Issuu on Google+


Olhar do VĂ­deo


APOIO CULTURAL UFPI

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PIAUÍ


23 24 25 e 26 NOVEMBRO

IFPI 18H AUDITÓRIO DO PRÉDIO B EM FRENTE A BIBLIOTECA

EDGARD NAVARRO ARTISTA HOMENAGEADO BAHIA

ANGU TV! COLETIVO CONVIDADO RIO DE JANEIRO


Ao som de Caetano Veloso, tivemos o primeiro contato com a linguagem experimental no cinema brasileiro através da leitura jormadiana em “Toques” (1975), que encantou os olhos atentos na Mostra A Diagonal Não Ofende Ninguém, realizado em 2008, bem como um largo conjunto de filmes que tomaram dois dias de exibição rica e panorâmica do universo em expansão do curta-metragem nacional. Usamos este mote de Jomard para declarar as ausências, apatias e desarticulações. Quando podemos Tocar e misturar-nos diante de um mundo novo em abertura processual, mas que nos esmaga pela parafernália gigantesca de acessórios imobilizantes...o peso da vida... É disso que precisamos, de Toques e provocações que nos arranquem da posição cômoda de uma TV que metralha e agoniza vários corpos em gesso ressecado, nos colocando em pé de igualdade aos homens primitivos olhando sua fogueira encerrar suas chamas e anunciar um outro ciclo repetitivo, a caça pela manhã e a espera de mais uma fogueira acesa. Sair da condição de espera, é dessa forma que o Coletivo Diagonal inicia seus primeiros passos. Ação Cultural em conjunto que não se resume a um simples rearranjo de migalhas exumadas, mas um posicionamento político de acreditar que, apesar do processo de sucateamento e desatenção que vive a cena audiovisual teresinense, existem formas alternativas de mudar para melhor o marasmo cultural da província. Os vídeos deslizam do esquema estratégico e imprimem seus anseios a fim de tencionar os limites de sua época e estamos navegando com eles na contra-corrente para dizer que, somos filhos desse vazamento de suportes e possibilidades engajados na friccão da linguagem para dela extrair seu inconformismo e os erros gerados para futuras renovações coletivas.


Queremos Toques que causem belos ferimentos, marcas que ativem o espírito do debate, com agressões saudáveis e proveitosas, pois o papel do espectador não apenas o de ver, mas o de romper os limites da TV para Ter-Ver, envolvendo-se maximamente com os ruídos e atravessamentos que nos fazem o Ser-Coisa de cada dia, transformando-o em SerVivente. O Coletivo Diagonal atua na consistência micro, que anualmente se ramifica em atitude macro, exibindo o que de há mais recente no circuito cultural do vídeo em seus múltiplos formatos e texturas, colocando na tela trabalhos clássicos do experimentalismo brasileiro e suas heranças, continuidades e rupturas, fruto da dinâmica que esta linguagem apresenta. Precisamos de Toques. Fomos tocados. Os vídeos foram além de nossas expectativas. Em 2008, recebemos 31 toques e esse ano tomamos de surpresa mais 70, reflexo do grande número de trabalhos em circulação no Brasil, no qual 16 Estados e dois países (Bolívia e Portugal) formam esse problemático mosaico de imagens loucas para serem consumidas, devastando a hegemonia arrogante do Olho para o carnaval de sons e movimentos que simbolizam o sobe-desce e a intensidade de ritmos executados. Edgard Navarro, grande nome do cinema brasileiro é nosso homenageado do evento e os impertinentes cineclubistas do Coletivo ANGU TV! são convidados para mostrar seu ativismo audiovisual e dar o brilho da polêmica. Os vídeos aqui expostos nesse catálogo são respostas sociais e poéticas, que dá vontade de comê-los. II Mostra Diagonal: uma ação, uma resposta, muitos caminhos. COLETIVO DIAGONAL ARISTIDES OLIVEIRA RONIEL SAMPAIO MEIRE FERNANDES


