Page 1

Excelência em Gestão Ser a melhor empresa para se trabalhar, gera resultados?

NFe 4.0 Tudo sobre a nova

ATUALIZAÇÃO Olhando para o futuro

De desenvolvedor Para desenvolvedor

Xablau - O problema que deu certo

Angular 4 - As coisas mudaram um pouco por aqui!


www.tecnospeed.com.br

Eleita a 3ª Melhor!

MAIS

11 Anos

SOFTWARE

Crescendo

MENOS

Inovação Constante

ESFORÇO

+70 COLABORADORES

98%

97% Chamados resolvidos em menos de 2 horas.

De satisfação dos nossos clientes.

Nossas soluções TEF

CT-e NF-e

PARCEIROS:

SAT

GNRE

MDF-e

BOLETO

NFC-e

Compatibilidade com

NFS-e

+ de 850 cidades


Na revista TecnoUpdate você vai encontrar conhecimento que vai te ajudar a ter uma visão mais ampla do seu negócio e idéias para continuar melhorando. Por isso fique a vontade e aproveite nosso conteúdo.

Revista TecnoUpdate

Edição V

Redatores

Augusto dos Santos Beatrice Cardoso Gabriel Serra Fernando Tenório Jean Baldaia Jonathan Santos

Revisão Ortográfica Thalita Simoni Gabriel Serra Osvaldo Silva

Design e Diagramação Elias Pereira Geison Durães

Contato

contato@tecnospeed.com.br www.tecnospeed.com.br 0800 006 9500 44 3037 9500

Facebook: /tecnospeed

Excelência em Gestão Ser a melhor empresa para se trabalhar Pode gerar resultados?

04

Capa Vem aí NFe 4.0 - Tudo sobre a nova atualização.

06 Café com Contador Consolidação das regras do imposto - A dor de cabeça acabou? Case de Sucesso Wi-fire - Internet para todos os ambientes.

12

15

De desenvolvedor para desenvolvedor Angular 4 - As coisas mudaram um pouco por aqui.

16 Novidades Certificado digital - Nova Parceria Tecnospeed.

22

Olhando para o futuro Xablau - O problema que deu certo.

26


Excelência em Gestão

SER UMA DAS MELHORES EMPRESAS PARA SE TRABALHAR! Pode gerar resultados financeiros?

Por Beatrice Cardoso

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

S

4

er co n s i d era d a a m el ho r em p res a para se trabalhar no Paraná s e gu n d o o ra nk ing do GP T W - G reat Place to Work 2016, é motivo de muito orgulho para a TecnoSpeed. Ser ainda c l a s s i f i c a d a co m o a te rce i ra m e l h o r empresa para se trabalhar no setor de Te c n o l o gi a d a I n fo r m a ç ã o n o B r a s i l todo só aumenta nossa certeza de qu e e s t amo s no r u m o cer to. S e r cl as s if ic a da co m o a m el h o r e mpre s a p ara se t ra ba l ha r va i m uito além d e “agra da r o s co l a bo ra d ores”. Exige colocar pessoas em primeiro lugar, te r a g estã o de p esso a s co m o direcionador estratégico e monitorar constantemente os resultados da organ i zaç ão. I nve s t i r em p esso a s e to r ná -l a s peça essencial da organização faz com qu e as p e s s o a s d êem o m el ho r de s i

e façam o possível para o sucesso da organização porque desejam crescer junto com a empresa e sabem que novas opor tunidades de crescimento também surgem a cada novo degrau a l c a n ç a do. A g e s t ã o d a Te c n o S p e e d é baseada em processos bem estruturados que além de visarem o alto desempenho da organização também prezam pelos diversos aspectos internos e externos, garantindo agilidade na realização de mudanças e resiliência ao e n f re n t a r o s d e s a f i o s q u e o m e rc a d o p r o p õ e m . Te r p e s s o a s e n g a j a d a s e comprometidas em um mesmo propósito é o que faz todos os nossos produtos e serviços serem sempre entregues com o nosso molho especial de proatividade, c o n h e c i m e n t o e c o l a b o r a ç ã o.


E O QUE A TECNOSPEED OFERECE PARA OS

COLABORADORES?

Meritocracia - A meritocracia é um dos grandes pilares da organização. Por aqui, os colaboradores ganham de acordo com o seu desempenho não importando o seu cargo ou tempo de empresa - todos têm a chance de multiplicar os seus salários muitas vezes!

E COMO ISSO AJUDA A TER MELHORES

RESULTADOS FINANCEIROS?

