Page 1

Ano 1 - Edição 005 www.aapjau.com.br Jaú, outubro de 2012

Uma oração à terceira idade Na noite de sexta-feira, 28 de setembro, senhores e senhoras da terceira idade reuniram-se para rezar e celebrar a melhor idade em uma cerimônia que marca o dia internacional do idoso. Andreza Sega

Andreza Sega

Em comemoração à semana Nacional e Internacional do Idoso, que aconteceu no dia 1º de outubro, o Grupo da Terceira Idade se reuniram na Igreja Nossa Senhora do Patrocínio, a Matriz, para a celebração de uma missa para marcar a data com chave de ouro. A igreja, que chama a atenção por sua construção oponente e as pinturas em seu interior feitas pelo casal

Makk, infelizmente não estava cheia, mas contava com muito amor e companheirismo de todas as pessoas presentes, todos visivelmente felizes com a celebração da noite. O responsável por transmitir a palavra de Deus através de orações e lindas mensagens foi o padre Celso Buscariollo, que não só tocou os corações dos idosos, mas também dos mais jovens, que convivem

diariamente com senhores e senhoras que já chegaram à terceira idade e os acompanharam ali. Para ele, a missa faz com que os senhores e senhoras da melhor idade se sintam ainda parte da sociedade. “Os idosos, que muitas vezes se sentem discriminado, excluídos e não valorizados, acabam por se sentirem acolhidos pela comunidade Cristã Católica. A missa

é a expressão do amor de Deus por todos nós”. Ele acredita que os idosos tem tanto para oferecer à sociedade quanto os mais novos, e que devem servir como espelhos aos jovens para transmitir sua sabedoria. Além disso, ele também acredita que deva acontecer o inverso. Os idosos, que já possuem seu corpo debilitado pela ação do tempo, devem aceitar a ajuda dos

mais jovens e orientá-los em suas dúvidas e problemas. “O idoso tem que ser autosuficiente, mas também tem que aceitar suas limitações. Eles precisam de nós e nós precisamos deles e de sua sabedoria”, o padre aconselha. Segundo o padre Celso, é simples a relação a ser estabelecida. “O idoso nos ensina e nós aprendemos com eles. Eles precisam de nós e

nós precisamos deles. Então um ajuda o outro a crescer no amor e, assim, das nossas falhas na juventude somos amparados pelos idosos que tem uma longa experiência e sabedoria.” Afinal, não existe sabedoria sem tempo de aprendizado, e nada melhor para se aprender com aqueles que tem uma experiência vasta em sua vida e estão totalmente dispostos a compartilhar.


02 - Jornal dos Aposentados

Jaú, outubro de 2012

REFLETINDO imagem ilustrativa

Curiosidades Internet brasileira é mais lenta que a da Etiópia e Haiti.

O beijo mais longo já registrado, durou 50 horas, 25 minutos e 1 segundo.

pre rasteja a favor dele para não se ressecar.

Em 1939, Adolf Hitler foi nomeado para o Prêmio Nobel da Paz.

Nos 5 primeiros minutos da 1ª apresentação dos Beatles na TV americana, em 1964, não houve assaltos nem homicídios nos Estados Unidos.

Apenas 8% do dinheiro do mundo existe como dinheiro físico. 92% existe apenas nos computadores e contas bancárias.

Casais que lavam louças juntos são mais felizes, diz estudo.

De tudo ficam três coisas: A certeza de que estamos sempre começando A certeza de que é preciso continuar E a certeza de que podemos ser interrompidos antes de terminarmos. Devemos fazer da interrupção um caminho novo, Da queda uma dança Do medo uma escada Do sonho uma ponte Da procura um encontro

.................................. ...Tem de ser equilibrista até o final. E suando muito, apertando o cabo da sombinha aberta, com medo de cair, olhando a distância do arame ainda a percorrer e sempre exibindo para o público um falso sorriso de serenidade. Tem de fazer isso todos os dias, para os outros, como se na vida você não tivesse feito outra coisa, para você como se fosse a primeira vez, e a mais perigosa. Do contrário, seu número será um fracasso. (Fernando Sabino)

Rir por 15 minutos queima 40 calorias.

As chances de você morrer no caminho da loteria são maiores do que as chances de ganhar.

60% das pessoas não conseguem manter uma conversa de 10 minutos sem falar uma mentira.

A língua da baleia azul pesa mais que um elefante.

O corpo demora aproximadamente 15 horas para eliminar o álcool ingerido.

Se dormirmos, em média, 8 horas por dia, aos 40 anos teremos dormido 13 anos.

Existem cerca de 120 cadáveres no Monte Everest.

Há mais bactérias num aparelho celular do que no vaso sanitário.

É possível descobrir a direção do vento observando uma lesma. Explicação: ela sem-

75% das mulheres fazem perguntas das quais elas já sabem a resposta. Pessoas ansiosas envelhecem mais rápido. Cerca de 90% das pessoas molha a escova de dentes só depois de já ter colocado creme dental nela. Uma cabeça humana permanece consciente durante cerca de 15 a 20 segundos depois de ter ser sido decapitada.

Palavra da leitora

http://pensador.uol.com.br

Editora Responsável: Gutierres e Pedroso LTDA - ME CNPJ: 06.978.171/0001-76 *IE: 416.097.962.116 Rua: Ignácio Anselmo, 1167 - Centro - Lençóis Paulista SP - CEP: 18682-040 E-mail: contato@jornaldosaposentados.com.br Jornalista responsável: Luiz Storino MTB 3367 Impressão: Gráfica Jornal da Cidade de Bauru Tiragem: 10.000 exemplares Circulação: Jaú SP Departamento comercial Representantes: Marlon Justo: (14) 9165-2700/Alexandre Toniolo: (14) 9740-7882 Artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, podendo ou não corresponder à opinião deste jornal.

“Ter um jornal para a gente, que é aposentado e idoso, é muito bom, porque é o lugar que a gente consegue saber das coisas com facilidade e qualidade. O conteúdo do jornal

também é sempre bem completo e aborda vários assuntos interessantes, o que nos ajuda a saber mais sobre a qualidade vida.” Sueli Marconi, aposentada


DESTAQUE

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

03

Fonte de juventude Vivielen Vendramini

Cada mulher tem sua história, seus dramas. Mas, juntas, elas provam que o passado já não faz mais tanta diferença, e que é no presente que elas vivem a melhor fase de suas vidas.

gão. No entanto, as instalações são provisórias. A previsão de retorno para o prédio do SESI está baseada no início do ano.

O grupo

Vivielen Vendramini

U

m grupo de senhoras... Não, vamos recomeçar. Um grupo de meninas com muita experiência, humor para dar e vender, além de carisma e simpatia. Ninguém que as vê fala que são mulheres que já passaram por inúmeros perrengues ao longo dessa vida, tamanha é a felicidade. No entanto, elas são provas vivas de que o melhor da vida é aproveitá-la. Elas – 34 mulheres – são um dos grupos da terceira idade de Jaú. Este, é o do Conselho do

Idoso. E, quando elas se juntam, sai de tudo. Palestras, festas típicas, jantares, entre outros. A coordenadora de tantas meninas juntas é Marilena Alves Albertin, e ela conta com alegria que o que não falta no grupo é bom humor e espírito de festa. “Nós somos muito unidas e alegres. Porque em casa, os idosos, às vezes, não tem nem com quem conversar. Aí quando vem aqui no grupo, eles se realizam.” E ela ainda completa brincando. “Por isso que fechar a boca é difícil, viu?”, ela ri.

O grupo, que existe há 21 anos, foi formado pelo SESI. Na época do início, havia grupos da terceira idade em mais de 53 cidades, com pessoas de ambos os sexos e de somente um. Aqui em Jaú, o que deu certo, foi o de mulheres. Porém, há alguns anos, o órgão deixou de ser responsável por todos os atos. “O Sesi não assume mais a terceira idade. Mas a unidade de Jaú sim, ela quer a terceira idade, não quer que a gente acabe o grupo ou que vá para outro canto. É um respeito e carinho muito grande

que eles tem por nós”, Marilena conta. Ela também conta que o responsável por tamanha admiração é o diretor. “O senhor Celso Aleixo quer que continue a terceira idade no Sesi, nós estamos fora de lá porque está em reforma. A nossa sala está praticamente inexistente, mas sabemos que em breve estará linda e pronta para as nossas reuniões”. Atualmente, as 34 mulheres se reúnem todas as quintas feiras na sede do “Informatibola”, cedido gentilmente pelo vereador Ronaldo Formi-

Há dois requisitos básicos para ser membro do grupo. O primeiro, é ter mais de 60 anos. O segundo, é querer viver a vida, aproveitar o que há de melhor, e o que ainda não teve a oportunidade – ou não soube – para aproveitar. A mais experiente de todas tem 86 anos, mas não é esta a idade que aparenta ter. Aliás, todas do grupo não aparentam ter mais do que 60. O que prova os benefícios de se estabelecer uma vida em grupo, cercada por pessoas bem humoradas. E, como todo grupo, há uma organização. Marilena Alves Albertin, a coordenadora, conta que a diretoria é formada por

duplas. A cada dois anos são trocados os cargos através de votação. “Tem a coordenação, que eu sou uma das coordenadoras, aí tem as sociais, a cultura, temos a secretária, a tesouraria e tarefa. A tarefa é que prepara o lanche e serve. Cada duas tem a sua função, então são duas coordenadoras, duas secretárias, duas tesoureiras, duas sociais, duas da cultura. Só da tarefa que são três”, ela explica. Para fazer parte, é preciso procurar pela Marilena às quintas feiras na sede do projeto “Informatibola”, que fica na Rua José Maria de Almeida Prado, s/n, Jardim Pedro Ometto. As interessadas participam por alguns dias sem compromisso, para sentir o alto astral e depois serão recebidas de braços bem abertos se decidirem ficar, por todas essas fabulosas senhoras.


