Issuu on Google+

1


2


3


46664. É este o número que definiu e

imortalizou Nelson Mandela como a figura mundial influente, calorosa e admirável que bem conhecemos. No entanto, sua poderosa participação no movimento Anti-Apartheid é apenas uma faceta deste homem; e embora este conceito seja a base para o projeto deste livro, o mesmo não se limita àquele. Mandela foi um homem de muitas personalidades, todas pertinentes e apaixonantes.


12 32 16

Quem foi em breves linhas

apartheid

Cronologia


42

46

MDM Centro Nelson Mandela

NMF Casa da Fundação Nelson Mandela Mandela e seus nomes


Nelson Rolih ĂŠ por vezes referido em outros nomes...

cada qual com seu signi


hlahla Mandela ficado especial e hist贸ria


10

Ro


era seu nome isiXhosa de nascimento, dado por seu pai, que significa

“encrenqueiro�11

olihlahla


qu 12


quem foi Nelson Rolihlahla Mandela foi um importante líder político da África do Sul, que lutou contra o sistema de apartheid no país. Formado em direito, foi presidente da África do Sul entre os anos de 1994 e 1999. Faleceu em 05/12/2013 na cidade de Johannesburgo.

“A luta é a minha vida. Continuarei a lutar pela liberdade até o fim de meus dias.” 


13


Dar às crianças nomes ingleses era um costume entre os africanos na época; a pronúncia era 14 mais fácil para os colonos

Nelson


Este nome foi dado em seu primeiro dia na escola pela professora Mdingane 15


16

“Não há caminho fácil para a liberdade”


O apartheid, que significa “vida separada”, era o regime de segregação racial existente na África do Sul, que obrigava os negros a viverem separados. Os brancos controlavam o poder, enquanto o restante da população não gozava de vários direitos políticos, econômicos e sociais. 



A segregação racial na África do Sul teve início ainda no período colonial, mas o apartheid foi introduzido como política oficial após as eleições gerais de 1948. A nova legislação dividia os habitantes em grupos raciais (“negros”, “brancos”, “de cor”, e “indianos”), segregando as áreas residenciais, muitas vezes através de remoções forçadas. A partir de finais da década de 1970, os negros foram privados de sua cidadania, tornando-se legalmente cidadãos de uma das dez pátrias tribais autônomas chamadas de bantustões. Nessa altura, o governo já havia segregado a saúde, a educação e outros serviços públicos, fornecendo aos negros serviços inferiores aos dos brancos. O restante da população não gozava de vários direitos políticos, econômicos e sociais. 



17

Nelson Rolihlahla Mandela foi um importante líder político da África do Sul, que lutou contra o sistema de apartheid no país. Formado em direito, foi presidente da África do Sul entre os anos de 1994 e 1999. Faleceu em 05/12/2013 na cidade de Johannesburgo.


18


19

David Goldblatt, ‘Lawrence Matjee after assault and detention by the Security Police’, 1985. Museum no. E.113-1992, © Victoria and Albert Museum, London.


Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nunc enim leo, posuere molestie justo sit amet, porta consequat elit. Sed faucibus venenatis nisl, sed placerat leo auctor vitae. Fusce eu metus eros. Nam eu elit at sapien sagittis bibendum ac in sem. Ut arcu ligula, ultrices vel convallis in, interdum ut erat. Aliquam erat volutpat. Donec sed lectus pellentesque, volutpat risus consectetur, rutrum velit. Sed purus lacus, venenatis quis convallis vitae, imperdiet vel lacus. Morbi gravida purus eu hendrerit semper. Fusce eleifend dui sit amet suscipit faucibus.

20

Praesent luctus mauris sed tortor convallis dapibus. Morbi malesuada eu quam a fermentum. Quisque enim enim, euismod in sagittis vitae, sollicitudin quis nulla. Cras at tempor nibh. Donec rutrum, sem quis tempor congue, nisi odio pharetra purus, ac aliquam nulla felis ac dolor. Nulla semper volutpat scelerisque. Sed ut urna tincidunt metus feugiat iaculis non eget turpis. Nulla viverra fermentum elit in viverra. Cras ornare sodales felis. Quisque quis nulla neque. Vestibulum hendrerit ante fermentum, varius diam vel, consequat massa. Nulla id luctus tortor, et varius nisi.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nunc enim leo, posuere molestie justo sit amet, porta consequat elit. Sed faucibus venenatis nisl, sed placerat leo auctor vitae. Fusce eu metus eros. Nam eu elit at sapien sagittis bibendum ac in sem. Ut arcu ligula, ultrices vel convallis in, interdum ut erat. Aliquam erat volutpat. Donec sed lectus pellentesque, volutpat risus consectetur, rutrum velit. Sed purus lacus, venenatis quis convallis vitae, imperdiet vel lacus. Morbi gravida purus eu hendrerit semper. Fusce eleifend dui sit amet suscipit faucibus.