Redução do turnover - Você já parou para calcular quanto tempo e dinheiro é gasto com a capacitação de cada colaborador que entra na organização? Se não fez, essa é a hora! A empresa investe em capacitação, benefícios, tempo e o colaborador vai embora antes de sequer dar retorno para a organização. Colocar pessoas em primeiro lugar reduz para menos da metade o turnover voluntário, segundo dados da empresa GPTW. Menos custos com turnover significam mais investimentos em capacitações e melhor desempenho, o que gera mais faturamento e um ciclo virtuoso para a organização! Difusão de conhecimento - Quando as pessoas passam mais tempo na organização, mais o seu conhecimento é difundido e outras pessoas são capacitadas diariamente,

Horários flexíveis - Quem fica na empresa conta ainda com horários flexíveis para entrar e sair, desde que cumpram as regras da CLT e as 40 horas semanais propostas - sim, por aqui a jornada não é de 44 horas e o colaborador tem mais tempo livre! Benefícios - Convênios com farmácias, restaurantes, academias, cursos de língua, incentivo à capacitação, vale alimentação, transporte, planos de saúde e odontológico são só alguns benefícios dos colaboradores.

evitando que a perda de uma única pessoa seja catastrófica e diminuindo a necessidade e custos de capacitações externas e contratações de emergência. Engajamento com metas audaciosas - Todos remam na mesma direção. A transparência da gestão e a importância que os colaboradores sabem que tem são fatores que fazem todos acreditarem que todas as metas são possíveis, por mais difíceis que pareçam ser! A empresa preza pelos colaboradores, e os colaboradores prezam pelo cliente - Colaboradores satisfeitos prezam pela satisfação dos clientes, pois entendem que estes são os elos mais importantes da cadeia para o sucesso da organização. Uma pesquisa da empresa GPTW aponta que as empresas premiadas tem um índice de satisfação dos clientes 3% acima da média geral.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Home Office - A prática de home office permite que os colaboradores possam trabalhar remotamente, no conforto de suas casas, sem cobranças de horários, acompanhados por suas entregas.

5


Capa

VEM AÍ A 4ª GERAÇÃO DA

NF-e

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Por Bruno Maestrello

6

ENCAT divulgou nota técnica que regulamenta a nova versão da NF-e


O

ano de 2017 promete ser um ano com grandes mudanças para quem trabalha com documentos fiscais eletrônicos - DFe, mais especificamente a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica). Isto porque, o ENCAT divulgou uma nova técnica (2016.002) que regulamenta a nova versão da NF-e, denominada “4.00”, que por sua vez, traz significativas mudanças no leiaute deste documento eletrônico. Estas mudanças visam preparar a estrutura da NF-e para comportar as atualizações na legislação, como é o caso dos novos campos previstos para apuração do Fundo de Combate a Pobreza, detalhar melhor operações de segmentos específicos ao fisco, como: Medicamentos e Combustíveis entre outros, e também melhorar a tecnologia de comunicação entre fisco e empresas.

A nova versão, traz mudanças técnicas na comunicação, nas regras de validação, no leiaute e inclusão e exclusão de campos.

Comunicação O protocolo de comunicação foi alterado, passando a aceitar apenas a versão 1.2 ou superior do protocolo TLS, não sendo mais aceita comunicação via protocolo SSL. Outra mudança técnica na comunicação se dá no uso de variáveis SOAP Header. A partir da nova versão, essas variáveis não serão mais aceitas. Com eliminação das variáveis SOAP, o WSDL será afetado, logo as URLs dos webservices serão alteradas, as novas urls serão publicadas no portal da NF-e, por cada Sefaz, seguindo o padrão abaixo: • Web Service de Autorização: NFeAutorizacao4; • Web Service Consulta Processamento do Lote de NF-e: NFeRetAutorizacao4; • Web Service de Inutilização: NFeInutilizacao4;

• Web Service de Status do Serviço: NFeStatusServico4; • Web Service de Consulta Protocolo: NFeConsulta4.

Regras de Validação As regras de validação alteradas foram, principalmente, aquelas vinculadas aos novos campos ou novos controles, que tem como objetivo melhorar a qualidade das informações prestadas pelas empresas à SEFAZ.

DANFE O leiaute do DANFE permanece inalterado. De todo modo, as informações relativas ao Fundo de Combate à Pobreza devem ser informadas no campo de informações adicionais do produto. Os totais do FCP, por sua vez, serão registrados nas Informações Adicionais de Interesse do Fisco (infAdFisco).

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Cabe lembrar que a última mudança na versão da NF-e, aconteceu em 2014, quando foi lançada a versão 3.10. Ou seja, a cada um ou dois anos, é prevista uma nova versão nacional, cumprindo um cronograma observado pelas empresas e pelas Sefaz autorizadoras.

