Page 1

Sol Nascente

Universidade de BrasĂ­lia Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Projeto de Urbanismo 1 Edlla Souza (15/0123566), Sacha Quintino (13/0017302) e Tamara Neres (15/0149052)


Brasília Como Metrópole No Brasil, os aspectos econômicos sempre impulsionaram e/ou impulsionam as migrações internas. Durante os séculos XVII e XVIII, a intensa busca por metais preciosos desencadeou grandes fluxos migratórios com destino a Goiás, Mato Grosso e, principalmente, Minas Gerais. Em seguida, a expansão do café nas cidades do interior paulista atraiu milhares de migrantes, em especial mineiros e nordestinos. A Região Sudeste que, historicamente, recebeu o maior número de migrantes, tem apresentado declínio na migração, consequência da estagnação econômica e do aumento do desemprego na região. Nesse sentido, ocorreu uma mudança no cenário nacional dos fluxos migratórios, onde a Região Centro-Oeste passou a ser o principal destino. As políticas públicas de ocupação e desenvolvimento econômico da porção oeste do território brasileiro intensificaram a migração para o Centro-Oeste. Entre as principais medidas para esse processo estão: construção de Goiânia, construção de Brasília, expansão da fronteira agrícola e investimentos em infraestrutura. O reflexo dessa política é que 30% da população do Centro-Oeste são oriundas de outras regiões do Brasil, conforme dados de 2008 divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).


Conexões rodoviárias de Brasília Fonte: Departamento de Estradas e Rodagem do Distrito Federal


Brasília e Sol Nascente Nos anos seguintes a construção de Brasília os índices de imigração para a capital cresceram assustadoramente, enquantos nos outros estados as capitais iam se estabilizando e se firmando como cidade, Brasília estava em seu auge de ascensão populacional. O crescimento desordenado traz consequências para considerada hoje uma metrópole nacional. As porcentagens de invasões em terrenos públicos se intensificaram rapidamente, nesse contexto, juntamente com outras cidades satélites e algumas com expansões surgiu assim o Setor Habitacional Sol Nascente e a Área de Regularização de Interesse Social – ARIS Pôr do Sol na Região Administrativa de Ceilândia-RA IX. A área destes setores situa em terreno de concessão de uso que foi fracionado de forma irregular a partir da década de 1990 e intensificada a partir de 2000. E em 2008 foi criado pela Lei Complementar Nº 785, de 14 de novembro de 2008, divulgado no DODF DE 21.11.2008. A área do Setor Habitacional Sol Nascente localiza-se entre os Setores “P” Sul, “P” Norte e Quadras QNQ da Cidade de Ceilândia, dividida em 3 trechos que juntos somam 940 hectares (cerca de 940 campos de futebol). E possui uma população estimada de 78.912 habitantes, segundo a PDAD 2013.


Fonte: Secretaria de Estado de Gestão de Território e Habitação


Fonte: Secretaria de Estado de Gestão de Território e Habitação


Índice de Imigração do Distrito Federal

A expansão da fronteira agrícola e maiores investimentos em infraestrutura proporcionou o fortalecimento e ampliou ainda mais os fluxos migratórios para a região Centro-Oeste.


Comparação de Infraestruturas

Fonte: Dados PDAD 2015



Legislação Urbanística do Sol Nascente LEI COMPLEMENTAR Nº 785, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2008 Art. 2º O Setor Habitacional Sol Nascente é constituído pela Área de Regularização de Interesse Social – ARIS Sol Nascente e pela área de preservação permanente, onde será criado, pelo Poder Executivo, o parque ou unidade de conservação. Art. 6º Os projetos urbanísticos de regularização da ARIS Sol Nascente e da ARIS Pôr do Sol serão aprovados pelo Poder Executivo, obedecidos os seguintes índices de ocupação do solo, indicados com base no que estabelece o art. 56 do Ato das Disposições Transitórias da Lei Orgânica do Distrito Federal, com a redação introduzida pela Emenda nº 49, de 2007, e na diretriz de política urbana constante do art. 2º, XIV, da Lei Federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001: I – densidade bruta máxima de 150 habitantes por hectare; II – percentual de área pública, destinado aos espaços livres de uso público e equipamentos comunitários e coletivos, fixado em 15% (quinze por cento) da respectiva ARIS; III – área mínima para os lotes residenciais unifamiliares de 88m2 (oitenta e oito metros quadrados); IV – usos permitidos: a) residencial, habitação unifamiliar; b) coletivo, correspondente ao anteriormente denominado uso institucional; c) comercial e de prestação de bens e serviços de abrangência local; d) misto, podendo ser comercial e residencial ou institucional e residencial;


V – coeficientes de aproveitamento: a) coeficiente de aproveitamento básico para os lotes destinados ao uso residencial, habitação unifamiliar, menores que 200m2 (duzentos metros quadrados): igual a 1,0 (um vírgula zero); b) coeficiente de aproveitamento básico para os lotes destinados ao uso residencial, habitação unifamiliar, maiores que 200m2 (duzentos metros quadrados): igual a 0,8 (zero vírgula oito); c) coeficiente de aproveitamento básico para os lotes destinados ao uso comercial e coletivo: igual a 1,0 (um vírgula zero); d) coeficiente de aproveitamento básico para os lotes destinados ao uso misto: igual a 2,0 (dois vírgula zero). Art. 8º O Poder Executivo providenciará a implantação da infra-estrutura básica na ARIS Sol Nascente e ARIS Pôr do Sol, nos termos permitidos pelo art. 2º, § 6º, da Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, com redação da Lei nº 9.785, de 29 de janeiro de 1999, que consistirá, no mínimo, na implantação de vias de circulação, escoamento das águas pluviais, rede para abastecimento de água potável e soluções para o esgotamento sanitário e para a energia elétrica domiciliar


Sol Nascente Trechos I,II e III


Sol Nascente Trechos I


Sol Nascente Trechos II


mapa hipsomĂŠtrico


mapa de bacias df


Percurso Solar Clima tropical de altitude Verão quente-úmido: de outubro a abril, Tar méd de 22ºC, URméd de 77%, chuvas intensas e radiação difusa (Romero, 2011). Inverno quente-seco: de maio a setembro, URméd de 49% em agosto, radiação direta forte, baixa nebulosidade (Romero, 2011).