21 Jane Alexander, “Butcher Boys”, sculpture, 1985-86, South Africa.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nunc enim leo, posuere molestie justo sit amet, porta consequat elit. Sed faucibus venenatis nisl, sed placerat leo auctor vitae. Fusce eu metus eros. volutpat risus consectetur, rutrum. Donec sed lectus pellentesque, volutpat risus consectetur, rutrum velit. Sed purus lacus, venenatis quis convallis vitae, imperdiet vel lacus. Morbi gravida purus eu hendrerit semper. Fusce eleifend dui sit amet suscipit faucibus. Sed faucibus venenatis nisl, sed placerat leo auctor vitae. Fusce eu metus eros. Nam eu elit at sapien sagittis bibendum ac in sem. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nunc enim leo, posuere molestie justo sit Nulla id luctus tortor, et varius nisi. Nam eu elit at sapien sagittis bibendum ac in sem. Jane Alexander, “Infantry”, sculpture, 1985-86, South Africa.


22


23


24


25

O Massacre de Shaperville 21 de marรงo de 1960 69 mortos


26


27


MonumentoVortrekker, localizado em X, é símbolo da tentativa de agir contra a memória que a Arte da Resistência representou durante o período do Apartheid.

28

Steven Biko, conhecido ativista do Movimento anti-apartheid morto que foi preso e morto pelo governo sul-africano. Seus captores e assassinos ainda estão soltos.


29


Madiba era o nome de um chefe Thembu que governou no Transkei no sĂŠculo 18 30

Madiba


era o nome de seu cl達;31 mais importante do que seu nome de batismo, refere-se ao ancestral de Mandela


Cron 32


nologia

“Sonho com o dia em que todas33 as pessoas levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos.”


1942

Ainda estudante de Direito, Mandela começou sua luta contra o regime do apartheid. Entrou efetivamente para a oposição, representada pelo Congresso Nacional Africano.

1918

Nasceu em 18 de julho, na cidade de Qunu, na África do Sul.

1944

Participou da fundação, junto com Oliver Tambo e Walter Sisulu, da Liga Jovem do CNA.


34

1950

Durante toda a década, Nelson Mandela foi um dos principais membros do movimento antiapartheid.

Nelson Mandela, quando da sua entrada para o CNA e a Liga Jovem. Dalibhunga foi um nome dado ao mesmo com a idade de 16, uma vez que ele tinha sofrido iniciação, o rito Xhosa tradicional de passagem para a idade adulta. Significa “criador ou fundador do conselho” ou “convocador do diálogo”.


policiais sul-africanos atiraram contra manifestante negros, matando 69 pessoas. Este evento fez com que Mandela passasse a defender a luta armada contra o sistema.

Mandela torna-se comandante do braço armado da CNA, sob o codinome “Lança da Nação”, quando começou a arrecadar fundos para sustentar o movimento anti-apartheid

1961

permaneceu preso de 1964 a 1990 sob o número 46-664

1962

Foi preso e condenado a cinco anos de prisão por incentive a greves e viagem ao exterior sem autorização. Dois anos depois, foi condenado a perpétua por planejar ações armadas.

Participou da divulgação da “Carta da Liberdade”, documento pelo qual defendiam um programa para o fim do regime segregacionista.



1955 21 omassacre de março de sharpeville de 1960 35


11 de fevereiro de 1990

36

Mesmo na prisão, conseguiu enviar cartas para organizar e incentivar a luta pelo fim da segregação racial no país, recebendo apoio de vários segmentos sociais e governos de todo o mundo. Com o aumento das pressões internacionais, o então presidente da África do Sul, Frederik de Klerk, solicitou a libertação de Nelson Mandela e a retirada da ilegalidade do CNA (Congresso Nacional Africano).

Com o fim do mandato, Mandela afastou-se da política dedicando-se


primeiro presidente negro

a causas de várias organizações sociais em prol dos direito humanos.

Mandela tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul. Governou o país até 1999, sendo responsável pelo fim do regime segregacionista no país e também pela reconciliação de grupos internos.



prêmio Nobel

1994

Nelson Mandela e o presidente Frederik de Klerk dividiram o PrêmioNobel da Paz, pelos esforços em acabar com a segregação racial na África do Sul.



1993

37


38


05 de dezembro de 2013

Com a saúde abalada devido a complicações geradas por uma infecção respiratória, Nelson Mandela morreu em, aos 95 anos de idade.

