Page 1

____DE ONDE __NASCERAM ____NOSSOS _TERREIROS?


UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Curso de Arquitetura e Urbanismo TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO

DE ONDE NASCERAM NOSSOS TERREIROS?

CENTRO DE ARTES PERFORMÁTICAS NA RUA AUGUSTA

Aluno: Frederico Vergueiro Costa Orientador: Prof. Dr. Leandro Medrano

NOVEMBRO DE 2011


SUMÁRIO 4 INTRODUÇÃO 5 6 8 9

TRÊS TERREIROS EM SÃO PAULO PRAÇA ROOSEVELT, OS TEATROS E AS PAULADAS AV. PAULISTA, OS MUSEUS E OS NEGÓCIOS RUA AUGUSTA, AS BALADAS E A DIVERSIDADE

14 BAIXO AUGUSTA 34 LINA BO BARDI Entre os Terreiros e Teatros 39 REM KOOLHAAS Um máximo de programa e um mínimo de arquitetura 41 DIRETRIZES URBANAS DIRETRIZES PARA UMA CIDADE ACONTECIMENTO 50 PROJETO ARQUITETÔNICO EDIFÍCIO MULTIFUNCIONAL 62 BIBLIOGRAFIA


INTRODUÇÃO A Rua Augusta talvez seja uma das mais conhecidas regiões especializada em Cultura e Entretenimento de massa em São Paulo. Seus três quilômetros, praticamente lineares, partem da porção oeste do Vale do Anhangabaú, Centro da Cidade de São Paulo e sobem em linha reta para a Avenida Paulista para depois descer diretamente até cruzar com a Rua Estados Unidos. Seus atrativos, em sua maioria noturnos, são conhecidos destinos até do turismo internacional sendo a Parada do Orgulho LGHT o maior evento Turistico de São Paulo que cruza sua Esquina com a Avenida Paulista com uma versão metropolitana e colossal de suas Baladas. A imagem que o lugar adiquiriu extravasa seus atributos fisicos e neste caso arquitetonicos. Não parece haver nenhum atributo arquitetonico ou urbano exepcional capaz de justificar sua condição atual de efervecência cultural e mercadológica. Divide a memória dos boemios e das famílias que passaram por ela. Do luxo à Boca do Lixo e às áreas de meretrício do centro da Capital é um tradicional eixo de ligação entre estas duas realidades extremas. Vive-se até hoje dividido entre estas duas idéias de cidade que se misturam e consolidam uma realidade urbana complexa e única.

OBJETIVO

- Investigar empreendimentos locais como repertório de análise do local. Os Teatros próximos ao centro, as baladas ao longo da Rua e os grandes empreendimentos próximos à Avenida Paulista. - Realizar um exercício de projeto na escala do quarteirão em que deverão ser propostas articulações espaciais capazes de contemplar interesses privados com benfeitorias públicas. - Quantificar e distribuir um programa arquitetônico definido a partir da investigação do repertório local e definir projeto arquitetônico de edifício como ensaio de articulação destes programas .


PRA

ROO

SEV

RU

A A UGU STA

ÇA

ELT

TRÊS TERREIROS EM SÃO PAULO A região denominada Baixo Augusta é uma parcela da Rua Augusta que liga o Centro Histórico de São Paulo a Avenida Paulista. Como eles, é um espaço urbano com coesão social relacionada à contextos culturais específicos, intitucionais ou não. A Roosevelt e os Teatros, a Avenida Paulista e os Museus e Centros Culturais e a Augusta com a Cultura eo Entretenimento de massa.

AV. PAULISTA

5


1982 CONSTRUÇÃO DO VELÓDROMO DA CONSOLAÇÃO Primeiro estádio de futebol do Brasil, foi construído no local onde hoje se encontra o Teatro de Cultura Artística construido na decada de 1950 com projeto de Rino Levi

00

1903 CONSTRUÇÃO DO THEATRO MUNICIPAL DE SÃO PAULO 1911 O grandioso edifício foi viabilizado por incentivos municipais que oferecia insenção de impostos para a construção de teatros. A obra foi realizada pelo escritório de Ramos de Azevedo com capacidade para receber grandes produções, principalmente óperas.

01

1922 SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 Realizada no próprio Theatro Municipal de São Paulo, o evento de arte moderna demarca as origens do Movimento Moderno no Brasil e em São Paulo a consolidação do Grupo da Antropofagia. Estabelecem como princípio a ruptura com os canones artistísticos do passado e a busca por abordagens novas para todo o sistema de arte e da cultura.

02

1966 CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO COPAN DE OSCAR NIEMEYER Encomendado para a comemorção do IV Centenário da Cidade de São Paulo, foi só concluído 15 anos depois.

03

1955 INAUGURAÇÃO DO TEATRO DE ARENA A companhia que teve origem em 1953 adapta uma garagem na Rua Teodoro Baima, em frente a Igreja da Consolação. Como o próprio nome diz, o formato do palco em arena estabelecia uma oposição aos teatros tradicionais e compunha o aparato conceitual para a elaboração de um teatro experimental genuinamente nacional e revolucionário.

04

CRONOLOGIA PRAÇA ROOSEVELT, OS TEATROS E AS PAULADAS Os aconteciemntos e os marcos arquitetônicos localizados no entorno da Praça Roosevelt remetem desde as mais tradicionais isntituições de cultura até os movimentos renovadores e críticos da arte. O cenário que reunia estudantes e artistas próximos à multidão do centro urbano em seu pleno crescimentos nas décadas de 60 e 70 - foi interrompido pelas tranformações politicas e sociais desencadeadas no Regime Militar.

1967 MONTAGEM DA PEÇA O REI DA VELA PELO TEATRO OFICINA Para reinaugurar o Teatro na Rua Jaceguay que fora incendiado, a companhia montou a peça de Oswald de Andrade que depois de 34 anos seria apresentada pela primeira vez. A grande reestreia foi bem sucedida e estabeleceu também os principios conceituais associados ao movimentos culturais da tropicalia e da antropofagia com a intenção também de se elaborar uma proposta de teatro brasileiro.

05

1968 INVASÃO AO TEATRO GALPÃO No final da encenação da peça Roda Viva, escrita por Chico Buarque e dirigida por José Celso Martinz Corea o teatro foi invadido por cerca de vinte homens armados de cassetetes, espancaram os artistas, depredaram todo o teatro, desde bancos, refletores, instrumentos e equipamentos eletricos até os camarins. O ataque foi atribuido ao grupo radical CCC, Comando Contra Comunista, e não foi comprovado o envolvimento de militares porém a peça foi censurada e não pode ser apresentada depois do episódio.

06

1968 BATALHA DA RUA MARIA ANTÔNIA Estudantes da Faculdade de Filosofia da USP e membros da UNE, União Nacional de Estudantes, entram em conflitos com alunos das Faculdades do Colégio Makenzie na Rua Maria Antônia. Um estudante foi morto. Nos anos que se seguiram, o governo do estado transferiu as unidades da USP no centro da cidade para a Campus no Butantã.

07

6


1968 POROGULGADO O AI-5 O governo federal comandado pelos militares desde 1964 intitue o AI-5 concede as atribuições dos poderes legislativos ao poder executivo e da inicio ao período mais rígido do Regime Militar. 1982 CRIAÇÃO DO CPT COMO PARCEIA ENTRE SESC E

CRONOLOGIA PRAÇA ROOSEVELT, OS TEATROS E AS PAULADAS

GRUPO MACUNAÍMA

Recentemente novos teatros A companhia comandada por Antunes Filho amplia suas atividades para ocuparam a região. São teata área da formação do ator e da origem ao CPT, Centro de Pesquisa Teatral, a partir do vinculo com o SESC. ros pequenos e experimentais A sede fica na unidade SESC Consolaçao onde também se encontra o que buscam criar e testar Teatro Anchieta na Vila Buarque. novos paradigmas artisticos, 1970 CONSTRUÇÃO DA LIGAÇÃO LESTE OESTE E culturais e técnicos que se DA ATUAL PRAÇA ROOSEVELT relacionam com as ações de Iniciada pelo Prefeito Faria Lima, a via expressa foi concluida com o fim seus precursosres locais. das obras do Elevado Costa e Silva, o Minhocão, na gestão de Paulo A reativação do local por parMaluf. A praça constituia justamente a ligação entre a via expressa elevada e o trecho existente. Acima da via no subterrâneo havia ainda te das Companhias e consedois níveis de estacionamento, a laje pouco acima do nível da rua e quentemente do público daõ sobre ele uma cobertura acessível em forma de pentágono. Se por um embasamento para as obras lado oferencia um espaço público abrigado e generoso por outro não cumpria seu papel como praça. Além do difíci acesso desde a calçada de reforma que estão sendo até o Pentágono, a distribuição das pessoas neste espaço não favorerealizadas hoje na Praça cia sua articulação. Os que passam pela rua, mal conseguem perceber Roosevlt pela Prefeitura. os frequentadores acima. Quem está sob o pentágono não pode ser

08

09

visto por quem está acima dele e nem do alto dos prédios vizinhos. A maior obra em concreto armado da américa latina na época, os 3 km de elevado acabaram gerando uma forte desvalorização imobiliára por onde passou e não oferece nenhuma opção ou contrapartida arquitetônica para os moradores locais e pedestres.