04 - Jornal dos Aposentados

SAÚDE

Jaú, outubro de 2012

Cirurgia das

pálpebras Também chamada de blefaroplastia, a cirurgia corrige as deformidades palpebrais Dra. Ana Carolina Nardy Rocchi

A

cirurgia das pálpebras ou blefaroplastia corrige as deformidades palpebrais. O excesso de pele ou gordura nas pálpebras cria um aspecto cansado e pesado. Isto está relacionado com a genética e com o envelhecimento. Em alguns casos a pálpebra superior pode cair a ponto de prejudicar a

visão. É preciso passar por uma avaliação oftalmológica completa para ver se existe a indicação da cirurgia. A blefaroplastia é feita pelo médico oftalmologista especializado na cirurgia plástica ocular e busca preservar a simetria dos olhos e sua função. É uma operação simples porém

tecnicamente delicada, onde cada milímetro faz grande diferença. Na Clínica de Olhos Nardy realizamos este procedimento com anestesia local e em centro cirúrgico próprio. Maiores informações pelos fones (14) 3626-2595 ou 96, assim como no site: www.clinicanardy.com.br.

Aspecto antes e depois da correção cirúrgica: Colaboração Dra. Ana Carolina Nardy Rocchi

Conheça a técnica cirúrgica:

Antes da cirurgia, o cirurgião marca os locais das incisões seguindo as linhas naturais de dobras das pálpebras superiores e inferiores. A correção é realizada com finas suturas que deixarão cicatrizes muito pouco perceptíveis

A gordura que forma as bolsas palpebrais são removidas juntamente com os excessos de pele

A linha da incisão da pálpebra superior é escondida exatamente no ponto da dobra da pálpebra

Na blefaroplastia transconjuntival, a incisão é realizada dentro da pálpebra inferior permitindo o acesso a gordura que é removida com instrumentos muito delicados. A pele não é removida, e a incisão é fechada com uma sutura absorvível

Depois da cirurgia, a pálpebra superior não cai mais sobre os olhos, e a pálpebra inferior se torna mais firme e sem bolsas.

www.naturale.med.br

Quando as pessoas envelhecem, a pele e os músculos das pálpebras ficam flácidos e a gordura acumula causando bolsas nas pálpebras


SAÚDE

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

Triste ou deprimido? Há diferenças entre estar apenas triste ou com sintomas depressivos. Afinal, quando o quadro deve requerer uma ajudinha extra de um médico ou é passageiro? Divulgação

Andreza Sega

E

xistem aqueles dias em que tudo o que você quer é ficar quietinho, no silêncio absoluto, e focado em colocar as ideias em dia. Momentos em que uma perca te tira o chão e tudo o que você quer é se apegar a si para superar, sem ajudas, sem crise e entendendo profundamente o que se passa. Porém, existem pessoas que não saem desses dias tristes nunca. E, a cada momento, eles se tornam tão recorrentes e frequentes que isso deixa de ser um sentimento e passa a ser algo patológico, que precisa ser tratado. Segundo o médico massoterapeuta bioenergético, Dr. Juliano Figueiredo, existem sim diferenças entre se estar apenas triste ou precisando procurar um médico. E como todas as doenças, o tratamento precoce pode ser a solução.

Qual é a diferença? Segundo o médico, ficar triste é tão essencial para a saúde quanto ficar feliz. “A tristeza é um sentimento momentâneo, que é considerado saudável e, até mesmo, importante. Pois, ele ajuda na elaboração das perdas, ou sofrimentos ocasionais”, explica. Porém, como tudo na vida, a tristeza tem medida certa. E, em certo estágio, deixa de ser benéfica e passa a ser prejudicial. “Pessoas atingidas por ocorrências de perdas, como perder o emprego ou algum ente querido, atravessam uma fase de sofrimento e angústia, que pode se prolongar por um determinado período de tempo”, diz o doutor. Que, aliás, explica que esse sentimento tem um prazo de duração. “O normal é de até dois meses. É nesse período que o quadro vai se atenuando

e a vida vai retomando o ritmo normal”. Porém, se a tristeza não acaba, é hora de ficar de olhos bem abertos, segundo o doutor. “Se ela não passa e começam a surgir sentimentos de apatia, indiferença, desesperança, falta de perspectivas ou de desprazer pela vida, é um sintoma claro de depressão”. Como entender a depressão: Depressão, no entanto, não é algo fácil de ser entendido por quem nunca a teve. Juliano conta que nem mesmo os médicos conseguem explicar o que o paciente sente. “O trabalho do médico é avaliar, entender o que se passa e medicar a pessoa para que ela volte aos poucos a ter uma vida normal”. Mas para saber se não passa de uma preguicinha ou é mesmo algo sério, o médico dá uma dica preciosa. “Em primeiro lugar,

depressão não é um estado de tristeza profunda nem desânimo, preguiça, estresse ou mau humor. Ela é um evento psiquiátrico bastante diferente, porém é um momento de transição normal na vida”. Porém, como qualquer doença, ela age de forma diferente em cada organismo. Dando momentos violentos para uns e de tristeza absoluta para outros, que podem e devem ser tratados. “É importante dizer que a depressão não some. Os sintomas podem aparecer ou desaparecer de maneira sutil e quase imperceptível, mas é importante saber que eles podem voltar”, o médico alerta. Sendo assim, fique de olhos abertos, pois a depressão é doença séria e que deve ser tratada tanto como a pressão alta ou a diabetes de forma normal, sem excluir quem a tem.

05


06 - Jornal dos Aposentados

SAÚDE

Jaú, outubro de 2012

A importância de um

sapato adequado Cuidar da saúde dos pés previne dores e problemas futuros Colaboração Calzature Turini

Calzature Turini

C

uidar da aparência dos pés, fazer as unhas, lixá-los e hidratá-los é muito importante, mas o uso de um sapato adequado e de qualidade é fundamental para evitar problemas ortopédicos e musculares. A saúde dos pés é primordial para o restante do corpo, ninguém consegue ficar de bom humor com dor nos pés. A

maioria das deformidades do antepé é causada pelo uso de calçados inadequados, daí a importância de um calçado que se adeque aos seus pés. Na hora de comprar calçado, uma boa dica é sempre optar pelo mais maleável. Borracha dura e solados muito rígidos é um problema e podem prejudicar a todos que usam, mas

principalmente quem fica muito tempo em pé ou caminha muito. Hoje existem as chamadas linhas “flex”, “confort”, “anti-stress”, que são calçados apropriados, de alta tecnologia, produzidos para dar o máximo de conforto para os pés. Esses calçados são confeccionados com couro muito macio, solados que absorvem

o impacto, forrado com materiais antialérgicos e macios, proporcionando assim o máximo de conforto, uma pisada melhor, mantendo a coluna bem posicionada e evitando os problemas ortopédicos e as dores. Essas linhas de calçados atuais apresentam design bem moderno, aliando beleza, jovialidade e conforto.


SAÚDE

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

Você tem Diabetes?

07

Já fez seu exame de fundo de olho?

O Diabetes é um problema de saúde global que afeta cerca de 170 milhões de pessoas em todo o mundo segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), número que pode duplicar até 2025. Divulgação

Divulgação

Retinopatia Diabética

Renato Peroni

O

aumento da expectativa de vida da população e as taxas crescentes de obesidade contribuíram para dobrar a prevalência de diabetes na última década. O aumento anormal da taxa de açúcar no sangue (hiperglicemia) causado pelo Diabetes pode levar à diversas complicações como problemas nos rins, no cérebro, outras arteriopatias e nos olhos. A Retinopatia Diabética que afeta o fundo de olho (retina) é uma patologia que pode levar à baixa de visão e até cegueira. Todo paciente diabético tem risco de desenvolver alguma forma de retinopatia diabética. No mundo, são mais de 70 milhões de pessoas acometidas sendo esta a causa mais fre-

quente de cegueira nos países industrializados. A retinopatia diabética é caracterizada principalmente por anormalidades nos vasos da retina. Em estágios iniciais, a doença geralmente não causa sintomas, ou seja, o paciente não tem queixas. Com a sua evolução, podem surgir consequências como isquemia retiniana, inchaço (edema) da mácula, proliferação de vasos anormais (neovasos), sangramentos (hemorragia vítrea), fibrose com tração e consequente descolamento da retina. Esses sintomas causam baixa da visão e em alguns casos podem evoluir para perdas irreversíveis de visão. Por falta de orientação adequada e pela falta de sintomas no início da doença, o diagnóstico é,

muitas vezes, tardio e as chances de melhora podem ser reduzidas. O diagnóstico é feito pelo exame do fundo de olho realizado por oftalmologista. A avaliação de fundo de olho deve ser feita assim que o paciente descobre que tem Diabetes. O exame é indolor e realizado em poucos minutos após instilação de colírios. Outros exames complementares como a retinografia fluorescente onde são tiradas várias fotos da retina e a tomografia de coerência óptica (OCT) auxiliam o médico na classificação e extensão da doença além de definir alguns parâmetros do tratamento. Esses exames são indicados dependendo do estágio e tempo de Diabetes. O tratamento para re-

tinopatia diabética também depende do estágio da doença. Em estágios mais avançados o tratamento é feito com laser (panfotocoagulação). Novos tratamentos com drogas antiangiogênicas e diferentes parâmetros na aplicação de laser (laser sublimiar e micropulso) tem apresentado excelentes resultados nos mais recentes estudos. Nem todos pacientes precisarão de tratamento, muitas vezes é necessário apenas observação mas isso só poderá ser afirmado após avaliação médica específica. O paciente deve saber que o exame e diagnóstico só poderá ser feito por médicos e nunca por optometristas que geralmente trabalham junto às ópticas realizando exames de óculos.


