Issuu on Google+


Con TI nEn TE

coPA 2010

BRASILEIRo, PRoFISSテバ: continente junho 2010 | 64 5

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 64

27/05/2010 08:17:40


Histórias de paixão pela seleção nacional de futebol, no período de Copa do Mundo, reafirmam o valor desse personagem emblemático na luta travada no gramado

ToRCEDoR TEXTO Samarone Lima ILUSTRAÇÕES Pedro Melo

continente junho 2010 | 65

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 65

27/05/2010 08:17:44


CoPA 2010

em novembro do ano passado, quando suspeitou que estava grávida, a psicóloga Emília Miranda, 33 anos, foi ao médico com o marido, o administrador Pedro Leite, de 30, para fazer os exames. O ultrassom revelou as batidas aceleradas de um coraçãozinho de poucas semanas. “Está com pouco mais de um mês”, informou o médico. Emocionados com a notícia do primeiro e desejado filho, Emília e Pedro foram despertados para outra realidade, a futebolística, quando o médico começou a fazer os cálculos matemáticos das 40 semanas de gravidez. “Espera aí. O parto deve acontecer em julho!” O pai, torcedor apaixonado do Santa Cruz, frequentador de estádios, entendeu imediatamente a mensagem. Julho + 2010 = Copa do Mundo. “É o mês da Copa”, disse. Em segundos, os dois homens deixaram de ser médico e paciente normais e se transformaram em dois apaixonados torcedores antecipados de um torneio que sacode o planeta, a cada quatro anos: a Copa do Mundo. O médico acessou a internet, baixou a tabela da competição, e iniciou-se uma especulação sobre a data do parto, cruzamento de jogos. Os cálculos revelaram que Emília será mamãe entre a semifinal e a final do torneio. “Se nascer na hora da final, vou levar um celular com TV digital para a sala de parto”, brinca o pai. A futura mãe observou tudo com paciência, e a poucos dias do início do torneio, sabe que não vai ser fácil o parto com a proximidade de algo tão tumultuado. “Acho melhor Ana nascer depois de tudo.” O “tudo” a que Emília se refere é aquela balbúrdia, o frenesi, a expectativa, os jogos, bandeiras tremulando nas ruas, paredes pintadas de verde e amarelo, pagodes, reuniões de família, um país inteiro fazendo mandingas, rezando, aguardando o gol salvador, as vitórias, classificações, e, se tudo correr bem, o título. São cinco estrelas em cima do escudo, coisa que nenhuma seleção conseguiu, mas os brasileiros querem sempre mais. A obsessão,

entre os dias 11 de junho e 11 de julho, será o hexacampeonato.

coM voSSA vÊniA

Nos meios jurídicos, todos sabem o que representa uma audiência marcada diante de um juiz. Em junho de 1998, a dois dias do jogo de estreia do Brasil na Copa da França, o advogado Clávio Valença recebeu a informação. A juíza tinha marcado uma audiência, envolvendo um caso de pensão alimentícia, para o dia 10 de junho. Ele esfregou os olhos sem acreditar. A audiência era na mesma hora do jogo de abertura da Copa: Brasil X Escócia. Valendo-se dos conhecimentos jurídicos e sabedor das paixões humanas que envolvem qualquer jogo da Copa, Clávio não teve dúvida. Dia 8 de junho, protocolou um requerimento à juíza, escrito em formato de cordel, elencando o sentimento nacional diante da camisa amarela, as mudanças que ocorrem no país, nos dias de jogo, para que a audiência fosse cancelada. “De pão, circo, chuteira Rádio, folhetim, televisão

Sendo a nação brasileira Feita de fome e ilusão Por que tanta trabalheira Ante o Brasil campeão? Por que marcar audiência Decidir quem tem razão Mesmo fome de menor Sendo objeto da ação? Nada há mais importante Que o Brasil ser campeão.” O requerimento-cordel lembrava fatos que se repetem em cada quatro anos: “bancos dão feriado”, “indústria fecha o portão”, “Assembleia sem deputado”, “ministério sem ladrão”, “executivo parado”, “sanfoneiro sem baião”, e recorria a cenas poéticas, para demonstrar que a audiência, no dia de jogo da seleção, era um contrassenso. “Tufão de vento cansado Sertanejo sem sertão O diabo sem ser danado Mas o Brasil campeão.” Ao final, e sem mais delongas, solicitou o adiamento da audiência.

continente junho 2010 | 66 7

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 66

27/05/2010 08:17:48


“Requeiro pois ao Estado E a vossa compreensão Deixe o seu fazer de lado Adie a sua decisão Ajude este advogado Ver o Brasil campeão.” Nos versos, a eterna certeza do brasileiro de que a seleção sempre será a campeã. “Por isso contrariado Requeiro a alteração do dia mencionado na sua intimação seja outro dia marcado com o Brasil já campeão.” Por fim, uma dose de ironia, refletindo o clima no país a dois dias da Copa da França: “Sendo este acatado Por vossa jurisdição Gastarei meu feriado Sem lhe tomar atenção Tomo uma no fiado Até o Brasil campeão.”

A petição chegou às mãos da juíza, Clávio soube à boca miúda que o texto, de conteúdo excessivamente popular, não agradou em nada à magistrada, mas tudo foi resolvido de uma forma mais sensata: “O juiz do Tribunal suspendeu todas as audiências nos horários de jogos do Brasil. Mas se fosse confirmada naquele dia e horário, eu não iria de jeito nenhum”. Cercado de amigos, ele conseguiu assistir ao Brasil ganhar de 2 x 1 da Escócia, mas o requerimento se tornou um clássico do direito ao futebol da seleção.

MiLHÕeS De PALPiteiRoS

Por ter participado de todas as Copas, o brasileiro repete gestos, manhas, crenças, agonias do passado. Em cada Copa, há um jogador a ser convocado não pelo treinador, mas pela torcida. Na Copa dos Estados Unidos, em 1994, o nome do atacante Romário foi gritado em estádios, programas de rádio e TV. O técnico Carlos Alberto Parreira enfrentou a pressão até jogar a toalha. Mesmo contrariado, chamou o atacante, no último jogo

das eliminatórias, contra o Uruguai. O Baixinho fez os dois gols da vitória, brilhou na Copa e o Brasil foi tetra. O fenômeno se repetiu para a Copa da África. Dois jovens craques revelados pelo Santos Futebol Clube, Neymar, de 18 anos, e Paulo Henrique Ganso, de 20, estavam arrasando adversários, fazendo jogadas geniais, levaram o time ao título do Campeonato Paulista após golear vários adversários, e a possível convocação dos dois, um sopro de poesia e talento na seleção, se tornou uma queda de braço da torcida e mídia, contra o treinador Dunga. No dia 11 de maio, quando o treinador anunciou os 23 convocados para a Copa, os nomes de Neymar e Ganso ficaram de fora. “A seleção ficou igual ao treinador: medíocre”, avalia Valença, um dos milhões de palpiteiros da escalação. O inglês Alex Bellos, autor de Futebol, o Brasil em campo, de 2003, faz uma comparação que parece ter sentido. “Os britânicos dividem o século 20 em blocos demarcados pelas guerras mundiais de 1914-1918 e 1939-1945. O Brasil mede sua história recente pelas Copas do Mundo, já que é nesse tempo que mais se identifica como nação”. Maria do Carmo Lira, 57 anos, funcionária pública, três filhos, é daquelas que só assistem a jogo na TV “por assistir”, quando está de folga e sem ter o que fazer. Não sofre, não torce, não faz mandingas. Não tem a paixão clubística. Mas quando o assunto é a seleção, ela é capaz de contar a vida a cada quatro anos, pela emoção da camisa amarela. “Ah, mas a Copa é outra coisa”, diz. “Aí eu fico nervosa, dá uma taquicardia. Já comprei minha camisa. Em todos os jogos do Brasil, estarei com ela.” A Copa de que ela mais se lembra é a de 1970, realizada no México, há 40 anos, quando tinha 17 anos. “Fiquei muito impressionada. Morava em Casa Amarela e meu vizinho morreu durante um jogo da seleção, de infarto.” O vizinho não teve tempo de ver o Brasil ganhar o tricampeonato, na primeira Copa totalmente televisionada, arrebatando de vez a cobiçada taça Jules Rimet. Maria guarda também outra lembrança importante dessa Copa, que é um reflexo dos tempos. Após a vitória contra a Itália, o título, ela ficou

continente junho 2010 | 67

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 67

27/05/2010 08:17:49


CoPA 2010

pontos da primeira fase. “Desde aquela época, comecei a buscar uma solução para aquela injustiça”, diz. Após profundas análises de todas as competições, as vitórias, soma dos pontos, ele escreveu um documento intitulado Nova fórmula para mudar o futebol. É capaz de passar horas detalhando seu estudo, mostrando as incongruências, apontando as seleções que foram campeãs sem merecimento. “A melhor seleção foi desclassificada por um regulamento falho”, opina. Para o brasileiro, claro, a “melhor seleção” é sempre a do Brasil.