1ยบ dia 23.11.2009


ANGU TV! [CONVIDADO ESPECIAL] Conhecer um pouco como vem se formando a política dos coletivos audiovisuais no país, é importante para mostrar que fazer vídeo não é apenas uma opção estéticoartística, mas uma ação política que pode ser um desafio transformador do real. Para os realizadores, "AnguTv! é grito de basta! É o saco cheio de ficar parado olhando a mesma televisão de elite, escravista e mentirosa de sempre, mas não é a TV, e sim o poder que a controla e é dessa ferramenta que queremos nos apoderar". O Coletivo foi criado em 2007, quando alguns amigos que vivem em Duque de Caxias, frequentadores assíduos do Cineclube "Mate com Angu" se uniram com essa idéia na cabeça e uma camerazinha na mão, reclamando do sistema através da telinha, usando a revolta como megafone para entender os problemas do dia-dia, que massacram com os chicotes do passado num mundo supostamente pós-moderno. Desenvolvem um trabalho voltado a problematizar temas como o transporte, educação, pobreza, juventude e as drogas, na perspectiva de quem vive na “pele” a dureza da realidade. Com o programa "Buraco Cavernoso", AnguTV! atua como uma "TV paralela" na internet, que gradualmente conquista o papel de afront terrible no audiovisual brasileiro. Para o Angu Midiático, trabalhar com vídeo é "aprender e fazer TV com cara de revolução". Com muito prazer o Coletivo Diagonal abre espaço para o diferencial e apóia iniciativas que somem culturalmente, não perca em novembro: AnguTV!

documentário

DROGAS. Uma reflexão sobre violência, drogas e liberdade.


Um rapaz está de bobeira na praça, quando vê a ex-namorada. Passa-se à tarde...

BOM DIA, MEU NOME É SHEILA OU COMO TRABALHAR EM TELEMARKETING E GANHAR UM VALE-COXINHA.

É ELA...

Fagner vendia planos de saúde pelo telefone. Valéria trabalha há 19 anos numa das maiores centrais de tele-atendimento do país. O telemarketing é o setor da economia que mais cresce e contrata hoje no país com mais de 800 mil atendentes. Alguns deles estão neste filme. BRUNO GRAZIANO SÃO PAULO FICÇÃO 2009 10'25'' ANGELO DEFANTI RIO DE JANEIRO DOCUMENTÁRIO -FICÇÃO 2009 17' 10


ESSAS PALAVRAS

Paulo e Natasha são dois jovens apaixonados que colaboram no mesmo grupo de teatro. Apesar de não poderem mais se encontrar, ela expressa todo o seu amor em uma carta, o que pode resultar em um coração partido..

Collin o'kelley Teresina-pi Ficção 2009 5'

O BURRICO E O BEM-TE-VI

O violoncelista e o violinista se preparam para tocar “Burrico-de-Pau”, música composta por Carlos Gomes em 1894.

MAURÍCIO SQUARISI CAMPINAS-SP ANIMAÇÃO 2008 7'

11


VISITA E MEMÓRIA EM UM CORPO CONTEMPORÂNEO

RODRIGO QUIK, ALEXANDRE PIRES E SÁVIO LEITE NOVA LIMA-MG VÍDEO-ARTE 2006 7'15''

Trata do corpo contemporâneo, sua epiderme real e a virtualidade que se produz a partir de imagens geradas por tecnologias digitais.

MAITHÊ LORENA & SECY JANNUZZI RIO DE JANEIRO DOCUMENTÁRIO 2007 10'

MALABARES

No picadeiro de asfalto, viver ou sobreviver? O documentário investiga o comportamento, a cultura, os pensamentos e os pontos de vista de um grupo de cinco jovens malabaristas que, embora oriundos de países e classes sociais distintas, conseguem formar uma sociedade única, com seus próprios anseios, sonhos, objetivos e costumes, e nos permite entender suas atitudes e modo de ser, bem como sua luta na busca de um futuro mais promissor. 12


CALIGRAFILMES

A QUÍMICA DO AMOR

Vídeo-poemas. Traduções audiovisuais do verbo. Palavra-imagem em movimento.

O professor Ovo fala sobre processos químicos envolvidos no amor e no sexo. CHARLES BICALHO BELO HORIZONTE-MG VÍDEO-ARTE 2008 07'20''

ALESSANDRO CORRÊA JUIZ DE FORA-MG ANIMAÇÃO 2008 3' 13


PAULO F. CAMACHO RIO DE JANEIRO FICÇÃO 2009 9'30''

Você conhece todas as suas caras? O que é um padrão de beleza para você? Você se considera bonito? Nem o próprio homem conhece o tamanho da sua diversidade. CURTA a diversidade! Curta ser diferente! Reconheça sua cara! Então, qual a cara que você vai mostrar?

QUAL E SUA CARA?

