Page 1

http://nocabide.wordpress.com/2007/03/19/microfisica-do-poder/

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e Tradução: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. Introdução: Por uma genealogia do poder (Roberto Machado) - Não existe em Foucault uma teoria geral do poder. O que significa dizer que suas análises não consideram o poder como uma realidade que possua uma natureza, uma essência que ele procuraria definir por suas características universais. Não existe algo unitário e global chamado poder, mas unicamente formas díspares, heterogêneas, em constante transformação. O poder não é um objeto natural, uma coisa; é uma prática social e, como tal, constituída historicamente” (p. X) - Para Foucault “toda teoria é provisória, acidental, dependente de um estado de desenvolvimento da pesquisa que aceita seus limites, seu inacabado, sua parcialidade, formulando conceitos que clarificam os dados – organizando-os, explicitando suas interrelações, desenvolvendo implicações – mas que, em seguida, são revistos, reformulados, substituídos a partir de novo material trabalhado. Nesse sentido, nem a arqueologia, nem, sobretudo, a genealogia têm oi objetivos fundar uma ciência, construir um teoria ou se constituir um sistema; o programa que elas formulam é o de realizar análises fragmentárias e transformáveis” (p. XI) - “Uma coisa não se pode negar às análises genealógicas do poder: elas produziram um importante deslocamento em relação à ciência política, que limita ao Estado o fundamental de sua investigação sobre o poder. (...) O que aparece como evidente é a existência de formas de exercício do poder diferentes do Estado, a ele articuladas de maneiras variadas e que são indispensáveis inclusive a sua sustentação e atuação eficaz” (p. XI) - “O que Foucault chamou de microfísica do poder significa tanto um deslocamento do espaço da análise quanto do nível em que esta se efetua. Dois aspectos intimamente ligados, na medida em que a consideração do poder em suas extremidades, a atenção a suas formas locais, a seus últimos lineamentos tem como correlato a investigação dos procedimentos técnicos de poder que realizam um controle detalhado, minucioso do corpo – gestos, atitudes, comportamentos, hábitos, discursos” (p. XII) - “(...) o aparelho de Estado é um instrumento específico de um sistema de poderes que não se encontra unicamente nele localizado, mas o ultrapassa e complementa”. (p. XIII) - “(...) quando em seus estudos Foucault foi levado a distinguir no poder uma situação central e periférica e um nível macro e micro de exercício, o que pretendia era detectar a existência e explicitar as características de relações de poder que se diferenciam do Estado e seus aparelhos. Mas isso não significava, em contrapartida, querer situar o poder em outro lugar que não o Estado, como sugere a palavra periferia. O interessante da análise é justamente que os poderes não estão localizados em nenhum ponto específico da estrutura social. Funcionam como uma 1


rede de dispositivos ou mecanismos a que nada ou ninguém escapa, a que não existe exterior possível, limites ou fronteiras. Daí a importante e polêmica ideia de que o poder não é algo que se detém como uma coisa, como uma propriedade que se possui ou não. (...) Rigorosamente falando, o pode não existe; existem sim práticas ou relações de poder. O que significa dizer que o poder é algo que se exerce, que se efetua, que funciona” (P. XIV) - “Foucault rejeita, portanto, uma concepção do poder inspirada pelo modelo econômico, que o considera como uma mercadoria” (p. XIV e XV); - “A ideia básica de Foucault é de mostrar que as relações de poder não se passam fundamentalmente nem ao nível do direito, nem da violência; nem são basicamente contratuais nem unicamente repressivas” (p. XV) - “O poder possui uma eficácia produtiva, uma riqueza estratégica, uma positividade. E é justamente esse aspecto que explica o fato de que tem como alvo o corpo humano, não para supliciá-lo, mutilá-lo, mas para aprimolá-lo, adestrá-lo” (p. XVI) - “(...) tornar os homens força de trabalho dando-lhes uma utilidade econômica máxima; diminuição de sua capacidade de revolta, de resistência, de luta, de insurreição contra as ordens do poder, neutralização dos efeitos do contra-poder, isto é, tornar os homens dóceis politicamente. Portanto, aumentar a utilidade econômica e diminuir os inconvenientes, os perigos políticos; aumentar a força econômica e diminuir a força política” (p. XVI) - Poder disciplinar ou disciplina – “(...) ela nem é um aparelho, nem uma instituição, na medida em que funciona como uma rede que as atravessa sem se limitar a suas fronteiras (...) É o diagrama de um poder que não atua do exterior, mas trabalha o corpo dos homens, manipula seus elementos, produz seu comportamento, enfim, fabrica o tipo de homem necessário ao funcionamento e manutenção da sociedade industrial e capitalista” (p. XVII) – tornar o homem “útil e dócil” - “A grande importância estratégica que as relações de poder disciplinares desempenham nas sociedades modernas depois do século XIX vem justamente do fato de elas não serem negativas, mas positivas, quando tiramos desses termos qualquer juízo de valor moral ou político e pensamos unicamente na tecnologia empregada. É então que surge uma das teses fundamentais da genealogia: o poder é produtor de individualidade. O indivíduo é uma produção do poder e do saber” (p. XIX) - “A ação sobre o corpo, o adestramento do gesto, a regulação do comportamento, a normalização do prazer, a interpretação do discurso, com o objetivo de separar, comparar, distribuir, avaliar, hierarquizar, tudo isso faz com que apareça pela primeira vez na história esta figura singular, individualizada – o homem – como produção do poder. Mas, também, e ao mesmo tempo, como objeto de saber. Das técnicas disciplinares que são técnicas de individualização, nasce um tipo específico de saber: as ciências humanas” (p. XX) - Arqueologia dos saberes: “Todo conhecimento, seja ele científico ou ideológico, só pode existir a partir de condições políticas que são as condições para que se formem tanto o sujeito quando os domínios de saber. A investigação do saber não deve remeter a um sujeito de 2