7


#01 Cronograma e Requisitos Os Prazos de Implantação foram apresentados pela Nota Técnica 2016/002 e representam os três marcos em todo o processo de atualização para a NF-e 4.0. •

Ambiente de Homologação: 01/06/2017

Início do período de testes . Nesta data, os webservices de testes serão disponibilizados e abertos para aceitar comunicação com todos os ERPs do Brasil. Seguindo nosso cronograma, devemos conseguir autorizar uma NF-e 4.0 neste ou em um dos primeiros dias. • Ambiente de Produção: 01/08/2017 Início do período de Adesão Voluntária . Data em que os webservices de produção serão disponibilizados e abertos para aceitar comunicação com todos os ERPs do Brasil. Entre esta data e a data de obrigatoriedade, ambas as versões (3.1 e 4.0) serão autorizadas por seus respectivos webservices. Seguindo nosso cronograma, a partir dessa data poderá fazer o deploy do módulo fiscal adaptado para a NF-e 4.0, sendo permitido que seu cliente deixe de emitir a NF-e 3.1 desde já. • Desativação da Versão Anterior: 02/04/2018 Início do período de Obrigatoriedade . A partir desta data, não será possível autorizar o uso de uma NF-e 3.1.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Teoricamente, você poderia deixar para fazer tudo isso até o dia 1 de Abril de 2018, véspera da desativação da versão 3.1 da NF-e, como sabemos que infelizmente alguns desenvolvedores farão. As alterações, no entanto, são complexas e algumas são bem extensas de implementar, sem contar o período necessário para testes de emissão em homologação e de deploy da nova versão para cada um de seus clientes e PDVs!

8

#02

Protocolos de comunicacão e Soap Header

Uso de Variáveis no SOAP Header A partir da versão 4.0 da NFe será permitido unicamente o Protocolo TLS ( Transport Layer Security ) 1.2 ou versão superior. Ou seja, não será mais permitida a comunicação entre o ERP e a Sefaz via Protocolo SSL ( Secure Sockets Layer ) . O motivo desta mudança está amplamente documentado na Internet, pela falta de segurança comprovada no uso do Protocolo SSL. Para entender melhor as diferenças entre esses protocolos de comunicação, leia nosso artigo: TLS vs SSL: Qual é a diferença?


No modelo atual de comunicação das empresas com os webservices das Sefaz, está previsto o uso de variáveis no SOAP Header, conforme segue exemplo: <?xml version=”1.0” encoding=”utf-8”?> <nfeCabecMsg xmlns=”http://www.portalfiscal.inf.br/nfe/wsdl/NFeRecepcao”> <versaoDados>string</versaoDados> <cUF>string</cUF> </nfeCabecMsg> </soap12:Header: A criação das variáveis de “Código da UF” e “Versão dos Dados” no SOAP Header (ou “Área de Cabeçalho”) foi uma decisão inicial do Projeto NF-e, quando ainda não existiam informações sobre a capacidade de processamentos dos WebServices pelas SEFAZ. Na época, esta decisão foi tomada para conseguir rejeitar previamente as mensagens enviadas para um ambiente de autorização diferente do previsto, sem precisar “abrir” os dados da mensagem. As variáveis do SOAP Header constam também na mensagem enviada para a empresa, e notaram que, em cada troca de versão do leiaute XML, este controle tem atrapalhado. Isso ocorre poise as empresas montam corretamente a mensagem, mas algumas vezes esquecem-se de alterar os dados do cabeçalho. Nesta nova versão do leiaute, será eliminado o uso de variáveis no SOAP Header (eliminada a “Área de Cabeçalho”) na requisição enviada para todos os WebServices previstos no Sistema NF-e Nome dos Web Services Os contribuintes utilizam o WSDL para conhecer os parâmetros e outras características do WebService a ser utilizado. A eliminação da informação das variáveis de SOAP Header citada anteriormente altera o WSDL e, por este motivo, serão alteradas as URL dos Web Services. As novas URLs para cada SEFAZ Autorizadora serão publicadas no Portal da NF-e.

• • • • •

Web Service de Autorização: NFeAutorizacao4 Web Service Consulta Processamento do Lote de NF-e: NFeRetAutorizacao4 Web Service de Inutilização: NFeInutilizacao4 Web Service de Status do Serviço: NFeStatusServico4 Web Service de Consulta Protocolo: NFeConsulta4

Parâmetros de Entrada / Saída na Chamada aos WebServices Atualmente não existem padrões para o nome do parâmetro de retorno dos WebServices disponibilizados pelas SEFAZ Autorizadoras. Ou seja, a tag raiz do SOAP BODY do retorno de cada WebService está com nome diferente, conforme o WebService e a SEFAZ Autorizadora. Com a falta de padronização, algumas empresas com filiais em várias UF acabam

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

O nome de cada Web Service seguirá a seguinte padronização:

9


efetuando de forma sistemática a consulta ao WSDL do Web Service de cada SEFAZ Autorizadora, unicamente para obter essa informação. Na NF-e 4.0, ocorre a padronização do parâmetro de saída para todos os Web Services, de todas as SEFAZ Autorizadoras. Desta forma, o nome dos parâmetros dos WebServices ficarão: • Parâmetro de Entrada : < nfeDadosMsg > ; • Parâmetro de Saída : < nfeResultMsg > Para os desenvolvedores que utilizam o Componente NFe ou o Manager SaaS , não será necessário realizar essas alterações no seu software, pois essas informações estão presentes em toda a parte de comunicação com a Sefaz das nossas soluções. Nossos clientes precisam apenas realizar as etapas: • • •

Atualização da versão do componente; Atualização das pastas de templates e esquemas; Atualização dos inis de servidores;.

