Page 1

Caderno de resumos da

3ª Feira de Ciências, Cultura e Tecnologia da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte

1


Escola Municipal Presidente Tancredo Neves PROJETO OLHARES

Patrícia Bernardes e Josilene Oliveira

O Projeto Olhares tem como objetivo o ganho de uma visão

crítica sobre o entorno da Escola Municipal Presidente Tancredo

Neves. Os estudantes foram em busca de registros fotográficos de animais, objetos, plantas e situações que envolveram o

cotidiano urbano. As imagens capturadas pelos estudantes

causam efeitos diferentes nas pessoas. O que parece simples e

sem importância para alguns pode ser algo revelador e marcante para outros.

Palavras­chave: Imagem. Fotografia. Cotidiano urbano.

Escola Municipal Geraldo Teixeira da Costa PROJETO FÁBULAS EM QUILLING Luciana Lemes

Após cinco anos de experiência com o quilling, resolvi utilizá­lo para desenvolver um projeto na escola. Não é muito clara a

origem dessa técnica, mas a denominação quilling vem do inglês

quill (pena de ganso). Ela consiste em enrolar tiras de papel de 2 a 3mm de espessura em diferentes formatos.

O quilling desenvolve aspectos cognitivos, psicomotores e

sensitivos do indivíduo. O projeto é essencialmente prático, e

seu tema retrata as fábulas. O quilling é algo atraente para os estudantes, pois favorece a concentração, a criatividade, a

coordenação motora e aumenta a autoestima do indivíduo. Cada

aluno possui um ritmo diferente, e a aprendizagem dessa técnica demanda tempo, dedicação e se torna somente possível em

grupos menores. Os estudantes utilizam, também, uma sala com computadores, aprendem a criar um blog e a compartilhar ideias sobre as aulas de quilling.

O laboratório de informática é um espaço essencial no projeto, 2


pois os estudantes pesquisam imagens, consultam sites e

assistem a vídeos sobre a técnica do quilling. A prática desse

projeto acontece durante dois meses em uma aula semanal de

arte. E a ideia pode ser ampliada, posteriormente, dependendo da participação, do interesse e do envolvimento das turmas. Palavras­chave: Quilling. Trabalhos manuais. Método de instrução.

Escola Municipal Florestán Fernandes

COMO FAZER FERRO FLUIDO CASEIRO?

Cristina Nogueira, David Guilherme, Sloan Henrique, Vitória Coelho, Wallace Alexandre

O estudo de forças magnéticas faz parte da grade curricular de Ciências do 3º ciclo. Diante da oportunidade de apresentar

trabalhos na Feira de Ciências, os estudantes demonstraram grande interesse em práticas relacionadas a esse conteúdo didático. Foi selecionada por eles uma atividade prática

encontrada em sites de divulgação científica que tinha como

objetivo construir um produto de exposição utilizando materiais e metodologias que exemplificavam aplicações de formas magnéticas.

Os estudantes optaram por apresentar o processo de fabricação de ferro fluido e apresentar a ação de forças magnéticas sobre esse material na Feira de Ciências. Eles selecionaram um

protocolo de fabricação de ferro fluido no site de divulgação

científica em: www.manualdomundo.com.br, providenciaram os materiais necessários e procuraram repetir os processos,

esperando resultados similares aos divulgados pelo site. Durante esse processo, os estudantes puderam avaliar o protocolo

disponível e os resultados da metodologia adotada, realizando

adaptações de acordo com o resultado que desejavam obter. Na Feira de Ciências, os estudantes apresentaram o protocolo que possibilitou a fabricação do ferro fluido, mostrando os passos importantes para a sua fabricação e outros conhecimentos

3


desenvolvidos a partir de pesquisas para responder a perguntas durante a fabricação de ferro fluido.

Palavras­chave: Ferro fluido. Forças magnéticas. Feira de ciências.