Filme inspirado no longa de Jean LucGodard, “Desprezo”, que tem Brigit Bardot no elenco principal.

HIS SAID NETO VILA VELHA-ES VIDEO CLIPE 2009 3'03''

BEIJO FRANCÊS

14


CAVI BORGES & ABELARDO CARVALHO RIO DE JANEIRO DOCUMENTÁRIO 2009 10'

DESDOBRAMENTO IMAGÉTICO

Vídeo experimental realizado com técnicas através de concepção surrealista imagética.

Menina cresce no interior alheia aos principais acontecimentos do país. Aos dezoito anos desembarca no Rio de Janeiro sem imaginar que a esperava pela frente. A data? 1ª de abril de 1964. A partir de então, Joana e o Brasil nunca mais foram os mesmos.

VÁRIAS VIDAS DE JOANA

BÁRBARA AZEVEDO SÃO PAULO ANIMAÇÃO 2009 5'

15


NAS MARGENS

QUEM

Mostra um pouco da realidade de uma comunidade às margens da AL 101 Sul. SÚRYA NAMASKAR MARECHAL DEODORO-AL DOCUMENTÁRIO 2008 11'50''

Video-Clipe da banda de rock paraense “Indústria Vital”. Um animador procura inspiração para uma obra sobre o fim do mundo e a última esperança. Liga a TV e encontra suas respostas. WALÉRIO DUARTE BELÉM-PA VÍDEO CLIPE 2007 3'45'' 16


Animação que fala de coisas comuns de sentir, como gostos, cheiros e estar em casa.

S E N T I R

ANGU TV! CORRUPÇÃO Conheça os vários olhares sobre a corrupção brasileira e nossa última esperança: O Caçador de Corruptos em ação!

NARCISIO SOUSA TERESINA-PI ANIMAÇAO 2009 1'45''

/FEEL

17


GUSTAVO ARANTES E ANDREIA ANHAIS IPATINGA-BELO HORIZONTE/MG VÍDEO-DANÇA 11'

Par-k Da busca pela convergência entre conceito, corpo e olhar, cenas são construídas sobre a dinâmica dos brinquedos de um parque de diversões de pequeno porte, esquecido pela modernidade. A criação de cada ação atrela-se a percepção sensorial do corpo que se move após experimentar as sensações geradas pelo funcionamento de cada brinquedo. Simbiose entre o corpo do artista e brinquedo decadente, entrelaçando movimentos de ambos como metáfora da pouca valorização da arte nãomercantilizada. Dos registro corporais resta a necessidade de sobrevivência perante o mercado, o lugar de criação dos sonhos, o espaço triste, vazio, desolado, tinturas desbotadas e remendos evidentes para que o show não pare. Vejamos...

SOBRE SALTOS

Esse curta tragicômico narra um encontro de uma suicida, que deseja se matar no estacionamento de um Shopping Center, com uma sádica, criatura mordida que tem mania de descobrir como as coisas funcionam por dentro e que faz questão de testemunhar o suicídio. THALES COUTINHO RIO DE JANEIRO FICÇÃO 2009 10'

18


MEMÓRIA ARTIFICIAL

5 minutos “Quando se passa uma vida inteira ao lado de alguém, todo o tempo do mundo ainda pouco para dizer adeus”.

RICKY CASTRO SÃO PAULO FICÇÃO 2008 10'

Busca realizar um processo que conecta pedaços de memória, janelas, reflexos, texturas, cores e movimentos, gerando novas idéias. Resgatando o saber de algo que se deu e de como isso se deu.

RODRIGO QUIK NOVA LIMA-MG VÍDEO ARTE 2007 3'32''

19


770: OS AUSENTES FAZEM SEMPRE O MAL VOLTAR

Súbita compreensão? Por entre leves traços de um retrato biográfico e o gênero ficcional, “770” propõem-nos uma visão experimental sobre os últimos dias da vida de Dominguet Alvaret (1906-1942), pintor da segunda geração modernista portuguesa.

DINIS MONTEIRO LISBOA-PORTUGAL BIOGRÁFICO-EXPERIMENTAL 2009 10'

UNIVERSO CAIO JIDDU SALDANHA RIO DE JANEIRO VIDEO POEMA 2009 4' 20


2ยบ dia 24.11.2009


A BARREIRA DE VIDRO

EL DIA QUE ME QUIERAS

Sinto nos meus sonhos o suave murmúrio do teu suspirar. Dedicado a Carlos Gardel. ANA MORAVI E DELLANI LIMA BELO HORIZONTE-CORDISBURGO/MG EXPERIMENTAL 2009 5'

Uma jovem solitária, um espelho e um jogo perigoso entre a realidade e a ilusão misturam-se em meio a agonia da insegurança pessoal de quem não tem mais esperança de que dias melhores virão.

