Issuu on Google+

Interliga começa em abril Edição Nº 2 - Jan/ Fevereiro de 2007

Desafio inédito abre II Circuito

Persona Entrevista com Carlinhos, Vice-presidente da Liga e diretor do Mesc

Confira Dicas sobre empunhadura


Caros filiados,

Presidente: Maurício Ribeiro de Souza Vice-Presidente: Carlos Alberto S. de Souza Secretária Geral: Neusa S.Oguihara de Souza Tesoureiro: Mário Alberto O Cintra Corrêa Diretores de Esporte: José Manoel Sanches,Rodrigo Pavão, Edson Pereira dos Santos, Maurício Mattioli, Edmilson Silva, Ricardo A Coelho,Alexandre Baldoni, Marcelo O Capolupo Diretor Social: Odilon Malheiro Diretor de Cultura: Paulo Cunha Conselho Fiscal: Antonio Carlos Gomes, Selma Bueno, José Luís Cirino Suplentes: Cássio Vetorazzi e Devanilson Sanches Paradas

www.ligaabcdetenis.com.br Fone: (11) 4330-1258

2007 já começa com muitas novidades na Liga ABC de Tênis. O ano de

Mensagem

Liga ABC de Tênis

O II Circuito, contando com o MASTER, terá 12 etapas (cinco a mais que no ano anterior); estamos ousando com o lançamento do INTERLIGA, uma versão competitiva reunindo tenistas dos clubes e academias. Como se vê, a Liga ABC abre uma nova fase com vistas a consolidar o tênis como um grande esporte também na região do ABC paulista. Para fazer frente a esses desafios, decidimos profissionalizar a estrutura. Desde a segunda quinzena de janeiro contamos com uma empresa especializada em comunicação e marketing corporativos, apoiando as atuais ações e estruturando novas perspectivas de negócios para 2007. Com isto agregamos um real valor aos nossos filiados, ao mesmo tempo em que fomentamos a prática do tênis na região e no país.

CNPJ: 07.761.565/0001-30

REVISTA da Liga ABC de Tênis Coordenação Editorial: Virtual Comunicação & Marketing Editor: Eduardo Borga (MTb 11.539) Editor Assistente: Nelson Tucci (Mtb 12.823) Repórteres: Daniela Dahrouge, Tatiana Ferreira e

Entretanto, nunca é demais lembrarmos que até aqui conseguimos desenvolver a Liga com base na determinação de um valioso quadro de colaboradores, que permanecem conosco nesta caminhada, tornando a entidade referência regional e, futuramente, nacional. Abrimos o ano de 2007 com um quadro superior a 400 filiados, 13 entidades associadas (clubes e academias), o que demonstra o acerto de nossas ações voltadas ao esporte.

Fabrícia Morais Fotos: Ana Paula Trajano Projeto Gráfico: Atta Comunicação e Marketing Programador Visual: Luís Marcelo Marcondes Colaboradores: Paulo Cunha e José Cirino Contato Comercial: Fones (11) 5542 3817 (11) 5543 4187 virtual.com.mkt@uol.com.br www.virtualcomunicacao.com

TIRAGEM: 2.000 Exemplares Impressão: Targ Gráfica e Editora DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Liga ABC de Tênis

Novas parcerias e filiações já ocorrem desde os primeiros dias do ano, permitindo-nos lançar projeções de um expressivo e qualitativo aumento de atividades no curso deste ano. Aos filiados e parceiros consagrados, o nosso muito obrigado pelo apoio e demonstração de confiança; aos novos, damos as boas vindas, desejando a todos os tenistas da região um ótimo ano, de grandes disputas e vitórias. Tudo dentro do clima de cordialidade que permeia o universo do nosso esporte. Maurício Ribeiro de Souza Presidente

03


Editorial

A Revista da Liga ABC de Tênis já está maior nesta segunda edição. Após o primeiro número que saiu com o esforço e colaboração de muitos tenistas e diretores envolvidos no processo de criação de um veículo de comunicação para a entidade, o segundo número chega com mais páginas e refletindo o crescimento desse esporte em nossa região a partir da criação da Liga em agosto de 2005. Na primeira edição pudemos mostrar parte do primeiro ano de trabalho da Liga, coroado com o êxito do MASTER no final de 2006. Nesta edição, temos o dever e o prazer de ampliar o foco sobre as atividades promovidas e outras que serão implementadas este ano. Uma delas é a criação do INTERLIGA, torneio envolvendo disputas entre equipes de clubes e aca-

demias. A edição de número 2 também faz um GIRO pelos clubes e academias associados à Liga, traz o calendário do Torneio de Damas e do II Circuito ABC de Tênis, cujo início será marcado por um desafio inusitado entre professores de tênis e atletas cadeirantes conforme matéria de capa. A Revista mostra ainda o RANKING de 2006, apresenta DICAS sobre empunhadura de raquete, faz uma volta pelo tênis NO MUNDO e estréia duas novas seções: PERSONA, enfocando personagem com destaque no mundo do tênis e suas atividades profissionais e uma outra, PROFISSÕES & HOBBIES, na qual o leitor poderá conhecer melhor o tenista e suas atividades fora das quadras. Boa leitura. O Editor

Indice

08

06 07 08 10

Capa Ranking Calendário 2007 Interliga

12 14 16 18 28

04

Persona Dicas Damas Master

12 19 20 28 30

Saúde Academias Profissão & Hobby Pelo Mundo Liga ABC de Tênis


Liga ABC de TĂŞnis


Persona

Um conciliador dentro e fora das quadras ocê já ouviu falar em Tupanciretã? Pois é uma cidade gaúcha, no sul do Estado, cuja tradução é “Terra da Mãe de Deus”. Carlos Alberto de Souza, empresário e psicólogo de formação, é um dos filhos da terra. E quem espera um gaúcho troncudo, de fala ríspida e autoritária, engana-se. Homem inteligente, disciplinado e, sobretudo, tranqüilo, tem na conciliação uma de suas principais características. No ABC, o dr. Carlos Alberto é mais conhecido como um grande tenista. Para os mais íntimos, estamos tratando do Carlinhos, diretor do MESC, e Vice-Presidente da Liga ABC de Tênis. Com um sorriso permanente no rosto, irradia simpatia e cativa a todos que o conhecem. Sempre ágil e resoluto, tem sido exemplo de dedicação e eficiência no trabalho. Carlinhos, pela sua importância no universo do tênis na região, e na sociedade, abre a Seção PERSONA da Revista.

de cintura extraordinário, na condução do dia-a-dia do trabalho. Como é isso?

V

Revista da LIGA – Tu és gaúcho, tchê, mas não tens sotaque?

Carlinhos - É que cheguei em São Paulo há 37 anos... e perdi aquele sotaque (sorri).

Tomando conta do Mesc, 400 inscritos da Liga e ainda com uma empresa, o que te sobra de tempo? Não há cobrança da mulher e filhos? Carlinhos é Vice-presidente da Liga

Sou federado há 10 anos. Hoje sou Primeira Classe e quando era Quarta Classe fui eleito o melhor do ano por duas vezes consecutivas... Seu vínculo com o tênis começou pelo MESC?

