Issuu on Google+

painel Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto Ano IX nº 260 novembro/ 2016

Cemitérios: como fazer

Os empreendimentos passaram por mudanças políticas e tecnológicas no último século; implantação deve respeitar normas de meio ambiente

Hobby

O artista que se tornou arquiteto

Evento

AEAARP

Almoço dos Agrônomos e 10ª Semana Agronômica


palavra do presidente Eng. civil Carlos Alencastre

Uma comitiva da AEAARP reuniu-se com o prefeito eleito Antônio Duarte Nogueira para tratar das expectativas em torno de seu futuro governo e de ações necessárias para o município. Há, por exemplo, a urgência em investir em infraestrutura. Não é razoável que uma cidade do porte de Ribeirão Preto padeça em razão do asfalto, dos problemas com abastecimento de água, de coleta de esgoto e resíduos domésticos, de trânsito, transporte e saúde. E o desafio para os próximos anos é ainda maior em razão da implantação da Região Metropolitana. Há décadas, convergem para Ribeirão Preto as necessidades de acesso à saúde, educação e serviços que não são oferecidos em cidades da região. A diferença é que, agora, esta responsabilidade pode ser compartilhada. Além disso, o planejamento regionalizado tende a conferir mais eficiência nos investimentos. No regime de organização metropolitana, todos terão o mesmo peso e importância, e compartilhar responsabilidades é essencial para que este planejamento dê certo. Além de liderar a coalisão regional, o prefeito eleito tem a responsabilidade de devolver à cidade a qualidade de vida e a lisura com a coisa pública, perdidos com os últimos acontecimentos. Neste quesito, o choque de gestão é medida estratégica. Nogueira convidou a AEAARP para os necessários debates sobre as questões de infraestrutura, obras e urbanismo. Em nome da associação, a comitiva se comprometeu a fazer-se presente. É uma responsabilidade, aliás, que devemos assumir como cidadãos que vivem e usufruem economicamente da cidade. E é um desafio coletivo, com o qual o conjunto dos associados deve se envolver.


índice

ESPECIAL 05

social 20

Cemitérios: do clero ao poder público e privado

Almoço dos Agrônomos, uma reunião de amigos

carreira 12

Painel eleições 22

Tem mais mulheres no mercado de trabalho

Ribeirão Preto 300%

produtividade 15

gestão 24

Novas Funções do MS-Excel 2016 – Parte 2

hobby

Infância na fazenda como fonte de inspiração

Controles financeiros para a boa gestão de sua empresa

16

crea-sp 25

Profissional deve recolher ART de serviço de aprovação de projetos

agronomia 18

notas e cursos

Sustentabilidade revertida em rentabilidade

painel

26

Rua João Penteado, 2237 - Ribeirão Preto-SP - Tel.: (16) 2102.1700 - Fax: (16) 2102.1717 - www.aeaarp.org.br / aeaarp@aeaarp.org.br

DIRETORIA OPERACIONAL Diretor Administrativo: eng. agr. Callil João Filho Diretor Financeiro: eng. agr. Benedito Gléria Filho Diretor Financeiro Adjunto: eng. civil e seg. do trab. Luis Antonio Bagatin Diretor de Promoção da Ética de Exercício Profissional: eng. civil Hirilandes Alves Diretor Ouvidoria: eng. civil Milton Vieira de Souza Leite DIRETORIA FUNCIONAL Diretor de Esportes e Lazer: eng. civil Rodrigo Fernandes Araújo Diretor de Comunicação e Cultura: eng. agr. Paulo Purrenes Peixoto Diretor Social: arq. e urb. Marta Benedini Vecchi Diretor Universitário: arq. e urb. Ruth Cristina Montanheiro Paolino DIRETORIA TÉCNICA Agronomia, Agrimensura, Alimentos e afins: eng. agr. Jorge Luiz Pereira Rosa Arquitetura, Urbanismo e afins: arq. Ercília Pamplona Fernandes Santos Engenharia e afins: eng. Naval José Eduardo Ribeiro Horário de funcionamento AEAARP - das 8h às 12h e das 13h às 17h CREA - das 8h30 às 16h30 Fora deste período, o atendimento é restrito à portaria.

Eng. civil Carlos Eduardo Nascimento Alencastre Presidente

Eng. eletr. Tapyr Sandroni Jorge 1º Vice-presidente

Eng. civil Arlindo Antonio Sicchieri Filho 2º Vice-presidente

CONSELHO DELIBERATIVO Presidente: eng.º civil João Paulo de Souza Campos Figueiredo Conselheiros Titulares Eng.º agr.º Dilson Rodrigues Cáceres Eng.º civil Edgard Cury Eng.º civil Elpidio Faria Junior Arquiteta e eng.ª seg.ª do trab.º Fabiana Freire Grellet Eng.º agr.º Geraldo Geraldi Jr Eng.º agr.º Gilberto Marques Soares Eng.º mec.º Giulio Roberto Azevedo Prado Eng.º elet.ª Hideo Kumasaka Eng.º civil Wilson Luiz Laguna Eng.º civil Jose Aníbal Laguna Arquiteto Luiz Eduardo Siena Medeiros Arq.ª e urb.ª Maria Teresa Pereira Lima Eng.º civil Ricardo Aparecido Debiagi Conselheiros Suplentes Eng.º agr.º Alexandre Garcia Tazinaffo Arq.º e urb.ª Celso Oliveira dos Santos Eng.º agr.º Denizart Bolonhezi Eng.º civil Fernando Brant da Silva Carvalho Eng.º agr.º José Roberto Scarpellini Eng.º agr.º Ronaldo Posella Zaccaro

Associação de Engenharia Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

REVISTA PAINEL Conselho Editorial: eng. civil Arlindo Antonio Sicchieri Filho, arq. urb. Celso Oliveira dos Santos, eng. mec. Giulio Roberto Azevedo Prado e eng. agr. Paulo Purrenes Peixoto - conselhoeditorial@ aeaarp.org.br Conselheiros Titulares do CREA-SP indicados pela AEAARP: eng. civil e seg. do trab. Hirilandes Alves e eng. mecânico Fernando Antonio Cauchick Carlucci Coordenação Editorial: Texto & Cia Comunicação Rua Galileu Galilei 1800/4, Jd. Canadá, Ribeirão Preto SP, CEP 14020-620 www.textocomunicacao.com.br Fones: 16 3916.2840 | 3234.1110 contato@textocomunicacao.com.br Editora: Daniela Antunes – MTb 25679 Colaboração: Bruna Zanuto – MTb 73044 Foto capa: Rogério Moroti Publicidade: Departamento de eventos da AEAARP - 16 2102.1719 Angela Soares - angela@aeaarp.org.br Tiragem: 3.000 exemplares Locação e Eventos: Solange Fecuri - 16 2102.1718 Editoração eletrônica: Mariana Mendonça Nader Impressão e Fotolito: São Francisco Gráfica e Editora Ltda.

Painel não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos assinados. Os mesmos também não expressam, necessariamente, a opinião da revista.


