Page 1

televisão, cinema e mídias eletrônicas

ano 14_#152_agosto2005

ginga brasileira

Canais estrangeiros pretendem investir mais em produções locais

cinema Brasil renova acordos de co-produção com outros países

tecnologia RedeTV! abandona de vez as fitas e reduz custos de produção


N達o disponivel


N達o disponivel


Foto: marcelo kahn

(editorial ) Diretor e Editor Diretor Editorial Diretor Editorial Diretor Comercial Diretor Financeiro Gerente de Marketing e Circulação Administração

Rubens Glasberg André Mermelstein Samuel Possebon Manoel Fernandez Otavio Jardanovski Gislaine Gaspar Vilma Pereira (Gerente), Gilberto Taques (Assistente Financeiro)

André Mermelstein

a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Agenda parada

A Editora de Programação e Conteúdo Editor Tela Viva News Redação Sucursal Brasília Arte

Depar­ta­men­to Comer­cial Webmaster Central de Assinaturas

atual crise política pode paralisar pelo menos até 2007 dois projetos fundamentais para o desenvolvimento das comunicações no País: a TV digital terrestre e a Lei de Comunicação Social. No caso da TV digital, o prazo para a entrega dos relatórios finais das instituições de pesquisa está marcado para dezembro, e a definição final sobre o SBTVD está prometida para o meio de fevereiro. Mas esta definição é apenas uma parte do problema. Questões ainda mais relevantes, como a divisão dos canais digitais e as políticas de concessão, ainda não têm qualquer definição, como declarou o então diretor do Grupo de Trabalho do SBTVD, Augusto Gadelha, durante a ABTA 2005, no início de agosto. Gadelha, aliás, deixou o cargo logo após o evento e até o fechamento desta edição não havia sido substituído. Quanto à Lei de Comunicação, criou-se uma certa polêmica também no início do mês, com a pressão do novo ministro Hélio Costa para levar o tema para a pasta das Comunicações. A Casa Civil, da ministra Dilma Rousseff, tentava (e aparentemente conseguiu) em meados de agosto retomar as rédeas do processo e garantir a permanência dos debates sobre o tema no Palácio do Planalto, o que faz todo o sentido, tanto pelo caráter multidisciplinar da matéria quanto pelas pressões políticas que o tema incita. Os fatos demonstram a urgência de se debater estes temas. Nos EUA, as operadoras de telefonia fixa já oferecem serviços de televisão a algumas centenas de assinantes, via fios de cobre ou até com fibras ópticas levadas diretamente às residências. No Brasil, no último mês a Vivo lançou um serviço baseado na rede EV-DO, de alta capacidade de transmissão de dados, que oferece diversos conteúdos de vídeo e interatividade. A Telemar e outras operadoras fixas já anunciaram que estão testando a transmissão de vídeo por redes de dados. Ao mesmo tempo, o impacto que os canais legislativos vêm demonstrando na cobertura das CPIs é prova clara da importância de se ampliar o acesso ao público em geral a novas fontes de informação. O risco mais concreto para a sociedade brasileira é que o governo, fragilizado pela crise, não tenha força política para fazer avançar estes temas, sendo atropelado pela realidade. Infelizmente, o Brasil mais uma vez demonstra sua vocação para perder grandes oportunidades.

Edianez Parente Fernando Lauterjung Daniele Frederico, Lizandra de Almeida (Colaboradora) Carlos Eduardo Zanatta (Chefe da Sucursal) Carlos Edmur Cason (Edi­ção de Arte) Debora Harue (Assistente) Rubens Jar­dim (Pro­du­ção Grá­fi­ca) Geral­do José Noguei­ra (Edi­to­ra­ção Ele­trô­ni­ca) Almir Lopes (Geren­te), Iva­ne­ti Longo (Assis­ten­te) Marcelo Pressi 0800 0145022 das 9 às 19 horas de segunda a sexta-feira

Internet E-mail

www.telaviva.com.br subscribe@telaviva.com.br

Redação E-mail

(11) 2123-2600 telaviva@telaviva.com.br

Publicidade E-mail

(11) 3214-3747 comercial@telaviva.com.br

Impressão

Ipsis Gráfica e Editora S.A.

Tela Viva é uma publicação mensal da Editora Glasberg - Rua Sergipe, 401, Conj. 605, CEP 01243-001. Telefone: (11) 2123-2600 e Fax: (11) 3257-5910. São Paulo, SP. Sucursal Setor Comercial Norte - Quadra 02 Bloco D - torre B - sala 424 - CEP 70712-903. Fone/Fax: (61) 3327-3755 Brasília, DF Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A Os artigos da Broadcast Engineering® (www.broadcastengineering.com), da Millimeter® (www. millimeter.com) e da Video Systems® (www.videosystems.com) são republicados sob licença da Primedia Business Magazines & Media Inc. Todos os direitos são reservados pela Primedia Inc.

ilustração de capa: Carlos Fernandes /gilmar



T e l a

V i v a

a g o 2 0 0 5


N達o disponivel


Ano14 _152_ ago/05

(índice)

(cartas) Triple-play Parabéns pela matéria sobre TV por assinatura publicada na última edição. Parabéns também pelo novo formato da revista. Mais uma vez, a TELA VIVA sai na frente. Posso dizer que é a primeira revista “quadruplo-play” do país. Felicidades e sucesso a todos! Inalda Celina Mádio, TV Globo, Rio de Janeiro (RJ) HDV Gostei da reportagem sobre a HDV-Z1 e estou interessadíssimo em comprar uma, mas fiquei sabendo que a Sony lançou também a HDV-A1. Gostaria de saber se há muita diferença entre os modelos. André Aguiar, BR Links, Curitiba (PR)

Gostinho de Brasil

André, Segundo a Sony do Brasil, fisicamente, a HVR-Z1N é semelhante à DVCAM DSR-PD170, podendo ser utilizada com suporte de ombros, enquanto a HVR-A1N é essencialmente uma “palmcorder” - foi desenvolvida como uma opção “entry level” de camcorder HD. Este modelo possui menos funções, é mais compacta, mais leve e de custo mais baixo, para uso em situações que necessitam maior mobilidade, como por exemplo em esportes radicais. A HVRZ1N apresenta também mais controles manuais. Por exemplo, tem dois anéis de controle independentes foco/zoom, enquanto a HVR-A1N tem somente um anel para controle de foco ou zoom. A HVR-Z1N tem seis botões com 15 funções designáveis, enquanto a HVRA1N tem somente um botão, com cinco funções designáveis. A HVR-Z1 possui uma lente superior, para uma finalidade mais broadcast em dois sentidos: Focal Lenght de 12x, e diâmetro de filtro de 72 mm . Portanto, o range de zoom para captação, principalmente para field é bem superior. A HVR-A1 possui uma lente de 10x e diâmetro de 37 mm. As duas têm a mesma resolução para vídeo (1440 h x 1080 v), porém a HVRA1 utiliza a tecnologia CMOS, que tem um maior range dinâmico, e também processamento de imagem melhorado, resultando em uma imagem com tonalidade mais natural, inclusive nas regiões

16

Os próximos investimentos dos canais estrangeiros em produção nacional

Scanner Figuras Especial

8 14 22

ABTA debate a consolidação na TV paga

22

No ar Audiência Cinema

30 32 34

Os novos acordos de co-produção internacional

Making of Case

36 38

Um canal para as novas mamães

Infra-estrutura

40

O novo pólo de produção da Quanta 38

Tecnologia

42

O fim das fitas na RedeTV!

Equipamentos

Como funcionam os editores para HDV

Tecnologia II

46 50

A evolução da computação gráfica 52

Tela Viva edita as cartas recebidas, para adequá-las a este espaço, procurando manter a máxima fidelidade ao seu conteúdo.

Upgrade Agenda

Acompanhe as notícias mais recentes do mercado

Envie suas críticas, comentários e sugestões para cartas@telaviva.com.br.

telavivanews www.telaviva.com.br 6

T e l a

V i v a

ago 2 0 0 5

52 54


N達o disponivel


fotos: Divulgação

( scanner ) Oscar da maquiagem O filme “Tendências” (O Boticário), criado pela agência Opus Múltipla (PR) e dirigido por Hugo Prata, da Academia de Filmes, ganhou o 11° Prêmio Avon Color de Maquiagem - categoria Cinema e Vídeos Publicitários. Os vencedores foram Kaká Moraes e Westerley Dornellas, que fizeram o visual das modelos que aparecem no comercial. Os maquiadores receberam o prêmio que já é considerado o Oscar brasileiro de maquiagem, e que reconhece os melhores profissionais do país. Ganharam troféu e um cheque de R$ 10 mil.

Modelo alternativo

Rally em HDV

A TVA achou uma fórmula de oferecer mais conteúdo a seus assinantes sem incorrer em grandes custos de aquisição. A operadora fechou com diversos provedores acordos de revenue share. O modelo é similar ao adotado pelas operadoras de telefonia celular com seus provedores de conteúdo. A operadora coloca os vídeos em seu menu de PPV e divide a receita com o fornecedor do conteúdo. Segundo Leila Loria, CEO da TVA, o serviço não pode ser exatamente chamado de pay-per-view, porque alguns conteúdos serão oferecidos, ao menos num primeiro momento, sem custo ao assinante. A oferta de vídeos é diversificada e vai além dos blockbusters (estes sim, pagos e contratados no modelo tradicional de TV por assinatura). A operadora fechou parceria com a Turner, que fornecerá vídeos especiais do Cartoon Network e filmes diferenciados do canal TCM, e com a gravadora Trama, que trará vídeos musicais e making ofs de artistas como Tom Zé, Ed Motta e Gal Costa. Também haverá lutas de kickboxing e, futuramente, outros esportes.

A RadarTV Mixer transforma, pelo terceiro ano consecutivo, os bastidores do 13º Rally Internacional dos Sertões — que aconteceu entre os dias 31 de julho e 9 de agosto, em Goiânia — em um reality show. Com uma equipe de 18 profissionais, incluindo diretores, produtores, técnicos e videógrafos e utilizando quatro carros de produção, a cobertura contou com captação em HDV com aproximadamente 200 horas de material bruto. O resultado da edição dessas imagens é uma série de seis programas com 52 minutos cada, que será veiculado na AXN em setembro, uma vez por semana, e ainda em 23 países da América Latina. O programa acompanha a aventura de três carros e duas motos, com os motoristas e navegadores Guilherme Spinelli e Marcelo Vivolo, Riamburgo Ximenes e Flávio Marinho, os irmãos Marlon e Joseane Koerich de Souza e os motoqueiros Tiago Fantozzi e Fabrízio Serafim Abrantes. Além de micro-câmeras full time (seis nos carros e nos capacetes dos pilotos motociclistas) que permitem imagens de vários ângulos, o programa conta com as imagens aéreas, feitas por helicóptero, e câmeras terrestres. Uma das novidades deste ano é a Etapa Maratona na qual os pilotos e navegadores passam uma noite inteira sem dormir e, sem a ajuda dos mecânicos, precisam resolver os problemas existentes nos carros.

Professores celebridades Criada pela Lew, Lara, a nova campanha do Banco Real conta com professores explicando as condições de crédito préaprovado para estudantes. A campanha conta com dois filmes produzidos pela O2 Filmes e dirigidos por Fernando Meirelles e Daniel Rezende. No primeiro, a ação começa com um estudante conversando com o gerente do Banco Real. Ele pede informações sobre crédito e duvida das vantagens apresentadas. O rapaz desconfia dos benefícios. Nesse momento, o gerente chama outro personagem, o professor Manga (interpretado pelo músico Mario Manga) que no estilo perfomático dos cursinhos, esclarece: “Ô Barba, relaxa, não tem pegadinha, não”, cantando uma musica  •

T ela

V iva

no estilo dos cursinhos para decorar fórmulas, mas, desta vez, explicando a linha de crédito. Em outro filme, o professor Otávio surge na agência bancária para explicar à estudante que ela não depende do pai para ser correntista. O professor surge por trás da mesa do gerente, traz uma lousa com a frase “Precisa-se de assinatura” e começa a explicação no mesmo estilo dos professores de cursinho. Daniel Rezende, vale explicar, é um dos mais jovens diretores da O2. Ele trabalhou em “Cidade de Deus”, conquistando o Bafta de melhor montagem e sendo indicado ao Oscar na mesma categoria e pelo mesmo filme. •

ago 2 0 0 5


Fora de contexto

das outras educativas (a TV Cultura, por exemplo, está no canal 29 e a TV Escola está no canal 27) e entre o canal Climatempo e a TV Senado. O simples fato de o canal estar no line-up, para Beth, já é positivo. Mas, para ela, o canal agrega algum valor à operadora. “Eles precisam entender que o canal é o que mais tem legenda oculta (closed caption), atendendo um universo de 6 milhões de deficientes, e conta com uma programação nacional e educativa”, diz. No total, a emissora conta com 17 programas com closed caption e um jornal exclusivamente visual. Beth lamenta que muitas operadoras tiraram o canal de seus line-ups. “Nós temos dois filmes nacionais por semana, além do projeto Curta Criança”, lembra. O antigo lugar da TVE no line-up está ocupado pela TV Câmara — segundo a Sky, caso haja acordo entre estes canais, eles podem trocar de posição.

A TVE não gostou nada de sua nova posição no line-up da Sky. No início agosto, a operadora reordenou seu line-up para alojar os novos canais da HBO, deixando a emissora longe das outras educativas. Ricardo Miranda, diretor geral da Sky, diz que na nova posição a TVE fica localizada num bloco importante da programação, junto aos canais informativos. A presidente da Acerp (Associação de Comunicação Educativa Roquete Pinto), mantenedora da TVE, Beth Carmona, diz que “ficou ressentida por ter ficado fora de contexto”. Beth explica que não se trata apenas da mudança de posição numérica no line-up, o que, por si só, já pode gerar alguma “dificuldade na navegação do assinante” que assiste a TVE. Mas também o fato de ter ficado longe

HBO na Sky

Falta de espaço O Estúdio SANT, produtora de animação e efeitos visuais, em conjunto com a Catalog Audiovisual, desenvolveu quatro vinhetas para a empresa de self storage Minidocks. Veiculadas em monitores do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, as animações (de 10” cada) narram as dificuldades da falta de espaço em empresas, lojas e escritórios, visando a Minidocks como solução. Foi utilizada a técnica de animação 3D com o software Autodesk MAX 7.5.

fotos: Divulgação

A Sky anunciou a assinatura do contrato com a HBO Latin America Group para, desde o dia 2 de agosto, oferecer os canais premium da HBO no seu line-up. Os canais entram em dois formatos: um deles com apenas três canais (HBO Digital: HBO, HBO 2 e HBO Plus) e a seleção desenvolvida especialmente para as plataformas digitais (HBO/Max Digital: com dez canais HBO). Os novos canais estarão disponíveis em seis pacotes, e todos eles, tal como na Net, passam primeiro pelo pacote que inclui também os canais Telecine. Os preços vão de R$ 133,90 a R$ 176,90.

>> T ela

V iva

ago 2 0 0 5




fotos: Divulgação

( scanner ) Gigante dos eletrônicos

Globo faz feira de eventos das afiliadas

E

m dois dias de um evento superconcorrido em São Paulo, no início da segunda quinzena de agosto, representantes das 119 afiliadas da Rede Globo atraíram o mercado de publicidade para a 9ª Feira de Eventos & Projetos Regionais. Agências de publicidade, anunciantes, fornecedores e clientes puderam ter um panorama do que as emissoras da rede têm a oferecer em eventos regionais no período que vai de outubro deste ano até setembro de 2006. É um prato cheio de alternativas e opções locais, que mostra bem como a rede, conforme propaga o seu discurso, vem mesmo abrindo espaço para as atrações regionalizadas. E, claro, em especial àquelas com maior capacidade de atrair inserções de publicidade e patrocínio - não estão contemplados nestes planos comerciais projetos para 2006 como futebol, Carnaval e eleições, tidos como nacionais. Há também a comercialização de programação local, como jornalismo, e programas de linha das emissoras. O calendário de eventos das afiliadas traz importantes acontecimentos regionais, ainda que não conhecidos fora de sua área. Como exemplo, há o “Sushi Fest”, da TV Fronteira, de Presidente Prudente, uma importante festa da cultura japonesa no interior do estado de São Paulo. Vai acontecer em junho de 2006 - as veiculações começam em maio e o valor de cada cota de patrocínio é de R$ 11,3 mil. O “Encontro de Violeiros”, da Rede Integração (Uberlândia, Ituiutaba e Araxá, em MG), que acontece em março e abril de 2006, tem uma cota de R$ 102 mil. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina, o projeto “Planeta Atlântida” é o regional mais caro de toda a rede, superando inclusive os eventos individuais em São Paulo e do Rio de Janeiro. Em 2006, quando o festival de música jovem completa dez anos, espera receber mais de 100 mil pessoas. A veiculação vai de dezembro de 2005 a fevereiro de 2006 e o valor de tabela da cota é de R$ 943 mil. No Rio Grande do Norte, a TV Cabugi tem o “Forraço - IV Encontro Regional do Forró”, de abril a junho de 2006, ao valor de R$ 40 mil a cota. Como projeto do Nordeste Integrado (PB/BA/ CE/MA/PB/RN/AL/PI/SE), o maior evento que engloba toda a rede regional é o “São João do Nordeste”, de maio a julho, no valor de R$ 572 mil por cota. No Centro-Oeste, a Rede Matogrossense (MT/MS) tem a Copa Morena de Futsal, que vai de dezembro de 2005 a abril de 2006 ao custo de R$ 145 mil cada cota. Também é possível adquirir uma cota de patrocínio em afiliadas da Globo sem gastar sequer uma dezena de milhares de reais. No Norte do Brasil, é possível comprar uma cota de patrocínio por menos de R$ 6 mil e com direito a 40 inserções, em setembro de 2006: para o “Sairé 2006”, festa folclórica do Pará sobre a lenda do boto. 10

T ela

V iva

A Gradiente Eletrônica S/A comunicou no dia 9 de agosto, ter fechado com a Itautec-Philco um contrato de promessa de compra e venda, pelo qual fica estabelecido que a Gradiente vai adquirir o controle total da operação Philco, envolvendo todos os equipamentos eletroeletrônicos (linha marrom) - televisores, DVDs, equipamentos de áudio e demais aparelhos desse segmento. A aquisição envolve a compra de 100% dos ativos relacionados ao negócio, incluindo imóvel, equipamen­tos, matéria-prima, produtos acabados, assistência técnica e propriedade intelectual. A empresa pretende administrar a marca Philco de forma independente da marca Gradiente.