eStRAnHo conFeSSo

em casa, porque o marido não gostava de futebol. Perguntada se ficou com vontade de ir às ruas, comemorar, ela responde: “Isso é o que mais a gente quer”. O marido agora é “ex”. Lembrar da história pelos momentos marcantes da Copa, e não por guerras, vai se espalhando por gerações. Maria conta que, na Copa de 1982, o filho caçula estava com menos de dois anos. “Eu botava ele para dormir com a camisa do Brasil. Quando nossa seleção marcava um gol, ele levantava do berço, gritava ‘goool’ e depois voltava para dormir”.

inJUStiÇA

O trauma da derrota inesperada para a Itália, na Copa de 1982, até hoje é

lembrado por milhões de brasileiros. A seleção, sob o comando de Zico, Sócrates, Falcão, treinada por Telê Santana, encantou o mundo. Ganhou os três jogos da fase inicial, aplicou goleadas. Na fase seguinte, bateu a Argentina, e esbarrou na seleção da Itália, que vinha de três empates e apenas uma vitória. O Brasil perdeu por 3 x 2 e voltou para casa. O economista e agropecuarista Aroldo Mota, de São Bento do Una, no Agreste de Pernambuco, ficou tão ofendido com a eliminação precoce do “melhor time”, que resolveu criar uma nova fórmula para a disputa das Copas, com outros critérios, que valorizam vitórias e gols, acumulando os

No meio desse vendaval que é a Copa, o professor de literatura e artista plástico Rodrigo Fischer é um peixe fora d’água, do aquário, de qualquer paixão envolvendo a seleção. “Nunca torci. Nunca tive essa paixão, esse falso espírito de brasileiro, que manda o espírito de nacionalidade à Copa do Mundo. Só torci quando criança, na baderna.” Antes de ser chamado de chato, ele avisa: “Também não torço contra”. No dia 15 de junho de 2010, uma terça-feira, às 15h30, quando o Brasil entrar em campo no estádio Ellis Park, em Johanesburgo, para o primeiro jogo, contra a Coreia do Norte, Fischer estará comprando algum ingresso para o cinema. Já sabe que não terá o problema das filas. “Eu não sou solitário. Algumas pessoas também vão ao cinema na hora de jogo da seleção”, garante. A pergunta é simples: quantos de nós conhecem uma pessoa que não sente absolutamente nada quando a seleção brasileira entra em campo, em um jogo da Copa do Mundo? Rodrigo, de certa forma, responde. “Não me emociono, sou indiferente, mas não conheço nenhum partidário. Tenho amigos que não gostam de futebol, mas que ficam loucos na Copa.” Ele só fica irritado quando vai ao cinema e a sessão foi cancelada, por falta de público. O problema é que ele não tem com quem reclamar. Todos os funcionários certamente estarão em alguma salinha, diante da TV, gritando “Vai Brasil, pra cima deles!”. É a Copa.

continente junho 2010 | 68

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 68

27/05/2010 08:17:53


renato larini

Crônica

xico sá o videoteipe da derrota na hora do sexo Das tragédias masculinas a cegueira pelo futebol sempre foi a mais grega e incompreensível. Até bem maior, para muitos de nós, do que a paixão roxa por uma gazela que não nos dá bola. Superior, inclusive, senhoras e senhores, às dores cachaceiras do mais injusto dos pares de chifre. Em uma jornada de derrota acachapante, não há musa ou deusa que reacenda a chama de um macho ludopédico. Foi o que A., a mais bela das crias da minha costela, empreendeu naquela noite em que o Palmeiras despachou o Sport do sonho de conquistar a América, ano da graça de 2009. Na cobrança de penalidades máximas. Bem que ela tentou filosofias baratas de consolação e, depois, outros agrados orais na alcova. Como se houvesse conforto possível para um homem que ainda gargareja o antisséptico da desgraça. Nunca se fizera de gueixa como naquele momento. Aos meus pés. Para o que der e vier. Tudo mesmo. Quanto mais tentava me reanimar, mais o videoteipe do jogo rebobinava e zunia na minha cabeça.

A deusa-mor de quatro, entregue ao arco e à lira, oferecimentos impensáveis, com direito a lingeries rubro-negras, rendas, caprichos, afagos, bajulações de todos os naipes no ego do cabra, sussurros de Folhetim, aquela do Chico, no ouvido, me fez vaidoso supor que eu era o maior a possuí-la, uma beleza, tudo que adoramos na boca de uma fêmea. E eis que, em um rápido, milagroso e surpreendente lázaro priápico, ensaiamos um chumbregamento. Ela se sentiu poderosa, sestrosa, uma del fuego. E não é que partimos à conjunção carnal propriamente dita?! Tudo pronto para o ataque. No exato momento do coito, amigo, ali a caminho das Índias, esqueço toda aquela gemedeira gostosa e berro como um desse animais de arquibancada: – Não podia perder aquele pênalti, porra! Foi como aquele “uuuhh” da massa, quando a bola vai para fora e a torcida senta, decepcionada com o gol que deveras já comemorava. Acontece com os melhores torcedores do Chelsea da Inglaterra! Acontece com os mais viris frequentadores do Arruda, da Ilha e dos Aflitos. Tentei explicar-lhe depois de negar fogo. Apelei até para a ciência: uma pesquisa da Universidade da Geórgia (EUA) comprovou que nas conquistas dos seus clubes o homem fica pelo menos 27,6% mais potente no sexo. Nas tragédias, o índice de testosterona despenca. Inconsolável, a moça não me deu bola. Não entendeu ou fez questão

de não compreender. Mal sabe até hoje que não há miséria maior para a alma masculina do que o apego aos 11 semelhantes que o defendem na mais épica das batalhas. A Monte Castelo de todos os domingos, a Guararapes de todas as finais de campeonato. A batalha de todas as tardes, do radinho de pilha fanhoso de todos os porteiros. Do grito de quase-gol que vem de lá dos porões de todos os canteiros de obras, do fundo do cortiço mais pulguento da Pauliceia e do sótão-pensão onde morei na Barão de São Borja, no Recife de todas as dores emparedadas. Domingos capazes de derrotar o mais brutamontes dos homens, o mais seco, o mais sem emoção, o mais sem sangue nas veias. Por isso que não há miséria maior do que o “desábito de vencer”, como escreveu João Cabral de Melo Neto sobre o seu América. Não o América carioca do amigo José Trajano, que já teve as suas glórias. O desaparecido América alviverde do Recife, no qual o poeta jogou, centerhalf de primeira, antes de ser campeão juvenil em 1935 pelo Santinha. Uma vez, em uma entrevista com o ex-center half, na primeira metade dos 1980, ali na bifurcação de Parnamirim com Casa Amarela, o homem-facasó-lâmina pôs a marejar as retinas quando contava o seu arrojo como homem de marcação e exibia algumas raras fotos guardadas em uma velha caixa de sapatos. Tempos depois, numa entrevista que deu gosto (pois a literatura foi deixada de banda), o pernambucano se queixaria a Fábio Victor, repórter da Folha de S.Paulo, sobre as dores da bola. Somente no exílio sevilhano, o poeta se livrou da aspirina e da dor-de-cabeça de torcedor. Deu adeus ao futebol. Para sofrer menos, disse, escolheu as touradas e las dolores do flamenco. Sorte dele, pois não há tragédia mais incompreensível do que a devoção por aqueles marmanjos suados tentando penetrar na área e acertar o barbante inimigo. Mas chega de falar de penetração depois da triste história aqui narrada. Não vale nem como metáfora. Caem dos meus olhos, como no melô brega sobre o assunto, duas lágrimas geladas.