Cemitérios: do clero ao poder público e privado

Fotos Rogério Moroti

Descubra como funciona o processo de licenciamento ambiental de cemitérios e crematórios e veja novidades do setor funerário

Cemitério da Saudade, de Ribeirão Preto

Antes, cemitérios eram construídos próximos às capelas, em meio à população urbana e administrados pela Igreja Católica. Hoje, são geridos por órgãos públicos ou privados, estão em locais adjacentes às cidades e seguem normas e legislações específicas. De acordo com o arquiteto e urbanista Renato Cymbalista, a configuração atual dos cemitérios data do final do século XVIII. “A partir da Revolução Francesa começou a transferência da gestão dos mortos da esfera religiosa

para a esfera pública. A transição foi lenta e complexa e no Brasil só se concluiu com a Proclamação de República”. Renato Cymbalista é autor do livro Cidades dos vivos: arquitetura e atitudes perante a morte nos cemitérios do estado de São Paulo, que traz histórias de 40 cemitérios do interior paulista. Acesse o livro virtual na área Notícias no endereço eletrônico da AEAARP.

www.aeaarp.org.br

Em Ribeirão Preto (SP), o surgimento do primeiro cemitério não fugiu à regra. Segundo o jornalista Nicola Tornatore, que realizou pesquisas sobre o tema, o espaço destinado ao enterro dos primeiros moradores da cidade foi na Praça XV de Novembro, onde também foi construída a primeira capela. O cemitério foi instalado nos fundos da igreja, local hoje entre a fonte luminosa e o Theatro Pedro II, e recebeu 284 corpos.


especial

história

legislação

arquitetura

CEMITÉRIOS X PRAÇAS

Os três primeiros cemitérios de Ribeirão Preto tornaram-se praças. Com a lotação do cemitério da Praça XV, foram escolhidos outros terrenos para enterrar os mortos, onde são as praças das Bandeiras e Sete de Setembro. A Proclamação da República (1889) oficializou a separação entre Estado e Igreja e a cidade ganhou o primeiro cemitério público, o Cemitério da Saudade, no bairro Campos Elíseos. Assim, a maioria das famílias que tinham parentes enterrados no cemitério localizado na Praça Sete de Setembro fez o translado dos ossos para o novo empreendimento. Já os enterrados nas praças XV e das Bandeiras permaneceram lá.

raio de 500 metros do terreno, situação geológica e hidrológica, aproximação de possível manancial de abastecimento público, número de jazigos, metragem quadrada destinada ao sepultamento, distância do nível da água até a base da sepultura, coeficiente de permeabilidade do solo, entre outros. É necessário também apresentar planta topográfica em escala mínima de 1:10.000, com curvas de nível, feita por profissional registrado no CREA ou no CAU, com registro de documentos de responsabilidade técnica. No projeto deve constar: equipamentos urbanos, córregos, poços, pontos de sondagens, recuo de cinco metros entre a área de sepultamento e o limite da propriedade, posição das sepulturas, entre outras informações da edificação.

As informações geológicas e hidrológicas do terreno são coletadas em, no mínimo, cinco pontos de sondagens mecânicas, que avaliarão o nível máximo da água subterrânea ao final da estação de maior precipitação pluviométrica e definirão o sentido do fluxo das águas subterrâneas. As sondagens devem seguir a Norma Técnica NBR 8.036 - Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos para fundações de edifícios, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), e as amostras serão avaliadas por laboratórios acreditados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO).

A lista de documentos solicitados no processo de licenciamento ambiental de cemitério pela CETESB está disponível na página de notícias da AEAARP na internet.

www.aeaarp.org.br O gerente regional da CETESB em Ribeirão Preto, engenheiro mecânico Marco Antonio Sanches Artuzo, explica que

Fotos Rogério Moroti

Com o passar dos anos, foram criadas normas e legislações para regular a implantação e o funcionamento dos cemitérios. Além disso, instituições ambientais foram destinadas à fiscalização e ao licenciamento. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) é o órgão que emite o licenciamento ambiental para a construção, ampliação ou reforma dos cemitérios. O tempo entre a solicitação do licenciamento até a obtenção da licença de funcionamento depende da qualidade dos projetos e da riqueza de detalhes descritas nos relatórios solicitados pela Companhia. Na documentação inicial, é exigido relatório da área destinada ao cemitério, se o empreendimento será horizontal ou vertical, se terá crematório, detalhamento do uso e ocupação do solo em um

meio ambiente

Cemitério da Saudade, de Ribeirão Preto Revista Painel 6


história

o processo de licenciamento ambiental de cemitério tem três passos: ▪ Licença prévia: período inicial que estuda a viabilidade ambiental, localização do empreendimento, permeabilidade e tipo de solo, águas superficial e subterrânea; ▪ Licença de instalação: período de análise do projeto, das instalações que serão construídas e seus equipamentos e das medidas ambientais adotadas, caso haja intervenção em vegetações nativas ou em Áreas de Preservação Permanente (APPs); ▪ Licença de operação: vistoria dos técnicos da CETESB para checar o cumprimento das exigências técnicas e do projeto aprovado. A licença é renovada a cada cinco anos. “Quatro meses antes de vencer a licença, deverá ser solicitada nova vistoria para avaliar as instalações e emitir nova licença”, explica Artuzo. A maioria dos cemitérios do Brasil é antiga e o número destes empreendimentos é desconhecido. Lia Costa, da Associação Cemitérios e Crematórios do Brasil (ACEMBRA), explica que há alguns anos, a associação tentou levantar o número de cemitérios e crematórios no país, sem sucesso. “Primeiro, contatamos

legislação

arquitetura

o IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], mas eles não têm essa informação. Iniciamos contato direto com prefeituras, mas chegavam informações incorretas e os números não batiam”, diz Costa. No sistema da ACEMBRA, 500 empreendimentos estão cadastrados no país entre cemitérios e crematórios. Segundo a Divisão de Apoio ao Controle de Fontes de Poluição da Cetesb, existem 42 cemitérios e 19 crematórios licenciados no estado de São Paulo.

LEGISLAÇÃO

As regras para o licenciamento ambiental de cemitérios no âmbito nacional são definidas por resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) (335/2003 alterada pelas resoluções 368/2006 e 402/2008). A resolução 316/2002, do mesmo órgão, alterada pela 386/2006, dispõe sobre os procedimentos e critérios para o funcionamento de sistemas de tratamento térmico de resíduos. No âmbito estadual, destaca-se a Resolução SS 28/2013, da Secretaria da Saúde, que aprova norma técnica que disciplina os serviços de necrotério, necropsia, velório, cemitério e atividades de exumação, cremação e transladação.

meio ambiente

A CETESB também criou a norma técnica L1.040, que aborda o processo de implantação de cemitérios. A resolução 22/2009, da Secretaria do Meio Ambiente do estado de São Paulo, versa sobre certidões de uso e ocupação de solo no licenciamento ambiental, exigidas para a implantação de um novo cemitério. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou em 2009 o documento Referência Técnica para o funcionamento de estabelecimentos funerários e congêneres. Na Lei Federal 6.015/1973, que aborda os registros públicos, há um capítulo específico sobre o óbito (Capítulo IX). Na ABNT não há norma técnica específica para este setor.

Segundo o advogado Christian Bezerra Costa, o Direito Funerário é uma área jurídica pouco estudada. Para esclarecer algumas questões sobre o tema, ele escreveu o artigo Comentários sobre cemitérios públicos concessionados, publicado na área de notícias na página da AEAARP na internet.

www.aeaarp.org.br

Fotos Rogério Moroti

especial

Cemitério da Saudade, de Ribeirão Preto AEAARP 7


especial

história

legislação

arquitetura

meio ambiente

Cemitério Memorial Parque dos Girassóis, em Ribeirão Preto

De acordo com a CETESB, existem quatro cemitérios cadastrados em Ribeirão Preto: o da Saudade (Campos Elíseos), Bom Pastor (Jardim Zara), Bonfim Paulista (distrito de Ribeirão Preto) e Memorial Parque dos Girassóis (Recreio das Acácias). Há ainda um crematório, instalado em Jardinópolis (SP). Segundo Artuzo, mesmo com a atualização de algumas normas, a Companhia não diagnosticou problemas nos cemitérios da cidade que necessitem de correções emergenciais. “Nas próximas etapas do levantamento, pode ser que alguns precisem de ações corretivas”, explica. Não existem regras do que pode ou não ser feito nos túmulos, segundo Artuzo. “A menos que o cemitério tenha legislação própria sobre a questão simbólica, por que isso entra nas questões cultural e religiosa”, diz. O Memorial Parque dos Girassóis, por exemplo, é classificado como cemitério-parque, ou seja, não tem jazigos acima da superfície terrestre, composta por um grande gramado. Neste, há padrão para vasos e lapides e não é permitido colocar fotos. “Cemitérios-parque têm duas vantagens: o aspecto visual e a segurança. Não existem invasões ou roubos nos túmulos”, explica o administrador de empresas Maurício Mendonça, proprietário do Memorial Parque dos Girassóis.