Tem boi na telinha Estreou no dia 11 de agosto o canal pay-perview da Globosat específico para os rodeios, o Premiere Rural. As vendas começaram três dias antes dos rodeios da Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, que acontece até o final deste mês de agosto. Neste lançamento, o Premiere Rural estará na Net de cinco praças: Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e o cluster Campinas/Indaiatuba/Santos. As operadoras Net das demais localidades devem ter o canal num momento seguinte. Para a temporada 2006 do Circuito Nacional de Rodeios, já estão fechadas com o canal todas as seis etapas: Jaguariúna, Fernandópolis, São José do Rio Preto, Americana, Rio Verde e Barretos. A venda será feita em duas modalidades: pacote completo ou por etapas.

Financiamento para a digitalização A fabricante nacional Tecsys conseguiu uma linha de financiamento junto ao BNDES/Finame para a sua linha de receptores e decodificadores DVB. Segundo Herbe Zambrone Júnior, responsável pela área de negócios corporativos da empresa, o financiamento já está disponível desde o dia 8 de agosto. Para valores de até R$ 100 mil, o financiamento é automático para pagamento em três anos com juros de 9,37% ao ano. Para valores superiores a R$ 100 mil, o financiamento é para pagamento entre três e cinco anos, com juros de 8% ao ano. Os modelos contemplados pela linha de financiamento são todos receptores DVB (terrestre ou satelital), com compressão MPEG-2, tanto da linha consumer quanto profissional. O BNDES tem, além de uma linha de financiamento para fabricantes nacionais, também uma linha para cobrir os custos de digitalização de operadoras que adotem tecnologia produzida no Brasil. O financiamento cobre até 80% do projeto, segundo o banco. Nenhuma operadora, até o momento, optou por esta alternativa, mas há conversas com as maiores. •

ago 2 0 0 5


N達o disponivel


( scanner ) Ano do Curta

O segundo filme da campanha “Educar é tudo”, da RBS TV, foi ao ar no final de julho. O vídeo “Volta às aulas” chegou para incentivar as crianças a comparecer à escola e alertar os adultos da importância deste gesto. Sua produção envolveu vários profissionais de peso, começando pela parceria entre a agência de publicidade Paim, responsável pela criação da campanha, a produtora Academia de Filmes de Porto Alegre, com a direção de Gabriel Rubim, e o estúdio de animação curitibano Amazing Graphics, com a direção de arte de Foca Cruz e supervisão de animação de Tadao Miaqui. Como no primeiro filme “Educar é Tudo”, a animação, feita pela Amazing Graphics, é o principal recurso utilizado para atingir o público alvo da campanha. O objetivo é mostrar a educação como o caminho para buscar o crescimento dos indivíduos e da nação.

Negócio da China A ABPI-TV (Associação Brasileira de Produtores Independentes de TV) promoveu em várias capitais, o 1° Programa de Capacitação MAIS (Melhor Aproveitamento e Inovação Setorial), que contou com o consultor chinês Kenjie Wong, que apresentou números sobre o mercado audiovisual da China. Segundo Wong, as televisões chinesas importam cerca de 10 mil horas de documentários por ano, pagando entre US$ 400 e US$ 2 mil por episódio de 60 minutos. Além disso, são produzidas no país mais de 1,1 milhão de horas de conteúdo audiovisual para televisão por ano. “A maioria dos canais, para conter os custos fixos, usa a produção independente para preencher suas grades”, diz Wong. Porém, uma peculiaridade local é que “apenas dois ou três canais pagam pelo conteúdo em dinheiro”, sendo que a maioria permuta programas por espaço

publicitário. “Os produtores costumam vender esse espaço para as agências de publicidade”, explica. Segundo ele, o mercado chinês tem interesse em produções brasileiras abordando temas como futebol, cultura, vida selvagem e ciência natural. “Não há interesse em formatos de reality shows e game shows”, diz. O consultor apresentou ainda dados que ajudam a dimencionar o mercado chinês. Segundo ele, 80% dos lares nas grandes cidades recebem a programação através da TV a cabo. Em todo o país (considerando as áreas rurais) são 115 milhões de assinantes, uma penetração de 31,4%. A penetração da TV aberta é de 95,2%. Quanto ao mercado formal de home video (descontada a pirataria), Wong diz que são vendidos por ano mais de 300 milhões de VCDs (Video CDs) e quase 50 milhões de DVDs, a um custo que gira entre US$ 3,00 e US$ 6,00 por unidade.

Novo endereço A produtora Villas Boas Televisão e Cinema está de casa nova. A sede localiza-se agora no Espaço Bic, onde divide com quatro empresas um conjunto de dois galpões e um prédio de 15,5 mil m2, antes ocupados pela fábrica da Bic. A produtora, representada por Suzana Villas Boas, garantiu a partir de uma parceria com a Broadcasting um núcleo de captação e finalização para seus dois estúdios, equipados para a produção de programas de televisão, publicidade e cinema. O espaço ainda conta com equipamentos de sonorização, camarins, salas de produção e reunião, estrutura de copa/cozinha, além de equipes técnica e de produção disponíveis. Entre as produções realizadas recentemente pela Villas Boas Televisão e Cinema estão o docudrama “Encontro Marcado”, filmado durante o Festival Literário Internacional de Paraty (Flip) e dirigido por Bruno Barreto, e “Uma História Real”, longa metragem de Murilo Salles, em fase de pré-produção. O núcleo de novos projetos é coordenado por Pedro Lima. 12

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

O Grupo Novo de Cinema e TV comemora o sucesso dos curtas-metragens brasileiros no exterior. Seja ficção, documentário ou animação, os curtas nunca fizeram tanto sucesso no mercado externo como em 2005. Até agora foram negociados 23 títulos, de uma a quatro vezes cada. Isto inclui a venda de mais de 70% dos títulos do catálogo 2005, mas a expectativa é de que as vendas envolvam 90% deste catálogo. Só no festival de Clermont-Ferrand, na França, o Grupo Novo de Cinema e TV conseguiu vender curtas para as principais empresas européias como Arte, Canal Plus e TV5 (França), ZDF (Alemanha) e Channel 4 (Reino Unido), além de emissoras do Japão, Austrália, Portugal, Itália e Canadá. No final de junho, após o 11º Mercado Internacional de Curta-Metragem, que ocorreu em Valência, na Espanha, foram fechadas vendas de mais cinco curtas: “Ratoeira”, de Pedro Carvana; “Messalina”, de Cristiane Oliveira; “Universo”, de Marcos de Brito; “Asfixia”, de Roberval Duarte; e “Meninos da Zona Sul”, de Claudia Ribeiro e Sílvia Godinho. Os direitos foram comprados pelo Canal Plus da Polônia. foto: diogo telles/divulgação

Volta às aulas


N達o disponivel


(figuras) Fotos: divulgaçÃo

Especializado em cultura

ANTONIO CARLOS REBESCO Pouco depois, foi para a TV Cultura, onde construiu e consolidou sua carreira. Exerci nove funções diferentes na emissora, de operador de câmera a diretor adjunto de programação, passando pela direção de TV e de produção, entre outras atividades. Dos programas de música e dança da TV Cultura, partiu para Portugal em 1990, onde trabalhou em produtoras independentes de programas para

A

experiência adquirida durante o tempo em que trabalhou na televisão, dirigindo shows e espetáculos, trouxe os conhecimentos necessários para que Antonio Carlos Rebesco — o Pipoca — pudesse criar sua própria empresa, especializada nesse tipo de produto audiovisual. O apelido vem do tempo em que era operador de câmera e pegou de tal forma que hoje dá nome à sua produtora, a Pipoca Cinema e Vídeo. Sua carreira na TV começou em 1966, quando participou do treinamento oferecido pela Rede Bandeirantes a todos os futuros funcionários da emissora que seria inaugurada no ano seguinte. Depois da Band, foi contratado pela TV Globo, também como operador de câmera.

“Antigamente a TV era feita de idéias, hoje é feita de nomes.” televisão. Permaneceu lá até 1997, mas durante esse período veio cerca de 20 vezes ao Brasil para dirigir espetáculos para diversas emissoras. Dirigi 17 séries para a televisão portuguesa e vinha ao Brasil 14

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

pelo menos três vezes por ano, então não perdi o contato com o mercado brasileiro. Ao voltar, passou um ano independente e então foi convidado a voltar para a TV Cultura. Foram só três meses na velha casa, quando a Rede Globo o convidou para dirigir o “Domingão do Faustão”. Em 2000, decidiu que era hora de alçar vôo próprio e abriu sua produtora. A maioria das produtoras faz comercial, mas nosso foco vem da minha formação em produções culturais. A Pipoca se especializou na gravação de shows para DVD e na criação de programas para TV. Atualmente, é responsável pela direção e produção dos programas “Instrumental Sesc Brasil”, “STV na Dança”, exibidos na STV, e “Mulheres al Dente”, veiculado na Rede Gazeta. Da época em que trabalhou na TV para hoje, sente falta desse espaço para programas culturais na grade de programação e da forma com que os funcionários e artistas são encarados dentro da estrutura das emissoras. Antigamente a TV era feita de idéias, hoje é feita de nomes. Antes éramos equipes que pensavam nos programas. Hoje são 30, 40 pessoas que ganham salários normais perseguindo grandes nomes, que ganham milhões. Tudo está baseado nas relações comerciais. Quando sugerimos às emissoras um programa independente, elas já querem saber se temos um patrocinador. Em paralelo com seu trabalho de diretor e produtor, Pipoca também tem um pé na academia: é professor do curso de Rádio e TV da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) desde 1972. Acredito que uma TV melhor pode gerar uma sociedade melhor. Por isso gosto do trabalho com os alunos, de mostrar minha experiência e minha visão do que deve ser a televisão.


Novos mercados

Nova diretoria

Paula Trabulsi dirigiu o primeiro projeto internacional da Bossa Nova Films. Trata-se de um filme de Koleston, Wella, da Select Communicatons de Nova York. O filme é estrelado pela top Michele Alves.

A MTV Networks América Latina expande o departamento de música e talentos. José Tillan (centro) é promovido a vice-presidente sênior de música e talentos, assumindo as estratégias musicais das três marcas (MTV, VH1 e Nickelodeon). Marc Zimet (à direita) junta-se à equipe como diretor sênior de música e talentos, onde administrará conteúdos e talentos musicais internacionais, enquanto Julio Muñiz (à esquerda) assume o mesmo cargo na MTVN México, para o conteúdo latino.

Marketing renovado

A TV Cidade contratou para o cargo de gerente de marketing de sua matriz em São Paulo, o executivo Sydney Manzione. Além dos mais de dez anos de experiência em consultoria nesta área, para empresas como AmBev, Lever, Elma Chips, Telemar, Nestlé e Multibrás, o executivo acumula passagens pela ACNielsen, IMS, Copernicus, Resolve, Abril e Grupo Fenícia. Mazione também ministra os cursos de MBA em Marketing Estratégico e Pesquisa, na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Reforma ministerial

O secretário-executivo do Ministério das Comunicações será Tito Cardoso de Oliveira Neto (foto). Engenheiro civil formado pela Universidade Federal do Pará, o novo secretário foi presidente da Dataprev, empresa da qual foi também diretor de negócios, durante a gestão do ministro Romero Jucá na Previdência. A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União do dia 8 de agosto. No mesmo dia, foi publicada a indicação do novo secretário de telecomunicações do Minicom. Quem assume o cargo é Roberto Pinto Martins, engenheiro eletricista, atual coordenador de TI da secretaria de política de informática do Ministério de Ciência e Tecnologia. Martins tem longa carreira pública, tendo ocupado cargos no MCT desde 1984, incluindo a secretaria de política de informática.

Mudanças na Apaci

Foi eleita em assembléia realizada no final de julho a nova diretoria da Apaci (Associação Paulista de Cineastas). O novo presidente da associação é Ícaro C. Martins (Francisco Cataldi Martins). A diretoria é composta ainda pelos seguintes membros: André Klotzel (1° vicepresidente), Roberto Gervitz (diretor de assuntos nacionais), Débora Ivanov e David Kullock (secretários executivos), Toni Venturi (vicepresidente de assuntos estaduais), Luís Alberto Pereira (Gal) e Reinaldo Pinheiro (diretores), Luiz Bolognesi (vice-presidente de assuntos municipais), Paulo Sacramento e Gustavo Steinberg (diretores), Aurélio Michilles (vice-presidente de televisão e outras mídias), Rogério Correa e Ricardo Elias (diretores), Alain Fresnot (representante Conselho Superior de Cinema), Hermano Penna (representante no MinC), Toni Venturi (representante no Conselho Paulista de Cinema) e Aurélio Michilles (representante na Comissão da Lei Marcos Mendonça).

Alemão anuncia agência

Roberto Lautert, mais conhecido como Alemão (centro), lançou no mês de agosto a Lautert Associados. O primeiro cliente da nova agência é a Red Bull. Estavam presentes no lançamento Stefan Kozak (à esquerda), diretor geral da empresa Brasil (à direita), e Pedro Navio, diretor de marketing da empresa. A conta da Red Bull pertencia a W/Brasil.

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

15


( capa )

Edianez Parente

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

Conteúdo brasileiro é um bom negócio Programadores internacionais vão além do Artigo 39 e investem em produção nacional para conquistar público e receitas.

T

rinta meses, R$ 44 milhões arrecadados e 43 projetos executados. Esses são os números mais atualizados da Ancine (Agência Nacio­nal do Cinema) sobre os frutos colhidos a partir do Artigo 39 da MP 2281/01, que criou a agência. Conforme conta Carlos Eduardo Azevedo Guimarães, superin­ tendente de desenvolvimento

financeiro da agência, “esse mecanismo se mostrou um grande canal para a produção independente brasileira”. Ele diz que as programadoras internacionais de televisão por assinatura se mostram cada vez mais interessadas em utilizar estes recursos para terem conteúdo local em suas grades, valorizando assim sua programação. A regra para os programadores de TV paga é clara: como alternativa 16

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

ao pagamento da Condecine (contribuição de 11%) cobrado das programadoras que distribuem seus sinais a partir do exterior, a programadora deposita 3% sobre a remessa de seus lucros ao exterior em conta aberta em agência específica do Banco do Brasil, e cujo montante pode ser utilizado em coprodução audiovisual nacional com produtores independentes dentro de um determinado prazo, que é de menos de um ano. Ocorre atualmente no mercado brasileiro de TV por assinatura que, independentemente do uso destes recursos, os dirigentes das principais programadoras internacionais que atuam por aqui dizem que pretendem, sim, ampliar sua participação com conteúdo local. Isto, dentro de uma filosofia cada vez mais comum entre elas de dar maior importância ao mercado brasileiro. Os motivos são óbvios: o mercado de assinaturas dá novos sinais de vida, apresentando recuperação e fôlego para crescer e todo mundo quer, acima de tudo, fazer bons negócios por aqui. Entrevistamos os principais executivos regionais de alguns dos maiores grupos presentes no Brasil, para entender como eles vêem o mercado nacional dentro do contexto latino-americano e o que pretendem realizar em termos de produtos locais. DirecTV quer mais Depois de nove episódios documentais sobre Chico Buarque


de Hollanda, o especial “7 X Bossa”, os shows dos artistas da gravadora Trama, e ainda o documentário “Estradas Reais - Das Minas ao Mar”, a DirecTV quer mais produções locais. De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Luiz Eduardo Baptista (Bap), serão anunciados em breve pelo menos mais três novos projetos: “Dois deles terão três episódios cada”. Bap não diz ainda quais são. “No futuro, pode haver ainda mais, devido ao sucesso que vêm fazendo”. Segundo ele, todas são obras voltadas à cultura e de alta qualidade. Foi via Artigo 39 que a DirecTV viabilizou a maior parte de seu conteúdo local que tanto repercutiu para a operadora. Os especiais de Chico Buarque de Hollanda, sob direção de Roberto de Oliveira, já começam a sair em DVD — o primeiro lote está nas lojas, com três episódios. O novo documentário, ainda em produção, “Estradas Reais - Das Minas ao Mar”, foi feito pelas

Scott McBride, da MTV Networks: programadora prepara mais um canal feito inteiramente no Brasil.

Mais um Scott McBride, COO (Chief Operating Officer) da MTV Networks Latin America, diz que a progra­ madora nos Estados Unidos está tão satisfeita com o Brasil, vê tanto potencial neste mercado que, em sintonia com a MTV do Brasil (da qual a Viacom, dona da MTV, tem 30%), se prepara para formar mais um canal de TV feito aqui, o VH1 Brasil. A nova emissora, para as operações de TV por assinatura, seria feita pela parceira brasileira e atenderia a um público acima de 24 anos. Sem participação do sócio brasileiro da MTV (o Grupo Abril), a MTV Networks também tem aqui seu próprio canal dedicado ao público infanto-juvenil, ou seja, pré-MTV. Trata-se do canal Nickelodeon, ou simplesmente Nick, que é o segundo canal deste segmento em alcance entre a garotada, numa disputa sempre acirrada com o líder Cartoon Network. O Nick soube como ninguém adequar-se ao Artigo 39, e fez do seu “Patrulha Nick”, uma produção local desenvolvida em sistema de coprodução com empresas locais, um

produtoras CaraDeCão Filmes e MPC & Associados. Esta produção integra um projeto do governo do Estado de Minas Gerais e marca o primeiro projeto destas produtoras viabilizado via Artigo 39. Bruce Churchill, presidente da DirecTV Latin America que esteve em agosto no Brasil para a ABTA 2005, disse em mais de uma ocasião que o conteúdo local é essencial. “Ele é importante em todos os países da Europa, América ou Ásia, e sabemos que no Brasil não seria diferente. Temos de oferecer ao público o que ele quer, do contrário ele não nos assiste”. Churchill lembrou, no entanto, que apenas operações viáveis e com escala estimularão a produção de novos conteúdos locais. Até por este motivo, a DirecTV já começou a veicular nos demais países da América Latina onde está presente conteúdos brasileiros, como os shows do canal 605 da operadora do Brasil.

