Page 1

Propostas do padre Vilson Groh para a transformação da realidade. Eu conheci o Movimento dos Focolares quando eu tinha cerca de 20 anos, durante a ditadura no Brasil. Quando eu soube que seus membros viviam em comunidade e colocavam as coisas em comum, para mim, foi uma iluminação. Desde então, eu pensei que era possível transformação social. O entendimento de Jesus crucificado e abandonado me levou a olhar internamente. Era uma maneira de compreender o meu ministério. Então senti que não poderia estar em uma paróquia; fechado. Eu vivi por um ano em uma catedral, que foi o acordo com o Bispo, e depois fui para a periferia trabalhar neste tema, onde estou até hoje. Minha fé causou uma mudança geográfica na compreensão da Encarnação social, de estar aberto a isso. Jesus Crucificado e abandonado é um ponto-chave para a América Latina e o Caribe dentro destes assuntos, o que traz várias imagens dele. Temos em mãos uma grande chance de responder a partir desta compreensão, Jesus Crucificado e Abandonado é um meio para a etapa de compreensão desta realidade, oferecendo uma perspectiva de resgate humano. Na América Latina e Caribe desigualdades são profundas e grandes, tornaram-se culturais, e se acostumou a conviver com a injustiça social. João Paulo II


disse, em sua primeira viagem à América Latina, que estranhou ver um continente cristão tão desigual. Tocar o abandono é a nossa capacidade de entrar nessa relação de comunhão com os mais excluídos. Pode-se fazer uma outra leitura da Doutrina Social da Igreja na encarnação e na relação para desencadear processos com e entre as pessoas. Portanto, é importante inculturar-nos no mundo afro ou indígena, tão profundos. O caminho antropológico da Encarnação com essas ferramentas nos ajudam a entender essas desigualdades e ver como trabalhar com o desigual. O discurso comum sobre a pobreza concentra-se fortemente no acesso às oportunidades. Não está totalmente errado, mas é muito mais enriquecedor partir do pobre e da sua realidade; não é que o pobre tenha somente carências, pelo contrário, é alguém muito rico de conhecimento, de mudanças. Quando Chiara disse que em Jesus Abandonado está todo o Paraíso com a Trindade, por exemplo, só com isso é possível fazer uma outra leitura dos documentos da Igreja. A igreja é um povo de Deus, um grande aporte para o continente, especialmente graças às comunidades de base, que fazem vivas as Palavras em uma visão social. Os documentos das conferências falam sobre o pobre, como um rosto do Crucificado que abre um caminho para a Ressurreição. O grito cria o diálogo. O vinculo com o pobre abre o diálogo. Na religiosidade popular, Jesus Abandonado está dentro do continente americano, assim como Maria Desolada. Não podemos nos esquecer que vemos Maria em Guadalupe e Aparecida já inculturada. Para que Jesus seja ressuscitado, sem falta, é indispensável o elemento mariano, e nós somos Obra de Maria, que graças a nossa espiritualidade, podemos fazer uma nova leitura do Magnificat. Como podemos viver isso nas grandes cidades? É muito interessante faze-lo no vínculo centro-periferia, ou na relação empresa privada e pobres. Temos que construir esse diálogo e comunicar-nos através do ecumenismo, dialogando com todos, com o mundo ateu dentro das universidades, por exemplo. Nestas novas leituras, recuperando de novo a memória de uma Igreja, que deve estar em processo contínuo de conversão e missão. Qual pode ser a vontade de Deus para o continente? O bem comum, para gerar oportunidades através de ferramentas fundamentais como o trabalho em rede (sozinhos, não vamos a nenhum lugar), e gerando o protagonismo do pobre, ajudando-os a ser autônomos no exercício de sua cidadania e promovendo a justiça social.


Temos que criticar a apatia política, que deve ter um compromisso com a humanização da vida. A solidariedade nasce quando não me dá vergonha a carne do outro. Deve existir compromisso com a justiça, ajudando a redistribuição dos bens. A Palavra é força de emancipação e ajuda a recuperar a dignidade, sempre na supremacia do amor. O bem comum é um direito. É preciso fortalecer a sociedade com os mecanismos de controle e articulação global e local. Por último, lembremonos de que Jesus Crucificado e Abandonado é um patrimônio do continente, não é somente para nós.

Padre vilson groh  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you