Page 1

REVISTA

TQP

PERFIL A história de Leonardo, exmorador de rua

QUAL O SEU NOME? A difícil escolha entre o simples e o exclusivo EXTINÇÃO Profissões do passado desaparecem com o passar do tempo

Vilão A casa que virou bar e hoje é tradição em Londrina Ano 1 - Dezembro de 2011


DA REDAÇÃO

A

Revista TQP (Tem que pensar) é a conclusão de um trabalho realizado ao longo de 2011. Durante todo o ano, produzimos textos que envolveram diversas temáticas. No meio da produção, podemos destacar artigos, crônicas, resenhas críticas e, por último, uma grande reportagem que nos fez trabalhar junto ao jornalismo literário. Também não podemos esquecer da oportunidade de cada estudante ter sua própria coluna, escrevendo sobre o que gosta e com maior liberdade estrutural e proximidade com o leitor. A revista se apresenta para você, leitor, em quatro edições independentes, cada uma feita de acordo com o perfil da equipe de produção. O resultado de uma delas, você pode conferir aqui. Não viemos nos classificar como isso ou aquilo, o nosso conteúdo faz isso por si só. É uma revista para quem gosta de música, cinema, cultura e comportamento. Para aquele pessoal que não vive de rótulos, mas se deixa levar por aquilo que interessa e se mantém aberto a novas possibilidades. Desejamos uma ótima leitura. Que ela seja leve e divertida, ou, melhor, instigante!

Karina Constancio Editora Chefe

Expediente: Equipe de Repórteres, Editores e Diagramadores: Guilherme Popolin, Karina Constancio, Marina Dias e Mônica Alves Editora Chefe: Karina Constancio

Fotos e Ilustrações: Imagens Google Professor Orietntador: Lauriano Benazzi Disciplina: Técnicas de Reportagem e Entrevista III


ÍNDICE DA REDAÇÃO 3. A Revista TQP

CRÔNICAS 11. Estamos a procura. Cadê você? 21. O não-pecado 25. Darwin quer te adicionar 33. Mude ou fique mudo 37. Rotina 43. De quebrar as pernas 46. Pratique já 48. O primeiro...de muitos?

COLUNAS Sua nova banda preferida 12. Sua nova versão preferida 24. Divas Agora é moda 13. Semanas de moda ou de celebridades 35. Novos ares e o mercado de luxo

A tradição do Vilão Bar . 28

Não viu ainda? 32. Alma em suplício 42. The Sound of Music


. 16 .6 . 38

Cinturas e Saboneteiras 36. O que é beleza para você? 47. Mulheres

RESENHAS CRÍTICAS 14. Esquizofrenia Pós-Guerra 22. Quase Famosos 34. Versão condensada do mundo 44. Mas não é verdade

REPORTAGENS ESPECIAIS 6. Qual o seu nome? 16. Profissões em extinção 38. A luta pelo semelhante


REPORTAGEM

Qual o seu nome? por M么nica Alves


Dezembro de 2011 - Revista TQP | 7


Ter um nome é algo tão banal que com o passar dos anos nem pensamos mais nos detalhes que levaram nossos pais a essa escolha. Mas o que acontece quando o que nos foi dado não é nada agradável e aparece como uma bagagem de constrangimento?

A

escolha do meu nome foi simples: uma Também vale citar as listas dos nomes mais mistura de melhor amiga da minha mãe badalados da temporada e que são renovadas ano e uma das tenistas que meu pai mais após ano, com aquelas opções que o oficial do Cartório gostava. Lógico que antes de bater o de Registro Civil não agüenta mais ouvir. Geralmente martelo, os dois passaram por mil opções – e digamos eles são frutos de novelas bem-sucedidas, cantores que eu agradeço a Deus todos os dias pela decisão que fizeram sucesso no verão e atrizes daquele último final – mas eles dizem que quando o escolhido sur- sucesso de bilheteria, o que não assegura que o nome giu, foi definitivo. O engraçado nessa coisa de nome é continue sendo um sucesso daqui uns anos. Ou seja: que o gosto/vontade/loucura de outra pessoa define mais uma chance para o desastre. Ninguém gosta de o seu direito mais básico, uma coisa que vai, definiti- ficar marcado por um nome de temporada, mas alvamente, te acompanhar pelo resto da vida. E é aí que guns pais ainda insistem em ignorar esse detalhe. mora o perigo. Isso porque nem comecei a falar dos estrangeirisMuita gente vai pelo gosto pessoal mesmo. Mais mos, porque é aí que o bicho pega. Michael vira Maifácil, mais rápido, mais simples. con, Michel, Maichel e até mesmo A inspiração e a “Gosto de João” e pronto. E tudo – pasmem – Maiquel. Mesmo que a corre bem, o Joãozinho nasce, cresce criatividade são muito pronúncia continue a mesma em ale aí que, um belo dia, ele resolve importantes, mas devem guns casos, muitos destes sorteados que não gosta muito do nome que carregam a responsabilidade de sosempre obedecer um letrar o próprio nome para os outros tem. Provavelmente isso vai acontecer por volta dos 13, 14 anos, aquela limite. Os estrangeirismos, pelo resto da vida. Nomes que trocam fase mais chatinha em que o ar que o “i” por “y”, que duplicam letras em letras repetidas e até os pais respiram irrita o Joãozinho. lugares impossíveis de se imaginar ou mesmo nomes de Mas e se a fase passar e a birra pelo que são compostos por combinações novelas são passageiros nome permanecer? Existe alguma totalmente desconexas. Não tem solução? como ser mais dramático, complicado O nome que a gente carrega vem com uma bagagem e embaraçoso. enorme, e a gente sequer pensa nisso direito. Ali, na Ainda existem as superstições: toda criança com nossa Certidão de Nascimento, consta a maneira como nome de anjo dá trabalho, nenhuma Vitória para quivamos ser conhecidos pela vida toda e, querendo ou eta, todo Leonardo é temperamental. Segundo uma não, isso define sim uma boa parte de quem somos. pesquisa feita com mais de 6000 pessoas pelo porAfinal de contas, começa aí aquela história de que tal BabyCenter Brasil (www.brasil.babycenter.com), ninguém é igual a ninguém e que todos temos nossa cerca de 30% dos pais levam esse tipo de dado em própria personalidade. Pensa bem: existe coisa mais consideração, e muitos professores e psicólogos que pessoal do que o seu nome? colaboraram na pesquisa afirmam ter observado essas Claro que escolher é difícil. Muitos pais buscam “tendências” no comportamento diário de inúmeras inspiração em livros de significados, que acabam re- crianças. lacionando os nomes com as suas origens etimológiA escolha, portanto, deve ser muito bem pensada cas. Os significados especiais também aparecem em e muitos aspectos precisam ser levados em considernomes antigos ou que seguem alguma tradição de ação antes de se assinar a certidão no cartório. É claro família, além daqueles originários de línguas já ex- que a questão pessoal e o gosto dos pais serão levatintas. O risco, nesse caso, é de se juntar referências dos em consideração, afinal a escolha continua sendo muitos bonitas na teoria, mas que, na prática, não dão deles, mas muitos outros pontos devem ser colocadas muito certo em pleno século XXI. na balança para que uma decisão teoricamente tão

8 | Revista TQP - Dezembro, 2011


normal não acabe se tornando um grande problema no futuro. A seleção do tri Em uma rápida visita aos dois Cartórios de Registro Civil de Londrina já é possível encontrar algumas histórias engraçadas que mesmo antigas ainda rendem boas risadas aos oficiais. Como antigamente o oficial era obrigado pela lei a registrar a criança de acordo com a vontade dos pais e não podia interferir na hora da certidão, muitos nomes diferentes já foram acompanhados pelos funcionaários do 2° Ofício de Registro Civil de Londrina, o Cartório Julião. O escrevente substituto, Felipe Julião, já começa a conversa rindo ao se lembrar de alguns exemplos. Chega a ser difícil de acreditar no oficial quando ele começa a mencionar alguns dos casos mais memoráveis. Meirelaz, Mijardina e Telesforo. Veneza, Vivelinda e Wansilvino. Pombinha, Soraidite e Claudiometro. E aí vem o mais memorável de todos, quase uma lenda no Cartório Julião. Logo após o tricampeonato do Brasil, um rapazinho chegou usando a camiseta da seleção e dizendo que queria homenagear o time mais bonito que ele já viu jogar. E

foi aí que ele revela a proeza: queria registrar o filho com o nome Tospericagerja. O que uma coisa tem a ver com a outra? O moço todo orgulhoso da sua criatividade explicou então que muitas pessoas iriam registrar seus filhos assim, já que era uma junção de Tostão, Pelé, Rivelino, Carlos Alberto, Gerson e Jairzinho. E foi assim que veio judicialmente ao mundo o Tospericagerja pé vermelho. O engraçado é que Tospericagerja não é mesmo uma exclusividade do filho do rapazinho que usava a camiseta da seleção. Basta cinco minutos de pesquisa no Google para encontrar, no mínimo, dez xarás do nosso caso londrinense. Deviam cogitar até a idéia de montar um time de futebol apenas com Toperiscagerjas... O vô, a cachaça e Hitler No outro cartório da cidade, o conhecido Cartório Pires, outras histórias interessantes aparecem após alguns minutos de conversa com o escrevente Ricardo Ribeiro, como a moça que quis de todo jeito registrar o filho como Valsuir. Como era muito diferente, a explicação veio logo em seguida: o pai dela, já falecido, tinha o mesmo nome. Como ele cresceu

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 9


sem nunca conhecer alguém com um nome igual ao seu, pedia pra ela que quando fosse mãe passasse o nome ao filho. Daí veio o Valsuirzinho. Outro caso curioso é o da “fábrica de cachaça”, que quando vem a tona causa gargalhadas em todos os funcionários do cartório. Em meio aos risos, uma das auxiliares conta que na região de Andirá existe uma fábrica de cachaça comandada por um senhor chamado Orcelino, e que um dia um casal chegou ao cartório querendo registrar o filho com o mesmo nome, como uma homenagem ao dono da fábrica. E se já não fosse um motivo bastante diferente, o pai comentou todo orgulhoso: “É que na noite em que fizemos esse menino aqui, a gente tinha enchido a cara de cachaça. Ele não estaria aqui se não fosse o seu Orcelino”. Alguns casos – felizmente, diga-se de passagem – não passam da bancada do cartório. Hoje em dia a lei brasileira garante aos cartórios o veto de nomes que possam expor a pessoa ao ridículo, o que acaba causando uma certa polêmica envolvendo o crivo dos oficiais. Ricardo conta então que uma vez apareceu um senhor querendo chamar o filho de Adolpho Hitler, acompanhado do sobrenome da família. Esse é exatamente o tipo de caso em que os funcionários são instruídos a conversar com os pais e incentiva-los a escolher outro nome, explicando que essa escolha causaria constrangimentos futuros às crianças. Neste caso específico, o pai concordou. Mas outros batem o pé e aí acabam na justiça em busca de autorização para passar vergonha nos filhos. Um novo nome Apesar da ajuda dos cartórios e da consciência dos pais, muitas pessoas não conseguem conviver com o nome que lhes foi dado, e é aí que começa o complicado processo de mudança de nome. Os casos mais comuns são os de correção de grafia ou de nomes “internacionais demais”, mas aqueles que se sentem prejudicados ou ridicularizados pelo seu próprio nome também tem seu lugar ao sol. O momento certo para essa alteração, como explica a advogada Raquel Pereira Marcon, é entre os 18 e 19 anos, ou seja, da maioridade até um ano depois. Durante esse período os interessados podem alterar seu nome desde que não prejudique o nome de família ou sobrenome. Daí pra frente, os casos são vistos como exceções e devem passar por uma audiência no Ministério Público. 10 | Revista TQP - Dezembro, 2011

Sem desculpas: os pais mais indecisos hoje possuem várias opções de livros e sites especializados em encontrar o nome perfeito. Vale de tudo pro filho não passar vergonha


CRÔNICA

Estamos a procura

N

Cadê você?