>>

investir para manter a liderança

J

uan Carlos Urdaneta, presidente da Turner Broadcasting System para a América Latina (canais TNT, Cartoon Network, Boomerang, TCM, CNN e CNN en Español) diz que o mercado brasileiro é, potencialmente, o mais importante da região. A programadora tem dois canais líderes de alcance entre crianças e adultos desde que começou a medição do Ibope dos canais pagos: Cartoon Network e TNT. A empresa é ainda parceira do Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho, do qual participa com fornecimento de conteúdos: desenhos, produções nacionais, filmes, notícias, acervo da CNN, produtos da sua divisão educativa. A Turner do Brasil acaba de estrear, no Cartoon, a produção de animação nacional “Pixcodelics”, feita pela Mop Digital, veiculada também nos demais países da América Latina e feita via Artigo 39. Como diz o vice-presidente de vendas da programadora no Brasil, Anthony Doyle,

“Pixcodelics” é um exemplo muito bom de como produzir algo juntando recursos da Condecine, talento nacional, qualidade, alta tecnologia. Para ele, melhor ainda é também poder exportar esse conteúdo para o resto da América Latina. A seguir, Juan Carlos Urdaneta detalha a importância do mercado brasileiro e da produção local.

É certo que a digitalização proporcionou avanços em outros países, caso do México, por exemplo. Mas o Brasil segue sendo o maior e o que tem mais potencial de crescimento. O Brasil passou por momentos difíceis (na TV paga), está saindo de um período de estancamento, de não-crescimento, de problemas econômicos e limitações para fazer novos investimentos. Enfim, houve uma série de fatores: cada operador encontrou sua solução e a economia brasileira encontrou soluções; também a taxa de câmbio favorece a entrada de mais equipamentos. Entramos numa fase de maior crescimento e desenvolvimento,

TELA VIVA - Que papel o mercado brasileiro representa para a Turner em termos de América Latina? JUAN CARLOS URDANETA - Segue como o mercado mais importante na América Latina.

“A TV é uma mídia que tem necesidade de se fazer mais local” Juan Carlos Urdaneta, da Turner

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

17

>>


( capa) dos carros-chefes de sua programação. O programa tem apresentadores brasileiros, é gravado aqui e gera audiência e programetes que se estendem pela grade. O canal Nickelodeon também está explorando como poucos outros todas as possibilidades em novas mídias, seja com uma página no portal do UOL, seja com conteúdo de streaming para a telefonia celular. “Temos uma grande oportunidade de customizar nosso conteúdo, que pode ser dividido, quebrado, para rodar em outras mídias, como wireless, Internet” diz Scott McBride. Também na telefonia celular, a programadora detecta grandes oportunidades de crescimento junto ao público da Nick - e o Brasil é um mercado-chave neste aspecto. O primeiro acordo foi fechado com a Vivo para o serviço Vivo Play 3G. Sobre o conteúdo estritamente estrangeiro, a MTV Networks já

artigo 39 da mp da ancine acumulou R$ 44 milhões em 30 meses e estimulou desde especiais musicais até programas infantis. Chico Buarque de Hollanda na DirecTV

emplaca nas plataformas digitais de TV paga no Brasil seus canais panregionais MTV Jams, MTV Hits e VH1 Soul. Melhor distribuição No disputado segmento de canais destinados às crianças e famílias, o Disney Channel ganhou mais terreno Jacarezinho, da Nick na TV paga brasileira ao garantir sua entrada, no início de agosto, na plataforma da Net Serviços. Agora, o canal vislumbra, com uma maior distribuição (acresce em 700 mil seus assinantes no País), a possibilidade de ter mais conteúdo produzido especialmente

Qual a importância dos produtos locais e de estar usando este conteúdo no Brasil? Filosoficamente, está claro que nossos canais cada vez devem ter mais conteúdos locais para serem mais relevantes. Na medida em que se apresentem mais oportunidades, procuramos incluir mais conteúdo local. Os conteúdos ideais são aqueles que distribuímos localmente e também podemos levar a outros mercados que não apenas o Brasil. E a filosofia em cada um dos mercados tem sido um pouco essa. Com o Cartoon Network tem sido um pouco mais fácil. Já repetimos na Argentina e México negociações com animação de personagens de tiras de jornais, tal como fizemos no Brasil em 2004. Para nós também se trata de uma experiência nova. Na medida em que aprendemos mais, podemos assumir também projetos maiores. Por enquanto, têm sido projetos menores. A fórmula da Turner é pensar pequeno até que aprendamos e possamos expandir.

que deve se manter também nos próximos anos. Entre 30% e 40% de todos os negócios da empresa na América Latina estão no Brasil. Veja, a população brasileira é de 40% a 45% na região; portanto, um país com esse tamanho, com essa representação na economia, tem de ser o líder na região. A situação atual do câmbio favorece esta situação? A oscilação cambial sempre tem um efeito, mas eu diria que neste caso não é um fator decisivo para a Turner. Creio que a valorização do real torna mais fácil aos operadores que necessitem fazer investimentos em infra-estrutura, pois podem comprar equipamentos, caixas digitais, fazer o upgrade de tecnologia, e isso nos favorece a todos. Mas os seus custos de produção são em dólar. Como fica a equação? Temos de buscar o equilíbrio, como toda produtora.

Isso tudo aconteceu por causa do Artigo 39 da MP 2.228/01? Não. As produções nacionais existem porque são um bom negócio e a TV é uma mídia

Vamos falar da produção nacional.

18

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

para o Brasil. Carolina Lightcap, vicepresidente sênior de programação e assuntos criativos do Disney Channel e Jetix para a América Latina, diz que a programadora está analisando as possibilidades de co-produção nacional via Artigo 39 da Ancine. “Temos muitas idéias e estamos analisando todas elas”, afirma a executiva, bastante animada com o novo panorama no mercado. O canal da Disney já tem exemplo em casa de produção local. A Buena Vista International, braço em distribuição de cinema, tem utilizado recursos incentivados para co-produções no cinema nacional (“O Casamento de Romeu e Julieta”, “Jogo Subterrâneo”, “A Dona da História”, “O Caminho das Nuvens” foram alguns deles). Também, de acordo com Carolina Lightcap, com a medição de audiência pelo Ibope,

que tem necessidade de se fazer mais local. Temos, sim, trabalhado bem com a Ancine, mas não só por causa dela. No Brasil, fizemos coisas fora da Ancine. E onde há mais chances de crescimento em receitas? Acredito que neste próximo ano todos pensam em crescer — o que se viu na feira da ABTA. Acredito que haja um crescimento interessante neste ano na parte de distribuição. Há muito entusiasmo, todos os clientes falam de crescer mais do que no ano passado. Como a Turner vê as novas possibilidades de distribuição do seu conteúdo - cabo digital, celular, TV sobre IP? Devemos ter conhecimento e estar preparados para poder avançar em todos estes segmentos tecnológicos. O que a Turner faz é prover entretenimento e notícias. Sobre os novos ambientes (broadband, wireless), há diferentes iniciativas ao redor do mundo em cada uma destas áreas. Nós, da Turner da

>>


N達o disponivel


( capa) será possível agora detectar melhor as necessidades e preferências da audiência brasileira. Atualmente, produções de estúdio do Disney Channel com apresentadores brasileiros, como os programas da faixa pré-escolar “Playhouse Disney”, o “Zapping Zone” e o “Art Attack”, por exemplo, somam mais de três horas/dia de programação na grade, e são feitos em Buenos Aires, onde estão centralizadas as operações da programadora para a América Latina. Chamadas e interstícios por vezes são gravados no Brasil. O canal Jetix, que promoveu ao longo do primeiro semestre o torneio de futebol Copa Jetix, utilizou-se de estrutura do canal ESPN Brasil para a sua execução local. “Temos muitos planos para o Brasil, que é um mercado muito importante para nós”, conclui Carolina Lightcap.

HBO os dois projetos de maior orçamento na Ancine com recursos Carolina Lightcap , do Disney Channel mobilizados via Artigo 39: “Carnaval” (mais de CEO, Gaston Comas, R$ 5 milhões) e “Mandrake” (mais vê o Brasil como seu de R$ 6 milhões). O primeiro está a mercado mais importante cargo da produtora O2; o segundo, em nível pan-regional, da Conspiração Filmes. ao lado do México. “Mandrake”, tem oito episodios O executivo afirma de 50 minutos cada, com Marcos que a programadora Palmeira no papel principal não descarta a estréia e grande elenco: Maria Luisa de novos canais no Mendonça, Marcelo Serrado e Miéle, mercado. A ampliação sob direção geral de José Henrique da distribuição dos canais premium Fonseca. em todas as operadoras gerou maior “Carnaval” tem seis episódios otimismo da empresa com o mercado de 50 minutos cada, direção geral brasileiro e com as superproduções que de Cao Hamburger, e Jece Valadão vêm aí. e Felipe Camargo no elenco. Ambas Depois de uma espera produzidas em película, de muitos e longos anos, estão em fase de a HBO finalmente chegou pós-produção, e vão aos line-ups da Net e Sky ser exibidas simultanea­ com seus canais de filmes mente no Brasil e tipo premium (HBO e América Latina. Cinemax/Max Prime). São A programadora também assinados pela diz que atualmente desenvolve outras séries de ficção e acredita que com tais produtos Bap, da DirecTV: três projetos a cresce e consolida seus serem anunciados em breve, negócios no país. sempre com temáticas culturais.

“Temos muitos planos; o Brasil é importante para nós.”

Superproduções A HBO Latin America, diz o seu

América Latina, estamos estudando todas um pouco de conteúdo original em desenhos elas e tratando de explorar as oportunidades animados, mas nossa principal razão de ser não à medida que se apresentem. Hoje, temos é gerar, é sim sermos agregadores de conteúdo. alguns conteúdos limitados em wireless. Então, a Turner sempre vai ter um papel ativo, Fazemos coisas em pequena escala para porque sabemos agregar e criar formatos. Um caso poder conhecer a fundo. Para fazer um gol, hipotético: onde houver alguém que se especialize você tem de estar no jogo. Então, neste em “agregar conteúdos agregados” — pode aí momento, em todas as áreas de tecnologia, haver integradores para entregar vários conteúdos queremos estar no jogo. a uma determinada plataforma. Não contemplamos até o Um exemplo: nos EUA, a Turner a única forma momento o lançamento de desenvolveu a GameTap, que de manter a nenhum canal específico mostra bem a filosofia (serviço para o digital, mas estamos pago criado pela Turner nos EUA liderança é observando tudo o que está para jogos online em broadband, investir na surgindo, por parte de nossos reunindo acervos de jogos antigos concorrentes, e na nossa mas cheio de fãs de consoles hoje programação própria empresa em outros em desuso, como Sega, Atari etc). países e regiões. Foram licenciados mil destes jogos. O conteúdo é vendido diretamente ao consumidor final. Como vocês pretendem atuar com Este exemplo mostra a filosofia da Turner em estas novas mídas? A filosofia é o controle agregar conteúdos. Basta vermos o histórico de todas as etapas do processo até chegar da companhia: assumiu uma filmoteca que não à distribuição? estava sendo utilizada, a da MGM, e lançou a A Turner é mais um agregador de TNT; pegou outro acervo que não estava sendo conteúdo do que produtor. Geramos um utilizado, o da Hanna-Barbera, e lançou Cartoon pouco de conteúdo de notícias, geramos Network; agregou um acervo de jogos e fez

20

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

GameTap, que veremos o quão bemsucedido será. Essa é uma idéia que, a depender como prospere nos EUA, pode ser facilmente exportada para outras regiões. E haverá uma outra divisão para estes negócios? Seria mais uma linha de produtos junto aos quais já comercializamos. Como manter a liderança de canais como TNT e Cartoon? É mais difícil manter a liderança do que chegar a ser líder. Há muita concorrência com os demais canais, que se aprimoram. Acredito que a única forma é manter o nível de investimentos na programação, de buscar ser criativo nos empacotamentos dos conteúdos. Este é um dos pontos fortes no DNA da Turner: fazer os empacotamentos, saber empacotar os conteúdos e fazê-los atraentes do ponto de vista do assinante. E também há que se contar um pouco com a sorte. A concorrência é grande e vai continuar assim, o que vai beneficiar o assinante.


N達o disponivel


( evento )

Da Redação

c a r t a s @ t e l a v i v a . c o m . b r

ABTA 2005: olhar para a frente fotos: marcelo kahn e ramede felix

Maior evento de TV por assinatura no Brasil expõe a tese de que a concentração no mercado de DTH é necessária para a viabilizar a concorrência, sobretudo com as teles, que pela primeira vez mostraram a que vieram durante o encontro.

A

ABTA 2005, principal evento do setor de televisão por assinatura, realizado no início deste mês em São Paulo, trouxe duas discussões centrais: a concentração no mercado, em prol de ganhos de escala para a viabilização do mercado de TV por assinatura via satélite, e a busca de um modelo para que a convergência de serviços de vídeo, voz e dados em redes de TV paga (o chamado triple-play) possa acontecer. Foi a primeira oportunidade de reflexão da indústria

depois que o ciclo de maus resultados do começo dos anos 2000 se esgotou e, principalmente, depois que as principais empresas do setor se reorganizaram financeiramente. Duas conclusões do encontro se destacam: 1) não há resistências, dentro do próprio setor, para que as operadoras Sky e DirecTV possam se fundir e; 2) as empresas de TV por assinatura, ao

“Todo conteúdo nacional deve ser distribuído, desde que tenha qualidade e viabilidade” Jorge Nóbrega, das Org. Globo

22

T ela

V iva

mesmo tempo em que receiam a entrada das teles em seu território, admitem ser necessário tê-las como parceiras na oferta de serviços de telecomunicações. A união entre DirecTV e Sky é um tema mais relacionado a fatos presentes. Executivos da holding que controlará as duas empresas depois da fusão estiveram em peso no Brasil para passar a mensagem: o mercado de TV por assinatura ainda pode crescer, ainda pode haver investimentos significativos na produção de conteúdos nacionais, ainda pode haver imensos ganhos para o consumidor em termos de inovação tecnológica, mas isso só será possível se a fusão entre as duas empresas for aprovada, o que depende nesse momento fundamentalmente da vontade das autoridades brasileiras. Bruce Churchill, presidente da DirecTV Latin America, afirmou que em todos os países da América Latina onde foi necessário o processo de fusão entre as operações Sky e DirecTV, ele está completo. Ele diz que a empresa não trabalha com um deadline para a solução do caso brasileiro, mas acredita que até o final do próximo mês haja uma manifestação da Anatel. Segundo ele, não se cogita uma recusa do processo no governo. Churchill apresentou em sua palestra a visão de que, em um cenário que seja de convergência tecnológica, o DTH ganha concorrentes, o que muda o entendimento do mercado relevante de TV por assinatura. Ressaltou que o mercado brasileiro é caracterizado pela “absoluta falta de escala” e, por isso,

ago 2 0 0 5


“Não trabalhamos com a possibilidade de não haver a fusão. A convergênciatrará concorência ao mercado

possibilidade de um acordo para o BandNews, canal de notícias da Band. Durante a ABTA, a Anatel deu a entender que até o começo de setembro o processo de fusão entre DirecTV e Sky estaria nas mãos do o conselho diretor da agência. O documento, elaborado pelos técnicos da agência, será depois encaminhado ao Cade para subsidiar o processo de fusão. Fontes da Anatel não comentam o teor da análise preliminar, mas sabe-se que haverá sugestões sobre a revisão de algumas condições de contratação de programação exclusiva. Caberá então ao Cade decidir como fica a questão, o que ainda tomará pelo menos mais seis meses de trabalho.

Bruce Churchill, da DirecTV

não tem inovação. Ele exemplificou a situação comparando o mercado de TV paga ao de celular onde, por oposição, os 75 milhões de assinantes viabilizam subsídios e inovações. Gigante A fusão entre DirecTV e Sky formará uma grande operação de 1,3 milhão de assinantes, praticamente o mesmo número da Net Serviços (1,4 milhão), sua concorrente direta no cabo. Não há quem fale, entretanto, em concentração excessiva do mercado, fora a Tecsat, uma pequena operadora de TV paga por satélite com pouco mais de 50 mil assinantes, que mesmo assim não briga com muita veemência. A única coisa que se espera entre aqueles que não serão beneficiados diretamente pela fusão são algumas mudanças em relação às regras de programação. Basicamente, se a fusão for aprovada com a restrição de que não tenha alguns conteúdos em caráter exclusivo, não haverá resistência. A presença da Sky e da DirecTV durante a ABTA 2005 buscou sinalizar que não há grandes riscos em relação ao conteúdo nacional nem em relação ao fechamento de mercado a produtores de conteúdo que não sejam a própria Globo (sócia minoritária da operação após a fusão). A DirecTV, por exemplo, comemorou o lançamento em DVD da série de documentários sobre Chico Buarque produzidos pela operadora e se comprometeu a produzir mais nacionalmente. “Temos que ter o conteúdo que as pessoas no Brasil querem”, disse Luiz Eduardo Baptista (Bap), diretor geral da DirecTV no país. A Sky, por sua vez, anunciou uma parceria com o grupo Bandeirantes para lançar o canal Terra Viva. A Band

representa, entre os grupos de comunicação, o principal ponto de questionamento em relação à fusão entre Sky e DirecTV. Basicamente, o que a Bandeirantes quer é garantia de distribuição de seu conteúdo no DTH após a fusão. Paulo Saad Jafet, vice-presidente do Grupo Bandeirantes, diz que a expectativa é estar em todas as plataformas, e não apenas com o Terra Viva. “Agora, esperamos entrar na Net também”, afirma Jafet. Ele diz que os line-ups ainda não contemplam o conteúdo nacional como deveriam: “Há, claro, o nosso objetivo empresarial, mas também há a preocupação da presença do conteúdo nacional”. Para Jafet, estas pendências acabam à medida que segue a “dinâmica das negociações e da evolução dos negócios entre os grupos produtores e as distribuidoras”. A Net Brasil, que negocia os conteúdos nacionais para as plataformas da Sky e da Net e que negociará quando a DirecTV estiver no bolo sinaliza com

Só conteúdo O futuro do grupo Globo no que diz respeito ao setor de TV por assinatura também ficou mais claro após a ABTA 2005. O grupo é ainda hoje o maior investidor nacional no mercado de TV paga. Controla a Globosat, a maior e mais importante programadora nacional, e tem significativos investimentos na Net Serviços e na Sky. Mas desde que o mercado entrou em crise, mostrandose limitado para dar retorno aos monumentais investimentos feitos, a Globo tomou uma decisão: afastar-se aos poucos da área de infra-estrutura,

Representantes dos poderes Executivo e Legislativo marcaram presença no evento. O secretário do Audiovisual do MinC, Orlando Senna (no alto à esq.) alertou para o risco de monopólio na TV paga com a fusão Sky/DirecTV, e lembrou do projeto de Lei de Comunicação, que pode abrir oportunidades no conteúdo nacional. O deputado Julio Semeghini (PSDB/SP, no alto, ao centro) mostrou como a Câmara vem lidando com o combate à pirataria e propôs o uso do Fust para regularizar as ligações clandestinas. A Anatel foi repreentada pelo superintendente de comuicação de massa, Ara Apkar Minassian (no alto, à dir.) e por seu presidente, Elifas G. Amaral (foto à esq.). Minassian disse que as empresas que pretendem prestar serviços de TV por redes IP (IPTV) precisam se entender, porque para a agência este é um serviço diferente, não regulado pela Lei do Cabo ou pelos regulamentos do MMDS e do DTH. Elifas não deu um prazo para a conclusão da análise da fusão no DTH, mas disse que a agência se pauta sempre pela busca da competição.

