Issuu on Google+

televisão, cinema e mídias eletrônicas

ano 14_#156_dezembro2005

FERMENTO NO BOLO Copa do Mundo, eleições e economia puxam para cima as projeções de faturamento da televisão

CINEMA

Gustavo Dahl avalia os primeiros quatro anos da Ancine

PRODUÇÃO

Aumento dos custos aperta as margens das produtoras


N達o disponivel


N達o disponivel


Foto: marcelo kahn

(editorial ) Diretor e Editor Diretor Editorial Diretor Editorial Diretor Comercial Diretor Financeiro Gerente de Marketing e Circulação Administração

Rubens Glasberg André Mermelstein Samuel Possebon Manoel Fernandez Otavio Jardanovski Gislaine Gaspar Vilma Pereira (Gerente), Gilberto Taques (Assistente Financeiro)

André Mermelstein

a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Conteúdo em questão

E Editora de Programação e Conteúdo Editor Tela Viva News Redação Sucursal Brasília Arte

Depar­ta­men­to Comer­cial Webmaster Central de Assinaturas

Edianez Parente Fernando Lauterjung Daniele Frederico, Lizandra de Almeida (Colaboradora) Carlos Eduardo Zanatta (Chefe da Sucursal) Carlos Edmur Cason (Edi­ção de Arte) Debora Harue (Assistente) Rubens Jar­dim (Pro­du­ção Grá­fi­ca) Geral­do José Noguei­ra (Edi­to­ra­ção Ele­trô­ni­ca) Almir Lopes (Geren­te), Iva­ne­ti Longo (Assis­ten­te) Marcelo Pressi 0800 0145022 das 9 às 19 horas de segunda a sexta-feira

Internet E-mail

www.telaviva.com.br subscribe@telaviva.com.br

Redação E-mail

(11) 2123-2600 telaviva@telaviva.com.br

Publicidade E-mail

(11) 3214-3747 comercial@telaviva.com.br

Impressão

Ipsis Gráfica e Editora S.A.

Tela Viva é uma publicação mensal da Editora Glasberg - Rua Sergipe, 401, Conj. 605, CEP 01243-001. Telefone: (11) 2123-2600 e Fax: (11) 3257-5910. São Paulo, SP. Sucursal Setor Comercial Norte - Quadra 02 Bloco D - torre B - sala 424 - CEP 70712-903. Fone/Fax: (61) 3327-3755 Brasília, DF Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A Os artigos da Broadcast Engineering® (www.broadcastengineering.com), da Millimeter® (www. millimeter.com) e da Video Systems® (www.videosystems.com) são republicados sob licença da Primedia Business Magazines & Media Inc. Todos os direitos são reservados pela Primedia Inc.

m 2006, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deverá julgar a fusão entre DirecTV e Sky, que poderá resultar na formação de um grande operador de TV por assinatura via satélite (DTH) com mais de 1,3 milhão de assinantes. Será um dos momentos mais importantes na história da TV por assinatura no Brasil. Não porque a fusão represente riscos ou ameaças, pois as duas operadoras já estão no Brasil há dez anos, com os mesmos acionistas, e isso representou avanços reais na consolidação do mercado brasileiro de TV paga. Ao contrário, a fusão das duas operadoras deve ser benéfica porque traz perspectivas de viabilidade reais ao mercado de DTH, que tem altíssimos custos de operação. É algo de que a TV por assinatura no Brasil precisa. O fato histórico a ser destacado é que, pela primeira vez, os órgãos de defesa da concorrência serão envolvidos na análise do mercado de comunicação, em particular nas definições que dizem respeito ao conteúdo, ao que é veiculado. Comunicação não é uma atividade privada qualquer, que pode ser exercida sem a atenção do Estado. Comunicação é algo que envolve o direito de expressão e informação de uma sociedade, dois princípios que estão nas raízes e um ambiente democrático e livre. No momento em que o Cade e as demais instâncias que zelam pelas questões concorrenciais olharem para a fusão, estarão olhando não apenas para duas empresas e um mercado. Estarão olhando, pela primeira vez na história recente do Brasil, para os interesses da sociedade no que se refere à pluralidade e à diversidade de informação. O desafio será balancear as condições de aprovação da fusão para, não necessariamente nesta ordem: 1) não inviabilizar economicamente a operação; 2) não criar um ambiente xenófobo, por um lado; 3) não alijar os agentes econômicos brasileiros do mercado, por outro lado; 4) garantir uma concorrência justa e, principalmente; 5) garantir ao telespectador plena liberdade de acesso às fontes de informação e entretenimento que ele escolher. Os melhores exemplos na Europa e nos EUA mostram que este desafio não é único do Brasil. Por isso, torcemos para que a análise da fusão entre DirecTV e Sky não seja apenas um episódio isolado, mas que sirva de aprendizado para a regulação futura do mercado de comunicação no Brasil.

ilustração de capa: ricardo bardal



T e l a

V i v a

dez 2 0 0 5


N達o disponivel


Ano14 _156_ dez/05

(índice)

(cartas) Mipcom Parabéns pela excelente cobertura do Mipcom. Especialmente pelo grande serviço prestado à produção independente. Grande abraço, Marco Altberg Presidente da ABPI-TV

Pingüins Fiquei muito feliz ao ler a matéria sobre o filme “A Marcha do Imperador”, que é a maior bilheteria de um filme francês na história. Depois do sucesso de documentários como “Super Size Me” e “Tiros em Columbine”, ficou provado que é possível fazer com que os documentários tornemse blockbusters e sejam rentáveis para o cinema. Temos de aguardar ansiosamente pelo filme no Brasil! Alexandre Prado São Paulo, SP

18

Ano Novo gordo 28 Canais abertos e pagos apostam no crescimento de publicidade em 2006

scanner figuras entrevista

8 16 18

Gustavo Dahl aponta os caminhos para a Ancine 34

publicidade

34

Produtoras reduzem as suas margens de lucro

tv por assinatura

38

Relação entre programadoras e operadoras em xeque

audiência no ar making of artigo

41 42 44 46

Diversidade cultural tem vitória na Unesco, por Petrus Barreto

cinema

48

Curtas e médias ganham espaço em Vitória

upgrade agenda

49 Tela Viva edita as cartas recebidas, para adequá-las a este espaço, procurando manter a máxima fidelidade ao seu conteúdo. Envie suas críticas, comentários e sugestões para cartas@ telaviva.com.br.

Acompanhe as notícias mais recentes do mercado

telavivanews www.telaviva.com.br 0

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

49 50


N達o disponivel


( scanner ) Cota para o Mercosul

Artigo 1º fica até 2016 A Comissão de Educação do Senado Federal aprovou no final de novembro o relatório do senador Gerson Camata (PMDB/ES) sobre o projeto de lei (PLS 361/2005), apresentado pelo senador Sérgio Cabral (PMDB/RJ), que prorroga até o final de 2016 os efeitos do artigo primeiro da Lei 8.685/93, a Lei do Audiovisual. Trata-se do mecanismo que incentiva os investimentos em produção audiovisual através de dedução de parcela do Imposto de Renda. Por força do disposto no artigo 50 da Medida Provisória nº 2.228-1, de 6 de setembro de 2001, a vigência do Artigo 1º expiraria em 2006. Como o projeto é terminativo na Comissão de Educação, se não houver recurso para apreciação em plenário o texto vai à Câmara dos Deputados para apreciação.

Comissão de marco regulatório Na última reunião do ano, realizada em 5 de dezembro, o Conselho de Comunicação Social do Senado criou duas novas comissões técnicas: Comissão do Marco Regulatório, que será coordenada por Paulo Machado de Carvalho Neto, e a Comissão de Liberdade de Expressão, a ser coordenada pelo conselheiro Gilberto Leifert. A criação das duas novas comissões, que começam a funcionar a partir de março, só foi possível pelo encerramento dos trabalhos da Comissão de Concentração na Mídia e pela fusão da Comissão de Regionalização e Qualidade da Programação com a Comissão de Radiodifusão Comunitária.

0

Durante a Reunião das Autoridades Cinematográficas e Audiovisuais do Mercosul (Recam), que aconteceu no dia 17 de novembro em Salvador, foi elaborada uma proposta de resolução do grupo do mercado comum, a partir da qual será feita uma consulta aos agentes privados do mercado cinematográfico e aos órgãos de governo dos países associados para estabelecer parâmetros de tratamento de filme local para os filmes originários dos países do bloco, estabelecendo assim a cota de tela do Mercosul. Segundo a Ancine, a expectativa é de que este processo de consulta e análise das propostas dure cerca de 120 dias. Outra proposta que está sendo analisada pela Recam é o Certificado de Nacionalidade do Mercosul para obras cinematográficas, com o objetivo de possibilitar que os certificados locais dos países membros sejam válidos nos outros mercados, identificando assim o “filme do Mercosul”. Essa proposta possibilitará também o tratamento relativo a taxas, impostos e contribuições de filmes do Mercosul como filmes nacionais. No Brasil, por exemplo, a Condecine de filme do Mercosul seria igual à de filme brasileiro.

Produções animadas O artista gráfico e animador José Anderson da Silva foi o responsável pela campanha de verão da RIC, afiliada da Record em Curitiba. O filme conta com cenas divertidas para lembrar o espectador sobre os cuidados necessários com o sol. Paralelamente, o animador paranaense se dedica a um projeto de seriado para TV sobre a família Iscaioqui, que adotou o sobrenome em homenagem ao clã Skywalker, da série de filmes de George Lucas. A série, voltada ao público jovem, mas não infantil, conta com personagens como o gato da família, que na verdade é uma ratazana pinguça disfarçada com cartolinas coladas na orelha.

Universal na Vivax O Universal Channel, joint venture entre a Globosat e a NBC Universal, entrou no line-up da Vivax nas praças onde não figurava (antigas operações da Canbrás): ABCDM e Baixada Santista - nas demais praças, onde era anteriormente a Horizon, o canal já estava presente. O canal de filmes e séries entra sem cobrança adicional aos assinantes dos pacotes Econômico, Compact e Classic. O Universal Channel passa a ser exibido no canal 22, em substituição à STV Rede SescSenac, que continua na grade da Vivax, mas sobe para o canal 68. A região do ABCDM engloba as cidades de Santo André, São Bernardo “The 4400” do Campo, São Caetano do Sul, Diadema e Mauá. Na Baixada Santista, a Vivax está presente em Santos, Bertioga, Guarujá, Cubatão, Praia Grande e São Vicente. •

T ela

V iva

dez 2 0 0 5


A Net Serviços abriu as vendas da sexta edição do reality show “Big Brother Brasil” e já transmite uma programação com os melhores momentos de anos anteriores em canal dedicado. O programa só começa em 10 de janeiro de 2006. Há duas modalidades de venda: pacote completo e um pacote semanal e os valores cobrados, até 1º de janeiro de 2006, podem ser parcelados em quatro vezes. As compras via Internet custam: R$ 63,75 (pacote completo) e R$ 45,00 (pacote semanal). Já a compra via central de atendimento sai respectivamente por R$ 75,00 e R$ 55,00.

Fotos: divulgaçÃo

Brother antecipado

Em movimento A linha Orangis Brilho Intenso, da Leagée, ganhou um filme de 30 segundos para o lançamento de seu novo produto. O filme “Walkman” foi produzido em computação gráfica pela Digital 21, com letreiros em movimento que flutuam na tela com as mensagens sobre o produto e saem do plano fechado compondo os fios de cabelo de uma mulher dançando. A direção de criação é de Sérgio Lopes e Paulo André Bione, com direção de Rodolfo Patrocínio.

Fox no celular

TV digital começa a tomar forma

Depois de estrear nos mercados do México e Argentina, o serviço para celular “My Fox” chegará em breve também ao Brasil. A Fox desenvolve aplicativos como ringtones, wallpapers e outros, baseados na programação dos seus canais. A idéia da programadora é fornecer para todas as operadoras. No Brasil, a Fox foi pioneira ao trazer os “mobisodes” de “Conspiracy”, seriado para celular com capítulos de um minuto, que são oferecidos no Vivo Play3G, serviço com streaming de vídeo ainda em fase experimental da operadora.

Neste mês de dezembro os consórcios universitários que participam do desenvolvimento do SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital) entregam ao Grupo Gestor e ao Comitê de Desenvolvimento as conclusões sobre a análise técnica e mercadológica. A sugestão do padrão a ser adotado pelo Brasil sai no começo de fevereiro, conforme decreto presidencial, ou antes, conforme a vontade do ministro Hélio Costa. No início do mês, os consórcios apontaram alguns dos resultados para a imprensa. A proposta é um sistema diferente dos internacionais, mas que atende às principais demandas do governo e dos radiodifusores. Para que haja uma “inclusão digital” através da TV digital, os consórcios propuseram o uso de redes WiMAX (banda larga metropolitana sem fio). A idéia é equipar os set-tops com chips para a transmissão de dados pelas redes wireless, que poderão ser exploradas pelos próprios radiodifusores, em uma faixa próxima ao UHF, ou até por prefeituras e órgãos públicos, em localidades menores. As demandas dos radiodifusores em relação à modulação também estão atendidas. A modulação proposta é uma adaptação do COFDM usado pelo padrão japonês (ISDB-T), com codificação MPEG-4, em canais de 6 MHz com 19 Mbps cada, que segundo o pesquisador Marcelo K. Zuffo, da USP, permite a transmissão simultânea, no mesmo canal, de sinais em HDTV, SDTV e mobilidade. Segundo Zuffo, o sistema permite, por exemplo, transmitir um sinal de sHDTV (Super High-Definition) a 18 Mbps e mais um sinal móvel de 0,4 Mbps, ou então dois sinais de HDTV convencional, a 9 Mbps cada. Em outra configuração, poderia transmitir, por exemplo, quatro sinais EDTV (Enhanced Definition, qualidade de DVD com 780 linhas) com 5,4 Mbps cada.

Reflexões cinematográficas O livro “Cinema e televisão durante a ditadura militar: depoimentos e reflexões”, lançado pela editora Cultura Acadêmica, traz textos de pesquisadores e cineastas como Sérgio Muniz, Laurindo Leal Filho, César Bolaño, Tânia Pellegrini, Ângelo Del Vecchio e Roberto Farias sobre como e o que foi produzido pelo cinema e pela televisão no período da ditadura militar no Brasil (1964-1985). Organizada por Anita Simis, a obra é resultado de um seminário realizado na Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara, em 2003, do qual participaram estes e outros pensadores do cinema.

Interatividade no futebol Para o torneio do futebol europeu Liga dos Campeões, a TV Bandeirantes trouxe uma novidade. Já que há simultaneidade nos jogos, a emissora decidiu passar ao telespectador a escolha sobre qual partida deve exibir. O público vota até o domingo, por meio do envio de mensagens de texto via celular (envio por qualquer operadora da palavra JOGO para o número 49209, ao custo normal de um SMS, de R$ 0,31 mais impostos ) e em seguida responde a uma questão, para optar sobre qual partida quer ver.

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

09

>>


Fotos: divulgaçÃo

( scanner ) Dança cidadã A produtora canadense Eileen Thalenberg (foto do alto, à esq.), da Stormy Nights Productions, esteve em São Paulo no início de novembro para a última parte das gravações do documentário para a TV “The Citizen Dancer”, sobre o projeto artístico-social do bailarino Ivaldo Bertazzo. Eileen, cuja produtora é especializada em programas de música e dança, já conhecia o trabalho de Ivaldo, que cria espetáculos de dança com jovens da periferia de São Paulo e durante o processo realiza um trabalho social com eles e suas família. Ela tem parentes no Brasil que a apresentaram ao artista, pelo qual ficou fascinada. “Ele trabalha com a pessoa, não só com a dança. Dá às crianças instrumentos para a vida”, diz. Durante uma viagem de produtores brasileiros ao Canadá, conheceu Denise Gomes, da Bossa Nova Films (foto do alto, à dir.), e logo fecharam um acordo de co-produção para um programa de cerca de uma hora de duração. O documentário terá dois focos: o trabalho social, com o perfil de quatro ou cinco jovens integrantes do projeto, e a dança em si, uma vez que o projeto resulta em espetáculos de alta qualidade, já apresentados no Brasil e no exterior. “Tudo é bem feito, ele usa os melhores cenógrafos, iluminadores. É revolucionário. Um projeto assim poderia ser aplicado até em áreas mais pobres do Canadá”, conta Eileen. A produção, no valor total de 538 mil dólares canadenses (aprox. R$ 990 mil) foi dividida em 75% para a Stormy Nights, que trouxe um cameraman e a própria Eileen, que dirige o filme, e 25% para a Bossa Nova, que provê a logística e os serviços de produção no Brasil. A pós-produção será feita em Toronto. Eileen terá os direitos de distribuição no Canadá e a Bossa Nova terá para o Brasil. No resto do mundo, as receitas serão divididas proporcionalmente entre as duas.

Animações nacionais

Em expansão

Dentro da programação para 2006 dos canais da Turner, um dos destaques fica por conta da entrada de novas animações feitas por cartunistas brasileiros para o bloco adulto do Cartoon Network. Os desenhistas Glauco, Adão, Laerte, Angeli e Caco Galhardo terão seus personagens de tirinhas como protagonistas de programetes que serão exibidos no “Adult Swin”, faixa de programação de sexta a domingo após as 23h. As animações serão produzidas pelos estúdios de Daniel Messias - o mesmo do “Projeto Cartum Netiuorque” - e utilizam recursos mobilizados via Artigo 39 da MP 2228. Já a TNT anuncia novas séries, como “The Closer” e as novas temporadas de “Veronica Mars” e de “Battlestar Galactica” (segunda temporada). O canal terá a nova edição do Rock in Rio Lisboa, show do Motley Crüe e o Ozzfest. Haverá também a quinta edição da produção local “Projeto 48”, no Brasil. A TNT continua com os longas-metragens dublados (de acordo com a direção do canal, um pedido do próprio mercado assinante). Entre os filmes do próximo ano estão “Onze Homens e Um segredo”, “Mais Velozes e Furiosos” e “Harry Potter e a Câmera Secreta” No TCM Classic Hollywood entram os seriados “I Love Lucy” e “Os Intocáveis”. E o canal CNN International inaugura em dezembro o serviço “CNN Pipeline”, que estará disponível na web também para o Brasil, e através do qual o usuário de Internet compra sob demanda vídeos noticiosos ao vivo, vídeos de arquivo e clipes de notícias diversas. Os preços ainda não foram divulgados. Desenhos do cartunista Laerte para o Cartoon.

