Issuu on Google+

ENTREVISTA��������������� 20 A ofensiva de Athayde no SBT

TECNOLOGIA�������������� 22 Emissora transmite vídeo sobre rede IP

TRIBUTAÇÃO�������������� 28 Fazenda descredencia produtoras do Simples

PRODUÇÃO  INDEPENDENTE������ 30 Iniciante conquista espaço na Record

Sempre na Tela Editorial��������������������������������������������������� 3 News ������������������������������������������������������� 4 Scanner��������������������������������������������������� 6 Figuras ������������������������������������������������� 10 Upgrade ����������������������������������������������� 12 Making of ������������������������������������������� 26 Videoshop ������������������������������������������� 32

pág

14

Agenda ������������������������������������������������ 33

Acompanhe as notícias mais recentes do mercado www.telaviva.com.br

ano13nº136MARÇO2004


N達o disponivel


editorial Um ano. Esse é o novo prazo mágico, a partir deste mês de março, para que o Brasil tenha uma definição de seu sistema de TV digital terrestre (DTV), determinado pela estrutura montada pelo governo federal e que está detalhada na matéria de capa desta edição. Não há como deixar de lado certo ceticismo, tanto em relação ao prazo quanto aos pos-

andrémermelstein andre@telaviva.com.br

síveis resultados de um trabalho deste porte. A história da DTV brasileira é como um novelo (ou uma novela?) que se desenrola cada hora em uma nova direção. No governo anterior a diretriz era essencialmente técnica. Foi a fase dos estudos do Grupo SET/Abert, da “emissora-piloto”. Os broadcasters lideravam a pesquisa e seus engenheiros

chegaram até a um veredicto sobre a melhor solução: o padrão japonês, que seria flexível o suficiente para oferecer HDTV, SDTV e mobilidade. No governo Lula a coisa se inverteu. Representantes do governo e universidades e associações, em sintonia com o CPqD, passaram a determinar a agenda, com um tom mais interdisciplinar e focado na questão da tão falada “inclusão digital”. Os broadcasters, afinal os maiores interessados e os que em última instância terão que pagar a conta da transição, ficaram afastados, pelo menos por enquanto. No final, nem uma nem outra linha acabam tocando nas questões centrais de uma decisão sobre o uso desta nova tecnologia. O governo deu apenas diretrizes “genéricas” no documento que definiu o funcionamento do SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital), dizendo que deveria haver espaço para novos entrantes e mecanismos de inclusão social. Fica a dúvida (e a torcida) se as diferentes instâncias de debates instaladas a partir deste mês poderão responder a algumas questões importantes: Quem ocupará os eventuais novos canais que venham a ser criados? Que modelo econômico sustentará a nova programação, seja em HDTV, seja em SDTV multicanal? Quem arcará com os custos da transição, o mercado publicitário, os radiodifusores, o governo? Como será o controle social destes canais? São coisas que nem sempre podem ser determinadas por uma lei ou uma resolução. A tecnologia tem um papel importante, mas a TV aberta, digital ou analógica, é um tema muito mais amplo, para ser discutido no contexto da comunicação social. A televisão, com sua importância na vida cultural, política e econômica brasileira, não pode ser tratada como um assunto de modulações e compressões, ou como um modelo teórico desvinculado da realidade. Só se fala no medo de “um novo PAL-M”. Mas o que será do conteúdo da TV brasileira nas próximas décadas preocupa bem mais.

Diretor e Editor Rubens Glasberg Diretor Editorial André Mermelstein Diretor Editorial Samuel Possebon Diretor Comercial Manoel Fernandez Diretor Financeiro Otavio Jardanovski Gerente de Marketing e Circulação Gislaine Gaspar Administração Vilma Pereira (Gerente), Gilberto Taques (Assistente Financeiro)

Editora de Projetos Especiais Sandra Regina da Silva Redação Lizandra de Almeida (Colaboradora) Sucursal Brasília Carlos Eduardo Zanatta (Chefe da Sucursal), Raquel Ramos (Repórter)

Arte Clau­dia G.I.P. (Edi­ção de Arte, Pro­je­to Grá­fi­co), ­­Rubens Jar­dim (Pro­du­ção Grá­fi­ca), Geral­do José Noguei­ra (Edi­to­ ra­ção Ele­trô­ni­ca) e Ricardo Bardal (Ilustração de Capa). Depar­ta­men­to Comer­cial Almir Lopes (Geren­te), Ale­xan­dre Ger­del­mann e Marcelo Kiyoshi Ochi (Con­ta­tos), Iva­ne­ti Longo (Assis­ten­te)

Editor Fernando Lauterjung Webmaster Marcelo Pressi Webdesign Claudia G.I.P.

Central de Assinaturas 0800 145022 das 8 às 19 horas de segunda a sexta-feira | Internet www.telaviva.com.br | E-mail subscribe@telaviva.com.br Redação (11) 2123-2600 E-mail telaviva@telaviva.com.br | Publicidade (11) 3214-3747 E-mail comercial@telaviva.com.br | Tela Viva é uma publicação mensal da Editora Glasberg - Rua Sergipe, 401, Conj. 605, CEP 01243-001. Telefone: (11) 2123-2600 e Fax: (11) 3257-5910. São Paulo, SP. | Sucursal Setor Comercial Norte - Quadra 02 - Bloco B sala 424B - CEP 70712-000. Fone/Fax: (61) 327-3755 Brasília, DF | Jornalista Responsável Rubens Glasberg (MT 8.965) | Impressão Ipsis Gráfica e Editora S.A. | Não é permitida a reprodução total ou parcial das matérias publicadas nesta revista, sem autorização da Glasberg A.C.R. S/A


Acompanhe aqui as notícias que foram destaque no último mês no noticiário online Tela Viva News.

Apos­ta na TV digi­tal Em dis­cur­so afi­na­do com o gover­no Lula e com o minis­tro das Comu­ni­ca­ções, Euní­cio de Oli­vei­ra, Pedro Jaime Zil­ler, pre­si­den­te da Ana­tel, duran­te a aber­tu­ra da Telex­po, no dia 2 de março, em São Paulo, res­sal­tou a impor­tân­cia que está sendo dada pelo gover­no ao Ser­vi­ço de Comu­ni­ca­ções Digi­tais (SCD) e ao Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de TV Digi­tal (SBTVD), até como fon­tes de inves­ti­men­tos no País. De acor­do com o pre­si­den­te da Ana­tel, com a defi­ni­ção do SBTVD, só para a con­ver­são dos 65 ­milhões de tele­vi­so­res ana­ló­gi­cos (com a com­pra de con­ver­so­res), há um mer­ca­do esti­ma­do em R$ 5,7 ­bilhões. Na conta de Zil­ler, pelo menos 60% dos usuá­rios de tele­vi­so­res ana­ló­gi­cos com­pra­ rão con­ver­so­res para a DTV. Ao preço médio de R$ 150 o con­ver­sor, chega-se ao mer­ca­do men­cio­na­do por Zil­ler. O pre­si­den­te da agên­ cia acres­cen­ta ainda mais US$ 1,5 ­bilhão de inves­ti­men­tos por parte das redes de TV para ade­quar seus equi­pa­men­tos à DTV.

CCS deba­te Lei Jan­di­ra A Comis­são de Regio­na­li­za­ção e Qua­li­da­de da Pro­gra­ma­ção do Con­se­lho de Comu­ni­ca­ ção ­Social (CCS) rea­li­zou no dia 2 de março uma audiên­cia públi­ca para deba­ter o pro­je­ to de lei (PL) que regu­la­men­ta o arti­go 221 da Cons­ti­tui­ção, esta­be­le­cen­do per­cen­tuais para a regio­na­li­za­ção da pro­gra­ma­ção, da depu­ta­da fede­ral Jan­di­ra Feg­ha­li (PC do B/ RJ). A depu­ta­da pediu aos con­se­lhei­ros do CCS que não sugi­ram modi­fi­ca­ções para evi­ tar a volta do pro­je­to à Câma­ra. Como este é um ano elei­to­ral, difi­cil­men­te o pro­je­to con­ se­gui­ria ser apre­cia­do pela Câma­ra, o que atra­sa­ria ainda mais a sua tra­mi­ta­ção. “Eu me com­pro­me­to a rea­li­zar modi­fi­ca­ções na lei ­depois de sua pro­mul­ga­ção, se for neces­ sá­rio, mas, por favor, não impe­çam esta lei de exis­tir”, pediu a depu­ta­da, dizen­do que já está con­ver­san­do com os sena­do­res, incluin­ do os da ban­ca­da evan­gé­li­ca.



tela viva março de 2004

Para o con­se­lhei­ro Rober­to Wag­ner, dois pon­tos do PL são incons­ti­tu­cio­nais. A pri­ mei­ra é a defi­ni­ção de pro­gra­mas cul­tu­rais, artís­ti­cos e jor­na­lís­ti­cos. Neste inci­so, fica esta­be­le­ci­do um per­cen­tual de até 10% para vei­cu­la­ção de pro­gra­mas reli­gio­sos, o que, segun­do Wag­ner, con­tra­ria a Cons­ti­tui­ ção por­que seria uma forma de dis­cri­mi­na­ ção reli­gio­sa. Outro ponto colo­ca­do como incons­ti­tu­cio­nal por Rober­to Wag­ner é a defi­ni­ção de pro­du­ção inde­pen­den­te, que, para ele, con­tra­ria a Cons­ti­tui­ção pois limi­ta o direi­to de tra­ba­lho. Evan­dro Gui­ma­rães, vice-pre­si­den­te de Rela­ções Ins­ti­tu­cio­nais das Orga­ni­za­ções Globo, tam­bém apre­sen­tou incons­ti­tu­cio­na­ li­da­des no texto. Uma delas seria a de se admi­tir a trans­mis­são de vídeo sob deman­ da por empre­sas de tele­co­mu­ni­ca­ções, permitido ape­nas para as ope­ra­do­ras de TV paga. Ele reco­men­dou ainda que o con­se­lho ouça a opi­nião de emis­so­ras regio­nais.

ABTA tam­bém  apon­ta pro­ble­mas Ale­xan­dre Annen­berg, dire­tor exe­cu­ti­vo da ABTA, pro­cu­rou mos­trar aos con­se­lhei­ros do CCS que as diver­sas moda­li­da­des de TV paga (cabo, MMDS e DTH) terão difi­cul­ da­de de cum­prir o esta­be­le­ci­do no pro­je­to de lei. Espe­ci­fi­ca­men­te a TV a cabo, na sua opi­nião, já cum­pre a regio­na­li­za­ção ao ofe­ re­cer um canal para pro­gra­mas edu­ca­ti­vocul­tu­rais e um canal comu­ni­tá­rio. Mas até hoje mui­tos des­ses ­canais não são uti­li­za­ dos jus­ta­men­te por falta de pro­gra­ma­ção dis­po­ní­vel. No caso do MMDS, o pro­ble­ma para se cum­prir o que deter­mi­na o pro­je­to de regio­na­li­za­ção está no fato de a tec­no­lo­ gia per­mi­tir o uso de no máxi­mo 31 ­canais e, em ­ outros casos, só podem ser uti­li­za­ dos 15 ou 16 ­canais. Para o DTH o pro­ble­ ma esta­ria no fato de sua auto­ri­za­ção ser para todo o ter­ri­tó­rio nacio­nal. Outro item colo­ca­do em dis­cus­são pela ABTA é a obri­ ga­to­rie­da­de da vei­cu­la­ção de 50% de pro­ gra­mas ou obras audio­vi­suais nacio­nais

nos ser­vi­ços sob deman­da das empre­sas de tele­co­mu­ni­ca­ções. Annen­berg pon­de­rou que, por se tra­tar de ser­vi­ços de deman­da do clien­ te, é impos­sí­vel cum­prir esta meta.

Con­se­lho Supe­rior  de Cine­ma Em ceri­mô­nia no Palá­cio do Pla­nal­to, o pre­ si­den­te Lula ins­ta­lou no dia 11 de feve­rei­ro o Con­se­lho Supe­rior do Cine­ma (CSC). Segun­do Orlan­do Senna, secre­tá­rio para o desen­vol­vi­ men­to das artes audio­vi­suais do Minis­té­rio da Cul­tu­ra, a ins­ta­la­ção do con­se­lho é o pri­mei­ro passo rumo à trans­for­ma­ção da Anci­ne em Anci­ nav (Agên­cia do Cine­ma e Audio­vi­sual). Após esta mudan­ça, de acor­do com Senna, o CSC deve ser trans­for­ma­do em Con­se­lho Supe­rior do Cine­ma e Audio­vi­sual. Para que tanto o con­se­lho quan­ to a futu­ra Anci­nav pos­sam de fato tra­ba­lhar com todo o setor audio­vi­sual, Senna ava­lia que será pre­ci­so fazer alte­ra­ções nas leis que regem o setor de cine­ma e o setor de TV. Espe­ci­fi­ca­ men­te no caso da tele­vi­são, Senna acha que a legis­la­ção é pouco abran­gen­te e neces­si­ta ser atua­li­za­da. Além disso, o secre­tá­rio acre­di­ta que a legis­la­ção do setor audio­vi­sual pre­ci­sa levar em conta a con­ver­gên­cia tec­no­ló­gi­ca. Veja a com­po­si­ção do CSC: • Minis­tros de Esta­do: José Dir­ceu (Casa Civil), Már­cio Tho­maz Bas­tos (Jus­ti­ça), Celso Amo­rim (Rela­ções Exte­rio­res), Anto­nio Paloc­ci (Fazen­ da), Gil­ber­to Gil (Cul­tu­ra), Luiz Fer­nan­do Fur­ lan (Desen­vol­vi­men­to, Indús­tria e Comér­cio Exte­rior), Euní­cio Oli­vei­ra (Comu­ni­ca­ções), Tarso Genro (Edu­ca­ção) e Luiz Gus­hi­ken (da Secre­ta­ria de Comu­ni­ca­ção de Gover­no e Ges­tão Estra­té­gi­ca da Pre­si­dên­cia da Repú­bli­ ca/Secom).