DAVID ANTONIO DA SILVA RECIFE-PE FICÇÃO 2009 7'37'' 22


ECO INTERNO GUINÉ-BISSAU: COLORIDO DE RITMOS E MOVIMENTOS Uma abordagem na linha do “docuficção” com uma perspectiva etnovisual, antropológica e arrojada sobre movimento, dança, ritmo e cultura na Guiné Bissau, pequeno país lusófono da África Ocidental,a partir de imagens colhidas em tempos diferentes, por diversos atores sociais e interpretadas por olhares artísticos-estéticoscriativos, que envolvem a produção realizada por novos talentos regionais e a colaboração de guineenses que vivem na Amazônia.

HILTON P. SILVA BELÉM-PA DOCUMENTÁRIO 2009 8'27''

Uma incursão no universo de duas personagens enigmáticas. BÁRBARA DE AZEVEDO SÃO PAULO-SP EXPERIMENTAL 2008 20'

23


QUEM MATOU CHARLES? O suspense está no ar... Em paralelo às reviravoltas que apresenta, o filme mostra as injustiças sofridas pelos bons atores, neste nosso Brasil que é o paraíso dos apadrinhados. Crítica ao trabalho de seleção de atores, sempre voltada para amigos e parentes, em detrimento de pessoas realmente competentes, que nunca tem chance...

MEITHÊ LORENA & SECY JANNUZZI RIO DE JANEIRO-RJ FICÇÃO 2005 07'58''

A ERA DO DEGELO. Às vezes a recuperação do sistema ecológico, não depende de um caso clínico. Mas... somente de um banheiro químico. A ERA DO DEGELO ROMEU DOMINGUES SOROCABA ANIMAÇÃO 2009 4'

24


FANTASIA FIGURADA Figuras inusitadas de universo fantástico compõe a narrativa desta animação experimental.

BÁRBARA DE AZEVEDO SÃO PAULO-SP VÍDEO ARTE 2008 5'

MÃE

LUIS ANTONIO PEREIRA RIO DE JANEIRO FICÇÃO 15'

25


Edgard Navarro cineasta brasileiro, lá da Bahia, que urge revelar por todos os meios, devido à sua originalidade e aos seus códigos particulares. Cineasta inquieto e visionário, construiu uma obra fora dos principais eixos de produção, realizando filmes que são pinceladas fortes na criação de um quadro composto por elementos anárquicos impactantes. Um cinema diletante e insubmisso que rejeita os valores estabelecidos para nos expor o estado de alma de um povo.

ALICE NO PAÍS DAS MIL NOVILHAS Inspirado no clássico infantil de Lewis Carroll e na novela pecuária Fazenda Modelo (Chico Buarque), o cineasta acerca-se daquele universo mágico de lagartas, boi zebus e cogumelos, lançando mão de seus próprios devaneios e fantasias, na tentativa de ilustrar a experiência alucinógena que tanto se difundira em meados da década de setenta. Ao remeter-nos à pedofilia platônica de Carroll, ali já se insinua, talvez, embora discretamente, a presença de alguma pequena perversão.

Atores: Cristiane, Ajax, Flôriza, Kal, Ana, Dô West, Adrô, Noel, Leão, Migs e Edgard Produtor: Edgard Navarro. Argumento: Edgard Navarro. Fotografia: Edgard Navarro. Montagem: Edgard Navarro.

(Fonte: http://www.cineclubedafeira.net/10FEST/navarro.html)

EDGARD NAVARRO CONVIDADO ESPECIAL SALVADOR-BA EXPERIMENTAL 1976 18'


ANGU TV! JUVENTUDE

Como anda a cabeรงa de nossos jovens? CONVIDADO ESPECIAL DUQUE DE CAXIAS-RJ DOCUMENTARIO 2007 10'


RODRIGO BITTENCOURT RIO DE JANEIRO-RJ FICÇÃO 2009 13'40''

ALGUM DIA BABY BLUES

P&B Bárbara é uma jovem repórter com uma estranha habilidade: ela enxerga cores em um mundo preto e branco. Após procurar ajudar ajuda de um oftalmologista, ela se envolve com um misterioso cinematógrafo e um perigoso sacerdote de uma seita egípcia.