#03 Layout do XML O grupo de tributação de ICMS da NF-e é um dos mais é utilizados e que gera mais dúvidas para as Software Houses e contribuintes de NF-e e NFC-e.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Na NF-e 4.0, haverá uma grande mudança em todos os grupos de ICMS(CRT = 2 ou 3) e ICMSSN(CRT = 1) .

10

Agora, nos grupos de ICMS e ICMS ST, foram incluídos campos para identificar o valor devido em decorrência do percentual de ICMS relativo ao Fundo de Combate à Pobreza.


#04 Layout do XML Mudanças dos demais grupos, da NF-e, da NFC-e e criação do grupo de Rastreabilidade de Produto:

Fique de olho Receba o passa a passo da nova implantação da NF-e em seu e-mail! CLICANDO AQUI.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Acesse gratuitamente nossa ferramenta, para visualizar as mudanças de como era na NF-e 3.1, e como fica na NF-e 4.0, seja sua integração via TX2, DataSet ou XML.

11


Café com o contador

CONSOLIDAÇÃO DAS REGRAS DO IMPOSTO Convênio ICMS 52/2017 – ICMS-ST Por Augusto dos Santos

C

ONFAZ revoga diversos Convênios ICMS que tratavam de regras gerais para mercadorias sujeitas à Substituição Tributária e consolida em âmbito nacional regras aplicáveis ao regime. Entre as principais alterações trazidas pelo referido Convênio, podemos destacar por exemplo:

a fórmula “ICMS ST DIFAL = [(V oper – ICMS origem) / (1 – ALQ interna)] x ALQ interna – (V oper x ALQ interestadual)”. Regra de Pauta Mínima: Foi autorizado, nas operações internas e interestaduais, as unidades federadas a estabelecer como base de cálculo a aplicação do MVA, quando o valor da operação própria praticado pelo remetente for igual ou superior a percentual estabelecido pela legislação interna da unidade federada de destino do valor do PMPF ou preço sugerido para o bem e a mercadoria.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Nova base de cálculo: De acordo com a cláusula décima terceira, o Convênio trouxe a disposição de que o imposto devido por substituição tributária integra a correspondente base de cálculo, inclusive na hipótese de recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna da unidade federada de destino e a CEST: O prazo de exigência de informação alíquota interestadual. do Código Especificador da Substituição Tributária – CEST nos documentos fiscais foi Diferencial de Alíquotas por ST: mantido em julho de 2017. Tratando-se de operação interestadual com bens e mercadorias submetidas ao Aplicativo gratuito: regime de ST, destinados a uso, consumo ou ativo imobilizado do adquirente, a base O CONFAZ exigiu dos Estados e de cálculo do imposto devido será o valor Distrito Federal de aplicativo para da operação interestadual adicionado operacionalizar o ICMS Substituição do imposto correspondente à diferença Tributária. De acordo com o Convênio, entre a alíquota interna a consumidor a partir de 1º de outubro de 2017, as final estabelecida na unidade federada de unidades federadas disponibilizarão aos 12 destino para o bem ou a mercadoria e a contribuintes, gratuitamente, aplicativo alíquota interestadual. Calculado conforme para operacionalização do regime de


substituição tributária.

• • • • • • •

Revogação de Convênios: Co nvê n i o I C M S 8 1 , d e 1 0 d e setembro de 1993; Convênio ICMS 70, de 25 de julho de 1997; Convênio ICMS 35, de 1º de abril de 2011; Co nvê n i o I C M S 9 2 , d e 2 0 d e agosto de 2015; Convênio ICMS 149, de 11 de dezembro de 2015. Fonte: Diário Oficial da União

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Segmentos sujeitos ao ICMS-ST:

13


14

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição


15

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição


Angular 4 As coisas mudaram um pouco por aqui! Por Fernando Tenório

A

inda é javascript, ainda deixa o HTML poderoso e ainda é AngularJS, mas agora é tipado, componentizado e aparentemente mais organizado e rápido, digo aparentemente, pois estou aqui apenas como um aventureiro e só vou ter certeza que é melhor quando fizer projetos inteiros e não só rascunhos para vislumbrar este mundo novo.

para tornar desenvolvedores mais produtivos.

Hello World! Tudo tem que ter um começo, e só para manter o padrão, o AngularJS 4 tem o seu Hello World, vamos a ele:

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

git clone https://github.com/ angular/quickstart.git quickstart Com a versão 4 você elabora cd quickstart seus templates HTML, cria npm install

componentes para manipulá-los, coloca a lógica dos componentes nos serviços e empacota tudo isso em um módulo. Porém agora, esqueça aquela coisa de criar uma variável app e depois sair usando loucamente por aí, o papo agora é Typescript.