Sim, há 22 anos, sempre treinando muito e jogando... No MESC (Movimento de Expansão Social Católica) sou Diretor de Tênis há seis anos e conselheiro do clube.

“No ABC o tênis está em sua melhor época. A Liga deu um impulso fundamental para isso” Como foi o seu vínculo com a Liga?

Eu jogo tênis todos os dias. Todos mesmo.

Sou um dos fundadores da Liga. Atuei como secretário da Diretoria Provisória (agosto de 2005 a março de 2006), trabalhando com o Edu Borga, presidente – “aliás, um cara incrível. Trabalhou muito mesmo para criar e embalar a Liga” – e agora estou como Vice-Presidente da atual gestão, presidida pelo Maurício (Ribeiro de Souza)

Você é federado? E disputa que classe?

Você tem uma característica que salta aos olhos de todos: um jogo

Há quanto tempo está no ABC?

Exatos sete anos, mas no tênis há 22 anos. Então você, definitivamente, é um apaixonado pelo tênis. Com que regularidade o pratica?

06

Experiência. Isso conta muito. Eu administro o MESC também e tenho psicologia na minha formação. A somatória me dá essa flexibilidade.

Bem (sorri), minha mulher é a Neusa (secretária geral da Liga), que me acompanha nas atividades do tênis e na empresa também, assim fica mais fácil de administrar. Estamos casados há 30 anos e ela me entende e ajuda muito. Os filhos já estão crescidos. Você enxerga o tênis evoluindo no ABC?

Aqui o tênis está em sua melhor época. A Liga deu um impulso fundamental para isso. São 400 tenistas filiados e até o final deste ano poderemos duplicar o número. Quais os melhores na região?

Júlio Silva e Rogério Duarte Silva são grandes tenistas. Eles treinam no ABC mas não são daqui. Quem é da região mesmo e treina aqui é o Juninho, um garoto excelente (Capa da edição n. 1 da Revista). Qual o futuro do tênis no ABC?

O tênis vive um momento especial em todo o País e, particularmente, no ABC onde existe muito trabalho e dedicação. A Liga cresce desde a fundação e tem espaço para crescer muito ainda. Isto não é promessa, é realidade, porque nos consolidamos no dia-a-dia.

Liga ABC de Tênis


“Precisa observar empunhadura do adversário”, diz professor A partir desta edição, a Revista da Liga vai trazer sempre algumas dicas e ensinamentos de um técnico ou jogador para quem pretende aprimorar jogadas e o desempenho em quadra. Para abrir a seção AQUECIMENTO, convidamos o professor Ricardo Coelho (foto) da Academia Top Spin & Big Ball que fala sobre três empunhaduras de direita (forehand). Ele garante que um jogador pode tirar muito proveito em quadra se conhecer a maneira como um adversário segura a raquete.

Eastern: O jogador destro segura a raquete nessa empunhadura colocando o “V” (entre o dedo indicador e polegar) da mão direita em cima da segunda quina do cabo da raquete (olhe a foto). Esse jogador terá facilidade para bater bolas na altura da cintura, e dificuldade com as bolas baixas e na altura do ombro. Liga ABC de Tênis

Aquecimento

Dicas para jogar melhor

Western: O jogador destro segura a raquete nessa empunhadura colocando o “V” (entre o dedo indicador e polegar) da mão direita próximo ou em cima da quarta quina do cabo da raquete (olhe a foto). Essa empunhadura é boa para bater as bolas na altura do ombro, e desconfortável para as baixas e na altura da cintura.

Semi-Western: O jogador destro segura a raquete nessa empunhadura colocando o “V” (entre o dedo indicador e polegar) da mão direita em cima da terceira quina do cabo da raquete (olhe a foto). Essa é a empunhadura da maioria dos tenistas, já que com ela se tem facilidade em bater bolas nas alturas do ombro e cintura. Somente as bolas baixas são problemáticas. 07


Damas

5º Encontro agita Aramaçan Calendário de 2007 prevê nove etapas em três clubes Para o sexo forte, chuva não é coisa que intimida. Assim, as 22 tenistas do 5º Encontro de Damas da Liga ABC de Tênis deram um verdadeiro show, pra marmanjo nenhum botar defeito. O evento aconteceu no último dia 19 de outubro, no Aramaçan, e serviu para comprovar que são excelentes atletas. Antes de começar as disputas, as tenistas participaram de um café da manhã e espalharam cordialidade e amizade. “A idéia é que o número de mulheres nas disputas aumente cada vez mais”, confessa a organizadora do encontro, Irene Martins Drumond (Mesc). Irene admitiu que a permissão de tenistas não filiadas nesta 5ª etapa teve o propósito de mostrar às recém-chegadas as vantagens de se cadastrar na Liga ABC. Atualmente a entidade tem 32 tenistas filiadas, divididas em três categorias: FA : Feminino 1ª, 2ª e 3ª Classes, Idade Livre / FB: Feminino 4ª Classe, Idade Livre / FC - Feminino Principiante e Estreante. Para este ano Irene prevê muita movimentação nas quadras onde as Damas irão se encontrar. A Liga ABC já marcou sete etapas que serão disputadas nos clubes Aramaçan, Mesc e Tênis Clube de São Caetano. Uma das atletas que gostou da competição promete encarar os jogos do Circuito 2007. A tenista Elisa Ogata treina em São Paulo, mas declarou: “Eu adorei a ex-

periência de trocar bolas com as tenistas da região e da próxima vez que participar do encontro, já estarei filiada”.

Estrada Há também aquelas que não medem esforços para desfrutar da companhia das amigas do ABC. Por isso as três horas ao volante para participar do torneio em Santo André não fizeram a menor diferença no caso de Maria Lina Mota. “Jogava no Mesc, mudei para Jandira (Grande São Paulo) mas continuo jogando pela Liga”, exemplifica. Essa foi a primeira vez que o Encontro de Damas aconteceu no Aramaçan. As outras etapas foram realizadas no clube Mesc, em São Bernardo. As vencedoras do grupo “A” da quinta etapa foram Irene Martins Drumond e Maria Socorro Zoldi, e a vice foi Maria Lina Mota. Já no grupo “B”, a campeã foi Edith Ojeda e as vices Sônia Correa e Zélia Oliveira. As primeiras e segundas colocadas ganharam relógios personalizados pela Via Nova – empresa patrocinadora da Liga ABC de Tênis.

