Issuu on Google+

30. Metas de controle glicĂŞmico em idosos


30. Metas de controle glicêmico em idosos DS, 72 anos. Diagnóstico de DM2 há 24 anos, presença de retinopatia diabética leve. HAS há 20 anos. AF: mãe DM, HAS, falecida aos 74 anos por AVC. Pai falecido por causa desconhecida. 5 filhos (01 filha de 52 anos com DM2 recém diagnosticado). Refere que o diabetes sempre foi bem controlado e que sempre cuidou bem alimentação e nunca deixou de fazer os exames que o médico pedia. Há mais ou menos 5 anos, caiu da própria altura e feriu a perna D, com infecção local e precisou tomar antibiótico. Nesta época também começou a usar insulina à noite e a dose de metformina foi diminuída. Em uso de: Metformina 500mg 2x/dia; Glibenclamida 10mg 2x/dia; Captopril 25mg 2x/dia; Sinvastatina 10mg à noite; AAS 100mg 1x/dia; insulina NPH 24 UI antes de dormir. EF: altura: 158cm, peso: 71kg, PA: 140x90 mmHg deitada e em pé. Exame do pé: pulsos periféricos presentes e simétricos 4+/4+, sensibilidade tátil ao monofilamento de 10g diminuída, sensibilidade vibratória sem alteração. Exames laboratoriais: Glicemia de jejum: 197mg/dL, HbAic 11,6%, colesterol total: 209mg/dL, HDL: 52mg/dL, LDL: 133mg/dL, TG: 118mg/dL, Cr: 1,3mg/dL. Microalbumúria: 80mg/g creatinina urinária. Na última avaliação a UBS emprestou um glicosímetro e tiras para que a paciente fizesse o controle domiciliar, como descrito abaixo.


Como trata-se de uma senhora de 72 anos, em bom estado geral e capaz do autocuidado, como poderia acertar a dose de medicação?

DISCUSSÃO As metas para o controle glicêmico podem variar segundo a faixa etária do paciente (como mostrado na tabela 1. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011). Sabe-se que, com indivíduos idosos, acamados ou com várias comorbidades, não se deve almejar controles muito estritos pelo risco de hipoglicemia, mas como a paciente em questão encontra-se em bom estado geral e é capaz do autocuidado, a meta de Hb glicada para ela seria abaixo de 8%.


Metas de controle glicêmico em idosos