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

23

>>


( evento ) de distribuição, e se focar na produção de conteúdo. Jorge Nóbrega, diretor de gestão corporativa e mídias segmentadas das Organizações Globo, afirma que a empresa não vai mais investir em distribuição nos termos em que historicamente investiu na Net e Sky. “Por outro lado”, diz ele, “terá de demandar novos investimentos para outros conteúdos que as novas formas de distribuição exijam”. Ele não faz ressalvas a que os veículos de distribuição aos quais a Globo é ligada, como Net e Sky, dêem espaço a outros produtores: “Todo conteúdo

nacional deve ser distribuído à medida que tenha qualidade, e interesse comercial. Eu não vejo a Globo impedindo a entrada de conteúdo que o cliente queira”, afirmou, e citou como exemplo a entrada do canal Terra Viva na Sky. O desafio da Globo, diz Nóbrega, é manter nas novas e futuras tecnologias de distribuição a identidade que o conteúdo tem com o público, o que segundo o executivo, já foi constatado em pesquisas de opinião e deve ser sempre buscado. Ele exemplifica

Carlos Nascimento (Band), William Waack (Globo), Paulo Markun (TV Cultura) e Michael Holmes (CNN Intl.)

telejornalismo em debate

N

o último dia da ABTA, os participantes puderam assistir a um debate descontraído sobre o jornalismo televisivo atual, com a participação dos âncoras Carlos Nascimento, da TV Bandeirantes, William Waack, da TV Globo, e Michael Holmes, da CNN International. O mediador do debate, o jornalista Paulo Markun, da TV Cultura, iniciou a discussão levantando questões sobre o futuro de jornalismo televisivo diante do avanço das novas mídias. “Novos veículos como os blogs são úteis, mas não têm responsabilidade. A mídia tradicional será sempre mais confiável, já que a precisão é tudo no nosso negócio”, ressaltou Holmes. A credibilidade foi um dos temas mais mencionados durante a discussão. O investimento, o profissionalismo e a qualidade das informações foram os tópicos colocados como essenciais para a boa cobertura jornalística. “Para que um telejornal seja bom, deve-se ter um padrão de qualidade, não adianta apenas contratar ‘estrelas’”, afirmou Nascimento, que antes de chegar à TV Bandeirantes tornou-se conhecido por seu trabalho na TV Globo. “O jornalista deve ter, acima de tudo, bom senso”, disse Waack.

24

Questionado, dentro deste tema, sobre a concorrência da CNN International com a Fox News, Michael Holmes lembrou que “a competição é vital para o equilíbrio do jornalismo”, mas acrescentou que não acredita que haja concorrência, neste caso. “A Fox não vai derrubar a CNN em termos de credibilidade, e isso é tudo no jornalismo”. Sobre a cobertura internacional, Waack acredita que o jornalismo feito pelos brasileiros no exterior é investigativo, mas fez críticas aos colegas que se colocam à disposição para a cobertura de conflitos perigosos apenas pela vaidade. Já Nascimento ressaltou que é importante ter em mente as mudanças pelas quais a cobertura internacional está passando, com o advento das novas tecnologias, especialmente em relação à Internet. “As novas mídias vão privilegiar a informação e a notícia, e o tráfego de informação internacional, por meios como a Internet, vai se tornar mais íntimo para os brasileiros”, afirmou. Markun acrescentou que “as mudanças tecnológicas permitirão a multiplicação da cobertura internacional que chega aos brasileiros, mas ainda estamos engatinhando neste sentido”.

T ela

V iva

Tecnologia de vídeo sobre ADSL já está madura e a Telemar deve lançar um piloto de serviço de televisão sobre redes IP no início do próximo ano, conta Gilberto Sotto Mayor Junior.

essa identificação com a própria TV por assinatura. Entre aqueles que têm acesso aos canais pagos, a audiência da emissora é proporcionalmente maior. “A audiência da TV Globo é 25% maior no horário nobre no cabo. É uma característica que prevalece para nós”, diz. O grupo reconhece que há paradoxos e dilemas a enfrentar em um cenário convergente. Entre os paradoxos, o fato de a News Corp ser sócia (na Sky) e ao mesmo tempo ser uma competidora no fornecimento de conteúdos, através de seus próprios canais. “Também pode-se ter como sócia uma empresa de telefonia”, lembra. “É uma administração de relações que se torna mais complexa”, afirma. Teles a caminho Certamente um dos paradoxos do grupo Globo é como encara a chegada das empresas de telecomunicações no mercado de conteúdos audiovisuais. De um lado, é uma oportunidade da Globo “produtora” ganhar mais, com parcerias, fornecendo conteúdos. É o que acontece, por exemplo, na parceria com Vivo e Claro para conteúdos para redes móveis. Por outro lado, o grupo tem o dilema de não deixar que suas redes preferenciais de distribuição, que são as redes de TV paga, sejam ameaçadas, até porque ela, Globo, ainda é sócia. A chegada das teles na praia da TV por assinatura como competidoras diretas é uma ameaça distante, mas que vem aos poucos se desenhando no cenário das empresas de TV paga. A ameaça atende pelo nome de IPTV, que

ago 2 0 0 5

>>


N達o disponivel


( evento ) é a transmissão de sinais de vídeo pelo protocolo de Internet, inclusive por redes de ADSL. Durante a ABTA 2005, a Anatel refletiu sobre a questão da TV sobre IP e concluiu que não há muito a fazer. A agência conhece a complexidade do cenário em que os serviços de vídeo começarão a ser oferecidos por redes IP. E entende que um serviço de IPTV não pode ser enquadrado em nenhuma das regras hoje existentes para TV paga. “IPTV não é TV a cabo, não é DTH e não é MMDS”, diz Ara Minassian, superintendente de serviços de comunicação de massa da agência. Ele pondera que ainda há muito a se discutir sobre esse assunto e que é preciso que as diferentes indústrias que pretendem explorar a transmissão de vídeo sobre IP comecem a caminhar para entendimentos. “Hoje, está claro que há uma insuficiência na Lei do Cabo e nos demais regulamentos para dar conta da complexidade do problema”. Francisco Valim, presidente da Net Serviços e presidente do conselho da ABTA, que representa

Os seminários de TV por assinatura, patrocinados pelo Seta, capacitaram mais de 3 mil profissionais de operadoras de todo o país. No STA Operações, representantes dos programadores como Javier Casella (da Discovery, no alto), Simoni Sobelman (da Turner, na foto ao lado à esquerda) e Katia Murgel (da Fox, à direita) explicaram como são montados e distribuidos os canais, procurando esclarecer as dúvidas sobre programação levantadas pelos assinantes.

Francisco Valim, da Net Serviços: batalha com as teles se dará no campo da prestação de serviços de telefonia.

os operadores de TV paga, abriu o evento falando em guerra e criando metáforas para o enfrentamento entre teles e empresas de TV por assinatura. Mas o campo de batalha não seria, na visão de Valim, a entrada das teles na oferta de conteúdo, mas sim a entrada das empresas de TV paga na oferta de serviços de telefonia. Nesse sentido, outros executivos da indústria colocaram a questão de forma complementar. O modelo de parcerias entre teles e empresas de TV por assinatura foi defendido por dez entre dez empresários, sob a simples alegação que a TV paga não tem fôlego para competir sozinha contra as teles no mercado de voz. A própria Net Serviços, vale lembrar, tem a Telmex como acionista e deve trabalhar, por esta razão, em parceria com a Embratel, que tem o sócio mexicano em comum. A Net deu detalhes de como será a sua entrada no mercado de telefonia: não será apenas em nichos, mas sim um produto de massa, e será com a tecnologia mais flexível possível sem que se perca qualidade no produto. O outro lado da guerra seria a entrada das empresas de telefonia no mercado de vídeo. Nesse campo, a única parceria que parece haver é entre programadores e teles, já que nesse caso os interesses se complementam. Executivos da área de tecnologia das operadoras de TV por assinatura avaliaram o risco da entrada de empresas de telecomunicações no mercado de IPTV sobre redes ADSL. “É uma tecnologia tão complexa que ainda é muito instável, não se sabe se vai se viabilizar em toda a rede”, diz José Felix, diretor operacional da Net Serviços. Antônio João Filho, da Vivax, lembrou que serviços de 26

T ela

V iva

forte apelo em redes de TV por assinatura convencionais, como Digital Video Recorders (DVRs), não são facilmente viabilizados numa estrutura por ADSL. Amilton de Lucca, da TVA, lembra o problema dos pontos adicionais, que também não têm solução simples na IPTV via ADSL. Por fim, segundo a avaliação de Felix, não significa que as teles não entrarão no negócio de vídeo. “Só acho que não vai ser via ADSL. É mais provável que seja instalando fibra até a casa do assinante, como nos EUA”, diz. Gilberto Sotto Mayor Junior, responsável pelo projeto de IPTV da Telemar, afirmou que a operadora já tem um piloto funcionando para cerca de 20 funcionários e transmitindo quatro canais cedidos por uma programadora que não quis citar. Segundo ele, o projeto da Segundo Luiz Fernando Vieira, sóciodiretor da agência África (ao lado), todos os clientes hoje programam anúncios na TV por assinatura. Derli Pravato, do Ibope (abaixo), contou que a partir de 2006 haverá medição de audiência também nos assinantes de cabo digital.

ago 2 0 0 5

>>


N達o disponivel


( evento ) operadora está tecnologicamente “bem avançado”. “Estrategicamente, temos de esperar os programadores ficarem mais confortáveis”, afirmou. Quanto à regulamentação para fazer esse tipo de serviço, Sotto Mayor diz que, com a licença de SCM, já é possível fazer a distribuição de vídeo sob demanda, mas não o serviço de prover canais por assinatura. “Estamos estudando um modelo regulatório para a oferta de televisão”, disse, indicando que a Telemar não vai apenas oferecer serviços eventuais. A Telemar espera ter, até o início do próximo ano, um “piloto comercial” do serviço, em caráter restrito, fato comemorado pelos programadores, que apontaram a entrada dos provedores de conteúdo nas novas mídias digitais como uma “oportunidade que não tem mais volta”, como disse Roberto Cibrian Campoy, da Claxson. Silvia Jafet, do Grupo Bandeirantes, e Gustavo Leme, da Fox, concordaram que prover conteúdo para as operadoras de telefonia móvel é, além de uma nova

o mercado de TV por assinatura foi frustrante por não cumprir a expectativa de crescimento. O programadores, contudo, sabem que a realidade da TV por assinatura em redes O STA 2005 contou com palestrantes internacionais como o francês Daniel IP não é tão simples Lebois, da Thomson (no alto, à esq.), quanto parece. Campoy e o norte-americano Steve Nikola, da Motorola (embaixo, à esq.), que lembrou que a questão trouxeram informações sobre VoIP e mais importante ainda digitalização. Outro destaque foram as palestras motivacionais. O camelô David é a da proteção do Portes (acima) e o professor Luiz Marins conteúdo. Só é possível (abaixo) empolgaram a platéia. havendo DRM (Digital Rights Management, sistemas digitais de gerenciamento de direitos). Sotto Mayor afirmou que já existem algumas tecnologias e que as operadoras de telecomunicação fonte de receita, uma maneira de ganhar estão levando esse ponto em visibilidade e alavancar a programação dos consideração. “O DRM é um dos canais de TV por assinatura. maiores custos na plataforma IPTV, Os dois também concordaram que mas é fundamental”, afirmou.

show de tecnologia

O

roteador embutido, para que a de retorno. “Praticamente clima de empolgação em relação conexão possa ser compartilhada 100% dos assinantes de TV ao triple play esteve presente entre vários computadores. É o têm telefone celular”, explica na feira da ABTA. Fornecedores caso do modelo distribuído pela Ricardo Pirola, diretor da e operadores mostravam os serviços e Vonage, nos Estados Unidos. “Em empresa no Brasil. produtos já disponíveis. A Motorola, por breve, teremos um modelo com A Irdeto Access levou exemplo, mostrou seus adaptadores de cable modem, terminal ATA e Wi-Fi ao evento a solução Pisys, telefonia analógica (ATA) como alternativa e apenas uma caixa”, explica o para segurança de dados e para oferecer serviços de voz sobre IP executivo. proteção de conteúdo com (VoIP) utilizando uma infra-estrutura de O que também ganhou versões para TV por assinatura, banda larga. Já testados por pelo menos destaque na feira foi a oferta de redes IPTV e de telefonia cinco empresas no Brasil, os adaptadores Thierry Martin, da soluções para digitalização da rede móvel. O sistema monitora e demonstrados são caixas “tudo em um”, Nagravision de baixo custo, tendo em vista as gerencia automaticamente já contando com cable modem embutido. pequenas operadoras. A Conax apresentou sua todos os seus módulos, reiniciando-os em Foram demonstrados pela Motorola solução, que está em testes em operações da caso de problemas e informando seu estado quatro adaptadores ATAs, entre eles o Viacabo TV e da Image TV. Trata-se freqüentemente. SBV5120, que vem sendo de um sistema de digitalização A Nagravision demonstrou suas testado pela Net para oferta de das redes e centralização dos soluções para acesso condicional. A VoIP utilizando seu serviço de headends. O sistema usa a rede vantagem está na flexibilidade, permitindo banda larga, o Vírtua, e o cable da CTBC Telecom para enviar o sempre ligar ou não a encriptação modem SBV5220, com duas sinal de um headend central até para assinatura e pay-per-view, com a portas para oferta de VoIP e as localidades, mantendo um possibilidade de fazer um upgrade para bateria integrada que funciona controle central da programação. necessidades futuras, como DVR, Push por até 6 horas em stand by e 4 Além disso, dispensa o uso de redes - Video on Demand, e VOD por assinatura. horas de conversação, para que com canal de retorno para operar Quanto ao custo da conversão de uma o serviço de telefonia não seja serviços de pay-per-view, por pequena rede para o sistema digital, o interrompido. exemplo. Isso porque a operação executivo da Nagravision Thierry Martin Segundo o diretor da pode se integrar a uma plataforma lembra que “a maior parte do custo está no Motorola Roberto Shigueo GSM, podendo ser usado o set top box”, já que, “em dez anos, o custo Suzuki, a fabricante já conta Roberto Shigueo Suzuki, da Motorola celular do assinante como canal do encoder caiu cinco vezes”. com modelos de ATAs com

28

T ela

V iva

ago 2 0 0 5


N達o disponivel


(

)

Edianez Parente

Fotos: divulgaçÃo

e d i a n e z @ t e l a v i v a . c o m . b r

Interativo na Rede 21 A Rede 21, que sempre se destaca pelos seriados típicos de TV paga que exibe, lança agora um programa com apelo de interatividade. Trata-se do “Conteúdo”, apresentado por Liliane Ventura. Através de um portal de voz, o espectador escolhe as opções desejadas para deixar um e-mail, enviar um fax, sugerir pautas, deixar críticas e sugestões ou fazer perguntas para o entrevistado do dia. A tecnologia utilizada em “Conteúdo” é da Atlas Interactive.

“Alias”

Seriados trocam Sony por AXN “CSI - Miami” (terceira temporada), “CSI - N. York” (primeira temporada), “Alias” (terceira temporada) e “Las Vegas” (segunda temporada) pulam da grade do canal da Sony diretamente para o seu canal-irmão AXN. “Alias”, que teve duas temporadas no AXN e inexplicavelmente foi parar no Sony, volta às suas origens e ao canal que o lançou no Brasil.

Prêmio MTV no ar e online No próximo dia 29 de setembro acontece a festa da 11ª Edição do VMB, o maior evento anual da MTV Brasil. O evento terá transmissão direto e ao vivo pelo canal e também pelo site da MTV, em tempo real: www.mtv.com.br/vmb2005. Neste ano, o VMB vai premiar novas categorias. São três: melhor performance ao vivo em videoclipe; banda dos sonhos e ídolo MTV. Vale lembrar que o prêmio da MTV é uma referência para as produtoras e serve como portfólio para os profissionais da área.

Record e o Pan 2007 Primeira emissora a anunciar a venda de um patrocínio para o Pan 2007 (para a Bombril), que acontece no Rio de Janeiro, a Rede Record diz que entre 350 a 500 profissionais devem ser mobilizados para a cobertura do evento. Alexandre Raposo, presidente da emissora, conta que a estrutura local da emissora carioca tem hoje aproximadamente 300 funcionários.