ão está fácil para ninguém. Posso falar, com conhecimento de causa, que nós mulheres temos que conviver com um problema que está aí escancarado para quem quiser ver: a falta de homem! Estatísticas mostram que o número de homens é inferior ao do sexo oposto. Dizem até que a diferença pode chegar a 4 milhões. Quatro milhões: Ok!?! Agora tira daí: os casados, os gays, os que não fazem o seu tipo e aqueles que não querem nada com coisa nenhuma. O número de opções cai significativamente. As causas disso? Pode ser um problema genético: alguma coisa está dando errado na hora de juntar os cromossomos e sempre entra mais um X ao invés de um Y. Deve ser algo na água, sabe. E o pior é que além de faltar homem, os que estão aí formados ­– com o X e o Y onde devem estar – nem sempre atendem aos nossos requisitos básicos para um futuro relacionamento. Ou seja, além do problema de quantidade, entra aí um problema maior que é o de qualidade. Procura-se: homem solteiro, bonito, inteligente, empregado (ou empresário) e que ainda leve a vida com bom humor (coloque aqui aquelas características que não podem faltar para você). Ninguém? Não, mesmo? (…) É, gente está complicado. Será que somos nós que estamos muito exigentes? Espero que não.

por Karina Constancio

Pode ser ingenuidade da minha parte, mas ainda quero um mundo em que possamos escolher o pai dos nossos filhos sem aquela lógica do “se não tem tu, vai tu mesmo”. Sem dar um jeitinho brasileiro porque ele é casado ou não quer casar com você de papel passado. A tão famosa liberdade inclui, principalmente, a liberdade de escolha. E para se ter essa liberdade, precisamos de opções. Aliás, pode ser que a liberdade, na verdade, nos atrapalhe. Na época dos nossos avós, quando a liberdade de escolha era pequena ou até nula parece que os casamentos davam mais certo. Pelo menos, aparentemente. Os casais se arranjavam conhecendo um pouco um do outro e, agora, completam bodas de ouro com filhos, netos e até bisnetos, que podem não viver essa mesma realidade. Estranho, né? Também acho. Esse assunto merece um aprofundamento muito maior do que eu posso dar, mas de uma coisa podemos ter certeza. O mundo mudou, nós mudamos e parece que a coisa ficou mais difícil. Toda essa dinâmica do relacionamento exige de nós um comportamento bastante diferenciado do anterior. A liberdade nos exige o conhecimento. Conhecer, palavra relativamente pequena, mas que é bastante complicada de ser aplicada. Implora que os dois envolvidos estejam abertos para que ela ocorra. Alguém disponível?

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 11


COLUNA

Sua nova banda preferida

H

Fotos: Divulgação

oje vamos falar de versões. Não covers, versões. Bom, na minha definição (ui!) fazer uma versão de uma música é fazer uma releitura, transformar. E cover é o que tem a pretensão de ser igual ao original (mas quase sempre é pior). Então essa é uma lista de bandas que fazem versões.

1. Pomplamoose Só vendo para entender. Pomplamoose é uma dupla que faz videosongs. Eu explico: tudo que você ouve é o que aparece no vídeo (as versões são lançadas no Youtube). Então se na versão de Single Ladies, da Beyonce, dá pra ouvir várias vozes femininas, o vídeo mostra três imagens simultâneas de Nataly Dawn. Se na introdução de Beat It, do Michael Jackson, dá pra ouvir um piano e um bumbo, no vídeo aparecem imagens simultâneas de Jack Conte – a outra metade do Pomplamoose – tocando cada um dos instrumentos. Não entendeu nada? Joga no YouTube. 12 | Revista TQP - Dezembro, 2011

por Marina Dias

2. Nouvelle Vague Não, nada a ver com cinema. Nouvelle Vague é um projeto francês onde vários músicos se juntam para fazer versões de clássicos do punk e do new wave. Começa a música, um violãozinho com cara abertura de novela do Manoel Carlos, então uma voz doce começa a cantar meio sussurrado: “God save the queen/her facist regime/it made you a moron/a potential H bomb”. Nouvelle Vague transforma bandas como Sex Pistols, Clash, The Cure, New Order, Buzzcocks e Cramps em bossa nova. E não é que dá certo?

3. Puppini Sisters Blondie, Destiny’s Child e The Bangles em versão anos 40, na voz de três moças. Bonito de ouvir. De clássicos dos anos 40 a grandes sucessos das pistas, como “I will survive”: tudo fica com cara de saloon, num ritmo inspirado em jazz, swing e big bands americanas. Aqui em Londrina, temos as Cluster Sisters, que fazem um som bem nessa linha das Puppini Sisters.

4. The Baseballs Três moços, músicas recentes em versão rockabilly. Quase uma versão masculina das Puppini Sisters. Os moços são da Alemanha e lançaram seu primeiro disco em 2009. Strike! foi relançado em 2010, como Strike! Back! Este ano, o lançamento é Strings ‘n’ Stripes. Entre as versões, Umbrella, de Rihanna, Hot ‘n’ Cold, de Katy Perry e Crazy in Love, que também tem uma versão feita pelas Puppini Sisters.


COLUNA

Agora é moda Semanas de moda ou de celebridades?

por Mônica Alves

D

e uns tempos pra cá, as semanas de moda se tornaram muito mais do que apenas um evento dedicado a novas coleções. Em meio à loucura dos bastidores e modelos famintas, encontramos verdadeiros ratos de passarela que fazem de tudo por um convite para a primeira fila de um desfile badalado, sempre tentando pegar carona nas fotos. Fica então a pergunta: onde foi parar a moda? Quem manda na Fila A Enquanto jornalistas do ramo e representantes de agências saem no tapa por um lugar ao sol, as primeiras fileiras são povoadas por celebridades, namorados de modelos famosas e as tão controversas blogueiras de moda, que juram estar ali “por motivos profissionais”. Desfile vai, desfile vem, elas continuam reinando – e twittando - em suas confortáveis cadeiras, ao mesmo tempo em que muitos se matam por meia dúzia de fotos para mandar para o seu editor no dia seguinte. Quem paga mais É verdade que muitos estilistas estão por trás dessa bagunça toda, e é preciso analisar a razão disso um pouco mais a fundo. Hoje em dia a informação de moda está presente nessa realidade online em que os blogs “especializados” no assunto se multiplicam a cada dia. Querendo ou não, a visibilidade que as grifes conseguem através dos blogs é muitas vezes mais interessante do que o que a

Ashton, Demi e a mini aparição milionária

clássica mídia impressa tem a oferecer, e é aí que mora o perigo. Afinal de contas, vale mais arriscar na informalidade do que investir no profissional? O exemplo da Colcci E toda essa mistura não fica apenas entre os convidados não. A última edição da São Paulo Fashion Week mostrou que os investimentos das grifes em celebridades na passarela tem seus riscos. A aposta da Colcci em trazer o galã Ashton Kutcher e sua mulher Demi Moore resultou em vaias e vergonha alheia, já que os pombinhos deixaram todos no aguardo por 3 horas até que resolvessem aparecer na Bienal. Tudo isso para que pudéssemos apreciar o ator por um minuto na

última entrada do desfile – minuto esse que custou alguns milhões. Vale a pena? Nada impede uma celebridade de participar de uma semana de moda – de certa forma, essa atenção até que deixa tudo mais interessante. Mas deve existir um limite que garanta aos profissionais que vivem daquilo o necessário para que consigam realizar o seu trabalho, seja ele uma foto, uma entrevista uma simples caminhada pela passarela. Cabe agora aos responsáveis pelas grifes e aos organizadores dos eventos escolherem a forma mais adequada para manter esse limite e colocar a moda em primeiro lugar novamente. Dezembro de 2011 - Revista TQP | 13


RESENHA CRÍTICA

Esquizofrenia pós-Guerra

O

filme “Boa Noite, e Boa Sorte” (Good Night, and Good Luck) foi lançado em 2005 e dirigido por George Clooney. Retrata o período de “caça às bruxas” realizada pelo senador Joseph McCarthy, época que ficou conhecida também como Macartismo. O senador investigava e punia os simpatizantes e participantes do movimento comunista. O filme, mostra o ano de 1953, quando o jornalista Edward Murrow (David Strathairn) e seu produtor Fred Friendly (George Clooney) transmitem reportagens contra a política do senador McCarthy pela rede de televisão CBS. A famosa frase de fechamento de Murrow em seu progama, “Boa noite, e boa sorte” significa boa sorte aos americanos frente ao Macartismo. Por seu forte apelo e impacto serviu também de título ao filme de Clooney. Edward Murrow e Fred Friendly acreditavam nas liberdades fundamentais americanas, e viam no senador Joseph McCarthy a figura de um homem que buscava destruir as liberdades genuínas do povo em causa 14 | Revista TQP - Dezembro, 2011

própria. McCarthy destruía os outros com mentiras, mas em seguida ele próprio foi destruído pela verdade. Murrow, jornalista veterano com uma carreira sólida, foi acusado por McCarthy de participar de grupos subversivos, após fazer denúncias sobre o Macartismo. O jornalista obteve apoio dos produtores, repórteres e dos líderes da rede CBS, apesar de perder patrocinadores. Uma das críticas à Murrow era sobre a perca da objetividade em seus comentários. O jornalista nada mais fazia do que argumentar e relatar os fatos. Nos últimos anos, poucos repórteres ousaram assumir uma posição semelhante à de Murrow. Nos EUA, no auge do furacão Katrina, alguns repórteres de campo, sentiam que a linha das declarações do governo não eram condizentes com o que estava acontecendo, e falavam sobre isso em suas reportagens. Clooney co-estrela seu próprio filme, como Fred Friendly, produtor de Murrow. Ele e Murrow compartilham as mesmas crenças sobre McCarthy, e estão cientes


