Page 1

TERRA LIVRE PARA A CRIAÇÃO DE UM COLECTIVO AÇORIANO DE ECOLOGIA SOCIAL

BOLETIM Nº 35

AGOSTO DE 2011

Crise Terminal do Capitalismo Touradas artísticas. Tortura é arte? João Anglin e a Protecção dos animais AÇORES LIVRES DE TRANGÉNICOS


CRISE TERMINAL DO CAPITALISMO Já nos meados do século XIX Karl Marx escreveu profeticamente que a tendência do capital ia na direcção de destruir as duas fontes de sua riqueza e reprodução: a natureza e o trabalho. É o que está ocorrendo. A capacidade de o capitalismo adaptar-se a qualquer circunstância chegou ao fim. Leonardo Boff tendendo a um crescente aquecimento Tenho sustentado que a crise atual do

global falam em favor da tese de Marx.

capitalismo é mais que conjuntural e

Como o capitalismo vai se reproduzir sem a

estrutural. É terminal. Chegou ao fim o

natureza? Deu com a cara num limite

gênio do capitalismo de sempre adaptar-se a

intransponível.

qualquer circunstância. Estou consciente de que são poucos que representam esta tese.

O trabalho está sendo por ele precarizado

No entanto, duas razões me levam a esta

ou prescindido. Há grande desenvolvimento

interpretação.

sem

trabalho.

O

aparelho

produtivo

informatizado e robotizado produz mais e A primeira é a seguinte: a crise é terminal

melhor, com quase nenhum trabalho. A

porque todos nós, mas particularmente, o

consequência directa é o desemprego

capitalismo, encostamos nos limites da

estrutural.

Terra. Ocupamos, depredando, todo o planeta, desfazendo seu sutil equilíbrio e

Milhões nunca mais vão ingressar no

exaurindo excessivamente seus bens e

mundo do trabalho, sequer no exército de

serviços a ponto de ele não conseguir,

reserva. O trabalho, da dependência do

sozinho, repor o que lhes foi sequestrado. Já

capital, passou à prescindência. Na Espanha

nos meados do século XIX Karl Marx

o desemprego atinge 20% no geral e 40% e

escreveu profeticamente que a tendência do

entre os jovens. Em Portugal 12% no país e

capital ia na direção de destruir as duas

30% entre os jovens. Isso significa grave

fontes de sua riqueza e reprodução: a

crise social, assolando neste momento a

natureza e o trabalho. É o que está

Grécia. Sacrifica-se toda uma sociedade em

ocorrendo.

nome de uma economia, feita não para atender as demandas humanas, mas para

A natureza, efetivamente, se encontra sob

pagar a dívida com bancos e com o sistema

grave estresse, como nunca esteve antes,

financeiro. Marx tem razão: o trabalho

pelo menos no último século, abstraindo

explorado já não é mais fonte de riqueza. É

das 15 grandes dizimações que conheceu

a máquina.

em sua história de mais de quatro bilhões de anos. Os eventos extremos verificáveis em

A segunda razão está ligada à crise

todas as regiões e as mudanças climáticas

humanitária que o capitalismo está gerando.

2


Antes se restringia aos países periféricos.

reboque do mercado e da lógica do capital.

Hoje é global e atingiu os países centrais.

Os jovens espanhóis gritam: “não é crise, é

Não se pode resolver a questão econômica

ladroagem”. Os ladrões estão refastelados

desmontando a sociedade. As vítimas,

em Wall Street, no FMI e no Banco Central

entrelaças

Europeu,

por

comunicação,

novas

resistem,

avenidas se

rebelam

de e

ameaçam a ordem vigente. Mais e mais

quer

dizer,

são

os

sumossacerdotes do capital globalizado e explorador.

