Issuu on Google+

Revista No. 1 Ano 1


Amigos de Cooperação,

Depois de muitos anos no mercado de Educação escrevendo livros, ministrando cursos e oficinas na Área da Pedagogia da Cooperação , criando e comercializando equipamentos para jogos , resolvemos criar uma revista que fale sobre as possibilidades infinitas que temos ao fazermos uso dessas ferramentas cooperativas. Nesse ano de 2012 vimos o quanto o interesse de empresas, escolas e comunidades cresceu atrás da filosofia da Cooperação como forma de melhorar o relacionamento interpessoal, a comunicação , resolver problemas de forma eficaz e eficiente, aumentar a auto-estima e os resultados positivos, diminuir problemas com bullying em escolas, exercitar valores humanos, ressaltando sua importância, entre outros. A procura por equipamentos para serem usados em confraternização de empresas , festas em escolas, eventos, sempre visando o trabalho em equipe, a Inter-Ação, mostra o quanto estão todos preocupados com a atual situação em que se encontram alunos, educadores, funcionários, e as pessoas da comunidade em geral. A cada dia vemos mais e mais as pessoas se isolando em seu mundo, transformando a comunicação em algo de caracteres limitados ao mundo virtual, e diminuindo a COM-VIVÊNCIA , o toque o olho no olho, cada vez mais. E assim vamos seguindo, caminhando numa ladeira onde pessoas não demonstram sentimentos, EMPATIA alguma. Por nos sentimos preocupados com estas direções que vemos por onde vamos, resolvemos agregar mais esta ferramenta, para que juntos possamos “Co-operar para Trans-formar o Mundo em uma verdadeira Comum-Unidade!” Então, está esperando o que? Junte-se a nós, porque juntos somos sempre mais fortes e chegamos mais longe! Abraços Cooperativos,

Sylvia e Reinaldo Soler


“Co-operando para trans-formar o mundo!�


Apostando na cooperação Reinaldo Soler Qual é a sua percepção sobre a nossa sociedade atual? Ela é mais competitiva ou cooperativa? Como está o mundo em sua visão? Em que você crê? Que direção seguir? Existem alternativas? Você acredita que necessitamos de uma mudança de comportamento? Podemos sonhar com um mundo diferente? Temos alternativas para que essa transformação aconteça? Será que a competição soluciona todos os nossos problemas? Existe competição só no jogo? Competição e Cooperação podem conviver harmoniosamente? O que fazer para transformar nossa cultura atual? Qual é a nossa parte e a justa medida para que a transformação aconteça? Por que apostar nos Jogos Cooperativos? Temos alguma garantia? Vamos tentar responder essas e outras questões cruciais para uma nova tomada de consciência e tentar incorporar esse conhecimento nos diferentes setores da vida onde vivemos e COM-VIVEMOS , construindo, agora juntos um mundo onde todos possam ter oportunidades de “VENSER” (vir a ser quem é). Só que as respostas devem ser construídas sempre de forma coletiva, como uma verdadeira construção, quanto mais pessoas tentando

respondê-las melhor, pois assim com certeza alcançaremos nossos objetivos que são interdependentes. Para que possamos enxergar uma mudança em nossa sociedade podemos começar fazendo primeiro uma reforma no jeito como enxergamos e vivemos a vida e os outros que jogam e a seguir ressignificar os jogos que propomos, pois o jogo é um meio extremamente poderoso de formar o comportamento e podem nos levar a direções variadas e podemos também utilizá-lo para aprimorar nossas inter-relações dentro e fora do jogo em nossos diversos campos de atuação. A cada dia que passa, encontramos mais motivos para que a mudança real aconteça, embora muitas pessoas já despertaram para a importância da Cooperação muitas outras ainda apoiadas por uma cultura de competição e exclusão e sem fazer uma reflexão crítica da situação em que estamos reforçam o modelo da competição desvairada e sem medidas, sem imaginar que assim nos tornamos a todos perdedores. Precisamos, em primeiro lugar despertar nossa consciência e depois tentar despertar outras e mantê-las despertas. É um trabalho árduo e sem fim, porém motivador e desafiador quanto mais pessoas estiverem seduzidas pela idéia mais fácil será alcançar nossos sonhos e sonhar juntos.