Escola Municipal Anne Frank

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DO CENÁRIO DA LAGOA DA PAMPULHA: POLUIÇÃO E REVITALIZAÇÃO

Paula Avelino, Bianca Melo, Ester Gonçalves, Henrique Heredi, Hudson Alves, Pablo Souza, Sarah Oliveira

A problemática ambiental é uma das principais preocupações da sociedade moderna. Este trabalho aborda o atual cenário da lagoa da Pampulha: poluição, revitalização e os aspectos

arquitetônicos e ambientais que fomentam esse cartão postal de Belo Horizonte. Por meio de documentação fotográfica, foi

realizado um registro da lagoa da Pampulha e de seus principais afluentes: Sarandi, Ressaca e Águas Fundas (nascente do Confisco).

Foram fotografadas as obras arquitetônicas, artísticas e

paisagísticas presentes na orla da lagoa, bem como o despejo

ilegal de resíduos sólidos e esgoto, o processo de assoreamento, pesca ilegal, intervenções para a recuperação do espelho d’água e representantes da fauna e da flora. Além disso, foram

registrados dados relevantes acerca dos pontos visitados como: qualidade da água, poluição, vegetação e fauna.

Os registros fotográficos serviram de base para reflexão sobre o

significado e atuação da sociedade e órgãos públicos na lagoa da Pampulha. Portanto, a revitalização da Pampulha permeia desde

ações de desassoreamento, retirada e tratamento de esgotos de seus afluentes e espelho d’água, até a preservação das

nascentes e a promoção de educação ambiental, com o objetivo de formar cidadãos participativos e conscientes de suas ações e responsabilidades para com o meio ambiente.

Palavras­chave: Meio ambiente. Poluição. Lagoa da Pampulha. Educação ambiental.

4


Escola Municipal Belo Horizonte GUINDASTE HIDRÁULICO

Rita de Cássia Marques Morais Santana, Davidson Junio de Jesus, Mateus Marques Ferreira Damasceno, Renato Júnio Valente Bastos, Taynara Pecília M. Ferreira

O acréscimo de pressão produzido num líquido em equilíbrio

transmite­se integralmente a todos os pontos do líquido. Esse é o princípio de Pascal. Uma aplicação simples desse princípio é a prensa hidráulica. Pascal descobriu que, se ele confinasse um fluido em um recipiente e exercesse pressão sobre ele, essa pressão seria "transferida" a qualquer ponto do recipiente,

independentemente de seu formato, exercendo forças iguais em áreas iguais. É justamente o princípio de Pascal que torna possível levantar um automóvel de mais de uma tonelada manipulando uma pequena alavanca.

Iremos utilizar o princípio de Pascal para construir o guindaste

hidráulico. Quando se exerce pressão em uma seringa com um líquido no seu interior, todas as paredes do tubinho sofrem a mesma pressão.

Essa invenção poderia ajudar em caso de falta de energia. Por exemplo, uma fábrica que usa um tipo de guindaste que é

movido a energia elétrica e necessitasse desligar essa energia,

teríamos esse tipo de guindaste. Esse sistema é usado no nosso

dia a dia nos freios e na direção dos carros (direção hidráulica) e macacos hidráulicos entre outras aplicações. Palavras­chave: Princípio de Pascal. Guindaste hidráulico.

5


Escola Municipal Belo Horizonte MÃO MECÂNICA

Rita de Cássia Marques Morais Santana, Ana Luiza Fernandes Marinho, André Luiz Moreira Silva, Juliana Azevedo Marques, Marcela Louise O. Alvarenga

O trabalho verifica a empregabilidade de um braço mecânico

como prótese biônica e faz uma explanação sobre os benefícios para um indivíduo que possui necessidades especiais. Com a

busca da simplificação do sistema, um dos focos é a redução dos

custos de produção e comercialização; assim, pessoas com baixa renda poderão ter condições de portar o conjunto.

Para melhor compreensão por leigos, o trabalho pretende

esclarecer assuntos relacionados à mecânica e eletrônica básica, apresentando explicação de cada segmento e sobre os componentes estruturais do protótipo, sua função e funcionamento.