pessoas, especialmente jovens, não estão aceitando a lógica perversa da economia política capitalista: a ditadura das finanças que via mercado submete os Estados aos seus interesses e o rentismo dos capitais especulativos que circulam de bolsas em bolsas, auferindo ganhos sem produzir absolutamente nada a não ser mais dinheiro para seus rentistas. Mas foi o próprio sistema do capital que criou o veneno que o pode matar: ao exigir dos trabalhadores uma formação técnica cada vez mais aprimorada para estar à altura do crescimento acelerado e de maior competitividade, involuntariamente criou pessoas que pensam. Estas, lentamente, vão descobrindo a perversidade do sistema que esfola as pessoas em nome da acumulação meramente material, que se mostra sem coração ao exigir mais e mais eficiência a

Ao

agravar-se

a

crise,

crescerão

as

multidões, pelo mundo afora, que não aguentam

mais

as

consequências

da

superexploracão de suas vidas e da vida da Terra e se rebelam contra este sistema econômico que faz o que bem entende e que agora agoniza, não por envelhecimento, mas por força do veneno e das contradições que criou, castigando a Mãe Terra e penalizando a vida de seus filhos e filhas.

ponto de levar os trabalhadores ao estresse profundo, ao desespero e, não raro, ao suicídio, como ocorre em vários países e também no Brasil.

Fonte: http://www.cartamaior.com.br/templates/co lunaMostrar.cfm?coluna_id=5104&boletim _id=949&componente_id=15346

As ruas de vários países europeus e árabes, os “indignados” que enchem as praças de Espanha e da Grécia são manifestação de revolta contra o sistema político vigente a

3


A PROPÓSITO DE TOURADAS ARTÍSTICAS. TORTURA É ARTE?

Não, nunca deveria ser, se é que nos

necessário

que

alguns

de

nós

nos

considerámos evoluídos.

obrigassem a ver a tal incoerência. Em exemplos muito simples, foi o caso das

Que evolução existe, se na prática não se

pessoas

de

raça

negra

não

serem

aprende com os conhecimentos que se vão

consideradas seres humanos e por isso

adquirindo?

automaticamente serem escravizados, das mulheres serem propriedade dos homens,

No caso do uso dos animais para nosso

dos

usufruto

seres

doentes mentais e muitos mais exemplos

sencientes, o que se traduz em possuírem

poderiam se dar. Todos estes seres, foram

sistemas nervosos muito semelhantes ao do

considerados inferiores não há muito

ser humano, que possuem os mesmos cinco

tempo.

sabemos

que

são

homossexuais

serem

considerados

sentidos e que alguns desses sentidos até serão mais desenvolvidos. Significa que tem capacidade de sentir tudo o que o ser humano

sentiria

condições.

exposto

Cientistas

as

dizem

mesmas que

a

senciência animal poder-se-á comparar à de uma criança pequena relativamente a de um adulto. Portanto, é em grau, não em género. Este é o nosso conhecimento actual. E o que fazemos com ele? Não o aplicamos. Ou melhor, aplicamos somente nos casos que nos interessam. Aplicamos, por exemplo, e dependendo da evolução da pessoa, aos animais de estimação. Aos outros, os animais

que

exploramos

para

nosso

usufruto, é como se não existissem estes estudos, este conhecimento. Onde esta a

Em todos estes casos, para evoluirmos e

coerência?

nos

tornarmos

mais

"humanos",

foi

necessário fazer-se uso do conhecimento, Uma sociedade incoerente não se aplica a

pensamento e empatia para chegarmos

uma sociedade que se diz evoluída. Em toda

aonde estamos. Sobre este ponto de vista,

a nossa história de evolução, foi sempre

existem ainda países em que essa evolução

4


não chegou. São considerados bárbaros,

que é popular, neste caso, não é artístico. A

selvagens

quem estas denominações e adjectivos

e

atrasados,

por

nós,

as

sociedades desenvolvidas.

interessam? Com certeza que não é a maioria do povo e

Será que o grau de desenvolvimento se

aqui está outra incongruência, para não se

traduz só em tecnologia?

falar em total falta de democracia.

E o povo tem que saber o desprezo que lhe é votado por interesses e leis que só beneficiam quem possui riqueza. Em que a importância das pessoas se mede através do seu grau de riqueza.