Foto Guilherme ABC Ishie

RIBEIRÃO PRETO

Construído no período de 1952-1953, durante a administração do prefeito Alfredo Condeixa Filho - Cemitério da Saudade

ARTE FUNERÁRIA

A Rede de Cooperação Identidades Culturais, formada por 17 entidades da cidade, criou o Inventário de Referências Culturais (2010), que avaliou edificações históricoculturais de Ribeirão Preto. Um dos pontos estudados foi o Cemitério da Saudade, classificado pelos pesquisadores como referência cultural edificada, uma vez que os t��mulos em mármore carrara foram feitos por artesões italianos do início do século XX e carregam grande significado artístico e arquitetônico. O inventário atribuiu significados aos túmulos mais conhecidos e visitados pela população: arquitetônico, histórico, artístico e simbólico. Dentre estes, destacam-se: o túmulo do Menino Zezinho, da Menina Piedade, dos padres, de D. Giovani Rabaiolli e das Almas. O estudo seguiu a metodologia do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN) e terminou em 2014, segundo a historiadora Michelle Cartolano de Castro, chefe da Divisão de Patrimônio Histórico-cultural da Secretaria Municipal da Cultural. Alunos do curso de Jornalismo da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) também retrataram a diversidade arquitetônica no Cemitério da Saudade no documentário In Memoriam, produzido em 2012. O inventário e o documentário estão na página da AEAARP na internet, na área de notícias.

www.aeaarp.org.br Revista Painel 8


história

Para evitar a contaminação do solo e de águas subterrâneas, a CETESB avalia o tipo de solo e o isolamento indicado para jazigos de cada empreendimento. No Memorial Parque dos Girassóis, por exemplo, os jazigos são construídos em concreto com espessura de cinco a sete centímetros, recebem a aplicação de produtos vedantes e são inseridos dez quilos de cal por corpo no momento do enterro. Segundo Mendonça, a manutenção do cemitério é periódica e feita por etapas. “Construímos um quarteirão com 50 jazigos, 49 são comercializados e um fica disponível para vistoria. A cada dois meses, abrimos o jazigo vazio e verificamos se há alteração ou trincas. Como construímos todos no mesmo momento e com o mesmo material é provável que, se um tiver problema, os outros também terão”, explica. Os jazigos comercializados são vistoriados a cada enterro.

O AQUÍFERO

A arquiteta Flavia Olaia Machado e o engenheiro João Sérgio Cordeiro publicaram o estudo Caracterização e levantamento de uso e ocupação do solo

legislação

arquitetura

em áreas de recarga do Aquífero Guarani. Neste trabalho, estudaram o Loteamento Residencial e Comercial Palmares, localizado na zona leste de Ribeirão Preto, área classificada pelo Zoneamento Ambiental do Município como Zona de Uso Especial, por constituir área de recarga do Guarani. Um dos impactos negativos é o Cemitério Bom Pastor que, segundo especialistas, pode contaminar águas superficiais e subterrâneas por microrganismos resultantes da decomposição dos corpos. No estudo, eles elencaram ações que poderiam ser adotadas no empreendimento para proteger o ambiente urbano e a saúde pública: ▪ monitoramento hidrogeológico, através de poços de monitoramento, para acompanhar a evolução hidroquímica do lençol freático local, verificando a possível ocorrência de contaminações; ▪ avaliação trimestral do lençol freático, para checar as cadeias de nitrato e do fosfato, além do conteúdo microbiológico; ▪ todo o resíduo sólido gerado pelo cemitério (flores, material de exumação, adereços) deveria receber o mesmo tratamento dados aos resíduos gerados

meio ambiente

pelos serviços de saúde, ou seja, ser retirados por empresa especializada que destinariam para cremação ou para o aterro sanitário; ▪ proibição de sepultamentos por inumação (caixão direto no solo). Os sepultamentos só poderiam ocorrer através da entumulação (caixas de alvenaria fechadas e impermeabilizadas); ▪ criação de rede coletora de necrochorume (líquido decorrente da decomposição de corpos), que enviaria o material para a estação de tratamento de esgoto.

Os engenheiros ambientais Pedro Kemerich, Fernando Ernesto Ucker e Willian Fernando de Borba publicaram o artigo Cemitérios como fonte de contaminação ambiental, no qual abordam o impacto desses empreendimentos no solo e na água, além das doenças ocasionadas por atividades funerárias. Veja na área de notícias na página da AEAARP na internet.

www.aeaarp.org.br

Fotos Rogério Moroti

especial

Cemitério da Saudade, de Ribeirão Preto AEAARP 9


especial

história

legislação

arquitetura

meio ambiente

CREMATÓRIOS

No processo de licenciamento ambiental dos crematórios é exigido o Memorial de Caracterização do Empreendimento (MCE), resumo das principais informações e características físicas do local. O documento deve expor a viabilidade do empreendimento, tecnologia adotada, uso e ocupação do solo em um raio de 500 metros do empreendimento, sistema de gerenciamento de resíduos sólidos (periodicidade da coleta e número de viagens/dia), plano de recebimento de corpos (incluindo fetos ou peças anatômicas), existência de câmaras frias para preservação dos corpos, tempo de espera dos corpos até o momento da cremação, área construída e temperatura dos fornos de cremação. As plantas arquitetônicas devem conter as áreas do terreno, da construção, de florestas ou vegetação nativa, além da localização do imóvel com a distância da esquina oficial mais próxima. O projeto deve mostrar também as movimentações de terra feitas no terreno. O responsável técnico pelo projeto deverá preencher a ART. No caso de crematórios localizados na área rural, devem estar claramente especificados no projeto os espaços destinados às atividades agrossilvopastoris. O engenheiro civil José Aníbal Laguna foi o responsável técnico do primeiro crematório para humanos da região, o Crematório Ecológico Metropolitano de Ribeirão Preto (Rodovia Candido Portinari Km 321), em Jardinópolis. Para instalar um novo empreendimento, segundo ele, deve ser analisada as condições do terreno e a necessidade de compensação ambiental. “Compramos 32 mil metros quadrados de área verde para construir dez mil metros quadrados e tivemos que plantar dez mil árvores para absorver a fumaça resultante das cremações”, explica Laguna.

Crematório Ecológico Metropolitano de Ribeirão Preto

O primeiro crematório com fins funerais inaugurado no Brasil foi o crematório municipal de Vila Alpina (São Paulo), inaugurado em 1974.

As emissões atmosféricas destes empreendimentos seguem a Norma Técnica da CETESB E15.011. A Companhia realiza vistorias semestrais. A licença de operação dos crematórios tem validade de dois anos. Laguna opina que o ideal é que os empreendimentos sejam posicionados nas saídas de vento e água das cidades, para evitar contaminações e não incomodar a vizinhança. De acordo com Laguna, os gases emitidos pelos fornos do crematório saem 100% limpos, pois os equipamentos seguem determinações de legislações ambientais no processo de produção. Os fornos são alimentados por Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) ou por Gás Natural (GN) e seguem orientações do Corpo de Bombeiros. “A diferença dos gases está no poder calorífico. Por exemplo, o do GLP é maior do que o GN”, explica o engenheiro eletricista Marco Cesar Augusto Saraiva, especialista de mercado da Jung, empresa que produz fornos para crematórios. Revista Painel 10

FÓRMULA 1

Segundo Saraiva, a queima de um corpo demora entre duas horas e meia e três horas. “Depende da constituição física: quanto mais tecido adiposo menos tempo de cremação. Entretanto, o processo deve ser lento, devido às leis ambientais impostas”. A temperatura do forno gira em torno de 1.000 graus Celsius e é controlada permanentemente, sem a interferência de um operador, o que garante a repetitividade do processo. A eliminação da fumaça e do odor acontece na câmara secundária, instalada no interior do forno, por meio de um processo térmico que reduz ao máximo a queima. “Nosso forno tem os volumes das câmaras dimensionados através da fluidodinâmica computacional, ferramenta com a qual se projeta carros da Fórmula 1. Com isso, obtivemos modelos matemáticos que apontam as melhores soluções de engenharia para este fim”, explica Saraiva. O crematório realiza, em média, 27


especial

história

cremações por mês, segundo Laguna. O empreendimento tem capacidade para receber até sete corpos nas câmaras frias. O local passa por ampliação e poderá receber até 21 corpos em seis meses. O projeto de ampliação tem licença da CETESB, assim como a construção do

legislação

arquitetura

meio ambiente

primeiro crematório para animais, previsto para inaugurar em quatro meses. Laguna explica que o investimento na implantação de um crematório é alto, começa em R$ 3 milhões, considerando a compra do terreno e dos equipamentos necessários.