2000 NOVOS TEATROS DA PRAÇA ROOSEVELT Depois de anos com seu potencial cultural ofuscado pela desvalorização da região e pelas intimidações sofridas pelos grupos Teatrais Experimentais durante o Regime Militar, somente a partir do ano 2000 que uma série de Teatros se instalaram nos térreos dos edífício na Praça Roosevelt. O primeiro a se intalar na região foi o Teatro dos Satyros. Hoje são 6 espaços diferentes em funcionamento na mesma rua. O Teatro do Ator ocupa uma das salas do antigo Cine Bijou que funcionou na praça durante as décadas de 70 e 80 e que promovia a difusão dos filmes se arte e europeus. Os teatros têm em comum a caracteristica de se apropriarem de espaços arquitetônicos convencionais, livres e pouco determinados e que permitem experiementar diferentes espaços cênicos que variam desde a posição do espectador até a relação entre o aparato técnico e os atores. Outro ponto comum é a presença constante de bares que a maioria das comapanhias mantêm em seus espaços além de outros que se estabeleceram por ali. A proxima grande mudança, além da reforma da praça que já está acontecendo, é a tranferênia da SP Escola de Teatro para edifício remodelado na Praça Roossevelt.

10

7


1958 INAUGURAÇAO DO CONJUNTO NACIONAL

DE DAVID LIBENSKIND

00 Primeiro edifício que ocupou totalmente um quarteirão na Avenida

Paulista. Marco da nova fase da avenida após mudança na legislação na década de 1950.

1958 CONSTRUÇÃO DO MASP DE LINA BO BARDI NA PAULISTA 1968 Primeiro grande museu na Avenida Paulista que atribui sentido cultural para a região de maniera intitucional e ao mesmo tempo inovadora. O vão que se estende das calçadas da Avenida é um legitimo exemplar de como Lina difine os espaços livres em seus projetos como terreiros.

01

1969 CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DA FIESP–CIESP–SESI 1979 DE RINO LEVI O projeto para o edificio das entidades representativas das industrias nacionais foi selecionado por concurso realizado em 1969. O generoso edifício de escritórios exemplifica os sentidos que a Av. Paulista adquiriu como novo centro financeiro da capital.

02

1991 PROMULGAÇÃO DA LEI ROUANET Lei nº 8.313 de 23 de dezembro de 1991 constitui a Lei Federal de Incentivo à Cultura que viabilizou a abertura da maioria dos centros culturias vinculados as instituições financeiras na Avenida Paulista na partir da década de 1990. 1992 INAUGURAÇÃO DA LINHA-2 VERDE DO METRÔ A linha da Avenida Paulista foi inaugurada em 1992 durante o Governo da Prefeita Luiza Erondina

03

1995 INAUGURAÇÃO DA SEDE DO INSTITUTO ITAÚ CULTURAL

DO ESCRITÓRIO LOEB

dos primeiros exemplares de aplicação de recursos da Lei Rouanet 04 Um para a consolidação das Instituições Culturais vinculadas aos grupos

financeiros principalmente por meio da elaboração de Centros Culturais e Museus

1998 INAUGURAÇÃO DO CENTRO CULTURAL DA FIESP

05

DE PAULO MENDES DA ROCHA O projeto de readequação do térreo para transforma-lo em Centro Cultural é mais um exemplo de como os usos se diversificaram na Avenida Paulista principalmente por mudanças nos padrões de ocupações de grandes empresas na cidade que se concentram hoje sobretudo na Região do Rio Pinheiros.

CRONOLOGIA AV. PAULISTA, OS MUSEUS E OS NEGÓCIOS A Avenida Paulista na década de 1990 começa a sofrer profundas tranformações. Muitas das empresas que estavam instaladas imensos edificios da avenida se tranferiram para novos edíficios nos distritos financeiros próximos ao Rio Pinheiros. A partir de 1995, muitas instituições e prinipalmente os bancos utilizram grande quantidade de recursos advidos dos incentivos fiscais da Lei Rouanet de incentivo à cultura para estabelecer grandes Centros Culturais na Avenida. Possui hoje um circuito bastante consolidado, de alta qualidade e com recursos abundantes geridos pelas instiruições culturais . É um contexto que coloca o público em contato com manifestações artisitcas consolidadas nacionais e internacionais de arte contemporânea além além de fomentar, mapear e consolidar a carreira de artistas locais.

8


1996 REALIZAÇÃO DA 1ª PARADA DO ORGULHO LGBT Foi o primeiro evento do gênero em São Paulo. Em 2006 chegou a ser considerado a maior Parada Gay do mundo e é hoje a maior atração turística da cidade de São Paulo. Acontece todo ano na Avenida Paulista como uma grande festa chega atraír 3,5 milhões de pessoas em um só edição. Sua dimensão e sentidos politicos e culturais consilidam a Avenida Paulista como um terreiro metropolitano de manifestações, convívio e desenvolvimento cultural.

06

1995 INAUGURAÇÃO DO CLUBE ALOCA É o Clube em atividade mais antigo da Baixa Augusta. Localiza-se na Rua Frei Caneca e foi durante muito tempo um meio termo entre a programação noturna mais cara e sofisticada dos Jardins e a carência destes estabelecimentos no centro da cidade.

07

2001 CONSTRUÇÃO DO SHOPPING FREI CANECA A instalação deste imenso empreendimento comercial sinaliza e contribui para uma grande valorização imobiliária da região que se verifica pela presença dos três novos empreendimentos imobiliarios de grande porte e distantes não mais do que 200 metros do Shopping Center.

08

2005 INAUGURAÇÕES DOS CLUBES VEGAS, VOLT E ZCARNIZERIA 2009 Estes três novos emprendimentos de lazer foram inaugurados na região da Baixa Augusta pelo empresário Facundo Guerra. Se apropriaram de contextos locias para aprimorar suas atrações. O Z se instalou no local onde afirmam ter funcionado um açougue e a decoração foi toda relacionada aos elementos iconográficos da antiga atividade. No Volt, foram reunidos letreiros em Neon que foram proibidos a partir de 2007 pela lei da cidade limpa que eliminou os anuncios publicitários na cidade.

09

2007 FECHAMENTO EM MASSA DOS CLUBES MASCULINOS A valorização imobiliária tomou o lugar de grande parte dos clubes masculinos da região. Quando não instalados nas dependências do térreo de edifícios, estes clubles ocupavam imóvies mais antigos, com gabarito baixo e aparentemente com manutenção precária e que se tornaram atraentes para o mercado imobíliario que pode unificar lotes para empreendimentos de alto padrão. De 23 clubes deste tipo que funcionavam em 2007, estão em funcionamento apenas 9 este ano. 2011 PRIMEIRA PISTA GRATUITA NA RUA AUGUSTA O Bar do Netão disponibilizou pela primeira vez, em um pequeno porão, a primeira pista de dança com acesso gratuito. Além dela, o local possui apenas o corredor de acesso onde fica exatamente o bar. É uma célula mínima. Desde então, uma multidão se aglomera na calçada e chega a tomar o espaço da via como uma extensão do próprio bar. Na pista, 100 pessoas ja criam uma aglomeração, porém durante a noite são incontáveis o número de pessoas que podem entrar e sair, ficar ou ir embora deixando apenas sua contribuição financeira para o bar. Seu imenso sucesso evidência a necessidade e o esforço de público e dos empresários locais de se preservar as condições culturais e econômicas através de novas estratégias que comportem a diversidade de público que garantem o funcionamento deste complexo de equipamentos de cultura de massa.

10

CRONOLOGIA RUA AUGUSTA AS BALADAS E A DIVERSIDADE No passado recente o Baixo Augusta era principalmente conhecido como local onde concentravam-se os mais movimentados clubes masculinos com atrações eróticas que conformavam um grande chamariz luminoso para a prostituição. Na década de 90 a construção do metrô na Avenida Paulista e estaçaõ na esquina com a Augusta além de novas políticas públicas voltadas novamente para o centro histórico são algumas causas para a valorização da região. Desde a década de 60 a região, principalmente do lado Jardins, foi palco de fenômenos de mídia que têm a música como principal canal de difusão de informação, idéias, cultura e costumes. A Jovem Guarda foi o movimento precursor deste fenômeno em São Paulo. A partir da década de 1980 o Movimento Clubber inaugura o reinado dos Clubes de música eletrônica que definem hoje o contexto cultural, desta vez no Baixo Augusta.

9


1958 INAUGURAÇAO DO CONJUNTO NACIONAL

DE DAVID LIBENSKIND

edifício a ocupar totalmente o quarteirão na Avenida Paulista. 00 Primeiro Marco da nova Avenida após mudança na legislação na década de 1950. 1978 REALIZAÇÃO DA EXPOSIÇÃO “MITOS VADIOS” Exposição “Mitos Vadios” em um estacionamento próximo da esquina da Rua Augusta com a Rua Estados Unidos. Hélio Oiticica participa da exposição com sua obra: Delírio Ambulatório.