As idéias darwinianas são utilizadas a exaustão para justificar uma competição predatória e de exclusão entre os homens. A teoria evolutiva de Charles Darwin, que enfatiza as dimensões espécie, aptidão e seleção natural, serve para alguns utilizarem como base criando um darwinismo social. Essas idéias ainda hoje são evocadas para justificar a exclusão social, a dependência e a competição sem limites. O próprio Darwin morreu amargurado por ter sua teoria utilizada para reforçar a competição desmedida. Infelizmente essa teoria desfocada é utilizada até para justificar a competição predatória na escola, comunidade e nas organizações de trabalho como se isso fosse algo natural, e ouvimos as seguintes afirmações: - É assim mesmo, os melhores sempre vencem. - Quem pode mais chora menos. Já não dá mais para utilizar isso como reforço para a nossa cultura de exclusão, agressividade e competição desmedida. São inúmeros os exemplos que vemos espalhados pelo mundo, como crises, violência generalizada, guerras, exploração do homem pelo homem, descuidos com a natureza, a fome, destruição dos bens comuns da humanidade etc. São conflitos que geram muita discórdia, medo e competição desenfreada e transformam pessoas aparentemente normais em verdadeiros inimigos sedentos por vencer e depois destruir ao outro. O homem parece voltar para a animalidade de onde saiu quando começou a cooperar e cuidar uns dos outros. Algo deve ser feito para que possamos sonhar com dias melhores. Alguns não conseguem perceber e inconscientemente acreditam que tudo está bem, que o mundo é assim mesmo, que nada adianta fazer. Nosso trabalho é tentar de alguma forma chegar até essas pessoas e mostrar que a transformação é possível, que sonhar com um mundo melhor é tarefa de todos nós que queremos dias melhores para as futuras gerações, incluindo ai nossos filhos e netos.

A mídia reforça e valoriza o modelo competitivo em quase todos os momentos, vendendo a idéia de que só os fortes sobrevivem, inclusive transformando um simples jogo em questão de vida ou morte. E como diz Leonardo Boff (2004). “A competitividade invadiu praticamente todos os espaços: as nações, as regiões, as escolas, os esportes, as igrejas e as famílias. Os mais fracos são peso morto, por isso são incorporados ou eliminados. Essa é a lógica feroz”. Concordamos com isso? Acredito que não, então é preciso fazer alguma coisa, é do nosso próprio interesse, pessoal e coletivo reverter essa situação. No Esporte é comum ouvir certas afirmações que só colocam as pessoas em lados opostos enxergando o integrante do outro time como o mais sanguinário inimigo e não deveria ser assim. Um jogo final para alguns passa a ser a batalha final, a grande guerra, é matar ou morrer, quem será o grande matador do jogo? Aos vencedores tudo, aos perdedores a humilhação. E assim por diante, ficamos muitas vezes até com medo de assistir ao grande jogo pela televisão e receber uma bala perdida. Claro que todas essas afirmações são feitas de forma inconsciente tentando vender o espetáculo, só que de uma forma onde a tensão e a agressividade são exacerbadas. Será que não existiria outra forma? As crianças não precisam ficar expostas a esse modelo perverso, quem joga é sempre mais importante do que o jogo e o jogo não pode ser uma questão de vida ou morte, pois assim sendo cresceram acreditando nesses mitos e reproduzirão esses comportamentos e viveremos em um verdadeiro círculo vicioso, passando de pai para filho a intolerância e a exclusão dos menos habilidosos. Precisamos urgentemente criar um novo círculo, agora virtuoso cuidando e nutrindo cada passo com muita cooperação, pois o que importa não é o jogo mas como se joga o jogo. Prof. Reinaldo Soler Formado em Educação Física e Pós Graduado em Jogos Cooperativos, é autor de diversos livros na área de Jogos Cooperativos e Pedagogia Cooperação. Sócio Proprietário da Teia Cooperativa Assessoria Pedagógica e Empresarial.


VOANDO COMO PÁSSAROS O objetivo dos Jogos Cooperativos é proporcionar aos participantes a possibilidade de jogar com o outro ao invés de jogar contra o outro. Através destes jogos pode-se trabalhar além dos objetivos educacionais como coordenação, lateralidade, ritmo, pode-se também trabalhar valores humanos , empatia, respeito às diferenças, percepção do outro. Como os demais jogos cooperativos, estes são infinitos, durando enquanto houver interesse, pois podemos ir acrescentando desafios e novos objetivos. O importante é que seja divertido e mantenha o interesse dos participantes .

Material: Nenhum. Espaço necessário: Quadra ou um pátio amplo. Disposição: Formando grupos de nove participantes. Desenvolvimento: O facilitador inicia o jogo explicando a importância importância da confiança grupal e pede para cada grupo escolher um participante para vivenciar o papel de pássaro. O participante escolhido deita no solo de barriga para baixo, com o corpo reto, pés unidos e braços abertos como se fosse um pássaro pronto para voar. Os demais integrantes com muito cuidado o retiram do chão segurando nos pés, pernas, barriga e ombros, elevando-o acima de suas cabeças e começam a passear pelo espaço destinado para o jogo, assim ele pode vivenciar um verdadeiro vôo de pássaro. Depois de algum tempo o grupo vai trocando o participante que voa até que todos tenham vivenciado a atividade. Objetivos: a). Estimular a confiança; b). Exercitar o trabalho em grupo.

