Page 1

A terceira margem Requalificação da Orla Norte

1


Universidade de Brasília FAU / Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Projeto, Expressão e Representação

Trabalho Final de Graduação Caderno de Projeto 2 | 2016 Thais Lacerda de Castro | 10.0053211 Orientadora: Elane Ribeiro Peixoto Banca Examinadora: Carolina Pescatori Giselle Chalub Professor convidado: Vânia Raquel Teles Loureiro


A terceira margem Requalificação da Orla Norte

autora Thais Lacerda de Castro orientadora Elane Ribeiro Peixoto


Apresentação

4

Este caderno é uma memória. Registra o processo de projeto do Trabalho Final de Graduação desenvolvido no âmbito da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU/UnB). Reúne as informações, as pesquisas, as expeculações próprias do ofício do Arquiteto e Urbanista. O projeto desenvolvido consiste na requalificação urbana da Orla Norte do Lago Paranoá, na cidade de Brasília, mais conhecida como Saída Norte. A escolha do tema Requalificação Urbana mostra-se pertinente ao abordar problemáticas urbanas e soluções em uma área com grande potencial de uso, porém subutilizada. Tem como título “A terceira margem”, para indicar uma possibilidade entrevista no lugar articulando tempo e espaço. A articulação pressupõe uma transição, um lugar de contingências, onde passado e presente se sobrepõem para pensar o futuro.


Agradecimentos Agradeço e dedico este trabalho a todos aqueles que de alguma forma fizeram parte da minha trajetória até aqui. Principalmente à minha família - meus pais e meu irmão, que sempre me apoiaram em tudo - e aos meus padrinhos, que me acompanharam desde cedo nesse percurso. Muito obrigada pela confiança e pelos incentivos. Aos colegas e amigos de faculdade e de estágios com os quais pude compartilhar todos esses anos, convivendo e aprendendo juntos da melhor forma. Obrigada pelo apoio e colaborações ao longo dos anos. Neste trabalho, existe um pouco de cada um. Às amigas Bárbara e Paula que compartilharam dessa jornada final ao meu lado, durante a qual solidificamos nossa amizade. À Amanda que, cada semestre, descobriu o mundo da Arquitetura e do Urbanismo junto a mim, sempre me apoiando. Obrigada por terem feito desse desafio uma aventura enriquecedora. Aos meus amigos de intercâmbio Bruno, Camila, Danielle e Rafael que compartilham os mesmos sonhos pelas cidades e me apoiaram em cada momento de dificuldade. À minha orientadora, Elane Ribeiro, por participar dessa caminhada e desde sempre confiou, acreditou e me incentivou em todas as questões. Obrigada pela cumplicidade, pela amizade e pela dedicação a mim, ao meu trabalho e à sua profissão. À Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília e a todos os professores que contribuíram para o meu crescimento e me proporcionaram experiências enriquecedoras ao longo deste curso. Por fim, agradeço aos demais amigos que acompanharam essa fase da minha vida e entenderam todos os momentos de dedicação.

5


Sumário Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

O Trevo de Triagem Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Histórico e situação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Apropriação privada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

O projeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

O projeto Orla. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

Síntese geral do partido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

Entenda a desobstrução!. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Intervenções. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

Retomada da orla. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Medidas propostas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

As etapas da desobstrução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

Planta geral - antes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

Justificativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

Planta geral - depois. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

A Orla Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

mapa de zoneamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

O lugar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

Planta de implantação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Análise da região. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

Mapa de alterações viárias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Sistema Viário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

A praça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

Mobilidade urbana - Acessos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

Planta geral da praça. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

Aspectos ambientais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Planta geral da praça - noturno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Atividades no local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Planta baixa - nível apoio e comércio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Limites Legislativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

A ponte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

Calçadão da Asa Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

O paisagismo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Parque Vivencial II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Síntese. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Referência bibliográfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

Problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Potencialidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Diretrizes de projeto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35


Introdução

8

Ao longo da história, os corpos hídricos sempre tiveram importância nas cidades, desde suas origens e estruturação até o imaginário coletivo. A relação do homem com a água origina-se baseada na sobrevivência. A presença de água ou a de sua proximidade determinava o estabelecimento de grupos de pessoas nas regiões, possibilitando a criação das primeiras cidades, abastecidas de água para beber, de peixe para comer, além de facilitar o deslocamento das pessoas e coisas. Atualmente, os corpos hídricos adquiriram outra importânciaparaavidaquotidiana,poispossibilitamasatividades de lazer. No entanto, esse potencial nem sempre encontra condições favoráveis a sua realização e seu desenvolvimento,

pois, muitas vezes, os rios e lagos sofrem com a ocupação indevida de suas margens, desfavorecendo a integração social e agravando a degradação ambiental. Em Brasília, a presença do Lago Paranoá estava prevista desde sua concepção. A relação da cidade com o lago caracterizase por diversas fases, hoje, sua exploração como espaço de lazer e convívio vem se intensificando em condições diversas. Apesar de apresentar algumas regiões com infraestrutura básica para o lazer, a orla do Lago Paranoá ainda caracteriza-se mais como um elemento compositor da paisagem do que como espaço potencializador de integração social da cidade.

Para sustentar a intervenção pretendida, realizou-se estudos sobre Brasília e seu lago, buscando conhecer a ocupação de suas margens, os projetos que visaram a recuperá-lo como espaço público. Esses estudos incluem o reconhecimento local de intervenção, por meio de análises do Parque Vivencial II, do Calçadão da Asa Norte, abordando seus diversos aspectos estruturais, legislativos, ambientais e de uso.


9

Fig. 1: As margens do Lago Paranoรก. Fonte: Thais Lacerda


Histórico e situação Vendo-o de leste para oeste, é como um grande manto azul a abrigar as linhas de Costa, limitadas por um horizonte que parece não ter fim. Wilde Cardoso A cidade de Brasília, planejada na década de 50 pelo urbanista Lucio Costa, baseou-se nos princípios do urbanismo moderno, uma forma de concepção urbana que objetivava a proposição de cidades ideais para um homem “tipo”, priorizava a segregação do espaço por funções urbanas e privilegiava a locomoção por meio do automóvel, símbolo do progresso humano. Lucio Costa concebeu o plano da nova capital a partir de quatro escalas que conferiram um caráter particular ao projeto. As escalas compreendiam as habitações, o eixo cívico e monumental da cidade, o centro pulsante da cidade e a natureza que circunda e permeia a cidade. Nesta última, encontra-se o Lago Paranoá, um importante elemento estruturador da cidade. O lago foi criado durante a construção da cidade e visava amenizar as condições climáticas da região, permitir a geração de energia elétrica e propiciar lazer à população. As origens do Paranoá 10

remontam ao ano de 1883 e à Missão Cruls, para a qual Auguste François Marie Glaziou, botânico e paisagista francês, elaborou um relatório sobre as condições físicas, climáticas e biológicas da região, enfatizando o papel das águas. Assim se referia o botânico francês ao local onde hoje se encontra o Lago Paranoá: Entre dois chapadões conhecidos na localidade pelos nomes Gama e Paranoá, existe imensa planície em parte sujeita a ser coberta pelas águas da estação chuvosa; outrora era um lago devido à junção de diferentes cursos de água formando o rio Parnauá; o excedente desse lago, atravessando uma depressão do chapadão, acabou, com o carrear dos saibros e mesmo das pedras grossas, por abrir nesse ponto uma brecha funda, de paredes quase verticais, pela qual se precipitam hoje todas as águas dessas alturas. É fácil compreender que, fechando essa brecha com uma obra de arte [...] forçosamente a água tomará o seu lugar primitivo e formará um lago navegável [...] a abundância de peixes, que não é de menos importância, o cunho de aformoseamento, que essas belas águas correntes haviam de dar à nova capital, despertariam certamente a admiração de todas as nações. (MENESES et al, 2001).

A partir do relatório de Glaziou, pode-se compreender que o então “lago artificial” na verdade havia existido como um lago natural, cujas águas foram escoadas para o local onde hoje se encontra a Barragem do Paranoá. Segundo Boerger (2013), um indício que fortalece tal suposição


é o fato do represamento do lago, previsto para quatro anos após o fechamento da barragem, ter ocorrido em apenas um ano, possibilitando concluir que a área era mesmo propícia à existência de uma reservatório d’água de grandes dimensão. O lago possui cerca 40 quilômetros de extensão, de uma ponta a outra, com 60 milhões de metros cúbicos de água e chega a ter 40 metros de profundidade, estando a mil metros acima do nível do mar. O edital para o Concurso Nacional do Plano Piloto da Nova Capital do Brasil lançado em 1956 explicitava que o Lago Paranoá deveria atingir cota variável entre 990 e 1000m, sendo um elemento obrigatório na constituição da cidade, visto que a própria escolha do sítio previa sua possível utilização como forma de apoio à capital, como se pode perceber na citação: Ao balancear os recursos essenciais ao estabelecimento de uma cidade, destinada a ser a capital do país, a água deve constituir o primeiro, desde que ela representa fonte de vida e elemento indispensável à higiene. […] O levantamento do curso desses rios, as possibilidades de juncoes, atentando-se a particularidades topográficas, tudo está por fazer. Mas, o que é fora de dúvida é que o abastecimento d’aguaàfuturaCapitaldaRepúblicaseráabundante. E com os recursos de que dispõe hoje a hidráulica, não é difícil prever a possibilidade de energia a ser captada, dentro de um sistema planejado.1

Percebe-se a importância da água para a nova capital expressa nos relatórios citados. Pode-se dizer que essa importância está representada no fato que nos diferentes projetos premiados pelo concurso, de forma unânime, o Lago Paranoá foi tratado como um espaço público de proporções generosas. No conjunto desses projetos, nota se que a orla seria ocupada por equipamentos públicos de acesso a toda a população. No projeto de Lucio Costa, a presença do lago e sua orla era tratada como um elemento importante da paisagem:

chegar à beira d’água. O clube de Golf situouse na extremidade leste, contíguo à Residência e ao hotel, ambos em construção, e o Yatch Club na enseada vizinha, entremeada por denso bosque que se estende até à margem da represa, bordejada nesse trecho pela alameda de contorno que intermitentemente se desprende da sua orla para embrenhar-se pelo campo que se pretende eventualmente florido e manchado de arvoredo. (COSTA, 1995, p. 294).

