__MAIN_TEXT__

Page 1

televisão, cinema e mídias eletrônicas

ano 14_#154_outubro2005

artigo indefinido

Setor pede a prorrogação imediata do principal mecanismo de financiamento do cinema nacional, previsto para acabar no final de 2006.

ENTREVISTA

Eugênio Bucci, da Radiobrás, explica seu projeto de comunicação pública

programação

Novo canal da MTV virá dos EUA para garantir distribuição


N達o disponivel


Foto: marcelo kahn

(editorial ) Diretor e Editor Diretor Editorial Diretor Editorial Diretor Comercial Diretor Financeiro Gerente de Marketing e Circulação Administração

Rubens Glasberg André Mermelstein Samuel Possebon Manoel Fernandez Otavio Jardanovski Gislaine Gaspar Vilma Pereira (Gerente), Gilberto Taques (Assistente Financeiro)

André Mermelstein

a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Incentivos na berlinda

E Editora de Programação e Conteúdo Editor Tela Viva News Redação Sucursal Brasília Arte

Depar­ta­men­to Comer­cial Webmaster Central de Assinaturas

Edianez Parente Fernando Lauterjung Daniele Frederico, Lizandra de Almeida (Colaboradora) Carlos Eduardo Zanatta (Chefe da Sucursal) Carlos Edmur Cason (Edi­ção de Arte) Debora Harue (Assistente) Rubens Jar­dim (Pro­du­ção Grá­fi­ca) Geral­do José Noguei­ra (Edi­to­ra­ção Ele­trô­ni­ca) Almir Lopes (Geren­te), Iva­ne­ti Longo (Assis­ten­te) Marcelo Pressi 0800 0145022 das 9 às 19 horas de segunda a sexta-feira

Internet E-mail

www.telaviva.com.br subscribe@telaviva.com.br

Redação E-mail

(11) 2123-2600 telaviva@telaviva.com.br

Publicidade E-mail

(11) 3214-3747 comercial@telaviva.com.br

Impressão

Ipsis Gráfica e Editora S.A.

Tela Viva é uma publicação mensal da Editora Glasberg - Rua Sergipe, 401, Conj. 605, CEP 01243-001. Telefone: (11) 2123-2600 e Fax: (11) 3257-5910. São Paulo, SP. Sucursal Setor Comercial Norte - Quadra 02 Bloco D - torre B - sala 424 - CEP 70712-903. Fone/Fax: (61) 3327-3755 Brasília, DF Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A Os artigos da Broadcast Engineering® (www.broadcastengineering.com), da Millimeter® (www. millimeter.com) e da Video Systems® (www.videosystems.com) são republicados sob licença da Primedia Business Magazines & Media Inc. Todos os direitos são reservados pela Primedia Inc.

stá em discussão no setor audiovisual, no Legislativo e no governo a prorrogação da validade do Artigo 1º da Lei do Audiovisual, o mecanismo de incentivo que permite que se abata do Imposto de Renda devido 100% dos valores investidos em projetos de produção de cinema, cuja extinção está prevista originalmente para o final de 2006. É consenso em todos os níveis da cadeia cinematográfica, e com toda a razão, que o mecanismo deva ser prorrogado como está, para evitar embates políticos e, ainda, que a discussão se estenda até o ano eleitoral, como mostra a matéria de capa desta edição. Mas se por um lado o mercado não está pronto para dispensar esse mecanismo e depender de investimentos que exigiriam taxas de retorno desproporcionais à realidade da indústria cinematográfica nacional, por outro lado é necessário que o sistema de incentivos seja revisto em algum momento. É importante a implantação de outros mecanismos previstos em lei, capazes de capitalizar distribuidores independentes e produtores. Entre outras distorções, o sistema, criado para aproximar a indústria cinematográfica do mundo empresarial e mostrar a possibilidade de geração de lucro através do cinema, acabou sendo adotado como uma forma “gratuita” de se fazer marketing cultural. Pior: o próprio governo, através de suas empresas estatais, acaba sendo o financiador número um da atividade. O fato é que, no modelo atual, o investimento tem um caráter de “obrigação social”. É necessário rever a maneira de se investir em cinema no Brasil. As próprias estatais, em seus editais para seleção dos projetos que serão contemplados com o dinheiro do incentivo fiscal, deveriam exigir um plano de mercado rentável dos proponentes e usar isso como principal critério de seleção. O dinheiro “grátis” deveria continuar existindo, mas reservado aos projetos de caráter mais experimental, ao curta-metragem e a formatos de pouca viabilidade comercial. A maioria das produtoras acabam funcionando como gestoras de projetos culturais, constantemente em busca de dinheiro para realizar os filmes de seus sonhos. São poucas aquelas dispostas a correr riscos, que buscam capital para concretizar projetos capazes de competir no mercado e gerar lucro. São estas últimas, e somente elas, que sobreviverão ao tão aclamado “choque de capitalismo”, caso um dia ele realmente chegue.

ilustração de capa: ricardo bardal

T e l a

V i v a

o u t 2 0 0 5

03


Ano14 _154_ out/05

(índice)

(cartas) Viva o curta Com a matéria “Caminhos para o curta”, TELA VIVA reacendeu o debate sobre o formato no Brasil. O curta-metragem é a principal escola de cinema no Brasil, mas ainda tem dificuldades em encontrar janelas para sua exibição. Será que um dia retomaremos a discussão da antiga Lei do Curta, que realmente valorizava essa importante forma de expressão da cultura brasileira? Denis Soares, São Paulo

Artigo 1º

14

scanner figuras radiodifusão

6 12 16

Setor se une pela manutenção do principal mecanismo de incentivo

Novela brasileira É bom ver que a produção da teledramaturgia brasileira não é mais exclusiva de um único canal. É importante destacar que a Globo não só teve concorrência com a extinta Manchete, como bem ilustrou a matéria “Competição chega às telenovelas”, mas também soube se adaptar e assimilar as técnicas de linguagem introduzidas por sua concorrente. Sergio Salgado, Rio de Janeiro

Broadcasters ganham voz no debate sobre o SBTVD

programação

20

Segundo canal da MTV será produzido em Miami 32 42

televisão

24

A expansão do Futura

no ar audiência entrevista

26 30 32

Eugênio Bucci e a comunicação pública no Brasil

Programação Gosto muito da parte de programação de TV aberta e mais ainda de TV a cabo da revista. Gostaria de ver mais reportagens sobre como funcionam os canais da TV a cabo e como os programas são feitos. Os canais que produzem conteúdo no Brasil são ainda mais interessantes e merecem atenção especial! Cristina Vidal, São Bernardo, SP

making of mercado

40 42

Cinema discute crise na bilheteria

evento

46

Tela Viva Móvel debate a integração entre o celular e o audiovisual

produção

52

Efeitos ganham espaço no cinema nacional

upgrade agenda

54 Tela Viva edita as cartas recebidas, para adequá-las a este espaço, procurando manter a máxima fidelidade ao seu conteúdo. Envie suas críticas, comentários e sugestões para cartas@telaviva.com.br.

04

54 58

Acompanhe as notícias mais recentes do mercado

telavivanews www.telaviva.com.br •

T e l a

V i v a

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


Upgrade na finalização O Estúdios Mega fez um upgrade de seu Telecine CReality para o novo Datacine Cintel DSX. Desenhado especificamente para pósprodução comercial, o equipamento conta com resolução independente para masterização de filme e restauração de projetos. O Datacine DSX pode ser usado em escaneamento de filme em 2K, HDTV, SDTV. Trabalha com multi perfurações 3, 4, 5 e 6 e Vistavision. Graças ao sistema “Oliver” para remoção de riscos e poeira, os danos na superfície do filme são reduzidos significativamente e, na maioria das vezes removidos totalmente. Além disso, o sistema de correção de cores Da Vinci usado no Mega passou de 2K para 2K plus.

Luis Crispino, Edi Flehner, Sergio Glasberg e Sergio Cuevas

Hermanos A S Filmes fez um acordo operacional com a argentina Flehner Filmes. “Esta parceira pode ser vista como um intercâmbio cultural, pois apesar da proximidade, há muitas diferenças de técnicas de filmagem, fotografia, linguagem etc. A idéia é fazer uma internacionalização; juntar as diferentes escolas e não apenas os orçamentos”, afirma Sergio Cuevas, da S Filmes. Edi Flehner, diretor da produtora com sede em Buenos Aires, afirma haver uma série de projetos que podem ser feitos em conjunto. A Flehner produz longasmetragens e programas para a TV, mas a publicidade é mesmo o seu core-business. Segundo conta a produtora executiva Pilar Posadas, 60% da produção atual de publicidade da Flehner é feita para o mercado internacional Inglaterra, Alemanha, França e EUA, principalmente. Além dos diretores Sergio Cuevas e Sérgio Glasberg, a S Filmes agora também conta com Luis Crispino para seu quadro de diretores fixos.

Fotos: divulgaçÃo

( scanner )

Cartoon tem bloco adulto

Em outubro, o Cartoon Network lança nos finais de semana uma programação noturna voltada à animação adulta de comédia. O bloco “AdultSwim” será exibido sextas, sábados e domingos das 23h à 1h, com reprises ao longo de toda a madrugada. De acordo com o canal, seu público neste horário é, na maior parte, formado por um público acima de 18 anos. As atrações incluem séries produzidas nos estúdios do Cartoon Network, bem como outras produções de humor. Junto ao lançamento do bloco, entra no ar o site (www.adultswim.com.br), com sinopses, games, downloads e clipes.

Sem cansaço A campanha de lançamento da nova Yamaha Fazer 250, a primeira 250cc com injeção eletrônica do País, destacou o design, as respostas mais rápidas nas subidas e nas retomadas, além do conforto para pilotar. O filme “Língua” mostra um motociclista pilotando uma suposta moto concorrente numa forte subida. Quando ele chega ao topo, está com a língua de fora, assim como outros motociclistas. Em seguida revela-se a nova Yamaha. A criação é da FAM, com direção de criação de Fábio Siqueira, produção da Canvas 24p Filmes e direção de cena de Wiland Pinsdorf. A campanha é composta por outdoor, anúncio de revista, jornal, spot e filme de 30” com veiculação na Globo, Record, SBT e MTV. A trilha sonora é da Ludwig Van.

“Cidade dos Homens” chega à Alemanha A série “Cidade dos Homens” chegou à Alemanha e mais 32 países. No total, a série já foi comercializada para 49 países nos cinco continentes, entre eles Japão, Alemanha, Canadá, Coréia do Sul e 19 países africanos. A O2 Filmes está em fase final de produção dos cinco episódios do último ano da série. Em 2006, a produtora planeja fazer o longa-metragem baseado na mesma. “Cidade dos Homens” chega às televisões dos diversos países por intermédio de contratos de exibição negociados com empresas distribuidoras de conteúdo dos diversos países. Em alguns casos, como na África, a venda foi feita à empresa francesa MK2 que vai exibir a série tanto na França como em 19 países africanos de língua francesa, como Argélia, Camarões, Tunísia e Gabão. 

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


CCS dá aval à PEC que regula novas mídias O Conselho de Comunicação Social aprovou, no dia 10 de outubro, o parecer do conselheiro Paulo Roberto Tonet sobre a Proposta de Emenda Constitucional 55/2004, do senador Maguito Vilela (PMDB/GO), que estabelece a empresas que produzam, programem ou provenham conteúdos dirigidos a brasileiros as mesmas regras que hoje se aplicam ao rádio e à televisão. Houve apenas um questionamento, do conselheiro Geraldo Pereira dos Santos no sentido de que, mesmo em relação à produção publicitária (que, pela proposta, está excluída da restrição), se respeite o limite de prioridade a profissionais brasileiros. A proposta foi acatada pelo CCS. Paulo Tonet não considera que a proposta do senador Maguito limite a atuação de empresas de telecomunicações sobre um serviço que hoje é considerado de valor adicionado, portanto não regulado. Para ele, “a PEC só se aplica a quem produzir conteúdo no Brasil”. “Uma tele de capital estrangeiro pode distribuir o que quiser. Se for conteúdo para brasileiro, aí é que se aplicariam as regras que hoje valem para a televisão”, completou. Sobre programadoras de TV por assinatura, Tonet diz que conteúdos estrangeiros poderão ser distribuídos. A limitação está para quem produzir conteúdos “dirigidos ao público brasileiro”. Sobre uma eventual limitação que estaria sendo criada a empresas provedoras de internet, o relator da matéria diz que não existe uma limitação. “Estamos falando apenas de quem produz conteúdo”.

Saad polemiza com Sky e Net Brasil

O

presidente do Grupo Johnny Saad Bandeirantes, Johnny Saad, centrou artilharia pesada contra grupos internacionais de mídia durante sua participação no Congresso da SET. O diretor da Band teve como alvo o presidente da Sky no Brasil, Ricardo Miranda. O presidente da Band quis saber detalhes de como a Sky se relaciona com a Net Brasil para a compra de produção brasileira. Além Ricardo Miranda disso, questionou se “a DirecTV já está morrendo e na verdade a fusão já ocorre na prática?”. Ainda, Johnny Saad perguntou se na compra da DirecTV feita pela News Corp. nos Estados Unidos, a FCC (regulador norte-americano) impôs condições. O executivo da Sky disse que o processo de compra da DirecTV nos Estados Unidos e na América Latina se deu de formas distintas: enquanto no mercado doméstico norte-americano houve simplesmente uma aquisição (lá não havia a operação Sky, apenas DirecTV), em alguns países da América Latina houve T ela

V iva

fusão de operações. “No Brasil, a Sky não tem nenhum tipo de relacionamento comercial com a DirecTV. As empresas continuam concorrendo entre si”. Sobre a compra de canais locais, Miranda diz: “A Sky tem plena liberdade de compra de canais locais, mas não temos condições técnicas de atender a todos. A Net Brasil funciona como um agente”. Ele disse ainda que a Sky não está fechada aos novos conteúdos nacionais, mas terá de fazer novos investimentos, pois já utiliza quase todos os transponders no satélite para alocar seus canais no line-up. Posteriormente, Saad esclareceu, através de sua assessoria de imprensa, que a Sky não compra o canal Terra Viva, recentemente incluído no seu line-up, mas sim que o canal paga para estar na operadora. Sobre isto, a Net Brasil esclarece que o Terra Viva, por se tratar de um canal aberto e gratuito na banda C, arca com os custos de satélite e transponder. o u t 2 0 0 5



>>


( scanner ) Dança brasileira Estréia no dia 23 de novembro, no Canal Futura, a segunda fase de “Danças Brasileiras”, série que mostra as origens e características da dança popular brasileira. O programa é apresentado pelo músico, dançarino e instrumentista Antônio Nóbrega e por sua esposa, a dançarina Rosani Almeida, que viajam pelo Brasil mostrando a criação da linguagem coreográfica de cada dança e seu processo de sistematização, utilizando como base os gestos e movimentos presentes nos ritmos tradicionais de cada região do País. Produzida pela Giros, com direção de Belisario Franca, a segunda fase da série apresentará danças como Candomblé do Pai Leopoldo (BA), Coco Alagoano de Dona Ilda (AL), Tropeiros da Tradição (RS), Moçambique de São Bento de Beira Rio (SP), entre outros.

Pluralidade O cantor, apresentador e empresário Netinho de Paula anunciou como será o canal de televisão que ele idealizou, o TV da Gente, com data de estréia marcada para 20 de novembro. O canal nasceu a partir de um acordo com uma fundação cearense da cidade de Eusébio, dona de uma concessão de geradora de TV educativa naquele Estado. Com investimentos iniciais de R$ 12 milhões, o canal se propõe a ser a primeira emissora brasileira a destacar a pluridade racial. De acordo com Netinho, há duas possibilidades de canais UHF para a entrada em São Paulo. Embora a geradora seja do Nordeste, é em São Paulo que estará localizado todo o centro operacional da TV da Gente. A emissora ocupa as instalações que eram da extinta TV Manchete. De acordo com a emissora, já são 80 profissionais diretos e cerca de 150 indiretos trabalhando na produção. A emissora pretende trabalhar também com produtoras independentes. Netinho também anunciou que haverá uma co-produção com a TPA (TV Pública de Angola). Aliás, uma parte do investimento na rede (25%) vem de empresários angolanos; o restante é da JPN Produções, empresa de Netinho e parceiros. O apresentador foi aos Estados Unidos, para visitas à rede BET (Black Entertainment Television) em busca de musicais para o canal. O representante da TV da Gente para o mercado de TV por assinatura é a InteracTV.

Passeio na neve

O segundo filme da campanha da Mitsubishi, com criação da África e produção da O2 Filmes, tem um cenário inusitado para o Brasil: a neve. Dirigido por Luciano Moura, e criado por Alexandre Peralta e Sérgio Gordilho, o filme foi rodado nos Lençóis Maranhenses e a ilusão de neve foi criada na pós-produção. O filme mostra um Mitsubishi Pajero Full percorrendo a neve, em cenas de alta performance, até que um esquimó faz sinal para o motorista parar e o avisa de que no Brasil não tem neve. O motorista responde: “Psiu! Não atrapalha, eu tô sonhando”.

Festa da Record nos EUA

Como forma de promover seu canal internacional, a Record promoveu em setembro uma tarde de shows brasileiros em Everett, região de Boston e reduto de brasileiros no Estado de Massachussetts, EUA. De acordo com a Record, cerca de 25 mil pessoas participaram do evento, que aconteceu num dos parques da cidade. A Globo Internacional também tem o seu Brazilian Day, que acontece anualmente em Nova York. Vários artistas da emissora se apresentaram no evento (Eliana, Gabriel Braga Nunes, Bianca Rinaldi, Christine Fernandes), além de cantores como Mauricio Manieri e Netinho.