10

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

A Thomson anunciou no início de dezembro que fechou acordo para aquisição de 33% das ações da Canopus, desenvolvedora japonesa de softwares para edição de vídeo. A transação, no valor de 91,3 milhões (aprox. R$ 238 milhões), faz parte do projeto de expansão da empresa francesa nas áreas de desktop video, vídeo sobre IP e conversão digital de mídia. Além disso, coloca a Grass Valley, marca da Thomson para a área de vídeo profissional, no mercado de soluções para edição multi-formato baseadas em PCs. A Thomson já havia anunciado, no início deste ano, seu interesse em atuar mais fortemente no mercado ProAV.

>>


N達o disponivel


( scanner ) Fotos: divulgaçÃo

Natal animado O filme da campanha de natal do Central Plaza Shopping, composta ainda por outdoor, Internet e spot, contou com 25 crianças no casting. O filme tem pique de videoclipe, embalado ao som de um jingle agitado, com a idéia de quebrar o velho paradigma de filme emocional para essa época do ano. As crianças invadem o cenário de natal do shopping, brincam e se divertem. Em uma cena inusitada, uma garotinha aperta o nariz do Papai Noel. A criação é da Rae, MP, com criação de Mauro Khelm (que assina ainda a direção de criação), Alberto Lima e Jorge Sato. A produção é da Canvas 24p, com direção de cena de Wiland Pinsdorf e trilha sonora da Play It Again.

Volta da pornochanchada A pornochanchada brasileira é o tema central da nova campanha da marca Chilli Beans, criada pela Fracta e produzida pela Base Cinematográfica. O gênero do cinema brasileiro, comum na década de 70, foi marcado por cenas de erotismo, erros de continuidade e áudio dublado e com freqüência fora de sincronismo. Propositalmente, todas estas características foram mantidas pela produtora nos sete filmes, mas de uma forma revisada, ou seja, transformando o erro em linguagem, para gerar uma certa estranheza e conferir ares inusitados aos filmes. Com direção de Iko Kasper, um dos filmes apresenta o ator David Cardoso, ícone da pornochanchada, jogando todo o seu charme e mostrando seus dotes de dançarino para seduzir.

Hipernatal no sítio A campanha de Natal da Hipercard, empresa de cartões de crédito do Unibanco, conta com uma promoção do Sítio do Pica-Pau Amarelo. A cada R$ 70 em compras com o Hipercard, o usuário ganha uma miniatura do Sítio e a cada R$ 500, recebe a coleção inteira com os oito personagens. A campa­nha, que tem como slogan “Natal é mais, Natal é hiper”, foi criada pela QG e conta com um filme de 30 segundos intitulado “Papel Noel”, dirigido por Luiz Ferré, da Cine. A veicula­ ção será feita em toda a região Nordeste.

Prêmio Adicional

N

o dia 14 de novembro, a Ancine publicou no Diário Oficial a Instrução Normativa que institui o Prêmio Adicional de Renda (PAR) e o primeiro edital do prêmio. Pela IN, o PAR poderá ser usado pelas empresas da seguinte forma: * Empresas produtoras - desenvolvimento de projeto, finalização de obra cinematográfica e complementação de recursos para a filmagem de obra cinematográfica; * Empresas distribuidoras - aquisição de direitos de distribuição de longa-metragem nacional, com utilização dos recursos na produção, despesas de comercialização, sendo, neste caso, vedada a retenção do valor usado através do PAR nos resultados de bilheteria, assim como o uso dos recursos para aquisição de cotas de co-produção; * E mpresas exibidoras - automação de bilheteria, projeto de investimento nas salas que farão jus ao apoio financeiro, abertura de novas salas, aquisição de equipamentos digitais de exibição. O primeiro edital do PAR destina R$ 4,162 milhões, distribuídos de maneira igualitária entre as categorias 12

T ela

de empresa produtora, distribuidora e exibidora. Uma particularidade para o prêmio de exibição é que o valor máximo por complexo cinematográfico será de R$ 30 mil, sendo que o montante que ultrapassar este valor será transferido para as outras categorias (produção e distribuição). Os prêmios serão depositados pela Ancine em conta corrente bloqueada e só serão liberados após a análise e aprovação das propostas de destinação de recursos, enviadas por cada ganhador do PAR. Consulta pública A instrução normativa, que passou por processo de consulta pública, acatou várias sugestões do mercado. Entre elas estava a redução da faixa de bilheteria mínima atingida por um mesmo filme por empresas produtoras para ter direito ao prêmio. A redução foi de 50 mil para 20 mil espectadores. Além disso, foram estabelecidas alíquotas de desempenho baseadas no rendimento por cópia, que incidirão negativamente na pontuação de cada obra quando não atingirem rendimento mínimo por cópia lançada.

V iva

dez 2 0 0 5

>>


N達o disponivel


Fotos: divulgaçÃo

( scanner ) Arquivo digital

Algumas das associações que fazem parte do Comitê Consultivo do Sistema Brasileiro de TV Digital queixaramse da postura do Ministério das Comunicações, em uma situação que quase culminou na dissolução do Comitê no final de novembro. Chegou-se a propor a saída dos membros do Comitê, “uma vez que os debates importantes acontecem em outros fóruns”, disse o representante de uma das associações. As associações reclamam da pouca representatividade que vêm tendo nas discussões sobre o SBTVD, enquanto “as emissoras comercias de televisão passaram a ter contato direto com o Ministério das Comunicações”, disse uma fonte. Nas 12 reuniões que aconteceram até agora, a contribuição “foi mínima, se não nula”, afirmou um membro do Comitê. Por fim, o Comitê apenas enviou ao ministro Hélio Costa, através do coordenador do Grupo Gestor, a ata da reunião, pedindo maior participação. Além disso, as associações das emissoras de televisão que atuam no campo público divulgaram, Max Benôit também no final de novembro, um manifesto que, entre outros pontos, pede a adoção da multiprogramação na TV digital e diz que se unirão para articular seus interesses na discussão. O modelo proposto pelas TVs públicas na TV digital terrestre é a oferta de novos canais ao público, lembrando que “a introdução de mecanismos de ampla comunicação e interatividade entre as emissoras e a audiência são do mais alto interesse do desenvolvimento social e cultural do país, devendo ser priorizados sobre quaisquer outras possibilidades trazidas pela nova tecnologia”. Hélio Costa, em entrevista ao programa “Roda Viva” no início de dezembro, de certa forma conseguiu postergar a crise com estes setores, afirmando que a decisão do modelo de negócios da TV digital deverá ficar a Lei Geral de Comunicação, e que o momento é apenas de escolha da tecnologia.

Max Benôit, diretor do INA (Instituto Nacional do Audiovisual, da França) esteve no Brasil em novembro para participar do Recine, e contou a TELA VIVA como vem sendo feito o processo de digitalização do acervo audiovisual da instituição. No Brasil, Benôit teve conversas com a Cinemateca e com emissoras de TV para trocar experiências no assunto. O INA armazena toda a programação exibida pelas televisões abertas francesas. Inicialmente, a partir de sua criação nos anos 50, guardava apenas imagens das TVs públicas (sobre as quais detém os direitos e pode inclusive comercializar). Desde 1995, através de um convênio, guarda também todas as transmissões comerciais. Na prática, cumpre o papel de realizar o depósito legal das imagens, obrigatório por lei. Hoje o INA grava na íntegra o sinal de 48 emissoras de TV e 17 de rádio. O acervo acumula impressionantes 2,7 milhões de horas de TV e rádio. Desta coleção, cerca de 1 milhão de horas de TV estão sendo digitalizadas. As gravações atuais já são feitas digitalmente. O INA corre contra o relógio. Benôit calcula que até 2015 há 800 mil horas de material sob ameaça de deterioração. A digitalização corre ao ritmo de 55 mil horas por ano. O material é guardado em um storage Sony Petasite, em MPEG-2, para arquivo, e MPEG-1, para visualização. O orçamento do projeto é de 103 milhões anuais. O material digitalizado está disponível para pesquisa na Internet (é necessário fazer um cadastro), e a partir de 2006 o INA criará um site aberto ao público, onde mediante um pagamento qualquer pessoa poderá assistir a programas antigos. Foto: arquivo

Embate político

Telefone poderoso A agência 141 Worldwide foi a responsável pela campanha de lançamento do novo celular da LG, capaz de reproduzir músicas do formato MP3. Com criação de Vitor Azambuja e Marcos Dyonisio, e colaboração de Gustavo Monteiro na arte, a campanha conta com um filme de 30 segundos, produzido pela Cine, com direção de Clóvis Mello. O cenário é do filme é um prédio residencial, onde, uma noite, os moradores acordam incomodados com o volume alto da música que vem de um dos apartamentos. Irritados, os vizinhos chamam a polícia, para descobrir que, na verdade, a música vem de um celular LG que o dono havia esquecido em casa.

14

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

Programa jovem no SBT O SBT fechou com a Oi o patrocínio exclusivo de sua atração musical voltada ao público jovem para a madrugada, o “Music Box”. O programa tem clipes de bandas atuais, informações sobre músicas e dicas de passeios, além de ensinar como baixar toques, papéis de parede e outras novidades para usuários de celular, que participam do programa com envio de mensagens de SMS, ou de vídeos e fotos ao site do programa. O programa é diário, de segunda a sexta-feira.


N達o disponivel


(figuras)

Mergulho no cinema

N

Foto: marcelo kahn

os créditos dos principais lançamentos do cinema brasileiro neste segundo semestre está o nome do diretor de arte Marcos Pedroso. É ele quem assina a arte de filmes como “Cidade Baixa”, de Sérgio Machado, e “Cinema, Aspirinas e Urubus”, de Marcelo Gomes. E seu nome também vai aparecer em “Crime Delicado”, de Beto Brant, “A Máquina”, de João Falcão, ambos com lançamento previsto para janeiro de 2006, e “A Casa de Alice”, de Chico Teixeira, em finalização. Em comum, os filmes têm diretores jovens e equipes muito integradas, que participam de todo o processo, muito antes do início das filmagens. A direção, a fotografia, a arte, a produção de locação, o figurino, todas as funções trabalharam juntas nesses projetos para criar a imagem do filme, de uma forma que se aproxima do que se chama de production design. Formado em artes plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da USP em 1991, foi lá que começou a trabalhar com cenografia, em projetos de colegas de teatro e cinema. E foi onde conheceu Tom Araújo, um dos fundadores do Teatro da Vertigem, um

marcos pedroso como “O Paraíso Perdido”, “O Livro de Jó” e “Apocalipse 1,11”, que integram a Trilogia Bíblica do grupo. Só não está participando do projeto BR3, atualmente em cartaz em São Paulo, porque está fazendo um filme atrás do outro. O trabalho com o Vertigem se aproxima muito do cinema, porque é feito com instalações em cima de locações já existentes. “O Paraíso Perdido, por

locação. A espessura das paredes, os elementos de época, isso é muito difícil e muito caro de ser produzido. O primeiro longa da carreira de Marcos foi “Bicho de 7 Cabeças”, de Laís Bodanzky. Depois que voltei de Nova York, trabalhei na produtora Arquitetura da Imagem, onde também trabalhava o produtor Fabiano Gullane. Eu fazia meus projetos de videoarte e eles estavam começando a produzir. Já tinha acompanhado o curta “Cartão Vermelho”, da Laís, então ela me chamou para o longa. Depois fiz “Madame Satã”, do Karim Aïnouz. Assim como no atual “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Madame Satã” se passava em um ambiente pobre e de época. É incrível como não existe registro histórico da pobreza. Pesquisei fotos históricas prestando atenção nas bordas, nas pessoas que estavam no entorno. O passado parece muito mais bonito e quando isso aparece dos filmes é sempre idealizado. Nós fomos atrás do passado real e vimos que nem todo malandro usava chapéu, só os grandes mafiosos usavam terno de linho. Por isso nunca assisto filmes como referência de época e de arte. Assisto para ver enquadramentos, opções de fotografia. Mas prefiro

“a experiência do teatro foi fundamental para trabalhar com cinema ”. exemplo, foi encenado em uma igreja e “O Livro de Jó”, em um hospital desativado. Escolhemos o lugar e montamos o projeto cenográfico em cima disso, trazendo objetos e elementos e interferindo na estrutura já existente. Essa minha experiência foi fundamental para o cinema e principalmente para esses filmes. Aqui no Brasil temos profissionais muito bons, mas ainda não temos muita estrutura para reproduzir detalhes arquitetônicos. É possível criar as texturas, mas não as dimensões. Por isso os filmes que exigem realismo sempre ficam melhores em

dos grupos mais inovadores do teatro brasileiro contemporâneo. Trabalhei com artes plásticas, principalmente escultura e videoarte, e então fui para Nova York estudar. Participei do circuito de artes plásticas com exposições, mas sempre achei essa área meio solitária. Então preferi trabalhar com teatro, que envolvia o trabalho em grupo. Durante 12 anos, Marcos foi o cenógrafo do Teatro da Vertigem e até hoje viaja com o grupo em montagens no exterior de trabalhos 16

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

usar fontes históricas de pesquisa. Tenho mesmo uma grande afinidade com esse realismo, em valorizar e transformar uma locação. Mas já fiz muita publicidade e no “A Máquina”, por exemplo, fizemos tudo em estúdio, criando um sertão fantasioso e assumindo que estávamos no estúdio. Seus próximos projetos são “Mutum”, primeiro filme de ficção da documentarista Sandra Kogut, e “Rifame”, do parceiro Karim Aïnouz. Pelo jeito, não vai ser fácil tirá-lo do cinema tão cedo.


Ano novo, vida nova

Novo atendimento

Paula Saraiva é a novidade no atendimento da Republika Filmes. A profissional, que começou sua carreira como atendimento em 1993, trabalhou com vários diretores, entre eles Rodrigo Lewkowicz, Carlos Manga Junior, Cristiano Metri, Bia Flecha, Beto Salatini e Renê Sampaio. Paula chega na Republika Filmes para trabalhar com Mário Peixoto, Doca Sander, Ingrid Moraes e Daniela Harriz.

Foto: marcelo kahn

Cláudio Santos desliga-se do SBT, ficando até o final de dezembro na emissora. O executivo, que ocupava a diretoria comercial do SBT, é o último a sair da equipe que Antônio Athayde levou para a rede de Silvio Santos, quando assumiu a superin­tendência comercial, há pouco mais dois anos. O executivo assume em janeiro a diretoria de publicidade do Grupo Estado, onde reporta-se aos diretores superintenden­tes Célio Virginio e Elói Gertel.

Vendas e marketing

O Fox One Stop Media, departamento de vendas de publicidade dos canais Fox, FX e National Geographic Channel, promoveu Raquel Soares (à esq.) a assistente de opera­ções comerciais. Ela fica respon­sável pelo tráfego de materiais publi­citá­rios, orga­nização e inserção de publicida­de, além de realizar o contato com as agências. Já o departa­mento de marketing recebe Graziela Daiuto (à dir.), na gerência de trade marketing. Ela fica responsável pelo desenvolvimento e implementação da estratégia de comunicação dos canais e suas programa­ções junto aos compradores de mídia.

Novo conselho O FAC (Fórum do Audiovisual e do Cinema) realizou assembléia para a eleição de seu novo conselho deliberativo em novembro. Também foi eleito na data o comitê diretor, agora formado por: André Sturm (Sicesp, Pandora Filmes e HSBC Belas Artes), coordenador geral; Valmir Fernandes (Abraplex e Cinemark), conselheiro tesoureiro; e Carlos Eduardo Rodrigues (Globo Filmes), secretário. O conselho deliberativo é formado por: Alexandre Annenberg (ABTA); André Porto Alegre (APP); Arturo Pisciotti Neto (UBV); Carlos Alkimim (ABPTA); José André Sturm Inácio Gennari Pizani (Abert); Paulo Thiago Ferreira Paes de Oliveira e Roberto Farias (Sicav-RJ); Rodrigo Guimarães Saturnino Braga (Sindicato das Empresas Distribuidoras do estado de SP); Valdir Batista de Siqueira (Abap); e Wilson Borges (Abeica).

Alexandre Hohagen deixou a direção da divisão de ad sales da HBO no Brasil. O executivo foi para o escritório brasileiro do portal de buscas Google.

Na Discovery Networks do Brasil, o diretor de ad sales, Guilherme Zattar, deixou a empresa. Ele já assumiu a direção de marketing da Embratel.

Foto: arquivo

O diretor de 3D Chrystie Lira foi contratado pela Dínamo Digital. Atuando há nove anos com computação gráfica, Lira se formou na Escola Panamericana de Artes de São Paulo e passou pelas produtoras Trattoria, Vetor Zero e Conspiração Filmes. Fez trabalhos para Pepsi, Tim, Gatorade,Vivo e Coca-Cola. Seu primeiro trabalho na nova casa é o novo clipe da banda Nação Zumbi, com 3 minutos de animação. A produtora contratou ainda Regina Knapp (ex-Trama) para o seu atendimento. A profissional tem no currículo passagens pela Espiral, Zero Filmes, JX Filmes, Cia Ilustrada, DPZ e DM9.