Lucio Costa enfatizava o caráter livre da orla, mantendo as áreas residenciais afastadas de suas margens para preservalas como espaço público. Dessa maneira, no projeto original, a ocupação da orla destinava-se às atividades de lazer, com clubes, recreação, restaurantes e lotes institucionais para uso público comum. A orla havia sido pensada para funcionar como um espaço de conexão entre o homem e a natureza, e como elemento da escala bucólica, sua função era servir de transição entre a escala residencial e o cerrado. O projeto de Lucio Costa sofreu alterações em sua implantação. A proposta inicial previa a cidade a oeste de seu espaço onde foi implantada, e não havia referência à ocupação das penínsulas e da margem leste do Lago Paranoá, o que foi criticado pela banca julgadora do concurso ao observar que haveria “demasiada quantidade indiscriminada de terra entre o centro governamental e o lago”, bem como “a parte mais longínqua do lago e as penínsulas não são utilizadas para habitações”.2 A mudança de localização, cerca de 800 metros em direção

ao lago, ocupou um terreno mais inclinado que o escolhido por Costa, gerando problemas de topografia que resultaram em diversas intervenções no projeto original. Além disso, com a aproximação do plano em direção ao lago, habitações foram previstas para as penínsulas, formando os bairros residenciais do Lago Sul e do Lago Norte. Com o passar do tempo e falta de fiscalização e leis, apareceram as primeiras privatizações da orla do Paranoá, cujo caráter inicial de área pública perdeu-se paulatinamente. A seguir, dedica-se um espaço para compreender mais detalhadamente o processo de apropriação privada da orla do Lago Paranoá.

11

Evitou-se a localização dos bairros residenciais na orla da lagoa, a fim de preservá-la intacta, tratada com bosques e campos de feição naturalista e rústica para os passeios e amenidades bucólicas de toda a população urbana. Apenas os clubes esportivos, os restaurantes, os lugares de recreio, os balneários e núcleos de pesca poderão 1 Conferência pronunciada no Clube Militar por José Eurico Dias Martins, em abril de 1949.

Fig. 3: Planta oficial de Brasília na data da inauguração. Fonte: http://www.jobim.org/lucio

2

Fig. 2: Ocupação da Orla no projeto original de Lucio Costa. Relatório do Plano Piloto de Brasília,2014, p. 46 Fonte: http://www.museuvirtualbrasilia.org.br/PT/plano_piloto.html


Apropriação privada

Em geral a ocupação do espaço nasce de um ato de poder ou de uma omissão do mesmo. Martha Romero

12

O processo de apropriação privada do lago iniciou-se logo após sua construção, ainda na década de 50, quando lotes do Lago Sul começaram a ser privatizados. Da mesma maneira, a partir da década de 60, os espaços às margens do Lago Norte também foram privatizados, embora naquele momento os terrenos das habitações não obstruíssem o acesso às suas margens, era um indício do que viria a ser sua lenta e progressiva apropriação privada. Também data da década de 1960 o surgimento dos primeiros acampamentos de trabalhadores: a Vila Telebrasília, Vila Planalto e Vila Paranoá, todas localizadas na orla. A margem oeste nesse momento era destinada apenas a clubes, hotéis, Palácios e áreas de lazer público. Segundo Parente (2006), a ocupação dessas faixas livres, pelos proprietários desses lotes, tornou-se um dos pontos nodais das questões que envolvem o livre acesso às margens do lago. Porém, sabe-se que não foram criados os necessários acessos públicos, na forma de vias ou de passeios para o usufruto do lago. O resultado dessa falha de projeto foi o avanço dos lotes lindeiros invadindo a orla, como regra não consentida. Ou seja, a falta de legislação e de fiscalização facilitou a ocupação indevida e desordenada da orla, causando, muitas vezes, a destruição das vegetações locais, além da redução drástica do espaço público, condenando-o à impessoalidade, neutralidade e ao isolamento em decorrência das dificuldades de acesso. Em relação à preservação ambiental do lago,o projeto de Costa não o impacto da expansão da cidade. A expansão de Brasília, além de modificar a paisagem natural, provocou mudanças no uso do solo e poluiu as bacias hidrográficas que drenam a água para o lago, causando degradação ambiental e deterioração de espaço urbano.


O projeto Orla Visando à melhoria na qualidade do espaço urbano na orla do lago, o Projeto Orla foi concebido em 1992 e iniciado em 1995. Alertava Brasília para o potencial do Lago Paranoá no que diz respeito à oferta de atividades turísticas e de lazer, propondo onze polos com empreendimentos diversos.

Fig. 4: Projeto Orla 1992.

Fonte: BOERGER, Louise Viana dos Santos. Lago para Todos

Os conjuntos dos polos formaria o Grande Complexo Urbanístico da Orla do Lago Paranoá e seguiria a orientação de Lucio Costa em relação a sua utilização e à cidade, tornando acessíveis suas margens, democratizando-o. No entanto, o projeto não questionava a apropriação de área pública, uma vez que a implementação dos polos ocorreu em lotes desocupados e sem destinação específica, com o intuito de diminuir os riscos de invasão. O projeto possui as seguintes diretrizes gerais expressas em seu documento base: • Manutenção da orla livre para acesso e usos públicos; • Preservação da horizontalidade da paisagem; • Valorização de um patrimônio cultural da humanidade; • Recuperação dos princípios que nortearam a criação da cidade;

• Manutenção da predominância de espaços livres e arborizados sobre os espaços construídos, característicos da escala bucólica de Brasília. Apesar do projeto propor um complexo urbanístico interligado, os polos foram tratados de maneira isolada, citando apenas a existência de uma futura alameda que faria a conexão entre eles. O Projeto Orla pode ter sido uma boa proposta de incentivo ao uso dos espaços públicos relacionados ao lago, no entanto, a sua implantação se deu de forma centralizada e concentrada na zona central, com exceção do Pólo 1, localizado no final do Lago Norte, em posição oposta ao Pólo 3, na Concha Acústica. Essa implantação não possibilitou uma ocupação abrangente e efetiva da orla pela população, além de estabelecer uma conexão interna a terra, ignorando a relação entre o usuário e a água. O projeto também não garantiu a preservação ambiental das margens do lago, principalmente a margem leste, para qual não se previu nenhum polo, mantendo seu caráter de uso privado ao invés de uso público. Mesmo após onze anos de sua implementação, apenas dois polos previstos no projeto original foram implementados o Projeto Orla teve, o Polo 3 (Complexo Brasília Palace) que se encontra abandonado e o Polo 6 (Centro de Lazer BeiraLago) incompleto, porém utilizado, sobretudo, nos finais de semana. O Polo 10 (Pontão do Lago Sul) e o Polo 11 (Parque Ermida Dom Bosco) foram acrescentados na revisão do projeto em 1995. São as únicas áreas utilizadas pela população e que necessitavam apenas de infraestrutura de lazer e, quando as receberam, consagraram-se como espaços acessíveis, porém, não democráticos. Segundo Parente (2006), o Projeto Orla não realiza a intenção em conferir a escala bucólica desejada por Lúcio Costa, na medida em que esta não pode ser alcançada através de intervenções pontuais e isoladas mas, sim, de forma articulada e contínua por meio de alamedas em toda a extensão da orla. Apesar da orla do lago apresentar apenas quatro das onze propostas do Projeto Orla, ela possui diversos espaços públicos

de diferentes características utilizados pela população. No entanto, sua configuração geral ainda se apresenta de forma desarticulada e descontínua devido ao intenso processo de apropriação privada das margens do Lago Paranoá. 


13


Fig. 6: Ermida Dom Bosco. Fonte: http://gpsbrasilia.com.br/news/p:0/ idp:33087/nm:A-voz-dos-animais/ Fig. 5: Polos propostos no Projeto Orla. Fonte: GDF/ SEDUH/ SUDUR, 2003. in PARENTE, APOENA A. Lago Paranoá: Lazer e Sustentabilidade Urbana.