08 - Jornal dos Aposentados

SAÚDE

Jaú, outubro de 2012

Fibromialgia É considerada uma síndrome porque engloba uma série de manifestações clínicas como dor, fadiga, indisposição, e distúrbios do sono Divulgação

A

fibromialgia é uma forma de reumatismo associada à da sensibilidade do indivíduo frente a um estímulo doloroso. O termo reumatismo pode ser justificado pelo fato de a fibromialgia envolver músculos, tendões e ligamentos. O que não quer dizer que acarrete deformidade física ou outros tipos de sequela. No entanto a fibromialgia pode prejudicar a qualidade de vida e o desempenho profissional, motivos que plenamente justificam que o paciente seja levado a sério em suas queixas. Como não existem exames complementares que por si só confirmem o diagnóstico, a experiência clínica do profissional que avalia o paciente com fibromialgia é fundamental para o sucesso do tratamento.

A “cura” da fibromialgia

Infelizmente não existe uma cura para a fibromialgia - a medicina séria e científica não esconde este fato do público, e sim trabalha para ampliar o acesso a esse tratamento para todos os pacientes.

Sintomas:

Os mais comuns são dor, fadiga e distúrbio do sono. A dor é o principal fator que leva o paciente a procurar cuidados médicos. As queixas dos pacientes em relação aos sintomas dolorosos são: pontada, queimação, sensação de peso, entre outras. O paciente apresenta dificuldade na localização precisa do processo doloroso. Alguns têm a impressão de que ela ocorre nos músculos, outros nas articulações, enquanto uma parte relata que a dor se localiza nos ossos ou “nervos”. Uma grande parte destes pacientes se queixa de dor no corpo todo. Tem se demonstra-

do, por meio de diversos estudos, a diminuição da produtividade e da qualidade de vida na fibromialgia. Isso justifica o crescente interesse da classe médica no estudo dessa entidade clínica.

Orientações gerais:

A fibromialgia não deve ser encarada como uma doença que necessita de tratamento, mas sim como uma condição clínica que requer controle. Isso porque, na pessoa predisposta, suas manifestações ocorrem ao longo da vida, na dependência de uma gama de fatores físicos e emocionais. Nesse contexto, as manifes-

tações devem ser tratadas na direta proporção de sua gravidade. De uma forma geral a abordagem da fibromialgia repousa em quatro pilares a saber: - Exercícios para alongamento e fortalecimento muscular, assim como para condicionamento cardiorrespiratório. - Técnicas de relaxamento para prevenir espasmos musculares. - Hábitos saudáveis para melhorar a qualidade de vida e reduzir o estresse. - Medicações para o controle da dor e dos distúrbios do sono. Eduardo S. Paiva -Reumatologista - Chefe do Ambulatório de Fibromialgia do HC-UFPR


PARA VIVER MELHOR

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

Fonte de Vida

Conheça a importância da água de boa qualidade para consumo e a influência que ela exerce sobre o nosso corpo Divulgação

Vivielen Vendramini

Divulgação

A

água é o principal constituinte das células humanas e está presente em todos os processos fisiológicos e bioquímicos que ocorrem no nosso corpo. Ela permite a regulação da temperatura corporal, é responsável pela eliminação de toxinas (através da urina, fezes e do suor) e representa cerca de 95 % do plasma sanguíneo que transporta oxigênio e nutrientes até às células.

Somos feitos de água

Ao nascer, um bebê é constituído por mais de 70 % de água. À medida que cresce, isso diminui gradualmente, devido ao acúmulo de gordura. Portanto, o organismo de um adulto é constituído por cerca de 60 % de água, que se encontra dentro e fora das células.

Além de ser o principal constituinte do corpo, a água desempenha ainda uma série de funções: permite-nos movimentarmo-nos, lubrificando as articulações e tonificando os músculos; regula a temperatura corporal interna através da transpiração; e, durante a gravidez, é o principal constituinte do líquido amniótico que protege e nutre o bebê, entre outros. Quando não há água ou quando esta é escassa, o transporte vital de energia e de outros elementos indispensáveis ao funcionamento das células fica imediatamente comprometido. Sem energia nem nutrientes, as células, os órgãos e todos os sistemas do corpo deixariam de funcionar. Os alimentos que in-

gerimos diariamente contribuem para a produção de toxinas que circulam no sangue. Quando não são eliminadas, estas substâncias vão intoxicando o organismo, contribuindo para o envelhecimento e causando doenças, nomeadamente as de origem cancerígena. Os rins são os responsáveis pela eliminação destas substâncias nocivas. Filtram o sangue e neles é formada a urina, que vai para a bexiga até ser excretada para o exterior. Se bebermos a quantidade de água recomendada, não sobrecarregamos este órgão. Facilitaremos, assim, o trabalho dos rins, uma vez que a água contribui para a dissolução das toxinas, o que permite uma eliminação mais fácil. A água desempenha

ainda um importante papel, no que diz respeito à prevenção de doenças e ao bem-estar geral, hidratando o corpo, contribuindo para que a pele se mantenha saudável, lisa e suave, evitando a prisão de ventre, ajudando a fortalecer as defesas naturais e a prevenção na formação de pedras nos rins, contribuindo para a redução do risco de infecções urinárias, ajudando a melhorar a capacidade de concentração, de raciocínio, contribuindo com o emagrecimento para quem está de dieta e até favorecendo o bom humor. Os médicos utilizam, por segurança, a porção de 1 a 2 litros de água como parâmetro para serem ingeridos por dia, mas isso varia de acordo com o peso e o gasto de energia de cada indivíduo.

09


10 - Jornal dos Aposentados

JURÍDICO

Jaú, outubro de 2012

Aposentadoria

Especial

Saiba o que é, quem tem direito e como requerer Divulgação

Divulgação

O

QUE É - Aposentadoria especial é o benefício concedido ao segurado ou à segurada que tenha trabalhado em condições prejudiciais à saúde ou à integridade física. QUEM TEM DIREITO Para ter direito à aposentadoria especial, além do tempo trabalhado, deverá ser comprovada a efetiva exposição a agentes nocivos químicos, físicos ou biológicos ou associação desses agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física pelo período exigido para a concessão do benefício (15, 20 ou 25 anos). A comprovação é feita no formulário denominado Perfi Profissiográfico Previdenciário (PPP), que é preenchido pela empresa empregadora com base em Laudo Técnico de Condições Ambientais de Trabalho (LTCAT), expedido

por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho. Caso o trabalhador tenha exercido, por um curto período, atividade em condições prejudiciais à saúde ou à integridade física, o tempo poderá ser convertido, de especial em comum, para concessão de aposentadoria por idade ou por tempo de contribuição. CARÊNCIA O tempo de contribuição necessário à concessão da aposentadoria especial depende da atividade exercida pelo segurado. Pode ser de 15, 20 ou 25 anos. DOCUMENTAÇÃO • Número de Identificação do Trabalhador –NIT (PIS/PASEP ou número de inscrição do contribuinte individual/ facultativo/empregado doméstico). • Documento de identificação com fotografia (Carteira de Identidade

e/ou Carteira de Trabalho e Previdência Social). • Cadastro de Pessoa Física – CPF. • Carteira de Trabalho ou outro documento que comprove o exercício de atividade e/ou tempo de contribuição. • Perfi Profissiográfico Previdenciário– PPP. Todos os documentos devem ser originais. AVISO DE APOSENTADORIA POR IDADE Trabalhadores urbanos que estiverem aptos a se aposentar por idade recebem uma carta avisando que é possível requerer o benefício após o aniversário de 60 anos (mulheres) ou 65 anos (homens), desde que informações e endereços estejam completos no CNIS. Mesmo que não receba a correspondência, o segurado ou a segurada que atender às condições pode solicitar o benefício a qualquer tempo.