>>

• Repre­sen­tan­tes da área audio­vi­sual: Rober­to ­Farias (titu­lar) e Mari­za Leão (suplen­te); André Sturm (titu­lar) e Alain Fres­not (suplen­te); Giba Assis Bra­sil (titu­lar) e Vla­di­mir Car­va­lho (suplen­te); Car­los Eduar­do (titu­lar) e Rober­to

www.telaviva.com.br


N達o disponivel


Fran­co (suplen­te); ­Gabriel Priol­li (titu­lar) e Nel­son Hoi­neff (suplen­te); e Luiz Seve­ria­no Ribei­ro (titu­lar) e Edina Fujii (suplen­te). • Repre­sen­tan­tes da socie­da­de civil: Coset­te Alves (titu­lar) e Amir Laba­ki (suplen­te); Sil­ vio Da-Rin (titu­lar) e Car­los Ebert (suplen­ te); e Car­los Augus­to Macha­do Calil (titu­ lar) e Hei­tor Capuz­zo (suplen­te).

Novo pro­je­to para  o audio­vi­sual O pre­si­den­te Lula foi o con­vi­da­do de honra da pri­mei­ra reu­nião do Con­se­lho Supe­rior de Cine­ma. Ele ouviu uma expo­si­ção sobre o pro­je­to de reor­ga­ni­za­ção ins­ti­tu­cio­nal do setor audio­vi­sual que está sendo con­du­zi­do pelo Minis­té­rio da Cul­tu­ra, apre­sen­ta­da pelo secre­tá­rio do audio­vi­sual, Orlan­do Senna, e pelo seu asses­sor, ­Manoel Ran­gel. Uma das novi­da­des pro­pos­tas é a clara sepa­ ra­ção, legal e regu­la­tó­ria, das pla­ta­for­mas de tele­co­mu­ni­ca­ções e das audio­vi­suais. A idéia de pro­mo­ver essa sepa­ra­ção é garan­tir que, mesmo com as ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas ­atuais e futu­ras, os prin­cí­pios cons­ti­tu­cio­nais da comu­ni­ca­ção ­ social sejam garan­ti­dos; e tam­bém garan­tir a pro­te­ção da iden­ti­da­de cul­ tu­ral nacio­nal e das empre­sas bra­si­lei­ras que hoje pro­du­zem con­teú­dos audio­vi­suais. Outro ponto do pro­gra­ma de rees­tru­tu­ra­ção do setor diz res­pei­to à auto-sus­ten­ta­bi­li­da­ de da ati­vi­da­de de pro­du­ção audio­vi­sual. Serão cria­dos novos meca­nis­mos e ajus­ta­ dos meca­nis­mos ­atuais. Estas alte­ra­ções pas­sam por uma legis­la­ção nova (a pro­pos­ta da Lei Geral do Cine­ma e do Audio­vi­sual) e por uma rees­tru­tu­ra­ção ins­ti­tu­cio­nal da Anci­ne e da Secre­ta­ria do Audio­vi­sual. A Secre­ta­ria do Audio­vi­sual do MinC, pela pro­pos­ta colo­ca­da, deve ­ganhar melho­res ins­tru­men­tos de for­mu­la­ção de polí­ ti­cas. E o Con­se­lho Supe­rior de Cine­ma pas­ sa­ria a ser Con­se­lho Supe­rior de Cine­ma e Audio­vi­sual. Lula, segun­do ­ alguns dos par­ti­ci­pan­tes da reu­nião, gosta do dis­cur­so e do pro­je­to do Minis­té­rio da Cul­tu­ra. Os per­cal­ços para a con­so­li­da­ção des­tas ­idéias são mui­tos, entre­ tan­to. Pas­sam, pri­mei­ro, por um arre­don­da­



tela viva março de 2004

men­to da rela­ção com a TV. ­Depois, depen­ dem de diá­lo­go den­tro do setor de cine­ma. Por fim, pre­ci­sam enfren­tar o Con­gres­so Nacio­nal, já que o mode­lo audio­vi­sual atual, do qual a Anci­ne é o prin­ci­pal pilar, está fun­ da­men­ta­do em uma Medi­da Pro­vi­só­ria e em uma Lei que só podem ser alte­ra­das com o aval da Câma­ra e do Sena­do.

Mudan­ças na  Lei Roua­net Orlan­do Senna, secre­tá­rio para o desen­vol­vi­ men­to das artes audio­vi­suais do Minis­té­rio da Cul­tu­ra, disse que até o final de março o MinC deve enca­mi­nhar suas suges­tões para aper­fei­çoa­men­to da Lei Roua­net. No segun­do semes­tre o MinC deve pro­por alte­ra­ções na Lei do Audio­vi­sual. Segun­do Orlan­do Senna, as mudan­ças nas leis de incen­ti­vo pro­pos­tas pelo MinC têm como obje­ti­vo res­ga­tar sua fun­ ção pri­mor­dial, que é incen­ti­var a pro­du­ção inde­pen­den­te.

Fun­dos vol­tam à  Jus­ti­ça con­tra Glo­bo­par O grupo Globo ainda não está total­men­te livre do ata­que dos fun­dos GMAM Inves­t­ ment Funds Trust I, Foun­da­tion for ­Research e WRH Glo­bal Secu­ri­ties Poo­led Trust. Os três fun­dos avi­sa­ram no dia 8 de março que vão recor­rer à Ban­kruptcy Court de Nova York (uma espé­cie de corte de falên­cias) con­tra a deci­são da juíza Pru­den­ce Car­ter ­Beatty, que negou o pedi­do dos mes­mos fun­ dos para que a rees­tru­tu­ra­ção da dívi­da da Glo­bo­par fosse feita com base no Chap­ter 11. Trata-se de um capí­tu­lo da legis­la­ção de falên­cias dos EUA que esta­be­le­ce uma série de con­di­ções para uma empre­sa em difi­cul­da­des finan­cei­ras. Os fun­dos, que a Glo­bo­par diz serem todos orques­tra­dos pelo “fundo abu­tre” W.R. Huff, recla­mam uma dívi­da com a empre­sa de US$ 95 ­milhões. Em 19 de janei­ro, a juíza deci­diu, em audiên­ cia con­jun­ta, que os argu­men­tos do grupo Globo eram razoá­veis e não acei­tou o pedi­ do dos fun­dos para que o Chap­ter 11 fosse apli­ca­do. No dia 3 de março a ordem foi ofi­cial­men­te publi­ca­da. Os fun­dos que­rem que a Jus­ti­ça dos EUA seja inter­me­diá­ria na rene­go­cia­ção da dívi­da da Glo­bo­par. A defe­

sa do grupo Globo ­ baseia-se no prin­cí­pio de que a legis­la­ção bra­si­lei­ra é que deve ser apli­ ca­da nesse caso e que o grupo não tem ati­vos nos EUA que jus­ti­fi­quem o enqua­dra­men­to no Chap­ter 11. Ainda não há prazo para uma deci­ são sobre a ape­la­ção. A Glo­bo­par não se sur­preen­de com a deci­são dos fun­dos de recor­rer, reco­nhe­ce que esse direi­to é legí­ti­mo e aguar­da os pró­xi­mos pas­sos da Jus­ti­ça norte-ame­ri­ca­na sobre o caso para tra­çar sua estra­té­gia.

Abert espe­ra ter  Rede TV! e ­Record A Abert divul­gou nota ofi­cial sobre o des­li­ga­ men­to da Rede TV! e ­ Record de seu qua­dro de asso­cia­dos. A asso­cia­ção diz lamen­tar “pro­ fun­da­men­te” a saída da TV ­ Record de São Paulo e TV Omega do Rio de Janei­ro (Rede TV!), res­sal­tan­do que espe­ra con­tar, em algum “momen­to futu­ro”, com as duas empre­sas em seu qua­dro de asso­cia­dos. ­Record e Rede TV! dei­xa­ram a Abert em fun­ ção de desen­ten­di­men­tos sobre a forma com que a nego­cia­ção com o BNDES vem sendo con­du­zi­da pela asso­cia­ção. ­ Record e Rede TV!, ao lado do SBT e, em menor esca­la, da Ban­dei­ran­tes, enten­dem que o pro­gra­ma de apoio do gover­no aos gru­pos de comu­ni­ ca­ção não deve ser­vir para o paga­men­to de dívi­das, o que bene­fi­cia­ria sobre­tu­do à Globo, segun­do as empre­sas. O dis­cur­so em sen­ti­do con­trá­rio prega que a ajuda do gover­no venha a gru­pos que valo­ri­ zem a pro­du­ção e o con­teú­do nacio­nal, tese que conta com a sim­pa­tia da Secre­ta­ria de Comu­ni­ca­ção (Secom) e do pre­si­den­te do BNDES, Car­los Lessa, e que está em sin­to­nia com a cam­pa­nha de valo­ri­za­ção do con­teú­do nacio­nal pro­mo­vi­da pela Globo. Não é a pri­mei­ra vez que a ­Record deixa a Abert. O pri­mei­ro rom­pi­men­to vem de 1994. Em 1999, a emis­so­ra saiu da asso­cia­ção para fun­ dar a Abra­tel. Há dois anos, ­ Record, SBT e Ban­dei­ran­tes fun­da­ram a UniTV. Todas são asso­cia­ções que repre­sen­tam os inte­res­ses das emis­so­ras de TV.

x

www.telaviva.com.br


N達o disponivel


Vídeo-cená­rio O Estú­dio Preto e Bran­co vai par­ti­ci­par do Senna in Con­cert, com dire­ção de José Possi Neto. A festa em home­na­gem a Ayr­ ton Senna será rea­li­za­da no dia 20 de março, no está­dio do Pacaem­bu, em São Paulo, para cerca de 30 mil pes­soas. A pro­ du­to­ra será a res­pon­sá­vel pelo vídeo-cená­rio do even­to, que con­ta­rá com 15 ­telões ­móveis (de 3,30 m x 2,50 m cada), para dar supor­te tri­di­men­sio­nal às ima­gens pro­je­ta­das. A pro­du­to­ra esco­lheu, cole­tou, mon­tou e sin­cro­ni­zou as ima­gens do cená­rio que acom­pa­nha­rão os shows e os dis­cur­sos da festa. As telas des­li­zan­tes abri­rão espa­ços que for­mam peque­nos pal­cos para dis­cur­sos de cele­bri­da­des e auto­ri­da­des con­vi­da­das.

Agito em Sal­va­dor A pro­du­to­ra Alte­ro­sa Cine­ví­deo assi­na a cam­ pa­nha para os apa­re­lhos celu­la­res TIM, cria­da espe­cial­men­te para o Fes­ti­val de Verão de Sal­va­dor para a agên­cia Publi­ven­das. Com dire­ ção de cria­ção de Edmun­do Bravo, o filme foi diri­gi­ do por Tha­les Bahia e Lucas Gon­ti­jo, com um gran­ de supor­te de com­pu­ta­ção grá­fi­ca e ani­ma­ção.

Sob nova direção Paulo Men­don­ça assu­miu a dire­ção geral do Canal Bra­sil. Desde a cria­ção do canal, em 1998, ele era o seu dire­tor finan­cei­ro e con­ sul­tor do Grupo Con­sór­cio Bra­sil. O canal é uma joint-ven­tu­re entre a Glo­bo­sat e o Con­ sór­cio Canal Bra­sil — for­ma­do pelos cineas­ tas Luiz Car­los Bar­re­to, Zeli­to Viana, Marco Alt­berg, Aní­bal Mas­sai­ni e Rober­to Faria, além da Casa­blan­ca ­Finish House e do pró­ prio Paulo Men­don­ça. O exe­cu­ti­vo vem do mer­ca­do finan­cei­ro, tendo atua­do nas Bol­ sas de Valo­res de São Paulo e Rio de Janei­ ro, BM&F (Bolsa de Mer­ca­do­rias e Futu­ros), além de ter rotei­ri­za­do e diri­gi­do pro­du­ções de cine­ma. Wil­son Cunha, que acu­mu­la­va a dire­ção do Canal Bra­sil e do Mul­tis­how, dedi­ca-se agora inte­gral­men­te aos pro­je­tos deste últi­mo.



tela viva março de 2004

Cam­pa­nha bene­fi­cen­te Pela pri­mei­ra vez em seus 20 anos de exis­tên­cia a asso­ cia­ção bene­fi­cen­te cario­ca São Mar­ti­nho pro­cu­rou uma agên­cia de publi­ci­da­ de para divul­gar seu tra­ba­ lho e refor­çar sua marca. A agên­cia esco­lhi­da é a ­McCann-Erick­son Rio de Janei­ro, que criou a cam­pa­ nha “O tra­ba­lho pode ser um cami­nho sem volta”. A cam­pa­nha enfo­ca um dos maio­res dife­ren­ciais da asso­cia­ção, o pro­gra­ma “Mundo do Tra­ba­lho”, que pre­pa­ra ado­les­cen­tes caren­ tes para o mer­ca­do de tra­ba­ lho. A pro­du­ção é da Aca­de­ mia de Fil­mes, com dire­ção de Pie­tro Sar­gen­tel­li.

Refor­ma­ta­ção A Quan­ta Bra­sil, tra­di­cio­nal empre­sa de dis­tri­bui­ção de equi­pa­men­tos de áudio, acaba de ­entrar na área de equi­pa­men­tos de pro­du­ção audio­vi­ sual. A empre­sa lan­çou a esta­ção Prav­da, para cria­ção e edi­ção de vídeo, que vem com a solu­ção ­Liquid, da Pin­na­cle. Além disso, a Quan­ta está tra­zen­do para o País a linha de equi­pa­men­tos de áudio para o con­su­mi­dor final da M-Audio, entre eles a placa Revo­lu­tion 7.1, que tra­ba­lha com até oito ­canais de áudio em 24 bits/192 kHz.