continente junho 2010 | 69

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 69

27/05/2010 08:17:56


CoPA 2010

PeDro Melo

na rede blogs de torcedores esquentam debate

De figura passiva, que somente ouvia os comentários alheios, o espectador passa a agente, diversificando pontos de vista texto Inácio França

c co on nt tiin neen nt tee jju un nh ho o 220 0110 0 || 770 1

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 70

27/05/2010 08:18:00


As ferramentas que possibilitam a interatividade na internet transformaram o papel da torcida e o jeito de expressar a paixão por um time de futebol. De figurante passivo do mundo, desde a era do rádio, quando a vaia era a única manifestação crítica que lhe era permitida, o torcedor comum, aquele que paga ingresso para assistir às partidas no cimento da geral, passou a ocupar amplos espaços de opinião e debate na chamada web 2.0, ou seja, em blogs, comunidades virtuais e redes sociais. Na maioria dos blogs e comunidades de torcedores, a criatividade passa longe. Boa parte dos blogueiros amantes do futebol reproduzem o formato das resenhas esportivas ou dos sites esportivos da mídia tradicional: são blogs de opiniões sobre partidas transmitidas pela TV, contratações milionárias, atuações de jogadores, esquemas táticos, repercussão das principais manchetes da semana. Também é comum a publicação de textos com piadas e xingamentos às torcidas adversárias. Nem sempre o bom gosto prevalece. Curiosamente, foi uma rede de blogs repleta de lugares-comuns e postagens repetitivas que criou uma das mais bem-humoradas críticas contra um árbitro de futebol: pelo menos 300 blogs de torcedores do Grêmio passaram a veicular, a partir de 1º de abril, uma contagem regressiva registrando o tempo que faltava para a aposentadoria do juiz Carlos Eugênio Simon, odiado pelos tricolores gaúchos. Os árbitros, que já tinham de conviver com os xingamentos durante os jogos e os programas de computador do tipo “tira-teima” das emissoras de TV, agora precisam enfrentar a ira das torcidas que criam as mais diferentes formas de pressão pela internet. Em 2005, durante a fase semifinal da Série B do Campeonato Brasileiro, o Blog do Santinha, de torcedores do Santa Cruz, publicou o telefone do árbitro carioca William Marcelo de Souza Nery, acusado de ajudar o Santo André em lances decisivos. O juiz não teve sossego nos dias seguintes à partida. A criatividade e o humor ausentes das coberturas de futebol sobram nos textos e nas campanhas do blog Bora Bahéa Minha Porra. A brincadeira começa pelo nome do blog, que passou a ser

chamado de BBMP há pouco mais de um ano. Logo no primeiro texto, mantido nas páginas de arquivo como cartão de apresentação, os torcedores Fábio Domingues, Marcos Carneiro, Bruno Cartaxo e José Ricardo Novoa anunciam que criaram o blog para se divertir e não para estimular violência entre as torcidas nem para fazer análises sérias. Em 2009, quando o Bahia penava para escapar de mais um rebaixamento para a Série C, o blog manteve no ar uma escrachada caricatura do presidente do clube, que havia prometido raspar a cabeça caso o time fosse rebaixado novamente. A cada derrota, a cabeleira do cartola ia ficando mais curta. No fim, o time escapou do vexame e o dirigente manteve as madeixas intactas.

o blogueiro eduardo chikui afirma que a internet 1.0 era quase uma cópia do pouco interativo mundo impresso GARiMPo neceSSÁRio

Alguns blogs são produzidos e mantidos coletivamente, com a colaboração de vários torcedores – em alguns casos, de diferentes times, que garantem a atualização constante. É o caso do Gol de Letras, gerenciado por Lilian Alcântara, uma garota de 17 anos do município de Caratinga, interior de Minas Gerais. Lilian é a responsável pela articulação de uma rede de torcedores mineiros, paulistas, cariocas, paranaenses, catarinenses, gaúchos e baianos. Com surpreendente maturidade, ela acredita que “esta oportunidade de trocar ideias com torcedores distantes impulsiona uma visão bem mais crítica em relação ao que ouvimos e lemos, não só no futebol”. A relação de colaboradores do Gol de Letras inclui pessoas com perfil semelhante ao de Lilian, como Alessandra Formagini, estudante do Ensino Médio de 16 anos que mantém outro blog exclusivamente sobre o Grêmio. No mundo masculino das resenhas de rádio ou dos programas de TV, dificilmente adolescentes como Lilian e Alessandra teriam

suas opiniões ouvidas com atenção e respeito. A mineira conta que, na internet 2.0, as coisas são bem diferentes: “É nos blogs e nas comunidades do Orkut que o torcedor costuma debater as notícias do time na mídia, separar o que é especulação e o que é mentira, além de divulgar novas fontes de informações”. Outro colaborador do blog da mineira é o engenheiro de produção Eduardo Kazuharu Chikui, de 29 anos e torcedor do São Paulo. Ele acredita que novas mudanças irão acontecer na relação entre os times e suas torcidas. “A internet 1.0 era quase uma cópia do mundo impresso, em que poucos falam para muitos quase sem interação, mas agora o acesso ficou muito mais amplo. No ano passado, por exemplo, o Muricy Ramalho foi demitido num sábado pela manhã e, em menos de duas horas, um grupo de torcedores já tinha no ar, e com publicidade em vários meios de comunicação não pagos, o site Volta Muricy.” Apesar da pouca inspiração de uma infinidade de páginas, muitos sites de torcedores reservam surpresas e informações curiosas que, dificilmente, seriam notícias na mídia corporativa. O blog Brfut (ou Blog do Marcão), mantido de forma colaborativa por sete torcedores de seis times diferentes do Rio de Janeiro e São Paulo, revela histórias curiosas, como a do Amazônia Esporte Clube, do antigo território federal de Rio Branco (atual estado de Roraima), que passou duas semanas em Manaus, em outubro de 1950, para disputar amistosos contra time locais. Só ganhou um. O exemplo do Brfut ilustra uma situação minoritária na blogosfera, pois a maioria dos torcedores nada mais faz do que repetir ou repercutir em suas páginas a pauta da mídia convencional ou dos grandes portais da internet. Apesar disso, assim como acontece em quase todas as áreas, a verdade do futebol deixou de ser monopólio dos comentaristas e cronistas esportivos. O blogueiro Eduardo Chikui resume o atual momento da relação dos torcedores com os clubes: “Ainda existe muita força dos veículos tradicionais de comunicação, mas novas oportunidades parecem surgir a toda hora e ainda sem um limite visível”.

continente junho 2010 | 71

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 71

27/05/2010 08:18:02


CoPA 2010

memÓria “e tudo por arte e obra de uma simples esfera de couro”

Jornalismo e música mostram que a conquista da Copa de 1958 fortaleceu a autoestima do brasileiro, povo que colaborou para derrubar teses racistas e enriquecer a mitologia do futebol texto Gilson Oliveira