COMO REQUERER UM BENEFÍCIO Para requerer um benefício, é preciso agendar o atendimento pelo portal da Previdência Social (www.previdencia.gov.br) ou pela Central 135 e seguir as orientações. IMPORTANTE • A partir dos 16 anos de idade, brasileiros e brasileiras podem filiar-se à Previdência Social. Pagando mensalmente a contribuição, terão direito aos benefícios. • Durante uma situação eventual de desemprego, é possível manter o direito aos benefícios por um período que depende do tempo de contribuição. O prazo varia entre 12 e 36 meses. • É necessário manter o endereço atualizado junto ao INSS. • O atendimento da Previdência Social é gratuito, simples e seguro, dispensando intermediários.


ASSOCIAÇÃO

Jaú, outubro de 2012

Uma mãozinha para ajudar A massagem traz inúmeros benefícios, não somente físicos, mas também psicológicos. Através dela, é possível restabelecer o vínculo entre mente e corpo, e redistribuir as energias de forma a diminuir as dores. Divulgação

Vivielen Vendramini

M

assagem é muito bom. Não somente pelo fato de poder aliviar alguma dor ou desconforto local, mas também porque o contato físico gera um certo sentimento de acolhimento. É como quando sentimos uma dorzinha em algum lugar e nos lembramos do quão bom era chamar a sua mãe e ela lhe fazer uma massagenzinha em cima. É o que acontece com muita gente. No entanto, não é só para isso que a massagem serve. Tem para tudo, desde tonificação do corpo a estímulos, relaxamento e prevenção. A psicóloga especializada em Massoterapia – Shiatsu e Tui Ná, Maria Beatriz Bernardi Faulin, é a responsável por este serviço na Associação dos Aposentados. Com tanto conhecimento, ela se destaca por atender há seis anos e ter incontáveis pacientes. E não há um que saia recla-

mando de seus serviços. Maria Beatriz – ou Bia, como prefere ser chamada – conta que a massagem é um dos mais antigos métodos de tratamento. “Tem-se registros de até 2.500 a.C. na antiga China, quando os imperadores eram tratados com esta técnica, mas também toda a população se beneficiava tanto do Tui Ná como do Shiatsu (naquela época com outras nomenclaturas)”. Naquela época, o tratamento era tido como conhecimento hereditário. Portanto, se o pai sabia, os filhos também deveriam dominar a arte. As massagens sempre serviram como método curativo, de alivio e prevenção de problemas, tanto físicos quanto emocionais. Por isso, sempre tiveram um papel muito importante na sociedade. Tui Ná e Shiatsu “Mais do que um conjunto de técnicas manuais, o Tui Ná e o Shiatsu tem por objetivo equilibrar o

fluxo de energia do nosso organismo. É só a partir do equilíbrio da energia que se consegue atingir a saúde plena, em todas as suas vertentes”, Bia conta. E complementa dizendo que “estudos recentes comprovaram que esta terapia tem também efeitos muito positivos na recuperação das funções de tendões, ligamentos, circulação dos líquidos orgânicos e do sangue.” Tanto o Shiatsu quanto o Tui Ná são explorados como terapias, já que há comprovações científicas de seus benefícios e eficácia. Ambas promovem, através do toque, o reequilíbrio físico, psíquico e energético do corpo humano. No entanto, há diferenças entre Shiatsu e a Tui Na. A primeira é um trabalho realizado aplicando pressão com as pontas dos dedos ou com as mãos em partes específicas do corpo. “O objetivo é o de aliviar dores, provendo relaxamento e uma

sensação de bem estar geral”, Bia explica. Já o Tui Ná consiste em manobras com alongamento, descompressão articular e amassamento muscular. “É uma massagem verdadeiramente relaxante”, Bia conclui. Sem idade Segundo Bia, a massagem não surte efeitos colaterais, desde que aplicados corretamente. Também não há restrição de idade para o tratamento, desde que o tratamento seja realizado por algum profissional, pois há o risco de ocorrer lesões. No entanto, há muito mais benefícios do que malefícios. Além de revitalizar a energia vital do corpo, como quando o fluxo da energia é perturbado por lesões, a massagem corrige os males causados pelos maus hábitos de vida, alimentação inadequada, ansiedade ou estresse. Atendimento A Maria Beatriz faz, primeiramente, uma avaliação do paciente, pois não basta massagear, é preciso conhecer os problemas para poder corrigi-los. Após avaliação, ocorre a primeira sessão de masso-terapi. Se a melhor técnica para o caso em questão for o Tui Ná, a sessão dura em torno de 20 minutos; se for o SHIATSU, então será em torno de uma hora. A Bia atende pelo telefone (14) 8143-4933.

Jornal dos Aposentados -

11


12 - Jornal dos Aposentados

ECONOMIA

Jaú, outubro de 2012

‘Fator é péssimo, mas necessário’

Divulgação

Garibaldi Alves defendeu a previdência complementar como uma opção viável para “quem puder pagar” Divulgação

C

om um déficit de R$ 36 bilhões, a Previdência Social ainda estuda formas de reduzir a diferença entre o total arrecadado e o montante com o qual o Tesouro Nacional precisa arcar continuamente. Em meio a pontos polêmicos - entre os quais se incluem o fator previdenciário e o baixo poder aquisitivo da aposentadoria -, a administração federal sugere a previdência complementar, através de fundos de pensão, como um dos caminhos para a garantia de renda do contribuinte após aposentar-se. Em visita ao Sistema Verdes Mares, onde foi recebido pelo diretor de programação do Sistema, Edilmar Norões, o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves, ressaltou o empenho da União em buscar formas de reverter o prejuízo, destacando, contudo, que ainda não foram encontrados mecanismos viáveis que substituam o fator previdenciário. O

sistema prevê uma redução no benefício e, desde que foi criado, em 1994, ainda é alvo de críticas.

Mal necessário

Referindo-se ao mecanismo como uma espécie de mal necessário, o ministro destacou que o sistema é fundamental, principalmente por conta da ausência de idade mínima para se aposentar. Ele acrescentou que o Brasil, juntamente com o Irã e o Equador, está entre os únicos países do mundo onde não há idade mínima para aposentar-se. “O fator previdenciário é péssimo. Eu sou do governo e digo: ´É péssimo´. Mas, na verdade, ele não pode ser simplesmente eliminado. Não se pode simplesmente eliminar o fator previdenciário se não se tem a idade mínima, se não se tem nada que o substitua”, acrescentou. Atualmente, tramita no Congresso um projeto de lei do senador Paulo Paim (PT-RS) que prevê a extinção do sis-

tema. Também tramita a criação de um índice de correção para garantir o reajuste da Previdência conforme o valor mínimo pago pelo Regime Geral da Previdência. A ideia é indexar o indicador ao aumento do salário mínimo.

Previdência complementar

A respeito do baixo poder aquisitivo do benefício, o ministro afirmou que a solução, “para os que podem pagar” e arcar com os custos, é fazer uso da previdência complementar, através de fundos de pensão. “Não se pode negar que o aposentado tem hoje sua aposentadoria com uma perda de poder aquisitivo muito grande”, ponderou, acrescentando que o fato se deve, em parte, à valorização do salário mínimo. “Quem ganha-

va, por exemplo, três ou quatro salários, com a valorização, passou a ganhar um salário. Isso só poderá ser corrigido ao longo do tempo”, comentou.

“Privilégio para alguns”

Além do saldo negativo na Previdência Social, a União, informa Garibaldi, arca com o rombo de aproximadamente R$ 60 bilhões da aposentadoria dos servidores federais. O fato, afirma, deve-se à existência do “privilégio de alguns”. Até o fim de março deste ano, o modelo de previdência do servidor público federal obedecia a um teto diferente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que atualmente é de R$ 3.916,20. “Enquanto a previdência geral tem a concessão de 29 milhões de benefícios, a outra

previdência tem 1.100 servidores aposentados. Por incrível que pareça, o sistema dos 29 milhões dá um prejuízo de 36 bilhões e os outros 1.100 dão um prejuízo de 60 bilhões”, ilustra. Conforme Garibaldi, mesmo com a equiparação do teto da aposentadoria, em março, as contas do benefício dos servidores federais só deixarão de dar prejuízo em aproximadamente 30 anos. O ministro destacou que, embora o tesouro nacional tenha arcado com o prejuízo da Previdência, é preciso reverter o cenário, havendo o risco de o Brasil passar a ter um cenário semelhante ao de países europeus em crise, onde, afirma, “o estado do bem estar social se ampliou de tal maneira que o tesouro nacional não pôde cobrir”.

Novas agências

Quanto aos processos de aposentadoria represados no INSS devido à carência de técnicos e ao volume expressivo de atendimentos, o ministro reconheceu que a Previdência precisa de mais profissionais para atender de forma adequada à demanda. Ele informou que, até o fim deste ano, deverão ser nomeados 2.700 novos técnicos no País, por meio de concurso já realizado, acrescentando que tem sido estudado um novo concurso. Além dos novos técnicos, complementou, o Ministério pretende, até o fim de 2014, inaugurar 720 novas agências em municípios brasileiros de até 20 mil habitantes. Nesta semana, ele participou da inauguração de uma unidade em Maracanaú. Fonte:diariodonordeste. globo.com


Jaú, outubro de 2012

EVENTO

Jornal dos Aposentados -

13

Feira das Nações Finais de semana religiosos, gastronômicos e divertidos em frente à igreja Matriz.