Cordialidade e descontração animaram o 5º encontro. À esquerda as campeãs Edith Ojeda, Irene Drummond e Maria do Socorro

08

Liga ABC de Tênis


Masters

Master encerra I Circuito Os oito melhores de cada categoria disputaram a etapa final Foi um ano inteiro de disputas e confraternizações. Ao final, o ranking e a motivação de atletas, encorpando o tênis na região. Criado pela Liga, o 1º Circuito ABC de Tênis aconteceu em seis etapas realizadas em alguns dos principais clubes e academias de S. Bernardo e Sto André: 1ª Etapa - Top Spin Big Ball (S. Bernardo); 2ª - Academia Pavão Tennis (Sto André); 3ª – Clube Mesc (S. Bernardo); 4ª – Academia Tênis & Cia; 5ª – Clube Ford (S. Bernardo) e 6ª – São Bernardo Tênis Clube (S. Bernardo). Como resultado do Circuito, a Liga selecionou os oito melhores tenistas de cada categoria para a disputa da Etapa Master, desenvolvida simultaneamente em dez clubes e academias. Outros espaços também abriram as portas para os filiados, como os clubes Aramaçan (Sto André) e Tênis

5ª Etapa - A penúltima etapa do Circuito ABC de Tênis realizou-se na A.R. Ford-Malheiro Tênis, em São Bernardo do Campo. Durante dois meses, 156 tenistas de diversas academias e clubes da região participaram do torneio. A novidade ficou por conta da etapa incluindo os jogos da categoria MC3. O título da categoria estreante ficou com o tenista da Ford, Toshihico Ohashi que venceu Mário Suetugui na final. Vencedores: José Roberto Lioi (MA1); Alberto Cuadrado de Souza (MA2); Roberto Eliti Ushida (MA3); Rubem Balan Júnior (MB1); Cleiton Mesquita Pereira (MB2); Pedro Topciu (MB3); Fabrício Fonseca Bianchi (MC1); Jorge Tadeu Batista Capelão (MC2); Toshihico Ohashi (MC3); Enrique Bianchini Bogo (MM); Thiago Duarte de Brito (MI); Shigueko Minami (FB); Mariana Triveloni (FC) e Anderson Oliveira e Silvio Gentil (DMC). 6ª Etapa - A última rodada do 1º Circuito ABC de Tênis foi disputada no São Bernardo Tênis Clube, nas quatro quadras de saibro cobertas e duas descobertas, que ficaram a disposição dos 131 tenistas da etapa final. Excepcionalmente nessa rodada, os tenistas tiveram que disputar dois jogos no mesmo dia. Outra novidade foi a realização de um grande número de partidas durante a semana para não ferir o cronograma. Vencedores: José Roberto Lioi (MA1); Hélio Romeu Soares Filho (MA2); Felício Cirillo Guberti (MA3); Fabiano Costa Chaves (MB1); Ademir Matos (MB2); Jonas Hipólito (MB3); Adriano Ribeiro do Nascimento (MC1); Marney Leitão Faria (MC2); Maria Walda Viana (FB) e Mariana Fernandes Triveloni (FC).

10

Clube de São Caetano do Sul (S. Caetano) e as Academias: Red Tennis (S. Bernardo), Espaço Tênis (Sto André) e Topp (Ribeirão Pires).

Café Como incentivo ao clima de confraternização, no encerramento de todas as etapas houve um momento de descontração, regado a um suculento café da Padaria Brasileira, uma das parceiras da Liga.

Paralelas Os Encontros de Damas, de Veteranos, de Tênis do ABC, o lançamento da Revista da Liga e a festa de comemoração do primeiro ano da entidade foram eventos paralelos, revestidos de êxito. Além do esforço pessoal dos diretores e atletas, a Liga contou com patrocinadores, apoiadores e anunciantes que viabilizaram o evento.

Tenista Haruo Asai também disputou o Master

Master - Durante dois finais de semana o público acompanhou os jogos que definiram os melhores do ano. A escolha foi feita de acordo com a pontuação do ranking ABC de Tênis, criado no início da competição. Os oito melhores tenistas de cada categoria conseguiram uma vaga e disputaram o título de campeão dos campeões. As partidas foram realizadas simultaneamente nos clubes e academias parceiras da Liga. Foi considerado ótimo o nível técnico. Vencedores: José Roberto Lioi (MA1); Célio Vega Bexiga (MA2); Felício Cirillo Guberti (MA3); Fábio Joaquim de Oliveira (MB1); George V. Mihailoff (MB2); Topciu (MB3); Fabrício Fonseca Bianchi (MC1); Jorge Tadeu Batista Capelão (MC2);Enrique Bianchini Bogo (MM); Thiago Duarte de Brito (MI); Érica Schiersner (FMI); Shigueko Minami (FB) e Selma Regina Bueno (FC).

Liga ABC de Tênis


Parceiros da Liga Liga ABC de TĂŞnis

11


Capa

Desafio inédito abre o II Professores X cadeirantes no saibro; todos em cadeira de rodas

Tenistas cadeirantes e professores fazem aquecimento no Mesc um mês antes do confronto

O II Circuito ABC de Tênis que começa no próximo dia 3 terá uma atração inusitada para o público que comparecer na Academia Top Spin & Big Ball, em São Bernardo do Campo: um desafio entre dois professores de tênis contra dois tenistas cadeirantes. De um lado da quadra, Marcos Vasconcelos e Marcos Soares Lima, jogadores que usam cadeira de rodas. Do lado oposto, Edmílson Silva e Ricardo Coelho, professores de tênis, que aceitaram o desafio proposto pela LIGA ABC de Tênis, e vão participar de uma partida jogando como se também fossem cadeirantes. A idéia do desafio surgiu durante o início dos treinos dos atletas cadeirantes no Clube Mesc. Segundo os dirigentes da Liga, já no ano passado havia a intenção de se abrir uma das etapas do Circuito com uma apresentação entre cadeirantes; uma forma de dar visibilidade aos atletas que, além do problema de locomoção, enfrentam dificuldades financeiras para participar de torneios dentro e fora do Estado. “A gente sempre quis fazer uma exibição com tenistas cadeirantes, mas infelizmente, nunca conseguíamos. Agora, assistindo esse treino, fizemos o convite e eles

12

aceitaram. Será uma grande experiência”, disse o vice-presidente da Liga Carlos Alberto de Souza. E se depender dos jogadores, a partida será mesmo emocionante: “Eu aceitei o desafio porque acho muito importante esse tipo de evento. Ele serve para unir o pessoal e quebrar certos preconceitos. A gente só tem a aprender com esse intercâmbio”, disse o professor de tênis do Clube Mesc, Edmílson Silva. As regras do jogo são praticamente as mesmas do tênis para não–cadeirantes. A única diferença é que a bola pode quicar duas vezes dentro da quadra antes de ser tocada pela raquete do adversário. Mesmo assim, o professor de tênis da academia Top Spin & Big Ball, Ricardo Coelho prevê grandes dificuldades. “Vai ser muito difícil. Quem vê de fora não tem idéia do tamanho das dificuldades. Além de ter que saber jogar, dominar a técnica do esporte, ainda tem que ter habilidade em manusear a cadeira de rodas”. Para o presidente da Adesp (Associação Desportiva para Pessoas com Deficiência Física), José Sacerdote, o Zezão a iniciativa é boa, já que estimula os tenistas que sofrem com tantos

Liga ABC de Tênis


problemas. “As dificuldades são grandes. Além do preconceito, da falta de estrutura física e transportes adaptados, existe a escassez de patrocínio, que prejudica muito nosso trabalho. As próprias cadeiras que os atletas usam não são apropriadas para o tênis e sim para o basquete. Como ganhamos as cadeiras, fizemos uma adaptação”, afirmou Zezão. O presidente relata ainda que várias vezes, o tenista Marcos Vasconcelos teve que procurar sozinho o patrocínio. ”Algumas vezes não conseguimos patrocínio para bancar o custo da inscrição e viagem do atleta para a disputa do Campeonato Brasileiro, que é realizado em cinco etapas em estados distantes. Algumas vezes, ele não consegue e não pode participar do torneio. Mesmo com essa dificuldade, ele é atualmente o 16º colocado no ranking nacional”. “Somos atletas iguais aos outros, até mais, porque a gente treina muito, se esforça, mas infelizmente as pessoas não dão valor”, afirma Marcos Vasconcelos. Quem vê o atleta em quadra sorridente, otimista e determinado, nem imagina que num passado