RESENHA CRÍTICA

Fotos: Google

do risco que correm pelas denúncias e reportagens contra momentos de humor. Depois de uma transmissão repleta de o senador. O outro personagem principal é o próprio McCa- perigos potenciais, Murrow espera até que ele esteja fora do rthy. Clooney emprega imagens de noticiários reais de McCa- ar e então não há o menor movimento possível de sua boca. rthy, portanto, desempenha a si mesmo. É assustador vê-lo Muitos discutem se poderia ter sido quase que um sorriso. em discurso completo, e patético vê-lo perto de colapso du- Os sentimentos de Murrow são revelados quase em código. rante as audiências do Exército-McCarthy. Como diretor, Clooney faz coisas interPolítica e a polêmica da notícia como O filme serve como tentativa essantes. Uma delas é a gravação em preto negócio se tornam a atmosfera domie branco, escolha certa para autenticar um de interromper que nante. O filme é quase claustrofóbico, soviéticos, latino-americanos período de factual. As cenas são separadas sentimento potencializado pela escolha por uma cantora de jazz (Dianne Reeves), e outros povos apareçam da gravação em preto e branco. O roteiro que é vista cantando em um estúdio. Suas conta também com a história paralela de como vilões em jornais, livros músicas evocam um tempo de lounges ao Shirley e Joe Wershba (Patricia Clarkson e som do piano, bebidas e muitos cigarros. e filmes Robert Downey Jr.), que trabalham para a Além de recontar um período polêmico CBS News e mantêm seu casamento em segredo, porque da história norte-americana, Clooney se dirige ao então a política da empresa proíbe o emprego de casais casados. governo atual de George W. Bush, presidente dos EUA Além do casal, o filme é inteiramente sobre a vida inte- na época em que o filme foi lançado. Bush tentava ofirior da CBS News. Cada se passa no edifício da CBS, com ex- cializar leis para permitir a vigilância de seus cidadãos ceção de um banquete, um bar, um quarto e as imagens de em nome da luta contra o terrorismo, cujo caminho mais noticiário. Murrow e Friendly circulam em três espaços: seus curto seria a manipulação da liberdade de imprensa. escritórios de produção, o estúdio de televisão e os escritóriBoa Noite, e Boa Sorte é um filme político e artístico que os de seu chefe William Paley (Frank Langella), que dirigia defende a liberdade de imprensa e a liberdade democrática. a rede com mãos de ferro, mas concedeu independência e Clooney faz o passado e presente dialogarem, na contramão liberdade à Murrow, cedendo à pressão dos anunciantes. das produções de Hollywood. O filme serve como tentativa de O filme não é uma obra que mostra apenas os abusos interromper que soviéticos, latino-americanos e outros povde McCarthy, mas sobre o processo pelo qual Murrow e sua os apareçam como vilões em jornais, livros e filmes. O discurequipe passam na produção do noticiário. É um jogo que so final aborda questionamentos sobre uma mídia que tenta os jornalistas devem aprender a se comportar. Há pequenos transpor a mente do telespectador. E isso continua até hoje.

Como diretor, Clooney faz coisas interessantes. Uma delas é a gravação em preto e branco Dezembro de 2011 - Revista TQP |15


16 | Revista TQP - Dezembro, 2011


Profissões em extinção Por Guilherme Popolin

Atividades comuns durante todo o século XX tendem a desaparecer em decorrência do modo de vida contemporâneo

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 17


Fotos: Google

O

sociologo Max Weber já dizia que o trabalho dignifica o homem, lá no século XIX. O trabalho, ou a realização de tarefas, faz parte da natureza humana na busca pela sobrevivência. Sobreviver em tempos mais remotos, significava caçar, colher frutos e legumes ou pescar, para garantir a alimentação do dia, e assim, seguir com a luta diária contra animais ferozes e adversidades climáticas que minavam a vida dos homens de uma hora para a outra. A evolução da espécie apenas mudou a forma, mas a busca pela sobrevivência continua até hoje. Com o desenvolvimento da cultura e a estruturação da sociedade baseada nas divisões de gênero, as tarefas do dia-a-dia se segmentaram. Sobreviver, hoje em dia, significa ganhar dinheiro para garantir condições básicas e dignas de vida. Inúmeras foram as profissões que surgiram ao longo da história humana. Algumas resistem até hoje, e outras, simplesmente desapareceram. As múltiplas profissões presentes na sociedade são vulneráveis à mutação constante das 18 | Revista TQP - Dezembro, 2011

necessidades da sociedade. Após a Revolução Industrial, a mecanização e a evolução da produção em série, muitas tarefas realizadas manualmente foram erradicadas pra sempre. Extintas. Uma das primeiras necessidades, sentida pelos homens primitivos, foi a de proteger os pés das baixas temperaturas, insetos e pedras presentes no solo. Não é possível afirmar quando o primeiro sapato foi produzido. Feito, provavelmente, com pele de animais não se parecia muito com o que conhecemos hoje como sapato, mas a função primordial era a mesma. Além da proteção dos pés, nossos ancestrais conseguiram correr mais rápido e com mais segurança ao fugir de predadores ou durante a caça. No princípio dos tempos a mente do ser humano se desenvolvia no ritmo da evolução nas necessidades. Os objetos que facilitavam o dia a dia foram surgindo. É o caso da agulha, que teve grande contribuição na história dos sapatos. Com ela, os pedaços de pele foram reunidos e ajustados para melhor o encaixe nos pés de seus donos. O conceito primordial sobre sapatos mudou


desde sua invenção. Hoje, ao pensar em sapatos, pensamos em estilo, moda, tendência, fetiche, e por último, a necessidade de proteger os pés. As grandes indústrias de calçados e a globalização mudaram os hábitos da população. Algumas pessoas resistem e ainda procuram consertar um sapato antigo antes de comprar um novo. E assim, uma das profissões mais clássicas do mundo resiste e tenta sobreviver em meio às rápidas mudanças de hábitos e transformações tecnológicas: o sapateiro. O sapateiro Sebastião Picotti, 68, dono de uma sapataria na cidade de Rolândia, a cerca de 20 km de Londrina, trabalha há mais de meio século produzindo e consertando calçados. Acompanhou todas as mudanças que aconteceram durante todo esse tempo. Aos 15, começou a trabalhar em uma sapataria que hoje não existe mais, onde aprendeu o ofício e as técnicas da profissão. Começou aos poucos, com alguns consertos simples. Depois, passou a fazer algumas botinas e sapatos personalizados sob encomenda. Mais tarde foi para o exército, e quando voltou começou a trabalhar em outra sapataria. Foi sua primeira e única carteira assinada. Logo depois, o senhor orgulhoso

de sua história, abriu seu próprio estabelecimento e passou a ter total autonomia em seu trabalho. Seo Picotti, como é conhecido e chamado pelos conhecidos da cidade, percebeu que com a popularização das lojas que vendem calçados industrializados o movimento começou a diminuir. A fabricação de sapatos feitos à mão precisou terminar, Seo Picotti percebeu que era humanamente impossível concorrer com as máquinas das indústrias. Ficou só com o conserto. A qualidade dos produtos industrializados é baixa e inferior. Plástico e tecidos sintéticos, unidos somente por uma cola, não chegam perto dos materiais usados por Seo Picotti quando montava de forma artesanal os sapatos das encomendas. A qualidade era ótima e garantida, como ele mesmo diz. Na época em que os jovens usavam sapatos no estilo social, e tênis era raro e artigo de luxo, o movimento e a quantidade grande de trabalho na sapataria era grande. “Os velhos vão morrendo, e os mais jovens não se interessam por isso”. As palavras de Seo Picotti refle

Dezembro de 2011 - Revista TQP |19


tem a realidade não só do sapateiro, mas de outras profissões. Além da falta de interesse e da facilidade da compra de produtos novos, o principal motivo do ofício de sapateiro caminhar para a extinção é a falta de novos profissionais exercendo a atividade. Seo Picotti transformou um dom em profissão. Para o sapateiro, o que ainda sustenta o ofício são os clientes que viraram amigos. Muita gente que ele atende até hoje são os mesmos que há muitos anos. Laços de amizade se formaram, o que deixa o cliente mais fiel. O vínculo do profissional com o cliente, principalmente quando se tem o respaldo de vários anos, é considerado pelo barbeiro José Gomes do Nascimento, 80, como fundamental para se manter na profissão há 54 anos. Nascimento repetiu a história de milhões de brasileiros: cresceu no interior de Pernambuco, sofreu com a seca nordestina e deixou toda a família para vir ao Estado do Paraná há cerca de 60 anos em busca de melhores condições de vida. Passou por algumas cidades, trabalhando na lavoura dos mais variados tipos de cultura. Levava duas profissões ao mesmo tempo: peão e barbeiro. A última, que servia para complementar a renda aos finais de semana, aprendeu com o pai e os tios, ainda em seu estado de origem. No início da década de 60, chegou a Rolândia/PR e começou a trabalhar em um salão. Em 1962, adquiriu o seu próprio estabelecimento, onde trabalha até hoje. Se orgulha ao dizer que criou os filhos e sustentou sua casa apenas com a renda do salão. O barbeiro, que em toda sua carreira fez apenas dois cursos, como o de técnico de cabeleireiro do SESC -Londrina, é aposentado, mas continua trabalhando porque gosta do que faz. Com tantos anos na mesma profissão, Nascimento avalia que hoje vivemos em uma época de imediatismo, em que o tempo, muitas vezes, vale mais que qualidade. Para

20 | Revista TQP - Dezembro, 2011

ele o número de clientes antigos também é maior. A maioria são os mesmos há muito tempo. Difícil um jovem procurar um barbeiro, ao invés de um salão de cabeleireiro e muitos fazem a barba em casa. Para o barbeiro, isso acontece por que hoje os salões de cabeleireiro investem e oferecem vários outros serviços. Muita gente pensa que barbeiro é só para fazer a barba. Isso restringiu ainda mais o público, que antes era apenas formado por homens, mas hoje, vão somente os mais velhos Profissões e profissionais diferentes sempre oscilarão entre o popular e o que está fora de moda, dependendo das necessidades e da cultura de cada sociedade. Sapateiros, alfaiates, barbeiros, entre outros ofícios tão comuns no século XX, estão desaparecendo, como consequência de uma forma de encarar o mundo em que somente o que é novo e moderno é valorizado. Mas, não são apenas profissões que estão sendo extintas e esquecidas, o talento do homem e o contato pessoal têm cada vez menos espaço em uma sociedade em que, principalmente os mais jovens, só estimam pelo o que é imediato, cômodo e padronizado .


