Issuu on Google+


Tabagismo e álcool O álcool e o tabaco são duas drogas socialmente aceites e cujo o consumo tem graves consequências para a nossa saúde. A ingestão de álcool faz-se através de bebidas alcoólicas, como por exemplo o vinho e a cerveja, e provoca diversos efeitos, sobretudo ao nível do cérebro. Numa primeira fase verifica-se uma sensação de euforia e desinibição, mas, rapidamente, surgem outros efeitos, como a falta de coordenação motora e de equilíbrio; O atraso no tempo de reação a estímulos visuais e sonoros; a alteração na perceção das distancias e da velocidade; as alterações no raciocínio e na memória. O consumo regular de tabaco é considerado a principal causa de mortes evitáveis nos países desenvolvidos. Conhecem-se mais de mil substâncias distintas nas folhas de tabaco e no seu fumo. Entre elas destaca-se a nicotina, principal responsável pela ação de dependência. Fumar pode causar tosse, infecções nos pulmões, problemas de respiração, asma, úlceras e mau hálito. A longo do prazo, fumar aumenta a possibilidade de desenvolver cancro do pulmão, garganta e boca, para além de poder provocar problemas cardíacos e de má circulação. Os fumadores passivos, e em particular as crianças correm maior risco de desenvolver problemas respiratórios.


Álcool O QUE É O ÁLCOOL? É classificado como um depressivo, o que quer dizer que diminui as funções vitais (resultando em fala arrastada, instabilidade de movimentos, percepções alteradas e uma incapacidade para reagir rapidamente). No que diz respeito à forma como chega a afectar a mente, o álcool é melhor compreendido como uma droga que reduz a capacidade da pessoa para pensar de forma racional e distorce a sua capacidade de discernimento. Mesmo estando classificado como um depressivo, a quantidade de álcool consumido determina o tipo de efeito que é obtido. Muita gente bebe pelo efeito estimulante, como no caso de uma cerveja ou um copo de vinho que são bebidos “para soltar–se”. Mas se uma pessoa consome mais do que o corpo pode manejar, então experimentará o efeito depressivo do álcool. Começará a sentir–se “estúpida” ou perderá a coordenação e o controlo.

O Conteúdo do Álcool As bebidas fermentadas, como a cerveja e o vinho, contêm de 2% a 20% de álcool. As bebidas destiladas, ou licores, contêm entre 40% a 50% ou mais de álcool. O conteúdo habitual de álcool das seguintes bebidas é:

Bebidas que apresentam álcool Cerveja Cidra Vinho Rum Brandy Gin Uísque Vodka Licores

% que está presente em cada bebida 2-6% 4–8% 8–20% 40% ou mais 40% ou mais 40–47% 40–50% 40–50% 15–60%


EFEITOS A CURTO PRAZO Dependendo da quantidade ingerida, e da condição física do indivíduo, o álcool pode causar:              

Fala arrastada Sonolência Vómitos Diarreia Transtorno e mal–estar de estômago Dores de cabeça Dificuldades respiratórias Visão e audição distorcidas Capacidade de raciocínio deficiente Percepção e coordenação diminuídas Inconsciência Anemia (perda de glóbulos vermelhos do sangue) Coma Blackouts (falhas de memória durante os quais o alcoólico não se consegue lembrar dos eventos que aconteceram enquanto estava sob a influência do álcool)

Efeitos a longo prazo Embebedar–se e consumir de forma habitual grandes quantidades de álcool está associado a muitos problemas de saúde entre os quais se encontram:               

Ferimentos não–intencionais tais como acidentes de carro, quedas, queimaduras e afogamento Ferimentos intencionais tais como lesões por arma de fogo, agressões sexuais e violência doméstica Aumento das lesões no trabalho e perda de produtividade Aumento dos problemas familiares, e relações destruídas Envenenamento por álcool Pressão sanguínea elevada, trombose, e outras doenças relacionadas com o coração Doenças do fígado Lesões nos nervos Problemas sexuais Danos cerebrais permanentes Deficiência de Vitamina B1 a qual pode levar a uma desordem caracterizada por amnésia, apatia e desorientação Úlceras Gastrite (inflamação das paredes do estômago) Má nutrição Cancro da boca e garganta