Pelo fato de ser tipado tornase atraente para aqueles que são advindos de linguagens fortemente 16 tipadas, além disso, facilita demais o uso de ferramentas

npm start

TAG

“TypeScript é uma linguagem para desenvolvimento JavaScript em larga escala. Com TypeScript podemos escrever código utilizando uma estrutura fortemente tipada e ter este código compilado para JavaScript puro. Qualquer navegador. Qualquer host. Qualquer SO. Código Aberto.”


“Após ler o GUIA e dizer ‘Olá Mundo’ é hora de colocar a mão na massa” Para ser bem prático, vou usar o Angular CLI (sim isso também é incrível) para criar meu projeto, depois vou reescrever uma demonstração - que fiz integrando com o Gravatar - de AngularJS 1 para AngularJS 4. Continue lendo, eu garanto que vai ser bem divertido :)

Como eu disse, vou reescrever uma demonstração que estava em AngularJS 1 para a versão 4, então o jeito é deixá-lo com uma carinha melhor, mudar o título e adicionar uma descrição me parece algo bem atraente. Pois bem, no componente que está em src/app/ app.component.ts vamos alterar a propriedade title e criar uma Vamos lá! Primeiro e mais outra chamada description: óbvio, rodar o comando CLI: [...] npm install -g @angular/cli export class AppComponent { title = ‘Gravatar’; Depois criar um novo projeto: description = ‘Uma demo feita em AngularJS 4’; ng new my-app } É importante que você tenha as últimas versões do NodeJS (6.9.X) e do NPM (3.X.X) antes de rodar esses comandos.

Ok, mas e como isso aparece no meu navegador? Simples, no arquivo src/app/app.component. html deixe o h1 assim:

Agora é subir, simples assim: < h 1 > { { t i t l e } } <small>{{description}}</small></ cd my-app h1> ng serve --open Vai lá e atualize a página... A c e s s e h t t p : / / Oops, não precisa! O AngularCLI localhost:4200/ e voilá temos um já fez isso para você, que tal? projeto pronto para a brincadeira! Lindo!

TAG

O resto do tutorial oficial do AngularJS 4, você pode encontrar aqui https://angular.io/docs/ts/latest/ cli-quickstart.html.

Para ficar mais bonito ainda, vamos carregar o Twitter Bootstrap. No arquivo src/index. html vamos colocar essa linhas dentro das tags head:

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

17


<head> [...] <link rel=”stylesheet” href=”https://unpkg.com/ bootstrap@3.3.7/dist/css/bootstrap. min.css”> <link rel=”stylesheet” href=”https://unpkg.com/ bootstrap@3.3.7/dist/css/bootstraptheme.min.css”> [...] </head> Legal, agora lá no src/app/app.component. html deixe desta forma:

<div ”container”> <div class=”page-header”> < h 1 > { { t i t l e } } <small>{{description}}</small></ h1> </div> <!-- aqui carregaremos o gravatar --> </div>

Até o momento só editamos arquivos existentes, agora vamos criar nosso primeiro componente, no caso, o gravatar. Para tanto, vamos criar uma nova pasta, a src/ app/gravatar e nela criar três arquivos: gravatar.component. html, gravatar.component.ts e gravatar.service.ts.

nosso controlador, o gravatar. component.ts: import { Component } from ‘@angular/core’; // importa o serviço como dependência import { GravatarService } from ‘./gravatar.service’ @Component({ selector: ‘gravatar’, templateUrl: ‘./ gravatar.component.html’ }) export class GravatarComponent { // Declarando propriedades email = ‘’ resultado = null

// Olha a tipagem ai.. constructor(private service: GravatarService) { }

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

// Metódo que será disparado pelo formulário do HTML, chamando um método do serviço onSubmit(): void { this.service. getProfile(this.email). then((resultado: JSON[]) => this.resultado = resultado); } Perceba que existe um padrão } de nomenclatura a ser seguido, recurso.tipo.extensão. Lembre-se Agora, continuamos com disso, é crucial para manter tudo aquilo que seria a nossa view organizado e manutenível (leia gravatar.component.html, repare mais sobre em: https://angular. na nova interpolação, eu ainda io/docs/ts/latest/guide/style- estou lutando para entender guide.html#!#naming). Quanto e decorar como é cada coisa, 18 ao conteúdo dos arquivos, vamos por via das dúvidas, é melhor começar por aquele que seria dar uma olhada na documentação


REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

(https://angular.io/docs/ts/ title”>Dados:</h3> </div> latest/guide/displaying-data. <div class=”panelhtml#!#interpolation), se você já conhece o Angular, não vai body”> <dl> ser lá um grande desafio, vide: <dt>Gravatar</ <form dt> (ngSubmit)=”onSubmit()” <dd> #gravatarForm=”ngForm”> <img <div class=”formsrc=”{{resultado. group”> entry[0].thumbnailUrl}}” <input type=”email” alt=”emailGravatar” class=”form-control” class=”img-rounded”> name=”email” id=”email” </dd> [(ngModel)]=”email” </dl> placeholder=”E-mail” <dl> #emailField=”ngModel” <dt>ID</dt> required> <dd>{{resultado. <div *ngIf=”emailField. entry[0].id}}</dd> errors && (emailField.dirty </dl> || emailField.touched)” <dl> class=”alert alert-danger”> <dt>Nome</dt> <div [hidde <dd>{{resultado. n]=”!emailField.errors. entry[0].name.formatted}}</dd> required”> </dl> E-mail é obrigatório <dl> </div> <dt>URL</dt> </div> <dd>{{resultado. </div> entry[0].profileUrl}}</dd> <button type=”submit” </dl> class=”btn btn<dl> success form-control” <dt>Sobre</dt> [disabled]=”!gravatarForm. <dd>{{resultado. form.valid”>Obter dados do entry[0].aboutMe}}</dd> perfil</button> </dl> </form> </div> </div> <div *ngIf=”resultado”> </div> <hr> <div class=”panel <pre *ngIf=”resultado”> panel-default”> {{resultado | json}} <div class=”panel</pre:> 19 heading”> <h3 class=”panel- E por fim, o nosso serviço


REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

.toPromise() gravatar.service.ts, aqui deve ficar toda a inteligência, o .then(response => controlador serve apenas como response.json() as JSON[]) ponte entre o serviço e a view: .catch(this. handleError); import { Injectable } from } ‘@angular/core’; // Importando HTTP Jsonp já // Em caso de erro que o Gravatar não aceita HTTP private handleError(error: Get any): Promise<any> { import { Jsonp } from ‘@ console.error(‘An error angular/http’; occurred’, error); // for demo purposes only // módulo de terceiros return Promise. reject(error.message || // $ npm install ts-md5 import {Md5} from ‘ts-md5/ error); } dist/md5’ // importando módulo para } utilizar promisses (gostaria de tentar usar um callback normal, Para finalizar e tudo mas isso é uma outra publicação) f u n c i o n a r p e r f e i t a m e n t e , é import ‘rxjs/add/operator/ preciso alterar o src/app/app. toPromise’; module.ts a fim de declarar / carregar tudo que iremos utilizar @Injectable() em nossos componentes e carregar export class os próprios componentes, mais ou GravatarService { menos assim: // Olha a tipagem novamente constructor(private import { BrowserModule jsonp: Jsonp) {} } from ‘@angular/platformbrowser’; // Metódo a ser chamado no import { NgModule } from controlador, fortemente tipado ‘@angular/core’; getProfile (email: // Módulo para manipulação string): Promise<JSON[]> { do formulário: model, validação, let hash = Md5. etc.. hashStr(email) import { FormsModule } from ‘@angular/forms’; // Requisição para o // Módulo HTTP, perceba que Gravatar o Jsonp não vem por padrão neste return this.jsonp.get(‘// módulo pt.gravatar.com/’ + hash import { HttpModule, 20 + ‘.json?callback=JSONP_ JsonpModule } from ‘@angular/ CALLBACK’) http’;


Minhas impressões, finalmente!

import { AppComponent } from ‘./app.component’; // Nosso módulo :) import { GravatarComponent } from ‘./gravatar/gravatar. component’; import { GravatarService } from ‘./gravatar/gravatar. service’

@NgModule({ declarations: [ AppComponent, GravatarComponent ], imports: [ BrowserModule, FormsModule, HttpModule, JsonpModule ], providers: [GravatarService], bootstrap: [AppComponent] }) export class AppModule { }

Enfim, tive lá minha dificuldades com a sintaxe e onde cada código se encaixava, mesmo assim, depois de pronto fez muito sentido comparando com o AngularJS 1. Algo que achei bem legal foram os plugins para os editores, no meu caso uso o Sublime Text 3 e o plugin de TypeScript e Angular 2, facilitou bastante o meu desenvolvimento, em resumo, o ‘ctrl+espaço’ funciona. Ainda existe um caminho longo, preciso estudar os testes, ir a fundo nas boas práticas, verificar a estabilidade para produtos comerciais. No geral, achei bem bacana, muito mesmo! E vou acompanhar o crescimento dessa versão. Espero, de coração, que você tenha gostado.

Até breve!

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Pronto, tudo deve funcionar agora!

21


Novidades

Certificado

digital

AUMENTANDO SEU FATURAMEN Por Gabriel Serra

C

aro desenvolvedor, tenho três breves perguntas pra você: Quem vende cer tificados digitais para os clientes que utilizam seus softwares? Quando ocorrem problemas relacionados à esse certificado, quem dá o suporte ao cliente? E quando “o bicho pega”, cadê o cara que vendeu o certificado?