A produção de fornos para crematórios devem seguir a Resolução CONAMA 316/2002 e as legislações específicas de cada estado ou município, se houver. Os equipamentos são produzidos em aço inox e devem ter um responsável técnico, com a devida emissão da ART. As válvulas e detectores de gases presentes nos fornos seguem a NBR 12.313, da ABNT, que dispõe sobre o controle e segurança para utilização de gases combustíveis em processos de baixa e alta temperatura.

Forno para crematório de humanos, da Jung

AEAARP 11


carreira

Tem mais mulheres no mercado de trabalho Sistema CONFEA tem mais de 170 mil mulheres; no CAU/BR elas são 62% dos profissionais habilitados

Segundo o Perfil Ocupacional dos Profissionais da Engenharia no Brasil, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em 1995 as mulheres eram 11% dos profissionais de Engenharia no estado de São Paulo; em 2005, já eram 15%; em 2008, 17% e em 2013, 19% – último levantamento realizado. O Sistema CONFEA tem 1.299.737 profissionais habilitados (entre bacharéis, técnicos e tecnólogos), destes 179.323 são mulheres. No estado de São Paulo, dos 338.583 profissionais, 38.850 são mulheres. O departamento técnico do Sistema CONFEA realizou levantamento exclusivo para a revista Painel que detalha o número de mulheres com o título de Engenheira e que estão ativas no conselho.

Dos 140 mil arquitetos e urbanistas habilitados no CAU/BR, 62% são mulheres. Segundo a entidade, a presença de mulheres na Arquitetura diminui à medida que a idade aumenta: o sexo feminino representa 78% dos arquitetos com menos de 25 anos, 65% entre os arquitetos entre 30 e 35 anos e 28% entre os profissionais com mais de 60 anos.

Para homenagear profissionais brasileiras, o CAU reuniu uma série de entrevistas e perfis de mulheres, como Lina Bo Bardi, Rosa Kliass e Elisabete França, que ajudaram a construir a história da Arquitetura e o Urbanismo no Brasil, veja no endereço eletrônico da AEAARP, na área de Notícias.

ENGENHEIRAS - SISTEMA CONFEA 2016 Modalidade

Número de registros

www.aeaarp.org.br

CIVIL1 59.287 2 AGRONOMIA 22.735 MECÂNICA E METALÚRGICA3 13.272 QUÍMICA4 12.914 ELETRICISTA5 11.572 AGRIMENSURA6 948 GEOLOGIA E MINAS7 822 Total 121.550

Para a engenheira civil Rogéria Maria Soares Frateschi, as oportunidades de ingressar na faculdade ou no mercado de trabalho são iguais para homens e mulheres, desde que sejam pessoas interessadas ou profissionais qualificados. “É o aprimoramento continuado que possibilita o crescimento profissional”, diz ela, que concluiu o curso de Engenharia Civil

modalidade que abrange 16 graduações diferentes modalidade que abrange 6 graduações diferentes 3 modalidade que abrange 28 graduações diferentes 4 modalidade que abrange 14 graduações diferentes 5 modalidade que abrange 20 graduações diferentes 6 modalidade que abrange 8 graduações diferentes 7 modalidade que abrange 4 graduações diferentes 1 2

Revista Painel 12


em 1983, no Centro Universitário Moura Lacerda, de Ribeirão Preto (SP). Rogéria foi uma das 19 estudantes de Engenharia de uma turma de 83 formandos. A arquiteta e urbanista Ruth Cristina Montanheiro Paolino, diretora Universitário da AEAARP, concorda com Frateschi. “Para dar aulas, por exemplo, é preciso ter perfil de pesquisador e este não é o perfil da maioria”. Ruth formou-se em Arquitetura e Urbanismo em 1980, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC), Campinas (SP), em uma turma de 120 estudantes, a maioria mulheres. Segundo a engenheira agrônoma Sally Ferreira Blat, há alguns anos, as agrônomas sofriam preconceito principalmente pelo trabalho pesado do campo. “Com as novas tecnologias, maquinários mais leves e variedade de atuação no mercado, o preconceito é bem menor”. Sally concluiu o ensino superior em 1997, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho” (Unesp), de Jaboticabal (SP), e conta que dos 75 formandos apenas 22 eram mulheres. Ela nunca sofreu qualquer tipo de preconceito, apesar das piadas que encarou com bom humor ao longo da carreira. Ruth, que é docente e coordenadora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp)

desde 2014, acredita que o preconceito diminuiu na área de Arquitetura, visto que as mulheres são maioria. “Quando se demonstra conhecimento e domínio técnico, somos respeitadas e ouvidas”, diz a profissional que também atua nas áreas de acústica arquitetônica e conforto térmico e lumínico.

PERFIL

Historicamente, a procura pelos cursos de Engenharia tem predominância masculina, mas Rogéria avalia que as mulheres estão se interessando mais pela área, principalmente pelo grande leque de trabalho. “Podemos fazer uma especialização ou transitar por várias áreas”, diz a engenheira, que atua há 20 anos no Departamento de Fiscalização de Obras Públicas – Setor de Análise de Projetos de Drenagem e de Fiscalização de Obras, da Secretaria de Obras Públicas da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto.

No ramo da pesquisa, a atuação feminina é de 37% contra 63% masculina, segundo Sally, que trabalha no melhoramento genético de hortaliças, na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA Centro Leste), da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. “Em outras áreas como a de Tecnologia de Alimentos, a presença feminina é dominante, cerca de 57%”. Já Ruth acredita que a Arquitetura é mais procurada pelas mulheres em razão do caráter multidisciplinar que une humanas, exatas e arte. Na década de 1980, Ruth diz que presenciou diferença salarial entre homens e mulheres. “Trabalhei com carteira assinada em três empresas da área da construção civil e as mulheres ganhavam menos. Hoje, creio que o cenário mudou, porque as mulheres são maioria na Arquitetura”. Ela comenta que, geralmente, o arquiteto e urbanista é um profissional autônomo e terceirizado e que por isso não há diferença na remuneração, pois cobra-se por projeto ou serviço prestado. “Destaca-se o melhor, o mais criativo e proativo, não importa se é homem ou mulher”. Sally acredita que na área acadêmica não exista essa diferença. “Porém, em outras áreas esse problema social ainda

Pela primeira vez uma universidade americana formará mais mulheres em um curso de Engenharia. A Universidade de Dartmouth, localizada na cidade de Hanover (EUA), terá 54% de mulheres entre os formandos de 2016. A média era de 19% de diplomas para o sexo feminino. A mudança aconteceu após a instituição contratar mais professoras para lecionar nos cursos de Engenharia Mecânica e Elétrica.

AEAARP 13


Debbie Sterling é uma engenheira americana que criou uma linha de brinquedos que instigam meninas a se interessarem pela Engenharia. O kit de construção chamase GoldieBlox é indicado para crianças de cinco a nove anos. O brinquedo traz um livro que tem Goldie como protagonista, uma garota que gosta de construir coisas, e peças de construção que traz conceitos de Engenharia.