Fotos: divulgação

Mais recursos humanos


( entrevista)

Fernando Lauterjung

f e r n a n d o @ t e l a v i v a . c o m . b r

O começo do jogo O presidente da Ancine avalia os primeiros quatro anos da agência e dá sua visão sobre os mecanismos de incentivo, regulação do mercado e a integração do audiovisual. FOTOS: divulgação

E

m um momento estratégico para a regulamentação audiovisual, quando diversos projetos estão em discussão ou em tramitação, o diretorpresidente da Ancine, Gustavo Dahl, mostra as dificuldades enfrentadas na implantação da agência, mas aponta que pontos do mercado poderão ser regulados em breve. Na cadeia da indústria cinematográfica, Dahl diz que chegou a hora de regular a distribuição e a exibição, atendendo a algumas demandas do setor. Ele diz ainda que fatalmente a agência se expandirá para todo o setor audiovisual e cobra a conversão da MP 2.228 em lei. TELA VIVA Como está e como ficará a estrutura da Ancine? Ela já está efetivamente implantada, após quatro anos de existência? GUSTAVO DAHL A agência tentou agrupar dentro dela as pessoas que tinham a expertise, a memória e a inteligência da gestão institucional do cinema nos últimos trinta anos mas, evidentemente, incorporando novos valores. Essa gestão combina um grande déficit com um afluxo insuficiente de novos valores e também com as dificuldades naturais da implantação da estrutura do serviço público, o que exigiu um superesforço, para que a agência seja implantada e possa crescer. Esse superesforço cria novas demandas. Então a agência está recebendo amanhã (1º/12), quase quatro anos após a sua instalação, seus primeiros concursados de nível médio (20 profissionais). No início de março, a agência receberá mais 50 concursados de nível superior. Há 20 anos que não há um aporte de recursos tão significativo para o setor.

Gustavo Dahl

Agora a Ancine está criando seu corpo técnico. Ela funcionava só com os cargos comissionados, que constituíam a estrutura organizacional feita há quatro anos, e com os terceirizados. A Ancine ainda está em um processo de implantação. A agência tem agido mais na área de fiscalização e fomento do que na regulação do mercado? A avaliação dos resultados é como aquela história do copo meio cheio ou meio vazio. O órgão regulamentador da área de cinema que existia, o Concine, foi extinto e desarticulado em 1990. A Ancine foi criada em cima do nada. Ela não teve nenhum órgão pré-existente em que pudesse se apoiar. Ela teve que se inventar em cima de um vácuo tanto de regulamentação quanto 18

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

de gestão da informação. É como construir a casa morando nela. A Ancine tem uma atividade de regulamentação que são as instruções normativas (INs) já feitas. O processo interno de regulamentação ainda é lento, porque a Ancine superpõe duas agências: uma de fomento e uma reguladora. A agência de fomento maneja os processos de utilização dos benefícios fiscais para o cinema. O “só isso” não é pouco. Quando recebemos essa função do MinC eram 1,4 mil processos de uma vez e com problemas de procedimento. A Ancine representou um esforço de instalar um conceito de democracia procedimen­ tal. Achamos que o procedimento institucionaliza, e a institucionalização instrumenta o setor. A Ancine também recebeu a competência de regulamentar o cinema em toda a sua cadeia econômica, o que só no processo da produção inclui infra-estrutura, prestação de serviços, a produção propriamente dita e o laboratório. Depois disso, temos a distribuição e a exibição, que é a primeira janela de consumo, seguida pelo DVD e vídeo, a TV por assinatura e a TV aberta. Isto tudo junto é a famosa Ancinav! Nós sempre acreditamos que era necessário trabalhar por módulos. As janelas também são módulos. Temos que conseguir reestruturar o módulo do cinema - na produção, distribuição e nas salas - para depois estruturar o vídeo e o DVD, o que está previsto em lei. É o que a MP 2.228-1 chama de atividade videofonográfica. Mesmo chamando-se Agência Nacional do Cinema, já incorpora o setor audiovisual, na medida em que a obra cinematográfica trafega por


todo esse universo. Não há tradição no Brasil em regulamentação desta ordem (abrangendo todo o universo audiovisual). Pensar em agência de desenvolvimento e fomento é fácil. Isso foi feito historicamente pela Embrafilme e depois pelas várias Secretarias do Audiovisual ou de Desenvolvimento do Audiovisual. A regulamentação tem os parâmetros do Concine, que era o órgão regulador concebido no regime autoritário em um momento em que havia 3,5 mil salas no país e ainda se tentava incorporar o vídeo, depois um grande vácuo até a entrada da Ancine, que tem que neutralizar este vácuo com esta abrangência e ainda formar seus experts. Para isso é necessário incorporar elementos de fora. Esse processo de incorporação teve que enfrentar os percalços do último ano do governo FHC e dos primeiros anos do governo Lula, no qual o modelo das agências entrou em forte discussão. Praticamente, o primeiro ano do governo foi, para a Ancine, um ano de indefinição da vinculação, se iria para a Casa Civil, o Ministério da Cultura ou o Ministério do Desenvolvimento da Indústria e do Comércio. Só a partir desta definição é que houve possibilidade de encarar os problemas de gestão, mas já dentro dos limites de contenção orçamentária e de recursos humanos. É como instituir um órgão dentro de uma política que tem um lado bom de restauração do papel do estado e um outro, que vai na contracorrente, que é o de limitação do custeio desse mecanismo. É evidente que a recuperação do papel do estado implica em investimentos. Numa política de restrição de investimento você tem uma roda girando num sentido e a outra rodando em outro. Então há um problema de contingenciamento orçamentário? Não. A Ancine tem executado seu orçamento na sua integralidade. Uma agência não precisa ter mais recursos do que sua capacidade de execução. Como a instalação da agência é lenta, gradual e segura, o contingenciamento,

até agora, se deu em um nível suportável atribuídos a ele. Como também os para esta fase de implantação. editais de finalização da Ancine estão Evidentemente que com a chegada de uma dentro do que chamamos de fomento nova força de trabalho, a capacidade da regulador. Já se verificou que dentro Ancine vai aumentar e serão necessários do atual modelo, existe um problema, novos recursos. Tenho a sensação que este há uma grande quantidade de filmes problema se colocará de fato ou não no cuja produção é interrompida após contingenciamento do orçamento de 2006. a fase de filmagem. Os editais de Há um lugar onde esse finalização encaram este problema. Nós contingenciamento incidiu, que é o Prêmio os contemplamos também como uma Adicional de Renda. Estavam previsto ação reguladora. no orçamento R$ 16 milhões para o PAR, Há ainda grandes questões de usando como referência R$ 1 por espectador regulação do mercado, como a janela do cinema brasileiro no ano de 2004. O para o lançamento de DVDs, uma orçamento limitou a R$ 4,5 milhões. Mas demandados exibidores. É uma ação estamos fazendo com o que foi consignado típica de regulação de mercado que no orçamento. Esse mecanismo de fomento estamos elaborando. automático, segundo a terminação A efetividade da regulamentação francesa, o paraíso da regulamentação depende da capacidade de fiscalização, cinematográfica, é uma ação experimental. que depende tanto de uma atividade É a primeira vez que está sendo feito após de controle exercida através da gestão 20 anos de ter sido extinto. Poderíamos da informação, e por ações presenciais. executar os R$ 16 milhões. Mas experimentar Ambas dependem do processo de com os R$ 4,5 milhões que implantação da “Temos que conseguir Ancine. A posição da temos, para ver como funciona, reestruturar o módulo Ancine é a de fazer, também é válido. primeiro, um tra­ do cinema — na O senhor vê o Prêmio produção, distribuição balho de fiscalização Adicional de Renda como orientadora, antes e nas salas — para a primeira grande ação de ser sancionatória. depois estruturar o reguladora da Ancine? Um trabalho de vídeo e o DVD, o que Não. Eu acho que o Artigo articulação com os está previsto em lei.” 39 encarou o fato de que, agentes de mer­cado, na televisão por assinatura, a produção sem se deixar capturar por eles. independente brasileira tinha uma presença Nós sentimos que há uma atividade extremamente limitada. O Artigo 39 é um de regulação a ser dada nos próprios equivalente ao que o Artigo 3º (da Lei do mecanismos de incentivos fiscais. Audiovisual) representa para a produção Se abrimos um edital de finalização cinematográfica. A dinamização do Artigo oferecendo R$ 350 mil para oito filmes 3º (também feita na MP 2.228) e o Artigo e inscrevem-se 110 filmes, sentimos 39 foram concebidos juntos. A ocupação e que a questão do fomento precisa ser ampliação da fatia de mercado obtida pelos regulada. A Ancine precisa estabelecer grandes êxitos das produções associadas às qual é sua capacidade legiferante, o distribuidoras majors e o Artigo 39 são ações que, através da competência de INs, reguladoras que conseguiram resultados nas que é o instrumento legal da agência, áreas com as quais elas se comprometeram. pode ser feito. A importância do PAR é a de ser a Existe uma demanda dos primeira ação de fomento automático, pequenos exibidores para que a realizado a partir da performance, do Ancine regule o fornecimento de desempenho no mercado. Com isso, cópias para as pequenas salas. O atual criou-se um mecanismo de compensação modelo de exploração do produto ao Artigo 1º, que no fundo é um fomento cinematográfico concentrado em seletivo. Há sempre alguém que escolhe os filmes arrasa-quarteirão privilegia o projetos. A abertura deste caminho é muito topo da pirâmide do mercado de salas. mais importante do que os R$ 4,5 milhões O produto não chega até a metade T ela

V iva

dez 2 0 0 5

19

>>


( entrevista) faixa econômica, não necessitam digital. Para um país que tem uma extrema de ser contemplados. Levando-se escassez de salas, espelhado pela relação em conta a realidade do mercado sala/habitante, e que tem um mercado de brasileiro, esse piso foi colocado bem salas elitizado e concentrado pelo poder baixo. Se os recursos fossem infinitos econômico, a idéia de periferização e ou mais abundantes, poderíamos interiorização através de salas equipadas perfeitamente fazer uma premiação com projetores digitais é uma perspectiva linear que incluísse os blockbusters grande. A evolução tecnológica também também, porque estimular o sucesso está criando novas modalidades de é uma política válida. Mas primeiro distribuição, outras janelas e outros suportes temos que trabalhar com ou ainda a dispensabilidade os recursos que temos, do suporte. Atualmente o e se assumíssemos essa mundo audiovisual se divide linearidade acabaríamos entre o que tem suporte e premiando um filme o que não tem. Ao mesmo ou dois. O resultado do tempo se divide entre o mercado de salas é muito conteúdo empurrado, como concentrado. 10% dos é feito pela televisão e pelas títulos correspondem salas, e entre o puxado, como a, no mínimo, 50% do é feito por quem adquire mercado. Às vezes, um DVD ou encomenda no cinema brasileiro, um filme por telefone. Se 3% ou 4% dos títulos cruzarmos o mundo que tem “Para um país que correspondem a 80% do suporte e o mundo que não tem uma extrema mercado. E aí vem um tem suporte, com o mundo escassez de salas, a grande número de filmes do conteúdo empurrado idéia de periferização e abaixo do limite de 100 e do conteúdo puxado, interiorização através mil espectadores. A faixa surgem novas modalidades de salas equipadas entre 100 mil e 1 milhão de exploração de um mesmo com projetores digitais de espectadores tem produto, o que muda é uma perspectiva muito poucos filmes. paradigmas. Para usar do grande.” As majors trabalham jargão, muda paradigmas com conjuntos de filmes. transversalmente. Para elas o que conta é o rendimento da programação como um todo. A Ancine foi criticada, inclusive por um Para os filmes brasileiros, que são de seus diretores, por assumir uma doutrina produzidos independentemente, é que privilegia o filme médio. Isso acontece importante melhorar o resultado de por conta da distorção causada pelo Artigo cada um isoladamente. Isto é regular. A 1º, que impõe a seleção a alguém de fora de lógica em criar faixas intermediárias se mercado, como o senhor mesmo falou? sustenta como fator de regulação. Não. O João da Silveira tem uma visão radicalmente liberal do processo O senhor afirmou publicamente econômico, o que eu não desqualifico, mas, que o Artigo 1º da Lei do na agência, a atividade de regulação se dá Audiovisual conseguiu viabilizar o neste interstício da liberdade de mercado trabalho de novos diretores e novas e da intervenção econômica do estado. produtoras, mas não conseguiu Já o velho Prêmio Adicional de Renda, capitalizar as empresas. Os concedido pela Embrafilme, tinha um teto, Funcines e o PAR resolverão essa a partir do qual os filmes tinham direito a distorção do mecanismo? 5% do prêmio, uma faixa média de 20% e A agência foi feita por várias razões. um piso de 5%. Ou seja, a idéia é a de que Uma delas é porque, modestamente, os grandes sucessos que se viabilizam no oito anos atrás, eu fiz um esforço mercado mobilizam recursos suficientes teórico privilegiando a necessidade para se capitalizar e que o piso, aqueles de uma visão sistêmica do processo. filmes que não atingem uma determinada

baixo desta pirâmide. Ou chega junto com o DVD. Aí encontramos uma contradição regulatória dura. A lógica de exploração do produto cinematográfico se dá em função da rentabilidade do produto, e não da rede, que são as salas de exibição. Os resultados do produto mantêm o hábito social de ir ao cinema e também uma parte da rede de exibição. Mas aí o País é colocado diante de um dilema: simplesmente por essa questão de organização de mercado devese permitir que fechem as 600 salas que têm dificuldade em ter acesso às cópias dos grandes lançamentos? Essa disposição é tipicamente condicionada pelas forças do mercado. É uma intervenção econômica difícil. Tanto do ponto de vista legal, quanto operacional. Como vamos obrigar uma distribuidora a fornecer cópias? Ou será que vamos subsidiar cópias suplementares? A ocupação do mercado pelas cópias é em si mesmo uma forma de rentabilização da atividade econômica. Afinal, distribuição é programação (cópia) mais marketing. Como sairemos desta sinuca de bico? É interessante do ponto de vista da regulação. A exibição digital pode ser a saída para o problema das pequenas salas? Seguramente. A Ancine já promoveu em Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Recife seminários sobre cinema digital tentando difundir conhecimentos. Lembre-se também que a Ancine, como todas as agências, executa políticas e dá subsídios para a criação de políticas. A criação de um anel periférico do mercado equipado digitalmente é uma política que, dentro de uma perspectiva de regulação de mercado, pode afrontar a questão do preço do ingresso, que elitiza o consumo. Como sempre, a sala depende do conteúdo para salas digitais, o tem que ser feito em articulação com as distribuidoras. A distribuição de filmes brasileiros é outro grande problema no mercado que pode ser auxiliada pela tecnologia 20

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

>>


N達o disponivel


( entrevista) uma visão sistêmica do processo. drástica. Isso acontece porque ainda não A conclusão é que não basta foi possível encontrar a fórmula ideal de produzir. Quando a gente pensa em investimento versus contrapartida? capitalização do setor, a gente pensa O buraco é mais em baixo ou mais fundamentalmente no mercado de em cima. É algo elementar que precisa salas. As outras janelas, para o cinema ser sempre repetido. Existe um cinema, o brasileiro, são pouquíssimo exploradas cinema multinacional, que trabalha em e, às vezes, pouco remuneradas. O escala mundial e que explora muito bem DVD é uma caixa preta. O preço dos todas janelas. Tem também os cinemas filmes brasileiros na televisão por nacionais que têm que se remunerar em assinatura, e mesmo na aberta, é seus mercados nacionais e, normalmente, parametrizado pelo preço de aquisição competindo com aquele cachorro grande, dos produtos estrangeiros, que têm para ficarmos nas imagens caninas, que uma escala mundial. A idéia de tornar ocupa o mercado de salas mundial. É a atividade econômica, a ponto de evidente que sem um investimento estatal capitalizar a produção, precisaria levar na produção você nem entra no jogo. A em conta a exploração produção é deficitária, do produto em todas as mesmo a americana. No janelas. Entender que a entanto, a produção não economia está distorcida. pára; ela se dá em um rolo: Martin Scorcese, uma produção vai fazendo inaugurando a nova outra, que faz outra. Depois, sede da Cinemathéque apesar de ser de alto risco, Française, há dois meses, a produção viabiliza a disse que as salas eram atividade de distribuição, responsáveis por 16% viabiliza a exibição e não da remuneração de um viabiliza mas contribui de filme, atualmente. Alguns maneira forte na economia “Se fizermos com dizem que chega a 25%. da televisão aberta e por que o filme brasileiro assinatura. O cinema brasileiro, no tenha uma melhor auge, no último ano, Já temos uma fatia remuneração no ocupou 22% do mercado limitada de mercado sem mercado interno ocu- a capacidade de gerar esse de salas. Ocupando 20% de 16%, está ocupando pando as várias janelas, rolo que, geralmente, é 3,2% no mercado. já estaremos, dividindo gerado na distribuição. Com Quanto representa este um avanço de dinheiro as despesas com o 3,2% do conjunto que da distribuição o produtor estado.” seria o 100% ideal da começa a produzir um remuneração de um filme? Muito filme e, quando teria que repor o capital pouco. Seria realmente, não só querer investido naquela produção, o filme já está que o rabo abanasse o cachorro, em condição de exploração e é jogado no mas que o rabo cortado abanasse o mercado. Com isso, mal ou bem, o produtor cachorro inteiro. cria um capital de giro que lhe permite Acho que se a gente fizer com aplicar em uma outra produção. Este é o rolo que o filme brasileiro tenha uma tradicional da produção cinematográfica melhor remuneração no mercado no qual produção e distribuição trabalham interno ocupando as várias janelas, já articuladamente. Tradicionalmente existia estaremos, no mínimo, dividindo as uma verticalização muito maior, existiam despesas com o estado. estúdios que produziam distribuíam e exibiam. De alguma forma, essa articulação Já está tramitando no Congresso dos elos da cadeia econômica é necessária. o projeto que prorroga os efeitos do Além disso, o cinema industrial trabalha Artigo 1º da Lei do Audiovisual. Se esse em função da diminuição do risco. Imagina mecanismo acabasse, os investimentos então o cinema autoral, dirigido às salas em produção sofreriam uma redução especiais, às salas de arte, que representam 22