CRÔNICA

O não-pecado

Porque é uma grande sacanagem classificar uma coisa tão boa como pecado por Marina Dias

We Heart It

Q

ueria entender porque a gula é um dos sete pecados capitais. Pecado é sacanear os outros, não oferecer chocolate pro amigo, falar de comida boa quando o colega do lado tá com o estômago roncando. Pecado é falar que é pecado saborear um pão doce e melequento feito com todo o amor do mundo por uma bondosa senhorinha de oitenta e tantos anos. Porque a pessoa nasceu numa família onde o que cozinha mais ou menos bem faz a melhor bacalhoada de todos os tempos. Como faz pra explicar pra um ser desses que gula é pecado? A criança aprende a socializar nos almoços de domingo, aceita até o pão remelento que o mendigo que passa na rua oferece. Cadê o pecado? Pecado é colocar abobrinha na pizza. Pecado é viver de regime, ter distúrbio alimentar, doença celíaca. Pecador foi quem inventou as papinhas de bebê industrializadas, junto com as mães que juram que a criança consegue viver só disso. Tenho dó daquelas crianças amareladas que nunca provaram nada feito em casa. Pecado é sair descobrindo doenças e mais doenças relacionadas à alimentação. Pecado é essa perseguição que sofrem as frituras, coitadas. Vai perguntar pra sua avó – aquela senhora saudável, forte, lúcida e que ainda vai enterrar um monte de gente – o que mais se usava na cozinha na época dela. Banha de porco. Olha lá a Velha Guarda da Portela. Um bando de centenários criados a torresmo. Tão aí, firmes e fortes, sambando. Pergunta se lá tem algum macrobiótico. Não tem. Pecado é essa moçada de hoje não saber fritar um ovo. As vovozinhas vão morrer e levar pro túmulo todas as melhores receitas do universo. Não vai ter mais nada. Mas enquanto isso, deixa o pessoal comer. Todo mundo vai morrer mesmo. E é bem melhor morrer de comer do que morrer de raiva ou ganância.

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 21


CRÍTICA

Quase Famosos S

exo, drogas, rock’n’roll e muitos clichês. Ao ler a sinopse de “Quase Famosos”, dirigido por Cameron Crowe, o espectador pode até imaginar que irá encontrar apenas mais uma história sobre uma banda de rock que luta pelo sucesso em meio aos seus próprios dramas, como muitos outros filmes o fazem. Bom, para aqueles que ficam com essa impressão, basta meia hora de filme para perceber que a coisa é um pouco mais densa e interessante que isso. Para começar, vale mencionar que o filme traz um pouco da bagagem de Crowe, que antes de se aventurar pela sétima arte foi jornalista da revista Rolling Stone e chegou a acompanhar bandas durante suas turnês, exatamente como o protagonista do filme, um jovem William Miller de apenas 15 anos. Essa relação tão próxima entre diretor e personagem ajuda – e muito – na construção de um aspirante a jornalista que ama tanto a música e o universo que a cerca que tem medo de destruir essa imagem ao se deparar com a realidade. Miller é um menino que desabrocha durante o tempo que passa ao lado da banda Stillwater, percebendo aos poucos que o cotidiano do rock é muito mais complicado do que parece, e é esse crescimento que serve como base para a trama. O menino, filho de uma mãe neurótica, controladora e um tanto cômica, tem um mês para escrever um artigo sobre a banda e encaminhar para a revista Rolling Stone. Durante o convívio, ele não apenas passa a fazer parte da rotina da turnê como também se encanta por uma groupie da banda, a sonhadora Penny Lane, brilhantemente interpretada por Kate Hudson. A jovem vive um complexo relacionamento com o guitarrista, Russel Hammond, e é justamente nesses altos e baixos que encontramos o aspecto doce da groupie que também se apaixona. Em uma cena, por exemplo, Miller conta que ela foi apostada por Hammond em um jogo, e a lágrima junto ao sorriso discreto mostram que ali se encontra uma menina de coração partido, simples assim. O filme como um todo é uma constante junção de frases de peso e cenas memoráveis. Além do crescimento do menino que sonha em ser jornalista e da groupie cheia de amor e vontades próprias, também encontramos uma banda que vive seus primeiros minutos de fama e não sabe lidar 22 | Revista TQP - Dezembro, 2011

por Mônica Alves

com isso, vivendo assim em constantes idas e vindas, como vemos na cena em que todos cantam a bela “Tiny Dancer” dentro do ônibus de viagem. Vale também destacar a imagem leve dada para o conhecido e desastroso “universo do rock”, ao contrário do que muitos filmes que seguem a mesma temática apresentam. Por fim, “Quase Famosos” é uma obra que junta ao mesmo tempo a densidade e a leveza dos personagens, e desfaz a imagem que temos deles com diálogos fortes e que marcam aqueles que assistem ao filme. E para embalar o filme e deixa-lo ainda mais emblemático, a trilha sonora vem com The Who, Led Zeppelin, Black Sabbath e a própria Stillwater, mostrando que Crowe fez de sua obra uma grande homenagem ao rock.


“...it’s all happening...” - Penny Lane

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 23


COLUNA

Sua nova banda preferida

S

Fotos: Divulgação

e você não aguenta mais Lady Gaga e Beyoncé levando a fama de grandes cantoras do nosso tempo, não fique triste. Nem tudo está perdido. Tem uma mulherada cantando muito por aí. Cantando mesmo. Sem bizarrices, grandes espetáculos ou bundas à mostra. Segue uma lista de moças que merecem a sua atenção:

1. Adele Talvez você já conheça, porque “Set Fire to the Rain” é a melhor música para cantar a plenos pulmões de 2011. Se você não conhece, Adele tem 23 anos e dois discos lançados. Adele é a prova de que músicas bonitas saem de corações partidos. Não vou mentir: ao escutar “21”, o último disco, bate até uma depressãozinha, mas a voz da moça faz valer a pena.

por Marina Dias

2. Florence+the Machine Florence está famosa. “Dog Days Are Over” é hit. Funciona tanto no meu despertador quanto em pista de festa indie. Florence estourou com o primeiro disco, Lungs (2009) e neste ano lançou “Ceremonials”. O “The Machine” do nome refere-se à banda que toca com a cantora, formada por talentosos multi-instrumentistas.

3. VV. BROWN V. V. Brown veio do soul, mas tem algo pop. Impossível escutar “Crying Blood” e não ter vontade de dançar por aí. V. V. Brown tem cara de anos 50, voz poderosa e por mais que as influências de soul sejam claríssimas, a música é atual. “Travelling like the light” (2009) é um disco para ouvir no repeat. No ano que vem, a cantora lança “Lollipops and Politics”. O primeiro single, “Children” é deliciosamente pegajoso.

4. ELIZA DOOLITTLE Se isso fosse uma lista de “o que escutar no verão”, Eliza Doolittle estaria aqui. Deve ser por isso que faz tanto sucesso na Inglaterra, seu cinzento país de origem. A música de Eliza é ensolarada, tem cara de praia, piscina, tarde no parque, férias. Quem não conhece pode começar por “Pack Up”, que tem a participação de Lloyd Wade e uma bela banda de R&B.

5. CARO EMERALD Minha descoberta musical preferida dos últimos tempos. Caro Emerald é holandesa e lançou seu primeiro disco – “Deleted scenes from the cutting room floor” – no começo de 2010. Tem um pouco de jazz, soul e alguma coisa de tango. Na banda, os clássicos instrumentos de sopro dividem espaço com um DJ. Caro Emerald se veste como as divas de Hollywood dos anos 50 e cita Clark Gable e Fred Astaire em “That Man”, uma de suas melhores músicas. 24 | Revista TQP - Dezembro, 2011


CRÔNICA

Darwin quer te adicionar

Um post, 20 comentários e 10 compartilhamentos. Será que o blogueiro de hoje é o mesmo escritor de ontem?

N

unca foi tão fácil ser escritor. Palavras daqui, vírgulas de lá, e em cinco minutos um texto prontinho diante de nossos olhos, como num passe de mágica. E mais mágico ainda é a rapidez com que tudo isso se espalha e vira um “best seller” na internet. É a evolução daquele telefonesem-fio da infância. Outro dia descobri que tenho leitores do Canadá no meu blog. Canadá, minha gente! Um lugar que eu nunca nem cheguei perto e só fui descobrir onde ficava por volta dos meus doze anos. E mesmo assim, com toda essa distância física entre a gente, existem lá duas ou três pessoas que lêem todas as bobeiras e intelectualismos de fachada que eu escrevo. São pessoas que provavelmente eu nunca vou conhecer na minha vida e que não apenas sabem meu nome, mas também que eu gosto de usar batom vermelho e vou ao cinema sozinha ver filme de menino. Eu sei que, às vezes, essa brincadeira toda chega a ser meio assustadora,

por Mônica Alves sabe. Enquanto minha mãe escrevia todos os segredos dela em um diário, hoje eu coloco tudo numa página aberta pra qualquer um ler. E se na época de mamãe alguém ter acesso ao que estava escrito ali era o equivalente ao fim do mundo, hoje eu peço comentários sobre meus dramas. Tá aí o verdadeiro conceito de inversão de valores. Mas toda essa exposição traz também seus benefícios. Além de dividir o que você vive com os outros, tem também o prazer do ego inflado ao ouvir um elogio e o alívio de descobrir que você não é a única pessoa do mundo que passa por diversas situações um tanto quanto bizarras. No final das contas, vira uma grande conversa entre amigos mesmo – a não ser que ali exista um maníaco em potencial, mas é um risco a ser corrido. É como se a inclusão digital tivesse chegado botando banca mesmo, sem querer saber se a gente quer ou não. Você posta hoje, amanhã já tem dez comentários e no outro dia as pessoas já estão esperando por um tex-

to novo. É uma agilidade pra editor nenhum botar defeito, e o esquema meio amador funciona muito melhor do que muita redação profissional por aí. Seja por blog ou por qualquer uma das trezentas redes sociais que existem, acho que todo mundo já se adaptou um pouco com esse excesso de informação e ficou difícil viver sem isso. E eis que, do nada, aparece alguém falando que a cultura da informação na internet está acabando com a comunicação tradicional. Aquela coisa de ler o jornal de manhã e assistir o noticiário à noite, lembra? Bom, nada contra os fundamentalistas, mas a evolução já chegou e quem não se adaptar a essa realidade virtual vai se perder mesmo. Não acho que seja o fim, mas não tem como negar que é preciso interagir dos dois lados. É como se a seleção natural estivesse batendo nas portas da comunicação.