Algumas opiniões de pessoas que passaram por vícios de álcool: “A minha dependência aumentou constantemente e, quando menos esperava, já bebia álcool quer pela manhã quer pela tarde. “Decidi deixar de beber. Permaneci acordada a maior parte dessa noite, e no outro dia tinha dores em todos os ossos do corpo. Cega pelo pânico, enchi nervosamente um copo de gin, as minhas mãos tremiam tanto que entornei metade da garrafa. À medida que o bebia, podia sentir a agonia a desaparecer de forma gradual. Então, finalmente soube a terrível verdade: eu estava viciada. E não conseguia deixar de beber.” O excesso de álcool levou à morte trágica de John Bonham. Foi encontrado morto, asfixiado no seu próprio vómito depois de uma noite de excessos de bebida. Ator britânico conhecido pelos seus papéis em Oliver!, Women in Love, Os Três Mosqueteiros e O Gladiador. Faleceu de um ataque cardíaco fulminante durante um descanso nas filmagens de O Gladiador. Encontrava–se extremamente intoxicado após ter consumido 3 garrafas de rum, 8 garrafas de cerveja e numerosas doses duplas de uísque.

Sobre grávidas: Quando consumido por mulheres grávidas, o álcool entra na corrente sanguínea, passa através da placenta e entra no feto (a criança que ainda não nasceu). O álcool pode prejudicar um feto em qualquer fase da gravidez, mas este dano é ainda mais grave durante os primeiros meses. Existe um risco de se desenvolverem defeitos de nascimento relacionados com o consumo de álcool tais como deficiências de crescimento, anomalias faciais e dano cerebral e do sistema nervoso.


Porque é que as pessoas consomem? As pessoas consomem drogas porque querem mudar algo nas suas vidas. Aqui estão algumas das razões que levaram os jovens a consumirem drogas:       

Para adaptarem–se Para escapar ou relaxar Para aliviarem o aborrecimento Para parecerem adultos Para revoltarem–se Para experimentar Porque estão perdidas

Eles pensam que as drogas são uma solução. Mas eventualmente as drogas tornam–se o problema.

Substâncias psicotrópicas: A palavra droga tem um significado de coisa ruim. Em linguagem médica, droga é quase sinónimo de medicamento. Dá até para pensar porque um palavra designada para apontar uma coisa boa, na boca do povo tem um significado tão diferente. O termo droga teve origem na palavra droog (holândes antigo) que significa folha seca; isto porque antigamente quase todos os medicamentos eram feitas à base de vegetais. Atualmente, a medicina define droga como sendo: qualquer substância que é capaz de modificar a função dos organismos vivos, resultando em mudanças fisiológicas ou de comportamento. E a palavra psicotrópico. Percebe-se claramente que ela é composta de duas outras: psico e trópico. Psico é fácil de se entender, pois é uma palavrinha grega que significa nosso psiquismo (o que sentimos, fazemos ou pensamos). E a palavra trópico aqui relaciona-se com o termo tropismo que significa ter atração por. Então psicotrópico significa atração pelo psiquismo e drogas psicotrópicas são aquelas que atuam sobre o nosso cérebro, alterando de alguma maneira o nosso psiquismo.


As substâncias psicotrópicas podem-se dividir em 3 grupos: O 1º grupo é o das depressoras, que diminuem a atividade cerebral (a pessoa fica “devagar”). No 2º grupo estão as estimulantes(que fazem com que a pessoa fique “ligada”). O 3º grupo é o das perturbadoras( que alteram o funcionamento cerebral).

SUBSTÂNCIAS PSICOTROPICAS 14

12.6

12

nº de pessoas(%)

10

9.4 8.7 7.9

8 6

4.8 3.5

4 2

Masculino % feminino %

2.8 1.8

1.4

0.9 0.7 0.4 0.6 0.6 0.4 0.7 0.3 0.3

0.4 0.1

0

tipos de alcool e de tabaco

A folha de tabaco tem este processo:

Muita gente pensa que o tabaco já vem feito, mas não… São partir de folhas e depois há pessoas que as secam e a partir dessas folhas é que se faz o tabaco.


Conclusão final:

Drogas

MASCULINO(%) FEMININO(%)

90

80.8

80 70.2 nº de pessoas (%)

70

60 50 39.8

40

41.2 32.1

30 20

14.7

10 0

ÁLCOOL

TABACO tipos de drogas

SUBSTÂNCIAS PSICOTROPICAS


Tabagismo, álcool e substâncias psicotropicas