conhecimento que seria sua origem, mas a relações de poder que lhe constituem. Não há saber neutro. Todo saber é político. (...) Mas porque todo saber tem sua gênese em relações de poder” (p. XXI) - “O fundamental na análise é que saber e poder se implicam mutuamente: não há relação de poder sem constituição de um campo de saber, como também, reciprocamente, todo saber constitui novas relações de poder. Todo ponto de exercício do poder é, ao mesmo tempo, um lugar de formação de saber” (p. XXI) - “O saber funciona na sociedade dotado de poder. É enquanto é saber que tem poder” (p. XXII) Capítulo I – Verdade e Poder - “Pareceu-me que em certas formas de saber empírico como a biologia, a economia política, a psiquiatria, a medicina, etc, o ritmo das transformações não obedecia aos esquemas suaves e continuistas de desenvolvimento que normalmente se admite (...) Não são simplesmente novas descobertas, é um novo regime no discurso e no saber...” (p. 03); - As rupturas referem-se a uma modificação nas regras de formação dos enunciados que são aceitos como cientificamente verdadeiros. É uma questão de política do enunciado científico. É preciso saber: “... que efeitos de poder circulam entre os enunciados científicos; qual é seu regime interior de poder; como e por que em certos momentos ele se modifica de forma global” (p. 04); - Genealogia para Foucault – “(...) isto é, uma forma de história que dê conta da constituição dos saberes, dos discursos, dos domínios de objeto, etc. sem ter que se referir a um sujeito, seja ele transcendente com relação ao campo de acontecimentos, seja perseguindo sua identidade vazia ao longo da história” (p. 07); - Importância de cois conceitos: - Ideologia: para Foucault essa palavra é dificilmente utilizável porque “ela está sempre em oposição virtual a alguma coisa que seria a verdade (...) Segundo inconveniente: refere-se necessariamente a alguma coisa como o sujeito. Enfim, a ideologia está em posição secundária com relação a alguma coisa que deve funcionar para ela como infra-estrutura ou determinação econômica, material, etc” (p. 7) - Repressão: “Quando se define os efeitos do poder pela repressão, tem-se uma concepção puramente jurídica deste mesmo poder; identifica-se o poder a uma lei que diz não. (...) O que faz com que o poder se mantenha e que seja aceito é simplesmente que ele não pesa só como uma força que diz não, mas que de fato ele permeia, produz coisas, induz ao prazer, forma saber, produz discurso. Deve-se considerá-lo como uma rede produtiva que atravessa todo o corpo social muito mais do que uma instância negativa que tem como função reprimir” (p. 07 e 08) - “... a verdade não existe fora do poder ou sem poder (...) A verdade é deste mundo; ela é produzida nele graças a múltiplas coerções e nele produz efeitos regulamentados de poder. Cada sociedade tem o seu regime de verdade, sua “política geral” de verdade, isto é, os tipos de discursos que ela acolhe e faz funcionar como verdadeiro... o estatuto daqueles que têm o encargo de dizer que funciona como verdadeiro” (p. 12). 3


- “... a verdade é centrada na forma do discurso científico e nas instituições que o produzem; está submetida a uma constante incitação econômica e política (necessidade de verdade tanto para a produção econômica, quanto para o poder político); é objeto, de várias formas, de uma imensa difusão e de um imenso consumo (circula nos aparelhos de educação ou de informação, cuja extensão no corpo social é relativamente grande, não obstante algumas limitações rigorosas); é produzida e transmitida sob o controle, não exclusivo, mas dominante, de alguns grandes aparelhos políticos ou econômicos (universidade, exército, escritura, meios de comunicação); enfim, é objeto de debate político e de confronto social (as lutas ideológicas)” (p. 13). - “... por verdade não quero dizer o conjunto das coisas verdadeiras a descobrir ou a fazer aceitar, mas o conjunto de regras segundo as quais se distingue ao verdadeiro do falso e se atribui aos verdadeiros efeitos específicos de poder” (p. 13). Capítulo II – Nietzche, a genealogia e a história -“A genealogia não se opõe à história como a visão altiva eprofunda do filósofo ao olhar de toupeira do cientista: ela se opõe, ao contrário, ao desdobramento meta-histórico das significações ideais e das indefinidas teleologias. Ela se opõe à pesquisa da ‘origem’” (p. 16); - Nietzsche aborda a questão da genealogia em dois momentos: a) A Gaia Ciência; b) Para Genealogia da Moral; c) Humano, demasiadamente humano. Porque recusar a pesquisa da origem? - “Porque, primeiramente, a pesquisa, nesse sentido, se esforça para recolher nela a essência exata da coisa, sua mais pura possibilidade, sua identidade cuidadosamente recolhida em si mesma, sua forma imóvel e anterior a tudo o que é externo, acidental, sucessivo. Procurar uma tal origem é tentar reencontrar o que era imediatamente, o aquilo mesmo de uma imagem exatamente adequada de si (...) é querer tirar todas as máscaras para desvelar, enfim, uma identidade primeira”. (p. 17). - “De fato, ela é apenas uma invenção das classes dominantes. O que se encontra no começo histórico das coisas não é a identidade ainda preservada da origem - é a discórdia entre as coisas, é o disparate. A história ensina também a rir das solenidades da origem. A alta origem é o exagero metafísico que reaparece na concepção de que no começo de todas as coisas se encontra o que há de mais precioso e de mais essencial” (p. 18). - Fazer genealogia é “... demorar nas meticulosidades e nos acasos dos começos; prestar uma atenção escrupulosa a sua derrisória maldade; esperar vê-los surgir, máscaras, enfim, retiras com o rosto do outro; não ter pudor de ir procurá-las lá onde elas estão, escavando os basfond; deixarlhes o tempo de elevar-se do labirinto onde nenhuma verdade as manteve jamais sob sua guarda. O genealogista necessita da história para conjurar a quimera da origem...” (p. 19). - “Lá onde a alma pretende se unificar, lá onde o Eu inventa para si uma identidade ou uma coerência, o genealogista parte em busca do começo - dos começos inumeráveis que deixam esta suspeita de cor, esta marca quase apagada que não saberia enganar um olho, por pouco histórico que seja; a análise da proveniência permite dissociar o Eu e fazer pulular nos lugares e recantos de sua síntese vazia, mil acontecimentos agora perdidos” (p. 20). - “A genealogia não pretende recuar no tempo para restabelecer uma grande continuidade para além da dispersão do esquecimento; sua tarefa não é a de mostrar que o passado ainda está lá, bem vivo no presente, animando-o ainda em segredo, depois de ter imposto a todos os obstáculos do 4


percurso uma forma delineada desde o início” (p. 21) - “A genealogia, como análise da proveniência, está, portanto, no ponto de articulação do corpo com a história. Ela deve mostrar o corpo inteiramente marcado de história e a história arruinando o corpo” (p. 22). - “Colocando o presente na origem, a metafísica leva a acreditar no trabalho obscuro de uma destinação que procuraria vir à luz desde o primeiro momento. A GENEALOGIA restabelece os diversos sistemas de submissão: não a potência antecipadora de um sentido, mas o jogo casual da dominação. A emergência se produz sempre em um determinado estado das forças...” (p. 23). - “É preciso despedaçar o que permitia o jogo consolante dos reconhecimentos. Saber, mesmo na ordem histórica, não significa “reencontrar” e, sobretudo, não significa “reencontrar-nos”. A história será “efetiva” na medida em que ela reintroduzir o descontínuo em nosso próprio ser” (p.27). - “A história “efetiva” faz ressurgir o acontecimento no que ele pode ter de único e agudo. É preciso entender por acontecimento não uma decisão, um tratado, um reino, ou uma batalha, mas uma relação de forças que se inverte, um poder confiscado...” (p. 28). - “Os historiadores procuram, na medida do possível, apagar o que pode revelar, em seu saber, o lugar de onde eles olham, o momento em que eles estão, o partido que eles tomam – o incontrolável de sua paixão” (p. 30). - “A genealogia é a história como um carnaval organizado” (p. 34). “... esta identidade, bastante fraca, contudo, que nós tentamos assegurar e reunir sob uma máscara, é apenas uma paródia: o plural a habita, almas inumeráveis nela disputam; o sistemas se entrecruzam e se dominam uns aos outros” (p. 34). - “A história, genealogicamente dirigida, não tem por fim reencontrar as raízes de nossa identidade, mas ao contrário, se obstinar em dissipá-la, ela não pretende demarcar o território único de onde nós viemos, essa primeira pátria à qual os metafísicos prometem que nós retornaremos; ela pretende fazer aparecer todas as descontinuidades que nos atravessam... Tratavase, então, de reconhecer continuidades nas quais se enraíza nosso presente: continuidades do solo, da língua, da cidade...” (p. 34 e 35). - “Se a genealogia coloca, por sua vez, a questão do solo que nos viu nascer, da língua que falamos ou das leis que nos regem, é para clarificar os sistemas heterogêneos que, sob a máscara de nosso eu, nos proíbem toda identidade” (p. 35). Capítulo III – Sobre a justiça popular - “A minha hipótese é que o tribunal não é a expressão natural da justiça popular mas, pelo contrário, tem por função histórica reduzi-la, dominá-la, sufocá-la, reinscrevendo-a no interior de instituições no interior de instituições características do aparelho do Estado” (p. 39); - “Quem diz tribunal, diz que a luta entre as forças em presença está, quer queiram, quer não, suspensa; que, em todo caso, a decisão tomada não será o resultado deste combate, mas o da intervenção de um poder que lhes será, a uns e aos outros, estranho e superior; que este poder está em posição de neutralidade entre elas e, por conseguinte, pode, ou em todo caso, deveria, reconhecer, na própria causa, de que lado está a justiça. O tribuna implica também a existência de categorias comuns às partes em presença (...) e que as parte em presença aceitem submeter-se a 5


