Page 1

ÉVORA

MONUMENTAL


Teatro Garcia de Resende 1906

1


Introdução elativamente aos objectivos da disciplina de Cultura e Identidade, do 1º ano do curso de Educação e Comunicação Multimédia, surgiu-nos a ideia de retratar, analisar, conhecer e identificar Évora como cidade Património Mundial. Desta forma, “Évora Monumental” foi o título escolhido para desenvolver pelo nosso grupo. Os objectivos a que nos propusemos foram, sem dúvida, os de revelar aspectos ligados à cidade enquanto património e enquanto local habitacional que, geralmente, passam despercebidos ao cidadão comum. Para além deste suporte escrito, no qual vamos levar a cabo os nossos objectivos, o mesmo foi consolidado com a apresentação à turma e à respectiva docente, no Posto de Turismo de Évora. Esta apresentação contou com o visionamento de um pequeno filme, presenciado pelo Dr. Francisco Bilou, responsável pelo Departamento de Turismo da Câmara Municipal de Évora, que foi importante na consolidação da informação recolhida e da pesquisa efectuada, ajudando-nos ao esclarecimento de algumas dúvidas entretanto surgidas. Após a apresentação rumamos até Monsaraz onde apanhamos o barco de recreio para em águas do rio Guadiana nos refrescarmos com a brisa fresca e paisagem encantadora. O objectivo era conhecer a imensidão das águas calmas e as terras que o rodeiam. Pretendemos mostrar ao grupo e à respectiva docente a horizontalidade da planície alentejana, o azul e o verde das águas, os olivais e o casario branco da aldeia ribeirinha. Monsaraz, paragem obrigatória, percorremos a zona histórica tentando estabelecer alguma comparação com Évora. A professora explicou o relacionamento e as diferenças entre ambas É desta forma que pretendemos concretizar a “missão” a que nos propusemos e aguardamos que a realização deste trabalho coincida com a nossa realização pessoal enquanto alunos e satisfaça as pretensões da Professora responsável pelo Projecto. 2


Évora – Cidade Vora, capital da província do Alto Alentejo, é considerada uma das mais importantes cidades do Sul do País. O Centro Histórico de Évora é formado por ruas estreitas e uma série de travessas, pátios e largos, cercados por muralhas medievais com uma extensão de mais de três quilómetros. Muralhas que na altura eram consideradas inexpugnáveis. As suas origens remontam ao período do Império Romano. O ápice do seu desenvolvimento ocorreu durante a Idade Média, quando se tornou residência dos reis de Portugal. O Palácio de D. Manuel, por exemplo, também conhecido como Paço Real, foi habitado por vários monarcas portugueses. Além disso,

este palácio foi o local onde Vasco da Gama recebeu a

investidura para o comando da esquadra da Descoberta do caminho marítimo para a Índia, bem como o sítio em que o dramaturgo Gil Vicente representou sete dos seus autos. As primeiras referências escritas acerca da cidade têm a sua origem em Plínio, que lhe chama EBORA CEREALIS, título proveniente da fertilidade do seu termo e que já era, anteriormente à ocupação romana, ponto fortificado de alguma importância, porque integrada na nação lusitana fora capital do reino céltico de Astolpas, sogro de Viriato. Contudo, Évora perdeu grande parte do seu prestígio após a sua anexação pela Espanha, em 1580. A cidade perdeu ainda mais o seu status no século XVIII, quando a universidade jesuíta (actual Universidade de Évora) foi fechada por Marquês de Pombal. Porém, esta transformou-se numa cidade lindíssima, onde o passado desafia interminavelmente a nossa curiosidade e temo-la diante dos olhos como miraculosamente conseguiu sobreviver aos desastres e aos tumultos, às invasões e aos saques. A sua beleza vigorosa, a pose tranquila de quem é naturalmente dotada, a riqueza arquitectónica evidencia a marca religiosa através das mais vinte igrejas e mosteiros espalhados pela cidade, nomeadamente a Sé, a Capela dos Ossos ou Igreja dos Lóios. 3