Para aquele 1958 ser perfeito, só faltava

mesmo a conquista do ouro da Copa do Mundo de futebol. Brasília, cujo revolucionário projeto arquitetônico atraía os olhares internacionais, já estava sendo exibida na capa da revista Manchete. Adalgisa Colombo levava o país para o topo da beleza mundial, ficando em segundo lugar no concurso Miss Universo. Elizeth Cardoso gravava Chega de saudade e inaugurava a bossa nova, ritmo que se difundiria pelo planeta... O Brasil vivia os “anos dourados”, como ficou conhecido o período em que Juscelino Kubitschek foi presidente da República (1956-1961) e a economia brasileira cresceu como poucas vezes em sua história, gerando na população um clima de grande otimismo e criatividade

continente junho 2010 | 72 3

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 72

27/05/2010 08:18:12


reProDUÇÃo liVro BRASIL UM SÉCULO DE FUTEBOL, aPraZÍVel eDiÇÕeS

1 vitóRiA na volta olímpica, jogadores brasileiros erguem a bandeira da Suécia, país que sediou a Copa de 1958 e foi derrotado pelo Brasil na final

conquistado um vice-campeonato. E o “ouro” veio da forma mais sensacional. Talvez inspirado nos “50 em 5” de JK, em 29 de junho de 1958, dia da partida final da Copa, o Brasil meteu 5 X 2 na equipe da Suécia, país que sediava a competição. Para a torcida brasileira, os cinco gols (e gol “é o orgasmo do futebol”) valeram mais que 50, 500 ou 5.000... A explosão de alegria que invadiu o país está na música popular e nas manchetes de jornais, que funcionaram como flashes de um momento histórico. Uma marcha carnavalesca – A taça do mundo é nossa – captou bem a euforia reinante: “A taça do mundo é nossa,/ com brasileiro não há quem possa./ Ê-êta esquadrão de ouro,/ é bom no samba, é bom no couro”. No Recife, a Rozenblit incrementou as comemorações lançando Escola do Feola, de Luiz Queiroga, que anos depois estaria na trilha sonora de Isto é Pelé, filme de Luiz Carlos Barreto e Carlos Niemeyer: “Didi/ Pelé/ Vavá/ bailaram lá na Europa/ e a Copa vem prá cá/ no duro !...”

voZ DoS ARticULiStAS

1

entre os artistas. A propaganda oficial dizia “50 anos em 5”, sugerindo que, em apenas meia década, o desenvolvimento do país equivaleria ao de meio século. O próprio JK, conhecido como “presidente sorriso” e “presidente bossanova”, era um dos símbolos daqueles tempos de esperança e modernidade, mas foi o chamado “esquadrão de ouro” que fez o brasileiro ter a sensação de que realmente vivia em uma potência mundial e jogar para escanteio o crônico complexo de inferioridade que sentia em relação a outros povos. Se os anos são dourados e o esquadrão é de ouro, por que eu vou querer saber de prata?! Um pensamento semelhante a esse parece ter visitado o selecionado brasileiro – que em 1950 já havia

O espírito do verso “não há quem possa”, que expressava o orgulho do brasileiro pelo espetáculo que a seleção dera para o mundo (europeus assistiram à Copa também pela televisão), ganhou na imprensa um tom analítico, com alguns articulistas aproveitando para desmoralizar de vez as teses racistas, que, com a ascensão do nazismo, haviam se fortalecido em vários países. Na manhã de 29/6/1958, dia da partida final da Copa, o Diario de Pernambuco já trazia um artigo de Austregésilo de Athayde, ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, baseado no desempenho do Brasil nas partidas anteriores. Com o título Vitória de raça, ressaltava o artigo: “Com a vitória dos brasileiros, empenhados contra os europeus, algumas alusões, entretidas nos preconceitos raciais, foram por água abaixo. Batemos arianos puros e misturados. Foram de roldão austríacos, russos, galeses e franceses”.

Publicado no dia seguinte, também no DP, o artigo Com o futebol, o Brasil principia, do jornalista Aníbal Fernandes, focalizava a influência social, cultural e histórica do esporte em terras brasileiras: “ (...) Monteiro Lobato, que criou o tipo do Jeca Tatu, em que muitos enxergavam o brasileiro, a vegetar de cócoras (...) foi o primeiro a mostrar que o futebol ia tirando o Jeca Tatu da modorra”. Depois de citar outras frases de Lobato – como “estamos diante da maior revolução de costumes operada em terra de Santa Cruz desde o dia de Cabral.(...) E tudo por arte e obra de uma simples esfera de couro, estufada no ar”... –, Aníbal conclui o artigo referindo-se ainda ao escritor paulista, mas falando também de suas experiências: “Isso mesmo li em jornais da França, da Itália e da Suíça: o jogador brasileiro formou-se na pelada. O Figaro de Paris, na véspera do jogo contra a França, dizia que a esquadra brasileira atingira a perfeição. (...) Porque é justamente o futebol que está assegurando ao Brasil, no mundo, um êxito publicitário que jamais conseguiu”.

DeUSeS eM cAMPo

Um dos entusiastas do futebol, e principalmente do estilo brasileiro de jogar, Gilberto Freyre defendia que este nascera, em síntese, da fusão das formas de ser do negro e do branco, uma vez que os gramados possibilitavam uma integradora mistura de raças e classes sociais. Para Freyre, o futebol, ao ser abrasileirado, ganhou uma estética semelhante à do samba e à da capoeira. Por influência ou não do escritor, essas ideias marcam letras como as de A copa do mundo é nossa (“é bom no samba, é bom no couro”) e Escola do Feola (“bailaram lá na Europa”). Explicando os aspectos artísticos da maneira verde-amarela de jogar, o sociólogo colocou a mitologia grega no campo de suas teorias: o jeito brasileiro seria uma mistura do dionisíaco (ligado à emoção e ao corpo) com o apolíneo (força e razão, típico do jogador europeu). Em 2010, a pátria está novamente de chuteiras, como dizia Nelson Rodrigues, e, segundo as pesquisas, bastante confiante em ganhar o hexacampeonato na África do Sul. Com as graças de Apolo... e de Dionísio!

continente junho 2010 | 73

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 73

27/05/2010 08:18:17


CoPA 2010

Artigo

reProDUÇÃo liVro BRASIL UM SÉCULO DE FUTEBOL, aPraZÍVel eDiÇÕeS

álvaro Filho FUtebol e televisÃo, Uma caixinha sem sUrpresas A notícia não é das melhores. Talvez você não tenha percebido ou sido avisado, mas o futebol-arte morreu. E faz tempo. Jaz sepultado sob o verde gramado do estádio Jalisco, em Guadalajara, no México, palco da final da Copa do Mundo de 1970. Que os deuses do futebol o tenha em bom lugar, amém. Ele merece. Quem foi testemunha do fato disse que a cerimônia fúnebre teve pompa, com a presença de personalidades do mundo da bola, incluindo a família real brasileira. Ele mesmo, o rei Pelé, em carne, osso e genialidade. O mesmo Pelé que aproveitaria a ocasião para, assim como o futebol-arte, se despedir de Copas do Mundo, o que definitivamente faz emblemática a Copa de 1970, para quem tem o chamado esporte bretão em boa conta. Talvez seja por isso, pela coincidência de datas, que muitos liguem a passagem do futebol-arte desta para pior à despedida de Pelé de Copas do Mundo. Não se pode, é claro, ignorar que a aposentadoria de alguém reconhecido mundialmente (a despeito de certa resistência argentina), como nada mais, nada menos, o Rei do Futebol, tenha contribuído para o empobrecimento do espetáculo. Mas mesmo se Pelé conseguisse driblar a idade como fazia com os adversários e se perpetuasse infinitamente correndo atrás de uma bola, ele também não estaria praticando mais aquele esporte a partir da Copa do México. Afinal, o futebol-arte não tinha nada a ver com a maneira que era jogado. Não era uma manifestação física, mas metafísica. Ele não era tático, nem tátil, era etéreo, mais para o onírico do que para o real. Não acontecia dentro das quatro linhas, e, sim, em outro campo, o campo dos sonhos. O futebol-arte era um sonho bom, ninado pela narração

1

radiofônica, uma forma de narrar hiperbólica por natureza. Somente se utilizando de metáforas, dos “gigantes em campo”, de “touros com a bola nos pés” e “homens-elásticos” embaixo das traves, era possível traduzir uma paixão através de palavras. O rádio colado no ouvido do torcedor funcionava como uma espécie de modem, conectando-o ao futebol. Se a Copa de 1970 ficou marcada pela saída de Pelé dos gramados, também se notabilizou pela entrada de outro player, que não precisou nem assumir o agora vago trono real para mostrar a sua majestade. O Mundial no México foi o primeiro na história das copas a ser transmitido pela televisão para todo o planeta. Assim,

é preciso se fazer justiça e inocentar de uma vez por todas Pelé da morte do futebol-arte. Ele e a sua geração podem descansar em paz, sem um grama de peso na consciência por terem sido mandantes de um crime, ao decidirem se retirar dos palcos da bola. O futebol-arte morreu ao vivo e em cores, transmitido pela TV.