elas. (...) Todas essas ideias são armas de que a burguesia se tem servido no exercício do poder. É por isso que me incomoda a ideia de um tribunal popular” (p. 60) - “(...) o ato de justiça através do qual se responde ao inimigo de classe não pode ser confiado a uma espécie de espontaneidade instantânea, não refletida, não integrada a uma luta de conjunto. É preciso encontrar as formas de elaborar, pela discussão e pela informação, esta necessidade de revide que existe, com efeito, nas massas. Em todo caso, o tribunal com sua tripartição entre as duas partes e a instância neutra, decidindo em função de uma justiça que existe em si e para si, me parece um modelo particularmente nefasto para a elucidação, para a elaboração política da justiça popular” (p. 62); - “É ato de justiça popular uma ação feita pelas massas – uma parte homogênea do povo – contra o seu inimigo direto considerado como tal em revide a um dano preciso” (p. 63); - (...) um ato de justiça popular não pode atingir a plenitude da sua significação se não for politicamente elucidado, controlado pelas próprias massas” (p. 63 e 63); - “Pessoalmente, a ideia que eu quis introduzir na discussão é a de que o aparelho de Estado burguês de justiça, cuja forma visível simbólica é o tribuna, tinha por função essencial introduzir e multiplicar contradições no seio das massas, principalmente entre proletariado e plebe não ploretarizada e que, por isso, as formas desta justiça e a ideologia que está ligada a elas devem torna-se alvo da nossa luta atual” (p. 68) - “Direi para concluir que a reutilização de uma forma como a do tribunal, com tudo o que ela implica (...) deve também passar pelo crive de uma crítica muito severa; e eu só vejo re-utilização valida para ela no caso em que se possa, paralelamente a um processo burguês, abrir um contraprocesso que faça aparecer como mentira a verdade so outro, e como abuso de poder as suas decisões” (p. 68) Capítulo IV – Os intelectuais e o poder - Segundo Foucault as funções dos intelectuais eram de dizer a verdade “àqueles que ainda não a viam e em nome daqueles que não podiam dizê-la: consciência e eloquência” (p. 70 e 71) - “Ora, o que os intelectuais descobriram recentemente é que as massas não necessitam deles para saber; elas sabem perfeitamente, claramente, muito melhor do que eles; e elas o dizem muito bem. Mas existe um sistema de poder que barra, proíbe, invalida esse discurso e esse saber. Poder que não se encontra somente nas instâncias superiores de censura, mas que penetra muito profundamente, muito sutilmente em toda a trama da sociedade” (p. 71) - Foucault afirma que talvez ainda não saibamos o que é o poder: “Max e Freud talvez não sejam suficientes para nos ajudar a conhecer essa coisa tão enigmática, ao mesmo tempo visível e invisível, presente e oculta, investida em toda parte, que se chama poder” (p. 75) - “’Dominar’, ‘dirigir’, ‘governar’, ‘grupo de poder’, ‘aparelho de Estado’, etc, é tudo um conjunto de noções que exige análise. Além disso, seria necessário saber até onde se exerce o poder, através de que revezamentos e até que instâncias, frequentemente ínfimas, de controle, de vigilância, de 6


proibições, de coerções. Onde há poder, ele se exerce. Ninguém é, propriamente falando, seu titular; e, no entanto, ele sempre se exerce em determinada direção, com uns de um lado e outros do outro; não se sabe ao certo quem o detém; mas se sabe quem não o possui” (p. 75) - “(...) as relações entre desejo, poder e interesse são mais complexas do que geralmente se acredita e não são necessariamente os que exercem o poder que têm interesse em exercê-lo, os que têm interesse em exercê-lo não o exercem e o desejo do poder estabelece uma relação ainda mais singular entre o poder e o interesse. (...) É possível que as lutas que se realizam agora e as teorias locais, regionais, descontínuas, que estão se elaborando nessas lutas e fazem parte delas, sejam o começo de uma descoberta do modo como se exerce o poder” (p. 77) Capítulo V – O nascimento da medicina social - “Minha hipótese é que com o capitalismo não se deu a passagem de uma medicina coletiva para uma medicina privada, mas justamente o contrário: que o capitalismo, desenvolvendo-se em fuins do século XVIII e início do século XIX, socializou um primeiro objeto que foi o corpo enquanto força de produção, força de trabalho. O controle da sociedade sobre o indivíduo não se opera simplesmente pela consciência ou pela ideologia, mas começa no corpo, com o corpo. Foi no biológico, no somático, no corporal que, antes de tudo, investiu a sociedade capitalista. O corpo é uma realidade bio-política” (p. 80); - Foucault destaca 3 etapas na formação da medicina social: Medicina de Estado (Alemanha); Medicina Urbana (França) e Medicina da força de trabalho (Inglaterra); - Medicina de Estado: desenvolveu-se sobretudo na Alemanha, no começo do século XVIII; - “Na Alemanha (...) se desenvolverá uma prática médica efetivamente centrada na melhoria do nível de saúde da população” (p. 83); - “A polícia médica, que é programada na Alemanha, em meados do século XVIII, e que será efetivamente posta em aplicação no final do século XVIII e começo do XIX, consiste em: 1. “Um sistema muito mais completo de observação da morbidade do que os simples quadros de nascimento e morte” (p. 83); 2. Um fenômeno importante de normalização da prática e do saber médicos. (...) A medicina e o médico são, portanto, o primeiro objeto da normalização” (p. 83); 3. “Uma organização administrativa para controlar a atividade dos médicos” (p. 84); 4. “A criação de funcionários médicos nomeados pelo governo com responsabilidade sobre uma região, seu domínio de poder ou de exercício da autoridade de seu saber. (...) Aparece, neste momento, o médico como administrador de saúde” (p. 84). - “Essa medicina de Estado que aparece de maneira bastante precoce (...) não tem, de modo algum, por objeto a formação de uma força de trabalho adaptada às necessidades das indústrias que se desenvolviam neste momento” (p. 84) - Medicina social: é representada pelo exemplo da França, em fins do século XVIII. - “É com o desenvolvimento das estruturas urbanas que se desenvolve, na França, a medicina social” (p. 85) - “Nasce o que chamarei de medo urbano, medo da cidade, angústia diante da cidade que vai se caracterizar por vários elementos: medo das oficinas e fábricas que estão se construindo, do 7