14

Fig. 7: Centro de Lazer Beira Lago. Fonte: http://essemundoenosso.com. br/2015/01/07/brasilia-ponte-jk/

Fig. 9: Pontão do Lago Sul. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 8: Concha Acústica. Fonte: BOERGER, Louise Viana dos Santos. Lago para Todos


Retomada da orla

que contribui para que lixo e terra sejam carregados pela água da chuva e cheguem ao reservatório, causando o assoreamento) e erosão (com o desmatamento e o consequente enfraquecimento da margem). Até mesmo a adubação de gramados

pode poluir o lago.

Entenda a desobstrução! O desejo de Lucio Costa para o Lago Paranoá e Brasília parece ter encontrado uma direção favorável no governo local, a partir de 2015. Segundo o Governo de Brasília, na publicação Orla Livre (2015), a desobstrução é discutida judicialmente desde 2005, quando o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios ajuizou ação civil pública no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Em 2011, o Judiciário determinou que o governo local apresentasse, em 120 dias, plano para desobstruir e recuperar o perímetro da orla na faixa de 30 metros a partir da margem do reservatório, mas isso nunca aconteceu. A sentença foi baseada em uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) de 2002 que define esse perímetro como área de preservação permanente. Em 2015, após acordo com o Ministério Público, o Governo de Brasília iniciou a preparação do processo de retirada de cercas e muros — as áreas obstruídas foram identificadas e os proprietários notificados. No entanto, a operação foi suspensa em 16 de abril do mesmo ano, após intervenção judicial de moradores de áreas envolvidas. Em 21 de julho de 2015, a Justiça confirmou a validade do acordo e determinou seu cumprimento.

Assim, o governo de Brasília retomou o processo de desobstrução dos cerca de 80 quilômetros da orla do Lago Paranoá. “Vamos fazer o que a Justiça determinou e liberar os acessos às margens”, afirmou a presidente da Agência de Fiscalização do DF (Agefis), Bruna Pinheiro. A Agência de Fiscalização do DF (Agefis) é responsável por cumprir a sentença e retirar muros, cercas, portões, alambrados e qualquer material que impeça a circulação e a chegada à margem do Lago Paranoá. Construções que ocuparem a área de preservação e conservação, como piscinas, quadras esportivas, gazebos e deques passarão a ser de uso público. O Instituto Brasília Ambiental (Ibram), em parceria com outros órgãos do Governo de Brasília, elabora um plano de recuperação da área degradada. Se houver necessidade, alguns equipamentos serão retirados. O critério será a conservação da área. A função da faixa de 30 metros é ecológica. Construções nesse perímetro podem causar impermeabilização do solo (o

15

Fig. 10: Representação da desobstrução Fonte: GOVERNO DE BRASÍLIA, Projeto Orla Livre, 2015


As etapas da desobstrução Em 12 de março de 2015, o Plano de Desocupação da Orla do Lago Paranoá foi anunciado pelo Governo de Brasília e pelo Ministério Público. A operação foi dividida em quatro fases. A primeira tem duração de quatro meses; a segunda, de oito meses; e a terceira, de dois anos. Cada etapa iniciar-se-á após o término da anterior, com exceção da quarta, de fiscalização, que será posta em prática desde o primeiro dia de desobstrução da orla. Isso será feito por acompanhamento aéreo e por fotos de satélites. A ação de desobstrução da orla do Paranoá é conduzida pela Agefis e pelo Ibram e tem a participação de vários órgãos do Governo de Brasília. A primeira fase da desobstrução começou em março de 2015, com a identificação das ocupações a serem removidas e reuniões com a comunidade. Quarenta e sete lotes foram atingidos. Todos os proprietários foram notificados em abril e tiveram

16

Fig. 11: Parque Vivencial II com área desobstruída. Fonte: Thais Lacerda

dez dias para recuar suas cercas, com a garantia de que a Agefis não atuaria nesse período. O órgão fiscalizador também colocou à disposição dos moradores topógrafos para fazerem a medição da faixa de 30 metros. Finalizada no dia 02 de outubro de 2015, com a desobstrução da orla em 23 lotes no Lago Sul e 14 lotes no Lago Norte, ela . liberou, para uso público, trechos da orla que dão acesso a três parques ecológicos: Parque Ecológico Península Sul, Parque Vivencial do Anfiteatro Natural do Lago Sul e Parque Ecológico do Lago Norte. A segunda fase da operação iniciou-se em 23 de outubro de 2015 visa desobstruir a orla em 110 lotes e continua em operação. No entanto, sofreu interrupção por ordem da Justiça Federal no dia 07 março de 2016, alegando que a operação está causando danos ambientais e exige do Governo de Brasília um plano de recuperação da área degradada.


QL 02 Lago Norte QL 02 30 de setembro Lago Norte de30 2015 de setembro

de 2015Término

FASETérmino 01 FASE 01

Início

Início FASE 02 Início FASE 02

21 de dezembro de 212015 de2dezembro 130 000 m de livres 2015

130 000 m2 livres Interrupção das ações pelaInterrupção Justiça Federal das ações pela Justiça Federal

Recurso Recurso

Início

24 de agosto de 2015 24 de agosto de 2015 QL 12 Lago Sul QL 12 Lago Sul 28 de agosto livres 39 000 m 282 de agosto 39 000 m2 livres

02 outubro de 2015 02 outubro 23 de outubro de 2015 de 2015 Notificações 23 de outubro de 2015 QL 10,Notificações 14, 16 EQL 04, QL06, 10,11, 14, 16 13, 1504, 06, 11, EQL 13, 15

LAGO SUL LAGO SUL 23 lotes alvos 23 lotes alvos 85 deslocamentos 85 deslocamentos de caminhão de caminhão entulho entulho

LAGO NORTE LAGO NORTE 14 lotes alvos 14 lotes alvos 12 deslocamentos 12 deslocamentos de caminhão de caminhão entulho entulho

07 de março 17 de março de07 2016 de17 2016 de março de março de 2016 de 2016 (exigência de um Plano de Recuperação da área degradada) (exigência de um Plano de Recuperação da área degradada)

2 273 metros de cercas e alambrados 2 273 metros de cercas e alambrados 170 metros de grades 170 metros de gradesde concreto 120 metros de balaústres 120 metros de balaústres 40 metros de chapa metálica de concreto 40 metros de chapa metálica 15 metros de muros de arrimos 15 metros de muros de arrimos

740 metros de cercas e alambrados 740 metros de de cercas e alambrados 30 metros de muro concreto 30 metros de muro de concreto

17

Duração de 03 dias!! Duração de 03 dias!! Moradores recuaram Moradores recuaram por contra própria por contra própria

Fig. 12: Linha do tempo da desobstrução Fonte: Thais Lacerda Fig. 13: Fases da desobstrução. Fonte: GOVERNO DE BRASÍLIA, Projeto Orla Livre, 2015


Q 10

Q9

Q8

Q7

Q5

Q6

Q4

INDICE - MAPAS LAGO NORTE

Q3 Q5

Q4 CA 6

CA 9

Q2

CA 8 CA 11

Q2

Q1

1ª ETAPA

Q3

1A - Parque Ecológico do Lago Norte - 10 lt. afet.

Q1 CA 3

CA 5 CA 7

CA 4

Q4

AE

CA 2

CA 10 CA 1

2ª ETAPA

Q5

QL 1 Q1

QI 1

LAGO NORTE

NUCLEO RURAL DO TORTO

EPPN QI 2

2A - Parque do Escoteiros -l SHIN EQL 04/06 - - 8 lt. afet. 2B - SHIN EQL 11/13 - 2 lt. afet. 2C - SHIN EQL 13/15 - 3 lt. afet. 2D - Parque Ecológico das Garças - 10 lt. afet.

Q3

QI 2

EPPN QI 1/4

QL 3

QI 3 EPPN QI 3/4

QL 2

QL 2/4

Pq Ecologico do Lago Norte

1A

ML 3

3B

QI 4

3ª ETAPA

MI 3

3A - SHIN QL 4 - 6 lt. afet. 3B - SHIN QL 3 e 5 - 8 lt. afet. 3C - SHIN QL 4, 6 e 8 e EQL 6/8 - 14 lt. afet. 3D - SHIN QL 7 - 7 lt. afet. 3E - SHIN QL 9 e 11 - 16 lt. afet. 3F - SHIN QL 10 e 12 - 12 lt. afet. 3G - SHIN QL 13 - 5 lt. afet. 3H - SHIN QL 14 - 8 lt. afet. 3I - SHIN QL 15 - 9 lt. afet. 3J - SHIN QL 16 - 7 lt. afet.

