Page 1


Pesquisa e seleção de repertório: Bruno Santos de Lima, Carlos Arzua, Jonas Lopes e Téo Souto Maior. Gravura da capa: Renato Prospero. facebook.com/sindicatis


Wilson Baptista 100 anos: o samba foi sua glOria ‘

Wilson Baptista (03 de julho de 1913 - 07 de julho de 1968) não foi um sambista comum. De seus primeiros passos no Rio, à polêmica com Noel, até a fama sem fronteiras, viveu intensamente, tornou-se um cronista de sua época e compôs mais de 600 sambas. Mas não se engane. A obra do Cabo Wilson não é datada, tanto que muitos dos temas abordados em suas letras permanecem atuais, como “Pedreiro Waldemar”. Intuitivo, Wilson era uma gema bruta. Criava letras e harmonia batendo na caixa de fósforo, resultando em sambas antológicos. Foi protagonista do Café Nice, acompanhou o início das escolas de samba e falou em versos sobre Estácio, Mangueira e Salgueiro. Foi gravado pelos principais cantores da Época de Ouro da Rádio e essa fama o levou a turnês pelo Brasil e pelo mundo. Com o parceiro Erasmo Silva, formou a dupla “Verde e Amarelo” entre 1936 e 1939 e neste entremeio passou por Curitiba, onde se apresentou em cassinos da cidade. Os sambas “Casa Vazia” e “Que malandro você é” da dupla inclusive estão neste repertório. Wilson teve grandes parceiros. Vale destacar Roberto Martins, Haroldo Lobo, Ataulfo Alves e Jorge de Castro. Mas, para sobreviver, vendeu muitos sambas a “comprositores”. Em alguns ficou de fora da parceria. Em outros colocou a mulher e o filho como autores, para garantir algum a eles. No sucesso “Não tenho lágrimas”, regravado inúmeras vezes até hoje, de Paulinho da Viola e Ivete Sangalo a Nat King Cole, dizia que foi usurpado por Max Bulhões e Milton de Oliveira. Em suas memórias, o capítulo que escreveu sobre o fato é intitulado “Dois ratos no meu samba”. Pois bem, nesta homenagem ao Cabo Wilson, nós do Samba do Sindicatis selecionamos sambas de todas as vertentes e temáticas abordadas pelo compositor. Vida boêmia, amor, futebol, malandragem, guerra, desigualdades sociais, existencialidade, escolas de samba e o cotidiano do Rio. Claro, muita coisa boa ficou de fora, pois Wilson não dava ponto sem nó e não fazia samba ruim. Morreu pobre e sem pompa. No cair da noite de 8 de julho de 1968, no cemitério do Catumbi, foi velado por Donga, Jota Efegê, Nássara, Roberto Martins e mais alguns poucos amigos. Esperaram o crepúsculo para o sepultamento, pois ninguém tinha amado a noite como Cabo Wilson. Apesar do ostracismo no fim da vida, deixou seu nome na história e com toda certeza fez do samba sua glória. Aqui em Curitiba não poderíamos deixar de fazer nossa singela e justa homenagem a este que foi considerado por Paulinho da Viola e Madame Satã o maior sambista de todos os tempos.

Salve Wilson Baptista! Avante Sindicatis!


INDICE 1. Apaguei o nome dela [p.06] 2. Boca de siri [p.06] 3. Cabelos brancos [p.06] 4. Cabo Laurindo [p.06] 5. Canta [p.07] 6. Casa vazia [p.07] 7. Comício em mangueira [p.07] 8. Conversa fiada [p.07] 9. Chico brito [p.08] 10. Datilógrafa [p.08] 11. Deixa de ser convencida [p.08] 12. Desacato [p.08] 13. Diagnóstico [p.09] 14. Ela é [p.09] 15. Emília [p.09] 16. E o 56 não veio [p.09] 17. Essa mulher tem qualquer coisa na cabeça [p.10] 18. Eu não sou daqui [p.10] 19. Frankstein [p.10] 20. Ganha-se pouco, mas é divertido [p.10] 21. Garota dos discos [p.11] 22. Gênio mau [p.11] 23. Gosto mais do Salgueiro [p.11] 24. Hildebrando [p.11] 25. História da Lapa [p.12] 26. Inimigo do batente [p.12] 27. Juca do Pandeiro [p.12] 28. Lá vem Mangueira [p.13] 29. Lá vem o Ipanema [p.13] 30. Louca alegria [p.13] 31. Lealdade [p.13] 32. Lenço no pescoço [p.14]