eviDente DeMAiS

Através do rádio era possível “ver” uma partida até com os olhos fechados, mas na televisão é necessário tê-los sempre abertos. E não se sonha de olhos abertos. A narração em TV deu um cartão vermelho às metáforas, mandando também para o chuveiro os gigantes, touros e homens-

c o n t i n e n t e j u n h o 2 0 1 0 | 74

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 74

27/05/2010 08:18:24


1 PeLo RÁDio adalgisa Colombo (e), primeira Miss Brasil do antigo Distrito Federal, entre torcedores, na Copa de 1958

tipo de artimanha, mas quando era menino assisti a um jogo em que Pelé, imagine, errava um passe de meio-metro. Pior, como um zagueiro de usina, chutou a bola para fora do estádio. Uma covardia. O videoteipe, aliás, é a antítese do futebol-arte. Não precisa ser um filósofo, um Walter Benjamin da vida, para saber que a reprodução constante de um drible ou de um gol subtrai a cada replay, um pouco da aura do lance até exaurir a última essência de arte que existia nele. Nelson Rodrigues, o cronista esportivo, já havia percebido isso, a ponto de vaticinar que “o videoteipe é burro”. Míope, no estádio, Nelson Rodrigues recorria a quem estivesse ao lado para lhe narrar a partida. E por causa disso, por não ver direito, não houve quem enxergasse a essência do futebol-arte melhor do que ele. Desprovido da aura que lhe conferia o status de arte, o futebol transmitido pela TV foi buscar alternativas de se manter sedutor. A mais eficiente delas foi deixar de

o futebol-arte, no rádio, não era contado, mas insinuado. A partida transcorria num jogo de bola e de sedução elásticos. A transmissão televisiva é autossuficiente, dispensa essa fauna de atores. Na frente das câmeras, nada de semideuses “correndo como o vento” ou “entortando a cintura” dos adversários. O futebol na TV perdeu a inocência, deixou de ser criança e de acreditar nessas histórias. Na tela há pobres mortais, assim como eu e você, correndo atrás da bola. No rádio, o futebol não era contado, mas insinuado. A partida transcorria num jogo de bola e de sedução. Na TV, o jogo não tem mistério, é explícito, devassado. A narração televisiva não abre espaço para mitologias. Nunca se viu numa tela de TV um chute lá onde a coruja dorme. Aliás, não se tem notícia de que alguma vez

as câmeras flagraram uma coruja dentro de um estádio, dormindo ou acordada. A televisão é de uma aridez tamanha, que nem agrião nasce na zona do agrião, muito menos um jogador fica plantado em campo. Sem falar que as bolas nunca mais tiraram tinta da trave. Como se não bastasse ter dissipado a aura do futebol-arte pós-Copa de 1970, a televisão ainda quer macular a memória dele. Não respeita nem os mortos. Pelo contrário, numa espécie de exumação do cadáver, a TV tenta provar que o futebol nunca foi arte, mas apenas futebol. Vez ou outra aparece um videoteipe registrando partidas dos tempos em que o futebol era apenas falado. Hoje eu evito esse

ser jogo e virar game. Videogame. Do parente próximo, o computador, a televisão copiou o fetiche do scout, substituindo paulatinamente a fertilidade da metáfora pela precisão monocromática das estatísticas, caindo numa pobreza estética do tamanho do Maracanã. Da arte ao game show, o futebol se transformou numa caixinha sem surpresas. Previsível. E na falta do que se dizer, os narradores de televisão comentam sobre tempo de posse de bola, número de chutes a gol e quantidade de faltas. Quase como se alguém que tivesse a oportunidade de ficar em frente a um Picasso prestasse atenção apenas às dimensões da moldura da tela.

continente junho 2010 | 75

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 75

27/05/2010 08:18:27


coPA 2010

PeLADeIRos Por toda parte e em horários distintos, é possível flagrar em solo pátrio o amor dos brasileiros pela bola, que é rolada em qualquer superfície. Foi isso que constatou o fotógrafo Arnaldo Carvalho, quando saiu pelo Recife e interior pernambucano em busca dos craques anônimos

continente junho 2010 | 76

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 76

27/05/2010 08:18:50


A bola não é a inimiga / como o touro, numa corrida,

e embora seja um utensílio / caseiro e que se usa sem risco, não é o utensílio impessoal / sempre manso, de gesto usual: é um utensílio semivivo / de reações próprias como bicho; e que, como bicho, é mister / (mais que bicho, como mulher) usar com malícia e atenção / dando aos pés astúcias de mão. João cabral de Melo neto , O futebol brasileiro evocado da Europa continente junho 2010 | 77

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 77

27/05/2010 08:19:08


CoPA 2010

Um psicólogo do futebol imagina a seguinte cena: meninos jogam

na rua; a bola sobra para o cavalheiro que passa. Que fará o austero transeunte? Ficará indiferente? Devolverá a bola com as mãos? já vimos todos nós o que ele irá fazer: o homem, sem perder a gravidade, rebate a bola com o pé, aparentemente para prestar um serviço à garotada, mas na verdade porque não resiste ao elástico e impulsivo prazer de dar um chute. É sempre um grande prazer, uma das coisas agradáveis da vida, dar um chute na bola, sobretudo quando conseguimos colocá-la na meta almejada.

Paulo Mendes campos, na crônica Adoradores da bola

continente junho 2010 | 78

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 78

27/05/2010 08:19:17


Para estufar esse fil贸 / Como eu sonhei /

S贸 / Se eu fosse o Rei / Para tirar efeito igual / Ao jogador / Qual / Compositor / Para aplicar uma firula exata / Que pintor / Para emplacar em que pinacoteca, nega / Pintura mais fundamental / Que um chute a gol / Com precis茫o / De flecha e folha seca chico Buarque de Hollanda, Futebol

continente junho 2010 | 79

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 79

27/05/2010 08:19:26


CoPA 2010

o gol, mesmo que

seja um golzinho, é sempre gooooooooool na garganta dos locutores de rádio, um dó de peito capaz de deixar Caruso mudo para sempre, e a multidão delira e o estádio esquece que é de cimento, se solta da terra e vai para o espaço.

eduardo Galeano, na crônica Contem-me, pediam os cegos

@ continenteonline Veja outras fotos de peladas feitas por Arnaldo Carvalho no site www.revistacontinente.com.br

continente junho 2010 | 80

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 80

27/05/2010 08:19:43


Futebol se joga no estรกdio?

Futebol se joga na praia, futebol se joga na rua, futebol se joga na alma.

carlos Drummond de Andrade, Futebol

continente junho 2010 | 81

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 81

27/05/2010 08:19:49


CoPA 2010

continente junho 2010 | 82

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 82

27/05/2010 08:20:10


arnalDo CarValho

Crônica

samarone lima onde a bola é mais redonda Os homens chegam devagar, sonolentos, com chuteiras, tênis, sandálias. A pelada dominical no Campo de Seu Abdias, às margens do rio Capibaribe, no Poço da Panela, é para madrugadores da pelota. Às 6h, os dois primeiros times estão em campo, após breves aquecimentos, sorteio dos times, distribuição dos coletes. A bola sobe para um céu azul. Os primeiros chutes parecem despertar músculos e acordar artilheiros. O campo tem raros tufos de grama. É na terra batida que chuteiras amarrotadas, meiões arreados, calções de várias cores se misturam, harmonizando os homens e suas circunstâncias, na busca do gol possível, da vitória que permita o único prêmio nas manhãs dos peladeiros: permanecer em campo, para mais um jogo, até que a derrota os separe dessa relação amorosa com o campo e a bola. Do lado de fora, alguns poucos torcedores observam. Comentaristas duros soltam um “isso é uma miséria” para um passe errado, ou “olha pra essa desgraça”, após um gol perdido debaixo da barra. Alheios a tudo, os homens correm, suam, gritam, fazem faltas, gols, chutam a bola para o mangue, interrompendo o jogo nos momentos mais dramáticos. Há quase 15 anos, das 6h às 9h, os atletas do Caducos Futebol Clube trocam passes, rendem-se no interminável culto à bola, e renovam a amizade. Se em muitos campos de terra batida surgem craques para clubes, nos Caducos, a esperança da glória futebolística já passou. Quase todos os jogadores estão acima dos 30 anos. O objetivo é somente jogar. Se possível, vencer. A escalação deixa de lado os nomes de batismo. Prevalecem os populares apelidos. Peitão toca para Dinho Papeira, que passa para Camorim, que chuta para a defesa espetacular