QL 5

EPPN QI 3/6 QL 4

QI 5

3A

EPPN QI 5/6

QI 6 QL 4/6

3D QL 7

EPPN QI 5/8

Area Vivencial SHIN EQL 4/6 e Pq Escoteiros

QI 7

QI 8 QL 6

2A

ML 4 MI 4

QL 7/9

LAGO NORTE

MI 5

QL 6/8

QL 9

3C

QI 10

QL 8

EPPN QI 9/10

3E

QI 9

lt. afet. - lotes afetados

ML 5

TOTAL DE LOTES 1ª ETAPA LAGO NORTE - 10 TOTAL DE LOTES 2ª ETAPA LAGO NORTE - 23 TOTAL DE LOTES 3ª ETAPA LAGO NORTE - 92

QL 9/11 QL 11

EPPN QI 9/12 QL 10 QL 10/12

3F

PLANO PILOTO

QI 12

QI 11

QI 11/13

2B

QL 11/13

ML 6

TOTAL DE LOTES AFETADOS LAGO NORTE - 125

MI 6

QL 12 EPPN QI 11/14

QL 12/14

3F

QI 14

QI 13

EPPN QI 13/14

3G

QL 13

MI 7

QL 14

2C

3H

ML 7

QI 16

ML 7/8

QL 16

3I

QL 15

3J

°

MI 9

0,4

0,8

1,6 Km

2D

1:30.000

Legenda 1ª ETAPA - LAGO NORTE

Parques

2ª ETAPA - LAGO NORTE

APP - Afastamento do Lago - 30 m

RA XVIII - LAGO NORTE Pq Ecologico

Fonte: SITURB/SEGETH - Imagem: TERRACAP 2014

18

MI 10 ML 10

Etapa da Desocupação das ZPVS do Lago Paranoá

Os dados constantes nesta planta são oriundos de bases cartográficas de diferentes períodos, devendo ser ratificados pela SEGETH, quando usados para a instrução processual. As medidas são aproximadas, devendo ser aferidas por levantamento topográfico quando for necessário maior precisão. Estas pranchas não substituem as plantas registradas em cartório. Solicitamos a comunicação de eventuais erros, porventura constatados, à DIGEO/AGEFIS.

3ª ETAPA - LAGO NORTE

PARANOA

ML 9

Pq Ecologico das Garças 0

MI 8

ML 8

QI 15

dasSUPLAN Garças / DIGEO - Março / 2015

INDICE - MAPAS LAGO SUL

LAGO NORTE

1ª ETAPA 1A - Península dos Ministros - 37 lt. afet. 2ª ETAPA

2A

2A - Monumento Natural Dom Bosco - 4 lt. afet. 2B - Parque Ecológico do Bosque - 11 lt. afet. 2C - Parque Ecológico Anfiteatro Natural do LS - 1 lt. afet. 2D - Área Vivencial SHIS QL 14/16 - 13 lt. afet. 2E - Refúgio da Vida Silvestre Garça Branca - 29 lt. afet 2F - Refúgio da Vida Silvestre Copaíbas - 29 lt. afet.

Parque Ecológico Dom Bosco

3I

Área de Relevante Interesse Ecológico Dom Bosco Q 20 Q 7Q 8 Q4 Q 10 Q3Q2 Q1 Q 19Q 18 Q 17 Q 6 Q 5

PLANO PILOTO

Q 15Q 14

3ª ETAPA 3A - SHIS QL 6 a 10 (fora do parque) - 21 lt. afet. 3B - Pontão - 27 lt. afet. 3C - SHIS QL 14 - 15 lt. afet. 3D - SHIS QL 20 a 22 - 29 lt. afet. 3E - Parque Vivencial Canjerana - 20 lt. afet. 3F - SHIS QL 24 - 13 lt. afet. 3G - SHIS QL 26 - 14 lt. afet. 3H - SHIS QL 28 - 22 lt. afet. 3I - SH Dom Bosco e Cond. Villages Alvorada- 29 lt. afet.

3H

QI 28

QI 29

2F

lt. afet. - lotes afetados TOTAL DE LOTE 1ª ETAPA LAGO SUL TOTAL DE LOTE 2ª ETAPA LAGO SUL TOTAL DE LOTE 3ª ETAPA LAGO SUL

2B

QL 26

1A

QL 10

Parque Ecológico do Bosque

QL 24

QI 9

Parque Vivencial do Anfiteatro Natural do Lago Sul

QL 8 QI 7

QI 13 EPDB QI 13/QL 14 QL 14

3E

3D

2C

EPDB QI 7/QL 8

QI 27

QI 11

3A QI 7/9

QI 26 EPDB QI 26/QI 27

QL 12 EPDB QI 11/QL 12

EPDB QI 9/QL 10

QL 6/8

3F

Parque Ecológico Península Sul

QI 9/11

TOTAL DE LOTES AFETADOS LAGO SUL - 314

EPDB QI 28/29

3G

3B

- 37 - 87 - 190

3A

PARANOA

QL 28

EPDB QI 25/QL 24 QI 25

QL 22

3C

3D

EPDB QI 23/QL 22 QL 20/22 QI 23

QL 6

QL 4/6

2D

EPDB QI 5/QL 6

QL 14/QI 16 QI 5

QL 4

LAGO SUL

QI 15

QI 16

QL 20 EPDB QI 21/QL 20

2E

QI 21/23

Parque Ecológico e Vivencial Cajerana

QI 21

QL 16

Parque Ecológico Garça Branca

2E

QL 2

°

QL 18 EPDB QI 19/QL 18

QI 3

EPDB QI 1/QL 2 QI 1 0

0,5

1

2 Km

QI 19

1:40.000

Legenda 1ª ETAPA - LAGO SUL

3ª ETAPA - LAGO SUL

2ª ETAPA - LAGO SUL

APP - Afastamento do Lago - 30 m

QI 17

SAO SEBASTIAO

QI 17/19

Os dados constantes nesta planta são oriundos de bases cartográficas de diferentes períodos, devendo ser ratificados pela SEGETH, quando usados para a instrução processual. As medidas são aproximadas, devendo ser aferidas por levantamento topográfico quando for necessário maior precisão. Estas pranchas não substituem as plantas registradas em cartório. Solicitamos a comunicação de eventuais erros, porventura constatados, à DIGEO/AGEFIS.

Fonte: SITURB/SEGETH - Imagem: TERRACAP 2014

Fig. 14: Etapas da desocupação das ZPVS do Lago Paranoá. Fonte: AGEFIS

Etapa da Desocupação das ZPVS do Lago Paranoá RA XVIII - LAGO SUL SUPLAN / DIGEO - Março / 2015

Fig. 15: Fotos da desobstrução. Fonte: http://www.agenciabrasilia.df.gov.br/


19

O Projeto Orla Livre é uma excelente ação do Governo de Brasília que visa à desobstrução das Áreas de Proteção Permanente (APP) ao redor do Lago Paranoá. No entanto, o projeto prevê a ação apenas nos bairros do Lago Norte e Lago Sul, sem previsão de ação sobre as áreas ocupadas no Setor de Mansões do Lago Norte ou no Setor de Clubes Sul e Norte. De acordo com Governo de Brasília, as instituições ou clubes com escritura de propriedade de área dentro da faixa de 30 metros a partir da margem não serão objetos de desobstrução. Durante a primeira fase da ação, foram identificados 11 lotes na Península dos Ministros. Além disso, o Governo afirma, também, a elaboração de um projeto de lei que definirá quais ocupações de área pública, fora da faixa de 30 metros, poderão ser mantidas, mediante cobrança de taxa de ocupação, e quais deverão ser retiradas. Fig. 16: Fotos da desobstrução. Fonte: http://www.agenciabrasilia.df.gov.br/


20

Área acrescida ao parque depois da desobstrução Fig. 17: Parque Vivencial II com área desobstruída e usuário. Fonte: Thais Lacerda


Justificativa

Após a análise histórica do Lago Paranoá e de sua importância no cenário turístico e ambiental da cidade de Brasília, percebe-se a necessidade de intervenção em sua orla, considerada como espaço público, em consonância com o Projeto Orla Livre, do Governo de Brasília. Esse projeto prevê a desobstrução da orla em três anos, porém, não apresenta alternativas para a melhoria desses espaços públicos após a sua desobstrução, prevê apenas a permanência de infraestruturas, porventura existentes na faixa de 30 metros, desde que essas não causem danos ambientais. O objetivo deste trabalho é propor a revitalização e integração dos espaços públicos da orla Norte do Lago Paranoá, o Parque Vivencial II do Lago Norte e o Calçadão da Asa Norte. Essas áreas diretamente ligadas à saída Norte de Brasília, ao lado da ponte do Braguetto, possuem grande potencial de uso por parte da população, uma vez que possuem uma infraestrutura básica, com alguns equipamentos coletivos e, de certo modo, fazem parte do cotidiano de parte da população. No entanto, tal infraestrutura é insuficiente e, muitas vezes, está em estado

inadequado, há problemas de acessibilidade, integração, iluminação, que precisam ser sanados. O presente estudo da Orla Norte baseia-se nas facilidades e potencialidades que a área apresenta. Os dois espaços públicos citados são consagrados como tal, estão situados em margens opostas e propiciam uma revitalização completa da região. São áreas com menor grau de complexidade nas ações de desobstrução, pois nelas há apenas cercas, grades e alambrados. Além disso, um dos espaços já foi desobstruído na primeira fase do projeto Orla Livre. O menor grau de complexidade na fase de desobstrução demonstra que a área possui um caráter mais público que privado, sendo assim, é uma área mais propícia à implementação de outros projetos públicos. Cabe lembrar que, por ser uma área com infraestrutura preexistente e situada na primeira fase do projeto Orla Livre, a proposta de sua revitalização atua como um projeto piloto para futura proposição de outros, articulando a reocupação pública da orla do Lago Paranoá. Trata-se de uma primeira experiência cuja avaliação poderá ajudar em diretrizes para futuras intervenções.