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

o grosso do investimento estatal não só no Brasil. A auto-sutentabilidade, ou seja, viver a partir de seu próprio mercado em um sentido amplo, se apresenta como uma utopia que faz o processo andar. Seria necessária uma reordenação do mercado mundial para que fosse possível essa capitalização. Não seria o caso de o mecanismo ser revisto e ganhar um caráter permanente? Em 2016 não será necessária, novamente, a sua prorrogação? A gente prefere ir mais profundamente nas discussões e falar na reordenação do mercado mundial, numa redefinição da relação de forças entre os vários países produtores. Aí a regulamentação tem um papel a jogar nessa reordenação. Acho que a fórmula de ir renovando sucessivamente representa um pensamento desejoso. Mas seguramente o processo de independência e de autonomia da produção audiovisual será tão longo quanto o processo de autonomia econômica dos países periféricos. É um eufemismo, mas é a verdade. O Artigo 39 da MP 2228-1 trouxe alguns bons resultados, gerando produções para a TV por assinatura. Por outro lado, o modelo coloca as produtoras mais como prestadoras de serviços que como co-produtoras de fato. Isto pode ser revisto? Falo como diretor-presidente da agência sobre o que é uma tendência na diretoria colegiada. Quando o mecanismo foi concebido, foi de uma maneira saudável: deixar uma boa margem de liberdade para acumular massa crítica para permitir a sua reformulação. O mecanismo não representa aquele compromisso radicalmente liberal que reage à intervenção do Estado. Nitidamente, precisa contemplar algumas revisões, como a de não servir simplesmente para retroalimentar a grade das televisões; não servir exclusivamente para colocar as produtoras independentes de televisão como prestadoras de serviços para

>>


N達o disponivel


( entrevista) instalada na Casa Civil e nos ministérios designados. Há também uma dificuldade de se enfrentar a questão da regulação dos conteúdos. Por outro lado, a Lei do Audiovisual precisa ser revista. Por ocasião da prorrogação do Artigo 1º se colocou esta questão, se seria uma oportunidade para rever a lei. Os setores corporativos ficaram receosos de que uma revisão mais ampla pudesse comprometer a renovação e optaram pela “prorrogação do Artigo 1º sequinho” (conforme propôs o produtor Luis Carlos Barreto em evento que debateu a renovação do mecanismo). Mas veja que a questão legislativa continua no ar. Tem a revisão do modelo colocado pela Lei do Audiovisual, a transformação da MP da Ancine em lei, o que seria de bom tom, e também a questão da Lei Geral de Comunicação de Massas. São projetos grandes em matéria de abrangência, complexidade e delicadeza política.

independentes de televisão como prestadoras de serviços para as programadoras. A idéia inicial foi fortalecer as produtoras indepen­ dentes, que reclamam inclusive da falta de um mecanismo próprio de incenti­vo, dizendo que as programadoras têm um incentivo, mas as produtoras não. Essa é uma questão que tem que ser contemplada, não pelo Art. 39 mas por um novo mecanismo. Essa questão faz parte da agenda da Ancine. O Art. 39 resultou de uma negociação com as programadoras estrangeiras. A Ancine não quer desconsiderar esta negociação. Mas a agência tem o objetivo de incentivar a existência de uma produção independente. A ação da ABPI-TV, combinada com a Apex, em relação à exportação de produto audiovisual brasileiro para televisão tem dado muito certo. Mas encontra uma questão natural do processo, o fato de que é mais fácil vender um projeto por fazer que um projeto pronto. Na hora de apresentar os projetos, as produtoras estrangeiras perguntam: qual é a contra-partida que as nacionais podem oferecer. As produtoras brasileiras não têm uma contrapartida. Por isso há oportunidades que estão sendo desperdiçadas por falta de contrapartida. Falta uma política de incentivo ao produtor independente. Isso, combinado com a atualização do Artigo 39, pode desenhar uma política.

Em entrevista concedida à Pay-TV em novembro de 2001, o senhor disse que a prioridade da Ancine era atuar para o cinema, apenas com uma interface para o audiovisual, mas que a agência ainda abrigaria o setor de TV, dizendo que “o jogo não acabou”. E agora, o jogo acabou? Eu sempre defendi esta questão, tanto quando foi criada no final do governo passado, quanto no início deste governo, quando a agência teve de ser apresentada ao novo governo. A Ancine é a incubadora de uma agência que fatalmente transbordará para a atividade audiovisual como um todo. Acho que o cinema e a atividade audiovisual são duas atividades e duas indústrias diferentes. Acho que a pirâmide audiovisual tem a TV aberta na base, que terá agora anexos como a telefonia e a Internet, mas que se dirige a um vértice que é o cinema. Pela concentração de informação que o cinema tem, pela A vinculação da Ancine ao Ministério sua qualidade prototípica, o cinema é da Cultura foi criticada por parte do setor o conteúdo mais nobre da pirâmide. regulado pela agência. Indiscutivelmente, o Essa vinculação cerceou de filme passa por toda alguma maneira a liberdade a cadeia. Ele poderá de atuação da agência? Ele ser capturado num virou uma sub-secretaria da chip dum telefone Secretaria do Audiovisual? celular, ligado em Não. Seguramente uma tela plana em não. Em primeiro lugar, a casa com sistema de decisão de vinculação de som surround. Nesse um órgão é uma decisão momento ele estará de governo. O MinC, que interagindo com defendeu vigorosamente telefonia e televisão. “A idéia foi fortalecer a manutenção da Ancine O que está as produtoras enquanto autarquia especial acontecendo com a independentes, que indústria fonográfica por quando foi necessário reclamam da falta de conta da Internet já está fazê-lo junto à Casa Civil, um mecanismo de tinha a concepção de que o começando a acontecer incentivo. Essa é uma com o cinema. A ministério formula políticas que são implementadas pela questão que tem que Condecine cobrada ser contemplada por sobre publicidade agência. Esta consciência existiu desde o início. O um novo mecanismo, já prevê outras encaixe de uma agência modalidades. Até que não pelo Art. 39.” em implantação junto ponto a publicidade por com um projeto de ampliação das suas celular é objeto da ação da Ancine? competências criou uma necessidade de Nós acreditamos que seja. alinhamento. Mas a Ancine tem trabalhado Antes eu disse que o jogo em consonância com a Secretaria do não acabou. Hoje digo que o jogo Audiovisual e com o MinC. está começando!

Existe algum outro ponto da MP que mereça uma revisão? Seria avançar além da competência da agência alterar a MP. A agência já identificou uma necessidade de revisão da MP, inclusive porque ela tem quatro anos e ainda é uma medida provisória. Ela precisa ser transformada em lei. Este processo foi ultrapassado pela colocação da discussão do projeto da Ancinav, uma questão pública e notória, sobretudo para os leitores de Tela Viva. Há ainda uma proposta de criação da Lei Geral das Comunicações, com comissão 24

T ela

V iva

dez 2 0 0 5


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


( capa)

Edianez Parente

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

TVs querem mais em 2006 Redes relatam no ano faturamento em publicidade superior ao de 2004 na ordem de dois dígitos percentuais; Copa e eleições turbinam próximo ano.

A

de empresas estatais ligadas aproximadamente às modalidades esportivas 13% (Banco do Brasil, Correios, em 2005. E é quase isso Caixa Econômica Federal, que projeta crescer ao Petrobras). Em 2005, com longo do ano que se todo o escândalo político, aproxima, na melhor ainda assim, nos nove das hipóteses. primeiros meses, a conta O índice pode de gastos em TV estava em parecer menor se R$ 304 milhões - ou 60% do for comparado que se gastou nesta mídia aos percentuais no ano anterior. Importante de crescimento salientar que tamanho índice informados pelas não se verifica com os demais demais redes abertas; veículos de comunicação. no entanto, há que se Com outdoor, por exemplo, levar em conta que, os gastos estavam em cerca quando se passa dos “A expectativa é crescer de 30% em relação a 2004. R$ 4 bi/ano, como é em linha com o mercado.” o caso da líder, cada A ABA (Assoc. Bras. de Willy Haas, da Globo unidade percentual Anunciantes) não tem um número fechado sobre significa um valor os investimentos para o com pelo menos oito próximo ano, por conta dos setores diversos números. Ou seja: se há tamanha massa que abrange, mas sinaliza que será maior do crítica, qualquer crescimento é muito que em 2005. representativo. “Os eventos têm um peso maior no Para 2006, a Globo projeta três direcionamento da verba do que no seu cenários para o mercado publicitário. incremento”, afirma Ricardo Monteiro, No otimista, trabalha com 12% de presidente do comitê crescimento; no realista, 10%; e no de mídia da entidade. pessimista, 8%. Segundo Willy Haas Segundo ele, aumentos de Filho, diretor geral de comercialização, investimentos decorrem “a expectativa é crescer em linha com diretamente do aumento o mercado”. A Globo não considera da atividade econômica suas estimativas conservadoras. e do poder aquisitivo da “Em qualquer caso, são índices de população. crescimento consideravelmente acima A TV Globo, veículo dos da economia como um todo, o que de mídia número um reflete a crença dos anunciantes na do País, apresentou força da publicidade como motor do um crescimento de consumo”, afirma Haas. De acordo com fotos: divulgação

no par, ano de Copa do Mundo, ano de eleições. Ainda que ninguém se arrisque a ser demasiadamente otimista, até as projeções mais realistas apontam para crescimento de receitas de publicidade em TV aberta a partir de dois dígitos em 2006. O novo ano promete movimentação nos mercados. As emissoras abertas, que entregam 2005 com declarado crescimento nas suas receitas provenientes de publicidade, acreditam que o maior evento do futebol mundial turbine o mercado como um todo - e não apenas o canal que detém os direitos do evento, ou seja, a TV Globo. E há no segundo semestre o período eleitoral. Fora os sempre alegados prejuízos às redes por conta do horário político gratuito, ele dá um atrativo maior principalmente à grade de jornalismo. Descontadas as incertezas que todo processo de escolha sucessória acarreta na economia nacional, as redes não projetam um cenário pessimista. Pegando por exemplo um grande investidor da mídia TV, o próprio governo federal, no último ano em que coincidiram Copa e eleições, 2002, os gastos com TV chegaram a quase de R$ 423 milhões (veja quadro). Dois anos depois, os gastos saltaram para mais de R$ 510 milhões - foi ano de Olimpíada, época de grandes investimentos

“Fomos penalizados pela redução de 50% na verba de publicidade do Governo Federal.” Walter Zagari, da Record

28

T ela

V iva

dez 2 0 0 5


o diretor da Globo, tanto a participação da emissora no total dos investimentos em TV quanto no share de audiência mantêm-se estáveis. SBT O SBT, segunda maior rede do país, relatava em novembro um faturamento para 2005 cerca de 20% acima do ano anterior. Cláudio Santos, diretor comercial do SBT até o final do ano, descreveu um faturamento líquido de R$ 700 milhões. Segundo Santos, somando-se a este montante também o faturamento publicitário das redes afiliadas (total de 107 emissoras), o SBT soma em publicidade em 2005 ano acima de R$ 1 bilhão. De acordo com o então executivo do SBT, a emissora projetava para 2006 um crescimento de 13%, mesmo sem carregar a Copa do Mundo. Para o próximo ano, a emissora promete mais um horário de novelas, e muitas estréias em reality shows, como “Supernanny” e o concurso de calouros “Ídolos”, baseado no formato do sucesso norteamericano “American Idol”. “O perfil do anunciante que está no SBT é igual ao do mercado; são os maiores, com forte presença do varejo”, disse Santos. Record Emparelhada com o SBT está a Record, que publicamente se assume como na cola da Globo - seu slogan é “rumo à liderança”. A emissora cresceu muito no ano, mas até esperava mais, conforme explica o superintendente comercial, Walter Zagari: “Esperávamos atingir esse crescimento, mas acredito que, assim como a Record, todos os veículos de comunicação foram pena­ lizados pela redução de aproximada­ mente 50% na verba publicitária do Governo Federal.” O índice da emissora ficou em 40%, com a Record alcançando os R$ 700 milhões. Para 2006, a rede espera aumento de audiência e de faturamento. “Em relação ao faturamento, me arrisco em dizer que, mesmo com a falta de parte da verba do governo, a Record apresentará um crescimento de 35%”. O que faz o executivo projetar esse

número são os lançamentos últimos meses do ano de programação, a Copa foram especialmente do Mundo e as eleições. bem-sucedidos. Mesmo sem ter a Copa, “Outubro, por exemplo, a Record tem uma grade foi o nosso melhor forte de futebol - exibe mês dos últimos três os mesmos campeonatos anos”. As novidades na que a Globo, Paulista programação (novos e Brasileirão. Zagari programas de Raul informa que todos os Gil, Claudete Troiano), patrocinadores de 2005 os bons resultados já renovaram seus contratos de audiência com o para 2006 e outros estão jornalismo e também na fila de espera. com o futebol (com o O executivo diz que excelente campeonato o faturamento da rede é espanhol e o “Outubro, por exemplo, resultado da combinação campeonato italiano foi o nosso melhor mês de algumas variáveis: também), dramaturgia dos últimos três anos.” patrocínio, veiculações (a novelinha avulsas em rede e locais, e Marcelo Mainardi, da Band “Floribella”), são também merchandising. apontados por Mainardi Na Record, as categorias como alavancadores que puxam o faturamento são jornalismo, das receitas da rede. esporte e novela. O seriado nacional Para 2006, a Band não espera nada “Avassaladoras”, uma novela de Lauro César menos do que 20% de aumento. Muniz gravada em São Paulo e a terceira Mesmo sem ter a Copa do Mundo, a edição de “O Aprendiz” são algumas das rede envolveu-se no projeto comercial novidades na emissora para 2006. da Bandsports e terá boletins especiais jornalísticos do evento (leia a seguir). Band Além disso, a emissora estréia mais um A TV Bandeirantes, apontada no mercado horário de dramaturgia e tem um forte como uma das mais prejudicadas pela projeto de cobertura do Carnaval de diminuição de anúncios do governo, ainda Salvador - já vendido no mercado. assim registrava um 2005 até 30% superior a 2004, que por sua vez já tinha sido maior Rede TV! 40% por conta da Olimpíada. A meta de A Rede TV!, que sofreu no final do crescimento para este ano estava estipulada ano alguns revezes por conta de seu em 18%. De acordo com Marcelo Mainardi, polêmico apresentador popular João diretor executivo comercial da emissora, os Kléber, esperava um grande ano. De

Aposta na regionalização Willy Haas, da Globo, diz que as oportunidades regionais seguem como uma fronteira ampla a ser explorada. “Muitos mercados regionais têm crescido em ritmo mais acelerado do que o mercado como um todo”. Para ele, isso deve continuar em 2006 e também nos anos seguintes, refletindo a força da economia regional e também os fortes investimentos que as emissoras fazem para atender ao público e ao mercado anunciante local. O crescimento das emissoras se reflete também nas suas afiliadas, segundo Walter Zagari, da Record. Ele diz que sempre que é veiculada uma inserção em rede, há o repasse de verba para todas as praças que a exibiu. Um exemplo de investimento local é o da TV Aratu (BA). A afiliada do SBT em Salvador comprou equipamentos digitais para captação e finalização de suas reportagens. Montou um núcleo de verão, formado por uma equipe de produção exclusiva para a cobertura de eventos e produção de reportagens na Bahia. Produtores, repórteres e editores trabalham no projeto, que inclui a cobertura de festas populares, Natal, Réveillon e Carnaval. Tudo isso gera receita local para a emissora.

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

29

>>


( capa ) Investimentos em mídia do governo federal

Total geral: Administração Direta + Indireta

900 800

em R$ milhões

700 600 500 400 300 200 100 0 Meio Internet Outdoor Rádio Revista Jornal Televisão

2001 12.640.141,65 14.125.313,38 101.699.780,95 78.144.209,14 130.738.242,68 509.894.971,71

2002 10.613.538,40 7.603.866,35 62.545.722,26 71.052.635,06 103.226.312,01 422.834.603

2003 8.868.090,99 6.327.110,55 58.567.688,66 70.553.872,57 63.488.117,25 376.185.413,52

2004 11.496.701,67 16.060.381,67 89.315.427,41 85.616.939,03 107.937.680,02 510.650.530,44

2005* 6.603.660,61 5.053.535,53 47.504.351,90 57.360.846,45 55.111,432,02 304.840.74,19

* De janeiro a setembro. Os valores não incluem publicidade legal, produção e patrocínio. Fonte: SECOM

acordo com Marcelo de Carvalho, vicepresidente da emissora, a expectativa era de se registrar em 2005 o maior crescimento da história da rede — que completou seis anos no último mês de novembro. No início de dezembro, o departamento comercial da RedeTV!, que tem como superintendente comercial Dalton Machado, comemorava o cumprimento da meta de faturamento da emissora, com ganhos 35% superiores a 2004. Portanto, a Rede TV passou dos R$ 270 milhões de faturamento. Para 2006, a emissora tem um Projeto Verão, leva o “Pânico na TV” para cobrir os bastidores da Copa e negocia para ter novamente a Série B do Brasileirão.

breakes comerciais. E ele acredita que no próximo ano esta condição se mantenha: “É uma tendência na TV segmentada, que os anunciantes busquem essa horizontalidade”, afirma. Valentin cita as empresas ligadas a telecomunicações (fabricantes, teles fixas e móveis, provedores de Internet) como responsáveis por 30% das receitas.