33. Louco [p.14] 34. Mania de falecida [p.14] 35. Mãe solteira [p.14] 36. Meu drama [p.15] 37. Mocinho da Vila [p.15] 38. Meu assunto é sambar [p.15] 39. Mundo de Zinco [p.15] 40. Mulato calado [p.15] 41. Não era assim [p.16] 42. Não sei dar adeus [p.16] 43. Não sou Manuel [p.16] 44. Nega Luzia [p.16] 45. Nelson cavaquinho [p.17] 46. No mundo da lua [p.17] 47. Bonde de Sao Januário [p.17] 48. Outras mulheres [p.17] 49. Preconceito [p.18] 50. O teu riso tem [p.18] 51. Oh! Seu Oscar [p.18] 52. Pedreiro Waldemar [p.18] 53. Perdi meu carinho [p.19] 54. Que malandro você é [p.19] 55. Rei chicão [p.19] 56. Refletindo bem [p.20] 57. Rosalina [p.20] 58. Sabotagem no morro [p.20] 59. Sambei 24 horas [p.20] 60. Será [p.20] 61. Tá maluca [p.21] 62. Tenho que fugir [p.21] 63. Transplante de coração [p.21] 64. Vagabundo [p.22] 65. Venha manso Edgar [p.22] 66. Vinte e cinco anos [p.22]


01 APAGUEI O NOME DELA (Wilson Baptista, Haroldo Lobo e Jorge de Castro) Chegou o fim Chegou ô ô pra mim Até o nome dela Da minha cuíca Eu mandei apagar Seu retrato da sala Já mandei retirar Do lugar Suas cartas queimei Seu retrato também Eu não quero, eu não quero Eu não quero Recordação de ninguém Fiz um samba pra ela Já não vou mais gravar Tinha o nome de Estela Eu mudei pra Guiomar 02 BOCA DE SIRI (Wilson Baptista, Haroldo Lobo e Jorge de Castro) Eu saí de sarongue Mas que calor, mas que calor, mas que calor Cantei no Bonde de São Januário, Alá Alá-la-ô, alá-la-ô Até dancei de índio, auê, auê, auê, auê Quem encontrar o meu moreno por aí Faça-me o obsequio, boca de siri Quase que morri de insolação Jogaram pó de mico Mas não fiquei jururu Continuei me exibindo Me desmilinguindo no paço do canguru O trem atrasou quando eu fui pra Meriti Faz boca de siri

6

03 CABELO BRANCO (Wilson Baptista e Orestes Barbosa) Confesso que chorei chorei Não foi por amor sofrendo Quebrei o espelho ao ver O primeiro fio de cabelo branco É o tempo que vem chegando Estou sentindo em mim Peço meu amor não me abandone Pois tenho medo de chegar sozinho assim Fio de cabelo branco é o ar Eu não arranco É o tempo deixa assim Vivi sonhando Vivi cantando Não quis ouvir conselhos E hoje me olhando nos espelhos Eu tenho medo de chegar sozinho assim 04 CABO LAURINDO (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Laurindo voltou Coberto de glória, Trazendo garboso no peito A Cruz da Vitória Oi! Salgueiro, Mangueira, Estácio, Matriz estão agindo Para homenagear O bravo cabo Laurindo! As duas divisas que ele ganhou, mereceu Conheço os princípios Que Laurindo sempre defendeu Amigo da verdade, Defensor da igualdade. Dizem que lá no morro Vai haver transformação. Camarada Laurindo, Estamos à sua disposição!


05 CANTA (Wilson Baptista)

07 COMÍCIO EM MANGUEIRA (Wilson Baptista e Geraldo Augusto)

Canta, meu bem, canta Quero ouvir o teu cantar Chora, meu bem, chora Quero ver a tua lágrima derramar Sofre porque foste a culpada Apele para a justiça do meu coração Talvez não sejas condenada O teu pranto me faz confusão E por isso eu fiz essa canção Depois de uma grande falsidade Terei que dizer que sinto muita saudade No tribunal do meu coração Vou pedir tua absolvição Nossa vida foi uma quimera Se voltares hás de ser muito sincera

Houve um comício em Mangueira E o cabo Laurindo falou Toda escola de samba aplaudiu, ô Toda escola de samba chorou Eu não sou herói Era comovente a sua voz Heróis, são aqueles Que tombaram por nós

06 CASA VAZIA (Wilson Baptista e Erasmo Silva)

08 CONVERSA FIADA (Wilson Baptista)

Por eu querer a maldita boemia Meu amor partiu, ai ai meu Deus Minha casa está vazia Sinto falta de seus passos De seus beijos e da sua voz Minha vida esta vazia Criei esse drama entre nós

É conversa fiada dizerem que o samba na Vila tem feitiço Eu fui ver para crer e não vi nada disso A Vila é tranqüila porém eu vos digo: cuidado! Antes de irem dormir dêm duas voltas no cadeado Eu fui à Vila ver o arvoredo se mexer e conhecer o berço dos folgados A lua essa noite demorou tanto Assassinaram o samba Veio daí o meu pranto

Houve missa campal Bandeira à meio pau Toda escola de samba rezou Laurindo então lembrou os nomes Dos batuqueiros que tombaram Mangueira tomou parte na vitória Mangueira, mais uma vez na história

7


09 CHICO BRITO (Wilson Baptista e Afonso Teixeira)

11 DEIXA DE SER CONVENCIDA (Wilson Baptista e Noel Rosa)

Lá vem o Chico Brito, Descendo o morro nas mãos do Peçanha, É mais um processo! É mais uma façanha! Chico Brito fez do baralho seu melhor esporte, É valente no morro, Dizem que fuma uma erva do norte. Quando menino teve na escola, Era aplicado, tinha religião, Quando jogava bola era escolhido para capitão, Mas, a vida tem os seus revezes, Diz sempre Chico defendendo teses, Se o homem nasceu bom, e bom não se conservou, A culpa é da sociedade que o transformou.