Problemas sociais Com o objetivo de mostrar a organização e mobilização das comunidades para resolver problemas sociais antigos, foi criado o programa “Mobilização Brasil”, veiculado pela TVE Brasil, do Rio de Janeiro e TV Cultura, de São Paulo. Cada edição, transmitida aos sábados, às 8h, mostrará uma experiência original, com soluções simples que garantam educação, renda, trabalho e melhoria da qualidade de vida a diversas comunidades. A apresentação é dos jornalistas Marco Piva e Rosana Hermann. O programa é realizado por meio da parceria entre a TVE e a Fundação Banco do Brasil e a produção é da RadarTV Mixer. A série terá um total de 52 programas, com cerca de 26 minutos cada. •

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


( scanner ) Premiados O canal pago HBO dos Estados Unidos levou um total de 27 prêmios Emmy, uma espécie de Oscar da TV americana. Em seguida, vieram as três grandes redes abertas: ABC, com 16, CBS com dez e NBC com dez, além da rede pública PBS, que também levou dez prêmios (nove deles nas categorias técnicas). Por atrações, as principais premiações do 57th Emmy Awards foram: “The Life and Death of Peter Sellers” (produção original da HBO), com nove prêmios; “Desperate Housewives” (no Brasil, atração no canal Sony), com seis e “Lost” (canal AXN), com seis. “The Amazing Race” (AXN, no Brasil) foi o melhor reality show, nova categoria do Emmy. Na categoria comédia, “Everybody Loves Raymond” (Sony) levou o prêmio, sendo que “Lost” venceu em drama. “Mansão Foster para Amigos Imaginários” (do Cartoon Network) é a produção de animação que aparece com mais prêmios (três).

Multicolorido A RDigital Mixer desenvolveu a vinheta da ainda inédita TV da Gente (idealizada pelo apresentador Netinho). Criada por Helder Santos, a vinheta mistura animação em 3D e 2D, com personagens que representam a multiplicidade brasileira, projetados sobre formas geométricas que abrem caminho para mostrar a marca. A RDigital desenvolveu projetos de broadcast design para diversos programas de televisão, entre eles, “Ensaio Geral”, do Multishow; “GNT Fashion”, da GNT, “Na hora do intervalo”, do Multishow, “Rally dos Sertões”, do AXN e “Mobilização Brasil”, da TVE.

Parceria produtiva

O futuro do MAM O novo filme institucional do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro, contou com a direção de Paula Trabulsi, da Bossa Nova Films. Paula dirigiu crianças, que brincam em um cenário abstrato, preparandose para serem os artistas e, ao mesmo tempo, os apreciadores da arte no futuro. A direção de fotografia é de Walter Carvalho, a agência é a Que/Next e o diretor de criação é Ercílio Tranjan. A trilha é da VU.

Mistura de ritmos A campanha de divulgação da Festa Nacional da Música foi realizada pela gaúcha Contemporanea Produtora e desenvolvida pela agência Propaganda Futebol Clube. Os comerciais, dirigidos por Augusto Mallmann e Juliano Ambrosini, primam pela linguagem minimalista e mostram a mistura de ritmos que rege a concepção do evento. Durante o evento, que acontece em Canela (RS), de 3 a 6 de outubro, serão debatidos os problemas da indústria e da MPB.

A Globo Filmes realizará, junto à Europa Filmes, três longas-metragens nacionais para serem lançados no próximo ano. São eles: “A Grande Família” (de Maurício Farias), “Casseta & Planeta - O Julgamento do Século” (de José Lavigne) e “Hoje é Dia de Maria” (de Luiz Fernando Carvalho). Os três filmes serão rodados na Central Globo de Produção, e toda a distribuição (cinema, e vídeo) estará a cargo da Europa Filmes.

Tecnologia e política A Editora Paulinas publicou o livro “Mídias Digitais — Convergência tecnológica e inclusão social”. A obra, organizada por André Barbosa Filho, Cosette Castro e Takashi Tome, traz 13 artigos em que pesquisadores de todo o País e especialistas da administração federal contextualizam as novas tecnologias da comunicação e da informação, refletem sobre políticas públicas, propriedade intelectual, bibliotecas virtuais, linguagem e produção de conteúdos para essas mídias, a partir da perspectiva da convergência digital. O livro propõe o uso das novas tecnologias, em especial o rádio e a TV digital, mas também incluindo a Internet, a telefonia e os novos dispositivos móveis portáteis, como ferramentas na luta contra a exclusão social. A publicação é de grande relevância para aqueles que querem compreender o direcionamento da nova política de comunicação proposta pelo atual governo. André Barbosa Filho é assessor especial da Casa Civil e coordenador do Comitê Consultivo do Grupo de Trabalho Interministerial que elaborará o anteprojeto da Lei de Comunicação Eletrônica de Massas.

10

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


(figuras)

O descobridor de talentos

D

Fotos: divulgaçÃo

esde a infância, o diretor de elenco do núcleo de dramaturgia do SBT, Fernando Rancoleta, sabia que queria trabalhar na televisão. Nunca quis ser artista, mas dizia para a minha mãe que ia trabalhar na TV. Com 12 anos, tinha um amigo que trabalhava num banco, ao lado da sede da Rede Globo em São Paulo. Candidatou-se e foi contratado como office-boy. Na época, a Globo em São Paulo tinha só programas jornalísticos, entre eles o matinal “TV Mulher”, dirigido por Nilton Travesso. Via sempre o Nilton passar com o Boni, e tentava acompanhar ao máximo as gravações. Ao ver o Nilton trabalhando, eu já pensava: este é o verdadeiro artista. Na hora de prestar vestibular, Fernando optou por Rádio e TV, que cursou na Faap. Quando terminei a faculdade, não existia mais o “TV Mulher”, mas em São Paulo a Globo ainda era só jornalismo. E eu queria trabalhar em produção. Já tinha subido, tive várias funções, mas depois de nove anos pedi demissão. Foi então para Recife, onde trabalhou numa campanha política. Quando voltou, uma amiga o indicou para o SBT. Trabalhei no núcleo do Avancini e comecei como produtor de locação, depois fui produtor de set. Não gostei muito, mas quando cheguei a produtor de elenco me realizei. Percebi que gostava dessa área de casting porque ela reunia o trabalho com as pessoas, a parte artística e a negociação. Pouco depois, o diretor Walter Avancini se mudou para Portugal e Fernando passou a fazer parte da produção do programa “Jô Soares Onze e Meia”. Foi quando o diretor Nilton Travesso assumiu a dramaturgia do SBT. Veja como o

fernando rancoleta mundo dá voltas. Na hora disseram para ele que eu já tinha experiência com isso e nos conhecemos. Na primeira vez não tive coragem de contar minha história, mas falei da minha admiração. Hoje posso dizer que a maior parte do que eu sei aprendi com o Nilton. Se cheguei onde cheguei — e acho que ainda tenho muito a aprender — foi graças a ele, que me lapidou, me ensinou a tratar bem

as edições 1, 2 e 3 da “Casa dos Artistas”. Foi divertido, mas não podia aparecer com um amigo ator, nem sair para jantar, que todo mundo já achava que a pessoa tinha sido escolhida. Hoje seu trabalho consiste no recebimento e avaliação de currículos de atores, direção de testes, indicação de atores para os papéis das novelas,

“gostava da área de casting porque ela reunia a parte artística e a negociação”. os atores. Trabalhamos juntos por anos: tive uma breve saída para trabalhar com a Leonor Corrêa no Faustão quando o núcleo do SBT acabou de novo, mas em seguida ele foi para a Band e me chamou. Há cinco anos, Fernando voltou ao SBT, desta vez como diretor de elenco. Fiquei seis anos longe, mas gosto muito de trabalhar aqui. No começo, ainda participei da seleção dos atores para 12

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

negociação de contratos e benefícios com os escolhidos e na administração da rotina diária dos atores. Não tenho o menor talento para subir no palco, mas preciso saber se quem está lá em cima tem. É do teatro que vêm grande parte dos atores revelados pelo núcleo. Em cada novela, revelamos no mínimo três novos atores. Daqui saíram a Ana Paula Arósio e o Caio Blat, por exemplo.


De malas prontas

O engenheiro Leonel da Luz está de mudança para Goiânia, onde ficará responsável por toda a área de tecnologia do Grupo Jaime Câmara (TV Anhangüera). Leonel trabalhou durante anos na Videodata e também atuou como consultor autônomo no mercado de radiodifusão.

ABPTA tem novo diretor

Carlos Alkimim é o novo diretor executivo da ABPTA - Associação Brasileira dos Programadores de Televisão por Assinatura, o braço local da TAP Television Association of Programmers (Associação dos Programadores de Televisão), que tem sede em Miami. O executivo acumula 13 anos de experiência no setor de TV por assinatura no Brasil, tendo trabalhado na Globosat, Net Sat, Globocabo e Net Brasil. Ele vem da Nickelodeon, onde nos últimos quatro anos esteve à frente das áreas administrativa, financeira, tecnológica e de recursos humanos da programadora.

Novo executivo

A ADLine está com um novo executivo de contas. Trata-se de Mário Sérgio, que já trabalhou como gestor da área técnica do SBT atua há mais de 15 anos no setor de radiodifusão. Nos últimos dois anos Mário Sérgio vinha trabalhando como consultor.

Novidades na Republika

A Republika Filmes reforçou sua equipe de atendimento e finalizacão. Daniela Harriz integra o departamento de atendimento comandado por Mário Peixoto. Daniela trabalha há dez anos como atendimento: veio da SFilmes e passou Tambor, Laruccia, Espiral entre outras. Recém chegada de Portugal, a mineira Juliana Lavarini junta-se a Ana Paula Faria no departamento de finalização. Juliana veio da ShowOff Filmes onde trabalhou como coordenadora de pós-produção e finalização.

Da produção ao atendimento

A OpenFilms anunciou duas contratações que dão continuidade à fase de crescimento da produtora. Keila Borges, ex-Conspiração Filmes, volta da Argentina para atuar como secretária de produção, e Daniela Conde complementa o time de atendimento e comunicação, vinda da NovagênciaSNBB.

Nova cúpula

A Hispasat renovou a cúpula do grupo no Brasil. Eduardo Aspesi, executivo de experiência no setor de TV multimídia e telecomunicações, passa a ser o responsável pela Hispamar Satélites, sociedade dividida pelo grupo Hispasat (80,9%) e pela Telemar (19,04%). Aspesi desempenhará a função de diretorpresidente da Hispamar, em coordenação com a direção do grupo Hispasat, na Espanha. O conselho de administração da Hispamar também foi renovado, com a incorporação de: Ronaldo Iabrudi, presidente da Telemar, e Petra Mateos-Aparicio, presidente do grupo Hispasat.

Sob nova direção

Celso Penteado é o novo diretor comercial do Núcleo de Publicidade dos Estúdios Mega em São Paulo e no Rio de Janeiro. Com passagem pelas empresas Crosspoint e Exec, traz em seu currículo experiência de atendimento junto a produtoras, emissoras de TV e agências.


( capa)

Fernando Lauterjung e Samuel Possebon

f e r n a n d o @ t e l a v i v a . c o m . b r

|

s a m u c a @ p a y t v . c o m . b r

Artigo de primeira necessidade

Prorrogação do Artigo 1º “sequinho”, sem alterações virou unanimidade nos setores cinematográficos, mesmo com as distorções causadas pelo mecanismo.

A

prorrogação do Artigo 1º da Lei do Audiovisual é uma unanimidade entre os diferentes players do cinema. Mais que isso, tornou-se unanimidade a prorrogação do Artigo 1º “sequinho”, como defendeu Luiz Carlos Barreto em evento promovido pelo FAC em meados de setembro para discutir o tema. Gustavo Dahl, presidente da Ancine, afirmou que o Senado pretende fazer a prorrogação ainda este ano, para não deixar a discussão para o ano eleitoral. Para ele, a volta do tema ao Legislativo é uma oportunidade de rever o modelo.

“A Lei do Audiovisual oxigenou o cinema brasileiro com novos diretores, mas não ajudou a consolidação das produtoras como empresas”, destacou. Ainda, Dahl apontou outro defeito do mecanismo. Segundo ele, o Artigo 1º da Lei do Audiovisual não oferece parâmetros de reinvestimento conforme a performance dos filmes. “Há um descompromisso total com o resultado dos filmes, o que gera uma irracionalidade nos investimentos”. Na revisão do modelo, segundo Dahl, poderiam ser criadas formas do governo efetivamente poder regular todo o setor. “TV e distribuição não estão contempla­dos no mecanismo”, lembrou. “É o momento de discutir com o setor e com o Ministério da Fazenda as possíveis melhorias”, finalizou. 14

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

Além dos pontos destacados pelo presidente da Ancine, o mecanismo também não cumpriu o seu papel de mostrar que o cinema pode atrair investimentos privados não incentivados. Prova maior disso é a necessidade de sua prorrogação. Mesmo com tantos problemas, porque a prorrogação do Artigo 1º exatamente como é hoje se tornou uma unanimidade? Porque este é o responsável pela maior parte dos investimentos realizados em cinema desde 1995. Segundo dados da Ancine, foram investidos através de mecanismos de incentivo entre 1995 e 2004 R$ 813,324 milhões. O Artigo 1º da Lei do Audiovisual foi


Para o produtor Luis Carlos Barreto, lei deve ser simplesmente prorrogada, sem que se tentem modificações no mecanismo.

e exibição de obras cinematográficas e videofonográficas brasileiras, assim como de projetos de infraestrutura técnica para a atividade cinematográfica. Pela regulamentação, os recursos do Prodecine poderão ser objeto de aplicação a fundo perdido, e cabe à Agência Nacional do Cinema estabelecer critérios e diretrizes gerais para a aplicação e a fiscalização de seus recursos. Viriam do Prodecine também os recursos para o Prêmio Adicional de Renda, também previsto em lei, mas que não foi instituído pela Ancine. Quanto a este mecanismo, há uma série de controvérsias e discussões no setor. Há quem defenda que o mecanismo deveria ser usado para minimizar o prejuízo em produções que não tiveram boa performance em bilheteria. O outro lado em discussão é que não se deve premiar a má performance, mas apenas aqueles cumpriram com as expectativas mercadológicas que apresentavam no momento do desenvolvimento do projeto. Além disso, outro ponto é sobre quem deveria receber o prêmio, produtores ou distribuidores. Outra questão, levantada pelo produtor Paulo Thiago no evento, é a concorrência da Lei do Audiovisual com a Lei Rouanet. Ambos os mecanismos permitem que se invista deduzindo até 3% do imposto devido. Contudo, o limite máximo para dedução dos mecanismos somados é 4%. Segundo ele, muitas das grandes empresas nacionais investem em suas próprias fundações através da Lei Rouanet e “nem sabem da existência dessa lei (do Audiovisual)”.

“O sentimento pela renovação pura e simples da Lei do Audiovisual é mais simples de ir adiante. Se for mudar muita coisa na lei, o risco é maior”, disse o senador, lembrando o projeto da Ancinav, que acabou com uma discussão “desastrada” depois que apresentou um conjunto muito grande de pontos para o debate. O senador cobrou do Executivo projeto nesse sentido, lembrando que no ano que vem o Congresso tende a trabalhar em outro ritmo, o que colocaria em risco a continuidade dos incentivos. Outros mecanismos Após concordância geral no evento, até mesmo Gustavo Dahl acatou a idéia de Luis Carlos Barreto, que disse ainda que “assim, teremos tempo para aprimorar o modelo, fazer com que outros mecanismos funcionem”. Rodrigo Saturnino Braga, da Columbia, lembrou que a lei prevê dois importantes mecanismos que não foram implementados: o Prodecine e o Prêmio Adicional de Renda. “São fundamentais para alavancar a distribuição”, destacou. O Prodecine (Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Cinema Nacional), vale lembrar, seria um fundo auto-sustentável que, com recursos da Condecine e gerados através dos investimentos, investiria em projetos de produção, distribuição, comercialização fotos: daniele Frederico

responsável por mais de 50% desse montante: R$ 442,122 milhões. O Artigo 3º foi responsável por investimentos no mesmo período da ordem de R$ 136,848 milhões; pela Lei Rouanet foram aplicados R$ 202,420 milhões. O restante foi através de conversão da dívida pública (R$ 12,371 milhões) e pelo Artigo 39 da MP 2228-1 (R$ 19,563 milhões). Além disso, começar uma nova discussão pode atrasar os trabalhos para a prorrogação do mecanismo e levar o tema a um embate político em ano eleitoral. O produtor Paulo Thiago também defendeu a “prorrogação simples, sem ampliações”. “‘Dois Filhos de Francisco’ mostra que este é um modelo pujante”, disse. Para ele, entrar em novas discussões pode levar ao campo político, gerando novas polêmicas. Para o cineasta Ícaro Martins, da Apaci (associação dos cineastas paulistas), “cada vez que se muda o modelo, vem um período de adaptação sofrível”. O produtor Leonardo Monteiro de Barros, da Conspiração Filmes, diz que o Artigo 1º deve ser renovado “por mais cem anos”. “Se ele não for mais necessário, a gente tira”, disse. Nem mesmo o aumento do limite máximo de investimento por projeto foi acatado por todos. “Isso só faria subir os custos de produção”, disse Monteiro de Barros. O Senado parece estar afinado com a idéia da prorrogação do mecanismo como está. Em debate sobre o tema precipitado pela sub-comissão de cinema, ainda no final de agosto, o senador Sérgio Cabral (PMDB/RJ) defendeu a tese da prorrogação.