Estre­la do Sul Os tes­tes do saté­li­te Estre­la do Sul 1, lan­ça­do pela Loral ­SkyNet no iní­cio do ano, serão encer­ra­dos no final deste mês de março. A par­tir daí, a empre­ sa lança o ser­vi­ço comer­cial­men­te. Lan­ça­do em janei­ro últi­mo, o satélite tem 41 trans­pon­ders, embo­ra ­falhas elé­tri­cas que apa­re­ce­ram após o lan­ ça­men­to ­ tenham redu­zi­do parte da capa­ci­da­de. Seis trans­pon­ders estão des­ti­na­dos à ­Boeing, que uti­li­za um sis­te­ma de comu­ni­ca­ção de dados via saté­li­te nos ­aviões. Qua­tro ou cinco serão ofe­re­ci­dos ao Bra­sil. Fotos: Divul­ga­ção


Shop­ping show

Polans­ki no Bra­sil O cineas­ta polo­nês Roman Polans­ki vem ao Bra­ sil em março para apre­sen­tar a maior retros­pec­ ti­va de sua obra já rea­li­za­da no País. A mos­tra é uma rea­li­za­ção do Sesc São Paulo e da Urs­zu­ la Gros­ka Pro­du­ções e acon­te­ce de 18 a 25 de março no Cine­Sesc, em São Paulo, e no Sesc Santo André. A pro­gra­ma­ção ­inclui sete cur­tasmetra­gens diri­gi­dos por Polans­ki ainda em sua terra natal, de 1957 a 1962, até a mais recen­te pro­du­ção, “O Pia­nis­ta”, pre­mia­do com o Oscar de ­melhor dire­ção. Tam­bém have­rá exi­bi­ções no Rio de Janei­ro, Belo Hori­zon­te e Curi­ti­ba. Mais infor­ma­ções sobre a mos­tra no Cine­Sesc, fone (11) 3082-0213.

O ParkS­hop­ping Bari­güi, de Curi­ti­ba, é o pro­ta­go­nis­ta da nova cam­pa­nha pro­du­zi­da pela Aca­de­mia de Fil­mes para a Loduc­ca. Refor­çan­do os dife­ ren­ciais do shop­ping nas áreas de lazer, gas­tro­no­mia e con­ su­mo, o filme tem dire­ção de Ané­sio ­ Júnior e foto­gra­fia de ‘Rambo’ ­Hebling ­Júnior.

Triân­gu­lo Minei­ro O Grupo Inte­gra­ção com­prou 50% do capi­tal ­social da Rede Inte­gra­ção, for­ma­da pelas emis­so­ras Inte­gra­ção, União e Ideal, afi­lia­das da Rede Globo na área do Triân­gu­lo Minei­ro. O grupo, per­ten­cen­te à famí­lia Siquei­ra Silva, era sócio da famí­lia Mari­nho na rede de afi­lia­das e, com a aqui­si­ção, passa a ter 100% das três emis­so­ras.

Pala­vras

Inter­na­cio­nal

A GW pro­du­ziu o novo comer­cial da Sal­fer, uma rede de lojas de ­móveis e de ele­tro­do­més­ti­cos do Sul do País. O comer­cial ins­ti­tu­cio­ nal “Pala­vras”, cria­do pela agên­ cia Pollo, Equi­pe e Borg­hoff, de Santa Cata­ri­na, mos­tra diver­sos ambien­tes de uma resi­dên­cia. Em cada espa­ço são des­ta­ca­dos peque­nos atos do coti­dia­no que tra­zem pra­zer e feli­ci­da­de às pes­soas.

A pro­du­to­ra pau­lis­ta­na Trat­to­ria está por trás do pri­mei­ro filme de uma cam­pa­nha inter­na­cio­nal cria­da pela Young & Rubi­ cam para a Dano­ne. O comer­cial, diri­gi­do por Gui­lher­me Rama­lho, será vei­cu­la­do em Por­tu­gal.

Canal pago edu­ca­ti­vo A TV Cul­tu­ra quer fazer um canal por assi­na­tu­ra dedi­ca­ do à pro­gra­ma­ção infan­til, total­men­te nacio­nal. Segun­ do o pre­si­den­te da Fun­da­ção Padre Anchie­ta, Jorge da Cunha Lima (foto), os divi­den­dos gera­dos pelo novo canal pago, dese­nha­do ini­cial­men­te sobre o acer­vo da emis­so­ra, serão rever­ti­dos em seu pró­prio bene­fí­cio. O canal deve gerar mais pro­du­ção para a rede aber­ta e fecha­da. “Vamos usar todos esses divi­den­dos para trans­for­mar a TV Cul­tu­ra num gran­de cen­tro de pro­du­ção para a Amé­ri­ca Lati­na”, diz Cunha Lima. O canal — ainda sem nome, até o fecha­men­to desta edi­ção — deve­rá estar total­men­te for­ma­ta­do até abril, de acor­do com Mauro Gar­cia, con­tra­ta­do pela Cul­tu­ra para desen­vol­ver o pro­je­to. Na sua pre­vi­são, a par­tir do pri­mei­ro ­milhão de assi­nan­tes o canal já esta­rá desen­vol­ven­do con­teú­do local iné­di­to em volu­me sig­ni­fi­ca­ti­vo.

Modu­la­dor nacio­nal O pro­je­to de TV digi­tal desen­vol­vi­do em par­ce­ria entre a ­Linear Equi­pa­men­tos Ele­trô­ni­cos e o Ina­tel (Ins­ti­tu­to Nacio­nal de Tele­co­mu­ni­ca­ções) foi apre­sen­ta­do na Telex­po, no iní­cio deste mês de março, em São Paulo. Trata-se de um modu­la­dor desen­vol­vi­do para ser uti­li­za­do em qual­ quer ­ padrão de TV digi­tal. Segun­do o Ina­tel, em tes­tes rea­li­za­dos, o modu­la­dor alcan­çou desem­pe­nho acima dos índi­ces deter­mi­na­dos pela Ana­tel.


Ele se chama Celso Franco Soares de Camargo, mas não tente chamá-lo pelo nome. Para o mercado, ele é o Not Dead, ou simplesmente Not. O apelido vem do tempo que era punk e skatista profissional. Fui me ins­cre­ver numa com­pe­ti­ção de skate e me dis­se­ram que eu pre­ci­sa­va ter um ape­li­do. Como eu era punk, disse Punk Not Dead. Aí virei o Not Dead.

Filho do publi­ci­tá­rio Fer­nan­do Soa­res de Camar­go, sem­pre teve con­ta­to com as áreas de pro­du­ção e cria­ção. Mas vivia do skate. Em 86, era ska­ tis­ta e fui con­vi­da­do para tra­ba­lhar na pro­du­ção do pro­gra­ma “Grito da Rua”. Foi quan­do tive con­ta­to pela pri­mei­ra vez real­men­te com a área. Aí veio o Col­lor e per­de­mos o patro­cí­nio tanto do pro­gra­ma quan­to do espor­te. Então uns agen­tes ven­de­ram umas apre­sen­ta­ções ­minhas para Por­tu­gal e aca­bei fican­do por lá um tempo.

Not dead

Em Por­tu­gal, Not come­çou a tra­ba­lhar num curso téc­ni­co em espe­tá­cu­los, que ofe­re­cia aulas de circo, tea­tro etc. Sua fun­ção era pre­pa­rar os equi­pa­ men­tos neces­sá­rios para as aulas. No curso, conhe­ceu outro Celso, que tinha sido câme­ra da Globo e esta­va tra­ba­lhan­do na equi­pe da nove­la por­ tu­gue­sa “A Ban­quei­ra do Povo”, pro­du­zi­da em sua maio­ria por bra­si­lei­ros. O dire­tor era o Wal­ter Avan­ci­ni e o pro­du­tor, o Luiz Car­los Labor­da. O amigo deu a dica que esta­vam pre­ci­san­do de pes­soas na equi­pe e Not foi lá con­fe­rir. A vaga era de con­tra-regra. Ao che­gar, topou com Labor­da, com­ple­ta­men­te estres­sa­do. Not não tinha a menor idéia do que fosse con­tra-regra e ficou espe­ran­do horas para ser entre­ vis­ta­do. Foi quan­do o pro­du­tor che­gou e gri­tou: “Então, você é mais um con­ tra-regra?” Na hora, Not res­pon­deu: “Não, ­senhor. Se exis­tem ­regras, são para serem cum­pri­das”. Foi enxo­ta­do ime­dia­ta­men­te. Ia sain­do quan­do outro pro­du­tor, deses­pe­ra­do, per­gun­tou se ele conhe­cia

Com pas­sa­gens pela DPZ, Calia Assun­ção e Publi­cis Sal­les Nor­ton, Fabia­no Beral­do (foto) é o novo con­tra­ta­do da Aca­de­mia de Fil­mes Inter­na­cio­nal. Ele vai uti­li­zar seu conhe­ci­men­to em aten­di­men­to na área inter­ na­cio­nal para aumen­tar a fatia de mer­ca­do da pro­du­to­ra.

A pro­du­to­ra pau­lis­ta­na Trat­to­ria con­tra­tou

Rena­to Amo­ro­so, que troca a car­rei­ra de

10 tela viva março de 2004

dire­tor de arte em agên­cias pela de dire­tor de comer­ciais. A con­tra­ta­ção, segun­do Eitan Rosen­ thal, da Trat­to­ria, “é mais uma opor­tu­ni­da­de do que uma estra­té­gia da empre­sa. Trata-se de um dire­tor que traz expe­riên­cia na esté­ti­ca publi­ci­tá­ria”.

A Digi­tal 21 refor­ça seu time com a con­tra­ta­ ção de André Wal­ler e ­Vivien Har­ris Carel­li. Wal­ler tra­ba­lha­va nos Estú­dios­Me­ ga como super­vi­sor de efei­tos em fil­mes publi­ ci­tá­rios e em lon­gas-metra­gens, tendo par­ti­ci­ pa­do de tra­ba­lhos como a cam­pa­nha “Mediz” (Gra­dien­te) e os fil­mes “Caran­di­ru” e “O Homem do Ano”. Antes, tra­ba­lhou na Cons­pi­ ra­ção Fil­mes e na Casa­blan­ca ­Finish. Já ­Vivien tra­ba­lhou por qua­tro anos na Cen­tral Globo de Pro­du­ção como edi­to­ra de video­gra­fis­mo. Tam­bém acu­mu­la pas­sa­gem pela ­Ogilvy, onde fez está­gio em com­pu­ta­ção grá­fi­ca.

Fotos: Gerson Gargalaka (Not Dead) e Divul­ga­ção


certo hotel e se pode­ria ir lá bus­car uma atriz da nove­la. Not não per­deu tempo. Falei que ia, ­peguei o carro e trou­xe a atriz. Quan­ do vol­tei, esta­vam todos deses­pe­ra­dos, que­ren­do saber quem eu era. Aí expli­quei que tinha sido man­da­do embo­ra, mas que não podia per­der aque­la chan­ce. O Avan­ci­ni gos­tou da minha ini­cia­ti­va e me cha­mou para ser assis­ten­te de pro­du­ção. Ainda

na Deze­no­ve, e em “Bicho de Sete Cabe­ças”, na Buri­ti. Con­ti­nua­va fazen­do de tudo um pouco, mas ­depois que apren­deu o que era, aca­bou gos­tan­do mesmo de ser con­tra-regra. Fico res­

em Por­tu­gal, teve a opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lhar em seu pri­mei­ ro longa-metra­gem, “A Casa dos Espí­ri­tos”. Fui assis­ten­te de

pon­sá­vel por admi­nis­trar tudo de obje­tos que tem a ver com os ato­res. O con­tra-regra é um link entre a dire­ção, o elen­co, a dire­ ção de arte e a con­ti­nui­da­de. A gente acaba desen­vol­ven­do uma rela­ção ótima com os ato­res, por­que temos que pas­sar segu­ran­ ça, mos­trar que tudo foi pre­pa­ra­do e que o ator pode con­fiar.

gar­çom, mas conhe­ci a Wyno­na Rider, a Glenn Close, o ­ Jeremy Irons.

Essa expe­riên­cia está fazen­do com que Not tam­bém seja requi­ si­ta­do em pro­du­ções de publi­ci­da­de. ­ Alguns fil­mes são com­

Em 94, vol­tou para o Bra­sil e foi tra­ba­lhar na pro­du­to­ra de even­tos de um cunha­do, onde fazia per­for­man­ces. O pro­du­tor Caio Gul­la­ ne, hoje sócio da Gul­la­ne Fil­mes, tam­bém era ator per­for­má­ti­co por lá. A ami­za­de o apro­xi­mou mais uma vez do cine­ma. Um dos pri­mei­ros fil­mes da pro­du­to­ra foi “Atra­vés da Jane­la”, de Tata Ama­ral, e Not esta­va na equi­pe. Nesse come­ço fiz de tudo, fui ator, pro­du­tor de arte, con­tra-regra, moto­ris­ta, pro­du­tor de loca­ção. ­Depois disso, ficou res­pon­sá­vel pela Man­são Jaf­fet, onde foi fil­ma­ do o “Cas­te­lo Rá-Tim-Bum”. Essa pro­fu­são de fun­ções ren­deu uma piada dos ami­gos, que gerou goza­ções por mais de três anos — e uma mudan­ça na ficha de ins­ cri­ção do nosso Guia Tela Viva. Receb ­ em ­ os a ficha de ins­cri­ção

pli­ca­dos, e em geral a publi­ci­da­de não tem con­ti­nuís­ta. Então ajudo a dire­ção de arte, con­cen­tran­do em mim tudo o que tem a ver com os ato­res, tiran­do a sobre­car­ga do assis­ten­te de dire­ ção. Esse mer­ca­do está sendo muito pro­mis­sor, mas na ver­da­ de o cine­ma é a gran­de pai­xão, por­que é onde a gente colo­ca nosso nome.

do Guia e me pedi­ram para assi­na­lar as fun­ções que desen­vol­via. Mar­quei uns três qua­dra­di­nhos e ­ alguém, para me zoar, foi lá e mar­cou mais um monte, todos de coi­sas que eu esta­va fazen­do no filme. Quan­do o Guia saiu, eu esta­va em onze fun­ções. Quase morri de ver­go­nha. A par­tir daí, o Guia Tela Viva pas­sou a con­fe­rir com

mais rigor as fun­ções que uma mesma pes­soa assi­na­la na ficha de ins­cri­ção. Em 96, deci­diu dar um tempo em Goiâ­nia, onde vive a famí­lia de sua espo­sa. Um ano tra­ba­lhan­do em publi­ci­da­de e a cida­de já come­çou a ficar peque­na. O pes­soal de São Paulo fica­va me ligan­do, pedin­do para eu vol­tar. De volta, fez quase todos os fil­ mes da Gul­la­ne, e tam­bém tra­ba­lhou com Car­los Rei­chen­bach

Marco Alt­berg gra­vou as pri­mei­ras ima­gens da quar­ta tem­po­ra­da da série “Joana e Mar­ce­lo”, pro­du­zi­da pela M.Alt­berg Cine­ma e Vídeo e exi­bi­do no canal Mul­tis­how. As cenas foram gra­va­das no sam­bó­dro­mo, duran­ te o ­ ensaio téc­­ni­co da Man­guei­­ra. No des­fi­le ofi­cial, Ale­xan­ dre Bor­­ges, no papel de Mar­ce­lo na série, saiu como o mari­do de Xica da Silva.