Deixa de ser convencida Todos sabem qual é Teu velho modo de vida És uma perfeita artista, eu sei bem, Também fui do trapézio, Até salto mortal No arame eu já dei. E no picadeiro desta vida Serei o domador, Serás a fera abatida Conheço muito bem acrobacia Por isso não faço fé Em amor, em amor de parceria (Muita medalha eu ganhei!)

10 DATILÓGRAFA (Wilson Baptista e Jorge Faraj) De manhã, no mesmo bonde Você vem, não sei de onde, Para o escritório cruel Onde a máquina lhe espera E você se desespera Para dar vida ao papel. Datilógrafa querida Eu queria ser borracha Pra seus erros apagar... Datilógrafa querida Eu queria ser patrão Pra você não trabalhar. Datilógrafa querida Você tem na minha vida Emprego de mais valor Venha escrever, eu lhe peço Sem erro e sem retrocesso, A história do nosso amor.

8

12 DESACATO (Wilson Baptista, Murilo Caldas e P. Vieira) Me desacatou Vou lhe reprovar Guarde na memória Hei de me vingar. Diga porque você me deixa a casa E vai para a orgia Me desobedece (oi neném) Perca esta mania (meu bem). Um desacato assim Ninguém pode aturar Ela abandona a casa E vai pro morro sambar Não quero que ela faça Como fez da outra vez Encheu a cara de cachaça E só voltou no fim do mês. Pancada não dá jeito Por mais que eu lhe bata Pois ela não respeita E sempre me desacata Se ela não mudar o seu procedimento vou deixar um bilhetinho: Adeus, adeus, mau elemento!


13 DIAGNÓSTICO (Wilson Baptista e Geraldo Augusto)

15 EMÍLIA (Wilson Baptista e Haroldo Lobo)

Eu fui ao doutor, Me consultar Ele me levou ao raio X Boa amiga, eu não quero lhe desgostar Mas você tem uma saudade no peito Só o tempo é que pode lhe curar Eu sinto muito, mas não há remédio Pra combater esse malvado tédio O micróbio da saudade é renitente Custa muito a abandonar O coração da gente A medicina está muito avançada Mas no seu caso não adianta nada É incurável a sua enfermidade Não há remédio pra curar uma saudade

Quero uma mulher que saiba lavar e cozinhar Que de manhã cedo me acorde na hora de trabalhar Só existe uma E sem ela eu não vivo em paz Emília, Emília, Emília Não posso mais

14 ELA É (Wilsob Baptista e Claudionor Cruz) Ela é morena e sem coração Ela é autora da minha aflição Ela é a criatura mais desigual que conheço Não me corresponde Diz que não mereço Mas posso até morrer que não lhe esqueço Ela é minha dor eu bem sei É também o amor que sonhei Ela é todo meu coração Faz o que eu não mereço Mas posso até morrer que não lhe esqueço

Ninguém sabe igual a ela preparar o meu café Não desdazendo das outras, Emília é mulher Papai do Céu é quem sabe A falta que ela me fez Emília, Emília, Emília Não posso mais 16 E O 56 NÃO VEIO (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Eu ontem esperei ás 7 em ponto Ainda dei uma hora de desconto Os ponteiros do relógio pareciam me dizer “Vai embora meu amigo ela não vai aparecer” Será que ela não veio porque se zangou? Ou o bonde Alegria descarrilhou? Houve qualquer coisa de anormal Ela sempre foi pra mim tão pontual Fui ao chefe da Light*, perguntei ao inspetor “O que houve com o 56? Esse bonde sempre trouxe o meu amor”

9


17 ESSA MULHER TEM QUALQUER COISA NA CABEÇA (Wilson Baptista e Cristóvão Alencar) Tudo que ela quis eu dei Tudo que ela pediu eu fiz Por sua causa quase me arruinei E ela ainda acha que não é feliz Só peço a Deus que ela desapareça Essa mulher tem qualquer coisa na cabeça Tudo que ela quis eu dei... Eu não vivo satisfeito Depois de tudo que fiz Ela não tem o direito de me fazer infeliz Já perdi a paciência Ela que não me aborreça Essa mulher tem qualquer coisa na cabeça 18 EU NÃO SOU DAQUI (SOU DE NITERÓI) (Wilson Baptista e Ataulfo Alves) Eu não sou daqui Eu sou de Niterói Sinto muito mas não posso Aceitar o seu amor Na terra do Arariboia É que eu tenho quem me quer Passe bem seja feliz Até quando Deus quiser Juro tenho compromisso Seu moço preste atenção Do outro lado da baía Empenhei meu coração Vou embora até loguinho Por favor não leve a mal Estou em cima da hora A barca deu o sinal