O objetivo do projeto é a criação de uma mão mecânica de

sistema simples e funcional que proporcione ao usuário uma fácil utilização, com conforto.

Palavras­chave: Mão mecânica. Prótese biônica. Eletrônica. Mecânica.

Escola Municipal Marlene Pereira Rancante TANGRAM ­ FIGURAS PLANAS Professora Juliane Ganem

Estudantes: Maxwell Muller Caetano da Silva, Vitória Emanuelle Silva, Danielle de Jesus Santos, Leydiane Neres da Silva, Gabriela Ramaldes Silveira (Projeto de Intervenção Pedagógica)

O projeto se baseia na tentativa de gerar uma compreensão mais profunda sobre como lidar com figuras planas e a

dificuldade dos estudantes em conseguir trabalhar com a

abstração. É de grande importância a utilização de atividades

lúdicas para aquisição de habilidades necessárias para o ensino da matemática. O jogo é um recurso que desperta o interesse

dos estudantes, pois é uma atividade diferente, os estudantes 6


aprendem brincando. Para isso, utiliza­se o Tangram, um

quebra­cabeça chinês muito antigo, composto de 7 peças, que

permite explorar diversos conceitos geométricos e desenvolver habilidades imprescindíveis ao processo de ensino e

aprendizagem da geometria. Os estudantes trabalharam

conceitos da geometria plana e desenvolveram técnicas de

resoluções de problemas cotidianos. Foi trabalhada a capacidade de interpretação e raciocínio dos estudantes, estimulando o

aluno a desenvolver sua capacidade de criação e imaginação na realização de tarefas, e de criar, desenvolver e interpretar

diversas figuras planas no ambiente cultural e social. Descritores abordados foram: D4 ­ reconhecer uma figura plana (triângulo,

quadriláteros) de acordo com o número de lados; D5 ­ identificar quadriláteros (quadrado, retângulo, trapézio, paralelogramo, losango), observando as posições relativas entre seus lados. Palavras­chave: Geometria plana. Tangram. Jogo.

Escola Municipal Marlene Pereira Rancante SÓLIDOS GEOMÉTRICOS

Projeto de Intervenção Pedagógica Professora Juliane Ganem

Gabriela Neves Almeida, Milena Julia de Souza, Maria Tereza Lopes e Cândida Vitória Fernandes Sena, Mateus Michael Sena

O projeto é uma tentativa de gerar uma compreensão mais

profunda de como lidar com figura espacial, tendo em vista a dificuldade dos estudantes em conseguir trabalhar com a abstração. Os objetivos foram trabalhar a capacidade de interpretação e raciocínio dos estudantes, conceitos

fundamentais em geometria plana e espacial; estimular o aluno a desenvolver a capacidade de criação e imaginação na

realização de tarefas; criar, desenvolver, construir e interpretar diversos sólidos geométricos com a intenção de analisar sua utilidade prática no ambiente cultural e social; promover

integração de estudantes no desenvolvimento de atividades 7


práticas; conhecer e brincar com os sólidos geométricos;

estudar sobre número de lados, vértice, arestas, faces planas,

poliedros e corpos redondos; trabalhar sólidos geométricos e sus planificações; e desenvolver habilidades de manipulação de objetos e novas técnicas de aprendizado da geometria.

Os descritores abordados foram: D3 ­ Relacionar figuras

tridimensionais (cubo, pirâmide, cilindro) e suas planificações;

D4 ­ Reconhecer uma figura plana (triângulo, quadriláteros) de acordo com o seu número de lados; e D5 ­ Identificar

quadriláteros (quadrado, retângulo, trapézio, paralelogramo,

losango), observando as posições relativas entre seus lados).

Palavras­chave: Geometria espacial e plana. Sólidos geométricos. Planificação de um sólido.

Escola Municipal Marlene Pereira Rancante ÁCIDO OU BÁSICO?