01

1984

02

1988

03

1992

1994

04

1995

CRONOLOGIA RUA AUGUSTA OS CLUBES E A DIVERSIDADE

A rua se encontra em uma condição privilegiada. No passado uniu o centro histórico à INAUGURAÇÃO DO CLUBE MADAME SATÃ aristocracia que habitava os Clube pioneiro em São Paulo localizado na Bela Vista e responsável por bairros jardins precursores reunir grande diversidade de público e consolidar um cenário cultural principalmente Jardim Amérialternativo e underground na cidade. ca - cruzando a aristocrática ABERTURA DO CLUBE NATION Avenida Paulista. Clube aberto nos fundos da Galeria América na Rua Augista do lado Hoje é uma via que se Jardins oferecia uma versão mais sofisticada do que o Madame Satã. extende (com outros nomes) Estabeleceu um forte cenário de difusão de cultura alternativa, moda e comunicação. Fechou em 1991. desde o centro histórico até a Marginal do Rio Pinheiros. INAUGURAÇÃO DA LINHA-2 VERDE DO METRÔ Porém o trecho que mais A linha da Avenida Paulista foi inaugurada em 1992 durante o Governo da Prefeita Luiza Erundina e se conectava com a Linha-1 Azul do Metrô se desenvolve é justamente entre a Avenida Paulista e o ABERTURA DO ESPAÇO UNIBANCO DE CINEMA Centro Histórico que passou Um antigo cinema no lado centro da Rua Augusta é reativado a ser conhecido como Baixa graças ao programa de Cinemas vinculados ao UNIBANCO que pertence a família Moreira Salles e foi recentemente unida Augusta. ao Banco Itaú. É o unico cinema de Rua em atividade no lado A rua acumulou os senticentro da Augusta. No lado jardins funciona a sala do Cinedos que permaneceram na SESC. memória de seus frequentadoCRIAÇÃO DO FESTIVAL MIX BRASIL DE CINEMA res do passado com as novas Participação do Brasil no Mix Nova York (Lesbian and Gay Experimental atrações vivenciadas hoje por Film Festival) se configura em um grande evento que tem como uma uma geração mais jovem. vaiedade de atações dentre elas a difusão de conteudo audiovisual, festas, feiras, peças teatrias. Todos possuem temáticas relacionadas à diversidade sexual.O evento dura aproximadamente um mês e está na 19ª edição este ano.

1995 TRANSFERÊNCIA DO MERCADO MUNDO MIX O Mundo Mix era uma pequena loja vinculada ao Festival Mix Brasil que promovia durante o evento o mercado alternativo e vendia camisetas além de outros acessórios. Em 1994 se tornou um evento idependente e diversificado que vendia desde roupas e acessórios até serviços de maquiagem, piercings além de atrações culturais. Ocupou naquele ano um pequeno galpão na Vila Madalena. O evento cresceu e passou então a ocupar as instalação do Cineclube Elétrico, na Rua Augusta, no lado centro. Hoje o mercado é permanente e ocupa uma Galeria no lado Jardins da Rua Augusta.

05

10


IXO O L DIA D N CA BO COLA LUZ A A CR NOV OU

REPÚBLIC

A

01 02

PRAÇADA

Th hea eatr atr t o Mu Muni nici ni icciipa pall

Teat Te attro a trroo de Ar A en e a S SC Con SE o so sola laçã la çãoo ççã TTeeat atro ro Anc nchi chi hiet eta a e CP CPTT 08 U iv Un iver ersi er sid si dade dade da des 07 M ckkenzi Ma en nzi zee USP US P Ma Mari r a An ri Anttôôni ôni na

04

í io Cop opan a an 03 EEddiffíc

atroo d da a Cu Cult lttur ura aA Arrti tist stic st iicca 00 Teeat Teatro attros roos da a Roo ooseve seveelt se lt 09 10 Te PRA 05

ÇA

ROO

Teeat TTeat atro roo Offiici ici cina na na

SEV

ELT

lg guns gu ns clu ns ube b s 08 AAl m sccul ma ulin ino no fe fech chad ch ados o

06

T at Te atrroo Ga allp pão pã ão (Atu (A tual Rut tual tu uth th Es Esco coba co ar

ub Veg gass 09 Cllub Ba ar 09 Z Ca arn rniz izzer eria ia Ba ar Voolt 09

Ma ada dam mee 02 Mada Meerccad do Mu Mu und n o Mi nd Mi x 04 M S ttã ã noo ant n ant ntig ig go Ci C neeclub ccllub be El Elét éttriicoo Sa étri 06 CCllub u e Al A ooccca a Espa pa p açço Uni Un niiba iba banc nco nco 04 Es dee Cin Cin i em e a

R. AUGUSTA

Esta Es tta aççã ão Cons Co on nssol ola aççãoo 03

Pa arra ada ad da a GLB GLB BT

auli liist sta a 05 naa Pau Conj njun nj u to 00 Co Naci Na Naci cion onal nal al

MASP SP 01 MA

AV. PAULISTA

Edif iffíccio io da 02 Ed FIES FI ESPES P-CI CIES CI SPP-SE SE ESII 05

04 0

Itaú It taú ú Cu C ult l ur ural a al

Club lub b 03 Cl Na attiion ion

al d da a Expos xp possiã ão 01 LLoMocca itos it osV os Va adi d oss

11


CENTRO EXPANDIDO

SÃO PAULO

A

O

RA DEN

IN

RI

TÊ TI AV. TES

AV. IPIRANGA

JOÃO

CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE SÃO PAULO

EDIFÍCIO ALTINO ARANTES, O BANESPÃO PRAÇA DA SÉ LARGO DO SÃO FRANCISCO

3

E JU

.2 AV

LHO

ILVA TA E S O COS D A V E EL O STE HOCÃ O MIN O LESTE-OE Ã Ç A IG L

LARGO DE SÃO BENTO

PRAÇA DA REPÚBLICA

O AV. SÃ

E

ST

E OE ST ELE EST L L A DI ÃO RA AÇ LIG

DE O

AI

AV. 9 D

M

MASP

PACAEMBU

AV. PAULISTA

RUA AUGUSTA

M

G AR

O LD

TIE

JARDIM AMÉRICA

MAR

GINA

L DO

RIO

PINH

EIRO

PARQUE DO IBIRAPUERA

S

12


815 m 755 m

RO

OS

E VE

LT

BAIXO AUGUSTA

LADO CENTRO

1.7KM

QU PR ADRA OJE DO TO

PRA ÇA

1.3KM

AVENIDA PAULISTA

AUGUSTA Lado Jardins RUA ESTADOS UNIDOS

N fonte: goole maps, 2011

13 13 1 3 13


QUARTEIRÓES ADJACENTES E IMEDIAÇÕES

BAIXA AUGUSTA AUGUSTA

TOPOGRAFIA

13 00 m

755m 760m 765m 770m 775m 780m 785m 790m 795m 800m 805m 810m

AV. PAULISTA 815m

REGIÃO DE ANÁLISE E INTERVENÇÃO

810m 805m 800m 795m 790m 785m 780m 23°32’ S 46°66’ O

N

100m 1000m

14


CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS

SO LA ;Á

O

RUAS E TRANSPORTE COLETIVO PRA

RO

OS

EVE

LT

RU AB EL AC INT RA

RU AA UG

US TA

RU AF

RE

IC

AN EC

A

RU AD AC

ON

ÇA

RU AP

EIX OTO

GO

MID

E

RUA FERNANDO ALBUQUERQUE

RUA HADDOCK LOBO

RUA ANTÔNIO CARLOS

RUA LUIS COELHO

AV. PAULISTA

58000 EMBARQUES DIÁRIOS ESTAÇÃO DE METRO EM CONTRUÇÃO LINHA 4 AMARELA ESTAÇÃO DE METRÔ LINHA-4 AMARELA ESTAÇÃO DE METRÔ LINHA-2 VERDE PONTO DE ÔNIBUS

15


DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS USOS MULTIFNCIONALIDADE

QUARTEIRÃO

LOTEAMENTO ORIGINAL DA AVENIDA PAULISTA

s do a n do s n zio ba E a a s VR v io LI mo, c í if PO nsu M Ed TE , co e d nto s e ço nim a Ep tre En s os rio ç i ó rv rit Se Esc e e a i ad or éis se s M ot o g o H va ent s no am re ion r Te tac Es

ÁREA DO QUARTEIRÃO TAXA OCUPADA POTENCIAL UTILIZADO

10680 m² 50% 5,25 X

VAZIOS 5456 m² ESTACIONAMENTOS 40% ÁREAS LIVRES (PRIVATIVAS) 60%

TOTAL DE ÁREA ÚTIL residencial 40% hotéis 10% tempo livre 20% serviços 20% estacionamentos 04% áreas livres 06%

16


EQUIPAMENTOS CULTURAIS E VIDA NOTURNA

1 iros Sát atro s Te do aço la de Esp Esco 84 SP o 1 tor udi do A t s 2 E atro ros s Te tõe s Saty Teatro de Arena a p a o la sitc Par aço d Artí Sesc Consolação Esp Teatro ultura i C Teatro Anchieta Min ro de t a e T TUSP