10

19 FRANKSTEIN DA VILA (Wilson Baptista) Boa impressão nunca se tem Quando se encontra um certo alguém Que até parece um Frankenstein Mas como diz o rifão: por uma cara feia perde-se um bom coração Entre os feios és o primeiro da fila Todos reconhecem lá na Vila Essa indireta é contigo E depois não vá dizer Que eu não sei o que digo Sou teu amigo 20 GANHA-SE POUCO, MAS É DIVERTIDO (Wilson Baptista e Ciro de Souza) Ele trabalha de segunda a sábado Com muito gosto sem reclamar Mas no domingo ele tira o macacão, E manda no barracão, põe a família pra sambar Lá no morro ele pinta o sete Com ele ninguém se mete Ali ninguém é fingido Ganha-se pouco, mas é divertido Ele nasceu sambista, Tem a tal veia de artista, Carteira de reservista Está legal com o senhorio... Não pode ouvir pandeiro, não Fica cheio de dengo É torcida do Flamengo Nasceu no Rio de Janeiro


21 GAROTA DOS DISCOS (Wilson Baptista)

23 GOSTO MAIS DO SALGUEIRO (Wilson Baptista e Geraldo Augusto)

Garota que vende meu disco Por traz do balcão Toda prosa Adora Chopin Conhece de cor Noel Rosa A freguesia da loja lhe tem admiração Eu também faço parte Faço parte dessa multidão Garota, garota Diga pra essa madame Essa é a nossa canção Garota, garota Ah, eu queria ser disco Pra viver na sua mão (E no seu coração!)

Não posso sair do Salgueiro Estamos em fevereiro Você quer me levar pra Copacabana Quer me ver toda bacana Mas já tenho pandeiro Samba primeiro, samba primeiro Gosto muito de você Mas tenho amor ao meu Salgueiro Eu sou lá no morro A porta-estandarte Já ganhei medalha Sambar é uma arte Já me batizaram O samba em pessoa Mas deixo o Salgueiro Assim a toa

22 GÊNIO MAL (Wilson Baptista e Rubem Soares) Ele tem, ele tem um gênio mau, Quando eu digo, pedra é pedra, Ele diz que pedra é pau. Mas assim o nosso amor vai se acabar, É demais, eu não posso continuar, Ele um dia é capaz de me estranhar, Eu darei um golpe certo, Mandando esse homem andar....

24 HILDEBRANDO (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Sempre descansando o Hildebrando Isso assim não pode ser Você leva o dia inteiro Perambulando na rua Não quer procurar o que fazer Vai trabalhar! Vai trabalhar! Você precisa trabalhar pra se defender Na casa do Hildebrando A sopa está́ se acabando e as criancinhas coitadas só vivem chorando e ele sempre esperando que o dinheiro em casa jorre diz que a esperança é a última que morre

11


25 HISTÓRIA DA LAPA (Wilson Baptista e Jorge de Castro) Lapa, dos capoeiras, Miguelzinho camisa preta, Meia Noite e Edgar, Lapa, minha Lapa boêmia, A lua só vai pra casa, Depois do sol raiar. Falta uma torre na igreja, Vou lhe contar, meu irmão, Foi na briga de Floriano, Foi um tiro de canhão, E nesse dia a Lapa vadia, Teve sua gloria, Deixou seu nome na história 26 INIMIGO DO BATENTE (Wilson Baptista e Germano augusto) Eu já não posso mais! A minha vida não é brincadeira Estou me esmilinguindo igual a sabão na mão da lavadeira Se ele ficasse em casa ouvia a vizinhança toda falando Só por me ver lá no tanque Lesco-lesco, lesco-lesco Me acabando Se lhe arranjo um trabalho Ele vai de manhã, de tarde pede as contas E eu já estou cansada de dar murro em faca de ponta Ele disse pra mim que está esperando ser presidente Tirar patente no sindicato dos inimigos do batente Meu Deus eu já não posso mais A minha vida não é brincadeira Estou me esmilinguindo igual a sabão na mão da lavadeira Se ele ficasse em casa ouvia a vizinhança toda falando Só por me ver lá no tanque 12

