Page 28

espectadores da Marco Zero. A TV Amazônia, afiliada da Record, pertence ao mesmo grupo proprietário da Marco Zero, o Sistema J. Alcolumbre de Comunicação. Alcançando apenas dois municípios, produz, em S-VHS, duas edições diárias do telejornal “Câmera treze”, o “Esporte Amazônia” e o religioso “Em busca do amor”. Aos sábados, exibe o programa de auditório independente “Janete Silva show”, com apresentações musicais, teatrais e brincadeiras direcionadas ao público infantil.

retransmissoras mistas Rondônia, com 1,3 milhão de habitantes, IPC de 0,6% e 234 mil domicílios com TV (71,6% do total), conta com apenas cinco geradoras, mas tem retransmissoras mistas espalhadas por todo o estado, com uma pequena programação local. Curiosamente, a única geradora do interior, a TV Allamanda, de Cacoal, afiliada do SBT, não usa seu status para produção de programas próprios, enquanto as retransmissoras mistas da rede de Sílvio Santos o fazem, com exceção da de Ariquemes. A TV Allamanda de Ji-Paraná exibe o sensacionalista “Caso de polícia”, produção independente apresentada por Josué J.Paiva; enquanto a da capital, Porto Velho, veicula o “TJ Allamanda” e o “Bronca livre”, programa de denúncias e casos de polícia. Ambas trabalham com equipamento S-VHS e têm alcance restrito à potência de suas torres de transmissão. A TV Allamanda pertence ao grupo Rondovisão, também proprietário da TV Meridional, da Rede Bandeirantes, que não tem programação local. A Rede Record aparece no estado com as emissoras da TV Candelária, em Porto Velho (geradora), Cacoal e Ji-Paraná, que, no total, atingem 13 municípios rondonienses. Na capital, são produzidos os programas “Éverton Leoni”, apresentado pelo deputado estadual e proprietário 28

da emissora que batiza a produção, uma mistura de Ratinho com “Porta da Esperança” que vai ao ar também nas duas retransmissoras, e vários independentes: o policial “Ronda 2000”; as televendas do “ShopCar”; o telejornal “Senhor bronca”, apresentado por Chico Rangel, que antes capitaneava o “Bronca livre”, do SBT; o institucional “Empresas de sucesso”, também exibido em Ji-Paraná; o programa de entrevistas políticas “Candelária debate”, apresentado por Beni Andrade e também exibido em Ji-Paraná e Cacoal; “Close”, de colunismo social; e o evangélico “Rondônia para Cristo”, aberto a várias igrejas. Fundada em 1991, produz em S-VHS. A retransmissora de Cacoal, criada em julho de 98, trabalha no mesmo formato. A empresa espera liberação para se tornar geradora, já tendo quatro cidades determinadas para a instalação de retransmissoras. Atualmente, exibe “A hora do povo”, mistura de telejornal, programa de variedades e policial apresentado por Geraldo Magela e exibido também em Ji-Paraná; o telejornal

“Jornal da Record - edição local”; “Rondônia rural”, também veiculado em Ji-Paraná; “Pesca & Amazônia”, exibido em todas as emissoras Record no estado, que já teve a parceria de produção do “Pesca & Cia”, programa do SBT de São Paulo; a mesa-redonda “Esporte Record - edição local”; e o infantil “Érica no mundo da criança”, apresentado por uma garota de nove anos. Além disso, traz os independentes “Programa Joaquim e Manuel”, de música caipira, feito em Osasco (SP) e também levado ao ar em Ji-Paraná, mesmo caso do “Programa Marisa Linhares”, de colunismo social. Completam a grade outros independentes: “Gospel line”, musical, e “Tergon in society”. Ambiciosa, a emissora de Cacoal espera ampliar ainda mais sua grade local neste ano, com as estréias dos debates do “Jogo aberto”, do programa “Record games” e de um talk show ainda sem título. Mais modesta, a TV Candelária de Ji-Paraná sobrevive com programas vindos de suas colegas locais, enquanto ajusta suas novas

CANAL 100% AMAZÔNICO A Rede de Rádio e TV do Amazonas, proprietária das emissoras afiliadas da Rede Globo nos estados do Amazonas, Acre, Amapá, Rondônia e Roraima, também é responsável por um canal pioneiro no país: o AmazonSat, com programação inteiramente produzida na região amazônica, no ar durante 20 horas por dia. Muitos dos programas veiculados vêm das emissoras da rede regional, que também se encarregam de produzir inúmeros documentários, sobre aspectos culturais, sociais, turísticos, econômicos e políticos de interesse local. Um dos destaques da programação exclusiva do canal é o programa “Encontro com o povo”, onde todas as emissoras entram em rede para debater questões políticas. Também se destacam o “Ervas & plantas medicinais”, programetes

T E L A V I V A M A RÇO D E 2 0 0 0

mostrando a riqueza medicinal da Floresta Equatorial; “Qualidade de vida”, que divulga projetos que têm por objetivo a melhora no padrão de vida da população; “Esporte Amazônia”, com análise dos fatos esportivos da semana pelos jornalistas Eduardo Monteiro de Paula e Paulo Lima; “Trilhas”, que explora o potencial do turístico da região; “Amazonas é Brasil”, sobre o patrimônio étnico, histórico e gastronômico; “Documentos da Amazônia”, histórico sobre as cidades da área; “Zappeando”, voltado para o público jovem, com muita música e esportes radicais, e “Negócios da Amazônia”, direcionado para o público empresarial. Em produção, um novo programa: “Amazônia rural”, que abordará temas de interesse da economia primária.

Revista Tela Viva - 91 Março de 2000  

Revista Tela Viva - 91 Março de 2000

Revista Tela Viva - 91 Março de 2000  

Revista Tela Viva - 91 Março de 2000

Advertisement