Orientação dos ventos

VELOCIDADES PREDOMINANTES

FREQUÊNCIAS DE OCORRÊNCIA


situação ambiental


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Fonte: EIA-RIMA bordas da Ceilândia.TERRACAP


Parque Sol Nascente: projeto em andamento O Parque Urbano 2 localiza-se no Setor Habitacional Sol Nascente, Trecho 1, Etapa 1, RA Ceilândia possui área total de 247.269,36 e área útil de aproximadamente 74.946,28 m2. Destaca-se a importância da implantação do Parque no contexto social e ambiental, pois atenderá além da população estimada 17.600 hab., visto que a região não apresenta

outras

áreas

de

lazer

urbanizadas.

O projeto do Parque Urbano 2 inclui ciclovias, calçadas, praças, hortas comunitárias e espaços para educação ambiental. Inclui equipamentos de esporte e lazer, como campo de futebol, quadras polivalentes, áreas para picnic e parque infantil. A obra de maior vulto corresponde ao Centro Comunitário com 350 m2, local para formação profissional, oficinas, biblioteca, área de exposições e cinema ao ar livre. Abriga duas bacias de contenção do sistema de drenagem pluvial da Etapa 1 e inclui a recuperação de áreas degradadas do córrego Grotão e nascentes.


Pirâmide etária O trecho III foi dividido em 31 setores censitários pelo IBGE, em vista disso foi escolhida uma amostra representativa para demonstrar qual a pirâmide etária da região. No setor, em questão, residem 1577 pessoas.


Dados SocioeconĂ´mico PDAD






Dados Socioeconômico PDAD Do total de habitantes 46% estão na faixa etária de 25 a 59 anos Os ocupados desempenham atividades predominantemente no Comércio, 33% e Serviços Gerais, 22%. Abastecimento de água, energia elétrica, e coleta de lixo próximos do atendimento total. O esgotamento sanitário abrange 81% dos domicílios da Ceilândia, no entanto no Pôr do Sol/Sol Nascente existem 56% de domicílios com fossa séptica e 39% com fossa rudimentar. A Coleta de lixo no Pôr do Sol/Sol Nascente é realizada em 26% dos domicílios, 28% jogam em lugar impróprio e 47 % dão outro destino.


Sol Nascente - Trecho III


Mapa Ă reas Verdes


MAPA Hierarquia de Vias


Mapa de Equipamentos

Lazer Educação Saúde Segurança


MAPA DE SERVIÇOS


Visuais Urbanas


ResĂ­duos 1

2

2

3

1

Coleta de ponto Ă ponto para amenizar a quantidade de lixo 4


PAPA LIXO


Equipamentos Urbanos 6

6 5


Vias Não- Asfaltadas

10

9

7

8


Esgoto a Céu Aberto

11


ComĂŠrcio Informal

12


Quadra- Lote


Corte Caixa VIรกria A

OUTRA IMAGEM


Corte Caixa VIรกria B


Corte Caixa VIรกria C


Corte Caixa VIรกria D


análise morfológica do quarteirão Tamanho do lote: 18m x 8m Gabarito predominante: 1 pavimento. Há apenas algumas poucas casas que apresentam 2 pavimentos. Quantidade de lote por quadra: o quarteirão possui 147 lotes, sendo distribuídas nas quadras 1, 2, 3 e 4 encontrando-se 59, 58, 29 e 11 lotes, respectivamente. A maioria das casas não apresentam recuo lateral, por terem uma tipologia de casa geminada, quando não, o recuo varia de 3 a 4m. As fachadas denunciam a modesta capacidade construtiva da população, por serem em sua maioria desprovidas de revestimento.

1

2

3

4


Fachada Residencial

Fachada ComĂŠrcio (borracharia)

Tipologia Residencial

Fachada Escola Classe 66


Fachadas Residenciais


Avaliação da população do Sol Nascente





Deixe aqui uma sugestão para melhoria de segurança, saúde, educação e lazer:

“Posto de saúde no sol nascente, pois tem que ir no hospital da ceilândia pra se consultar. Melhorar o transporte público pois usamos muito pirata. Gostaria que tivesse um parque para meus filhos brincarem.”

“Podia ter asfalto sem buraco.” “Mais postos de saúde, escolas para atender o ensino médio, creches e praças para lazer.”

“Mais rondas policiais.” “Na segurança aqui perto d casa so vem polícia quando alguém morre agora SAÚDE nem si fala fizeram a UPA mais não adiantou em nada , não tem médico .. a EDUCAÇÃO não e muito ruim não LAZER Bem o lazer e complicado kk aqui tem uma quadra mais ela e muito longe devia fazer dos espaços vazios quadras de vôlei , campo sintético, quadra de futebol.”


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.