A nova evolução das espécies

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 25


26 | Revista TQP - Dezembro, 2011


V I L Ã O

A casa que virou bar | POR_KARINA CONSTANCIO | FOTOS_ANNA THEODORA

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 27


L

embro da primeira vez que fui ao Vilão. Não faz tanto tempo assim, mas algumas coisas já foram esquecidas e muita coisa mudou. Não podemos dizer o mesmo do lugar, há 33 anos o Vilão é desse mesmo jeito que a gente conhece e continua na Rua Sergipe, entre a Belo Horizonte e a Santos. De fora, ninguém fala que é um bar e pode passar desapercebido por quem anda sem prestar muita atenção ou na correria dos tempos modernos. O motivo é que na frente fica a casa do proprietário do bar, o empresário Willian Amador Bueno de Moraes, aliás dono do local pelos mesmos 33 anos de existência. Quem, como eu, também fica curioso para saber o que o espera além daquele portão e toma a decisão de ultrapassá-lo, se depara com um universo pouco usual. Até chegar ao bar propriamente dito, percorremos um caminho todo ajardinado, como se fosse um labirinto, mas sem a opção de se perder. Algumas mesas colocadas em pontos estratégicos nos dão a possibilidade de beber um vinho ou saborear algumas das delícias da casa à luz da lua. Se você quer algo mais intimista, é convidado a ir mais ao fundo. Ao entrar no bar do Vilão, é como se você fizesse uma viagem no tempo. A decoração o leva para algumas décadas passadas. Peças antigas, centenas de vinis, meia-luz e o som ambiente com jazz e blues - saídos do mesmo aparelho Quasar que inaugurou o recinto - nos dão a sensação de estar em um daqueles pubs londrinos. Na parede, relógios. Muitos. De todos os tamanhos e peculiaridades. Os objetos são um show a parte, a maioria bem antigos e esquisitos. Podemos ver desde o telefone preto saído da década de 60, a máquina registradora que fica no caixa até o, já citado, gramofone responsável pela música que embala a viagem. Na ponta do balcão, há um castiçal que guarda parafinas de 15 anos de queima de velas. Não tem como observar tudo de uma vez só e isso, talvez, seja o diferencial do lugar. A cada ida ao Vilão você se surpreende e descobre novos detalhes. O clima acolhedor e aconchegante do espaço, transformam o bar em um lugar perfeito para curtir a companhia. Por isso, muitos o consideram como lugar de casal. E, realmente, é um ótimo programa para aproveitar a dois, mas essa visão é um tanto quanto simplista. O ambiente também é o ponto certo para relaxar com os amigos, ouvindo boa música e com a garantia de bebida e comida para todos os gostos. Quem sabe até para o tradicional “aquece” pré-balada? Nessas três décadas que o Vilão faz parte da vida dos londrinenses, muitas histórias não serão esquecidas e tem uma história, particularmente, que merece ser contada: a do próprio Willian. Não tem como falar sobre o Vilão, sem falar do homem atrás do balcão. A trajetória da vida do empresário vai de encontro e se mistura com história do bar.

Há 33 anos O Vilão é um dos bares mais tradicionais de Londrina, faz parte da cidade e da vida dos londrinenses há 33 anos. O dia 24 de janeiro de 1978, inauguração do Vilão, não foi escolhido por acaso, era a data de aniversário da primeira mulher de Willian. Lilian é natural de Rolândia, conheceu Willian em São Paulo - ambos trabalhavam na Avon - e foi uma irmã dela, dona 28 | Revista TQP - Dezembro, 2011

Ao entrar no bar do Vilão, é como se você fizesse uma viagem no tempo. A decoração o leva para algumas décadas passadas. Peças antigas, centenas de vinis, meia-luz e som ambiente com jazz e blues

de uma escola de inglês por aqui, que sugeriu ao casal que se mudasse para Londrina a fim de tratar melhor da bronquite asmática da primeira filha, Júlia. A cunhada sugeriu que ele abrisse um bar porque “em Londrina não tinha bar”. “Na verdade, até tinha, era um cantinho na frente do Mater Dei, mas pessoas ficavam na frente do bar. Dentro do bar mesmo não tinha ninguém”, conta Willian. A ideia, então, era montar um negócio onde as pessoas fossem para dentro do bar. Ele queria abrir um bar diferente daqueles convencionais, de preferência em “algum lugar esquisito, com porão”. Pelo menos diferente dos padrões brasileiros. O Vilão vai de encontro com o formato do pubs, algo bastante inovador para época. Desde a escolha da casa na Sergipe até a decoração do lugar servem pra confirmar que o objetivo inicial foi alcançado. Willian revela que o grande segredo do bar é iluminação. Ela não agride e nem compete com demais elementos do espaço. Ao contrário, é o convite para se deixar levar por esse universo que envolve o Vilão. A decoração é mesma, nunca mudou. “Só vou acrescentando algumas peças que eu ganho.” Para Willian, a decoração é como se fosse uma história em quadrinhos, cada cantinho é diferente e transmite uma sensação diferente. Eu acrescento que no todo cada quadrinho se completa. Quem repara no lugar, diz com certeza que tudo aquilo foi pensado previamente.


Dezembro de 2011 - Revista TQP | 29


Willian Moraes: “O bar me deu três mulheres e muitas alegrias”

Willian garante que não. “Eu arrumo soluções para aquilo que tenho na mão. Muita coisa aqui foi pegada do lixo ou veio por doação. Sempre vejo possibilidade em tudo, até no buraco”. Esse pensamento de Willian contribuiu para que o Vilão permanecesse no quadro de bares da cidade e, mais ainda, com o destaque e reconhecimento merecido. Toda obra bem sucedida, tem um mentor.

O homem atrás do balcão “O bar me deu três mulheres e muitas alegrias” . Paulistano, publicitário, avô e pai de 6 filhos. O filho mais novo é apenas alguns meses mais velho que seu único neto. Inteligente, visionário e com um humor ácido, Willian é quem administra o Vilão desde sua inauguração. Está ali porque gosta. Já pensou em largar tudo e seguir outro caminho. “Mas eu ia fazer o quê? Não seria tão feliz como sou hoje”. Tem uma vida diferente. Não assiste televisão por esses mesmos 33 anos. “Essas coisas só servem para alimentar ilusões”. Ele vive o real. Logo bem cedo já vai fazer as compras do dia. Dorme durante a tarde. Lê jornal quando dá tempo. Por volta das18h, vai para o Vilão e fica lá até de madrugada, depende do dia e do movimento. Trabalha sentado em uma cadeira de barbeiro da marca Ferrante. Um pouco acima tem um objeto onde ele pendura brincos que as mulheres, por uma razão ou outra, perderam no bar. Cada brinco, uma história que dentre muitas Willian já presen30 | Revista TQP - Dezembro, 2011

ciou. As que ele mais se diverte são, sem dúvidas, as brigas de casais. “Teve uma mulher que chegou aqui, o cara estava conversando comigo. Ela olhou pra ele, olhou pra mim, olhou pro copo e olhou pro celular. Eu pensei: vai jogar o celular dentro do copo. Não. Ela pegou o copo e jogou a bebida em cima do cara”. Ele conta que isso acontece direto e que já fica esperto quando vê esse tipo de movimentação. “Eu já vou fechando a conta”. Mas nem tudo são brigas, muita gente também se conheceu no Vilão. Willian já perdeu as contas de quanto casais se formaram no seu bar. “Até hoje vem gente aqui tirar fotos, trazer os filhos. É muito legal”. E a tradição de família não está envolvida apenas com os clientes. A atual cozinheira é filha da primeira cozinheira que o Vilão teve. O segredo da tradição, para Willian, é o trabalho. “As pessoas ficam esperando as coisas acontecerem, mas nada cai do céu. Tudo vem por meio do trabalho. Trabalho é o que funciona”. Segundo ele, é por isso que muitos bares não dão certo. “As pessoas querem ganhar dinheiro fácil e bar dá trabalho. Dá muito trabalho”. Willian também não deixa tudo a cargo da tradição, está antenado com o o mundo a sua volta. Ele não nega a importância de ir se adaptando com o tempo, pois as coisas mudam e é necessário acompanhar essa mudança. “Inovar, mas sempre mantendo a tradição, as pessoas gostam disso. Elas vêm aqui e querem aquele mesmo beirute que eu faço há 33 anos. Casa da mãe, sabe? E quem não gosta da casa da mãe?”


Dezembro de 2011 - Revista TQP | 31


COLUNA

Não viu ainda? Fotos: Google

Não viu ainda? A explicação A partir da coluna de hoje vocês acompanharão algo diferente. O nome “Não viu ainda?” tem mais sentido quando falamos de clássicos, aqueles filmes que todos deveriam assistir, por um motivo ou outro. Quem nunca perguntou ou ouviu essa pergunta quando o assunto era algum filme daqueles marcantes, eternos e que nunca perdem o brilho, passe o tempo que for? É claro que existem aqueles considerados pela crítica, ou pela grande maioria, como “clássicos”, mas que não é para você. Além das qualidades técnicas e inovações, um filme ganha esse mérito quando ele te envolve, marca um momento e emociona.

Alma em Suplício É difícil encontrar um filme que prenda a sua atenção do começo ao fim. “Alma em Suplício” (Mildred Pierce), de 1945, dirigido por Michael Curtiz - que também dirigiu Casablanca,de 1942 – apresenta um diretor ousado logo no início.A primeira cena mostra o clímax da história,choca os mais fracos e envolve os mais curiosos. E surge uma perguntaSerá que o filme vai ter elementos suficientes para manter o interesse e atenção de quem assiste até o fim? A resposta é: Sim. A trama se desenvolve em meio a flashbacks, empolgante e com uma surpresa atrás da outra. A fotografia em preto e branco e a estética film-noir, torna o filme ainda mais atraente.A primeira cena mostra o clímax da história, choca os mais fracos e envolve os mais curiosos. 32 | Revista TQP - Dezembro, 2011

Por Guilherme Popolin

Roteiro turbulento Lançado em DVD recentemente, “Alma em Suplício”, tem como personagem principal Mildred Pierce (Joan Crawford), homônimo do título original. Mildred é uma dona de casa dedicada e separada, que não mede esforços para garantir o bem estar das filhas, sobretudo, da mais velha, Veda Pierce (Ann Blyth). A relação entre mãe e filha é tão forte, que ambas desejam o mesmo homem, Monte Beragon (Zachary Scott), sedutor e sócio de Mildred no ramo dos restaurantes – que são um sucesso. Se tudo vai bem na vida profissional, a vida pessoal é cheia de turbulências. Mildred perde a caçula, Kay Pierce (Jo Ann Marlowe), vítima de pneumonia, precisa administrar os negócios e lidar com a outra filha, ambiciosa e egoísta. Quando Mildred descobre a relação que Veda mantém com Monte Beragon, que aparece morto no início, assume para si a culpa da morte.

Renasce uma estrela Apesar de um roteiro instigante e uma direção brilhante, o grande trunfo de “Alma em Suplício” é a atuação de Joan Crawford. Com a carreira estagnada, aos 41 anos, a atriz relançou sua carreira e marcou o seu nome definitivamente na história do cinema ao ganhar o Oscar de melhor atriz, em 1946, após viver Mildred Pierce na telona. O elenco de coadjuvantes contribui, mas o mérito é unicamente de Joan Crawford, com uma atuação forte, intensa e cativante.


CRÔNICA

Mude! (ou fique mudo)

Q

ue jogue a primeira pedra aquele que nunca teve medo de alguma mudança, por menor que seja. Mudar de casa, trocar de carro, terminar um relacionamento antigo ou até mesmo inovar no corte de cabelo são atitudes fáceis e que nos deixam renovados – mas isso tudo é muito lindo e tranquilo só no papel. Na vida real e na correria do dia-a-dia, existem grandes chances da casa ter rachaduras, do carro novo ser mais caro do que você imaginava, do ex-namorado se tornar um maníaco e do corte ser desastroso. E aí? O problema é que às vezes a gente se encontra naqueles momentos decisivos, em que ou vai ou racha. E em muitos desses momentos não adianta mudar só uma vírgula, não. O jeito é remanejar tudo, começar de novo, contar até três e jogar tudo pro alto mesmo. E aí, meu amigo, não tem tempo pra medo, não. Na verdade, o medo da mudança acaba sumindo no instante em que percebemos o quanto ela se tornou necessária. Na hora de assinar o con-

trato, de pegar a chave do carro, de ter uma bela DR ou quando o cabeleireiro está com a tesoura na mão, a única coisa que resta a fazer é seguir em frente e continuar com a intuição inicial, sem nem ao menos pensar em nada. É o momento em que você tem duas opções: acreditar no próprio taco ou continuar pensando no “e se”. E olha, nada contra a mesmice da sua vida, mas ficar sentado no sofá vendo a vida passar por medinho é a coisa mais tonta que existe. Porque sim, o tempo vai chegar. Você vai ficar velho. Vai perder a vontade. Vai perder as pessoas. Vai se transformar em um resmungão barrigudo que senta no sofá pra ver Domingão do Faustão junto com seus três gatos e uma esposa infeliz. E aí? Mudança o bastante

por Mônica Alves

pra você? Longe de mim querer fazer a autora de auto-ajuda, mas se rolou uma identificação, mesmo que remota, com a descrição acima, tá na hora de dar um jeito né, amigão. Não precisa jogar tudo pro alto, virar vegan e curtir a vida adoidado por aí, mas essa mentalidade de totem só dá certo pra estátua. Portanto mude um pouquinho, mesmo que isso signifique deixar o bigode crescer por uns tempos. Afinal de contas, toda revolução tem um início singelo.