Carolina Abreu Coelho, Estefanye Almeida, Lucas Veloso

Não é de hoje que se tem o conhecimento sobre os ácidos e as bases. Dos ácidos (do latim acidus, ou agudo, azedo) sempre

existe a ideia de serem corrosivos. Já as bases eram conhecidas dos árabes que as denominavam al­cali, referindo­se às cinzas de certas plantas que mostravam ter propriedades básicas ou alcalinas (sabor amargo, escorregadias ao tato). Porém, há

soluções com caráter mais ácido que outras, como também

existem soluções básicas com caráter mais alcalino que outras.

Para diferenciar essas soluções, existe a grandeza físico­química potencial hidrogeniônico, o PH. Mediante um composto químico

que muda a coloração da solução, chamado indicador universal, é possível denominar se a mesma é ácida ou básica.

O objetivo do trabalho é observar o equilíbrio dos sistemas

ácido­base, verificando os efeitos da variação de concentração

sobre o equilíbrio. E também analisar indicadores ácido­base e por que eles mudam de cor quando misturados em soluções 8


ácidas, básicas e neutras.

Palavras­chave: Ácido. Base. Indicador.

Escola Municipal Marlene Pereira Rancante

VAMOS SABER MAIS SOBRE O NITROGÊNIO? Raissa Carolina, Izabela Milanez, Sarah Gabriela

O nitrogênio líquido é o líquido produzido industrialmente em

larga quantidade pela destilação fracionada do ar líquido, isto é,

nitrogênio puro. O nitrogênio líquido tem o número UM 1997, ele entra em ebulição a 77Kelvin P, e é um fluído criogênico que

pode causar rápido congelamento ao contato com tecido vivo.

Quando apropriadamente isolado do calor extremo, o nitrogênio líquido pode ser armazenado e transportado, por exemplo, em

garrafas térmicas, onde temperaturas muito baixas são mantidas constantes a 77K pela lenta evaporação do líquido resultando na liberação do gás nitrogênio. Dependendo do tamanho e projeto, o tempo de armazenamento em garrafas pode estender­se até algumas semanas.

Palavras­chave: Nitrogênio líquido. Evaporação.

Escola Municipal Mestre Ataíde

A VIDA É A ARTE DO ENCONTRO: CENTENÁRIO VINÍCIUS DE MORAES

Nádia Rose Elias de Oliveira (Bibliotecária), Letícia Pires (Professora Artes)

No primeiro semestre, em função do centenário de nascimento do poeta Vinicius de Moraes, a biblioteca da EMMA iniciou o

concurso cultural: "A vida é a arte do encontro", na perspectiva

de trabalhar literatura e tecnologia. Com o objetivo de divulgar a obra do poeta, o concurso contou com a produção de movie maker, declamação de poemas e dança. Os jovens estão o

tempo todo "ligados" ao que a tecnologia pode lhes oferecer.

Com isso, a ideia é usar essa tecnologia a favor do aprendizado 9


formal em sala de aula. Nesse sentido, foi proporcionado aos estudantes o contato com a vida e a obra do artista em

documentários, vídeos, livros e sites sobre o poeta. Esse material foi selecionado pela biblioteca e utilizado pelos

estudantes e comunidade escolar. As atividades desenvolvidas na Escola Municipal Mestre Ataíde foram realizadas em sala de

aula, nas diciplinas de Português, Artes e Inglês, na biblioteca,

no laboratório de informática e no Projeto Escola Integrada. Na culminância do projeto, ficou claro que os estudantes que participaram tiveram a oportunidade de mostrar para a

comunidade escolar seus talentos na dança, na música, na arte da declamação e na arte de editar vídeos, usando o que

aprenderam no trabalho de pesquisa. O contato com a música, poesias, crônicas e documentários permitiu aos estudantes

conhecer o poeta, sua obra e principalmente o desenvolvimento da leitura e escrita.

Palavras­chave: Vinícius de Moraes. Literatura. Cultura. Tecnologia.