Capa

Circuito ABC de Tênis recente o tenista tenha lutado contra a depressão. “Eu fiquei dois anos preso a uma cama. Não tinha vontade de fazer nada, porque não me conformava em ter ficado paraplégico da noite para o dia”, destaca Marcos que perdeu os movimentos da perna após tomar um tiro durante um assalto há seis anos. Outro cadeirante que entrará em quadra na abertura do II Circuito é o tenista Marcos Soares Lima. Ele confessa estar ansioso. “Esse jogo é muito especial, primeiro porque permite que a sociedade olhe e se sensibilize com o nosso caso. Depois porque serve para atrair possíveis patrocinadores e por último, porque faz bem para nossa mente, nossa auto-estima”. O tenista que se prepara para disputar pela primeira vez o Campeonato Brasileiro de tênis de cadeira de rodas deu a dica de como será o desafio. “Vamos tentar explorar o fato da gente já ter mais habilidade com a cadeira, porque se jogarmos a bola na mão deles, vai ficar difícil, já que eles têm mais técnica que nossa dupla”.

Quem é quem no desafio: Marcos Vasconcelos - tenista-cadeirante desde 2000, atualmente ocupa a 16ª colocação no ranking brasileiro de tênis de cadeira de rodas. Além do tênis, pratica ainda basquete e esgrima. Marcos Soares Lima - tenista-cadeirante há pouco tempo, vai participar pela primeira vez do Campeonato Brasileiro de tênis de cadeira de rodas. Ricardo Coelho - diretor técnico da LIGA ABC de Tênis e ministra aulas de tênis na Academia Top Spin & Big Ball, em São Bernardo. Edmílson Silva - diretor técnico da Liga ABC de Tênis é professor de tênis no No sentido horário: Marcos Vasconcelos e Marcos Soares Lima (cadeirantes) e os professores Ricardo Coelho e Edmílson Silva

Liga ABC de Tênis

Clube Mesc, de São Bernardo.

13 13


Ranking ABC

Campeões 2006 Confira os 15 campeões do I Circuito ABC de Tênis realizado pela Liga. Para conhecer o ranking completo acesse o site: www.ligaabcdetenis.com.br

Enrique Bogo - MM Ford

Shigu ek A v u l s o Minami o - FB

os Carl r o F d

Padi

MA1 al -

Cleiton Mesquita Pereira - MB2 Aramaçan

Cél io e s Vega c Bex ig

14

a ( à

F a b ia n o C o st a C h aves - M Pavão B1 dire

ita)

- M A

2

Ca Jorge c Mes

pelão

sc - Me

Liga ABC de Tênis


Ranking ABC ia Patric o Pavã

FA Lee -

Selm a A r a m Regina B açan ueno - FC

José Roberto Lioi - MA1 Ford

Thia g M e s o Brito c - M I

lo riv e a T n a i Mar c s Me

c iu o To p Pe d r ã a n aç m a r A

FMI ni -

Fabiano Paulo da Silva - MJ Tênis & Cia

- MB3

Liga ABC de Tênis

Fel M e icio G sc ub ert

i MA

3

15


Calendário 2007

Programe-se para 2007 O II Circuito ABC de Tênis começa em 3 de março e terá 11 etapas e um Master. A decisão de ampliar o número de etapas amplia o leque de opções ao filiado. Para efeito de disputa no Master serão computados os sete melhores resultados de cada jogador durante o ano. Neste ano, o torneio estará contemplando 26 categorias. Assim, cada tenista pode se programar melhor para disputar o Ranking ABC sem a necessidade de jogar todas as etapas. (11) 4330-1258

www.ligaabcdetenis. com.br

16

Liga ABC de Tênis


Calendário 2007 Liga ABC de Tênis


Destaque

Vem aí o Interliga ã

Uma novidade deste ano da Liga ABC de Tênis foi a criação do Interliga, torneio entre equipes de clubes e academias que será disputado em seis etapas, a começar em 27 de abril com término previsto para 26 de outubro. Os jogos serão realizados sempre às sextas-feiras e sábados. As inscrições dos clubes e academias deverão ser feitas sempre com uma semana de antecedência ao sorteio que vai definir as equipes que se enfrentarão. Os locais dos jogos ainda estão sendo escolhidos pela comissão técnica da Liga ABC de Tênis.

18

Damas Também em 2007, a Liga vai chancelar o Torneio de Damas. No ano passado foram cinco etapas. Para este ano serão nove etapas em três clubes, começando em 5 de março, no Mesc, com término previsto para 26 de novembro no Tênis Clube São Caetano.

Ç

Ç

Ç Liga ABC de Tênis


Saúde

Cuidar para vencer O tenista atento pode diminuir os riscos de uma lesão

S

e você pensa que para ser um campeão basta apenas saber jogar, engana-se. O fisioterapeuta Ricardo Takahashi conversou com a Revista da Liga e disse que para trilhar um caminho vitorioso é preciso mais que boas raquetadas. Takahashi é fisioterapeuta da academia Tênis & Cia, além de ser responsável pelo circuito Banco do Brasil de Tênis Juvenil; Brasil Open (Sauípe – Bahia) e da equipe brasileira de tênis na Copa Davis.

“Aquecimento é fundamental”, ensina Takahashi

Revista da Liga - Qual a importância da fisioterapia esportiva para o tenista?

Ricardo Takahashi - A fisioterapia tem um papel importante nas seguintes áreas: educativa/orientação, visando orientar atletas e todos os profissionais de uma equipe multidisciplinar em relação às principais lesões e tratamento; curativa: a fisioterapia esportiva deve ser diferente das demais, ou seja, utiliza-se de técnicas diferenciadas para uma reabilitação mais eficaz; preventiva: exercícios específicos para diminuição dos riscos de lesão. Como o jogador percebe que está ultrapassando os limites físicos? O

quanto o profissional deve realizar exames periódicos para que o corpo não sofra com deficiências de vitaminas, entre outras coisas. Por isso é importante a assessoria de profissionais.

Não. Normalmente o que vejo no circuito é que os jogadores só realizam o preparo físico para manutenção durante os torneios.

Depende do tipo de contusão. Preocupa-me a automedicação, ou seja, muitas pessoas que sentem algo sem saber o que é, tomam antiinflamatórios, que mascaram a dor, sem antes procurar um especialista. Se você sentir algum desconforto em quadra, mas que não o impeça de continuar jogando, dê uma alongada, uma massagem com pomada e após a partida uma aplicação de gelo de 20 minutos. Se o desconforto persistir pode ser um indicativo de algo mais sério.