do goleiro Bode. Batman cruza para Day, que toca para o Mudo, que passa para Noé debaixo da barra, que chuta para Calango encaixar, derrubando o boné. Cioba fica ao lado, reclamando por não terem tocado para ele. Ciço Boi e Carne de Vaca há tempos têm faltado. Quando jogam, mal aguentam o primeiro tempo. Pedem para sair. “Estou morto”, é o argumento. Aqui, a bola parece ser mais redonda. Desliza para os lados do campo com facilidade, após o grito de “vira o jogo”, “toca”. Em algum momento, galinhas atrevidas podem atravessar o campo, sem interromper a disputa. Ao lado, compondo a paisagem, varais com roupas adormecidas no sereno. Após “dois tempos de 15”, os derrotados saem de campo, abrindo a temporada de reclamações. Aquele passe errado, falha na marcação, aquele gol perdido “sozinho”. Indiferente, o time vencedor bebe a santa água e aguarda o próximo adversário. E tudo recomeça, com o sol já esquentando, até que todos tenham jogado, durante três horas. Terminada a jornada, os homens sentam para acertar as contas. Quem pagou a taxa de R$ 1,00 está em dia com o caixa. Os nomes são anotados em caderno antigo, de capa verde. Dois ou três ficarão encarregados de levar os coletes para lavar, trazendo de volta no próximo domingo. Do caixa, sai o dinheiro para um guaraná e o pagamento do aluguel do campo: R$ 30,00 por mês. Noé repete seu ritual dominical. Ainda suado, de chuteiras, pede uma cerveja e bebe sossegadamente, como um jogador que acabou de ganhar um título. O brega começa a tocar, enquanto os Caducos comentam lances, jogadas, gols. Numa caixa de papelão, os apetrechos são recolhidos. Duas bolas, pagas a crediário, junto com o dinheiro acumulado, apito, cartões amarelo e vermelho. Em algum momento do domingo, a pelada acaba. Restam o cansaço, o suor, a certeza de ter começado bem o dia. Aos poucos, o domingo normal, o dos outros, vai chegando. “Até domingo”, repetem os companheiros de pelada, dispersandose. E é como se fossem irmãos.

continente junho 2010 | 83

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 83

27/05/2010 08:20:27


coPA 2010

1

continente junho 2010 | 84

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 84

27/05/2010 08:20:40


acervo Uma exposição alojada por baixo das arquibancadas

Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, abriga boa parte da história do esporte no Brasil, com seus times, heróis e fatos revelantes exibidos em versão high tech texto Fábio Victor Fotos Flávio Lamenha

o museu começa ao ar livre.

Sobrevivente do art déco com influência fascista que marcou a arquitetura de prédios públicos paulistanos na Era Vargas, o estádio do Pacaembu vale, sozinho, uma visita. Tanto melhor se for num dia em que a feira livre ocupe a vasta praça defronte, a Charles Miller – terças, quintas, sextas e sábados –, o que garante o pastel com caldo de cana, refeição de rua típica da cidade. No acesso principal ao estádio, inaugurado em 1940, está a entrada do Museu do Futebol, instalado embaixo das arquibancadas, nos intestinos do monstro de concreto. Da confusão/ comunhão entre estádio e museu, um como extensão do outro, vem o melhor do que se seguirá. Não é um museu convencional, com acervo convencional. Quem busca troféus, camisas antigas, chuteiras lendárias, pertences dos grandes craques e registros documentais dos grandes times, esqueça. No lugar de obras ou objetos, “experiências” audiovisuais; em vez da contemplação, a interatividade tão cara à arte contemporânea. Não à toa, a museografia é de Daniela Thomas, expoente da cenografia brasileira que transpõe sua experiência com cinema e teatro para as exposições que monta, quebrando parâmetros entre as formas de arte, e de Felipe Tassara. Nesse sentido, a primeira sala do museu, um hall batizado de Grande área com imenso pé direito, é enganosa: por suas paredes

num dos espaços, é possível conferir gols antológicos, escolhidos por 26 nomes ligados ao futebol espalham-se flâmulas, cartazes, ilustrações de times e jogadores de todo o Brasil – itens de uma memorabilia que pouco se repetirá a partir de então. Após a escada rolante que leva ao primeiro dos dois pavimentos, em frente à qual um Pelé em vídeo dá as boasvindas em três línguas, têm início as “experiências”.

BReU AtRÁS De BReU

A sala dos Anjos barrocos é a primeira que vale a pena. Num ambiente escuro, 25 ícones do futebolarte nacional têm suas imagens projetadas em painéis acrílicos suspensos, criando um belo efeito espectral, ampliado por um som de tambores. Estão lá Pelé, Garrincha, Didi, Zizinho, Nilton Santos, Zico, Romário e os pernambucanos Vavá e Rivaldo, este um dos quatro ainda em atividade da galeria – junto com Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo e Roberto Carlos. Em seguida, monitores de TV espalhados por cabines que lembram naves exibem gols antológicos

escolhidos por 26 nomes ligados profissional ou afetivamente ao futebol, que em depoimentos justificam suas preferências. Pelo subjetivismo da seleção de depoentes e, portanto, dos gols escolhidos, é uma das salas mais sujeitas a contestações. Torcedor do Inter de Porto Alegre, Luís Fernando Veríssimo elege como gol mais emocionante de sua vida o de Figueroa na vitória sobre o Cruzeiro na final do Brasileiro de 1975. Galvão Bueno cita um não gol, o pênalti perdido de Baggio que deu o tetra à seleção em 1994. E, nessa, o sujeito gasta minutos dentro da nave, relembrando alguns gols de fato inesquecíveis, como o terceiro de Paolo Rossi contra o Brasil em 1982, e muitas vezes tentando entender o que é aquele depoimento e que raios aquele gol sem graça está fazendo ali. Basta então virar para trás para ver/ouvir a homenagem a grandes locutores de rádio: em cabines com fones de ouvido, narrações de “gargantas de aço” como Pedro Luiz, Osmar Santos e Ary Barroso são sincronizadas com imagens e efeitos num monitor à frente. O pobre torcedor do Sport sai de lá se perguntando por Roberto Queiroz ou Ivan Lima, mas, num átimo, uma nova escada rolante já o joga no segundo pavimento e num outro breu. Concreto, ruína, montes de areia, jeito e cheiro de um canteiro de

continente junho 2010 | 85

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 85

27/05/2010 08:20:47


CoPA 2010

Página anterior 1 tecnoLoGiA

Painéispr ojetam imagens que narram o contexto histórico das Copas

Nesta página 2 ANJOS BARROCOS

nesta sala, 25 imagens de grandes craques do futebol-arte nacional são projetadas em painéis de acrílico suspensos

3 MeMóRiA osqua dros giratórios da sala Origens resumem a história do Brasil a partir do esporte mais popular no país

2

obras, convite ao atordoamento. Há dois telões, mas as imagens projetadas vazam para todos os lados. São torcidas brasileiras, gritando seus cânticos. Nenhuma é identificada.“Quer dançar, quer dançar, o Timbu vai te ensinar” – surgem os alvirrubros nos Aflitos. “Arreia, Jovem, arreia”, “Chegando lá na Ilha do Retiro, vou abrir alas que o Sport vai jogar”. Dá vontade de ficar. Imagens lembram a massa do Santa Cruz no Arruda, mas cadê os gritos? Surge uma multidão, de pronto tentamos adivinhar que time é aquele, o que dizem aqueles coros. No breu de um canteiro de obras, nas entranhas do Pacaembu, a sala Exaltação mostra as 30 maiores torcidas do país (disso só saberá quem ler o folder) e é a mais sensorial e surpreendente do museu.