é realidade, pois homens ganham até 30% mais do que as mulheres”. A engenheira civil defende que se profissionais exercem cargos e funções iguais devem ter o princípio da isonomia salarial respeitado. “As oportunidades de trabalho são conquistadas por meio da profissionalização constante e pela perseverança de permanecer na área de formação”, comenta a engenheira. Há quem defenda que as mulheres têm algumas habilidades que são positivas para cada uma dessas carreiras. Ruth destaca a sensibilidade e a visão mais abrangente do mundo e da vida. Já Sally acredita que a característica multitarefas

da mulher e a atenção aos detalhes são diferenciais relevantes. Para Rogéria, prática e experiência são importantes, porém habilidade de liderança e relacionamento interpessoal são competências requisitadas no mercado.

O Blog da Engenharia elencou cinco engenheiras mais poderosas de 2016, dentre elas destacam-se a engenheira mecânica Diane Greene, do Google, e a engenheira eletricista Peggy Johnson, da Microsoft. Conheça as outras profissionais no endereço eletrônico da AEAARP, na área de Notícias.

www.aeaarp.org.br

O Jornal do Engenheiro, veículo informativo do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, publicou matéria onde engenheiras relatavam a resistência na contratação de mulheres por causa da possibilidade de gravidez e, consequentemente, da licença-maternidade. Revista Painel 14

Sally concorda com as engenheiras, pois “o empregador precisa contratar outra pessoa para cobrir a função da funcionária afastada no período da maternidade”. Ruth e Rogéria discordam. “Estamos no século XXI. Isto não é cabível em empresas sérias e comprometidas com os direitos dos trabalhadores”, ressalta a arquiteta. As áreas de atuação na Arquitetura são muitas, destaca Ruth, e existem oportunidades de trabalho para arquitetas nos próximos anos, especialmente nas áreas de requalificação das cidades, paisagismo urbano e decorativo, recuperação, preservação e manutenção do patrimônio histórico e artístico. “Na área técnica destaco ainda acústica, térmica e iluminação das edificações, serviços que contribuem com a qualidade dos espaços construídos e com a qualidade de vida”. Sally acredita que a tendência é aumentar vagas para agrônomas nas áreas de pesquisa, ensino e orientação. “As perspectivas para o futuro das engenheiras são de crescimento, uma vez que tem aumentado o número de estudantes do sexo feminino nos cursos de Engenharia”, finaliza Rogéria.


produtividade

Fábio Gatti, especialista em Pacote Office

Seguimos comentando sobre as novas funções do Excel, dando continuidade ao artigo do mês anterior, duas funções muito úteis foram criadas para “substituir” a função SE, que é uma das funções mais utilizadas e famosas no Excel. A primeira delas é a função SES. A função SE possui um único teste lógico e duas possíveis respostas para este teste, sendo uma para verdadeiro e outra para falso. Quando há mais que duas possíveis respostas para um teste lógico, costuma-se aninhar funções SE. Para explicar melhor, criaremos o seguinte exemplo: possuo uma escola com três alunos e quero criar a função SE para descobrir quem estará aprovado, quem será reprovado e quem poderá tentar novamente em formato de exame.

Novas Funções do MS-Excel 2016 – Parte 2 Os parâmetros são:

Anteriormente, a função que usaríamos seria a seguinte (na célula H3): =SE (G3>=7;”Aprovado”;SE(G3>=4;”Exame”;” Reprovado”)). Como podem perceber, foi necessário criar uma segunda função SE dentro da primeira, pois havia mais que duas possíveis respostas. Utilizando a nova função SES, seria da

AEAARP 15

seguinte forma: =SES(G3>=7;”Aprovado ”;G3>=4;”Exame”;G3<4;”Reprovado”). Desta forma, basta criar uma única função e alimentar seus argumentos. Outra saída possível à função SE é a nova função Parâmetro, que permite definir os parâmetros de pesquisa e os valores de retornos, além de possibilitar uma resposta padrão caso os argumentos não sejam atingidos. Para finalizar, as funções estatísticas e de análise também receberam novidades, que são as funções Máximoses e Mínimoses. Para aqueles habituados a trabalhar com a função Somases não há dificuldades: elas se assemelham em todos os argumentos da função Somases e permite-nos aplicar uma verificação de valor máximo ou mínimo, a partir de um intervalo, se atender aos critérios predefinidos. As novidades são muitas e é sempre importante mantermo-nos atualizados quando o assunto é produtividade com o Microsoft Excel.


hobby

Infância na fazenda como fonte de inspiração

Os desenhos rudimentares de um trabalhador da fazenda onde o arquiteto Sylvio Nogueira cresceu tiveram grande importância na criatividade e no seu interesse pelas artes plásticas. “Ficava encantado quando via os desenhos em carvão do filho de um trabalhador da fazenda, achava aquilo um máximo”. A infância na zona rural também foi a grande fonte de inspiração para as telas e esculturas do arquiteto, que sempre apreciou as pinturas de cavalos. “Teve uma época que fiquei conhecido como pintor de cavalos”. Mas, aos risos, Nogueira diz que os verdadeiros pintores de cavalos não gostam das suas telas. “Gosto de imagens vibrantes, onde o cavalo realiza movimentos que demostram força, liberdade e magnetismo. Não costumo desenhar o cavalo caipira com traços perfeitos”. Aos oito anos, o arquiteto já desenhava cavalos e caubóis. Aos 10 anos, reproduziu seus desenhos no papelão para serem utilizados como enfeites de bolo. Dois anos depois, o arquiteto saiu da fazenda e mudou-se para o centro de Ribeirão Preto (SP), na Rua Barão do Amazonas. Foi nessa época que teve o primeiro contato com as artes plásticas

Fotos Juliana Nogueira

Cavalos e caubóis marcaram a infância e as telas do arquiteto Sylvio Nogueira

e frequentou a Escola de Arte do Bosque, onde teve aulas com o pintor e escultor Bassano Vaccarini. Na década de 1970, Nogueira mudou-se para São Paulo (SP) para fazer cursinho e prestar vestibular para o curso de Artes Plásticas. Porém, seu pai o fez mudar de ideia: “se você for artista, vai virar professor de Artes Plásticas. Guarde sua arte para você se divertir”. Depois de conversar com alguns amigos e primos, Revista Painel 16

Nogueira decidiu direcionar sua arte para a técnica. Matriculou-se no curso de Arquitetura da Universidade Católica de Santos, em 1972. Durante a faculdade, o arquiteto continuou pintando nas horas vagas e aceitou as primeiras encomendas de quadros para decorar três hotéis da cidade de Santos (SP). “Até hoje minhas telas estão expostas lá”. O período da faculdade foi de intensa inspiração na vida do arquite-


to, que também trabalhou na escola de samba santista X-9 na criação e produção de fantasias, carros alegóricos e temas dos desfiles, durante cinco anos. Nesse período, o arquiteto teve a oportunidade de trabalhar ao lado do ator e escultor Serafim Gonzalez, que esculpiu a estátua Mulheres de Areia, em Itanhaém (SP), em homenagem à novela que tem o mesmo nome, transmitida pela primeira vez na extinta TV Tupi, em 1973. Em todos estes anos, Nogueira já pintou e esculpiu dezenas de cavalos e caubóis, personagens famosos do

folclore brasileiro, figuras literárias importantes como Dom Quixote e seu fiel escudeiro Sancho Pança, famílias de retirantes nordestinos, bailarinas, além de obras que valorizam o corpo feminino. Muitas dessas obras estão expostas em sua casa e também na casa de amigos e parentes que são presenteados pelo arquiteto. Outras fizeram parte de exposições individuais e coletivas em várias empresas e instituições de Ribeirão Preto como, por exemplo, AEAARP, Unimed, Centrais Telefônicas de Ribeirão Preto (Ceterp), Secretaria Municipal da Cultura e o Ateliê Miguel Angelo. Porém, uma delas é a xodó do arquiteto, um Saci Pererê montado em um cavalo que ele pintou há alguns anos. “Esse quadro eu não dou e não vendo por valor nenhum”. Nogueira gosta de pintar e esculpir durante a noite, ao som de jazz, blues, bossa nova ou música erudita. Ele criou um ateliê no mezanino da sua casa e é lá que ele se refugia nos momentos de inspiração. “Enquanto não termino uma tela, não consigo dormir. Muitas vezes amanheço pintando”. O arquiteto que está de mudança para um sítio em Bonfim Paulista (SP), já reservou um lugar na nova casa para ser o seu ateliê. Dentre os grandes nomes mundiais das artes plásticas, ele admira o estilo AEAARP 17

surrealista do pintor catalão Salvador Dali e avalia que muitas de suas telas seguem esse movimento artístico. Para desenvolver ainda mais sua criatividade, Nogueira gosta de visitar construções antigas e igrejas. “Sempre que chego a uma nova cidade, gosto de visitar a igreja matriz local, esses locais são grandes fontes de inspiração para as minhas obras”. Toda essa inspiração também é aplicada em seus projetos arquitetônicos. “Já criei mais de 800 projetos e nunca repeti um desenho”, diz, orgulhoso, o arquiteto, que guarda todas as plantas que assinou.