Pancadão Entre os longas-metragens que o canal FX exibe em setembro, na sua faixa Cine FX, estão “Touro Indomável” e “Clube da Luta”. As atrações são aos domingos e segundas, 23h. O preço de tabela para anunciar nestas produções, num total de 112 inserções, é de R$ 72 mil. A título de comparação, o novo reality show do canal “Princes of Malibu”, semanal, tem preço de R$ 64,8 mil para 132 inserções. O FX está na Sky.

Cross Mídia É normal e prática usual no mercado de TV, tanto por assinatura quanto aberta, haver comerciais institucionais de um canal veiculados nos intervalos de outro canal pertencente à mesma programadora. Nesse sentido, a HBO vem se promovendo em todos os canais do grupo no Brasil, nas várias plataformas, como forma de difundir a marca do canal HBO, que passou a integrar os line-ups da Net e Sky. No entanto, soa curiosa a inserção da HBO com seu slogan, “It’s not TV; it’s HBO”, também nos breakes comerciais da TNT. Ambos os canais, embora na sua matriz pertençam ao grupo AOL-Time/Warner, no Brasil seguem em operações distintas, com sócios diferentes e programadoras diferentes (Turner e HBO Brasil).

“Touro Indomável”

“Clube da Luta”

>> 30

T ela

V iva

ago 2 0 0 5


Mega-Film da TNT dublado

Televisa vem aí Canal de las Estrellas, Telehit - lembra deles? Estas emissoras mexicanas que já estiveram por aqui via Net e mais uma porção de canais, todos feitos pela Televisa, querem voltar ao mercado brasileiro. Com seu portfólio de canais mexicanos, Jaime M. Cortina, diretor de vendas da Televisa Networks, passeou pela ABTA 2005, conversando com operadores e representantes locais.

Features digitais do MGM A previsão é de que em outubro o canal MGM esteja oferecendo o que muitos canais ofereceram mas ainda não cumpriram: features digitais. No MGM, será para os filmes da faixa nobre (20h à meia-noite), dando ao assinante a opção de assistir ao longa com legendas em português, com dublagem ou apenas com o som original. A primeira operadora a oferecer será a Sky.

fotos: Divulgação

Muito se diz da liderança da TNT no mercado brasileiro de canais de filmes. Quer por exibir títulos fortes e recentes de vários estúdios, quer por ser dublado, quer por ter ampla distribuição, quer por estar nos pacotes mais básicos das operadoras - ou por uma junção de todos esses fatores, o canal de filmes da Turner segue no mês-amês líder de audiência e alcance. E, para não perder o posto, cai mais um “piéce-deresistance” à dublagem no canal. As estréias mensais da faixa “Mega-Film” da TNT serão dubladas, como todo o resto da programação (exceto os filmes do agente 007, em faixa específica). Pesquisa interna da programadora detectou esta exigência dos assinantes. Se tudo correr conforme inicialmente planejado, o filme “Homem-Aranha”, cartaz em novembro no canal, já chega à esta faixa dubaldo.

Prêmio Emmy O canal Sony exibe, em 18 de setembro, o 57º Emmy Awards. O evento, que será exibido ao vivo e com exclusividade na TV paga, pode ser considerado para o Brasil como um “Oscar da TV paga”, uma vez que a maioria dos concorrentes está em cartaz nos canais da TV por assinatura. Dos indicados nas principais categorias, estão alguns dos seriados de maior sucesso de crítica também por aqui, como “Lost”, “24 Horas”, “Desperate Housewives”, “A Sete Palmos”; além de reality shows tipo “American Idol” e “O Aprendiz”. Os seriados exibidos aqui pela Sony acumulam 29 indicações e os do Canal Fox, 17. Quem vai comandar a festa é a comediante Ellen de Generis. Na TV americana, pela primeira vez em muitos anos, o prêmio vai se destacar como um Oscar menos do cabo e mais da TV aberta, dado o grande número de indicados que estão na grande das redes broadcasting. No Brasil, no entanto, salvo algumas exceções (“24 Horas”, visto na Globo, por exemplo), o prêmio é majoritariamente uma atração para os fãs da TV paga.

Michael Schumacher

Alcance da F-1 A Fórmula 1 já teve dias mais emocionantes, mas continua a dar uma grande participação durante suas transmissões à TV Globo. A temporada 2005 do esporte automobilístico rendeu até julho uma média de 19 pontos de audiência na Grande São Paulo, com 52% de share (participação entre os aparelhos ligados) para a emissora. Entre os países europeus, um levantamento recente e inédito da Eurodata TV Worldwide indica que, a despeito do desempenho de Michael Schumacher, o espectador espanhol tem passado mais tempo diante das corridas que os próprios alemães: 89 minutos de média nas transmissões ao vivo na Espanha contra 65 minutos gastos pelos alemães diante dos autódromos na tela. O país campeão de audiência é a Finlândia, com média de 149 minutos. Os pilotos dos respectivos países são; George Alonso (Espanha) e Mika Räikkönen (Finlândia).

“Cor” na Argentina A novela “A Cor do Pecado” (El Color del Pecado), da Rede Globo, que surpreendeu em audiência para o horário das 19h quando passou no Brasil, vem marcando bons índices também na TV argentina. O texto de João Emanuel Carneiro (prêmio APCA 2004, como autor revelação) tem 40% de share no horário das 16h30, na rede Telefé. Na América do Sul, a produção segue trajetória semelhante também no Peru, Venezuela, República Dominicana e Equador. Nos Estados Unidos, a novela foi para a Telemundo.

T ela

“A Cor do Pecado”, com Reynaldo Gianechinni e Giovanna Antonelli

V iva

ago 2 0 0 5

31


(audiência - TV paga)

Multishow fica em terceiro entre público adulto e infanto-juvenil

J

foto: Divulgação

S

egundo levantamento do Ibope Mídia entre indivíduos de 18 anos ou mais com TV por assinatura, os canais da TV por assinatura que obtiveram maior alcance diário médio no último mês de junho foram a TNT, SporTV e Multishow, nesta ordem. No mês de maio, o Multihow ficou em segundo lugar. Já entre o público dos quatro aos 17 anos, os canais infantis Cartoon Network e Nickelodeon, mais o de variedades Multishow, foram os que apresentaram o melhor alcance diário médio no mês. Em maio, a terceira colocação foi da TNT, e agora ficou com o Multishow. O levantamento do Ibope Mídia considera o total de indivíduos de 18 anos ou mais com TV por assinatura (Universo: Grande São Paulo + Grande Rio de Janeiro + Porto Alegre + Curitiba + Belo Horizonte + Distrito Federal = 4,3 milhões de indivíduos). Em junho de 2005, os canais de TV por assinatura aferidos apresentaram um alcance diário médio de 52,9% ou 2,2 milhões de pessoas/dia, e um tempo médio diário de audiência de duas horas e 6 minutos. Já entre o público que vai dos quatro aos 17 anos com TV por assinatura nas mesmas praças citadas acima (universo: 869

“Mandou Bem”, do Multishow

mil indivíduos), os canais pagos tiveram um alcance diário médio de 57,3%, ou 500 mil pessoas por dia, e um tempo médio diário de audiência de duas horas e 21 minutos.

alcance e tempo médio diário 

Total canais pagos TNT SporTV Multishow Globo News Warner Channel Discovery AXN Universal Channel Sony Cartoon Network GNT Fox SporTV2 National Geographic Telecine Premium Nickelodeon People + Arts ESPN Brasil ESPN

De 4 a 17 anos* 

(Das 6h às 5h59)

Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 52,9 2282,0 2:06:15 14,8 637,6 0:28:13 11,8 508,2 0:51:51 11,5 496,9 0:17:35 11,5 495,7 0:47:27 10,2 441,1 0:31:03 9,9 425,4 0:27:43 9,6 414,8 0:21:40 9,0 388,0 0:26:26 8,6 371,9 0:24:28 8,5 366,1 0:39:47 8,4 362,4 0:17:56 8,1 350,6 0:20:15 7,9 339,7 0:20:31 7,3 314,6 0:20:04 7,0 300,0 0:22:40 6,6 286,0 0:30:14 6,3 270,0 0:19:18 5,8 251,1 0:25:34 5,8 248,7 0:13:28

*Universo 4.319.500 indivíduos

Total canais pagos Cartoon Network Nickelodeon Multishow TNT Discovery Kids Jetix SporTV Discovery Warner Channel Fox Boomerang Disney Channel Telecine Premium Sony SporTV2 Universal Channel AXN People + Arts Globo News *Universo 869.300 indivíduos

32

T ela

V iva

(Das 6h às 5h59)

Alcance (%) Indivíduos (mil) Tempo Médio 57,3 500,7 2:21:13 28,4 247,7 1:11:44 25,0 218,2 0:57:42 12,5 108,8 0:28:11 11,0 95,9 0:28:31 10,6 92,9 1:07:11 9,3 81,1 0:57:10 7,5 65,2 0:37:47 7,0 60,9 0:28:21 6,4 55,5 0:27:30 6,1 53,6 0:28:09 5,6 48,9 0:31:26 5,3 46,7 0:50:36 5,2 45,0 0:25:51 5,1 44,4 0:21:18 4,9 42,5 0:20:51 4,8 42,3 0:20:02 4,5 39,1 0:16:06 4,0 34,5 0:13:12 3,9 34,4 0:19:48

ago 2 0 0 5

Fonte: Ibope/ Telereport - Tabela Minuto a Minuto - Jun-

Acima de 18 anos*


N達o disponivel


( cinema )

Fernando Lauterjung

f e r n a n d o @ t e l a v i v a . c o m . b r

Por um punhado de dólares Mais do que nunca, os reguladores brasileiros buscam acordos de co-produção audiovisual internacional, traçando um mapa para produtores que buscam novos mercados e financiamento.

O

melhor caminho para o músico brasileiro é o aeroporto”. A máxima de Tom Jobim não vale para o audiovisual brasileiro. Começam a surgir cada vez mais oportunidades para os produtores tupiniquins. Cada vez mais se fala, no Brasil, na co-produção internacional. No caso do cinema, é uma maneira de garantir um mercado maior de exibição, não restrito às cerca de 3 mil salas de exibição brasileiras. Além disso, o cinema, assim como a produção independente para TV ou home vídeo, começa a encontrar lá fora não apenas mercados a serem explorados, mas também novas fontes de financiamento. É aí que entra a importância da co-produção. Muitos dos acordos de coprodução audiovisual firmados pelo Brasil com outros países datam de mais de vinte anos. Pode não parecer muito tempo, mas já é o suficiente para que eles fiquem desatualizados, usando expressões que acabam limitando a funcionalidade do acordo. Um bom exemplo, é limitar o acordo de co-produção cinematográfica aos projetos que usem como suporte de captação a película. O que já não faz mais tanto sentido em tempos de cinematografia digital. O fato de um acordo ser limitado à produção cinematográfica também é um “atraso”. Por isso mesmo, é comum ouvir atualmente dos reguladores a expressão “acordo moderno”. O acordo moderno é aquele que se abre para todo o tipo de produção audiovisual. E mais, torna simples

a criação de novos protocolos par cada categoria ou para projetos específicos de fomento, parceria, troca de informações etc. Em fevereiro deste ano, em Berlim, foi assinado o Acordo de Cooperação Audiovisual entre o Brasil e a Alemanha.

cinema na frança A BSB Cinema, produtora baseada em Brasília, fechou no Festival do Rio 2004 um acordo de co-produção e co-financiamento com o mini-estúdio francês EuropaCorp. O acordo é para “Federal”, o primeiro longametragem de ficção do diretor Erik de Castro, sócio da produtora e responsável pelo documentário “Senta a Pua!”. Como contou Christian de Castro, também sócio da BSB, na época da assinatura a produtora procurou trabalhar internacionalmente para viabilizar o filme, uma maneira de não depender apenas dos editais e da seleção das estatais. O longa conta ainda com o apoio da Special Effects Unlimited, de Hollywood, que ficará responsável pelos efeitos especiais. A EuropaCorp traz ao longa mais do que dinheiro, mas a garantia de uma distribuição forte no mercado europeu. Para Christian de Castro, trata-se da entrada de um novo player no mercado brasileiro.

34

T ela

V iva

Talvez o melhor exemplo do que vem buscando o Ministério da Cultura e a Ancine no mercado internacional. O novo acordo de co-produção negociado pelo MinC, por meio da Secretaria do Audiovisual (SAv) e da Ancine, atualiza o anterior, firmado em 1974. A principal novidade é que abriu perspectivas para todo tipo de produção audiovisual, abrangendo cinema de longa e curta-metragem, séries televisivas, documentários e até jogos eletrônicos. Além disso, o acordo se caracteriza como um “acordo guarda-chuva”, permitindo e estimulando a assinatura de protocolos específicos, que estabeleçam condições e recursos (inclusive financeiros) para a coprodução entre os dois países. A importância dessa abertura aos novos protocolos é que, ao contrário dos acordos que requerem no Brasil ratificação pelo Senado Federal e promulgação presidencial,

ago 2 0 0 5


eles passam a surtir efeito a partir de sua assinatura pelos órgãos cinematográficos competentes, uma vez que são celebrados ao abrigo dos Acordos de Cooperação, devidamente aprovados pelos Poderes Executivo e Legislativo. A renovação do Acordo de Co-produção Cinematográfica Brasil-França, assinada em 15 de julho último, não se abre para vários tipos de produtos audiovisuais, se restringindo ao cinema. Mesmo assim, a nova redação é mais moderna, beneficiando os coprodutores minoritários. Esta é a principal alteração introduzida no novo acordo: a redução do aporte financeiro do co-produtor minoritário caiu para 20% podendo chegar a 10%. Além disso, pelo acordo, ambos os países se comprometem a fazer esforços para apoiar a distribuição, em seu território, de filmes do outro país e identificar, entre os festivais organizados em seu território, aqueles que são suscetíveis de receber as obras do outro país. Novo convênio Segundo Eliana Russi, responsável pelo desenvolvimento de negócios internacionais em arte e indústrias culturais para o consulado do Canadá em São Paulo, o convênio entre CTAV (Centro Técnico Audiovisual, ligado ao Ministério da Cultura) e a National Film Board, do Canadá, será renovado, estabelecendo mecanismos para a difusão de filmes de um país no outro. O novo convênio, segundo ela, deve ser assinado em novembro. Quanto ao acordo de co-produção entre Brasil e Canadá, já há “um desenho moderno e a tendência é que se mantenha como está”, diz o assessor da diretoria da Ancine Mário Diamante. Realmente, o acordo é “moderno”, contemplando o audiovisual em todas as suas formas. O documento, assinado em janeiro de 1995, inclui, além da ficção, animação e documentários, realizados “em filme, fita de vídeo,

o acordo chega a causar risos àqueles que se aventuram a passar os olhos no texto do documento. O acordo, por exemplo, é válido para co-produção em “películas cinematográficas que superem 1,6 mil metros de comprimento, para os longas-metragens, e que não sejam inferiores a 290 metros, para os curtas-metragens, no formato de 35 mm, ou de comprimento proporcional nos outros formatos”. Segundo o MinC, estão sendo revistos textos firmados com Itália, Espanha e Inglaterra. Há ainda a idéia de estabelecer um grupo de cooperação econômica que possa estimular a produção e intercâmbio de bens audiovisuais entre as chamadas “grandes baleias” da economia mundial: a China, a Índia, a Rússia e a África do Sul.

comitiva animada O Consulado Geral do Canadá promoveu no final de julho um evento para celebrar algumas ações conjuntas com o Brasil na indústria de multimídia, animação e cinema em geral. O evento celebrou o convite ao Brasil para ser o país-foco durante a conferência de negócios do Festival Internacional de Animação de Ottawa de 2006. “Queremos tornar o Brasil em mais um lugar para co-produção de animação”, disse Eliana Russi, responsável pelo desenvolvimento de negócios internacionais em arte e indústrias culturais para o consulado canadense. Ainda este ano, uma missão de animadores brasileiros vai ao Canadá conhecer o mercado, as empresas e os eventos daquele país relacionados à animação audiovisual. “É o começo de um namoro, ou a retomada de uma relação antiga”, explica Arnaldo Galvão, conselheiro da ABCA (Associação Brasileira de Cinema de Animação). “Estamos procurando uma forma de a animação brasileira se afirmar”, completa.

videodisco ou qualquer outro suporte Distribuição existente ou a ser criado, destinado Em abril deste ano, durante o à exploração em cinema, televisão, I Seminário Internacional de Cinema e videocassete, videodisco ou qualquer outra Audiovisual em Salvador, o secretário forma de distribuição”. O acordo ainda se de audiovisual do Ministério da abre para “novas formas audiovisuais de Cultura, Orlando Senna, e um grupo produção e distribuição”, que de representantes “serão incluídas no acordo por da área audiovisual troca de notas”. do México, Espanha, Diamante adianta que o Portugal e Argentina, acordo atual “poderá, também anunciaram que ser usado como um guardasolicitarão aos chuva para outros protocolos”. governos dos países O Brasil e a Argentina representados no ratificaram em janeiro evento a assinatura deste ano o interesse de de um protocolo de manter e ampliar o acordo intenções para criar de distribuição de produtos em conjunto uma audiovisuais entre os dois estatal de distribuição paises que se encontra de filmes e audiovisual em vigor. Além disso, os ibero-americano. O dois países mostraram objetivo dessa interesse também em distribuidora, reativar o antigo acordo de segundo afirmou co-produção audiovisual o secretário na e estimular projetos e ocasião, seria de programas relacionados estender o apoio “Acordo com o com a diversidade cultural. oficial existente para Canadá poderá O acordo com a Argentina, a produção cine­ definitivamente, precisa ser matográfica até o ser usado como revisto. Além de se prender canal de distribuição guarda-chuva” à produção cinematográfica, Mario Diamante, da Ancine das películas.