ESTÁTUA COLETIVA Material: Aparelho de som. Espaço necessário: Pátio ou quadra. Disposição: A vontade pelo espaço do jogo.. Desenvolvimento: O facilitador explica que todos devem dançar livremente e a cada parada da música o grupo terá que formar uma estátua coletiva diferente. É um jogo de muita criatividade e afetividade. Objetivos: a). Estimular a cooperação; b). Aprimorar o trabalho em equipe. c). Exercitar a criatividade.


PÉS ATADOS Material: Elástico para amarrar os pés e bambolês. Espaço Necessário: Quadra, pátio ou sala ampla. Disposição: Formando vários times com seis participantes em colunas, amarrados pelos pés, pé direito amarrado ao pé esquerdo da pessoa que está ao lado. No solo o Facilitador utilizando os bambolês constrói um caminho. Desenvolvimento: O objetivo do time será passar por todos os bambolês ou tubos cooperativos, só pisando dentro deles, então tem que haver muito trabalho de equipe para que consigam ultrapassar esse verdadeiro desafio. Objetivos: a). Exercitar a cooperação; b). Aprimorar o relacionamento interpessoal. c) Estimular o trabalho em equipe d) Exercitar a intercomunicação de idéias e a resolução de problemas

DANÇA DAS CADEIRAS COOPERATIVAS Material: Aparelho de som, e cadeiras, uma a menos que o número de participantes. Espaço necessário: Sala ampla, quadra ou pátio. Disposição: Círculo de cadeiras, as pessoas dançando ao redor delas. Desenvolvimento: O facilitador coloca a música, e todos dançam, quando a música parar, todos devem buscar uma maneira de se sentar, ninguém deve ficar em pé, podem sentar em cadeiras ou colos, o mais importante no jogo é que todos continuam jogando. A cada parada da música, tiram-se duas cadeiras. O jogo avança até sobrar só uma cadeira, e todos sentados sobre ela da forma que conseguir, estando confortável todos devem levantar os braços, e gritar. Que tal agora tentarmos sem nenhuma cadeira? Será possível? Objetivos: a). Integrar-se ao meio social. b). Incentivar o espírito de equipe. c). Desenvolver habilidades, tais como: - Raciocínio, atenção e observação. d). Discutir valores.


Pára-Quedas Cooperativo da Teia Cooperativa é feito em nylon ripstop 210 que previne que o tecido desfie e bordas reforçadas para dar maior segurança ao manusear o paraquedas durante as atividades. Disponível em diversos tamanhos com ou sem alças, o Pára-quedas Cooperativo é ideal para trabalhos que visem o espírito de equipe, teambuilding, cooperação, intercomunicação de idéias, resolução de problemas, e muita diversão.


O

O Pára-quedas Cooperativo tem sido amplamente utilizado em escolas, empresas, clubes, comunidades, igrejas, recereação, acampamentos para melhorar o relacionamento interpessoal dos participantes, além de proporcionar grandes momentos de alegria. Atualmente nosso clientes são SESCs, SESIs, Secretarias de Educação, Escolas, Empresas, Empresas de eventos e recreação, Acampamentos, hotéis. E agora só falta você!!!


Aprendizagem Cooperativa Sylvia Marit Syrdahl Soler Segundo Kagan, APRENDIZAGEM COOPERATIVA é um método de ensino que se refere a grupos pequenos e heterogêneos de alunos trabalhando em conjunto para alcançarem objetivos em comum. Os alunos trabalham juntos para aprenderem e são responsáveis não somente pelo seu próprio aprendizado, bem como de seus colegas de grupo. Entretanto, há uma grande diferença entre fazer alunos trabalharem em grupo ou fazê-los trabalhar em grupos estruturados para funcionarem de maneira cooperativa. Para ocorrer a Aprendizagem Cooperativa é necessário que os quatros princípios básicos sejam contemplados. Esses princípios da Aprendizagem Cooperativa são chamados por Kagan de PIES: POSITIVE INTEREDEPENDENCE / INTERDEPENDÊNCIA POSITIVA – responsável pela cooperação:  O meu ganho é seu ganho? Ou seja o meu conhecimento e meu ganho em aprendizagem ajuda meus colegas e os deles ajudam a mim?  É necessária ajuda? Aqui quer se saber se as estruturas apresentadas e utilizadas para o aprendizado poderiam ter sido realizadas individualmente, ou se foi necessária à ajuda de outros colegas?