agronomia

Sustentabilidade revertida em rentabilidade Em cerca de dois milhões de hectares de cana-de-açúcar são utilizadas técnicas de ciclagem de nutrientes, através da fertirrigação com vinhaça, prática sustentável que promete melhorar a eficiência da plantação, além da aplicação de compostos orgânicos como adubo a partir da torta de filtro em plantio e soqueira. Este foi um dos destaques da 10ª Semana Agronômica.

Houve um tempo no qual o material resultante da produção agroindustrial era tratado como resíduo a ser descartado. Hoje, os resíduos agroindustriais entram em um processo sustentável de ciclagem dos nutrientes que influencia na qualidade da produção agrícola, otimiza o uso dos recursos na lavoura, melhora o padrão de produção e enriquece os recursos naturais. O engenheiro agrônomo Pedro Hen-

rique de Cerqueira Luz, docente do departamento de Zootecnia da USP de Pirassununga (SP), explica que, usando técnicas de manejo de subprodutos da cana-de-açúcar, é possível economizar R$ 445 por hectare na fertilização de um canavial com faixa de produtividade entre 90 a 100 toneladas de cana por hectare. “Os sistemas de produção agrícola têm de procurar o caminho da eficiência com sustentabilidade e, nesse

contexto, o manejo da fertilidade do solo é fundamental”, opina. Dos nove milhões de hectares de cana-de-açúcar no Brasil, segundo Cerqueira Luz, cerca de dois milhões utilizam resíduos sólidos e líquidos na fertilização. A técnica permite o uso de fertilizantes orgânicos, minerais e organominerais com resultados positivos na produtividade da cana e reflexos de qualidade tanto para o açúcar quanto para o etanol.

O engenheiro agrônomo Luiz Concilius Gonçalves Ramos, diretor técnico operacional da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), apresentou na 10ª Semana Agronômica o modelo logístico da Companhia, criada em 1969 e composta por entrepostos ocupados por comerciantes permissionários. Os produtos comercializados originam-se de 1.500 municípios de 25 estados brasileiros e de outros 20 países. A empresa mantém 18 unidades armazenadoras. Na CEAGESP os grãos são classificados seguindo padrões oficiais, processados e armazenados. O Entreposto Terminal São Paulo (ETSP) é a maior central de abastecimento de frutas, legumes, verduras, flores, pescados e diversos (alho, batata, cebola, coco seco e ovos) da América Latina. Ribeirão Preto tem o segundo maior volume armazenado e o segundo maior faturamento do estado.

Revista Painel 18


Economia

Estudo desenvolvido pelo engenheiro agrônomo Pedro Henrique de Cerqueira Luz, na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP de Pirassununga (SP), demonstra que o manejo do solo utilizando fertilização orgânica e organomineral resulta em ganho, produtividade e economia. A recomposição do solo aliada às novas práticas agrícolas têm como resposta oportunidades de negócios. Depois de vencida a fase do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que até setembro de 2016 cadastrou mais de 3,79 milhões de imóveis rurais, totalizando 387.547.126 hectares, o engenheiro florestal Eduardo Gusson, consultor de projetos agroflorestais, explica que o desafio é recompor áreas degradadas e torna-las economicamente viáveis. Nas Áreas de Preservação Permanentes (APPs), por exemplo, é obrigatória a recomposição da vegetação em faixas mínimas definidas pelo Novo Código Florestal, em função do tamanho da propriedade, sendo que as maiores possuem mais obrigações. Contudo,

Pedro Cerqueira Luz

Como restaurar Área de Preservação Permanente e Reserva Legal Identificar o ecossistema a ser restaurado: a histórico de perturbação, resiliência; a composição e estrutura da vegetação original (ambiente de referência) a Inserção da área na paisagem (zoneamento ambiental) a legislação ambiental vigente (SMA 32-2014) Definir o objetivo (APP ou RL) e o nível de intervenção necessária. Reconhecer e reintroduzir componentes-chave do ecossistema. Fonte: Eduardo Gusson

atendidas estas exigência, admite-se manter atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural quando apresentarem áreas rurais consolidadas. A Reserva Legal, por outro lado, é fonte de recursos naturais para suprir a demanda da propriedade rural ou gerar receitas com a comercialização de produtos florestais madereiros e não madereiros como frutos, castanhas, resinas, látex, palmito, fitoterápicos etc. Neste caso, a recomposição objetiva incentivar a produção florestal através do manejo ordenado sustentável aliado a outros interesses da sociedade, como a conservação das florestas para a manutenção da biodiversidade, produção de água, mitigação climática e proteção do solo. Esse conjunto de ações tem o nome de serviços ecossistêmicos. Gusson explica que para aderir ao Programa de Recuperação Ambiental (PRA), o produtor rural deve inscrever-se no CAR, requerer a inclusão no PRA, requerer o Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas e Alteradas (PRADA) e obter a homologação pelo órgão ambiental, o que pode levar até 12 meses. Depois desse processo, o produtor deve executar o PRADA nas fases e prazos propostos, o que será acompanhado a cada dois anos. AEAARP 19

Eduardo Gusson

Ao final, haverá a homologação do PRA. Gusson alerta que recompor não é o mesmo que colocar a semente ou a muda, é necessário planejamento. A legislação impõe regras como, por exemplo, combinar espécies exóticas com nativas de ocorrência regional, desde que a área com as exóticas não exceda 50% do total a ser recuperado. A exploração econômica da área é permitida desde que o manejo seja considerado sustentável. “A adequação ambiental do país não é bicho de sete cabeças, gera emprego, impostos e produz riquezas”, conclui.


social

Almoço dos Agrônomos, uma reunião de amigos Profissionais de agronomia foram homenageados no evento

Os agrônomos na festa na AEAARP

Neste ano, o Almoço dos Agrônomos reuniu 38% mais profissionais de agronomia do que na edição de 2015. Em uma área do terreno da AEAARP foi plantado um exemplar da árvore Lophantera, popularmente conhecida como Chuva de ouro, espécie nativa da floresta tropical. O engenheiro agrônomo Jorge Luiz Pereira Rosa, diretor de Agronomia da AEAARP, ressaltou que o encontro anual dos profissionais é a oportunidade de

estreitarem os laços que os unem em torno do exercício da profissão com responsabilidade e eficiência. Durante a festa, profissionais históricos da AEAARP, como Callil João Filho e José Luiz Camarero, os que fizeram história na entidade, como Nelson Zapparolli, e outros que chegaram à entidade há menos tempo, como Luiz Fernando Toscano e Eduardo Gerolineto, foram homenageados.

