Page 1

XIX Edição do Festival Caminhos do Cinema Português

METROPOLIS

13


14

XIX Edição do Festival Caminhos do Cinema Português nível da qualidade técnica, quer a nível da representatividade de um determinado estilo estético artístico. Foi estabelecido um conjunto de critérios segundo os quais todos os filmes inscritos foram avaliados, nunca esquecendo que é nosso objectivo oferecer ao nosso público todo o cinema português. O cinema português mudou muito nos últimos anos? De que forma? O cinema português não mudou, o cinema português evoluiu, quer a nível da qualidade técnica das obras cinematográficas, quer a nível da diversidade dos filmes nacionais, cada vez assistimos a mais estilos diferentes, havendo uma convivência entre filmes de autor e filmes mais virados para o grande público. Esta evolução tem como resultado uma cada vez maior aderência do público português às ofertas nacionais e cada vez maior reconhecimento da nossa cinematografia além-fronteiras. A crise é um factor limitador na organização do Festival? As limitações orçamentais têm sido uma constante ao longo das últimas dezanove edições. Se aliarmos a temática do festival, à capacidade de influência da cidade de Coimbra, poderemos verificar que este tipo de evento teria em Lisboa ou Porto uma maior receptividade e um consequente maior

É a XIX edição deste festival. Qual é o balanço ao longo destes anos? Considero que conseguimos ao longo das últimas XIX edições a afirmação do cinema português e simultaneamente do evento. Se fizermos uma retrospectiva das últimas edições é evidente a afirmação que o evento conseguiu. Ano após ano, tem-se consolidado pela presença dos mais representativos filmes portugueses em todos os géneros, mas igualmente dos nomes mais consagrados nos diferentes júris do festival. Simultaneamente o festival alargou o espectro das actividades paralelas, integrando a Formação, mas igualmente as Escolas de Cinema. Apostando sistematicamente na introdução de novas actividades, mas igualmente na captação de novos públicos. O que destaca nesta edição? A filosofia dos Caminhos do Cinema Português passa por apresentar anualmente a produção cinematográfica portuguesa. Nesse sentido o festival tem todos os anos uma limitação que é simultaneamente a sua maior força, ou seja, a programação depende do que os nossos criadores produziram entre a edição anterior e a actual. Todos os anos a programação é assim uma inovação em si mesma. Quais são os critérios para a escolha dos filmes? Os critérios para a selecção dos filmes são diversos, quer a METROPOLIS


XIX Edição do Festival Caminhos do Cinema Português

15

apoio financeiro por parte dos diferentes “stakeholders”, sejam eles públicos ou privados. No entanto temos conseguido crescer e afirmar o evento, precisamente num ano em que alguns festivais de cinema portugueses optaram por não se realizar (cf. Faial Filmfestival; Fike). O que me preocupa neste momento é o futuro, e o quão os agentes com responsabilidades no sector cultural estão interessados em apoiar, aqueles que pela “selecção natural” desta crise se conseguiram afirmar. E aí o futuro parece obscuro. O cinema português e o seu principal palco merecem outro respeito por parte das instituições públicas, seja ao nível local, seja ao nível nacional. No fundo este é o único festival que celebra o cinema português em todas as suas facetas. O que são os “Ensaios Visuais”? Os “Ensaios Visuais” são uma componente do festival direccionada para o cinema académico, isto é, alunos que realizem obras cinematográficas têm a oportunidade de as exibirem perante um júri reconhecido. A importância de dar a conhecer ao público o cinema que se faz pelas escolas e universidades do nosso País é de extrema relevância, uma vez que é fruto do trabalho e dedicação de alunos que se empenham em trabalhar numa arte que cada vez mais escasseia em Portugal.

Nota-se uma forte ligação com a produção feita nas escolas. Porquê? É uma ligação que faz todo o sentido no contexto do festival, mostrar todo o cinema português é uma prioridade e tal não se podia realizar sem a presença do cinema produzido nas Escolas e Universidades do País. Há também espaço para a formação. O que salienta do “Cinemalogia 2”? O curso Cinemalogia 2 assenta na premissa de ensinar e forma da “Ideia ao Filme”, mostra-se essencial complementar a formação teórica com exercícios práticos que sejam motivadores e possam despoletar novos cineastas em Coimbra e em Portugal. Nesta segunda edição encontra dez novos módulos em áreas como o Design de Títulos com o Nelson Zagalo, a Direcção de Arte sob orientação de Augusto Mayer, Sonoplastia e Composição Musical ou a pós-produção de som e imagem com especialistas como Branko Neskov e Rodrigo Lacerda. É recompensador para o festival Caminhos do Cinema Português apresentar-se como um agente formador da sétima arte de referência nacional com os maiores especialistas portugueses e com formandos oriundos de todo o país a frequentar as nossas acções de formação.  METROPOLIS

Tatiana Henriques

Profile for Tatiana Henriques

Caminhos do CInema Português  

Artigo na revista Metropolis

Caminhos do CInema Português  

Artigo na revista Metropolis