amontoamento da população, das casas altas demais, da população numerosa demais; medo também das epidemias urbanas (...)” (p. 87); - “A medicina urbana com seus métodos de vigilância, de hospitalização, etc., não é mais do que um aperfeiçoamento, na segunda metade do século XVIII, do esquema político-médico da quarentena que tinha sido realizado no final da Idade Média, nos séculos XVI e XVII. A higiene pública é uma variação sofisticada do tema da quarentena e é daí que provém a grande medicina urbana que aparece na segunda metade do século XVIII e se desenvolve sobretudo na França” (p. 89) - Três objetivos da medicina urbana: 1. “Analisar os lugares de acúmulo e amontoamento de tudo que, no espaço urbano, pode provocar doença, lugares de formação e difusão de fenômenos epidêmicos ou endêmicos” (p. 89) 2. “... controle da circulação. Não da circulação dos indivíduos, mas das coisas ou dos elementos, essencialmente a água e o ar” (p. 90); 3. “Outro grande objetivo da medicina urbana é a organização do que chamarei distribuições e sequências” (p. 90); - “A medicina urbana não é verdadeiramente uma medicina dos homens, corpos e organismos, mas uma medicina das coisas: as, água, decomposições, fermentos; uma medicina das condições de vida e do meio de existência” (p. 92) - Medicina da força de trabalho: exemplo do modelo inglês; - “A medicina dos pobres, da força de trabalho, do operário não foi o primeiro alvo da medicina social, mas o último. Em primeiro lugar o Estado, em seguida a cidade e finalmente, os pobres e trabalhadores foram objeto da medicalização” (p. 93) - “De maneira geral, pode-se dizer que, diferentemente da medicina urbana francesa e da medicina de Estado da Alemanha do século XVIII, aparece, no século XIX e sobretudo na Inglaterra, uma medicina que é essencialmente um controle da saúde e do corpo das classes mais pobres para torná-las mais aptas ao trabalho e menos perigosas às classes mais ricas” (p. 97); - “Essa fórmula de medicina social inglesa foi a que teve futuro, diferentemente da medicina urbana e sobretudo da medicina de Estado. (...) Enquanto o sistema alemão da medicina de Estado era pouco flexível e a medicina urbana francesa era um projeto geral de controle sem instrumento preciso de poder, o sistema inglês possibilitava a organização de uma medicina com faces e formas de poder diferentes segundo se tratasse da medicina assistencial, administrativa e privada, setores bem delimitados que permitiram, durante o final do século XIX e primeira metade do século XX, a existência de um esquadrinhamento médico bastante complexo” (p. 97 e 98). Capítulo VI – O nascimento do hospital - “A partir de que momento o hospital foi programado como um instrumento terapêutico, instrumento de intervenção sobre a doença e o doente, instrumento suscetível, por si mesmo ou por alguns de seus efeitos de produzir cura?” (p. 99). - Viagens-inquérito do inglês Howard (1775/1780) e do francês Tenon apresentaram tais características: 1 “Definir, depois do inquérito, um programa de reconstrução dos hospitais”.(...) Considera-se que nenhuma teoria médica por si só é suficiente para definir um programa hospitalar”. 8


2 “Esse inquéritos dão poucos detalhes sobre o exterior do hospital ou sobre a estrutura geral do edifício.Não são mais descrições de monumentos, como a dos viajantes clássicos, nos séculos XVII e XVIII, mas descrições funcionais” (p. 99 e 100). 3 “Os autores dessas descrições funcionais da organização não são mais arquitetos”. Tenon é médico e Howard tem uma competência quase sócio-médico. “Surge, portanto, um novo olhar sobre o hospital considerado como máquina de curar e que, se produz efeitos patológicos, de ser corrigido”. ((p. 101) - “Antes do século XVIII, o hospital era essencialmente uma instituição de assistência aos pobres. Instituição de assistência como também de separação e exclusão”. (...) “O hospital permanece com essas características até o começo do século XVIII e o Hospital Geral, lugar de internamento, onde se justapõem e se misturam doentes, loucos, devassos, prostitutas, etc., é ainda, em meados do século XVII, uma espécie de instrumento misto de exclusão, assistência e transformação espiritual, em que a função médica não aparece”. (p. 101 e 102) Como o hospital foi medicalizado e a medicina pôde tornar-se hospital? Purificando o hospital dos efeitos nocivos e desordem que ele acarretava. - “E desordem aqui significa doenças que ele podia suscitar nas pessoas internadas e espalhar na cidade em que estava situado, como também a desordem econômica-social de que ele era foco perpétuo” (p. 103). - “Os primeiros exemplos de organização foram vistos nos hospitais marítimos e militares na Europa, por meio da disciplina, pois “Quando se forma um soldado não se pode deixá-lo morrer”, em função dos custos que essa formação ocasionou” (p. 104). - “A disciplina é uma técnica de exercício de poder que foi, não inteiramente inventada, mas elaborada em seus primórdios fundamentais durante o século XVIII. (...) sendo uma “nova maneira de gerir os homens, controlar suas multiplicidades, utilizá-las ao máximo e majorar o efeito útil de seu trabalho e sua atividade, graças a um sistema de poder suscetível de controlá-los” (p. 105). Assim, o que surge nessa época nas escolas e no exército: (p. 105, 106 e 107). 1 – Distribuição espacial dos indivíduos. “É a individualização pelo espaço, a inserção dos corpos em um espaço individualizado, classificatório, combinatório”; 2 – Disciplina exerce o controlo sobre o desenvolvimento e gestos. “É assim que nas oficinas aparece o famoso e sinistro personagem do contra-mestre, destinado não só a observar se o trabalho foi feito, mas como é feito, como ser feito mais rapidamente e com gestos melhor adaptados”; 3 – Vigilância perpétua e constante dos indivíduos; 4 – Registro contínuo. “É o poder de individualização que tem o exame como instrumento fundamental”. - “As razões econômicas, o preço atribuído ao individuo, o desejo de evitar que as epidemias se propaguem explicam o esquadrinhamento disciplinar a que estão submetidos os hospitais” (p. 107). 9