GÊnioS DA BoLA

Um passeio pelos primórdios do futebol no Brasil é o que vem a seguir, em Origens. Quadrinhos giratórios com fotos antigas e um filmete compõem uma aula

o ambiente mais exuberante e multicolorido é a sala que conta a história das copas, através de fotos e vídeos resumida de história do Brasil a partir do seu esporte mais popular, função complementada pela sala seguinte. Em Heróis, Leônidas da Silva e Domingos da Guia são equiparados a artistas e intelectuais do século 20, fundadores da identidade nacional, como Villa-Lobos, Gilberto Freyre, Portinari, Drummond e Caymmi. Há uma salinha-corredor dedicada à derrota do Brasil para o Uruguai na final da Copa de 1950, apropriadamente batizada de Rito de passagem. Cai-se então no ambiente mais exuberante e multicolorido do museu, a sala que conta a história de todas as Copas, por meio de totens com fotos e vídeos dos Mundiais e do seu contexto histórico. Os

3

totens evocam buquês de flores, ou árvores, ou cogumelos, ou taças. Segue-se uma sala dedicada a Pelé e Garricha e outra, espaçosa, voltada a números e curiosidades, que parece acolher tudo que não foi mostrado por falta de espaço. Informações de almanaque, descrição de regras do jogo, um painel dedicado aos árbitros (com depoimentos maravilhosos de mães de juízes), um para o futebol feminino etc. Nesta sala, há uma abertura para a arquibancada do Pacaembu, pela qual o visitante vê todo o estádio. A parte final, com jogos em campinhos virtuais e cobranças simuladas de pênalti com goleiro de mentira, é talvez a única agradável para crianças (dois amigos contaram que seus filhos não gostaram do museu, algo difícil de crer diante da algazarra de colegiais numa quinta-feira, o dia em que a entrada é grátis). No térreo, há ainda um espaço para exposições temporárias, um auditório, uma loja e um café-restaurante.

continente junho 2010 | 86 7

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 86

27/05/2010 08:21:02


33 mil visitas Inaugurado em setembro de 2008 pelo governo de São Paulo, com concepção e realização da Fundação Roberto Marinho e investimentos privados via Lei Rouanet, o Museu do Futebol custou R$ 32,5 milhões. Já é o quarto mais visitado da cidade, atrás do Masp, da Pinacoteca e do Museu da Língua Portuguesa – precursor do modelo audiovisual e interativo. Recebe quase 33 mil visitantes por mês. É gerido por uma organização social, o Instituto de Arte do Futebol Brasileiro, entidade privada sem fins lucrativos, que recebe verba pública para administrá-lo. Neste ano, de um orçamento previsto de R$ 7,5 milhões para o museu, R$ 5,5 milhões vêm do governo. O resto sai de bilheteria, aluguel de espaços (auditório, loja e restaurante) e visitas guiadas a empresas. a visitação ao museu ocorre de terça a domingo, das 10h às 18h (bilheteria até 17h), sendo fechado em dias de jogo no Pacaembu. Os ingressos custam R$ 6 e R$ 3 (estudantes e idosos) e às quintas a entrada é gratuita. Informações: (11) 3664.3848 e no site www. museudofutebol.org.br

AQUeLeS SenÕeS

O futebol não é essencial à vida (há quem discorde) e pode até não ser arte (há muito mais gente que discorda), mas é impossível ignorálo como elemento formador da identidade nacional e como espelho da nossa sociedade miscigenada. É o terreno onde a mistura vicejou, fez o país grande no mundo, pôs fim ao “complexo de vira-latas do brasileiro”, como defendia Nelson Rodrigues. E é, como se vê todo dia nos estádios, nos botecos e nos escritórios, a grande festa popular do país. O Museu do Futebol reflete essa significação, o bastante para que seja celebrado como uma boa iniciativa e um grande programa para quem gosta do esporte ou de história do Brasil. Mas tem seus senões. Faz falta que não exiba como as artes nacionais interpretaram e interpretam o próprio futebol. Há também quem ache que concentra demais seu conteúdo no eixo Rio – São Paulo. Ora, se pensarmos que Ademir, Vavá e Rivaldo, os três pernambucanos

com poucas menções aos times de fora do eixo sul-sudeste, o acervo não representa a diversidade do futebol no país de maior projeção no futebol, tiveram de sair cedo do Recife para serem reconhecidos – como reflexo inequívoco de que no século 20 o centro-sul já consolidara sua dominação econômica no país –, parece natural que haja mesmo mais times e referências do Rio e São Paulo. Por outro lado, ainda com menções aqui e ali a times de fora do eixo, o acervo de fato não dá conta da diversidade imensa do futebol no país. Seria bem-vindo, por exemplo, um painel com o mapa do país no qual se contasse um pouco da história do futebol pelas regiões. “O clamor dos pernambucanos sempre se fez ecoar no Brasil, e esta é uma boa ideia a ser considerada”,

disse com bom humor, ao ouvir a sugestão, o curador do museu, Leonel Kaz, para quem o acervo dali é uma obra em progresso. “A cada minuto que passa mais me convenço – e não digo isso porque você é pernambucano – que devo esse museu a Gilberto Freyre. Se eu não tivesse lido Casa-Grande & Senzala, esse museu não existiria”, afirmou Kaz, com os olhos marejados. A diretora do espaço, Clara Azevedo, pondera que qualquer museu é uma seleção e que escolher implica excluir. Mas avisa que há muitos novos projetos em estudo, entre eles o de uma cabine com hinos de clubes. Na sala das Copas, o climão aumenta. Percebemos ali que apenas dois Mundiais, pela conquista inédita ou sublime, mereceram um totem/buquê só para eles: os de 1958 e 1970. Pela tacanhice do atual treinador e pelas ausências gritantes de “anjos barrocos” no grupo convocado por ele à África do Sul, é possível prever que, no futuro, 2010 será uma nesga num pé de totem no Museu do Futebol.

continente junho 2010 | 87

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 87

27/05/2010 08:21:07


CoPA 2010

Artigo

reProDUÇÃo Do liVro PELÉ: O SUPERCAMPEÃO, eDitora MCGraW-hill

evaldo costa pé de preto, cabeÇa de branco

1

PeLÉ e ZAGALLo

a dupla cisão entre pé x cabeça e preto x branco continua sendo a exata tradução da sociedade brasileira

não é difícil entender por

que damos tanta importância ao Mundial de Futebol. Acostumados a contemplar nossa condição de pobresterceiros-mundistas-em-quase-tudo, não suportamos o insucesso numa área – se não única, mas sem dúvida a mais importante – na qual somos “o” primeiro mundo. De fato, o futebol brasileiro é um caso de sucesso global. Somos no mundo da bola o que os Estados Unidos são na economia e na guerra. E não é de hoje. Olhe os grandes campeonatos de clubes do mundo: há muito tempo suas principais estrelas são jogadores brasileiros. Mas numa dimensão o futebol brasileiro não tem a projeção devida. Se, com a bola nos pés, somos, indiscutivelmente, os maiores, com a prancheta na mão ficamos em posição modesta em um possível ranking global. Ou seja, temos centenas de estrelas dentro dos campos e raríssimos treinadores com reconhecimento internacional. Parreira tem, embora sempre em seleções periféricas. Felipão teve, em Portugal. Não vale citar Zico, no Japão, Renê Simões, na Jamaica, e outros do gênero: estão no terceiro mundo. Alguém poderia dizer que nossa língua marginal atrapalharia. Mas como explicar os êxitos de portugueses (como Mourinho), italianos, eslovenos e sabe-se lá mais o quê? Agora, tem uma coisa um tanto difícil de compreender: por que somos tão bons para fazer e tão pouco competentes para comandar? Sabemos tocar, mas não conseguimos reger? Numa canção gravada em 1974, Gilberto Gil bradou: “Viva Pelé do pé preto!/Viva Zagallo da cabeça branca!”. Fazia a louvação do encontro de gerações – o pé preto do moço, a cabeça branca do velho – como receita de sucesso. Errou no futebol, mas acertou na vida. A dupla cisão pé/cabeça e preto/branco continua