Vivielen Vendramini

Vivielen Vendramini

T

odos os anos, a Igreja Matriz conta com a colaboração de diversos setores da iniciativa privada para promover a Feira das Nações. O evento já se tornou uma tradição, e é sempre realizado nos finais de semana dos meses de setembro e outubro. Como a maioria dos voluntários que trabalham nas barracas são católicos praticantes, as festividades normalmente começam após as 20 horas, ou seja, ao término da missa. Mas, como nem só os católicos participam da celebração, a partir das 19 horas já é possível ver um início de movimentação. Segundo a integrante da comissão da festa e coordenadora de uma das barracas, Maria Perassoli de Oliveira, esta festa já acontece na cidade há 15 anos. “Tudo começou com o Padre Luiz Gonzaga, que teve a ideia de criar essa festa. Antes, na cidade, não tinha nada nesse tamanho. O que a gente via antes eram quermesses, como as do Padre Chiquinho. Depois que

a o Padre Luiz saiu, o Padre Celso [Buscariolo] deu continuidade”, ela comenta. Maria também fala que a ideia da festa surgiu porque os projetos da igreja precisavam de investimento. A sala da catequese, por exemplo, foi ampliada graças ao valor arrecadado. A Pastoral do Batismo, que é um curso de batizado, também foi criada com o dinheiro da festa. “Quem passa e olha de fora não sabe os projetos que temos em mente para beneficiar cada vez mais as

pessoas”, ela diz. “Mas sempre estamos convidando todos para conhecer, para fazer uma visita. Saber que estamos trabalhando para o bem delas”. Jaú precisava de algo diferente, isso era fato. Para agradar a todos os gostos, a festa do Padre Luiz chegou com várias barracas dos mais diversos tipos de alimentos e serviços montados. “Nós temos várias barracas, cada uma de uma nação. Por isso se chama Feira das Nações. Temos a barraca italiana, com macarronada; a suíça, com Vivielen Vendramini

esfirras e kibes; a brasileira, com churrasco. Este ano, tivemos barracas novas, como a do caldo; a do lanche, com hambúrgueres, salgados e doces”. Segundo ela, aqueles que tem algum vínculo com a igreja acaba sempre participando, seja na produção, atendimento ou até mesmo no caixa. Ela própria está sempre na barraca do churrasco. A Feira, que começa sempre na primeira semana de setembro, chega ao fim no dia 12 de outubro, dia da Nossa Senhora Aparecida. No dia 14, haverá missa às 19 horas, e logo depois a

comemoração do último dia de festa. Comer, comer: Para cada local que se olha, é possível ver uma barraca cheia de guloseimas. Muitas vezes, as filas em frente aos caixas são enormes. É difícil ver o fim delas. São inúmeras as barracas típicas, além dos dois caixas, várias mesas e cadeiras espalhadas por toda a parte frontal da igreja. O movimento é tanto que a rua é fechada nos dias de festa e algumas barracas são colocadas lá. Cada uma das delícias, que podem ser compra-

das no local, está separada por barracas com as nacionalidades que criaram tal comida ou popularizaram a iguaria. Na barraca América, por exemplo, pode ser encontrado cachorro e hambúrguer; na barraca Síria estão os kibes e salgados; na Portuguesa, é possível encontrar bolinhos de queijo; na Italina, não poderia faltar macarronada; na Brasileira, o que faz mais sucesso são os espetinhos. Além disso, há barracas destinadas aos doces e outra para bebidas, que não poderiam faltar. Vivielen Vendramini


14 - Jornal dos Aposentados

JaĂş, outubro de 2012


CULINÁRIA

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

Suflê de Morango A dica de culinária deste mês é da Luiza Pereira. Ela conta que esta receita é ótima para a sobremesa de um domingo em família. Duvidamos que alguém vá recusar uma maravilha de doce. Disso, vocês podem ter certeza! Divulgação

Vivielen Vendramini

Ingredientes: Massa:

8 claras 1 colher (chá) de fermento 8 colheres (sopa) de açúcar 8 gemas 2 colheres (sopa) margarina 1 colher (sobremesa) de essência de baunilha 8 colheres (sopa) de farinha de trigo peneirada Suflê de morango: 3 copos (requeijão) de água 15 colheres (sopa) de gelatina de morango 2 copos (requeijão) de água Retalhos de massa de bolo 2 copos (requeijão) de morango picado 3 colheres (sopa) de gelatina em pó sem sabor

Tempo de Preparo: 35 minutos 1/4 copo (requeijão) de água 1 copo de chantilly industrial líquido (medir antes de bater) Calda para regar o bolo: 1/2 lata de leite condensado 1/2 copo (requeijão) de água Misture os dois ingredientes e regue a massa. Decoração: - Morangos cortados em lâminas e chantilly batido Geleia de brilho: 1 copo (requeijão) de água 1 caixinha de gelatina em pó sabor morango 1 colher (sopa) de gelatina em pó sem sabor 1 colher (sopa) de amido de milho 1/4 copo (requeijão) de água

Rendimento: 20 porções

Modo de preparo:

Massa: Bata as claras com o fermento, acrescente o açúcar e bata mais um pouco. Reserve. Bata bem as gemas com a margarina e a baunilha. Acrescente a farinha, misture as claras em neve delicadamente. Leve para assar em forno médio. Depois de frio, cave com uma faca, retire os retalhos e deixe reservado. Suflê de morango: Aqueça a gelatina com os três copos de água, mexa, acrescente os dois copos de água e coloque no liquidificador. Coloque também no liquidificador os re-

talhos do bolo e bata bem. Acrescente o morango e bata novamente. Polvilhe a gelatina na água, aqueça e coloque no liquidificador. Bata um pouco, coloque em uma vasilha. Bata o chantilly e incorpore na mistura anterior. Use para rechear o bolo. Geleia de brilho: Coloque a água, a gelatina de morango e a gelatina sem sabor em uma panela. Mexa e leve ao fogo até dissolver. Dissolva o amido na água, mexa e acrescente na panela. Fique mexendo até engrossar. Deixe esfriar e coloque sobre os morangos.

15


16 - Jornal dos Aposentados

ENTRETENIMENTO

Jaú, outubro de 2012

Caça palavras Encontre as Palavras Escritas em Inglês: Português Cão Gato Coelho Galinha Morcego Zebra Urso Tartaruga Rato Pássaro Mosca Borboleta Cobra Dragão Dinossauro Chinchila

Inglês Dog Cat Bunnie Chicken Bat Zebra Bear Turtle Mouse Bird Fly Butterfly Snake Dragon Dino Chinchila

Palavras cruzadas

Jogo dos 5 erros

Labirinto


SOCIAL

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

ERRATA

Bailes da

Associação

Na edição passada (setembro/2012), ocorreram alguns erros com relação aos nomes dos associados e o Jornal dos Aposentados gostaria de se retratar, não só por estes erros, mas também pelos que aconteceram em edições anteriores. Pedimos desculpas aos senhores: Otacílio e Leonilda Rosatti, Osvaldo Lima e esposa Irene Barros, Dojanir José Torchetto e esposa Creusa Rossi e às amigas Otacília e Ivanilde. Abaixo segue suas fotos com as legendas corretas:

Vivielen Vendramini

Leonilda Rosatti e Otacílio Rosatti, presidente da Associação dos Aposentados

Vivielen Vendramini

Irene Barros e Osvaldo Lima

Vivielen Vendramini

Dojanir José Torchetto e Creusa Rossi

Vivielen Vendramini

As amigas, Otacilia, Ivanilde e Leonilda

Abrindo o mês de Setembro, o Musical Sem Limites tocou as melhores do sertanejo, forró e dança de salão Vivielen Vendramini

Isabel, Armando e Leonor Vivielen Vendramini

Neide e Santino

Vivielen Vendramini

Terezinha e Felício Vivielen Vendramini

Laura, Maria de Lourdes e Maria Aparecida

17


18 - Jornal dos Aposentados

SOCIAL

Jaú, outubro de 2012 Vivielen Vendramini

No segundo sábado do mês, a melhor idade ficou animada ao som de Jimi e Sonia, sempre muito simpáticos e animados. Adelaide e Ademar Agostini, 2º tesoureiro da Associação Vivielen Vendramini

Vivielen Vendramini

Ester e Maria Madalena (Lurdinha)

Domingos e Neusa Vivielen Vendramini

José, Rose, João e Lourdes

Vivielen Vendramini

Manoel e Cidinha

Vivielen Vendramini

Maria Clotilde e Geraldo Vivielen Vendramini

Os músicos Jimi e Sônia

Vivielen Vendramini

O ex prefeito, João Sanzovo, com sua mulher, Suzana

Vivielen Vendramini

Zenarte e Iolanda


SOCIAL

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados Vivielen Vendramini

Na primeira apresentação do Musical J.S. no mês de setembro, eles animaram o sábado e fez muitos dançarem até tarde. Neuci e Salvador Vivielen Vendramini