ALESSANDRO CORRÊA JUIZ DE FORA-MG FICÇÃO 2008 13'

28


BOLÍVIA TE EXTRAÑO DELLANI LIMA & JOACÉLIO BATISTA BELO HORIZONTE (MG) – BOLÍVIA (BOL) DOCUMENTÁRIO 2009 7'

Quando me perco no deserto de sal.

PEDAÇOS DE NÓS DALSON CARVALHO TERESINA-PI EXPERIMENTAL 2'10'' 29


CAMINHOS DA JUVENTUDE

RESTOS DE ANTÔNIO

Jovens dependentes químicos buscam recuperação na bela fazenda da esperança, em Marechal Deodoro-AL. GLACIENE FERREIRA MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 15'22

Creusa recebe uma ligação de uma patroa que pede o favor de atender um amigo que precisa de uma faxineira para substituir sua diarista doente. Encontra tudo bagunçado, sem se dar conta, acaba por faxinar a casa e também a vida de Paulo. MARISKA MICHALICK RIO DE JANEIRO – RJ FICÇÃO 2009 13'30'' 30


A DISTRAÇÃO DE IVAN CAVI BORGES & GUSTAVO MELO RIO DE JANEIRO – RJ FICÇÃO 2009 15'

Ivan é um menino de 11 anos. Ele vive com a avó no subúrbio do Rio de Janeiro. Em meio a seu cotidiano de brincadeiras e brigas com os amigos, ele irá amadurecer.

LANDSCAPE MEMORY #1

Por que está tão verde e solitário? ARTUR TUOTO CURITIBA – PR EXPERIMENTAL 2009 2'

31


VIVO ECOS LUCIANO DANTAS PETRÓPOLIS/PAULO RAMOS TERESINA/RIO DE JANEIRO FICÇÃO 2009 12'01'' Depois que seu noivo morreu, Rosângela não vê mais graça na vida, e passa seus dias a esmo, apenas saindo para o trabalho. Enquanto isso, sua sogra recebe a visita do irmão do noivo de Rosângela que há muitos anos não dava notícias e pede a ele que vá ajudar a consolar Rosângela.

BERNARDO LUIS & CAMILA ROBÉRIA NATAL - RN DOCUMENTÁRIO 2009 20' Envelhecer não é seguir o caminho da morte, mas é viver com mais intensidade. Uma fase da vida que a experiência permite passar aos mais jovens conhecimento e aprendizado. “Vivo” é uma mensagem de respeito e conscientização. 32


VIDIGAL Documentário sobre o Morro do Vidigal sob um ponto de vista diferente.

CAVI BORGES & GUSTAVO MELO RIO DE JANEIRO – RJ DOCUMENTÁRIO 2009 5'

PROMESSA

Questiona-se sempre o que a política brasileira não faz. O documentário promessa levanta além de prometidos não cumpridos, a responsabilidade de cada um dentro dessa suposta democracia em que vivemos. ZEUDI SOUZA MANAUS – AM DOCUMENTÁRIO 2009 15'

33


VERTICAL

RODAS DA FORTUNA

Brevidade e densidade aliados à poesia, fotografia e Recife – dependurados num só fio. EVA JOFISAN RECIFE-PE EXPERIMENTAL 2008 2'

Uma criança sai de casa para brincar de bicicleta. O mundo gira, ciclos se sucedem, o tempo passa e o menino se torna um homem completamente transformado pelas reviravoltas da vida. WALÉRIO DUARTE BELÉM-PA EXPERIMENTAL 2009 5' 34


ENTRE A ESPADA E A RABECA

CHLOE Uma provocação à cidade de Marechal Deodoro de hoje e de ontem. Entre seus patrimônios materiais e imateriais, exercitamos a liberdade de expressão do povo deodoroense. MARCELINO ALVES, NEILTON DOS SANTOS E MÁRCIO VICENTE MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 13'44''

Video-clipe da música CHLOE (álbum “Quase Todas Elas”) do quarteto instrumental SPLISHJAM

ANA MORAVI BELO HORIZONTE – MG ANIMAÇÃO 2009 2' 35


O CÃO Augusto ama seu cão Pestana, mas um dia descobre que seu cão está doente. O veterinário diz que Pestana precisa de um transplante de coração para continuar vivendo, mas Augusto não pode pagar por essa operação. Até que ponto ele iria para poder salvar seu cão?