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Inevitavelmente, é de você que o usuário final vai se lembrar sempre que “o sistema estiver fora”, mesmo q u e o p ro b l e m a n e m s e j a n o s e u software. O Certificador apenas lucrou e dificilmente seu cliente se lembrará dele quando tiver problemas.

22

Aq u i n a Te c n o S p e e d o u v i m o s relatos assim com muito mais frequência do que gostaríamos, pois é uma situação bastante injusta. Ser o primeiro nome na memória do cliente quando ocorre qualquer problema que se refere à TI é inevitável, e quanto a isso, tudo bem, faz parte! Mas neste caso, se os problemas ficam com o desenvolvedor, é justo que fique também o lucro , não é?

Essa é uma das principais razões para que você mesmo, desenvolvedor, seja o fornecedor dos certificados digitais dos seus clientes. Além de aumentar seu faturamento, você emite o certificado no momento da implantação do software, ou renova durante uma visita técnica, sem precisar deslocar o cliente para uma agência certificadora. Isso certamente agradará ao cliente e reforça a ideia de que sua solução é realmente completa, incluindo até o certificado digital. Apesar de ser a mais mensurável e capaz de nos encher os olhos, a lucratividade de comercializar seus próprios certificados aos clientes não é a única vantagem para você. Como todos os seus clientes eventualmente estarão utilizando seus próprios certificados, eles serão todos da mesma certificadora, e sabemos o quanto padronizações facilitam o suporte que você prestará aos usuários.


NTO!

T.S.: COMO SURGIU A MARCOS SISTEMAS, E EM QUAL SEGMENTO VOCÊ ATUA?

Marcos: Iniciamos em 2010 como uma loja de informática, manutenção de computadores e representação de sistemas. Com o passar do tempo, a demanda por softwares cresceu muito, e decidimos ficar somente com os sistemas. Atualmente atendemos aproximadamente 90 empresas.

M a r c o s : Em pesquisas no Google cheguei até a Tecnospeed e cadastrei meu email para receber informações. Em um desses e-mails, falava justamente sobre certificação digital, foi quando me interessei e entrei em contato para mais informações, assim surgiu a parceria. T.S.: COMO ESTÁ SENDO A PARCERIA PARA VOCÊ?

Marcos: Por ser o primeiro ano, não temos parâmetros de mercado, mas está sendo ótimo e o crescimento está bem acima do esperado.

Muitos falam em crise, mas a maior crise que uma empresa passa, é quando ela começa suas atividades.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Marcos nos contou um pouco das sua experiência, tando profissional quanto em relação da parceria feita com a TecnoSpeed por conta dos certificados digitais, confira:

T.S.: COMO ENCONTROU A PARCEIRIA TECNOSPEED PARA CERTIFICADO DIGITAIS?

Recentemente um d e n o s s o s parceiros, o Marcos Rigo da empresa Marcos Sistemas, implementou o certificado digital ao seu sistema. Para sabermos como está sendo a adaptação e a efetividade da nova solução, o convidamos para conversar conosco.

23


T.S.: COMO É O SEU MODO DE TRABALHO que uso é uma motocicleta para agilizar PARA ATENDER OS CLIENTES? no trânsito, mas essa parte é opcional!

Marcos: Praticamente tudo in loco: vou até o cliente para pegar os documentos, volto no escritório para fazer a solicitação e depois retorno para finalizar com o cliente. O cliente não precisa sair para fazer nada, eu faço para ele! T.S.: QUAIS OS PRINCIPAIS DIFERENCIAIS QUE VOCÊ ENCONTROU NA PARCERIA E O QUE VOCÊ ESTÁ OFERECENDO PARA SEUS CLIENTES?

M a r c o s : Com cer teza a agilidade de vocês, e essa agilidade eu estou repassando para o cliente, pois ele recebe o certificado na hora e não precisa perder seu tempo se deslocando do seu trabalho até outra empresa. T.S.: QUAIS SÃO AS EXPECTATIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES?

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Marcos: Muitos certificados a fazer! Estamos correndo atrás de novas ideias para facilitar ainda mais a vida dos meus clientes, e uma delas será o parcelamento no cartão de crédito.

24

T.S.: QUAIS DIFICULDADES VOCÊ TEM ENCONTRADO NO CENÁRIO DE EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL E COMO ESTÁ RESOLVENDO ESSAS DIFICULDADES?

Marcos: Muitos falam em crise, mas a maior crise que uma empresa passa, é quando ela começa suas atividades, pois ninguém conhece a empresa e seus produtos. Por mais que tenhamos 90 clientes com nossos sistemas, eles não sabem do novo produto. Estamos visitando, ligando para os clientes, usamos o whatsapp e o facebook para fazer mídia e vamos até os contadores para falar sobre o assunto e fazer parcerias. A parceria é uma sacada bem bacana que tivemos: fornecer sem custo o certificado do próprio contador, e ele oferece nossos certificados para os clientes. T.S.: PARA QUEM VOCÊ INDICARIA A PARCERIA?