21


22

Fig. 18: Parque Vivencial II, vista para a Ponte do Braguetto. Fonte: Thais Lacerda


O lugar

A Orla Norte O Lago Paranoá caracteriza-se como um elemento fundamental em Brasília, suas potencialidades, principalmente como lugar de lazer e turismo, vêm sendo exploradas cada vez mais. Atualmente, esse tema ganhou visibilidade e se tornou presente nas discussões acadêmicas e políticas da cidade. A criação de um espaço público diversificado, democrático e integrado na Orla Norte é de grande interesse para a cidade, uma vez que está situada em uma das saídas do Plano Piloto, no encontro de duas importantes vias da cidade, a L4 e o Eixo Rodoviário. Apesar de se localizar em uma área de conexão da cidade, os espaços públicos apresentam-se isolados devido à configuração das vias.

Fig. 19: Croqui de localização da área. Fonte: Thais Lacerda

23


Análise da região A região apresenta inúmeras barreiras de acesso às margens do lago, principalmente para pedestres e ciclistas, pois se localiza em uma área de encontros de vias rodoviárias de alta velocidade e grande fluxo, não apresentando soluções favoráveis e seguras aos usuários. Além de apresentar as vias como barreiras de acesso ao lago, a atual utilização do lago também pode ser lida como uma barreira de integração entre os espaços em margens opostas, uma vez que não é utilizado como potencial meio de transporte. A partir da atual configuração, percebe-se claramente a presença de três espaços públicos isolados por diferentes barreiras e desconexos entre si. A falta de integração entre eles enfraquece a potencialidade do local como uma região agregadora e de caráter público acessível a toda a população, pois a livre circulação entre os espaços não é possível. Sendo assim, este projeto tem como foco principal a conexão entre os espaços identificados como segregados, visando à reconfiguração do local a fim de se obter um espaço integrado e interligado entre si e com a cidade.

Parque Vivencial II

24

Calçadão da Asa Norte

Legenda:

Barreiras viárias Barreira aquática

Mapa 1: Mapa de cheios, vazios e barreiras. Fonte: Thais Lacerda

Cheios (edificação) Áreas isoladas

Legenda:

Maior intensidade de intervenção Menor intensidade de intervenção

Mapa 2: Mapa de intervenção. Fonte: Thais Lacerda


Sistema Viário O sistema viário pouco se relaciona com os espaços analisados, há apenas duas vias que permitem os seus acessos, a Estrada Parque das Nações - L4 no caso do Calçadão da Asa Norte, e uma via local no caso do Parque Vivencial II. O terceiro espaço analisado é contornado pela via L4 e pela via ERL Norte, no entanto, essas vias não são destinadas ao acesso do local. O Eixo Rodoviário de Brasília e a EPTT, com a presença da Ponte do Braguetto, fazem a transição entre as margens do lago, porém não beneficiam a utilização dos espaços públicos e funcionam apenas como corredores de passagem e de uso prioritário do veículo, não estimulando o pedestre a perceber e usufruir do potencial cênico e paisagístico do lago. Em relação ao Calçadão, o encontro das vias e a alta velocidade (80 km/h) tornam o acesso perigoso, principalmente para pedestres. Já em relação ao Parque Vivencial, a pouca integração da via local torna o seu acesso difícil de ser encontrado, sendo muitas vezes desconhecido pelos próprios moradores da região do Lago Norte.

25

Fig. 20: Entrada B do Parque. Fonte: Thais Lacerda Fig. 21: Entrada A do Parque. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 22: Cruzamento perigoso na L4. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 23: Travessia perigoso na L4. Fonte: Thais Lacerda

Legenda:

Via Expressa Via Arterial Primária

Mapa 3: Mapa de hierarquia viária. Fonte: Thais Lacerda

Via Arterial Secundária Via Coletora

Via Local


Mapa 4: Mapa de acessos e distâncias. Fonte: Thais Lacerda

Mobilidade urbana Acessos

26

Fig. 24: Entrada “não oficial” do Parque. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 25: Travessia perigosa no cruzamento da L4. Fonte: Thais Lacerda

A região analisada caracterizase pelo predomínio do automóvel, apresentando grandes vias e sem presença de calçadas para pedestres e, quando existente, elas não estão em boas condições. Apesar da predominância do carro na área, o acesso aos espaços públicos analisados possuem pequenos problemas decorrentes do sistema viário, conforme analisado anteriormente. O acesso por pedestres é dificultado pela ausência de pontos de ônibus nas proximidades, principalmente em relação ao Parque Vivencial II, onde a menor distância percorrida é de 550m se considerarmos uma entrada “não oficial” para o parque, quando considerada a entrada oficial, essa distância é de 900m ou de 600m. Outro percurso realizado a pé para o parque compõe-se de um caminho localizado no final da Asa Norte, cerca de 1200m de distância e que apresenta três travessias perigosas , incluindo o percurso da ponte do Bragueto. Em relação ao Calçadão da Asa Norte, os pedestres podem chegar pelo último ponto de ônibus localizado na L2, cerca de 280m de distância, no entanto é necessário atravessar a via de alta velocidade em travessias perigosas. Outro possível ponto de acesso é o de ônibus localizado no final da via ERL Norte, cerca de 640m de distância, porém ele é sem calçamento e possui pouca arborização, sendo necessária realizar a travessia da L4 nos dois sentidos dos fluxos de

Legenda:

Ponto de ônibus Pedestres

Ciclovias Ciclistas

Automóveis


carros. Além desses percursos realizados pelos pedestres, outro comumente realizado é dos pontos de ônibus localizados na via W3, são cerca de 1350m de distância a ser percorrida em sua maior parte do tempo em caminhos sem calçadas, numa eterna disputa com os carros. O acesso por ciclistas dá-se pelas vias dos automóveis, uma vez que as ciclovias existentes na região não são suficientes

e não formam uma rede cicloviária. Além de percorrem vias de alta velocidade, algumas partes do percurso são realizados no sentido contrário aos carros, pois constituem distâncias menores. Em alguns locais, os ciclistas necessitam trafegar pelas calçadas, compartilhando o mesmo espaço com os pedestres como, por exemplo, nas superquadras 216 e 416 norte e na Ponte do Braguetto.

Percebe-se que pedestres, ciclistas e automóveis realizam praticamente os mesmo percursos de acesso aos espaços, gerando inúmeros conflitos de segurança e desconforto para todos, pois cada um deles possui necessidades e velocidades de deslocamentos diferentes.

Fig. 28: Circulação perigosa no acesso ao Eixo Rodoviário Norte. Fonte: Thais Lacerda

27

Fig. 27: Travessia perigosa no acesso ao Eixo Rodoviário Norte. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 26: Travessia perigosa na Ponte do Braguetto. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 29: Circulação perigosa no sentido contrário ao acesso da L4 Norte. Fonte: Thais Lacerda


Mapa 5: Mapa de uso do solo. Fonte: Thais Lacerda

Uso e ocupação do solo

A região apresenta usos diversos, porém nas proximidades do Parque Vivencial II e do Calçadão da Asa Norte, o uso é predominantemente residencial. A presença de usos institucionais, comerciais e mistos nas proximidades da região possibilita uma diversidade de pessoas e fluxos, no entanto, os grandes vazios urbanos dificultam essa percepção e a integração entre os espaços. Contudo, é importante destacar que a diversidade presentes no local pode ser um fator potencializador e agregador da área de intervenção. Cabe pontuar a presença de comerciantes informais, nos semáforos e no deck do Calçadão, demonstrando a deficiência de comércio e pontos de apoio aos usuários desses espaços públicos.

28

Legenda:

Comercial Shopping Center

Institucional Hospital

Misto Residencial

Comércio informal


Além de apresentar problemas de intregração entre os espacos analisados e de acesso, ambos apresentam em sua configuração interna, longas distâncias e pequenas dimensões de largura ou profundidade, o que torna difícil a colocação de equipamentos públicos maiores ou a relizacão de atividades que demandem mais espaços. Percebe-se também que a distância entre eles, ou seja, a dimensão do lago, varia bastante dependendo do local da margem, o que pode favorecer a utilização do lago como meio de transporte ou como espaço de atividades.

29

Fig. 34: Circulação de ciclistas em calçadas. Fonte: Thais Lacerda Fig. 32: Ciclista trafegando pela L4. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 33: Travessia perigosa no acesso ao Eixo Rodoviário Norte. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 30: Acesso ao Parque. Fonte: Thais Lacerda

Fig. 31: Ponte de acesso ao Parque. Fonte: Thais Lacerda


Mapa 6: Mapa de condicionantes bioclimáticos. Fonte: Thais Lacerda

Aspectos ambientais

30

Essa região do Lago Paranoá é formada pelo braço do Ribeirão Bananal, rio que nasce dentro do Parque Nacional de Brasília, sendo o principal fornecer de água limpa para o lago. Uma parte das margens apresenta-se com vegetação natural, graças a presença do Parque Vivencial II, no entanto, o restante apresenta vegetações atípicas para a região ou insuficiente quantidade devido a urbanização e privatização ocorridas no local. O relevo neste braço do lago é pouco acidentado, chegando a uma profundidade de 5 metros. No entanto, a região como um todo possui um relevo mais acidentado. Na parte norte do lago, onde se localiza o Parque Vivencial II, o desnível do terreno é de 20 metros dentro do parque e de 50 metros desde a via principal do Lago Norte, onde se localizam os pontos de ônibus. Na parte sul, onde está o Calçadão da Asa Norte, o terreno é mais plano e apresenta um caimento de 25 metros medidos a partir do ponto de ônibus da via ERL Norte. Em relação a vegetação, a região apresenta pouca arborização, sendo mais densa apenas no início do Parque Vivencial II. A região entre as superquadras e o Calçadão apresenta maior número de árvores de grande porte, porém não são distribuídas pelo local, configurando poucas massas de vegetação. Na área do Calçadão, a vegetação é escassa e apresenta apenas algumas palmeiras e árvores de pequeno porte e no entanto é o local onde apresenta maior incidência solar, recebendo os raios solares durante todo o dia. Apesar da intensa incidência solar, os ventos predominantes em Brasília na maior parte do ano, alcançam a região com facilidade, pois não enfrenta barreiras físicas. Como a região não apresenta barreiras físicas e possui um relevo considerável, é possível identificar vários pontos de indicação de vistas, demonstrando o caráter permeável da paisagem e suas potencialidades. As imagens a seguir representam as vistas assinaladas no mapa de condicionantes ambientais.