Em para­le­lo com seu tra­ba­lho nos lon­gas, Not man­tém o hobby do skate e come­çou a desen­vol­ver outra habi­li­da­de, diri­gin­do cli­pes para ban­das de Goiâ­nia. Essa inten­sa rela­ção com a cida­de, onde passa todas as ­férias, resul­tou num con­vi­te que já foi acei­ to: em abril, ele se muda para lá, onde pre­ten­de pas­sar seis meses do ano como dire­tor. Nos ­outros seis, vai con­ti­nuar tra­ba­lhan­do em lon­gas em São Paulo. Lá vou tra­ba­lhar com a agên­cia AMP Pro­ pa­gan­da e com a pro­du­to­ra Arte Supre­ma. Enquan­to isso, cole­cio­na his­tó­rias diver­ti­das dos lon­gas em que tra­ ba­lha. Em “Nar­ra­do­res de Javé”, por exem­plo, par­ti­ci­pou da equi­pe de fren­te, que foi para a vila de Game­lei­ra da Lapa, na Bahia, onde o longa foi roda­do. Quand ­ o che­ga­mos lá des­co­bri­mos que o pes­ soal era vizi­nho do lixo. Não tinha cole­ta, então reco­lhe­mos o lixo da cida­de intei­ra e come­ça­mos a fazer um tra­ba­lho de cons­cien­ti­za­ção com a popu­la­ção, ensi­nan­do as pes­soas a ensa­car o lixo. ­Fiquei conhe­ci­do como o gari da Game­ lei­ra. Hoje a pre­fei­tu­ra da cida­de vizi­nha manda o cami­nhão de lixo e a cida­de tem cole­ta.

Com a rees­tru­tu­ra­ção do “Jor­nal da Band”, a emis­so­ra conta com novos pro­fis­sio­nais em seu depar­ta­men­ to de jor­na­lis­mo. Car­los Nas­ci­ men­to (2) é o novo ânco­ra do tele­ jor­nal notur­no. Joel­mir ­Beting (1) ­en­trou como comen­ta­ris­ta eco­ nô­mi­co e Maria­na Fer­rão (3) , como edi­to­ra do tempo.

1

2

3

A Gemini Video está reestruturando sua matriz no Rio de Janeiro para melhorar sua oferta de serviços de tra­dução em legendagem e dublagem. O núcleo de serviços lingüísticos será coordenado por Sabrina Martinez, que cuidará da área de tradução de documentários e musicais. Nelson Rodrigues passa a coordenar a área de seriados e filmes e Nick Magrath cuidará da área de esportes e versões internacionais.


Cami­nhão de tec­no­lo­gia Pro­gra­ma­som monta uni­da­de móvel totalmente digital A Pro­gra­ma­som pôs na rua seu novo cami­nhão de pro­du­ ção. A uni­da­de móvel foi mon­ta­da no Bra­sil pela Car­bus, sobre um cami­nhão Volks­wa­gen. Inau­gu­ra­do na cober­tu­ra da últi­ma edi­ção do São Paulo Fas­hion Week, a uni­da­de móvel foi “cria­da para ter segu­ran­ça”, diz Mario Luiz Santi, sócio da pro­du­to­ra. A preo­cu­pa­ção foi tanto na segu­ran­ça físi­ca do cami­nhão, que é moni­to­ra­do via saté­li­te e conta com trava ele­trô­ni­ca que pode ser acio­na­da à dis­tân­cia; quan­to na con­fia­bi­li­da­de dos equi­pa­men­tos, que con­tam com fonte redun­dan­te e são ali­men­ta­dos por sis­te­ma elé­tri­co inte­li­gen­te e moni­to­ra­do. Com isso, mesmo no caso de uma pane elé­tri­ca ou falta de ener­gia, tudo den­tro do cami­nhão con­ti­nua fun­cio­nan­do, sem pau­sas. Equi­pa­do com um trans­for­ma­dor de 40 KVAs, o veí­cu­lo des­ti­ na 20 KVAs para os equi­pa­men­tos pró­prios. O res­tan­te pode ser para ali­men­tar equi­pa­men­tos exter­nos, como um video­ wall, por exem­plo. As entra­das de ener­gia supor­tam 380 V, 220 V e ainda gera­dor. O no-break garan­te o fun­cio­na­men­to dos equi­pa­men­tos por ­ alguns minu­tos, enquan­to a fonte de ener­gia é tro­ca­da para gera­dor, em caso de um ble­cau­te. O cami­nhão tem sus­pen­são a ar, para evi­tar cho­ques na parte inter­na, e pés hidráu­li­cos, per­mi­tin­do nive­lar o veí­cu­lo quan­ do esta­cio­na­do em vias incli­na­das. Assim, pode-se cor­ri­gir um des­ní­vel de até 65 cm. Conta ainda com iso­la­men­to tér­mi­co/ acús­ti­co e dois con­di­cio­na­do­res de ar. Quan­to aos equi­pa­men­tos de pro­du­ção, a uni­da­de móvel da O switcher digital da Ross permite a saída de dois sinais independentes.

Mario Luiz Santi e os controles de câmera: capacidade para até 12 unidades.

Pro­gra­ma­som está toda pre­pa­ra­da para pro­du­zir no for­ma­to 16:9, con­tan­do com seis câme­ras Sony D50 e 12 con­tro­les remo­ tos de câme­ras. “O cine­gra­fis­ta só apon­ta a câme­ra, o resto é con­tro­la­do de den­tro do cami­nhão”, expli­ca Santi. Todos os equi­pa­men­tos são man­ti­dos em fase pelo gera­dor de pulso ­Leitch 1601. A moni­to­ra­ção téc­ni­ca é feita por equi­ pa­men­tos Ross. A fabri­can­te foi quem for­ne­ceu o rotea­dor Kon­dor 32 x 32 e o swit­cher digi­tal com pai­nel de con­tro­le ­Synergy 100. Os moni­to­res do swit­cher são todos Sony, de cris­tal líqui­do. O cami­nhão é equi­pa­do ainda com con­ver­so­res ana­ló­gi­co/digi­tal, dois VTRs Beta ana­ló­gi­cos, dois VTRs Beta digi­tal, VTR DVCAM e DVD. “Como o swit­cher Ross per­mi­te dar duas saí­das, uma pode ir com logo­ti­po da emis­so­ra, vinhe­ tas e reló­gio e a outra é gra­va­da ‘­limpa’”. O cami­nhão conta tam­bém com uma ilha de edi­ção Avid ­XPress. Para o futu­ro, Santi pla­ne­ja com­prar oito ­ replays EVS, para gerar sinal ao vivo e ainda gra­var todas as câme­ras em sepa­ra­do. O veí­cu­lo é equi­pa­do com uma sala para áudio, iso­la­da acus­ti­ca­ men­te. Nela, estão a mesa de 40 ­canais Sound­craft e as cai­xas de refe­rên­cia, tudo da Yama­ha, e um CD pla­yer ­Newark. A comu­ni­ca­ção é feita por um equi­pa­men­to Zeus, que pode ter um Nex­tel conec­ta­do para garan­tir que toda a comu­ni­ca­ ção seja feita pelo mesmo equi­pa­men­to. Segun­do Mario Luiz Santi, a pro­du­to­ra inves­tiu no cami­nhão cerca de R$ 2 ­milhões. www.programasom.com.br

Fotos: Divulgação

12 tela viva março de 2004


N達o disponivel


Contra o relógio O Brasil tem, a partir de agora, um ano para escolher seu sistema de TV digital. Nesse período, um padrão nacional será desenvolvido, comparações com os estrangeiros serão feitas e o modelo de negócios será definido. Essa é a teoria. A prática ninguém conhece.

C

14 capa

março de 2004

Come­çou a cor­rer no dia 10 deste mês de março o aper­ta­dís­si­mo prazo de 12 meses para que seja defi­ ni­do qual ­padrão de TV digi­tal ter­res­tre o Bra­sil ado­ ta­rá. A não ser que haja um novo decre­to mudan­do esse prazo, é a últi­ma data de um pro­ces­so que já se arras­ta desde 1999, quan­do foram ini­cia­dos os pri­ mei­ros tes­tes com os ­padrões inter­na­cio­nais em solo bra­si­lei­ro. Ao final des­ses 12 meses, o gover­no pre­ci­ sa­rá dizer qual o mode­lo de negó­cios da TV digi­tal bra­si­lei­ra, qual a tec­no­lo­gia, qual a polí­ti­ca indus­trial ine­ren­te, quais as par­ce­rias inter­na­cio­nais e quais as mudan­ças regu­la­tó­rias neces­sá­rias. Muita coisa, por­ tan­to, pre­ci­sa­rá acon­te­cer até março de 2005. Mas a pri­mei­ra delas já com­preen­de um pro­ble­ma sem pre­ ce­den­tes na his­tó­ria do País: coor­de­nar o tra­ba­lho de cerca de 32 ins­ti­tui­ções de pes­qui­sa com mais de 130 pes­qui­sa­do­res. E a pri­mei­ra ques­tão que se colo­ca é: será que esse pro­ble­ma tem solu­ção? O pre­si­den­te Lula fez uma opção por desen­vol­ver um sis­te­ma bra­si­lei­ro de TV digi­tal. Quer ter uma opção nacio­nal para com­pa­rar com os três ­padrões de TV digi­tal exis­ten­tes no mundo na hora de esco­lher. Para usar ana­lo­gia de um dos inte­gran­tes do gover­no mais envol­vi­do com o pro­ces­so, não se deci­diu rein­ven­ tar a roda, mas fazer um novo carro, “tal­vez com um motor­zi­nho ­ melhor”. Uma espé­cie de Gur­gel da TV digi­tal (essa com­pa­ra­ção não é do gover­no), desde que, é claro, esse carro encon­tre um futu­ro ­melhor para o seu sis­te­ma do que encon­trou Ama­ral Gur­gel com sua fábri­ca nacio­nal de veí­cu­los.

A pri­mei­ra etapa do tra­ba­lho será, então, coor­de­ nar as pes­qui­sas des­sas 32 ins­ti­tui­ções. Em novem­bro de 2003, o Minis­té­rio das Comu­ni­ca­ções reu­niu todas elas em Cam­pi­nas, clas­si­fi­cou cada pes­qui­sa­dor em rela­ção às suas capa­ci­da­des de desen­vol­ver pro­je­tos em cada uma das áreas das pes­qui­sas e pas­sou a dese­ nhar um mode­lo de como gerir esse tra­ba­lho. A pri­mei­ra cons­ta­ta­ção é que o volu­me de pes­qui­ sas em cada uma das áreas é desi­gual. Por exem­plo, as pes­qui­sas rela­cio­na­das a ter­mi­nais de recep­ção de TV digi­tal têm ape­nas nove pes­qui­sa­do­res capa­ci­ta­dos. As pes­qui­sas de difu­são e aces­so têm bem mais: 75. Já as pes­qui­sas em ser­vi­ços e con­teú­do têm cerca de 45 pes­ soas no Bra­sil que o gover­no iden­ti­fi­cou como capa­zes de desen­vol­ver tra­ba­lhos na área. A idéia do gover­no é tam­bém enco­men­dar pes­ qui­sas com base na capa­ci­da­de de cada ins­ti­tui­ção. Esse tra­ba­lho come­ça agora. A par­tir de março, será dado um prazo muito curto para que as uni­ver­si­da­ des digam o que que­rem e o que podem fazer. O Grupo Ges­tor, que é a ins­tân­cia do gover­no res­pon­ sá­vel por admi­nis­trar o dia-a-dia dos tra­ba­lhos de desen­vol­vi­men­to do ­ padrão bra­si­lei­ro, vai rece­ber essa mon­ta­nha de pro­pos­tas, olhar uma a uma, deci­ dir o que se encai­xa ou não se encai­xa no pro­je­to, qual o prazo neces­sá­rio para cada uma das eta­pas, qual o mon­tan­te de recur­sos a ser alo­ca­do naque­la tare­fa espe­cí­fi­ca e enco­men­dar o rela­tó­rio. É claro que o Grupo Ges­tor, for­ma­do por téc­ni­cos de oito minis­té­rios e Ana­tel, não tra­ba­lha­rá sozi­nho, pois