- Duplo nascimento do hospital – Técnicas de poder disciplinar e médica e intervenção sobre o meio. (p. 108, 109 e 110). 1 – O espaço em que está situado o hospital deve estar ajustado ao esquadrimento sanitário da cidade e a distribuição interna do seu espaço deve ser ajustada, pois a estrutura espacial do hospital é um meio de intervenção sobre o doente. 2 – Transformação do sistema de poder no interior do hospital, em especial concedendo mais poder à atuação médica em detrimento de religiosos que comandam o hospital. 3 – Registro das ações hospitalares. “Constitui-se, assim, um campo documental no interior do hospital que não é somente um lugar de cura, mas também de registro, acúmulo e formação de saber” (p. 110). Capítulo VII – A casa dos loucos - “Se existe uma geografia da verdade essa é a dos espaços onde reside, e não simplesmente a dos lugares onde nos colocamos para melhor observá-la” (p.113) - “Podemos então supor na nossa civilização e ao longo dos séculos a existência de uma tecnologia da verdade que foi pouco a pouco sendo desqualificada, recoberta e expulsa pela prática científica e pelo discurso filosófico. A verdade aí não aquilo que é, mas aquilo que se dá: acontecimento. (...) Deste acontecimento que assim se produz impressionando aquele que o buscava a relação não é do objeto ao sujeito do conhecimento. É uma relação ambígua, reversível, que luta belicosamente por controle, dominação e vitória: uma relação de poder” (p.114 e 115) - Produção da verdade e a imposição do conhecimento: (p. 116 e 117) 1 – O estabelecimento e a generalização do procedimento do inquérito na prática política e na prática judiciária, civil ou religiosa; 2 – Procedimentos jurídico-político pôde se incorporar a uma tecnologia que permitia um inquérito sobre a natureza; 3- No elemento da verdade, constatada por instrumentos possuidores de função universal, a química e a eletricidade permitiram que fenômenos fossem produzidos (experimentação). - “Por muito tempo e ainda em boa parte nos nossos dias, a medicina, a psiquiatria, a justiça penal, e a criminologia ficaram nos confins de uma manifestação da verdade nas normas do conhecimento, e de uma produção da verdade na forma de prova: esta tendendo sempre a se esconder sob aquela e procurando através dela justificar-se”. A crise dessas disciplinas coloca em questão a norma “sujeito-objeto”. (p.118) - Exemplo de crise na Medicina – “Até pouco tempo o hospital foi um lugar ambíguo: de constatação para uma verdade escondida e de prova para uma verdade a ser produzida. (...) Daí toda uma séria de problemas que atravessaram o pensamento e a prática dos médicos” (p.118 e 119). Entretanto, depois de pesquisas e constatações “O meio hospitalar não tem mais que ser para a doença o lugar favorável para um acontecimento decisivo. Ele permite simplesmente uma 10


redução, uma transferência, um aumento, uma constatação. A prova se transforma em teste na estrutura técnica do laboratório e na representação do médico” (p.120) - Psiquiatra e o interior do espaço asilar: “Antes do século XVIII a loucura não era sistematicamente internada e era essencialmente considerada como uma forma de erro ou de ilusão. (...) A prática do internamento no começo do século XIX, coincidiu com o momento em que a loucura é percebida menos com relação ao erro do que com relação à conduta regular e normal” (p.1120 e 121) - “Em todo caso, me parece que todos os grandes abalos que sacudiram a psiquiatria desde o fim do século XIX, essencialmente colocaram em questão o poder do médico. Seu poder e o efeito que produzia sobre o doente, mais ainda que seu saber e a verdade daquilo que dizia sobre a doença” (p.123) - Formas de Despisiquiatria: “reduzir a doença à sua realidade estrita”; “tornar a produção da loucura em sua verdade a mais intensa possível, mas fazendo de maneira que as relações de poder entre médico e doente sejam investidas equitativamente nesta produção” ou a psicanálise – “retirada para fora do espaço do asilo a fim de apagar os efeitos paradoxais do sobre-poder psiquiátrico” (p.124 e 125) - Antipsiquiatria: “Como se pode ver tudo é questão de poder: dominar o poder do louco, neutralizar o poder que de fora possa se exercer sobre eles, estabelecer um poder terapêutico e de adestramento, de ‘ortopedia’. Ora, é precisamente a instituição como lugar, forma de distribuição e mecanismo destas relações de poder que a antipsiquiatria ataca” (p.126) Capítulo VIII – Sobre a prisão - “No caso da prisão não haveria sentido em limitarmo-nos aos discursos formulados sobre a prisão. Há igualmente aqueles que vêm da prisão: as decisões, os regulamentos que são elementos constituintes da prisão, o funcionamento e a permanência da instituição. É tudo isto que é preciso ao mesmo tempo recolher e fazer aparecer” (p.130) - Punição à vigilância: “A mitologia do soberano não era mais possível a partir do momento em que uma certa forma de poder se exercia no corpo social. O soberano tornava-se então um personagem fantástico, ao mesmo tempo monstruoso e arcaico” (p.131) - Delinqüência: A sociedade sem delinqüência foi um sonho do século XVII que depois acabou. A delinqüência era por demais útil para que se pudesse sonhar com algo tão tolo e perigoso como uma sociedade sem delinqüência. “Sem delinqüência não há polícia.” (p.139-138) - “O humanismo se engana, assim, ao estabelecer a separação entre o saber e poder. Eles estão integrados, e não se trata de sonhar com um momento em que o saber não dependeria mais do poder, o que seria uma maneira de reproduzir, sob forma utópica o mesmo humanismo. Não é 11


possível que o poder se exerça sem o saber, não é possível que o saber não engendre poder” (p.142) Capítulo IX – Poder - Corpo - “Eu acho que o grande fantasma é a ideia de um corpo social constituído pela universalidade das vontades. Ora, não é consenso que faz surgir o corpo social, mas a materialidade do poder se exercendo sobre o próprio corpo dos indivíduos” (p.146) - “O corpo se tornou aquilo que está em jogo numa luta entre os filhos e os pais, entre a criança e as instâncias de controle. A revolta do corpo sexual é contra efeito dessa ofensiva. Como é que o poder responde? Através de uma exploração econômica (e talvez ideológica) da erotização, desde os produtos ara bronzear até os filmes pornográficos...” (p.147) - “A coerência não resulta do desvelamento de um projeto, mas da lógica de estratégias que se opõem umas às outras. È pelo estudo dos mecanismos que penetraram nos corpos, nos gestos, nos comportamentos, que é preciso construir a arqueologia das ciências humanas. Ela encontra, assim, um das condições de sua emergência: o grande esforço de disciplinarização e de normalização realizado pelo século XIX. Freud sabia bem disso. Em matéria de normalização, ele tinha consciência de ser mais forte que os outros” (151) Capítulo X – Sobre a geografia - “Legislar para toda a ciência é o projeto positivista. Eu me pergunto se em certas formas de marxismo ‘renovado’ não se caiu em tentação semelhante, que consistiria em dizer: o marxismo, como ciência das ciências, pode fazer a teoria das ciências e estabelecer a separação entre ciência e ideologia. Ora, essa posição de árbitro, de juiz, de testemunha universal, é um papel a que me recuso absolutamente, pois me parece ligado à instituição da filosofia” (p. 154) - “Achar um lugar para a geografia seria o mesmo que dizer que a arqueologia do saber tem um projeto de recobrimento total e exaustivo de todos os domínios do saber, o que de modo algum é o que tenho em mente. A arqueologia do saber é simplesmente um modo de abordagem” (p. 155156) - “Metaforizar as transformações do discurso através de um vocabulário temporal conduz necessariamente à utilização do modelo da consciência individual, com sua temporalidade própria. Tentar ao contrário decifrá-lo através de metáforas espaciais, estratégicas, permite perceber exatamente os pontos pelos quais os discursos se transformam em, através de e a partir das relações de poder” (p. 158) - “Com o panoptismo, eu viso a um conjunto de mecanismos que ligam os feixes de procedimentos de que se servem o poder. O panopstismo foi uma invenção tecnológica na ordem do poder, como uma máquina a vapor o foi na ordem da produção. (...) Fez-se nesses lugares a experimentação da vigilância integral. (...) O panoptismo não foi confiscado pelos parelhos de 12