Lesco-lesco, lesco-lesco Me acabando Ele dá muita sorte É um moreno forte, é mesmo um atleta Mas tem um grande defeito Ele diz que é poeta Ele tem muita bossa e compôs um samba e que é de abafar É de amargar Eu não posso mais Em nome da forra, vou desguiar 27 JUCA DO PANDEIRO (Wilson Baptista e Augusto Garcez) Lá no Largo do Estácio Eu conheci o Juca O Juca do pandeiro Dava gosto a gente ver Tocava por prazer Não tocava por dinheiro, não Tinha alma de artista Era um malabarista Com o pandeiro na mão Cherche la femme Sempre a mulher na vida do homem Por ela deixou o pandeiro Por ela quase não o nome na história Esse Juca que eu falo Hoje tem cabelo branco Não tem um centavo no banco Mas tem uma mulher na memória


28 LÁ VEM MANGUEIRA (Wilson Baptista)

30 LOUCA ALEGRIA (Wilson Baptista)

Lá vem Mangueira Outra vez descendo o morro Com harmonia Lá vem Mangueira Sem Laurindo Na frente da bateria Perguntei Conceição, O que aconteceu? Laurindo foi pro front E esse ano não desceu

Todo mundo Cantou Numa louca alegria Ô ô. Só eu sei a verdade Eu conheço a viúva Do verdadeiro autor Da melodia Eu conheci Tião Foi um sambista legal Não teve a sorte de ouvir o seu sucesso. Morreu antes do carnaval

Mandei perguntar Sem ele aqui Se a escola de samba podia sair Ele respondeu Pode ensaiar Porque o povo precisa sambar

31 LEALDADE (Wilson Baptista e Jorge de Castro)

29 LÁ VEM O IPANEMA (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Lá vem o Ipanema, O bonde que nunca viaja vazio Lá vem o Ipanema, Trazendo as mais lindas cabrochas do Rio Quando ele entra triunfal no tabuleiro Meu coração vibra mais forte que um pandeiro É ele quem resolve o meu problema Trazendo Isabel, trazendo Marina, trazendo Iracema

Serei, serei leal contigo Quando eu cansar dos teus beijos, te digo E tu também liberdade terás Pra quando quiseres bater a porta Sem olhar pra trás Se o teu corpo cansar dos meus braços Se o teu ouvido cansar da minha voz Quando os teus olhos cansarem dos meus olhos Não é preciso haver falsidade entre nós.

13


32 LENÇO NO PESCOÇO (Wilson Baptista)

34 MANIA DA FALECIDA (Wilson Baptista e Ataulfo Alves)

Meu chapéu do lado Tamanco arrastando Lenço no pescoço Navalha no bolso Eu passo gingando Provoco e desafio Eu tenho orgulho Em ser tão vadio Sei que eles falam Deste meu proceder Eu vejo quem trabalha Andar no miserê Eu sou vadio Porque tive inclinação Eu me lembro, era criança Tirava samba-canção Comigo não Eu quero ver quem tem razão E eles tocam E você canta E eu não dou

Não quero que você beba, Quem bebe não tem juízo, Tome cuidado com a sua vida, Eu não quero ver você Com a mesma mania da falecida, Mulher

33 LOUCO (Wilson Baptista e Henrique de Almeida) Louco, pelas ruas ele andava O coitado chorava Transformou-se até num vagabundo Louco, para ele a vida não valia nada Para ele a mulher amada Era seu mundo Conselhos eu lhe dei Para ele se aquecer Aquele falso amor Ele se convenceu Que ela nunca mereceu Nem reparou Sua grande dor Que louco! 14

Você tem o direito, meu bem Pode ir brincar, Pode entrar no samba, E ficar até o sol raiar, Eu só não quero, Que perca a linha, Tome cuidado, Com a língua da vizinha... 35 MÃE SOLTEIRA (Wilson Baptista e Jorge de Castro) Hoje não tem ensaio não Na escola de samba O morro está triste E o pandeiro calado Maria da Penha A porta-bandeira Ateou fogo às vestes Por causa do namorado O seu desespero Foi por causa de um véu Dizem que essas Marias Não tem entrada no céu Parecia uma tocha humana Rolando pela ribanceira A pobre infeliz Teve vergonha de ser mãe solteira


36 MEU DRAMA (Wilson Baptista e Ataulfo Alves)

39 MUNDO DE ZINCO (Wilson Baptista e Henrique Almeida)

Vejam só o que eu fui arranjar Já não sou mais o dono da minha vida Ela é, quem me faz soluçar E sem ela já sei, que não posso ficar Vejam só o que eu fui arranjar Já não sou mais o dono da minha vida

Aquele mundo de zinco que é mangueira Desperta com o apito do trem Uma cabrocha, uma esteira Um barracão de madeira Qualquer malandro em mangueira tem Aquele mundo de zinco é mangueira... Mangueira fica pertinho do céu Mangueira vai assistir o meu fim Mas deixo o nome na história O samba foi minha glória E sei que muita cabrocha vai chorar por mim