Escola Municipal Presidente Itamar Franco NO ESPORTE, O TEMPO É SAGRADO

Rebeca Stefany de Araújo, Matheus Henrique dos Santos, Marcos Vinicius Andrade

Carvalho, Victtor Luiz Aguiar Amaral, Ludmila Stefane Batista Amaral, Gabrielle Lorena Amorim dos Santos

No esporte, é fundamental aliar força, flexibilidade, coordenação, velocidade e tempo. Abordar as adaptações fisiológicas que

ocorrem nas fibras musculares durante o exercício de atividades físicas ajuda a compreender o desenvolvimento de atletas

profissionais que alcançam bons resultados na esfera esportiva.

Nesse sentido, a turma se envolveu em estudar um esporte que revela esses princípios de modo admirável, o atletismo. Palavras­chave: Esporte. Física. Velocidade. Tempo.

10


Escola Municipal Professor Hilton Rocha PROJETO DE PESQUISA NA EMPHR

Bruna Carolaine, Eliane da Cunha, Guilherme Augusto de A. Araújo, Maísa Souza Mikaely Pereira

Por meio das pesquisas “O Beijo” e “Adolescência”,

demonstramos como é desenvolvido o projeto de pesquisa na

Escola Municipal Professor Hilton Rocha. A partir das questões surgidas no nosso Memorial, divididos em dois grupos, nós partimos para uma pesquisa teórica, registramos os

conhecimentos adquiridos nos fichamentos e, em seguida,

elaboramos um artigo científico. Como parte final do trabalho,

apresentaremos nossa produção para uma banca composta de professores, tendo nossos colegas de turma como convidados. Palavras­chave: Questões. Produção de conhecimento. Socialização.

Escola Municipal Murilo Rubião

AQUECEDOR SOLAR DE BAIXO CUSTO

Alan Rodrigues da Silva, Eduardo Lemes Nascimento, Mateus Gomes Araújo, Raphael Martins Santos Ferreira, Thiago Freitas Delphino ­ do 9º ano Orientadora: Prof.ª Sandra Helena Breder de Barros

O presente trabalho, de cunho sustentável, pretende demonstrar a existência de um substituto alternativo e acessível às formas

convencionais de energia que não polui o meio ambiente e que pode ser eficiente conforme condições básicas de produção e

implantação. Visando ao uso de coletores solares de baixo custo, o projeto busca estimular a adoção e a prática de uma técnica

simples, em moradias, pousadas, hotéis, estádios entre outros locais que gerem aos usuários hábitos de postura e respeito ecologicamente corretos na utilização de fontes energéticas

sustentáveis. Por meio de metodologias didático­educativas e interdisciplinares, objetivamos conscientizar as pessoas da

existência de um tipo de energia alternativa de baixo custo que utiliza uma fonte inesgotável, abundante ­ o sol ­, de fácil mão

11


de obra e baixo custo, útil e inovadora e que pode ser

interessante por incentivar soluções economicamente viáveis ao

reduzir a conta de luz. Buscamos também promover a interação educando­escola, levando a comunidade envolvida a uma

reflexão sobre ética e responsabilidade na melhoria de qualidade de vida, além de incentivar a adoção, expansão e atuação de

uma consciência socioambiental local, como disposta na Política Nacional de Educação Ambiental ­ PNEA.

Palavras­chave: Energia alternativa. Aquecedor solar. Baixo custo.

Escola Municipal Florestán Fernandes

COMO FAZER TINTA MAGNÉTICA CASEIRA Wemerson Henrique, Irlan Aender e Mateus Batista

Diante da oportunidade de apresentar trabalhos na Feira de

Ciências, os estudantes demonstraram interesse em apresentar uma prática, vivenciada na Escola Integrada, que envolve a

construção de um produto que exemplifica uma aplicação de forças magnéticas. Os estudantes optaram por apresentar o

processo de fabricação de “tinta magnética” e explicar como

utilizá­la artisticamente. No trabalho, os estudantes entraram em contato com materiais de propriedades magnéticas e se

envolveram durante a sua fabricação, elaborando dúvidas e buscando respostas em pesquisas em livros e entrevistas. Palavras­chave: Forças magnéticas. Tinta magnética. Atividade prática.