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

35


( making of )

Lizandra de Almeida

l i z a n d r a @ t e l a v i v a . c o m . b r

D

esde o ano passado, a marca de produtos de beleza Dove adotou como estratégia de comunicação a idéia de questionar os padrões estabelecidos de beleza. Nesta campanha da loção firmadora, foram escolhidas mulheres “gordinhas” e de bem com a vida. O filme é quase documental, pois se ‑propõe a mostrar uma sessão de fotos com as mulheres e realmente foi feito em um estúdio fotográfico, simultaneamente às fotos para a campanha impressa. “Essa campanha é focada nas curvas, por isso o casting exigia meninas ‘cheinhas’. Como a campanha é para a América Latina, eram três brasileiras, duas argentinas e duas mexicanas”, explica o diretor Christiano Metri. A seleção das meninas demorou meses. Depois que a agência e o cliente fizeram uma primeira escolha nos três países, o fotógrafo de still e Metri entraram na seleção. “Foi inusitado trabalhar o tempo todo junto com a campanha impressa. Alugamos o estúdio do fotógrafo Bob Wolfenson e o transformamos no nosso estúdio também.” O principal desafio era fazer prevalecer a espontaneidade, com garotas que não tinham intimidade com a câmera e a equipe de filmagem. Então a equipe de produção desenvolveu um processo para deixar todo mundo muito à vontade. No primeiro dia, o diretor e o fotógrafo de still passaram o dia conversando com as meninas e tirando fotos para estudos. No segundo, começou a sessão fotográfica em si e a equipe de filmagem trabalhou às escondidas. A produtora criou nichos com espelhos translúcidos, e instalou as câmeras atrás deles. “Era como um espelho de delegacia, em que as pessoas de um lado não viam o que se passava do outro. Quando as meninas chegaram, a produção já estava armada atrás do espelho e conseguimos ‘roubar’ 36

fotos: divulgação

Curvas reais algumas cenas”, diz Metri. Na terceira diária, o diretor marcou encontros com as meninas, para fazer planos mais fechados, detalhes e closes e explorar novos enquadramentos, com novas lentes. “Como usamos o estúdio inteiro como cenário, tivemos que iluminá-lo todo. Não tínhamos o controle do set, então em qualquer lugar que qualquer uma delas estivesse, precisávamos ter luz — e como o filme é de beleza, tinha de ser uma luz soft, não podia ser dura. Era um set em 360º”, continua o diretor. O trabalho direto com as garotas também estava longe do convencional. “Eram nove meninas gordinhas, de calcinha e sutiã, sem nenhuma experiência de filmagem e que precisavam ser espontâneas. Não tinha como estabelecer uma relação atriz-diretor. Percebi que a única forma de trabalhar seria ganhando a confiança delas como amigo. No segundo dia já estávamos brincando, descontraídos. O set não poderia ser frio, mas todos os membros da equipe foram avisados de que nossa postura tinha de ser muito séria. Não poderia haver olhares maliciosos ou desrespeito. E tudo correu muito bem.”

ficha técnica

Principal desafio foi trabalhar com modelos sem experiência em TV. Diretor procurou criar um clima de descontração.

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

Cliente Produto Agência Dir. de Criação Criação Produtora Direção Fotografia Dir. de Arte Finalização Trilha

Unilever Brasil Loção Dove Firming Ogilvy Brasil Comunicação Adriana Cury Danilo Janjacomo e Ana Clélia Quarto Academia de Filmes Christiano Metri Alcindo Hebling Jr. Alessandra Maestro Academia de Filmes S de Samba


Celular para a vida toda

D

ois filmes compuseram a campanha da operadora de celulares Claro para o Dia dos Pais. O mote da campanha foi o de divulgar a promoção que promete trocar o aparelho celular anualmente. Para isso, a agência trabalhou com a idéia de continuidade. No primeiro filme, um garotinho carrega um banquinho cidade afora, até debaixo de chuva, e chega à loja de celulares. Ele alcança o aparelho que deseja, mas deixa o banquinho para trás. Questionado pela vendedora, o menino responde: “Deixa ele aí. Ano que vem eu volto.” O filme, produzido pela Republika Filmes, é totalmente baseado no desempenho do garoto, um ruivinho de quatro anos que acabou se tornando o ponto de partida do filme seguinte. “Além da ampla pesquisa de casting, que elegeu esse menino por unanimidade, fizemos uma pesquisa de locação muito legal. Queríamos imagens de uma cidade diferente, pouco conhecida, principalmente no eixo Rio-São Paulo. Decidimos então fazer em Curitiba, onde eu já tinha filmado várias vezes, para trazer essa estética”, explica o diretor Gustavo Leme. No segundo filme, o mesmo menino sai de casa para comprar o celular. Mas para representar a passagem do tempo, o menino vai caminhando por uma calçada, da loja até a casa do pai, e o cenário vai mudando, ao mesmo tempo em que o menino cresce. “Queríamos que a passagem do tempo fosse bem real, sem morphing ou outros efeitos de computação gráfica”, diz o redator Renato Simões. O diretor Pedro Becker acredita que o filme seria realizado mais facilmente com o uso de um

Filme foi feito em torno do personagem, o garotinho ruivo que vai ficando maior à medida em que caminha para a loja.

motion control. Mas o prazo e o orçamento apertados impediram que o equipamento fosse trazido do exterior. Então a solução foi usar a câmera sobre trilhos. “Calculamos o tamanho do cenário em relação ao tamanho do trilho e precisaríamos de uns 30 metros. Mas aqui só havia um trilho contínuo de 15 metros, então fizemos em duas vezes”, explica o diretor. Apesar de o filme ter cortes, que justamente marcam a passagem do tempo, toda a ação se desenvolve no mesmo eixo. Então era preciso que o registro dos atores e do cenário fosse muito preciso. “Usamos duas câmeras no trilho, uma em plano aberto e outra em plano fechado. E depois, na finalização, usamos um efeito que torna a câmera mais solta, como se estivesse na mão, para dar mais leveza”, continua. O casting do filme foi determinado a partir da escolha do garotinho do primeiro filme, que exigia alguém com boa interpretação. “O fato do garoto ser ruivo facilitou, apesar de não ser fácil 37

T ela

V iva

achar os atores. Tivemos de mexer em alguns cabelos, tingir ou encaracolar. Mas é uma característica marcante, que facilita na hora de estabelecer essa evolução”, comenta Becker.

ago 2 0 0 5

ficha técnica Cliente Produto Agência Dir.de Criação Criação Filme Produtora Direção Fotografia Finalização Trilha Filme Produtora Direção Fotografia Montagem Finalização Trilha

Claro Campanha Dia dos Pais F/Nazca Fabio Fernandes e Eduardo Lima Renato Simões e Airton Carmigiani Banquinho Republika Filmes Gustavo Leme Ted Abel Casablanca, Tribbo Post Tesis Crescendo Sentimental Filme Pedro Becker Alcindo Hebling Jr. Pedro Becker Casablanca, Estúdios Mega Tesis


( case )

Daniele Frederico

d a n i e l e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Exclusivo para mamães

A

mulher que se torna mãe não ocupa os seus pensamentos apenas com os cuidados com o bebê. Ela também quer saber como pode cuidar de seu corpo, tem dúvidas sobre a sua vida afetiva e não quer deixar de se divertir. Pensando neste público, a agência de marketing Brand Storm criou a TV Mulher & Mãe, um canal voltado exclusivamente para mulheres que acabaram de dar à luz, com produção exclusiva e inédita. Lançada em janeiro, a TV é transmitida para cerca de 150 maternidades de 15 estados brasileiros, atingindo um público de aproximadamente 300 mil mulheres. “Nossas pesquisas mostraram que quando a mulher tem o bebê, toda a atenção dos familiares e amigos se volta para o recém-nascido. O canal chega para auxiliar esta mulher”, afirma Waltely Longo, diretorgeral da Brand Storm. Após uma primeira pesquisa, realizada pela Franceschini Análise de Mercado, a empresa constatou que as mulheres grávidas e as novas mães constituíam um grupo interessante de consumo, já que nesta fase a vontade de adquirir produtos (que vão de móveis a carros) seria maior que em outros períodos. “O canal teve origem em uma pesquisa para conhecer este público. Após os resultados, vimos que ele poderia se tornar uma oportunidade para que as marcas tivessem presença na vida dessas mulheres”, explica Longo. Assim foi criada a TV Mulher & Mãe, com um investimento inicial de R$ 1,2 milhão.

“Curtindo a Vida de Mãe”: programa com dicas de diversão para as mães e os bebês.

as maternidades não pagam para ter o conteúdo em seus televisores. No entanto, o diretor-geral da Brand Storm lembra que nem todos os anunciantes são bem-vindos. “Não aceitamos patrocínio de produtos e empresas que possam entrar em conflito com a maternidade, como medicamentos e convênios médicos. Além disso, são vetados comerciais de produtos que desestimulem o aleitamento materno, como chupetas ou leite”, diz Longo, que lembrou que a questão do aleitamento também é enfatizada pelo canal por meio de uma parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), para a divulgação de seu programa de desenvolvimento infantil. Os 12 minutos de espaço comercial inseridos a cada hora na grade de programação são preenchidos com propagandas feitas pela própria TV Mulher & Mãe (em trabalho conjunto com a agência escolhida pelo cliente), ou pelas empresas, desde que adequadas à linguagem do canal. Os principais anunciantes são a Kimberly-Clark (Fraldas Turma da Mônica), a SulAmérica Seguros (SulAmérica Educaprevi), a Gessy Lever (Becel) e a BristolMyers Squibb (Pomada Dermodex). A programação também segue o

Só publicidade Com programação no ar durante 24 horas diárias, o canal foi programado para ter fonte de receita exclusivamente comercial, já que 38

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

modelo da produção publicitária. Diferente dos canais de TV aberta, nos quais a programação é mutante e o público é o mesmo, a TV Mulher & Mãe tem uma grade fixa, reprisada a cada três dias (tempo médio que a mulher passa na maternidade), garantindo conteúdo inédito para um público rotativo. “Temos de buscar a qualidade máxima do conteúdo e da imagem dos programas, pois assim como o comercial de TV, eles serão transmitidos repetidas vezes”, explica Longo. A atualização da programação será feita com a renovação de 25% da grade a cada seis meses. A produção dos programas, realizada com câmeras Betacam Digital, ficou a cargo da TV 7 Videocomunicação, com direção geral dos veteranos da TV aberta Del Rangel e Nilton Travesso, equipe de roteiristas coordenada por Márcio Araújo e coordenação de produção de Patrícia Cunha. As atrações são voltadas principalmente para o momento em que a mulher volta para casa e retoma as suas atividades. Destacamse os programas “Mais Linda do Que

IMAGEM: Divulgação

Agência cria canal gratuito para maternidades, com produções inéditas e artistas globais.


O canal é mantido com receita publicitária, a distribuição é gratuita para as maternidades, conta Waltely Longo.

foto: Daniele Frederico

Nunca”, apresentado por Luiza Tomé, que traz dicas de estética, beleza, moda e ginástica para voltar à forma; “Curtindo a Vida de Mãe”, mostrando opções de entretenimento para a mãe e o seu bebê, com apresentação de Lorena Calábria; “Entre Papos e Papinhas”, no qual a chef de cozinha Rita Lobo ensina a preparar pratos para diversas ocasiões; um programa de entrevistas com Silvia Poppovic; e “1° Dia em Casa”, apresentado por Tânia Rodrigues, um reality show que acompanha a vida de três casais, da maternidade ao primeiro dia em que levam o bebê para casa. A âncora do canal é a atriz Cássia Kiss, mãe de quatro filhos, que além de fazer as chamadas de apresentação, também gravou os comerciais da campanha do Unicef. Além destes, a TV conta também com três programas comprados da GNT: “Superbonita”, “Mãe & Cia” e “Alternativa Saúde”, e em breve deve

disponibilizar a série “O Bebê Humano”, do Discovery Channel, com três episódios sobre o desenvolvimento do bebê, desde o feto até o primeiro ano de idade. A atração que aborda o “pensar, falar e andar” dos recémnascidos foi exibida no Brasil pela Discovery Home & Health. Expansão O canal é transmitido diretamente via satélite, pelo DTH da rede DTCom. Não há custo para as maternidades, que recebem a antena e o receptor do canal,

que também fica responsável pela manutenção dos equipamentos. Os próximos passos para a TV Mulher & Mãe, que faz parte de apenas um momento na vida da mulher, são voltados para a expansão da experiência vivida na maternidade, levando o conteúdo para fora do quarto do hospital. “Um dos nossos planos é colocar no ar, em TV aberta, um programete semanal para dar continuidade aos programas que a mulher pôde assistir durante o período em que ficou internada”, conta Longo. Além deste, há planos de venda de DVDs com conteúdo inédito da TV Mulher & Mãe, e a produção de um site voltado a compras e serviços. “Negociamos também, com um grupo internacional de investidores, levar o canal para o resto da América Latina e para o sul dos Estados Unidos”, conclui.


( infra-estrutura)

André Mermelstein

foto: Divulgação

a n d r e @ t e l a v i v a . c o m . b r

Os novos estúdios da Quanta Estúdio 1 Área 1,2 mil m2 (27 x 45 m) Pé direito 10 m (abaixo do grid) Área de produção 750 m2 Estúdio 2 Área 600 m2 (33 x 18 m) Pé direito 10 m (abaixo do grid) Área de produção 375 m2 Estúdio 3 Área 400 m2 Pé direito 8 m (abaixo do grid) Área de produção 250 m2

Salto quântico

Estúdio 4 Área 200 m2 Pé direito 6 m (abaixo do grid) Área de produção 100 m2

A

Quanta, uma das principais empresas nacionais de locação de equipamentos cinemato­ gráficos e co-produtora de inúmeras produções nacionais, muda-se no final deste mês de mala e cuia para seu novo centro de produção na Vila Leopoldina, em São Paulo. A nova sede é muito mais que uma central de locação. É um pólo completo de produção, com estúdios, oficinas, salas de produção, locadoras de equipamentos e diversos prestadores de serviços reunidos. Na primeira fase, agora em agosto, apenas a locadora muda-se para lá. A partir de novembro, serão abertos também os estúdios. A empresa investiu cerca de R$ 10 milhões no projeto. Parte da construção foi feita em parceria com a própria construtora, que é a proprie­ tária do espaço. O projeto está inscrito no Artigo 1º da Lei do Audiovisual e a empresa ainda busca parceiros financeiros. “Não precisamos ser donos de tudo, podemos até criar uma nova empresa para gerenciar os estúdios”, diz Edina Fujii, diretora da Quanta. Segundo ela, a escolha de São Paulo para a construção do pólo foi feita

por se perceber que não havia na capital uma estrutura que atendesse à demanda por grandes estúdios. “O que se faz normal­ mente é alugar galpões industriais. Mas eles não são apropriados para filmagens, tem que montar todo o grid de luz, não há isolamento acústico. Além disso em geral são distantes do centro, e todos os equipamentos têm que ser levados até lá. Por conta disso, muitas vezes o diretor de fotografia leva mais equipamento do que o necessário, por precaução. Com os estúdios ao lado da locadora, a equipe tem mais agilidade”, conta. Segundo ela, a ocupação deve se dar principalmente pelo mercado publicitário, mas a estrutura também está preparada para receber produções de cinema e televisão. Os números falam alto: o novo espaço tem área total de 13 mil m2, sendo 9 mil m2 de área construída, incluindo o que é provavelmente o maior estúdio do Brasil, junto aos da antiga compa­ nhia Vera Cruz no ABC paulista. São 1,2 mil m2 de área e 10 metros de pé

direito abaixo do grid de iluminação. Os pisos de concreto têm capacidade para agüentar até 2 mil kg/m2, são flutuantes e nivelados a laser. A Quanta propria­ mente dita, ou seja, a locadora de equi­ pamentos de luz. energia e maquinária, ocupa uma área de 2 mil m2, e passou a contar com uma estrutura logística bem mais avançada que em sua sede anterior. A locadora funcionará 24 horas por dia, com várias docas para carga e descarga de materiais. A Motion, locadora de câmeras de cinema e movimentos, passa a ocupar uma área de 800 m2. Os estúdios contam cada um com uma área anexa com salas de produção, camarim, banheiros e salas de corte e edição independentes. Cada

“Estúdios ao lado da locadora dão agilidade e reduzem custos das produções.” Edina Fujii, da Quanta

40

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

foto: arquivo

Locadora inaugura centro completo de produção de cinema e publicidade na zona Oeste de São Paulo


um também tem entradas de pessoas e cargas separadas. Assim, conta Edina, uma produção não interfere na outra. “Podemos ter até quatro equipes filmando aqui sem que um veja o que o outro está fazendo. Esta separação é fundamental, principalmente na publicidade”, explica. A Quanta também firmou parcerias e cederá espaço no pólo para outros prestadores de serviço, como Jamelão e Pará (movimentos de câmera), Kodak, Rosco, Motion, uma locadora de áudio, marcenaria (para cenários), entre outros. A nova central terá também um espaço reservado à Hollywood Store, onde se fará a venda de negativos e acessórios. Também há uma filial da Fisher Light, empresa norte-ameri­ cana fabricante de estruturas em alumínio para diversos fins, incluindo grids e grounds para iluminação e projetos especiais. O projeto de iluminação foi feito por Peter Gasper.