FATURAMENTO DAS EMISSORAS EM 2005 R$ 4,3 bilhões R$ 703 milhões R$ 700 milhões R$ 270 milhões não divulgado R$ 121 milhões R$ 125 milhões

Globo SBT Record Rede TV Band MTV TV Cultura*

MTV Maior emissora aberta (UHF) segmentada do mercado brasileiro, a MTV fecha 2005 com receitas 21% maiores que no ano passado - segundo balanço do Grupo Abril, a emissora faturara em 2004 cerca de R$ 100 milhões. Guilherme Valentini, diretor de publicidade do canal, conta que 60% das receitas vieram com os patrocínios - o restante ficou para

EXPECTATIVA DE CRESCIMENTO EM 2006 de 8% a 12 % 13% 35% não divulgado 20% 12% não divulgado

Globo SBT Record Rede TV! Band MTV Cultura

Fonte: estimativa das emissoras (em R$) *Orçamento anual

30

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

Para 2006, a MTV promete uma programação mais voltada à música, atendendo a pedidos do público. O diretor de publicidade conta que muitos dos eventos já estão com patrocínios renovados. O prêmio VMB, por exemplo, já está com metade das cotas renovadas. Na previsão de crescimento para o próximo ano, a MTV estima 12%. “É um ano de eleição, sempre existe um risco”. O diretor acha que a Copa absorve uma considerável verba de anúncios - e a MTV bem que garantiu sua parcela; afinal, é parceira (com o programa “Rock & Gol”) da Coca-Cola em sua promoção que cadastra clientes num sorteio para ir à Alemanha. Segundo Guilherme Valentini, o governo Lula não foi muito favorável à MTV como veículo para suas campanhas de governo. Cultura A TV Cultura, um mix de TV pública estadual (leia-se PSDB) e fundação sem fins lucrativos que vende patrocínios, é outra que se ressente da falta de verbas do governo federal (leia-se PT). O orçamento da emissora em 2005 foi de R$ 125 milhões e a Cultura deve fechar o ano com a obtenção de cerca de R$ 20 milhões em patrocínios. Para 2006, além de esperar uma dotação orça­mentária maior - a verba do governo estadual é passível de aprovação na Assembléia Legislativa paulista -, a Cultura quer mais receitas com seus tantos novos projetos. “A TV Cultura não vende audiência, vende credibilidade, prestígio; esse é o nosso grande diferencial”, diz Marcos Mendonça, presidente da Fundação Pe. Anchieta, mantenedora do canal. A Cultura também obtém receitas com ofertas de serviços, mas seus custos operacionais continuam altos: manutenção das antenas retransmissoras no Estado, custos de satélite. A TV não faz previsões para o próximo ano, mas aposta nos novos projetos, como a parceria para programas jovens com o Grupo Abril, bem como na inovação tecnológica, com a chegada dos novos equipamentos da Grass Valley que comprou.


Canais pagos faturam 25% mais em 2005 TV por assinatura cresce e pleiteia share maior.

A

fotos: divulgação

TV por assinatura cresce muito abocanhar pelo menos os 8% que representa acima das demais mídias. na penetração dos domicílios com TV no País No primeiro semestre do ano - índice que ainda assim estaria minimizado apresentou o maior crescimento, e a em sua real importância, dada a participação aposta é que o desmaciça do segmento A/B empenho na segunda na composição da base asmetade sinante - um alcance total de do ano ratifique aproximadamente 13 milessa trajetória. hões de indivíduos. As estimativas são Ricardo Monteiro, da de que o setor como ABA, aponta a presença da um todo chegue ao Copa do Mundo nos canais final de 2005 com pagos esportivos, com a um faturamento 25% respectiva venda das suas acima de 2004. cotas, como exemplo de Essa foi a média migração de verbas. que as principais No período de eleições, ele programadoras do vê também a TV paga como mercado, ouvidas por importante alternativa para Tela Viva, projetaram o anunciante em busca de para o aumento de qualificação de público. “Estimamos um crescisuas receitas em ad “Existe um movimento sales neste ano. Com crescente de o anunciante mento de até tudo isso, no entanto, 12% em 2006, o que é se aproximar mais do seu o setor prevê chegar ao fantástico, se cliente, e não mais apenas final do ano com mecom o comercial de 30 comparado ao PIB.” nos de 3% de participasegundos”, diz. Fred Müller, da Globosat ção no bolo de publiciA boa aceitação da mídia dade do País - o que, é já faz algumas programaconsenso, ainda é pouco, muito pouco. doras pleitearem maiores valores pelos seus É corrente que a TV paga brasileira espaços de publicidade. E já há canais no já teria por obrigação e direito poder mercado brasileiro que faturam mais em

vendas de publicidade do que propriamente no mercado de assinaturas. No início de dezembro, os canais pagos relatavam lotação nos seus breaks comerciais no final de ano, por conta de uma alta demanda por veiculações por parte dos anunciantes. Turner Segundo o VP de ad sales e marketing da Turner, Rafael Davini Neto, de todos os seus canais, o maior crescimento de receita de publicidade em 2005 foi da TNT: quase 60%. O Cartoon Network, que também é líder no seu segmento, manteve-se na média de crescimento do mercado, em 25%. “Isto porque o Cartoon já é um canal mais estabilizado”, explica. Para o próximo ano, Davini crê que os canais de esportes devem alavancar todo o setor. Globosat Fred Müller, diretor de vendas publicitárias da Globosat, não abriu os números de crescimento da programadora, porém garantiu que se tratou “de um ano muito bom”. A Globosat continuou com seus projetos que incluem, além das vendas de patrocínios nacionais de todos os seus canais, também anúncios locais para oito praças, nas operações Net: Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Florianópolis, São Paulo e Rio de Janeiro. Nestas capitais, além dos canais de seu próprio

>>


( capa ) fotos: divulgação

assinaturas, na ordem de portifólio, a Globosat 10%, com uma aposta vem negociando ainda maior no final de os breaks locais da ano, dadas as incisivas Net (dois minutos promoções da Net e Sky. por hora) e também “Nosso ano foi muito de alguns canais bom; tivemos 36% internacionais: AXN, de crescimento de ad Sony, Nickelodeon e sales”, afirma Gustavo Fox. Leme, diretor geral dos Para 2006, a canais Fox no Brasil. Ele programadora estima conta que o National um crescimento Geographic Channel entre 10% e 12% apresentou tanto superior ao de 2005, crescimento de audiência o que, na sua visão, quanto de ad sales, tal não é pouco: “Vira como o novíssimo FX. um índice fantástico, O canal Fox também “Quanto mais a TV paga se comparado, por trouxe inovações. No exemplo, à evolução se aproximar do modelo bloco noturno de do PIB”, compara de comercialização animação “Não Müller, que vai ter da TV aberta, com Perturbe”, por exemplo, ampla cobertura regionalização, mais vai houve uma adaptação nos seus canais dos dos próprios anunciantes crescer.” principais destaques de programação ao Paulo Leal, da Disney & ESPN ao marketing do canal, longo do próximo levando algumas de ano: Copa do Mundo, com o SporTV; suas peças para o formato “deitado”, tal e a cobertura das eleições, pela como as animações. GloboNews. Müller vê a escalada de Para 2006, a Fox vê o esporte como crescimento da TV paga como um otimizador do setor. Tanto que puxa círculo virtuoso e acredita que, nesta atrações esportivas para o FX e pretende perspectiva, a Globosat acertou em lançar seu novo canal de velocidade e cheio ao investir em programação motor, o Speed. Ainda, o canal Fox estréia nacional: “Foi o que se mostrou o o seriado nacional “Avassaladoras”, caminho certo”, diz. parceria com a Record e a Total Filmes. Fox Disney & ESPN A Fox relata crescimento Os canais ESPN, ESPN Brasil, Jetix e superior ao da média do mercado Disney passaram no final do ano a ter em publicidade, mas destaca que distribuição conjunta às afiliadas; no também cresceu em receita de

Lamac confunde o mercado A Lamac, associação dos programadores internacionais com distribuição na América Latina para fins de publicidade, no intuito de apresentar dados qualitativos ao mercado, reuniu parte dos anunciantes para uma exposição que acabou questionando a própria credibilidade da indústria. A entidade expôs aos publicitários que os números divulgados pelos operadores ao mercado estariam abaixo da realidade. Diz que vai trabalhar para no próximo ano oferecer aos anunciantes um índice mais adequado de penetração da TV paga no Brasil. Ouvidos por esta publicação, as entidades de pesquisa, operadores e os próprios executivos das programadoras internacionais aqui estabelecidas defenderam o setor e a seriedade dos trabalhos no Brasil. Ana Maria Gemignani, diretora de marketing da Globosat e integrante do comitê de marketing da ABTA, diz que os sistemas de pesquisa utilizados e divulgados pela indústria (Ibope, TGI, Marplan, PTS) têm metodologia estatística, seriedade e são auditados por entidades reconhecidas internacionalmente. “Tudo vem sendo assimilado pelo mercado, que prestigia muito a TV por assinatura e também a sua programação brasileira”, diz Ana Maria. Segundo ela, a questão da pirataria deve ser abordada como um caso de ilegalidade: “Não vamos oficializar os dados dos piratas”, afirma.

32

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

entanto, a venda de publicidade já vinha há um ano sendo feita pela mesma equipe, sob o comando do diretor de ad sales, Paulo Leal. Ele conta que é de acima de 50% o crescimento dos canais registrado em 2005 em relação ao ano anterior (deve-se considerar que no ano anterior o canal da Disney não veiculava publicidade). O executivo não minimiza o poder de fogo do setor, por estar ainda com uma participação de menos de 3% no bolo da publicidade nacional. Pelo contrário, vê o dado como importante: “A TV por assinatura é o meio que tem mostrado o maior crescimento de todas as mídias. É uma indústria recente, com 15 anos, e já chega a quase 3%; o meio rádio é gratuito, tem abrangência nacional, está há 80 anos no mercado e tem 4%”. Ele diz não duvidar de que o setor tem tudo para que, nos próximos cinco anos, supere as demais mídias, como rádio, outdoor, mídia exterior e chegue muito perto do segmento de revistas, hoje em média com 9% de participação. Sobre os canais esportivos, Leal celebra o fato de a ESPN ter atraído para a TV paga um anunciante tão importante quanto a Casas Bahia (em 2004, como patrocinadora do futebol). Em 2005, os canais também atraíram um setor anunciante importante, o farmacêutico. Dos canais infantis, o Disney tem se mostrado com forte demanda. Isto se explica porque apenas recentemente o canal conseguiu entrar no line-up da Net. Para 2006, segundo Leal, pela primeira vez o canal fecha o primeiro trimestre com 100% de sua meta de vendas atingida. Para o Jetix, um canal já consolidado no seu segmento, o cumprimento de metas já é rotina, explica Leal. Além disso, a equipe da ESPN passou, no último quadrimestre do ano, a vender inserções regionais nas operações Neo TV em seis praças: Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Goiânia. “É um sistema de ganha-ganha, em que o operador também é remunerado”, explica Paulo Leal, apontando que a estratégia mostrou que o anunciante vai atrás cada vez mais dos espaços


regionais. “Quanto mais a TV paga se aproximar do modelo de comercialização da TV aberta, mais vai crescer”, vaticina o diretor. Viacom A animação nos infantis é geral. O canal Nickelodeon, o carro-chefe da recém-lançada Viacom Networks no Brasil, também segue firme na segunda colocação no alcance entre os canais infanto-juvenis. Por exemplo, para a edição 2006 O “Cocoricó” tem novos episódios na TV Rá Tim Bum. do Verão Nick, duas cotas estavam (DVDs, produtos etc) também já é uma fechadas no começo de dezembro, importante fonte de receitas. “Mas com Grendene e McDonald’s. nós somos muito cautelosos com a Para o novo canal da Viacom no propaganda no canal”, ressalta Feltrin. País, o VH1, Fátima Zagari, diretora “Não aceitamos determinados produtos de publicidade da programadora, e nossos personagens não estimulam o já relatava os anunciantes mesmo consumo de produtos ou fazem apelos antes de sua estréia. O novo de compra”. Assim, a Nestlé aparece no canal musical, embora ainda não canal com vinhetas voltadas aos pais, tivesse sido incluído no line-up de com orientações pedagógicas; a Porto nenhuma operadora, já tinha no seu Seguro criou ou “Portinho Seguro”, com lançamento garantindo a presença dicas de segurança para as crianças. A de duas marcas fortes: Nestlé e Estrela foi o primeiro anunciante da TV Rá Henkel (cola SuperBonder). Tim Bum. TV Rá Tim Bum Ainda no segmento infantil, a TV Rá Tim Bum, com um ano de existência e apenas 20% de penetração na base assinante, já tem sua receita de publicidade maior do que a de assinaturas. “Sentimos que os anunciantes mais financiam uma causa do que fazem uma pura opção de mídia ao patrocinarem o Rá Tim Bum”, diz Cícero Feltrin, diretor de marketing do canal. O licenciamento

Clima de Copa Bandnews e BandSports cresceram juntos quase 35% em 2005 e prevêem um 2006 bem gordo - a Copa do Mundo deve turbinar as receitas dos canais em atípicos 70% acima de 2005. Em dezembro, a programadora já tinha vendido quatro de suas seis cotas principais para o evento, conforme informou o diretor de vendas de publicidade do canal, Alexandre Bortolai. Ainda que o preço de tabela de cada cota fosse salgado (R$

19 milhões, mais que o dobro da ESPN Brasil, por exemplo), o pacote da Bandsports envolve também a cobertura jornalística do canal Bandnews e boletins jornalísticos especiais na TV Bandeirantes. Bortolai ressalta o alto investimento no evento - a Band deve levar 60 profissionais para a Alemanha. No segundo semestre, com eleições, o Bandnews espera uma audiência tão grande quanto obteve com a cobertura das CPIs - e portanto terá também um pacote especial de patrocínios. Sony e AXN O canal AXN, vendido pela Sony Television, é um dos que se destacaram ao longo do ano. O canal registrou um aumento de 53% na sua audiência, em comparação entre agosto de 2004 e o mesmo mês de 2005, entrando entre os dez mais da TV paga. A chegada da série “Lost” foi um dos alavancadores do canal, sendo exibida em sete meses. “Com as boas audiências o canal alavancou ainda mais sua programação e definiu-se melhor, com um perfil de ação, um novo visual e inseriu na programação mais séries renomadas como ‘CSI: Miami’, ‘CSI NY’, ‘Las Vegas’ e trouxe de volta ‘Alias’”, afirma Stefania Granito, gerente de marketing do canal no Brasil. Marcas como Listerine, Samsung, Ford e Brastemp, que buscavam apenas as séries do canal Sony, estenderam suas compras de mídia também para o AXN.


(publicidade)

Daniele Frederico

d a n i e l e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Rentabilidade no limite Os altos custos da produção publicitária no Brasil levam a margem de lucro das produtoras para baixo; elenco e mão-de-obra são os itens mais preocupantes do orçamento.

O

preço das produções publicitárias no Brasil não sofreu alterações significativas nos últimos cinco anos. Ainda assim, as produtoras só viram a sua rentabilidade despencar. A concorrência, o redirecionamento de verbas dos anunciantes e o encarecimento da mão-de-obra técnica e do elenco são apenas alguns dos fatores que fizeram com que as produtoras sentissem as suas margens diminuírem, à medida em que os orçamentos mantiveram-se enxutos e os custos aumentaram. Paulo Schmidt, da Academia de Filmes, acredita que o preço médio de um filme comercial hoje, no Brasil, esteja entre US$ 80 e US$ 100 mil. Segundo o produtor, esse valor tem se mantido nos últimos dez anos. Porém, os custos da produção aumentaram, restando às produtoras a opção de reduzir as suas margens. Essa margem, que já chegou a ser de 50%, hoje varia muito abaixo desse número. “Não conseguimos repassar o aumento de custos para os anunciantes. Hoje, a maioria das produtoras trabalha com taxas de 20% a 30% de lucro”, afirmou Schmidt. O achatamento dos preços pode ser atribuído a um conjunto de fatores, entre eles a mudança de perfil do anunciante, que passou a procurar soluções imediatas para a venda de seus produtos. Essa tendência pode ser notada pelo crescimento da publicidade de varejo no Brasil, que concentra hoje grande parte da verba publicitária. “Os anunciantes estão destinando uma proporção maior de suas verbas ao varejo. Se há alguns anos atrás, essa proporção era de 50% para varejo e 50% para institucional,

sua personalidade”, diz. Ao considerar que o maior anunciante do País, a Casas Bahia, investe justamente na publicidade de varejo, é impossível ignorar a sua importância. “O varejo está sustentando as nossas redes de televisão. Para as produtoras, é interessante por garantir volume de trabalho durante um determinado tempo, possibilitando uma redução de custos”, afirma Schmidt. Os produtores concordam, no entanto, que o varejo é uma solução imediata para o problema de estoque das empresas, e que a propaganda institucional não pode ser abandonada. “O varejo bem feito é extraordinário. Para que funcione, deve acontecer é uma união de dois fatores: a identificação do consumidor com a marca, por meio da propaganda institucional, e as facilidades de compra daquele produto no varejo”, diz João Daniel Tikhomiroff, da Mixer, grupo do qual faz parte a Pizza Mixer, uma bandeira específica para a produção de comerciais na área de varejo.

hoje talvez isso seja 70% ou 80% no varejo e 20% ou 30% no institucional”, afirmou Eduardo Tibiriçá, da Bossa Nova Films. Para Leyla Fernandes, presidente da Associação das Produtoras de Obras Audiovisuais (Apro), a propaganda de varejo pode ser nociva, uma vez que, na falta de campanhas institucionais, as marcas perdem suas características e passam a ter somente preço. “Quando um anunciante coloca vários produtos de diferentes empresas em seu comercial, ele faz com que esses produtos não tenham tanta necessidade de estabelecer a sua própria marca, o que pode causar, a médio e longo prazo, a perda de 34