Quais lesões são mais comuns aos

Os alongamentos devem ser fei-

tenistas e como evitá-las?

tos antes e depois do jogo?

São as lesões traumáticas, como as entorses de tornozelo, joelho, quedas e as por sobrecarga, como as tendinites.

A questão do alongamento é muito discutida ultimamente. A orientação é que entre alongar e/ou aquecer antes da partida, é melhor aquecer. Na minha opinião, o alongamento tem um caráter educativo, principalmente para as crianças.

Em período de torneios, o tenista deve manter o mesmo ritmo de preparo físico?

que fazer nessa hora?

Quando não se consegue jogar ou treinar como está acostumado. Tanto um atleta amador

Liga ABC de Tênis

Quando um atleta sofre contusão, pode continuar com os alongamentos e jogar normalmente?

19


Clubes e Academias

Veteranos são atração no Aramaçan Ter mais de 60 anos. Esse foi o pré-requisito para participar do 1° Encontro de Veteranos do ABC, que no último dia 12 de novembro reuniu 26 tenistas de clubes e academias da região num torneio pra lá de amistoso. Difícil mesmo foi descobrir qual era o mais velho da turma, já que a maioria dos jogadores “transbordava” disposição mas escondia a idade real, limitando-se a informar ter “mais de 60”... O evento, promovido pela Liga ABC de Tênis, aconteceu no Clube Atlético Aramaçan e terminou com um suculento churrasco. O diretor de tênis do Aramaçan, Paulo Olávio, diz que o torneio “é uma forma de confraternização, ao mesmo tempo

em que homenageia aqueles que já jogavam tênis muito antes de Guga (Gustavo Kuerten)”.

A experiência permitiu boas jogadas em quadra

Da mesma opinião compartilha Paulo Cunha, patrocinador e diretor de Cultura da Liga. “Temos um compromisso com todos os jogadores da região, independente da idade, sexo ou qualidade de jogo”, explica.

Entre os clubes integrantes do Encontro de Veteranos registre-se o São Bernardo Tênis Clube, Clube AR Ford , Aramaçan e Clube Mesc. O destaque ficou com este último, faturando as primeiras colocações, com Jorge Koga como campeão e Gregório Sanches, Ennio Furlani e Fausto Mascarenhas, empatados como vices. Para o vencedor, a disputa valeu pela prática do esporte e o convívio social. “Foi muito legal nos encontrarmos para fazer o que gostamos: jogar, comer e se divertir”, sacou o bom e velho Jorge. O Aramaçan fica na rua São Pedro, 345, Vila América, em Santo André.

A.R. Ford-Malheiro muda para melhor O professor de tênis Odilon Malheiro está otimista com a possibilidade de novos investimentos na Associação Recreativa Ford neste ano. Enquanto se divide entre o tempo para dar aulas e as atividades que envolvem a parceria que mantém com a A.R. Ford, Odilon revela suas expec-

Odilon orienta alunos durante

20

tativas para 2007: “Estamos aguardando reformas em três quadras de lisonda para podermos dar uma dinâmica diferente em nossos projetos aqui na Associação”. Entre os planos de Odilon estão clínicas de tênis para mulheres, aumento do número de alunos e também projetos pontuais para crianças carentes, a partir de parcerias com a iniciativa privada. Ele destaca que no primeiro ano de funcionamento da Liga ABC de Tênis, vários atletas da A.R. Ford estiveram com ótimo desempenho e isto motiva ainda mais na continuidade do trabalho: “Podemos lembrar o Enrique treinamento

Bogo, que foi campeão em cinco etapas na categoria Masculino Mirim até 11 anos, o Mário José Mendonça e o Haruo Asai que ficaram, respectivamente, em segundo e terceiro lugares na categoria MB3 e muitos outros que fizeram bonito em quadra”. Aos poucos, Odilon espera, com alguma criatividade, superar as dificuldades que todo clube enfrenta para ampliar o número de tenistas. Uma delas se refere à prática do esporte em dias de chuva. A A.R. Ford possui cinco quadras de tênis descobertas, sendo duas de saibro. Recentemente, para não perder aulas nos dias de chuva, o professor Odilon adaptou uma das quadras poliesportivas cobertas para os tenistas.

Liga ABC de Tênis


A Academia City Sports, de Diadema, junta-se ao seleto grupo de clubes e academias que estão fazendo história no tênis da região desde 2005 com a fundação da Liga ABC de Tênis. Com sete quadras de saibro, sendo cinco cobertas, a City Sports abrirá suas portas para receber os filiados da Liga em julho, por ocasião da 6ª Etapa do II Circuito ABC de Tênis. O seu proprietário, Hans Michael Bleidorn, está otimista com esta nova fase: “Esperamos mesmo um bom movimento de tenistas aqui com a chegada da Liga; é bom que haja uma integração maior entre os tenistas do ABC” destaca o engenheiro alemão de 58 anos que

também disputa interclubes pelo Tênis Clube São Caetano. Hans entende que são muitas as razões para se acreditar no sucesso do tênis na região. Focado no atendimento preferencial ao tenista que freqüenta a City (ele o considera um cliente), o proprietário da academia prevê muitos benefícios aos atletas: “O primeiro deles é a possibilidade de melhorar o próprio jogo; quanto mais diversificados forem os estilos de jogos a enfrentar, mais aptos estaremos para jogar com novos adversários” – resume o empresário que iniciou seu contato com o universo do tênis aos 19 anos no Clube dos Engenheiros, em São Bernardo do Campo.

Em mais uma investida voltada ao aperfeiçoamento dos atletas que freqüentam a academia, a City Sports está ampliando suas dependências com a criação de um salão de ginástica e musculação. Segundo o seu proprietário, o investimento é necessário para oferecer opções preparo para os tenistas.

Clubes e Academias

City Sports espera crescer com a Liga

Hans está otimista com a Liga

Espaço Tênis está de cara nova Depois de realizar alguns jogos pelo Circuito ABC em 2006, a Espaço Tenis de Santo André começa o ano com reformas nas duas quadras e em outras partes da Academia. O proprietário, Cássio Vetorazzo, lamenta que as fortes chuvas de novembro tenham causado transtorno para quem freqüenta seu estabelecimento, (alguns jogos da Liga tiveram que ser transferidos), mas garante que em 2007 as expectativas são outras: “A procura pela academia está crescendo; estou com um público feminino maior, sem contar que temos muitas crianças treinando e jogando em nossas quadras” - enfatiza. Segundo Vetorazzo, a criação da Liga ABC de Tênis deu uma

Liga ABC de Tênis

movimentação extra em sua aca- academias e clubes associados. demia. Ele apóia as iniciativas da Além de preparar equipe para o entidade e fala de algumas ra- Interliga, o proprietário da Espazões que proporcionaram o cres- ço Tênis já confirmou que estacimento do tênis na região: “Além rá participando também do II Cirde estar ampliando o número de cuito ABC de Tênis, com início pessoas praticando o tênis, tam- em março. bém permitiu que encontrássemos muita gente que jogava antes por aqui e nem sabíamos onde estava mais”. Animado com as aulas que dá até por volta de meianoite, Vetorazzo elogia a criação do Interliga, que vai promover jogos entre equipes das Academia reforma quadras para atender demanda

21


Clubes e Academias

Mesc promete novidades em 2007 É grande a expectativa no Clube Mesc, em São Bernardo, para a 3ª Etapa do II Circuito ABC de Tênis da Liga, previsto para 21 de abril e 6 de maio em 2007. Segundo o diretor de tênis, Carlos Alberto de Souza, o I Circuito deixou bons frutos durante a sua realização no ano passado: “Algumas pessoas que vieram pra acompanhar o torneio da Liga ABC inclusive se filiaram ao Mesc; gostaram daqui. Isso é muito bom; a iniciativa da Liga faz com que haja maior movimento nos clubes e academias”. Carlinhos, como é conhecido, diz que os torneios acabam favorecendo um aumento no número de aulas para aqueles que querem estar em nível bom de competição.