Matilde e Sebastião

Vivielen Vendramini

Marlene e Arildo Vivielen Vendramini

Maria Helena e José Luiz

Vivielen Vendramini

Luiza e Nelson

Vivielen Vendramini

João e Neide

Vivielen Vendramini

Diacuí e Adenilson Vivielen Vendramini

As irmãs Maria Cristina e Rosa

Vivielen Vendramini

Angela e Toledo

19


20 - Jornal dos Aposentados

SOCIAL

Jaú, outubro de 2012 Vivielen Vendramini

Em noite embalada pelo grupo Agagê, o sábado foi animado com muita música sertaneja, forró e dança. Banda Agagê Andreza Sega

Dorimar e João

Vivielen Vendramini

Rubens e Vânia Vivielen Vendramini

Neide e o sogro Abilio

Vivielen Vendramini

Irma e Geraldo Vivielen Vendramini

Sueli e Henrique

Vivielen Vendramini

Clésio e Iracilda Andreza Sega

Regina e Messias

Vivielen Vendramini

Ana Célia e Antonio


DESTINOS BRASILEIROS

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados Divulgação

Cataratas

do Iguaçu

Daniel Rosalin Turismo

F

oz do Iguaçu, com toda a sua diversidade de atrativos, representa um dos mais belos destinos turísticos do mundo. Possui riquezas naturais incomparáveis, como o Parque Nacional do Iguaçu, tombado como Patrimônio Natural da Humanidade e onde estão localizadas as Cataratas do Iguaçu. AS CATARATAS É UMA DAS 7 MARAVILHAS NATURAIS DO MUNDO! Outro ícone impulsiona o turismo local: Itaipu, a maior hidrelétrica do mundo em produção de energia. E, dentro do Complexo Turístico de Itaipu, o turista pode visitar o Ecomuseu, o Refúgio Biológico Bela Vista e também assistir à Iluminação da Barragem. Além das Cataratas, o Parque Nacional do Iguaçu dispõe de trilhas interpretativas e atividades de ecoaventura: rafting,

rapel, escalada em rocha, arvorismo e passeios de barco em meio às quedas. É possível também sobrevoar as Cataratas de helicóptero. Próximo ao Parque Nacional, encontra-se o Parque das Aves, onde o visitante se depara com as mais diferentes espécies de aves em seus habitats naturais. Outro passeio imperdível é ao Marco das Três Fronteiras, divisa do Brasil com o Paraguai e a Argentina, podendo-se apreciar os três marcos simultaneamente, além do encontro dos rios Iguaçu e Paraná. A cidade dispõe ainda de atrativos culturais, com ênfase para a arquitetura religiosa, como a Igreja Matriz, o Templo Budista e a Mesquita Muçulmana. No aspecto arquitetônico, destacam-se ainda as Pontes Internacionais da Amizade,

na divisa com o Paraguai e Tancredo Neves, divisa com a Argentina. Há ainda inúmeras opções de lazer no Lago de Itaipu, como o passeio no barco Kattamaram. Além de todas essas alternativas, a cidade possui um amplo parque hoteleiro, sistema de transportes, gastronomia, serviços de apoio e locais para realização dos mais variados eventos. Opções não faltam para fazer com que seus momentos em Foz do Iguaçu sejam inesquecíveis. Venha desfrutar deste paraíso! COMPRAS Além das belezas naturais, sempre é bom tirar um tempinho para compras. DUTY FREE SHOP Com um ambiente sofisticado e descontraído, este centro de compras e lazer está localizado na zona franca

de Puerto Iguazú – fronteiro da Argentina com o Brasil – o que permite que sejam encontrados exemplares originais de marcas importadas famosas a preços bem mais acessíveis, devido à ausência das taxas de importação. Uma ótima oportunidade para se fazer compras! PASSEIO AO PARAGUAI Conhecida pelo seu vasto comércio, Ciudad Del Este é considerada um dos maiores centros de compras do mundo, portanto, o turista que vai a Foz do Iguaçu, não pode deixar de visitar a cidade vizinha. São milhares de lojas, que oferecem produtos asiáticos, americanos e europeus com preços e opções convidativas de perfumes, presentes, bebidas, brinquedos, eletrônicos, tênis, roupas, artigos decorativos, entre diversos outros itens.

21


22 - Jornal dos Aposentados

INFORMÁTICA

Jaú, outubro de 2012

Dicas de Informática

Você está começando agora a usar o computador e não sabe para que servem algumas teclas e comando? Não tema, todos os meses daremos dicas práticas de como usar os recursos do seu computador Divulgação

Andreza Sega

A

s teclas do computador estão da mesma forma que as da máquina de escrever comum, você sabia? A única diferença está em alguma teclinhas a mais que serão explicadas uma a uma nesta seção a cada mês. SHIFT No começo de todos os parágrafos, nomes próprios, de órgãos públicos, marcas ou até mesmo nas siglas, nós sempre colocamos as letras em maiúsculo, certo? Para fazer isso, você precisa fazer o uso de uma tecla que leva o nome em inglês

“shift”, que quer dizer “alternar” ou “mudar” em português. Essa tecla também é representada por uma seta indicando para cima, sem nenhum outro escrito. Para auxiliar na hora de usá-la, ela está presente em dois botões do teclado, no lado direto. Ela está logo abaixo do “backspace” e é maior, já do lado esquerdo, ela aparece acima da tecla “control” e abaixo da tecla “fixa”. Ou seja, na hora de deixar a letra maiúscula, você pode usar qualquer uma dessas duas teclas, basta escolher a que está mais próxima da letra necessária. Mas, o mais impor-

tante, para se fazer uso da funcionalidade da tecla, você precisa segurá-la e apertar junto a tecla da letra que você deseja deixar maiúscula. FIXA OU CAPS LOCK No lado esquerdo do teclado, acima de uma das teclas “shift”, aparece uma outra tecla com um nome em inglês: a “caps lock”. Ela também pode aparecer com o nome “fixa” ou uma seta indicando para cima em alguns teclados. Mas geralmente ela é chamada de “caps lock”, que significa “travar”. Você deve estar se perguntando: “travar o quê?”. Eis a resposta: como o “shift”, a tecla

“caps lock” mantém as letras em maiúsculo. Porém, a grande diferença, é que para usá-la basta apertá-la uma única vez e todas as letras clicadas posteriormente vão ficar maiúsculas. Para voltar a deixá-la minúsculas, você necessita apertar o botão “caps lock” novamente; ou seja, desativá-la. Ele vai manter em letras maiúsculas ou minúsculas o seu texto. Em alguns teclados, quando o “caps lock” está ativo, ou seja, deixando tudo em maiúsculo, uma luz é acessa no canto superior, e quando ela é desativada, a luz se apaga. Isso acontece normalmente em te-

clados de computadores. Já nos notebooks ou netbooks, há duas possibilidades, algumas marcas até usam a luz, em outras, apenas aparece uma mensagem na tela quando a tecla é ativada ou desativada. TAB OU FLECHAS ALTERNADAS Quem não se lembra da professora falando que em todo começo de parágrafo “é preciso dar um espaço de mais ou menos um dedo”? Enfim, no computador existe uma tecla específica para dar esse espaço. E, diferente do caderno, aqui eles vão ter o mesmo tamanho. A tecla responsável por

isso é a “tab”, que em português significa “tabulação”. É claro que esse espaço também pode ser feito apertando algumas vezes a tecla de espaço, mas você sempre terá que lembrar quantas vezes a apertou para que o espaço do texto fique uniforme. Em alguns computadores, o escrito “tab” é substituído por duas setas alternadas, uma para a esquerda e outra para a direita, isso é porque em certos programas o “tab” é usado para se mudar de células, como é o caso do Excel, um programa próprio para a criação de planilhas e tabelas.


CIDADE

Jaú, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

23

O colorido das flores Orquídeas de diversos tipos, cores e tamanhos foram expostas e estavam disponíveis para a venda por três dias na Exposição Nacional de Orquídeas que passou por Jaú. Fotos: Andreza Sega

Andreza Sega

P

ara onde se olhava era possível ver o colorido tomando conta do ginásio de esportes Doutor Neves. Por três dias, Jaú foi a sede dos aficionados por orquídeas do Brasil. A cidade recebeu a 6ª Exposição Nacional de Orquídeas entre os dias 14 e 16 de setembro. Graças a Caoja, Círculo dos Amigos Orquidófilos de Jaú, a cidade faz parte daquelas que todo ano recebem expositores, vendedores e admiradores da planta. Segundo o presidente da Caoja, José Roberto Pegoretti, Jaú possui grandes cultivadores da planta e sempre participa das exposições pelo país. “Na exposição aqui em Jaú são em torno de duas mil e seiscentas plantas, trazidas por expositores de 34 cidades”, comenta Zelão, como é popularmente conhecido. Mas não era só para olhar que as pessoas podiam ir até o ginásio.

Em um local onde tantas plantas chamam a atenção, a possibilidade de compra não poderia faltar. “Seis vendedores de plantas participaram

da exposição com mais ou menos três mil e quinhentas plantas”. Quanto aos preços, os valores eram variados. “Para a compra, há plantas entre cinco reais e

quinhentos, mas em exposição há plantas com valores até mais altos”, comenta o cultivador. Para aqueles que admiraram profundamen-

te a planta, mas tinham medo de não conseguir cuidar dela depois, o presidente da associação disse que não havia o que temer. “Todos os vendedores

foram orientados a dar informações sobre cada tipo de orquídeas, pois há algumas pessoas que compram para amarrá-las em árvores, então

essas devem gostar de sombra, enquanto há outras que preferem o sol. Então cada vendedor orientava a pessoa que comprasse a respeito de como cuidá-la”.