Escola Municipal Hilda Rabello Matta CULTIVO NA VERTICAL Ivan Luís da Silva

A experiência no ensino de Ciências, aliada a conversas com

estudantes e seus responsáveis, possibilitou que eu percebesse que:

• eles, em grande parte, gostam de cultivar ervas, temperos, vegetais para alimentação e ornamental;

12


• os gastos com esses gêneros representam uma parcela significativa do orçamento mensal;

• por viverem numa cidade capital, os espaços para o cultivo na horizontal são escassos; • há interesse dos estudantes em desenvolver projetos alternativos de hortas.

Com base nesses dados, procurei organizar uma proposta para realizar uma forma de agricultura urbana que possa dar

condições aos estudantes e familiares de desenvolver essa

prática em espaços restritos e com baixo custo, bem como de servir como ornamentação. 1º passo

Produção de um composto orgânico com restos de vegetais que seriam descartados como lixo, para servir de substrato para os cultivares que serão plantados.

2º passo

Produzir os cultivares a partir de semeaduras, estaquias ou de outras formas...

3º passo

Adquirir bambus e os seus internos servirão de canteiros.

Palavras­chave: Cultivo vertical. Plantio.

Escola Municipal Secretário Humberto Almeida

HÁBITOS ALIMENTARES E SEUS REFLEXOS NO ESTÔMAGO Bruna Gonçalves, Déborah Matos, Eliane Estéfany, Graziely da Silva Jéssica Mendes, Jéssica Naiara

Uma alimentação saudável é fundamental para o bom

funcionamento do nosso corpo. Segundo alguns pesquisadores, uma alimentação balanceada contribui não somente para uma

boa qualidade de vida, mas também para a longevidade. E, ao contrário, uma má alimentação pode levar o indivíduo a ter

desde problemas simples até o aparecimento de doenças graves. 13


Por esse motivo, decidimos pesquisar sobre a influência da ingestão de certos alimentos e possíveis reações no nosso estômago. A pesquisa teve três momentos: levantamento bibliográfico, entrevista e a realização de experiências.

A pesquisa bibliográfica mostrou que são várias as doenças estomacais, sendo as mais comuns a dispepsia funcional, o

refluxo e a úlcera, e que essas doenças podem ser provocadas ou acentuadas pelos tipos de alimentos que ingerimos. A

entrevista nos fez entender que são várias as causas das

doenças estomacais: obesidade, ansiedade, bactérias (H. Pilore), alimentos gordurosos, álcool e cigarro.

As experiências com a combinação de alguns alimentos e com

atuação de antiácidos nos fizeram perceber que alguns tipos de alimentos, inseridos juntos, podem provocar reações ruins,

como, por exemplo, a acidez no estômago. Concluímos que

nossa alimentação influencia diretamente a nossa qualidade de vida e que é fundamental uma alimentação saudável e

balanceada para o bom funcionamento do nosso corpo e para prevenir futuras doenças estomacais. Palavras­chave: Alimentação. Saúde. Estômago.

Escola Municipal Secretário Humberto Almeida

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NO COMPORTAMENTO HUMANO

Ana Vitória Moreira, Laila Amariles, Thainara Thaís, Ytália Nunes

A música é uma linguagem universal, tendo participado da história da humanidade desde as primeiras civilizações. A

música, como tudo em nosso ambiente, nos influencia. Segundo alguns pesquisadores, a música afeta o caráter e a sociedade,

pois cada pessoa é capaz de trazer para dentro de si harmonia

que acaba influenciando os pensamentos, as emoções, a saúde, os movimentos do corpo, gerando estresse e favorecendo

distúrbios cardíacos, emocionais, gástricos, entre outros, ou 14


seja, influencia todo o bem­estar do ser humano.