Estado, mas estes se apoiaram nessa espécie de pequenos panoptismos regionais e dispersos. (...) O poder não tem por função única reproduzir as relações de reprodução. As redes da dominação e os circuitos da exploração se recobrem, se apóiam e interferem uns nos outros, mas coincidem” (p. 160) - “Cada vez mais me parece que a formação dos discursos e a genealogia do saber devem ser analisadas a partir não dos tipos de consciência, das modalidades de percepção ou das formas de ideologia, mas das táticas e estratégias de poder” (p. 164-165) Capítulo XI – Genealogia e Poder - Duas características surgiram com o tempo: O caráter local da crítica que “indica na realidade algo que seria uma espécie de produção teórica autônoma, não centralizada, Istoé, que não tem necessidade, para estabelecer, sua validade, da concordância de um sistema comum” e a crítica local se efetua através do retorno do saber sendo verdade que nos últimos anos “ encontramos frequentemente, ao menos ao nível superficial, toda uma temática do tipo: não mais o saber mas a vida, não mais o conhecimento mas o real, não mais o livro mas a trip, etc” (p. 169). Surge então a insurreição dos saberes dominados. - “Portanto, os saberes dominados são estes blocos de saberes históricos que estavam presentes e mascarados no interior dos conjuntos funcionais e sistemáticos e que a crítica pode fazer reaparecer, evidentemente através do instrumento da erudição”. Os saberes dominados também podem ser entendidos como “saberes que tinham sido desqualificados como não competentes ou insuficientemente elaborados: saberes ingênuos, hierarquicamente inferiores, saberes abaixo do nível requerido do conhecimento ou da cientificidade” (p. 170). - “Nos domínios especializados da erudição como nos saberes desqualificados das pessoas jazia a memória dos combates, exatamente aquela que até então tinha sido subordinada. (...) Delineou-se assim o que se poderia chamar uma genealogia, ou melhor, pesquisas genealógicas múltiplas, ao mesmo tempo redescoberta exata das lutas e memória bruta dos combates” (p. 170-171). - Ao libertar da sujeição os saberes históricos, “As genealogias não são, portanto retornos positivistas a uma forma de ciência mais atenta ou mais exata, mas anti-ciências. (...) Trata-se da insurreição dos saberes não tanto quanto ao conteúdo, os métodos e os conceitos de uma ciência, mas de uma insurreição dos saberes antes de tudo contra os efeitos dos poderes centralizadores que estão ligados à instituição e ao funcionamento de um discurso científico organizado no interior de uma sociedade como a nossa” (p. 171). - A questão das genealogias será: “A análise do poder ou dos poderes pode ser, de uma maneira ou de outra, deduzida da economia?” (...) De modo geral, em um caso temos um poder político que encontraria no procedimento de troca, na economia da circulação dos bens o seu modelo formal e, no outro, o poder político teria na economia sua razão de ser histórica, o princípio de sua forma concreta e do seu funcionamento atual” (p.174-175)

13


- “Se o poder se exerce, o que é este exercício, em que consiste, qual é sua mecânica?” (p. 176) (...) 1 – O poder é essencialmente repressivo e 2 – o poder é combate, confronto e guerra por outros meios. - Logo, “As relações de poder na sociedade tem essencialmente por base uma relação de força estabelecida; (...) No interior desta paz civil, as lutas políticas, os confrontos a respeito do poder, com o poder e pelo poder (...) tudo isso deve ser interpretado apenas como continuações da guerra (...) e o final da política seria a última batalha, isto é, só a última batalha suspenderia finalmente o exercício do poder como guerra prolongada” (p. 176).

Capítulo XII – Soberania e Disciplina - “Afirmar que a soberania é o problema central do direito nas sociedades ocidentais implica, no fundo, dizer que o discurso e a técnica do direito tiveram basicamente a função de dissolver o fato da dominação dentro do poder para, em seu lugar, fazer aparecer duas coisas: por um lado, os direitos legítimos da soberania e , por outro, a obrigação legal da obediência. O sistema do direito é inteiramente centrado no rei e é, portanto, a eliminação da dominação de suas conseqüências” (p. 181) - “O sistema do direito, o campo judiciário são canais permanentes de relações de dominação e técnicas sujeição polimorfas. O direito deve ser visto como um procedimento de sujeição, que ele desencadeia, e não como uma legitimidade a ser estabelecida. Para mim, o problemas é evitar a questão- central para o direito – da soberania e da obediência dos indivíduos que lhe são submetidos e fazer aparecer em seu lugar o problema da dominação e da sujeição” (p. 182) - Precauções metodológicas: “(...) em vez de orientar a pesquisa sobre o poder no sentido do edifício jurídico da soberania, dos aparelhos de Estado e das ideologias que o acompanham, devese orientá-la para a dominação, os operadores materiais, as formas de sujeição, os usos e as conexões da sujeição pelos sistemas locais e os dispositivos estratégicos. É preciso estudar o poder colocando-se fora do modelo do Leviatã, fora do campo delimitado pela soberania jurídica e pela instituição estatal. É preciso estudá-lo a partir das técnicas e táticas de dominação” (p. 186) - “Mas no século XVII e XVIII, ocorre um fenômeno importante: o aparecimento, ou melhor, a invenção de uma nova mecânica de poder, com procedimentos específicos, instrumentos totalmente novos e aparelhos bastante diferentes, o que é absolutamente incompatível com as relações de soberania” (p. 187) - “Contra as usurpações da mecânica disciplinar, contra a ascensão de um poder ligado ao saber científico, estamos hoje numa situação tal que o único recurso aparentemente sólido que nos resta é exatamente o recurso ou o retorno a um direito organizado em torno da soberania” (p. 190)