samuelpossebon samuca@paytv.com.br

seus inte­gran­tes não estão dedi­ca­dos ape­nas à TV digi­tal. Cabe­rá ao CPqD, como ins­ti­tui­ção con­tra­ta­da, ope­ra­cio­ na­li­zar esse tra­ba­lho de rece­bi­men­to de pro­pos­tas, aná­li­se, repas­se de ver­ bas, con­so­li­da­ção dos rela­tó­rios. Pare­ ce lou­cu­ra? O Minis­té­rio das Comu­ ni­ca­ções, que coor­de­na o tra­ba­lho, garan­te que não. Pre­ten­de usar mode­ los infor­ma­ti­za­dos de geren­cia­men­to de pes­qui­sas e ­ cobrar as ins­ti­tui­ções pelo bolso. Ao todo, estão alo­ca­dos do Funt­tel (fundo de pes­qui­sa tec­no­ló­gi­ ca em tele­co­mu­ni­ca­ções) cerca de R$ 65 ­ milhões para essa pri­mei­ra etapa do tra­ba­lho. Além disso, lem­bra um dos inte­ gran­tes do Grupo Ges­tor, já exis­te hoje muita pes­qui­sa em anda­men­to, pra­ti­ ca­men­te con­cluí­da. Do total de pes­qui­ sa­do­res, cerca de 80 são dou­to­res que vêm há ­ alguns anos desen­vol­ven­do seus tra­ba­lhos na área. Esse não é o

momen­to, diz uma fonte do Mini­com, de incen­ti­var novas pes­qui­sas no Bra­ sil sobre TV digi­tal. Não há tempo. “É pre­ci­so apro­vei­tar quem já está tra­ba­ lhan­do”, diz. O que o gover­no faz é, no máxi­mo, enco­men­dar com­ple­men­tos à pes­qui­sa para que ela se encai­xe no que­bra-cabe­ça. Outra coisa que não será ban­ca­da pelo gover­no, pelo menos não nesse momen­ to, é a gera­ção de con­teú­do para TV digi­tal. “É impor­tan­te ter em mente que, sem ­ nenhum inves­ti­men­to do gover­ no, muita coisa já foi pro­du­zi­da”, lem­ bra a fonte do Grupo Ges­tor. Prazo apertado Se todo o que­bra-cabe­ça tem 12 meses para ser mon­ta­do, quan­to tempo terão os 130 aca­dê­mi­cos para entre­gar seus tra­ba­lhos? Segun­do o gover­no, não mais do que qua­tro,

cinco meses. É pro­vá­vel que as ins­ti­ tui­ções de pes­qui­sa se aglu­ti­nem para oti­mi­zar o tra­ba­lho e ­ ampliar as ver­ bas. O gover­no quer que isso acon­te­ ça. Dessa forma, serão menos pro­je­tos e menos rela­tó­rios a serem ana­li­sa­dos. Cada pro­pos­ta de pes­qui­sa entre­gue ao gover­no tem que ter cro­no­gra­ma, orça­men­to, exe­cu­ção orça­men­tá­ria. Mas quem fis­ca­li­za o tra­ba­lho? Essa fun­ção deve ficar com o CPqD, ape­sar das crí­ti­cas que sur­gem nos meios aca­ dê­mi­cos em rela­ção ao espa­ço que o gover­no dá a esse ins­ti­tu­to, que é hoje uma fun­da­ção pri­va­da. Na visão do Grupo Ges­tor, exis­ tem ­ alguns pro­ble­mas poten­ciais que devem sur­gir daqui para fren­te. O pri­mei­ro é gente que apa­re­ce­rá em cima da hora pedin­do dinhei­ro para pes­qui­sar algo que não esta­va con­ tem­pla­do no pro­je­to ini­cial. ­Depois, o gover­no prevê que algu­mas uni­ver­si­da­ des devem ­entrar em con­fli­to duran­te o pro­ces­so, até por uma com­pe­ti­ti­vi­ da­de natu­ral exis­ten­te nesse meio. A rela­ção com o CPqD tam­bém deve ser foco de atri­tos. Tam­bém há o pro­ble­ ma de cap­tu­ra dos pes­qui­sa­do­res bra­ si­lei­ros pelos ­ padrões inter­na­cio­nais, que dis­põem de muito mais recur­sos e enca­ram a ques­tão da TV digi­tal bra­ si­lei­ra não como um pro­je­to de gover­ no, mas sim como um negó­cio em que vão inves­tir o que for neces­sá­rio. No ano pas­sa­do, reve­la uma fonte, ­alguns pes­qui­sa­do­res foram con­vi­da­dos para ir ao exte­rior conhe­cer labo­ra­tó­rios dos ­ outros ­ padrões. Tam­bém foram aber­tas ­ linhas de finan­cia­men­to de pes­qui­sas espe­cí­fi­cas para os ­ padrões

>>


inter­na­cio­nais, ban­ca­das por seus paí­ses de ori­gem e/ou deten­to­res de royal­ ties. Esse fato em si não é um pro­ble­ma, na visão do gover­no. “Só é impor­tan­te que se man­te­nha o com­pro­ mis­so da neu­tra­li­da­de na pes­qui­sa”, diz um obser­ va­dor do Mi­ni­com. Quem deci­de qual­quer coisa, no final das con­tas, é o Comi­ tê de De­sen­vol­vi­men­to, onde estão dez minis­tros e o pre­si­den­te da Repú­bli­ca.

organograma Projeto SBTVD

Comitê de Desenvolvimento

Grupo Gestor

Órgão executor (CPqD)

Mode­lo de negó­cios Ven­ci­da a etapa de coor­ de­na­ção das pes­qui­sas, pre­ci­sa­rá ser equa­cio­na­da a parte mais com­ple­xa do tra­ba­lho, que é a defi­ni­ção do mode­lo de negó­cios. As esco­lhas tec­no­ló­gi­cas sem dúvi­da influen­ciam nas pos­si­bi­li­da­ des de ser­vi­ços e, por­tan­to, de mode­los eco­nô­mi­cos da TV digi­tal. É por isso que algu­mas dis­cus­sões devem ocor­rer para­le­la­men­te. Mas falar em mode­lo de negó­cios tal­vez não seja a expres­são mais ade­ qua­da. Isso por­que o gover­no não parte da pre­mis­sa que a TV digi­tal tenha que prio­ri­zar o lucro das empre­sas de radio­ di­fu­são. “Trata-se de uma ini­cia­ti­va de gover­no. Por­tan­to, não esta­mos pen­san­ do no jogui­nho em pri­mei­ro lugar, mas

16  tela viva

março de 2004

Comitê Consultivo

sim nas pos­si­bi­li­da­des de edu­ca­ção, saúde e inclu­são digi­tal”, diz a fonte do Grupo Ges­tor, lem­bran­do que exis­ tem ­ outras ­ opções de entre­te­ni­men­to digi­tais. A TV, pensa o gover­no, é uma fer­ra­men­ta de inclu­são. Esse é o ponto onde está o maior pro­ ble­ma poten­cial, que é o rela­cio­na­men­ to com os radio­di­fu­so­res. Até 2002, as redes de TV e suas ins­ti­tui­ções, como a SET (Socie­da­de Bra­si­lei­ra de Enge­nha­ ria de Tele­vi­são) ou a Abert (Asso­cia­ ção Bra­si­lei­ra das Emis­so­ras de Rádio e Tele­vi­são) desem­pe­nha­vam papel cen­ tral no pro­ces­so de estu­dos do ­ padrão de TV digi­tal. Elas con­du­ziam os tes­ tes, ainda sob o acom­pa­nha­men­to da Ana­tel. Elas cria­vam as neces­si­da­des. Mobi­li­da­de e alta defi­ni­ção tor­na­ram-

se as pre­mis­sas bási­cas dos radio­ di­fu­so­res, que enten­dem que esses são os dois úni­cos cami­nhos que po­de­rão garan­tir a exis­tên­cia da TV dian­te da evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca de ­ outros meios, como tele­fo­nia ce­lu­lar e redes banda larga. Para o gover­no, inte­ra­ti­vi­da­de e alter­ na­ti­vas de baixo cus­tos são mais im­por­tan­tes. Os deba­tes sobre o mode­lo serão tra­va­dos no Comi­tê Con­sul­ ti­vo. Trata-se de um órgão auxi­ liar onde o gover­no vai colo­car todo mundo que quer dar pal­pi­te nas pes­qui­sas e nos tra­ba­lhos refe­ren­tes à TV digi­tal. A mon­ ta­gem desse comi­tê come­çou ape­ nas em março deste ano, ape­sar das pres­sões de algu­mas ins­ti­tui­ções que gos­ta­riam de estar envol­vi­das dire­ta­ men­te no tra­ba­lho do Grupo Ges­tor. Para não criar con­fli­tos de cha­mar um e não cha­mar outro, foi cria­do o tal comi­tê, um ­ balaio onde par­ti­ci­ pam desde asso­cia­ções seto­riais até enti­da­des repre­sen­ta­ti­vas da socie­da­ de. Como e o que sairá do tra­ba­lho desse comi­tê, nin­guém ainda sabe. Tam­bém não se sabe se as opi­niões dos “con­sul­to­res” terão algum peso efe­ti­vo, até por­que nem sem­pre deve haver con­sen­so. As ­ opções de mode­lo a serem ana­li­sa­das vão desde uma com defi­ni­ ção ­ padrão de ima­gem (e, por­tan­to, a pos­si­bi­li­da­de de cria­ção de múl­ti­


plos ­ canais com inte­ra­ti­vi­da­de) até uma com alta defi­ni­ção (e, por­tan­to, ape­nas um canal) com mobi­li­da­de e inte­ra­ti­vi­da­de. Entre as ­ opções a serem olha­das pelo gover­no, não há alter­na­ti­va sem inte­ra­ti­vi­da­de. É a “obses­são” do Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de TV Digi­tal, para usar a pala­vra pre­fe­ ri­da do pre­si­den­te Lula. ­Depois, vem a etapa de com­pa­ra­ ções, em que o Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de TV Digi­tal será com­pa­ra­do com os ­demais ­padrões exis­ten­tes no mundo; e então o Comi­tê de Desen­vol­vi­men­to toma­rá a sua deci­são, orien­tan­do o pre­ si­den­te da Repú­bli­ca. Nessa com­pa­ra­ção, o gover­no não vai tes­tar os dife­ren­tes mode­los no mer­

ca­do, isso é óbvio. Mas como saber se um deter­mi­na­do mode­lo é viá­vel eco­no­ mi­ca­men­te? Não tem como. Quem vai dizer isso é o bom-senso, a expe­riên­cia inter­na­cio­nal e o Comi­tê Con­sul­ti­vo, diz uma fonte. Estudo de cenários O que deve ser ana­li­sa­do são as variá­veis, os cená­rios pos­sí­veis. Esse estu­do de cená­rios havia sido enco­ men­da­do pela Ana­tel ao CPqD em 2001. Pro­va­vel­men­te as mes­mas pre­ mis­sas devem ser rea­pro­vei­ta­das. A aná­li­se teó­ri­ca das ­ cadeias de valor envol­vi­das no negó­cio de tele­vi­são digi­tal é algo que faz parte do pro­je­to de tra­ba­lho do grupo.

os Padrões e seus Mercados

Países

Número atual de TVs* EUA, Canadá e  269 ATSC Coréia do Sul União Européia 207 DVB-T Polônia, Rússia,  147 DVB-T Turquia e Índia 8 Austrália e  DVB-T Nova Zelândia 362 Total DVB-T 88 Japão ISDB 282 Indefinido China 54 Brasil Padrão

Lares Lares só com com TV* recepção terrestre* 127 (2,1/lar) 27 (21% dos lares)  148 (1,4) 72 (48%) 147 99 (67%)  8 6 (74%) 303 44 (2,0) 282 39 (1,4)

177 (58%) 20 (46%) 206 (73%) 31 (80%)

Fontes: Informa Media Group, “Global Digital TV”, 2003; e IDATE, “The World Television Market”, 2002