Marcos: Para empresas de sistemas comercial é muito interessante, pois pode agregar o certificado na mensalidade do sistemas, e pela facilidade do processo, T.S.: COMO É O PROCESSO DE EMISSÃO E fica ainda mais fácil. QUAIS DICAS VOCÊ DARIA PARA AS NOVAS EMPRESAS QUE ESTÃO INICIANDO OU A TecnoSpeed oferece a parceria TEM INTERESSE EM INICIAR A PARCERIA mais vantajosa do mercado em relação COM A TECNOSPEED?

Marcos: Uso a tecnologia a meu favor: Smartphone para escanear documentos, dropbox para transferência de arquivos, notebook de 11 polegadas para facilitar o transporte e uso programas para facilitar o processo digital. E o meio de transporte

a revenda de cer tificados digitais. Analisando o preço médio de certificados A1 e A3 em várias regiões, notamos que o preço de custo que terá conosco te permite ter até 115% de lucro e ainda ficar alguns reais abaixo da média de mercado.


25

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição


Olhando para o futuro Game of Problems - GoP

XABLAU O PROBLEMA QUE DEU CERTO Por Jean Baldaia


Game of Problems

não chegaria a mesma resposta. Sucesso, não é? Ainda tem mais.

D

Por que não gamificar o processo e transformar todas os problemas e ideias em um jogo cooperativo envolvendo toda a empresa? Viajei? Pois foi exatamente o que a TecnoSpeed fez! Após identificarmos que a dificuldade em aumentar o compartilhamento interno de ideias era Seja qual for a técnica escolhida, elas justamente chegar até a ideia, mudamos o têm em comum o trabalho em torno da foco para a coleta de problemas e criamos gestão e desenvolvimento de ideias. Tudo o Game of Problems. tranquilo se não fosse um pequeno detalhe: O Game of Problems é uma nem todo mundo é um exímio criador de web colaborativa e ideias. Mesmo em sessões de brainstorming, plataforma é comum ter participantes com dificuldade interativa que gerencia problemas. de criação ou que necessitam de um apoio Qualquer colaborador da empresa pode extra para dar início ao processo criativo levantar demandas ou solucionar as já e não ficarem “travados”. Se esta for a sua existentes, a qualquer momento e de dificuldade, seus problemas acabaram... de qualquer lugar. Além disso, para evitar que a plataforma seja somente mais começar. uma lista de problemas e soluções, “Ué Jean, ficou maluco? Não quero criamos o Xablau, um personagem ter mais problemas!” Calma. Vamos fazer que “incorpora” todos os problemas da o seguinte exercício: chame uma pessoa empresa. Cada vez que um problema e peça para lhe dar uma ideia, com sorte, é cadastrado o bixo fica mais forte e ela te apresentará uma ou duas boas ideias. evolui, em contrapartida, a cada solução Agora, repita o processo e peça para ela ou ideia compartilhada pela equipe, o lhe falar um problema: BUM! Veja a mágica monstrinho perde força. acontecer. Em geral, é muito mais fácil pedir para alguém apontar problemas do que A criação do personagem foi ideias e, em alguns casos, ao compartilhar fundamental para o sucesso do Game um problema, a própria pessoa acaba of Problems. Hoje, ele é exibido em um descrevendo uma ideia para solucioná-lo, painel no centro da empresa, assim, não sem perceber. O curioso é que se o passo tem como passar pela figurinha animada inicial fosse pedir por uma solução talvez ela sem ter curiosidade de saber o que ela faz. Além da exposição, a plataforma também foi integrada a nossa ferramenta de comunicação interna, aumentando a interatividade e alertando os usuários sobre

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

esde o início desta coluna, temos apresentado diferentes formas, metodologias e ferramentas para se inovar em uma empresa. Já abordamos os processos de brainstoming, hackathon, ideation e até a preparação de um modelo de inovação interno.

27


as novidades do simpático Xablau.

entre os diferentes setores da empresa gerando informações muito mais Foi desta forma que a TecnoSpeed dinâmicas e assertivas. conseguiu transformar problemas em O sucesso do Game of Problems e do soluções. Com pouco mais de 1 mês de criação, o Game of Problems tem Xablau só evidencia o poder transformação adesão de quase 90% dos colaboradores da inovação, tornando os problemas e mais de 180 registros (entre ideias possíveis soluções, oportunidades e, em e problemas cadastrados), além do breve, novos negócios. importante incremento na interação Até a próxima.

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição

Mim XABLAU come problemas!!!

28


29

REVISTA TECNOUPDATE - 5ª Edição


Revista TecnoUpdate 5ª edição  
Revista TecnoUpdate 5ª edição  
Advertisement