Clube Noir

Teatro e Cinema Frei Caneca Teatro Augusta

CLUBES CLUBES MASCULINOS BOTECOS, BARES RESTAURANTES SHOPPINGS TEATROS

Comedians Espaço Unibando de Cinema

TEATROS E CINEMAS

Teatro e Cinema Livraria Cultura

Igreja da Consolação

Áreas destinada para bosque público Outs

The Society Inferno Studio SP Beco 203 Beach Club Vegas

Bar do Netão

Sonique Container Fun House

Clube Atlético São Paulo

Bofetada Bar Verde Club Aloca

Paróquia do Divino Espírito Santo

Sarajevo

ÁREAS VERDES CLUBE ESPORTIVO IGREJAS

CLUBES CLUBES MASCULINOS

23°32’ S 46°66’ O

N

100m

1000m

17


CLUBES NOTURNOS OS

ESTABELECIMENTOS DE LAZER NOTURNO OFERECEM ATRAÇÕES, PRINCIPALMENTE MUSICAIS ALÉM DE RECURSOS TÉCNICOS VISUAIS OU DECORATIVOS, COMO LUZES, TELÕES E PROJEÇÕES, QUE APRIMORAM A EXPERIÊNCIA ESPACIAL. AS BALADAS, BOATES OU CLUBES SÃO OS PRINCIPAIS LOCAIS DE ENTRETENIMENTO E CULTURA DE MASSA NO BAIXO AUGUSTA RECENTEMENTE. COMPORTAM ENTRE 250 A 700 PESSOAS E AS MAIS FAMOSAS ATINGEM LOTAÇÃO COMPLETA FREQUENTEMENTE O QUE ACABA GERANDO FILAS QUE SE ESTENDEM PELO QUARTEIRÃO OCUPANDO TODA A CALÇADA, SEU ESTREITO FOYER. ALÉM DE UM CONTROLE DE ACESSO PELO CONTROLE DA LOTAÇÃO DEVIDO A ALTA DEMANDA, O MAIS COMUM É ENCONTRAR ESTABELECIMENTOS QUE EXIGEM VALORES MÍNIMOS DE CONSUMO OU DE ACESSO. É MUITO DIFÍCIL ENCONTRAR UMA PISTA DE DANÇA COM A MAIORIA DOS RECURSOS TÉCNICOS DE SOM E LUZ QUE BASICAMENTE TODAS OFERECEM COM O ACESSO GRATITO, PORÉM ISSO JÁ ACONTECE EM ALGUMAS LOCAIS. CARACTERIZAM-SE BASICAMENTE PELA PRESENÇA DA PISTA. LOCAL AMPLO E TOTALMENTE LIVRE PARA RECEBER UMA AGLOMERAÇÃO DE PÚBLICO DESEJÁVEL E ESSENCIAL PARA QUE O EVENTO SEJA BEM SUCEDIDO TANTO PARA O PÚBLICO QUANTO PARA OS PROPRIETÁRIOS. COMO ESTES ESPAÇOS SÃO LIMITADOS TANTO POR QUESTÕES ACÚSTICAS QUANTO PRÁTICAS E ECONÔMICAS, ESTA SITUAÇÃO DE AGLOMERAÇÃO PODE SER FACILMENTE ATINGIDA. É COMO UM ESTADO DE MULTIDÃO E OS ESTABELECIMENTOS SÃO COMO CAPSULAS DE MULTIDÃO. O APARATO DE SOM E LUZ É BASTANTE DIVERSIFICADO E PROMOVE UMA EXPERIÊNCIA ESPACIAL DELIRANTE E ESTIMULANTE POTENCIALIZADA PELA AGLOMERAÇÃO. TODAS ELAS POSSUEM BARES OU JUNTO À PISTA OU EM UM AMBIENTE ESPECÍFICOS SEPARADOS. VARIAM EM FUNCIONAR SOMENTE DURANTE ALGUNS DIAS E PRATICAMENTE A SEMANA TODA E MESMO COM AMBIENTES BASTANTE FLEXÍVEIS NÃO É TÃO COMUM VERIFICAR OUTRAS ATIVIDADES DE LAZER OU CULTURAIS NOS SEUS ESPAÇOS EM OUTROS MOMENTOS. NA MAIORIA DELAS SÃO OS DJ’S QUE SELECIONAM E RODAM AS MÚSICAS DURANTE O EVENTO. EM CLUBES ESPECÍFICOS E MAIORES QUE POSSUEM UM PALCO E APARATO DE SOM MAIS SOFISTICADO É COMUM ACONTECEREM SHOWS COM MÚSICOS AO VIVO E ATÉ APRESENTAÇÕES COMPLETAS DE BANDAS CONVIDADAS. OS CLUBES MASCULINO, AMERICAN BAR OU SIMPLESMENTE AS CASAS DE STRIP-TEASE SÃO FREQUENTADAS EXCLUSIVAMENTE POR HOMENS E OS SHOWS SÃO EXCLUSIVAMENTE DE MULHERES. NAS FACHADAS ELAS SÃO FACILMENTE IDENTIFICAS PELOS LETREIROS EM NEON ACESSOS À NOITE E QUE DURANTE O DIA PERMANECEM DISCRETOS. SÃO RELATIVAMENTE POUCOS OS ESTABELECIMENTOS DESTE TIPO NA RUA AUGUSTA HOJE E SÃO OS QUE MAIS SOFRERAM O IMPACTO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA DA REGIÃO.

18


CASAS NOTURNAS

CAPACIDADE DE PÚBLICO

[1995] ALOCA

600

Rua Frei Caneca, 916

[1999] SARAJEVO

400

Rua Augusta, 1397

[2002] FUN HOUSE

200

Rua Bela Cintra, 567

[2003] CLUBE OUTS

600

Rua Augusta,

[2005] VEGAS

500

Rua Augusta, 765

[2006] INFERNO

600

Rua Augusta, 882

[2008] TAPAS

300

Rua Augusta, 1246

[2008] STUDIO SP

450

Rua Augusta, 591

[2009] SONIQUE

300

Rua Bela Cintra, 461

[2010] CONTAINER

350

Rua Bela Cintra, 483

[2010] LAB CLUB

300

Rua Augusta, 523

[2010] BAR DO NETÁO Rua Augusta, 822

70

+RUA

[2011] BECO 203

600

Rua Augusta, 609

[2011] BEAT CLUB Rua Augusta, 625

[2011] SOCIETY Rua Marques de Paranagua, 329

250 700

TOTAL 6970 PESSOAS

19


TEATROS

CAPACIDADE DE PÚBLICO

[1999] TEATRO AUGUSTA

112

Rua Augusta, 943 Palco Italiano e Pláteia Frontal

[1999] TEATRO AUGUSTA

55*

Rua Augusta, 943 Palco e Pláteia Adaptáveis

[2000] ESPAÇO Ç DOS SATYROS

Praça Franklin Roosevelt, 214 Palco Aberto e Pláteia Frontal Inclinada

60

[2005] TEATRO FREI CANECA

600

Rua Frei Caneca, 569 Palco Italiano e Platéia Frontal

[2005] ESPAÇO Ç DOS SATYROS 2

60

[2006] ESPAÇO Ç PARLAPATÕES

96

Praça Franklin Roosevelt, 214 Palco Aberto e pláteia Frontal Inclinada Praça Franklin Roosevelt, 158

[2007] TEATRO NAIR BELO Rua Frei Caneca, 569 Palco Aberto e pláteia Frontal

240 LOTEAMENTO ORIGINAL DA AVENIDA PAULISTA

[2007] TEATRO EVA HERZ

168

Av. Paulista, 2073 (Livr. Cultura) Palco Italiano

[2008] CLUB NOIR

50*

[2009] MINI TEATRO

45

Rua Augusta, 214 Palco Aberto e Pláteia Frontal Inclinada Praça Franklin Roosevelt, 108 Palco e Platéia Flexiveis

[2010] COMEDIANS

300

Rua Augusta, 1129 Clube de Comédia com mesas na platéia

[0000] TEATRO DO ATOR

112

[0000] STUDIO 184

80

Praça Franklin Roosevelt, 172 Cine-Teatro adaptado [Cine Bijou] Praça Franklin Roosevelt, 184

TOTAL 1978 PESSOAS PLATÉIA FIXA

PLATÉIA FLEXÍVEL

[*LOTAÇÃO] 20


SALAS DE CINEMA [2010] CINE LIVRARIA CULTURA [CONJ. NACIONAL Sala 1 Sala 2

300 100

400 LUGARES

[2001] SHOP. FREI CANECA Sala 1 Sala 2 Sala 1 Sala 2 Sala 3 Sala 4 Sala 5 Sala 4 Sala 5