Dezembro de 2011 - Revista TQP |33


CRÍTICA

Versão condensada do mundo

Em seu primeiro livro, a jornalista Vanessa Bárbara conta a história - e as histórias - do Terminal Rodoviário do Tietê, o maior da América Latina

por Marina Dias

34 | Revista TQP - Dezembro, 2011

Divulgação

O

Livro Amarelo do Terminal (Cosac Naify, 2008) é uma livro-reportagem sobre o Terminal Rodoviário do Tietê. Trata-se do trabalho de conclusão de curso da jornalista Vanessa Bárbara. O TCC não só virou livro como ganhou o Prêmio Jabuti. Vanessa conta em detalhes a história, o cotidiano e as histórias do maior terminal rodoviário da América Latina. Nascida em 1982, a jovem autora também é colaboradora da Revista Piauí, colunista de televisão na Folha de São Paulo e editora do almanaque virtual “A Hortaliça”. Em 2008, lançou em parceria com Emílio Fraia o livro “O Verão de Chibo”. Vanessa trata o terminal como “uma versão condensada do mundo” e explora muito bem todos os funcionários, passageiros, divisões, seções, plataformas, almoxarifados e a linguagem do lugar. O livro vai da história do terreno onde foi construído o terminal até diálogos entre passageiros que a autora ouve durante o tempo em que se infiltrou no lugar. Os relatos dos passageiros e funcionários se misturam com os relatos da autora, que passa de observadora a personagem da história. Com uma narrativa leve e engraçada, Vanessa

Bárbara acaba se identificando como parte daquele pequeno universo que constrói em sua reportagem. O projeto gráfico do Livro Amarelo do Terminal pode facilmente ser usado como argumento contra os e-books e tablets. O ditado de não julgar o livro pela capa, cai por terra. É um livro amarelo, com uma capa cheia de colagens de bilhetes, manchetes, placas e avisos. Quase uma síntese gráfica do conteúdo. As páginas – amarelas – são fei-

tas de um papel de baixa gramatura, fazendo referência às passagens de ônibus antigas e às paginas amarelas das listas telefônicas, onde as pessoas buscam informações. Para os capítulos que descrevem a construção, inauguração e consolidação do terminal, é usado papel branco auto-copiativo, com referência ao papel mimeografado. Além do material usado para a impressão do livro, o texto também tem interferências gráficas. Recortes de jornais e livros, citações grifadas, trechos escritos em fontes que simulam tintas de carimbos. Todos esses detalhes fazem o terminal saltar aos olhos do leitor. A descrição da movimentação no Carnaval e no Natal, a fala das atendentes, o andar cansado dos passageiros, tudo fica perfeitamente visível. Mérito da narrativa envolvente combinada com os recursos gráficos, que ressaltam o que é contado.

Serviço O Livro Amarelo do Terminal Autora: Vanessa Bárbara Editora: Cosac Naify Ano: 2008 253 páginas Preço: R$ 48,00


COLUNA

Agora é moda Novos ares e o mercado de luxo O dinheiro entra, as compras ficam mais agitadas e a economia do país se expande mais. E com o Brasil crescendo cada vez mais no cenário internacional, fica mais comum encontrar grifes desfilando pelas nossas ruas e ocupando um espaço maior nas nossas vitrines - e nos armários das mais afortunadas. Vem ficando cada dia mais nítido o impacto do crescimento econômico brasileiro na indústria da moda no país. A vinda de marcas internacionais ao Brasil é, provavelmente, um dos exemplos mais simbólicos disso. Além de novas lojas da Dior, Gucci e Louis Vuitton, o país deve receber em breve as primeiras lojas da Miu Miu, Prada e Lanvin, todas estrategicamente distribuídas em pontos conhecidos pelo luxo na cidade de São Paulo. A Issa, grife do vestido de noivado de Kate Middleton, também aterrisa por aqui em breve. E os sinais não param por aí. De acordo com estatísticas publicadas na revista Carta Capital, nos últimos oito anos o consumo de bens de luxo no país aumentou cerca de 35%, movimentando aproximadamente 5 bilhões de reais. Segundo outra publicação especializada, a Cosmetics & Toiletries, o mercado de luxo corresponde a 3% do PIB brasileiro. Traduzindo os números para uma realidade leiga, é muito dinheiro circulando por aí. Enquanto muitos acham que tudo provém de uma parcela mínima da

população e que esses indicadores só servem para apontar ainda mais as diferenças sociais no país, vale a pena lembrar que a economia é uma só. O impacto das compras que uma madame faz na Oscar Freire muitas vezes é mais significativo do que o de dez donas de casa em um loja de atacados, e é esse o movimento que atrai os investidores. Sem desmerecer ninguém – afinal de contas, estou muito mais perto do atacadão do que da Daslu – esse novo nicho que nasce na cultura brasileira tem tudo para criar muito mais do que apenas mocinhas ricas com bolsas de marca. Afinal de contas, não é novidade que tudo na moda se reinventa (um termo mais bonito para cópia e reciclagem). Dessa maneira, é fácil concluir que a mesma estampa presente na vitrine da Marc Jacobs do Shopping Cidade Jardim logo logo chega aos camelôs da 25 de março, encarregados de repassar essa tendência luxuosa para o dia-a-dia dos menos afortunados. E querendo ou não, é assim que o dinheiro gira.

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 35


COLUNA

Cinturas e Saboneteiras por Karina Constancio

O que é beleza para você?

Apesar de ser um termo bastante discutido e utilizado por nós no cotidiano, é uma pergunta difícil de ser respondida. Estamos a todo tempo classificando o que é belo, o que é feio, aquilo que agrada ou desagrada nosso olhar. Porém, o conceito que julga coisas concretas se mostra um tanto quanto subjetivo.

Ditadura do belo

Cultivamos uma noção de belo que nos é imposta até de modo imperceptível. Somos obrigadas a buscar incessantemente aquele corpo magro, sequinho e sem celulites. A ter um cabelo bom, uma pele de pêssego e um bumbum durinho. Haja fôlego, haja dinheiro para manter esse corpinho. Quem disse que isso é bonito? Com certeza alguém que não tem noção do quanto é difícil estudar, trabalhar, cuidar da casa e ainda no fim do dia arranjar tempo para hidratar o cabelo, fazer as unhas e ir à academia.

A beleza ideal. Isso existe?

Não estou falando para gente liberar geral e sair toda trabalhada no desleixo pela rua. Ao contrário, devemos, sim, nos sentir bem e a vontade com nossa aparência. Eu sei que isso faz bem e deixa a gente feliz. O que está errado é achar que para ser bonita a gente tem que ter o corpo e o rosto das “Angels” da Victoria’s Secret. A beleza é muito mais que o parecer. Também está intimamente ligada ao sentir.

36 | Revista TQP - Dezembro, 2011

Pela beleza real

O primeiro passo para ser bonita, é se sentir bonita. E para isso não é preciso de muito. Olhe no espelho, o que você mais gosta em você? Valorize. O que você menos gosta? Disfarce. A moda está aí para ser nossa aliada, não nossa inimiga. Sabe aquele batom vermelho? Aquele salto bafônico? Eles podem ser a pílula instantânea de auto estima. Você não é bonita, é linda! Com suas qualidades e defeitos, de tpm ou exalando bom humor. Espalhe essa ideia.


CRÔNICA

Rotina

O hábito de lembrar e refletir no dia a dia

A

Foto: Google

cordou com o despertador fazendo o seu show diário, irritante como sempre. Cochilou um pouco, levantou, tomou seu café, escovou os dentes, se trocou e partiu rumo ao ponto de ônibus. Enquanto esperava, conectou os fones de ouvido em seu aparelho de mp3 e apertou o play. No dia anterior tinha adicionado músicas “novas”, porque não aguentava mais ouvir as mesmas canções há três meses. Antes que começasse a tocar a primeira, o ônibus chegou. Entrou, carregando sua bolsa como se fosse um fardo pesado, e tudo que mais queria na vida era um banco para se sentar. Encontrou lá no fundo, ao lado de uma senhora, um que estava desocupado. Acomodou-se e, finalmente, começou a ouvir suas canções. E aconteceu mais uma vez. A trilha de sua infância tocava e remetia ao tempo mais feliz de sua vida. As lembranças chegavam aos poucos, acompanhadas de lágrimas nostálgicas. O primeiro dia na escola, as tardes na esperava é que sua adolescência secasa de sua avó e as brincadeiras com ria cheia desses momentos, intensos seu cachorro. Até mesmo o cheiro do e marcantes. O contato com o mundo bolo que sua mãe fazia parecia estar real pela primeira vez, com as pessoas, ali. Uma época em que a única preo- com as situações. Experiências nem sempre felizes, mas cupação era brincar. E O coração bateu que possibilitaram ao era bem feliz daquele mais forte, e a única adulto de hoje existir. jeito. Quase chegando ao Silêncio. Sua infân- coisa que conseguia seu destino começou a cia tinha sido interse lembrar era do pensar se existiria uma rompida. Na playlist primeiro beijo, música que em alguns aleatória tocava agora até então o maior poderia fazer lembraruma balada. O coração bateu mais forte, e a acontecimento de sua se dos dias atuais. Não sabia. Se deu conta de única coisa que convida que todas as suas lemseguia se lembrar era do primeiro beijo, até então o maior branças, com suas respectivas trilhas acontecimento de sua vida. O que não sonoras, não tinham sido planejadas.

por Guilherme Popolin

Ninguém planeja isso. Muitas vezes a música mais improvável marca uma situação, e só resta se acostumar e conviver com ela. Todo dia pensava nesses aspectos. O que mais fazia em sua vida era viver sua rotina, convivendo e se acostumando com os fatos. Queria um dia poder bater de frente com o que não concordava, se permitir viver ao seu tempo e ao seu modo, sem as cobranças e imposições da sociedade. O ônibus parou, se levantou e desceu. Seria mais um dia para conviver e se acostumar. Quem sabe amanhã não faria algo diferente? Ou depois de amanhã? Ou depois? Dezembro de 2011 - Revista TQP | 37


