâmico reduz a levitação no eixo dianteiro. O difusor traseiro também é feito de fibra de carbono. As jantes de 20” Brabus Monoblock VI Platinum Edition acrescentam ainda mais carácter ao SLR, preenchendo por completo os arcos das rodas. As jantes são tri-partidas e polidas, têm seis duplos raios e estão montadas

na dimensão 9.5Jx20 à frente e 11.5Jx20 atrás. Os pneus são 255/30 ZR 20 para a frente e 305/25 ZR 20 atrás, Pirelli ou Yokohama. Para o interior, a variedade é muita e depende do que quiseres gastar nos opcionais, desde combinações em pele e alcantara, brincando com as tonalidades. O volante desportivo é altamente funcional com a parte inferior recortada para melhor entrada e saída do carro. Muito aderente, tem também botões integrados nos raios que permitem mudança de velocidade manual ou automática sem retirar as mãos do volante.

PERFORMANCE

75


PRO PPI

R8 RAZOR A EXCLUSIVA EMPRESA ALEMÃ DE TUNING DE AUTOMÓVEIS AUDI, PPI AUTOMOTIVE DESIGN GMBH INTENSIFICA A PRESSÃO SOBRE OS SEUS CONCORRENTES E APRESENTA UM SUPERCARRO EM EDIÇÃO LIMITADA, O PPI RAZOR GTR.

332 km/h Esta é a velocidade que pode atingir. Por isso, se um dia estiveres atrás de um... não lhe faças sinais de luzes. Deixa-te ficar a vê-lo mais um pouco enquanto podes.

Já temos por cá, a circular, alguns R8. Este Razor é um upgrade fabuloso para quem possa ainda dispender mais uns euros a troco de exclusividade extrema.

68

A

PPI, especialista em tuning Audi, focou as atenções em optimizar a relação peso-potência do R8 e enquanto dava mais força ao motor, aumentava a performance, melhorava a dinâmica e conseguia reduzir o peso total com a utilização exaustiva de fibra de carbono, o material do momento. A principal alteração de motor foi a incorporação de um turbo especialmente concebido. Em adição, um sistema de filtro de ar induzido e um escape de alta performance em aço inox foram desenhados para trabalhar com aquele novo sistema de

turbo compressor, alterações que obrigaram a uma reprogramação. O resultado é um carro com 580 CV e um binário máximo de 600 Nm às 6.200 rpm e um decréscimo de peso de 250 Kgs sobre o seu valor original. Na prática, o PPI RAZOR GTR fica habilitado a fazer 3,7 segundos dos 0 aos 100 Km/h e atingir 332 km/h de velocidade máxima. O kit estético alargado dá-lhe a estrutura certa para acomodar melhor performance e jantes mais largas. As jantes do Razor são as MAG11 e utilizam-se na dimensão 10Jx19 com pneus Michelin Pilot Sport 2 255/35 ZR 19 à frente e umas 11.5J x 20 com Michelin

Pilot Sport 2 em 325/25 ZR 20 atrás. A PPI também desenvolveu um sistema de travagem: enormes bombitos de 6 pistons em combinação com discos de 380 x 36 mm à frente e 356 x 32 mm atrás, proporcionando grande superfície de contacto e enorme dissipação de calor. O interior é um autêntico lounge. É utilizada pele com aplicações a laranja. A PPI equipa o Razor com fibra de carbono na alavanca de travão de mão, soleiras nas portas, molduras da consola central, das portas e mesmo as bacquets. Finalmente, há emblemas PPI Razor GTR em alumínio com moldura em fibra de carbono.

PERFORMANCE

69



The Design Dealer Portfolio