268 234 181 103 103 125 103 103

877 LUGARES

125

[0000] SHOP. CENTER 3 Sala 1 Sala 2 Sala 1 Sala 2 Sala 3 Sala 4 Sala 5

444 144 144 177 133 242 115

1399 LUGARES

[1979] CINE SESC Sala 1

326

[1993] ESPAÇO UNIBANCO DE CINEMA Sala 1 Sala 2 Sala 3 Sala 4 Sala 5

326LUGARES

263 240 170 107

832 LUGARES

51

CINEMA DE RUA

CINEMA DE SHOPPING

EM NÚMERO DE POLTRONOAS

TOTAL 1158 TOTAL 2319 TOTAL 3477

21


CLUBES

BOFETADA

BAR VERDE

MUITA LUZ E POUCO ESPAÇO

CLUBE ALÔCA

BAR DO NETÃO

22


VEGAS

BAR VOLT

TAPAS CLUB

LAB CLUB

Ezye Moleda

23


ECLÉTICOS BAR INFERNO BECO 203 STUDIO SP

SONIQUE

24


CLUBES MASCULINOS COCO BONGO

SAY

NOVA BABILÔNIA BALNEÁRIO

CASARÃO

BLUE NIGHT SHOW

NIGHT HOUSE

BIG BEN SHOWS

MY LOVE KILT SHOWS 25


BOTECO ESTABELECIMENTOS

QUE COMERCIALIZAM BEBIDAS E OCASIONALMENTE COMIDAS QUE PODEM SER CONSUMIDAS NO LOCAL. PODEM SER CHAMADOS DE BAR QUANDO NÃO OFERECEM MUITAS OPÇÕES DE COMIDA. APROXIMAM-SE DAS LANCHONETES E PADARIAS QUANDO OFERECEM UMA GRANDE VARIEDADE DE REFEIÇÕES NO CARDÁPIO. A CARACTERÍSTICA CONSTANTE É O BALCÃO, QUE ORGANIZAM O ESPAÇO NO INTERIOR DO ESTABELECIMENTO. PERCORREM TODO O AMBIENTE DELIMITANDO UMA ÁREA DE TRABALHO PARA FUNCIONÁRIOS E A ÁREA DE REFEIÇÃO E ESTAR PARA OS FREQUENTADORES. APROXIMADAMENTE METADE PARA CADA LADO. É TANTO UM LUGAR PARA REFEIÇÃO NO LADO EXTERIOR QUANTO UM LOCAL DE PREPARAÇÃO DOS PRATOS NO INTERIOR. OS EQUIPAMENTOS NA ÁREA DE SERVIÇO SÃO MAIS OU MENOS ELABORADOS CONFORME O QUE O ESTABELECIMENTO OFERECE. GERALMENTE TEM ACESSO LIVRE, PORTAS AMPLAS E SEMPRE ABERTAS. O ACESSO E A PERMANÊNCIA SÃO GRATUITOS E ELES FUNCIONAM DURANTE TODO O DIA E A MAIORIA DURANTE A NOITE. ESTAS FACILIDADES DE ACESSO E PERMANÊNCIA VIABILIZAM UM IMPORTANTE ASPECTO DA RUA. ELES SE TORNAM PONTOS DE ENCONTRO OU LOCAIS DE CONCENTRAÇÃO DE PESSOAS NÃO PLANEJADOS. AO CAMINHAR PELA RUA ATÉ ONDE SE PLANEJA PASSAR A NOITE, UM FREQUENTADOR DA REGIÃO PROVAVELMENTE PASSARÁ POR INÚMEROS DESTES LOCAIS ONDE ENCONTRARÁ CONCENTRAÇÕES MAIORES OU MENORES DE PESSOAS QUE BUSCAM NOS BOTECOS PREÇOS MAIS BARATOS, AMIGOS NÃO ESPERADOS E ATÉ MESMO UMA MUDANÇA DE PLANOS OPORTUNA DEVIDO A UM ENCONTRO MAIS INTERESSANTE.

26


AUGUSTA/ CAIO PRADO

AUGUSTA/ ANTÔNIA DE QUEIROS

AUGUSTA/ FERNANDO ALBUQUERQUE

AUGUSTA/LUÍS COELHO

UM BOTECO EM CADA ESQUINA AUGUSTA/ FERNANDO ALBUQUERQUE

AUGUSTA/ COSTA AUGUSTA/ LUIS COELHO

FREI CANECA/ MATIAS AIRES

AUGUSTA/ ANTÔNIO CARLOS

FREI CANECA/ PEIXOTO GOMIDE

AUGUSTA/ ANTÔNIO CARLOS

HADDOCK LOBO/ MATIAS AIRES FREI CANECA/ MATIAS AIRES

BAR DA ALÔCA FREI CANECA/ PEIXOTO GOMIDE AUGUSTA/ ANTÔNIA DE QUEIRÓS

OS ESPAÇOS COMERCIAIS COM AMPLAS ABERTURAS PARA A ESQUINA EVIDENCIAM UM PADRÃO PRESENTE NA MAIORIA DAS ESQUINAS DA REGIÃO. AS ATIVIDADES INSTALADAS NO TÉRREO DOS EDÍFICOS ESTABELECEM UMA CONDUTA URBANA COESA A PARTIR DE UMA ESTRATÉGIA ARQUITETÔICA REPETIDA EM CADA UM DOS EXEMPLARES APRESENTDOS. 27 27


SHOPPINGS E GALERIAS COMERCIAIS

NOVOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Reforma e readequação do antigo Hotel Ca’d’oro.

Em construção Em construção Quatro torres de apartamentos de alto padrão com áreas de lazer integradas e restritas. Concluídas em 2011

Shopping Frei Caneca 2001

Galeria Ouro Velho Galeria Village Galeria Augusta Shopping Center 3

Shopping Porto Paulista

Conjunto Nacional 1958

300m

CONCENTRAÇÃO DOS EMPRENDIMENTOS PRÓXIMA AO SHOPPING FREI CANECA ÁREA DE OCUPAÇÃO SEMELHANTES

23°32’ S 46°66’ O

N

100m

1000m

28


[1958]CONJUNTO NACIONAL

AV. PAULISTA, 2073

10.000 M² ÁREA DO TERRENO 124.277 M² ÁREA CONSTRUÍDA 5.000 M² ACEDEMIA DE GINASTICA 002 ESCADAS ROLANTES 024 ELEVADORES 716 VAGAS NO ESTACIONAMENTO 066 ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS 413 ESCRITÓRIOS PEQUENOS 072 ESCRITÓRIOS GRANDES 004 RESTAURANTES 030 FAST-FOODS 002 SALAS DE CINEMA 01 TEATRO 047 APARTAMENTOS 15.000 PESSOAS [POP. FIXA] 30.000 PESSOAS/DIA [POP. FLUTUANTE]

29


SHOPPING CENTER 3

AVENIDA PAULISTA, 2064

6.978 M² ÁREA DO TERRENO 25.000 M² ÁREA CONSTRUÍDA 10.500 M² ÁREA BRUTA LOCÁVEL 004 PISOS 008 ESCADAS ROLANTES 003 ELEVADORES 220 VAGAS NO ESTACIONAMENTO 113 LOJAS E QUIOSQUES 04 RESTAURANTES 30 FAST-FOODS 07 SALAS DE CINEMA

30


[2001] SHOPPING

FREI CANECA RUA FREI CANECA, 569

75.000 M² ÁREA CONSTRUÍDA 5 ANDARES DE LOJAS 5 ANDARES DE ESTACIONAMENTO 2 ANDARES DE CONVENÇÕES 2 ANDARES DE TEATRO 1250 VAGAS NO ESTACIONAMENTO 140 ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS 003 RESTAURANTES 020 FAST-FOODS 009 SALAS DE CINEMA 002 TEATRO 20.000 PESSOAS/DIA [POP. FLUTUANTE]

31


R. Augusta

Av. Paulista

CONJUNTO NACIONAL

Al. Santos

R. Augusta

R. Luis Coelho

Av. Paulista

+

ÁREA DO TERRENO 10.000 m² ÁREA DO QUARTEIRÃO 10.000 m2

SHOPPING CENTER 3

AREA DO TERRENO 7.000 m² AREA DO QUARTEIRÃO 10.200 m²

conexão acesso diversidade fluxo público cidade arquitetura popular barato funções

SHOPPING FREI CANECA Rua F rei Ca neca

AREA DO TERRENO 7.000 m² AREA DO QUARTEIRÃO 31.500 m²

-

ACESSO DE VEÍCULOS ACESSO DE PEDESTRES ACESSO DE SERVIÇOS (DOCAS) 23°32’ S 46°66’ O

N

100m

32


NOVOS EMPRRENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS CAPITAL AUGUSTA

ESQUINA DA RUA AUGUSTA COM RUA D. ANTÔNIA DE QUEIROS, 180 BELA VISTA - SÃO PAULO, SP APARTAMENTOS DE 38 A 54M² COMERCIALIZAÇÃO: LOPES

PROJETO ARQUITETÔNICO: AGRES

1ÁREAS DORM (1DE SUÍTE) LAZER

COBERTURA COM PISCINA

PET CARE

IMPLANTAÇÃO EDIFÍCIO RECUADO E MURADO

ESPAÇO GOURMET 33


REFERENCIA 01

LINA BO BARDI

ENTRE OS TERREIROS E TEATROS Nas soluções arquitetônicas estão evidentes as estratégias de mediação comprometida entre o fazer arquitetônico e as demandas contemporâneas da sociedade, da cultura e da produção. Os exemplares apresentados aqui serão quatro de seus teatros e pretendem exprimir o comprometimento da arquiteta com o debate cultural e artístico. O Teatro do SESC Fábrica Pompéia de 1977, o Teatro Oficina de 1984, o Teatro Gregório de Mattos de 1986 e por fim o Teatro da Ruína projetado para Campinas em 1989, mas que não foi construído.