Palรกcio de D. Manuel

4


Palácio de D. Manuel “Palácio D. Manuel, designado nas crónicas e documentos oficiais antigos como Colégio de S. Francisco, é mencionado pela primeira vez em 1470, por altura do reinado de D. Afonso V. Ocupando os terrenos

e

grande

parte

do

primitivo

convento

dos

padres

franciscanos, o Palácio foi ampliado, iniciando-se a primeira fase da construção em 1483. Foi apenas no reinado de D. Manuel I que o Palácio ganhou importância e originalidade: o rei entregou aos arquitectos Martim Lourenço, Diogo de Arruda e ao castelhano Pêro de Trilho sucessivas construções que decorrem entre 1507 e 1520. D. João III, filho e herdeiro de D. Manuel I, aumentou a obra, tendo sido considerada, na altura, como a mais notável residência do reino, a seguir ao Paço da Ribeira, em Lisboa. Por altura da dinastia filipina, o Palácio deixa de ser usado pelo rei e servia, de longe a longe, a pousada de príncipes, embaixadores ou religiosos. A vinda a Évora de D. Filipe III, em 1616, resultou num pedido da Ordem dos Franciscanos de cedência de três salas do espaço. A 28 de Setembro desse mesmo ano, o rei publicou um diploma em que confere aos franciscanos a utilização de vários imóveis do Palácio, ainda que sob fiança de regressarem à posse da Coroa sempre que esta achasse conveniente. Data ainda deste período a integração do maior conjunto gótico-manuelino do Paço Real de Évora. Depois de muito tempo de um semi-abandono, em 1845 e segundo o Decreto-Lei de 25 de Julho, a Câmara Municipal adquiriu ao Governo certas partes do edifício para nelas instalar o Tribunal e a Junta de Freguesia de S. Pedro. Quatro anos passados, algumas alas do edifício foram destruídas para dar lugar ao novo Mercado Público da cidade. Foi apenas no decorrer no século XX (1943) que foram iniciadas obras de restauração do Palácio da responsabilidade dos arquitectos Baltazar de Castro e Humberto Reis, que permitiram devolver ao Palácio as suas linhas originais.”

5


Capela dos Ossos “Capela dos Ossos é um dos monumentos mais conhecidos de Évora. Situada na Igreja de São Francisco, esta capela arrepia as pessoas mais sensíveis, pois as suas paredes e pilares centrais estão revestidos com crânios e várias partes de ossos humanos, unidos com cimento.

Esta Capela foi construída nos séculos XVI e XVII por monges que quiseram contemplar e testemunhar a breve passagem da vida. O número de ossos que decoram a capela foi estimado em 5.000 e a lenda conta que os mesmos eram de soldados que morreram numa grande batalha ou que foram vítimas da peste.

Por cima da porta está uma inscrição pintada que relembra aos visitantes a sua própria mortalidade: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos".

Na Capela dos Ossos, além da decoração nas paredes, existem dois cadáveres pendurados junto ao tecto. As suas identidades são desconhecidas, mas há várias histórias. Segundo uma lenda os esqueletos são de um homem adúltero e seu filho menor que foram amaldiçoados pela esposa ciumenta. Os ossos dos monges responsáveis pela decoração do interior estão num pequeno caixão branco dentro da capela.”

6


Sé Catedral “Sé de Évora é, paralelamente com o Templo Romano, um dos mais

emblemáticos monumentos da Cidade de Évora. Localizados praticamente lado a lado, marcam duas épocas da história separadas no tempo, mas que seguramente ilustram a importância do local em cada um desses períodos.

Do ponto de vista arquitectónico, a Catedral de Évora é uma das mais importantes manifestações da arquitectura gótica no Sul de Portugal. Nenhuma outra catedral portuguesa a iguala na elegância da combinação dos volumes, é perfeita e harmónica.

