Page 37

Ao realizar atividades de práticas musicais, o cérebro realiza inúmeras sinapses que interagem com diversas seções do campo neural, estimulando a comunicação entre essas áreas.

DISCIPLINA A estudante Júlia Barradas , do 9o ano EF do Marista Rosário, toca piano e teclado. Ela compartilha um pouco dos bastidores do que considera uma “arte magnífica”. “Enxergo a música como um meio de me expressar. É como falar, por meio da melodia, algo que está dentro de mim”, conta. Mas não é fácil se dedicar aos estudos. “No começo, eu não entendia por que tinha que fazer exercícios no piano… É trabalhoso. Mas vale a pena, acaba sendo prazeroso”, diz. No Colégio, as aula de Música vão da Educação Infantil até o 5o ano EF, além de serem uma opção de atividades extracurriculares, como a orquestra. Da Educação Infantil até o 2o ano EF, o foco é a musicalização, o contato prazeroso com a música. A partir do 3o ano EF, entram os instrumentos, como a flauta doce soprano, e a leitura da pauta, além de outras formas não tradicionais de escrita e registro.

CRIAÇÃO Outro resultado do contato com a música é a ampliação do repertório para abrir caminho à criatividade. “Propomos que os estudantes experimentem a criação de paródias, composições instrumentais e a escrita de letras”, destaca Neves. O contato com a música de outros povos é outro ponto fundamental da atividade musical na escola, já que ajuda a entender um pouco melhor outras culturas. Além disso, a ideia é que o ensino da música esteja integrado às demais matérias. “Ela pode ser um fio condutor, alinhando as temáticas e os assuntos abordados nas diversas disciplinas”, opina Keliezy. Os alunos do 3o ano EF do Marista Rosário, por exemplo, estudam a história de Porto Alegre por meio do contato com artistas e grupos, como Lupicínio Rodrigues, Kleiton & Kledir, Elis Regina e Almôndegas.

Além do aprendizado em aula, as orquestras e bandas dos Colégios trazem experiência de palco e aquele friozinho na barriga que ajuda os jovens a decidirem se irão adiante com a música como profissão ou como hobby. “Na orquestra, todo mundo está lá porque quer”, sentencia Maurício Manica, estudante do 1o ano EM do Marista Rosário, que toca trompete e flauta. “Um dia, uma menina da banda começou a tocar violoncelo, bem na minha frente, e depois um amigo meu começou no clarinete. De repente, criou-se um ar de seriedade, pois tínhamos três instrumentos de orquestra sinfônica”, comemora. Na Orquestra Rosariense, há muitos outros instrumentos, como flauta doce tenor e soprano, flauta transversal, oboé, escaleta, acordeão, saxofone, a lista vai longe. “Nesses encontros, não compartilhamos apenas conhecimentos musicais teóricos e práticos, mas principalmente o espírito de equipe, a coletividade e a liderança entre o grupo”, explica o professor Estêvão Neves, que é o regente. O repertório vai do rock ‘n’ roll a compositores brasileiros, muitas vezes com arranjos criados pelo próprio educador. Para os estudantes, “participar da orquestra também contribui para o orgulho de pertencer, pois eles representam a escola em apresentações externas”, conclui o professor.

MÚSICA COMO ESCOLHA O ex-aluno do Marista Champagnat Diego Ambrozi hoje trabalha como DJ e foi na escola, onde se formou há quatro anos, que aprendeu a trilhar esse caminho. “Quando decidi me dedicar a essa carreira, sempre tive incentivo dos professores”, conta. “Em qualquer evento do Grêmio Estudantil, eu era responsável pela música. Também fazíamos shows de talentos”, relembra. Ele faz questão de afirmar: “hoje vejo a escola não como uma empresa, mas como um grupo de pessoas que me incentivaram.” © Foto: Arquivo pessoal

© Foto: Acervo Marista Rosário

FORMAÇÃO NO PALCO!

37

Profile for Tecendo | Atelier de Comunicação

Colégio Marista Champagnat  

Revista Em Família Marista | 16ªEd

Colégio Marista Champagnat  

Revista Em Família Marista | 16ªEd

Profile for tecendo
Advertisement