De fato, muitos atletas que se b u s c a d e p o n t u a ç ã o nos empenharam em disputas acirradas ranking estadual e nacional. em várias categorias do I Circuito, Uma novidade, também a parrealizado no ano passado, freqüen- tir de fevereiro, é que as quatam o Mesc: “Entre eles podemos dras do clube passam a rececitar o Felício Guberti, o Roberto ber tenistas cadeirantes que Ushida, o Juninho (José Ferreira estarão treinando nas quadras Júnior), Carlos Cortegoso, Ademir do Mesc. Gonçalves, Carlos Padial, George Mihailoff e muitos outros” lembra Carlinhos. O diretor de Tênis do Mesc prevê grande movimentação no clube logo a partir de fevereiro com torneio de duplas e outros torneios em que os atleCom novo visual na entrada, o clube vai sediar a tas se lançam em 3ª etapa do Circuito

Pavão treina focado em campeonatos Com o agito e a movimentação dos jogos da Liga ABC de Tênis, muitos tenistas da região procuram se preparar melhor para as disputas. De olho nesse público, a Academia Pavão Tennis preparou um treinamento diferenciado, voltado para quem busca melhores resultados em competições. Pavão tem “Trata-se de aulas totalmente pensadas para os que vão enfrentar uma maratona de torneios ao longo do ano”, garante o diretor da academia, Rodrigo Pavão. O treinamento, por ele ministrado, fundamenta-se na utilização de estraté-

22

planos para cobrir uma quadra

gias e preparo tático em quadra. “Não é uma aula normal. Queremos preparar campeões, por isso os treinos são mais intensos e costumam durar uma hora e meia”, explica Pavão. Os treinamentos são realiza-

dos em grupos de, no máximo, quatro tenistas e são elaborados de acordo com o nível do jogador, que pode ser de principiante a avançado. Pavão conta que outras novidades estão para ser anunciadas na academia, já que este ano ela completará quatro anos de existência. “Além de organizarmos, mais uma vez, uma etapa do Circuito ABC de Tênis pela Liga, também faremos torneios internos e abertos, clínicas de tênis, montaremos equipes para disputar o Interliga e pretendemos cobrir uma das quadras”, adianta.

Liga ABC de Tênis


Fortalecer o tênis regional é algo que a Liga ABC de Tênis vem conquistando com êxito desde a sua criação. Com isso, além dos atletas quem ganham são os clubes e academias da região, cada vez mais divulgados e procurados pelos amantes do esporte. Uma delas é a Red Tennis que, além de participar do circuito interno da Liga, mantém há dois anos em suas dependências um ranking próprio, fomentado cada dia

vimentam o fim de semana da academia e tentamos conciliá-los com os jogos da Liga. Tem dado m u i t o c e r t o ”, e x p l i c a Chicão. Os jogos acontecem quando um jogador do ranking desafia outro. Se o desafio for aceito, ambos pagam uma taxa para jogar. No final do ano, os melhores do ranking ganham um prêmio em dinheiro, mas Chicão

por mais tenistas. Segundo o proprietário da academia, Francisco Lucas - o “Chicão” -, hoje o ranking tem mais de 200 jogadores, que se dividem em três categorias, todas masculinas. “Os jogos mo-

afirma que para 2007 ainda não ficou definido um valor. A Red Tennis possui quatro quadras (uma de piso rápido e três de saibro) e oferece aulas de tênis e aluguel de quadras.

Clubes e Academias

Red Tennis está cada vez mais forte

Ranking interno agita academia do Chicão

SBTC quer ampliar para conquistar O São Bernardo Tênis Clube começa o ano de 2007 com grandes desafios. O principal deles é buscar um equilíbrio nas contas lançando mão de ações que pretendem ampliar o quadro de associados e diminuir despesas. A tarefa compete ao novo presidente do clube, Fernando Fioravanti, que assumiu mandato de dois anos que Fioravanti tem muitos projetos para o SBTC

Liga ABC de Tênis

termina em dezembro de 2008, em substituição a Rubens Gomes Machado. O engenheiro mecânico Fernando nasceu em Botucatu há 52 anos, onde ainda mantém uma propriedade, mas passa a maior parte do tempo em São Bernardo. É sócio do clube desde 1987 e já atuou como conselheiro e vice-presidente. Falando como tenista que joga duas vezes por semana (se orgulha de ter sido campeão paulista em 1996 em equipe principiante), agora, após assumir a direção do SBTC, prevê mais compromissos para atingir seus objetivos junto aos associados: “Vamos fazer algumas campanhas para equalizar receitas e despesas, além, é claro, de negociar dívidas e ampliar a locação de es-

paços para eventos” – destaca. Atualmente o São Bernardo Tênis Clube possui 220 sócios, sendo que desse total, 145 são praticantes de tênis. A expectativa de Fernando é que o clube prossiga na campanha dando ênfase ao tênis criando competições internas, disputando os torneios da Liga, interclubes e outros torneios da Federação Paulista de Tênis e do ranking brasileiro. Em poucas palavras ele resume o estado de espírito com que chega para esta gestão: “Estamos entusiasmados e, certamente, com a colaboração de nosso diretor de tênis, José Roberto Ferreira dos Santos, vamos impor um ritmo de bom trabalho e de conquista de espaço junto aos tenistas da região”.

23


Caçula vai complicar vida dos grandes O professor José Manoel Sanches, mais conhecido no universo do tênis como Zé Manuel, começa 2007 com grandes desafios. O maior deles teve início em dezembro do ano passado quando, depois de 10 anos dando aulas no Clube Atlético Aramaçan, optou por uma carreira solo e montou sua própria academia, a Zé Manoel Produções, também em Santo André. Quase sempre de bom humor, Zé Manuel conta com o apoio de toda a família para tocar o empreendimento e não poupa esforços para atender seus clientes: “Estamos abrindo de sábado e domingo; também temos muitos projetos para encaminhar por aqui”, diz ele com uma pon-

ta de orgulho do trabalho que já lhe permite chegar aos 50 alunos em pouco mais de três meses. Contando com a fidelidade de vários alunos que faziam aulas no Aramaçan e com novos freqüentadores de sua academia, Zé Manuel faz planos para disputar o INTERLIGA da Liga ABC de Tênis. Ao falar que tem apenas uma quadra de saibro ele admite que a academia é pequena, mas promete fazer barulho: “Por enquanto somos a menor academia particular do ABC, mas vamos dar trabalho pros adversários”. Enquanto vai trabalhando para cuidar do acabamento caprichado da academia, Zé Manuel fala ainda que, provavel-

mente em março, começa a dar aulas de tênis para crianças com Síndrome de Down. Ele explica que será co-orientado por um médico neuro-pediatra porque nem todas as crianças com este quadro estão aptas à prática do tênis. Zé Manuel promete também participar do II Circuito ABC de Tênis. E reforça: “Os adversários que se cuidem; estamos chegando com tudo este ano”.