A luta pelo semelhante PERFIL

por Marina Dias

A história de um ex-morador de rua que aprendeu a lidar com toda a revolta, tristeza e amargor de sua condição, deu a volta por cima e passou a lutar para que menos pessoas passassem pelo mesmo sofrimento

38 | Revista TQP - Dezembro, 2011


Dezembro de 2011 - Revista TQP | 39


PERFIL

N

Todos usavam uma fita cor-de-rosa no peito. Senhoras com camisetas corde-rosa, iluminação cor-de-rosa. Era a abertura do “Outubro Rosa”, ação realizada no país inteiro em apoio à luta contra o câncer de mama. O Outubro Rosa encheu a casa, mas não estava nem perto de ser a pauta principal do dia. Passada a solenidade, a Câmara se esvaziou. Permaneceram os jornalistas, um grupo de advogados notadamente tensos e cinco rapazes em uma das galerias. Uma emissora de tv foi embora. Os vereadores decidiriam em seguida se seria ou não aberta uma comissão processante contra o Prefeito Barbosa Neto e seu vice, José Joaquim Ribeiro. Os dois poderiam ser investigados por conta de supostas irregularidades na contratação de uma empresa para o treinamento da Guarda Municipal. Caso fossem provadas, as denúncias poderiam derrubar o prefeito e seu vice. A CP não foi aberta. É comum que um grupo vá até a Câmara de Vereadores quando algo de seu interesse será discutido para pressionar os vereadores. Nesse caso, o assunto era de interesse da cidade toda, mas só cinco caras estavam sentados nas galerias. Londrina é uma cidade com muitas entidades que represen40 | Revista TQP - Dezembro, 2011

tam a sociedade civil. Naquela ocasião, a única entidade representada era o Movimento dos Moradores de Rua. Um dos cinco rapazes era Leonardo Aparecido Gomes, de 36 anos. Leonardo um dos representantes do Movimento dos Moradores de Rua de Londrina. Ele vive em um quarto alugado nos fundos de um boteco no centro da cidade. Leonardo conta que foi criado em um orfanato e nunca conheceu a família. “Fiquei muito revoltado e fui morar na rua”, diz ao relembrar o que o fez ir para a rua, em meados dos anos 90. No fim do ano de 1992, Londrina virou pauta do noticiário nacional por conta de um arrastão feito no Calçadão por um grupo de moradores de rua. Em 1993, na gestão de Luiz Eduardo Cheida, a cidade ganha uma política de atenção à população de rua. Na época, Márcia Lopes era secretária de assistência social. “Os meninos ficavam embaixo da rampa da Catedral. Eles viviam cheirando cola, não tinham nenhum tipo de proteção, hábitos de higiene ou segurança. Então começamos um projeto de atuação com os moradores de

Google Images

o dia 4 de outubro deste ano, uma terça-feira, a sessão da Câmara Municipal de Londrina tinha em pauta a votação e um assunto que poderia mudar os rumos da política no município. Por volta das três da tarde, a casa estava cheia. Um vereador, famoso por promover o que é chamado pelos corredores da Câmara de “Sessão da Tarde”, passava uma comovente história veiculada no “Domingão do Faustão”. Outro comentava uma festa que acontecia naquele momento do outro lado do mundo, em Osaka, Japão. Um terceiro parabenizava a UEL pelos seus 40 anos de vida.

rua”, relembra. Leonardo estava nesse grupo de aproximadamente 20 pessoas. Todos com um perfil parecido: sem vínculos com a família, usuários de drogas – principalmente cola –, baixa ou nenhuma escolaridade e muitas passagens pela polícia. A recuperação do grupo se deu através de um processo de aproximação e inclusão feito pela equipe da Secretaria de Assistência Social, com apoio do Movimento Nacional dos Moradores de Rua. O contato dos meninos e meninas de rua com o esporte foi muito impor-

“Ergui minha cabeça dentro da cadeia. Falei pros ladrões que não ia mais viver na rua”


Muitas pessoas acabam indo morar na rua por terem perdido seus vínculos familiares tante. Sobretudo com a capoeira. Márcia Lopes conta que a Secretaria levou o grupo para participar de uma roda de capoeira na Festa da Uva em Guaravera. “Foi a primeira relação deles com a sociedade que não fosse de agressão e violência mútua. A sociedade, que dizia que eles não tinham jeito, de repente se coloca em volta deles para aplaudílos.” Foi só em 2003 que o Brasil ganhou uma política nacional de atenção à população em situação e rua. Em 2008, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome divulgou uma pesquisa feita em 71 municípios brasileiros sobre os moradores de rua. Nas cidades pesquisadas, foram registrados 31922 moradores de rua. Predominantemen-

te homens entre 25 e 44 anos. O grupo de moradores de rua que começou a ser atendido na década de 90 em Londrina tomou diferentes rumos. Alguns morreram ou estão presos e outros conseguiram sair das ruas se reintegrar à sociedade, como Leonardo. Ele conta que foi na prisão que resolveu sair da rua. “Ergui minha cabeça dentro da cadeia. Falei pros ladrões que não ia mais viver na rua, que ia procurar um canto pra mim e montar um projeto. Deu certo”, conta. A decisão está ligada à conversão de Leonardo,

graças ao trabalho de um grupo religioso dentro da cadeia. Em liberdade, o ex-morador de rua foi convidado para integrar o movimento dos Moradores de Rua de Londrina. O movimento se reúne todas as quartas-feiras e por não ter sede própria ou recursos, conta com alguns apoiadores. Eles reivindicam melhorias na qualidade e no tratamento recebido nos abrigos e melhorias nas políticas de atendimento à população de rua do município. Leonardo sabe que para ser ouvido, o movimento deve ser atuante. Por isso a presença na Câmara de Vereadores e a atuação junto ao Ministério Público. “Em todo lugar o movimento está. Sessão da Câmara, passeatas... hoje você levou sorte que eu não tinha nenhum compromisso!”, brinca. Leonardo anda pelo centro de Londrina conversando com os moradores de rua. “Converso com eles, anoto tudo no meu caderno e depois levo para Curitiba (para a sede do movimento no Paraná). Londrina tem uns 300 moradores de rua. Fora os que vem de outras cidades”, explica. Márcia Lopes descreve a vida de Leonardo como uma trajetória de sobrevivência. “Ele é um sobrevivente. Começou a se engajar e a lutar para que outras pessoas não passem pelo sofrimento que ele passou. É uma referência de alguém que sobreviveu e está engajado politicamente.” Leonardo ainda tem pendências com a justiça, mas conseguiu ser solto para responder o processo em liberdade. Enquanto isso, estuda, procura emprego e atua no Movimento dos Moradores de Rua. “Quero ter um futuro melhor”, diz. Leonardo acredita que não estaria vivo se tivesse continuado a morar na rua. A história dele é de luta, superação e força de vontade. Uma lição que prova que dá sim para mudar de rumo na vida, mesmo quando quase nenhuma situação lhe é favorável.

“É uma referência de alguém que sobreviveu e está engajado politicamente”

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 41


COLUNA

Não viu ainda?

Por Guilherme Popolin

The Sound Of Music Você pode não ter asssitido ao filme, mas com certeza já ouviu a canção “DoRe-Mi”, tema de “A noviça rebelde” (The Sound Music), drama musical, dirigido por Robert Wise, em 1965. Considerado como um dos principais musicais da história do cinema, a trilha sonora é o elemento mais marcante, com suas músicas divertidas e empolgantes, que embalam as quase três horas de duração.

A história

Fotos: Google

Sob a sombra do nazismo, no final da década de 30, na Áustria, a noviça Maria (Julie Andrews) vive em um convento, mas encontra dificiculdades em seguir as normas impostas pelas freiras, por ser de um espírito livre e impulsivo. Maria vai traba-

42 | Revista TQP - Dezembro, 2011

lhar como governanta na casa do capitão Von Trapp (Christopher Plummer), viúvo, com sete filhos e com um rígido e impositivo sistema de educação. A noviça, através de suas músicas, leva alegria ao lar da família Von Trapp, conquista o carinho e respeito das crianças, além de se apaixonar pelo capitão, que estava comprometido com a baronesa (Eleanor Parker).

Para entreter A principal característica de “A noviça rebelde” é a sua leveza, com um roteiro simples e até divertido, encabeçado por Ernest Lehman. Foi feito para entreter e atingiu seu objetivo, pois contagiou e contagia até hoje quem assiste, mesmo aqueles mais resistentes com a longa duração e com a data em que foi produzido. No final, não tem como não

sair cantarolando e arriscando uns passos, com as músicas de autoria de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II.

Prêmios Apesar de se prolongar em suas sequências finais, com a mudança do espírito leve que acompanhou todo o filme, para uma aura mais sombria, com ênfase no nazismo que avançava na Áustria, “A noviça rebelde” conseguiu várias indicações e venceu muitas premiações. A mais importante delas foi o Oscar de melhor filme, em 1966. No mesmo ano levou as estátuetas de melhor diretor, melhor montagem, melhor som e melhor trilha sonora, além de outras cinco indicações. O álbum com a trilha sonora foi merecidamente nomeado ao Grammy de melhor álbum.


CRÔNICA

De quebrar as pernas

Porque temos essa mania besta de achar que estamos acima de tudo e sabemos de tudo, até que alguém nos dá uma rasteira joga na cara a realidade

E

stive pensando nessas coisas que nós ouvimos e passamos, dias, semanas, meses remoendo. Coisas que as vezes são ditas sem querer, mas nos fazem perder o rumo e repensar certos pontos da vida. Ou, como eu costumo dizer, coisas que te quebram as pernas. É aquilo que a gente ouve inesperadamente e, por mais que tenha sido dito sem a mínima pretensão de causar impacto, nos deixa no chão, como se fosse um golpe certeiro em cada joelho. Uma das pessoas que mais me quebrou as pernas, hoje tem seis anos de idade. Foram dois longos anos de espera até que ela e a irmã chegassem. Eu acompanhava tudo de longe, até o dia que soube que, finalmente, as duas já estavam na casa dos meus tios. E que eram minhas primas. Então elas vieram visitar. Em meia hora, já conheciam grande parte da família imensa onde elas vieram pa-

por Marina Dias rar. E para todos os efeitos, chamavam quem viam pela frente de “tia” e “tio”, porque na cabeça delas, primo é quem tem a mesma idade. Então eu virei a tia-prima. Criança só quer saber de correr por aí e fazer bagunça, então a tia-prima, que não curte muito correr, não era lá muito interessante para aquelas duas meninas que tinham acabado de ganhar uns 10 primos corredores e bagunceiros. Até que eu resolvi assistir “O Mágico de Oz”. A menina mais nova se interessou por aquela coisa de casa voando, bruxa, espantalho e sapatos de rubi. Até que chegou a hora da pausa para tomar alguma coisa e ir ao banheiro. A menina é boa de papo. Me descrevia o quarto dela, que eu já conhecia. “É, eu conheço seu quarto, já fui na sua casa”, eu disse. “Não foi não, tia! Eu não lembro de você lá!” Ela segurava um copo d’água com as mãos gordinhas

e enquanto eu falava, ela dava longos goles. “É que quando eu fui, você e a sua irmã ainda não tinham chego”. Ela fala muito rápido, as vezes é difícil entender. “Ah, eu ainda morava na casa lar. Ô tia, cê sabe quantas crianças tem lá na casa que eu morava?” “Não…” e antes que eu perguntasse quantas eram, antes mesmo que eu pensasse no que ela tinha dito, ela arregala os olhos escuros e diz: um monte! Larga o copo na pia e sai correndo pra sala, sem imaginar o que tinha me causado. Um monte de crianças. Um monte de crianças que talvez não encontrem uma família que as queira. Um monte de crianças que passaram por coisas que a gente, que sempre teve tudo, nem imagina. E eu, que achava que sabia alguma coisa, acabei desconcertada depois de ouvir duas palavras de uma pessoa de quatro anos.