“ Há um descompromisso total com o resultado dos filmes, o que gera uma irracionalidade nos investimentos” Gustavo Dahl, da Ancine

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

15


( radiodifusão) a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

André Mermelstein e Fernando Lauterjung |

f e r n a n d o @ t e l a v i v a . c o m . b r

Engenharia política

prioritariamente as necessidades das emissoras. Um radiodi­fusor chegou a ironizar, dizendo que “o plano B é o plano A”. André Barbosa Filho (Casa Civil), Encontro dos engenheiros de televisão, Congresso da SET coordenador do Comitê Consultivo toma caminho político, discutindo questões como a TV digital, do Grupo de Trabalho Interministerial convergência e rádio digital. que elaborará o anteprojeto da Lei de Comunicação Eletrônica Congresso da SET, que acalmou os radiodifusores, de Massas, no entanto, aconteceu entre os dias afirmando que tem na reafirmou a TELA VIVA 21 e 23 de setembro, em manga um “plano B” que existe uma política São Paulo, paralelamente para a TV digital, a ser de governo e que à feira Broadcast & Cable, usado dependendo dos ela deverá ser levada teve clima de comemoração por parte resul­tados das pesquisas adi­ante. “Seja plano A, dos radiodifusores que, segundo em curso para o SBTVD. B ou C, deverá cumprir afirmou o presidente da Abert, José Segundo o secretário de as exigências dessa Pizani, na abertura do evento, vivem Comunicação Eletrônica política”, disse. Para ele em um momento privilegiado, por ter do Ministério das os principais ativos da recebido um ministro “cuja origem Comunicações, Joanilson TV digital no Brasil são é o nosso setor”. Tanto no que se Ferreira, trata-se de um o fortalecimento da refere às definições sobre rádio e TV procedimento comum pesquisa e desenvol­ digital, quanto na questão da entrada em projetos. “O que você vimento, a criação de das empresas de telecomunicação faz se um determinado parque tecnológico “O Minicom e o CPqD eum na distribuição de conteúdo, os pedaço da pesquisa o suprimento de já trabalham em radiodifusores acreditam estar agora não der certo? Para isso de­mandas de acesso da alternativas para cada população. mais bem representados. o Minicom e o CPqD já O presidente da SET, Roberto trabalham em alternativas etapa do projeto.” Joanilson Ferreira, do Minicom Franco, afirmou que só se discutia para cada etapa do Características a “tecnologia por ela mesma, projeto”. O secretário Acadêmicos sem respeitar o empresário e o também detalhou como está se dando a envolvidos no desenvolvimento consumidor”. Segundo ele, com a participação mais ativa dos radiodifusores do SBTVD mostraram algumas das chegada de Hélio Costa ao Ministério no processo de decisão da TV digital. pesquisas realizadas até o momento das Comunicações, “volta-se a levar Agora, foi montado um grupo de trabalho e, reservadamente, comemoraram em conta 14 anos de pesquisa em TV envolvendo as redes, o Minicom, o CPqD e a abertura dada pela SET para que digital”. O presidente da Abra, Johnny a Anatel, que está discutindo os aspectos eles participassem do evento. Apesar Saad, foi na mesma linha. Para ele, o técnicos do projeto. Segundo o secretário, de, muitas vezes, ficar clara a falta ministro Hélio Costa “chegou com uma este grupo não participará das decisões de sinergia entre as opiniões de postura correta”. Saad regulatórias, que estão radiodifusores e acadêmicos, em criticou ainda a entrada exclusivamente a cargo do alguns casos pode-se perceber que os das operadoras de tele­ Minicom. pesquisadores se esforçam para ser um fonia celular na distri­ O “plano B” a que o elo entre o que defende alguns setores buição de conteúdo. Minicom se refere, no do Governo e os broadcasters. “Essa conversa de con­ entendimento de fontes Uma das diferenças entre vergência só interessa do setor, seriaatender defensores da democratização da às companhias tele­ comunicação e radiodifusores foi fônicas”, disse.”Somos em relação ao próprio modelo de “Seja plano A, B animais diferentes, exploração das freqüências. Segundo ou C, deverá a radiodifusão é Fernando Bittencourt, diretor de seguir as políticas gratuita”, completou. engenharia da Rede Globo, as determinadas Logo na abertura emissoras de TV aberta que quiserem pelo governo.” do evento, o Ministério competir com os demais serviços André Barbosa, da Casa Civil das Comunicações digitais precisarão manter, no mundo foto: arquivo

fotos: marcelo kaHn

O

16

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


Entidades reclamam de posições do ministro Algumas associações representativas da sociedade civil, especialmente setores ligados à comunicação, estão protestando abertamente em relação ao rumo que tem sido dado ao processo de decisão da TV digital. Em carta aberta ao Congresso Nacional e ao presidente da República, as entidades ABCCOM (Associação Brasileira de Canais Comunitários), ABONG (Associação Brasileiras de ONGs), ABTU (Associação Brasileira de TVs Universitárias), CBC (Congresso Brasileiro de Cinema), Cris Brasil (Articulação Nacional pelo Direito à Comunicação) e FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação), em conjunto com o movimento Quem financia a Baixaria é Contra a Cidadania querem que o governo mude os rumos da discussão. Segundo as associações, as decisões tomadas num futuro próximo “podem alterar o cenário de concentração dos meios, contribuir para as políticas de inclusão digital e permitir uma apropriação do público sobre o privado”. foto: eugenio novaes

digital, uma faixa de 6 MHz como a que ocupam hoje no espectro analógico. Segundo ele, a TV digital terá que competir com várias mídias inexistentes há dez anos, como o cabo digital, o DTH, o celular 3G e o DVD de alta definição e, para isso, precis­ará ter à disposição a possibi­lidade de prestar diversos serviços, como transmissão em HDTV e móvel. Ele explica que para isso, as emissoras precisam ter garantidos os 6 MHz, pois mesmo com as novas tecnologias de compressão, como o MPEG-4, não seria possível fazer tudo em uma faixa menor. Bittencourt, que assume ter preferência pessoal pelo padrão japonês (ISDB-T), não acredita que o Brasil deva simplesmente adotar o padrão como está. “Acho que devemos e temos a capacidade de

>>

Ainda, o documento diz que “o debate sobre a TV digital deve se tornar efetivamente público imediatamente”. De acordo com as entidades, “as emissoras querem reproduzir com a TV digital o atual cenário de concentração e negar a possibilidade de participação de novos atores neste espaço”. As associações signatárias da carta reclamam abertamente do ministro Hélio Costa, das Comunicações. “As ações do ministro revelam a nítida intenção de considerar exclusivamente os interesses dos empresários detentores das concessões públicas, fazendo da TV digital instrumento de ampliação do potencial comercial destas emissoras — e nada mais”. Dizem que o ministro desrespeita os processos em andamento em relação ao Conselho Consultivo da TV digital e em relação aos consórcios de pesquisa. “Para que o interesse público prevaleça, a sociedade civil deve, com urgência, se tornar protagonista dos debates que envolvem a TV digital, tanto pela valorização do Comitê Consultivo como pela introdução de mecanismos que possibilitem a participação da sociedade civil nas principais decisões relativas à digitalização da televisão brasileira”.


( radiodifusão) fazer modifi­cações. de 6 MHz, deixando uma Estes padrões têm pequena margem nas mais de dez anos, pontas da freqüência, não temos condição deve haver interferência”, de implantar algo explica. Com isso, não só melhor que o que o momento de transição existe nos outros pode ter uma canalização países”, concluiu. mais simples, mas também O contraponto haverá espaço para novas ao modelo de emissoras após esse exploração foi período. apresentado pelo presidente da ABTU Novos players (associação dos O presidente da Anatel, canais universitários), Elifas Gurgel do Amaral, “Se a regulamentação afirmou na abertura Gabriel Priolli, que proibir a TV no celular, do congresso que a Lei defendeu que a o Brasil ficará para trás.” Geral de Comunicação digitalização abra Luiz Avelar, da Vivo espaço para novos de Massas deve criar “um agentes, com a momento de transição” liberação do espectro de freqüências. para convergência das mídias e a Ainda assim, ele também defendeu entrada dos grupos de telecomu­ a tese de que a TV digital deva nicações na distribuição de conteúdo possibilitar o HDTV mesmo para as audiovisual. Gurgel deu a entender em TVs públicas, que do contrário não seu discurso que a entrada das empresas teriam como competir pela audiência. de telecomunicações nesse mercado é O elo entre as duas opiniões pode inevitável. Sua postura contraria o que diz estar nas pesquisas desenvolvidas o ministro Hélio Costa que, em entrevista para o SBTVD. Segundo o professor à revista TELA VIVA de setembro, afirmou Gunnar Bedicks, pesquisador do que as operadoras de telefonia não são Mackenzie e coordenador do grupo empresas de comunicação. que estuda modulação no SBTVD, Uma coisa é certa: tanto emissoras a modulação proposta pelo grupo, quanto operadoras de celular concordam a DMMB-T (Digital Multimedia que o conteúdo é determinante para o Multicasting Broadcasting Terrestrial), sucesso de um serviço. “Quando lançamos permitirá utilizar os canais adjacentes, o Mundo Oi, o desafio não foi achar hoje desocupados para não causar um terminal de baixo custo, mas sim o interferência nos canais em operação. conteúdo. Uma vez que o usuário tem “Como não usamos toda a faixa acesso, ele fica ‘viciado’, não quer mais

Rádio digital: fato consumado No dia 26 de setembro, no jantar comemorativo dos 70 anos da AESP (assoc. das emissoras de São Paulo), foi anunciado o início oficial das transmissões de rádio digital terrestre no Brasil. O anúncio foi corroborado pelo ministro Hélio Costa (Comunicações), que saudou os radiodifusores pela ocasião. A Anatel autorizou as emissoras a fazerem apenas testes com os transmissores digitais, período em que elas têm que passar à agência relatórios sobre a recepção dos sinais e o funcionamento do sistema. Na prática, o que se vê é que os broadcasters criaram uma situação de fato, que dificilmente terá volta. “Todo o mundo já comprou o transmissor”, revelou a TELA VIVA um radiodifusor de grande expressão. Segundo Ara Apkar Minassian, superintendente de Comunicação de Massa da Anatel, o governo não definirá um padrão único de rádio digital. A opção tecnológica poderá ser feita individualmente pelas emissoras, a exemplo do que acontece com os celulares. a única exigência é que o padrão escolhido use tecnologia que faz as transmissões em cima da mesma banda

18

T ela

lançamentos Confi­­ra alguns dos principais produtos apresentados na Broadcast & Cable 2005 na seção Upgrade, à página 54.

ficar sem”, conta Alberto Blanco, diretor da Oi (operadora celular da Telemar). Luis Avelar, diretor de inovação da Vivo, vai na mesma linha: “quando lançamos o Vivo ao Vivo, há três anos, a ARPU destes usuários subiu 50%. Hoje temos 4 milhões de downloads por trimestre e isso cresce 10% ao mês”, contou o executivo. Para Avelar, o mercado de TV no celular não concorre com o broadcast, porque é uma TV customizada, ondemand, em que o assinante paga pelo sinal e não vai assistir por horas seguidas. O executivo afirmou que a Vivo vai testar no Brasil a plataforma MediaFLO, da Qualcomm, que permite que o assinante assista vídeos no ce­lular segundo uma programação defi­nida por ele próprio. E aproveitou para alfinetar: “Se a regulamentação proibir isto, está deixando o Brasil para trás”. Já Bittencourt, da Globo, vislum­ bra outro cenário, em que os sinais estarão abertos no ar para livre rece­ pção, e afirmou que as teles não se recusarão a subsidiar os terminais ca­ pacitados a recebê-los. “Quando nos­ so sinal estiver no ar, os fabri­cantes vão querer vender os apare­lhos para receber, e todos (os opera­dores) vão querer entrar junto”, afirmou.­

usada hoje pelas transmissões analógicas. Isto porque, explica Minassian, não há freqüências disponíveis fora das faixas atuais. Atualmente, dois padrões funcionam desta forma: o DRM e o iBiquity IBOC (In Band One Channel), o escolhido das emissoras, por trabalhar em AM e FM. A princípio, a idéia das emissoras é, a partir dos testes (e caso estes tenham sucesso), começar a transmitir permanentemente em digital (mantendo o analógico paralelamente por tempo indeterminado). Segundo Ara, não será necessária nenhuma nova autorização para isso. Já André Barbosa, da Casa Civil, acredita que os radiodifusores estão cometendo um erro ao assumir o iBiquity como uma opção única. “O transmissor IBOC custa US$ 120 mil. Quem vai pagar por isso? O governo?”, disse. Para ele, deveria ser aproveitado o momento para testar também o DRM, como a Radiobrás está fazendo. “É verdade que, por enquanto, só funciona em AM. Mas a FM vai muito bem no Brasil e as pesquisas para o DRM em FM continuam”, diz Barbosa. Ele diz que, com os testes mais divididos, seria possível inclusive “pressionar os americanos (iBiquity) a oferecer as mesmas condições que os europeus (DRM) oferecem”.

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


( programação)

Edianez Parente

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

Segundo canal da MTV virá de Miami VH1 Brasil deve chegar ao mercado nacional no próximo ano, mas será produzido e distribuído pela MTV Networks, dos EUA.

A

está preocupado com a barriga. Carros também. É um segmento com bastante poder aquisitivo, difícil de acessar. Mercado existe tanto do ponto de vista do telespectador quanto do anunciante”, diz Mantovani. O dirigente da MTV brasileira conta que teria estrutura e expertise de sobra para produzir este novo canal localmente. No entanto, ele afirma que a idéia teve de ser abortada, ao menos desta maneira. Pode-se esperar, sim, um VH1 Brasil, mas ele será feito pelo sócio americano, produzido em entregue via Miami. “Eu posso falar pouco sobre este canal, porque é uma iniciativa que está mais concentrada em Miami do que no Brasil — não vai ser produzido aqui. Vai ser feito lá fora”, conta o diretor geral da Foto: Divulgação

ndré Mantovani, diretor geral da MTV Brasil e também responsável pela direção de mídia eletrônica do Grupo Abril, define a MTV como o mais bem-sucedido canal segmentado do País e diz que, por ser de nicho e aberto, está acima de qualquer outro canal da TV por assinatura. Tanto é que, baseado em pesquisas, poderia e gostaria de fazer um segundo canal. Há pelo menos sete anos a emissora planeja este segunda faixa no espectro, por um simples motivo: há mercado, anunciante e conteúdo. O problema é a falta de distribuição. “Tenho pesquisa de campo que indica que a demanda é alta: dos 25 aos 45 anos, classes AB, há um público que quer videoclipes, notícias, humor, programação de linha; é um pessoal que está órfão, porque já passou da idade da MTV”. Explica-se: a MTV brasileira, que já tem 15 anos no mercado, deixou um público desolado - os que gostam de música mas que não se enquadram mais na sua faixa etária. Daí que a idéia de se fazer um segundo canal, o VH1 Brasil, estava tanto nos planos da MTV brasileira quanto de seu sócio internacional, a Viacom, dona da marca nos EUA e sócia em 30% da MTV nacional. “Claro que há viabilidade comercial para um canal assim. Os anunciantes pedem. Por exemplo, a Coca-Cola Light é para o target mais velho. A Coca está na MTV, mas para a Light, prefere anunciar a um público mais velho — o que

emissora brasileira. “Obviamente, estamos discutindo a forma de cooperação na produção e desenvolvimento do canal, mas o embrião, onde ele está sendo gestado, é em Miami.”. O motivo da transferência de gestão do canal é um só, nas palavras de Mantovani, uma questão de distribuição no mercado brasileiro: “Na prática, eu não consigo entrar (nas operadoras de TV paga). Na realidade, o produtor nacional de conteúdo não consegue entrar. Tem de ser estrangeiro para entrar. E o VH1 está vindo do estrangeiro; daí entra”. Ele continua: “A Net Brasil não deixa entrar. Eles falam que não conseguem carregar, e daí aparecem novos canais; eles falam que não têm banda, daí aparece a banda. Vão falar que atendem a demanda dos assinantes, e você vai querer me convencer que o assinante prefere um canal que não tem nada a ver com ele? A argumentação é falaciosa.” TV aberta Mantovani diz que a MTV está nos sistemas porque não é primordialmente um canal de TV por assinatura, mas sim uma emissora aberta. “Se você pegar os números

“Minha tia fala que não gosta do meu canal. Daí eu digo: ainda bem, tia, porque se você gostasse eu ficaria desempregado”. André Mantovani, diretor geral da MTV

20

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


Net Brasil: operadoras não comportam novos canais “Qualquer pessoa séria e minimamente informada sobre o mercado nacional de TV por assinatura sabe que os operadores não têm condições de incluir novos canais no line-up, ou por não haver espaço ou por questões de orçamento. Não se pode ignorar uma realidade comercial e técnica”, afirmou Alberto Pecegueiro (foto), diretor geral da Globosat e também da Net Brasil. Especificamente sobre o interesse em um segundo canal feito pela MTV Brasil, o VH1 Brasil, Pecegueiro diz que houve uma tentativa de imposição do novo canal para distribuição à Net Brasil. Pecegueiro afirma ainda que seguem as negociações com programadoras brasileiras para canais por assinatura, como os do grupo Bandeirantes e o infantil TV Rá-Tim-Bum, da TV Cultura. “O que ocorre é que não dá para levar todo o mundo nos pacotes básicos”, diz ele, que classifica como oportunistas declarações dando conta de que a Net Brasil não se interessa pelos canais nacionais.

MTV Brasil com a Net Brasil — que Cartoon Network, lá atrás, em 1996, compra programação nacional para tinha por modelo a bem-sucedida Sky e Net Serviços, Mantovani conta: empreitada da emissora musical no “Eu estava negociando o preço. Era mercado nacional. uma negociação normal de preço e Mas Mantovani dispensa contrato — e não acabou. Está fechado, comparações: “A MTV não deveria mas falta ver o contrato assinado. Acho ser modelo pra TV paga, porque que tem um acordo aí. Até assinar, somos bem maior do que qualquer pode mudar. Está muito canal da TV por bem encaminhado.” As assinatura. A gente afirmações de Mantovani está crescendo geraram imediatamente bastante, devendo uma resposta do dirigente ultrapassar 30% da Net Brasil, Alberto de aumento no Pecegueiro (leia box). faturamento Não por acaso, a publicitário neste ano, MTV foi o modelo de o que é um pouco implementação de toda acima do mercado”, uma gama de canais diz, ao lembrar que por assinatura no País. desde “quase sempre” O primeiro dos canais o crescimento anual internacionais e vender da MTV brasileira publicidade específica manteve-se em VJs no Video Music Brasil: maior no mercado brasileiro, o dois dígitos. audiência no target jovem. Foto: daniele frederico

do Ibope, vai ver que eu tenho disparado a maior audiência em TV segmentada do País. Nos domicílios onde há TV por assinatura, a MTV é número um em termos de ambiente de TV segmentada, no target, obviamente — 15 a 29 AB. Somos um canal de música jovem”. No cabo, o canal é obrigatório. Sky e DirecTV compram programação; a Net Brasil também, nas praças onde o canal é oferecido na modalidade paga. “Tirar a MTV dessas operações é dar um tiro no pé e na cabeça”, afirma. “Outro dia ficamos fora do ar por um minuto na Sky, por estarmos trabalhando no sistema de codificação. Houve seis reclamações, por um minuto fora do ar”, conta o diretor. A operadora tem cerca de 800 mil domicílios assinantes. Sobre as negociações de renovação do contrato para a

>>


pra concorrer com a MTV”. Na opinião de Mantovani, o canal ainda tem de se desenvolver. Sobre o Multishow, da Globosat, Mantovani concorda que o canal tem um viés musical: “Mas o próprio nome do canal já diz que é uma programação variada; tem até programa de mulher pelada lá. Não está no nosso nicho”. No DTH, a situação é mais variada: “Na grade da Sky, por exemplo, só temos nós; agora vieram a MTV Soul e Mega Hits, que estão ali, mas não concorrem, não vendem comerciais”.

