Issuu on Google+

Tecnologia móvel no apoio a teleconsultoria: o caso do Telessaúde-ES Autores – Jordano Ribeiro Celestrini (Instituto Federal do Espírito Santo – Ifes/ES, Vitória-ES); Wesley Pereira da Silva (Telessaúde-ES - Instituto Federal do Espírito Santo – Ifes/ES, Vitória-ES); Ana Carolina Lopes Sylvan (Telessaúde-ES - Vitória/ES); Franciane Leão Meneguite (Telessaúde-ES – Vitória/ES); Rodrigo Varejão Andreão (Instituto Federal do Espírito Santo – Ifes/ES, Vitória/ES); Marcelo Queiroz Schimidt (Instituto Federal do Espírito Santo – Ifes/ES, Vitória/ES). Objetivo: O objetivo deste estudo é apresentar a utilização de tecnologia móvel no apoio a teleconsultoria, no âmbito do Telessaúde-ES e descrever seu contexto de utilização. Métodos: O procedimento metodológico adotado iniciou a partir da análise de artigos científicos para buscar referencial teórico relativo ao uso de tecnologias móveis. Na sequencia, foram analisados os dados administrativos da plataforma Salus, considerando os quantitativos de municípios participantes do programa, profissionais de saúde cadastrados e requisições de teleconsultoria. Resultados e discussão: o Governo Federal, por intermédio do Ministério da Saúde, criou o programa Telessaúde Brasil Redes. Seu objetivo é melhorar a qualidade do atendimento e da atenção básica no Sistema Único da Saúde (SUS). Para isso, o programa integra prestação de serviço e ensino a partir do uso de ferramentas de tecnologias da informação e comunicação. O projeto Telessaúde Espírito Santo (Telessaúde-ES) é um dos executores do programa Telessaúde Brasil Redes. A teleconsultoria é a ação primordial do Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica. Logo, após sua instituição, o Telessaúde-ES começou a desenvolver um sistema para suportar essa finalidade. A plataforma Salus foi o sistema desenvolvido pelo Telessaúde-ES para ser sua ferramenta padrão de teleconsultoria. Nela, todo fluxo de informação proveniente da teleconsultoria é trafegado via Internet. O projeto Telessaúde prevê a informatização da Unidade de Saúde para utilização do sistema de teleconsultoria. Sendo assim, a plataforma Salus foi projetada para ser acessada a partir de computadores conectados à web. Contudo, a referida informatização compreende a instalação de um microcomputador conectado à


Internet com kit multimídia, webcam e máquina digital. Considerando o tempo médio de atendimento dos pacientes, aproximadamente 15 minutos, notou-se que a portabilidade da plataforma Salus para dispositivos móveis poderia facilitar seu uso e difundi-lo, melhorando a prestação do serviço de teleconsultoria. Sendo assim, para incrementar a qualidade do serviço de teleconsultoria, o Telessaúde-ES priorizou a expansão do acesso ao sistema. A rota escolhida para ampliação foi prover à plataforma a possibilidade de ser acessada via smartphones, pois o aumento significativo do uso de dispositivos computacionais móveis apresenta-se como uma tendência contemporânea. Foi utilizada a metodologia de desenvolvimento web hibrida, isso evitou retrabalho, pois a plataforma Salus havia sido implementada para web. Conclusão: o Telessaúde-ES disponibilizou sua plataforma de teleconsultoria para acesso via smartphones a fim de sanar as questões relatadas.

O

monitoramento do uso desta funcionalidade está sendo feito. Um perspectiva futura é avaliar os dados provenientes deste monitoramente a fim de verificar o alcance dos benefícios pretendidos.

Autores: Jordano Celestrini; jordano@ifes.edu.br Wesley Pereira; wesley@ifes.edu.br Ana Carolina Sylvan; anasylvan@gmail.com Franciane Leão; franciane.leao@hotmail.com Rodrigo Varejão; rodrigova@ifes.edu.br Marcelo Queiroz; marcelos@ifes.edu.br


A107