14


Capítulo XIII – A POLÍTICA DA SAÚDE NO SÉCULO XVIII

Foucault começa o primeiro parágrafo esclarecendo a diferença entre uma medicina privada, sujeita ao mercado e uma política médica calcada na coletividade, com alicerces em um modelo estrutural de poder. Segundo o autor, o século XVIII evidencia o desenvolvimento de uma medicina francesa e européia com bases mercadológicas, isto é, clientela privada, crescimento de cuidados médicos por parte das famílias e seus membros, uma medicina centrada no diagnóstico, dentre outras características. Essa medicina não pode ser desvinculada da organização de uma política de saúde, bem como de uma análise político-econômica das doenças. Em suma, ambas as medicinas a que Foucault se refere - privada e coletiva – possuem uma estratégia global entre si, fenômeno este que irá denominar “noso-política”. Esta não surgiu no século XVIII, mas veio à tona submetida a novas regras. Porém, o autor chama atenção para uma questão fundamental: a noso-política não deve ser responsabilidade apenas dos aparelhos do Estado, mas também de múltiplas políticas de saúde existentes em diferentes grupos sociais como religiosos, sociedades filantrópicas, científicas, etc. A saúde é problematizada no século XVIII a partir de esferas múltiplas onde o Estado intervém diretamente, resistindo ou não às solicitações por parte destas. Essa intervenção não era uniforme, contudo, a nosso-política, apesar de possuir múltiplas direções, surgia como um objetivo geral na esfera social. Uma das marcas principais é o deslocamento dos problemas de saúde à assistência. Até o fim do século XVII, os encargos coletivos de doenças eram feitos por meio de assistência às classes menos favorecidas, com exceção de epidemias e épocas de quarentena em grandes portos. Essa medicina tida como serviço era dirigida aos pobres doentes, economicamente sustentada por fundações de caridade. Já em relação ao funcionamento dos hospitais nessa mesma época, a área onde este tipo de assistência atuava era limitado, restrito apenas à ajuda material, bem como o enquadramento administrativo. “...Na figura do ‘pobre necessitado’ que merece hospitalização, a doença era apenas um dos elementos em um conjunto que compreendia também a enfermidade, a idade, a impossibilidade de encontrar trabalho, a ausência de cuidados...” (pág 195) “...Mas é preciso, também, chamar atenção para um outro processo, mais geral que o primeiro e que não é o seu simples desdobramento: o surgimento da saúde e do bem –estar físico da população em geral como um dos objetivos essenciais do poder político...” (pág 196)

15


“No momento em que os procedimentos mistos de assistência são decompostos e decantados, e em que se delimita, em sua especificidade econômica, o problema da doença dos pobres, a saúde e o bem-estar físico das populações aparecem como um objetivo político que a ‘polícia’ do corpo social deve assegurar ao lado das regulações econômicas e obrigações da ordem. A súbita importância que ganha a medicina no século XVIII tem seu ponto de origem no cruzamento de uma nova economia ‘analítica’ da assistência com a emergência de uma ‘policia’ geral da saúde”. (pág 197)

“Qual o suporte desta transformação? A grosso modo, pode-se dizer que se trata da preservação, manutenção e conservação da ‘força de trabalho’. Mas, sem dúvida, o problema é mais amplo: ele também diz respeito aos efeitos econômico-político da acumulação dos homens. O grande crescimento demográfico do Ocidente europeu durante o século XVIII, a necessidade de coordená-lo e de integrá-lo ao desenvolvimento do aparelho de produção, da urgência de controlá-lo por mecanismos de poder mais adequados e mais rigorosos fazem aparecer a ‘população’ (...)” (pág 198)

“... A família não deve ser mais apenas uma teia de relações que se inscreve em um estatuto social, em um sistema de parentesco, em um mecanismo de transmissão de bens. Deve-se tornar um meio físico denso, saturado, permanente, contínuo que envolva, mantenha e favoreça o corpo da criança (...)” (pág 199)

“...A nova ‘conjugalidade’ é, sobretudo, aquela que congrega pais e filhos. A família – aparelho estrito e localizado de formação – se solidifica no interior da grande e tradicional famíliaaliança. E, ao mesmo tempo, a saúde – em primeiro plano a saúde das crianças – se torna um dos objetivos mais obrigatórios da família”. (pág 199) “A política médica, que se delineia no século XVIII em todos os países da Europa, tem como reflexo a organização da família, ou melhor, do complexo família-filhos, como instância primeiro e imediata da medicalização dos indivíduos (...)” (pág 200) “...A velha noção de regime entendida como regra de vida e como forma de medicina preventiva tende a se alargar e a se tornar o ‘regime’ coletivo de uma população considerada 16


em geral, tendo como tríplice objetivo: o desaparecimento dos grandes surtos epidêmicos, a baixa taxa de morbidade, o aumento da duração média de vida e de supressão de vida para cada idade. Esta higiene, como regime de saúde das populações implica, por parte da medicina, um determinado número de intervenções autoritárias e de medidas de controle”. (pág 201) “A medicina como técnica geral de saúde, mais do que como serviço das doenças e arte das curas, assume um lugar cada vez mais importante nas estruturas administrativas e nesta maquinaria de poder que, durante o século XVIII, não cessa de se estender e de se afirmar. O médico penetra em diferentes instâncias de poder. (...)” (pág 202) “O excesso de poder de que se beneficia o médico comprova, desde o século XVIII, esta interpretação do que é político e médico na higiene (...)” (pág 202)

“O médico se torna o grande conselheiro e o grande perito, se não na arte de governar, pelo menos na de observar, corrigir, melhorar o ‘corpo’ social e mantê-lo em um permanente estado de saúde. E é sua função de higienista, mais que seus prestígios de terapeuta, que lhe assegura esta posição politicamente privilegiada no século XVIII, antes de sê-la econômica e socialmente no século XIX”. (pág 202) “A reforma dos hospitais, mais particularmente os projetos de sua reorganização arquitetônica, institucional, técnica, adquiriu importância no século XVIII, graças a este conjunto de problemas que articulam o espaço urbano, a massa da população com suas características biológicas, a célula familiar densa e o corpo dos indivíduos”. (pág 207)

Capítulo XIV – O OLHO DO PODER

“Michel Foucault: Estudando as origens da medicina clínica, eu havia pensado em fazer um estudo sobre a arquitetura hospitalar na segunda metade do século XVIII, época do grande movimento da reforma das instituições médicas. Eu queria saber como o olhar médico havia se institucionalizado; como ele se havia inscrito efetivamente no espaço social; como a nova forma hospitalar era ao mesmo tempo o efeito e o suporte de um novo tipo de olhar (...)” (pág 209)

17


Sobre o panopticon: “O princípio é: na periferia, uma construção em anel; no centro, uma torre; esta possui grandes janelas que se abrem para a parte interior do anel. A construção periférica é dividida em celas, cada uma ocupando toda a largura da construção. (...) Em suma, inverte-se o princípio da masmorra; a luz e o olhar de um vigia captam melhor que o escuro que, no fundo, protegia”. (pág 210)

“(...) Nestes temas de vigilância e, particularmente, de vigilância escolar, parece que os controles da sexualidade se inscrevem na arquitetura. No caso da Escola Militar, a luta contra a homossexualidade e a masturbação é contada pelas próprias paredes”. (pág 213)

“Nesta época, os médicos eram, de certa forma, especialistas do espaço. (...) Eles foram, juntamente com os militares, os primeiros administradores do espaço coletivo. (...)” (págs 213 e 214)

“(...) Ora, as mudanças econômicas do século XVIII tornaram necessário fazer circular os efeitos do poder, por canais cada vez mais sutis, chegando aos próprios indivíduos, seus corpos, seus gestos, cada um de seus desempenhos cotidianos. (...)” (pág 214)

“(...) O poder, na verdade, não se exerce sem que custe alguma coisa. (...) Se a violência for grande, há o risco de provocar revoltas; ou, se a intervenção for muito descontínua, há o risco de permitir o desenvolvimento, nos intervalos, dos fenômenos de resistência, de desobediência, de custo político elevado (...)” (pág 217)