Concorrência A MTV não vê ninguém à sua frente. “Concorrente? Não tem, de verdade. Mas tem gente disputando o mercado. Outro dia apareceu uma nota sobre o canal Mix TV (N.E.: emissora de UHF em São Paulo), mas ele não chega a ser um canal, é só um bloco de quatro horas com clipes, se comparado conosco. Isso é um movimento muito de guerrilha, está começando, dizendo a que veio. O próprio Di Genio (N.E.: João Carlos Di Genio, dono do canal) diz: eu vim

Foto: daniele frederico

( programação)

A banda Pitty, durante o Video Music Brasil

Grupo Abril tem projeto de novos canais

D

e acordo com André Mantovani, as licenças de TVA do Grupo Abril (as antigas outorgas de UHF fechada, não confundir com a operadora de mesmo nome) ainda estão em análise, para desenvolvimento. São concessões para operar em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. “Trata-se de um tipo de canal muito peculiar, de TV por assinatura que pode ficar uma parte do dia aberto. Não é must-carry. Então, como se vai vender assinatura dele? Tem de haver um decoder específico. Eu não posso falar ainda, mas tenho algumas idéias de como movimentar essas freqüências de alguma maneira efetiva”, conta. Ainda como diretor de mídia eletrônica da Abril, André Mantovani conta que o grupo planeja lançar canais: “Mas são canais pela Abril — não pela MTV. Serão canais novos, segmentados, para TV por assinatura. Um para humor, outro de games, um canal local para São Paulo e outro de música brasileira”. Ele diz que não necessariamente todos os canais que pensa serão inseridos na TVA, operadora de TV paga do grupo. “Claro que se eu inventar um canal de balonismo, ou de plantação de ervilha, não sei se eles vão querer... Tem de

haver demanda. Estamos em época de aprovação de orçamento na Abril. Isso é parte de um plano maior. Não se lança quatro canais de uma hora pra outra, mas um deles no ano que vem eu começo”. E ele diz que na TVA e Neo TV os novos canais devem entrar. Quanto à sinergia editorial ante as publicações da Editora Abril, Mantovani diz que o canal de games, por exemplo, teria sinergia com um título como a Super-Interessante. “Mas há conteúdos distintos entre o canal de TV e as publicações. A idéia não é pegar as

revistas e transformar em canais de TV”, arremata. A partir daqui entra texto novo Outra novidade que a MTV do Brasil prepara é o lançamento da MTV Filmes. A emissora já desenvolve um projeto para cinema junto à Buena Vista. “Será um filme de animação para o público jovem”, afirma André Mantovani, explicando que a emissora não pretende recorrer a incentivos fiscais para custear a produção, resolvendo bancá-la com recursos próprios. O sucesso das animações “Mega Liga de VJs Paladinos” e “Fudêncio” é o motivador para o novo projeto. Do lado da tecnologia, a ordem na emissora é a digitalização de tudo. “Aos poucos, estamos indo para o processo digital. A edição já o é; a captação ainda é híbrida”, explica Mantovani, lembrando que os equipamentos vem sendo trocados aos poucos. Uma grande troca é esperada para o ano que vem: a antena da emissora, localizada no bairro do Sumaré, por uma questão de tempo de uso mesmo.

O sucesso do desenho “Fudêncio” anima projeto para cinema

22

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


(televisão)

André Mermelstein

a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Nas ondas do Futura

Canal amplia cobertura com inauguração de sua geradora educativa no Rio de Janeiro, e uma rede de retransmissoras em oito estados.

A

de Janeiro, em circuito interno) e TV UFPB (ligada à Univ. Federal da Paraíba). O sistema de afiliadas do Futura cobre um universo potencial de 10 milhões de espectadores. Na parabólica a estimativa é de que se atinjam outros 15 milhões. Segundo a gerente geral do canal, Lúcia Araújo, o modelo de afiliação é bem diferente do convencional. As proponentes (sempre universidades) passam por uma seleção rigorosa, e não saem simplesmente reproduzindo a programação. “Eles fazem workshops aqui dentro, têm que entender como funciona o canal, e contribuir com a programação também”, conta Lúcia. Além disso, explica, o Futura dá assistência técnica, ajuda o canal local a se estruturar e dá consultoria para a produção local, para que haja um alinhamento com a filosofia do canal. A escolha das universidades como parceiras se deu por um conjunto de fatores. fotos: arquivo

partir de novembro, o canal Futura entra no ar pelo canal 18 UHF no Rio de Janeiro. O Futura, que completou oito anos em setembro, obteve no ano 2000 a concessão de uma geradora educativa em São Gonçalo, na Grande Rio, e o passo marca a entrada definitiva do Futura no mundo broadcast. O canal, que está no cabo e no satélite (sistema Net/Sky e Vivax) e também aberto nas parabólicas, já vinha sendo transmitido em canal aberto por alguma universidades parceiras, naquilo que compõe a primeira rede educativa privada do País (e um caso raro no mundo todo). A maior parte das emissoras da “rede Futura” transmite em UHF, com exceções como a UNO TV, mantida pela Universidade do Oeste Paulista, que está no canal 2 VHF, e da UPF TV, de Passo Fundo (RS), que está no canal 4. São ainda retransmissoras a TV Lúmen (Paraná, ligada à PUC), TV Unisinos (São Leopoldo, RS), TV Unama (Pará), TV Unaerp (Litoral Paulista, com estréia em breve), TV Univali (Santa Catarina), TV Cefet (Rio

“Eles precisam de produção nacional e também tem muito conteúdo para ser explorado”, explica Lúcia. Mas o mais importante, segundo ela, é que o canal busca sempre uma atuação junto às comunidades que atinge, e em parceria com a universidade consegue ter uma ação presencial em diversas localidades sem ter que investir diretamente. Ou seja, as universidades também acabam funcionando como braços dos projetos comunitários Lúcia Araújo do canal. O resultado deste modelo integrado é que as afiliadas não participam apenas com contribuições à rede, mas em alguns casos até conseguem inserir programas na grade nacional. É o caso da Universidade de Passo Fundo, que criou o programa infantil “Mundo da Leitura”. O programa era reproduzido apenas em circuito interno da universidade. O Futura deu suporte para desenvolver melhor o produto e hoje o programa

programa ao vivo sobre sexualidade apresentado pelo psiquiatra Jairo Bouer, que apresentará vídeos do projeto Geração Futura, feito em O Futura não se define apenas como um canal de TV, mas parceria com a farmacêutica Schering. como um projeto social, no qual a programação é construída junto a Na parte de distribuição, a parceria com a Vale do Rio Doce uma rede de ONGs, fundações e todo o tipo de entidade. “Buscamos permitiu que o canal instalasse monitores dentro dos vagões da estradauma inovação no processo de produção televisiva”, diz Lúcia Araújo. de-ferro de Carajás, que transporta milhares de passa­geiros diariamente. “Quem faz televisão em geral é auto-referO canal também está presen­te nos ônibus ente. Para ser plural, tem que ter ouras pesurbanos de Passo Fundo, soas na base, outras visões”, conclui. num projeto em parceria com a Segundo ela, trata-se de um projeto de universidade local. “inclusão simbólica”, pois a população se vê O Futura é capitaneado pela Fundação refletida na tela da TV. Roberto Marinho, e tem como parceiros Além das ONGs, muitos dos projetos apoiadores a Fundação Vale do Rio Doce, são desenvolvidos com a ajuda dos próprios a Fundação Itaú Social, Fierj, Fundação mantenedores, sem que isso implique Bradesco, Votorantim, Instituto Ayrton Senna, qualquer comprometimento da qualidade, “A Cor da Cultura”: projeto sobre afro-descendentes CNT/Sest/Senat, Schering, TNT, CNI, foi desenvolvido junto à comunidade. segundo Lúcia. Um exemplo é “Ao Ponto”, rede Globo, Sebrae e Fiesp.

de baixo para cima

24

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


“Heróis de Todo o Mundo”: personalidades do mundo negro, como o ministro Joaquim Barbosa (à esq.) contracenam com atores e lembram personagens históricos.

integra a grade do canal. Pelo menos uma vez por ano, as afiliadas trabalham em um projeto de programação coletiva. Em 2004 foi “Gostinho do Brasil”, em que eram apresentadas receitas locais de cada estado, executadas por famílias da região. Em 2005 foi a vez de “Cada Casa, um Causo”, com histórias típicas de cada localidade. Programação Dentre as novidades na programação do canal está o projeto “A Cor da Cultura”, em parceria com a Secretaria de Igualdade Racial, TV Globo, Cidam (ONG de artistas negros), Petrobras e a TVE, que vai veicular uma parte do programa. Trata-se de cinco séries com 56 programas ao todo. A inspiração para o programa veio da lei 10.639, que obriga as escolas a incluir conteúdos afrodescendentes em seus currículos.

Segundo Lúcia, o canal e as entidades perceberam que os diretores e professores não estavam totalmente capacitados para isso, e desenvolveram a idéia de levar estes conteúdos através do canal. Cada uma das séries se dirige a um público diferente. “Nota 10”, por exemplo, destina-se à capacitação dos professores, enquanto “Livros Animados”, um programa já existente na grade do canal, exibirá 20 lendas afrobrasileiras para as crianças. Em novembro, mês da Consciência Negra, será a vez de “Mojubá”, série sobre os orixás. Outra série do projeto é “Heróis de Todo o Mundo”, 30

interprogramas que serão transmitidos também pela TVE, sobre personagens negros de nossa história, como Mestre Aleijadinho, Auta de Souza, Machado de Assis, Elizeth Cardoso e Pixinguinha. Os conteúdos foram desenvolvidos junto a cerca de 20 organizações e o programa foi produzido pela Black & Preto, com direção de Luiz Antônio Pillar. A África, aliás, está cada vez mais presente no Futura. Em parceria com a produtora sul-africana Moments, o canal prepara o programa “I’m an African”, para ser exibido na cúpula da infância em 2007. Também o programa “Pé-deque?”, apresentado por Regina Casé, terá cinco edições gravadas em Moçambique. O canal, aliás, tem um “branded block”, um bloco de uma hora em horário nobre na TV moçambicana, que é líder de audiência no horário.


)

Edianez Parente

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

Canais internacionais remetem R$ 1,5 bi em 30 meses Desde que passaram a recolher 3% das remessas às suas matrizes no exterior para co-produção no Brasil (através do Artigo 39 da MP 2281-1), as programadoras estrangeiras de TV por assinatura instaladas no Brasil acumularam na conta até agosto último R$ 45,7 milhões. Desse total, R$ 31,6 milhões foram efetivamente alocados em produções nacionais por meio de projetos aprovados pela Ancine. Isto sinaliza que, desde 2002, quando foram abertas as primeiras contas para recolhimento e iniciado o registro, estas empresas remeteram para o exterior R$ 1,5 bilhão - o faturamento de cerca de 15 MTVs por ano, ou seis Redes TV!. Isso considerando que todas fizeram a opção pelos 3% em lugar da Condecine de 11%. HBO (com quase R$ 20 milhões depositados), DirecTV (com R$ 8,3 milhões), Turner (R$ 5,7 milhões), Discovery (R$ 3,8 milhões), Fox (R$ 3,7 milhões) e MTV Latin America (canal Nickelodeon, com R$ 1 milhão) são as depositárias milionárias. Todas reverteram seus recolhimentos em produções nacionais audiovisuais independentes. De todas, quem mais deixou de aplicar o que poderia foi a Discovery - cerca de R$ 800 mil foram para os cofres da Ancine após estourado o prazo para seu uso.

Clima latino A TV Climatempo tem a chance de se tornar um canal de previsão do tempo para toda a América Latina. Desde o fim do The Weather Channel, a região ficou sem um canal de cobertura continental de meteorologia. A Sky já levou o canal brasileiro para apreciação em sua empresa-irmã no México. Enquanto isso, a Climatempo expande horizontes e t­ambém avança como opção de conteúdos para telefonia celular.

Chico é sucesso na AL A exibição dos especiais sobre Chico Buarque têm feito sucesso FOto: João wainer/divulgação

também fora do País. De acordo com Luiz Eduardo Baptista, diretor geral da DirecTV do Brasil, que produziu os programas, os episódios têm sido muito bem recebidos na América Latina - assim como foram os episódios musicais “7 x Bossa”. Em dezembro, janeiro e fevereiro, o canal 605 da DirecTV exibe os três últimos episódios (“Os Saltimbancos”, “Cinema” e “Roda Viva”), dos 12 que foram feitos. “No começo achei que seriam apenas três, mas por fim conseguimos chegar aos 12 capítulos, que era o meu projeto original”, diz o diretor Roberto de Oliveira, da RWR, que dirigiu os especiais. Após acabado o projeto Chico, ele tem na manga material para novos documentários de personalidades musicais: Tom Jobim, Elis Regina, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

HBO dispara na Sky Em setembro, a Net Serviços começou a promover pra valer os canais HBO para atrair mais clientes à sua base de assinantes, a partir de uma campanha cooperada com o canal sobre a estréia da superprodução “Roma” (foto). Mas é da Sky que vêm as mais otimistas previsões de vendas com o canal. No início de agosto, o CEO da operadora no Brasil, Ricardo Miranda, e Gaston Comas, CEO da HBO Latin America Group, previam que até o final deste ano cerca

de 5% (ou 40 mil assinantes) da base da Sky iriam comprar os novos canais. Ao final de setembro, Ricardo Miranda dizia que as vendas estavam indo além das expectativas, e agora a previsão é no mínimo de se chegar ao final de 2006 com uma penetração em torno de 10% sobre a base (aproximadamente 80 mil assinantes). Segundo a Sky, acima de 90% dos compradores do pacote HBO optam pelo Total, o pacote completo com todas as opções do HBO Max Digital. No final de outubro a HBO deve fazer o lançamento de “Mandrake”, sua esperada primeira minissérie brasileira.

FOtoS: divulgação

(

26

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel

N達o disponivel


( no ar ) Prêmios Nick e VMB Aconteceram na mesma semana dois prêmios e duas grandes festas

E o Rá-Tim-Bum?

Fora as justifi­ca­ti­ vas formais dadas para a não-inclusão da TV Rá-Tim-Bum no line-up das operadoras Net e Sky, corre extraoficialmente que o principal motivo seria um suposto grande volume de reprises do canal. A programadora diz que seu ciclo de reapresentações ocorre da mesma forma que em todos os canais da TV paga. Mas uma coisa é fato: importante dirigente do setor faz uma campanha de bastidores contra a ampliação de distribuição do RáTim-Bum. Apesar de tudo, uma das novas produções feitas para o canal, o “Cocoricó”, rendeu para a Cultura Marcas uma série de novos licenciamentos, que inclui uma linha de utensílios para festas, brinquedos, roupas e cosméticos, além de novos DVDs.

?

Felipe Dylon e Márcio Garcia, no “Meus Prêmios Nick”

musicais com a marca da MTV: o “Meus Prêmios Nick”, da Nickelodeon; e o “Video Music Brasil”, da MTV Brasil, no final de setembro e começo de outubro. O primeiro já prepara a geração futura para o mundo dos videoclipes; o segundo, ratifica as escolhas dos jovens. A festa da Nick reuniu 15 mil pessoas; a da MTV, mais de três mil, com o detalhes de que ambas tinham vendido suas cotas de patrocínio com muita antecedência. O prêmio da Nick foi para, entre outros, Bob Esponja e para o trabalho social do grupo Doutores da Alegria - o funk carioca também levou prêmio, com o DJ Marlboro. Já o prêmio da MTV foi mais roqueiro, para nomes como Ira!, Pitty e CPM 22.

Variedade em alta Dados da 13ª Pesquisa Sobre o Perfil do Assinante de TV nas regiões metropolitanas do Brasil, feita pelo Ibope e PTS, mostram que o principal motivo para o cliente hoje ter TV paga é a variedade de canais. Isto, após 1,7 mil entrevistas, com assinantes das três tecnologias (cabo, DTH e MMDS). O item variedade de canais supera em muito todos os demais, como por exemplo, a qualidade de imagem e a própria programação dos canais.

“Fama” no Multishow Tal como no ano passado, o “Fama”, da TV Globo, deu grandes resultados de audiência ao Multishow, da Globosat. Ao longo de dois meses, o programa atraiu nada menos do que 2,1 milhões de pessoas diferentes, segundo dados do Ibope, medidos no Rio e em São Paulo. Com isso, o “Fama” registrou para o canal no seu horário prinapresentador Pedro Neschling e o “time” cipal (domingos, O com participantes do “Fama”. 15h) de exibição um crescimento de 124% de audiência em relação ao último trimestre (abril, maio e junho), na mesma faixa de exibição.