LUCIANO DANTAS RIO DE JANEIRO – RJ ANIMAÇÃO 2009 5'03'' 36


MARECHAL – TERRA DOS MÚSICOS

A tradição das filarmônicas do município alagoano com mais músicos por metro quadrado.

Maridos, amantes e pisantes

Um quarto. Um marido, um amante, um armário. Dois pisantes. Ah, e uma esposa e uma equipe de filmagem.

MARIDOS, AMANTES E PISANTES ANGELO DEFANTI RIO DE JANEIRO – RJ FICÇÃO 2008

LENILSSON SANTOS E TÁSSIA SOUZA MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 14'57''

37


CONGOS: RITMOS E DEVOÇÃO

Ao som de tambores, pandeiros e maracás, homens dançam e representam de forma dramática louvores a Nossa Senhora do Rosário e a São Benedito, santos de devoção negra. AUREA PAZ & CÁSSIA MOURA TERESINA- PI DOCUMENTÁRIO 15'

DES-IGUAL

Hoje vivemos em uma sociedade diversificada, sendo em aparência, opiniões, pontos de vista, comportamento, hábitos e costumes diferentes. Somos diferentes e iguais ao mesmo tempo. Essa é a proposta de DES-IGUAL , mostra o contraste entre as pessoas. HID SAIB NETO VILHA VELHA – ES VIDEO ARTE 2009 3'28'' 38


Dissoluções

ENCHENTE EM TERESINA OU O QUE É JORNALISMO Trata-se de um dia de tédio quando a defesa civil mandou não sair de casa.

Investiga a natureza do corpo em movimento, estendendo os limites das convenções formais e testando as tensões e fronteiras entre o vídeo, a arte visual e a dança. MARCELO KRAISER & RODRIGO QUIK NOVA LIMA – MG VIDEO DANÇA 2006 6'04''

NARCISIO SOUSA TERESINA - PI BIOGRÁFICO-EXPERIMENTAL 2009 7'14''

39


CANAL 001

JÚLIO PECLY RIO DE JANEIRO – CIDADE DE DEUS FICÇÃO 2009 9'30''

Uma homenagem ao canal 100, programa brasileiro de futebol.

IRAQUE – TERRA DA ESPERANÇA

Um bairro cheio de esperanças e com fama de campo de batalha.

DOUGLAS NOGUEIRA MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 11'57''

40


REI DO CAGAÇO O super close de um ânus em plena atividade é a imagem fundamental deste filme. Valendo-se de sintaxe truncada em que mistura material procedente do inconsciente urbano ao de seu.

Atores: Jorge Vital, Glória, Flô, Gilson, Roberto, Oremba, Paulo, Fernando Noy, Edu, Ricardo e Edgard. Produtor: Edgard Navarro. Argumento: Edgard Navarro. Fotografia: Edgard Navarro Montagem: Edgard Navarro. EDGARD NAVARRO CONVIDADO ESPECIAL SALVADOR – BA “EXCREMENTAL” 1977 10'

41

Fonte: http://www.cineclubedafeira.net/10FEST/navarro.html


4ยบ dia 26.11.2009


EXPOSED CASA DOS MORTOS Jaime, Antônio e Almerindo são homens anônimos, considerados perigosos para a vida social, cujo o castigo será a tragédia do suicídio, o ciclo interminável das internações, ou a sobrevivência em prisão perpétua nas casas dos mortos.

DEBORA DINIZ DISTRITO FEDERAL – DF DOCUMENTÁRIO 2009 20'

Através de uma abordagem um tanto onírica, delirante, o filme introduz o tema do poder - bélico, econômico, político associando-o à potência sexual e, como não poderia deixar de ser, a uma terceira perversão. Eis o postulado a ser demonstrado: só quem não se sente bastante seguro em relação ao poder que exerce, necessita ostentar sinais exteriores do mesmo. Sendo um símbolo fálico óbvio, o canhão em riste no meio das praças - em voga na década de setenta - estaria denotando um exibicionismo patológico, vale dizer, uma profunda insegurança dos militares em relação à própria virilidade. E, por extensão, em relação ao poder que então exerciam. Atores: Maristela, Eliete, Flôriza, Hugo, Antônio Marcos e Edgard. Produtor: Edgard Navarro. Argumento: Edgard Navarro. Fotografia: Edgard Navarro. Montagem: Edgard Navarro. EDGARD NAVARRO CONVIDADO ESPECIAL SALVADOR – BA EXPERIMENTAL 1978 7'30'' 43


BIBLIOFAGIA COMO UM MORMAÇO MUITO QUENTE Os signos tateos e cálidos, e mais que isso abrasadoramente ardentes. Que aquecem sensualmente voluptuosos, carbonizando e enegrecendo a pele morena que já nasce bronzeada.