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

Non-advertising Além do varejo, os anunciantes têm desviado a sua atenção do break convencional para outras formas de publicidade que se mostram efetivas, como promoções e eventos. Mais uma vez, as verbas destinadas aos comerciais televisivos são achatadas. Esse desvio causa problemas não apenas para as produtoras, mas para os outros participantes da cadeia, como as locadoras. Paulo Ribeiro, da Locall, afirma que os preços de tabela de locação não foram reajustados em dois anos, e as locadoras não conseguem repassar os custos para outros componentes da cadeia produtiva. “Somos o fim da linha. O consumidor


termos de produção e continuaremos produzindo localmente e explorando vários projetos”. Segundo informações da Apro, um dos itens que torna os custos argentinos menores que os brasileiros é o casting, que chega a ser 30% mais barato que o nosso. Custos com elenco e mão-de-obra têm sido apontados como dois dos fatores que mais encareceram a produção e forçaram as produtoras a baixar suas margens. “Nos últimos cinco anos deve ter havido um crescimento de 150% no custo de elenco e 100% na mão-de-obra”, calcula Schmidt, da Academia. No caso do elenco, os aumentos são mais recentes e o impacto foi sentido este ano. O sindicato que representa a categoria e as produtoras têm tentado encontrar uma forma de minimizar o problema, mas até o momento, o elenco ainda é considerado um dos itens mais onerosos do orçamento. “Se o anunciante quer elenco com exclusividade, por exemplo, isso encarece. Precisamos, além de um preço mais justo, de um briefing mais exato para que os gastos sejam mais racionais”, diz Leyla. Uma das formas encontradas para que o elenco não pese tanto na produção, foi orçá-lo à parte, sendo pago diretamente pelo anunciante. “Na Bossa Nova Films, orçamos o elenco à parte, para que não onere uma sobretaxa da própria produtora sobre este custo. Com isso, mais uma vez a produtora cede parte do seu ganho”, diz Tibiriçá, que também lembra a possibilidade de buscar atores diretamente no mercado, sem passar pelas agências de casting. A mão-de-obra formada pelos técnicos também é apontada como um dos principais motivos para o aumento do custo da produção. A falta de profissionais especializados, de uma política de formação de mão-de-obra e a organização em sindicatos têm fortalecido essa categoria de profissionais. “Não estamos conseguindo convencer os nossos técnicos que se eles

FOTOS: Divulgação

compra menos da empresa, que diminui a verba da agência, que paga um preço menor às produtoras, que ‘apertam’ a locadora, que não tem a quem ‘apertar’”, afirma. “As produtoras têm a opção de nos pedir para diminuir os custos. Nós, por outro lado, não podemos ligar para a Philips, por exemplo, e pedir para baixar o preço dos equipamentos”. Para sobreviver às pressões de estar no final da cadeia produtiva, as locadoras contaram com uma ajuda da economia, com a valorização do real. Os equipamentos, em sua maioria importados, ficaram mais baratos e permitiram que as locadoras não quebrassem, ainda que a rentabilidade esteja muito abaixo do desejado. “Se o dólar estivesse custando R$ 3, estaríamos em uma situação difícil, convivendo com um faturamento, no mínimo, 25% inferior ao de dois anos atrás”. Ribeiro reconhece, no entanto, que a mudança cambial também teve um impacto negativo quando o assunto é produção internacional. De 12.244 obras publicitárias produzidas em 2005, até o dia 9 de novembro, (sendo 12.153 brasileiras e 91 estrangeiras adaptadas), 247 foram obras estrangeiras autorizadas a filmar no Brasil, segundo dados da Ancine. No ano passado, foram 148 obras. Projetos como o Film Brazil, criado para divulgar o Brasil como pólo de produção, investem em outros aspectos positivos do País para atrair o mercado internacional. Equipe técnica qualificada, estrutura de produção, elenco com diferentes etnias, locações interessantes e estações do ano contrárias às dos países do hemisfério norte são alguns dos pontos enfatizados pelo projeto, já que, no momento, o câmbio pode não ser um dos atrativos se comparado aos países concorrentes, como Argentina, África do Sul e Canadá. A Argentina tem se mostrado uma feroz concorrente quando o assunto é produção. Apesar de utilizar uma tabela diferenciada para as produções internacionais, seus preços ainda são mais atraentes que os brasileiros. “O

“A margem depende também de uma melhoria nos prazos, que hoje são alucinantes.” João Daniel Tikhomiroff, da Mixer

Brasil é o país mais caro para produzir entre os países da América Latina”, afirma Paulo Dantas, da Movi&Art. O país vizinho tem se tornado tão atraente para as produções internacionais, que até mesmo algumas agências brasileiras, com clientes globais, têm realizado ali idéias criadas no Brasil. “Acho que o mercado está errado. Como uma agência do Brasil, que tem relação com os fornecedores locais, está preferindo produzir uma campanha na Argentina? Não acho que seja só uma questão de custo, mas também o fato dos argentinos estarem mais ousados, e publicidade depende de ousadia”, afirma Tibiriçá, da Bossa Nova Films. Nilvia Centeno, da agência McCannErickson, acredita que a migração das produções para a Argentina acontece por este país estar com uma política econômica extremamente favorável e pelo anseio de agências e clientes por alternativas viáveis de produção. “Acho um pouco ingênuo e fatalista demais esse radicalismo de acharmos que a procura pela Argentina enfraquecerá o mercado brasileiro. O Brasil é considerado um mercado de excelência em T ela

V iva

dez 2 0 0 5

35

>>


( publicidade ) “Nos últimos cinco anos deve ter havido um crescimento de 150% no custo de elenco e 100% na mão-de-obra.”

baixassem seus preços, trabalhariam mais e conseqüentemente ganhariam mais. Estamos discutindo hora-extra de um profissional que já ganha R$ 800 por dia de trabalho”, ressalta Dantas, da Movi&Art.

Paulo Schmidt, da Academia de Filmes

Crise política Nem só de aumento nos custos sofreu a publicidade em 2005. A intensa crise política vivida principalmente no segundo semestre do ano tornou o mercado instável e os anunciantes cautelosos. Não foi apenas o governo e instituições ligadas a ele que deixaram de anunciar. A iniciativa privada também conteve seus gastos, especialmente em propaganda institucional. “Na verdade, a crise ainda não passou. Esses últimos meses do ano deveriam estar melhores, mas acho que os anunciantes estão segurando as verbas, apostando em 2006. No caso da Academia de Filmes, crescemos 22% no primeiro semestre, mas estamos ‘gastando’ esse crescimento para equilibrar o segundo”, diz Schmidt. Os participantes da cadeia produtiva têm buscado maneiras de contornar a crise que afetou o mercado publicitário, e solucionar o problema da rentabilidade. Alguns acreditam que a rentabilidade será alcançada por meio de um aumento de volume de trabalho. “Estamos agregando na quantidade para atingir os valores”, diz Rodolfo Patrocínio, da produtora de efeitos Digital 21. Leyla Fernandes

lembra que o aumento de volume de trabalho também faz com que o mercado se equilibre automaticamente, uma vez que com pouco trabalho a oferta do anunciante passa a ser mais impositiva. “Apesar da crise política, a economia conseguiu manter-se razoavelmente estável, com um consumo forte, o que fez com que anunciantes tivessem a necessidade de anunciar mais este ano”, explica. Além disso, as negociações entre os três principais agentes da cadeia de produção — anunciantes, agências e produtoras — também é um ponto a ser melhorado. “Fazer com que nossa margem de lucro suba também depende de uma melhoria nos prazos, que hoje são alucinantes. Com tempo, podemos planejar melhor a campanha e otimizar os custos”, diz João Daniel Tikhomiroff. Paulo Schmidt também acredita que o mercado internacional possa ajudar a elevar o preço das produções nacionais. “Estamos sendo assediados pelos estrangeiros, para os quais trabalhamos com o mesmo preço, mas com uma margem melhor. Se o número de produções internacionais de grande porte aumentar muito, não teremos mãode-obra nem equipamento para atender a produção interna, o que acaba ameaçando

mixer produz publicidade mÓvel A Mobile Mixer é a nova bandeira do grupo Mixer, que nasceu a partir de uma parceria da produtora com o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar). A joint-venture foi criada para a produção de conteúdos para dispositivos móveis e interativos, e o Cesar é responsável pelas soluções tecnológicas do processo. Suas ações são voltadas exclusivamente para a produção publicitária. Fábio Ribeiro (foto), diretor de operações da Mixer, explica que gerar audiência para o conteúdo de celular tem um custo muito alto. No caso da publicidade, segundo Ribeiro, cabe ao cliente e à agência buscarem audiência para esse conteúdo. Quanto à parte tecnológica, a Mobile Mixer gera o conteúdo em todos os formatos necessários para diferentes operadoras e modelos de aparelhos, e entrega diretamente no servidor da operadora. O primeiro trabalho, já entregue, é a coluna de vinhos com Carlos Cabral para o Pão de Açúcar, criado pela agência África e veiculado na Vivo.

36

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

os anunciantes”, diz. O que se nota nas empresas de produção, finalização, locação e outros participantes da cadeia é a diversificação das atividades, ainda que para a maioria o mercado publicitário ainda seja o principal responsável pelo faturamento. “Acredito que a produção independente de conteúdo é o mercado que está crescendo. Isso vem, de certa forma, compensar a perda que sentimos na área da publicidade”, disse Paulo Ribeiro, da Locall. A Digital 21 fugiu da crise este ano com propostas de conteúdo para a telefonia móvel, longas-metragens, documentários e outras produções na área de entretenimento. “Não deixamos de atender os clientes da publicidade, mas temos sentido dificuldade em realizar novas negociações”, diz Patrocínio. Para 2006, as projeções são otimistas. Com a Copa do Mundo e as eleições, as produtoras acreditam no aumento do volume de trabalho. “A melhoria de todo o resto vai depender muito da sensibilidade dos anunciantes e das agências, de exercerem um melhor controle sobre os anunciantes, exercitar uma melhoria nos prazos e nos custos, para que, no final, os filmes fiquem melhores”, diz Tikhomiroff, da Mixer. Nilvia Centeno, da McCann-Erickson acredita em um ligeiro crescimento


do volume, mas afirma que as negociações devem continuar com a mesma intensidade. “A política agressiva de negociação veio para ficar. O mercado terá de ter um olhar maduro para encarar esse desafio”, conclui. Novas mídias A migração das verbas da produção publicitária da televisão para outras mídias, como celular e Internet, fez com que as produtoras criassem departamentos específicos para cuidar desse tipo de produção. Todas parecem concordar que somente um trabalho que integre todas as mídias poderá funcionar. “A questão é: como inserir a marca do anunciante dentro do conteúdo de entretenimento? Não é só criar ação para telefonia, ou para a web, mas sim integrá-las com a produção para a TV”, diz Tibiriçá, da Bossa Nova Films. Além disso, elas ressaltam

“Acredito que a produção independente de conteúdo é o mercado que está crescendo. Isso vem compensar a perda que sentimos na publicidade” Paulo Ribeiro, da Locall

a necessidade de otimizar os preços, pensando todas as mídias de forma alinhada, uma vez que a verba publicitária não deve aumentar. “O cliente tem de ser lembrado disso no momento em que se pensa a campanha, para que haja uma otimização dos custos. Fizemos um cálculo que mostrou que ao pensar em uma campanha integrada para a televisão e para a Internet, por exemplo, o custo agregado com a nova mídia seria em média 15%”, disse Paulo Schmidt, que afirmou não acreditar em estruturas de produção montadas apenas para Internet e serviços móveis. Integrar as mídias, no entanto, não consiste apenas em adaptar um comercial de TV para a Internet ou para o celular. “A

adaptação não funciona. O movimento de câmera, os ângulos e a iluminação são diferentes de um comercial de TV. É necessário trabalhar com especialistas no assunto”, disse Tikhomiroff, da Mixer, que criou recentemente uma bandeira só para a criação desse tipo de conteúdo.


( tv por assinatura)

Samuel Possebon

s a m u c a @ t e l a v i v a . c o m . b r

Conteúdo regulado Cade e Anatel dão os primeiros passos para regular o mercado de comunicações do ponto de vista da programação. Exclusividade de programação e a fusão DirecTV/Sky estão no olho do furacão.

O

modelo que há mais de dez anos orienta a relação entre programadoras e operadoras de TV por assinatura está próximo de sofrer a sua primeira mudança significativa no Brasil, em função de decisões de órgãos reguladores. O fato é inédito porque, até hoje, nem a Anatel e nem o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) disseram ao mercado o que deveria ser feito em relação ao conteúdo do mercado de TV paga. O ponto em questão envolve a forma de comercialização dos canais Globosat, que hoje são vendido sob o regime de exclusividade, ou seja, para apenas um operador por praça. São, na verdade, dois casos intimamente ligados. O primeiro corre na Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça, e é a análise do pedido feito pela NeoTV (que representa vários operadores de cabo e MMDS independentes) para que o canal SporTV seja aberto a todas as operadoras. O segundo caso é a análise da fusão entre Sky e DirecTV. São dois processos separados, mas que têm no componente “programação Globo” um elemento em comum. Desde outubro, a SDE e a Globosat negociam um Termo de Correção de Conduta (TCC) em relação à questão da exclusividade, e a celebração do acordo poderia ser assinada ainda em dezembro. Basicamente, o que o Ministério da Justiça colocou na mesa, segundo observadores, é que a forma que a

Globosat adota para comercializar seus canais teria que mudar, e que ela deveria abrir a todos os operadores as mesmas condições que oferece para a Sky e para a Net Serviços, além de alguns outros afiliados de menor porte do sistema Net Brasil. A SDE está forçando para que a Globosat abra mão da exclusividade e tenta estabelecer uma fórmula de abertura dos canais que respeite os ganhos de escala. Assim, os operadores ligados à Neo TV (e qualquer outro) teriam o direito de adquirir os canais, pagando menos conforme o número de assinantes. A SDE tentava essa negociação não só 38

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

para o SporTV, mas também para um conjunto de canais considerados importantes, entre os quais GloboNews, GNT e Multishow. A Globosat, por sua vez, negociava o TCC, no começo de dezembro, sem uma pressão muito forte para aceitá-lo. Até porque poderia não celebrar acordo algum e deixar o caso ir para decisão do Cade, que é quem julgará definitivamente a questão. E isso tomaria pelo menos mais um ano do processo. Acontece que há, tanto para a SDE quanto para a Globosat, alguns


fatores adicionais de pressão que precisam ser considerados. No caso da secretaria, forçar demais e fazer a Globosat desistir de um TCC é ruim porque não resolve o problema de imediato e porque criaria uma situação de relacionamento com a Globo não desejada pelo governo. Além disso, a SDE buscava colocar na quebra de exclusividade também os conteúdos do pay-per-view do Campeonato Brasileiro a partir de contratos futuros (a mudança não valeria para o atual contrato com o Clube dos 13). Se pressionar demais, pode não conseguir incluir essa programação. Do lado da Globosat, o problema reside no fato de que se deixar o problema da exclusividade de programação para ser decidido no Conselho Administrativo de Defesa Econômica, corre o risco de embaraçar a análise da fusão da DirecTV com a Sky. O Cade recebeu

a anatel recomendou ao cade que garanta espaço à programação nacional como condição para a fusão no dth. em novembro, da Anatel, o parecer com relação à fusão. A agência não viu objeções à operação, mas recomendou ao órgão de defesa da concorrência que na sua análise considerasse impor mudanças de conduta em relação à exclusividade de programação. Somando-se isso a um parecer da SDE recomendando a quebra da exclusividade, será virtualmente impossível para a Globosat conseguir passar imune pelo processo de fusão, onde a Globo (sócia da Sky) é parte interessada. Além disso, qualquer atraso no processo só serviria para deixar no mínimo tensas as relações com a News Corp., que será controladora da

operadora de TV paga por satélite após a fusão. Recomendações Além da quebra da exclusividade, a Anatel ainda recomendou ao Cade algumas outras medidas: 1) que imponha à operadora resultante da fusão uma política nacional de preços (para que não cobre menos apenas em praças onde concorre com cabo e MMDS); 2) a manutenção dos atuais canais na grade da operação pós-fusão até o fim dos contratos; 3) medidas para evitar exclusividade ou condições não isonômicas de aquisição de equipamentos e; 4) garantias de que as programadoras brasileiras não pertencentes às empresas acionistas da operação pósfusão possam distribuir seus canais. Este último é um ponto de grande relevância, porque toca em uma disputa comercial entre grupos

>>


( tv por assinatura) de mídia nacionais. Notadamente a Bandeirantes, que produz três canais de TV por assinatura, e o grupo Globo. A Band tem pressionado as autoridades, desde que a fusão entre Sky e DirecTV foi anunciada, para não ficar de fora do line-up das operadoras. Isso porque, hoje, a viabilização desses três canais depende da DirecTV. Mas a Band ia além: queria que os seus canais entrassem no nível básico, ou seja, nos pacotes mais baratos da operação de TV paga, para ter assim maior distribuição e maior receita, como acontece com os canais da Globosat. A recomendação da Anatel não especifica o pacote em que a programação da Band ou qualquer outra independente (como o canal CinebrasilTV, por exemplo) entrará. Além disso, a Bandeirantes ainda pretende continuar pressionando que é uma cláusula muito forte, que dá o Cade para que imponha como muito poder à Globo para fechar o mercado condição para aprovar a fusão a inclusive a concorrentes nacionais. Mas perspectiva de distribuição de há quem analise de outra forma: diante conteúdo brasileiro independente da inevitabilidade de uma fusão que vai nas demais plataformas controladas criar um grande operador de TV paga com pela DirecTV e News Corp. no controle estrangeiro (de ninguém menos mundo. A Globo conseguiu essa do que Rupert Murdoch), melhor deixar na garantia no contrato mão da Globo a seleção com Rupert Murdoch de conteúdo brasileiro do processo abre o que deixar livre. Boa parte em que estabeleceu como ela ficaria após precedente para do Cade está convencida a fusão. dessa posição, por que casos de Para complicar exemplo. concorrência ainda mais a análise, Nos dois casos que em comunicação devem alterar a relação existe também uma levem em conta certa divisão dentro entre programadores e o conteúdo. do governo sobre operadores de TV por uma das cláusulas assinatura há questões colocadas no acordo ainda polêmicas. Por entre News Corp. e Globo: a cláusula exemplo, se um mercado de TV paga sem que diz que o grupo brasileiro é conteúdo exclusivo é viável ou não. Mesmo quem decide que conteúdo de na Europa, onde fusões semelhantes já interesse nacional passará na foram discutidas, o entendimento é que a operação de DTH. Na prática, se um exclusividade faz parte da competição. O canal estrangeiro, uma HBO, por que os órgãos de defesa da concorrência exemplo, fizer mais do que uma têm feito é colocar limites a esta hora de programação brasileira por exclusividade. Ainda não se sabe como essa semana, ou se a Sky quisesse adquirir questão será equacionada. algum conteúdo esportivo nacional, a exibição destas programações teria Injustiça? que passar pelo crivo da Globo. Há Outro problema é em relação às uma parte do governo que entende operadoras como Net Serviços, que até hoje 40