A vida da planta: Para quem se pergunta quanto tempo essas flores delicadas e resistentes podem sobreviver, Zelão conta que não há como

calcular o tempo de vida dela. “Nenhuma orquídea morre, na verdade, nós é que a matamos. Por isso há orientação. Também tem um vendedor de fungicidas, adubos

e materiais necessários para a sobrevivência da planta, desde vasos e cachepos apropriados”. O presidente ainda conta que alguns expositores possuem plantas com anos de cultivo. “Tem cultivador possui a planta há anos, que já passou de gerações em gerações, de pai para filho, de avô para neto. Tem expositor que faz 60 anos que cultiva orquídeas e tem plantas de quando ele começou”. Penjing: Não eram só as flores que podiam ser apreciadas. Havia também o penjing, uma arte de cultivar de pequeninas árvores japonesas. “Essa é uma técnica nova. O bonsai você rega em cima, o penjing você rega embaixo”, explica Zelão. E para esclarecer, ele completa dizendo que “no próprio vaso há uma fissura por baixo, onde você coloca a água. Então ela umedece o musgo e a planta sobrevive”.


24 - Jornal dos Aposentados

JaĂş, outubro de 2012


Jaú, outubro de 2012

MODA

Jornal dos Aposentados -

25

Idoso é o novo desafio para indústria da moda A velhice, se não chega a ser um tabu para a indústria da moda, é praticamente ignorada por ela

Divulgação

O

Instituto de Estudos e Marketing Industrial de São Paulo (Iemi) faz pesquisas de mercado nos setores de vestuário, calçados e móveis para que os lojistas entendam melhor o comportamento do consumidor. Marcelo Prado, 46, diretor do instituto, aponta uma maior participação de pessoas acima dos 65 anos no setor da moda. Segundo ele, não houve um aumento só na população de idosos, mas também em seu poder de compra. “Existe uma predisposição para que os idosos se tornem a grande fatia do mercado a partir de 2030. Ao fazer moda para terceira idade podemos mudar a

modelagem, o decote, mas temos que manter os estilos da estação, as cores, os tecidos etc.”, afirma Prado. Marilda Ferraz, 75, vai ao cabeleireiro, dirige, trabalha e consome. “Eu me sinto integrada à sociedade. Daqui a algum tempo, tudo o que faço, que hoje ainda é considerado surpreendente, será visto com naturalidade”, diz. Ela se refere não só ao envelhecimento da população brasileira, mas também a uma mudança no perfil da terceira idade. COMENDO MOSCA Apesar de todas essas mudanças, o desenvolvimento de vestuário voltado para esse público

ainda é um movimento embrionário na indústria da moda. Segundo Patricia Sant’Anna, 37, pesquisadora do Grupo de Estudos em Arte, Design e Moda da Unicamp, esse público alvo é muito difícil de satisfazer. “O cliente não pode ser chamado de velho. Temos que reinventar um nome, uma ideia de elegância e propor isso de maneira sutil. Não querem ser excluídos do universo da moda e nem uniformizados por um figurino da terceira idade.” Em entrevista à Folha, o estilista Ronaldo Fraga, 45, diz que não existe moda para terceira idade. “Era muito comum senhorinhas entrarem

na loja e dizerem que iam comprar roupa para suas netas. Mas, na verdade, estavam comprando pra elas mesmas.” Em 2009, Fraga fez a coleção Risco de Giz que foi apresentada na São Paulo Fashion Week por idosos e crianças. Para ele, o desfile significou mais: “Vivemos num país tão jovem que uma pessoa se torna invisível para a sociedade depois que faz 65 anos. O que nós estamos fazendo com os nossos idosos? Como queremos envelhecer?”. Ronaldo Fraga concorda. “Se a moda não quiser olhar para os idosos pelo olhar humanizador, de inclusão, que seja pelo econômico: A indústria está comendo mosca.”

Fonte: www1.folha.uol.com.br

Modelo desfila vestido da coleção "Risco de Giz", de Ronaldo Fraga


26 - Jornal dos Aposentados

CLASSIFICADOS

Jaú, outubro de 2012

Veículos

Imóveis Fone: (14) 3622-2270/Fone: (14) 9773-2013 R: Riachuelo, 720 Centro

Rua Sete de Setembro, 719

(14) 3621-5959

VENDE:

JD. MARIA LUIZA III

Terreno 10m X 30m. bem localizado, c/alicerce e casas vizinhas, R$ 105 Mil, Ref. 3173

JD. MARIA LUIZA IV

Casa nova,ótimo acabamento, 02 dormitórios, sala, cozinha, banheiro, lavanderia, garagem p/02 autos, + aptº. nos fundos: 01 dormitório, sala/cozinha, lavanderia, R$ 85 Mil., Ref. 3217

JD. FLAMBOYANT Casa semi-acabada no 03 suítes, área de lazer c/piscina, www.imobiliariaconfiancajau.com.br garagem, T: 12 x 30, 145 Mil + Parcelas Ref. 3172

Acesse nosso site:

LOCAÇÃO:

VENDA:

JD SÃO CRESPIM 2 dormitórios, sala, cozinha, wc social, área com churrasqueira, área de serviço, garagem para 2 autos. JD PIRES DE CAMPOS II 2 dormitórios, sala, cozinha, wc social, área de serviço, garagem para 1 auto. JD AMÉRICA 3 dormitórios sendo 1 suíte, sala, cozinha, wc social, área de serviço, garagem para 1 auto.

JD ALVORADA - NOVA 3 dormintórios sendo 1 suíte, sala 2 ambientes, wc social, cozinha, área de serviço, quarto p/ despejo, área com churrasqueira, garagem para 2 autos. JD SÃO FRANCISCO 3 quartos sendo 1 suíte, 3 salas, lavabo, cozinha, wc social, área de serviço, quarto despejo, wc externo, área com churrasqueira, jardim, garagem para 2 autos. PROXIMO AO CAMPO DO XV Terreno + casa, 2 quartos, sala, cozinha, wc social, área de serviço, quarto despejo, wc externo, garagem para 1 auto.

Casa Jd São Francisco FACILITO PAGAMENTO 3 quartos (1 suíte c/ closet), lavabo, wc social, 3 salas (jantar/estar/TV), cozinha, área serviço, quarto de empregada, despejo, wc externo. Área c/ churrasqueira, jardim e garagem p/ 2 autos. R$ 410.000,00.


PERSONALIDADE

Jaú, outubro de 2012

Eles nunca param Souza e Neide não se aquietaram com a aposentadoria. O casal, super apaixonado, divide seu tempo trabalhando e aproveitando a vida a cada minuto Fotos: Andreza Sega

Andreza Sega

U

m casal simpático e muito divertido, Aparecido de Souza e Neide Virginia Stripari já são aposentados, mas nem por isso deixaram de curtir a vida. Aparecido, mais popularmente conhecido como Souza, trabalhou em vários locais antes de se tornar carteiro. Aliás, ele gostou tanto de trabalhar nesta profissão, que mesmo após se aposentar não conseguiu deixá-la de lado. “Eu me aposentei com 53 anos no Correio, já fazia 16 anos que eu trabalhava lá, mas mesmo assim eu continuei trabalhando”. Foi graças a esse emprego que ele, que era viúvo, conheceu Neide, que havia se tornado viúva também há pouco tempo. “Eu vim transferido para Jaú há dezoito anos atrás, e fui morar exatamente na casa da frente da mãe dela”, ele recorda. Dona Neide, que já trabalhou como vendedora de joias e cabeleireira, lembra da ocasião em que se conheceram. “Ele começou a me rodear”, brinca, “até que me convidou para tomar um sorvete e eu aceitei. Foi assim que saímos juntos pela

primeira vez. Desde então, já faz dezenove anos que estamos juntos”, ela conta alegremente. Embora seja pensionista, ela nunca fica parada em casa. “Eu amo bater perna pra rua, dirijo e não paro em casa mesmo”, brinca. Mas não pense que ela passa todo o seu tempo só em passeios. Super prendada, Neide faz parte de um grupo no Sesi, onde compartilha com suas amigas, uma vez por semana, o que aprendeu em trabalhos manuais como tricô, crochê entre outras atividades. Um dos grandes incentivadores e admiradores de seus trabalhos é o seu marido. “Ela faz coisas lindas que qualquer mulher que vê já baba”. E ele também não fica atrás com seus hobbies. Souza está sempre com seu violão compondo músicas, jingles e hinos religiosos. “Esses dias o padre me pediu para escrever um hino para Santa Helena, pois não tinha, e eu fiz, ficou até bonito”, ele conta e recebe um largo sorriso da esposa que diz aprovar. “Sim, ele sempre toca e toca muito bem”. Para a rádio, Souza