Zé Manoel otimista com o Interliga

Tetracampeão irá disputar a Liga Com um ano e meio de criação, a Liga ABC de Tênis aumenta a lista de clubes e academias agregados. O Tênis Clube São Caetano é o mais novo filiado e promete entrar com tudo no ritmo da Liga. Agora, além de ter seus atletas participando dos jogos do Circuito – o que já vinha acontecendo em outras etapas -, o São Caetano também poderá sediar torneios. Para a diretora do TC São Caetano, Tereza Anhê, a parceria tem tudo para dar certo. “A Liga começou bem organizada e, apesar de nova, vemos uma entidade bem estruturada”, comenta ela, para destacar em seguida: “Só estava faltando o Tênis Clube São Caetano para completar”.

24

O clube da cidade de São Caetano do Sul foi fundado em 2000. Desde então passaram pelas suas quadras craques do tênis nacional como Carla Tiene (303ª no ranking da WTA), Marjori Ceppo, Rodrigo Kendy, Guilherme Oshiai e Gustavo Resende — a maioria jogando no exterior atualmente. Com 320 alunos, o tetracampeão de Interclubes oferece treinamento para os iniciantes no esporte. Com esta filiação, a Liga passa a ter os seguintes clubes e academias participantes: Clube Atlético Aramaçan, Clube Mesc de Tênis, Academia Pavão Tennis, Academia Tênis & Cia, Top Spin Big Ball, São

Bernardo Tênis Clube, Clube A.R. Ford, Espaço Tênis, Red Tennis, Academia Topp e Tênis Clube São Caetano, Zé Manuel Produções e City Sports.

Tereza Anhê (à direita) incentiva atletas da Tênis Clube São Caetano

Liga ABC de Tênis


Nascido em Mogi Guaçu (SP), e com a família em Poços de Caldas (MG), hoje o endereço de Caio Zampieri é Santo André; ou mais especificamente a academia Tênis & Cia. É lá que o jovem tenista profissional passa os dias e as noites se preparando para encarar seus adversários de quadra. E, ao que tudo indica, 2007 vai ser um ano de grandes desafios e conquistas para Zampieri. Depois de faturar torneios da categoria Future, em 2006, o objetivo próximo é encarar os Challengers - campeonatos cuja premiação vai de US$ 50 mil a US$ 125 mil e dão até 100 pontos para o campeão. Segundo o técnico Edson Pereira dos Santos, é assim que

Muita disciplina para enfrentar adversários

Caio pretende subir no ranking da ATP. “Hoje ele é o 307º. Queremos que esse 3 vire um 2 ou até mesmo um 1 neste ano”, afirma o treinador. E se o tenista continuar no ritmo dos últimos meses, tem tudo para confirmar a torcida e o prognóstico. Desde agosto do ano passado Caio subiu cerca de duzentas colocações no ranking profissional. “Meu jogo é agressivo. Gosto de ir para cima e

tomar a iniciativa das jogadas antes dos meus adversários”, conta o irrequieto tenista. Recuperando-se de uma lesão no tornozelo que o tirou da primeira rodada do Aberto de São Paulo, Caio sai da prétemporada treinando forte. “Estamos dando um gás nos treinos, dedicando duas horas do dia para preparo físico e quatro horas de quadra”, revela Edson. Há mais de um ano, a Tênis & Cia incentiva promessas do tênis brasileiro. Além de Caio, o 1ª classe Leonardo Queiroz (18 anos) também recebe da academia alojamento, treinamento e toda a estrutura para seu preparo físico.

Clubes e Academias

Uma fera nas quadras da Tênis & Cia

Grande expectativa em Ribeirão Pires A Academia Topp, de Ribeirão Pires, filiou-se à Liga ABC de Tênis no ano passado e realizará uma etapa do II Circuito ABC de Tênis no mês de maio. Fundada em 1994, a Topp já promoveu 25 torneios municipais, 12 torneios federados, 10 Torneios de duplas, cinco Campeonatos Intermunicipais e uma etapa do

Academia desenvolve projeto social

Liga ABC de Tênis

Masters da Liga ABC de Tênis. Segundo o seu diretor, Maurício Mazini, este ano existe uma expectativa muito grande para o esporte em Ribeirão Pires: “Estamos contando com o prestígio dos atletas da cidade e da região da região que prometem uma boa participação tanto na quantidade quanto na qualidade dos tenistas”. Além das duas quadras de saibro para o tênis, a Academia Topp possui uma quadra de paddle, uma quadra de futebol de grama sintética, salão de ballet, salão de lutas com ringue, 2 vestiários, lanchonete e recepção. A academia é responsável pela manutenção do

Ranking Municipal, que é dividido em categorias e promove jogosdesafio o ano todo. No final são premiados os melhores. Ainda segundo o professor Maurício Mazini, as aulas são ministradas por professores com CREF (Conselho Regional de Educação Física) e cursos de especialização da ITF, e divididas de acordo com o objetivo do aluno, ou seja, competição, formação ou lazer. A Academia TOPP desenvolve ainda um projeto em parceria com a Prefeitura Municipal, o Projeto Raquetada, que consiste em ministrar aulas de tênis gratuitas para todos os alunos da rede Municipal de Ensino. Atualmente o projeto conta com 250 alunos de 06 a 14 anos, na maioria crianças carentes.

25


A Top Spin & Big Ball, localizada em São Bernardo do Campo, investe cada vez mais em seus atletas, principalmente nos tenistas, que têm sido destaques nos melhores torneios mundiais. Entre eles o Austrália Open, Aberto de São Paulo, Torneio do Hawai, Palm Desert e ainda o Open Internacional Top Spin Profissional, realizado no próprio complexo, somando pontos para a ATP. Tenistas como Júlio Silva - 204º do ranking mundial, Rogério Dutra - 210º, Alexandre Simoni - 460º, Maria Jose Argeri - 149º do ranking mundial da categoria simples, 105º de duplas e 3ª colocada no ranking de duplas e simples da Argentina, e Letícia Sobral - 350º do mundo, 105º duplas, 5ª colocada em

simples e 1ª em duplas no Brasil, são alguns nomes indicados para chegarem à equipe de elite mundial. Maria Jose Argeri também se destacou nos últimos meses, “Cheguei a uma das finalistas do Austrália Open, meu primeiro Grand Slam, fiquei muito feliz, apesar de não ser campeã. Me empenho ao

Foto: Divulgação/ Top Spin & Big Ball

Clubes e Academias

Top Spin & Big Ball é celeiro de tenistas

Rogério durante participação no Aberto de São Paulo

máximo nos treinos para conseguir um título” comenta Argeri. Letícia Sobral, dupla de Maria J. Argeri, joga acirradamente, fruto dos treinos com Ricardo Coelho, que se dedica ao máximo em aprimorar as técnicas da tenista. Alexandre Simoni, que já esteve entre os 100 melhores do mundo, também é patrocinado pela academia. Uma das grandes apostas da Top Spin & Big Ball no tênis masculino é Julio Silva, destaque em Melbourne, sendo o único representante do Brasil a passar pela primeira rodada. Além dos veteranos, a academia investe nos iniciantes e acompanha seus alunos na clínica de tênis realizada em Buenos Aires, na Argentina.