Sem ela minha vida se resume Martírio sofrimento e nada mais Sem ela vivo louco de ciúme E com ela, eu não vivo em paz. 37 MOCINHO DA VILA (Wilson Baptista) Você que é mocinho da Vila Fala muito em violão, barracão e outros fricotes mais Se não quiser perder Cuide do seu microfone e deixe Quem é malandro em paz Injusto é seu comentário Falar de malandro quem é otário Mas malandro não se faz Eu de lenço no pescoço desacato e também tenho o meu cartaz 38 MEU ASSUNTO É SAMBAR (Wilson Baptista e Lourival Ramos) Lá vem a polícia pro lado de cá Quem não tem documento é melhor se largar Tenho no bolso uma folha corrida Tenho calo na mão de tanto trabalhar É por isso que eu gingo que eu gingo com corpo Ô Dona Justina, meu assunto é sambar

40 MULATO CALADO (Wilson Baptista, Marina Baptista e Benjamin Baptista) Vocês estão vendo Aquele mulato calado Com o violão do lado Já matou um, já matou um Numa noite de sexta-feira Defendendo a sua companheira A polícia procura o matador Mas em Mangueira Não existe delator Me dou com ele É o Zé da Conceição O outro atirou primeiro Não houve traição Quando a lua surgiu Terminada a batucada Jazia um corpo no chão Mas ninguém sabe de nada

15


41 NÃO ERA ASSIM (Wilson Baptista e Haroldo Lobo)

43 NÃO SOU MANUEL (Wilson Baptista e Roberto Martins)

Não era assim que a bateria falava, não era assim As cabrochas não sambavam assim Você vai lá em São Carlos, Mangueira, Salgueiro, Matriz, todo morro enfim Pode perguntar se era assim

O telefone tocou pro Manoel E o Manoel saiu armado E foi pra Niterói Mas na viagem ele refletiu Na consciência nada me dói Não sou Manoel, não sou casado Eu sou Joaquim O que é que eu vou fazer em Niterói?

Não havia bateria, era tudo diferente A cabrocha não sambava esse ritmo tão quente Pergunte ao João da Baiana, que vai responder por mim Se o samba, se o samba era assim... 42 NÃO SEI DAR ADEUS (Wilson Baptista e Ataulfo Alves) Eu não sei dar adeus a ninguem Sem meu pranto cair Eu nem sei iludir O meu coração Com sorriso em vão Eu tentei me conter Mas quando ela Disse adeus eu chorei Falo alto até grito eu chorei Como de fato Eu acho até bonito Chorar por seu bem querer Nos versos de um poeta consagrado Eu li muito bem Chorar por seu amor Não envenrgonha ninguém Mas eu chorei Porque muito amei.

16

Mas Joaquim Que é a favor da economia Aproveitou esse boato Fez a barba e deu uma voltinha Pois lá em Niterói É tudo mais barato 44 NEGA LUZIA (Wilson Baptista e Jorge de Castro) Lá vem a nega Luzia No meio da cavalaria Vai correr lista lá na vizinhança Pra pagar mais uma fiança Foi cangebrina demais Lá no xadrez Ninguém vai dormir em paz Vou contar pra vocês O que a nega fez Era de madrugada Todos dormiam O silêncio foi quebrado Por um grito de socorro A nega recebeu um Nero Queria botar fogo no morro


45 NELSON CAVAQUINHO (Wilson Baptista)

47 O BONDE DE SÃO JANUÁRIO (Wilson Baptista e Ataulfo Alves)

Quem é esse sambista de cabelos brancos Que nas madrugadas esbanja melodias De violão nos braços Arranjando rimas Que só vai pra casa Quando vier o dia? Boêmios noturnos aplaudem o artista Eu também tomo parte nos salgadinhos É mais uma cerveja É mais um conhaque Na mesa do Nelson Cavaquinho

Quem trabalha é quem tem razão Eu digo e não tenho medo de errar O Bonde São Januário leva mais um operário Sou eu que vou trabalhar

Não podia esquecê-lo no meu álbum Com sua simplicidade E seu grande valor Essa figura da noite Que alegrou tantos bares do Rio Aos que carregavam uma dor

48 OUTRAS MULHERES (Wilson Baptista e Jorge Castro)

46 NO MUNDO DA LUA (Wilson Baptista e José Gonçalves) Seu gemido comovido Seus lamentos doloridos, ai Como eu sofro por te ver sofrer A culpa não é minha, nem é tua Vivemos no mundo da lua Sofremos sem querer O pranto nos meus olhos fez morada A tristeza não me deixa, nem por nada Se Deus olhar o meu sofrer Não me deixará morrer Sem ter um dia de prazer

Antigamente eu não tinha juízo Mas hoje eu penso melhor no futuro Graças a Deus sou feliz, vivo muito bem A boemia não dá camisa a ninguém Passe bem!

É por causa de vocês, outras mulheres Que ela já não é a mesma para mim É por causa de vocês, outras mulheres Que eu e ela já chegamos ao fim Vocês me fizeram leviano Vocês me ajudaram a fracassar É por causa de vocês, outras mulheres Que ela vai me abandonar Sempre quis a vocês todas Sempre fui um leviano E a coitada a padeceu De joelhos imploro: Vocês devem me esquecer Sem vocês eu vivo, outras mulheres Mas sem ela não posso viver.