Você sabia que: nO cineasta bósnio Emir Kusturika vai rodar um filme sobre a vida de Maradona? A produção está a cargo da argentina Flehner Films, que tem parceria com a brasileira S Filmes.

o O seriado “Over There”, sobre a invasão do Iraque e que estourou no FX dos EUA, chega em novembro pelo Telecine? Para o ano que vem, o Telecine também terá “The Cell”, que ainda está no forno. Aliás, quem assina a dublagem dos seriados para o Telecine Pipoca é a Álamo, empresa que também vem fazendo um grande trabalho no novo Animax (ex-Locomotion). 28

o O aniversário agora em outubro dos 50 anos do Caco, o Sapo, do “Muppet Show”, passou batido até agora por aqui? Em agosto, a caixa de DVD com a primeira temporada do “Muppet Show”, de 1976, foi o campeão de vendas da Amazom. com. Desde 2004, os direitos da Muppets Holding Company pertencem à Walt Disney Co., que deve trazer de volta os Muppets à TV, cinema, parques etc. •

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

nO troféu anual para os melhores dublês de Hollywood, o Taurus World Stunt Awards, elegeu a melhor luta do ano para as dublês de Uma Thurman e Darryl Hannah em “Kill Bill 2”? O curioso é que a Red Bull, no mesmo prêmio, é quem patrocina indenização por incapacidade aos dublês que se acidentam de verdade em cena. O Multishow exibe a festa de entrega. Dia 28/out, às 21h15. oA gravadora Universal fechou com a operadora Oi a oferta de todo o conteúdo para celular disponível da banda Bon Jovi?


N達o disponivel


(audiência - TV paga)

Líderes se mantêm; AXN sobe uma posição

J

foto: Divulgação

E

m agosto, tal como ocorrera em julho, entre o público acima de 18 anos com TV por assinatura, os canais TNT, GloboNews e Multishow foram, nesta ordem, os que apresentaram o melhor alcance diário médio, dentre os canais aferidos pelo Ibope Mídia. Na quarta colocação, também como em julho, o canal de maior alcance foi o SporTV; a novidade é que o AXN saltou para a quinta colocação, desbancando o Warner Channel. Assim, entre os cinco canais de maior alcance da TV paga brasileira, vê-se que: três são da Globosat (distribuição Net Brasil), um da Turner e outro da Sony (distribuição HBO). O levantamento considera os assinantes nas seguintes praças: Grande São Paulo, Grande Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte e Distrito Federal (total de 4,3 milhões de indivíduos). Em agosto, o total dos canais pagos apresentou alcance diário médio de 50,9%, ou 2,1 milhões de pessoas/dia, com um tempo médio diário de audiência de duas horas e três minutos. Já entre o público infanto-juvenil, que vai dos 4 aos 17 anos com TV por assinatura, os canais Cartoon Network, Nickelodeon e Multishow foram os que apresentaram melhor alcance ao longo do dia, nas mesmas praças citadas acima. O Discovery Kids ocupou em agosto a quarta posição, que em julho fora da

O seriado “Lost”, que alavancou a audiência do canal AXN, agora o 5º colocado

TNT, agora na quinta colocação. Esta audiência (893 mil indivíduos) proporcionou aos canais pagos um alcance diário médio de 59,9%, ou 535 mil pessoas/dia, com um tempo médio diário de audiência de duas horas e 14 minutos.

alcance e tempo médio diário 

Total canais pagos TNT GloboNews Multishow SporTV AXN Warner Channel Discovery Universal Channel Sony Cartoon Network GNT Fox Telecine Premium SporTV 2 National Geographic People+ Arts Nickelodeon HBO Telecine Action

De 4 a 17 anos* 

(Das 6h às 5h59)

Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 50,9 2184,7 2:03:15 13,9 595,1 0:29:55 13,0 556,5 0:55:10 11,0 473,3 0:17:18 10,9 467,8 0:38:41 9,1 388,9 0:23:40 9,0 387,0 0:26:06 9,0 384,5 0:23:38 8,3 357,3 0:26:30 8,2 351,7 0:23:06 7,8 334,3 0:36:13 7,6 326,9 0:16:07 7,5 320,4 0:18:32 7,1 304,2 0:25:42 6,9 297,9 0:17:57 6,9 295,3 0:19:10 6,2 264,1 0:20:25 5,9 254,6 0:25:18 5,2 223,2 0:31:45 4,9 211,6 0:20:43

*Universo 4.295.600 indivíduos

Total canais pagos Cartoon Network Nickelodeon Multishow Discovery Kids TNT Jetix Disney Channel SporTV Discovery Warner Channel Fox AXN Boomerang Sony Universal Channel Telecine Premium GloboNews SporTV 2 People + Arts *Universo 893.200 indivíduos

30

T ela

V iva

(Das 6h às 5h59)

Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 59,9 535,1 2:14:35 28,7 256,2 1:04:58 25,7 229,7 0:50:03 13,1 116,8 0:28:41 12,8 114,0 0:57:29 12,2 109,2 0:28:24 11,6 104,0 0:56:37 7,5 67,4 1:02:13 7,2 64,4 0:32:26 7,1 63,2 0:19:39 6,9 61,3 0:16:08 6,8 60,5 0:18:31 5,6 49,7 0:19:54 5,5 49,4 0:25:04 5,3 47,4 0:20:24 5,3 47,0 0:12:28 5,2 46,5 0:24:12 4,7 42,3 0:17:16 4,6 40,9 0:24:30 4,4 38,9 0:24:05

o u t 2 0 0 5

Fonte: Ibope/ Telereport - Tabela Minuto a Minuto - Agosto/2005

Acima de 18 anos*


N達o disponivel


( entrevista)

Samuel Possebon

s a m u c a @ p a y t v . c o m . b r

Os novos rumos da Radiobrás Eugênio Bucci, presidente da estatal, dá sua visão sobre jornalismo, relação com o governo e a proposta de uma rede pública de comunicação.

A

mil retransmissoras de TV levando sua programação, e emprega 1,2 mil profissionais. Entre seus veículos estão a TV Nacional, a TV NBR, Rádio Nacional AM, Rádio Nacional FM, Rádio Nacional do Rio de Janeiro e Rádio Nacional da Amazônia, além da Agência Brasil de notícias. Há outras instituições públicas e/ou estatais de comunicação no Brasil, como a TVE ou a TV Cultura. O que não existe é um projeto e um objetivo únicos. É para lá, contudo, que Bucci quer direcionar a Radiobrás.

FOTOS: divulgação

estatal de comunicação brasileira, a Radiobrás, sempre esteve associada à imagem da Voz do Brasil, da cobertura “chapabranca”, de uma espécie de Diário Oficial eletrônico. Mas essa é uma visão que parece não corresponder mais à realidade. Olhando-se o conteúdo produzido pelos diferentes veículos da estatal, pode-se ver em destaque, e com bastante freqüência, notícias so­ bre a crise política, CPIs, falhas em pro­ gramas do governo, críticas à política econômica etc. Qual a razão dessa pos­ tura? Onde a Radiobrás quer chegar? Eugênio Bucci, presidente da empresa, dá uma dica nesta entrevista exclusiva: o trabalho que está sendo feito dentro dos diferentes veículos oficiais ligados à Radiobrás talvez seja a semente do que ele chama da “refun­dação da comunicação pública no Brasil”. Bucci foi jornalista em veículos de grandes grupos de comunicação comerciais, foi crítico e analista de mídia em jornais de grande circulação e publicou livros sobre questões éticas no jornalismo. Como ele mesmo admite, não tinha nem idéia do que era a estatal de comunicação antes de ser chamado pelo governo para assumir a Radiobrás, em 2003. No entanto, a proposta que ele apresenta nesta entrevista e em outras manifestações públicas recentes levan­ ta um ponto que raramente, ou talvez nunca, tenha saído das esferas acadê­ micas de discussão: o Brasil precisa ter uma estrutura pública de comunicação como é a BBC inglesa ou a PBS norteamericana, ou tantas outras semelhan­ tes na Europa? Em caso positivo, que formato teria essa estrutura?

Eugênio Bucci

Da teoria à prática, Eugênio Bucci admite que tem tentado imprimir à Radiobrás alguns dos conceitos que gostaria de ver nessa estrutura pública de comunicação. Atenção leitor para não confundir público com estatal. Uma empresa estatal pode ter interesse público, mas as duas coisas não são iguais. Uma estrutura estatal já existe no Brasil, que é a própria Radiobrás. A idéia discutida nessa entrevista é ir além, é buscar algo maior baseando-se no que existe hoje. Objetivamente, a Radiobrás é uma empresa que tem o Estado como maior acionista. O orçamento desta empresa é de R$ 100 milhões por ano, há mais de 32

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

Tela Viva - A Radiobrás faz jornalismo estatal ou público? Eugênio Bucci - A gente não usa a expressão “jornalismo público”. É um cuidado de método, para que não se funde uma nova categoria, que ainda é muito problemática e viria mais para confundir do que para orientar. A dificuldade é em se diferenciar o jornalismo público do jornalismo em geral. Seria o jornalismo nãocomercial? É melhor ou é pior? Trata-se de uma discussão que não ajuda a orientar o jornalista na Radiobrás. Fazemos simplesmente jornalismo, praticado em uma empresa pública com espírito público. A Radiobrás é uma empresa pública, mas é também uma estatal. Por isso a associação imediata a um “jornalismo chapa-branca”. Isso atrapalha? Esse é o ponto crucial. Somos uma empresa de direito privado, uma S/A, cujas ações pertencem integralmente ao Estado. Os vínculos da Radiobrás decorrem do fato de que o conselho de administração e a diretoria são

>>


N達o disponivel


( entrevista) nomeados pelo Poder Executivo, e por isso nós somos demissíveis, a qualquer momento. Não existe o requisito formal da autonomia administrativa, mas nossos atos são decididos por nós mesmos, não dependem de ordem de um ministro. Claro que pode haver ingerência uma vez que nós diretores somos nomeados, que o conselho é nomeado pelo governo. É uma subordinação indireta. Então, a Radiobrás é “chapa-branca”? Se você entender por “chapabranca” uma informação que distorce ou oculta fatos para fazer prevalecer uma versão ou vista como um direito entendimento fundamental, tal qual o favorável ao direito à educação. Então, “Nossa prioridade governo, a resposta tende-se a achar que o mal não é investigar, mas é não. A Radiobrás sim informar ao cidadão trato de uma informação é uma empresa em uma instituição pública sobre seus direitos encarregada é algo normal, e isso não é e sobre as políticas de administrar normal. A Radiobrás tem o públicas relacionadas emissoras de dever de não ser “chapaà cidadania ” rádio e televisão, branca” nesse sentido. Uma e tem ainda informação falsa é tão grave duas agências de quanto seria a distribuição notícias. Administrar empresas de rádio de remédios falsos na rede pública de e televisão pressupõe seguir regras saúde. Se eventualmente acontecia antes (e claramente colocadas pela legislação. não estou dizendo que acontecia), foi uma Se administrarmos nossas emissoras usurpação da função. de maneira tendenciosa estaríamos desobedecendo ao espírito geral Mas e o trabalho jornalístico de fiscalizar das regras que estão colocadas para o poder? qualquer emissora. A Radiobrás não faz investigação. Não é nossa prioridade. Não quer dizer que ela não Mas isso acontece mesmo assim, possa fazer, mas não é nosso dever. E isso é independente da lei proibir, inclusive uma escolha de gestão, porque temos uma na iniciativa privada. estrutura limitada que deve ser priorizada É verdade, acontece. Existe uma para outras coisas que ainda não estamos justa expectativa de que o serviço fazendo direito. Por isso eu acho que uma público prestado por esta empresa sociedade não pode abrir mão da imprensa estatal seja um serviço de respeito comercial. A mídia pública pode e deve ao cidadão e aos seus direitos. Nós investigar e fiscalizar o poder e há exemplos acreditamos, portanto, que uma disso no mundo, como a BBC. Mas para se conduta de ocultar ou esconder chegar a isso há condições especí­fi­cas que informações seria uma usurpação da não se encontram, ainda, nas insti­tu­ições de instituição. Isso seria tão grave quanto comunicação públicas do Brasil. uma escola federal passar a ensinar para os alunos fatos distorcidos para Então qual o sentido da Radiobrás? beneficiar o governo. Acontece que A razão de ser da Radiobrás é informar em nosso país a informação não é o cidadão sobre os seus direitos, o 34

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

cumprimento das políticas públicas necessárias à cidadania e assim por diante. Já é muita coisa a fazer. O que se precisa fazer é com que essa informação seja apurada com objetividade. Nunca pretendemos fazer jornalismo investigativo, mas tampouco pretendemos fazer um jornalismo de esquerda ou um jornalismo partidário. Nem mesmo é nossa prioridade fazer um jornalismo crítico. Nossa pretensão é fazer um jornalismo objetivo naquilo que é nosso objeto de cobertura, que é governo, estado e vida nacional. Além disso, acompanhamos a atuação do governo do começo ao fim. Se o governo não cumpre o que disse que faria, nós noticiamos isso também. E diversificamos as fontes, ouvimos os que devem ser beneficiados por essas ações de governo. A imprensa não faz isso? Não cabe a nós julgar ou avaliar a capacidade da mídia privada. Mas a nós cabe constatar que em vastas regiões do Brasil e em camadas muito densas da população brasileira existem bolsões de desinformação muito graves. As pessoas lêem pouco, os veículos impressos são caros e não são distribuídos, as pautas desses veículos são deficientes em relação aos direitos do cidadão e simplesmente não existe financiamento privado capaz de sustentar jornalismo de boa qualidade nesses bolsões. Reportagem de qualidade é algo que, infelizmente, ainda é artigo de luxo no Brasil, porque não há receita publicitária suficiente, o que decorre da falta de capacidade de consumo dos mercados, da falta de poder aquisitivo. Nesses lugares, se o poder público não agir com objetividade e dignidade, sem usurpar as ferramentas de comunicação pública, as pessoas permanecerão sem informações jornalísticas fundamentais. É aí que nós entramos. Por exemplo, estamos abrindo emissoras na região do Alto Solimões, onde ninguém mais vai querer investir. E isso está sendo feito em parcerias com governos e prefeituras locais, e com participação da comunidade.

>>


N達o disponivel


( entrevista) Pode haver uma instituição TV Cultura, ou organizações sociais, como a pública de comunicação no Brasil TVE, e algumas subordinadas aos próprios independente do Estado? estados. O que se tem em comunicação Claro, acredito e defendo isso. pública é justamente essa colcha de retalhos Acho que inclusive a natureza jurídica de naturezas jurídicas. O que se precisa é da Radiobrás deve ser mudada. É refundar a comunicação pública no Brasil. fundamental um afastamento das Acredito que isso só possa acontecer no instituições de comunicação em bojo de uma Lei Geral de Comunicação, que relação ao Estado. Mas ainda estamos discuta a radiodifusão como um todo, que em uma situação anterior a esta. E o discuta as funções determinadas, o campo que é preciso deixar claro, mesmo de atuação de cada tipo. A Constituição fala nesse momento, é que o fato de ser em comunicação pública, estatal e privada, uma instituição estatal não dá a ela mas não há uma boa definição. Muitas o direito de ser parcial ou partidária. vezes a comunicação estatal está associada Esse é o ponto. Na América do Sul, à comunicação institucional. Mas não esse entendimento pode haver essa confusão. distorcido também Defendo que exista uma “Defendo uma é meio comum, nova regulamentação que nova regulamentação, funde uma comunicação como se a estatal de que forme uma comunicação devesse pública mais forte e mais ser uma assessoria de comunicação pública autônoma. imprensa do governo. mais forte e mais E isso é errado, é uma Como seria essa autônoma” usurpação. Existem comunicação pública? muitas diferenças Administrativamente e entre empresas estatais e públicas, mas ambas não têm o direito de ser parciais. Sua gestão na Radiobrás é um primeiro passo para uma rede pública não-estatal? Não gosto de dizer que o que estamos fazendo seja um primeiro passo, ainda que eu espere que seja. A nossa prática vai levar a uma necessidade de mais autonomia administrativa e financeira, e também em relação ao conteúdo da comunicação que se faz frente ao controle do Estado. Nesse sentido, isso poderia ser um primeiro passo. Mas como a gente não sabe se esse primeiro passo vai ser concluído, não dá para dizer que haverá outros. financeiramente independente da vontade do governo, o que não acontece hoje. O que não significa que não possa ter recursos públicos. Aliás, a comunicação pública deve ter esses recursos, só que o governo tem que estar comprometido com esses repasses, seja por contratos de gestão ou por quaisquer outros mecanismos, desde que eles sejam garantidos e independentes da vontade do governo. Também é preciso

Como manter uma linha de trabalho com governos que mudam a cada quatro anos? O que seria necessário, isso sim, é abrir o debate em direção ao que se chama comunicação pública. Não existe a comunicação pública no Brasil. Há sim instituições ligadas a universidades, ou fundações como a 36

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

que os gestores dessas instituições de comunicação pública tenham mandato e possam cumpri-los segundo parâmetros, metas etc. No caso da Radiobrás, acho que ela pode e deve passar por uma reforma. A natureza jurídica da empresa vem do tempo do regime militar e suas funções mesclam atribuições institucionais com funções de comunicação pública, o que é estranho. Por exemplo, temos duas emissoras de TV: uma é uma emissora aberta, a TV Nacional, que é uma espécie de TV educativa do Distrito Federal. De outro lado, temos também a NBR, uma emissora que é distribuída pela TV por assinatura que informa, institucionalmente, as atividades do presidente da República e do Executivo. Não é uma emissora educativa nem cultural. É algo que se assemelha à TV Câmara, TV Justiça etc. Por isso é que a NBR é o que se tornará a TV do Executivo quando a lei for aprovada. Você quer separar a atividade institucional da jornalística, é isso? Sim, esse é um caminho, porque são atividades distintas. A Rádio Nacional do Rio de Janeiro, por exemplo, tem uma história, tem um vínculo com a comunidade de lá, não faz sentido que ela fique passando discursos do presidente da República sem que isso esteja inserido em um contexto jornalístico. Para recuperar a Rádio Nacional e outras emissoras cuja missão não é a de comunicação institucional, é preciso fazer essa reforma. Com reformas apenas no âmbito da Radiobrás, pode-se fazer muita coisa. Mas dá para fazer mais coisas ainda se envolvermos outras instituições e, portanto, tratar isso em um ambiente de uma nova legislação. Como financiar a comunicação pública? Poderia ser por uma taxa específica, poderia ser por uma verba vinculada... Há vários modelos que estão sendo vistos. O que importa é o conceito geral. Quando o Estado assegura que cada proprietário de TV

>>


N達o disponivel


( entrevista) pagará uma taxa, como acontece com a BBC, há um financiamento estatal. O importante é que o financiamento da comunicação pública não seja o mesmo financiamento do mercado, pois é isso que dá a fisionomia da comunicação que se faz. Não sou simpático à idéia que emissoras públicas tenham financiamento comercial. Isso cria uma dependência de procedimentos, igualando-as às emissoras comerciais. Comunicação pública só faz sentido se for diferente, inclusive nos intervalos comerciais. Não estou falando que uma emissora pública não tenha que ir atrás de índices de audiência, mas ela não pode apenas ir atrás de audiência. Essa emissora tem que ser útil, relevante, abrangente, precisa ser gerida com competência. Aliás, as estruturas públicas em geral têm alto grau de incompetência, inclusive aqui na Radiobrás, onde ainda somos muito ineficientes. E o Estado deve financiar emissoras ineficientes, incompetentes? Não, mas isso não pode ser um motivo para que a comunicação pública não exista. Por isso é fundamental também melhorar a gestão e a eficiência das empresas que fazem comunicação pública hoje.

e culturais, é uma associação voluntária, não está prevista em lei. As emissoras se associam para compartilhar programação. É uma escola interessante. Ajudamos a criar a associação das rádios públicas, que é a Arpub. São movimentos voluntários que podem apontar caminhos para uma futura legislação. Não temos, contudo, pensado em uma mudança de legislação para que as emissoras estatais aceitem uma linha de comunicação. Isso tem que ser livre e de interesse de todos. Temos que lembrar que existem especificidades regionais. O que tem que ser padronizado é a natureza jurídica das entidades, e não colocado um condicionamento dos conteúdos das “A TV Brasil não emissoras. Isso tiraria a será um canal de liberdade.