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

pagou a mais para ter os conteúdos exclusivos da Globosat. É justo que ela deixe de ter esse diferencial competitivo em uma decisão que vai beneficiar apenas a Sky e a DirecTV?. A solução imaginada pela SDE é fazer com que, na escala, a Net tenha vantagem sobre seus concorrentes na contratação dos canais. Um terceiro fator a ser considerado é a mudança de paradigma regulatório. A Anatel, por exemplo, nunca deu nenhum palpite sobre a questão da programação. Na sua recomendação ao Cade na questão da fusão, pela primeira vez a agência colocou claramente sua visão de como deve ser a forma de comercialização dos canais com as operadoras com vista a evitar concentração de mercado. Ainda que a Anatel tenha feito apenas uma sugestão, é um precedente importante em um cenário em que também operadores de telecomunicações começam a adquirir conteúdos audiovisuais. Sobre esta posição da Anatel, há quem defenda que não existe determinação expressa na lei para que a agência de telecomunicações avance sobre questões de conteúdo, que não são regulados pela agência. Mas há quem diga que a agência tem o dever de olhar para este assunto quando o conteúdo for determinante na questão da concorrência. É uma polêmica ainda aberta A fusão entre Sky e DirecTV deve ser analisada no primeiro semestre de 2006, e será nesse período que ficará mais claro se a forma como a Globosat e os operadores que compram sua programação se relacionam continuará a mesma. Provavelmente não. Mas o mais significativo de todo esse processo é que terá sido aberto o precedente para que casos envolvendo concorrência entre empresas de comunicação sejam analisados do ponto de vista daquilo que elas entregam.


(audiência - TV paga)

N

uma repetição da performance dos últimos três meses, entre os indivíduos de 18 anos ou mais com TV por assinatura, os canais TNT, Multishow e GloboNews foram os que apresentaram o melhor alcance diário médio durante outubro, dentre os canais aferidos pelo Ibope Mídia. O levantamento considera o total de indivíduos de 18 anos ou mais com TV por assinatura na Grande São Paulo + Grande Rio de Janeiro + Porto Alegre + Curitiba + Belo Horizonte + Distrito Federal, o que corresponde a um universo de cerca de 4,2 milhões de indivíduos. Deste total, os canais da TV por assinatura aferidos apresentaram um alcance diário médio de 51,2% ou 2,1 milhões de pessoas por dia, e um tempo médio diário de audiência de duas horas. Já entre o público infanto-juvenil, entre 4 e 17 anos com TV por assinatura, no mês das crianças os canais infantis Cartoon Network e Nickelodeon, seguidos pelo canal de entretenimento Multishow foram os que apresentaram o melhor alcance diário médio ao longo do mês. Nas mesmas praças citadas acima, entre este público os canais pagos tiveram um alcance diário médio de 56,3%, ou 527,5 mil pessoas por dia, e um tempo médio diário de audiência de duas horas e nove minutos.

foto: alfredo faya

Multishow fica entre os “top 3” para adultos e jovens

J

A apresentadora do Multishow Daniele Suzuki.

alcance e tempo médio diário 

Total canais pagos TNT Multishow GloboNews SporTV Discovery Warner Channel Universal Channel AXN Sony Fox Telecine Premium Cartoon Network GNT National Geographic SporTV2 People + Arts Nickelodeon HBO ESPN

De 4 a 17 anos*

(Das 6h às 5h59)



Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 51,2 2177,6 2:00:00 14,7 623,0 0:27:19 12,1 514,2 0:18:14 11,9 503,8 0:39:11 11,8 502,2 0:39:18 9,5 404,8 0:23:03 9,5 402,6 0:25:55 9,2 392,8 0:26:02 9,2 390,7 0:21:41 8,3 353,7 0:17:30 8,2 350,4 0:18:48 8,2 349,8 0:30:21 8,2 348,7 0:34:04 7,8 333,4 0:17:29 7,7 326,9 0:18:00 7,4 316,5 0:16:41 6,3 266,8 0:19:01 5,9 249,7 0:25:04 5,6 237,8 0:34:17 5,5 232,1 0:18:43

Total canais pagos Cartoon Network Nickelodeon Multishow TNT Discovery Kids Jetix Discovery Disney Channel Warner Channel SporTV Fox Telecine Premium Boomerang Universal Channel AXN Sony People + Arts SporTV2 National Geographic

*Universo 4.252.100 indivíduos

*Universo 936.600 indivíduos

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

(Das 6h às 5h59)

Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 56,3 527,5 2:09:41 27,6 258,7 1:01:56 22,2 208,4 0:45:47 12,3 115,2 0:30:52 12,1 112,9 0:23:51 11,0 102,6 1:01:31 9,8 91,8 0:58:50 7,2 67,2 0:16:40 7,2 67,1 0:49:52 7,1 66,6 0:18:04 6,8 63,7 0:28:16 6,1 57,3 0:22:20 5,8 53,9 0:30:08 5,6 52,7 0:35:41 5,5 51,3 0:18:16 5,4 50,8 0:12:27 5,4 50,4 0:16:38 5,0 47,2 0:19:18 4,5 42,1 0:15:23 4,4 40,8 0:17:11

41

Fonte: Ibope Telereport - tabela minuto a minuto - outubro/2005

Acima de 18 anos*


(

)

Edianez Parente

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

Blockbusters no Telecine Premium

FOtoS: divulgação

Eis uma palhinha dos filmes que o Telecine Premium vai exibir ao longo de 2006. A rodada começa em janeiro com “O Terminal”, com Tom Hanks (foto). Depois, durante o ano, chegam: “Elektra”, “A Supremacia Bourne”, “Bridget Jones — No Limite da Razão”, “Cruzada”, “Guerra dos Mundos”, “Madagascar”, “Menina de Ouro”, “O Amigo Oculto”, “O Chamado 2”, “O Espanta-Tubarões”, “Quarteto Fantástico”, “Ray”, “Robôs”, “Sideways — entre Umas e Outras”, “Sob o Domínio do Mal”, “Sr. e Sra. Smith”, “Star Wars: Episódio 3 — A Vingança dos Sith”, só para citar alguns.

Pílulas no SBT

F-1 cresce no mundo A maior competitividade na Fórmula 1 em 2005, com o fim do império de Schumacher e da Ferrari, teve reflexo imediato nos índices de audiência das transmissões das corridas, que subiram em diversos países (à exceção. obviamente, da Alemanha). Por aqui, a Globo continua com a atração em 2006, para a qual já vendeu suas cotas de patrocínio. Banco Real, Chevrolet, Nova Schin, Petrobras e Tim serão os anunciantes da temporada.

O SBT, que estudava criar um telejornal para o seu horário de almoço em São Paulo, decidiu distribuir seu conteúdo noticioso em pílulas ao longo do dia. “Preferimos os boletins, que entram de hora em hora, a estabelecer um horário fixo”, conta o diretor de jornalismo da emissora, Luiz Gonzaga Mineiro (foto). Ele conta também que o SBT já definiu uma equipe com quatro repórteres para a Alemanha, na Copa do Mundo. Mesmo sem ter os jogos da competição, a emissora quer cobrir o evento. Seu departamento jurídico já foi acionado, para ver como ficam as imagens jornalísticas dos jogos. É praxe no Brasil que as emissoras tenham direito a pelo menos três minutos dos jogos (que incluem os gols). Mas no caso da Copa, esta prática não é seguida

“Saia Justa”

Pesquisa GNT No segundo semestre de 2005, o canal GNT realizou uma pesquisa quantitativa, com 520 assinantes Net e Sky, de 18 a 65 anos, para avaliar seu reposicionamento, feito há dois anos. Eis alguns resultados: n O canal é top of mind entre as mulheres dos 25 aos 34 anos; n 71% dos assinantes estão muito satisfeitos ou satisfeitos com o canal. Entre as mulheres de 18 a 24 anos, o índice de satisfação sobe para 82% n Imagem: o GNT é visto como um canal formador de opinião. n Atributos valorizados: informação confiável e sob vários ângulos, leveza, vanguarda.

“Águas de Março” no Cartoon O clássico da MPB “Águas de Março”, de autoria de Tom Jobim, é o som que embala a trilha sonora em vinheta e um episódio do “Laboratório Submarino 2021”, no bloco Adult Swim, do Cartoon Network. Na vinheta, os personagens do desenho animado cantam a música em dueto. A programadora informa que licenciou a canção para uso no mundo todo, tanto para o episódio quanto para a vinheta.

42

T ela

V iva

• dez 2 0 0 5


Filmes na Globo

A Globo concentrou na última semana do ano os melhores filmes do pacote de blockbusters que compra dos estúdios de Hollywood. Depois de lotar as sessões Tela Quente, Supercine e Temperatura Máxima com títulos de segunda linha, o final do ano reserva blockbusters como “Minority Report”, “Uma Mente Brilhante”, “O Grinch”, “Conto de Natal do Mickey” e “Stuart Little 2”. “Shrek” será exibido no primeiro dia de 2006.

?

Você sabia que:

FX na Kiss FM

O canal FX promoveu uma ação inusitada: foi para o rádio, com um programa diário durante a semana. A escolhida foi a Kiss FM (São Paulo 102,1 MHz; Campinas 107,9 MHz), emissora musical de clássicos do rock e dedicada a um público adulto. O programa tem uma edição semanal na TV, no próprio canal FX, nas noites de domingo, com os melhores momentos do estúdio. Segundo Cláudio dos Anjos, diretor de marketing da Fox, esta é a primeira iniciativa do gênero desenvolvida pela Fox Latin American Channels. As vendas de patrocínio funcionam assim: o espaço na rádio será vendido pela Kiss; o espaço na TV é vendido pela equipe da Fox. O cantor Marcelo Nova, a locutora Dani Mel e o multimídia Ricardo Corte Real comandam a atração.

oA Copa Jetix, torneio mundial de futebol infantojuvenil promovido anualmente pelo canal, terá em 2006 sua final na Alemanha? nA TV Rá-Tim-Bum levou nos Estados Unidos o prêmio Acho Awards, que foi dado em outubro pela DMA (Direct Marketing Association), em Atlanta? A premiação foi para a categoria meios de comunicação. Por aqui, o canal ainda não conseguiu atingir a maior distribuição no mercado nacional. oA transmissão na África da TV da Gente, canal idealizado pelo cantor e apresentador Netinho de Paula, terá conteúdo da TV Bandeirantes? Uma das atrações certas é o programa de Raul Gil, visto que o apresentador já é conhecido no continente por conta do sinal internacional da TV Record. nEmbora muitas videolocadoras, principalmente as menores de bairros, já o façam com todos os seriados de todas as marcas, só a partir de dezembro a Fox passa a autorizar que as caixas de DVDs de seus seriados sejam locadas por episódios?

Mais detetives

oFoi encomendada nos EUA uma terceira safra para “Battlestar Galactica”, que começa a ser produzida em 2006? A TNT, que estréia a segunda temporada em janeiro, já garantiu a terceira.

O Universal Channel adquiriu, numa negociação feita pelo canal em nível pan-regional, mais 32 episódios da série médico-forense “Detetives Médicos” (“Medical Detectives”). A atração também está na grade do Discovery Channel.

Concurso da CNN O concurso cultural da CNN International “Jornalistas do Amanhã” será repetido em 2006. As inscrições devem ser abertas no primeiro semestre, provavelmente em abril, com o tema e regulamentos. E o vencedor será anunciado pela rede na feira da ABTA, que acontece em agosto em São Paulo. T ela

V iva

dez 2 0 0 5

43


( making of )

Lizandra de Almeida

l i z a n d r a @ t e l a v i v a . c o m . b r

esultado da primeira edição do concurso de curtas-metragens infantis do Ministério da Cultura, o filme “Minhocas” investiu em uma técnica de animação que, segundo seus diretores e produtores, é a que pode colocar a produção brasileira de animação mais perto do mercado internacional. O filme foi todo feito em stop motion, mas passou por um longo processo de pós-produção. “Já temos uma pós-produção muito Animação sobre família de minhocas pode virar longa-metragem. boa, com profissionais talentosos, mas ainda não temos estrutura para fazer um enquanto um era arrumado para a filme todo em computação gráfica que filmagem, o outro estava funcionando. possa concorrer com os das grandes No longa, já imaginamos que vamos produtoras americanas”, avalia Paolo ter seis ou sete sets, com filmagens Conti, sócio da produtora Animaking escalonadas. Conseguimos fazer um e um dos diretores do filme. O prêmio planejamento muito bom — ao todo, um do ministério, de R$ 60 mil, não terço do tempo foi dedicado à produção, foi suficiente para o projeto, mas a um terço à animação e um terço à produtora investiu mais R$ 100 mil já finalização”, diz Arthur Medeiros, também apostando na idéia do longa. sócio da produtora. O curta conta a história de uma A produção começou com a família de minhocas, composta gravação de todas as vozes e a edição por mãe, pai, filho e avô. O filho, desse material no Final Cut, para servir supercurioso, quer saber o que de base e para dar o tempo de cada acontece no mundo lá fora, acima da cena. “Fizemos então o animatic, que terra. A mãe e o avô advertem para é o story board com as vozes”, explica os perigos, falando em monstros e Arthur. “A diferença entre a versão final assombrações. Mas o pai decide que e o animatic foi de no máximo 5%. é melhor levar o filho pessoalmente Na fase de produção, fizemos muitos para conhecer a vida, mesmo testes e mudamos tudo umas três ou correndo o risco de encontrar quatro vezes. Mas quando chegamos passarinhos e pescadores. Os dois à conclusão de que os bonecos, a luz, vivem uma aventura, mas se tornam os cenários, o acting estavam bons, aí mais amigos e cúmplices. começamos a filmar mesmo.” “Pensamos o filme como um Como o filme todo se passa embaixo exercício para um longa-metragem. da terra, a luz foi fundamental para Então fizemos todo o planejamento distinguir o que era dia e o que era noite. como se fosse o de um longa. A maior parte das cenas se passa na casa Criamos dois sets em paralelo, dos personagens, especialmente na sala 44

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

de estar. Mas o filme também mostra o quarto do filho, um local repleto de raízes de árvores e o exterior, ou seja, a paisagem ao ar livre que inclui um ataque de passarinho. Todos os personagens foram feitos com bonecos articulados, com exceção de um tatu bola, criado em computação gráfica. A equipe da produtora já está fazendo testes de exibição com crianças e vai começar a exibir o filme em festivais. Enquanto isso, trabalha no roteiro do longa, com o auxílio de uma pedagoga. “Sempre pensamos em nos tornar uma produtora de conteúdo, mas este não seria nosso primeiro projeto. Mas com o curta já conseguimos resolver 50% dos problemas que podem aparecer no longa. Então criamos outros núcleos — não vão ser só as minhocas — e decidimos investir nesse projeto”, afirma Paolo. fotos: divulgação

Vida subterrânea R

ficha técnica

Título Roteiro Prod. executiva Dir. de Produção Dir. geral e de animação Fotografia Dir. de arte e cenografia Chefe de maquinária e elétrica Sonorização

“Minhocas” Paulo de Tarso Domite Mendonça (Disca) Animaking Arthur Medeiros Paolo Conti Paulo de Tarso Domite Mendonça (Disca) Policarpo Graciano Carlo Conti

Fuego Sonoro


Ironia

U

m filme sem assinatura, sem cliente, sem produto. Simplesmente um teaser que remete a um site na Internet. A nova campanha da Escola Panamericana de Arte, criada pela Loducca22, mostra um apresentador típico de filmes de varejo, em frente a móveis e eletrodomésticos, como se divulgasse ofertas de uma loja popular. O apresentador passa por vários cenários até que um manifestante invade a cena e começa a quebrar tudo, gritando por mais criatividade. O protesto contra a mesmice dos comerciais de varejo foi produzido com os mesmos recursos desse tipo de filme. “Usamos a linguagem desses filmes e o mesmo tipo de câmera Beta Digital. Esses filmes têm muito zoom, muitos cortes. Os móveis são reais também”, conta o diretor Paulo Diehl. Depois de várias cenas nas quais o manifestante ataca o armário, ele realmente despencou. “Sabíamos que aquela ia ser a última cena, porque o armário estava

Comercial inovou ao não exibir sequer o nome do anunciante.

quase quebrando e aí desmoronou de vez.” “A idéia do filme manifesto veio do briefing, que pedia uma campanha inovadora de matrículas. Resolvemos fazer uma ação de convergência de mídias, na qual o consumidor só sabe qual é o produto e o anunciante se acessar o site”, afirma Guga Ketzer, diretor de criação da campanha, que vai incluir outros filmes a partir de janeiro, sempre em cima de modelos de propaganda repetitivos. Apesar de ter sido vetado pelo Conar cerca de uma semana depois que entrou no ar, por ter sido considerado agressivo contra os anunciantes de lojas populares de móveis, o filme conseguiu o resultado esperado. Muitos consideraram o filme violento, já que o manifestante agride o apresentador. Mas o comercial despertou a atenção do público a quem se destinava, ou seja, o jovem, e levou-

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

os à Internet para descobrir, afinal, do que o filme estava falando. “Depois de duas veiculações em um dia, registramos 12 mil acessos ao site”, conta Guga. ficha técnica Título Anunciante Agência Dir. de criação Criação Produtora/ filme Direção/filme Dir. de fotografia Pós-produção Produtora/som Aprovação/cliente

45

“Varejo” Escola Panamericana de Arte Loducca22 Guga Ketzer Guga Ketzer Companhia de Cinema Paulo Diehl Marcelo Rocha Tribbo Post Plug in Enrique Lipszyc

>>


( artigo )

Petrus Barreto*

c a r t a s @ t e l a v i v a . c o m . b r

foto: arquivo

Diversidade cultural, a nova fronteira

* Sócio do escritório Petrus Barretto Advogados. Especializado em direito do entretenimento, propriedade intelectual e mídia. É professor de direito autoral da FGV-RJ e foi diretor jurídico da Globosat até 1998. Tem entre seus clientes empresas como TAP; Panamerica Sports Inc.; Acom Comunicações; Canal Futura; e Editora Senac. É sócio da Imagex, empresa especializada na distribuição de produtos culturais brasileiros para o exterior.