Todos os dados se referem ao ano de 2000



* em milhões

Aliás, o tra­ba­lho, pelo menos na pran­che­ta, está divi­di­do em três ­níveis. Será feita uma aná­li­se socioeco­nô­mi­ca, onde serão con­si­de­ra­dos os usos da TV digi­tal, será feito um mapea­men­to de longo prazo da eco­no­mia, a aná­li­se das ­ cadeias de valor para que então se ima­gi­ne que mode­los pode­rão ser explo­ra­dos. Para­le­la­men­te, será feita uma aná­li­ se tec­no­ló­gi­ca, com o levan­ta­men­to das tec­no­lo­gias, das poten­cia­li­da­des, das neces­si­da­des. Tam­bém será feita uma aná­li­se polí­ti­co-regu­la­tó­ria para que se iden­ti­fi­quem neces­si­da­des de mudan­ças no arca­bou­ço de leis e regu­ la­men­tos deman­da­dos pela rea­li­da­de digi­tal da TV. Daí sai­rão as dire­tri­zes polí­ti­cas e regu­la­tó­rias que orien­ta­ rão o mode­lo de negó­cios. Pare­ce com­ple­xo, e é. Nin­guém sabe como tudo vai aca­bar, mas a apos­ta do gover­no nesse mode­lo de pes­qui­sa, aná­li­se e com­pa­ra­ção é séria. Em ­ outros tem­pos, o gover­no esta­ria pres­sio­na­do pelo tempo e pelo risco de per­der o bonde. Como a TV digi­tal enfren­ta pro­ble­mas em todos os luga­res em que foi implan­ ta­da, o gover­no está tran­qüi­lo. Mas tam­bém há quem ache que está mais do que na hora de o Bra­sil come­çar a viver esses pro­ble­mas na prá­ti­ca, como quem apren­de a andar de bici­ cle­ta, sob o risco de não apren­der nunca como se faz. O cro­nô­me­tro está cor­ren­do. ­

x


N達o disponivel


N達o disponivel


entre­vis­ta

Ima­gem limpa

A

Anto­nio Athay­de é um homem de TV. ­Depois de idas e vin­das entre dife­ren­tes gru­pos e até de expe­riên­cias fora do setor, o exe­cu­ti­vo assu­miu, em setem­bro do ano pas­sa­do, a supe­rin­ ten­dên­cia comer­cial do SBT. E no final de feve­rei­ro colo­cou suas car­tas na mesa: um plano para res­ga­tar a ima­gem da rede junto ao mer­ca­do anun­cian­te, inves­tin­do em rela­cio­na­men­to e sis­te­mas de aten­di­men­to moder­ni­za­dos. Athay­de diri­giu no pas­sa­do a área comer­cial da Globo. ­ Depois ocu­pou os car­gos de CEO da Net Bra­sil e de dire­ tor da Glo­bo­par. Teve ainda uma breve pas­sa­gem pela TV Ban­dei­ran­tes. Para a emprei­ta­da no SBT, jun­tou uma turma de pro­fis­sio­nais expe­rien­tes, com pas­ sa­gens impor­tan­tes no setor de TV por assi­na­tu­ra, como Cláu­dio San­tos (exdi­re­tor comer­cial da Glo­bo­sat) e Adal­ ber­to Vian­na (ex-dire­tor geral da Sky e da ope­ra­do­ra de celu­lar Ame­ri­cel, e até recen­te­men­te na Direct­Net, pro­ve­dor de aces­so à Inter­net em banda larga). A meta para este ano é cres­cer em 20% o share da emis­so­ra de Sil­vio San­tos sobre um dis­pu­ta­do bolo publi­ci­tá­rio, do qual a Globo detém cerca de 80% (entre as ver­bas para TV). Isso sem per­der de vista o ata­que das ­outras redes, que tam­bém anun­ciam pla­nos para con­quis­tar o segun­do lugar. Tela Viva - O SBT come­ça a por em prá­ti­ca agora algu­mas medi­das que vinha anun­cian­do dede o ano pas­sa­do, para melho­rar o rela­cio­na­men­to com o mer­ ca­do. Quais são elas? Anto­nio Athay­de - Vamos criar o cargo de ombuds­man,

20 tela viva mar­ço de 2004

que será exer­ci­do por uma empre­sa exter­na, de um pro­fis­ sio­nal com trân­si­to no mer­ca­do, nas agên­cias. O nome está sendo defi­ni­do. Esta pes­soa tam­bém fará parte do Con­se­lho de Mer­ca­do, que esta­mos mon­tan­do. Será com­pos­to por 15 pro­fis­sio­nais, entre repre­sen­tan­tes de agên­cias, for­ne­ce­do­ res e asso­cia­ções, com reu­niões tri­mes­trais. O obje­ti­vo é melho­rar a rela­ção da emis­so­ra com o mer­ca­do, ouvir mais as quei­xas e suges­tões. Outra novi­da­de é o MMA (Módu­lo Mer­ca­do Anun­cian­te, sis­te­ma que per­mi­te que as agên­ cias façam reser­va de mídia dire­ta­men­te atra­vés de seus sis­te­mas inter­nos).

A estratégia de Antonio Athayde para melhorar o relacionamento do SBT com o mercado anunciante e aumentar seu share publicitário. ­ utras emis­so­ras, como ­ Record e O Band, estão inves­tin­do em pro­gra­ma­ ção para melho­rar seu share. Como você vê a luta pelo segun­do lugar?

Essa luta ainda não exis­te na prá­ti­ca, por­que não se refle­tiu na audiên­cia. A prin­cí­pio a con­cor­rên­cia é boa, faz a gente agir, mas ainda não deu para sen­tir. E quan­to à Globo? Como ata­car o dese­qui­lí­brio entre a audiên­cia, que em ­alguns horá­rios até empa­ta (com a pro­gra­ma­ção infan­til mati­nal, por exem­plo), e a recei­ta publi­ci­tá­ria?

O share de publi­ci­da­de da Globo vem em boa parte da qua­li­da­de da cober­tu­ra. Não em rela­ção aos domi­cí­lios alcan­ça­ dos, mas na boa rela­ção da rede com a comu­ni­da­de. Parte do suces­so está por trás do vídeo, não na fren­te. Tam­bém se deve ao aten­di­men­to comer­cial. É isso que esta­mos ata­can­do, mon­tan­do uma equi­pe ­melhor, melho­ran­do o aten­di­men­to com estas medi­das cita­das ante­rior­men­te, inclu­si­ve com um sis­te­ma de boni­fi­ca­ções mais inte­li­gen­te. Isso ­inclui mudan­ças na pro­gra­ma­ção?

Dian­te da dis­pa­ri­da­de, quais os nos­sos ati­vos? Temos o paco­te de fil­mes da War­ner e Dis­ney (N.E.: a emis­so­ra reno­vou no ano pas­sa­do e até 2009 o con­tra­to de US$ 100 ­milhões com os estú­dios War­ner, que ­inclui block­ bus­ters como os fil­mes de Harry Pot­ter e seria­dos como “­Friends”, “ER” e “Small­vil­le”. Este ano a rede deve exi­bir suces­sos como “O ­Senhor dos Anéis - A Socie­ da­de do Anel”, “Onze ­Homens e Um Segre­do” e “De Olhos Bem Fecha­dos” entre ­outros). E temos o pró­prio Sil­vio San­tos, que é o maior ven­de­dor da TV bra­si­lei­ra, além dos ­outros apre­sen­ta­do­res da casa, como Hebe, Rati­ nho e Gugu.

Foto: Ger­son Gar­ga­la­ka


Mesmo com audiên­cia, as empre­sas não resis­tem a vin­cu­lar suas mar­cas a nomes “popu­la­res”?

Há um pre­con­cei­to do mer­ca­do publi­ci­tá­rio, mas aí entra o nosso tra­ba­lho, de trans­for­mar audiên­cia em fatu­ra­men­to. Meu obje­ti­vo é aumen­tar nosso share (par­ti­ci­pa­ção no bolo publi­ci­tá­rio das TVs) em 20% no pri­mei­ro ano. No pró­xi­mo ano não sei, uma hora esse cres­ ci­men­to bate num teto. Aí, se não tiver outra pro­gra­ma­ção, como espor­te e jor­na­lis­mo, você não atrai um anun­cian­te que só aparece nestes pro­gra­mas, não atrai uma parte do bolo. E nesse caso não vale a pena inves­tir em pro­du­ção inde­pen­den­te?

Sou a favor, e já temos ­alguns casos aqui, como o SBT Rural (da GGP, pro­du­to­ra do Gugu), o pro­gra­ma da Sônia Abrão (da Câme­ra 5) e a Marí­lia Gabrie­la. Mas a estru­tu­ra da casa hoje está sub-apro­vei­ta­da. Se o Sil­vio qui­ser, dá para pro­du­zir mais inter­na­men­te. Qual sua visão da regio­na­li­za­ção da pro­du­ção?

Esta é uma coisa na qual vamos inves­tir esse ano, em breve tere­mos novi­da­des a anun­ciar.

Será um tra­ba­lho por ­regiões, não por emis­ so­ra. Esta­mos agora na iden­ti­fi­ca­ção das ­regiões. Mas sou con­tra a obri­ga­to­rie­da­de. A regio­na­li­za­ção vai acon­te­cer onde o mer­ ca­do com­por­tar. Nos EUA, a TV aber­ta vem per­den­do audiên­cia, e con­se­qüen­te­men­te re­cei­ ta, para o cabo e ­ outros veí­cu­los. Há futu­ro para o mode­lo tra­di­cio­nal do broad­cast, de con­teú­do sus­ten­ta­do por publi­ci­da­de?

Nossa rea­li­da­de é muito dife­ren­te da ame­ ri­ca­na. Lá não há mais dife­ren­ça entre TV aber­ta e cabo ou saté­li­te, já que quase toda a popu­la­ção rece­be todos os ­canais pela TV paga. O jovem nem sabe mais a dife­ren­ça entre a ABC, CBS e NBC e os ­ canais por assi­na­tu­ra. Mas de qual­quer forma o mode­ lo de TV aber­ta já não é mais o mesmo. Há ­várias for­mas de fatu­ra­men­to “não mídia”, como os ser­vi­ços por tele­fo­ne (tipo 0300). É só ver a força das ações de mer­chan­di­sing. Anti­ga­men­te, um deter­mi­na­do pro­du­to apa­ re­cia casual­men­te numa nove­la ou pro­gra­ ma. Hoje o ator ou apre­sen­ta­dor inter­rom­ pe o texto para falar da marca.

andré­mer­mels­tein andre@tela­vi­va.com.br

Como fica­ria então o mode­lo para a TV digi­tal ter­res­tre? Há espa­ço para mais ­ canais? O mer­ca­do ban­ca­ria uma pro­gra­ma­ção em HDTV?

Pri­mei­ro, eu acho que o gover­no, com essa sua pro­pos­ta de inter­na­cio­na­li­za­ ção, tem uma opor­tu­ni­da­de de ouro. Deve­ria pro­cu­rar a Índia, a China, o Paquis­tão e os ­ outros paí­ses da Amé­ ri­ca Lati­na e criar um ­ padrão único. Faria assim pres­são sobre os fabri­can­ tes para cons­truir fábri­cas nes­ses paí­ ses, trans­fe­rir tec­no­lo­gia, redu­zir royal­ ties. Agora, nessa comis­são que foi mon­ta­da para dis­cu­tir a TV digi­tal não tem nin­guém do negó­cio. Mas quem é que vai pagar a conta disso? As emis­ so­ras, que vão ter que moder­ni­zar seu par­que, não estão sendo cha­ma­das. Quan­to ao mode­lo, ima­gi­no que a saída seria um híbri­do, com parte em SDTV mul­ti­ca­nal e parte em HD, prin­ci­pal­ men­te fil­mes, por­que já exis­te um acer­ vo, e trans­mis­sões ao vivo.

x


tecnologia fernandolauterjung

Verão via  rede IP

fernando@telaviva.com.br

P

Rede paranaense usa a infra-estrutura

Para fazer a cober­tu­ra jor­na­lís­ti­ca duran­te o verão no lito­ral do Para­ná, a RPC - Rede Para­naen­se de Comu­ ni­ca­ção, afi­lia­da à Rede Globo, usou um recur­so tec­ no­ló­gi­co sim­ples e bara­to. As maté­rias pro­du­zi­das nas ­praias de Mati­nhos e Gua­ra­tu­ba, do perío­do de alta tem­po­ra­da até o Car­na­val, foram envia­das à emis­so­ra, em Curi­ti­ba, usan­do a rede da Bra­sil Tele­com. Tanto as repor­ta­gens pré-gra­va­das quan­to as entra­das ao vivo foram trans­mi­ti­das atra­vés de rede IP, usan­do com­pac­ ta­ção MPEG-2. “Como não há enla­ces de microon­das entre Mati­ nhos e Curi­ti­ba, a solu­ção encon­tra­da foi uti­li­zar trans­ mis­são por canal de dados de uma car­rier (a Bra­sil Tele­com) uti­li­zan­do vídeo codi­fi­ca­do MPEG-2 sobre IP conec­ta­do a uma rede ether­net”, expli­ca o supe­rin­ ten­den­te de enge­nha­ria da RPC, Enio Ser­gio Jaco­mi­no. projeto verão 2004

Tráfego de vídeo sobre ip

Microondas Par trançado Fibra óptica

22 tela viva março de 2004

de telefÔnica para transmitir vídeo sobre IP e faz a cobertura jornalística no litoral sem investir em links de microondas.

Assim, o depar­ta­men­to de enge­nha­ria da RPC optou por usar a Bra­sil Tele­com como car­rier do sinal. “Mas eles só pode­riam ofe­re­cer o ser­vi­ço se a trans­mis­são fosse atra­vés de uma rede ether­net”, expli­ca Jaco­mi­no, que cha­mou a Ster­ling do Bra­sil para tra­ba­lhar con­jun­ ta­men­te na solu­ção. Foram usa­dos dois equi­pa­men­tos para fazer a trans­ mis­são: o Codec VRX-8100, um enco­der de vídeo/áudio MPEG-2 com pro­to­co­lo IP fabri­ca­do pela Ai-Pixel, e o deco­der tipo set-top box Ami­NET103, da Amino. O equi­pa­men­to Ai-Pixel, segun­do o dire­tor da Ster­ling do Bra­sil, Nes­tor Almei­da, conta com qua­tro ­canais para strea­ming, cada um com sto­ra­ge sepa­ra­do, tota­li­zan­do entre 320 Gb e 1 Tb, con­for­me a ver­são do equi­pa­men­to. Usan­do esses qua­tro ­canais, o equi­pa­ men­to trans­mi­te o vídeo em uma banda de até 8 Mbps. Para atin­gir esta velo­ci­da­de, a RPC con­tra­tou da Bra­sil Tele­com qua­tro ­ linhas E1. “Como a últi­ma milha da Bra­sil Tele­com usa rede de par tran­ça­do, pois demo­ra­ ria muito para ins­ta­lar fibra ópti­ca, foram neces­sá­rios ­vários ajus­tes. Os rotea­do­res tive­ram de ser tro­ca­dos e ‘­afinados’”, expli­ca Jaco­mi­no. Na ope­ra­ção “Pro­je­to Verão” o sinal do strea­ming passa por um rotea­dor e é trans­for­ma­do em qua­tro flu­ xos E1 que, atra­vés de ­modems, são enca­mi­nha­dos ao POP da car­rier em Mati­nhos para entra­rem na rede. Da mesma forma, em Curi­ti­ba, do POP da BrT qua­ tro flu­xos E1 vão até a sede da emis­so­ra e, atra­vés de ­modems e de um rotea­dor, trans­for­mam-se num fluxo