EQUAL PARTICIPATION /PARTICIPAÇÃO IGUALITÁRIA responsável por eliminar alunos que não produzem Quão igual é a participação ? Essa pode ser determinada por tempo ou por turno INDIVIDUAL ACCOUNTABILITY / RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL - Responsável pela realização do aluno, sua produção, aumentando seus ganhos acadêmicos.  É necessária a apresentação pública individual? Para quem é feita? E sobre o que? Normalmente apresenta-se aos colegas do grupo, ou da sala, ao realizar as estruturas, e essa apresentação pública individual contempla o conteúdo ensinado. Os alunos são responsabilizados por sua participação no grupo, bem como pelo seu conhecimento sobre o conteúdo.


SIMULTANEOUS ]INTERACTION / INTERAÇÃO SIMULTÂNEA Responsável pelo engajamento dos alunos nas atividades.  Qual porcentagem está realmente ativa ao mesmo tempo? Em caso de atividades em pares , 50% estará ativo ao mesmo tempo, em caso de atividade em time, então a porcentagem será de 25%, e em atividades individuais, teremos 100%.

Mais de oitocentos estudos no mundo demonstraram que quando se aprende utilizando as técnicas de Aprendizagem Cooperativa, que não ocorrem apenas melhores resultados acadêmicos, mas também melhores resultados sociais. Pesquisas revelam que com Aprendizagem Cooperativa os ganhos dos alunos aumentam, os alunos com maiores dificuldades de aprendizado apresentam um maior desenvolvimento e o espaço entre alunos com altas notas e alunos com notas baixas diminui. Outro fator positivo da Aprendizagem Cooperativa é que aumenta a motivação intrínseca dos alunos que passam a querer cooperar e participar das aulas, aumentando assim sua autoestima. As relações étnicas melhoram e o “bullying” tão em alta nas escolas diminui, pois os alunos passam a se relacionar com todos e não somente com os mesmos colegas de sempre, passam a aprender valores sociais como respeito, cortesia, generosidade, saber ouvir, respeitar a opinião do próximo, entre outros.

COMO DEVEM SER AS ESTRUTURAS E QUAIS SEUS RESULTADOS? As estruturas são as maneiras como será processado o aprendizado. Podem ser relacionadas ao conteúdo, para reforço, revisão do que foi ensinado, bem como serem apenas para integração e socialização dos alunos. As estruturas devem ser repetitivas e apresentadas numa sequência de passos conforme forem sendo realizadas. Mas o principal é que devem promover a interação dos alunos uns com os outros, com o currículo e com os professores. Os resultados observados com o uso das estruturas da Aprendizagem Cooperativa são:  Aumento dos resultados acadêmicos e a retenção do conteúdo ensinado;  Valores sociais, relacionamentos sociais e inter-raciais são melhorados;  Elevação da autoestima e por consequência do auto conhecimento, com isso os alunos participam mais das aulas;  Gosto pela escola e pelas aulas, melhorando as atitudes dos alunos em relação à escola e aos professores;  Melhora de caráter;  Habilidades de reflexão;  Desenvolvimento das Múltiplas Inteligências;  Diminuição dos problemas de disciplina;  Professores têm maior prazer em ensinar;  Cérebro estimulante.


Cada estrutura alcança habilidades de raciocínio diferentes. Para isso, devemos sempre balancear nossas aulas misturando rotina com, novidades, para evitar que muita rotina cause tédio e muitas novidades levem ao aumento da ansiedade.