17


49 PRECONCEITO (Wilson Baptista e Ataulfo Alves)

51 OH! SEU OSCAR (Wilson Baptista e Ataulfo Alves)

Eu nasci num clima quente Você diz a toda gente Que eu sou moreno demais Não maltrate o seu pretinho Que lhe faz tanto carinho E no fundo é um bom rapaz Você vem de um palacete Eu nasci num barracão Sapo namorando a lua Numa noite de verão Eu vou fazer serenata Eu vou matar minha dor Meu samba vai, diz a ela Que o coração não tem cor

Cheguei cansado do trabalho Logo a vizinha me falou: - Oh! seu Oscar Tá fazendo meia hora Que sua mulher foi-se embora E um bilhete deixou O bilhete assim dizia: “Não posso mais Eu quero é viver na orgia” Fiz tudo para ter seu bem-estar Até no cais do porto eu fui parar Martirizando o meu corpo noite e dia Mas tudo em vão Ela é, é da orgia É... parei!

50 O TEU RISO TEM (Wilson Baptista e Roberto Martins) O teu riso tem Tem, tem, tem Tem qualquer coisa Que me domina, meu bem Tua boca é alvorada Nunca vi sorriso assim Sem teu riso não sou nada Dá um sorriso pra mim Há quem diga que o sorriso É prenúncio de saudade Mas o teu traz o aviso Da minha felicidade Meu viver foi transformado Desde o dia em que te vi Por teu riso abençoado Que nunca mais esqueci

18

52 PEDREIRO WALDEMAR (Wilson Baptista e Roberto Martins) Você conhece o pedreiro Waldemar? Não conhece? Mas eu vou lhe apresentar De madrugada toma o trem da Circular Faz tanta casa e não tem casa pra morar Leva marmita embrulhada no jornal Se tem almoço, nem sempre tem jantar O Waldemar que é mestre no oficio Constrói um edifício E depois não pode entrar Você conhece o pedreiro Waldemar? Não conhece mas eu vou lhe apresentar De madrugada toma o trem da Circular Faz tanta casa e não tem casa pra morar


53 PERDI MEU CARINHO (Wilson Baptista)

55 REI CHICÃO (Wilson Baptista)

Fui obrigado a embrulhar o que era meu Uma camisa de malandro Foi ela quem me deu Eu esperava que ela dissesse: “Não vá coração” Duas lágrimas rolaram dos meus olhos Ao bater o portão do barracão E houve quem me dissesse Não sei se por intriga Que perdi meu carinho Pois ela recebe cartas De um outro malandrinho E quando passo no morro Não olho para não ter a recordação Da maior história Dos amores do meu coração

Malandro subia o morro Querendo arranjar confusão Descia em disparada Na frente das balas do Rei Chicão Cabrocha de vida fácil Pra dar festa no seu barracão Tinha que falar primeiro Falar primeiro com o Rei Chicão Até a lua quando aparecia Jogando o seu clarão Tinha que chegar primeiro No barraco do Rei Chicão O Rei tinha muitos amores Não dava o seu coração Os nomes delas todos gravados Na madeira do seu violão Hoje quem sobe o morro Vê aquele velho caído no chão Não conhece sua história Ele foi o Rei Chicão Foi há mais de trinta anos Ajudou a vencer a revolução As autoridades lhe entregaram o morro Ele então coroou-se Rei Chicão A polícia subia o morro Pra prender um ladrão Tinha que falar primeiro Falar primeiro com o Rei Chicão Bicheiro do mundo de zinco Respeitava a lei do cão O Rei jogava na cobra E recebia no leão Até o doutor deputado Na demagogia da enganação Tinha que falar primeiro Pagar pedágio pro Rei Chicão O Rei tinha muitos amores Não dava o seu coração Os nomes delas todos gravados Na madeira do seu violão

54 QUE MALANDRO VOCÊ É (Wilson Baptista e Erasmo Silva) Tome o seu chapéu Pode ir embora Vá pra casa da Helena Vai pro braços da Aurora São todas chiques, são todas belas Mas o meu dinheiro Você não pode Gastar com elas Eu pago o alfaiate Cigarro, bebida e pensão Todo dia uma nota aí mesmo No bolso de seu jaquetão Você gastando com elas Que malandro você é! Mas aqui da mamãezinha Nem mais um níquel pro café

19


56 REFLETINDO BEM (Wilson Baptista e J. Cascata)

58 SABOTAGEM NO MORRO (Wilson Baptista e Haroldo Lobo)

Refletindo o caso bem Eu acho que você tem razão Você manda e não pede no meu coração Eu desisto da orgia E sou capaz até de quebrar o meu violão

Eu quase que chorei Quando alguém me falou O Salgueiro não sai

Por você eu farei tudo Sem mudar de opinião Jogo fora meu baralho Mas quero compensação Pois não vou ser resistente Como foi o Claudionor Que pra sustentar família Foi bancar o estivador 57 ROSALINA (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Sou eu, sou eu que vou batendo surdo De porta-estandarte, é Rosalina quem vai Mas já vou prevenir Se eu não sair Rosalina, também não sai Fizeram veneno de mim, lá na Escola Que eu já não dou mais no couro Que ando batendo surdo, mal Mas Rosalina, que é minha do peito Diz que é falta de respeito Que vai protestar, no jornal!