Fábrica de filmes Além da Quanta, São Paulo ganhou também uma nova infra-estrutura das mãos de Christiano Stockler e seus sócios Guilherme Gaia e Cezar Martignoni, donos do Estúdio Fábrica. O novo espaço oferece uma área de 3 mil m2 para a produção de programas de TV, trabalhos publicitários e filmes, além de disponibilizar equipamentos e equipe de produção de TV. “O investimento realizado até agora em infra-estrutura foi de R$ 1 milhão e ainda temos capacidade de expandir nosso espaço para 8 mil m2”, diz Stockler. Stockler e Gaia trouxeram para o Brasil as suas experiências no mercado de produção norte-americano. Aliados a Martignoni, técnico do SBT, ocuparam parte do espaço de uma fábrica de papelão desativada, que deu origem ao nome do estúdio. Mesmo com as obras finalizadas apenas em abril último, o espaço começou a receber produções no início de sua construção, em outubro de 2004. Em dez meses já passaram por ali programas da TV Gazeta, da Rede TV!, da TV Diário e de canais comunitários. “Além das produções, estamos negociando a transformação do estúdio em uma emissora de televisão”, conta Stockler. A Fábrica oferece três estúdios de 150,

250 e 600 m2, este último em fase de finalização, com platéias removíveis, switcher, equipamentos para broadcast ao vivo, salas de produção, ilhas de edição, depósito de cenário, três camarins, sala de maquiagem, cozinha e lounge. Caso haja interesse, o estúdio também disponibiliza a equipe de produção para TV. Entre os profissionais indicados estão diretor de corte, diretor de VT, sonoplasta e cameraman, além de uma equipe de cenografia e outra de iluminação. “O objetivo de trabalhar com esses grupos é diminuir o custo final para o cliente”, diz Stockler. “Buscamos treinar o pessoal que trabalha conosco com o objetivo principal de atender bem o mercado brasileiro e mais tarde o estrangeiro”, conclui. (DF)


( tecnologia)

Menos gente, mais bytes RedeTV! abandona o uso de fitas usando soluções de tecnologia da informação desenvolvidas internamente que baratearam os custos de produção.

A

foto: Divulgação

RedeTV! está mais próxima da migração total ao universo da tecnologia da informação. A emissora fez, no dia 10 de agosto, um “ato simbólico” para marcar a completa transição da produção para um sistema tapeless (sem fitas), desenvolvido pela Tecnet. Assim, todo o acervo da emissora passa a ser digitalizado e disponível na intranet. Na cerimônia, foram destruídas centenas de fitas Beta por um trator na sede da emissora, em Alphaville, próximo a São Paulo. Isso foi apenas uma amostra do acervo que existia em fita na emissora. A maior parte das mídias magnéticas foi apagada e vendida, com os recursos gerados revertidos para instituições de caridade. O processo de digitalização do acervo começou há quatro anos. Na época, a emissora começou a fazer a gravação de matérias de campo diretamente em disco. Como ainda não existiam soluções prontas, desenvolveram a sua própria. “Começamos usando as câmeras ligados em um computador iBook, usando a fita apenas como backup operacional”, explica o gerente de tecnologia digital da RedeTV!, Abraão Farina. O software para fazer essa gravação foi desenvolvido na casa, em parceria com a Tecnet. Trata-se do CompCam, que não apenas fazia a gravação do conteúdo, mas tinha uma interação com o operador da câmera via áudio, através de fones de ouvido conectados ao computador portátil. Os operadores usavam coletes especiais, com um compartimento para o iBook, e recebiam informações curtas sobre a gravação, como por exemplo a notificação de que a gravação estava iniciando, quanto espaço havia disponível em disco ou quantos

Adeus às fitas. Em cerimônia pública a emissora destruiu as últimas peças do acervo.

minutos de carga havia na bateria. Assim como as fitas, os iBooks também já foram aposentados, sendo que atualmente a gravação é feita diretamente em disco rígido, ligado às camcorders. “Já encomendamos algumas Z1 (da Sony) que também serão usadas com discos rígidos acoplados”, explica Farina. Mas os notebooks da Apple não foram destruídos por um trator, “eram tão bonitinhos que foram redistribuídos entre os diretores da emissora”, diverte-se o gerente de tecnologia. O recebimento de material das afiliadas também já é feito pela Internet. “Atualmente, só o material das agências de publicidade e de programas políticos chegam aqui em fita”, explica Farina. O formato de vídeo usado no sistema interno é todo baseado no formato QuickTime, da Apple. Gerenciamento Mais importante que a digitalização do acervo, que foi possível “porque a emissora tem um acervo de seis anos, e não 30”, como explica o diretor de desenvolvimento de operações da Tecnet, Hermenegildo Antunes, foi a construção de um sistema de gerenciamento desse conteúdo, o PRK (Production Resource Kit), também 42

T ela

V iva

desenvolvido pela Tecnet. Através desse sistema, é possível pesquisar todo o acervo da emissora, os últimos 30 dias da programação nacional das quatro maiores redes de TV do Brasil e ainda um acervo de fotos e música. Quase todo esse conteúdo está disponível nos servidores da emissora e em um arquivo robotizado de DVDs. Apenas uma pequena parte está em DVDs fora do robô, o que deve ser resolvido com a compra de um modelo adicional de arquivo. Como o conteúdo armazenado está em baixa e alta resolução, a pesquisa interna, através de qualquer computador conectado à intranet, apresenta como resultado vídeo em baixa resolução (proxy), para não sobrecarregar a rede. Apenas o que vai para as ilhas de edição ou para o exibidor é trafegado em alta. O sistema de pesquisa permite ainda fazer pré-edições do material do acervo. Assim, ao escolher uma matéria antiga, o diretor do programa pode escolher o trecho que deverá ser enviado em alta resolução à ilha de edição, também poupando tráfego na rede. As reportagens do dia que já foram

ago 2 0 0 5

>>


N達o disponivel


( tecnologia) editadas também estão disponíveis na rede, permitindo que os diretores aprovem ou ordenem nova edição. O coração desta rede é um storage de 50 TB, que deve ser expandido em mais 50 TB por ano. Tudo isto é interligado atualmente por uma rede Gigabit Ethernet, que deverá ser trocada em breve. Produção Desde começou a usar a plataforma Apple, há quatro anos, a equipe técnica da RedeTV! sentiu falta de programas para complementar a funcionalidade do sistema de edição Final Cut dentro do workflow de produção da emissora. “Se comprássemos soluções prontas, gastaríamos mais para ter softwares não tão customizados para nosso uso”, explica Hermenegildo Antunes. Por isso, desenvolveram uma série de soluções que trabalham de maneira integrada. Entre elas está o Playlist, um exibidor que inclusive gera comprovantes de exibição dos comerciais. Já ligado com várias praças, é usado também para monitorar localmente a exibição da publicidade nacional. Como comprovante, gera pequenos vídeos do que foi exibido, para que as agências possam monitorar. Outro software da casa é o Playnews, para gerar cada bloco dos programas, trabalhando em conjunto com o Playlist e com outro software, o Digital News. Este último é uma espécie de script de cada programa jornalístico, com um espelho de todo o programa.

feito em casa A Tecnet é ligada à RedeTV! por um sócio em comum: Amílcare Dallevo Jr. A empresa, de 21 anos, é especializada em tecnologia da informação, atuando principalmente em soluções para telecomunicações. Seu primeiro contato com a televisão se deu com a criação de soluções e a prestação de serviços de interatividade para a TV Globo, com o programa “Você Decide”. Atualmente, presta serviços (diretamente ou através das operadoras de telefonia para diversos) para portais de voz, tele avisos, call centers entre outros. Os novos para vídeo e televisão desenvolvidos para a RedeTV! também já estão sendo comercializados para pequenas emissoras no Brasil. “Estamos buscando parceiros internacionais para comercializar essas soluções lá fora”, conta Hermenegildo Antunes, diretor de desenvolvimento e operações da Tacnet.

“Ele é alimentado com todas as retrancas das matérias, que, por sua vez são alimentadas pelo vídeo, caracteres, o texto para o teleprompter, fotos, músicas etc”, explica Haberth Sampaio Witoszynski, analista da Tecnet. Parte desse conteúdo também é criado em soluções próprias, como o gerador de caracteres, que também pode gerar logos e animações. O software para exibição de texto no teleprompter também é desenvolvido pela Tecnet. Ele pode ser controlado por um handheld (dispositivo tipo Palm) conectado à rede através da tecnologia sem fio Bluetooth, usado por todos os apresentadores da emissora. Assim, o apresentador pode pausar e correr o teleprompter apenas apertando um botão, além de poder solicitar informações na mesma tela do teleprompter, como tempo

da matéria e do programa. Outros softwares de produção são o Digital Sketch, que permite fazer desenhos sobre as imagens do vídeo e executá-los em slow motion, para enriquecer comentários esportivos, por exemplo; o Digital Replay, também usado em cobertura de eventos, permite fazer um slow motion de cenas trocando entre diversos ângulos de filmagens; e o Play 8, usado na unidade móvel da RedeTV! para cobertura de shows, fazendo a gravação em disco de oito câmeras e ainda uma nona gravação, com o pré-corte do diretor. Menos custo A idéia de todo esse sistema é reduzir custos com mão de obra. “Não temos mais operadores de teleprompter”, diz Abraão Farina. Nas praças serão instalados sistemas iguais ao que já funciona no Rio de Janeiro para a produção do jornal local. Nele, participam em estúdio apenas o editor de jornalismo e o apresentador. “Eles fazem a programação das câmeras antes do bloco, através do Digital News. Durante a apresentação ao vivo, o apresentador controla o teleprompter e dá o play para as matérias através de seu handheld. Recebe as informações sobre para qual câmera deve olhar também através do teleprompter”, explica Haberth Witoszynski. Com isso, não é mais necessário diretor e nem operador de câmera. fernando lauterjung


N達o disponivel


( equipamentos)

Steve Mullen

c a r t a s @ t e l a v i v a . c o m . b r

HDV na vida real

Copyright Video Systems 2005

Entenda os métodos pelos quais os editores não-lineares conseguem lidar com os arquivos do novo formato de alta definição.

N

fotos: divulgação

a última NAB, em Las Vegas, muitos fabricantes de sistemas de edição nãolinear (ENL) anunciaram que tinham a solução perfeita para editar em HDV. É provável que você tenha duvidado da eficácia de todas estas soluções. Na hora de comprar, é bom contar com um pouco mais que apenas seu feeling. Muito poucos editores trocarão seu sistema de ENL por outro só por causa de um ou dois recursos extras. Se você usa a marca X, ficará com ela, a não ser que sua versão para editar em HDV seja mesmo um desastre. Se você não busca uma solução de edição em HDV só pelo critério do “qual é o melhor”, por que se preocupar? Por duas razões. Você deve entender os pontos fortes e as limitações da abordagem do sistema que você escolheu. Precisa saber se seu hardware comporta esta abordagem. Não são só os gigahertz da sua CPU. É também a placa mãe e o sistema de disco. Em segundo lugar, seu ENL pode oferecer diversas formas de editar. Então você precisa entender quais servem melhor às suas necessidades. Por exemplo, mostrarei como o recém lançado Final Cut Pro 5 HD pode usar três dos quatro tipos de abordagens HDV que irei apresentar. O fato do HDV trafegar por portas FireWire e usar fitas MiniDV faz parecer que se trata apenas de um “DV de alta definição”. No entanto, há diferenças significativas entre a edição em HDV e a edição em DV. Primeiramente, o HDV usa compressão inter-frame, e o DV não. Em segundo lugar, o áudio do HDV é MPEG-2, e não PCM. Finalmente, o número de pixels por quadro no HDV é de 2,7 vezes (1280 x 720) ou 4,5 vezes (1440 x 1080) o número de pixels usado no DV (veja tabela 1). Estas diferenças implicam na necessidade de um enorme

O Final Cut Pro 5 pode utilizar três das quatro metodologias possíveis de se editar em HDV: draft, intermediação e edição nativa.

processamento para se conseguir editar. Esta necessidade pode ser satisfeita de quatro maneiras, quatro abordagens diferentes. Estas técnicas são o draft, o proxy, a intermediação e o formato nativo. Vamos dar uma olhada em todas elas (N. do T.: foram mantidas as expressões draft e proxy no original por não haver um correspondente exato em português). Como observação geral, o HDV nativo realiza todo o processamento enquanto você trabalha na timeline. Para conseguir uma manipulação da timeline fluída com um editor HDV nativo, é necessário um hardware poderoso. Como alternativa, o editor HDV pode quebrar o processamento em etapas que requerem menor poder computacional. Esta é a abordagem dos modelos de draft, proxy e intermediação. Edição draft Quem trabalha com edição está acostumado com a metodologia draft. Nós capturamos o conteúdo de uma fita usando um codec diferente do utilizado pela camcorder. Naturalmente, este codec 46

T ela

V iva

A G O 2 0 0 5

é escolhido porque decodifica as informações mais rapidamente que o codec da fita. O PhotoJPEG, da Apple, por exemplo, pode ser decodificado mais rapidamente que o DV. Por isso, vem sendo usado como um draft nãoNTSC/PAL para a edição em DV. O codec para draft requer menos espaço de armazenamento e largura de banda. Uma das formas de obter isto é reduzindo a qualidade da compressão. Pode-se degradar a resolução da imagem. Também é comum se desprezar um a cada dois campos, o que reduz a necessidade de armazenamento em quatro vezes. O HDV pode ser transcodificado para Apple PhotoJPEG, desde que seu Mac tenha capacidade suficiente para decodificar quadros MPEG-2 HD e recomprimi-los. Como os computadores hoje processam o DV com eficiência, é até possível usar o próprio DV25 como um codec draft de NTSC/PAL para o HDV. Assim, todos os efeitos que funcionam em DV podem ser aplicados em nosso


material draft de HDV. O que se precisa é de uma máquina rápida o suficiente para transcodificar o HDV em DV anamórfico. A vantagem de se trabalhar com o DV como draft é que a timeline está pronta para ser reproduzida em um display NTSC/PAL, conectada via IEEE 1394 (FireWire). Ou pode ser exportada diretamente como uma produção DV. Uma vez o trabalho editado, o timecode do clipe feito em draft é usado para gerar um comando de recaptura do material original em HDV. É claro que o seu equipamento HDV precisa ter um sistema de captura preciso, que permita recuperar os frames exatos. A Sony tem uma maneira excelente de trabalhar com o draft em DV. Suas camcorders HDV já fazem o “downconversion” do sinal. Assim, você pode editar em qual­quer sistema que use o DV.

Tabela 1

Pixels HDV vs. pixels DV

Pixels horizontais

Pixels verticais

Total pixels

720 1280 1440

480 420 1080

345.600 921.600 1.55.200

480i 720p 1080i

Multiplicador (vs. 480i) - 2,7 4,5

Intermediação Final Cut Express HD , selecionando a Quando se divide o processo de préopção de “HDV Project Type” correta edição em duas etapas, pode-se reduzir quando abrir um novo projeto. significativamente a necessidade de No universo do Windows XP há dois capacidade de processamento, a ponto fabricantes de codecs intermediários: de um computador rápido (um Pentium CineForm e Canopus. O CineForm usa 4 de 3,2 GHz ou um G5 dual de 2,5 GHz) um codec intermediário chamado dar conta da tarefa. Carlsberg (CFHD). A CineForm enfatiza Surpreendentemente, um arquivo que o CFHD foi desenhado para ser HDV 720p ocupa menos espaço que um um codec de alta qualidade, operando arquivo DV25. Os dados MPEG-2 capturados em 4:2:2. A qualidade se dá porque o requerem apenas HDV MPEG-2 de baixa taxa de dados é 9 GB de espaço em disco por hora de decodificado e recomprimido em uma material. Naturalmente, taxa mais alta, de 80 Mbps. Edição com proxy Para dar a saída do trabalho de volta Atualmente existe um vídeo de 1080i a 25 O Adobe Premiere 4.2 Mbps ocupa o mesmo à camcorder HDV para distribuição, uma solução trouxe a primeira solução de que um vídeo DV25: cerca você deve primeiro renderizar o material proxy HDV, o edição com proxy. Podíamos de para o formato MPEG-2-TS. Seu ENL dvgate plus, capturar todo nosso material 13 GB por hora. provavelmente conta com um preset da fita em motion-JPEG e O segredo para HDV que inclui o encoder para MPEG-2. disponível salvar o arquivo em HDs de dividir as tarefas de A Canopus tem seu próprio codec apenas em 4 GB, que custavam processamento está intermediário, chamado HQ, usado pelo computadores US$ 10 mil. Em seguida, em primeiro capturar Edius Pro 3, Edius NX for HDV e pelo fazíamos a conversão de Edius SP for HDV. A Canopus percebeu vaio. Ele captura e converter o vídeo todos estes arquivos em HDV para um codec que muitos editores usam vídeo toda a fita hdv um codec draft. Era nor­mal­ intermediário, e então sem compressão como seus codecs em clipes, sendo editar neste mente uma tarefa para virar intermediários. Naturalmente, isso a noite. O proxy nor­mal­men­ bastante simples codec intermediário, mantém os vídeos com sua qualidade te suporta um play­back de original. No entanto, devido ao grande reproduzi-los e mais eficiente. 15 fps com uma resolução O iMovie HD e o uso de banda, é difícil para as máquinas cortá-los. de 240 x 180 pixels. Final Cut Express HD atuais manter a estabilidade do sistema. Atualmente existe capturam no Também, a renderização em tempo apenas uma solução de proxy HDV, o formato Apple Intermediate Codec (AIC). não-real de imagens sem compressão DVgate Plus, da Sony. Está disponível O AIC não tem a mesma qualidade do para efeitos gasta muito tempo. apenas nos computadores VAIO. O CineForm e do Canopus HQ, mas permite A Canopus apostou em um codec DVgate captura toda a fita HDV em a edição em HDV. O AIC, um codec que usa intermediário que não degrada nem o clipes. Como o HDV é apenas MPEG-2, é apenas o I-frame, tem as especificações HDCAM e nem o DVCPRO HD, e ainda bastante simples reproduzir e cortar os descritas na Tabela 2. consume menos banda, e criou uma clipes. No entanto, quando se arrasta o Depois de capturar em AIC, você pode solução ótima para editar HD e HDV (a clipe cortado para a timeline, o software editar normalmente com o iMovie HD e o Canopus também comporta edição em automaticamente transforma o vídeo em proxy. Tabela 2 Com o clipe finalizado, o VAIO Pixels HDV vs. Apple Intermediate Codec (AIC) faz uma renderização inteligente. O Mbps HDV Tamanho de Mbps AIC Tamanho de processo apenas re-codifica as partes arquivo HDV* arquivo AIC* que foram editadas (as partes que efetivamente entraram no trabalho 720p30 2,7 9 GB 7 23 GB final). Isso reduz o tempo total de 1080i50 3,5 13 GB 14 46 GB renderização. Também reduz a 1080i60 3,5 13 GB 11 38 GB degradação do vídeo, pois o HDV é * Para uma hora de gravação. transcodificado apenas duas vezes. T ela