TV Cultura foi o mais próximo que se chegou no Brasil de um modelo propaganda e de comunicação pública. promoção, mas sim Ainda que não seja ainda A base de uma o ideal, há brechas para a rede pública seria a de integração ingerência do estado que Radiobrás? entre os povos da não se desejaria. A TVE do Não, a Radiobrás América do Sul” Rio de Janeiro também não se pretende ser tem um conselho. Então, o centro de nada e há experiências nesse nem poderia, pela sentido, mas é preciso que esse conselho sua natureza jurídica. Acho que as seja regulado por mecanismos que associações estão liderando mais esse garantam a sua autonomia. Não por acaso, processo. É dali que saem propostas, as rádios que estamos abrindo na região caminhos. Não se pensa mais em quem do Alto Solimões são geridas por conselhos será a cabeça de rede ou não, porque locais. É um projeto fascinante e inédito. As isso era um desafio tecnológico. Hoje comunidades não só conseguem participar todas podem liderar as transmissões. dos conselhos como estão se qualificando espontaneamente. Vocês já levaram essas idéias ao governo, à Casa Civil? Rádios comunitárias poderiam participar Estou colocando uma idéia e acho da rede da Radiobrás? que a natureza jurídica da Radiobrás Sim, e isso acontece. Nossa programação precisa ser atualizada. Mas não é nosso é pública, pode ser reproduzida, desde que papel fazer propostas. Temos que estar citada a fonte. Qualquer emissora pode usar prontos para encarar a discussão, que a nossa informação. deverá vir no ambiente dessa lei, mas é algo que acontece em outras esferas de Uma vez criada uma instituição competência. pública de comunicação, como amarrar Antes de entrar na Radiobrás, todas as entidades estatais e públicas que você analisava criticamente a existem hoje? comunicação, especialmente a A formação de redes espontâneas tem televisão brasileira. O que mudou na ensinado muita coisa. A Abepec, que é a sua visão com essa experiência? associação de emissoras públicas, educativas Eu mal conhecia a Radiobrás, não

A TV comercial poderia financiar a TV pública? A possibilidade existe e se fala disso, como já se falou em relação ao cinema no caso da Ancinav. Mas essa discussão é secundária. Antes disso é preciso saber se a sociedade quer uma comunicação pública. No Chile, as instituições de comunicação pública se converteram em emissoras que vivem de anunciantes mas têm uma gestão pública. É possível fazer isso, mas é preciso que se discuta se é o melhor caminho. A sociedade precisa saber o que quer. Além do financiamento há o aspecto das diretrizes de atuação. Conselhos participativos seriam um caminho? Sim, claro. É o que acontece na Fundação Padre Anchieta. Aliás, a 38

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


sabia o endereço, achava que isso era apenas a Voz do Brasil. Hoje eu sei que a gente só faz 25 minutos daquele programa. A experiência me deu muitos elementos para a minha visão sobre comunicação pública. Foi isso aqui que me mostrou que existe um público imenso no Brasil que não tem outra fonte de informação que não seja a nossa, um público de rádio que a maior parte das pessoas desconhece, por exemplo. A Radiobrás não é muito focada em Brasília? Não especialmente. Acho que podemos recuperar melhor algumas estruturas regionais. Mas o mais importante é melhorar a mentalidade dos jornalistas da Radiobrás fora de Brasília. Existe uma matriz, um policiamento que ainda aparece, e isso precisa ser eliminado. Passar a mentalidade de

que a informação tem que ser objetiva e não politizada é um trabalho lento e necessário. Como anda o projeto da TV internacional (TV Brasil)? É um canal para fortalecer a integração entre os povos da América do Sul, é um projeto de Estado que envolve os três poderes. Esse projeto é administrado por um comitê gestor que está abrigado no âmbito da Radiobrás porque temos mais capacidade. A presença do Brasil nesse projeto no contexto de integração internacional é natural e necessário. Não será um canal de propaganda, nem um canal de promoção, mas sim um canal de fortalecimento do processo de integração, com conteúdos de outros países, presença dominante da língua espanhola. Mas a estratégia não é da Radiobrás nem desvia o foco de nossa atuação. Não há informação sobre a América do Sul satisfatória na TV brasileira nem nas TVs de outros países, quase tudo vem de

agências internacionais que não têm foco preferencial da América do Sul. Essa carência nós sentimos no nosso contato com várias instituições de mídia na região. A TV Brasil será exibida no Brasil? Depende do interesse dos operadores em veiculá-las. Aliás, isso vale para todos os países. Como evitar a manipulação ideológica dessa TV Brasil? A concepção descartou totalmente a orientação ideológica. Não temos uma causa a defender. Não queremos uma TV que seja um farol de orienta­ ção política. Tanto que assumimos até mesmo a possibilidade de que haja ruí­ dos estéticos na programação, porque poderemos ter programas feitos com concepções diferentes, outras lingua­ gens. Isso vai resultar, possivelmente, em até mesmo mais de um canal.


( making of )

Lizandra de Almeida

l i z a n d r a @ t e l a v i v a . c o m . b r

Renascendo das cinzas

N

a onda da preservação da natureza, o banco Itaú lançou um plano de capitalização que remunera o investidor e também a ONG WWF. Para divulgar o PIC Natureza, a agência imaginou uma floresta renascendo a partir das cinzas de uma queimada. O primeiro desafio da equipe da Cine foi encontrar um local devastado pela queimada para filmar as cenas iniciais. “Encontramos um local no interior de São Paulo exatamente como esperávamos, mas tornamos a cena ainda mais sombria levando para a locação várias máquinas de fumaça”, explica o diretor Luiz Ferré. As imagens receberam ainda um tratamento final de pós-produção, mas basicamente todo o cenário de destruição foi criado na locação.

A atriz carrega uma muda, que é plantada no meio das cinzas. A planta viceja, dá flores e frutos e a partir dali a floresta começa a ser reconstruída. “Usamos a plantinha inicial como referência e fizemos com que crescesse a partir

de uma versão dela modelada em 3D”, explica o diretor de efeitos Rodolfo Patrocínio, da Digital 21. Conforme as plantas começam a crescer, a câmera se afasta para um plano mais aberto, em contraluz.

Filme parte de um cenário real de devastação; a seqüência vai de uma maquete a uma floresta viva.

Descontração e pé na estrada

S

em um roteiro 100% fechado, a idéia do novo filme da van Peugeot 206 SW era a de apresentar uma colagem de imagens, como num clipe. Para isso, nada melhor do que trabalhar com um diretor de clipes — Johnny Araújo — e usar uma trilha de uma cantora cuja imagem está associada à idéia do carro: a naturalidade e liberdade. A canção escolhida foi “Pé na estrada”, de Dora Vergueiro, que recebeu um arranjo especial para a trilha. “Além de cantora, ela é apresentadora de um programa de esportes. Ou seja, nada melhor para dar um ar jovem para o filme”, diz o diretor Johnny Araújo. “Escolhemos uma locação em

Guararema, no interior de São Paulo, e outra na Praia de Santiago, no litoral Norte. Encontramos um trecho de estrada que foi construído para desviar o trânsito da rodovia Carvalho Pinto, enquanto um túnel era construído. Hoje o túnel está pronto, então a estrada não é mais usada. A locação foi perfeita, porque nos deu tranqüilidade para trabalhar e parece uma auto-estrada”,

diz o diretor. “A Praia de Santiago também foi ótima, porque existe uma lei que impede a construção de casas muito perto da praia. Então tínhamos uma visão bem ampla, sem construções visíveis.” Os planos gerais foram filmados em 35 mm, mas Johnny usou uma câmera 16 mm para “roubar” imagens

Todo o comercial foi rodado em ritmo de videoclipe e privilegia o tom dourado.

40

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


A cena foi feita a partir de uma maquete. “Criamos uma maquete com troncos de árvores, de 3 metros de comprimento por 2 de largura, e levamos para a locação. Era uma etapa intermediária entre as cinzas e a floresta”, diz Ferré. A partir dessa maquete, a equipe de efeitos incluiu árvores que cresciam rapidamente no meio dos troncos reais. O terceiro momento do filme

mostra a floresta reconstituída. “Fomos então para uma locação totalmente diferente, de Mata Atlântica, cheia de espécies brasileiras”, afirma o diretor. A câmera parte da atriz, ao pé de um riacho, e sobe, até ultrapassar as copas das árvores e mostrar a grande floresta do alto. “Usamos uma grua grande, que chegou até um certo ponto”, conta Ferré. “Construímos a saída da câmera e as folhas em 3D, para mostrar a floresta vista de cima”, completa Rodolfo.

dos atores em situações descontraídas. “Sempre uso uma música de fundo na filmagem, porque ajuda os atores a relaxar. Nas locações, disparava a câmera sem que eles percebessem que eu estava filmando e assim consegui cenas bem interessantes.” Algumas cenas foram filmadas

no nascer ou no pôr-do-sol, quase sempre em contraluz. Em algumas, o telecine e a pós-produção reforçaram o tom dourado, mas não foram necessários outros efeitos especiais. “É um filme super naturalista, como se diz, ‘com a luz de Deus’”, brinca o diretor. Curiosidade: a cena que mostra um surfista correndo para a praia com o filho

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

ficha técnica Cliente Produto Agência Direção Fotografia Montagem Finalização Produtora de Áudio

Cia Itaú de Capitalização PIC Natureza DPZ Luiz Ferré Marcelo Trotta Estevan Santos e Luiz Ferré Digital 21 VU

é protagonizada pelo surfista Picuruta Salazar, um dos mais conhecidos do Brasil. ficha técnica Agência Cliente Produto Dir. de criação Produtora Direção Fotografia Dir. de Arte Casting Figurino Montagem Finalização Trilha

41

Carillo Pastore Euro RSCG Peugeot Peugeot 206 SW Amaury “Bali” Terçarolli Cia de Cinema Johnny Araújo Adrian Teijido Ana Rosa Alvarez Carminha e Edu Luiz Ferriani Johnny Araújo Sandra Castro (Tribbo) Banda Sonora


( mercado)

Cinema em queda Rioseminars discute a má performance da bilheteria em 2005.

exibidor André Sturm, a única variável que houve de um ano para o outro foram os títulos lançados. “Todos os blockbusters de 2005 cumpriram com a expectativa”, justificou, lembrando que a redução na bilheteria já era esperada. Marco Aurélio Marcondes, do consórcio Europa/MAM, concordou: “A queda na bilheteria é um fenômeno mundial”. Para ele, Hollywood, o principal fornecedor, está em crise. E isso afetaria na bilheteria inclusive dos filmes nacionais. Segundo Marcos Oliveira, o Brasil é um grande consumidor de audiovisual, mas ainda precisa saber

“ A queda na bilheteria é um fenômeno mundial. ” Marco Aurélio Marcondes, do consórcio Europa/MAM

42

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

desenvolver mais e melhor os filmes como produtos. “A força de um mercado está diretamente relacionada à qualidade das produções locais”, explicou. Que Hollywood teve uma safra mais pobre em 2005, não há dúvidas. Resta saber se isso afeta realmente a bilheteria dos filmes nacionais. O longa “Dois Filhos de Francisco”, se cumprir com as atuais expectativas dos produtores, de atingir um público de 4,5 milhões de pessoas, será o filme mais visto nas salas brasileiras em 2005, passando o atual blockbuster número 1, “Os Incríveis”, que fez um público de 4,28 milhões, segundo dados do boletim Filme B. O fotos: arquivo

A

exibição cinemato­ gráfica sofreu uma queda de bilheteria significativa em 2005. Nos debates do Rioseminars, do Festival do Rio, no final de setembro, distribuidores e exibidores discutiram as causas e os efeitos desta queda. Uma única boa notícia veio para o mercado: o DVD conseguiu, aparentemente de forma definitiva, reerguer o mercado de home video. A redução na bilheteria em 2005 varia entre 20% e 25% em relação a 2004. Distribuidores independentes e das majors procuraram amenizar os efeitos da queda, dizendo que “estamos em um período de ajuste do mercado”, como afirmou Marcos Oliveira, da Fox. Mas a grande culpada da queda, na visão dos distribuidores, foi uma “crise criativa”. Segundo o distribuidor e

>>


N達o disponivel


( mercado) “ A única variável de 2004 para 2005 foram os títulos lançados ”

B. O longa nacional, vale lembrar, já ultrapassou a linha dos 3 milhões de espectadores. Enquanto os distribuidores procuraram amenizar a crise por que passa o cinema, os exibidores foram mais dramáticos, apontando vários problemas por que passa o setor. Entre eles, conforme numerou o presidente da Cinemark no Brasil, Valmir Fernandes, estão a pirataria; a redução da janela de exibição, que poderá cair “para três ou quatro semanas”; a meia entrada para estudantes; “a cobrança inconstitucional do Ecad”; e a “pesada regulação”. Fernandes também relacionou o crescimento do parque exibidor ao fortalecimento da cinematografia

André Sturm, da Pandora

Ancine para que possa regulamentar o setor”, disse, rebatendo as críticas de Valmir Fernandes pela ação do MinC e da Ancine. Potencial Essa queda na bilheteria não deve apresentar uma redução significativa no crescimento do número de salas no Brasil em curto prazo, uma vez que a construção de um multiplex, do projeto à inauguração, leva pelo menos dois anos. Se houver reflexos, serão sentidos somente em 2007 ou 2008. Há quem defenda que a má performance da bilheteria em 2005 tenha afetado o aumento no crescimento do número de salas previsto para começar este ano, com a criação da linha de crédito no

e que quase 70 shoppings deverão trocar os pequenos cinemas por multiplex. Para ele o problema está na concorrência que o crescimento irá gerar, trazendo, na sua visão, uma briga de preços. Além disso, “a distribuição não poderá atender a esse crescimento”. A solução apontada por Gonzaga foi o incentivo ao aumento da freqüência do público nas salas. De vento em popa Em um “raio X” do mercado brasileiro de home video, distribuidores filiados à UBV (União Brasileiro do Vídeo) mostraram a importância do DVD na recuperação de um mercado que caminhava para uma forte crise. Comparando as estimativas do mercado de home video para 2005 com a realidade de 1997, é evidente a empolgação do setor com os discos de vídeo. Em 1997 ainda não eram produzidos DVDs no

A redução na bilheteria em 2005 varia entre 20% e 25% em relação a 2004 nacional. “O sucesso dos filmes tem que ser medido por suas performances no mercado, não por prêmios em festivais”, disse. Assim como a redução do tempo de janela, a meia entrada para estudantes é apontada pelos exibidores como um dos piores problemas do setor. Em ambos os pontos, cobraram medidas regulatórias para resolver o problema. João José Passos Neto, do Grupo Passos, cobrou a extinção ou, pelo menos, a diminuição dos descontos concedidos aos estudantes. “Dois terços dos ingressos vendidos são de meia entrada”, justificou. O presidente da Ancine, Gustavo Dahl, que estava presente na platéia, afirmou que o problema da meia entrada só poderia ser resolvido pelo Legislativo, que não tem interesse em “um projeto impopular”. Sugeriu ainda que a questão fosse levada ao Supremo Tribunal de Justiça. “Ou então, vamos fortalecer a

BNDES para reforma e construção de salas de cinema. O fato é que, para o pequeno e médio exibidor, não é momento para investir ou contrair novas dívidas. Luiz Gonzaga de Luca, do Grupo Severiano Ribeiro, acredita que o número de salas ainda crescerá muito. Segundo ele, 66% dos “shoppings nobres” têm cinemas, mas apenas 18% têm multiplex. “Com o multiplex, o cinema deixou de ser um mal necessário dentro dos shoppings”, explicou, comparando as antigas salas com a área de serviços existentes em muitos shoppings, abrigando sapatarias, entre outros. Gonzaga afirmou que devem surgir 42 novos multiplex nas capitais em dois ou três anos

44

“Devem surgir 42 novos multiplex nas capitais em dois ou três anos.”