A Sé de Évora é considerada um edifício de estilo Românico-Gótico, ou ainda de estilo Gótico Nacional com influência cistercense e mendicante. A sua construção foi inspirada no modelo da Sé de Lisboa e em Catedrais estrangeiras, nomeadamente espanholas e francesas, revelando-se de grande importância, não apenas como ponto terminal de Românico e inicial do Gótico, mas sobretudo pela variedade de soluções de transição empregues.”

7


Templo Romano “emplo de Diana, ou melhor dito Templo Romano, surge no ponto dominante da Acrópole da cidade de Évora, de que é ainda a principal atracção turística e elemento decorativo.

A edificação do templo remonta às primeiras décadas do século III D.C., tempo em que as influências culturais dos imperadores romanos Trajano e Adriano se estendiam pela Península.

A designação de Diana, versão erudita e seiscentista é atribuída ao Jesuíta Manuel Fialho, em Évora Ilustrada. O templo, de planta rectangular, do estilo coríntio e do tipo hexastilo períptero, assenta em sólido embasamento de opus incertum, donde rompe a colunata, de fustes grego-romano, que ainda conserva parte da arquitrave e do friso.

O edifício, cujo frontão era dirigido para o lado meridional, é feito estruturalmente de granito, à excepção dos capitéis e bases, que são de mármore branco de Estremoz.

O Templo Romano ou de Diana, é sem dúvida uma relíquia monumental sem igual no país e seguramente dos mais preciosos da Península.

O seu tipo é semelhante aos templos de Antonino e Faustina, de Roma e do de Júpiter ou Diana em Mérida.”

8


Contudo, a sua singularidade nĂŁo deve ser apenas procurada nos seus monumentos, pois as suas casas pitorescas, as ruas estreitas e travessas, pĂĄtios e largos, tudo se conjugam para o equilĂ­brio e a harmonia entre o monumental e o simples, entre o erudito e o popular.

9


Dinâmica Socioeconómica de Évora e acordo com a última actualização do Instituto Nacional de estatística, Évora (concelho) conta actualmente com cerca de 55 mil habitantes. Relativamente às contagens dos últimos censos (2001), a população fixava-se acima dos 56 mil, sofrendo um decréscimo de cerca de 100 habitantes nos últimos 8 anos. No entanto, o poder local mostra-se optimista no que se refere ao crescimento demográfico e à urbanização adjacente. Considera-se que a dinâmica social e económica da cidade tem conseguido contrariar a tendência da região no seu conjunto, mantendo um crescimento idêntico ao de outras cidades médias portuguesas. Como tem sido tónica desde há muito da população portuguesa, o êxodo rural continua a ser o principal factor responsável pelo crescimento das grandes e médias cidades, em detrimento do espaço rural. Se é verdade que a população sofreu um envelhecimento significativo, não é menos verdade que a capacidade de atracção de novos residentes tem contrariado essa tendência. O crescimento populacional de Évora estará associado à importância da sua função terciária. A Universidade de Évora, a segunda mais antiga do país, contribuiu não apenas para o aumento da população presente na cidade mas, sobretudo, para a sua animação e vivificação. Também, o turismo tem vindo a ter um incremento significativo a partir do final dos anos 70, sobretudo com o aumento de turistas estrangeiros, com um perfil sociocultural elevado. Para tal, muito contribuiu a classificação do Centro Histórico como «Património Mundial» que data de 1986. A proximidade de Lisboa, a riqueza patrimonial, o prestígio internacional, a capacidade hoteleira, são exemplos de potencialidades que Évora soube aproveitar e aprofundar para transformar a cidade em local de realização de conferências internacionais. Esse facto já desenvolveu na cidade novas qualificações turísticas e outras. 10