E é aqui que reside a "arte" que é apregoada.

A violência, a tortura, o derramamento de sangue, não deveria caber numa sociedade que se diz evoluída, como é lógico.

Tudo isto contribui, de grande maneira, para que se continue a perpetuar a injustiça e barbaridade entre toda a vida deste planeta.

É por isto, que ainda estamos onde estamos, é por isto, que ainda existem guerras onde os milhões que morrem são os mais "pequenos".

Está tudo interligado...

Ana Teresa Quanto ao texto "A natureza artística das touradas", em primeira análise vemos que o que é considerado artístico se mede em dinheiro empregue e multiplicado. Tudo o

5


JOÃO ANGLIN E A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS Na segunda década do século passado,

periódico que se publicou em Ponta

surgiram,

Delgada, entre 1908 e 1912, através do seu

nos

Açores,

as

primeiras

associações de protecção dos animais. Com

jovem colaborador João H. Anglin.

efeito, em Maio de 1911, foi criada, na ilha Terceira, a SPAAH - Sociedade Protectora

João Anglin, que durante muitos anos

dos Animais de Angra do Heroísmo,

exerceu o cargo de reitor do Liceu Antero

instituição que tinha por fim “proteger dos

de Quental, foi um dos pioneiros, nos

maus

Açores, na chamada de atenção para os

tratos

considerados

todos

os

daninhos…

animais e

animar

não o

maus

tratos

infligidos

aos

animais

exercício da caridade para com os animais,

domésticos, nomeadamente aos animais de

estabelecendo

e

tiro (bois, cavalos e burros). Na época,

recompensas sempre que permitam os

como se pode ver através dos estatutos da

recursos da sociedade” e, em Setembro de

SPAAH, eram considerados maus tratos os

1911,

seguintes:

foi

para

isso

legalizada

prémios

a

Sociedade

Micaelense Protectora dos Animais.

1- Ferir,

espancar,

violentamente

aguilhoar

e

usar

de

No que diz respeito à Sociedade Micaelense

violências reprovadas para com

Protectora dos Animais, sabe-se que os seus

os animais;

estatutos foram elaborados por Maria

2- Oprimi-los

Evelina de Sousa e que a sua grande dinamizadora foi, entre 1914 e 1945, Alice Moderno.

com

trabalho

ou

cargas superiores às suas forças; 3- Privá-los de alimentação e dos cuidados

ordinários

quer

na

saúde quer na doença; 4- Expô-los ao frio ou ao calor excessivo,

sem

reconhecida

necessidade; 5- Fazer

trabalhar

os

animais

feridos, estropiados ou aleijados e pôr os arreios sobre as feridas; 6- Obrigá-los

a

uma

fadiga

excessiva sem o indispensável O que é quase desconhecido foi o papel desempenhado pelo Jornal Vida Nova, “órgão do operariado micaelense”,

descanso; 7- Fazê-los levantar do chão à força de

pancadas,

quando

caem

extenuados pelo peso da carga;

6


8- Abandoná-los

quando

estropiados ou doentes;

Com a mecanização de toda a vida, desaparecidos os problemas associados ao

9- Abatê-los por meios que não

transporte de cargas, hoje a atenção deverá

produzem a morte instantânea.

recair sobre o abandono de animais domésticos, o tratamento dos animais de

Dada a actualidade do teor de um texto de

produção e o retrocesso civilizacional que

João Anglin, datado de 15 de Agosto de

se está a assistir com a tentativa de

1910, abaixo transcrevemos um longo

introduzir touradas onde não são tradição e

excerto:

de agravar a tortura dos touros bravos, com a legalização da sorte de varas e touros de

Uma das mais manifestas provas da

morte.

ignorância do nosso povo é a feroz brutalidade que usa com os pobres animais que na maioria dos casos lhe são

um

valioso

auxílio

na

luta

quotidiana pela vida. Esses repugnantes espectáculos que diariamente se repetem nas ruas desta cidade nada atestam a favor da nossa boa terra, antes a desconceituam aos olhos dos estrangeiros que nos visitam os quais nos terão na conta de brutos a julgar por estas cenas bárbaras de que são vitimas os pobres animais indefesos. Com isto não queremos dizer que o povo