Brasil, e foram distribuídas 3,5 milhões de fitas VHS para sell thru e locação. As previsões para 2005 apresentadas por Wilson Cabral, da Columbia, são de que sejam distribuídos 1 milhão de fitas VHS e 25 milhões de DVDs, somente das afiliadas da UBV (são, no total, 14 distribuidoras). Como explicou Cabral no evento, o DVD trouxe para o mercado de home video, além de produções televisivas, o relançamento de títulos antigos. “Em 2005, serão lançados 1,1 mil títulos”, contou. O principal desafio apontado por Wilson Cabral para o setor de home video é o combate à pirataria. Entre as novas oportunidades apontadas por ele, estava a redução do tempo de janela exclusiva para cinema.

Luiz Gonzaga de Luca, do grupo Severiano Ribeiro

Fernando Lauterjung

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


(evento)

O desafio da TV na telinha Quarta edição do Tela Viva Móvel debate a integração entre o celular e o audiovisual.

Q

uem será responsável pela transmissão dos sinais de TV digital para aparelhos móveis no Brasil? As operadoras ou as emissoras de televisão? Essa foi uma das principais questões que permeou os debates durante o 4º Tela Viva Móvel, evento realizado nos dias 28 e 29 de setembro, em São Paulo. Representantes da TV Bandeirantes e das operadoras Claro, Vivo e Oi, concordaram que, em um primeiro momento, o modelo de parcerias é o mais adequado, com as TVs entrando com o conteúdo e as operadoras de celular com a prestação de serviço. Nenhum dos dois setores demonstra interesse em liderar sozinho a instalação de uma nova rede que fará broadcast no celular, serviço cujas primeiras experiências começam a acontecer ao redor do mundo. “No Brasil, acredito em um modelo cooperativo entre TVs e teles”, comentou o diretor de serviços de valor agregado da Claro, Marco Quatorze. O executivo também enxerga alguns obstáculos pendentes. Alguns deles são: alto custo do terminal; falta de um padrão tecnológico predominante; consumo rápido da bateria do aparelho; carência de um modelo de negócios claro; e espaço que o streaming ocupa na banda, o que pode atrapalhar o tráfego de voz. “De 90% a 95% do faturamento das FOTOS: MARCELO KAHN

operadoras celulares ainda vêm de voz”, lembrou o executivo. Ele ainda comenta a falta de regulamentação. “Streaming de TV via celular é ou não é radiodifusão? A questão está aberta. A única certeza que tenho é de que a Claro não produzirá conteúdo”. Sabe-se, contudo, que essa não é a posição de consenso entre os radiodifusores, que brigam pelo padrão japonês (ISDB-T) justamente para não terem que abrir mão da possibilidade de prestarem, eles mesmos, os serviços móveis, sem depender de nenhuma operadora de telefonia. Este é um dos temas que será definido nos debates sobre TV digital travados nas diferentes instâncias do governo. Já Gunnar Bedicks, da Universidade Mackenzie, acredita que no Brasil, a operação das redes de TV por celular não acontecerá como na Europa, ou nos Estados Unidos e Coréia, onde as emissoras de televisão não são as distribuidoras do sinal de TV. “Acredito que aqui a operação da

rede será feita por quem tiver o conteúdo”, disse, alinhando-se com o que defendem a maior parte dos broadcasters. Ele aponta duas razões principais para, de certa forma, esfriar os ânimos das empresas de telefonia celular: primeiro, o Brasil é um país que tem a peculiaridade de ter toda a distribuição de televisão aberta diretamente vinculada ao produtor, com o radiodifusor responsável pela produção e distribuição do conteúdo. Além disto, diz ele, o espectro é demasiadamente congestionado nas grandes cidades para que se pense em abrir espaço para empresas que sejam apenas operadoras de rede, ou seja, que não produzam o seu próprio conteúdo. “A prioridade do espectro deve ser dos radiodifusores”. Outro problema são as iniciativas das próprias empresas de telefonia móvel na oferta de conteúdos audiovisuais, como serviço de valor adicionado, ponto em que muitas emissoras pedem uma ação regulatória mais intensa. O gerente sênior da consultoria Value Partners, Alberto Griselli, por sua vez, não vê iniciativas de regulamentação sobre a veiculação de conteúdos audiovisuais nas redes das operadoras de telefonia móvel com bons olhos. “Uma regulamentação específica no Brasil pode atrapalhar o processo de desenvolvimento da TV no celular porque é um mercado ainda incipiente, com demanda incerta e restrita e com modelos

“Acredito em um modelo cooperativo entre TVs e teles” Marco Quatorze, da Claro

46

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


de negócio ainda em formação”, avalia Griselli. Ele lembra ainda que a adoção massiva dos serviços de TV pelo celular acontecerá com a introdução de redes 3G e de broadcast por redes móveis, mas para isso devem ser resolvidas questões como a definição de um padrão (como o DVB-H, DMB, ISDB-T, MediaFLO entre outros), de freqüências e ainda o alto custo dos terminais. “Na minha opinião, o modelo ideal é uma oferta colaborativa entre teles e broadcasters, em que as operadoras móveis seriam responsáveis por conteúdos on demand e funcionariam como canal de retorno para broadcast de canais gerenciados pelas operadoras de TV, inclusive com a venda de espaço publicitário”, afirmou. Contudo, até o momento, não existe respaldo para impedir as empresas de celular de oferecerem conteúdos audiovisuais, inclusive serviços de TV, em suas redes. Esta, pelo menos, é a visão da advogada Regina Ribeiro do Vale. Para ela, a legislação está desatualizada, e a interpretação mais razoável que se pode fazer é que os serviços de TV no celular são de valor adicionado, que podem ser prestados livremente. Em geral, os

“ Uma regulamentação específica pode atrapalhar o processo, porque o mercado está em formação” Alberto Griselli, da Value Partners

radiodifusores defendem a tese de que TV no celular é comunicação social e que, portanto, estaria sujeita às mesmas regras impostas às TVs pela Constituição. A mesma posição é defendida abertamente pelo ministro Hélio Costa. Mas Regina Ribeiro do Vale diz que, no caso da Internet, já há um precedente de não regulamentação e lembra ainda que a Constituição traz como princípios a liberdade de expressão, a liberdade de iniciativa e o direito de acesso à informação. Ela interpreta que as empresas que provêem acesso e conteúdo, seja em plataforma de internet ou celular, são usuárias de infra-estrutura de telecomunicações. “Na minha interpretação, o Projeto de Emenda Constitucional 55/04 e o projeto de Lei 4209/04 são retrocessos. O que se deve buscar em termos de atualização da legislação de comunicação é o controle do monopólio e da concentração, e mecanismos

de fomento de conteúdos que valorizem a cultura nacional”. O Projeto de Emenda Constitucional a que a advogada se refere é o do senador Maguito Vilela (PMDB/GO), que basicamente estende a todos os meios que explorem conteúdos de comunicação social as mesmas obrigações das emissoras de TV, inclusive em relação ao controle de capital estrangeiro. O projeto de lei citado vai em linha semelhante. No caso da PEC 55/04, há o apoio da Abert, a associação dos radiodifusores. Modelo de negócios O diretor de SVA da Claro, Marco Quatorze, ressaltou durante o evento que o modelo de streaming de TV via celular enfrenta o obstáculo do modelo de negócios. No mundo inteiro, a opção preferida tem sido a cobrança de uma assinatura mensal ao usuário.”Porém, como oferecer isso para usuários pré-pagos?”, perguntou Quatorze. Ele também aposta que o streaming de vídeo no celular dará certo apenas para envio entre usuários ou para aplicações de nicho, como assistir a câmeras

>>


( evento ) câmeras ao vivo localizadas em escolas, empresas ou que mostram imagens do trânsito nas grandes cidades. Em vez de streaming, a Claro aposta por enquanto em download de vídeos. A empresa registra atualmente 250 mil downloads de vídeos por mês, dos quais 100 mil são os gols do campeonato brasileiro de futebol, produzidos pela Globo. É uma aposta diferente da Vivo, que joga suas fichas no streaming e na transmissão ao vivo. Para Milton Turolla Jr., da Bandeirantes, outro modelo a ser redefinido é o de divisão de receitas. Segundo Turolla, as TVs estão subsidiando a oferta de conteúdo para telefones celulares, já que o percentual da receita com serviços de valor adicionado (SVA) que é destinado às TVs não cobre sequer os custos destas. É sabido que as TVs recebem hoje, em média, entre 40% e 50% da receita líquida dos SVAs em telefonia celular que levam seu conteúdo. “Não sei por mais quanto tempo os produtores de conteúdo vão manter esse subsídio”, alertou. “A oferta de conteúdo de TV no celular fez com que os valores de contratos de apresentadores e de suas equipes fossem elevados, por incluírem agora os direitos de imagem para essa nova mídia”. O grupo Bandeirantes oferece o conteúdo de seus canais em streaming e download em diversas operadoras celulares. Além disso, alguns programas da Band em TV aberta, como “Esporte Interativo” e “Floribella”, permitem a interação dos telespectadores via SMS. O grupo tem hoje 18 pessoas dedicadas

Para a advogada Regina Ribeiro do Vale, a TV no celular deveria ser vista como serviço de valor adicionado, como é na Internet.

exclusivamente a projetos de interatividade com telefonia móvel. Publicidade Já a venda de publicidade para o celular enfrenta um impasse. O envio de conteúdo publicitário para o aparelho apenas se autorizado pelo usuário, conhecido como “marketing de permissão”, pode limitar o número de pessoas atingidas pelas mensagens. A permissão seria solicitada para evitar o que aconteceu na Internet, com o envio descontrolado de spams. A experiência nesse meio tem feito com que operadoras, integradores e agências pensem em alternativas para o envio de mensagens publicitárias para celulares, como a criação de conteúdos que sejam do interesse do usuário, que só seriam enviados caso este autorize de alguma forma o recebimento. Essa foi a conclusão do debate específico sobre mobile marketing do 4º Tela Viva Móvel. Cláudio Barres, diretor de mídia da Duda Propaganda, lembrou que é possível encontrar pontos positivos nas restrições e realizar ações voltadas para públicos específicos, sem invasão de privacidade. “Ainda que a quantidade de usuários impactados seja menor nesses casos, a mensagem

“ Não sei por quanto tempo os provedores de conteúdo vão manter esse subsídio” Milton Turolla, da Bandeirantes

48

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

é capaz de chegar com mais força aos interessados”. O marketing de permissão não é o único fator que atrasa a utilização do celular como ferramenta de mídia. Ainda que o aparelho tenha uma penetração de 62%, perdendo apenas para a TV aberta (com 97%) e para o rádio (87%), os clientes que procuram as agências de publicidade vêem a sua utilização como suporte para outras ações. As empresas, ainda que não rejeitem o celular, não o vêem como uma mídia para a qual se deva criar conteúdo específico. “Alguns clientes procuram as agências visando somente a veiculação das peças da televisão. Colocar essas empresas no celular também é um trabalho de pensamento”. Ele lembra ainda a necessidade de criar conteúdo específico para essa mídia, e não reaproveitálo. “Não vejo os comerciais de televisão sendo exibidos no celular. Acho que fora da TV eles perdem atratividade”, afirmou o publicitário. Sem a possibilidade de atingir o público com inserções comerciais, as operadoras têm utilizado ações de relacionamento para a venda de seus próprios serviços. Cinema e celular: o casamento que deu certo Enquanto as empresas de televisão e celular ainda tentam estabelecer os limites da relação, o

>>


N達o diponivel


( evento ) conteúdo de cinema já é uma fatia importante da receita de serviços de valor adicionado das operadoras móveis. As teles celulares descobriram que esses conteúdos podem gerar fidelização do cliente e diferenciar a operadora frente à concorrência. A mágica é associar as marcas, personagens e conteúdos dos grandes blockbusters às estratégias de venda das empresas de telefonia. Ao discutir as estratégias de marketing para serviços que envolvem conteúdos de cinema, André Andrade, gerente da Claro, lembra que os filmes nacionais apresentam uma vantagem em relação aos estrangeiros: eles permitem ações de relacionamento diferenciadas e mais atraentes. “É possível, por exemplo, oferecer visitas aos sets de filmagem, realizar concursos para atuação como figurante no filme, levar os clientes para assistir a préestréia com os protagonistas, entre outras, o que seria praticamente inviável com filmes estrangeiros”. Ele lembra, no entanto, que os filmes geradores de receita para a operadora ainda são os grandes blockbusters estrangeiros. André Mafra, responsável pela área de conteúdos na Vivo, explica que a operadora conseguiu viabilizar o primeiro projeto do filme “O Senhor dos Anéis — O Retorno do Rei” com uma mudança no modelo de negócios, que só aconteceu após mais de um ano

“ O marketing de permissão tem restrições, mas permite atingir um público mais selecionado”

também depende de fatores como o histórico, a temática e o apelo do filme junto ao público do celular, sobretudo o jovem. “O ‘Scooby Doo’, por exemplo, apesar de ter perdido Claudio Barres, da Duda Propaganda em números de bilheteria para o ‘Van Helsing’, ganhou deste na de tentativas frustradas em exibição de conteúdo pelo celular”, negociações com a indústria explica Mafra. cinematográfica. A ruptura Os representantes das duas aconteceu quando as operadoras também afirmam distribuidoras entenderam que não dividem os custos de que as suas divisões de publicidade com as distribuidoras, cinema e de licenciamento nem pagam pela exclusividade. deveriam agir conjuntamente, ou seja, “A partir do momento em que as elas passaram a entender o celular operadoras começarem a negociar não apenas como uma mídia para a exclusividade, passaremos a ter um qual elas podem vender os leilão pelo filme, direitos de seu conteúdo, o que deixará o mas também como uma investimento muito ferramenta de divulgação caro”, diz Andrade. dos filmes. A Vivo também Para Mafra, contudo, teve que compreender “filmes como que as distribuidoras e ‘Harry Potter’, cuja estúdios têm culturas autora não permite de negociação muito a exclusividade mais complexas do que do conteúdo a de outros produtores para apenas uma de conteúdos. Já o operadora, deixam projeto de lançamento de ser interessantes, de conteúdo do “Guerra pois ninguém quer nas Estrelas: A Vingança dos fazer aquilo que o André Mafra, da Vivo: modelo Sith”, em 2005, foi acessado concorrente já está só ficou viável quando por cerca de um milhão de fazendo”. distribuidoras perceberam o usuários, via celular e Internet, potencial de mídia do celular. Sobre a ainda que, segundo a Vivo, disponibilização tenha sido das negociações de conteúdos mais complicadas de todas, dada a específicos para celular, como política curtas-metragens, Andrade ressalta da Lucas Film (detentora a importância dos cineastas dos direitos) para entenderem primeiro como essa licenciamento da mídia funciona para então realizar marca Star Wars. filmes adequados ao formato. “É O executivo da Vivo preciso entender que é uma tela lembrou ainda que o menor que as outras, e o filme deve sucesso de um filme na ser adequado a ela, com cenas bilheteria não garante filmadas, por exemplo, em ângulos público para a tela do mais fechados”, concluiu Mafra. celular, pois este meio Da redação

“Parceria com filmes nacionais permite ações de relacionamento diferenciadas e mais atraentes” André Andrade, da Claro

50

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5


N達o disponivel


( produção) Lizandra de Almeida

l i z a n d r a @ t e l a v i v a . c o m . b r

Como nos blockbusters

C

onforme a indústria cinematográfica brasileira se desenvolve, também se aperfeiçoam os serviços mais específicos ligados ao audiovisual. Se antes as produtoras de efeitos especiais em computação gráfica trabalhavam apenas para a publicidade, agora o cinema brasileiro começa a se tornar um novo nicho de atuação. Pensando nisso, a produtora paulistana Digital 21 se associou à produção do longa-metragem “O Coronel e o Lobisomem”, buscando uma oportunidade de mostrar que está preparada para encarar o desafio da computação gráfica na telona. “Estávamos no projeto de um DVD de Caetano Veloso para a Natasha Filmes quando a produtora Paula Lavigne nos mostrou o roteiro do longa”, explica o diretor de efeitos Rodolfo Patrocínio. “Já estávamos procurando alguma coisa para debutar no cinema e vimos ali uma grande oportunidade de trabalhar como co-produtores, pois assim poderíamos ter uma participação artística maior. Queríamos participar de todo o processo, do início ao fim, para fazer como tem de ser feito. Como entramos no início do processo, trabalhamos juntos no desenho de produção, na criação do story board e até sugerimos novas cenas. Isso jamais seria possível se tivéssemos de trabalhar o tempo todo em cima de orçamento.” Dirigido por Maurício Farias, com roteiro de Guel Arraes, o filme é baseado em livro homônimo de José Cândido de Carvalho. Conta a história do coronel Ponciano de Azeredo Furtado, vivido por Diogo Vilella, que

fotos: Divulgação

Com 60% de cenas com efeitos, “O Coronel e o Lobisomem” é um exemplo de integração entre as equipes de produção e finalização.