Google Images

Foto: Google

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 43


RESENHA CRÍTICA

Mas não é verdade POR_ KARINA CONSTANCIO

R

ealidade ou Ficção? Se você é jornalista, não hesitaria em escolher a primeira opção. Na verdade, isso é sua obrigação. O trabalho do jornalista está intimamente ligado a realidade e não tem como se separar dela. Lógico que a representação do real elaborada por qualquer trabalho jornalístico não é uma cópia fiel do fato, depende do olhar do observador. Porém, a base para qualquer jornalista é trabalhar com a verdade. É essa discussão que o filme Shattered Glass, intitulado em português como “O preço de uma verdade”, levanta. O filme dirigido por Billy Ray foi lançado em 2003 e teve seu roteiro baseado no artigo de Buzz Bissinger escrito para a revista Vanity Fair em setembro de 1998. O longa é baseado na história do jornalista Stephen Glass (Hayden Christensen) . Jovem que com seus vinte e poucos anos conseguiu se destacar no meio jornalístico como redator da respeitada revista “The New Replubic”, assim como da “Rolling Stones”, da “George” e da “Harper’s”. Seus artigos mostravam a criatividade e domínio da escrita, o que o fez ganhar importância na redação da “The New Repulic”. O que os editores não perceberam é que os esquisitos e surpreendentes acontecimentos que marcavam os artigos de Glass, também eram fantasiosos. Dos 41 artigos publicados, 27 eram ficção. “Hack Heaven” (O Paraíso dos Hackers), sua última reportagem para a revista, despertou a desconfiança de um jornalista da Forbes Digital, Adam Penenberg (Steve Zahn), que resolveu checar as fontes utlizadas. A partir disso, a farsa de Stephen Glass começa a ser descoberta. O filme retrata de forma satisfatória e envolvente a trajetória do jovem jornalista, do auge até sua queda. O recurso narrativo de utilizar o próprio Glass para contar a sua história, insere o público na mente do personagem e revela a complexidade de sua personalidade. Ele vivia num mundo criado por si mesmo. Pode-se notar uma tendência de colocar o jornalista como um louco e com 44 | Revista TQP - Dezembro, 2011


RESENHA CRÍTICA Fotos do filme - Google

vários problemas emocionais. Está aí o ponto chave. Esses problemas são mostrados como uma justificativa para os atos cometidos por ele, enquanto, na verdade, Stephen Glass percebeu uma deficiência na checagem de dados da equipe da “The New Republic” e conseguiu tirar proveito disso. A ambição do jornalista é a justificativa para os seus atos. O principal ponto levantado pelo filme é a ética jornalística e o compromisso com a verdade, mas essa discussão não precisa parar nas redações, ela deve ser estendida. Até que ponto estamos dispostos a ir para conseguir o nosso objetivo? É possível que uma mentira se esgote nela mesma ou ela sempre vem acompanhada de outra mentira? Stephen Glass não trabalha mais como jornalista. Em 2003, ele escreveu seu primeiro romance que conta a história de um jovem e ambicioso jornalista que inventa personagens e fatos para conseguir o sucesso profissional. O livro dele não é ficção.

FICHA TÉCNICA Título Original: Shattered Glass Gênero: Drama Direção: Billy Ray Tempo de Duração: 103 minutos Ano de Lançamento (EUA): 2003 Elenco: Hayden Christensen, Chloë Sevigny, Steve Zahn

Dezembro de 2011 - Revista TQP | 45


CRÔNICA

Pratique já!

Separe seus apetrechos, mande a vergonha embora e abuse do fetiche

F

etiche. Impossível ler essa palavra e não pensar na velha e boa sacanagem, seja a dois, a três, ou o quanto a sua imaginação permitir. Todo mundo tem, impossível negar. Se ainda não tem, aguarde o seu momento, porque mais cedo ou mais tarde você vai descobrir o seu. Pode ser por um objeto, lugar, fantasia ou pessoa. As opções são tantas e você pode ter mais de um. Olha só que delícia. Mas se sua vida é tão animada quanto a de uma alface e você está em dúvida se tem, ou não, o fetiche por algo, faça o seguinte: busque lá no fundo da sua mente, algo

por Guilherme Popolin que sempre quis ter, fazer ou receber, mas que está lá escondido. Provavelmente o achado será muito prazeroso. Não tem sentido esconder algo que, se usado, só vai trazer coisa boa. Muita gente esconde –algumas pra sempre – por que tem medo ou vergonha. Em alguns casos é aconselhável procurar um psicólogo, mas recomendaria somente em casos graves. É o caso de quem sente prazer em ouvir insetos esmagados. Mas se você apenas quer o seu vizinho, se lambuzar no chantilly, usar um chicote e praticar um voyeurismo de leve, tá tudo bem. O voyeurismo até dá, mas o bom

mesmo é colocar em prática o seu fetiche com ajuda de alguém. Não existe necessidade de climão ou constrangimento em expor o que tem vontade para o seu parceiro (a). Com certeza a outra pessoa também tem o fetiche dela. Não sendo um banho romano, tem mais é que curtir. Ou até pode ser o tal banho, vai que você gosta. Fetiche não tem a ver apenas com sexo. Mas como foi escrito no começo, impossível separar os dois, formam um casal tão lindo. Que continuem sempre juntos, felizes para sempre e, o mais importante, bem safadinhos.

Fotos: Google

CRÔNICA POPOLIN

46 | Revista TQP - Dezembro, 2011


COLUNA

Cinturas e Saboneteiras

por Karina Constancio

N

ão dá pra negar que a imagem feminina mudou ao longo do tempo. A mulher construiu um novo jeito de se mostrar para o resto do mundo, retirou de pauta aquela visão de fragilidade e submissão. O título de sexo frágil se revelou como uma mentira absurda. E isso não aconteceu do nada, é consequência da ação de uma série de mulheres que conseguiram inverter o rumo das coisas e construir uma nova fase na história. A fase dirigida e interpretada por nós. Pensando nisso, resolvi fazer uma lista de quatro mulheres que de alguma forma contribuíram para essa mudança e conseguiram ser influentes na música, na política, na religião, na moda, no cinema ou na literatura. (Já antecipo que foi difícil escolher só quatro e que vai faltar muita gente importante).

“Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota” Madre Tereza de Calcutá “Mulheres comportadas, raramente fazem história” Marilyn Monroe “Vista-se mal e notarão o vestido. Vista-se bem e notarão a mulher” Coco Chanel

2. Marilyn Monroe

Imortalizada como símbolo de sensualidade, ela é citada como a maior estrela de Hollywood de todos os tempos.

4. Madonna

1 . Madre Teresa de Calcutá

“ A razão pela qual intolerância, sexismo, racismo e homofobia existem é o medo. As pessoas têm medo de seus próprios sentimentos.” Madonna

Rainha do Pop, se tornou a segunda maior artista de todos os tempos, de acordo com a revista Billboard, e uma das 25 mulheres mais influentes do mundo, segundo a Times.

Considerada a “missionária do século XX, tornou-se um dos maiores símbolos de generosidade em todo o mundo.

3. Coco Chanel Realmente, uma mulher a frente de seu tempo, seu estilo dita tendências até hoje na moda mundial. O cárdigã, o vestido preto e as pérolas tornaram-se sua marca registrada, uma marca que formou um império. Dezembro de 2011 - Revista TQP |47


CRÔNICA

O primeiro...de muitos? por Karina Constancio

N

ão consigo dormir. Viro de um lado, viro do outro e parece que minha cama nunca foi tão desconfortável como agora. Tento fingir que não sei o motivo para toda essa insônia, mas os meus pensamentos insistem em me trair. Aquela ligação não sai da minha cabeça: - “Estava pensando, a gente podia fazer alguma coisa amanhã, né?”. Claro que a gente podia, achei que você nunca fosse perguntar. Lógico que minha resposta não foi essa, segurei a ansiedade e apenas concordei sem dar muita bandeira. É, mas essa atitude polida foi até desligar o telefone. Agora estou aqui, sem dormir e preocupada com as mil coisas que podem acontecer e que ainda não aconteceram. É a síndrome do primeiro encontro. E quando eu digo “primeiro encontro”, eu estou falando daquele primeiro encontro marcado. Esse é o pior. Porque aquele primeiro encontro surpresa, que acontece por obra do famoso destino... ah, esse se desenvolve sem muitas atitudes planejadas, não tem toda aquela “pré-ocupação” e por isso, se desenrola de forma mais natural. Geralmente, o primeiro encontro marcado implica em um jantar, almoço ou algo que envolva comida. E, sério, comer na frente de alguém é algo muito intimo. Sem contar que tem sempre o risco de rolar um alface no dente ou o cara palitá-los depois da refeição. Aí tem a opção de sair para beber e junto com ela o risco de exagerar na dose e dar bafão ou “fazer a Sandy” e ele te achar uma chata. Depois também tem o drama de quem vai pagar a conta. Esse aí é velho e ainda rende muitas dúvidas. Eu pago? Ele paga? Pelo menos me ofereço para pagar, né? Meio a meio? Cheguei a conclusão que o melhor é ir preparada para pagar a sua parte, insistir e se ele não aceitar, seja a primeira a desistir e acabe com aquele sufoco. E a volta para casa? Se ele tiver carro, problema resolvido. Se você tiver carro, problema mais que resolvido. Agora se não tiver, vamos dividir o táxi ou cada um vai para o seu lado? Ou ainda, vamos mesmo voltar para casa? Aí o dilema chegou no seu ápice. É o eternizado pelos filmes de sessão da tarde: “Você quer entrar?”. Além de tudo isso, ainda tem todos aqueles dramas de que roupa usar, como se comportar e o medo de ele não gostar tanto assim de você depois de te conhecer melhor. Talvez certas coisas devessem vir com manuais, mas acho que a graça toda ia ficar perdida. Não consigo dormir. Viro de um lado, viro do outro e parece que minha cama nunca foi tão desconfortável como agora...

48 | Revista TQP - Dezembro, 2011


Revista TQP - Tem Que Pensar  

Revista online desenvolvida pelos estudantes do 3º ano - Jornalismo Matutino 2011 para a disciplina “Técnicas de Reportagem, Entrevista e Pe...