Issuu on Google+

Visitas em ambientes virtuais manejadas por cardiologistas pediátricos: relato de experiência. Autores: 1. Andrea Dantas Sena: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 2. Alyne Rananci Florêncio: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 3. Candyce de Andrade Cardoso: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 4. Vanessa Oliveira Pacífico de Souza: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 5. Lúcia Roberta Didier Nunes Moser: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 6. Felipe Alves Mourato: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) 7. Sandra da Silva Mattos: Círculo do Coração de Pernambuco, Recife (PE) Objetivos: Relatar a experiência e qualidade de contatos diários entre um centro de cardiologia pediátrica e 14 centros de saúde públicos da Paraíba, como parte de uma rede assistencial a criança cardiopata. Métodos: Diariamente os cardiologistas deviam entrar em contato com os centros de saúde para a visita clínica virtual. Poderiam fazer isso por três formas: utilização do sistema WebEx, via Skype ou por meio telefônico. O meio preferencial seria o WebEx e o contato telefônico só poderia ser feito caso a maternidade não atendesse as solicitações de contato pelos outros dois meios ou quando o acesso a internet por parte das maternidades não fosse satisfatória (boa parte delas não tinham acesso a banda larga). Ao final das visitas, os cardiologistas deveriam preencher um questionário onde eram colocados a quantidade de vezes que solicitaram contato através do WebEx, Skype e meio telefônico, se houve pacientes a serem discutidos naquele dia, quantidade de pacientes discutidos, se houve ecocardiogramas de triagem a serem discutidos naquele dia, quantidade de ecocardiogramas discutidos, se houve dificuldades técnicas no contato e quais dificuldades técnicas apresentadas. O período da análise foi de 02/01/2013 a 05/08/2013. Resultados: Foram realizadas 1523 visitas no período. Contato utilizando o sistema WebEx foi realizado com sucesso em 448 contatos, utilizando o sistema Skype em 721


contatos e foi necessário o contato por telefone em 496 casos. Mais de um tipo de contato pode ter sido utilizado numa mesma visita. Cem ecocardiogramas foram discutidos num total de 116 visitas. Um total de 875 pacientes foi discutido. Um total de 363 visitas apresentou algum tipo de dificuldade técnica. Mais de 70% ocorrem por dificuldades de conexão e de responder aos chamados da rede. Por outro lado, a quantidade de dificuldades técnicas tendeu a cair com o tempo. Discussão: Devido ao impacto das cardiopatias congênitas na morbimortalidade neonatal, associada com a falta de profissionais capacitados para o correto diagnóstico dessas entidades em várias localidades, a telemecidina surge como uma ótima ferramenta para diminuir a carência desses profissionais. Dos três sistemas escolhidos para contato entre as maternidades e o centro de referência o mais utilizado foi o Skype. Isso se deveu, principalmente, as dificuldades de utilização do WebEx por parte dos usuários das maternidades e as dificuldades locais de manter uma conexão estável. O contato telefônico representou boa parte dos contatos, mostrando uma adaptação progressiva das maternidades ao sistema. Foram encontradas dificuldades técnicas, principalmente relacionadas a baixa qualidade da conexão em boa parte dos centros (apenas seis tinham acesso à banda larga) e as dificuldades de utilização dos programas por parte dos usuários. No entanto a experiência da equipe do centro de referência associada com a boa vontade das equipes de saúde dos centros selecionados contornaram tais problemas. Conclusão: O estabelecimento de uma rede de telecardiologia pediátrica com poucos recursos tecnológicos é possível, desde que orientada por um centro de referência. As visitas diárias realizadas por cardiologistas pediátricos orientaram a triagem e evolução clínica de centenas de pacientes em regiões que não contam com a presença de tais profissionais. Contatos: 1. 2. 3. 4. 5.

Andrea Dantas Sena: andreadsena@gmail.com Alyne Rananci Florêncio: alyneranaci@gmail.com Candyce de Andrade Cardoso: candycecardoso@hotmail.com Vanessa Oliveira Pacífico de Souza: vanpacifico@hotmail.com Lúcia Roberta Didier Nunes Moser: luciardnmoser@gmail.com


6. Felipe Alves Mourato: felipe.a.mourato@gmail.com 7. Sandra da Silva Mattos: ssmattos@gmail.com


A125