conta feliz que fez algumas das aberturas de programas das rádios de Jaú. “Do programa do Dito Leite fui eu que fiz, sou eu lá cantando, fiz também o da mulher ursa”, diz alegremente. Família unida Quando se casaram, ambos já tinham respectivamente um filho cada, frutos dos casamentos anteriores. “Nós éramos viúvos. Por fim, temos dois filhos; ela o dela e eu o meu”, brinca Souza. Os “meninos”, que na verdade já eram moços, aceitaram muito bem o romance. “Minha história foi meio complicada, pois meu falecido marido ficou muito tempo doente, na cama. Então, eu acho que essa foi uma das razões de meu filho aceitar muito bem. Porque ele falou que eu já tinha sofrido muito e queria que eu vivesse”, relembra emocionada Neide. Juntar as famílias foi uma tarefa fácil para eles, que tiraram de letra a nova junção. “Não enfrentamos esses problemas que a maioria passa; eles nos apoiaram muito em tudo. Lógico que no começo tinha um ciume-

zinho, mas agora não”, diz Neide. Aliás, essa super mãezona também é todo elogios ao filho do marido. “Ele é muito querido, está sempre por aqui e é muito participativo. Se estivesse aqui agora, iria participar da conversa feliz da vida”, comenta. Porém, a alegria total de dona Neide é com o netinho, um adolescente de 15 anos. “Ele vem todos os dias aqui e almoça com a gente, eu adoro ele”. Sem parada Não é só da casa e dos hobbies que o casal vive. Neide diz que eles não param mesmo e sempre dão um jeitinho de passar um tempo juntos em alguma atividade. “Não paramos em casa. Às vezes usamos um dia livre para viajar ou passear. Se não saímos da cidade vamos comer uma pizza, dançar em algum baile, ou em algum bingo, mas a gente nunca para.” E Souza complementa com alegria a fala da esposa. “A gente nunca briga. Sempre nos entrosamos e vamos atrás de fazer alguma coisa, mesmo que for pra sair e ir em velório a gente vai” ele brinca com dona Neide.

Jornal dos Aposentados -

27


28 - Jornal dos Aposentados

MEMORIAL

Jaú, outubro de 2012

Uma homenagem à

Fiori Gigliotti Inaugurado em 2006, o Memorial Fiori Gigliotti contém um grande acervo que retrata a vida deste que fez história no mundo esportivo Andreza Sega

pequeno, o banheiro da Divulgação casa da tia era o estúdio. onsiderado um Ali narrava jogos e gritados maiores nar- va gols, imitando o ídolo radores esporti- Fiori Gigliotti. vos do mundo, Fiori GiFiori possuía vários gliotti nasceu em Barra bordões, mas o mais coBonita, recebeu mais de nhecido ficou marcado duzentos títulos de ci- nas locuções de João Cadadão honorário e tra- nabrava, personagem de balhou em 12 Copas do Tom Cavalcanti: “abremMundo, tendo em seu -se as cortinas e começa currículo mais de 5 mil o espetáculo”. jogos narrados e mais No fim de 2005 rede 15 mil gritos de gol. cebeu a “Medalha da Devido a Ordem Nasua gran- “[Aprendi a] respei- cional do de impor- tar a individualidade Mérito Futetância na de cada pessoa” – bolístico” da história do Luiz Alberto Gigliotti, F e d e r a ç ã o esporte, foi Paulista de sobrinho do Fiori criado um Futebol, ocaGigliotti, quando Memorial questionado sobre o sião em que em sua ho“Eu que o tio representou disse: menagem. confesso que em sua vida. O Memohoje vivo um rial foi ideamomento de lizado com o auxílio do muita emoção. É daquepróprio Fiori e principal- les momentos de rara mente de Dona Adelai- felicidade que nos fazem de Gigliotti, sua então ter alegria de viver”. esposa. O casal abriu o Fiori veio a falecer arquivo pessoal e cedeu na madrugada de 8 de todo o material fotográ- junho de 2006, vítima fico, títulos de cidada- de falência múltipla de nia, troféus e materiais órgãos. originais que pertenceFiori escolheu a vésram ao mestre Fiori, ar- pera de uma Copa do quivados durante toda Mundo para dizer adeus sua brilhante carreira. ao futebol, ao rádio e No dia 20 de abril de aos milhares de torcedo2006, o Memorial foi res que se acostumaram inaugurado pelo próprio a ouvir suas transmisFiori, numa solenidade sões sempre carregadas belíssima. O próprio Fiori de emoção. Na transemocionou-se e disse es- missão da Rede Globo tar vivendo um momen- da partida inaugural to diferente, vendo sua da Copa do Mundo de vida e carreira eternizada 2006, um dia após a no Memorial. sua morte, o “mestre Dono de uma voz sin- Fiori” recebeu homegular, Fiori é exemplo nagem de Galvão Buepara muitos dos locuto- no, que iniciou a narrares esportivos em ativi- ção com a inesquecível dade hoje. Milton Ne- frase do grande Fiori: ves, em seu site oficial, “Abrem-se as cortinas e disse que quando era começa o espetáculo”.

Arquivo

C Andreza Sega

Andreza Sega

Arquivo

Arquivo

Arquivo


JaĂş, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados -

29


30 - Jornal dos Aposentados

Jaú, outubro de 2012

DICAS DE CONSTRUÇÕES

Deixe sua casa mais fresca no verão com 11 dicas práticas Divulgação

Divulgação

C

asa abafada é praticamente sinônimo de verão. Se já está preocupado com as altas temperaturas que estão por vir, saiba que alguns truques simples de decoração podem dar uma ajudinha e até diminuir os gastos com ventilador e ar-condicionado. Confira 11 sugestões listadas pelo arquiteto Sergio Astrauskiene e leve mais frescor aos ambientes: 1) Substitua tapetes peludos e de cores escuras ou fortes

por peças de fios curtos e tons pastel; 2) Itens de vidro refrescam. Vale investir em espelhos, vasos, quadros de foto com vidro protetor; 3) Excesso de objetos torna os espaços mais abafados. Portanto, retire bibelôs, abajures, artigos de madeira; 4) Se for possível, elimine cores escuras das paredes. Dê preferência a tonalidades claras e pastel. Use tinta, papel de parede ou adesivos; 5) Sofás de tecidos pesados, como veludo e camurça, e de cores fortes não com-

binam com o verão. Que tal cobri-los com capas de panos leves? Entre as opções estão algodão e linho; 6) As mantas de sofá devem ser deixadas de lado nos meses mais quentes; 7) É interessante colocar capas nas almofadas muito escuras. Componha o visual com tecidos leves (linho, algodão, seda) de cores claras; 8) Acha que a cortina está deixando o ambiente “pesado”? Como tirar o forro pode atrapalhar para assistir TV, mude o seu xale. Deixe-o em um tom mais suave;

9) As lâmpadas de LED não aquecem o ambiente como as tradicionais e ainda são mais econômicas; 10) Lance mão de plantas, mas tenha cuidado. É que folhagens muito grandes e volumosas podem carregar locais pequenos e conferir sensação de calor; 11) Quem gosta de fontes tem um motivo a mais para colocá-las na casa. É que a umidade delas colabora com os moradores no verão. A mesma regra se aplica a aquários e outros artigos de decoração com água.


Jaú, outubro de 2012

DIA DO IDOSO

Jornal dos Aposentados -

Uma data especial...

O

Dia Nacional do Idoso foi estabelecido em 1999 pela Comissão de Educação do Senado Federal e serve para refletir a respeito da situação do idoso no País, seus direitos e dificuldades. A população no mundo está ficando cada vez mais velha e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por volta de 2025, pela primeira vez na história, haverá mais idosos do que crianças no planeta. O Brasil, que já foi celebrado como o país dos jovens, tem hoje cerca de 13,5 milhões de idosos, que representam 8% de sua população. Em 20 anos, o País será o sexto no mundo com o maior número de pessoas idosas. O dado serve de alerta para

que o governo e a sociedade se preparem para essa nova realidade não tão distante. O avanço da medicina e a melhora na qualidade de vida são

as principais razões dessa elevação da expectativa de vida em todo o mundo. Apesar disso, ainda há muita desinformação sobre as particularidades do

envelhecimento e o que é pior: muito preconceito e desrespeito em relação às pessoas da terceira idade, principalmente nos países pobres ou em de-

senvolvimento. No Brasil, são muitos os problemas enfrentados pelos idosos em seu dia-a-dia: a perda de contato com a força de trabalho, a desvalori-

31

zação de aposentadorias e pensões, a depressão, o abandono da família, a falta de projetos e de atividades de lazer, além do difícil acesso a planos de saúde são os principais. Segundo pesquisa do IBGE, em 1999, apenas 26,9% do total de idosos no País possui algum plano de saúde, sendo que em algumas regiões como o Nordeste essa taxa ainda cai para 13%. As mulheres são ainda mais afetadas, porque vivem mais tempo e, em geral, com menos recursos e menos escolaridade. Diante desse quadro, o governo brasileiro precisa elaborar, o mais rápido possível, políticas sociais que preparem a sociedade para essa mudança da pirâmide populacional. Fonte: Jornal A Voz da Serra.


32 - Jornal dos Aposentados

JaĂş, outubro de 2012

Jornal dos Aposentados Jaú - 5ª Edição - Outubro de 2012  
Jornal dos Aposentados Jaú - 5ª Edição - Outubro de 2012  

Jornal dos Aposentados Jaú - 5ª Edição - Outubro de 2012

Advertisement