Clarice Lispector, Franz Kafka, George Orwel, Manuel Bandeira e Genésio, um bibliotecário que desde a infância devora livros.

KEILA SERRUYA MANAUS – AM EXPERIMENTAL 2009 4'51''

RENATO CUNHA BRASÍLIA-DF FICÇÃO 14' 44


Uma sombra questiona suas formas.

ARTUR TUOTO CURITIBA – PR EXPERIMENTAL 2008 2'30''

FILME EXPERIMENTAL N. 5

DISFORME

DALSON CARVALHO TERESINA PI EXPERIMENTAL 2007 4'28'' 45


AOS PÉS

Mostrando apenas os pés dos personagens. O filme “Aos Pés” discute a questão da arte e suas manifestações diante das estranhezas do mundo e da matéria. O amor como ridículo, subterfúgio da irremediável solidão humana.

ZECA BRITO PORTO ALEGRE- RS FICÇÃO 2008/2009 18'

OSCAR 07/02

Documentário experimental sobre uma obra contemporânea de arquitetura (o museu Oscar Niemeyer, em Curitiba). Adaptando preceitos de Niemeyer, o filme busca explorar o potencial da construção, ao invés de oferecer um mero registro “realista”. JOÃO KREFER CURITIBA – PR EXPERIMENTAL 2009 9' 46


ANDA ZÉ PEQUENO, ANDA

História de um pescador da Ilha de Santa Rita, que entre outras proezas, foi de Marechal Deodoro ao Rio de Janeiro a pé.

KÁTIA REGINA, CÁSSIA REJANE & BRUNA RAFAELA MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 15'08''

O PESCADOR DE SONHOS

Num mundo escuro ele sai para a procura de um mundo de luz e cor, percorrendo um caminho árduo e perigoso. Ao atingir esse sonho vê-lo volatilizar-se e reduzir-se novamente a solidão e silêncio. Talvez por sua precipitação. De volta ao seu mundo real volta a tentar, pois precisa de respostas e a esperança permanece viva.

IGOR PITTA FLORIANÓPOLIS – SC ANIMAÇÃO 2006 11'

47


ENSAIO PARA UM VÍDEO DE VIGILÂNCIA

ARTUR TUOTO CURITIBA – PR EXPERIMENTAL 2009 05'30''

AS AVENTURAS DE SEU EUCLIDES: CHEGANÇA

Seu Euclides está pescando com Dourada, sua cachorrinha vira-lata, num riacho perto de casa. Até que pesca um tambaqui que fala ter vindo da Amazônia. A cachorrinha não acredita nisso, mas seu Euclides conta a história de sua descendência de um antigo Reino chamado Mauritânia, que invadiu Portugal por vários séculos, mostrando que nossas origens podem ser de variadas culturas e de lugares distantes.

MARCELO ROQUE ARACAJU – SE ANIMAÇÃO 2009 15'

Um breve ensaio sobre a vigilância e a política de contemplação. 48


Um passeio panorâmico sobre as diversas realidades do município de Marechal Deodoro.

DEBAIXO DA LUZ DO SOL

F12 – SALTO COM VARA

GOVINDA MAYA MARECHAL DEODORO – AL DOCUMENTÁRIO 2008 11'57''

Histórias paralelas na vida de um homem apontam para a inclusão

ISAAC DONATO EXPERIMENTAL BAHIA 2009 2'20'' 49


VISUNGO: FRAGMENTOS DA TRADIÇÃO ORAL CÁSSIO GUSSON JUNDIAÍ – SP DOCUMENTÁRIO 2009 13'

Até amanhã

O ano novo tem gosto de ressaca.

Este documentário conta a história dos Vissungos (cantos extintos com o fim da escravidão, que mesclam palavras do português com o africano.

ATÉ AMANHÃ ANDRÉ BOMFIM SÃO PAULO-SP FICÇÃO 2008 19'

50


Catálogo II Mostra Diagonal