No entanto, quando falamos do centro histórico de Évora, falamos em nada mais, nada menos do que 108ha, sendo a segunda maior área da Europa classificada como Património Mundial, logo a seguir a Roma. Se pensarmos em toda a população que se encerra dentro da zona considerada Centro Histórico, falamos de alguns milhares. Nem sempre é fácil preservar o conforto e a liberdade desta parte da população se pensarmos na dimensão turística e arquitectónica de que a cidade tem sido alvo, principalmente nas últimas décadas. Existem regras que devem ser respeitadas para manter e conservar o património tal como está estipulado. Sabemos perfeitamente que não é permitido a execução de alterações ou obras sem intervenção das entidades responsáveis. Contudo, a tentativa que se tem vindo a fazer desde o início para proporcionar todo o bem-estar e comodidade aos habitantes da zona histórica, tem sido um dos principais objectivos do poder local. Iniciativas como a oferta de pinturas de casas, pequenas obras e arranjos, têm sido fundamentais para que este equilíbrio social se mantenha.

11


Turismo Alto Alentejo é uma região onde predominam as grandes distâncias, os horizontes rasgados e a pureza ambiental. Aldeias e montes guardam os segredos de uma vida pacata e simples onde as suas gentes conhecem, como poucos, os ciclos da natureza, os hábitos dos animais, conservam as tradições, falam a cantar e prezam os vestígios dos que por ali passaram antes deles.

Ainda que o Templo Romano seja considerado a ruína ilustre, a riqueza patrimonial de Évora advém-lhes do facto de, durante a Dinastia de Avis ter sido favorita dos reis e da alta nobreza que por aqui construiu palácios, casas senhoriais e solares imponentes que escondem pátios de sonho.

Não admira, portanto, que a UNESCO tenha atribuído em 1986 a Évora o galardão de Património Mundial. Por outro lado, a cidade conta com escritores famosos (Virgílio Ferreira, Túlio Espanca, por exemplo) que ajudaram também a divulgar a nível nacional e internacional a sua beleza e singularidade.

A projecção turística é hoje uma realidade fazendo com que os turistas sejam para os eborenses uma presença familiar. Livre de poluição, a região é hoje um dos lugares mais procurados para acolher aos fins-de-semana gentes das grandes áreas metropolitanas que a procuram para descansar e repousar. Évora não tem perdido o encanto das cidades de província. Ela atrai turistas desejosos das paisagens históricas, pois quem a visita vai-se surpreendendo sucessivamente pela enorme diversidade de espaços. E, não há dúvida que, depois de ter passado uma tarde ensolarada em visita aos monumentos, contagiados pela serenidade com que os eborenses vivem, o futurista vive mais um momento mágico quando contacta com a gastronomia regional num 12


dos restaurantes de qualidade existentes e depois se deixa “perder” pelos percursos pedonais, retomando o fôlego nos bares e discotecas que também não faltam.

Este é o bilhete-postal que nós turistas/visitantes temos ao dispor. Sem duvida um vasto leque de monumentos e zonas pedonais maravilhosas de serem admiradas. Porém, O grande valor para manter viva uma cidade histórica é a sua habitabilidade. Devem ser as pessoas, enquanto habitantes do espaço urbano, o centro das preocupações de qualquer plano estratégico de intervenção. Numa cidade com valor patrimonial, as condições que propiciam a qualidade de vida devem articular-se com a sua matriz identitária, não podendo pôr em causa os valores históricos, estéticos e vivenciais que a caracterizam.

O turismo é uma consequência das vivências e das características patrimoniais do Centro Histórico de Évora, mas não deve ser considerado como condicionador das mesmas, impondo modelos desadequados da identidade e da humanidade da cidade. O valor do património, enquanto recurso económico, reside na associação a uma identidade e às instituições que o criaram e lhe foram dando vida ao longo do tempo. Reduzir a realidade patrimonial a um espaço cénico uniformizado e estereotipado, adulterando as vivências dos seus habitantes, constitui uma diluição da sua organização social e cultural e uma forte desqualificação da singularidade histórica da cidade e do seu valor turístico.

A matriz identitária e a vida própria da cidade devem prevalecer.

13

Évora Monumental  

Évora Monumental

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you