46

F

oi de 151 a 2 o placar final da derrota norte-americana, acontecida durante a 33ª Conferencia Geral da Unesco, em 18 de outubro deste ano, quando da votação para aprovação, ou não, da Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais. Apesar de todos os esforços americanos, que demandaram, inclusive, a tentativa de acordos comerciais bilaterais de última hora, utilizados como moeda de troca por votos em favor de seus interesses, saiu vitoriosa a proposta em prol da preservação da diversidade cultural. Mas ao final, o que de fato está por trás de toda a discussão sobre a diversidade cultural? Em linhas gerais, trata-se de uma disputa internacional que coloca, de um lado, os Estados Unidos em posição de defesa do segundo item mais importante de sua balança comercial, a cultura (mais especificamente, o audiovisual) e, em posição antagônica, os países que, em virtude da hegemonia americana, perdem diariamente espaço que deveria ser ocupado por suas manifestações culturais, especialmente dentro de suas fronteiras. Para esses últimos, mais do que um produto economicamente relevante, a cultura representa, acima de tudo, sua própria identidade, bem intangível de valor incomensurável. Os valores, objetivos e subjetivos, em discussão e em conflito, ao final, são claros e muito bem definidos, representando duas faces de uma mesma moeda chamada cultura, quais sejam: o bem cultural como produto comercial (posicionamento dos EUA) e a cultura como um bem necessário e indispensável a preservação da identidade dos povos (entendimento dos demais 151 paises que votaram em favor da Convenção). Como produto comercial, defendem os EUA e Israel que a cultura seja vista,

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

tratada e transacionada em todo o globo como qualquer mercadoria e bem de consumo, tal qual televisores, soja, sapatos ou aço. Enquanto produto necessário à preservação da identidade cultural, compreendem os demais países que a cultura não deve se sujeitar às regras de comércio internacional, merecendo, pois, tratamento diferenciado. Trata-se de uma discussão que se encontra fundamentada em valores eminentemente econômicos, com uma pitada de valores de cunho ideológicos, ambos de grande relevância. Saiu vencedora a segunda posição, em detrimento dos interesses norteamericanos. Acastelando uma terceira posição, evidentemente conciliatória e que considerava aspectos relevantes de ambos os lados, o Brasil acabou por apoiar a corrente em defesa da diversidade cultural e, por intermédio do ministro Gilberto Gil, envidou todos os esforços para aprovação da Convenção. De imediato nada mudará no contexto do comércio internacional de bens culturais, uma vez que a implementação legal do plano de ação sugerido pela Convenção demanda tempo. A médio e longo prazo, surgirão elementos que tendem a mudar o cenário atual. Política cultural Segundo a Convenção, os estadosmembros poderão, a seu critério, implementar mecanismos legais que permitirão a efetiva reestruturação da industria cultural nacional. Subsídios, incentivos, cotas de tela e taxação, por exemplo, não deverão ser mais vistas como medidas protecionistas. Os estados-membros não mais estarão


sujeitos a ameaças estrangeiras (leia-se EUA) de retaliações comerciais, visto que a OMC não será mais o foro competente para apreciar e julgar questões e disputas relativas ao trafego de bens culturais ao redor do mundo. Saí de cena, portanto, a OMC e entra a Unesco. Todavia, é certo que a Unesco articulará a criação de um órgão internacional com competência e jurisdição bem definidas para apreciação e manifestação acerca das disputas que a nova ordem cultural demandará. Alias, desconsiderar a necessidade de um foro arbitral competente é negar a essencial característica humana de gerar conflitos, especialmente quando valores de ordem econômica e/ou ideológica estão em discussão. Vale observar que em virtude da inconteste característica econômica dos bens e produtos gerados pela industria cultural, não cabe uma visão simplista acerca das questões que nela se encerram. É importante manter em vista que estamos diante de um novo momento e de uma nova fronteira, e a norma, juntamente com a capacidade de se fazê-la aplicar, é o único caminho para harmonizar os mais diversos interesses, unos (a quase totalidade) em seu direcionamento, mas de infinita diversidade em seus desdobramentos. Sob essa óptica, que nos perdoem os puristas, mas cultura é, de fato, negócio, é transação comercial. É, queiram ou não, fator de significativa influencia na balança comercial de muitos países, na medida em que é clara sua

capacidade de geração direta de receitas, inclusive através da sua convergência com outras atividades econômicas. E que digam os franceses a respeito, árduos defensores da Convenção, cuja industria do turismo encontra-se fundamentalmente alicerçada na cultura, manifestada através da arquitetura, da história, das artes plásticas, da música, do cinema e do teatro, ou seja, da identidade cultural do povo francês. Outros elementos para entendimento da importância das atividades culturais são vistos na pesquisa “Global Entertainment and Media Outlook”. Realizada por empresas de consultoria mundialmente reconhecidas,

Em 2009, o entretenimento movimentará US$ 1,8 trilhão em todo o mundo, sendo, definitivamente, um dos setores de maior expansão no globo. a pesquisa nos dá conta de que em 2009 o setor do entretenimento movimentará cerca de US$ 1,8 trilhão em todo o mundo, sendo, definitivamente, um dos setores de maior expansão no globo. As projeções apontam para um crescimento de 7,3% ao ano, para os próximos quatro anos, e indicam a América Latina como a segunda responsável por este crescimento (à razão de 8,2%, em média, ao ano), perdendo apenas para a China. Por outro lado, o estudo apresenta um dado interessante, os EUA terão o pior desempenho no setor, com crescimento de 5,6%. Vale notar que a distribuição de filmes, produção fonográfica e edição de livros são alguns dos

negócios que integram a industria do entretenimento, para os fins da pesquisa citada. Diante disto, como negar o valor econômico dos bens culturais? E mais, ficam claras as preocupações norteamericanas em relação a Convenção e as motivações para manter as transações de bens culturais, no âmbito internacional, como hoje se encontram. Mas neste contexto, o mais importante é que o primeiro passo para preservação do caleidoscópio cultural do planeta Terra foi dado. O resto são filigranas, entrelinhas que se ajustarão ao longo do tempo. O fato é que as manifestações culturais, até então, vinham se mantendo aquecidas em banho-maria, notadamente nos denominados países emergentes, especialmente por conta do controle norte-americano exercido na cadeia produtiva da “industria cultural”. A partir da Convenção, espera-se que os novos elementos globais da economia da cultura elevem a temperatura do setor, fazendo com que o cadinho cultural mundial entre em ebulição, permitindo o resgate, a preservação e a difusão das mais diversas manifestações culturais em todo o planeta. Resta, agora, aguardar os desdobramentos desse primeiro movimento, torcendo para que a Convenção se fixe em definitivo e que o cenário mundial ganhe novos contornos com a quebra da hegemonia norte-americana. Definitivamente, estamos diante de uma nova fronteira a ser desbravada, a preservação da diversidade cultural.


( cinema )

Cinema invade o Espírito Santo Festival de Vitória exibe 101 filmes e marca parceria com Minas Gerais para a produção de novos documentários.

O

fotos: Edson chagas

12° Vitória Cine Vídeo, festival de cinema realizado no Espírito Santo entre os dias 28 de dezembro e 3 de janeiro, contou com a exibição de 54 filmes e 47 vídeos de curta e média-metragem durante a IX Mostra Competitiva Nacional. Além desses, foram exibidos cinco longasmetragens inéditos no Estado. O festival recebeu inscrições de 613 obras de todo o País, que concorreram ao Troféu Marlim Azul e prêmios em dinheiro. Os filmes vencedores foram “Deu no Jornal” e “Historietas Assombradas (Para Crianças Malcriadas)” na categoria animação; “Início do Fim”, em ficção; e na categoria documentário, “Viva Volta”. Entre os vídeos, foram premiados “Antecipato Visione” e “Quem”, como videoarte; os documentários “Fã” e “Bitola Cabeça Super 8”; e a ficção “Uma homenagem a Aluísio Netto”. O Prêmio de Júri Popular ficou para o filme “No Princípio Era o Verbo” e para o vídeo “De 10 a 14 anos”. Durante o festival, aconteceu também o 6° Festivalzinho, com a mostra de filmes e vídeos para estudantes de escolas do ensino fundamental da rede pública municipal de Vitória. Além dos concorrentes, o Festivalzinho apresentou o quarto filme de animação do projeto “Vitória pra Mim”, curta-metragem realizado pelos alunos da rede municipal de ensino. Também aconteceram exibições de filmes concorrentes em diversos bairros de Vitória, durante o Cine Galpão Itinerante;

Gabriela Barreto, vencedora da categoria Melhor Vídeo Documentário, por “Bitola Cabeça Super 8“ e Victor Hugo Borges, premiado pelo filme de animação “Historietas Assombradas (Para Crianças Malcriadas)”.

concurso de Roteiro Capixaba; oficinas, palestras e debates. DocTV Foi anunciada durante o festival, uma parceria que deve viabilizar cinco novos documentários na região de Vitória e em Minas Gerais dentro do projeto DocTV. A parceria, formada por Rede Minas e TVE Espírito Santo, com o apoio das sessões mineira e capixaba da Associação Brasileira de Documentaristas (ABD), buscará articular a captação de recursos para a realização de cinco documentários, sendo três em Minas e dois em Vitória, além dos já previstos no projeto (dois para Minas e um para Vitória). O DocTV é um projeto de fomento à produção e à difusão do documentário brasileiro, de parceria entre a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, a TV Cultura e a Associação Brasileira das Emissoras Públicas (Abepec) com o apoio da ABD, lançado com o objetivo de regionalizar a produção de documentários, incentivar a parceria dos produtores independentes com as televisões públicas 48

T ela

V iva

dez 2 0 0 5

e viabilizar a distribuição da produção nacional e internacional­mente. O projeto garante a escolha e produção de 35 documentários a cada edição, sendo que, até o momento, 65 títulos já foram contemplados, de todos os Estados do País. Os projetos selecionados recebem R$ 100 mil cada, sendo 80% do Ministério da Cultura e 20% das televisões públicas daquela região. “A nossa meta é a autosustentabilidade do programa. Para isso, contamos com um fundo, que absorve 55% do valor de cada documentário comercializado”, explicou Orlando Senna, secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, que afirmou que espera ter, ao final de 2006, ao menos 130 filmes produzidos. Em março terá início o concurso do programa DocTV Ibero-Americano, que conta com a união de 13 países latino americanos mais Portugal e Espanha. Daniele Frederico


( upgrade ) Criação de games

Hydra: IPTV sem cabeamento Ethernet

IPTV

A Siemens está integrando e tecnologia Hydra IP Video Gateway, da Entone, em seus set-top boxes da linha de soluções IPTV Surpass Home Entertainment. Com isso, prestadores de serviço de TV por assinatura poderão usar redes de cabo coaxial para oferecer IPTV com multistream de vídeo. Em outras palavras, operadores de cabo podem oferecer serviços IPTV sem a necessidade de usar cabeamento Ethernet, facilitando a migração para TV digital, pay-perview, video-on-demand, PVR, e até acesso à Web. A solução da Entone permite que um mesmo equipamento faça em uma mesma conexão até três streams de vídeo simultâneos através de DSL, fibra ou Ethernet. A mesma caixa pode fazer ainda transmissão de dados e telefonia.

A Avid já está distribuindo o Alienbrain Studio 7.5, seus sistema de gerenciamento de conteúdo para produção digital. Desenvolvido especificamente para desenvolvedores de jogos e projetos e de desenho industrial, o novo sistema conta melhorias que trazem maior interoperabilidade e confiabilidade. O pacote vem com o Server Health Monitor, uma ferramenta de monitoração e diagnóstico em tempo integral de bancos de dados; é compatível com as especificações da arquitetura Microsoft .NET ; e updates para os plug-ins dos pacotes de modelação e animação 3D. Além disso, vem com o Alienbrain Reader, um software gratuito que permite que usuários “casuais” acessem e revisem os conteúdos criados no sistema, mas sem fazer modificações. O Alienbrain pode ainda gerenciar procedimentos criados na linguagem MEL, usada no software de animação Maya, além de suportar softwares como o Softimage|XSI 5.0, Alias Maya 7 e Autodesk 3DS Max. Estão disponíveis três versões do sistema: duas versões do Alienbrain Essentials - uma voltada para artistas, com interface visual, previews mais velozes e integração com softwares 2D e 3D de terceiros, e uma versão para programadores, que tem integração com o Microsoft Visual Studio 2005; e o Alienbrain Advanced, mais completa e voltada a grandes empresas. Sistema da Avid gerencia conteúdos para produção digital.

Solução HD A Canopus, que teve 1/3 de sua ações adquiridas pela Thomson recentemente, anunciou sua nova solução de edição baseada em placa PCI Express, a Edius NX. Trabalhando em tempo real em vídeos HD/SD (inclusive simultaneamente), a solução foi criada para tirar melhor proveito das CPUs dual-core com interfaces PCI Express. A EDIUS NX é integrada por uma placa de vídeo e o software de edição não-linear EDIUS Pro, que trabalha em tempo real com diferentes e simultâneos formatos de edição sem-compressão (SD, HD, HDV, DV, MPEG-2 e MPEG-1). Trabalha ainda com o codec proprietário Canopus HQ, que usa bitrate variável. A placa de captura trabalha com camcorder e dexk HDV 1080i e 720p, podendo capturar vídeo em 24fps HD. Combinada com o kit de expansão HD, a solução é, segundo a fabricante, a única baseada em Windows a dar saída em monitor HD externo em full frame-rate e em real time. T ela

V iva

dez 2 0 0 5

A Edius NX trabalha em tempo real com SD e HD simultaneamente.

49


( agenda ) > JANEIRO 2006 19 a 29 Sundance Film Festival. Park City, EUA. Tel.: (801) 328-3456. E-mail: festivalregistration@sundance.org. Web: www.sundance.org 24 a 26 Natpe 2005. Hotel Mandalay Bay Resort, Las Vegas, EUA. Tel.: (1-310) 453-4440. E-mail: info@natpe.org. Web: www.natpe.org. 24 a 29 Fipa (Festival Internacional de Programas Audiovisuais). Biarritz, França. Tel.: (33-1) 4489-9999. E-mail: info@fipa.tm.fr. Web: www.fipa. tm.fr.

> FEVEREIRO 2006 A Cinéfondation, seleção oficial do Festival de Cannes que apresenta anualmente cerca de 20 filmes de curta e média-metragens de ficção e animação provenientes de escolas

de cinema, recebe inscrições e remessa de filmes até o dia 18 de fevereiro de 2006. Este ano foram escolhidos 18 títulos provenientes da Coréia do Sul, Israel, Dinamarca, França, Polônia, República Tcheca, Reino Unido, EUA , Argentina, Colômbia, Cuba, México e Brasil. O Festival acontece entre os dias 17 e 28 de maio de 2006. Informações: www.festival-cannes.fr

9 a 19 Festival Internacional de Berlim. Berlim, Alemanha. Tel.: (49-30) 259-200. E-mail: info@berlinale.de. Web: www.berlinale.de.

> MARÇO 2006 22 a 2/4 (SP), 22 a 2/4 (RJ), 3/4 a 16/4 (Brasília) É Tudo Verdade — Festival Internacional de Documentários. São Paulo, SP. Tel.: (11) 3022-7535. E-mail: info@itsalltrue.com.br. Web: www.itsalltrue.com.br . 28 e 29 Seminário Mundo IP. Debates sobre as novas apilcações como IPTV e voz sobre IP e suas implicações nos negócios de mídia e

telecomunicações. ITM-Expo, São Paulo, SP. Tel.: (11) 3214-3747. E-mail: info@convergeeventos.com.br. Web: www.convergeeventos.com.br.

> ABRIL 2006 1° e 2 MipDoc. Noga Hilton, Cannes, França. Tel.: (33-1) 4190-4580. E-mail: justask@reedmidem.com. Web: www.mipdoc.com. 3 a 7 MipTV/Milia. Palais des Festivals, Cannes, França. Tel.: (33-1) 4190-4580. E-mail: justask@reedmidem.com. Web: www.miptv.com. 9 a 11 NCTA 2006. Atlanta, EUA. Tel.: (1-202) 775-3669). E-mail: thenationalshow@ncta.com. Web: www.thenationalshow.com. 22 a 27 NAB 2005. Las Vegas Convention Center, Las Vegas, EUA. Tel.: (1-202) 595-2052. E-mail: register@nab.org. Web: www.nabshow.com.


N達o disponivel


N達o disponivel


Revista Tela Viva 156 - Dezembro 2005