Legenda:

Curva de nível mestra Curva de nível 5m

Vegetação Percurso solar

Direção dos ventos Visuais


06

07

08

09

10

11

12

13

01

02

04

03

05

31


32


Atividades no local

Mapa 7: Mapa de atividades. Fonte: Thais Lacerda

A região propicia a realização de diversas atividades, mesmo não apresentando as condições ideais. Algumas das atividades encontradas durante as visitas locais foram: skating, malhação em grupos, corrida e alongamento, leitura, manutenção e plantio de hortas, ciclismo, prática de remo, caiaque e stand up paddle, descanso, pesca, colheita de frutas e observação da paisagem. Percebe-se portanto a potencialidade da área em unir diferentes grupos de atividades e pessoas.

33

Legenda:

Lazer e contemplação Esportes

Lazer e esportes aquáticos Alimentação

Hortas e picniques Salva-vidas


Limites Legislativos

Subseção VIII
Área de Preservação 8 – Grandes Áreas Leste Art. 50. A AP8 é delimitada pelas Asas Sul e Norte e pela via L4, constituindo área de transição entre a malha urbana principal e a área de ocupação rarefeita das bordas do Lago Paranoá, envolvendo o Plano Piloto pelos quadrantes leste, sul e norte.

Calçadão da Asa Norte

Na Licença Ambiental conferida pelo Ibram para o Calçadão da Asa Norte, deve se atentar para a lei do CONAMA n° 369∕2006 – Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente APP.

34

III - percentuais de impermeabilização e alteração para ajardinamento limitados a respectivamente 5% e 15% da área total da APP inserida na área verde de domínio público. § 1o Considera-se área verde de domínio público, para efeito desta Resolução, o espaço de domínio público que desempenhe função ecológica, paisagística e recreativa, propiciando a melhoria da qualidade estética, funcional e ambiental da cidade, sendo dotado de vegetação e espaços livres de impermeabilização. § 2o O projeto técnico que deverá ser objeto de aprovação pela autoridade ambiental competente, poderá incluir a implantação de equipamentos públicos, tais como: trilhas ecoturísticas; ciclovias; pequenos parques de lazer, excluídos parques temáticos ou similares; acesso e travessia

Decreto de tombamento de Brasília – Lei referente a todo conjunto tombado, ou seja, o Calçadão da Asa Norte por estar na margem do Plano Piloto. Portaria 314, de 8.10.1992/IPHAN: Art. 8o A escala bucólica, que confere a Brasília o caráter de cidade- parque, configurada em todas as áreas livres, contíguas a terrenos atualmente edificados ou institucionalmente previstas para edificação e destinadas à preservação paisagísticas e ao lazer, será preservada observando-se as disposições dos artigos subseqüentes. Art. 10 Será mantido o acesso público à orla do lago em todo seu perímetro, à exceção dos terrenos, inscritos em Cartório de Registro de Imóveis com acesso privativo à água.

PPCUB - Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília, ainda não aprovado, lei que será referente ao Calçadão :

Parágrafo único. A AP8 é composta de doze Unidades de Preservação, conforme delimitação constante do Anexo 3: IX- UP9 – Ponta do Braghetto e área livre junto à SQN 216 e SQN 416 • a) manutenção da função exercida pelo conjunto de áreas desta AP que estabelece uma transição morfológica, por meio da descompressão da ocupação em direção à orla do Lago Paranoá; • b) resguardo e intensificação da vegetação das áreas livres integrantes da escala bucólica que exercem a função de contorno ou emolduramento verde, circundando os limites das Asas Sul e Norte do Plano Piloto, pelo lado leste, estendendo-se até a via L4; • c) resguardo das características de ocupação rarefeita e da horizontalidade • das edificações, especialmente, nas UP4, UP8, UP11 e UP12;

Fig. 36: UP9 da lei do PPCUB

Fig. 37: LUOS - A Lei de Uso e Ocupação do Solo- Lago Norte

Parque Vivencial II Legislação referente ao Parque de Múltiplo Uso Lago Norte - LUOS - Lei de Uso e Ocupação do Solo: A parte em cinza, onde se localiza o Parque, está sem destinação, só existe legislação no Plano Diretor de Ordenamento Territorial do DF, sendo o mesmo muito amplo e genérico. Legislação referente PDOT -2009: Art. 68. A Zona Urbana de Uso Controlado I é composta por áreas predominantemente habitacionais de muito baixa densidade demográfica, com enclaves de baixa, média e alta densidades, conforme Anexo III, Mapa 5, desta Lei Complementar, inseridas em sua maior parte nas Áreas de Proteção Ambiental – APA do lago Paranoá e na Área de Proteção Ambiental das bacias do Gama e Cabeça de Veado. Art. 69. Na Zona Urbana de Uso Controlado I, o uso urbano deve ser compatível com as restrições relativas à sensibilidade ambiental da área e à proximidade com o Conjunto Urbano Tombado, observadas as seguintes diretrizes: V – preservar e valorizar os atributos urbanísticos e paisagísticos que caracterizam essa área como envoltório da paisagem do Conjunto Urbano Tombado, em limite compatível com a visibilidade e a ambiência do bem protegido.


Síntese O diagnóstico apresentado identifica diversos problemas a serem solucionados e potencialidades a serem trabalhadas como oportunidades projetuais. Em síntese, são eles:

Problemas • Sistema viário desvinculado do lago; • Sistema viário exclusivo para automóveis; • Pontos de cruzamento que geram conflitos entre diversos modos de transporte; • Distância considerável entre pontos de acesso ao lago; • Deficiência na rede de transporte público; • Precariedade de infraestrutura para o pedestre (calçadas e arborização); • Inexistência de sistema de bicicletas compartilhadas; • Sistema cicloviário inexistente ou não contínuo; • Inexistência de equipamentos culturais; • Assentamentos irregulares nas margens do lago; • Presença do lago como barreira;

Potencialidades • Uso do espaço público consolidado; • Existência de infraestrutura básica; • Presença de alguns equipamentos coletivos; • Localização estratégica no contexto urbano; • Topografia pouco acidentada porém, propícia à intervenções; • Presença de muitas visuais agradáveis; • Existência de legislação que protege as áreas ambientalmente frágeis; • Baixa densidade demográfica; • A área apresenta diversos usos; • Utilização do lago como meio de transporte; • Quantidade significativa de vazios urbanos e terrenos subutilizados; • Quantidade significativa de áreas vegetadas preservadas; • Processo de desocupação da faixa de 30m de preservação ambiental já realizado;

Diretrizes de projeto Evitar a impermeabilização do solo; Preservação da escala bucólica; Reabilitação da vegetação degradada, restauração das características originais por meio da criação de microclimas; Criação de pequenas ilhas de biodiversidade para regeneração de fauna e abrigo da flora; Implantar estruturas baseadas no aproveitamento das visuais; Promover a acessibilidade; Propor rede cicloviária; Criação de pequenos ambientes para diversas atividades; Promover a utilização do lago de forma segura; Propor construções modulares em pontos estratégicos; Preservar e restaurar a infraestrutura existente quando possível; Criar hierarquia de percurso: trilhas e percursos diversificados ecologicamente; Conexão entre uma ponta à outra da orla; Reestruturação da ponte; Propor meio de transporte aquático; Promover a transição entre a escala residencial e a escala bucólica.

35


O Trevo de Triagem Norte O projeto TTN é resultado de uma licitação ocorrida em agosto de 2009, intitulada Projeto de Engenharia Rodoviária para Reforço Estrutural da Ponte do Braghetto e de Reabilitação de Pavimentos com Melhoramentos e Adequação de Capacidade nas rodovias DF-007 (EPTT) e DF002 (ERN). A licitação para a obra foi lançada no ano de 2013 e, em 2014, o resultado da concorrência tornou-se público. O projeto escolhido data do ano de 2012, teve suas obras iniciadas no segundo semestre de 2014 e interrompidas no final do mesmo ano. A obra é resultado de uma solução rodoviarista e conta com a construção de uma terceira faixa na EPIA Norte, 12 obras, entre as quais pontes, viadutos e túneis. Alteram as imediações da Ponte do Bragueto afim de distribuir o fluxo de

veículos na saída norte. No entanto, o projeto não contempla as questões de mobilidade urbana, priorizando os veículos particulares, além de não explorar as potencialidades do local, como o parque Vivencial Norte e o Calçadão da Asa Norte, sendo uma solução efêmera apenas para os problemas de engarrafamento da região. As obras foram retomadas no início do segundo semestre de 2016, data em que o projeto proposto a ser apresentado neste caderno já havia sido iniciado, servindo como estudo para a elaboração de propostas e medidas que melhorassem a região sem apresentar os mesmos problemas. Por isso, o desenho e solução final do TTN não foi considerado na análise do terreno e como local de implantação, uma vez que a análise de suas consequências não condiz com a realidade atual do local de projeto, além de não apresentar soluções adequadas sob o ponto de vista da autora.

