Page 1

Zé Zé de uma Zé de duas Zé de três Zé de vo-seis

Velho casarão. A chuva que cai, escorre pelos telhados, limpa as janelas, do velho casarão . Molha a porta e desce pela rua, desaguando no ribeirão. Enche os rios, lagos e lagoas, numa grande imensidão, levando a natureza para sua perfeição.

Olhar Seu olhar está a me vigiar, tampouco a piscar, concentra sem parar, parece me chamar, para beijar, abraçar, amar

Sofredor

Peguei um buzão, rumo a capital, fui ver as luzes de natal. Por várias paradas, o povo entrava, era tanta gente que logo lotava. A viajem demorava, subia e descia e quase parava. O motorista com pressa pilotava, o motor do buzão forçava, e o cobrador gritou vai na raça! o povo impaciente reclamava. De tanto forçar o buzão quebrou de novo! mais uma vez reclamou, esta é uma perfeita história de um povo sofredor e trabalhador. email: carlosdaliga3@yahoo.com.br

A ponte De dia é importante, a noite é dos amantes, na lua é brilhante. A ponte. Suas curvas emocionante, te vejo no mirante. A ponte. Se tem algo mais elegante me aponte.

Hoje

Chuvinha

Esta chuvinha que cai me faz voltar ao passado a vontade é de entrar na casinha do cachorro sentir o barulho no telhado Ondas

é

poeminha

De todas as suas ondas, eu gosto daqui vai, daqui vem, daqui me joga, daqui me leva, daqui me afoga. Sem rumo Esquerda ou direita Subir ou descer Ir ou vir Acho melhor, é sorrir!

A poesia é uma criação da alma poetal que todos temos em nosso interior. Basta que a deixemos fluir livremente.

Carlos Daliga

Hoje é só poeminha  

poesias , poemas do professor Carlos Daliga