“[...]É inevitável que o arquiteto esteja escrupulosamente a par das contribuições e das inovações de cada atividade profissional que, em conexão com todas as outras, promove o progresso humano. É pois, uma atividade coordenadora e importantíssima, como todas as responsabilidades sociais, morais e estéticas que lhe são próprias; e estas últimas são talvez as mais delicadas, porque a exigência humana visa inclusive a harmonia do movimento e da produtividade do mundo.”1

Já no primeiro exemplar, o teatro para o SESC Pompéia, fica clara sua insubordinação em relação ao modelo consagrado do palco italiano. A opção é pelo teatro de arena, que estabelece a tensão do ator e da cena pelo público por todos os lados. Tenciona a própria cenografia e confere a ela a obrigação de 1 BARDI, Lina, Contribuição Propedêutica ao Ensino da Teoria da Arquitetura, , São Paulo, 1957. pg. 48 - 49

TERREIRO DO UNHÃO, BAHIA. 1963 34


ar livre e os espectadores tomavam chuva, como hoje nos degraus dos estádios de futebol, que também não têm estofados. Os estofados aparecem nos teatros áulicos das cortes, no setecento e continuam até hoje no “confort” da Sociedade de Consumo.” “A cadeirinha de madeira do Teatro da Pompéia é apenas uma tentativa para devolver ao teatro seu atributo de “distanciar e envolver”, e não apenas de sentar-se.”2

tornar-se tridimensional e então espaço. “Num certo sentido, a cenografia tradicional é o contrário da arquitetura e a ausência de “cenografia” é, como dizia Walter Gropius, pura arquitetura.” Como se não bastasse recorrer ao modelo incomum, reconhece que a própria escolha demanda uma tensão não somente do ator e da cena, mas na própria maneira de ver do espectador. “Por quanto se refere à dita cadeirinha, toda de madeira e sem estofado, é de observar: os Autos da Idade Média eram apresentados nas praças, o público de pé e andando. Os teatros grego-romanos não tinham estofados, eram de pedra, ao

A liberdade de proposição gerada pela encomenda do próprio SESC permite ao arquiteto contribuir ativamente para uma inflexão num determinado paradigma cultural. Esta inflexão gera, como já foi anunciado, um estranhamento. O comprometimento com esta mudança esta no profundo entendimento do sistema tradicional de transmissão da cultura, neste caso o Teatro em relação com as outras atividades do lazer, e que se traduz em um método arquitetônico que compreende, contempla e propõe ambientações coerentes, tanto em relação com os artistas quanto para o público. “O Brasil está conduzindo hoje, a batalha da cultura. Nos próximos dez, talvez cinco anos, o país terá traçado os seus esquemas culturais, estará ficado numa linha definitiva: ser um país de cultura autônoma, construída sobre raízes próprias, ou ser um pais inautêntico, com uma pseudo-cultura de esquemas 2 VAINER, André (org.); FERRAZ, Marcelo (org.); SUZUKI, Marcelo (org.); Lina Bo Bardi. Série Arquitetos Brasileiros, Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, São Paulo; 2ª edição, 1966.

35


trito e da “passiva aceitação de fórmulas passadistas”. “...o detentor desta total liberdade do corpo, desta desinstitucionalização, é o POVO, esse é o modo de ser do Povo Brasileiro, ao passo que, nos países ocidentais altamente desenvolvidos, é a classe média [...] que procura angustiosamente uma saída de um mundo hipócrita e castrado cujas liberdades eles mesmos destruíram há séculos. “A importação para o Brasil deste sentimento de procura estéril e angustiante é um delito que pode levar à castração total.”4 importados e ineficientes. Um ersatz da cultura de outros países.”3

O ultimo exemplar construído que será apresentado aqui é a Fundação e Teatro Gregório de Mattos. Neste caso especifico faz parte de uma inserção urbana, o Projeto Barroquinha, e por isso serve como referência mais precisa do que se pretende com o projeto na Rua Augusta. O projeto também possibilita compreender mais claramente o entendimento que Lina tem sobre a cidade. Em seus textos e nos projetos o entendimento global e especifico da cidade não são objetivos. Suas concepções de cidade estão impregnadas nos gestos e é inerente a cada projeto e cada lugar. O fato de ser italiana nos remete a suas linhas teóricas.

Seu comprometimento não é autônomo. Não se trata de uma imposição em tabula rasa. Parte sim da compreensão e do envolvimento com demandas culturais que estão envolvidas em dilemas arquitetônicos específicos. É o caso do Teatro Oficina. Talvez o exemplar em que este envolvimento está mais entrelaçado. Arquitetura e o Teatro estão de tal modo comprometidos um com o outro que inclusive dificulta o isolamento e a reprodução do modelo, seja como arquitetura, seja Teatral. Por outro lado esta experiência torna-se realmente única e colabora com a explosão do sentido res- 4 VAINER, André (org.); FERRAZ, Marcelo (org.); 3 BARDI, Lina. Trecho do Catálogo MAMB “Brennand Cerâmica” 1961

SUZUKI, Marcelo (org.); Lina Bo Bardi. Série Arquitetos Brasileiros, Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, São Paulo; 2ª edição, 1966.pg. 234

36


“Num certo sentido, a extravagância e o desperdício, a renúncia às idéias contemporâneas, e a passiva aceitação de formulas passadistas são fatores a serem considerados evidentemente, como elementos negativos e fontes de erros. São fatores positivos a rigorosa consideração das utilidades arquitetônicas no quadro geral do urbanismo, que pouco a pouco vai englobando e cada vez mais integran-

do a Arquitetura como sua determinante essencial.”5

No texto de apresentação do projeto, fica evidente a intenção de Lina em estabelecer a cultura e seu aparato arquitetônico como instrumentos indistintos da vida na cidade brasileira. “No tempo importante de Piscator, Walter Gropius relacionaou bem claramente o Teatro com a Arquitetura, no sentido que um “fecunda o outro” e vice-versa. Está claro que a citação não é no sentido “físico” mas sim no comportamento humano, no seu uso “intelectual”. Bem, no conjunto que apresentamos hoje, conjunto dos componentes de uma das cidades mais significativas da América Latina, Bahia de Todos os Santos, este relacionamento aparece claramente, como espírito fundamental da Cidade: Teatro que sai nas praças, ruas, que invade a cidade, cadeiras e móveis que saem das casas, e gente, homens, mulheres, crianças, todo um povo que inspirou, em 1936, a Le Corbusier, quando visitava o Brasil, numa famosa carta ao Ministro Gustavo Capanema: - Senhor Ministro, não mande construir Teatros, com palcos e poltronas, deixe as Praças, as Ruas, o Verde, livres. Mande somente construir “dês Treteaux” de madeira, abertos ao 5 BARDI, Lina, Contribuição Propedêutica ao Ensino da37 Teoria da Arquitetura, , São Paulo, 1957. pg. 48


Povo e o Povo Brasileiro os ocupará, “improvisando”, com sua elegância natural e sua inteligência.”6

O Teatro não é mais diferente nem dos demais cômodos típicos. A diferença está na concepção do espaço como construção intelectual traduzida em soluções até bastante simplórias. Dentre os três exemplos, este é o que passou por maiores dificuldades. É o único sob gestão exclusivamente pública e diante de uma situação de abandono contou com pressões públicas que reivindicaram sua reativação. Por fim, o Teatro da Ruína parece ser uma conclusão desta consistente pesquisa em busca de um espaço teatral brasileiro autêntico. Sobre ele ficam suas imagens e a conclusão de um esforço sensível de síntese entre arquitetura e o desenvolvimento humano de um povo. “E o “Teatro” onde está? Onde estão as poltronas, os “corredores”, o “palco”, os urdimentos, os apetrechos, os bandos de refletores? O que vemos aqui é um espaço livre e despido como uma praça. É preciso aproveitar todos os espaços de uma cidade, encontrando também, junto ao respeito rigoroso pelo passado, o moderno Teatro da Liberdade.”7

6 VAINER, André (org.); FERRAZ, Marcelo (org.); SUZUKI, Marcelo (org.); Lina Bo Bardi. Série Arquitetos Brasileiros, Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, São Paulo; 2ª edição, 1966. pg. 279 7 Idem. pg.311

38


REFERENCIA 02

REM KOOLHAAS UM MÁXIMO DE PROGRAMA E UM MÍNIMO DE ARQUITETURA1

Koolhaas parece querer dizer que o arquiteto de hoje deve construir edifícios que não restrinjam a liberdade de ação, movimento que caracteriza a cultura contemporânea . Koolhaas entende que a arquitetura elimina a liberdade, esgota-a. Por isso, sua proposta para construir é a não-arquitetura, já que, como dizia, “onde não há nada, tudo é possível”. É assim que ele o deseja em seus edifícios. 3

As soluções espaciais nos projetos de Koolhaas derivam de uma inteligente e imprevisível articulação de referências iconográficas de espaços que vão além de referências da arquitetura. Entretanto, a tradição arquitetônica é digerida neste Mais uma vez podemos associar conprocesso e ganha um potencial transfor- ceitos sugeridos pelo tema e pelo lomador capaz de criar novos mecanismos. cal às suas estratégias. Primeiro no sentido que não pretende oferecer distinção entre as atividades desem“Para Koolhaas a arquitetura está muito ligada à ação, ao programa. Mas ele inpenhadas no edifício segundo seus terpreta o programa de forma literal, muito valores ou se quer do cliente individudiferente daquela de seus colegas. [...] O almente. Segundo, e como pretendprograma é uma categoria que propicia a emos chamar atenção aqui, o intuito construção de edifícios imprecisos e abertos. Poderíamos dizer que é a excessiva dependência do programa o que Koolhaas tenta evitar.”2

Koolhaas percebe o papel de controle que a arquitetura desempenha e pretende livrar-se dele ou ao menos manipulá-lo de forma lúcida e estimulante.