36

05

11

04 08

02

01

09

06 12

07

03

10


Problemas 1. Rebaixamento do lençol freático devido à escavação para passagem das vias. 2. Supressão e aterramento da vegetação protetora da nascente Ibiraci. 3. Retirada da passagem sob a ponte do Bragueto, criando espaços propícios à degradação. 4. Novas vias e retornos causam sobrecarga em tesourinhas não redimensionadas. 5. Supressão de área verde. 6. Aumento na quantidade de vias geram mais dificuldade de deslocamento para pedestres e ciclistas.

37

7. Ciclistas e pedestres possuem trajetos não adequados e mais longos que os dos veículos. 8. Sobrecarga de fluxo nos pontos de cruzamento devido à alta velocidade. 9. Viadutos desnecessários criam custo de manutenção e interferem negativamente na paisagem do local. 10. Não integra transportes coletivos, nem possibilita futuras obras de mobilidade urbana. 11. Intensifica os perigos de travessia de pedestres no Eixo Rodoviário Norte. 12. Diminuição da cobertura vegetal, favorecendo o assoreamento do lago devido ao escoamento superficial.

Legenda:

Via Expressa Via Arterial Primária

Via Arterial Secundária Via Coletora

Via Local TTN


O projeto

38


Este projeto surgiu com a intenção de requalificar a região Norte da Orla do lago, de modo a potencializar as atividades presentes no local. A presença de dois espaços públicos em margens opostas permite revitalizar não somente as margens, mas também suas áreas adjacentes, de modo a integrar usos. O desafio a que se propõe é criar uma CONEXÃO e INTER-RELAÇÃO entre os espaços públicos existentes afim de proporcionar à população uma região atrativa e acessível.

A atual configuração da ponte desfavorece a travessia

Proposta de travessia em nível superior e inferior

Proposta de travessia entre níveis

Ciclovia bidirecional

A atual configuração das vias desfavorece o uso das margens

39

Conexão vertical e longitudinal Aumento da margem

Conexões e facilidade de acesso às margens Travessia elevada

Ciclovia

Espaços atrativos, rede de mobilidade e maior contato com a água

Estudo de circulação sem escala


01

02 40

04

LEGENDA

Eixo principal de conexão Eixo secundário Área de preservação Percurso peatonal existente Pontos focais de atividades Intensidade de permanências

Síntese geral do partido esc. 1/5000

03


Intervenções

Medidas propostas Redução e padronização das dimensões das faixas de rolamento

As propostas de intervenção se concentraram em quatro pontos isolados, os quais são representativos de quase todos os problemas da Orla Norte, a falta de conexão. Esses pontos foram tratados dentro de suas particularidades, mas de maneira a se criar uma unidade projetual. Tendo o pedestre e o ciclista como principais usuários do projeto e principalmente da cidade, as intervenções aqui apresentadas basearam-se nas necessidades dessas categorias para a realização do projeto. A concepção do partido levou em consideração os percursos existentes de pedestres e ciclistas, assim como as atividades realizadas no local e as condicionantes ambientais, resultando em dois eixos de circulação. O eixo de circulação principal tem como característica a conexão de grandes áreas, abrangendo toda a região de intervenção, tanto no sentido Norte-Sul, como no sentido Leste-Oeste, por meio da criação de uma rede cicloviária de calçadas. O eixo de circulação secundário tem como objetivo a conexão das sub-regiões criadas à partir do eixo principal, possibilitando aos usuários diversas experiências. O ponto de intervenção 01, o Parque Vivencial do Lago Norte recebeu dois novos acessos, no nível da Ponte do Braguetto e no nível da margem do lago; o ponto 02 caracterizado como área sensível à desastres ambientais, recebeu uma passarela metálica de chapa perfurada com intuito de minimizar os impactos no lago, além da implantação de jardins de chuva para reduzir as erosões devido ao escoamento superficial do terreno; o ponto 03 representa um espaço livre porém isolado pelo sistema viário, sofreu alterações viárias para redução da quantidade de vias e implementação de calçadas e ciclovias que o conectam ao ponto 04, no qual foram realizadas intervenções pontuais para melhor aproveitamento da área. As diretrizes de projeto foram aplicadas em toda a proposta e no que diz respeito às intervenções gerais da área, a diminuição da velocidade das vias possibilitou o redimensionamento das faixas de rolamento, possibilitando a criação de uma faixa prioritária para ônibus e, a readequação do fluxo na Ponte do Braguetto. Para proporcionar uma integração maior entre os diferentes modais e diminuir as barreiras físicas entre cada um deles, nivelou-se a faixa de rolamento com os passeios nas travessias de pedestres e ciclistas, de modo a tornar o espaço mais fluido e acessível. Além disso, padronizou-se a pavimentação, de modo a distinguir as diferentes áreas apenas através de cor ou de paginação Outra medida adotada de bastante relevância em relação ao conforto e segurança dos usuários foi a semaforização dos cruzamentos, com semáforos de botoeira. As sugestões de proposta serão apresentadas individualmente, em cada ponto escolhido.

Dimensionamento das faixas de rolamento para inclusão de faixa prioritária para ônibus Diminuição da velocidade máxima das vias Nivelamento das faixas de rolamento com os passeios em áreas de travessia Redução da porcentagem de vias Malha viária de calçadas e ciclovias Ponte destinada aos pedestres e ciclistas Pontos de mirante Criação de passeios flutuantes no lago Implantação de áreas de permanência estratégicas Jardins de drenagem em áreas críticas Adensamento da arborização Utilização de plantas típicas do cerrado no paisagismo Alteração das torres de alta tensão

41


42

Planta geral - antes esc. 1/5000


43

LEGENDA

Arborização existente Arborização proposta Calçadas Ciclovia existente Ciclovia proposta Deck de madeira Edifícios existentes Faixa prioritária para ônibus Passarela metálica Via elevada Vias

Planta geral - depois esc. 1/5000


44

mapa de zoneamento sem escala

LEGENDA:

Lazer e contemplação

Lazer e esportes aquáticos

Hortas e picniques

Esportes

Alimentação

Salva-vidas


LEGENDA 01 02

20

03 04 05 06 07 08 09 10 11 12

Ponte de pedestres e mirante - ver detalhe Praça - ver detalhe Hortas urbanas Área para picnic Campo de futebol e futebol americano Jardins do cerrado Trilhas naturais Área de preservação Piscinas Apoio e comércio Estacionamento Cinema ao ar livre

13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Área esportiva Ponto de pesca Jardim de chuva Jardins filtrantes Regeneração da mata ciliar Percurso educativo sob água Banheiros públicos Parada de ônibus Mirante natural Travessia elevada ou semaforizada Estação de bicicleta compartilhada

23 11 19

12

19

21

13 14

21

18 01 14

45

16

17

15

15

15

16

16 23

08

20 09

08 08

09

06

10 02

07

20

20

22 23

11 22

05

22

06

03

20 19

20

04

23

04 03

Planta de implantação esc. 1/5000

23 20 22

20

20


01

02 46 46

03

04

05

Mapa de alterações viárias esc. 1/5000


47

As alterações viárias realizadas tiveram como objetivo melhorar a mobilidade no local, priorizando os pedestres, ciclistas e o transporte público em detrimento do automóvel particular.


A praรงa

48


49

Perspectiva geral da praça - estação compartilhada de bicicleta


50

O desenho de piso e formato da praça representam os princípios norteadores do projeto. As linhas diagonais se cruzam formando triângulos onde ocorrerão atividades diversas e direcionam para outros pontos importantes da praça. As dimensões variáveis das calçadas sugerem os caminhos a serem seguidos, na qual os mais largos levam às áreas de maior permanência e encontro. A utilização do desnível natural do terreno permitiu a criação de diferentes elementos que se destacam entre si, desde canteiros elevados com bancos ao restaurante com teto inclinado, que permite a sua utilização como arquibanda em casos de apresentações culturais, ou até mesmo como mirante para apreciação da paisagem. Atuando como ponto principal de encontro do projeto, a praça é ponto conector de atividades e pessoas, apresentando diversas possibilidades de uso, tanto diurno como noturno, atividades de cunho cultural, de lazer ou esportivas. O dinamismo da praça se estende por todo o percurso do deck na orla, no qual podem ser encontrados diversos tipos de acabamento de borda e de atividades a serem realizadas, esses propriciam experiências diversificadas e únicas aos usuários.