Agrônomos homenageados Revista Painel 20

João Filho, que é diretor administrativo da AEAARP, é associado desde os anos de 1970 e, aos 85 anos, é um dos grandes entusiastas da entidade. “Festas como o Almoço dos Agrônomos despertam o companheirismo”, considera. Para ele, a Associação é um conjunto de colegas de profissão que defendem o mesmo ideal. Dentre os agrônomos presentes no Almoço, Toscano era o que havia chegado à entidade mais recentemente. Associou-


-se em outubro deste ano e o fez para desfrutar da companhia dos colegas de profissão, que é o que já fazia em Votuporanga (SP), onde viveu por mais de 40 anos. Ele foi inspetor do CREA-SP naquela região, presidiu a entidade de lá e foi vice-presidente da FAEASP. “Busco fazer contato com colegas”, diz.

Gerolineto era o mais jovem na profissão, formou-se engenheiro agrônomo há 10 anos. Ele conta que buscou a entidade em razão da oportunidade de acessar convênios exclusivos, e encontrou um ambiente de amigos. “Foi uma boa confraternização”, diz, a respeito do Almoço.

Agrônomos plantam a Lophantera: símbolo da amizade

AEAARP 21


Painel eleições

Ribeirão Preto 300% Eleito prefeito de Ribeirão Preto (SP), Antônio Duarte Nogueira Júnior declara otimismo, estabelece metas e quer parceria da AEAARP nos debates sobre o futuro da cidade

Planejamento é a palavra-chave da gestão que o deputado federal Antônio Duarte Nogueira Júnior, engenheiro agrônomo, pretende imprimir como prefeito de Ribeirão Preto, cargo para o qual foi eleito e assumirá no dia 1º de janeiro de 2017. A revista Painel publicou no decorrer de 2016 reportagens sobre temas eleitorais e encerra o ciclo com trechos da entrevista exclusiva de Nogueira, fruto de conversa do deputado com os engenheiros Carlos Alencastre e João Paulo Figueiredo, respectivamente presidentes da diretoria e do conselho da AEAARP, e com o engenheiro agrônomo Jorge Rosa, diretor de Agronomia da entidade. Alencastre, Figueiredo e Rosa na reunião com o prefeito eleito

Na conversa, o prefeito eleito disse que conta com a AEAARP no debate referente aos assuntos técnicos que permeiam a administração pública. Ele pretende colocar em pauta o que chama de “enxoval legal”, que são medidas necessárias para proporcionar segurança jurídica para investimentos e desenvolvimento urbano. Alguns temas são o Plano Diretor e a Lei de Uso e Ocupação do Solo. Veja na página de notícias da AEAARP o plano de governo defendido por Nogueira durante a campanha eleitoral.

www.aeaarp.org.br

DAERP

Para dar solução à gestão do abastecimento de água, Nogueira pretende implantar um centro de controle e operações com tecnologia para gerenciar a distribuição, o nível dos reservatórios, a pressão da água etc. Alencastre argumenta que o controle digital do processo, com a instalação de hidrômetros nos poços, poderá resultar no aprimoramento da aferição do volume de água consumido na cidade, do desperdício e possíveis roubos no sistema. O Departamento de Água e Esgoto de Ribeirão Preto (DAERP) deverá agregar às suas responsabilidades a gestão de resíduos e drenagem urbana. O DAERP, segundo Revista Painel 22

Nogueira, dispõe de receita suficiente para investir no sistema - segundo ele, o faturamento mensal da autarquia é de R$ 27 milhões. “São mais que suficientes para dar resposta adequada à sociedade”, avalia. A resposta, neste caso, é melhorar a qualidade técnica, acabar com vazamentos, reformar redes mais antigas e dar ao DAERP condições para ser autarquia que gere investimentos. “No ano passado, segundo Sistema Nacional de Saneamento, o DAERP sequer chegou a R$ 20 milhões de investimento. O SEMAE – Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto, de São José do Rio Preto (SP), que é menor, investiu R$ 60 milhões de reais”, exemplifica.


A meta do governo de Nogueira é a de, até 2018, ter 100% do esgoto coletado e tratado. Este índice, somado ao 100% de água tratada configura o título deste texto, fruto da fala do prefeito eleito: “Até 2018, Ribeirão será uma cidade 300%”.

INFRAESTRUTURA

“Falta bom planejamento”, atesta o prefeito eleito. Segundo ele, Ribeirão Preto tem 1.500 quilômetros de rua, mas a administração desconhece as condições de manutenção asfáltica destas vias. “Quanto está comprometido? Quanto precisa ser refeito? Quanto é de tapa buraco? Precisa ter informação”, avalia. Para ele, o planejamento para a implantação e recuperação da infraestrutura urbana esbarra em um tema fundamental: o orçamento. Ele questiona: quanto dos R$ 29 bilhões previstos sobra para a infraestrutura? Para solucionar esta equação, nem sempre favorável às necessidades da cidade, Nogueira vai aliar o planejamento orçamentário à busca de recursos externos, utilizando medidas previstas por lei, como as concessões e Parcerias Público Privadas (PPPs). “Serão quatro anos fazendo contas e buscando soluções criativas, ir a empresas e buscar modelos que já deram certo”, explica. Ele estuda adotar PPPs, por exemplo, para a iluminação pública, para a gestão da Cava do Bosque e a construção de um centro administrativo, proposta que permeia a administração da cidade há pelo menos 50 anos. Estas ações incluem medidas legais, como a revisão do Plano Diretor e a aprovação das leis complementares que ainda estão pendentes, e a reorganização administrativa, que deverá incluir a

“Vamos sair de i-0 tão baixo que qualquer medida de saneamento, planejamento e melhorias, vai dar excelentes resultados”, disse, entusiasmado, Nogueira. Ao ser questionado se estava otimista, abriu um sorriso e respondeu: “Claro, se eu não estiver, quem estará?”. criação de um organismo regulador dos serviços públicos. Ele argumenta que serviços concedidos à iniciativa privada, como o transporte público, a coleta de resíduos urbanos e o tratamento de esgoto, devem ser acompanhados por órgão regulador, responsável por gerir e fiscalizar o cumprimento dos contratos. “A prefeitura não tem capacidade econométrica para averiguar se os contratos são cumpridos”.

LEGISLAÇÃO

“Vamos colocar a área de planejamento para rever enxoval legal. Onde há sobreposição, será revisto. Não há necessidade de alterar a Planta Genérica de Valores”, disse Nogueira em resposta ao questionamento de Figueiredo. O presidente do Conselho da AEAARP expôs que, nos anos de 1970, o Código de Obras do município orientava os investimentos da construção civil e disse que a insegurança legal de hoje colabora para a timidez desse mercado. Ele lembrou que há alguns anos a AEAARP debateu sobre a revisão do IPTU, perpetrada pela prefeitura. Nogueira elencou responsabilidades do governo que devem ser compartilhadas com o legislativo, estabelecendo deAEAARP 23

bate a respeito de projetos. “Desde o ano passado era para a cidade ter aprovado seu Plano de Resíduos Sólidos, o Plano de Saneamento não foi regulamentado, precisa correr atrás”, exemplifica. Para ele, o “grande elemento de fiscalização das leis da cidade”, que é a Câmara Municipal, precisa ter mais ativismo para cobrar ações, como o investimento em asfalto, iluminação pública e planejamento. Mas, avalia que o governo que termina em dezembro deste ano, “acabou se apropriando da Câmara com troca de favores, de cargos, o que ficou escancarado”.

Alimentação Jorge Rosa, diretor de Agronomia, expôs ao prefeito eleito o manejo agrícola dos alimentos que chegam à mesa da população e a necessidade de mudar hábitos alimentares a partir do ambiente escolar. Recebeu de Nogueira o compromisso de estudar a medida.