Diferencial foi a participação da equipe de efeitos em todas as etapas do filme.

disputa com o irmão de criação Pernambuco Nogueira (Selton Mello) a fazenda da família e o amor da prima Esmeraldina (Ana Paula Arósio). Acostumado ao uso de efeitos especiais nas minisséries e programas em que atua na Rede Globo, o diretor vestiu a camisa da computação gráfica. “Foi muito bom trabalhar com ele porque tivemos toda a liberdade para sugerir mudanças nas cenas e nos processos de filmagem”, conta Rodolfo. A modelagem foi feita em Softimage e para os efeitos e composição foram usados o Flame HD e o Combustion. A finalização foi feita nos EstúdiosMega, que telecinava em HD as imagens e mandava para a Digital 21 em data. O material era trabalhado na produtora e voltava para o Mega para a sonorização e o processo de impressão novamente em película. A princípio, a produção previa o uso de computação gráfica apenas para a criação do personagem principal, o Lobisomem. Mas como a equipe de computação esteve ao lado da produção o tempo todo, cerca de 60% do filme recebeu intervenções digitais. “No final, desenvolvemos até a marca, os 52

T ela

V iva

cartazes e os features do DVD”, diz Rodolfo. “A co-produção nos deu liberdade para sermos produtores de computação gráfica, e não operadores. O que nos atraiu no projeto inicialmente foi a possibilidade de criar um personagem virtual — e peludo.” A técnica para a construção de elementos orgânicos e naturais — pêlos incluídos — já evoluiu bastante, mas ainda representa um grande desafio para quem é da área. Para fazer o acabamento do lobisomem 3D, a Digital 21 foi pesquisar tudo sobre o assunto. “Demos sorte que justamente no período em que estávamos nos preparando, houve um seminário na Siggraph, em Los Angeles, sobre a construção de pêlos e cabelos fotorrealistas”, diz Jotaerre Catão, responsável pela criação do personagem. Jotaerre participou do curso e trouxe dicas preciosas. “A modelagem de pêlos é um mito mundial. A ferramenta de computação gráfica para isso surgiu com o filme ‘Stuart Little’

o u t 2 0 0 5


e tem sido aperfeiçoada cada vez mais. Nosso grande medo é que o personagem não poderia ser cômico e precisávamos transformar um ator conhecido num animal virtual”, continua. Além da aparência dos pêlos, outra limitação importante está no processamento da máquina: “A quantidade de polígonos é muito grande, então temos de usar um recurso de ‘ilusão de óptica’. Quando o plano é mais aberto, usamos uma quantidade menor de pêlos e os fazemos mais grossos. Na verdade, tínhamos três ‘quantidades’ de pêlos, dependendo do plano ser close, médio ou aberto. Senão o processamento se torna lento demais”. Para construir o bicho, a equipe de criação usou o lobo guará como referência. “Queríamos um animal brasileiro, então usamos as cores dele, preto e castanho. A princípio, a idéia era só incluir orelhas e presas no ator. Mas vimos que o resultado não ia ser bom, ele ficaria parecendo um Nosferatu. Então criamos o modelo totalmente virtual, alterando o maxilar. Nossa primeira proposta ficou sombria demais, então arredondamos um pouco os olhos e reduzimos as presas, porque o Lobisomem não poderia parecer tão mau.” “Fizemos tudo com um cuidado muito grande, porque as imagens vão para o DVD, o que significa que podem ser assistidas frame a frame. E é aí que os truques se revelam”, diz Rodolfo. A definição da pele e dos pêlos do rosto exigiu uma resolução altíssima. “Se usássemos a resolução de 2k, que é a alta resolução para cinema, ainda assim a imagem poderia pixelizar. Fotografamos o rosto do ator Selton Mello de todos os ângulos e isso se tornou a base do nosso trabalho”, conta Jotaerre Catão. Retoque cena a cena Ao mesmo tempo em que parte da equipe da Digital 21 desenvolvia

o megaprojeto em números

Tempo de trabalho: 11 meses Profissionais envolvidos na CG: 42 Processos utilizados: composição, animação, motion-design, modelagem, matte-paint e finalização Softwares empregados: Softimage 3D (da Softimage, para modelagem), Flame HD e Combustion (ambos da Discreet, para composição e efeitos) Hardware: 70 máquinas Investimento da Digital 21 no R$ 1 milhão projeto (incluindo equipamentos e recursos humanos): Fonte: Digital 21 o personagem virtual, foram surgindo questões de produção que se revelaram mais fáceis de resolver em computação gráfica. Em uma cena, a atriz Ana Paula Arósio interpreta uma sereia, em gravações feitas em Fernando de Noronha. No lugar da cauda de peixe, a atriz usou uma malha azul que depois foi substituída pela cauda virtual. A equipe de computação também teve de retocar uma onça, que aparece numa cena de sonho. “A onça era velha e banguela. Tivemos de colocar dentes e presas para que ficasse assustadora”, conta André Waller, supervisor de composição. A locação do filme era um casarão em Quiçamã, no interior do Rio de Janeiro, tombado pelo patrimônio histórico. Toda a história do filme remete ao casarão, mas ele só pôde ser aproveitado para as cenas externas. “Por ser tombado, o casarão não poderia ser alterado internamente, as paredes não podiam ser furadas nem se poderia instalar uma estrutura de grid de iluminação, por exemplo”, explica Rodolfo. A solução foi criar em estúdio os

T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

O Lobisomem: maior desafio foi a colocação dos pêlos em computação gráfica.

ambientes internos, mas surgiu daí um outro problema: como a lua é praticamente atriz do filme, guiando os movimentos do personagem de Selton Mello, ela deveria aparecer através da janela em muitas cenas. A filmagem ao vivo disso já seria complicada, para que se conseguisse ter a lua posicionada no lugar certo. “Compusemos então as imagens de céu do lado de fora das janelas sempre que a cena focaliza o exterior. Modelamos a lua, criando uma esfera com textura”, diz Rodolfo. Durante as filmagens, depois de fortes chuvas, parte do telhado do casarão histórico desmoronou. “A princípio, a cena não teria efeitos. Mas o diretor me chamou e perguntou se a gente conseguiria dar um jeito. Orientamos então a filmagem e depois construímos o telhado novamente. Se não fôssemos co-produtores do filme, não poderíamos ter interferido em tantas cenas”, diz Rodolfo. 53


( upgrade ) FOTOS: MARCELO KAHN

Solução sino-brasileira

A

High-definition para todos

A

Sony apresentou na Broadcast & Cable, que aconteceu no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, de 21 a 23 de setembro, a nova camcorder da linha baseada em Blu-Ray, a PDW-F330 (acima). Trata-se do primeiro modelo de alta definição da linha XDCAM, apresentado este ano na IBC. A camcorder usa a mesma mídia das suas irmãs SD, podendo gravar em três diferentes níveis de qualidade. Ela pode gravar em formato DVCam, abrigando 90 minutos de material em um disco. Além disso, pode gravar também com bit rate variável, sendo que o data rate varia de acordo com as mudanças que acontecem entre os frames. Em bit rate variável, podese usar o modo sampling, que grava a 18Mbps (até 120 minutos por disco) e a 35Mbps (60 minutos por disco). É possível ainda gravar um vídeo em proxy, para que seja feita uma pré-edição com o material em baixa resolução. O equipamento deve estar disponível em maio de 2006, custando a partir de US$ 27 mil.

Novo parceiro

Portátil A fabricante apresentou ainda no evento a HVR-A1N (abaixo), a primeira camcorder HDV da Sony a usar chips CMOS (Complementary Metal Oxide Semiconductor) para captura de imagens. O equipamento vem com um sensor de 1/3 de polegada com 3 megapixel. Assim, é possível gravar vídeo em resolução 1080i e imagens still de 2,8 megapixel. Muitos dos recursos apresentados na câmera são semelhantes aos da HVR-Z1N, como dois canais de áudio com entradas XLR, monitor LCD widescreen, além da possibilidade de gravar em HDV, DVCAM e DV. Graças a um down conversion embutido, é possível dar saída em SD ou HD, aumentando a flexibilidade de produção. A camcorder custa a partir de US$ 2,7 mil. 54

T ela

V iva

4S apresentou na Broadcast & Cable suas soluções desenvolvidas em parceria com a chinesa Dayang. Os aplicativos D3 — CG News, D3 — CG Sport e D3 — Production foram desenvolvidos sobre o gerador de caracteres D3 — CG. Totalmente em português, os aplicativos para automação para exibição de caracteres organizam e facilitam todas as informações necessárias para uma transmissão de futebol e jornalismo. O CG News conta com importação direta de pauta do programa de News, aplicação e atualização em tempo real dos dados nos templates, que podem ser animados. Permite ainda a inserção de logos animados. Já o CG Sport conta com importação de dados do jogo (escalação dos times, juízes, estádio etc.) e logos, com aplicação em tempo real. Apresenta ainda placar com cronômetro, logo e tempo estendido, com atualização ao vivo. Por fim, o CG Production traz agilidade para exibição de produções gravadas ao vivo, com exibição simultânea de quatro módulos em duas layers. É possível inserir nomes e identificações, eventos, frases, endereços, relógio etc.

A

AD Line contou na feira com um novo parceiro internacional: a Front Porch Digital. Trata-se de uma desenvolvedora de soluções para arquivamento e gerenciamento de mídia digital. O seu DIVArchive permite interoperar entre aplicações e dispositivos em rede, com escabilidade infinita e uma interface intuitiva capaz de interagir com outras aplicações. A solução será integrada pela AD Line no Brasil com os librarys (robótica) em LTO (TotalStorage Ultrium Tape Familiy) da IBM. O conjunto é ideal para operações que necessitam de alta velocidade em transferências de dados e capacidade de armazenamento.

o u t 2 0 0 5


HD em estado sólido

A

Panasonic apresentou dois novos modelos de câmeras profissionais com sistema P2 (que utiliza cartões de memória com interface PCMCIA) na feira Broadcast & Cable, além dos novos cartões de memória com capacidade de armazenamento de 8Gb. A nova camcorder híbrida AG-HVX200 (abaixo), combina um sistema de imagem nativa 16:9 progressivo com a lente de qualidade HD, da Leica Dicomar. O modelo grava em 1080i/720p em compressão DVCPRO HD (100 Mbps). A amostragem de imagem é 4:2:2. O equipamento pode gravar nos formatos DV, DVCPRO, DVCPRO50, DVCPRO HD (1080, 720, suporta 24p e

30p), no cartão P2 ou DV, em fita MiniDV. O modelo deve estar disponível em novembro, custando a partir de US$ 6 mil. Outra camcorder apresentada foi a VariCam AJ-HDC27FP, que grava em alta definição DVCPRO HD 100 Mbps e pode captar imagens com frame rate variável, o que permite criar as funções de slow e fast motion das câmeras tradicionais de filme ou cinema. Além disso, tem a função “Cine Like”, que imita as oscilações de película com as vantagens da mídia digital.

Snell no Brasil

A

Snell & Wilcox apresentou na Broadcast & Cable, no estande da CIS, o Alchemist Ph.C (no alto). Trata-se da sexta geração do conversor de padrões da fabricante. Um dos destaques é o tamanho do equipamento, que ocupa apenas três unidades de rack (o equipamento já chegou a ocupar 14 RUs). Com processamento de 12-bit, o equipamento trabalha com vídeo analógico e digital, dando saída no formato desejado diretamente para transmissão. O equipamento pode fazer automaticamente a conversão, ajustando o delay de áudio para conversões entre padrões NTSC, Pal etc. Além disso, pode converter entre as proporções 4:3 e 16:9. De fácil operação, o Alchemist vem com uma tela touch screen, além de poder ser operado por um computador ligado através da rede ethernet. A entrada e a saída do conteúdo pode ser em vídeo composto ou SDI. A Snell & Wilcox apresentou ainda o redutor de ruídos e granulação Niagra (acima), para conteúdo em SD e HD originado de película. Além da redução automática de ruídos, a solução conta com controles configuráveis de nitidez e correção automático ou manual RGB. A fabricante conta agora com vendas e assistência técnica prestadas em conjunto pela CIS e a Tacnet.

Gravação em discos rígidos

A

Phase apresentou na feira em São Paulo a nova camcorder da Ikegami, a DNS-33W. O equipamento grava em discos rígidos IDE comuns. Podem ser montados, dentro de um estojo especial, discos de qualquer tamanho. A gravação é em DV 25 ou 50 Mbps. A Ikegami já tem em estudos um modelo usando cartões Compact Flash. A camcorder conta com saídas SDI, NTSC, IEEE 1394, USB (para material proxy) e ainda uma entrada USB para incluir metadados. T ela

V iva

o u t 2 0 0 5

55


( upgrade)

Solução híbrida Grass Valley chega à era da produção sem fita, usando tecnologias comuns no universo TI

56

T ela

V iva

informação), o que traz mais agilidade e flexibilidade ao conjunto. Além das entradas e saídas em SDI, HD-SDI, vídeo composto analógico, áudio analógico e AES/EBU, o gravador suporta ainda conexões USB, FireWire e Gigabit Ethernet. Assim, dispositivos externos de armazenamento, como drives REV Pro adicionais ou discos rígidos, podem ser conectados através das portas USB e FireWire. Já a conexão Gigabit Ethernet permite que o gravador faça transferências rápidas de arquivos em rede. O Infinity Digital Media Recorder pode ser conectado diretamente a um editor não-linear ou atuar como um nó em um FOTOS: divulgação

A

briga dos fabricantes pelos diversos padrões de gravação sem fita ganhou mais um concorrente. Nem só ao lado dos que defendem a memória em estado sólido e nem só ao lado dos defensores dos discos, a Grass Valley resolveu adotar as duas tecnologias, mas usando padrões abertos já existentes no mercado de TI. A fabricante apresentou na IBC, que aconteceu entre os dias 7 e 12, em Amsterdã, a sua linha de equipamentos sem fita Infinity. Baseada em gravação em drives REV Pro, desenvolvidos em parceria com a Iomega, a família conta, no início, com gravador digital e uma camcorder. A mídia REV PRO incorpora disco e motor em um único cartucho, com a cabeça e os eletrônicos associados no drive. Isso permite custos baixos por cartucho (US$ 75) mantendo taxas altas de transferência, chegando a 110 Mbps. Com essa taxa, é possível gravar conteúdo em uma camcorder e, simultaneamente, transferir conteúdo via rede. O gravador Infinity Digital Media Recorder trabalha como um VTR convencional, mas utilizando as mídias REV ou cartões de memória em estado sólido Compact Flash, usando o formato aberto de gravação MXF. A gravação pode ser feita em 1080i50/60, 720p50/60, 625i50, e 525i60, sendo que o vídeo pode ser codificado em DV25 (tanto DVCam, quanto DVCPro) ou no formato JPEG 2000. No futuro, poderá ser usado ainda o formato MPEG-2. Toda a tecnologia foi desenvolvida tendo em foco a substituição dos ambientes baseados em vídeo para as tecnologias usadas em ambientes de TI (tecnologia da

A mídia REV PRO custa em torno de US$ 75 e conta com taxa de transferência de 110 Mbps. A linha trabalha ainda com cartões de memória em estado sólido Compact Flash.

o u t 2 0 0 5

sistema SAN. Além dos controles no painel frontal, o equipamento pode ser operado remotamente através da rede. A Grass Valley diz ainda que está desenvolvendo um suporte a redes Wi-Fi, para que a operação remota possa ser wireless. O equipamento suporta ainda velocidade variável de execução, para slow e fast motion (-1x a +3x), e um monitor HD pode ser conectado diretamente através da saída digital. Captação A família Infinity conta ainda com a Digital Media Camcorder, que trabalha em HD e SD, nas resoluções 1080i50/60, 720p50/60, 625i50, e 525i60, com processamento de sinal de 14-bit. Assim como no gravador digital, estão disponíveis os formatos DV25, MPEG-2 para SD ou HD, e o esquema de compressão intraframe JPEG 2000. A Camcorder conta com portas USB e FireWire, para conectar periféricos, e Gigabit Ethernet, que permite a transferência de arquivos para um servidor ou uma rede de pós-produção enquanto a camcorder está gravando. Para não deixar de fora usuários que ainda estão migrando de um ambiente baseado em vídeo, a camcorder conta com portas SDI, HD-SDI, vídeo composto analógico. A gravação pode ser feita em discos REV e em cartões Compact Flash. Os equipamentos estarão disponíveis no segundo trimestre de 2006, custando a partir de US$ 10 mil o gravador, e US$ 20 mil a camcorder. FL


N達o disponivel


( agenda ) > OUTUBRO 17 a 21 Mipcom. Palais des Festivals, Cannes, França. Tel: (33-1) 4190-4567. E-mail: karine.sarfati@reedmidem.com Web: www.mipcom.com 25 a 30 9º Festival de Cinema Vídeo e DCine de Curitiba. Curitiba, PR. Web: www.festcinecuritiba.com.br 22 a 4/11 Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, São Paulo, SP. Em sua 29ª edição, o evento premiará os melhores filmes brasileiros com o Prêmio Bombril de Cinema. A premiação contemplará duas categorias: ficção e documentário. O melhor filme de ficção será premiado com R$ 25 mil. O melhor documentário levará o prêmio de R$ 15 mil. Os vencedores serão definidos por votação do público. Tel: (11) 3141-2548. E-mail: info@mostra.org Web: www.mostra.org

27 O Instituto Trevisan e a A. F. Cinema realizam o seminário Leis de Incentivo a Cultura e Mercado Corporativo, para apresentar os principais aspectos relacionados à utilização das leis, a mais indicada para cada caso e suas vantagens financeiras e como instrumento do marketing cultural. O evento debaterá a Lei Marcos Mendonça, Lei do Audiovisual, Lei Rouanet, leis e combinações tributárias, a cultura como política de marketing. Entre os plaestrantes e debatedores estão os diretores e produtores Alain Fresnot, Toni Venturi, Fabiano Gullane, Paulo Pélico, o diretor do Grupo Infocus, Érico Ginez, e o diretor diretor geral de mídia da Almap BBDO, Paulo Camossa Jr. Mais informações pelos telefones (11) 3138-5200 e 3138-5204, ou no e-mail seminarios@trevisan.com.br. 30 Prazo de inscrições para a quinta edição da Mostra do Filme

Livre (MFL), que acontecerá em fevereiro de 2006 no Rio de Janeiro. Tel: (21) 2539-7016 Web: www.mostradofilmelivre.com

> NOVEMBRO 3 a 10 AFM — American Film Market. Santa Monica, California, EUA. O evento costuma receber 7 mil profissionais de produção e distribuição cinematográfica, movimentando cerca de US$ 500 milhões por ano com a venda de direitos de filmes prontos ou em produção. Tel: (1-310) 446-1000. E-mail: AFM2004@ifta-online.org Web: www.ifta-online.org Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Brasília, DF. Tel: (61) 325-7777 / 325-6215. E-mail: festbrasilia@sc.df.gov.br Web: www.sc.df.gov.br


N達o disponivel


N達o disponivel

Profile for Converge Comunicacoes

Revista Tela Viva 154 - Outubro 2005  

Revista Tela Viva 154 - Outubro 2005

Revista Tela Viva 154 - Outubro 2005  

Revista Tela Viva 154 - Outubro 2005

Profile for telaviva
Advertisement