CONCEITOS CHAVES DA APRENDIZAGEM COOPERATIVA: 1-

2-

34-

5-

6-

TIMES: É necessária a formação de grupos com quatro alunos. Esses grupos deverão ser heterogêneos com dois meninos e Dois meninas se possível. Deve também misturar alunos de diversos níveis. Caso a sala não possua número de alunos múltiplos de quatro então o professor deverá nomear um grupo que terá cinco alunos , em caso de um aluno sobrando, ou dois grupos de três em caso de dois alunos faltando. Esses grupos de três deverão sentar-se próximos pois em atividades em pares eles se ajudarão. Os grupos deverão permanecer o mesmo por seis semanas e depois deverão ser modificados facilitando a integração entre todos os alunos. VONTADE: Através da construção de grupos e de classe a vontade de participar dos alunos aumentará e com isso seu comprometimento com as aulas e assim o maior rendimento das mesmas. Como construir a vontade do aluno participar? Os alunos não podem aprender e cooperar se não se sentirem num ambiente seguro, e isso só acontece quando estão no meio de pessoas que conheçam. GERENCIAMENTO: É preciso saber gerenciar os alunos, materiais utilizados, o tempo e o espaço para que as aulas tenham sucesso. VALORES SOCIAIS: Valores sociais de comportamento e relacionamento são incluídos durante as estruturas de aprendizado cooperativo fazendo assim com que os alunos tomem consciência do próximo e de suas necessidades. Aprender a cumprimentar, agradecer, se despedir, além de ouvir a opinião do próximo e respeitá-la mesmo que não concordando, aprender a esperar a vez, a ser cortez e generoso com aqueles que têm maior dificuldade. Respeitar as diferenças e aceitá-las como parte de seu meio. PRINCÍPIOS DE APRENDIZAGEM COOPERATIVA: Os quatros princípios da aprendizagem cooperativa são contemplados: Interdependência Positiva, Responsabilidade Individual, Participação Igualitária, Interação Simultânea. ESTRUTURAS: são “COMO” são ensinados os conteúdos. Podem ser em grupo , em par, com as pessoas do mesmo grupo ou de grupos diferentes, favorecendo sempre a interação entre alunos e cooperação.

Sylvia Marit Syrdahl Soler Professora De Inglês com diplomas de Proficiência de Michigan e Trinity. Especialista em Aprendizagem Cooperativa pelo Instituto Kagan – EUA. Co-autora do livro “Alfabetização Cooperativa”. Sócia Proprietária da Teia Cooperativa.


CH

Maiores informações sobre os livros, preços ou sobre outros livros, cliquem em qualquer um dos livros.


CAMISETAS DUPLAS Feitas em dry-fit em diversas cores, estes kits de camisetas duplas irá proporcionar momentos de cooperação e trabalho em equipe para os participantes de qualquer idade, além de muita diversão. Ideal para reforçar a necessidade de se jogar COM o outro, oferecer chance de TODOS jogarem, exercitarem a intercomunicação de idéias e resolução de problemas. Kits com 5 pares de camisetas.

PONTE DE CORDA

CHINELÃO COOPERATIVO

Feita de polipropileno, esta corda mostra aos participantes que tudo é possível quando juntamos forças .

Prepare-se para um desafio em grupo. Andar com mais 4 participantes no mesmo chinelo. Para que isso ocorra será exigido muita conversa entre os participantes e que cheguem ao um consenso.

Com 11m de comprimento, com nós a cada 0,50m

Cada chinelão comporta 5 participantes. Mas ficou fácil? Acople o chinelo em outro e aumente o desafio.


VOLLENÇOL Que tal um jogo de volley possível para todos, com ou sem habilidades? Um jogo onde só é possível se todos cooperarem. O VOLLENÇOL é mais um equipamento para exercitar a cooperação e o espírito de equipe, além da resolução de problemas através da comunicação entre todos. Kit com 4 mini pára-quedas e 1 capa para balão.

GIRASOL Feito em nylon de pára-quedas e com o mesmo propósito que um, o GIRASOL visa entreter e reforçar os conceitos de TEAWORK e TEAMBUILDING, , além de exercitar diversos VALORES HUMANOS. Acompanham bolinhas coloridas

CAPAS PARA BALÃO

ALGEMAS COOPERATIVAS Uma as pessoas pelos braços ou pelos pés comas ALGEMAS COOPERATIVAS e assim proporcione a eles a chance de jogar e se divertir cooperativamente, além de exercitarem sua coordenação motora.

Transforme balões em bolas, que pulam, quicam, tem velocidade e não machucam. Em cinco tamanhos que vão de 35 cm até 1,50m, estas bolas são divertidas e uma grande opção para treinar esportes de forma cooperativa, onde todos possam jogar.


Maiores informações sobre como nos contratar para um treinamento, adquirir nossos equipamentos ou livros, entre em COM-TATO :

Tels.: 13 - 3289 2827 / 3041 4110

13 – 8844 2208 / 8813 1003

Email: teia.cooperativa@gmail.com Site: www.teiacooperativa.pro.br

Teia Cooperativa “Co-operando para Trans-formar o Mundo!” - https://www.facebook.com/pages/TEIA-Cooperativa-Cooperando-para-Trans-Formar-oMundo/119671554759455?fref=ts

Teia Cooperativa Assessoria Pedagógica Bilíngue https://www.facebook.com/TeiaCooperativaAssessoriaPeda gogiaBilingue?fref=ts


REVISTA TEIA COOPERATIVA