Com sua morte o mundo perdeu uma 39 importante referência histórica da luta pelos direitos humanos e contra a discriminação e o preconceito racial


Tata 40

ĂŠ um termo carinhoso que muitos sul-africanos usam para Mandela


significa “pai”

41


Centro Nelson Mandela de Mem贸ria 42


a

a

Em 18 de novembro de 2013 o presidente Sul-Africano Jacob Zuma abriu o Centro Nelson Mandela de Memória, casa oficial da Fundação Nelson Mandela, em Houghton, Johanesburgo. Em 2004, Mandela inaugurou o Centro Nelson Mandela de Memória, que abriga a Fundação Nelson Mandela, com o objetivo de criar um serviço público para oferecer ao mundo um recurso integrado e dinâmico de informações sobre a sua vida e os tempos do appartheid, como também promover a descoberta de soluções sustentáveis para os problemas sociais críticos, através de intervenções de “diálogos de memória“. A compreensão de Mandela da importância da memória como um informante poderosa do presente foi gerada através de seus anos de encarceramento, cortado da possibilidade de uma vida privada e familiar. A memória deu-lhe a resistência e coragem para continuar. Sua ética de inclusão e a necessidade de tolerar, se envolver e resolver conflitos por meio do diálogo e da negociação criou o espaço para a Constituição Sul-Africano ser escrita e, através da possibilidade de revolução social, a guerra civil na África do Sul foi evitada. As diversas áreas da guerra e do conflito que prevalecem em todo o mundo hoje são testemunho da necessidade de relembrarmos o legado de justiça social e de diálogo preconizados por Mandela, que certamente permanecerão latentes ainda por muito tempo após sua partida. Ele tinha consciência da necessidade de reequipar e reestruturar a organização para movê-lo a partir da criação de um “escritório de pós-presidencial“, um serviço público a cumprir seu propósito maior. O Centro tem cumprido essa missão, e a implementação de um plano estratégico de cinco anos que está agora em sua fase final de implementação. Com o lançamento em novembro de 2013 de seu edifício recentemente remodelado, o Centro Nelson Mandela de casas Memória espaços de exposições permanentes e temporárias, fornece acesso físico ao escritório do Sr. Mandela, recursos materiais para estudiosos e outras partes interessadas e espaços de diálogo interativas para conduzir o seu discurso social mundialmente consagrado.

43


Khulu

Também é uma forma 44 abreviada da palavra isiXhosa “Tat’omkhulu” que corresponde a “avô”


significa “grande”, “fundamental” 45


46

Fundaรง Nelson Mande


Em 18 de novembro de 2013 o presidente Sul-Africano Jacob Zuma abriu o Centro Nelson Mandela de Memória, casa oficial da Fundação Nelson Mandela, em Houghton, Johanesburgo. Em 2004, Mandela inaugurou o Centro Nelson Mandela de Memória, que abriga a Fundação Nelson Mandela, com o objetivo de criar um serviço público para oferecer ao mundo um recurso integrado e dinâmico de informações sobre a sua vida e os tempos do appartheid, como também promover a descoberta de soluções sustentáveis para os problemas sociais críticos, através de intervenções de “diálogos de memória“.

ação n ela

A compreensão de Mandela da importância da memória como um informante poderosa do presente foi gerada através de seus anos de encarceramento, cortado da possibilidade de uma vida privada e familiar. A memória deu-lhe a resistência e coragem para continuar. Sua ética de inclusão e a necessidade de tolerar, se envolver e resolver conflitos por meio do diálogo e da negociação criou o espaço para a Constituição Sul-Africano ser escrita e, através da possibilidade de revolução social, a guerra civil na África do Sul foi evitada. As diversas áreas da guerra e do conflito que prevalecem em todo o mundo hoje são testemunho da necessidade de relembrarmos o legado de justiça social e de diálogo preconizados por Mandela, que certamente permanecerão latentes ainda por muito tempo após sua partida.

Ele tinha consciência da necessidade de reequipar e reestruturar a organização para movê-lo a partir da criação de um “escritório de pós -presidencial“, um serviço público a cumprir seu propósito maior. O Centro tem cumprido essa missão, e a implementação de um plano estratégico de cinco anos que está agora em sua fase final de implementação. Com o lançamento em novembro de 2013 de seu edifício recentemente remodelado, o Centro Nelson Mandela de casas Memória espaços

de exposições permanentes e temporárias, fornece acesso físico ao escritório do Sr. Mandela, recursos materiais para estudiosos e outras partes interessadas e espaços de diálogo interativas para conduzir o seu discurso social mundialmente consagrado.

47


48


49


50


Nelson Mandela, um homem que mudou a história