Assim, a pesquisa pretendeu mostrar que a música influencia o comportamento das pessoas. Para isso, adotamos a seguinte

metodologia: pesquisa bibliográfica sobre a influência da música no comportamento das pessoas e a pesquisa de opinião para levantar qual estilo musical cada faixa etária mais escuta. A

pesquisa foi realizada na própria escola e nos bairros Novo Aarão Reis, Monte Azul, Ribeiro de Abreu e Tupi.

Os resultados mostram que a música pode influenciar o

comportamento humano, inclusive há terapias que envolvem a música (musicoterapia) no tratamento de pessoas. Já os

resultados da pesquisa de opinião mostram que os adolescentes gostam mais de funk, enquanto os adultos preferem o estilo sertanejo. Concluímos que a música, de um modo geral,

interfere em nosso comportamento e que alguns estilos musicais sofrem preconceito.

Palavras­chave: Música. Comportamento. Jovens e adultos.

Escola Municipal Florestán Fernandes

LEGIÃO URBANA: GERAÇÃO COCA­COLA­CRACK

Aline Silva, Ana Estéfane, Beatriz Sarah, Karina de Souza, Rayssa Hevelin, Tainá da Costa

O uso de drogas está presente em jovens que frequentam a escola e vivem na comunidade ao seu redor. As alunas

justificaram o interesse no tema por julgar que as oportunidades para discuti­lo são restritas não só fora, mas também dentro da escola. Com essa intenção, elas realizaram entrevistas com

colegas sobre o uso de drogas ilícitas. Dos cinquenta jovens

entrevistados, a maioria (60%) era usuária ou já teria usado maconha e loló; e dez pessoas do total já teriam usado

maconha, crack, loló e pó. Durante o processo do trabalho, as

alunas pesquisaram mais informações como os seus efeitos no organismo e a possibilidade de vício. Palavras­chave: Drogas ilícitas. Adolescência.

15


Escola Municipal Secretário Humberto Almeida ILUSÃO DE ÓTICA

Amanda de Almeida Pereira, Bruna Cristina Lelis de Miranda, Cindy Lorrane Alves,

Diana Kelly de Almeida Rocha, Rayane Caroline Freire de Jesus, Yngred Myllena Silva Mendes

Ilusão de ótica é a impressão primeira que nos fica ao

analisarmos a ocorrência de um fenômeno. É um assunto curioso e interessante. Está presente em nosso dia a dia e é muito

usado em várias formas de diversões. Esse assunto nos dá a oportunidade de produzir vários objetos para as pessoas

manusearem e experimentarem como funciona a ilusão de ótica e observar imagens interessantes obtendo impressões variadas de pessoa para pessoa.

A pesquisa teve duas etapas: na primeira, foi realizado um

levantamento bibliográfico sobre a ilusão de ótica. Houve aula

expositiva e esclarecimento de dúvidas , com orientações para a confecção dos objetos que geram ilusão de óticas. A segunda

fase foi de confecção dos objetos que produzem ilusão de ótica e a utilização destes por outras pessoas (estudantes, funcionários, professores, comunidade), para observação das impressões de cada um. Passamos, então, à produção dos objetos que proporcionam a experiência sobre ilusão de ótica; à

experimentação com os objetos produzidos durante o trabalho e vivenciados pelos estudantes da escola, para demonstração e

comprovação dos fenômenos. Como era esperado, constatamos

as várias impressões obtidas de pessoa para pessoa. Concluímos que as impressões visuais nem sempre são como se apresentam à primeira vista. As pessoas apresentam impressões diferentes

umas das outras e expressam grande prazer em vivenciar essas experiências.

Palavras­chave: Ilusão de ótica. Olho.

16


Resumos - nº 1  
Resumos - nº 1  

Caderno de resumos da 3a Feira de Ciências, Cultura e Tecnologia da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte

Advertisement