GESTÃO

Mariana Rossatti Molina Analista de negócios do SEBRAE-Ribeirão Preto

Controles financeiros para a boa gestão de sua empresa

Um dos pilares da boa gestão empresarial é a boa gestão financeira. Todo empresário, independentemente do porte da empresa, deve incluir atividades da gestão financeira na rotina de sua empresa. Para tal, se capacite no assunto, sensibilize e treine os funcionários envolvidos no processo. Separe as finanças pessoais das finanças da empresa e tome decisões mais embasadas utilizando as informações obtidas: será que posso contratar? Será que devo investir? A estratégia escolhida e operacionalização da mesma estão dando os resultados esperados? Qual a melhor solução para o problema de capital de giro que estou prevendo? Para a boa gestão financeira é importante garantir a confiabilidade dos dados. Não adianta ter indicadores que não correspondem à realidade. Pior do que não saber se o preço que pratico é suficiente para cobrir todos os meus custos, despesas e possibilitar uma margem de lucro, é formar este preço com dados incorretos e, por exemplo, dar um desconto que não poderia. Depois de assegurada a confiabilidade dos dados, analise quais controles e indicadores serão implantados. Uma boa ferramenta para começar é o fluxo de caixa. Este controle diz respeito às entradas e saídas do caixa e a projeção dos mesmos em determinado período do tempo. É interessante detalhar estas entradas e saídas em categorias. Por meio do fluxo de caixa, consigo visualizar o que está consumindo os recursos, analisar sazonalidades, se irei conseguir honrar os compromissos assumidos, se estou trabalhando para aumentar a sincronia de entradas e saídas - prazos de pagamento e recebimento - visando reduzir a minha necessidade de capital de giro, entre outros. Mas a análise do caixa, por si só, não será o suficiente. O De-

monstrativo de Resultados do Exercício (DRE) irá dar uma visão mais completa da saúde financeira de sua empresa, incluindo a visão de como está o seu resultado operacional (lucro/prejuízo). Este indicador está diretamente associado à eficiência e capacidade da empresa gerar valor e, caso não esteja positivo, é importante analisar as causas e a estratégia para reverter a situação. O objetivo de toda empresa é ter lucro, embora as decisões não possam ser tomadas focando somente o lucro no curto prazo. É necessário reinvestir parte do mesmo para assegurar a existência da empresa e do lucro no futuro. Outros controles e análises podem melhorar a gestão financeira da sua empresa como, por exemplo, o controle financeiro da pessoa física, o controle de estoque, controle de recebimentos e pagamentos, a formação do preço de venda, análise do ponto de equilíbrio, análise da rentabilidade, índice de inadimplência, entre outros. Alguns empreendedores usam cadernos, muitos utilizam planilhas ou sistemas de gestão. Logicamente, sistemas e planilhas irão prover uma facilidade muito maior na análise dos dados e geração de relatórios, economizando até mesmo o tempo do empresário. Mas, o importante é ter o controle e utilizar os mesmos para a tomada de decisões, utilizando a ferramenta que melhor se encaixa na realidade e necessidades da empresa. O uso de controles financeiros, por si só, não irá fazer a empresa ser mais lucrativa, até mesmo porque o sucesso se deve a diversos fatores, internos e externos. Mas, irá dar subsídios e informações para analisar o seu desempenho, detectar possíveis problemas, analisar o impacto de possíveis decisões e investimentos no caixa e resultado: irá fornecer subsídios para uma melhor gestão.

Revista Painel 24


crea-sp

Profissional deve recolher ART de serviço de aprovação de projetos Ato Normativo refere-se àqueles que atuam no serviço público

Ato Normativo nº 4 Da instituição dos Conselhos Art. 2° É vedado ao profissional, no exercício de cargo ou função, analisar e aprovar projeto ou fiscalizar administrativamente obra de sua autoria. Parágrafo único. O descumprimento do estabelecido no caput deste artigo sujeita o profissional a ser autuado por infração aos seguintes itens do Código de Ética Profissional, adotado pela Resolução 1002/02 do CONFEA: artigo 9º, inciso I, alínea “b”; artigo 9º Inciso IV, alínea “a”; artigo 10, Inciso I, alínea “b”; artigo 10, Inciso II, alínea “b”; e artigo 10, Inciso II, alínea“c”. Cada caso deverá ser analisado especificamente para a capitulação adequada da infração, e as penalidades a serem aplicadas serão de acordo com o artigo 72 da Lei nº 5.194/66 e, no caso de reincidência, poderá ser aplicado o previsto no artigo 75 da referida lei, seguindo o rito estabelecido nos artigos 52 e 53 do Anexo da Resolução nº 1.004/03 do CONFEA.

O Ato Normativo nº 4, expedido pelo CREA-SP em 2010, dispõe sobre “a fiscalização dos serviços técnicos de aprovação de projetos realizados por órgãos

públicos, autarquias e concessionárias de serviços para fins de autorização de serviços e obras”. Araken Mutran, gerente regional do AEAARP 25

CREA-SP, considera o Ato de extrema importância para preservar a lisura da contratação e, sobretudo, a qualidade do serviço prestado. O primeiro artigo diz: “Os processos de aprovações de projetos nos órgãos públicos autarquias e concessionárias municipais, estaduais e federais, deverão ter a participação efetiva de profissional legalmente habilitado, registrado no Sistema CONFEA/CREA e com atribuições compatíveis ao tipo de projeto que está sendo analisado”. O gerente do CREA-SP alerta que o profissional responsável pela análise e aprovação dos projetos, seja qual for o regime de contratação, deve recolher ART de cargo e função técnica. “Nesse caso, o valor corresponde à taxa mínima”, esclarece Mutran. O profissional designado à análise, no entanto, não pode ser autor do projeto.


notas e cursos

Olericultura brasileira começou com Pedro Álvares Cabral

O secretário da Habitação do Estado de São Paulo, deputado federal Rodrigo Garcia, esteve na AEAARP para apresentar novo programa de lotes urbanizados. Dezenas de prefeitos de toda a região, empresários e profissionais da construção civil participaram do encontro.

Parceria da AEAARP/SEBRAE cria oportunidades de negócios Encontro de relacionamento e negócios da construção civil aconteceu na Associação

O engenheiro agrônomo Paulo Cesar Tavares de Melo, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, acaba de publicar o artigo Olericultura brasileira: do descobrimento ao século XXI. Escrito em parceria com Arlete Melo, pesquisadora do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), o texto traça uma linha do tempo da olericultura (cultivo de hortaliças) brasileira da descoberta do Brasil ao presente. O artigo está publicado a partir da página 22 na revista da Associação Portuguesa de Horticultura (APH). O atalho para a edição virtual está na área de notícias da página da AEAARP. Fonte: Agência USP

www.aeaarp.org.br

Carlos Alencastre e Iroá Arantes, gerente regional do SEBRAE, na AEAARP

Mais de 200 pessoas, entre profissionais e empresários ligados à construção civil, fornecedores de suplementos para construção, empresas de tecnologia e equipamentos, expuseram seus produtos e receberam profissionais e empresários do setor no Encontro de Relacionamento e Negócios da Construção Civil, que aconteceu na AEAARP em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Carlos Alencastre, presidente da AEAARP, avalia que o evento promoveu intercâmbio de negócios e ideias. “É com relacionamento e inovação que poderemos alterar a ordem das coisas, promover oportunidades e modificar o cenário”, diz.

De acordo com o SEBRAE, 32% dos participantes eram da indústria, 3% de construtoras, 8% arquitetos e engenheiros, 21% do comércio de materiais de construção e o restante de outros setores ligados à área. Dentre eles, a metade buscava parceria para novos negócios e outros 24% acrescentou a este também o objetivo de promover vendas. Ainda segundo o SEBRAE, 95% dos participantes declararam ter feito contatos com possibilidade de negócios. Por meio do evento, o SEBRAE buscou alavancar o setor e as empresas participantes com o aumento da rede de contato, fomento do relacionamento entre ofertantes e demandantes de soluções e incentivo de negociações e parcerias. Revista Painel 26

novos associados Fábio Magnani Paro Engenheiro agrônomo Jose Augusto Lopes Baldin Engenheiro agrônomo Luiz Fernando Toscano Engenheiro agrônomo Cremilda Kazitani Engenheiro civil Reginaldo Donisete dos Santos Técnico em eletrotécnica Giulia Moraes Evangelista Estudante de Engenharia Civil


O melhor lugar

para sua festa

é aqui

Condições especiais para associados Reservas: 16 2102.1700

AEAARP



Painel - edição 260 - nov.2016