V iva

A G O 2 0 0 5

47

>>


( equipamentos) HDV nativo para quem tem máquinas MPEG-2-TS, como o Final Cut Pro 5, Canopus Xeon dual de 3,4 GHz). Edius Pro 3, Sony Vegas 5 e 6, Pinnacle Liquid O codec HQ trabalha com taxas de Edition 6 e MPEG Edit Studio Pro. Aguarda-se dados (bitrates) variáveis (VBR), para para breve o suporte a edição HDV nativa no manter a qualidade alta e o uso de Avid Xpress Pro HD. banda baixo. A VBR ajusta a taxa de Edição em formato DV transmissão de acordo com o tipo de nativo significa que em imagem que está sendo trabalhada, uma produção apenas alocando mais banda para com cortes, os bits que imagens complexas e mesaem para a fita são os nos banda para imagens mesmos que vieram da mais paradas. fita. Para os fabricantes de Todas as soluções ENLs HDV, no entanto, “nade captura apresentativo” significa que os clipes das até aqui transferem em MPEG-2 são jogados o HDV pela porta FireWire. diretamente na timeline. Uma alternativa é dar a Esta certa nebulosidade saída do dispositivo HDV na definição do que seja um Edição em convertendo o sinal de formato nativo acontece formato hdv 720p ou 1080i para vídeo os editores MPEG-2 já nativo significa porque analógico componente instalados foram rapidamente que em uma (YPbPr), com o uso de modificados para lidar com conversor para gerar um o HDV, mas não da mesma produção stream HD-SDI. forma que a segunda geração apenas com O HD-SDI (SMPTE de ENLs, desenhada especificortes, os bits 292M) é uma tecnologia camente para trabalhar com que saem para que transmite vídeo HDV (como o Final Cut Pro 5). 4:2:2 sem compressão Então, na verdade, a edição a fita, são os e, opcionalmente, áudio HDV “nativa” pode ser obtida mesmos que e metadados, a 1,485 de três formas, dependendo vieram da fita. Gbps (60 Hz) ou 1,001 de como os fabricantes interGbps (59,94 Hz). Tanto pretam o termo. Para facilitar os VTs HDCAM quanto a compreensão, batizei estas os DVCPRO HD dão saída em HD-SDI. abordagens de quase-nativo, pseudo-nativo Em seguida, conecta-se a saída BNC da e nativo verdadeiro. HD10A a uma placa PCI Kona HD, Kona Um sistema quase-nativo reempacota o HD 2 ou Blackmagic DeckLink, imporfluxo de dados para o formato do programa tando o sinal com um cabo coaxial de 75 em tempo real durante a captura (o áudio ohm de alta qualidade. também pode ser transformado em PCM para facilitar a edição). Estes dados no forFormato nativo mato do programa são editados na timeline. Alguns editores conseguem captuO resultado só pode ser gravado de novo na rar e editar diretamente em câmera depois que o material no formato

do programa, incluindo o áudio, for reempacotado em formato de transporte. Embora perca-se algum tempo nesse processo, nenhum frame MPEG-2 é codificado ou decodificado. No entanto, alguns ENLs como o MPEG Edit Studio Pro forçam uma decodificação completa do stream de programa e em seguida um codificação completa no stream de transporte. Esta técnica é chamada de edição pseudo-nativa. O ENL coloca o stream de transporte diretamente na timeline, onde é editado (o áudio também pode ser convertido em PCM para a edição). O resultado só pode ser transportado de volta à fita, no entanto, após cada frame de MPEG-2 ser decodificado e recodificado. O novo stream é então empacotado para transporte. Nesse sistema, pode-se gastar horas para exportar uma simples edição de corte. E logicamente há perda de qualidade. Um editor HDV nativo verdadeiro também trabalha diretamente com os streams de transporte (e com o áudio convertido eM PCM). E também este stream é editado diretamente na timeline. Na exportação, no entanto, não há decodificação e codificação de nenhum frame MPEG-2, exceto nos pontos de corte e efeitos. Este tipo de tecnologia basicamente elimina a espera na exportação. É o similar exato da edição DV nativa. O Pinnacle Liquid Edition 6 e o Final Cut Pro 5 HD aceitam edição HDV nativa. É claro que isso requer máquinas mais potentes. Em resumo, quando você ouvir falar em edição nativa, pergunte seriamente sobre que tipo de tecnologia exatamente está sendo empregada.


N達o disponivel


( tecnologia II )

John Luff

c a r t a s @ t e l a v i v a . c o m . b r

A evolução da computação gráfica

Copyright Video Systems 2005

Desenvolvimento nos últimos 20 anos democratizou o acesso às tecnologias, mas a formação profissional ainda é o ponto mais importante.

O

departamento gráfico de uma emissora de televisão costumava ser ocupado por artistas hábeis em técnicas “tradicionais” de desenho, como lápis, caneta, pastel, óleo e outras. Os artistas comerciais eram artistas experientes que haviam sido treinados para adaptar seu talento às necessidades dos anúncios e vinhetas. Os portfólios eram carregados para lá e para cá em pastas grandes o bastante para conter folhas de papel de diversos formatos e tamanhos. Era uma arte nobre, e um profissional qualificado que mostrasse um bom serviço para uma emissora logo seria requisitado por outras estações. Não em questão de minutos, mas certamente de horas, de forma que o conteúdo gráfico dos programas e anúncios tinha que ser estabelecido logo cedo, para que houvesse uma boa chance de se conseguir o que se queria a tempo de se gravar a imagem com a câmera ou exibi-la ao vivo. A pressão de tempo da televisão, bem como dos jornais, revistas e outras mídias, criaram uma nova necessidade, que os softwares vieram a atender plenamente. Introduzidos na década de 80, os computadores foram ganhando potência suficiente para serem capazes de rodar softwares sofisticados, de processamento gráfico pesado. Os sistemas especializados eram caros e requeriam longos períodos de treinamento para fazer a transição da “arte de papel” para a arte eletrônica. Os resultados foram impressionantes. Em geral, a arte

criada eletronicamente para a televisão era muito mais sofisticada em sua manipulação de imagens existentes que qualquer coisa que pudesse ser feita anteriormente. Evolução Nas duas últimas décadas, houve um processo de “democratização” da tecnologia. Em nenhum lugar isto é mais palpável que na área de gráficos e efeitos de vídeo. O retoque digital de imagens chegou a um nível de sofisticação que permite uma produtividade e criatividade incríveis, ao mesmo tempo em que o preço dos equipamentos e softwares despenca. O Photoshop e outros pacotes de softwares são agora onipresentes, usados para publicidade, produção, retoque fotográfico e até uso doméstico. Há pouco menos de uma década, o nível computacional exigido para um trabalho

novas plataformas de 64-bit permitirão trabalhos ainda melhores. profissional em design gráfico (para televisão ou outros propósitos) jogava todo o poder nas mãos do hardware. Hoje, PCs comprados pela Internet têm capacidade mais que suficiente, e os consumidores estão retocando suas próprias fotos em casa ao invés de recorrer aos antigos profissionais especializados (às vezes com resultados bem piores, é claro). Uma nova geração de artistas comerciais foi capacitada. Estes artistas não têm menos talento que seus 50

T ela

V iva

companheiros da década de 70, mas estão adaptados e lidam tão bem com mouses e tablets quanto com caneta, pincel e tinta. Eles têm habilidades que não estavam disponíveis a seus antecessores quando se graduaram ou entraram no mercado (muitos dos quais conseguiram fazer a transição com bastante competência). O paralelo com editores de filmes é total. Em ambos os casos, a tecnologia evoluiu para ferramentas poderosas, liberando os profissionais criativos para fazer coisas que antes só eram possíveis em sonhos. Formação Do ponto de vista técnico, todo o segredo da transição foi a educação de profissionais de hardware e software em tecnologias pelas quais eles tinham pouca ou nenhuma afeição. A ciência da cor desenvolveu-se por cerca de cem anos. A computação gráfica tem se tanto 20 anos de disseminação. Traduzir a ciência da reprodução da cor para o software vem sendo um processo interativo que se estende por muito tempo. Infelizmente, muitos dos primeiros sistemas de computação não levavam em conta questões de colorimetria, ou pelo menos não em um grau alto de importância. O segundo problema era que as placas de vídeo eram geralmente adaptadas para simplesmente dar saída em monitores de computador, com resultados muito ruins quando usadas em broadcast. Hoje há inúmeros hardwares disponíveis com saídas padrão SMPTE

ago 2 0 0 5


259M SD e SMPTE 292M HD. Os softwares também se sofisticaram e oferecem opções de colorimetria nos padrões ITU-R Rec 709 ou SMPTE 240M. É óbvio que deve-se tomar precauções ao se usar um desses softwares para criar gráficos que serão usados para impressão e para vídeo. O arquivo deve ter saídas diferentes para cada tipo de mídia. O uso de efeitos no broadcast começou ao mesmo tempo em que sistema “sérios” de gerador de caracteres e sistemas de computação gráfica tornaram-se acessíveis. No entanto, os primeiros softwares exigiam muito mais poder computacional que as máquinas da época eram capazes de oferecer, e freqüentemente usava-se os grandes mainframes, às vezes até computadores instalados em campi de universidades. A evolução não demorou, e já no fim dos anos 80 os softwares de efeitos para PCs já eram bem confiáveis. Hoje, as rendering farms (computadores ligados em rede para otimizar a renderização de imagens) e os desktops high-end criam imagens em alta resolução usando softwares capazes de modelar até mesmo

feições e movimentos animais e humanos com resultados incríveis. Quer criar uma animação com um logotipo? Qualquer computador pode fazer isso, usando um software de prateleira. Alguém pode se perguntar, logicamente, onde isso vai parar. Claramente, o poder de processamento dos computadores continua crescendo, seguindo a Lei de Moore. A Micorsoft lançou uma versão do Windows (Windows XP Professional x64 Edition) com processamento de 64-bit e hyperthreading. Aplicativos de gráficos e efeitos são um dos alvos destas novas tecnologias. Um software de mixagem de áudio afirma que terá um ganho de velocidade de 30% apenas por mudar de versão para o novo sistema operacional. O espaço de memória subiu de 4 GB para 128 GB, permitindo modelagens muito mais sofisticadas sem a necessidade de memória virtual. É lógico que aplicações que podem se beneficiar do hyperthreading e de mais memória ficarão mais poderosas e mais rápidas. É interessante observar que pelo menos pelos últimos 15 anos, os profissionais desta área preferem usar máquinas da Apple, graças a seu suporte considerado melhor para aplicações gráficas. O anúncio recente de que a Apple passaria a usar

T ela

V iva

ago 2 0 0 5

Sistemas de gráficos e efeitos evoluíram muito nos últimos 20 anos. Na parte esquerda da foto está um Chiron II, primeiro gerador de caracteres (GC) da Chyron, em uso na ABC mais de 30 anos atrás. O equipamento sozinho ocupava um rack inteiro. Do lado direito, os sistemas HyperX, Duet LEX, Duet LE e C-Mix, do mesmo fabricante, instalados na emissora WDBJ-TV em Roanoke, Virginia (EUA). Todos os equipamentos cabem no mesmo único rack.

as plataformas x86 deu um impulso à arquitetura Intel. A Apple ainda planeja adequar da melhor forma o hardware a seu ótimo sistema operacional OS X. Assim, voltamos ao começo. A chave para o desenvolvimento gráfico sempre foi a capacitação profissional, usando as ferramentas disponíveis para promover a criatividade e a eficiência nos negócios. Os novos formandos nas escolas de artes, universidades e centros de treinamento recebem a melhor tecnologia com o melhor treinamento artístico, o que vai gerar profissionais superiores e mais criativos, em um processo que não se esgota com o tempo. 51


( upgrade )

Baseado em Linux A empresa espanhola S.G.O. apresentará na IBC este ano o sistema de pós-produção Mistika HD. Trata-se de um sistema completo de pósprodução, incorporando edição, composição e efeitos, baseado em estações e servidores Linux. O Mistika será demonstrado em uma estação Linux com dois processadores Xeon e 4 Tb de armazenamento em discos Raid 5. A principal novidade da nova versão é capacidade de operar seu corretor de cores 10 bit para intermediação digital em tempo real. A nova versão também suporta ferramentas como vector scopes e sistemas de gerenciamento de préconfigurações de efeitos. A solução conta ainda com interpretação de gestos (movimentos do mouse) aprimorando o uso da interface pelo operador.

Nova solução da S.G.O. leva a edição, composição e efeitos à plataforma aberta.

DVDs mais rápidos A Sony elevou o nível de exigências em relação à velocidade de gravação de DVD com o lançamento de sua décima geração de gravadores. Os modelos em unidade interna DRU-810A e externa DRX-810UL suportam a mais rápida velocidade de gravação da indústria, chegando a 8X para mídias DVD+R de camada dupla. Assim, pode gravar até 8,5 GB de vídeo, dados, música ou imagens em mídia compatível em cerca de quinze minutos. A série 810 de gravadores de DVD também permite gravação 4X DVD+R de camada dupla, 16X DVD+/-R, 8X DVD+RW, 6X DVDRW, 48X CD-R e 32X CD-RW. As unidades vêm com uma suíte de software com recursos da Nero para gravação, autoria e edição de filmes domésticos, criação Novos gravadores da Sony permitem encher um disco de de álbuns de conteúdo digital e backup de 8,5 GB em quinze minutos. dados importantes.

52

T ela

V iva

ago 2 0 0 5


Splitters HD A Miranda apresenta pela primeira vez, durante a IBC, que acontece em Amsterdã no próximo mês, dois novos modelos de processadores digitais para multi-imagem. São o Kaleido Alto HD, com processador para dez entradas, e o Kaleido Quad, com processador para quatro entradas. O primeiro é uma versão HD para o Kaleido Alto e pode identificar automaticamente que tipo de sinal de vídeo está recebendo (HD-SDI, SDI e composto analógico). O equipamento aceita, em qualquer de suas dez entradas, todos os formatos de alta definição, mais os formatos composto analógico e SDI em 525/625. A saída é em DVI com resolução de até 1280 x 1024. Com um pequeno display, o equipamento oferece um monitor de áudio analógico ou AES, além de identificar a fonte do sinal, marcações de aspect ratio, e relógios/timers. O novo Kaleido Quad também identifica automaticamente que tipo de sinal de vídeo está recebendo (suportando HD-SDI, SDI e composto analógico). Ao contrário da maioria dos splitters de quatro entradas, esse modelo permite usar diferentes resoluções, tamanhos, aspect ratios e posições de telas. O equipamento, combinado com, um monitor LCD, pode ser uma boa alternativa para monitores CRT profissionais de alto custo. Uma versão com suporte apenas aos formatos SDI e composto também foi lançada.

Dois canais em uma caixa A Scopus já está apresentando uma forma de broadcasters migrarem do MPEG-2 para o MPEG-4 H.264. Na IBC 2005, a empresa apresentará o encoder UE-9000, que permite codificar um canal H.264 e outro MPEG-2 ou dois canais H.264, simultaneamente. Usando a compressão mais recente, é possível manter a qualidade do vídeo em MPEG2, mas salvando de 30% a 50% de banda. Pronto para o padrão DVB-S2, o UE-9000 também pode um modulador para transmissão via satélite. O equipamento apresenta ainda entradas de vídeo analógico e digital e até oito canais estéreo de áudio.


( agenda ) > AGOSTO 25 a 3/9 Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. São Paulo, SP. Tel.: (11) 3034-5538. E-mail: spshort@kinoforum.org. Web: www.kinoforum.org. 31 e 1º/9 Seminário Satélites 2005 O evento aborda aplicações que vêm impulsionando o desenvolvimento dos serviços satelitais em todo o mundo para além dos usos tradicionais, como o rádio digital, serviços de localização, educação à distância, acesso em banda larga, TV digital e muitos outros. Hotel Paulista Plaza, São Paulo, SP. Tel: (11) 3120-2351. E-mail: info@convergeeventos.com.br. Web: www.convergeeventos.com.br.

> SETEMBRO 9 a 13 IBC. Amsterdam RAI, Amsterdã, Holanda. Tel.: (44-20) 7831-6909. E-mail: registration@ibc.org. Web: www.ibc.org.

21 a 23 Broadcast & Cable, São Paulo. Tel.: (21) 3971-2000. Web: www.broadastcable.com.br. 22 a 6/10 Festival do Rio, Rio de Janeiro. Tel.: (21) 2543-4968. E-mail: info@estacaovirtual.com. Web: www.festivaldoriobr.com.br. 28 e 29 IV Tela Viva Móvel, ITM Expo, São Paulo, SP. Tel: (11) 3120-2351. E-mail: info@convergeeventos.com.br. Web: www.convergeeventos.com.br.

> OUTUBRO 12 a 15 I Festival Latino Americano de Vídeo Ambiental de Iraquara, BA. Tel: (71) 3332-8951 / 3332-8952. E-mail: festivalambiental@irdeb.ba.gov.br. Web: www.iraquara.ba.gov.br. 15 a 16 Mipcom Junior. Palais des Festivals, Cannes, França. Tel: (33-1) 4190-4440. Email: stephanie.brisson@reedmidem.com.

Web: www.mipcomjunior.com. 17 a 21 Mipcom. Palais des Festivals, Cannes, França. Tel.: (33-1) 4190-4567. E-mail: karine.sarfati@reedmidem.com. Web: www.mipcom.com.

25 a 30 9º Festival de Cinema Vídeo e DCine de Curitiba. Curitiba. PR. Web: www.festcinecuritiba.com.br. Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, São Paulo, SP. Tel.: (11) 3141-2548. E-mail: info@mostra.org. Web: www.mostra.org.

> NOVEMBRO 2 a 9 AFM — American Film Market. Santa Monica, California, EUA. Tel.: (1-310) 446-1000. E-mail: AFM2004@ifta-online.org. Web: www.ifta-online.org.


N達o disponivel


N達o disponivel

Revsita Tela Viva 152 - Agosto 2005  
Revsita Tela Viva 152 - Agosto 2005  

Revsita Tela Viva 152 - Agosto 2005

Advertisement