Issuu on Google+

RESUMO CBTMS 2013: ANÁLISE DO PROGRAMA DE TELEMEDICINA EM CARDIOLOGIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO: custo-benefício do serviço de telecardiologia Oliveira, D.G.1; Maia, D.N.C.1 Freire, J.P1 e Medeiros,O.O. 1 Secretaria Estadual de Saúde Rua Dona Maria Augusta, 519, Bongi, Recife-PE, CEP: 50751-530 dulcineide.oliveira@gmail.com OBJETIVOS: Analisar o custo-benefício do Programa de Telemedicina em Cardiologia (PTC) nas Unidades de Pronto Atendimento e Hospitais Regionais de Pernambuco no período de agosto de 2012 a agosto de 2013. METODOLOGIA: Foi realizado um estudo baseado na Análise da produtividade que consiste em estudar o modo como os recursos são usados para produzir serviços. A implantação do serviço de telediagnóstico em cardiologia através do Programa de Telemedicina em Cardiologia (PTC) ocorreu por meio de estruturação do serviço em 28 unidades de saúde do Estado de Pernambuco, sendo 14 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e 14 Hospitais Regionais. São realizados eletrocardiogramas digitalizados para transmissão à distância. As unidades foram equipadas com eletrocardiógrafo digital, microcomputador completo e módulo para eletrocardiograma com registro da ANVISA, impressora e estabilizador. Foi realizado treinamento para os médicos e outros profissionais, sobre o manuseio dos equipamentos e software, para realização e recebimento dos laudos via internet e impressão dos mesmos. Foram ainda distribuídos manuais contendo orientações sob forma de diagnósticos e tratamento nas emergências cardiovasculares que deverão estar de acordo com os Protocolos da Sociedade Brasileira de Cardiologia. E o estudo foi baseado na análise da base de dados do Sistema de Acompanhamento dos Exames do PTC. RESULTADOS: Na análise dos laudos realizados pelos 28 pontos de Telecardiologia do PTC houve uma produção anual de 81.164 ECGs, representando uma média mensal de 6.764. O custo médio do ECG no PTC é de R$ 8,06, considerado abaixo do valor do mercado privado de acordo com pesquisa realizada no momento da análise, e um pouco acima do valor da tabela SUS que atualmente é de R$ 5,15. Porém, este custo é considerado coerente em sua aplicação tendo em vista que nos hospitais do SUS houveram outros investimentos associados a realização deste procedimento, tais como, equipagem e manutenção, entre outros. O valor final está relacionado ao serviço de emissão dos laudos e discussão do caso clínico quando necessário. A discussão de caso pode ocorrer tanto por internet como por telefone. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: Os resultados obtidos apontam que o custo-benefício dos serviços do PTC tem factibilidade, uma vez que o custo final corresponde à cobertura total da estruturação do serviço com software e eletrocadiógrafo digital incluídos no contrato com empresa prestadora. A implantação do serviço de telecardiologia nas referidas unidades, como apoio a decisão médica, tem contribuído com a redução dos encaminhamentos desnecessários para serviços de maior complexidade, fechamento de diagnóstico precoce, além de otimizado outros custos associados, como exemplo do uso do trombolítico, uma vez que este procedimento é realizado a partir da análise dos laudos emitidos pelos cardiologistas de referência. Ressalta-se ainda que o valor unitário do ECG tem diminuído a partir da utilização crescente, devido ao fato do custo para o estado esta relacionado a pagamento do ponto é fixo. Conclui-se que o serviço de telecárdio apresenta viabilidade econômica, considerando o benefício direto da realização do ECG, além de impactar na melhoria da qualidade da assistência prestada a população.


A140