>>


N達o disponivel


só de entra­da no deco­der Amino. Jaco­ mi­no expli­ca que nesta con­fi­gu­ra­ção, para este tipo de ope­ra­ção, é impor­tan­ te que a car­rier dis­po­ni­bi­li­ze uma cone­ xão E1 de boa qua­li­da­de, assim como rotea­do­res com boa capa­ci­da­de de pro­ ces­sa­men­to, para que o sis­te­ma fique oti­mi­za­do e se ­extraia toda a qua­li­da­de pos­sí­vel de vídeo com o VRX-8100. Jun­ta­men­te com o enco­der MPEG2 veio o soft­wa­re Ai-Pixel Con­trol, que fica ins­ta­la­do num com­pu­ta­dor local ou remo­to da rede e é uti­li­za­do como um con­so­le de con­tro­le para o VRX-8100, per­mi­tin­do que se ajus­te as con­fi­gu­ra­ ções de vídeo e áudio (tipo da fonte de vídeo, for­ma­to do vídeo, qua­li­da­de da taxa de trans­por­te, esco­lha da fonte de entra­da, taxa de dados para o áudio, taxa de amos­tra­gem do áudio etc.). Nele se con­fi­gu­ra tam­bém o ende­re­ço de IP do equi­pa­men­to. Além disso, vem com ­outros dois con­tro­les para gra­va­ção e repro­du­ção de vídeo que não foram uti­li­za­dos den­tro do pro­je­to pro­pos­to. São eles: o Ai-Pixel Pla­yer, ins­ta­la­do

24 tecnologia

março de 2004

nos com­pu­ta­do­res remo­tos da rede que estão rece­ben­do ou moni­to­ran­do os flu­ xos mul­ti­cast, que tem a fun­ção de cap­ tu­rar esses flu­xos per­mi­tin­do que se moni­to­re o vídeo num VGA e tam­bém a taxa do fluxo que está sendo trans­mi­ ti­da; e o Info Value Soft­wa­re Deco­der, que, ins­ta­la­do num com­pu­ta­dor com uma placa de vídeo de boa qua­li­da­de, per­mi­te a deco­di­fi­ca­ção e con­ver­são do sinal em ana­ló­gi­co. O enge­nhei­ro da RPC expli­ca ainda que, com os qua­tro ­ canais de entra­da, o VRX-8100 per­mi­te que se faça o strea­ ming por um canal enquan­to o usuá­rio tra­ba­lha com os ­ outros três, inclu­si­ve gra­van­do e/ou edi­tan­do atra­vés do recur­so do sto­ra­ge de 80 Gb por canal, o que dá ver­sa­ti­li­da­de ao equi­pa­men­to e múl­ti­plas pos­si­bi­li­da­des ao usuá­rio, que pode efe­tuar todas estas ope­ra­ções remo­ta­men­te. A cober­tu­ra com­preen­dia dois bal­ neá­rios, o de Mati­nhos e o de Gua­ra­ tu­ba, mas as duas cida­des são sepa­ra­ das por uma baía. Para com­ple­tar a ope­ra­ção foi neces­sá­rio ainda um link de microon­das entre as duas cida­des,

usan­do equi­pa­men­tos por­tá­teis. Entre emis­so­ras O plano de Enio Jaco­mi­no agora é usar este sis­te­ma para fazer a trans­mis­são entre as emis­so­ras da rede no Esta­do do Para­ná. “A qua­li­da­de e a faci­li­da­de que o equi­pa­men­to pro­por­cio­na estão ple­na­men­te com­pa­tí­veis com o ­padrão que é exi­gi­do para trans­mis­sões de jor­na­lis­mo, aí incluí­dos even­tos espor­ti­ vos”, garan­te o enge­nhei­ro. “Com isto con­se­gui­mos via­­bi­li­zar a trans­mis­são de maté­rias ao vi­vo e pré-gra­va­das, a qual­quer momen­to do dia ou da noite”, com­ple­ta. Além disso, Jaco­mi­no diz que, no ca­so das trans­mis­sões fei­tas a par­tir do lito­ral, seria neces­sá­rio um inves­ti­men­ to de cerca de R$ 90 mil só na aqui­si­ ção dos enla­ces de microon­das. “Com esse sis­te­ma, não pre­ci­sa­mos com­prar os enla­ces e nem arcar com os cus­tos de manu­ten­ção das tor­res”, diz. Com o sis­te­ma usado, a RPC inves­tiu na com­ pra do deco­der Amino (US$ 250 FOB) e do enco­der AiPi­xel com 320 Gb (US$ 6,8 mil FOB).

x


N達o disponivel


m ­ aking of PRAIA PELO RALO Seguin­do o mesmo espí­ri­to da pre­mia­da cam­pa­nha dos apa­re­lhos celu­la­res Nokia, vol­ta­da para o públi­co jovem, a agên­cia Lew, Lara criou um filme espe­cial para a divul­ga­ção do even­to Nokia ­Trends, que levou o DJ Fat­boy Slim para uma apre­sen­ ta­ção no Rio de Janei­ro. O públi­co, afi­nal, é o mesmo. “Assim

como nos ­ demais fil­mes, opta­mos pela lin­gua­gem do humor, mas neste caso cria­mos um clima para a festa, enfa­ti­zan­ do o even­to e não exa­ta­men­te o con­vi­da­ do”, expli­ca o dire­tor de aten­di­men­to à Nokia, Ricar­do Al Makul. O filme mos­tra a equi­pe de pro­du­ção do show, que está mon­tan­do o palco numa

praia deser­ta. Quan­do tudo está quase pron­to, dois pro­du­to­res per­ce­bem que a faixa de areia é muito estrei­ta. Os dois con­fa­bu­lam, até que um sai reso­lu­to: cami­nha até a água e tira a tampa do ralo do mar. A água escoa, a praia fica mais ampla e logo ­depois come­ça o show, com muita ani­ma­ção.

Clima do sho w O filme foi roda­do numa praia deser­ta, na reser­va da Maram­baia, no Rio de Janei­ro. No local, a pro­du­to­ra cons­truiu um esque­le­to do palco, ape­nas como refe­ rên­cia para a pós-pro­du­ção. Em dois dias de fil­ma­gem, foram roda­das as cenas rela­ti­vas ao show (duran­te o dia, com cerca de cem figu­ran­tes), e tam­bém a cena do ralo. Para a pós-pro­du­ção, foram ­outros 25 dias. Foi aí que todo o palco foi reto­ca­do, rece­ben­do a ilu­mi­na­ ção pro­fis­sio­nal do show e tam­bém o telão, que repro­duz ­vídeos. A gale­ra da pla­téia foi mul­ti­pli­ca­da e toda a luz foi tra­ba­lha­da em com­pu­ta­ção grá­fi­ca, para dar o clima do show. “Pre­fe­ri­mos fil­mar o palco e as pes­soas duran­te o dia para apro­vei­tar a diá­ria e tam­bém para con­se­guir cap­tar mais infor­ma­ções na pelí­cu­la”, expli­ca o dire­tor de efei­tos espe­ciais, Rodol­fo Patro­cí­nio. “Fica mais fácil con­tro­lar tudo no com­pu­ta­dor”, conta. Como o show foi no Ater­ro do Fla­men­go e a loca­ção era total­men­te deser­ta, tam­bém foi cria­do um skyli­ne do Rio de Janei­ro em com­pu­ta­ção grá­fi­ca.

S é r i e d e e f ei­ t o s A cena do ralo exi­giu um tra­ba­lho de efei­tos mecâ­ni­cos e ele­trô­ ni­cos. Em pri­mei­ro lugar, foram cons­truí­dos o mock-up do ralo e da tampa, com quase um metro de diâ­me­tro. O ralo era super­fi­ cial e foi ins­ta­la­do na praia, para a fil­ma­gem ao vivo. Na pró­pria praia, foi ins­ta­la­da uma caixa ­d’água de dez mil ­litros, com uma bomba aco­pla­da. De den­tro da caixa ­d’água, o pro­du­tor que vem tirar a tampa do ralo é fil­ma­do, como numa fil­ma­gem sub­ma­ri­ na, e com isso se criou o efei­to do nível da água bai­xan­do.

24 making of

março de 2004


lizan­dra­deal­mei­da lizan­dra@tela­vi­va.com.br

Cap­ ta­ção das i ma­ g e n s Para dar a dimen­são das dis­tân­cias e do skyli­ne da praia, foram cap­ta­das ima­gens a par­tir de uma ponte a 30 ­metros de altu­ra. ­Depois, em estú­dio, foi man­ti­da a mesma rela­ção de câme­ra, com os ele­men­tos na mesma pro­por­ção. “A maré, na ver­da­de, esta­va bem mais baixa do que apa­re­ce no filme. Ins­ta­la­mos o ralo em um lugar seco, onde a água não che­ga­va, e toda a água foi cria­da em com­pu­ta­ção grá­fi­ca”, expli­ca Rodol­fo. Para isso, foi uti­li­za­do o soft­wa­re Sof­ti­ma­ge XSI, que aju­dou a criar as par­tí­cu­las e o rede­moi­nho, já que o ralo super­fi­cial não tinha suc­ção. “Cap­ta­mos a água tam­bém em ­ várias situa­ções, para criar tex­tu­ras. Fize­mos ­várias ima­gens da água em sala preta, para cap­tar os high­lights. Na hora da com­po­si­ção, usa­mos as ima­gens da praia, ima­gens cria­das em 3D e os high­ lights de estú­dio”, con­ti­nua.

icha téc­ni­ca fClien­te Nokia • Agên­cia Lew, Lara • Pro­du­to Nokia T­ rends • Dire­ção de Cria­ção ­ Jaques Lew­ko­wicz e Marco Ver­so­la­to • Cria­ção André Lau­ren­ti­no, Bráu­ lio Kuwa­ba­ra, Mar­git Jun­gin­ger, Nando Zena­ri • Pro­ du­ção (vivo) Cine • Pro­du­ção (efei­tos ­visuais) Digi­ tal 21 • Dire­ção Jean ­ Benoit • Dire­ção de Efei­tos ­Visuais Rodol­fo Patro­cí­nio • Foto­gra­fia Jean ­Benoit • Fina­li­za­ção Digi­tal 21 • Tri­lha Sax Anp

S u p or­t e n a w e b Toda a cam­pa­nha de Nokia ­Trends tem um forte supor­te na Inter­net. Além das infor­ma­ções de praxe, o site tam­bém ofe­re­ce brin­des ele­trô­ni­cos como músi­cas, ima­gens e salva-telas para quem o aces­sa. Um dia ­depois do show, o site já tra­zia fotos e ­ vídeos. “É no site que tudo acon­te­ce, é uma nova forma de con­teú­do, reu­nin­do arte digi­ tal e músi­ca ele­trô­ni­ca”, afir­ma Ricar­do.


tributação raquelramos raquel@paytv.com.br

Complicação  no Simples

O

28 tela viva março de 2004

O pro­ble­ma não é exclu­si­vo do setor audio­vi­sual, mas está acer­tan­do em cheio as pro­du­to­ras de vídeo: a Recei­ta Fede­ ral está cor­ren­do atrás de todas as empre­sas cadas­tra­das no sistema Sim­ples e reven­do o regi­me de con­tri­bui­ção. Com isso, as pro­du­to­ras estão cain­do em uma cate­go­ria em que os impos­tos são mais ele­va­dos e, como se isso não bas­tas­se, ainda pre­ci­sam pagar supos­tas dívi­das atra­sa­das com o Fisco. Após rece­ber esta noti­fi­ca­ção, as pro­du­to­ras ten­tam se recu­ pe­rar do susto e orga­ni­zar uma ação de defesa. As noti­fi­ca­ções come­ça­ram a ser rece­bi­das entre agos­to e setem­bro de 2003. Segun­do a asses­so­ria de impren­sa da Recei­ta Fede­ral, esta fis­ca­li­za­ção é uma ati­vi­da­de de roti­na. As empre­sas que se cadas­tram no Sim­ples estão sujei­tas a uma fis­ca­li­za­ção. Quem não esti­ver den­tro de qual­quer um dos cri­té­rios de enqua­dra­men­to é auto­ma­ti­ca­men­te noti­fi­ca­do do seu des­ca­das­tra­men­to. A asses­so­ria infor­ma ainda que qual­quer empre­sa des­ca­das­tra­da pode recor­rer da deci­são por meio das dele­ga­cias esta­duais da Recei­ta. ­Por exem­plo, não podem optar pelo Sim­ples empresas com fatu­ra­men­to acima de R$ 120 mil para microem­pre­sas e R$ 1,2 ­milhão para peque­nas empre­sas; empre­sas cons­ti­tuí­das sob forma de socie­da­de por ações; quan­do o titu­lar ou sócio par­ti­ci­par de mais de 10% do capi­tal de outra empre­sa e a recei­ta glo­bal ultra­pas­se o limi­te de R$ 1,2 ­milhão; empre­sa que pres­te ser­vi­ços pro­fis­sio­nais de ator, empre­sá­rio, dire­ tor ou pro­du­tor de espe­tá­cu­los e de qual­quer pro­fis­são cujo exer­cí­cio depen­da de habi­li­ta­ção pro­fis­sio­nal legal­men­te exi­gi­da etc. O site da Recei­ta Fede­ral usa, inclu­si­ve, a ati­vi­ da­de de pro­du­ção de vídeo para exem­pli­fi­car aque­las que não pode­riam nunca ter se cadas­tra­do no Sim­ples. Segun­do a pro­du­to­ra de cine­ma Assun­ção Her­nan­des, nas noti­fi­ca­ções rece­bi­das não está claro qual foi o cri­té­rio usado para o des­ca­das­tra­men­to. Além disso, a noti­fi­ca­ção pede o paga­men­to de impos­tos retroa­ti­vos. Até agora, a empre­sá­ria con­se­guiu con­ta­tar pelo menos 105 pro­du­to­ras que estão com o pro­ble­ma, mas é pos­sí­vel que este núme­ro seja até maior. “O que que­re­mos é con­se­guir che­gar até a Recei­ta Fede­ral para expli­car que somos empre­sas pro­du­ti­