20

É sabotagem, não está legal As cabrochas gastaram dinheiro, Meu samba está pronto Pro ensaio geral Eu quase que chorei Quando alguém me falou O Salgueiro não sai Encontrei tamborins e cuícas Em pedaços jogados no chão O estandarte da escola rasgado Na porta do meu barracão Eu saí pelo morro correndo Com o livro de ouro na mão Sete peles de gato resolvem a situação Pra fazer um tamborim? 59 SAMBEI 24 HORAS (Wilson Baptista e Haroldo Lobo) Sambei 24 horas, sambei Sambei tanto que a sandália furou Ele me viu de madrugada pulando na calçada Quando cheguei não quis abrir a porta do chatô Ai, ai, ai amor, não deixa sua pretinha no sereno que ela vai se resfriar Ai pretinho, eu venho de Madureira Tô cansada quero descansar


60 SERÁ (Wilson Baptista e Ataulfo Alves) Porque será que meu amor vai me deixar? Porque será? Eu não sei porque será! Será que só eu é que tenho amizade Será que só eu é que sinto saudade Não choro pra não ver alguém sorrir de mim E levo ao fim minha opinião Sempre amei sincero e ela não Todo mundo quer saber mas eu não quero dizer quem me faz soluçar na questão Ela é o meu castigo Por isso guardo comigo Não digo quem é ela, não 61 TÁ MALUCA (Wilson Baptista e Geraldo Augusto) Já observei minha mulher, Tá maluca, tá maluca Já brigou com toda a vizinhança Tem prazer em me ver em sinuca Quando o galo canta E o sol vai me espantar Ela se levanta, lava o rosto e vem brigar

62 TENHO QUE FUGIR (Wilson Baptista e Germano Augusto) Eu tenho que fugir, De trem ou de vapor, Talvez posso esquecer esse amor. O coração desse malvado É uma arapuca, Vou me embora Enquanto é tempo, Senão acabo maluca. Quando nós vimos A primeira vez, Meu coração fez Tique-taque,tique-taque. Ele se inspirou et recitou Um lindo trecho de Bilac: No Rio nas tardes de verão, Só não se apaixona Quem não tiver coração, Refletir... 63 TRANSPLANTE DE CORAÇÃO (Wilson Baptista)

Por favor, doutor Por favor, doutor Transplante o coração do Chicão O que não falta é voluntário Pra fazer a doação Toda vez que eu chego em casa Ai, doutor! Do portão eu ouço um grito O senhor não sabe quanto o morro deve a Vem ferir os meus ouvidos esse bamba E por isso eu vivo aflito Foi ele quem fincou nosso primeiro barraco Todos os dias o jornaleiro me chama atenção Foi ele o fundador da Escola de Samba (Noite! Globo!) Chicão foi no samba o cobra João ninguém, maria fumaça em primeira Andou por Vila Isabel edição Com o violão no braço Enfrentou até Noel Ai, doutor! Diga quando irá acontecer Porque o sambista quando é grande demais Não deve desaparecer 21


64 VAGABUNDO (Wilson Baptista e Jorge de Castro) Eu vou beber Eu vou jogar Quando você Meu amor Me deixar Vou ficar Sozinho no mundo Vou me tornar um vagabundo Meu lar vai ser um botequim Quando você, amor Cansar de mim 65 VENHA MANSO EDGAR (José Baptista e Marina Baptista) Furaram o tambor do Edgard E a escola sem ele não vai desfilar O pobre coitado chorou Chorou e quer brigar Ê ê ê ê devagar Venha manso Edgard Todo mundo suspeita Que foi a Leonor que furou Com ciúme das cabrochas Que admiram o Edgard Que é can-can no tambor 66 VINTE E CINCO ANOS (Wilson Baptista e Christóvão de Alencar) Eu tenho vinte e cinco anos de idade Agora é que eu devia gozar a mocidade Mas você me trouxe tantos desenganos Que eu pareço ter cinquenta anos. É verdade! Quando alguém pergunta a minha idade Tenho até vergonha de dizer Pois ninguém acredita que a saudade. Foi quem fez tão depressa envelhecer 22

Wilson Baptista 100 anos: o samba foi sua glória  

Material produzido pelo projeto Samba do Sindicatis, contendo seleção de repertório a ser executada em homenagem aos 100 anos de Wilson Bapt...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you