1

sendo a mais perfeita tradução da sociedade brasileira. Começou na casa-grande e na senzala e sofreu atualizações. Hoje se exprime no par colarinho branco/colarinho azul, sem jamais deixar de reproduzir a fratura essencial: aqui, o pé que amassa a grama não é o mesmo que pisa o carpete da federação. Entregue a suas elites, sem dúvida menos competentes que seu povo, o Brasil brilha no palco, mas some nas coxias. Pé de preto, cabeça de branco sintetiza uma visão do apartheid social brasileiro. A maioria de pele escura entra com o corpo, a arte e o suor, a minoria de pele clara com o saber acumulado ao longo das gerações e o poder de mandar. Claro que isso não é tão simples. Há outras cisões a considerar. Principalmente, certo antiintelectualismo que supervaloriza a intuição e a inocência em desfavor do estudo e do método, que têm no futebol sua base de apoio mais agressiva. Como se fosse possível

negar que, levado a treinar para aprender a cabecear, Ronaldo Nazário não seria um jogador ainda mais fantástico. Valorizamos mais o malandro que se dá bem que o trabalhador esforçado. Artilheiro genial, Romário era mais aclamado por driblar os preparadores físicos do que por ludibriar os zagueiros. Como se não houvesse modo de combinar genialidade e técnica, habilidade e força, arte e ciência. Treinador, para que treinador?, perguntamo-nos. Treinador que impõe sua presença incômoda (“Vocês vão ter que me engolir!!”), é odiado. Treinador que amofina e perde, é idolatrado. Não é que gostemos de perder. É que preferimos manter as coisas do jeito que sempre foram, para nos sentirmos mais confortáveis. Manda quem sempre mandou, obedece quem conhece o seu lugar. Assim, leves, criativos, ingênuos e românticos, prosseguimos bons com a bola nos pés, sofríveis sentados no banco.

continente junho 2010 | 88

Mat_Especial_Capa Futebol.indd 88

27/05/2010 08:21:12


11 DE CÁ

Delano escolheu pintar uma jogadora; Farfan fez a releitura de uma foto famosa de Pelé; Tereza preferiu o calor das torcidas; Christina debulhou uma bola de futebol. De seu lado, Gil Vicente tascou-lhe um cartão vermelho, enquanto Ploeg, José Cláudio e Mauricio Arraes optaram pelo lirismo das várzeas, cada qual de um ângulo diferente. George e José (ambos Barbosa), assim como Mané Tatu, se fixaram na seleção. O que o leitor verá nas próximas páginas é uma galeria de pinturas que foram feitas com exclusividade para a continente, com a intenção de tornar visível, pela arte, a vibração que toma conta do Brasil nesses dias de Copa do Mundo

Uma seleção de craques das telas, tintas e pincéis continente JUNHO 2010 | 89

Galeria.indd 89

27/05/2010 08:23:56


COPA 2010

REPRODUÇÕES: MAÍRA GAMARRA

1

JoSé ClÁUdIo

FélIX FARFAN

O ipojucano recebeu do arquiteto e amigo Moisés Agamenon um ingresso para assistir ao primeiro jogo da Seleção Brasileira no Recife: um amistoso no Arruda, em 1982, contra a Suíça. Todas as partidas anteriores no Estado haviam sido não oficiais, pois a Fifa só considera os duelos entre países. No dia seguinte, o artista pintou o quadro, registrando o 1 X 1 do placar.

Desde os anos 1990, o acreano radicado em Pernambuco trabalha em recriações. Farfan, que já “reinterpretou” Rembrandt, Van Gogh e João Câmara (com quem trabalhou por oito anos), recriou para a exposição a foto clássica do Rei Pelé dando seu soco no ar (seguido do atacante Jairzinho) na Copa de 1970.

1

2

BRASIL E SUÍÇA NO ARRUDA

Óleo sobre eucatex 120 x 80 cm 1982

2

PELÉ

Técnica mista sobre tela 100 x 140 cm 2010

c co on nt tiin neen nt tee JJU UN NH HO O 220 0110 0 || 990 1

Galeria.indd 90

27/05/2010 08:24:16


ChRISTINA mAChAdo Buscando provocar sensações lúdicas, a artista pernambucana utilizou a plasticidade da argila, da terra e o couro de uma bola descosturada para recriar, de maneira nostálgica, as peladas no bairro da Madalena jogadas pelos seus dois filhos há mais de duas décadas. A tela recebe o sugestivo título de Passa a bola, pisa na bola... e assim caminha a humanidade.

3

PASSA A BOLA, PISA NA BOLA E ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE

Bola de couro e argila sobre tela 90 x 90 cm 2010

3

JoSé BARBoSA Primeira vez que utiliza uma cena televisiva como inspiração, o quadro intitulado O choque da decisão representa uma final assistida pelo artista, que buscou retratar o futebol enquanto dança, movimento, e a tensão de um jogo televisionado ao vivo.

4

4

O CHOQUE DA DECISÃO

Acrílico sobre tela 120 x 180 cm 2010

continente JUNHO 2010 | 91

Galeria.indd 91

27/05/2010 08:24:26


COPA 2010

MAURICIO ARRAES Torcedor do Íbis, o recifense simpatiza com as peladas, como a que pintou em óleo sobre tela. As peladas, aliás, constituem um quadro do cotidiano brasileiro, tema recorrente na obra deste seguidor da tradicional escola figurativista pernambucana.

5

5

PELADA EM OLINDA

Acrílico sobre tela 80 x 70 cm 2010

DELANO Recatado e introvertido, Franklin Delano vive isolado em sua casa nas ladeiras de Olinda, onde se esconde e de onde espreita a realidade que evita. Quebrando com a hegemonia masculina futebolística, o artista representou a crescente atuação feminina no futebol, retratando uma figura andrógina em seu quadro.

6

6

MULHER NO FUTEBOL

Óleo sobre tela 120 x 80 cm 2010

CONTINENTE JUNHO 2010 | 92

Galeria.indd 92

27/05/2010 17:26:16


GIl vICeNTe O ex-aluno da Escolinha de Arte do Recife acompanha de perto os jogos do Náutico (seu time) e da Copa do Mundo, mas retrata um momento menos eufórico do futebol: a expulsão, na acrílica sobre papel Cartão vermelho para você. O vencedor do prêmio Funarte fez sua primeira individual em 1978. Recentemente, expôs em Madri, participando da mostra Brasil Arte Contemporânea.

7

CARTÃO VERMELHO PRA VOCÊ

Acrílico sobre papel 96 x 66 cm 2010

7

GeoRGe BARBoSA “O futebol é quase uma instituição.” Esta é a percepção do alvirrubro George Barbosa acerca da paixão brasileira pelo jogo. O artista, que costuma fazer séries temáticas sobre lugares que visita, admira o local de prestígio ocupado pelos esportes na sociedade. 8

8

FUTEBOL

Óleo sobre tela 100 x 100 cm 2010

continente JUNHO 2010 | 93

Galeria.indd 93

27/05/2010 08:24:55


COPA 2010

TeReZA CoSTA RÊGo Com trabalhos que retomam temas como a história, a representação feminina e os animais, a artista confessa sentir dificuldades em retratar o jogo de bola tão valorizado pelos brasileiros. Para superar esse desafio, mergulhou nas multidões das batalhas históricas, representando a alegria das torcidas.

9

A TORCIDA

Acrílico sobre eucatex 100 x 100 cm 2010

9

mANé TATU Manoel Cláudio, ou Mané Tatu, segue a escola figurativa do pai, o artista plástico José Cláudio. O tricolor pernambucano é apaixonado pelo seu time. Fez uma tela mais “universal”, unindo elementos representativos do futebol, e, para tal, utilizou o preto e branco, sem especificações de times. 10 NA ZONA DO AGRIÃO

Acrílico sobre duratex 90 x 100 cm 2010

10

continente JUNHO 2010 | 94

Galeria.indd 94

27/05/2010 08:25:12


RoBeRTo ploeG Grande apreciador de futebol, Roberto Ploeg vivenciou em sua juventude a alegria de ver a seleção holandesa, conhecida como a “Laranja Mecânica”, ser vice-campeã na Copa de 1974, na Alemanha. Além de jogar todas as segundas, à noite, Ploeg inspirou-se nas peladas dos meninos das redondezas de seu sítio em Ouro Preto para pintar sua tela.

11 PELADEIROS

Óleo sobre tela 90 x 70 cm 2010

11

11 DE Cá Artistas plásticos pernambucanos interpretam o futebol exposição no paço Alfândega Rua madre de deus, s/n, Recife Antigo 5 a 24 de junho Segunda a sábado, das 10h às 22h; domigos, das 12h às 20h continente JUNHO 2010 | 95

Galeria.indd 95

27/05/2010 08:25:20



Revista Continente Nº 114