Receita Federal descredencia produtoras do sistema especial de impostos.

vas. Além disso, que­re­mos enten­der qual foi o cri­té­rio usado para esse des­ca­das­tra­men­to. Se nosso fatu­ra­men­to não supe­ ra R$ 1,2 ­milhão eu enten­do que nós esta­mos enqua­dra­dos no Sim­ples”, argu­men­ta Assun­ção. Para rever­ter a situa­ção foi for­ma­da uma comis­são, che­fia­da pelo cineas��ta Rojer Madru­ga. Além disso, os pro­ du­to­res con­se­gui­ram apoio do MinC e da Anci­ne para que pos­sam vol­tar a ser enqua­dra­dos. Segun­do Assun­ção, todas as pro­du­to­ras noti­fi­ca­das recor­re­ram da deci­são, mas ainda não obti­ve­ram res­pos­ta. A Recei­ta está ainda cobran­do retroa­ti­va­men­te os impos­ tos que em tese dei­xa­ram de ser pagos, já que o Sim­ples per­ mi­te a isen­ção de uma série de con­tri­bui­ções ­sociais. ­Alguns tri­bu­ta­ris­tas con­sul­ta­dos pelas pro­du­to­ras argu­men­tam que esta cobran­ça retroa­ti­va é incons­ti­tu­cio­nal. Mas na ava­lia­ ção de um advo­ga­do ouvi­do por TELA VIVA, esta cobran­ça seria per­ti­nen­te, uma vez que na ver­da­de o que se cons­ta­tou é que as empre­sas esta­vam inde­vi­da­men­te cadas­tra­das no Sim­ples, e por­tan­to ­ teriam que ter pago os impos­tos. As ­regras do Sim­ples não estão sendo alte­ra­das, diz a fonte. A cobran­ça seria incons­ti­tu­cio­nal se o impos­to não fosse devi­do pelas empre­sas. “É mais um pro­ble­ma de con­ta­dor do que de advo­ga­do”, diz a fonte. Quan­do o Sim­ples foi regu­la­men­ta­ do, as pró­prias empre­sas preen­che­ram seus cadas­tros no pro­gra­ma, explica o advogado. Agora a Recei­ta pas­sou a fazer a veri­fi­ca­ção e cons­ta­tou irre­gu­la­ri­da­des. Mui­tas empre­sas, segun­do ele, se ins­cre­vem em uma ati­vi­da­de que pode­ria ser enqua­dra­da no Sim­ples, mas na ver­da­de exer­cem outra. As empre­sas, diz, resol­ve­rão a situa­ção arru­man­do uma forma de se enqua­drar sem ferir a regu­ la­men­ta­ção do Sim­ples. ­Outras empre­sas estão recor­ren­do à Jus­ti­ça e algu­ mas têm con­se­gui­do limi­na­res para pelo menos evi­tar o paga­men­to dos atra­sa­dos, ainda que isso não eli­mi­ne o aumen­to da carga tri­bu­tá­ria.

x


N達o disponivel


produção independente

Cenários  do mundo

E

Em maio de 2003, os ami­gos Henry Ajl e Mar­kus Bruno con­se­gui­ram empla­car na revis­ta sema­nal de domin­go da Globo, o “Fan­tás­ti­co”, uma série de três repor­ta­gens. Tendo essa série como vitri­ne de sua capa­ci­da­de, os dois jun­ta­ram-se a um ter­cei­ro amigo, Eduar­do ­Talans, cria­ ram a ­Baboon Pro­du­ções e nego­cia­ram com a ­Record a pro­du­ção de uma série de 14 docu­men­tá­rios. Tudo come­çou quan­do Henry Ajl, após vol­tar de uma via­gem de quase dois anos “mochi­lan­do” pela Ásia con­ vi­dou Mar­kus Bruno para fazer um docu­men­tá­rio sobre os 50 anos da con­quis­ta do Eve­rest. “O pro­je­to havia sido apro­va­do pelo Natio­nal Geo­gra­phic Chan­nel, mas depen­dia de cap­ta­ção de recur­sos para que pudes­se ser via­bi­li­za­do”, lem­bra Ajl. Mar­kus mos­trou o pro­je­to ao

Patrocínio da KLM ajudou a Baboon a captar nos locais mais exóticos do planeta.

30 tela viva março de 2004

Após ter o “Fantástico” como vitrine de seu trabalho, produtora iniciante fecha contrato para produção de série de 14 episódios com a TV Record.

apre­sen­ta­dor Zeca Camar­go, que levou a pauta à equi­pe do “Fan­tás­ti­co”. Com um patro­cí­nio da com­pa­nhia aérea KLM, os dois acha­ram ainda outra fonte de finan­cia­men­ to: o turis­mo. Um grupo de turis­tas bra­si­lei­ros foi leva­do junto. “Além de pagar pelo paco­te turís­ti­co, eles entra­ram como per­so­na­gens nas repor­ta­gens”, conta Ajl. O pri­mei­ro pro­gra­ma foi ao ar no dia 24 de maio e mos­ trou as tri­lhas que levam ao Eve­rest. O segun­do pro­gra­ma, que foi ao ar no dia 31 de maio de 2003, fez a cober­tu­ra das fes­tas de come­mo­ra­ção aos 50 anos da con­quis­ta, o que acon­te­ce no dia 29 de maio. “Com­bi­na­mos de ­enviar o mate­rial via banda larga, de Kat­man­du (no Nepal), ainda sába­do”, diz Ajl. Mas, ape­sar de a ­ região nor­mal­men­te con­tar com aces­so banda larga, um levan­te maoís­ta havia des­truí­do parte da infra-estru­tu­ra de tele­co­mu­ni­ca­ções. “Alu­ga­mos o único ponto dis­po­ní­vel com banda larga, o busi­ness cen­ter do hotel Hyatt, por 24 horas e pas­sa­mos este tempo moni­to­ran­do a trans­mis­são de cerca de 16 minu­tos de vídeo”, conta empol­ga­do Ajl. Como se não bas­tas­se o pro­ble­ma para ­enviar o mate­ rial ao Bra­sil, o ter­cei­ro e últi­mo pro­gra­ma da série, com o tema pro­pos­to, tor­nou-se inviá­vel. “O tema Eve­rest já esta­va esgo­ta­do, então a idéia era fazer uma via­gem pelo Tibet”, diz Ajl. “Mas, por conta da febre asiá­ti­ca, o país esta­va fecha­do”, lamen­ta. Deci­di­ram então fazer uma maté­ria sobre a ­região de Mus­tang, no Nepal. Troca de rede Após a aven­tu­ra no Hima­laia, jun­tou-se ainda à dupla Eduar­do ­ Talans, crian­do assim a ­ Baboon Pro­du­ções. Agora com um pro­je­to inti­tu­la­do “Cená­rios do Mundo”, a pro­du­to­ra con­se­guiu nova­men­te o patro­cí­nio da KLM, que esta­va inte­res­sa­da em divul­gar rotas não muito

Fotos: Divul­ga­ção


mos mais tempo nos des­lo­can­do do que gra­van­do”, expli­ca Bruno. A ­Baboon envia para a ­Record uma pré-edi­ção do mate­rial, com cerca de três horas de dura­ção, e ainda os tex­tos da nar­ra­ção em off. A emis­so­ra edita e fina­li­za cada pro­gra­ma.

conhe­ci­das por seus clien­tes. A idéia era cap­tar dife­ren­tes cená­rios e ainda os per­so­na­gens pito­res­cos que habi­ta­vam os ­ locais, “como se adap­ta­ram ao meio ambien­te e como isso influen­ciou a cria­ ção de uma cul­tu­ra espe­cí­fi­ca”, diz Ajl. A ­ Record se inte­res­sou pelo pro­je­to e aca­bou fechan­do um con­tra­to para que a ­Baboon pro­du­zis­se 14 epi­só­dios ao redor do mundo. Vei­cu­la­do men­sal­men­te den­tro do pro­gra­ma “Repór­ter ­Record”, o pro­je­to ­ganhou o nome “Volta ao Mundo”. A emis­ so­ra tem o direi­to a três exi­bi­ções de cada epi­só­dio e ainda exclu­si­vi­da­de em TV aber­ ta, sendo que o mate­rial pode ser ven­di­do para a TV por assi­na­tu­ra um mês após a exi­bi­ção pela ­Record. Tendo em vista o públi­co da TV aber­ta, as pro­du­ções - fei­tas em paí­ses como Laos, Cam­bo­ja, Tur­quia, Mon­gó­lia, ­ Israel, Irã, Quê­nia, Tan­zâ­nia, Ugan­da, Saara, Paquis­ tão e Quir­quis­tão - bus­cam sem­pre temas varia­dos den­tro da cul­tu­ra de cada país. Desde a seda da Índia até o mer­gu­lho na Indo­né­sia, os pro­gra­mas tra­zem infor­ ma­ções inte­res­san­tes para todo tipo de teles­pec­ta­dor. “Que­re­mos pas­sar as infor­ ma­ções usan­do uma lin­gua­gem e apelo popu­lar, mas sem dei­xar de lado a cul­tu­ra e a his­tó­ria das ­regiões”, afir­ma Ajl. Ape­nas Henry Ajl e Mar­kus Bruno via­jam, fican­do Eduar­do ­ Talans no Bra­ sil, res­pon­sá­vel pela admi­nis­tra­ção da pro­ du­to­ra. Nas via­gens, levam duas câme­ras

Sony PD-150, um Apple Power­book, um disco-rígi­do exter­no, um car­re­ga­dor solar de bate­rias, caixa-estan­que para ima­gens sub­ma­ri­nas e cases e mochi­las à prova ­d’água. Ambos ope­ram as câme­ras, mas na maio­ria das vezes a fun­ção fica a cargo de Mar­kus Bruno, enquan­to Henry Ajl faz a repor­ta­gem. Cada pro­gra­ma leva, no míni­mo, 20 dias para ser pro­du­zi­do. “Geral­men­te fica­mos três sema­nas fora e não mais do que duas sema­nas no Bra­sil”, diz Mar­ kus Bruno. Tudo isso para pro­du­zir um pro­gra­ma de cerca de 50 minu­tos. “Per­de­

Novos negócios Com essa série, o trio tem tra­ba­lho para um ano. Mas mesmo assim, já pro­cu­ra por ­ outros negó­cios. Com o patro­cí­nio da KLM e a com­pra de direi­tos por parte da ­ Record, a pro­du­ção se paga, mas a ­Baboon não des­car­ta novas for­mas de comer­cia­li­za­ção. “Pode­mos usar as ima­ gens em pro­gra­ma para ­ canais pagos, DVDs e que­re­mos explo­rar o mer­chan­di­ sing”, diz Eduar­do ­Talans. Tendo em vista essas opor­tu­ni­da­des, em todas as via­gens são gra­va­dos temas mais espe­cí­fi­cos, que pos­sam ser usa­dos em TV por assi­na­tu­ra. “Já esta­mos nego­ cian­do com outra pro­du­to­ra bra­si­lei­ra, que fica­rá res­pon­sá­vel pela edi­ção e fina­li­za­ção do mate­rial”, conta ­Talans. A par­ce­ria tem em vista o mer­ca­do de TV por assi­na­tu­ra.

x

fer­nan­do­lau­ter­jung


N達o disponivel


MARÇO 27 a 28 MipDOC 2004. Hotel Martinez, Cannes, França.  Fone: (33-1) 4190-4456.  E-mail: andre.vaillant@reedmidem.com. Internet: www.mipdoc.com. 29 a 2/4 MipTV 2004. Palais des Festivals. Cannes, França.  Fone: (33-1) 4190-4456.  E-mail: andre.vaillant@reedmidem.com. Internet: www.miptv.com.

ABRIL

MAIO 4 a 9 Cine Esquema Novo.  Porto Alegre, RS.  Internet: www.cineesquemanovo.org. 19 a 24 8º Festival de Cinema Vídeo e D-Cine de Curitiba. Curitiba, PR. Inscrições até 26 de março. Internet: www. araucariaproducoes.com.br. 26 e 27 V Fórum Brasil de Programação e Produção, ITM Expo, São Paulo, SP. Fone: (11) 3120-2351. Fax: (11) 3120-5485.  E-mail: info@convergeeventos.com.br. Internet: www.convergeeventos.com.br.

17 a 22 NAB 2004. Las Vegas Convention Center, Las Vegas, EUA. Fone: (202) 429-5429.  E-mail: kanderson@nab.org.  1º a 6 1º Festival do Minuto de São Paulo. Internet: www.nab.org. Inscrições até 30 de abril. Internet: www. festivaldominuto.com.br. 21 a 25 3º Ecocine - Festival Nacional de Cinema e Vídeo Ambiental. São Sebastião, SP.  Fone: (12) 3892-4186.  8 a 12 SIGGRAPH 2004. San Diego E-mail: ecocine@povosdomar.com.br. Convention Center, San Diego, USA. Fone: Internet: www.povosdomar.com.br. (1-719) 599-3734. 

JUNHO

AGOSTO

E-mail: cmg@siggraph.org.  Internet: www.siggraph.org. 10 a 12 ABTA 2004. ITM, São Paulo, SP. Fone: (11) 3120-2351.  Fax: (11) 3120-5485.  E-mail: info@convergeeventos.com.br. Internet: www.convergeeventos.com.br.

SETEMBRO 10 a 14 IBC 2004 - International Broadcasting Convention. Amsterdam RAI, Amsterdã, Holanda.  Fone: (44-20) 7611-7500.  E-mail: show@ibc.org.  Internet: www.ibc.org.

OUTUBRO 4 a 8 MipCom 2004. Palais des Festivals, Cannes, França.  Fone: (33-1) 4190-4567.  Fax: (33-1) 41904558.  E-mail: karine.safarti@reedmidem.com. Internet: www.mipcom.com.


N達o disponivel


N達o disponivel


N達o disponivel


Revista Tela Viva 136 - Março 2004