Issuu on Google+

PIONEIRO

| 6 | POLÍTICA

SÁBADO E DOMINGO, 13 E 14 DE AGOSTO DE 2011

Trajetória e obra imortalizadas O homem de ideais fortes era também um apaixonado pela família. A caçula da união de 51 anos dele com Almira, Bianca Segalla Reichert, 43, lembra, porém, que o pai não era liberal em casa como na rua. – Ele queria que as mulheres da casa não se menosprezassem, fossem fortes, se sustentassem. Ele queria que a gente casasse e que não fosse com qualquer um. Ele também dizia que a gente tinha de ler muito e nos dedicarmos à profissão – recorda. Bianca participou ativamente da campanha do pai para deputado federal em 1992, pelo PDT. O slogan da campanha era “Votar é preciso. E isso é o essencial”, em alusão a uma citação de Pablo Picasso. Apesar de não ter vivenciado a militância sindical de Segalla, a filha discursa sobre a atuação do pai. – Ele era um lutador pelos direitos de igualdade. Foi operário por 38 anos e trazia isso na bagagem. Ele achava que os trabalhadores tinham de ter boas condições. Hoje, vejo que a luta não é a mesma. Fugiu da essência. É trabalhar pouco e ganhar bem. Acho que se deturpou.

Além de Bianca, Segalla teve outros quatro filhos: Sandra, Ricardo, Francisco (já morto) e Bruno. Além de sete netos e um bisneto de sete anos, que não o conheceu.

Acervo – A obra de Bruno Segalla está espalhada pela cidade. Há esculturas na Câmara de Vereadores, nos Pavilhões da Festa da Uva, na Praça Dante Alighieri, no Centro de Cultura Dr. Henrique Ordovás e no Largo São Pelegrino (veja quadro). Mas quem quiser conhecer mais da produção do artista deve visitar o Instituto Bruno Segalla. Fundado em novembro de 2005, abriga um acervo de oito mil itens, entre esculturas, fotografias, documentos, medalhas, objetos pessoais, ferramentas e desenhos. Além de exposições, o instituto proporciona visitas guiadas, mediante agendamento, e oficinas. Por mês, recebe aproximadamente 400 estudantes. O Instituto Bruno Segalla fica na Rua Andrade Neves, 603, Centro. O atendimento é das 9h às 12h e das 14h às 17h30min, de segunda a sexta. Informações: (54) 3027.6243 ou www.brunosegalla.org.br.

Exposição No dia 23, ocorre a abertura da exposição O ventre e o leite no imaginário de Bruno Segalla, no instituto que leva o nome do artista. A mostra reúne obras sobre o feminino na vida de Segalla.

OBRAS ■ Instinto Primeiro – Escultura em homenagem a Luisa Eberle, por ocasião do Centenário da Metalúrgica Eberle. A obra está na Praça Dante Alighieri. ■ Estátua de bronze de Ana Rech, na praça em frente à igreja, em Ana Rech. ■ Escultura Direitos Humanos, de 70 centímetros, na Câmara de Vereadores de Caxias. A obra é uma réplica da escultura inacabada de Segalla, com sete metros. ■ Escultura do padre Giordani, na Rótula de São Pelegrino, em frente à igreja. ■ A Exilada, escultura em terracota de 15 centímetros que integra o Acervo Municipal de Artes Plásticas. Está guardada no Museu Municipal de Caxias do Sul. ■ Retrato em baixo relevo, em bronze, de

EDSON COSTA, BANCO DE DADOS

MAIS

Percy Vargas de Abreu e Lima, patrono da Casa da Cultura. A obra está afixada ao lado da entrada principal do teatro. ■ Busto de Dr. Henrique Ordovás Filho, na entrada do Centro Municipal de Cultura. ■ Busto de Kalil Sehbe, na Praça João Pessoa, em São Pelegrino. ■ Busto de Cândido Calcagnotto, na Praça da Bandeira. ■ Busto de Euclides Triches, no Largo da Prefeitura. ■ Busto do General Bento Gonçalves, na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre. ■ Busto de Ayrton Senna, em frente a um clube, em Firenze, na Itália. ■ Monumento Jesus 3º Milênio, nos Pavilhões da Festa da Uva.

JESUS 3º MILÊNIO Bruno Segalla deu forma à escultura que hoje está no Parque de Exposições da Festa da Uva

TRAJETÓRIA ■ Aos 13 anos, Bruno Segalla tornava-se operário da Metalúrgica Eberle. Com habilidade para trabalhar e moldar metais, foi promovido a gravador de medalhas.

■ Em 1963, como líder sindical e suplente de deputado, liderou a maior greve de Caxias até então, mobilizando 8 mil trabalhadores.

■ Aos 27 anos, casou-se com Almira da Silva. Da união, nasceram cinco filhos.

■ Em 1957, Segalla assumiu a presidência do Sindicato dos Metalúrgicos, dando início à vida política.

■ Em 1964, teve seus direitos políticos cassados e ficou preso por 90 dias em Porto Alegre, por pertencer ao PCB. Voltou a ser preso em 1974 por representar “uma ameaça ao regime”.

■ Bruno Segalla, além de personagem político, ganhou reconhecimento por suas qualidades artísticas e por transparecer suas ideologias nas obras que moldava. Fiel em seu discurso, Segalla esteve sempre presente nos principais momentos da história da política caxiense e nacional. Era amigo próximo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do exgovernador Leonel Brizola (PDT).

■ Morreu no dia 14 de agosto de 2001, vítima de fibrose pulmonar.

CÂMARA Marco Maia falou a empresários

‘Uma sensação de desconforto’ O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT) falou sobre economia, crise internacional e crescimento para os empresários caxienses na reuniãoalmoço da CIC, na sextafeira. Ele garantiu que a economia brasileira está sólida para enfrentar a turbulência. – Estou otimista. Estamos muito sólidos e com cerca de R$ 360 bilhões em reservas internacionais. Maia projeta a votação de 41 propostas até outubro. Entre elas, está a Emenda Constitucional 29, que fixa os percentuais mínimos a serem investidos anualmente em saúde pela União, por Estados e municípios.

Em relação à turbulência na base aliada, motivada pelas denúncias de corrupção em diversos ministérios, Maia admite sua existência, mas garante: – Há uma sensação de desconforto no Parlamento. Semana que vem, deveremos reiniciar as votações. Em relação às emendas parlamentares, utilizadas muitas vezes como moeda de negociação na aprovação de projetos, Maia explicou que elas são a forma mais democrática de socializar o orçamento da União: _ Se não fosse assim, seria um burocrata sentado atrás de uma mesa que destinaria recursos segundo a sua visão de mundo.


Reportagem 10anossembrunosegalla2