Croqui de concepção da praça sem escala


Estudos de tipo de borda sem escala 51

Estudo volumetria arquibancada e restaurante sem escala


52 EST RA DA PAR QU E

ES TR AD AP AR QU E

Planta geral da praça esc. 1/1000

DA SN AÇ ÕE S-

L4

DA SN AÇÕ ES

- L4


53 EST RA DA PAR QU E

ES TR AD AP AR QU E

Planta geral da praça - noturno esc. 1/1000

DA SN AÇ ÕE S-

L4

DA SN AÇÕ ES

- L4


sobe

54

54

Planta baixa - nível apoio e comércio esc. 1/500


55

Perspectiva dos canteiros da praรงa


56

Perspectiva noturna dos canteiros da praรงa


57

Perspectiva da piscina e área para apresentações culturais


58


59

Perspectiva da rede flutuante e jardins filtrantes


01 02 03

04 05

60

60


61

Perspectiva do apoio comercial e mirante


62


A ponte

63

63


64

64

Perspectiva da ponte de pedestres e passarela metรกlica


Canteiros em perfil metálico U para implantação de jardins ornamentais

Tabuleiro superior para pedestres com acabamento em madeira

Vigas metálicas para apoio do tabuleiro

Aberturas para acesso ao nível inferior

Escada rampada de ligação entre nível inferiror e superior

65

Treliça em V para ligação do arco estrutural com tabuleiro superior

Estrutura metálica de seção I

Arco estrutural com seção variável de 1500cm para 550 cm em direção ao centro

Perspectiva isométrica explodida da ponte de pedestres

65


Planta Baixa - Ponte de pedestre nível inferior

N

ESC. 1:500 @A3

66 606

550 670

616

30

A

40

A -40

Planta Baixa - Ponte de pedestre nível superior ES. 1:500 @A3

Corte AA - Ponte de pedestre ESC. 1/500 @A3

N


67


SEM ESCALA

68

- Ponte de pedestres

- Ponte de pedestres


69

69

Perspectiva do encontro da ponte de pedestres com calçadão


70

Perspectiva da plataforma superior da ponte


71

Perspectiva do cinema ao ar livre no parque vivencial


O paisagismo

Árvores propostas para recuperação do cerrado:

O projeto paisagístico aplicado nesse projeto vai além da definição de canteiros e espécies, relaciona-se também com as diversas paisagens criadas ao longo dos percursos, ou ainda, com as diversas experiências a serem vivenciadas pelos usuários. A criação dos percusos ao longo do parque levou em consideração as vistas mais significativas da área, afim de criar percursos agradáveis e com diversos interesses. Tem-se aqui uma paisagem de experiências, uma paisagem de possibilidades de apropriações. Em relação às espécies de plantas propostas no projeto, recomenda-se o uso intensivo da vegetação nativa do cerrado, uma vez que a área está situada em uma antiga região de cerrado e ainda apresenta algumas espécies nativas. Propõem-se portanto, a regeneração da vegetação típica do cerrado por meio do plantio convencional. Deve-se procurar utilizar no plantio o maior número possível de espécies, pois no cerrado não se pode contar com entrada de muitas espécies por chuva de sementes vindas de longe. Procura-se também a recuperação da mata ciliar, afim de minimizar os danos causados pelo homem no Lago Paranoá, assim como a implantação de jardins filtrantes nas margens do lago. Para os canteiros ornamentais, a proposta é de utilização de flores e gramíneas típicas do cerrado com a intenção da criação de jardins naturalistas, inspirado nos jardins do arquiteto paisagista Piet Oudolf, e da arquiteta paisagista Mariana Siqueira, do Jardins do Cerrado.

Bálsamo

Cagateira

72

Ipê-amarelo

Gramíneas do cerrado para utlização em jardins:

Chuveirinho

Pau-doce-arbustivo

Macela-do-campo

Malpighiaceae


73


Considerações finais

74

O propósito deste trabalho foi o de explorar as potencialidades de espaços públicos na Orla do Lago tido como consolidados mas que, no entanto, apresentavam diversas barreiras para o seu desenvolvimento. Espaços públicos de qualidade, com segurança e polos geradores de atividades são fundamentais para uma cidade diversificada e rica de experiências. A latente busca pela ocupação desses espaços e o aumento da vivência em coletivo nas cidades tornam a temática atual, tanto em nível local como em nível mundial. A importância deste trabalho está na busca por repensar as relação humanas não só com os espaços públicos mas com a cidade, na maneira em que a sociedade encara os seus desafios urbanos. A solução encontrada para tal permite uma relação direta entre a história do lugar e as necessidades do mesmo, tanto para o usuário como para a paisagem, ao mesmo tempo em que questiona as soluções rodoviaristas propostas para a cidade.


75


Referência bibliográfica

76

BOERGER, Louise Viana dos Santos. Lago para Todos. Diplomação (Graduação). FAU, UnB, 2013. CHAIM, Giselle Marie Cormier. Além da Conha. Diplomação (Graduação). FAU, UnB, 2013. COSTA, Lucio. Relatório do Plano Piloto de Brasília. In Brasília, cidade que inventei. Brasília: ArPDF, Codeplan e DePHA, 1991. COSTA, Lucio. Brasília 85-87. Brasília Revisitada. Anexo Leis de preservação: Decreto-Lei n° 10 829, de 14 de outubro de 1987 (GDF), e da Portaria n° 214, de 8 de outubro de 1992 (IPHAN). EL-DAHDAH, Farès. Brasilia - The Project of Brasilia. IN ElKhoury, Rodolphe & Robbins, Edward. Shaping the city: studies in history, theory and urban design. Routledge, 2004. p. 45 El-Dahdah, Farès. Lucio Costa e a preservação de Brasília. Minha Cidade 11, no. 9 (June 2009): 265. http://www.vitruvius. com.br/minhacidade/mc265/mc265.asp (acesso abril, 2016). JUCÁ, Jane Monte. Princípios da Cidade-Parque: categoria urbana concebida no Plano Piloto de Brasília. Minha Cidade, São Paulo, 10.113, Vitruvius, dez 2009 <http://www.vitruvius.com. br/revistas/read/minhacidade/10.113/1824>. JUNQUEIRA, Luiz Daniel Muniz. Lago Paranoá de Brasília DF. Análise dos usos e ocupações do espaço da orla para o lazer. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Vale do Itajaí. 2006. MEDEIROS, José Marcelo Martins. Visões de um Paisagismo Ecológico na orla do Lago Paranoá. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2008

MORAIS Silva, Luciana. Projeto Orla: Planejamento X Degradação. Monografia (especialização) - Universidade de Brasília. Centro de Excelência em Turismo. Brasília, 2004. PARENTE, APOENA A. Lago Paranoá: Lazer e Sustentabilidade Urbana. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília (UnB) Brasília, 2006. RAMOS, Martha Battaglin. Valores intrínsecos do lugar. Ensaio Teórico (Graduação). FAU, UnB, 2013. ROMERO, Marta Adriana Bustos. As características do lugar e o planejamento de Brasília. Espaço & Geografia, Vol.6, No 2 (2003). SANTOS, Marcos Antônio. Brasília, o Lago Paranoá e o Tombamento. 2008. Dissertação de Mestrado Arquitetura, Universidade de São Paulo, São Carlos. SANTOS, Pedro Agostinho Ferreira de Miranda. Parque Ecológico das Garças. Diplomação (Graduação). FAU, UnB, 2015. SILVA, Pedro Vítor Carvalho. A desocupação da orla do Lago Paranoá sob o enfoque da democratização do espaço urbano no Distrito Federal. 2015. 79, [16] f., il. Monografia (Bacharelado em Direito)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015. YÁZIGI, Eduardo (org) : Turismo – Espaço, paisagem e cultura. 2.ed.São Paulo : Hucitec, 1999. Artigos/reportagens online:

GONTIJO JUNIOR, Wilde Cardoso. Águas em Brasília: ainda não somos modernos. Brasília em debate, Brasília, p. 16 - 23, 05 jun. 2015. Desocupação da orla chega ao Lago Norte. Disponível em: <http://www.agenciabrasilia.df.gov.br/conteudo-agenciabrasilia/item/20767-desocupa%C3%A7%C3%A3o-da-orlachega-ao-lago-norte.html> Acesso em 05/04/2016. Brooklyn Bridge Park. Disponível em: <www.brooklynbridgepark.org/> Acesso em 24/04/2016 Hornsbergs Strandpark. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/br/01-177988/hornsbergsstrandpark-slash-nyrens-arkitektkontor> Acesso em 26/04/2016 Planos e Relatórios: DIPRE/SUDUR/SEDUH. Caracterização da orla do Lago e seu modelo de desenvolvimento. Brasília: 2003. GDF – Governo do Distrito Federal (2011). Plano Diretor de Transporte Urbano e Mobilidade do Distrito Federal e Entorno – PDTU/DF – Relatório Final. GOVERNO DE BRASÍLIA. Orla Livre. Brasília, 2015 TC/BR. Projeto Orla, Revitalização do Lago Paranoá. Brasília, 1995. TERRACAP. Plano de Manejo da APA do Lago Paranoá. Brasília, 2011.


77

Thais Lacerda de Castro thaislacerda.fau@gmail.com

A terceira margem - Requalificação da Orla Norte  

Projeto Final do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília.

A terceira margem - Requalificação da Orla Norte  

Projeto Final do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília.

Advertisement