Page 3

Problemas na estrutura do

asfalto novo

estiv er am em pauta estiver eram

N

a primeira edição de fevereiro, reportagem do Jornal Noroeste apresentava denúncias trazidas à redação por cidadãos que se queixavam de buracos e desníveis no asfalto da Avenida Expedicionário Weber, cujas obras foram realizadas em 2014 e que tiveram R$ 2,2 milhões de investimento. A matéria de capa mostrava que em locais específicos o problema havia sido causado pelo estouro de canos da rede de água da Corsan, que precisou fazer a abertura do pavimento para a manutenção. Na oportunidade a Carpenedo e Cia Ltda, empresa responsável pela obra, afirmou que estava tendo conhecimento do problema, que só ocorreu neste ano e, a exemplo do que afirmara o responsável pela fiscalização da prefeitura, disse que o aumento da temperatura, além do trânsito pesado de caminhões na avenida, poderiam ser os causadores do “escorregamento” da Mateus massa asfáltica da pista. Dias depois, Vicini se reuniu com secretários e empresas responsáveis pelas obras realizadas na cidade, dentro do projeto que teve investimento de R$ 34 milhões, a fim de anaNOROESTE - SEXTA-FEIRA, 29 DE DEZEMBRO DE 2017

O “escorregamento do asfalto na Expedicionário Weber”

Os tampões da Corsan

lisar a situação. Ainda em fevereiro, outro problema veio à tona e foi estampado na capa do Noroeste: as inúmeras reclamações quanto aos tampões da Corsan, que após as obras de asfaltamento e recapeamento, ficaram abaixo da malha asfáltica, causando danos a veículos. Ao todo foram apontados 148 pontos de tampões com o problema. Cerca de 10 mil agricultores, mobilizados pela macrorregional da FETAG-RS, participaram em fevereiro da 7ª edição do Grito da Terra, realizado em Santa Rosa. Na pauta principal, a posição contrária à Reforma da Previdência. Portando faixas e cartazes e gritando palavras de ordem como "nenhum direito a menos". Os trabalhadores da agricultura familiar protestaram pelas ruas centrais da cidade, com paradas no INSS e Banco do Brasil. Na área policial, destaque para a morte de Mateus

Braga Silveira, 22 anos. O monitor da Unidade Central de Atendimento Municipal (UCAM) foi morto com pedrada na cabeça desferida por um adolescente que, junto com outro menor, rendeu o servidor público na tentativa de furtar o veículo da unidade para fugirem do local onde estavam internados. Os menores infratores foram apreendidos e encaminhados para a Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (FASE) de Santo Ângelo. Já as mortes por acidente de trânsito continuaram a serem registradas na cidade. Em fevereiro, duas na avenida Tuparendi, uma envolvendo o motoqueiro Bruno Londero e outra um jovem motorista, Guilherme Henrique dos Santos. O mês também foi marcado pelo debate quanto a venda de bebidas ou não nos quiosques que estavam projetados para o Tape Porã. Assunto foi debatido em audiência pública na Câmara, onde a maioria se posicionou contrária. Ao mesmo tempo, nenhum interessado apareceu na licitação para concessão dos dois quiosques projetados para a venda ao público de lanches e bebidas. No Legislativo, o destaque foi a aplicação do Concurso Público tão aguardado, cancelado em 2015. Houve mais de 2.700 inscrições. Mesmo divulgando o resultado final, aprovados ainda não foram chamados para assumirem seus cargos.

Especial Retrospectiva 2017  
Especial Retrospectiva 2017  
Advertisement