3 MONEO, Rafael. Inquietação teórica e estratégia

projetual na obra de oito arquitetos contemporâneos. 12, Coleção Face Norte, Cosac Naify, São Paulo; 1ª edição, 2008. p 288-289

1 KOOLHAS, R; MAU, B. S,M,L,XL. The Monacelli Press, Nova York, 1995, p.199. 2 MONEO, Rafael. Inquietação teórica e estratégia projetual na obra de oito arquitetos contemporâneos. 12, Coleção Face Norte, Cosac Naify, São Paulo; 1ª edição, 2008. p 288

39


é ir contra uma segmentação da vida no tempo e no espaço que condena o individuo aos enquadramentos funcionais e até sociais estabelecidos. “Trata-se portanto de uma arquitetura em que diferentes ingredientes que a compõem desaparecem no todo – muito embora ainda seja possível identificá-los. Talvez se possa falar em “mestiçagem”. Acompanha a mestiçagem o conceito de fecundação transformadora.” 4

No caso dos teatros para Koolhas, eles absorvem todo o tipo de atividade que envolve a representação e reunião de público. A grande flexibilidade das estruturas técnicas viabiliza uma série de ações diferentes no espaço, que é em si mesmo pouco hierarquizado. Desta forma, público e apresentador, artista e espectador deixam de ser categorias rígidas. O espaço toma a dimensão do que estamos nos referindo neste trabalho como terreiros. O aparato técnico é condensado na arquitetura e se distribui pelo espaço cênico de maneira ampla, permitindo a ação de atuadores em qualquer ponto e para qualquer direção. Outra estratégia importante é a flexibilidade da platéia, que tradicionalmente determina um imenso espaço fixo em salas convencionais. Este é um dos principais problemas para a viabilização de atividades no edíficio.

Teatro Dee and Charles Wyly em Dallas, EUA 4 Idem. Ibiden

40


Dois pontos de apoio serão instalados quase que equidistântes do Terreiro. O partido principal será mante-los vazios e associar à eles atividades de apoio. Foram selecionados terrenos estratégicos vinculados aos edifícios adjacentes que ganharão destaque por meio da mantençaõ deste vazio ao redor. São eles: A Faculdade das Américas, a Paróquia do Divino Esírito Santo na Rua Frei Caneca e o Shopping Center 3

DIRETRIZES PARA UMA CIDADE ACONTECIMENTO LIGAÇÕES

Os terrenos selecionados para a implantação dos programas de apoio serão conectados pelo alargamento da calçada sobre as vagas de automóveis em um dos lados da via. No caso, a calçada oposta ao sentido de acesso pela Paulista e a partir do Centro. No calçadão junto à área verde destinada ao novo parque e no terreiro central, toda a rua se converterá em uma passagem em nível onde a velocidade deverá ser reduzida e a circulaçao de pedestre favorecida.

TERREIRO ARENA DE EVENTOS E IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO MULTIFUNCIONAL No meio do caminho entre o Centro e a Avenida Paulista será aberto o Terreiro em que poderão ser promovidos os grandes eventos musicais para a multidão que já se aglomera nas noites da Rua Augusta. A praça deverá crescer conforme a demanda e a meta final é desocupar a maior áreas: a Subestação Augusta da Eletropaulo. A partir da criação desta nova área será possível inventar novos eventos e manifestações cada vez maiores e mais elaboradas em um espaço que continuará servindo à cidade mesmo quando a multidão não estiver reunida.

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO FACULDADE DAS AMÉRICAS PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO FREI CANECA

Jardim Comércios de alimentos e bebidas permanentes ou temporários de pequeno porte. Sanitários com Chuveiros

ESTACIONAMENTO CENTRAL CENTER 3 Centralização das vagas de automóveis ocupadas pelos vazios em uma torre de estacionamentos.

23°32’ S 46°66’ O

N

100m

1000m

41


SELEÇÃO DE TERRENOS PARA A INTERVENÇÃO VARIEDADE DE QUARTEIRÕES

10000m²

100m

RESERVATÓRIO DE ÁGUA SABESP

330m

315m

32 50 0m ²

450 00m ²

750 00m ²

ESTACIONAMENTOS TERRENOS OCIOSOS E VAZIOS

- PERMEABILIDADE +PERMEABILIDADE QUARTEIRÕES DO LOTEAMENTO DA REGIÃO DA AVENIDA PAULISTA

VAZIOS

100 x100m OCUPAÇÃO E POTENCIAL CONSTRUTIVO

ESTAÇÃO ELÉTRICA ELETROPAULO

ÁREAS SELECIONADAS PARA INTERVENÇÃO

ÁREAS VERDES INFRAESTRUTURA ALTA DENSIDADE BAIXA DENSIDADE VAZIO

23°32’ S 46°66’ O

N

100m

1000m

42


SITUAÇÃO ATUAL ALTA OCUPAÇÃO MÉDIA E BAIXA OCUPAÇÃO CALÇADAS VERDE

TERRENOS DE INTERESSE

Foram escolhidos os terrenos com baixo índice de ocupação que apresentavam principalmente duas potencialidades estratégicas. Primeiro a concentração e continidade entre eles e segundo sua proximidade em relação a outros edifícios de interesse coletivo.

VAZIOS ESTACIONAMENTOS IMOVEIS EDIFÍCIO

23°32’ S 46°66’ O

N

100m

43


PISO E ESTAMPA

O piso pretende renovar os padrões definidos para pavimentação urbana. Primeiro sua concepção não seguirá um padrão que se repete e sim uma estampa definida a partir da característica local do alinhamento da rua. Além disso, em todo á area central da intervenção o piso será nivelado com a calçada mas ainda permitirá os fluxos automotivos. Isso pretende inverter a hierarquia de carros e pedestres através de uma estratégia de sentido.

ETAPAS E PRIORIDADES DO PROJETO ETAPA 1

Implantação do edifício multifuncional e da praça de alimentação que conecta a Rua Augusta à Rua Frei Caneca

ETAPA 2

Abertura do BECO no interior do quarteirão com saída para a rua Peixoto Gomide e criação da segunda praça de alimentação.

ETAPA 3

Desocupação da Sub estação Augusta de eletricidade e construção da Arena Augusta Ligação do Beco com a Rua Bela Cintra pelo interior do Antigo Edifício em que funcionou a FEBEM 23°32’ S 46°66’ O

N

100m

44


PROJETO ARENA AUGUSTA

PRAÇ

RUA

A DE

ALIM

ENTA

ÇÃO

RICO

840m ²

COS

TA

ESPL A BECO NADA D O 5250 m²

RUA

PEI

XOT

OG

OM

IDE

- AC

ESS

ÁRE

AE

O BECO

PAS S SUB AGEM P SOLO EL DE E O DIFÍ CIO

ELÉT

MN

ÍVE

L

ARENA AUGUSTA 4550m² COMÉRCIO DE APOIO

RUA FERNANDO ALBUQUERQUE - PASSAGEM EM NÍVEL

ALARGAMENTO DA CALÇADA

NOVO EDIFÍCIO EDIFÍCIOS EXISTENTES 23°32’ S 46°66’ O

23°32’ S 46°66’ O

N

O ENTAÇÃ DE ALIM PRAÇA ² m 6 A 6 C 13 NE FREI CA

100m

N 100m

45


PRAÇAS DE ALIMENTAÇÃO As praças de alimentação ficarão nas proxímidades da Arena e próximas aos dois pontos de concentração existentes na Rua Augusta. Deverão se manter como espaços vazios para ocupação temporária exceto pelos sanitários, fontes de água potável e higiene públicas. Sua posição está vinculada com edifícios referenciais. No caso da Rua Frei Caneca, como mostra a imagem, o terreno escolhido é uma passagem visual para a Paróquia ao fundo e as atividades desenvolvidas ali passam a ser uma extensão dos programas existentes ao redor.

46


FLUXOS E ESTACIONAMENTOS ANTES AUTOVIA 10m 4 FAIXAS

Centro

DEPOIS AUTOVIA 8m 3 FAIXAS

Centro

CALÇADA 2,5m CALÇADA ATUAL 2,5m

PASSAGEM EM NÍVEL ARENA CALÇADA AMPLIADA 5m

Av. Paulista ESTACIONAMENTOS PRIVADOS

CALÇADA AMPLIADA 5m

Calçada 2,5m

Rua Hadock Lobo

CALÇADA ATUAL 2,5m

Rua Frei Can eca

PASSAGEM EM NÍVEL BOSQUE

ROTAS AUXILIARES NOS TRECHOS COM CALÇADA AMPLIADA

Av. Paulista VAGAS ANULADAS

VAGAS CRIADAS

-290 vagas públicas -35 vagas -182 vagas -56 vagas

-72 vagas

+105 vagas

+500 vagas

RUA AUGUSTA ATUAL NOVA RUA AUGUSTA VIA DE MÃO DUPLA

VIA DE MÃO DUPLA

DURANTE O DIA (7H - 22H) 2 PISTAS PARA CADA SENTIDO

CALÇADAS AMPLIADAS Somente uma das calçadas será ampliada. Porém, ela não será a mesma ao longo de todo o trajeto. A partir do centro ou da Avenida Paulista, sempre a calçada oposta ao fluxo de entrada será alargada até a passagem em nível no centro em que as calçadas serão conectadas.

DURANTE A NOITE 1 PISTA PARA CADA SENTIDO 1 FAIXA DE ESTACIONAMENTO PARA CADA SENTIDO. CALÇADAS 2,5m DE LARGURA EM AMBOS OS LADOS.