Liga ABC de Tênis


As inscrições podem ser feitas até o final de março A partir de agora tenista também poderá ter Bolsa Atleta. Os valores variam de acordo com a categoria, ou seja, R$ 300,00 para a estudantil, R$ 750,00 para a nacional, R$ 1.500,00 para a internacional e R$ 2.500,00 para as categorias Olímpicas e Paraolímpicas. Desta forma os tenistas poderão se juntar aos 835

atletas que no ano passado foram contemplados pelo Programa do Ministério do Esporte, abrangendo vários segmentos. Os tenistas interessados devem estar atentos aos prérequisitos e documentos exigidos, entre os quais não ter patrocínio, estar vinculado a um Clube ou Academia, ser filiado na

Incentivo

Atletas podem pedir Bolsa Federação e Confederação e ter participado de competições no último ano com resultados significativos. As inscrições estarão abertas até o dia 31 de março através do site do Ministério do Esporte, na página http://portal.esporte.gov.br/ snear/bolsa_atleta/sobre.jsp. Mais esclarecimentos pelo email: bolsa_atleta@esporte.gov.br

27


Profissão & Hobby

Tênis, suor e cerveja Depois do jogo Zé Roberto mata a sede no próprio bar Um dos prazeres de muita gente que pratica tênis é sempre o que vem depois daqueles dois ou três sets em dupla ou individual sob um sol escaldante: a clássica cervejinha ou um moderno energético. É claro que sempre tem uma cantina ou um bar para socorrer os mais sedentos diante da necessária reposição de líquido no organismo, mas poucos tenistas têm a oportunidade de saciar a sede em seu próprio estabelecimento. Uma das exceções é o contador José Roberto Ferreira dos Santos, diretor de tênis do São

Bernardo Tênis Clube. Há um ano, juntamente com mais dois sócios de seu escritório de contabilidade, na Aclimação, decidiu investir numa área que sequer imaginava: “Não tínhamos a menor noção sobre como funcionava, mas como sempre comentávamos sobre a possibilidade de investir em algo diferente, chegou um dia em que tomamos a decisão; e coincidiu que era ao lado do nosso

28

Tenista ‘capricha’ na hora de tirar o chope gelado após queimar calorias dentro da quadra

escritório”- comenta Zé Roberto, que ainda não tem muita intimidade com a máquina de chope, uma tarefa que fica por conta dos funcionários. Assim, quando sai do escritório ou das quadras, tem sempre a gostosa opção de consumir em seu próprio estabelecimento, o Bar Matriz. José Roberto tem 49 anos e lembra, de forma divertida, do início de seu contato com o mundo do tênis: “Era no tempo em que só dava aquela raquete Procópio, mas eu comecei mesmo com uma outra, também de madeira, a Sulina; cara... aquilo pesava muito !”. Há quatro anos ele conduz o tênis do SBTC, é 3ª classe na

Federação Paulista de Tênis e, desde o ano passado, disputa torneios da Liga ABC. Já conquistou títulos na 3ª e 4ª classes e por três vezes foi campeão interno no SBTC. Apreciador de uma cerveja “no ponto” e de um bom uísque, José Roberto tem em sua rotina, além do trabalho, duas paixões: o tênis e o bom papo com amigos ao redor de uma mesa de bar: “É o momento de descontração necessário na vida agitada que todos temos; é claro que aqui (Bar Matriz, local da entrevista) é muito bom pra isso. Ainda mais depois de um dia estafante ou depois de um set”, finaliza ele, ao destacar a parceria de sucesso neste empreendimento com os sócios Rubem Oliveira Brito, Valdir Garcia Vidal e Márcio Shimada (o operacional do bar).

Liga ABC de Tênis


27

?????


Pelo Mundo

A volta de Serena Após 4 anos afastada a americana Serena Willians, ex-numero 1 do mundo, volta às quadras e, para a alegria da equipe será um reforço para a equipe que disputará em abril a Federation Cup 2007, contra a Bélgica. Serena jogará com sua irmã, Vênus, nas quartas de final do Grupo Mundial no Delray Beach Stadium and Tennis Center, na Flórida, em 21 e 22 de abril.

Kim Clijsters de “férias” A belga Kim Clijsters, atual ocupante da 4ª colocação no ranking mundial, divulgou em seu site que poderá se ausentar dos torneios de Indian Wells (de 5 a 18 de março) e Roland Garros. O motivo seria a recuperação de uma contusão na última temporada. E, por conta de dores nos quadris desistiu de disputar o Open Gaz de France, A tenista acredita que com esse período de descanso poderá disputar o torneio de Eastbourne e Wimbledon, em junho.

Pan 2007 O brasileirinho, tri-campeão de Roland Garros, Guga, não confirmou presença nos jogos panamericanos, que serão realizados no Rio de Janeiro, em julho. Em 2006, Guga jogou partidas simples se dedicando mais ao tratamento fisioterápico para a região do quadril. Mas, ele promete não decepcionar o público. Se esforçará para recuperar o ritmo e a freqüência nos jogos e treinos, para disputar o Pan 2007. Estamos na torcida!

Masters Series – Miami O quinto maior evento do mundo será disputado na em Key Biscayne na Flórida entre os dias 21

30

Foto: AG

Em contrapartida... Enquanto os EUA comemoram a volta de Serena, a Bélgica se preocupa. A vice-campeã do ranking mundial, Justine Henin, desistiu de participar da Fed Cup 2007. O motivo é a demanda de jogos para este ano. Henin também não participou do Australian Open deste ano, por motivos pessoais.

Federer, o gênio O número 1 do ranking, o suíço Roger Federer completou neste mês 3 anos de invencibilidade. Ele atingirá o recorde por ter maior número de semanas seguidas como líder, está invicto a 36 partidas. E seus feitos não param por aí – conquistou 46 títulos, 10 torneios de Grand Slam chegando perto da marca de Pete Sampras que na década de 90 dominou o tênis mundial, com 14 torneios. Federer faturou também, cerca de U$$ 29,5 milhões em premiações e encerrou 2006 como o melhor tenista do mundo.

Sacadas Fevereiro De 19 a 25 de fevereiro: Memphis (EUA), Roterdã (Holanda), Buenos Aires (Argentina) De 26 de fevereiro a 4 de março: Acapulco (México), Dubai (Emirados Árabes), Las Vegas (EUA) Março De 5 a 18 de março: Indian Wells (EUA, Masters Series) De 19 de março a 1 de abril: Miami (EUA, Masters Series)

Liga ABC de Tênis


20

Liga ABC de TĂŞnis


Revista Liga ABC #2