“(...) Já o olhar vai exigir muito pouca despesa. Sem necessitar de armas, violências físicas, coações materiais. Apenas um olhar. Um olhar que vigia e que cada um, sentindo-o pesar sobre si, acabará por interiorizar, a ponto de observar a si mesmo; sendo assim, cada um exercerá esta vigilância sobre e contra si mesmo. Fórmula maravilhosa: um poder contínuo e de custo afinal de contas irrisório. (...)” (pág 218)

“ (...) O poder não é substancialmente identificado com um indivíduo que o possuiria ou que o exerceria devido a seu nascimento; ele torna-se uma maquinaria de que ninguém é titular. Logicamente, nesta máquina ninguém ocupa o mesmo lugar; alguns lugares são preponderantes e permitem conduzir efeitos de supremacia. De modo que eles podem assegurar uma dominação de classe, na medida em que dissociam o poder do domínio individual”. (pág 219) 18


“A questão do poder fica empobrecida quando é colocada unicamente em termos de legislação, de Constituição, ou somente em termos de Estado ou de aparelho de Estado. O poder é mais complicado, muito mais denso e difuso que um conjunto de leis ou um aparelho de Estado. Não se pode entender o desenvolvimento das forças produtivas próprias ao capitalismo, nem imaginar seu desenvolvimento tecnológico sem a existência, ao mesmo tempo, dos aparelhos de poder”. (pág 221)

Capítulo XV – NÃO AO SEXO REI

“(...) Como se explica que, em uma sociedade como a nossa, a sexualidade não seja simplesmente aquilo que permita a reprodução da espécie, da família, dos indivíduos? (...) O sexo sempre foi o núcleo onde se aloja, juntamente com o devir de nossa espécie, nossa ‘verdade’ de sujeito humano(...)” (pág 229) “A confissão, o exame de consciência, toda uma insistência sobre os segredos e a importância da carne não foram somente um meio de proibir o sexo ou de afastá-lo o mais possível da consciência; foi uma forma de colocar a sexualidade no centro da existência e de ligar a salvação ao domínio de seus movimentos obscuros. O sexo foi aquilo que, nas sociedades cristãs, era preciso examinar, vigiar, confessar, transformar em discurso”. (pág 230)

“(...) Ora, meu problema sempre esteve do lado de um outro pólo: a verdade. Como o poder que se exerce sobre a loucura produziu o discurso ‘verdadeiro’ da psiquiatria? O mesmo em relação à sexualidade: retomar a vontade de saber onde o poder sobre o sexo se embrenhou. Não quero fazer a sociologia histórica de uma proibição, mas a história política de uma produção de ‘verdade’”. (pág 230)

“De modo geral, eu diria que o interdito, a recusa, a proibição, longe de serem as formas essenciais de poder, são apenas seus limites, as formas frustradas ou extremas. As relações de poder são, antes de tudo, produtivas”. (pág 236) 19


“(...) A partir do momento em que há uma relação de poder, há uma possibilidade de resistência. Jamais somos aprisionados pelo poder: podemos sempre modificar sua dominação em condições determinadas e segundo uma estratégia precisa”. (pág 241)

Capítulo XVI – SOBRE A HISTÓRIA DA SEXUALIDADE

“Através do termo dispositivo tento demarcar, em primeiro lugar, um conjunto decididamente heterogêneo que engloba discursos, instituições, organizações arquitetônicas, decisões regulamentares, leis, medidas administrativas, enunciados científicos, proposições filosóficas, morais, filantrópicas. Em suma, o dito e o não dito são os elementos do dispositivo. O dispositivo é a rede que se pode estabelecer entre estes elementos”. (pág 244)

“(...) O dispositivo, portanto, está sempre inscrito em um jogo de poder, estando sempre, no entanto, ligado a uma ou a configurações de saber que dele nascem mas que igualmente o condicionam. É isto, o dispositivo: estratégias de relações de força sustentando tipos de saber e sendo sustentadas por eles”. (pág 246)

“Geralmente se chama instituição todo comportamento mais ou menos coercitivo, aprendido. Tudo que em uma sociedade funciona como sistema de coerção, sem ser um enunciado, ou seja, todo o social não discursivo é a instituição”. (pág 247) “(...) De modo geral, penso que é preciso ver como as grandes estratégias de poder se incrustam, encontram suas condições de exercício em microrrelações de poder. Mas sempre há também movimentos de retorno, que fazem com que as estratégias que coordenam as relações de poder produzam efeitos novos e avancem sobre domínios que, até o momento, não estavam concernidos”. (...) (pág 249)

“Nas histórias comuns, pode-se ler que a sexualidade fora ignorada pela medicina e sobretudo pela psiquiatria e que finalmente Freud descobriu a etiologia sexual das neuroses. Ora, todo mundo sabe que não é verdade, que o problema da sexualidade estava inscrito na medicina e na psiquiatria do século XIX de forma manifesta e relevante (...)” (pág 261)

20


“(...) A partir do momento em que se disse ao homem: com seu sexo, você não vai simplesmente fabricar prazer, você vai fabricar verdade. Verdade que será a sua verdade, a partir do momento em que Tertuliano começou a dizer aos cristãos: em vossa castidade...” (pág 262)

Capítulo XVII – A GOVERNAMENTALIDADE

“Certamente, na Idade Média ou na Antiguidade greco-romana, sempre existiram tratados que se apresentavam como conselhos ao príncipe quanto ao modo de se comportar, de exercer o poder, de ser aceito e respeitado pelos súditos; conselhos para amar e obedecer a Deus, introduzir na cidade dos homens a lei de Deus, etc.” (...) (pág 277)

“(...) Por um lado, movimento de concentração estatal, por outro de dispersão e dissidência religiosa: é no encontro destes dois movimentos que se coloca, com intensidade particular no século XVI, o problema de como ser governado, por quem, até que ponto, com qual objetivo, com que método, etc. Problemática geral do governo geral”. (pág 278)

“(...) Enquanto a doutrina do príncipe ou a teoria jurídica do soberano procura incessantemente marcar uma descontinuidade entre o poder do príncipe e as outras formas de poder, as teorias da arte de governar procuram estabelecer uma continuidade, ascendente e descendente”. (pág 281)

“(...) A introdução da economia no exercício político será o papel essencial do governo”. (...) (pág281) “Foi através do desenvolvimento da ciência do governo que a economia pôde centralizar-se em um certo nível de realidade que nós caracterizamos hoje como econômico; foi através do desenvolvimento desta ciência do governo que se pôde isolar os problemas específicos da população; mas também se pode dizer que foi graças à percepção dos problemas específicos da população, graças ao isolamento deste nível de realidade, que chamamos e economia, que o problema do governo pôde enfim ser pensado, sistematizado e calculado fora do quadro jurídico da soberania (...)”. (pág 288)

“(...) Este Estado de governo que tem essencialmente como alvo a população e utiliza a instrumentalização do saber econômico, corresponderia a uma sociedade controlada pelos dispositivos de segurança”. (pág 293)

21


22

Fichamento microfísica do poder foucault  
Fichamento microfísica do poder foucault  
Advertisement