PASSAGENS EM NÍVEL Trecho elevado em nível com a Calçada. Prioridade do pedestre e velocidade reduzida de veículos. ROTAS AUXILIARES As ruas Frei Caneca e Haddock Lobo oferecem rotas alternativas com o mesmo sentido da circulação de veícuos nos trechos em que a faixa da via foi suprimida. 47


CALÇADAS AMPLIADAS

CALÇADA ATUAL 2,5m

CALÇADA ATUAL 2,5m

CALÇADA ATUAL 2,5m

CALÇADA AMPLIADA 5,00m

NOVA CALÇADA A nova calçada passará dos atuais 2,5m para 5m de largura ocupando desta forma uma das faixas da via pública utilizada para o tráfego durante o dia e estacionamento durante a noite. Uma faixa de serviço de 1,5m ficará junto ao meio fio onde serão instalados equipamentos urbanos. As novas luminárias públicas deverão ter menor altura (4m), lâmpadas tubulares verticais e arestas laterais impedindo o vazamento em excesso de luminosidade para os edifícios e para a via ao mesmo tempo que define um filete de luz balizando o trajeto. A calçada oposta continuará com os 2,5m atuais. Nela, permanecerão a vegetação existente e a iluminação pública padrão, com altura e amplitude suficientes para iluminar a via de veículos e a calçada.

48


ESTACIONAMENTO AUTOMATIZADO E CINEMA TA

S GU

AU A RU

Térreo e elevadores

Pavimento tipo X3

Cobertura e Cine Drive-in

Fachada

Elevaçaõ Lateral

35m

50m 49


EDIFÍCIO MULTIFUNCIONAL FACHADA

RUA AUGUSTA

CORTE AA

COBERTURA 36,67m 10º

33,67m

30,60m

27,76m

24,76m

21,76m

18,67m

15,67m

12,67m

09,00m

06,00m

PISCINA ÁREAS SOCIAIS OU SALAS COMERCIAIS APARTAMENTOS APARTAMENTOS APARTAMENTOS APARTAMENTOS JARDIM SECO SERVIÇO BOTECO

T

00,00m

SS1

-04,00m

SS2

-07,00m

HALL

GARAGEM

50


TÉRREO

Acessos, novo quarteirão e áreas comerciais

BOTECOS 2 NOVOS BARES

AA

RUA AUGUSTA

2 DUAS NOVAS ESQUINAS

14 51.00

04

01

00 02 03 08

10

BOTECO 1 60m²

36.00

18

BB

17

16

15

BB

25.50 20.25

05 08

15.00

07 03

BOTECO 1 BOT

01

11.25 7.5

06

13

3.75

00 02 04

00,00

11 00 Balcão 01.Salão 02.Cozinha 03.Área de serviços 04.Terraço 05.Hall principal

150m²

12

09 AA RUA FERNANDO ALBUQUERQUE

06.Acesso de público 11. Beco 16. Palco pista 07.Acesso privativo - Coberturas 12. Poças 17. Palco recuado 08.Acesso privativos - Apartamentos 13. Ventilação Garagem 18. Abertura do palco 09.Acesso de veículos - Garagem Edifício 14. Ventilação Estacionamento para o exterior 10.Acesso de veículos - Estacionamento 15. TEATRO

51


APARTAMENTOS Os apartamentos foram incluidos no programa do edifício multifuncional pois pretendem suprir a demanda do mercado imobiliário gerada pela alta valorização na região. Um dos partidos foi a alta variedade espacial com otimização de instalações viabilizada pelo agrupamento de forros hidráulicos e shafts com distribuição racionalizada. Outro foi a flexibilização técnica no interior do apartamento ao utilizar estrutura metálica leve independente da estrutura principal do edifício. Por fim, priorizar atributos espaciais como tentativa de atribuir valor aquitetônico mesmo com dimensões de área muito limitadas pelo alto custo do imóvel da região e distribuição Ambos os partidos se beneficiam da racionalização e podem comportar a complexa e variada distribuição espacial de Duplex com acesso inferior, duplex com acesso superior, lofts e kitnets.

AA

AA

15.67m AA

18.67m AA

51.00

36.00

BB 25.50 20.25

15.00 11.25 7.5 3.75 00,00

04

05

23°32’ S 46°66’ O

N

ESCALA 1:500

DUPLEX 55m² 2 Quartos 12 Aptos.

DUPLEX 70m² 3 Quartos 2 Aptos.

SIMPLES 30m² Loft 8 Aptos.

40m² 1 Quarto

60m² 2 Quartos

20m² Kitnet

TOTAL 18 Aptos.

TOTAL 4 Aptos.

TOTAL 16 Aptos.

38 APARTAMENTOS

52


51.00

AA

AA Saída de Emergencia Escada a Prova de Fumaça Ventilada por varanda

Saída de Emergencia Escada a Prova de Fumaça Ventilada por varanda

36.00

BB

BB

25.50 20.25

15.00

2 Elevadores para os Apartamentos 1 Apartamento para a Cobertura

Saída de Emergencia Escada a Prova de Fumaça Ventilada por varanda

11.25 7.5 3.75 00,00

06

21.67m

AA

FORRO HIDRÁULICO SHAFT HIDRÁULICO SHAFT ELÉTRICO E 23°32’ S 46°66’ O

N

ESCALA 1:200

07

24.67m

AA 53


COBERTURAS

Áreas locáveis para serviços ou escritórios. AA

51.00

AA

AA

AA acesso à cobertura

reservatório de água da chuva piscina sob a piscina

36.00 Projeção de abertura zenital com pergola 25.50

BB

Circulação principal de visitantes

Acesso à Cobertura

Circulação principal de visitantes

20.25 ÁREAS RESIDÊNCIAIS Saída de Emergencia ISOLADAS Escada a Prova de Fumaça

Passarela Coberta

15.00 11.25 7.5 3.75 00,00

ÁREAS RESIDÊNCIAIS ISOLADAS

10

33.67 AA

ÁREAS RESIDÊNCIAIS ISOLADAS

09

07

08

30.67 AA

24.67 AA

27.67 AA

ÁREA B 400m² ÁREA A 290m² 30.67

11

COBERTURA

36.67

Caixas D’Água

09.00

36.67

36.67

36.67

AS ÁREAS PODEM SERVIR SOMENTE AO CONDOMÍNIO OU PODEM SER ALUGADAS E ABERTAS PARA O PÚBLICO ATRAVÉS DE ACESSOS EXCLUSIVOS E ISOLADOS DAS ÁREAS RESIDÊNCIAS

36.67

23°32’ S 46°66’ O

N

ESCALA 1:500

54


ESTACIONAMENTO E GARAGEM ÁRE BANAS DES HEIR TINA OS P DA A UBL ICOS PEDES BAN TRE ESTAHEIROSS CION E AME NTO PEDE STRE PRA S ÇA

ESTACIONAMENTO 4415m² 105 VAGAS

SS2

-08.50m

CAR R ÁREAS DESTINADA A BANHEIROS PUBLICOS

PEDE

OS

STRE

CAR R

GARAGEM 2740m² 53 VAGAS

SS1

-04.00m

S

OS

SS1 -04.00

SS2

-7.99m

23°32’ S 46°66’ O

N

ESCALA 1:1000

55


18

PISTA PALCO TERREIRO 03

14 20

17

14

15

14

03

16

14

PRIMEIRA GALERIA 100 m²

SEGUNDA GALERIA E ÁREAS DE APOIO 18

15

150 pessoas

-02,76m 13

06,00m

100 m²

03

04

150 pessoas 12 11

10 04

13

350 m²

PISTA E PALCO -00,60m

19

01.Entrada Principal 02.Acesso à Pista 03.Elevador 04.Plataforma sobre pistão Hidraúlico. 05.Recuo Lateral 06.Bar 07.Depósito 08.Acesso à garagem 09.Banheiros

500 pessoas

05 09

03

04

02

01

08 07 06 02

09

02

04

BAR E FOYER

350 m²

500 pessoas

-04,00m

10.Pista - Palco Central 11.Palco Recuado 12.Palco Externo 13.Saída de Emergência 14.Galeria 15.Cabines técnicas 16. Cabine técnica principal - Luz 17. Urdimento 18. Áreas de Apoio/ Camarins 19. Sobreloja. 20. Projeção da Clarabóia

CORTE BB 30,67m

24,67m

14,00m 09,00m 06,20m 03,84m

05

09,00m

01

04

03

02,76m 00,76m -00,60m

00,00 00,00 -04,00

05,50m

02

06

00,00

-07,00

56


BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA _CANEVACCI, M. A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. Studio Nobel, 1993. _CORTES, J. M. G. Politicas do espaço: arquitetura, genero e controle social. Senac, 2008 _GUTIERREZ, G. L. Lazer e prazer: questões metodológicas e alternativas políticas. Autores Associados, 2001. _JACQUES, Paola Berenstein. Estética da ginga. A arquitetura das favelas através da obra de Hélio Oiticica. Casa da palavra, Rio de Janeiro; 1ª edição, 2001. _KOOLHAAS, R.; MAU, B. S,M,L,XL: small, medium, large, extra-large. Taschen, 1997. _MAGNANI, J. G. C.; TORRES, L. D. L. Na metrópole: textos de antropologia urbana. EdUSP, 1996. _MONEO, Rafael. Inquietação teórica e estratégia projetual na obra de oito arquitetos contemporâneos. 12, Coleção Face Norte, Cosac Naify, São Paulo; 1ª edição, 2008. _MUMFORD, L. Cidade na historia, a: suas origens, transformações e perspectivas. Martins Editora, 2008. _OLIVEIRA, Olívia de. Lina Bo Bardi: Sutis Substâncias da Arquitetura. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2006 _PALOMINO, Erika. Babado Forte: Moda, Música e Noite na Virada do Séc.21. Mandarim. São Paulo. 1999 _VELHO, Otávio Guilherme. (Org). “O Fenômeno Urbano”, Rio de Janeiro, Zahar. 1967.

57

2011 TFG frederico costa