Hoje como ontem, como escrevia João

seja mau, porque de há muito está

Angkin, são os políticos e governantes (e

provado que não há homens maus. O

algumas instituições que vivem à custa do

que há apenas é a crassa ignorância,

orçamento regional ou da boa fé e crença

por cuja perpétua conservação tanto se

religiosa dos cidadãos) que fomentam a

empenham os políticos e governantes”.

deseducação, sabendo que as pessoas menos esclarecidas preferem o facilitismo

Os apelos de João Anglin, que eram

ao rigor e dão primazia ao circo e à esmola

simultaneamente denúncias, pelo facto das

em vez de valorizar o trabalho honesto e a

palavras não se traduzirem em actos, foram

justa recompensa por este.

importantes, ou mesmo decisivos, no

Teófilo Braga

sentido da criação da Sociedade Micaelense Protectora dos Animais.

7


AÇORES LIVRES DE TRANGÉNICOS

Depois da petição em curso, vamos continuar a sensibilizar as autoridades para a necessidade de Declarar os Açores como Zona Livre de Transgénicos. Se concordar com a iniciativa poderá enviar o texto abaixo com ou sem alterações ou outro texto original para os seguintes endereços (basta copiar os endereços e colar em “para”:

Exmo. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA) Exmo. Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores Exmos. Senhores Deputados

Como é do conhecimento público, 60% dos presidente@alra.pt, presidencia@azores.gov.pt,apascoal@alr a.pt, alsilva@alra.pt, aparreira@alra.pt, bchaves@alra.pt, boliveira@alra.pt, bmessias@alra.pt, cmendonca2@alra.pt, cfurtado@alra.pt, cpavao@alra.pt, dcunha@alra.pt, dmoreira@alra.pt, fcesar@alra.pt, fcoelho@alra.pt, gnunes@alra.pt, hjorge@alra.pt, irodrigues@alra.pt, jmgavila@alra.pt, jlima@alra.pt, jrego@alra.pt, jsanbento@alra.pt, lmachado@alra.pt, lrodrigues@alra.pt, hrosa@alra.pt, namaral@alra.pt, pbettencourt@alra.pt, plalanda@alra.pt, rcabral@alra.pt, rveiros@alra.pt, vbettencourt@alra.pt, asantos@alra.pt, amarinho@alra.pt, apcosta@alra.pt, aventura@alra.pt, cbretao@alra.pt, calmeida@alra.pt, clopes@alra.pt, cmeneses@alra.pt, dfreitas@alra.pt, falvares@alra.pt, jbcosta@alra.pt, cpereira@alra.pt, jmacedo@alra.pt, jfernandes@alra.pt, lgarcia@alra.pt, mmarques@alra.pt, pgomes@alra.pt, rramos@alra.pt, alima@alra.pt, prosa@alra.pt, lsilveira@alra.pt, prmedina@alra.pt, amoreira@alra.pt, jcascalho@alra.pt, zsoares@alra.pt, apires@alra.pt, pestevao@alra.pt, amigosdosaçores@amigosdosacores.pt, gequesta@gmail.com, terralivreacores@gmail.com

europeus sentem que precisam de mais informações antes que seja autorizada a plantação de Organismos Geneticamente Modificados (OGM), que actualmente é feita pois os decisores têm dado mais importância ao lobby dos produtores do que ao interesse público. Considerando que não são suficientemente conhecidos os efeitos dos OGM na saúde e no ambiente, e até que a ciência garanta que os mesmos não têm efeitos negativos, venho

solicitar

que

a

Assembleia

Legislativa Regional dos Açores declare, imediatamente, a Região Autónoma dos Açores como Zona Livre de cultivo de OGM. (Nome) E se achar por bem (Nº de identificação) (Local)

8

Terra Livre 35  

Boletim para a Criação de um Colectivo de Ecologia Social

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you